Você está na página 1de 10

Anatomia Dental

-A anatomia dental é a parte da anatomia humana que estuda o órgão dentário,


ou seja, o dente e o periodonto que formam o substrato anátomo-funcional
básico do complexo mastigador.
*Os dentes são órgãos mineralizados, resistentes esbranquiçados e
implantados em ossos próprios (ossos alveolares) anexados aos maxilares e à
mandíbula.
*São compostos por tecidos duros (mineralizados), polpa (tec. Conjuntivo
frouxo) e é bastante vascularizado e inervado.
*Fixação do dente: Ele está ligado ao osso alveolar através do ligamento
periodontal (fibras colágenas inseridas no cemento e no osso alveolar), dessa
maneira o dente fica instabilizado na sua posição.
*Possuem funções como: mastigação; proteção e sustentação dos tecidos
moles adjacentes; fonação e estética.
*Os dentes estão dispostos em duas fileiras harmônicas, superior e inferior,
formando as arcadas dentárias.
*Do ponto de vista anatômico e descritivo, o dente é formado por 3 partes
distintas:
-Coroa: Porção visível e funcionante na mastigação e seu aspecto particular
distingue-a de imediato das demais partes. Ela é brilhante e permanece acima
dos ossos suportes e da gengiva. É por ela que começa a formação do ente e
sua calcificação.
-Colo: Fica no meio, na parte da gengiva entre a coroa e a raiz. É a parte mais
estrangulada do dente e é limitada por uma linha. Facilmente perceptível pela
diferença de cor entre as duas extremidades.
-Raiz: Fica na parte interna do osso alveolar, dando fixação ao dente. É o
segmento amarelado do dente que está alojado em cavidade própria, no
interior do osso. Ela sempre tem um comprimento maior do que a coroa, e
sofre também maior número de variações morfológicas. Além de suas funções
como elemento fixador, a raiz dentária suporta o impacto das forças
mastigadoras, graças às suas relações com as paredes do alvéolo dentário
através das fibras do desmodonto (tecido conjuntivo fibroso que une o dente
ao seu alvéolo, ligamento periodontal). A raiz nem sempre é única, de acordo
com o tipo de dente ela pode ser dupla ou tripla.
*Do ponto de vista arquitetural e estrutural o dente pode ser descrito como
sendo formado por quatro partes:
-Esmalte: Camada branca que conseguimos visualizar, dá cor ao dente, seja
branco, branco-acinzentado ou amarelo. Composto por: 96% de compostos
inorgânicos (mineral: hidroxiapatita de cálcio: fosfato de cálcio cristalizado); 3%
compostos orgânicos (proteína); 1% água. Se localiza na coroa. É o tecido
mais duro do organismo. Ele envolve completamente a dentina coronária
formando saliência e reentrâncias que dão a esta parte dentária um aspecto
típico em cada ripo de dente das arcadas.
-Dentina: Camada mais interna do dente e mais escurecida. Composta por:
47% compostos inorgânicos; 33% matéria orgânica; 20% água. Se localiza na
raiz e na coroa, sendo a maior estrutura do dente. Em seu interior localiza-se a
polpa, composta de nervos e vasos sanguíneos. Deve ser considerada em
seus dois componentes: câmara coronária e canal radicular.
-Polpa dentária: (Câmara pulpar) Tecido conjuntivo frouxo vascularizado e
inervado (tecido mole que produz tecido duro). Se localiza na raiz e na coroa.
Ela é o centro do dente, além de ser ela quem produz a dentina. É ela quem dá
ao órgão dentário a sua condição de elemento vivo e renovador da dentina.
-Cemento: Tecido mineralizado que recobre a raiz dental. Delicada película
osteóide que reveste a dentina radicular. Se localiza na raiz. Ele permite maior
fixação da raiz do dente no tecido ósseo do alvéolo.

*Um dos maiores problemas que temos é a falta do ponto de contato (entra
alimento facilmente entre os dentes e acumulam lá)

*Na forma decídua possuímos 20 dentes, sento 4 incisivo superiores, 4


inferiores, 2 molares superiores, 2 inferiores, 4 molares superiores e 4
inferiores (não possuímos pré-molares e terceiro molares) e ela surge com 5 à
6 meses; enquanto na forma permanente possuímos 32 dentes, sendo: 4
incisivos superiores e 4 inferiores, 2 caninos superiores e 2 inferiores, 4 pré-
molares superiores e 4 inferiores e 6 molares superiores e 6 inferiores, ela
surge com 5 à 6 anos. Os primeiros dentes decíduos a nascer são os incisivos
centrais inferiores. Os primeiros dentes permanentes a nascerem geralmente
são os primeiros molares (superiores ou inferiores) ou incisivos centrais
(inferiores). Os molares decíduos caem dando lugar aos pré-molares

-
*Suas funções por dente são:
-Incisivos: cortar os alimentos em partículas menores
-Caninos: rasgar o alimento
-Pré-molares (bicuspidados): pré-triturar os alimentos, moer
-Molares: triturar o restante dos alimentos
*Apreensão das substâncias alimentares é obtida pela ação conjunta dos
dentes incisivos e dos lábios.
*O nosso menor dente é o incisivo central inferior.
*Faces do dente:
-Face mesial: próximo à linha média
-Face distal: oposto à linha mesial, mais distante da linha média
-Face vestibular: “frente do dente”, na área vestíbulo da boca
-Face palatina: “atrás do dente”, na área do palato

*Dentes anteriores: Incisivos centrais e laterais e caninos


*Dentes posteriores: Pré-molares e molares
*Amêia: Espaço triangular de base vestibular ou lingual, situado entre as faces
de contato de dois dentes da mesma arcada.
*Ápice: Extremidade de uma cúspide ou de uma raiz, não é aguçado, é
arredondado, é o ponto de convergência das quatro arestas ou bordas que
existem nas cúspides dos dentes (final da raiz)
*Ângulo e aresta: União de duas ou três superfícies ou faces dentárias,
existem os ângulos diedros e triedos, sempre arredondados, os ângulos
diedros são dispostos entre uma face e outra e como são longos denominam-
se, especificamente, bordas ou arestas (mésio-vestibular); os ângulos triedos
ou coronários, situam-se no ponto de encontro de três faces (mésio-vestibular-
oclusal).
*Cíngulo: Também chamado esporão, é uma saliência um tanto acentuada na
face lingual ou palatina dos dentes anteriores (“bunda” do dente).
*Coroa anatômica: Segmento do dente situado acima da abertura do alvéolo
dentário, demarcado pela linha sinuosa do colo que corresponde ao ponto de
união do esmalte com o cemento radicular.
*Coroa clínica: Segmento da coroa dentária que fica situado acima do plano
gengival, onde situa-se a fixação epitelial desta membrana mucosa, na altura
do colo dentário, fica abaixo da união entre esmalte e cemento (a visível, acima
da gengiva).
*Crista: Elevação linear que une cúspide ou que reforça a periferia de certas
faces dos dentes; quando a crista interrompe um sulco dentário, unindo duas
cúspides obliquamente, fala-se de crista oblíqua ou ponte do esmalte (une
duas cúspides, interrompendo o sulco principal)
*Cúspide: Saliência piramidal , de volume variável, que se situa nas faces
oclusais dos dentes pré-molares e molares, esta formação assemelha-se a
pirâmide de base quadrangular, possui quatro faces ou planos inclinados,
bordas ou arestas, mais ou menos evidentes e ápice não pontiagudo, as
cúspides dentárias servem, também, para classificação dos dentes em bi, tri e
pentacuspidadas. (cada “ponta” do dente).
*Espaço interdentário: Espaço que se situa entra as faces proximais dos
dentes de mesma arcada, preenchido normalmente pela saliência gengival
interdentária ou papila interdentária.
*Faces: São as paredes das coroas dentárias que se orientam de maneira
diferente e cujas denominações permite distingui-las umas das outras, são em
número de cinco para cada dente, vestibular (vestíbulo da boca), lingual
(língua) ou palata (palato), mesial (mais próxima da linha mediada), distal (mais
longe da linha mediana) e oclusal ou incisal para os dentes anteriores (cima).
*Fossa: Depressão ampla de profundidade variável, localizada de preferência
na face lingual dos dentes incisivos e, às vezes, nos caninos, estas fossas
linguais acham-se limitadas pelas cristas marginais mesiais e distais e,
superiormente, pelos cíngulos, mais profundas nos incisivos superiores do que
nos inferiores, podem continuar sob o cíngulo, em forma de prolongamento
denominado buraco cego (“buraco” acima do cíngulo e somente em dentes
anteriores)
*Fosseta: Pequena depressão, mais ou menos profunda, que se situa nas
faces oclusais e vestibulares dos dentes pré-molares e molares, são de
aspecto variável, ora se apresentando como escavações triangulares, ora
losângicas ou então arredondadas, é normal o aspecto de um entalhe no
trajeto de um sulco, se atingir o volume de uma depressão, nos dentes pré-
molares, duas fossetas aparecem, mesial e distal, nos molares, geralmente
existem quatro, central, mesial, distal e vestibular. (se localiza na parte oclusal
do dente, somente nos posteriores).
*Junção cemento-esmalte: Local situado na altura do colo dentário, onde se
encontram o esmalte coronário e o cemento radicular, esta junção é convexa
nas faces mesial e distal, elas formam, no conjunto, uma linha sinuosa
conhecida por linha do colo do dente.
*Lobo: Segmento maior ou menor das faces vestibular e lingual dos incisivos e
caninos, separado por sulcos, que caracteriza os dentes jovens ou recém-
irrompidos, geralmente em número de três para as faces vestibular ou lingual
de cada dente, têm desenvolvimento variável e chegam a entalhar a borda
incisal dos dentes anteriores.
*Ponto de contato: Local onde se tocam as faces proximais ou de contato na
normal posição nas arcadas dentárias, formam os limites superiores dos
espaços interdentários, com a função mastigatória, transformam-se em facetas
de contato.
*Sulco: É uma depressão linear, geralmente pronunciada, que separa uma
cúspide de outra, também denominada erroneamente de fissura, o sulco pode
ser principal, mésio-distal, vestibular ou lingual, o primeiro situa-se na face
oclusal e os últimos partem desse e se dirigem para as faces vestibular e
lingual, respectivamente.
*Tubérculo: É uma elevação arredondada que se encontra, às vezes, em
algumas faces dentárias, originam-se de um maior depósito de esmalte que
surge com certa frequência nos desvios normais de formas típicas, o tubérculo
mésio-lingual do primeiro molar superior, tubérculo anômalo (de Carabelli), o
prolongamento dos cíngulos dos incisivos e caninos e os tubérculos
paramolares são bons exemplos destas saliências.
*Tuberosidade (bossa): Elevação vestibular ou proximal que se sobressai
nestas e corresponde aos pontos de maior espessura do esmalte. Estas
saliências são muito evidentes nas faces vestibulares de todos os dentes,
próximo ao colo dentário, seu desenvolvimento acentua-se ainda mais nos
dentes decíduos (“barriga” do dente).
Notação dentária
*O método mais usado é um traço horizontal seccionado em duas metades por
outro vertical
Dentes decíduos:

Dentes permanentes:
Cor dos dentes
*A coroa dos dentes possui uma coloração branco-amarelada que pode ir até o
branco-acinzentado, passando por todas as cores intermediárias (dente possui
três tonalidades).
*Os dentes de leite possuem coloração branco-azulado ou leitosa pois
possuem pouca calcificação.
*A coloração do dente depende somente da dentina.
*Existe variação de cores nos grupos dentários: os dentes incisivos apresentam
cor mais branco-azulada enquanto os pré-molares possuem cor mais branco-
amarelada; os caninos possuem coroa mais desenvolvida, por isso apresentam
a coloração branco-amarelado mais acentuada.
*A maior porcentagem de sais calcáreos é a responsável direta pela maior
coloração da coroa dentária
*A idade também influencia na coloração dentária
*Sexo, mulheres apresentam coloração mais esbranquiçada, o que indica
menor calcificação dos tecidos dentários.
*Dentes da arcada inferior têm coloração mais discreta
*Ângulo de incidência de luz também influencia visualmente
*Fatores patológicos podem influenciar, como o raquitismo, por exemplo, que
pode produzir uma coloração branco-azulada em dentes permanentes devido a
hipocalcemia, ou seja, pouco cálcio.
*Icterícia acentuada, em crianças na primeira infância, pode acarretar uma
coloração esverdeada na superfície dentária.

Você também pode gostar