Você está na página 1de 29

1

INTRODUÇÃO
Prezado Aluno,

Auxilia-lo na elaboração de trabalhos acadêmicos é uma das obrigações das Instituições de


Ensino Superior (IES), e, por conseguinte, da Universidade Cândido Mendes.

Nosso objetivo é refletir, discutir e apontar as atitudes responsáveis que são necessárias para
a aprendizagem eficiente e a busca pela autonomia intelectual visando prepará-los para a
produção de trabalhos científicos. Assim bem como auxiliar na normatização da redação
acadêmica que acaba por ser prerrogativa “sine qua non” do “ethos” universitário.

Esse manual surgiu para apresentar as normas técnicas (baseadas nas normas da Associação
Brasileira de Normas Técnicas- ABNT), que deverão ser utilizadas para a elaboração,
organização, redação e apresentação dos trabalhos acadêmicos solicitados pela Universidade
Cândido Mendes, almejando, por conseguinte, uniformidade na apresentação dos mesmos.

É bem certo que a normatização de trabalhos científicos apresente algumas mais


especificidades não abordadas neste manual, posto que o mesmo pretende em primazia ser
didático e esclarecer pelo menos as normas mais correntes na graduação. Preferimos, 2
portanto, antes dar uma boa base das pedras angulares da formatação dos textos em meio
acadêmico em nível de graduação plena do que saturar o discente de informações que nesta
etapa de sua vida universitária seriam supérfluas.

O atendimento as exigências das normas da ABNT acarretarão em um projeto gráfico


esteticamente mais atraente, além de ordenado e excelente referência para levantamento de
dados bibliográficos ulteriores.

Parabéns e bons estudos!

A seguir, daremos algumas instruções para nossa caminhada.


DISPOSIÇÕES GERAIS
Este texto regula os procedimentos concernentes ao Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da
Universidade Candido Mendes (UCAM).

a) O Trabalho de Conclusão de Curso está baseado nas seguintes normas da Associação Brasileira de
Normas Técnicas (ABNT): NBR 6023, 6024, 6025, 6027, 6028, 10520, 12899 e 14724. Tais normas
definem a produção, apresentação e correção dos trabalhos acadêmicos para as Universidades
brasileiras.
b) A aprovação do Trabalho de Conclusão de Curso é requisito para a obtenção do Certificado de
Conclusão do curso de pós-graduação.
c) Os Trabalhos de Conclusão de Curso de Pós-Graduação da Universidade Candido Mendes deverão
seguir as orientações e diretrizes de formatação contidas no MANUAL DE TCC disponível no site.
d) O Trabalho de Conclusão de Curso é individual e a aprovação está condicionada e relacionada a:
• O tema do seu trabalho deve ser pertinente ao seu curso de pós-graduação. É necessário
que o seu objeto de pesquisa seja coerente com a área para a qual você está se especializando.

• Por ser uma produção de trabalho acadêmico voltado a especialização profissional, a


Universidade Cândido Mendes não disponibiliza professor orientador para os alunos
concluintes, assim, entendemos que você irá produzir um trabalho similar ao material que
prepararia em qualquer empresa ou em sua atividade profissional.

• Produção de um artigo ou de uma monografia dentro das normas, orientações e diretrizes


estabelecidas nas Disposições Gerais e no Manual de TCC;
3
• Entrega em 2 (dois) arquivos digitais, sendo um editável (word) e um para impressão (pdf),
ambos enviados por e-mail.

• O texto necessita de correção gramatical e ortográfica. É importante lembrar que trechos


retirados de outros artigos devem ser devidamente citados, atribuindo os créditos ao autor do
texto original. Faz-se necessária uma revisão do seu texto buscando verificar se há algum
trecho que se enquadra na situação acima. É importante, também, levar em consideração, na
escrita do seu texto, as regras ortográficas e gramaticais, evitando uma escrita mais coloquial
(que não condiz com um curso de nível superior) e evitando problemas de coesão e coerência
textuais.
e) A banca examinará critérios como clareza, objetividade, segurança, nível de conhecimento,
formatação do trabalho, conteúdo, ortografia, aspectos teóricos e metodológicos e diálogo com a
bibliografia especializada para definir a nota do trabalho. Também será levado em conta o esforço do
aluno em cumprir com os prazos e com as exigências do TCC.
g) O aluno precisa obter minimamente nota 7,0 (sete) para ser aprovado, não havendo reavaliação.
h) O TCC (artigo ou monografia) poderá ser enviado a partir da finalização do 4º mês de
curso para correção e análise pelos professores da UCAM/ESPG, para o e-mail
tcc@espg.com.br, porém a nota somente será liberada após a conclusão de todas as aulas e
aprovação nas AVD (avaliação à distância), se disponíveis.
O QUE REPROVA NO TCC E COMO EVITAR
A) COMETER PLÁGIO
Plagiar é, sem dúvidas, um dos principais motivos para um TCC ser reprovado pela banca. O
aluno comete plágio quando faz a cópia de trechos de outros autores sem fazer a citação da
fonte. Essa prática é muito mais do que um pecado acadêmico, também é considerada um
crime pela lei dos direitos autorais.
B) FUGIR DO TEMA
Alguns estudantes não seguem delimitam corretamente o tema e acabam montando um TCC
mal estruturado, ou seja, “sem pé e nem cabeça”. Na hora de escrever, falta foco, por isso o
tema do trabalho não é bem redigido.
C) FALTA DE NORMATIZAÇÃO
O aluno não pode fazer um TCC da forma que bem entender. Ele precisa seguir um processo
e respeitar a normatização. Todo trabalho de conclusão de curso deve conter Introdução,
Desenvolvimento, Conclusão e Referência. Também é essencial respeitar as regras de
formatação, determinadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).
D) TRABALHO DESORGANIZADO
Em alguns casos, o trabalho de conclusão de curso até possui um tema interessante, mas o
4
aluno é incapaz de fazer a pesquisa de forma organizada e coerente. Os membros da banca
conseguem, facilmente, identificar quando o acadêmico se perdeu no conteúdo e deixou as
“ideias soltas” no papel.
E) FALTA DE ORIGINALIDADE
A falta de originalidade não costuma ser um motivo frequente de reprovação, mas se for
combinada a um ou dois dos fatores dispostos acima, pode garantir uma nota insuficiente.
Portanto, evite escolher um tema sem relevância para a área acadêmica ou sem relação com
o curso.
F) COMPRAR TRABALHO PRONTO
Com o objetivo de se livrar do trabalho que envolve a elaboração da monografia ou artigo,
muitos acadêmicos acabam comprando o TCC pronto. Esse tipo de situação é mais difícil de
identificar do que o plágio, mas coloca o estudante numa situação bem frágil visto que ele
não conseguiria, se fosse esse o caso, defender seu trabalho (durante uma apresentação).
ORIENTAÇÕES INICIAIS
Os alunos dos cursos de pós-graduação da UCAM - Universidade Candido Mendes poderão
optar por fazer o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) por meio de um artigo científico ou
de uma monografia.

Abaixo seguem informações gerais sobre os dois modelos de trabalho.

1) ARTIGO CIENTÍFICO:

Artigo científico é um trabalho monográfico apresentado de forma sintética e objetiva e pode


ser resultado de uma pesquisa independente ou um desenvolvimento acadêmico. O trabalho
deve constar de:
• CAPA
• FOLHA DE ROSTO
• FOLHA DE APROVAÇÃO
• RESUMO
• INTRODUÇÃO
• DESENVOLVIMENTO
• CONCLUSÃO
• REFERÊNCIAS

1.1) LIMITE DE PÁGINAS: 5


• Mínimo de 10 páginas e máximo de 20.

2) MONOGRAFIA:

A monografia é um trabalho de conclusão de curso onde o acadêmico deve apresentar uma


pesquisa sobre fontes primárias e/ou secundárias. O trabalho deve constar de:

• CAPA
• FOLHA DE ROSTO
• FOLHA DE APROVAÇÃO
• RESUMO
• SUMÁRIO
• INTRODUÇÃO
• CAPÍTULO 1
• CAPÍTULO 2
• CAPÍTULO 3
• CONCLUSÃO
• REFERÊNCIAS
2.1) LIMITE DE PÁGINAS:
• Mínimo de 20 páginas e máximo de 40.

3) COMO ELABORAR SUA MONOGRAFIA OU ARTIGO?

Para a elaboração da monografia ou do artigo científico, é necessário seguir orientações


conforme adaptação das Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas para Trabalhos
Acadêmicos: NBR 6022/2003, 6023/2002; 6024/2003; 6028/2003 e 10520/2002.

3.1) PAPEL:
• Papel formato A4: 210mm X 297mm.

3.2) MARGENS:
• Superior - 3cm;
• Inferior - 2cm;
• Esquerda - 3cm;
• Direita - 2cm.

3.3) ESPAÇAMENTO:
• Entre linhas e entre parágrafos é 1,5;
• Parágrafos: justificados;
6
As notas de rodapé devem ser digitadas dentro das margens, ficando separadas do
texto por um espaço simples entre linhas e por um filete de 3cm a partir da margem
esquerda;

3.4) NUMERAÇÃO:
• De páginas: no canto superior direito iniciando na introdução do trabalho;
• Os títulos dos capítulos devem aparecer sem indicativo numérico: resumo,
referências bibliográficas, glossário, apêndice, anexo, índice (centralizados).

3.5) FONTE:
• Tipo de fonte: ARIAL ou TIMES NEW ROMAN
• Tamanho da fonte:
• No título do artigo (em letras maiúsculas) = 12;
• No nome do(s) autor(es) = 10;
• Na titulação (nota de rodapé) 10;
• No resumo = 10;
• Nas palavras-chave = 12;
• Na redação do texto (introdução, desenvolvimento e conclusão) = 12;
• Nas citações longas = 10
• Nas referências = 12.
3.6) CITAÇÃO:
(Utilizando o sistema autor: data)
Colocar o sobrenome do autor, ano da publicação da obra e número da página.

Ex.1: Citação direta com até 3 linhas:


As características da "educação militar compartilhada pelos homens e mulheres
espartanas" são tão conhecidas que não vale a pena perdermos tempo em descrevê-
las (PONCE,1994, p.37).

Ex.2: Citação direta passando de 3 linhas:

Assim podemos ilustrar o conceito de nação:


A nação pode ser uma figura coletiva do Sujeito. Ela é o quando se define
simultaneamente pela vontade de viver junto no quadro de instituições livres e por
uma memória coletiva. (TOURAINE, 1994, p.45).

(Utilizando o sistema numérico)


No sistema numérico, a lista de referência deve seguir a ordem numérica crescente
que o programa WORD da Microsoft já faz de forma automática na aba “Referências”,
“Inserir Nota de Rodapé”. 7

3.7) ILUSTRAÇÕES:
Qualquer que seja seu tipo (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos,
mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros) sua identificação aparece
na parte inferior, precedida da palavra designativa, seguida de seu número de ordem
de ocorrência no texto, em algarismos arábicos, do respectivo título e/ou legenda
explicativa de forma breve e clara, (dispensando consulta ao texto), e da fonte. A
ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere,
conforme o projeto gráfico.

Exemplo:

Cartoon de Norman Rockwell, representando a dificuldade que se tinha em


ter ideias para suas ilustrações para o Washington Post.
3.8) TABELAS:
• Apresentam informações tratadas estatisticamente, conforme IBGE, 1993;
• Tem numeração independente e consecutiva;
• O título é colocado na parte superior, precedido da palavra Tabela (somente a inicial
maiúscula) e de seu número de ordem em algarismos arábicos;
• As fontes citadas, na construção de tabelas, aparecem no rodapé das mesmas;
• As notas também são colocadas no rodapé da tabela, após as fontes;
• As tabelas devem ser inseridas o mais próximo possível do trecho a que se referem;

3.9) REFERÊNCIAS:

As fontes que os discentes utilizam em suas pesquisas são fundamentais para sua
validade no meio acadêmico, por isso, neste último item, seja do artigo, seja da
monografia, o discente deve apresentar as fontes que utilizou em seu trabalho.
Geralmente na graduação, trata-se de um trabalho bibliográfico onde o discente
estabelece um diálogo com autores clássicos ou atuais sobre determinado assunto.

Exemplo:

BIBLIOGRAFIA:
BIER, Olavo. Bacteriologia e imunologia. São Paulo: Melhoramentos, 1957. 8
FRAGOSO, João. Homens de Grossa Aventura. Rio de Janeiro: Record, 2002.

3.10) ESTRUTURA DOS ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS DO TCC:


• Elementos pré-textuais:
- CAPA (obrigatório, vide exemplo no anexo 1).
- FOLHA DE ROSTO: (obrigatório, vide exemplo no anexo 2).
- FOLHA DE APRESENTAÇÃO: (obrigatório, vide exemplo no anexo 3).
- DEDICATÓRIA (Opcional).
- AGRADECIMENTOS (Opcional).
- SUMÁRIO (obrigatório).

4) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO


O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é nomenclatura típica de texto indispensável à
obtenção de grau em toda e qualquer faculdade que pode assumir características de ensaio,
artigo científico, formato monográfico, etc. O que vai depender das exigências da Instituição
e/ ou da Coordenação do curso a que se encontra vinculado o acadêmico.
O Trabalho é resultante da sistematização dos estudos acerca de uma problemática oriunda
de um tema determinado. Que acaba por pretender alcançar respostas por meio da aplicação
de métodos científicos.
Seja qual for a forma de texto que caracterizará o TCC a delimitação clara, objetiva e viável
do tema como o diálogo com outras fontes (livros, teses, dissertações, entrevistas, periódicos,
etc.) são imprescindíveis a sua realização.
O Trabalho de Conclusão de Curso deve ser impessoal, ou seja, ser redigido na terceira
pessoa, além de claro e objetivo deve ser escrito no idioma do país de origem e apresentar
originalidade, como também profundidade.

5) FORMATAÇÃO DO PROJETO GRÁFICO

5.1) FORMATO E MARGENS


• Os trabalhos devem ser digitados em papel branco formato A4 (210mm x 297mm),
numa só face da folha, em espaço 1,5 cm de entrelinhas e entre os parágrafos.
• Deve- se usar a letra Arial ou Times New Roman, tamanho 12, exceto para citações
de mais de três linhas, notas de rodapé, legendas nos quais deve ser usado tamanho
10” [1] e espaçamento de 1,0 cm (simples) de entrelinhas.
• Após o título, devem-se deixar 2 espaços para iniciar o parágrafo.
• Para as margens, devem- se considerar as medidas de 3 cm à esquerda e em cima, 2
cm à direita e na parte inferior.
• O parágrafo deverá apresentar um recuo de 1,25 cm da margem esquerda na
primeira linha.
9
5.2) PAGINAÇÃO
• A numeração das respectivas páginas deverá constar na parte superior direito de
cada lauda (observe como exemplo o Manual de TCC).
• A capa não conta para numeração.
• Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadas
sequencialmente, mas não numeradas [2].
• A numeração aparece, somente, a partir do início da parte textual.
• Havendo apêndice e anexo, as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua
e sua paginação dar seguimento à do texto principal [3].

5.3) NUMERAÇÃO PROGRESSIVA DOS CAPÍTULOS


Visando a melhor distribuição do conteúdo do trabalho, recomenda-se o uso da
numeração progressiva (usar algarismos arábicos) para as seções do texto,
destacando-se os títulos das seções primárias em CAIXA ALTA em tamanho 14.
As seções sequentes as primárias terão tamanho 14 e não estarão em caixa alta. Não
há recuo de 1,25 da margem esquerda.
Não obstante “os títulos [pré-textuais] sem indicativo numérico, como lista de
ilustrações, sumário, agradecimentos, resumo, referências e outros devem ser
centralizados” [4].
Seguir o exemplo:
1. TÍTULO
1.1. Seção
1. 2. Seção

2. TÍTULO
2.1. Seção
2. 2. Seção
2. 2. 1. Seção

6) APRESENTAÇÃO DO PROJETO GRÁFICO

6.1) ESTRUTURA GERAL DO TRABALHO CIENTÍFICO


O trabalho científico é constituído de três partes fundamentais denominadas: pré-
textual, textual e pós-textual.

10
a) Na parte pré-textual encontram-se os elementos antecedentes do texto.
Respectivamente: capa, folha de rosto, dedicatória, agradecimentos, epígrafe, resumo
em língua vernácula (nativa), resumo em língua estrangeira, lista de ilustrações, lista
de tabelas, lista de abreviaturas e siglas, lista de símbolos e sumário;
b) A parte textual é composta de introdução, desenvolvimento e conclusão;
c) Na parte pós-textual encontram-se as referências, glossário, apêndice, anexos e
índice.

6.2. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS [5]

6. 2. 1. CAPA
É a “proteção externa do trabalho sobre a qual se imprimem as informações
indispensáveis à sua identificação” [6]. Deve conter informações que identificam o
trabalho: instituição e local onde deve ser apresentado, nome do autor, título, subtítulo
(se houver), local e ano da entrega, sendo parte obrigatória do trabalho [7] (Anexo A).

6. 2. 2. FOLHA DE ROSTO
Contém dados essenciais à identificação do trabalho e é elemento obrigatório [8]
(Anexo B), na seguinte ordem:
• Instituição e local onde deve ser apresentado;
• Nome do responsável pelo trabalho; 11
• Título principal do trabalho - deve conter palavras que identifiquem o conteúdo, de
maneira clara e objetiva;
• Subtítulo (se houver) - deve ter relação com o título principal, antecedido de dois
pontos (:);
• Finalidade do trabalho - natureza do trabalho e identificação do curso;
• Nome do professor;
• Local e ano da entrega.

6.2.3) FOLHA DE APROVAÇÃO


É elemento obrigatório [9] do TCC inserido após a folha e rosto (Anexo C). Deve conter
os respectivos elementos informativos:
• Nome do aluno;
• Matrícula acadêmica do discente;
• Título do trabalho em negrito fonte 12;
• Indicação da faculdade (curso) que é oriundo o projeto gráfico;
• Nome da disciplina vinculada ao TCC;
• Espaço para preenchimento posterior da nota;
• Espaço para data da apresentação do TCC;
• Espaço para assinatura dos respectivos professores avaliadores;
• Título e nome completo dos conseguintes avaliadores.
A data de aprovação e as assinaturas dos professores membros da banca avaliadora
devem ser postas após a aprovação do trabalho [1010].

6.2.4) RESUMO
Será composto por um único parágrafo que conterá entre 150 (cento e cinquenta) e
500 (quinhentas) palavras [11] sucedido por até 5 (cinco) das palavras mais
significativas para a compreensão da pesquisa antecedidas pela expressão “Palavras-
chave” em negrito seguida de dois pontos.

O resumo apresentará objetivamente as propostas do Trabalho de Conclusão de


Curso, sua estrutura, ideias centrais e de modo optativos as conclusões da pesquisa.
Em suma, é a “apresentação concisa dos pontos relevantes de um texto fornecendo
uma visão rápida e clara do conteúdo (...) do trabalho” [12]. Deverá, ainda, ser escrito
na terceira pessoa do singular [13] sem apreciações acerca do mérito ou demérito do
trabalho [14].

A primeira linha do resumo não terá recuo de 1, 25 cm, o espaçamento de entre linhas
será de 1, 5 cm em fonte 12 Arial ou Times New Roman e o título RESUMO deverá
estar centralizado [15] (Anexo D).

6.2.5) SUMÁRIO 12
Trata-se da enumeração das divisões e subdivisões do trabalho na mesma ordem em
que a matéria nele sucede, dando a localização dessas partes na obra. Deve-se usar a
mesma numeração progressiva usada no desenvolvimento do texto. Com a indicação
das páginas correspondentes no texto. É o último elemento pré-textual [16].

7) PARTE TEXTUAL DO TRABALHO

7.1) INTRODUÇÃO
A introdução é a parte do trabalho que insere o leitor na pesquisa efetuada e redigida.
Deve ser convincente e conter argumentos que destaque a importância da leitura [17]
do projeto gráfico. Nela deve está exposto e delimitado o tema, a justificativa e
relevância da pesquisa de sua escolha, sua fundamentação teórica, formulação do
problema, localização espaço-temporal do tema, indicação da metodologia e
hipótese. Ainda, a deliberação parcial do conteúdo dos capítulos do texto. Além da
determinação dos objetivos [18]. “Deve-se evitar que a introdução antecipe o
desenvolvimento e a conclusão do texto” [19].
7.2) DESENVOLVIMENTO DO TEMA
É a parte principal do trabalho. Nela está ordenado, de modo pormenorizado, o
assunto da pesquisa e as respectivas conclusões. Como também, a revisão da literatura
consultada durante as pesquisas e a metodologia. Em suma, “detalha a pesquisa ou
estudo realizado” [20]. Deve ser escrito na primeira pessoa do plural e/ ou terceira
pessoa do singular.

6.3) CONCLUSÃO
A bem da verdade, senhores, há um desacordo velado e que não é normatizado acerca
do título desta etapa do projeto gráfico. Existem autores que irão preferir Conclusão
outros Considerações Finais.

De pronto apontamos que cientificamente o segundo é mais acertado haja vista que
enquanto o primeiro dá a entender que a pesquisa sobre o tema chegou ao seu termo
com o texto ora apresentado, o segundo abre um leque de possibilidades para
pesquisas ulteriores.

A conclusão (ou considerações finais) tem por finalidade recapitular sinteticamente os


resultados da pesquisa elaborada. A manifestação do ponto de vista do autor do
projeto gráfico, identificando o sentido e valor do conteúdo para a aprendizagem. E,
ainda, destaque dos aspectos mais relevantes da pesquisa. Não deve conter dados 13
novos não contidos no desenvolvimento do trabalho. A conclusão “apresenta uma
síntese da introdução e desenvolvimento. É o fecho do trabalho dissertativo e deve ser
objetiva e clara” [21].

8) REFERENCIAÇÃO

A referência é o conjunto de informações que identificam os livros documentos e/ou textos


utilizados na pesquisa - dão o endereço da fonte de informação consultada.

Ela terá o espaçamento entre linhas de 1,5 cm e não será efetuado o recuo. Será alinhada
somente à margem esquerda. As referências serão ordenadas em ordem alfabética segundo
o nome do autor da respectiva publicação. Os títulos das consecutivas obras devem ser
destacados em negrito, itálico, ou sublinhados [22]. Isto ocorrerá, contudo, somente com o
título principal; posto que no caso de ocorrência de subtítulo este será separado do título
central por dois pontos (:) e será digitado de modo não destaque.

Nas referências de livros os elementos essências a serem mencionados, de modo respectivo,


são o nome do autor, título da obra, como mencionado em destaque em itálico, negrito ou
sublinhado e o subtítulo, caso haja, separado do título principal sem grifos [23].
Os elementos complementares, de modo consecutivo, são:
• O nome do diretor, tradutor, ilustrador, organizador, etc.;
• O número da edição que será representado, por exemplo: 7. ed.;
• Local da publicação;
• Logo após, separado por dois pontos a editora;
• Precedendo a vírgula posterior a editora, o ano de publicação.
• Caso a obra pertença a uma série ou coleção sua denominação deverá aparecer entre
parênteses seguida por vírgula para por fim, em algarismo arábico, ocorrer a indicação
de seu número [24].

Veja os EXEMPLOS a seguir:

• Referência simples:
ALVES, Jorge Luiz da Silva. Sagitário. Rio de Janeiro: Quártica Premium, 2011.

•Referência até três autores:


MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. O manifesto do partido comunista. 6. ed. Rio de
Janeiro: Paz e Terra,1998.
BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes Trassi.
Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. 14. ed. São Paulo: Saraiva,
2008.
14
• A partir de quatro autores apenas o nome do primeiro autor é indicado, seguido pela
expressão latina et al (e outros):
EPICURO et al. Os pensadores. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1985.

• Referência de livro com subtítulo somente o título principal é destacado:


CARVALHO, José Murilo de Carvalho. A formação das almas: o imaginário da
república no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

• Referência de livro com tradutor:


VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. Tradução Ísis Borges
B. da Fonseca. 5. ed. São Paulo: Difel, 1986.

• Referência de livro integrado em coleção:


MORE, Tomas. A Utopia. Tradução Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret,
2002. (Coleção a Obra-prima de Cada Autor, 40).

• Indicação referencial “quando uma entidade coletiva assume integral


responsabilidade por um trabalho” [25]:
IBGE. Diretoria Técnica. Geografia do Brasil. Rio de Janeiro: Sergraf-IBGE, 1977.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros
curriculares nacionais: introdução. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
• Referência de livro pelo organizador, editor, compilador, etc.:
BRANDÃO, Alfredo de Barros L. (Comp.). Modelos de contratos, procurações,
requerimentos e petições. 5. ed. São Paulo: Trio, 1974.

Em casos de documentação jurídica entre as quais: legislação, jurisprudência e


doutrina. Os elementos essenciais são jurisdição, título, numeração, data e dados da
publicação.

Exemplos:
• BRASIL. Código civil. 46. ed. São Paulo: Saraiva, 1995.
• BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional n. 9, de 9 de novembro de 1995.
Lex: legislação federal e marginalia, São Paulo, v.59, p. 1966, out./dez. 1995.
• SÃO PAULO (Estado). Decreto no 42.822, de 20 de janeiro de 1998. Lex: coletânea de
legislação e jurisprudência, São Paulo, v. 62, n. 3,p. 217-220, 1998.

Na referência de fontes consultadas online é imprescindível a indicação do endereço


eletrônico ao qual ela está vinculada. Aquele deverá aparecer entres os respectivos símbolos
< >, antecedido por “Disponível em:” precedido pela expressão “Acesso em:” [26].

Exemplo:
• FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Disponível em: <http://www. 15
nodo50.org/insurgentes/biblioteca/A_Microfísica_do_Poder_-_Michel_Foucault.pdf>.
Acessado em 17 abr. 2014.

Se tratando de indicações referenciais oriundas de meio eletrônico aconselhasse que elas


estejam vinculadas a material de longa duração na rede [27].

Nos casos de referência de artigos de obras impressas periódicas, tais quais revistas ou
jornais. Os elementos fundamentais são os respectivos: “autor” (caso haja) “título, título do
jornal, local de publicação, data de publicação [o mês deve ser abreviado], seção, caderno ou
parte do jornal e a paginação correspondente [exemplo 1]. Quando não houver seção (...) a
paginação do artigo ou matéria precede a data” [28] este é o caso do exemplo 2. O que ficará
em destaque é o nome do periódico.

Exemplo 1:
NAVES, P. Lagos andinos dão banho de beleza. Folha de S. Paulo,
São Paulo, 28 jun. 1999. Folha Turismo, Caderno 8, p. 13.

Exemplo 2:
LEAL, L. N. MP fiscaliza com autonomia total. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 3, 25
abr. 1999.
Exemplo 3 (Publicações periódicas como um todo):
REVISTA BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. São Paulo: USP, 1986, 29 v. Anual

Exemplo 4 (Parte de uma publicação periódica):


CONJUNTURA ECONÔMICA. As 500 maiores empresas do Brasil. Rio de Janeiro FGV,
v. 38, n. 9, set. 1984.

9. CITAÇÃO

Antes de tudo: a citação surge como uma necessidade do pesquisador em fundamentar, por
meio de referências a pesquisas anteriores de outros ou dele mesmo, sua argumentação.
Portanto, o número de citações, quando e onde depende. Sendo, por isso, da ordem da
conveniência dissertativa.

O autor lança mão de um texto original para extrair a citação, podendo ser reproduzido
literalmente, interpretado, resumido ou traduzido. “As citações são os elementos retirados
dos documentos pesquisados durante a leitura de documentação (...) para corroborar as
ideias desenvolvidas pelo autor no decorrer do seu raciocínio” [29] ao longo do projeto
gráfico. Ou ainda, “menção, no texto, de uma informação extraída de outra fonte” [30]. “As
citações devem ser indicadas no texto por um sistema de chamada: numérica ou autor-data”
[31]. 16

“Os elementos que constituem a citação bibliográfica devem ser obtidos preferencialmente
da folha de rosto do livro” [32]. Aí o referenciador poderá encontrar dados importantes como
o nome do autor, título da obra, etc.

As transições literais ou diretas, ou seja, extraídas do texto consultado, devem respeitar todas
as características da redação original, da ortografia e pontuação originais.

A citação no texto, de até três linhas, vem incorporada ao parágrafo e transcrita entre aspas
duplas.

Exemplo:
Como afirma Fernando Pessoa: “Para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui: Sê
todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda
brilha, porque alta vive”.

A citação no texto, com mais de três linhas, é apresentada em parágrafo isolado, utilizando-
se recuo de margens à esquerda de 4 cm, com texto justificado [33]. Com o corpo da letra
menor (fonte 10) que o do texto em espaçamento simples (1cm), sem as aspas, tendo como
limite a margens direita do trabalho.
Exemplo:

Segundo o professor Ricardo Pântano Rodrigues:

Às vezes, de repente, a gente se vê envolvido em um problema aparentemente sem


solução. Surgem barreiras, obstáculos, mostrando-se intransponíveis. Tudo parecem
trevas, uma noite fechada onde não há sequer estrelas, permitindo orientação segura.
Bom mesmo, no entanto, é quando a gente, passado e resolvido o problema, percebe
a própria capacidade de lutar, esforçar-se, aos poucos vislumbrar saídas, e finalmente
encontrar a chave capaz de solucioná-lo. Melhor ainda, então, é notar que ela se
encontrava, o tempo todo, em estado latente, dentro de cada um de nós.

As citações indiretas ou livres são reproduções de ideias de outrem sem que haja transcrição
literal das palavras utilizadas. Apesar de livre, devem ser fiéis ao sentido do texto original.

Não necessitam de aspas. Considerando os exemplos acima:

Como afirma Fernando Pessoa, o sucesso só é alcançado por quem se dedica totalmente as
coisas.

Segundo Ricardo, cada um de nós tem a capacidade necessária para enfrentar os desafios da 17
vida, desde que nos esforcemos e tomemos as atitudes necessárias.

“Citação direta é”, portanto, “a transcrição textual de parte da obra do autor consultado” e a
“citação indireta pode ser entendida como texto baseado na obra de outro autor” [34]. Usa-
se:
a) (...) ou [...] quando da supressão de algum trecho da citação. Ex.: “Júpiter, feito de
fel, se esganiçava, gritando sobre a terra; porque gritar no céu, onde reinava, não lhe
servia de nada”. “Júpiter (...) se esganiçava, gritando sobre a terra; porque no céu (...)
não lhe servia de nada”;
b) [ ] quando de acréscimo ou comentários do autor que cita à citação;
c) Negrito ou itálico quando se almeja ênfase ou destaque a determinada palavra ou
expressão dentro da citação. Deve aparecer entre parênteses a sentença “grifo nosso”
ou “grifo do autor”.

A indicação da fonte no sistema numérico de referenciação é consecutiva remetendo-se a


lista de referências após a última parte textual do TCC (conclusão ou considerações finais).
Portanto, não se inicia a numeração das citações a cada página. Faz-se uso do algarismo
arábico.
Exemplo:
“A ventura da minha existência, sua unicidade talvez, repousa em sua fatalidade: eu (...)” 1.
_____________
1 NIETZSCHE, Friedrich. Ecce homo. Porto Alegre: L&PM, 2011. p. 22.

Caso as dúvidas persistam observe as referências do nosso Manual de TCC, uma vez que fora
escrito obedecendo a este sistema de chamada.

No sistema autor-data a consignação da fonte é feita pelo sobrenome do autor seguido da


data de publicação e da página entre parênteses. Nestes termos a referenciação acima citada
ficaria assim:

“A ventura da minha existência, sua unicidade talvez, repousa em sua fatalidade: eu (...)”
(NIETZSCHE, 2011, p. 22).

9.1) ILUSTRAÇÃO

Quando houver a necessidade de incluir no trabalho ilustrações (figuras, fotos,


desenhos etc.), devem aparecer o mais próximo possível do local em que são
mencionadas e destacadas no texto. A identificação da ilustração ocorrerá na parte
inferior da figura ilustrativa, consecutiva ao seu número (algarismo arábico) de ordem
de apresentação no texto, “de forma breve e clara, dispensando consulta ao texto e da 18
fonte” [35]. A fonte deverá ser apontada abaixo da ilustração [36], em tamanho 10,
mesmo que seja de produção do autor do TCC [37]. Na referenciação “Os elementos
essenciais são: autor, título (quando não existir, deve-se atribuir uma denominação ou
a indicação sem título, entre colchetes), data e especificação do suporte” [38].

Exemplo:
KOBAYASHI, K. Doença dos xavantes. 1980. 1 fotografia.

9.2) TABELAS E QUADROS


Devem ter numeração sequencial (em algarismo arábico) com título objetivo. A fonte
deve ser consignada logo abaixo da tabela ou do quadro [39]. As tabelas devem ser
“padronizadas conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)” [40].

10. ABREVIATURAS E SIGLAS

Abreviatura é a “representação de uma palavra por meio de alguma(s) de sua(s) sílaba(s) ou


letra(s)” [41]. Enquanto que sigla é o “conjunto de letras iniciais dos vocábulos e/ou números
que representa um determinado nome” [42]. Quando aparecem pela primeira vez no texto,
deve-se colocar seu nome por extenso acrescentando-se a abreviatura ou a sigla entre
parênteses. Feito isto poderão, posteriormente, aparecer somente em sua forma abreviada.
Exemplo: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
10. USO DE EXPRESSÕES LATINAS

Nas referências bibliográficas e nas citações ocorrem expressões e/ou proposições em latim
indispensáveis que são grafadas mais comumente em itálico. Veja o uso das principais, a
seguir [43]:
• A proposição apud (citado por) indica que o trecho transcrito não foi retirado de
modo direto da obra do autor citado, contudo de outrem.

Exemplo:
CHARTIE, Roger apud DOSSE, François. A história em migalhas: dos Annales à
Nova História. Bauru: EDUSC, 2003. p.157.

• O idem (o mesmo), ou sua abreviatura id., indica que o trecho citado aponta ao
mesmo autor a que se fez referência na mesma página.

• Ibidem (aí mesmo, no mesmo lugar), ou ibid., sua forma abreviada, designa que o
trecho citado foi extraído de mesma obra e autor referido na página. “Id., ibid., vêm
geralmente juntos, seguidos do número da página” [44].

• O uso de in efetua-se em citações de obras coletivas, seguida de dois pontos.


19
Exemplo:
FALCON, Francisco. História e poder. In.: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS,
Ronaldo (Org.). Domínios da história. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

• Quando na indicação referência de obra bibliográfica não for possível a identificação


do local de origem da obra usa-se a expressão sine loco (sem local) em sua forma
abreviada entre colchetes [S.l.].

Exemplo:
KRIEGER, Gustavo; NOVAES, Luís Antonio; FARIA, Tales. Todos os sócios do
presidente. 3. ed. [S.l.]: Scritta, 1992.

• A expressão sine nomine (sem nome) é utilizada entre colchetes abreviadamente


[s.n.] quando a editora não poder ser identificada.

Exemplo:
FRANCO, I. Discursos: de outubro de 1992 a agosto de 1993.
Brasília, DF: [s.n.], 1993.
CRITÉRIOS PARA DESENVOLVIMENTO DO TCC
CRITÉRIOS PONTOS A OBSERVAR

 O tema/título e conteúdo do TCC dever ser pertinentes ao curso de Pós-Graduação que o aluno faz. O tema escolhido
pelo aluno deve ter estreita relação com o assunto escolhido. Não serão aceitos temas que não utilizem os
conhecimentos apresentados no curso de Pós-Graduação onde o aluno está inscrito.
Tema e Título  O tema escolhido pelo aluno deve ter estreita relação com o assunto escolhido dentro do seu curso. Não serão aceitos
temas que não utilizem os conhecimentos apresentados no seu curso de pós-graduação.
 Se o aluno fizer mais de uma Pós-Graduação, deverá encaminhar um TCC para cada curso em que está inscrito. Caso
o aluno encaminhe um trabalho que não contenha esta exigência, o conteúdo do seu TCC não será corrigido, por não
estar de acordo com o curso de Pós-Graduação que o aluno faz.
 O TCC deve obedecer às regras básicas de redação, cuidando-se para que não existam erros de Português.
 O aluno deverá utilizar a Língua Portuguesa de acordo com a norma culta, verificar no texto a ortografia, a concordância
Nível de (nominal e verbal), coerência, coesão, acentuação e pontuação.
Textualidade  Não se recomenda a utilização da primeira pessoa do singular ou plural.
 Recomenda-se que sejam realizadas no mínimo duas leituras completas do trabalho para a eliminação dos erros mais
grosseiros e para a identificação dos pontos confusos.
 Deve-se observar rigorosamente a formatação e estrutura do trabalho do TCC, que será exigido conforme as normas
e exigências da ABNT. O aluno deverá fazer a formatação conforme o descrito no MANUAL DE TCC disponível no
site/Portal do Aluno, seguindo todas as regras estabelecidas no mesmo.
 Os itens básicos exigidos são:
o Pré-textuais ou parte preliminar: Título; Subtítulo (quando for o caso); Autor; Crédito do autor; Resumo; Palavras-Chave.
o Textuais ou corpo do TCC: Introdução, Desenvolvimento; Conclusão.
o Pós-textuais ou Referencial: Referências; Anexos e Apêndices.
 O item "Introdução" deve apresentar o tema do TCC e a sua importância científica ou tecnológica.
Formatação e  O item "Desenvolvimento" deve conter o corpo da revisão e normalmente deve ser subdividido em itens menores para
Estrutura facilitar o entendimento do assunto.
 As conclusões podem conter uma compilação das críticas realizadas pelo aluno no texto principal ou podem conter
opiniões do aluno (com base no texto) em relação às lacunas que devem ser pesquisadas sobre o assunto ou ainda a 20
alguma tendência que se observa na pesquisa do tema.
 As citações bibliográficas devem ser feitas corretamente no texto (indicando um número) e listadas em um item
"Referências" ao final da monografia ou artigo.
 Não se deve substituir o item "Referências" pelo item "Bibliografia", onde as referências consultadas são simplesmente
listadas, sem estarem diretamente "amarradas" com as informações apresentadas no texto.
 Deve-se sempre indicar as referências de onde as figuras e tabelas foram retiradas.

 O conteúdo deverá ser desenvolvido conforme Tema / Título do TCC (pertinente ao curso de Pós-Graduação).
 Deve-se utilizar uma linguagem técnica e formal, obedecendo sempre os critérios estabelecidos pela ABNT e descritos
no MANUAL DE TCC, em uma sequência lógica dos fatos apresentados e correlacionados com o assunto.
Conteúdo  O aluno deverá utilizar a Língua Portuguesa de acordo com a norma culta, verificar no texto a ortografia, a concordância
(nominal e verbal), coerência, coesão, acentuação e pontuação.
 Sugerimos que o texto passe por uma revisão gramatical antes do envio para correção.
 O TCC deve possuir um mínimo grau de aprofundamento no conhecimento científico, portanto deve ir além ao que foi
mostrado nas aulas ou ao que foi ensinado no curso de pós-graduação.
 O TCC é um trabalho científico e como tal necessita de cientificidade, ou seja, rigor científico, para que se torne apto à
aprovação. Assim, serão avaliados os autores pesquisados pelo aluno, se os mesmos são científicos. Além de pesquisar
(livros e sites acadêmicos) e apresentar os autores acadêmicos/científicos, é necessário Rigor científico e que os
mesmos sejam abordados no conteúdo do trabalho em forma de citações (diretas e/ou indiretas).
Rigor  Deve-se mostrar que referências importantes sobre o assunto foram consultadas.
Científico  O trabalho não deve apresentar erros conceituais sobre o assunto.
 Não se deve citar notas de aula como referência para embasar o que você está falando.
 Deve-se deixar bem claro o que são evidências experimentais obtidas por outros pesquisadores e o que é a sua opinião
sobre o assunto. No entanto, deve-se ressaltar que a trabalho deve conter muito mais informações da literatura do que
a sua opinião.
 O TCC deverá apresentar, no mínimo, três (03) autores acadêmicos/científicos, devendo o aluno dialogar com suas
ideias com as ideias desses autores, dando sempre crédito aos autores.
 Um trabalho de TCC é um conjunto de informações e argumentos conectados por diversas ferramentas de
Interconexão apresentação de dados, tais como tabelas, imagens e citações. Deve-se verificar a interconexão destes elementos e a
dos Elementos coerência dos mesmos. Por isso, é preciso ter atenção redobrada aos detalhes, para não deixar escapar algum detalhe
na sua pesquisa, deixando de apresentar referências ou a tabulação ou análise de dados
CRITÉRIOS UTILIZADOS PARA AVALIAÇÃO DO TCC
AVALIAÇÃO DO TCC Insatisfatório Satisfatório Bom Muito
Bom
CARACTERIZAÇÃO (até 1,0 ponto) 0,5 0,7 0,8 1,0
Foi descrito do que se constitui o Trabalho de Conclusão de Curso, bem
como suas particularidades
INTRODUÇÃO (até 2,0 pontos) 0,5 1,0 1,5 2,0
Apresenta e contextualiza o tema, a introdução falando sobre o
assunto, deslocando-se para o tema de seu trabalho; apresenta
justificativa e os objetivos (geral e específicos) que foram traçados
para desenvolver o TCC; descreve os procedimentos
metodológicos, as técnicas utilizadas, mediante justificativa das
razões do seu uso; e finaliza descrevendo em quantas partes o
texto (do desenvolvimento) foi dividido, enfocando os principais
elementos que compõem a redação destas partes.
DESENVOLVIMENTO (até 2,0 pontos) 0,5 1,0 1,5 2,0
Apresenta os elementos teóricos de base da área do
conhecimento investigado e/ou vivenciado, bem como, a
definição dos termos, conceitos e estado da arte pertinentes ao
referido campo do TCC. Desse modo, a fundamentação teórica,
deve ser dividida em tantas partes quantas forem necessárias,
desde que descreva inteira e minuciosamente os elementos
teóricos de base ao tema/problema.
ANÁLISE E ESTRATÉGIAS (até 2,0 pontos) 0,5 1,0 1,5 2,0
Descreve a realidade encontrada com objetividade (sem
interferências, juízo de valor, preconceitos e julgamentos 21
pessoais), de maneira simultânea, apresenta seu prognóstico, ou
seja, potenciais ações e estratégias que proporcionarão a
correção dos pontos fracos e das ameaças identificadas, assim
como, aspectos positivos encontrados.
CONSIDERAÇÕES FINAIS (até 2,0 pontos) 0,5 1,0 1,5 2,0
Apresenta sua síntese pessoal, de modo a expressar sua
compreensão sobre o assunto que foi objeto desse TCC. Pode-se
dizer que é um momento de recapitulação dos passos procedidos
no TCC e suas repercussões no aporte ao conhecimento teórico
e prático adquiridos durante a formação.
Referências (até 1,0 pontos) 0,5 0,7 0,8 1,0
O texto apresenta a totalidade das fontes de informação citadas,
ou seja, livros, revistas, sites, artigos, Constituições (Federal,
Estadual e Municipal), Leis, apostilas, entre outras. A digitação é
apresentada dentro das normas previstas no Manual de TCC da
UCAM/ESPG.
NOTA FINAL ATRIBUIDA AO TCC
CONSIDERAÇÕES FINAIS

ATENÇÃO:
1) A Equipe Pedagógica da UCAM/ESPG tem prazo de 30 a 45 dias úteis para
correção do TCC e liberação da nota final.
2) Caso o aluno desejar obter a correção do TCC com urgência de até 7 dias úteis,
poderá solicitar este serviço via e-mail ou por telefone, mediante o pagamento
de uma taxa adicional no valor de R$ 100,00 (cem reais), através de boleto
bancário ou cartão de crédito.
3) A correção com urgência só pode ser solicitada após o envio do TCC concluído.
4) Não fazemos pré-correções de TCC. Ele deve ser encaminhado diretamente para
correção final.

A formatação adequada do projeto gráfico científico - a que atende as exigências normativas


da Agência Brasileira de Normas Técnicas, vulgarizada no meio acadêmico por sua
denominação abreviada ABNT - acaba por coroar a árdua pesquisa dos mais diversos
discentes das mais diversas faculdades. Afinal, o Trabalho de Conclusão de Curso ficará para
a posteridade e poderá servir de fonte referencial a pesquisas ulteriores.

Nestas últimas sílabas que nos restam desejamos boas pesquisas a toda comunidade
acadêmica da Universidade Cândido Mendes. E lembre-se que a pesquisa constitui a 22
excelência do meio acadêmico.

Universidade Cândido Mendes


Escola Superior de Pós-Graduação
REFERÊNCIAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: informação e documentação:
resumo: apresentação. Disponível em:
<unicentroagronomia.com/destino_arquivo/norma_6028_resumo.pf > .
Acessado em: 04 de ago. de 2015.

______. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de


Janeiro, 2011.

______. NBR 6023: informação e documentação: referência. Rio de Janeiro, 2002.

FAULSTICH, Enilde L. de J. Como ler, entender e redigir um texto. 23. ed. Petrópolis, RJ: Vozes,
2011.

GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

GOLDSTEIN, Norma; LOUZADA, Maria Silvia; IVAMOTO, Regina. O texto sem mistério. São
Paulo: Ática, 2009.
23
MACHADO, Cristiane Salvan et al. Trabalhos acadêmicos na UNISUL: apresentação gráfica.
Palhoça, SC: UNISUL, 2012.

MARCONI, Marina de Andrade Marconi; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia


científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 229-230.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez,
2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Manual para elaboração e normalização de


trabalho de conclusão de curso. 3. ed. Rio de Janeiro: SiBI, 2011. (Série Manuais de
Procedimentos, 6).
ANEXO A: CAPA

Universidade Cândido Mendes- Santa Cruz

Nome em Arial 14 (negrito)

24

Título em Arial 16 (negrito)

Localidade
Ano/semestre
ANEXO B: FOLHA DE ROSTO

Universidade Candido Mendes

Nome em arial 14 (negrito)

Mat.: _________ 25

Título em Arial 16 (negrito)

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Cândido Mendes como requisito para aprovação
no curso de Pós-Graduação ________________________.

Localidade
Ano/ semestre
ANEXO C: FOLHA DE APROVAÇÃO

Nome: Xxxxxxxx Xxxxxxxxxx Xxxxxxxxxx

Mat.: __________

Título (Fonte 12 Times ou Arial)

26

Artigo/Monografia apresentada à Universidade Candido Mendes em como requisito para a aprovação no curso
de Pós-Graduação ___________________________

Nota: _____ Data: __/__/_____

_____________________________
Prof. ____________

____________________________
Prof. ____________

____________________________
Prof. ____________
NOTAS:

[1] GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p.
422.
[2] Id. ibid. p. 422.
[3] Id. ibid. p. 422.
[4] GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p.
423.
[5] Iremos nos ater somente aos componentes obrigatórios.
[6] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e
documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011. p. 2.
[7] Id. ibid. p. 5- 6.
[8] Id. ibid. . p. 6.
[9] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e
documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011. p.7.
[10] Id. ibid. p.7.
27
[11] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: informação e
documentação: resumo: apresentação.
Disponívelem:<http://unicentroagronomia.com/destino_arquivo/norma_6028_resumo.pf > .
Acessado em: 04 de ago. de 2015. p. 2.
[12] Id. ibid. p. 2.
[13] Id. ibid. p. 2.
[14] GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p.
410.
[15] MACHADO, Cristiane Salvan et al. Trabalhos acadêmicos na UNISUL: apresentação gráfica.
Palhoça, SC: UNISUL, 2012. p. 29- 33.
[16] GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p.
408.
[17] GOLDSTEIN, Norma; LOUZADA, Maria Silvia; IVAMOTO, Regina. O texto sem mistério. São
Paulo: Ática, 2009. p. 169.
[18] MARCONI, Marina de Andrade Marconi; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de
metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 229-230.
[19] FAULSTICH, Enilde L. de J. Como ler, entender e redigir um texto. 23. ed. Petrópolis, RJ:
Vozes, 2011. p. 65.
[20] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e
documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011. p.8.
[21] FAULSTICH, Enilde L. de J. Como ler, entender e redigir um texto. 23. ed. Petrópolis, RJ:
Vozes, 2011. p.74.
[22] SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez,
2007. p.118.
[23] MARCONI, Marina de Andrade Marconi; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de
metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 256-7.
[24] MARCONI, Marina de Andrade Marconi; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de
metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 257.
[25] MARCONI, Marina de Andrade Marconi; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de
metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 258.
[26] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e
documentação: referência. Rio de Janeiro, 2002. p. 13.
[27] MARCONI, Marina de Andrade Marconi; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de
metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 259.
[28] Op. cit. p. 6.
28
[29] SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo:
Cortez, 2007. p. 174.
[30] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e
documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011. p.2.
[31] GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p.
425.
[32] MARCONI, Marina de Andrade Marconi; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de
metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 256.
[33] GARCIA op. cit. p. 423.
[34] GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p.
424.
[35] UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Manual para elaboração e normalização
de trabalho de conclusão de curso. 3. ed. Rio de Janeiro: SiBI, 2011. (Série Manuais de
Procedimentos, 6). p. 13.
[36] Id. ibid. p. 13.
[37] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e
documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011. p.11.
[38] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e
documentação: referência. Rio de Janeiro, 2002. p. 10.
[39] UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO op. cit. p. 13.
[40] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS op. cit. p.11.
[41] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e
documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011. p.1.
[42] Id. ibid. p.4.
[43] GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 27. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p.
430.
[44] Id. ibid. p. 431.

29