Você está na página 1de 19

Conceito de alimento

Alimento é aquilo que os seres vivos comem e bebem para a sua


subsistência. O termo deriva do latim alimentum e permite
referir-se a cada uma das substâncias sólidas ou líquidas que
nutrem os seres humanos, as plantas ou os animais.

O alimento permite a regulação e a manutenção das funções do


metabolismo. Sem alimentos, os seres vivos não podem gozar
de boa saúde, correndo, aliás, o risco de morrer. Os alimentos,
por outro lado, atuam a nível psicológico para dar satisfação.
Nestes casos, o alimento não preenche tanto a função nutritiva.
Proporciona antes prazer (como é o caso de um hambúrguer ou
de um chocolate

Nutrientes – tipos,
classificação, composição
dos alimentos

Redação Planeta Biologia

FacebookTwitterLinkedinWhatsAppCompartilhar pelo email

Diariamente ingerimos diversos alimentos com diferentes substâncias químicas, entre elas
algumas que são necessárias para a vida, os chamados nutrientes. Há nutrientes necessários em
grandes quantidades, como os carboidratos, as proteínas e os lipídios, e nutrientes necessários
em quantidades menores, como as vitaminas e os sais minerais, Nem todo alimento contém
todos os nutrientes de que precisamos, por isso uma alimentação saudável é composta de
alimentos variados e coloridos.

Água, sais minerais, vitaminas e alguns tipos de açúcar (como a glicose) não precisam ser
digeridos, ou seja, suas moléculas não precisam ser quebradas em moléculas menores para
entrarem e fazer parte da composição química das células. Já as proteínas, as gorduras
(lipídios) e outros tipos de açúcar (como o amido) precisam ser digeridos para serem utilizados
pelo organismo.

Qual é a função de cada um desses nutrientes? O que acontece se deixarmos de ingerir alguns
deles?

Água
Em um ser humano adulto, a água corresponde a cerca de 60% da massa total do corpo; nas
crianças, essa porcentagem pode chegara 75%.

Por ser um excelente solvente, a água é essencial à vida. No interior das células, ela constitui o
meio que permite a mobilidade de outras substâncias. A água transporta nutrientes para o
interior das células, como glicose e sais minerais (sódio, potássio e cálcio, por exemplo),
essenciais ao funcionamento do corpo. A água também transporta para fora da célula
substâncias tóxicas dissolvidas e que devem ser eliminadas do organismo. Outra função da água
é a regulação da temperatura corpórea associada à transpiração.

Aqui no site tem um jogo que se chama Anatomia da Água, vai lá e dá uma olhada.

Diariamente, eliminamos água por diferentes meios: pelos rins (na forma de urina), pelos
pulmões (no vapor d’água eliminado na expiração), pela pele (no suor da transpiração) e pelo
sistema digestório (água das fezes). A água perdida deve ser continuamente reposta pela
ingestão de líquidos e de alimentos.

Em um dia não muito quente, com atividades sem muito esforço físico, um adulto perde, em
média, 2 500 mL de água. Normalmente essa água é reposta pelos produtos das reações
químicas que ocorrem no organismo (metabolismo) e pela ingestão de alimentos e líquidos.

Balanço da água em 24 horas (valores aproximados)

Ganha Perdida

Líquidos: 1000 mL Urina: 1500 mL

Alimentos: 1 200 mL Transpiração: 300 mL


Metabolismo: 300 mL Respiração: 600 mL

Fezes: 100 mL

Total: 2 500 mL Total: 2 500 mL

A perda ou a não reposição de 10% desse total de água causa desidratação séria, que pode ser
fatal se chegar a 20%.

Desidratação
A perda excessiva de água causada pela reposição inadequada ou por situações de diarreia,
vômito, transpiração intensa, sangramento ou outros fatores é denominada desidratação. Ela
pode provocar uma série    de    alterações    indesejáveis    no    organismo, como fraqueza, dor
de cabeça, perda    súbita    de    peso,    ressecamento    da    pele, confusão mental, aumento
da temperatura corporal e até a morte, em casos graves. Uma medida que pode ser tomada
para evitar a desidratação é o uso do soro caseiro.

Soro Fisiológico
O soro caseiro pode ser fundamental na preservação e na recuperação do organismo. Veja, a
seguir, como prepará-lo.

Composição:

 Água
 Sal de cozinha
 Açúcar comum

Preparo:

Antes de iniciar o preparo, lave bem as mãos. A seguir, encha um copo grande (200 mL) com
água limpa (fervida ou filtrada). Com uma colher de medidas,    distribuída nos postos de saúde,
misture na água

1 medida pequena    e    rasa de sal e 2 medidas grandes e rasas de açúcar, mexendo bem.
Prove um pouquinho e observe: deve estar menos salgado que a lágrima.
Atualmente, o Ministério da Saúde recomenda o soro caseiro somente em casos de emergência,
pois erros na dosagem de açúcar e sal podem provocar resultados indesejados no paciente. O
mais confiável é preparar os sais ou buscar as soluções de hidratação prontas, que são
distribuídas gratuitamente nos postos de saúde do pais e nas unidades da rede Farmácia
Popular, com o nome de soro de reposição oral. Esse soro é composto por 3,5 gramas de sal e
20 gramas de açúcar por litro de água.

A diarreia, que pode vir associada a vômitos, é a principal responsável por desidratação no
organismo, pois causa grande perda de água e de sais minerais. Alguns fatores que podem
causar diarréia são:

 a presença de microrganismos causadores de doenças na água consumida para beber


ou usada para cozinhar ou higienizar alimentos, utensílios de cozinha ou mesmo as mãos;
 as verminoses;
 o consumo de alimentos estragados. Todos esses problemas estão relacionados ao
saneamento básico disponível, aos programas de saúde, ao acesso a alimentos e à
qualidade da água oferecidos para a população.

Carboidratos
Substâncias formadas pelos elementos carbono, hidrogênio e oxigênio, são uma fonte rápida de
energia para o organismo. Eles são nutrientes energéticos ou calóricos e podem ser classificados
em monossacarídeos, dissacarídeos e polissacarídeos.

Os carboidratos são mais comumente classificados  quanto a quantidade de sacarídeos que


possuem.  A ilustração abaixo mostra como é feita essa classificação
Monossacarídeos
Há três tipos de monossacarídeos: a glicose, a frutose e a galactose. A glicose é o mais comum.
Ela é produzida pelas plantas e pelas algas microscópicas de rios e de oceanos, na fotossíntese.
Nesse processo, o gás carbônico e a água, na presença de luz e do pigmento clorofila,
combinam-se, formando glicose e gás oxigênio. A equação química que representa a
fotossíntese é:

gás carbônico (CO,) + água (H,0)-> glicose + gás oxigênio

A fotossíntese só ocorre na presença de luz e do pigmento clorofila. A glicose é metabolizada


pela maioria dos seres vivos em um processo conhecido como respiração celular, no qual ocorre
a formação de CO., e H,0, com liberação da energia; parte dela é usada para o funcionamento
do organismo. A representação deste processo é:

glicose + gás oxigênio -> gás carbônico + água + ENERGIA


Dissacarídeos
Os dissacarídeos são formados pela união de dois monossacarídeos. O dissacarídeo mais
conhecido é a sacarose, o açúcar comum ou açúcar da cana.

Polissacarídeos
Os polissacarídeos são formados pela combinação de centenas de moléculas de
monossacarídeos. O amido, o glicogênio, a celulose e a quitina são exemplos de polissacarídeos
encontrados nos seres vivos.

O amido é a fonte mais importante de carboidratos para o organismo humano. Constitui a


reserva de energia dos vegetais e é encontrado nos grãos, nas sementes, nos caules e nas raízes
de muitas plantas, como a batata, o milho, o arroz, o trigo, a mandioca, o centeio e a cevada.

O glicogênio constitui a reserva energética dos animais, sendo abundante, principalmente, nas
células do fígado e dos músculos.

A celulose é o polissacarídeo mais abundante na natureza. Ela é um carboidrato fibroso


presente em todos os vegetais e garante a forma das células e dos órgãos das plantas.

Do ponto de vista industrial e econômico, a celulose constitui um polissacarídeo fundamental,


muito usado na produção de papel e de roupas. As fibras do algodão e do papel são
constituídas, basicamente, de celulose (95% da massa).

O ser humano não é capaz de digerir a celulose. Cupins e bovinos, por sua vez, têm em seus
sistemas digestórios microrganismos capazes de digeri-la. Essa relação ecológica, que beneficia
tanto bovinos e cupins quanto os microrganismos que habitam os sistemas digestórios desses
animais, é o mutualismo. Os microrganismos têm, com essa relação, garantia de alimento e
abrigo, enquanto bovinos e cupins conseguem os nutrientes da digestão da celulose.

Lipídeos
Mesmo sem ser digerida, a celulose exerce um papel muito importante no processo de digestão
nos seres humanos: facilitar a eliminação das fezes. As fibras da celulose têm a capacidade de
absorver bastante água, tornando as fezes mais volumosas e macias, o que facilita seu
deslocamento em direção ao ânus. Dessa forma, as fibras previnem a prisão de ventre, gases e
uma série de doenças, principalmente as intestinais. Além disso, as fibras de celulose podem
permanecer bastante tempo no estômago, provocando a sensação de saciedade (falta de fome),
o que pode ajudar no controle da massa corporal, por exemplo.
A quitina é um polissacarídeo que compõe a parede celular dos fungos. Também pode ser
encontrada no exoesqueleto dos artrópodes, na rádula dos moluscos e na concha dos
foraminíferos.

Assim como os carboidratos, os lipídios também são nutrientes energéticos, e, portanto, são
fontes de energia para as células. Por fazerem parte das membranas das células, os lipídios
também são denominados substâncias estruturais ou construtoras.

Embora os lipídios sejam muitas vezes considerados vilões do corpo, eles exercem papéis muito
importantes e essenciais à sobrevivência dos seres vivos.

Os lipídios estão presentes no tecido adiposo (abaixo da derme, na pele) e em outros órgãos,
protegendo o corpo do frio e de possíveis lesões em caso de choque mecânico, Além disso,
atuam como meio de transporte para algumas vitaminas (A, D, E e K) que são solúveis em
lipídios.

Os carboidratos consumidos em excesso transformam–se em gorduras que ficam armazenadas


e podem, em caso de necessidade, ser transformadas em carboidratos novamente. Também
podemos acumular gorduras se consumirmos diretamente alimentos ricos em lipídios.

Proteínas
As proteínas são substâncias estruturais, assim como os lipídios. Além de fazerem parte da
constituição das células, as proteínas desempenham diversas funções, por exemplo:

 o transporte de gás oxigênio para as células do corpo é feito por uma proteína presente
no interior dos glóbulos vermelhos: a hemoglobina;
 alguns tipos de glóbulos brancos produzem proteínas que atuam no sistema de defesa
do organismo: os anticorpos;
 as enzimas são proteínas que participam de inúmeras reações químicas no organismo.
 As proteínas são formadas por grandes moléculas (macromoléculas) que, por sua vez,
são formadas pela união de aminoácidos.

No tubo digestório, as proteínas presentes nos alimentos ingeridos são quebradas, originando
aminoácidos, Esses aminoácidos, uma vez dentro das células, participam da síntese de proteínas.

Nos seres vivos são encontrados 20 tipos de aminoácidos, que se combinam de diversas formas,
originando centenas de proteínas diferentes. No corpo humano, nove desses aminoácidos são
essenciais, pois só podem ser obtidos por meio dos alimentos. Os outros 11 podem ser
produzidos pelo organismo humano.

Os alimentos contêm diferentes tipos e proporções de aminoácidos. Alimentos de origem


animal, como carnes, ovos e leite, são considerados completos, pois apresentam em sua
composição todos os aminoácidos essenciais.

Muitos alimentos de origem vegetal são ricos em proteínas, mas eles não contêm todos os
aminoácidos essenciais. Pessoas que seguem dieta vegetariana devem comer a maior variedade
possível de vegetais para garantir a ingestão de todos os aminoácidos.

Algumas combinações vegetarianas, como arroz com feijão, arroz com soja, arroz com ervilha e
feijão com farinha de milho apresentam todos os aminoácidos essenciais.

Os alimentos de origem animal, como carne, leite e ovos, contêm em suas proteínas todos os
aminoácidos essenciais.

Aqui no site tem duas aulas relacionadas com essas: Veja a aula Funções biológica das
proteínas, e também Classificação e estruturas das proteínas.

Vitaminas
Vitaminas são nutrientes que não podemos (com exceção da vitamina D) produzir mas que são
fundamentais para a nossa nutrição. São substâncias que agem como reguladores de outras
substâncias.

Podemos classificá-las de duas maneiras básicas:

 Hidrosolúveis: são aquelas que se dissolvem na água.


 Liposolúveis: são aquelas que se dissolvem apenas nos lipídeos

A falta ou o excesso de vitaminas podem causar sérios problemas de saúde. Para manter os
níveis equilibrados de vitamina no corpo é necessário ter uma alimentação bem equilibrada.

Na aula Vitaminas, tipos funções e fontes, você vai ver todos os tipos, onde encontrar e suas
funções em nosso organismo.

Sais Minerais
Os sais minerais não podem ser produzidos pelo organismo e precisam ser obtidos pela
alimentação. Apesar de não fornecerem energia, os sais minerais desempenham várias funções
importantes no organismo: alguns têm função estrutural, enquanto outros ajudam na regulação
de diversas atividades vitais. A carência dos sais minerais provoca uma série de problemas:

 pessoas com carência de iodo podem desenvolver bócio, em que há aumento da


glândula tireoidea (com aumento do volume do pescoço);
 a falta de ferro no organismo faz com que haja diminuição da quantidade de
hemoglobina no sangue, desenvolvendo, no indivíduo, a anemia ferropriva. Essa doença é
caracterizada por cansaço, fraqueza, redução de peso e olhos amarelados;
 a carência de cálcio e de fósforo na alimentação pode causar osteoporose, doença
caracterizada pela perda de massa óssea.
Uma alimentação saudável é capaz de suprir as necessidades de sais minerais do corpo
humano, Todavia, algumas medidas podem ser tomadas para evitar a carência de alguns
minerais: a adição do iodo ao sal de cozinha (vendido como sal iodado), determinada por lei
sob o controle do governo federal, ajuda na prevenção do bócio, por exemplo.

Pirâmide Alimentar
A manutenção de uma vida saudável exige uma boa alimentação, a prática regular de atividades
físicas e o controle da massa corporal. Uma boa alimentação deve conter todos os nutrientes,
além das fibras vegetais. Para auxiliar na alimentação saudável, entidades nacionais e
internacionais criaram as pirâmides alimentares. Nessas pirâmides estão indicadas, em ordem
crescente, as quantidades de cada alimento que devemos consumir. Assim, os alimentos
situados no topo da pirâmide são os que devem ser ingeridos em menor quantidade,

A pirâmide alimentar foi oficialmente adotada nos Estados Unidos em 1992 e, ao longo dos
anos. Passou a ser utilizada por diversos países, tendo sofrido diversas modificações na sua
forma original, adequando-se à cultura e às tradições alimentares do local. Além da pirâmide
adotada por Estados Unidos, México, Panamá e Chile, por exemplo, outras formas gráficas
foram utilizadas. O Canadá optou pela forma de arco-íris; a Costa Rica, pela forma de pizza-, e a
Guatemala adotou o formato de um pote de cerâmica para representação de suas
recomendações alimentares.

A pirâmide mostrada na ilustração a seguir foi elaborada com base nos estudos de Walter C.
Willett, do Departamento de Nutrição da Universidade de Harvard. Ela foi proposta em 2005
e serve como referência para uma pessoa adulta.

Observe que, na base da pirâmide, estão as atividades físicas, mas o conceito adotado é
bastante amplo. Como atividade física são recomendadas atividades comuns do dia a dia, como
arrumar e limpar a casa, caminhar por curtas distâncias, utilizar bicicleta como meio de
transporte sempre que possível e tentar diminuir as comodidades introduzidas pelo
desenvolvimento tecnológico.
Resumo da aula Nutrientes – tipos, classificação,
composição dos alimentos
 A importância da água no organismo.
 As causas, as consequências e as maneiras de combater a desidratação. 0 que são
nutrientes, suas funções e importância no organismo.
 O que é uma pirâmide alimentar.

Não se esqueça de dizer o que achou da aula Nutrientes – tipos, classificação, composição


dos alimentos, deixe seu comentário,

Fontes:

https://www.youtube.com/watch?v=k7g0R3QouZw
Classificação dos alimentos
14/05/2008

Os alimentos exercem um papel fundamental no dia-a-dia das pessoas e na


garantia de condições ideais de saúde e qualidade de vida. O ideal é sempre
tirar o melhor proveito deles, ou seja, comer bem, de maneira nutritiva e
balanceada, mas sem excessos, escolhendo e preparando as refeições com
baixo teor de gordura. O conhecimento da relação entre dieta adequada e
saúde beneficia a orientação nutricional. No caso mais específico da obesidade
e no combate ao seu grande vilão, a gordura, é preciso estar bastante atento
quanto à composição dos alimentos e a quantidade diária a ser ingerida,
equilibrando em sua dieta os macronutrientes e os micronutrientes. Para tanto,
é preciso conhecer suas necessidades nutricionais para assim estabelecer a
melhor dieta, seguindo seus hábitos, preferências e as atividades de rotina.
Uma alimentação balanceada é o primeiro passo para uma vida saudável.

Macronutrientes

Os alimentos são a nossa principal fonte de energia, necessários para o bom


funcionamento do organismo e para a própria manutenção da vida. Alguns
nutrientes, os chamados macronutrientes, devem ser ingeridos em quantidades
maiores, na proporção ideal de 55 a 60% de carboidratos, 25 a 30% de gorduras
e 12% de proteínas. Podemos definí-los da seguinte maneira: as proteínas
constroem e reparam o corpo, gorduras e carboidratos são combustíveis.

A digestão é o primeiro passo para retirar energia dos alimentos. Lembrando


que quando falamos em energia, estamos falando em calorias. Sob esse
aspecto, é importante destacar que o total dessa energia ingerida é resultado
da soma de todo o alimento e os líqüidos com valor calórico que a pessoa
consome ao longo do dia, sem exceção.

Essas diferenças se refletem também quando pensamos no principal causador


do excesso de peso. Durante anos, acreditou-se que os carboidratos (açúcar e
amido) estavam diretamente relacionados à obesidade. Hoje sabemos que
essa premissa não é a mais correta e a gordura vem ser o grande problema.

A explicação básica é simples. As calorias dos carboidratos transformam-se


rapidamente em energia a ser consumida pelo organismo, enquanto que as
gorduras são usadas como forma de armazenamento de energia.

Com isso, se consumirmos mais calorias do que o nosso corpo precisa para
satisfazer o requisitado pela atividade física diária, teremos um acúmulo maior
de gorduras armazenadas, o que é sinônimo de obesidade.
Gorduras

Gorduras, óleos e substâncias similares são classificados como lipídios, devido


às suas semelhanças em solubilidade. Eles são os macronutrientes
responsáveis por diversas funções importantes para o organismo. Além de sua
função energética, pois liberam maior quantidade de calorias por grama, as
gorduras são também excelentes veículos de vitaminas lipossolúveis (solúveis
em gordura).

Fornecem moléculas fundamentais para o organismo (prostaglandinas,


lipoproteínas e colesterol), são matérias-primas para síntese de vários
hormônios e ácidos graxos essencias (ou seja, incapazes de serem
sintetizados pelo organismo, necessitando serem introduzidos pela
alimentação); incrementam o paladar dos alimentos e protegem contra
variações de temperatura e contra a excessiva perda de água por transpiração.

Quimicamente os lípídios simples são ésteres de glicerol, isto é, moléculas


constituídas por glicerol — que é um álcool — mais ácidos graxos.
Ácido graxo + Glicerol = Triglicerídio = Lipídio

Classificação das gorduras

Entre as gorduras circulantes no sangue, as mais importantes são o colesterol


e os trigilicérides. No que se refere ao colesterol, há três tipos diferentes dessa
gordura necessária ao metabolismo do organismo, que é transportada no
sangue pelas proteínas: a lipoproteína HDL, também conhecida como
colesterol benigno porque não provoca as doenças isquêmicas do coração; a
lipoproteína LDL, chamada de colesterol maligno, pelo motivo contrário ao da
anterior; e a VLDL, que é a lipoproteína que transporta, além do colesterol,
grande quantidade de triglicérides.

Os riscos de doenças isquêmicas do coração ocorrem quando o nível de


colesterol total, ou seja, a soma das HDL, LDL e VLDL for superior a 200 mg/dl
ou o nível de LDL for maior que 130 mg/dl. A chance de uma pessoa sofrer uma
doença coronariana cresce proporcionalmente à medida que sobem os níveis
de colesterol total e/ou de LDL.

Muitas vezes, o excesso de colesterol no sangue (hipercolesterolemia) pode ter


causas genéticas. Nesses casos, somente uma dieta alimentar pode não ser
suficiente para normalizar os níveis de colesterol no sangue, exigindo também
a prescrição de medicamentos específicos.
Precaução

Para manter controle dos níveis de colesterol é recomendável evitar leite


integral, laticínios em geral, carne de porco e derivados, gema de ovo, carnes
gordas, fígado, miúdos, cacau e guloseimas, além de frutas oleaginosas como
coco e abacate. Somando-se a isso, a prática de exercícios físicos, visto que
eles aumentam a atuação da lipase lipoprotéica, que é a enzima responsável
pelo metabolismo do colesterol.
Triglicérides

Resultado da associação de três ácidos graxos e do glicerol, os triglicérides


são menos prejudiciais ao coração quando comparados ao colesterol, embora
também devam merecer atenção especial sempre que estiverem em níveis
altos.

As frações aceitas como normais para os triglicérides no Brasil são de até 200
mg/dl. Se ultrapassar esse limite, as medidas a serem seguidas são idênticas
às adotadas em situações de níveis altos de colesterol: dietas e exercícios,
além de evitar açúcares (chocolates, doces e refrigerantes) e derivados de
milho (farinhas, batatas e outros).
Carboidratos

Também conhecidos como hidratos de carbono, glicídios ou açúcares são


considerados alimentos energéticos, ou seja, destinados a gerar calorias
quando queimados pelo organismo. É o que ocorre, por exemplo, durante os
exercícios físicos.

Quando não aproveitados, os carboidratos transformam-se em gorduras.


Temos:

os carboidratos simples, também chamados de monossacarídeos (como a


glicose e a frutose), que são absorvidos diretamente pelo organismo (pelo
intestino). Os mais complexos, como a sacarose (açúcar de cana e da
beterraba), a lactose (do leite), o amido (da batata, trigo e arroz), antes de
serem absorvidos, precisam ser transformados em monossacarídeos, pela
ação de determinados fermentos digestivos. alguns carboidratos não são
digeridos nem tampouco absorvidos pelo organismo, como, por exemplo: a
celulose. Juntamente com a lignina e outras substâncias, constituem as
chamadas fibras dietárias ou alimentares, extremamente úteis em estimular os
movimentos peristálticos intestinais, favorecendo as evacuações. Além de
combaterem a prisão de ventre, auxiliam a diminuir a incidência de doenças
ano-retais e a baixar o teor de colesterol e triglicérides no sangue.

Proteínas Formadas de aminoácidos alinhados de ponta a ponta como vagões


de trem, as proteínas podem ser vegetais (hortaliças, leguminosas, féculas,
cereias, grãos, levedo, nozes, cogumelos etc.) e animais (carnes, laticínios,
ovos, peixes, crustáceos etc.).
Para serem absorvidas, elas precisam ser divididas em aminoácidos no
intestino delgado, onde são absorvidos pelas células da parede intestinal e
levados pelo sangue até as células que os utilizam para fabricar suas próprias
proteínas.

Com uma alimentação variada, proveniente do reino vegetal, é impossível que


faltem aminoácidos essenciais no organismo. Estudos científicos mostram que
os alimentos vegetais não provocam os problemas de saúde causados por
uma alimentação rica em produtos animais.

Libertar-se do mito da necessidade e da superioridade das proteínas de origem


animal representa um passo importante em direção à saúde e como
ferramenta para a perda de peso. Sem renunciar para sempre à carne e aos
produtos animais, podemos fazer a experiência de substituí-los, durante algum
tempo, por cereais e outros vegetais. Guiando-se pelo seu bem-estar, cada um
vai descobrir a quantidade que pode suportar sem problemas.

Micronutrientes

Proteínas, carboidratos e gorduras são essenciais para a alimentação, mas há


outros nutrientes que, embora sejam consumidos em quantidades menores
chamados assim de micronutrientes, também revelam-se importantes para
uma alimentação equilibrada e saudável, que são as vitaminas e os minerais.

Se na dieta falta um tipo de nutriente, você fica desnutrido, sua saúde declina,
deixando-o suscetível a doenças. Vale destacar que muito mais do que buscar
no mercado compostos minerais e vitamínicos que reponham suas
necessidades diárias, o ideal e recomendável é consumir esses nutrientes da
forma como são encontrados na natureza.

Vitaminas

Contribuem para a metabolização da matéria e da energia e são bastante


heterogêneas do ponto de vista bioquímico e fisiológico. De acordo com a
solubilidade, podem ser divididas em hidrossolúveis (solúveis em água) e
lipossolúveis (solúveis em gordura). As primeiras compreendem as vitaminas C
e do complexo B, enquanto as lipossolúveis são as vitaminas A, D, E e K.
Minerais

Sabe-se que a água, proteínas, gorduras, carboidratos e vitaminas compõem


aproximadamente 96% do organismo, e os 4% restantes são constituídos por
minerais. Destes, 21 são essenciais à nutrição humana: cálcio, fósforo,
potássio, enxofre, sódio, cloro, magnésio, ferro, zinco, selênio, manganês, cobre,
iodo, molibdênio, cobalto, cromo, silício, vanádio, níquel, estanho e flúor.
Alguns minerais presentes no corpo humano não apresentam função
conhecida (ouro, prata, alumínio, mercúrio, bismuto, gálio, chumbo, antimônio,
boro, lítio) e outros não foram estabelecidos ainda como essenciais, embora,
segundo consta, participem de certas reações biológicas (arsênio, bário,
cádmio, estrôncio, bromo).

É importante salientar que os minerais essenciais têm funções específicas e


indispensáveis, e sua carência pode levar a quadros graves, como por exemplo,
alterações ósseas e dentárias (flúor), enfraquecimento dos ossos e dentes
(cálcio), anemia perniciosa (cobalto) e outros.

Fonte: www.faac.unesp.br

Classificação dos Alimentos


Conhecendo a importância de cada grupo de alimentos para a nossa saúde.

Para ter boa saúde, dentre outras medidas, é necessário ter uma alimentação
balanceada, ou seja: comer de tudo um pouco. Isso porque, dessa forma,
nosso corpo recebe os nutrientes que precisa para se manter bem, na medida
certa.

Devemos comer, todos os dias, proteínas, carboidratos, gorduras,


vitaminas e sais minerais. Eles são encontrados nos alimentos, em
maiores ou menores quantidades.

Proteínas são encontradas em alimentos como cogumelos comestíveis,


carnes, ovo, leite e seus derivados (queijo, iogurte, coalhada e manteiga).
Alguns alimentos de origem vegetal também são ricos em proteínas. Alguns
exemplos são: arroz, feijão, milho, lentilha, grão-de-bico, soja, amendoim,
nozes, amêndoas e castanha-do-pará.

Como as proteínas ajudam o corpo a crescer, a se renovar e a se manter


resistente, alimentos que contêm grandes quantidades dessa substância
são classificados como alimentos plásticos ou construtores.
Carboidratos e gorduras (também chamados de lipídios) são
classificados como alimentos energéticos, já que é a partir dessas
substâncias que o organismo adquire energia para realizar suas tarefas.
Graças a isso e a tais alimentos, podemos realizar uma série de atividades,
todos os dias.

Para executar essas funções, primeiramente nosso organismo utiliza os


carboidratos. Eles são encontrados em pães, no macarrão, nas frutas, em
vegetais como a batata e a mandioca; em cereais como o arroz, trigo e o milho;
e nos doces. Quando comemos mais carboidratos do que nosso corpo
precisa, costumamos engordar, já que nosso organismo passa a guardar o
que sobra em algumas regiões do corpo, como a barriga, bumbum e braços.

Quando nosso organismo não tem carboidratos para retirar energia, ele utiliza
a gordura para isso. Essa substância é encontrada em grandes quantidades
em algumas carnes, como o cupim; na gema do ovo, na manteiga, na
margarina, nas amêndoas, no azeite, nas castanhas, e em frituras como
batatinha frita e pastel. Assim como no caso dos carboidratos, comer muita
gordura também faz com que a gente engorde, e possivelmente
desenvolva problemas de saúde. Por isso, apesar desses alimentos
serem muito gostosos, é sempre bom ter moderação.

Existe, ainda, um grupo de alimentos classificados como reguladores, que


ajudam no funcionamento correto do corpo e prevenção de doenças. São eles
os sais minerais e as vitaminas.

Sais minerais são encontrados na água, e em diversos outros alimentos, tanto


de origem vegetal quanto animal. Este último caso se aplica também às
vitaminas. Exemplos de alimentos ricos em sais minerais e vitaminas: carne,
ovos, queijo, leite, vegetais (manga, uva, laranja, maçã, melancia, acerola,
espinafre, agrião, beterraba, cenoura, pepino, berinjela, tomate, feijão,
lentilha, arroz, etc.) e azeite.

Por Mariana Araguaia


Bióloga, especialista em Educação Ambiental
Equipe Escola Kids