Você está na página 1de 20

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL – UFRGS


PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
FACULDADE DE DIREITO – FADIR
DEPARTAMENTO DE DIREITO PÚBLICO E FILOSOFIA DO DIREITO – DIR 3
CAMPUS CENTRAL

Disciplina: Direito das Relações Internacionais – Código DIR 03016


Pré-requisito: DIR03325 - Direito Internacional Público II
Professor: Dr. William Smith Kaku
Carga horária: 60 horas/aulas (18 semanas com atividades presenciais e não presenciais de 4
horas/aulas cada, durante o semestre letivo – 4 créditos)
Obrigatória para estudantes do Curso de Relações Internacionais
Optativa/Eletiva para estudantes do Curso de Ciências Jurídicas e Sociais
2º Semestre de 2015
Número de alunos da turma: 70 (setenta)
Quantidade de classes que o plano será aplicado: 1 (uma)

PLANO DE ENSINO

1. EMENTA

A sociedade internacional. Os sujeitos da ordem jurídica internacional. Diplomacia e política


externa. Problemas internacionais contemporâneos. Organizações internacionais.
Organismos internacionais especializados. O direito dos tratados.

2. OBJETIVOS

2.1. OBJETIVOS GERAIS

a) ACADÊMICOS

(I) O objetivo da disciplina é desenvolver o(a) educando(a) na trajetória, organização e


concepções histórico-social-jurídico-políticas que atualmente ordenam o mundo do direito
internacional e das relações internacionais caracterizados por serem economicamente
globalizado, interdisciplinar e complexo, onde ele(a) vive e desenvolverá suas atividades
profissionais, dentro de um enfoque fundado em saberes tradicionais e críticos que
procurarão trazer elementos referentes e pertinentes ao intercâmbio entre o direito
internacional e as relações internacionais para a construção de uma ordem político-jurídica
internacional cooperativa, harmônica e interdependente, não só produtora de direitos
reguladores das relações entre os Estados, mas especialmente construtora de segurança e
previsibilidade jurídica para os diferentes atores internacionais, direitos voltados para um
inter-relacionamento interestatal civilizado dentro de uma base segura de valores,
intercâmbios, comércio justo e sustentável, e especialmente a proteção humana individual e
dos grupos humanos coletivos, bem como o bem-estar e felicidade de todos;

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
2

(II) Dentro da concepção de que o preparo do(a) bacharelando(a) deve necessariamente


passar pelo bom conhecimento das diferentes instituições sociais, os valores estruturantes,
e os problemas contemporâneos – e tudo que esses problemas devem ao passado – que
envolvem a Sociedade, a disciplina procurará ressaltar ao(à) educando(a) a forma como a
cultura humana estabeleceu e estruturou historicamente uma determinada disciplina
político-jurídica da Sociedade Internacional através da inter-relação entre as Relações
Internacionais e o Direito – junto com a política, economia e cultura –, e sua influência e
repercussão na ordem político-jurídica interna das diversas Sociedades e comunidades
histórico-culturais, bem como na Sociedade Internacional, dentro do contemporâneo
discurso dos Direitos Fundamentais, especialmente os humanos, sociais e ecológicos,
conforme erigido culturalmente na esfera internacional ocidental;

(III) A disciplina procurará trazer – dentro das possibilidades – aportes crítico-reflexivos do


passado que influíram e ainda influem nos debates que envolvem a questão da ordem
político-jurídica internacional, tanto do ponto de vista nacional quanto internacional e,
dentro das disponibilidades bibliográficas, o atual papel da sociedade civil e do indivíduo,
junto com todos os demais atores das Relações Internacionais, como protagonistas
necessários para favorecer ou desfavorecer o reordenamento e suplantação das vicissitudes
que permeiam um sistema internacional construído inicialmente apenas para os Estados, em
detrimento – ou à parte – das pessoas humanas concretas e seus direitos fundamentais,
especialmente os humanos, sociais e ecológicos;

(IV) É também objetivo da disciplina apresentar as mais recentes tendências e


acontecimentos em curso na área de conhecimento, que estão relacionados com a temática
assinalada, especialmente na América Latina – sempre que possível e, em especial, com a
participação do Brasil – e demais Continentes, a fim dele(a) – educando(a) – perceber e
vivenciar as diversas ramificações ou relações que a ordem internacional – política e jurídica
– produz no mundo da vida e o que isso implica como demanda por regulação através das
vias da Política e do Direito, e, desta forma, preparando o(a) educando(a) o mais abrangente
e profundamente possível em conhecimentos – cultura – para sua melhor desenvoltura
tanto como cidadão quanto como futuro(a) profissional;

(V) Por fim, do ponto de vista acadêmico, é também objetivo da disciplina o(a) aluno(a)
conhecer a forma como a cultura humana estabeleceu, empiricamente e teoricamente, um
sentido de ordem político-jurídica da vida na Sociedade ocidental, através do estudo das
imbricações entre Relações Internacionais e Direito, com sua fundamentação racional e
elementos ideológicos subjacentes; para tanto, a disciplina irá dialogar com os
conhecimentos já adquiridos pelos alunos em matérias como Teoria Geral do Direito, Direito
Público, Direito Internacional, Teoria do Estado, reforçando ou complementando a formação
jurídica já adquirida em disciplinas jurídicas específicas já cursadas pelos alunos;

b) PEDAGÓGICOS

(VI) Constitui objetivo da disciplina provocar uma ação sobre a personalidade única de cada
educando(a), de modo a agir sobre seu espírito crítico, instigando-o(a) a repensar a
realidade da ordem político-jurídica internacional, político-jurídica estatal, econômica,
ecológica, humana e social presente, dentro de um campo visual que não oblitera (apaga) a

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
3

realidade passada e nem olvida (esquece) os desideratos (objetivos que se aspiram e


desejam) futuros, que ele(a), em particular, e a coletividade, no geral, vivem, estimulando-
o(a) a conhecer melhor essa realidade, ressaltando aqui o papel do saber para essa atitude
crítica, de modo a retificá-la ou ratificá-la, dentro de novos elementos de conhecimento que
se defrontará em sala de aula;

(VII) O objetivo pedagógico da disciplina parte do pressuposto de que contemporaneamente


a relação ensino/aprendizagem enraizou-se no apreender que resgata o ser humano de sua
passividade diante dos fatos onde se desenrola o novelo do universo que o cerca, mas,
especialmente, resgata a crença em sua crença própria e cotidiana, que é a sua história, sua
cultura, e sua capacidade própria da assinalar o mundo em que se insere e lhe pertence, ou
seja, procurando torná-lo(a) sujeito de sua história e de seu emblemático meio por via da
liberdade, vontade, razão, da racionalidade, da capacidade intelectiva própria humana e
conforme o extenso e profundo universo singular espiritual de cada um(a), aliado a valores
fundamentais que são precisos eleger e justificar fundadamente; mas também não se pode
olvidar que cada sociedade, cada cultura, é também fruto de erros e acertos que, enquanto
empreendimentos humanos, precisam ser inseridos na dimensão racional e civilizatória
humana;

(VIII) Pressuposto da disciplina – também no plano pedagógico – é a visão contemporânea


de que o processo educacional – considerando o aprendizado para a liberdade, aos valores e
à vontade direcionada para a formação de uma cultura singular e simultaneamente plural-
inclusiva – tem o(a) Professor(a) e o Aluno(a) como parceiros em busca de um objetivo
comum, superando uma visão antiga que já teve o(a) Professor(a) e o(a) Educando(a)
direcionados em polos opostos – adversários ou inimigos – e, além disso, suplantando
também um modo antiquado e tradicional de ver e de se portar no mundo educacional, ou
seja, o conhecimento é posto, indiscutível e a memória – num reducionismo tido como
inescapável – é a medida do aprendizado e inteligência de cada um(a); assim,
objetivamente, os saberes não são disposições “à la carte” conforme ideologias,
idiossincrasias ou “bom senso ou gosto pessoal” de quem o manuseia, mas criações
inventivas humanas que necessitam ser compreendidas seriamente dentro do contexto
próprio que são concebidas, geográfico, histórico, cultural, social;

(IX) Portanto, parte-se da premissa que hoje não se concebe mais a existência de tais
adversários [Professor(a) X Educando(a)], pois a suplantação da
ignorância/desconhecimento pela via da busca do conhecimento – cômodo em sua situação
tradicional anterior, com alunos(as) passivos(as) e não questionadores(as), meros(as)
receptores(as) de conhecimentos prontos e acabados – passou a ser o polo oposto de uma
relação onde se soma Professor(a) e Educando(a) na busca da superação de seu perpétuo
adversário, que é justamente a ignorância, a intolerância, a estupidez, o preconceito cego, a
exclusão, enfim, o desconhecimento de coisas que não permitem uma pessoa pensar melhor
as situações e, assim, ser verdadeiramente livre, acabando por reproduzir a tradição que não
é emancipatória, especialmente quando altamente voltada para produzir e reproduzir
exclusão social, cultural, econômica, politica, educacional etc.;

(X) Busca-se, assim, suplantar a falta de saberes tradicionais e críticos, bem como posturas
necessárias para o mundo contemporâneo – que procura vencer a indiferença e omissão

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
4

humana diante de diversas questões concretas –, por via de um novo conhecimento, um


outro saber, um diferente crescimento intelectual, um qualitativo crescimento crítico, enfim,
das infinitas relações disponíveis histórico-culturalmente em constante processo de criação
e recriação, que são possíveis estabelecer a partir dos fatos concretos do dia-a-dia e da real
capacidade humana da dupla flexão – reflexão – sobre eles, alterando-se a equação antiga
[Professor(a) X Educando(a)], para uma equação mais atual, qual seja, [(Professor + Aluno) X
Ignorância/Desconhecimento)], tudo voltado tanto para favorecer as decisões significativas
da vida individual e social do alunado, quanto à necessidade de fazer avançar a razão,
cultura e civilização na Sociedade de Porto Alegre, do Rio Grande do Sul e do Brasil.

2.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

(i) Para estimulá-lo nessa reflexão crítica, é objetivo da disciplina que o educando deva
adquirir os seguintes conhecimentos que serão trabalhados especificamente pelo professor:
Introdução Geral; Órgãos dos Estados nas Relações Internacionais; Direito dos Tratados;
Direito das Relações Internacionais: Aspectos Contemporâneos.

(ii) Também é objetivo da disciplina que o educando deva adquirir alguns conhecimentos
que serão construídos por ele mesmo, em equipe, sob específicas orientação e condições
fixadas pelo professor: uma atividade de pesquisa controlada utilizando o site – e respectivo
conteúdo – de uma Organização Internacional ou outra instituição internacional, cujo tema
será escolhido pela equipe e o resultado final deverá ser apresentado por todos os
componentes da equipe e redigido um artigo ou relatório específico final.

(iii) A disciplina Direito das Relações Internacionais tem como propósito proporcionar ao
alunado a discussão sobre:
- os conhecimentos e sua função humana e social; algumas diferentes dimensões do
conhecimento; os valores humanos e sociais, as tradições, as vanguardas, os
conservadorismos;
- o papel de cada saber e da razão na vida cotidiana de cada um, bem como institucional;
- o movimento da diplomacia e o resultante direito que é erigido a partir do encontro de
agentes e atores no âmbito das relações internacionais;
- o movimento do direito e da política na sociedade internacional, revelando a imbricação ou
inter-relacionamento invencível ou inevitável entre essas duas esferas do conhecimento e
prática humana – com os produtos concretos deles produzidos e suas repercussões na
formação da realidade efetiva das práticas sociais –;
- diferentes temas envolvendo o direito internacional, tais como, por exemplo, o direito dos
tratados, com a questão da incorporação do direito internacional na ordem jurídica interna
dos Estados; aspectos destacados sobre a distinção e aproximação entre os conteúdos do
Direito Internacional Público e Direito Internacional Privado frente ao Direito Interno; a
crescente relevância que tomou a Política Externa Econômica – diplomacia econômica – e o
correlato Direito Econômico Internacional; o Mercosul e a OMC a ingerência na esfera
internacional; o problema dos diferentes meios de solução de controvérsias na sociedade
internacional, destacadamente as figuras dos Tribunais Internacionais e a da Arbitragem,
entre outros.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
5

(iv) A intenção da disciplina, assim, é proporcionar ao aluno uma vivência intelectual teórica
e pragmática da sociedade internacional; recapitular os principais institutos do Direito e do
Estado relacionados com o Direito Internacional; analisar a evolução do direito com a
política na esfera internacional, e a necessidade cada vez maior de compreender a
importância de ambos para a formação da realidade concreta e factual da vida das pessoas,
grupos de pessoas, empresas, instituições as mais diversas etc., do ponto de vista nacional e
internacional.

(iv) Ao final do curso o(a) aluno(a) deve ser capaz de:

a) relacionar de forma construtiva o movimento político da diplomacia e o decorrente


resultado jurídico – com a extensão de seus efeitos –, dentro da esfera doméstica dos
Estados e na sociedade internacional;
b) compreender os mecanismos básicos de funcionamento dos Direitos internacional, em
especial focando temas de Direito Internacional Público e temas de Direito Internacional
Privado, alguns escolhidos pelo professor e outros eleitos por si próprio, com o problema da
incorporação e repercussão do direito internacional dentro do ordenamento jurídico
doméstico dos Estados;
c) assimilar a processualística política e jurídico em curso em Organizações Internacionais
elegidas;
d) entender, diferentes aspectos da temática Direito das Relações Internacionais, tais como
o direito que rege a diplomacia, o Estado na ordem internacional, a questão da ingerência
internacional, a questão dos meios de solução de controvérsia na sociedade internacional,
ente outros;

(v) É também objetivo da disciplina que o educando também adquira e/ou demonstre
determinadas habilidades e atitudes, uma vez que a vida social em liberdade exige posturas
de um cidadão justamente em respeito à diferença e à liberdade do outro, posturas essas
cuja Escola – em seu sentido mais amplo – deve ser um dos proscênios privilegiados para
experimentação e sedimentação, mas também organização, disciplina e capacidade de expor
fundamentadamente e coerentemente, por escrito e oralmente, suas diversas
manifestações reflexivas.

(vi) Assim sendo, o educando deverá demonstrar os seguintes:

(a) capacidade de organização diante do estudo;


(b) capacidade de avaliação do trabalho próprio sendo desenvolvido em confronto com o
trabalho do outro;
(c) capacidade de raciocinar criticamente diante de um problema posto;
(d) capacidade de trabalhar em equipe;
(e) capacidade de discutir assuntos em grupos pequenos e grandes;
(f) capacidade de assimilar novos conhecimentos frente aos conhecimentos próprios;
(g) capacidade de suplantar pré-conceitos, ou postar-se coerentemente ou adequadamente
frente ao conhecimento científico;
(h) capacidade de assinalar ideias principais de textos e exposições orais, articulando-os
através de posições e questionamentos críticos próprios;
(i) capacidade de dialogar;

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
6

(j) capacidade manifestar-se pela via escrita, escrevendo corretamente;


(k) capacidade de ver e refletir – fundamentadamente – sobre fenômenos políticos e
jurídicos em seu cotidiano, de forma científica;
(l) capacidade de ler e interpretar criticamente diferentes textos e manifestações culturais;
(m) capacidade de conviver impessoalmente – com tolerância, respeito e diálogo – com a
alteridade ideológica;
(n) capacidade de refletir e manifestar-se coerentemente sobre a complexidade que envolve
a temática da inclusão e exclusão social, sentidos da expressão desenvolvimento humano e
social, e contexto específico dos direitos fundamentais diante da realidade social que o
permeia.

3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I – INTRODUÇÃO GERAL

Apresentação: professor; alunos(as); calendário; plano de ensino; UFRGS e o projeto


pedagógico do Curso de Direito; debate sobre a adequação do plano de ensino com a
disciplina e expectativas dos(as) alunos(as); disciplina e contexto individual e social do(a)
aluno(a) – 2 horas/aulas

Introdução: sociedade internacional; relações internacionais; problemas internacionais


contemporâneos (agenda internacional); direito internacional; racionalidade do mundo
internacional e do direito internacional; – 2 horas/aulas

UNIDADE II – ÓRGÃOS DOS ESTADOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Organização Interna Estatal da Diplomacia: legislação constitucional e infraconstitucional


brasileira (direito e relações internacionais); aspectos sobre a estrutura e organização
administrativo-jurídica do Ministério das Relações Exteriores – 6 horas/aulas

Diplomacia e Direito: formas de diplomacia; as imunidades e privilégios; tratados


internacionais específicos; encontros diplomáticos e aspectos de regulação jurídica – 6
horas/aulas

Sujeitos Internacionais: Sujeitos e Atores; Estados e sua problemática; reconhecimento de


Estados e Sucessão de Estados; Organizações Internacionais e sua problemática; a questão
do indivíduo – 4 horas/aulas

UNIDADE III – TEMAS DE DIREITO INTERNACIONAL E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Temas Diversos Exemplificativos: Tratados Internacionais; Direito Econômico Internacional;


Mercosul e OMC; Ingerência; Paz e Segurança Internacionais; Direitos Humanos e Direito
Humanitário Internacionais; Direito Ambiental Internacional; Solução de Controvérsias
Internacionais, Tribunais Internacionais e Arbitragem Internacional – 13,5 horas/aulas

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
7

Prova: será feita uma avaliação escrita com o conteúdo ministrado exclusivamente pelo
professor no bimestre, ou seja, desde o início das aulas até a metade do semestre letivo – 2
horas/aulas

Correção da Prova: será feita em sala de aula – 0,5 hora/aula

UNIDADE IV – LABORATÓRIO DE PESQUISA EM DIREITO DAS RELAÇÕES INTERNACINAIS

A Pesquisa Científica: filosofia, ciência e religião como conhecimentos; epistemologia das


ciências e das ciências sociais (método, objeto, teoria) – 2 horas/aulas

O Projeto de Pesquisa: estrutura – 2 horas/aulas

Prática do Laboratório de Pesquisa: pratica de pesquisa, com elaboração de projeto de


pesquisa, resultado de pesquisa com apresentação final – 30 horas/aulas

Diálogo com a Turma; avaliação do programa, disciplina e professor e divulgação das notas
finais do semestre: retorno do professor sobre os dois bimestres passados e o semestre em
geral; debate sobre a adequação do plano de ensino com a disciplina e expectativas dos(as)
alunos(as); avaliação do professor, disciplina, plano de ensino etc. será feita por escrito
pelos(as) alunos(as), sem necessidade de identificação na folha de avaliação – 2 horas/aulas

4. METODOLOGIA

4.1. Aspectos Gerais

Os meios que o Professor se utilizará para provocar e facilitar a aprendizagem em aula, a fim
de que os objetivos acima propostos sejam atingidos pelos(as) alunos(as) e, também, pelo
Professor, são os que seguem abaixo, observando que o Professor irá utilizá-los conforme a
disponibilidade dos recursos materiais da Faculdade e/ou da oportunidade de seu emprego:

a) recursos audiovisuais
b) recursos de dinâmica de grupo
c) aulas expositivas dialogadas
d) trabalhos de pesquisas
e) seminário
f) leituras em grupo
g) debates em pequenos grupos e com a sala toda
h) palestras

4.2. Sala de Aula

Em sala de aula ocorrerão dois momentos, cada um deles com 2 horas/aulas:

1) aula do professor sobre um tema previamente preparado;

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
8

2) aula laboratório, onde os alunos, em grupos, irão realizar pesquisa conforme as seguintes
orientações básicas
a) os alunos se organização em grupos de 6 (seis) componentes para realizar uma
pesquisa;
b) o professor irá indicar, no início do semestre letivo, o site que será exclusivo para
investigação dos grupos;
c) as equipes farão uma investigação exploratória inicial do site e as informações;
d) ao longo dos encontros as equipes definirão o tema específico que pretendem
abordar;
e) o professor acompanhará cada equipe e as pesquisas que serão feitas em sala de
aula e em outras fora de sala de aula; o professor irá indagar as opções das equipes e
fará questionamentos ao grupo que devem ser respondidos através de mais
pesquisas no site;
f) semanalmente as equipes enviarão relatório de atividades desenvolvidas, contendo
observações do grupo de atividades fora da sala de aula e também as atividades
desenvolvidas em sala de aula junto do professor (perguntas, colocações etc.)
g) na metade do semestre letivo as equipes deverão estar aptas e apresentar um
projeto de pesquisa mínimo, conforme indicações do professor oportunamente;
h) ao final do semestre letivo, será marcado datas para cada equipe fazer sua
apresentação e apresentar relatório de pesquisa por escrito;

5. AVALIAÇÃO

(I) A avaliação verificará se os objetivos propostos foram efetivamente alcançados ou não.


Assinala-se que a avaliação não se constituirá de apenas um momento único, mas sim
durante todo o processo e aprendizagem, ou seja, ela estará ocorrendo em todos os
encontros entre o professor e o(a) educando(a).

(II) Salienta-se, também, que estará sendo avaliado não somente o(a) aluno(a), mas,
também, o professor, a disciplina e o plano de ensino, a fim de ser verificado a adequação
dos quatro – aluno(a), disciplina, professor e plano de ensino – dentro de um processo de
aprendizagem que diz respeito à disciplina de Direito das Relações Internacionais que, por
sua vez, se encontra inserida dentro do Curso de Relações Internacionais da Faculdade de
Ciências Econômicas, e do Curso de Ciências Jurídicas e Sociais da Faculdade de Direito,
ambos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, da sociedade de Porto Alegre, do
estado do Rio Grande do Sul e do Brasil;

(III) Para tanto, haverá debates para verificar a adequação do plano proposto com os
objetivos do Curso de Direito e, também, frente aos anseios dos(as) alunos(as), não só com
os objetivos propostos no plano – em execução, ou executados – mas também, à sua visão
própria e expectativas diante da disciplina e do Curso em geral. Estão previstos dois debates
durante o semestre letivo, um no início e outro no seu final;

(IV) Haverá, também, espaço para observações do(a) aluno(as) sobre o desempenho do
Professor – e da disciplina e do plano de ensino –, que será realizado em uma ocasião, qual
seja, e no final do semestre letivo e eminentemente por escrito, sem identificação. O

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
9

Professor – a disciplina e o plano de ensino – será avaliado pelos(as) alunos(as) uma vez
durante o semestre letivo; essa avaliação é feita em sala de aula e difere daquela que é
institucionalmente realizada;

(V) Finalmente, para a avaliação do(a) aluno(a), o Professor se utilizará dos instrumentos que
verificarão as suas atitudes, as suas habilidades, bem como os seus conhecimentos
adquiridos; para tanto, está previsto o registro de incidentes críticos durante o transcorrer
do semestre letivo, e, entre outros, aplicação de prova dissertativa e/ou prova objetiva,
conforme abaixo se verifica.

(VI) A composição da nota do(a) aluno(a) será feita da seguinte forma:

a) atividades diversas – que podem ser atividades de leituras diversas com fichamentos (por
exemplo, jornais e/ou revistas semanais, revistas especializadas, ou textos indicados e/ou
fornecidos pelo professor etc.), ou exercícios e questionários a serem respondidos, bem
como outras atividades que serão estipuladas – previamente fixadas – com ou sem
desenvolvimento de reflexões críticas (com o uso correto das regras de escrita da língua
portuguesa, bem como a caligrafia escorreita); aqui se incluem os relatórios semanais que as
equipes devem enviar par ao professor, da pesquisa sendo desenvolvida – total 2,0 pontos

Esclarecimento: essas atividades são consideradas atividades curtas que


podem ser feitas individualmente ou em grupo.

b) nota de presença: nota de presença efetiva em sala de aula – assiduidade –, nos horários
fixados para desenvolvimento da disciplina – pontualidade – total 1,0 ponto

Esclarecimento: essa atividade é para pontuar alunos(as) assíduos(as) e


pontuais na entrada, permanência e a saída da aula, sendo que não se
pontuará a presença mínima de 75% – que é obrigação do alunado. Portanto,
o que se avaliará e pontuar-se-á é os demais 25% de presença efetiva após a
presença mínima. Estima-se que cada encontro com 4 horários valerá 0,27
ponto da nota final.

c) nota de turma – nota do grupo (participação, diálogo, comportamento) – total 1,0 ponto

Esclarecimento: a nota de turma é uma nota coletiva por excelência, e está


conforme os objetivos gerais e específicos acima traçados; assim, o alunado
deve compreender que sua individualidade não está dissociada do corpo
coletivo e que inter-relações construtivas e interdependentes sucedem
normalmente – e devem suceder, provocados pelo professor ou corpo de
alunado – dentro de sala de aula e que decorrem de todos(as) e cada um(a)
dos(as) alunos(as). A nota será dada em sua integralidade quando, no
decorrer do semestre letivo, o corpo do alunado demonstrar sua capacidade
de participação em aula, franqueza no diálogo com o professor e adequado

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
10

comportamento e respeito em relação a colegas, professor – e demais


professores(as) – e a Instituição.

d) trabalho semestral de pesquisa – trabalho/pesquisa escrito solicitado no transcorrer da


disciplina, para ser apresentado no final do semestre letivo, conforme orientações do
Professor (com o uso correto das regras de escrita da língua portuguesa e da ABNT) – total
4,0 pontos

Esclarecimento: será aplicado um trabalho cuja feitura deve se dar


coletivamente, e que será avaliado criteriosamente pelo professor, conforme
regras que estão sendo discriminadas neste Plano de Ensino e em outros
esclarecimentos que, em sendo necessário, serão fornecidas na ocasião
própria.

e) prova – será aplicadas 1 (uma) prova escrita no semestre, valendo 2,5 (dois e meio)
pontos cada avaliação – total 2,0- pontos

Esclarecimento: a prova que será aplicada terá características dissertativas e


objetivas. Cada prova será dissertativa e/ou objetiva, avaliando ao mesmo
tempo os conhecimentos específicos adquiridos, capacidade de expressão e
articulação de ideias, bem como o raciocínio lógico e precisão reflexiva no uso
de conceitos e conhecimentos adquiridos, tendo por base os textos e
conteúdos trabalhados/fornecidos pelo professor em sala de aula. O uso
correto da língua portuguesa e a caligrafia do(a) aluno(a) também estarão
sendo avaliados. Assim, a prova valerá 2,0 (dois) pontos, e será aplicada entre
final de setembro e início de outubro.

TOTAL SEMESTRAL: a + b +c + d + e= 2,0 + 1,0 + 1,0 + 4,0 + 2,0 = 10,0

Esclarecimento: A nota final semestral será a somatória de todas as notas parciais, cujo
resultado final será convertido em conceitos, conforme as seguintes regras:
a) 9,0 a 10,0 – conceito A
b) 8,0 a 8,9 – conceito B
c) 7,0 a 7,9 – conceito C
d) abaixo de 7,0 – conceito D (reprovado)

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO: Por fim, está prevista atividade de recuperação que consistirá
numa prova final que incluirá os saberes trabalhados exclusivamente pelo professor mais os
saberes que foram exclusivamente trabalhados por cada aluno em sua respectiva equipe no
projeto de pesquisa;

DIVULGAÇÃO DAS AVALIAÇÕES: É previsto que os alunos tenham as avaliações divulgadas


dentro do tempo hábil conforme o calendário acadêmico e as regras da Resolução 11/2013-
CEPE; assim em até duas semanas após a aplicação da prova é prevista a sua correção e
divulgação das notas; a nota/conceito final do semestre letivo será divulgada num único

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
11

momento para a turma, em sala de aula, em tempo hábil para atividades de recuperação –
se for o caso – e fechamento definitivo do semestre letivo. Alterações das regras acima – se
for o caso – serão esclarecidas/justificadas pelo professor oportunamente para todos alunos.

6. BIBLIOGRAFIA

ACCIOLY, Hidelbrando. Manual de direito internacional público. São Paulo: Saraiva,

ALMEIDA, Paulo Roberto de. Relações internacionais e política externa do Brasil: história e
sociologia da diplomacia brasileira. 2. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2004. 438 p. ISBN: 85-7025-
738-4.

AMARAL JÚNIOR, Alberto do (org.). Direito internacional e desenvolvimento. Barueri (SP):


Manole, 2005. 390 p.

ARAUJO, Luis Ivani de Amorim. Das organizações internacionais. Rio de Janeiro: Forense,
2002.

ARAUJO, Luis Ivani de Amorim. Curso de Direito Internacional Público. 10. ed. Rio de
Janeiro. Forense,

ARAUJO, Nadia de. Contratos internacionais: autonomia da vontade, Mercosul e


convenções internacionais. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2004. 368 p.

ARAUJO, Nadia de. Direito internacional privado: teoria e prática brasileira. Rio de Janeiro:
Renovar, 2003. 526 p. ISBN: 85-7147-365-X.

AUDIT, Bernard. Droit International Privé. Paris: Economica, 1991. 904 p. ISBN: 2-7178-
2160-0.

BANDEIRA, Luiz Alberto Moniz. O eixo Argentina-Brasil: o processo de integração da


América Latina. Brasília: Ed. da UnB, 1987. 120 p.

BAPTISTA, Luiz Olavo; e FONSECA, José Roberto Franco (coords.). O direito internacional no
terceiro milênio: estudos em homenagem ao Prof. Vicente Marotta Rangel. São Paulo: LTr,
1998. 928 p.

BAPTISTA, Luiz Olavo; HUCK, Hermes Marcelo; e CASELLA, Paulo Borba (coor.). Direito e
comércio internacional: tendências e perspectivas: estudos em homenagem ao Prof. Irineu
Strenger. São Paulo: LTr, 1994. 608 p.

BARRAL, Welber. Tribunais Internacionais: mecanismos contemporâneos de solução de


controvérsias. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004. 334 p.

BARRAL, Welber (org.). O Brasil e a OMC: os interesses brasileiros e as futuras negociações


multilaterais. Florianópolis: Diploma Legal, 2000.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
12

BARRAL, Welber. Direito internacional: normas e práticas. Florianópolis: Fundação Boiteux,


2006. 464 p.

BEDIN, Gilmar Antonio. A sociedade internacional e o século XXI: em busca da construção


de uma ordem mundial justa e solidária. Ijuí: Ed. da Unijuí, 2001. 400 p.

BETTATI, Mario. O direito de ingerência: mutação da ordem internacional. Lisboa: Instituto


Piaget, 1997. 354 p.

BRANT, Leonardo Nemer Caldeira (coord.). O Brasil e os novos desafios do direito


internacional. Rio de Janeiro: Forense, 2004. 714 p.

CACHAPUZ DE MEDEIROS, Antônio Paulo. O poder legislativo e os tratados internacionais.


Porto Alegre: L&PM, 1983.

CARRILO SALCEDO, Juan Antonio. Curso de derecho internacional publico: introducción a su


estrutura, dinámica y funciones. Madrid: Tecnos, 1991.

CASTRO, Luiz Augusto de Araújo. O Brasil e o novo direito do mar: mar territorial e zona
econômica exclusiva. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 1989. 92 p.

CERVO, Amado Luiz. Relações internacionais da América Latina: velhos e novos paradigmas.
Brasília: IBRI-FUNAG, 2001. 320 p.

CUNHA, Joaquim da Silva; PEREIRA, Maria da Assunção do Vale. Manual de direito


internacional público. Coimbra: Almedina, 2000.

DAL RI JÚNIOR, Arno; e OLIVEIRA, Odete Maria de (orgs.). Cidadania e nacionalidade: efeitos
e perspectivas nacionais-regionais-globais. Ijuí: Ed da Unijuí, 2002. 544 p.

DAL RI JÚNIOR, Arno; e OLIVEIRA, Odete Maria de (orgs.). Direito internacional econômico
em expansão: desafios e dilemas. Ijuí: Unijuí, 2003. 952 p.

DEL'OLMO, Florisbal de Souza. O Mercosul e a nacionalidade: estudo à luz do direito


internacional. Rio de Janeiro: Forense, 2001. 212 p.

DEL’OLMO, Florisbal de Souza. Curso de Direito Internacional Público. Rio de Janeiro:


Forense, 2002. 338 p. ISBN: 85-309-1551-8.

DEL’OLMO, Florisbal de Souza. Direito Internacional Privado: abordagens fundamentais,


legislação, jurisprudência. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. 319 p. ISBN: 85-309-2228-X.

DÍAZ MÜLLER, Luis. América latina: relaciones internacionales y derechos humanos. 2. ed.
México: Fondo de Cultura Económica, 1991. 386 p.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
13

DIEZ DE VELASCO, Manuel. Instituciones de derecho internacional público. 12. ed.


Madrid: Tecnos, 1999.

DIEZ DE VELASCO, Manuel. Las organizaciones internacionales. 10 ed. Madrid: Tecnos,


1997.

DINH, Nguyen Quoc; DAILLIER, Patrick; PELLET, Alain. Direito internacional público. Trad. de
Vítor Marques Coelho. Lisboa: Calouste Gulbekian, 1999.

DUPUY, René-Jean. O direito internacional. Coimbra: Almedina, 1993.

FERNANDES, António José. Relações internacionais contemporâneas: do mundo da Europa


à Europa do mundo. Itajaí: Univali, 1998.

GROTIUS, Hugo. O direito da guerra e da paz. Ijuí: Unijuí, 2004. 2 v. ISBN: 85-7429345-8.

HERZ, Mônica. Organizações internacionais: história e práticas. Rio de Janeiro: Elsevier,


2004.

JAEGER JUNIOR, Augusto. A Liberdade de Concorrência como a Quinta Liberdade


Fundamental: contribuição para um Mercado Comum do Sul. 2005. 620 f. Tese (Doutorado
em Direito) – Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Direito da Universidade Federal
do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

JAEGER JUNIOR, Augusto. Mercosul e a livre circulação de pessoas. São Paulo: LTr, 2000.
190 p. ISBN: 85-7322-817-2.

JAEGER JUNIOR, Augusto. Temas de direito da integração e comunitário. São Paulo: LTr,
2002. 262 p. ISBN: 85-361-0272-1.

JAYME, Erik. Identité culturelle et intégration: le droit internacional privé postmoderne.


Recueil des Cours. The Hague: The Hague Academy of International Law, 1995. t. 251. p. 9-
268. ISBN: 90-411-0261-2.

JAYME, Erik. Le droit international privé du nouveau millénaire: la protection de la personne


humaine face à la globalisation. Recueil des Cours. The Hague: The Hague Academy of
International Law, 2000. t. 282. p. 9-40. ISBN: 90-411-1489-0.

JO, He Moon. Introdução ao direito internacional. São Paulo: LTr, 2000.

KAKU, William Smith. O atual confronto político-institucional da União Européia: a


organização internacional e o federalismo em questão. 2001. 250 p. Dissertação (Mestrado
em Direito) – Curso de Pós-Graduação em Direito, Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis.

KAKU, William Smith. O atual confronto político-institucional da União Européia: a


organização internacional e o federalismo em questão. Ijuí: Unijuí, 2003. 392 p.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
14

KAKU, William Smith. Habitus (ethos e práxis) na civilização latino-americana: uma


compreensão da formação social, cultural e ideológica da américa latina e sua influência nos
processos de integração internacional regional e sub-regional, com enfoque no Mercosul.
2006. 2061 p. Tese (Doutorado em Direito) – Curso de Pós-Graduação em Direito,
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

KANT, Immanuel. Sobre la paz perpetua. 5. ed. Madrid: Tecnos, 1996. 69 p. ISBN: 84-309-
1176-6.

KAPLAN, Morton A.; e KATZENBACH, Nicholas de B. Fundamentos políticos do direito


internacional. Rio de Janeiro: Zahar, 1964. 384 p.

KEGEL, Patrícia Luíza. Direito internacional público e direito comunitário nas


constituições nacionais: a experiência da república federal da Alemanha. 2000. Tese
(Doutorado em Direito) – Curso de Pós-Graduação em Direito, Universidade Federal de
Santa Catarina. Florianópolis.

KELSEN, Hans. Derecho y paz en las relaciones internacionales. México: Fondo de


Cultura Econômica, 1996.

KERBER, Gilberto. Mercosul e a supranacionalidade. São Paulo: LTr, 2001. 157 p. ISBN: 85-
361-0030-3.

KINOSHITA, Fernando. Direito internacional da cooperação: a zona de livre comércio entre o


Mercosul e a União Européia. Rio de Janeiro: Papel & Virtual, 2001. 342 p.

KINOSHITA, Fernando. El tratado de libre comercio entre la Unión Europea y el Mercosur:


consolidación de un marco jurídico-económico internacional. 1999. Tesis (Doctorado en
Derecho) – Área de Derecho Internacional Público y Relaciones Internacionales,
Departamento de Derecho Público, Facultad de Derecho (ICADE), Universidad Pontificia
Comillas Madrid, Madrid, 1999.

KLABBERS, Jan. An introduction to international institutional law. Cambridge: Cambridge


University Press, 2002.

LEE, João Bosco. Arbitragem comercial internacional nos países do Mercosul. 1. ed. 4.
Tiragem. Curitiba: Juruá, 2005. 448 p.

LIMA, Renata Mantovani de; BRINA, Marina Martins da Costa. Para entender o tribunal
penal internacional. Belo Horizonte: Del Rey, 2006. 194 p.

LORENTZ, Adriane Cláudia Melo. Supranacionalidade no Mercosul: a doutrina, os governos,


a Constituição Federal e os Tratados de Integração. Curitiba: Juruá, 2001. 125 p. ISBN: 85-
7394-689-X.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
15

LUPI, André Lipp Pinto Basto. Multilateralismo e regionalismo: ameaças à soberania? 2000.
Dissertação (Mestrado em Direito) – Curso de Pós-Graduação em Direito, Universidade
Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

MAGALHÃES, José Carlos de. Direito internacional econômico: tendências e perspectivas.


Curitiba: Juruá, 2006. 368 p.

MARIÑO MENÉNDEZ, Fernando M. Derecho internacional público: parte general. 2. ed.


Madrid: Trotta, 1995. 606 p.

MARQUES, Claudia Lima; Araújo, Nadia de. O novo direito internacional: estudos em
homenagem a Erik Jayme. Rio de Janeiro: Renovar, 2005. 910 p.

MARQUES, Cláudia Lima. A insuficiente proteção do consumidor nas normas de Direito


Internacional Privado: da necessidade de uma Convenção Interamericana (CIDIP) sobre a lei
aplicável a alguns contratos e relações de consumo. Revista dos Tribunais. São Paulo:
Revista dos Tribunais, v. 788, a. 90, jun. 2001. p. 11-56. ISSN: 0034-9275.

MARQUES, Cláudia Lima. Liberdade de estabelecimento e de prestação de serviços no


Mercosul: Instrumentos Legislativos sobre Formação de Recursos Humanos. In: MOROSINI,
Marilia (Coord.). Mercosul/Mercosur: Políticas e Ações Universitárias. Porto Alegre: UFRGS,
1998. p. 25-46. ISBN: 85-85701-52-8.

MARQUES, Cláudia Lima. Mercosul como legislador em matéria de direito do consumidor:


Crítica ao Projeto de Protocolo de Defesa do Consumidor. Revista de Direito do Consumidor.
São Paulo: Revista dos Tribunais, n. 26, abr./jun. 1998. p. 53-76. ISSN: 1415-7705.

MARQUES, Cláudia Lima. O “Direito do Mercosul”: Direito oriundo do Mercosul, entre


Direito Internacional Clássico e Novos Caminhos de Integração. Revista da Faculdade de
Direito da Universidade Federal do Paraná. Porto Alegre: Síntese, v. 35, 2001. p. 73-100.

MARQUES, Cláudia Lima. Prefácio. In: JAEGER JUNIOR, Augusto. Temas de direito da
integração e comunitário. São Paulo: LTr, 2002. p. 11-20. ISBN: 85-361-0272-1.

MARQUES, Cláudia Lima. Procédure civile internationale et Mercosur: pour un dialogue des
règles universelles et régionales. Revue du Droit Uniforme. Roma: Unidroit, v. 1, 2003. p.
465-484.

MARTINS, Estevão Chaves de Rezende (org.). Relações internacionais: visões do Brasil e da


América Latina – estudo em homenagem a Amado Luiz Cervo. Brasília; IBRI-FUNAG, 2003.
480 p.

MATTOS, Adherbal Meira. Direito e Relações Internacionais. Belém: Cesupa, 2003. 167 p.
ISBN: 85-89659-01-1.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Coletânea de Direito Internacional. 2. ed. São Paulo: Revista
dos Tribunais, 2004.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
16

MELLO, Celso Duvivier de Albuquerque. Curso de direito internacional público. 12. Rio de
Janeiro: Renovar, 2000.

MERCADANTE, Araminta; MAGALHÃES, José Carlos de (orgs.). Reflexões sobre os 60 anos da


ONU. Ijuí: Ed. da Unijuí, 2005. 566 p.

MIAJA DE LA MUELA, Adolfo. Introduccion al derecho internacional publico. 6. ed. Madrid:


Yagües, 1974. 704 p.

MIYAMOTO, Shiguenoli. O ideário da paz em um mundo conflituoso. In: BEDIN, Gilmar


et al. Paradigmas das relações internacionais. Ijuí: Unijuí, 2000.

MONCADA, António Cabral de. Curso de direito internacional público. Coimbra: Almedina,
1998.

MOREIRA, Adriano. Teoria das relações internacionais. 3 ed. Coimbra: Almedina, 1999.

MORENO PINO, Ismael. Derecho y diplomacia en las relaciones interamericanas. México:


Secretaría de Relaciones Exteriores; Fondo de Cultura Económica, 1999. 856 p.

NASCIMENTO E SILVA, G. E.; e ACCIOLY, Hildebrando. Manual de direito internacional


público. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Relações internacionais: estudos de introdução. Curitiba: Juruá,
2001. 298 p.

OLIVEIRA, Odete Maria de (coord.). Relações internacionais & globalização: grandes


desafios. 2 ed. Ijuí: Unijuí, 1999. 320 p.

OLIVEIRA, Odete Maria de. A questão nuclear brasileira: um jogo de mandos e


desmandos. Florianópolis: UFSC, 1989. 201 p.

OLIVEIRA, Odete Maria de. The inconsistent brasilian nuclear decisions. In: DI LASCIO,
Marco Alfredo et al. Energy policy for the sustainable development of the amazon
region. Brasília: UnB, 1995.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Integração nuclear Brasil-Argentina: uma estratégia


compartilhada. Florianópolis: Ed. da UFSC; Obra Jurídica, 1996. 208 p.

OLIVEIRA, Odete Maria de. A integração bilateral Brasil-Argentina: tecnologia nuclear e


Mercosul. Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília, ano 41, n. 1, 1998, p. 6-
23.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Os descaminhos do Brasil nuclear. Ijuí: Ed. da Unijuí, 1999.
550 p.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
17

OLIVEIRA, Odete Maria de. Relações internacionais: breves apontamentos e


contextualização. In: OLIVEIRA, Odete Maria de [Coord.]. Relações internacionais &
globalização: grandes desafios. 2 ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 1999.

OLIVEIRA, Odete Maria de. União Européia: processos de integração e mutação. Curitiba:
Juruá, 1999. 486 p.

OLIVEIRA, Odete Maria de (org.); e DAL RI JÚNIOR, Arno. Relações internacionais:


interdependência e sociedade global. Ijuí : Ed. da Unijuí, 2003. 728 p.

OLIVEIRA, Odete Maria de (org.). Configurações do humanismo e relações internacionais:


ensaios. Ijuí: Ed. da Unijuí, 2006. 748 p.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Teorias globais e suas revoluções: elementos e estruturas. Ijuí:
Ed. da Unijuí, 2005. 328 p. v. 1.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Teorias globais e suas revoluções: impérios de poder e modos de
produção. Ijuí: Ed. da Unijuí, 2005. 292 p. v. 2.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Teorias globais e suas revoluções: fragmentação do mundo. Ijuí:
Ed. da Unijuí, 2005. 314 p. v. 3.

ORGANIZAÇÕES internacionais: teoria geral, estudo monográfico das principais organizações


internacionais de que Portugal é membro. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1999.

PASTOR RIDRUEJO, José Antonio. Curso de derecho internacional publico y organizaciones


internacionales. 4. ed. Madrid: Tecnos, 1992.

PECEQUILO, Cristina Soreanu. Introdução às relações internacionais: temas, atores e visões.


2. ed. Petrópolis: Vozes, 2004. 246 p. ISBN: 85-326-2958-X.

PEREIRA, André Gonçalves; QUADROS, Fausto de. Manual de direito de direito internacional
público. 3. ed. Coimbra: Almedina, 2000.

PEREIRA, Luis Cezar Ramos. Ensaio sobre a responsabilidade internacional dos Estados e
suas conseqüências no direito internacional: a saga da responsabilidade internacional do
Estado. São Paulo: LTr, 2000. 504 p.

PIMENTEL, Luiz Otávio (org.). Direito da integração e relações internacionais: Alca, Mercosul
e UE. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2001. 704 p.

PIMENTEL, Luiz Otávio (org.). Direito da integração: estudos em homenagem a Werter R.


Faria. Curitiba: Juruá, 2001. 2 v. 420 p. 410 p.

PIMENTEL, Luiz Otávio (org.). Direito internacional e da integração. Florianópolis: Fundação


Boiteux, 2003. 1071 p.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
18

PIMENTEL, Luiz Otávio. O sistema brasileiro de proteção jurídica à tecnologia e o direito


econômico. 1993. Dissertação (Mestrado em Direito) - Curso de Pós-Graduação em Direito,
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1993.

PIMENTEL, Luiz Otávio. Propriedade intelectual e universidade: aspectos legais.


Florianópolis: Fundação Boiteux, 2005. 182 p.

PIMENTAL, Luiz Otávio; REIS, Murilo Gouvêa dos (orgs.). Direito comercial internacional:
arbitragem. Florianópolis: OAB/SC, 2002. 208 p.

PIMENTEL, Luiz Otávio; MOTA, Carlos Esplugues; BARRAL, Welber (orgs.). Direito
internacional privado: União Européia e Mercosul. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2007.
410 p.

PORTANOVA, Rogério Silva. Ecologie et politique au Bresil. 1994. Tese (Doutorado em


Sociologia Política) – Programa de Doutorado em Antropologia e Sociologia Política,
Universidade Paris VIII, Paris, 1994.

PORTANOVA, Rogério. Qual o papel do Estado no século XXI?: rumo ao Estado do bem estar
social. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2000.

RANGEL, Vicente Marota. Direito e relações internacionais. 6. ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 2000. 774 p.

REZEK, José Francisco. Direito internacional público: curso elementar. 6. ed. São Paulo:
Saraiva, 1996. 410 p. ISBN: 85-02-01874-4.

RICHARD, Guy. A história inumana: massacres e genocídios das origens aos nossos dias.
Lisboa: Instituto Piaget, 1997. 426 p.

RODRIGUES, Simone Martins. Segurança internacional e direitos humanos: a prática da


intervenção humanitária no pós-guerra fria. Rio de Janeiro: Renovar, 2000. 278 p.

SANTOS, Ricardo Soares Stersi dos. Mercosul e arbitragem internacional: aspectos


gerais e algumas possibilidades. Belo Horizonte: Del Rey, 1998.

SANTOS, Ricardo Soares Stersi dos. Noções gerais de arbitragem. Florianópolis:


Fundação Boiteux, 2004. 186 p.

SEITENFUS, Ricardo; VENTURA, Deisy. Introdução ao Direito Internacional Público. Porto


Alegre: Livraria do Advogado, 2003.

SEITENFUS, Ricardo Antonio Silva. Manual das organizações internacionais. 3. ed. rev. amp.
Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.

SEITENFUS, Ricardo Antonio Silva. Relações Internacionais. Barueri: Manole, 2004. 267 p.
ISBN: 85-204-1981-X.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
19

SOARES, Albino de Azevedo. Lições de direito internacional público. 3. ed. Coimbra:


Coimbra, 1986.

SOARES, Guido Fernando da Silva. Órgãos dos Estados nas relações internacionais: forma da
diplomacia e as imunidades. Rio de Janeiro: forense, 2001. 260 p.

SODER, José. História do direito internacional. Frederico Westphalen: Ed. da URI, 1998.

STELZER, Joana; GONÇALVES, Everton das Neves. Direito das relações internacionais: na
fronteira entre a força econômica e o valor da vida humana (estudos comemorativos à
luminar trajetória acadêmica de Odete Maria de Oliveira). Ijuí: Ed. da Unijuí, 2006. 700 p.

STRENGER, Irineu. Relações Internacionais. São Paulo: LTr, 1998. 254 p. ISBN: 85-7322-509-
2.

TAVARES, Ricardo Neiva. As organizações não-governamentais nas Nações Unidas. Brasília:


Instituto Rio Branco; Fundação Alexandre Gusmão; Centro de Estudos Estratégicos, 1999.
204 p.

THE LEGITIMACY of international organizations. New York: United Nations University Press,
2001.

TIBURCIO, Carmem; BARROSO, Luis Roberto. O direito internacional contemporâneo:


estudo em homenagem ao professor Jacob Dolinger. Rio de Janeiro: Renovar, 2006. 880 p.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. O esgotamento de recursos internos no direito


internacional. Brasília: UnB, 1997.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Princípios do direito internacional contemporâneo.


Brasília: UnB, 1981.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Direitos humanos e meio-ambiente: paralelo dos


sistemas de proteção internacional. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1993. 352 p.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Tratado de direito internacional dos direitos


humanos. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1997. 2 v. 488 p. 440 p.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. A humanização do direito internacional. Belo


Horizonte: Del Rey, 2006. 424 p.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Direito das organizações internacionais. 3. ed. atual.
Belo Horizonte: Del Rey, 2003.

VERDROSS, Alfred. Derecho internacional publico. 6. ed. Madrid: Aguilar, 1976. 692 p.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku
20

VIZENTINI, Paulo Fagundes. Relações Internacionais do Brasil: de Vargas a Lula. São Paulo:
Fundação Perseu Abramo, 2003. 117 p. ISBN: 85-86469-76-9.

WOLKMER, Antonio Carlos. O terceiro mundo e a nova ordem internacional. São Paulo:
Ática, 1989.

WOLKMER, Antonio Carlos. Direito e justiça na América indígena: da conquista à


colonização. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1998.

WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo jurídico: fundamentos de uma nova cultura do


direito. 2 ed. São Paulo: Alfa Omega, 1997.

Obs. No transcorrer da disciplina outras referências bibliográficas poderão ser fornecidas de


acordo com o conteúdo e trabalho sendo desenvolvido.

Plano de Ensino. Direito das Relações Internacionais. Prof. Dr. William Smith Kaku