Você está na página 1de 2

Perguntas e Respostas Fórum

1- Qual o agente etiológico da DC? Quais os mecanismos de transmissão?

R: É o Trypanossoma cruzi, como mecanismos de transmissão pode ocorrer através das fezes
contaminadas que entram no hospedeiro pela picada do barbeiro ou por ingestão de
alimentos contaminados como açaí e caldo de cana moídos com o vetor (o barbeiro).

2- Quais as fases da DC e os níveis de parasitemia?

R: Temos a fase aguda (sanguínea) e fase crônica (tecidual). Na fase aguda a parasitemia é alta
pois está no pico, já na fase crônica ela é baixa.

3- Quais os órgãos que podem ser afetados pelo parasita e seus sintomas?

R: Órgão do sistema digestório e o coração também pode ser afetado. Temos como sintomas
na f ase aguda o inchaço no baço, fígado e gânglios linfáticos, alterações cardíacas, dilatação
na massa cardíaca. Já na fase crônica se apresentam manifestações cardíacas como a arritmia,
palpitações, insuficiência cardíaca, esôfago (megaesôfago), no colón (mega colón): dilatação
do colón levando a constipação crônica, pode ocorrer obstrução intestinal por fezes.

4- O que seria a reativação da DC?

R: A reativação da DC é quando a doença encontra se em fase crônica, e quando se tem baixa


imunidade, como exemplo: indivíduos com Aids, imunocomprometidos, transplantados e que
fazem uso de medicamentos/coquetel. Pacientes com essas complicações podem fazer com
que a doença de chagas volte para fase aguda.

5- Quais as ferramentas diagnósticas laboratoriais para fase agudam e crônica e as respectivas


amostras biológicas para cada exame?

R: Na fase aguda a ferramenta que pode se utilizar para fechar o diagnostico laboratorial é o
exame direto (esfregaços) e também a hemocultura, onde se é observada a presença do
parasita em amostra de sangue periférico do paciente. Na fase crônica é realizado o exame
sorológico, onde irá ocorrer a detecção de anticorpos IgG, a amostra utilizada é o soro.

6- Pesquise sobre: Western-blotting e reações da polimerase (PCR) para DC e fale para a


finalidade destes exames.

R: Na técnica de Western-blotting o antígeno de Trypanossoma cruzi é submetido à


eletroforese em gel de poliacrilamida, para resolução das proteínas segundo o critério de
massa molecular. Somente após transferência do material fracionado em gel para membranas
de nitrocelulose, segue-se como no procedimento da reação antígeno anticorpo semelhante
ao método de ELISA. Os soros são colocados sobre as fitas de nitrocelulose e, no caso de uma
reação positiva, haverá o aparecimento de bandas características.

7- Baseado nos artigos compartilhados sobre DC no aluno-online explique sobre a forma


indeterminada da DC.

R: A forma indeterminada da DC é quando o indivíduo se encontra em fase crônica da doença,


que não é apresentado sintomas e manifestações clínicas, eletrocardiograma e exames
radiológicos normais, apenas em exames sorológicos e parasitológicos que se encontra o
resultado como positivo . Podendo ocorrer a morte súbita desse paciente.

8- No artigo intitulado: Sequência de transmissões não habituais da infecção chagásica em


uma mesma família: transfusional para a mãe e congênita para o filho, de cepa de
Trypanosoma cruzi resistente ao tratamento, explique sobre as técnicas diagnósticas utilizadas
nos membros da família investigados para DC e justifique a escolha de cada uma delas.

R: Na fase aguda da doença, a mãe, e o seu filho foram diagnosticados depois da realização de
exames de sangue periféricos e hemocultura, porque o tripanosoma cruzi ainda fica presente
na corrente sanguínea. Na fase crônica da doença, 13 anos após o nascimento da criança
contaminada pela mãe, foram feitos testes sorológicos, para identificar anticorpos (ELISA e
imunofluorescência), e exames de imagem, para visualização de possíveis alterações em
órgãos que podem ser acometidos na fase crônica.