Você está na página 1de 10

Prensagem de pastilhas

Memorial descritivo no 169/2015

Revisão Data Alteração Observação


00 20/07/2015 Prensagem de pastilhas Inicial

Contratante: Beraca Sabará Químicos e Ingredientes S/A

Obra e Endereço: Via Principal, 5400 Quadra 12- Setor de Inflamáveis – Daia –

Anápolis/ Goiás

CNPJ: 12.884.672/0004-39

Elaborado por:

__________________________________

Edercley Moura
Engenheiro Mecânico/ Segurança do Trabalho
CREA 5060770240/D-SP

(61) 8459 2133/ (62) 9973 2600


EGM Projetos e Consultoria
egmprojetos@gmail.com
1. INTRODUÇÃO

A empresa Beraca Sabará, situada em Anápolis-GO, produzirá pastilhas de Dicloro,


Tricloro e Hipoclorito de Cálcio em sua unidade. Uma das etapas de produção, o
processo de pastilhamento de produtos em pó será realizado através de prensagem,
assunto desse memorial descritivo.

A EGM Projetos foi solicitada para avaliar e validar as prensas e suas instalações, a
fim de garantir a segurança do trabalhador e do processo, em conformidade com a
legislação e normatização vigente.

2. DESCRIÇÃO DOS AMBIENTES

A unidade fabril está situada em um terreno com 24.242,41m2 e tem uma área total
construída de 3.618,78m2, conforme planta geral anexa.

As instalações industriais principais são:

1. Prédio de Pastilhas,
2. Galpão de Produção,
3. Galpão de Testes,
4. Tancagem de Hipo/ Soda,
5. Área de Lavagem de Cilindros e
6. Área de Descarte de Resíduos.

O processo de prensagem das pastilhas se desenvolverá no Prédio de Pastilhas, com


área 1051,00m2, e será realizado por três prensas hidráulicas.

O galpão é dividido em 7 (sete) ambientes na sua área interna:.

1. Área de descarga de matéria prima;


2. Área de armazenamento de produto acabado, matéria prima e embalagem;
3. Prensagem 1 e mistura 1;
4. Prensagem 2;
5. Sala de estar;
6. Prensagem 3;
7. Área de separação e pesagem.

As prensas serão instaladas em ambientes separados, sendo que o setor de Pastilhas


é subdividido em duas áreas: Área 01 (Dicloro e Tricloro), Área 02 (Hipoclorito de
Cálcio); sendo que é expressamente proibido misturar produtos da área 01 com
a área 02, ou seja, Dicloro e Tricloro com Hipoclorito de Cálcio, pois a mistura

1
desses podem causar explosões violentas e também causar incêndio liberando
gases tóxicos.

Os ambientes não deverão ser contaminados por gases, poeiras, banhos


galvânicos ou vapores ácidos.

A temperatura bulbo seco do ambiente não deve ultrapassar 35oC.

O afastamento das prensas das paredes deve ser mínimo de 1000m, para facilitar
a limpeza e manutenção.

As prensas devem ser niveladas, para garantir seu perfeito funcionamento e


maior durabilidade das peças móveis.

É aconselhável o uso de niveladores que absorvam vibrações mecânicas, que


possam eliminar irregularidades do piso.

Procedimentos operacionais de segurança deverão ser implantados para garantir


que não haja mistura, contaminação e possíveis acidentes graves.

2.1. CONSTRUÇÃO CIVIL

Os ambientes deverão seguir a seguinte padronização:

ÁREA DE DESCARGA DE MÁTERIA PRIMA.

Piso: Todo em concreto armado com inclinação de 10%, cimento desempenado,


com junta seca acabamento áspero.

Cobertura: Telha seção trapezoidal em chapa de aço galvanizado, espessura


0,65mm.

Estrutura metálica cobertura: Tesouras metálicas em perfis metálicos soldados,


com pintura em esmalte sintético azul-segurança correspondente à classificação 2.5
PB 4/10 do sistema Munsell, estruturas jateadas metal quase branco Sa 2.1/2.

Todas as soldas conforme norma AWS eletrodo E-70 xxx.

Esquadrias metálicas portão: Portão em chapa metálica de abrir tipo basculante


com folha de abertura paralela ao piso (acesso interno ao galpão).

2
ÁREA DE ARMAZENAM. DE PROD. ACABADO, MAT. PRIMA E EMBALAGEM.

Paredes: Alvenaria em blocos de concreto nas dimensões de 19x19x39 cm. Com


revestimento massa única tipo reboco paulista espessura 20 mm. acabamento
camurçado.

Pintura: Pintura acrílica, sobre massa única e alvenaria – Suvinil na cor branco gelo
e faixa cinza.

Piso: Todo em concreto armado, cimento desempenado, endurecedor a base de


quartzo acabamento polido (todo o galpão).

Cobertura em Arco: Telha seção trapezoidal em chapa de aço galvanizado,


espessura 0,65mm.

Estrutura metálica cobertura em Arco: Tesouras metálicas em perfis metálicos


calandrados e soldados, com pintura em esmalte sintético azul-segurança
correspondente à classificação 2.5 PB 4/10 do sistema Munsell, estruturas jateadas
metal quase branco Sa 2.1/2. Todas as soldas conforme norma AWS eletrodo E-70
xxx.

Esquadrias metálicas portão: Portão em chapa metálica de abrir tipo de correr com
1 folha.

Esquadrias metálicas janelas: Janela em metalon pintada em esmalte sintético azul-


segurança correspondente à classificação 2.5 PB 4/10 do sistema Munsell,
estruturas jateadas metal quase branco Sa 2.1/2.
Faz parte desse ambiente uma área para higienização e lavagem de baldes, a mesma
contém revestimento cerâmico e uma mureta (baia de contenção) de 0,30m. com
ponto de água.

ÁREA DE PRENSAGEM 1 E MISTURA 1.

Paredes: Alvenaria em blocos de concreto nas dimensões de 19x19x39 cm. Com


revestimento massa única tipo reboco paulista espessura 20 mm. acabamento
camurçado, com altura de 0,50 m. com revestimento em divisória de madeira nas
laterais e frontal, na parte frontal abertura de 1,50m com porta metálica de correr.
1,50x2.20m. Na parede traseira se encontra instalado exaustor para exaustão do pó
que se encontra na sala no decorrer do processo.

Esquadrias metálicas janelas: Janela em metalon pintada em esmalte sintético azul-


segurança correspondente à classificação 2.5 PB 4/10 do sistema Munsell,
estruturas jateadas metal quase branco Sa 2.1/2. Paredes.

3
ÁREA DE PRENSAGEM 2.

Paredes: Alvenaria em blocos de concreto nas dimensões de 19x19x39 cm. Com


revestimento massa única tipo reboco paulista espessura 20 mm. acabamento
camurçado, com altura de 0,50 m. com revestimento em divisória de madeira nas
laterais e frontal, na parte frontal abertura de 1,50m com porta metálica de correr.
1,50x2.20m. Na parede traseira se encontra instalado exaustor para exaustão do pó
que se encontra na sala no decorrer do processo.

SALA DE ESTAR

Paredes: Alvenaria em blocos de concreto nas dimensões de 19x19x39 cm. Com


revestimento massa única tipo reboco paulista espessura 20 mm. acabamento
camurçado.

Pintura: Pintura acrílica, sobre massa única e alvenaria – Suvinil na cor branco gelo
e faixa cinza.

Piso: Cerâmica com grau de dureza V, no vão da sala de estar, contém também na
sala uma Pia de copa com bancada de pedra mármore com cuba em aço inox.

Esquadrias metálicas janelas: Janela em metalon pintada em esmalte sintético azul-


segurança correspondente à classificação 2.5 PB 4/10 do sistema Munsell,
estruturas jateadas metal quase branco Sa 2.1/2. Paredes.

Esquadrias metálicas porta: Porta em chapa metálica de 1,00m x 2,10m uma folha.

ÁREA DE PRENSAGEM 3.

Paredes: Alvenaria em blocos de concreto nas dimensões de 19x19x39 cm. Com


revestimento massa única tipo reboco paulista espessura 20 mm. acabamento
camurçado, com altura de 0,50 m. com revestimento em divisória de madeira nas
laterais e frontal, na parte frontal abertura de 1,50m com porta metálica de correr.
1,50x2.20m. Na parede traseira se encontra instalado exaustor para exaustão do pó
que se encontra na sala no decorrer do processo.

ÁREA DE SEPARAÇÃO E PESAGEM.

Paredes: Alvenaria em blocos de concreto nas dimensões de 19x19x39 cm. Com


revestimento massa única tipo reboco paulista espessura 20 mm. acabamento
camurçado.

4
Pintura: Pintura acrílica, sobre massa única e alvenaria – Suvinil na cor branco gelo
e faixa cinza.

Esquadrias metálicas janelas: Janela em metalon pintada em esmalte sintético azul-


segurança correspondente à classificação 2.5 PB 4/10 do sistema Munsell,
estruturas jateadas metal quase branco Sa 2.1/2. Paredes.

Esquadrias metálicas portão: Portão em chapa metálica de abrir tipo de correr com
1 folha.
Dentro deste vão encontra-se prateleiras metálicas para armazenamentos de
produtos acabado.

5
3. DESCRIÇÃO DOS FLUXOS

Os fluxos do processo devem ter como prioridade, em ordem decrescente:

1. Evitar toda e qualquer possibilidade de mistura dos componentes da Área 1


com o da Área 2;
2. Estabelecer a sequência das atividades de recepção, pesagem, prensagem,
armazenamento, descarga e transporte, visando a segurança e
produtividade;

Para atender a essas prioridades, um fluxograma de processo será desenvolvido,


assim como um procedimento detalhando cada passo da atividade.

4. DIMENSIONAMENTO

Em função das diferentes necessidades de cada produto, foram selecionadas as


seguintes prensas do fabricante SILME:

Área Prensagem Produto Modelo prensa


01 Prensagem 1 Dicloro PS-100-P
01 Prensagem 2 Tricloro PS-200-P
02 Prensagem 3 Hipoclorito de Cálcio PS-100-P

As prensas selecionadas têm as seguintes características, que são suficientes


para atender aos processos selecionados:

Modelos PS-100-P PS-200-P


Dados Unid
Força máxima de avanço Ton.F 100 200
Força máxima de retorno Ton.F 10,5 22
Força máxima de extração Ton.F 20 40
Curso da mesa móvel prensagem mm 300 400
Curso da mesa móvel extração mm 150 200
Abertura máxima entre mesas mm 400 500
Dimensões úteis das mesas mm 500 550
450 500
Potência do motor CV 10 20

Ambas as prensas têm como características construtivas:

6
 Alimentador: guiado por duas guias laterais e uma central, servindo
simultaneamente como vedação do material.
 Mesa fixa: com furação para colocação e fixação da matriz, com opção
para uma ou mais cavidades de formato cilíndrico ou demais formas de
pastilhas.
 Conjunto cilindro pistão: equipado com gaxetas de alto poder vedante,
contra vazamento de óleo em contato com o produto.
 Unidade hidráulica: todas as válvulas do circuito hidráulico são
montadas em um único bloco manifold.
 Painel de comando: CLP (controle lógico programável) acoplado à
prensa
 Ciclo manual: para montagem do conjunto de ferramentas e regulagem
de altura e peso das pastilhas
 Ciclo automático: para produção contínua de pastilhas
 Motor: trifásico 380V
 Estrutura: Monobloco em chapas de aço SAE 1020 soldadas

5. INSTALAÇÃO ELÉTRICA

As orientações do fabricante deverão ser consideradas durante a elaboração do


projeto elétrico, que deve ser elaborado por profissional habilitado.

A instalação deve ser seguida de laudo de aterramento elétrico, relatório e


prontuário, de acordo com as definições da NR 10.

7
6. SEGURANÇA

O Manual de operação e manutenção dos equipamentos alerta para as proibições:

 Remoção e/ou alteração da grade de proteção móvel;


 Alteração do software do módulo de segurança;
 Remoção ou by-pass dos sensores da grade e da porta inferior;
 Remoção ou by-pass do comando bi-manual;
 Remoção ou by-pass do botão de emergência;
 Remoção ou by-pass dos sensores de monitoramento das válvulas;
 Aumento da pressão de trabalho;
 Violação dos lacres das válvulas de segurança.

Na seção “Manutenção”, orientação são dadas no sentido de que intervenções


devem ser realizadas por profissionais capacitados, qualificados ou legalmente
habilitados, formalmente autorizados pelo empregador, com máquinas e
equipamentos parados e adoção de procedimentos, tais como:

 Energia zero;
 Bloqueio mecânico e elétrico;
 Garantir que à jusante dos pontos de corte de energia não exista
possibilidade de gerar risco de acidentes;
 Medidas adicionais.

Os circuitos elétricos e hidráulicos devem ser fornecidos, juntamente com o manual


de operação e manutenção.

8
7. CONCLUSÃO

Esse memorial descritivo, em conjunto com o projeto executivo, visou prover os


detalhes para as prensas hidráulicas, sua instalação e operação segura, dentro das
normas de engenharia e segurança aqui citadas, e devem ser fabricados,
inspecionados e instalados de acordo com as orientações fornecidas. Quaisquer
alterações e desvios nesse processo devem ser avaliados por profissional qualificado
e registradas formalmente como revisão. A não observância dessas recomendações
exime o responsável desse projeto de qualquer responsabilidade.

8. REFERÊNCIAS

Normas regulamentadoras do MTE


 NR 10 – Instalações e serviços em eletricidade;
 NR 12 – Máquinas e equipamentos;
 NR 17 – Ergonomia;
 NR 26 – Sinalização de segurança;

ABNT
 NBR 7195:1995 – Cores de segurança;
 NBR 13759:1996 – Segurança de máquinas – Equipamentos de parada de
emergência – Aspectos funcionais e princípios de projeto;
 NBR 14009:1997 – Segurança de máquinas – Principios para apreciação de riscos;
 NBR 14152:1998 – Segurança de máquinas – Dispositivo de comando bimanuais
– Aspectos funcionais e princípios para projetos;
 NBR 14153:1998 – Segurança de máquinas – Partes dos sistemas de comando
relacionados à segurança – Aspectos funcionais e princípios para projeto;
 NBR 14154:1998 – Segurança de maquinas – Prevenção de partida inesperada;

9. ANEXOS

 Projeto executivo 02-01 – Planta geral de cobertura – Rev0;


 Projeto executivo 01-01 – Prédio produção de pastilhas de cloro – Fluxograma
de processo – Fabricação de pastilhas– Rev2;
 Projeto executivo 03-10 – Prédio produção de pastilhas de cloro – Planta baixa –
Rev0;
 Projeto executivo 04-10 – Prédio produção de pastilhas de cloro – Cortes e
fachadas – Rev0;

Você também pode gostar