Você está na página 1de 96

Período colonial

sexta-feira, 9 de março de 2018 14:44

❖ Portugal sob os Avis (1385-1580)


❖ Período pré-colonial (1500-1530)
❖ Período colonial
❖ União Ibérica (1580-1640)
❖ Invasões estrangeiras
❖ Restauração portuguesa (1640)
❖ Mineração
○ período pombalino (1750-1777)
○ consequências do período minerador
▪ mudança do eixo dinâmico da América portuguesa
❖ Período Mariano (1777-1816)
❖ Rebeliões nativistas
❖ Sedições coloniais

❖ Portugal
➢ formação do Estado Português
▪ fim da Idade Média
▪ primeiro Estado europeu a se tornar um Estado moderno
▪ centralização política precoce
➢ Guerra de Reconquista
▪ cristandade ocidental X mouros
▪ liderada por dois reinos: Aragão e Castela
• dão origem à Espanha
▪ Condado Portucalense
• se declara soberano em 1139
• dinastia de Borgonha
➢ Revolução de Avis (1383-1385)
▪ contra Aragão e Castela (“Espanha”)
▪ derrota da dinastia de Borgonha e ascensão da dinastia de Avis
▪ consegue juntar diversos grupos sociais e formar um Estado Moderno
▪ Estado moderno português
• Avis transformaram Portugal em um Estado moderno e em uma potência naval
❖ Portugal sob os Avis (1385-1580)
➢ dinastia termina com a União Ibérica (1580)
➢ Padroado
▪ estreita aliança entre Estado e Igreja
▪ Igreja cede a responsabilidade de expansão da fé cristã católica ao rei
➢ Beneplácito
▪ ordens dadas pelo Papa só deveriam ser seguidas pelo clero português se o rei
autorizasse
➢ pioneirismo português na expansão marítima
▪ posição geográfica facilitou, mas não é fator explicativo
▪ centralização política precoce
• o Estado centralizado, capaz de mobilizar recursos em escala nacional, tornou-se
um pré-requisito à expansão ultramarina (Carlos Guilherme Mota)
▪ capitais genoveses
• 1453: tomada de Constantinopla pelos turco-otomanos
 controle do comércio de especiarias
➢ muito lucrativo
 otomanos concederam o monopólio do comércio a Veneza
 genoveses ficaram com capital disponível para investir
 como a via terrestre estava sob controle dos turco-otomanos, genoveses

Página 1 de HB
 como a via terrestre estava sob controle dos turco-otomanos, genoveses
buscam uma alternativa
• financiamento da expansão marítima portuguesa
 périplo africano para ter acesso às especiarias orientais
➢ expansão marítima
▪ Ceuta (1415)
▪ objetivos
• expandir a fé cristã
• ouro
• continuar a Reconquista
 Reino do Preste João
➢ lenda de um reino católico no Chifre da África, que poderia servir de
aliado para atacar os muçulmanos
• rota alternativa para as Índias
▪ “mare clausum”
• monopólio português da navegação do Atlântico Sul
 viabilizar contorno do Cabo das Tormentas (depois, passou a se chamar
Cabo da Boa Esperança)
 “volta do mar”
▪ França e Inglaterra investem em piratas e corsários
❖ Períodos (B. Fausto)
➢ da chegada de Cabral à instalação do Governo Geral (1549)
▪ reconhecimento e posse da nova terra
▪ escasso comércio
➢ do Governo Geral às últimas décadas do século XVIII
▪ inicia-se a montagem da colonização
➢ final do século XVIII à Independência
▪ conjunto de transformações
❖ Período pré-colonial (1500-1530)
➢ estrutura político-administrativa
▪ feitorias ao longo da costa
• Fausto: Brasil foi arrendado por 3 anos a um consórcio de comerciantes de
Lisboa, liderado por Fernão de Noronha
 recebeu monopólio comercial
 deveria mandar navios para explorar a costa e construir feitorias
▪ sem esforço de ocupar o território
• lucratividade das índias
• aparentemente, não havia metais preciosos
➢ estrutura socioeconômica
▪ escambo
▪ estanco
• monopólio do pau-brasil
❖ Período colonial (1530/32-1808)
➢ razões para colonização
▪ concorrência no comércio de especiarias orientais
• queda nos lucros
▪ ameaça estrangeira na América Portuguesa
▪ perspectiva de metais preciosos no continente
• descoberta de prata na América Espanhola
▪ ocupar para não perder
➢ expedição de Martim Afonso de Souza (1530-1532)
▪ guarda-costas e reconhecimento
▪ percorreu uma grande extensão (NE-foz do Prata)
▪ orientado a começar ocupação
• litoral de SP
▪ concessões não hereditárias de terras a portugueses
➢ estrutura político-administrativa

Página 2 de HB
➢ estrutura político-administrativa
▪ Capitanias hereditárias
• modelo já era usado nas colônias nas ilhas do Atlântico
• transferia a responsabilidade da ocupação para grupos privados, que deveriam
proteger, povoar e produzir
• a qualquer tempo, a Coroa podia retomar a capitania para si
 foi retomando todas progressivamente, a partir do Governo Geral
• objetivo era integrar a colônia à economia mercantil europeia (B. Fausto)
• donatários podem ceder sesmarias
 origem da formação de vastos latifúndios (B. Fausto)
• capitães donatários: militares, burocratas, comerciantes
• Fausto: nenhum representante da grande nobreza estava entre os donatários -
negócios na Índia, em Portugal e nas ilhas atlânticas eram mais atrativos
• doações não eram, necessariamente, por reconhecimento por serviços
prestados a Coroa
 passam a reivindicar reconhecimento depois de ter vindo para o Brasil
 era a vinda que levaria à prestação de serviços à Coroa
• não funcionou → falta de apoio do Estado português
• somente Pernambuco e São Vicente deram certo (B. Fausto)
 São Vicente foi a última capitania a ser extinta, em 1791 (Maria Yedda) – já
no período pombalino
 menos embates com os índios
 adoção da cana, que já dava certo em outras colônias portuguesas no
Pacífico
▪ Governo-Geral (1548)
• não substituiu as capitanias, foi uma tentativa de fazer as capitanias
funcionarem
• relativa centralização
• motivos: crise nos negócios nas Índias e descoberta de metais na América
espanhola (B. Fausto)
• vinda dos primeiros jesuítas (B. Fausto)
• propósito de garantir a posse territorial da nova terra, colonizá-la e organizar as
rendas da Coroa (B. Fausto)
• 1548: Regimento de Tomé de Souza
• principais problemas a serem enfrentados: pirataria, ataques indígenas,
conflitos entre colonos (Maria Yedda)
• colonização é incentivada com a intensificação do tráfico negreiro e com os
apelos para a vinda de colonos açorianos (Maria Yedda)
• sede na Bahia
• cargos
 Provedor-Mor
➢ recolher impostos
➢ controlar orçamento
 Capitão-Mor-da-Costa
➢ defender o território
 Ouvidor-Mor
➢ justiça
▪ Câmaras Municipais (décadas de 1530-1570)
• representação dos interesses locais
• “homens bons”
• Fausto: graças ao enraizamento na sociedade, foram o único órgão que
sobreviveu após a Independência
▪ capital no RJ (1763)
• aproximação da região mineradora e do Prata
• vice-Rei: Conde da Cunha
• reformas

Página 3 de HB
• reformas
▪ Vice-Reino do Brasil (1774)
➢ estrutura socioeconômica
▪ plantation
• latifúndio
• monocultura
• mercado externo
• mão de obra escrava
 inicialmente, indígena
 índios (Maria Yedda)
➢ Coroa tentou, de várias formas, incentivar a integração do índio e
evitar o etnocídio (leis em 1750, 1588, 1596, 1605 e 1611)
➢ o próprio sucesso da colonização implicava a morte do índio, sua
desapropriação e aculturação
➢ escravidão indígena só é eficazmente proibida durante o reinado de
D. José I (Pombal)
 africana
➢ alta mortalidade dos índios
➢ comércio de escravos (tráfico) era lucrativo
➢ entrosam-se as atividades dos colonizadores europeus nas duas
margens do Atlântico e se abre para a classe empresarial europeia
todo um importante setor de tráfico mercantil (Carlos Guilherme
Mota)
➢ tráfico negreiro evidenciava significativa autonomia comercial da
colônia: traficantes estavam estabelecidos na colônia, não na
metrópole (Manual)
▪ existiam poucos senhores de engenho
• investimento era muito alto
• financiamento: comerciantes e banqueiros de Flandres e dos Países Baixos
▪ pecuária
• atividade acessória
• conforme a lavoura se expande, empurra a pecuária para o interior
▪ historiografia (economia)
• sentido da colonização (Caio Prado)
 expansão marítima europeia
 transição do feudalismo para o capitalismo
 mercantilismo
 acumulação primitiva de capitais
 externalista
• internalistas (predominantes hoje)
 Antigo Regime nos trópicos
 acumulação endógena de capitais é maior que a acumulação primitiva na
metrópole
 elite colonial deu um ritmo próprio à colônia
➢ obtenção de status por meio da acumulação de terras
▪ imobilização de capital
➢ investiram capital do setor terciário (comércio) para o primário
➢ responsáveis por manter a economia em moldes atrasados, arcaicos
▪ culpados pelo subdesenvolvimento
▪ questão social
• divisão de Ilmar Mattos
 colonizados
➢ maioria da população
➢ homens livres pobres e escravos
 colonos
➢ proprietários
➢ homens bons

Página 4 de HB
➢ homens bons
➢ comerciantes - Fausto: excluídos das Câmaras e das honrarias
➢ detentores do monopólio sobre os meios de produção (Manual)
 colonizadores
➢ oficiais régios
➢ funcionários do aparato estatal metropolitano
➢ clero
➢ comerciantes reinóis
• conflitos entre colonos e colonizados eram mais numerosos, mas são pouco
estudados
• colonizadores X colonos: movimentos nativistas
▪ quatro grandes formas de posse e uso da terra na sociedade colonial (Maria Yedda)
• grande propriedade: exploração direta e trabalho escravo
• plantações, sítios e situações: sob a gerência do foreiro e com trabalho escravo
• terras indivisas ou comuns: propriedade comunal; exploração escravista ou por
parte dos roceiros
• áreas de uso coletivos: criadores de gado, pequenas aldeias e vilas no interior do
país
❖ União Ibérica (1580-1640)
➢ 1578: Dom Sebastião desapareceu em batalha
▪ Sebastianismo
➢ 1578-1580: cardeal Dom Henrique
➢ Tordesilhas continua valendo
➢ Juramento de Tomar (1581)
▪ rei espanhol (Felipe II, Habsburgo) se comprometia a respeitar a independência
portuguesa
▪ garantia autonomia administrativa dos Impérios
➢ os dois Estados continuaram existindo, apenas eram governados pelo mesmo soberano
➢ Habsburgo eram um hegemon
▪ balança de poder: surgimento de uma aliança contra-hegemônica
➢ Habsburgo espanhóis tinham muitos inimigos
▪ passaram a atacar império ultramarino português
▪ motivações mercantis para as invasões
❖ Invasões estrangeiras
➢ França
▪ não reconhece a “divisão do mundo”
• Tordesilhas como “testamento de Adão”
▪ defende “mare liberum”
▪ França Antártica (1555-1565)
• colônia huguenote na Baía de Guanabara
• motivação econômica e mercantil
• antes da União Ibérica
• fuga de perseguições religiosas na Europa
• aliança com os índios
 Confederação dos Tamoios
➢ contra portugueses
➢ acolheram os franceses
 Aimoré
➢ divisão dos Tamoios
➢ apoiaram os portugueses e ajudaram a expulsar os franceses
• 1565: fundação do RJ (Forte de São Sebastião)
▪ França equinocial (1612-1615)
• já sob União Ibérica
• na foz do Amazonas (São Luís do Maranhão)
• portugueses fundam Forte do Presépio
 espanhóis entregaram a defesa do Maranhão para os portugueses
➢ expansão “autorizada” pelo rei da Espanha

Página 5 de HB
➢ expansão “autorizada” pelo rei da Espanha
 deu origem a Belém (1616)
 decorreu do medo da Espanha face à possibilidade de piratas ou colonos
holandeses penetrarem pelo Amazonas até o Peru, junto às minas de prata
(Maria Yedda)
• Estado do Maranhão (1621)
▪ 1710-1711: sequestro de portos
• corsários a serviço da França
• contexto: Guerra de Sucessão Espanhola (1710-1713)
➢ Holanda
▪ “guerra do açúcar” (1621)
• Holanda independente da Espanha (1581)
• holandeses financiavam a produção do açúcar português, controlavam o refino
e as rotas de distribuição
• monarca espanhol (durante a União Ibérica) impede o acesso dos holandeses ao
açúcar português
• guerra luso-neerlandesa
• teve reflexos na América portuguesa e na África
▪ Companhia das Índias Ocidentais (WIC)
• criada em 1621
▪ WIC em Salvador (1624)
• primeira tentativa
• fracassou
▪ Nordeste holandês (1630-1654)
• WIC em Olinda e Recife em 1630
• 1630-1637: conquista
 resistência dos habitantes contra a dominação estrangeira
 guerra
 desorganiza a lavoura
 fuga de escravos
• 1637-1644: governo de Nassau
 pacifica a região
 reorganiza a lavoura
 tolerância religiosa
 defesa
 criação de Recife
 reformas
 inversão da lógica colonial
➢ recursos eram levados da metrópole (Holanda) para a colônia
• 1641: invasão de Angola (Luanda)
 controle da mão de obra para a indústria açucareira
 logo depois do fim da União Ibérica
 aumento do bandeirantismo no Brasil, para captura de índios
 recuperada em 1648
➢ por um comerciante português, sem apoio da Coroa
• 1645-1654: Insurreição Pernambucana
 Nassau é demitido (1644)
 novos governantes cobram os empréstimos, aumentam impostos e
restringem a liberdade religiosa
 sem apoio português
➢ Portugal estava passando pela Restauração, que foi apoiada pela
Holanda
 1648-49: batalhas de Guararapes
➢ mito das 3 raças
• Tratado de Lisboa (1661): Portugal paga indenização para Holanda reconhecer
soberania portuguesa sobre o Nordeste

Página 6 de HB
soberania portuguesa sobre o Nordeste
❖ Restauração portuguesa (1640)
➢ Portugal se aproxima da Inglaterra, para fazer sua independência em relação à Espanha
➢ Espanha se aproxima, progressivamente, da França
➢ ascensão dos Bragança
▪ Duque de Bragança foi levado ao trono pela nobreza portuguesa
▪ necessidade de legitimar uma nova dinastia
• dinastia se legitima pelo exercício do poder
 deve promover o bem comum
➢ Antonio Vieira
▪ um dos maiores teóricos da Restauração
▪ crença de que Portugal formaria o Quinto Império
➢ Guerra de Independência (1640-1668)
▪ começa no contexto da Guerra dos Trinta Anos
▪ Portugal não pode aumentar muito os impostos para custear a guerra, senão corre o
risco de ser considerado tirânico
• dinastia perderia legitimidade
▪ Portugal negocia trégua com a Holanda (1641-1661)
▪ com a Inglaterra, empréstimos e aumento da dependência
▪ na colônia, tentativa de “verticalização” da administração
• Conselho Ultramarino
 submetido diretamente ao rei
• Juiz de Fora
 evitar autonomia das Câmaras Municipais
• B. Fausto: Companhia Geral de Comércio do Brasil (1649)
 transformada em órgão governamental em 1694
 abandonada em 1765: Pombal resolveu estimular o comércio e restringir o
papel crescente dos ingleses
➢ novas companhias
❖ Mineração
➢ momento inicial (1690s-1709)
▪ 1690s: chega a Portugal a notícia de descoberta de ouro
• grande aumento da migração
• “negociação da descoberta”
▪ quem mais enriquece são os comerciantes e os tropeiros
• região pouco abastecida
• rotas de abastecimento criam certa integração no centro-sul
▪ migração de escravos para as minas e aumento do preço dos escravos (B. Fausto)
▪ pouca presença da Coroa
• 1603: quinto
• 1702: Regimento das Minas
▪ epidemias
▪ fome
▪ Guerra dos Emboabas (1707-1709)
• ver Rebeliões Nativistas
• paulistas foram derrotados
• os que sobreviveram, migram e descobrem ouro em outras regiões (Goiás e
Mato Grosso)
▪ 1709: Capitania Real de São Paulo e Minas do Ouro
• passa a ser capitania da Coroa
➢ auge da mineração (1710s-1740s)
▪ aprofundamento da dependência da Inglaterra
• ex: Tratado de Methuen (1703)
• mas dependência data de antes - Guerra de Independência
 no fim da União Ibérica
▪ ampliação da presença do Estado
▪ esvaziamento relativo do Nordeste açucareiro

Página 7 de HB
▪ esvaziamento relativo do Nordeste açucareiro
▪ 1719: Casas de Fundição
• facilitar o controle e arrecadação do quinto
• proíbe circulação do ouro em pó
• faiscadores se sentem mais ameaçados
▪ Revolta de Vila Rica (1720)
• ver Rebeliões Nativistas
▪ Capitania das Minas (1720)
• separada de SP
• presença fiscalista da Coroa
▪ investimentos em urbanização: facilita o controle sobre a região
▪ 1729: Arraial do Tejuco
• descoberta de diamantes
• maior controle da Coroa
• 1731: Distrito Diamantino
• 1734: Intendência dos Diamantes
• 1771: Real Extração
 monopólio
▪ 1735-1750: capitação
• imposto por cabeça
▪ finta
• cota anual definida pela Coroa
• suspensa em 1725
• retomada em 1750
➢ Período pombalino (1750-1777)
▪ declínio da mineração
▪ despotismo esclarecido
▪ mercantilismo + absolutismo reformador (Maria Yedda)
▪ centralização política
• reformas administrativas
 primeiro passo daquilo que viria a ser a interiorização da metrópole
(Manual)
• extinção das capitanias (Maria Yedda)
• proibiu o ensino ou uso oficial de outra língua que não fosse a portuguesa (Brasil
nação)
• regalismo
▪ aproximação da burguesia
▪ afastamento da nobreza e do Clero
• expulsão dos jesuítas (1759)
• reforma da Universidade de Coimbra
• secularização do ensino
• influência do Iluminismo
▪ modernização econômica
• criação de companhias de comércio
 Grão-Pará e Maranhão (1755)
 Pernambuco e Paraíba (1759)
 recuperar o controle luso sobre o comércio de exportação na metrópole e
na América portuguesa (Maria Yedda)
 quem ganhava com o comércio na colônia eram os comerciantes ingleses -
Pombal tenta reverter isso
• tentativa de diminuir a dependência da Inglaterra
• arrocho do fiscalismo
 derrama
▪ reformas militares
• Conde Lippe (em Portugal)
• modernização das forças militares

Página 8 de HB
• modernização das forças militares
• no Brasil, Conde da Cunha (1763) – primeiro Governador Geral no Rio
➢ consequências do período minerador
▪ urbanização
• com incentivo do Estado
• burocracia estatal
▪ “renascimento agrícola”
• declínio da mineração
• açúcar e algodão em rigor renovado
 açúcar: rebelião em Santo Domingo (Haiti)
 algodão: Guerra de Independência dos EUA
▪ surgimento de elite comercial no Rio de Janeiro
• homens de grossa ventura/grosso trato
• traficantes de escravos
• capital imobilizado em terras e escravos
▪ consolidação do Atlântico Sul no Império
▪ mudança do eixo dinâmico da América Portuguesa
• Nordeste para Centro-Sul
• 1763: mudança da capital para Rio de Janeiro
• 1774: Vice-Reino do Brasil
• esvaziamento relativo do Nordeste
▪ mão de obra africana se consolida como hegemônica
▪ Barroco mineiro
• primeira manifestação de cultura autóctone
▪ em termos relativos, maior mobilidade social
• “falso Fausto” (Laura de Mello e Sousa)
 encenava riqueza, mas era miserável
▪ pecuária
▪ integração econômica
• abastecimento
• escoamento de ouro
• suprimento de escravos
• mercado interno na colônia
• integrou as “ilhas de povoamento” (Maria Yedda)
❖ Período Mariano (1777-1816)
➢ na prática, foi até a década de 1790, quando D. João assumiu a regência
➢ “viradeira”
➢ arrocho maior do fiscalismo
➢ Alvará de 1785: proibição de manufaturas na colônia
➢ ameaça de derrama (1789)
➢ extinção das companhias de comércio
➢ “estrangeirados” no ostracismo
▪ os formados sob o currículo reformado
❖ Rebeliões Nativistas
➢ sem influência de ideias iluministas
▪ Iluminismo é posterior
➢ sem desejo de independência nacional
▪ sem nacionalismo
▪ regionalismo
➢ sem ruptura com o Antigo Sistema Colonial
▪ questionam alguns aspectos, mas não ele como um todo
➢ Aclamação de Amador Bueno (1641)
▪ pouca presença do Estado português em São Paulo
▪ Amador Bueno foi aclamado como monarca da região, mas recusou
➢ Insurreição Pernambucana (1645-1654)
▪ ver Nordeste holandês
➢ Revolta de Beckman (1684-85)

Página 9 de HB
➢ Revolta de Beckman (1684-85)
▪ Maranhão
▪ causas
• monopólio da Companhia de Comércio do Maranhão e Grão-Pará
• proibição da escravidão indígena
▪ objetivo
• fim do monopólio e extinção da Companhia de Comércio
• expulsão dos jesuítas
▪ Companhia de Comércio recebeu o monopólio do fornecimento de escravos, mas não
estava fornecendo um número adequado de escravos para a região
▪ latifundiários se rebelam
▪ movimento enfraquecido por dissidências (Manual)
▪ resultados
• extinção da Companhia de Comércio (1685)
• permissão para escravizar indígenas, com muita regulamentação
➢ Guerra dos Palmares (1695)
▪ conflito casa grande-senzala
▪ quilombo é destruído por Domingos Jorge Velho
➢ Guerra dos Emboabas (1707-09)
▪ paulistas foram os pioneiros na região das minas
▪ o chefe da luta dos emboabas contra as exigências e a violência dos paulistas era
Manuel Nunes Viana
▪ nas Minas, Borba Gato (paulista) era, teoricamente, a autoridade máxima
▪ conflito entre paulistas e emboabas (forasteiros) era visto com bons olhos pela Coroa,
pois enfraqueceria os dois lados
▪ paulistas foram derrotados
▪ encerrou-se com o indulto geral de 1709, a restituição das lavras aos paulistas e a
instalação das primeiras municipalidades mineiras (Manual)
➢ Guerra dos Mascates (1710-11)
▪ Olinda X Recife
▪ comerciantes de Recife eram credores dos senhores de engenho
▪ Câmara Municipal ficava em Olinda, que era controlada pelos senhores de engenho
▪ comerciantes tentam criar uma Câmara em Recife
▪ senhores de engenho ficam com receio de que as dívidas fossem cobradas e tentam
impedir a autonomia de Recife
➢ Revolta de Vila Rica (1720)
▪ faiscadores
▪ Felipe dos Santos
▪ repressão desproporcional
❖ Sedições Coloniais
➢ Iluminismo
➢ buscam romper totalmente com o Antigo Sistema Colonial
➢ independências regionais
➢ sentimento de identidade colonial
▪ colonos X colonizadores
➢ Inconfidência Mineira (1789)
▪ influência: Revolução Americana
▪ começou antes da Revolução Francesa
▪ causas
• derrama anunciada por D. Maria
• declínio da mineração
• alijamento progressivo dos colonos (elite mineradora) de cargos administrativos
▪ objetivos
• república com capital em São João Del Rey
• universidade em Vila Rica
▪ não há qualquer demanda relacionada à estrutura socioeconômica
▪ não há ideia de abolição

Página 10 de HB
▪ não há ideia de abolição
• falta de consenso
▪ Tiradentes
• era militar, então tinha acesso a informações sobre a derrama e acesso às
tropas
• como também era profissional liberal, podia andar a noite pelas casas,
articulando os revoltosos
▪ Joaquim Silvério dos Reis
• delatou em troca do perdão de dívidas com a Coroa
➢ Conjuração Baiana (1798)
▪ ou Conjuração dos Alfaiates
▪ influências
• Revolução Americana
• Revolução Francesa
• Haiti
▪ causas
• aumento da produção de açúcar
 menos terras disponíveis para alimentos
 fome
• recrutamento forçado
▪ “pobres” (soldados, alfaiates, homens livres pobres)
▪ objetivos
• independência
• república
• livre comércio
 fim do exclusivo
• abolição da escravidão
▪ repressão é desencadeada rapidamente
➢ Inconfidência Carioca (1794)
▪ prisão de alguns membros de uma sociedade literária, acusados de lerem ideias
iluministas
▪ membros são da elite
▪ 1797: juiz decide que não houve conspiração
➢ Conspiração dos Suassunas (1801)
▪ Pernambuco
▪ Olinda
▪ senhores de engenho
▪ Aerópago de Itambé (sociedade literária/loja maçônica)
• senhores de engenho
• criado em 1798
• fechado em 1802 e reaberto com o nome de Academia dos Suassunas
▪ padres do Seminário de Olinda
• Seminário criado em 1800
▪ queriam república

Página 11 de HB
Processo de independência
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ Crise do Antigo Sistema Colonial


❖ A "Ilustração Portuguesa"
❖ Período Joanino (1808-1821)
○ interiorização da metrópole
❖ Revolução do Porto (1820)
❖ Historiografia
❖ Comparação com América hispânica (L. Bethell)

❖ Crise do Antigo Sistema Colonial


➢ difusão de ideias iluministas
➢ independência do Haiti (1800)
➢ parte da transição entre o feudalismo e o capitalismo
➢ sedições coloniais
❖ A “Ilustração Portuguesa”
➢ geração de 1790
➢ D. João atrai essas pessoas para cargos públicos
▪ regente a partir de 1792
▪ estadistas e militares
➢ outros projetos de Império Luso-Brasileiro (anteriores)
▪ Antonio Vieira
• pensa o império português depois da União Ibérica
• visão holística
• Portugal herdou os inimigos da Espanha
 Espanha estava combatendo o protestantismo
• 1640-1668: guerra de independência com a Espanha
 Portugal pega empréstimos com a Inglaterra
➢ dependência vem da época da Restauração
 3 tratados na década de 1640
• defendia reformas para tornar Portugal o quinto grande Império do mundo
• América seria um lugar mais seguro para a sede do império que a Europa
▪ 1730s: D. Luis da Cunha
➢ D. Rodrigo de Souza Coutinho
▪ anglófilo
• defendia aprofundamento da dependência com a Inglaterra
▪ projeto do Império Luso-Brasileiro (1797)
▪ reforma no conjunto do império ultramarino
▪ nomeado por D. João (regente) para apresentar uma proposta de reforma para o
Império ultramarino português
▪ orientação racionalista do projeto
▪ projeto de império expansionista
▪ “Commonwealth” portuguesa
• a ser implementada nos 4 continentes em que Portugal tinha territórios
▪ reforma tributária
• melhorar a arrecadação do Estado português
• problemas tributários eram vistos como a causa imediata da Revolução Francesa
▪ modernização econômica
• lavoura
• mineração
▪ reforma administrativa
• escolha de governantes qualificados e não pelo renome
• qualificar a burocracia
▪ reforma política
• mudar a governação portuguesa

Página 12 de HB
• mudar a governação portuguesa
▪ mudança da sede
• segurança
 dois vizinhos fortes e capazes de engolir Portugal
 depende da segurança britânica
 Europa está conflagrada
 satelitização de Portugal e Espanha
 proteção natural: oceano Atlântico
➢ “mar oceano”
➢ escudo natural para retardar ataques estrangeiros
• território na América é maior que na Península Ibérica
• Atlântico Sul: novo eixo dinâmico
 dinâmica baseada no tráfico negreiro (tráfico d’almas)
 lucrativo
 fluxo de capitais entre Rio e Luanda era maior que o fluxo entre Rio e Lisboa
 “economia sul-atlântica” (Alencastro)
▪ transplantação da estrutura política para o Rio
• garantiria que, quando da independência, o Brasil já teria um aparato estatal
• explica, em parte, a diferença entre a América portuguesa e a América espanhola
• relação com a “interiorização da metrópole”
▪ transferência da Família Real
• junto com o aparato burocrático
❖ Período Joanino (1808-1821)
➢ guerras napoleônicas
▪ Bloqueio Continental (1806)
• dependência portuguesa perante a Inglaterra datava do fim da União Ibérica
• Portugal viola o bloqueio
• invasão de Portugal
 sistema de alianças: Portugal + Inglaterra X Espanha + França
▪ transmigração da Corte (1807)
• articulada com a Inglaterra
 dependência datava do fim da União Ibérica
• implementação do projeto do Império Luso-Brasileiro
• Brasil era o centro mais dinâmico do Império Português
• era tamanha a importância do Brasil dentro do Império português que se poderia
considerar que a economia metropolitana dependia da brasileira (Brasil nação)
• “inversão brasileira” (Maria Yedda)
➢ abertura dos portos (1808)
▪ fim do exclusivo metropolitano
▪ Brasil deixou, na prática, e definitivamente, de ser uma colônia → independência de
facto (Maria Yedda)
▪ Fausto
• abertura dos portos favoreceu os proprietários rurais produtores de bens
destinados à exportação
• mas contrariou os interesses dos comerciantes
• d. João teve de fazer concessões
 comércio livre limitado aos portos de Belém, São Luís, Recife, Salvador e Rio
 comércio de cabotagem exclusivo para os navios portugueses
 imposto de importação de 16% para importações de navios portugueses
➢ tratados desiguais (1810)
▪ ver PEB
➢ revogação do Alvará de 1785
▪ manufaturas passam a ser permitidas, mas não difundidas
➢ interiorização da metrópole
▪ recria a estrutura burocrática do Estado Português → Império Luso-Brasileiro
• Brasil nação: “projeto civilizatório”

Página 13 de HB
• Brasil nação: “projeto civilizatório”
▪ determinante para explicar os rumos da independência
▪ Maria Odila defende que o processo de independência começou em 1808 e terminou
em 1853
▪ enraizamento de interesses portugueses na América Portuguesa
• cria um bloco de poder
• oligarquias de MG, SP, RJ + burocracia RJ
➢ “liberalismo à brasileira”
▪ ideias fora do lugar
▪ liberalismo econômico veio antes do político
▪ compatibilização entre liberalismo e escravidão
• trata escravo como direito de propriedade
➢ reformas joaninas
▪ concentram-se no centro-sul
▪ estradas
▪ estímulo à produção artística, científica e cultural
• missão artística francesa (1816)
 Brasil nação: Colônia Lebreton
 objetivo era implementar uma Academia de Belas Artes (criada em 1826)
• missão austríaca (1817)
 junto com arquiduquesa Leopoldina
▪ Academia Real Militar (1811)
▪ Arsenal de Marinha
▪ fábrica de pólvora
▪ Imprensa Régia
▪ Real Horto (Jardim Botânico)
▪ Biblioteca Real
▪ Banco do Brasil
• financiamento das reformas
➢ Reino Unido a Portugal e Algarves (1815)
▪ atender ao princípio da legitimidade do Congresso de Viena
▪ deixa a condição de colônia política
▪ D. João não volta
• estava no Brasil para implementar um projeto, do Império Luso-Brasileiro
• não veio somente para fugir
▪ após a derrota definitiva de Napoleão, D. João poderia ter regressado a Lisboa sem
perigo, mas não desejava fazê-lo; alçou Brasil à condição de Reino Unido; Lisboa passara
a receber instruções e ordens do Rio de Janeiro (Brasil nação)
➢ Revolução Pernambucana (1817)
▪ Revolução dos Padres
▪ importância do Seminário de Olinda (1800)
• disseminou ideais reformistas (Brasil nação)
▪ RJ como “nova Lisboa”
• metrópole mudou de lugar, mas opressão colonial continua
• não eram beneficiados pelas reformas joaninas, apesar de pagarem por elas
▪ decadência econômica
• concorrência do algodão dos EUA
• concorrência do açúcar de beterraba
▪ governo provisório (republicano)
• liberdade de imprensa
• igualdade entre portugueses e brasileiros
• inspirados pelo Iluminismo
• base era ampla
 para os senhores de terra, igualdade jurídica era o primeiro passo para a
abolição → abandonam o movimento, que se enfraquece
▪ forte repressão
➢ coroação de D. João VI (1818)

Página 14 de HB
➢ coroação de D. João VI (1818)
▪ primeiro monarca coroado nas Américas
❖ Revolução do Porto (1820)
➢ portugueses do Reino estavam arcando com os custos da ocupação franco-espanhola e da
manutenção da Corte na América
➢ Portugal sob ocupação inglesa
▪ Lord Beresford
▪ mesmo depois da derrota de Napoleão
➢ onda revolucionária de 1820 na Europa
➢ objetivos
▪ retorno da Família Real
• retorno da cabeça do Império para a Europa
▪ Constituição
• Legislativo > Executivo
▪ recolonização do Brasil
• contra liberdade comercial
• liberal somente para Portugal
➢ Cortes Portuguesas
▪ simbolismo: mostrar que a cabeça do Império estava em Lisboa
• colônias elegeram representantes, mas se reuniram em Portugal
▪ eleição dos representantes brasileiros → difusão do liberalismo político
• queriam manter Reino Unido, não independência
▪ no Brasil, poucos queriam a separação de Portugal, porém quando as cortes começaram
a indicar que queriam o retorno do Brasil à situação de colônia, eles cresceram; o
processo de afastamento e ruptura deu-se, portanto, por iniciativa portuguesa (Brasil
nação)
➢ D. João VI retorna a Portugal
▪ tropas no Rio eram leais às Cortes
▪ jura a Constituição
▪ não retorna toda a Corte
➢ necessidade da independência
▪ portugueses enraizados percebem que era a única forma de evitar a recolonização
▪ elites do sudeste foram as que mais resistiram (por mais tempo) à ruptura
➢ divisão das elites coloniais
▪ independência não era o objetivo inicial
▪ Assembleia Brasílica
• uma Assembleia própria, para se autogovernar
• ainda não estava consolidada a ideia de separação
• fazer com que todas as províncias brasileiras se submetam ao Rio
▪ entre monarquia dual (José Bonifácio) e ruptura mais drástica (Gonçalves Ledo)
• manifestos de agosto
• ficou clara a ruptura entre Portugal e Brasil
• Bonifácio: Brasil já é independente desde 1815 – queria mostrar que não era uma
ruptura, era uma continuidade de algo já feito pelos Bragança
▪ “partido brasileiro” (embrionário)
▪ “partido português” (portugueses enraizados)
▪ D. Pedro I se alinha a José Bonifácio
• projeto conservador
• consegue unir os grupos
• união em torno de D. Pedro se deu apenas no momento da independência
• já no Primeiro Reinado, surgem os “partidos” português e brasileiro
• manutenção da unidade territorial e da ordem social
➢ confronto aberto entre o Príncipe e as Cortes
▪ dia do fico (09/01/1821)
▪ cumpra-se
▪ agosto/1822: Manifesto aos Governos e Nações Amigas (Dodô)
• José Bonifácio

Página 15 de HB
• José Bonifácio
• vontade geral do Brasil de independência política
• dizia que Brasil já não era colônia desde 1815
• reconhecido pelos contemporâneos como o marco da ruptura com Portugal
▪ 7 de setembro
➢ guerras de independência
▪ entre brasileiros que queriam a independência e que não queriam
▪ juntas de governo leais à Lisboa
• onde tinham mais tropas portuguesas
▪ D. Pedro contratou mercenários
• maioria das tropas era leal a Lisboa
• só conseguiu vencer com apoio popular
▪ guerras de independência: BA, PA, PI, MA, Cisplatina
▪ na Bahia, até 1823 (02/julho)
▪ houve envolvimento popular
• não projetos políticos populares
• principalmente nos pontos onde havia tropas portuguesas
▪ criação da Marinha brasileira
• almirante Cochrane
• mercenários
• conter províncias rebeldes
• evitar recolonização
• repelir ameaças atlânticas
▪ a independência foi decidida por Rio, São Paulo e Minas, com o apoio das províncias do
sul; seguiram-se as adesões; as guerras de independência foram violentas e sangrentas,
mas localizadas e rápidas (Brasil nação)
➢ a independência do Brasil teve características que a distinguem do que se passou nas outras
partes do continente americano e não falta quem a dispa da roupagem revolucionária e a
interprete como uma independência conservadora (Brasil nação)
➢ a independência foi uma "transação" bragantina: continuidade do Estado português no Estado
brasileiro (Manual)
❖ Historiografia
➢ marxistas
▪ Maria Odila
• haitianismo explica a união dos colonos e dos portugueses
• independência é um longo processo de quase 40 anos de construção negociada do
Estado imperial brasileiro (Manual)
▪ Ilmar Mattos
• moeda colonial
• colonos: classe dominante internamente e classe dominada externamente
• sem o colonizador, os colonos não conseguem dominar os colonizados
• dependência internacional foi mantida
➢ weberianos
▪ Raymundo Faoro
• estamento burocrático como classe dominante
• Estado patrimonialista transplantado para a América
▪ José Murilo de Carvalho
• homogeneidade da formação da elite na Universidade de Coimbra
• explica unidade territorial e manutenção da monarquia
➢ Lilia Schwarcz
▪ monarquia civilizada nos trópicos
▪ europeísmo
▪ negação das raízes americanas
▪ “auto-exotismo”
❖ Comparação com América hispânica (L. Bethell)
➢ oligarquia brasileira tinha raízes menos firmes: muitos proeminentes proprietários rurais do
Brasil eram brasileiros apenas de primeira geração, ou mesmo portugueses, mas já

Página 16 de HB
Brasil eram brasileiros apenas de primeira geração, ou mesmo portugueses, mas já
identificados com o Brasil
➢ governo colonial português não foi de modo algum tão opressivo ou excludente quanto o
espanhol: Portugal governava por intermédio da classe dominante local
➢ vínculos pessoais e familiares entre os membros da elite portuguesa e brasileira eram
reforçados pela formação intelectual comum: Universidade de Coimbra; não havia
universidades no Brasil
➢ Brasil era uma sociedade escravista: minoria branca vivia com medo de convulsões raciais e
sociais e estava disposta a fazer concessões à metrópole e aceitar o governo colonial no
interesse do controle social
➢ economia do Brasil era predominantemente agrícola e pastoril e estava orientada para a
exportação: vínculos estreitos com os comerciantes da metrópole

Página 17 de HB
Primeiro Reinado
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ "Partidos"
❖ Constituição da Mandioca
○ Noite da Agonia
❖ Constituição de 1824
❖ Parlamento
❖ Conselho de Estado
❖ Reações à Constituição outorgada
❖ Economia
❖ Abdicação (1831)

❖ Dois pontos relacionados à construção do novo império exigiam medidas imediatas: a manutenção
da unidade territorial em torno do governo do Rio (concretizada em poucos anos por meio de
conflitos militares) e a obtenção do reconhecimento internacional do país (Portugal reconheceu em
1825, mediante indenizações) (Brasil nação)
❖ “Partidos”
➢ brasileiro
▪ liberalismo à brasileira
▪ Bonifácio
▪ latifundiários e proprietários de escravos
➢ português
▪ portugueses enraizados
▪ tendências absolutistas
▪ comerciantes
➢ nenhum desse grupos tinha grau significativo de institucionalização formal, coesão, hierarquia
clara, regras estabelecidas, programa de governo estrito ou mesmo presença definida em todo
o território nacional (Manual)
❖ Constituição da Mandioca (1823)
➢ partido brasileiro tinha maioria na Constituinte
➢ limitação do poder real
➢ voto censitário
➢ divisão dos 3 poderes
➢ excluía a maior parte do partido português da política
➢ Noite da Agonia (1823)
▪ fechamento da Constituinte
➢ em Portugal, em 1823, restabelecimento do poder absoluto de D. João VI (Brasil nação)
▪ Golpe de Vilafrancada
• retorno do absolutismo
• “derrota” da Revolução do Porto
• golpe deu errado, mas representou a derrota do liberalismo de 1820
❖ Constituição de 1824
➢ outorgada
▪ mas submetida à aprovação nas Câmaras Municipais
➢ vigorou até o fim do Império (1889)
➢ elaborada por 10 portugueses (“conselheiros”) a serviço de D. Pedro
➢ Poder Moderador
▪ inspiração: Benjamin Constant
• garantia de fazer os poderes funcionarem
• no Brasil, vai ser usado pelo Imperador para garantir seus interesses
▪ chave de toda a organização política
▪ atribuição pessoal do Imperador
• pode consultar o Conselho de Estado
 vitalício
 órgão consultivo, técnico, político e administrativo
➢ Imperador

Página 18 de HB
➢ Imperador
▪ pessoa do Imperador é sagrada, inviolável e irresponsável
▪ chefe da Igreja
▪ pode dissolver Câmara dos Deputados
▪ escolhe Senadores
▪ pode convocar eleições
▪ nomeia ministros, juízes da Corte Suprema, comandantes das FAs e bispos
▪ tem poder de veto a projetos aprovados pelo Parlamento
▪ nomeia presidentes de província
➢ Senado
▪ vitalício
▪ senadores eram escolhidos de uma lista tríplice
➢ Juntas Provisórias de Governo substituídas por Presidência da Província e Conselho
consultivo
▪ juntas tinham sido estabelecidas na época da Revolução do Porto
• para que não se submetessem a Lisboa, mas ao Rio de Janeiro
▪ prevista no projeto de 1823
▪ governos provinciais sem autonomia
• resoluções devem ser remetidas ao Executivo e à aprovação da Assembleia Geral
("Congresso Nacional")
▪ orçamento elaborado pelos presidentes de província
➢ direitos civis
▪ todos garantidos
▪ não existe menção à escravidão
• em tese, igualdade jurídica
▪ escravo era visto como propriedade
▪ abolição de açoites e de marcas de ferro em brasa
• relação com sistema prisional
• não menciona escravos, mas, teoricamente, vale para os escravos também
 escravos não eram sujeitos de direito nem cidadãos, mas eram considerados
pessoas (sem alma)
▪ não tem habeas corpus
• não é um direito civil, é um mecanismo para garantir direitos civis
• somente a partir de 1832 - Código de Processo Criminal
➢ direitos políticos
▪ votar e ser votado
▪ analfabetos podem votar
▪ Legislativo independente
• mas Poder Moderador pode dissolver
▪ pluripartidarismo
▪ não tem Justiça Eleitoral
➢ eleição em dois níveis
▪ primária/paroquial
• votantes
• renda mínima de 100 mil réis anuais
• até a década de 1870, o Brasil teve uma população votante bastante alta (José
Murilo)
▪ colégio eleitoral/eleitorado
• eleitores
• renda mínima de 200 mil réis anuais
• devem ser livres de nascimento
▪ deputados
• renda mínima de 400 mil réis anuais
• livres de nascimento
• católicos
▪ senadores
• renda mínima de 800 mil réis anuais

Página 19 de HB
• renda mínima de 800 mil réis anuais
• livres de nascimento
• católicos
• idade mínima: 40 anos
➢ tolerância religiosa
▪ liberdade de culto doméstico, sem fachada de templo
➢ aliança Estado/Igreja
▪ beneplácito
▪ padroado
➢ educação primária é obrigação do Estado
❖ Parlamento
➢ Senado era elemento de estabilidade: vitalício e escolhido pelo Imperador
▪ a partir de lista tríplice
➢ fechado em 1823: Noite da Agonia
➢ reaberto em 1826
➢ questionamentos
▪ ver PEB Primeiro Reinado
➢ oposição liberal
➢ 1830: Código criminal
▪ Constituição de 1824 já previa a criação de um Código Criminal
▪ substitui Livro V das Ordenações Filipinas (1603)
• na parte penal
• parte civil continuou valendo até 1916
▪ Comissão Mista da Câmara e do Senado preteriu projeto de José Clemente Pereira
(1827)
▪ concepção de Bernardo Pereira de Vasconcellos
• projeto escolhido pela Comissão Mista
• inspirado no utilitarismo de Jeremy Bentham
▪ um dos mais avançados códigos penais da época
▪ proteção liberal contra abusos da autoridade policial e tirania governamental
▪ privilegia penas de privação de liberdade
• Ordenações tinham penas de suplícios ao corpo
▪ havia a definição de crime político
• punição branda
• tentativa dos parlamentares de se protegerem de eventuais arbítrios do
Imperador
❖ Conselho de Estado
➢ modelo dos Conselhos Áulicos europeus
▪ membros vitalícios
▪ sobrevivência de cultura política do Antigo Regime
• em oposição à tentativa de construção de uma monarquia em moldes liberais
▪ transição de um modelo absolutista para o liberalismo político
➢ criado pelo Imperador logo após a Independência (1823)
▪ oficializado na Constituição de 1824
• como órgão de aconselhamento
▪ 1º Conselho foi extinto em 1834 (Regência)
• 10 "portugueses"
▪ 2º Conselho criado em 1841 (Segundo Reinado)
• 12 membros
• funciona, sem interrupção, até o final da monarquia
➢ favorece centralização
▪ articula local e central, por meio de redes
• redes clientelares
• favorecimento de famílias
➢ arbitra conflitos e concilia interesses intraelites
➢ provocado pelo Poder Moderador ou por consultas do Poder Executivo
➢ mais fraco no II Reinado

Página 20 de HB
➢ mais fraco no II Reinado
▪ não é obrigatório consultá-lo
➢ desenvolve "jurisprudência administrativa" e consensos básicos
▪ conflitos de jurisdição
▪ esclarece legislação ordinária
➢ tendência conservadora
▪ pouco espaço para os liberais
➢ consultado em todas as 12 dissoluções da Câmara
▪ legitima atuação do Poder Moderador
➢ debates "apartidários"
▪ cargos vitalícios e de confiança
▪ maior liberdade nos debates
• não precisam se alinhar à posição de algum partido
➢ tendência protecionista de defesa da indústria
▪ José Murilo
▪ não tem eco na sociedade
▪ burguesia incipiente não estava organizada
➢ favorece e defende interesses do Estado
▪ contra as elites sociais
❖ Reações à Constituição outorgada
➢ Confederação do Equador (1824)
▪ PE, CE, RN, PB
▪ República
▪ Constituição provisória
• inspirada na da Grã-Colômbia
▪ Seminário de Olinda
• Frei Caneca
▪ insatisfação com o Poder Moderador e com a imposição do Presidente de Província
▪ repressão desproporcional
• fuzilamento do Frei Caneca
➢ Guerra da Cisplatina (1825-1828)
▪ ver PEB Primeiro Reinado
➢ Guerra de Sucessão Portuguesa (1826)
▪ ver PEB Primeiro Reinado
❖ Economia
➢ crise
▪ inflação
▪ emissionismo
➢ falência do BB (1829)
▪ D. João VI levou o ouro para Portugal
➢ concorrência dos principais produtos de exportação
▪ algodão
▪ açúcar
➢ dívida externa
▪ reconhecimento
▪ guerras
➢ queda da arrecadação
▪ maioria das importações vinha da Inglaterra, que pagava tarifas baixas
▪ Lei Bernardo Pereira de Vasconcelos (1828)
• tarifa de 15% para todos os países
❖ Abdicação (1831)
➢ crise econômica
➢ radicalização política
▪ oposição ao “Gabinete dos Marqueses”
• após demissão do Ministério dos Brasileiros (mar/1830)
▪ sentimento anti-lusitano
• Noite das Garrafadas
• brasileiros atacaram portugueses que fizeram uma festa para mostrar a

Página 21 de HB
• brasileiros atacaram portugueses que fizeram uma festa para mostrar a
popularidade de D. Pedro
▪ assassinato de Libero Badaró
• assassinado em uma questão local
• brasileiros atribuem morte a D. Pedro e o acusam de matar seus inimigos
➢ contexto: Guerra de Sucessão Portuguesa (1826)
▪ D. Pedro I escolheu garantir o trono brasileiro para seu filho e ir para Portugal garantir
o trono para sua filha
➢ influência da Revolução de Julho na França (1830)
➢ sem contar com o apoio militar que tiveram em 1823, Pedro I respondeu à crise com a
abdicação do trono brasileiro (Brasil nação)
➢ segunda independência brasileira
▪ Revolução do 7 de abril

Página 22 de HB
Regência
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ Panorama de forças no início da Regência


❖ Avanço liberal (1831-1837)
○ Ato Adicional (1834)
❖ Regência Una de Feijó (1835-1837)
❖ Regresso (1837-1840)
❖ Golpe da maioridade (1840)
❖ Rebeliões regenciais

❖ Cronologia
➢ Regência Trina Provisória (1831)
➢ Regência Trina Permanente (1831-1834)
➢ Regência Una de Feijó (1835-1837)
➢ Regência Una de Araújo Lima (1837-1840)
➢ 1831-1837: avanço liberal
➢ 1837-1840: regresso conservador
❖ Regência
➢ prevista na Constituição de 1824
➢ Parlamento escolhe a regência trina provisória
➢ vitória do “partido brasileiro”
➢ liberais moderados
➢ Poder Moderador suspenso na prática
▪ continua existindo na Constituição, mas não pode ser exercido pelos regentes →
atribuição pessoal do Imperador
❖ Panorama de forças no início da regência (Manual)
➢ 1) liberais moderados/chimangos: liberais brasileiros insatisfeitos com o autoritarismo, mas
que não podiam ir muito longe na radicalização, pois temiam o caos
▪ não são um grupo homogêneo
▪ mais descentralizadores: Feijó
▪ mais moderados: Carneiro Leão
➢ 2) restauradores: portugueses, recém alijados do poder, mas muito bem instalados
➢ 3) radicais/exaltados: dissidências liberais, escassamente organizadas
▪ para José Murilo: republicanos
▪ participam das rebeliões regenciais e, depois, voltam à cena apenas em 1860s
▪ ressentem-se da centralização política
• mesmo com a descentralização do início da regência, o poder continuava
centralizado no RJ
▪ sem coesão ideológica
▪ são grupos minoritários na regência
❖ Avanço liberal (1831-1837)
➢ figura central: Feijó
➢ reconduz ao poder os brasileiros do Ministério dos Brasileiros da abdicação
➢ Lei de Regência (1831)
▪ maior controle do Parlamento sobre o Executivo
▪ governo é proibido de dissolver o Parlamento
▪ questões de política externa relativas a tratados e declarações de guerra devem ser
aprovadas pelo Parlamento
• liberais reclamaram quando da assinatura dos tratados de reconhecimento da
independência
➢ extinção do tráfico negreiro (1831)
▪ importância legal
▪ resposta ao tratado assinado com Inglaterra para reconhecimento da independência
▪ “lei para inglês ver”
▪ não funcionou → Estado ainda não estava consolidado
➢ Guarda Nacional (1831)

Página 23 de HB
➢ Guarda Nacional (1831)
▪ descentralização do aparato estatal de repressão
▪ havia desconfianças em relação ao Exército
• oficiais portugueses
• tropas populares
▪ enfraquecimento do Exército
▪ nas mãos dos latifundiários → início do coronelismo
• quem tinha mais a perder com as rebeliões de tropa e povo
▪ eram eleitos localmente
▪ proibição de acumulação de cargos no oficialato do Exército e da Guarda Nacional
• afastar os portugueses
▪ Boris Fausto
• alistamento obrigatório - cidadãos com direito de voto nas primárias entre 21
e 60 anos
• esvaziou os quadros do Exército - quem servisse na Guarda, era dispensado do
Exército
▪ milícia cidadã
➢ Código de Processo Criminal (1832)
▪ “descentralização” da Justiça
▪ habeas corpus
• previsto desde 1830 pelo Código Criminal, mas não era disciplinado
• CC e CPC deveriam ter entrado em vigor ao mesmo tempo, mas não aconteceu
• habeas corpus foi introduzido no Brasil apenas com o CPC
▪ Tribunal do Júri
• era considerado democrático na época
• serviu para garantir o controle dos latifundiários sobre a justiça local
• jurados eram escolhidos localmente - controlados pelos latifundiários
• enfraquece magistratura profissional - portugueses controlados pelo Executivo
▪ juízes de paz
• já estavam previstos na Constituição de 1824
• começaram a existir em 1827
• mas têm atribuições ampliadas
• eleitos localmente - influência dos coronéis
• funções de justiça e de polícia
• enfraquecimento das autoridades do aparelho repressivo do Estado
▪ penas de morte e de galés aprovadas
• após polêmicas
➢ Lei de Responsabilidade Fiscal (1832) (Manual)
▪ organiza o fisco
▪ estabelecia rendas em provinciais e centrais
➢ Ato Adicional (1834)
▪ única reforma constitucional ocorrida ao longo do Império
▪ auge do avanço liberal
▪ resultado de um compromisso entre os que queriam mais centralização e menos
centralização
• havia proposta de extinção da vitaliciedade do Senado, que não foi para a
frente
▪ Assembleias Provinciais
• legislaturas bianuais
• descentralização legislativa
• autonomia
• mais poder às oligarquias regionais
• elaboram orçamento provincial
• podem criar cargos públicos e impostos
• Brasil nação: aumento do poder dos governos provinciais faz deles objeto de
luta entre as facções locais
• gera divergências entre a maioria de liberais exaltados nas assembleias e o

Página 24 de HB
• gera divergências entre a maioria de liberais exaltados nas assembleias e o
presidente da província
▪ presidentes de província continuavam a ser escolhidos pelo poder central
▪ regência passa a ser una
• regente eleito pelo voto direto
 voto secreto e direto
 a cada 4 anos
• “experiência republicana”
▪ Corte como município neutro
▪ extinção do Conselho de Estado
• política externa começa a ser discutida no Parlamento
• era um órgão de aconselhamento do Poder Moderador
❖ Regência Trina Permanente (1831-1834)
➢ moderados
➢ ministro da Justiça: Feijó
➢ projeto de lei "Miranda Ribeiro" (1831)
▪ Assembleias Provinciais
▪ redistribuição das receitas provinciais
• garantir a viabilidade financeira e econômica das províncias
▪ federalismo
▪ fim da vitaliciedade do Senado
• "reduto de caramurus"
▪ mais avançado que o Ato Adicional
➢ dissidência nos moderados
▪ facção minoritária
▪ "hesitantes" em relação ao projeto de lei
• sobre a maneira como seria aprovado
➢ maior resistência contra o projeto foi no Senado
➢ grupo de Feijó considerava Bonifácio um conservador
▪ havia se acertado com o Imperador antes da abdicação e era tutor de Pedrinho
▪ propõem tirar Bonifácio da tutoria
▪ Senado não aprova
➢ 1832: demissão coletiva do ministério
▪ em oposição ao conservadorismo do Senado e à não aprovação de propostas
▪ tentativa de golpe de Feijó
▪ tentativa de implementação da Constituição de Pouso Alegre
• com base no projeto "Miranda Ribeiro"
• fim do Poder Moderador
• extinção do Conselho de Estado
• derrubada do veto imperial
• tentou converter Câmara em Constituinte - sem Senado
• criação de Assembleias Legislativas nas províncias
• substituição da Regência Trina por Regência Una - nomeada a cada 4 anos pela
Assembleia Geral
➢ moderados "hesitantes" não aceitam essa maneira de implementação
▪ liderados por Carneiro Leão
▪ impedem o golpe de Feijó
➢ nomeação do Ministério Caramuru
▪ Carneiro Leão, para impedir o golpe, negociou com os caramurus
▪ em troca, cargos
➢ Ato Adicional foi um compromisso entre os liberais regressistas e progressistas
▪ composição
▪ era necessário os liberais se unirem, para não permitir o avanço dos conservadores
➢ no Legislativo: lei de 12/10/1832
▪ na próxima eleição, eleitores delegariam aos eleitos o poder de alterar a
Constituição
➢ levou ao Ato Adicional de 1834

Página 25 de HB
➢ levou ao Ato Adicional de 1834
❖ Regência Una de Feijó (1835-1837)
➢ eleito pelo voto direito
➢ eleição de Feijó (1835)
▪ problemas de hierarquia no clero → todo ele teria que se submeter a Feijó, que era
apenas um padre
➢ rebeliões
▪ solicita poderes e recursos ao Parlamento para repressão
▪ solicita apoio secreto de Inglaterra e França → mostra fraqueza
➢ divisão no Parlamento (1835/36)
▪ progressistas
• pró-Feijó
• defendem maior federalismo para acabar com as rebeliões
• dá origem ao Partido Liberal
▪ regressistas
• anti-Feijó
• Ato Adicional = Ato da Anarquia
• dá origem ao Partido Conservador
• ganham eleição legislativa de 1836
 líder: Bernardo Pereira de Vasconcelos
➢ era liberal, virou conservador
➢ renúncia de Feijó (1837)
▪ ficou isolado no Parlamento
▪ Araújo Lima assume interinamente
• se alinha aos regressistas, para ser eleito
❖ Regresso (1837-1840)
➢ Regência Una de Araújo Lima
➢ Ministério das Capacidades
▪ chamou os regressistas para o ministério
▪ Bernardo Pereira de Vasconcelos como Ministro do Interior (ministério mais
importante)
➢ repressão das rebeliões iniciadas antes, mas novas rebeliões surgem
➢ a coincidência de um novo surto econômico baseado no café com a área geográfica na qual
se localizava o centro político e administrativo do país foi fator fundamental no eventual
êxito do processo de recentralização política (L. Bethell)
➢ segundo José Murilo, período de acumulação primitiva de poder (Manual)
➢ reformas culturais
▪ construir uma narrativa da identidade nacional
▪ Arquivo Público
▪ Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB – 1838)
• subsídio estatal
• apoio pessoal do Imperador
• projeto de escrita da história nacional
 Von Martius venceu o concurso de monografias
 contribuição das 3 raças
 contribuição do português tem uma força maior
 orientação adotada pelo IHGB
 sintetiza ideias majoritárias entre os membros do IHGB
▪ Colégio Pedro II (1837)
➢ Lei Interpretativa do Ato Adicional (1840)
▪ diminui autonomia dos legislativos provinciais
❖ Golpe da Maioridade (1840)
➢ articulado pelos progressistas
▪ queriam voltar ao poder
➢ Liga pela Antecipação da Maioridade
▪ progressistas + áulicos
▪ maioridade seria solução para conter as rebeliões

Página 26 de HB
▪ maioridade seria solução para conter as rebeliões
▪ garantiria unidade do território
➢ golpe branco
➢ L. Schwarcz (Barbas do imperador)
▪ ninguém lembrou de perguntar sobre os méritos do régio adolescente
▪ era o símbolo que se impunha à pessoa
▪ era a representação e o prestígio da instituição que deveria "salvar a nação"
❖ Rebeliões regenciais
➢ 1831-1834: rebeliões de tropa e povo
▪ muito frequentes
▪ mais comuns nos espaços urbanos
▪ quando eram chamadas para reprimir as rebeliões, as forças de segurança se
juntavam aos populares
• vinham das mesmas classes sociais
▪ amedronta elites
▪ mostra que as forças de segurança não estão funcionando
▪ desconfiança em relação aos oficiais portugueses que estão reprimindo as rebeliões
➢ Guerra dos Cabanos (1832-1835)
▪ rebelião rural, católica, restauracionista
▪ foge à regra das rebeliões de tropa e povo
▪ Fausto: contaram com o apoio de comerciantes portugueses de Recife e de políticos
restauracionistas na capital do Império
▪ uma reação excepcional à abdicação (L. Bethell)
➢ Cabanagem (1835-1840)
▪ PA
▪ proclamaram a independência da província
▪ republicanismo
▪ período inicial: latifundiários
▪ protagonistas: camadas baixas
• chegou a existir um governo popular, ainda que por pouco tempo (9 meses)
▪ objetivos: melhorias sociais
▪ Fausto: tinha muitos escravos entre os revoltosos, mas a escravidão não foi abolida
▪ massacre desproporcional
▪ federalismo (L. Bethell)
➢ Revolta dos Malês (1835)
▪ insurreição escrava
▪ negros africanos muçulmanos
▪ lideranças letradas (para ler Corão)
▪ João José Reis: ideia de estabelecer uma república islâmica
➢ Farroupilha (1835-1845)
▪ RS
• conquistam SC
▪ origens
• desejo de maior autonomia dos estancieiros gaúchos
• redução das tarifas: gado argentino e uruguaio entravam no Brasil mais barato
que gado do RS
• gado gaúcho ia, principalmente, para mercado interno
▪ autonomia
▪ Fausto
• divisão entre estancieiros e charqueadores
• protagonistas foram os estancieiros da fronteira
• charqueadores ficaram do lado do governo - alimentação dos escravos era
baseada no charque
▪ República de Piratini (1835)
▪ protagonistas: Bento Gonçalves e Garibaldi
▪ relações com vizinhos no Prata
• influência do republicanismo

Página 27 de HB
• influência do republicanismo
• ver PEB Regência
➢ Sabinada (1837-1838)
▪ BA
▪ Francisco Sabino
• representante das classes médias urbanas
▪ motivos
• decadência da região (crise do açúcar)
• insatisfação com a Regência
▪ profissionais liberais
▪ estopim: recrutamento forçado para reprimir a Farroupilha
▪ movimento menos popular que os demais
▪ independência provisória
• voltariam a fazer parte do Brasil quando Pedrinho assumisse o poder
• República Bahiense
▪ José Murilo: única após o Ato Adicional que tem cara de rebeliões de tropa e povo
▪ Fausto
• ideias federalistas e republicanas
• escravos nascidos no Brasil que houvessem lutado pela revolução seriam
libertados
• não conseguiram entrar no Recôncavo - senhores de engenho apoiaram o
governo
▪ reprimida pelos próprios regressistas
➢ Balaiada (1838-1841)
▪ MA e PI
▪ liberais exaltados
▪ estopim: divergência entre Executivo e Legislativo em âmbito provincial
• depois, transborda para o povo
▪ povo não conseguiu tomar o poder nem a capital
▪ governo provisório estabelecido em Caxias
▪ regressistas não conseguiram reprimir
• repressão por Duque de Caxias
▪ federalismo (L. Bethell)

Página 28 de HB
Segundo Reinado
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ Golpe da maioridade
❖ Partidos
❖ Gabinete da maioridade (1840-1841)
❖ Continuação do Regresso (1841-1844)
❖ Quinquênio liberal (1844-1848)
❖ Trindade Saquarema (1848-1853)
○ Lei Eusébio de Queiroz (1850)
❖ Gabinete da Conciliação (1853-1858)
❖ Gabinete dos conservadores "puros" (1858-1862)
❖ Liga Progressista (1862-1868)
❖ Decênio Conservador (1868-1878)
❖ Gabinetes liberais (1878-1885)
❖ Gabinete Ouro Preto (1889)
❖ Economia e sociedade
○ Era Mauá
❖ Crise da monarquia (1870s-1880s)
○ "clamor por reformas"
○ questão servil
▪ Lei do Ventre Livre (1871)
▪ Lei Saraiva-Cotegipe (1885)
▪ Lei Áurea (13/05/1888)
○ reformas eleitorais
❖ Correntes republicanas

❖ Golpe da maioridade
➢ Dodô: foi possível pela consolidação de um bloco de poder
▪ oligarquia cafeeira de MG, RJ e SP
▪ setor oligárquico hegemônico uniu-se à burocracia governamental
▪ Estado centralizado melhor garantiria seus interesses
❖ Partidos (Brasil nação)
➢ Conservador
▪ Estado central forte
▪ proprietários de terra e de escravos voltados para a agricultura de exportação
▪ grandes comerciantes
▪ burocracia
➢ Liberal
▪ descentralização política e administrativa
▪ menos resistente às medidas tendentes a abolir o tráfico
▪ proprietários rurais mais voltados para o mercado interno
▪ profissionais liberais urbanos
❖ Gabinete da Maioridade (1840-1841)
➢ aka Gabinete dos Irmãos
➢ facção áulica + liberais
➢ ideologicamente, áulicos se aproximam mais dos conservadores
➢ instabilidade política
▪ Parlamento tinha maioria conservadora
➢ eleições do cacete (1840)
▪ liberais queriam garantir maioria no Parlamento
▪ deu argumentos para os conservadores reagirem
▪ Câmara que seria de maioria liberal não chegou a ser constituída
➢ Poder Moderador
▪ demite os liberais e nomeia os conservadores para o Executivo
• fizeram novas eleições
• Câmara de maioria conservadora

Página 29 de HB
• Câmara de maioria conservadora
❖ Continuação do regresso (1841-1844)
➢ sucessão de gabinetes conservadores
➢ 2º Conselho de Estado (nov/1841)
▪ 12 membros vitalícios, escolhidos pelo Imperador
▪ maioria de conservadores
➢ Lei de Dezembro de 1841
▪ reforma do Código de Processo Criminal
▪ reforma do Judiciário
▪ centralização da repressão
▪ protagonismo do Ministro da Justiça (Executivo)
• chefe de polícia (indicado pelo ministro) mais forte que juiz de paz
• chefe de polícia pode julgar e aplicar a pena no caso de crimes menores
▪ Tribunal do Júri perdeu espaço
▪ muito criticada pelos liberais
• viola direitos civis
• mesmo não tendo revertido a agenda conservadora quando chegaram ao poder,
liberais sempre criticaram essa lei
➢ 1842: revoltas liberais (MG e SP)
▪ motivo: dissolução da Câmara de maioria liberal (eleições do cacete)
• antes que chegasse a se reunir
▪ eram os liberais moderados
▪ são derrotados na Batalha de Santa Luzia e vão para a cadeia
➢ Reforma Sepetiba
▪ reestruturação da Secretaria dos Negócios Estrangeiros
❖ Quinquênio liberal (1844-1848)
➢ “quem pegar em armas, vai ficar de castigo”
▪ dá anistia aos revoltosos de 1842, mas não os coloca no poder
➢ Tarifa Alves Branco (1844)
▪ protecionismo alfandegário
• arrecadação
• manufaturas
▪ para Amado Cervo, representou uma possibilidade de mudança da estrutura
econômica (dependente)
▪ marco do fim dos tratados desiguais (Manual)
▪ protecionismo reforçado pelo Decreto nº 386 (1846)
• privilégios à indústria nacional
• isenção, por dez anos, dos direitos de entrada sobre máquinas ou peças para uso
nas fábricas de tecidos de algodão
▪ para Doratioto, motivo é arrecadação
➢ fim da Farroupilha (1845)
▪ Paz de Poncho Verde
▪ protecionismo para o charque gaúcho foi consolidado com a Tarifa Alves Branco
▪ repressão militar liderada por Caxias
▪ Império herda as alianças no Cone Sul
• ver PEB Segundo Império
➢ liberais mantiveram a agenda dos conservadores
▪ tempo saquarema (Ilmar Mattos)
• agenda conservadora foi mantida
• agenda capaz de garantir a ordem e os interesses de classe
• para Luigi, 1837-1868 (hegemonia do projeto saquarema)
• para Basile, 1848-1862 (conservadores no poder)
➢ fortalecimento do poder do Imperador
▪ a partir de 1846, começa a querer se livrar dos áulicos, para poder governar
▪ coloca os áulicos em cargos de prestígio no exterior
• Aureliano Coutinho como embaixador na Rússia
➢ Presidente do Conselho de Ministros

Página 30 de HB
➢ Presidente do Conselho de Ministros
▪ cargo criado em 1847
▪ parlamentarismo às avessas
• é nomeado pelo Imperador
▪ Presidente do Gabinete amorteceria os choques entre o ministério e o Imperador
• “fusível” político (Manual)
➢ reforma eleitoral (1846)
▪ atualização dos valores para alistamento eleitoral
▪ aumento do eleitorado
➢ Revolução Praieira (1848)
▪ liberais exaltados (“partido da praia”)
▪ objetivos
• força na província
• fim do Poder Moderador
• fim do Senado vitalício
• descentralização política
• voto universal
• liberdade de imprensa
• pleno emprego (influência do socialismo utópico)
▪ última grande rebelião provincial, encerrando o ciclo de instabilidades iniciadas na
Regência (Manual)
▪ reflexo da Primavera dos Povos no Brasil
▪ repressão rápida
▪ volta dos conservadores ao poder
❖ Trindade Saquarema (1848-1853)
➢ núcleo duro do Partido Conservador
➢ Eusébio de Queiroz na Justiça
➢ Rodrigues Torres (Visconde de Itaboraí) na Fazenda
➢ Paulino José Soares de Sousa (Visconde do Uruguai) nos Negócios Estrangeiros
➢ consolidação do Estado imperial brasileiro
▪ grande importância do Conselho de Estado
▪ modernização capitalista sem ruptura da ordem social
▪ sem as rebeliões (Praieira foi a última), poderiam dedicar-se à modernização (Manual)
➢ Lei Eusébio de Queiroz (1850)
▪ Lei Feijó (1830) não tinha tido condições de ser implementada
▪ 1º projeto
• aprovado em 1837 no Senado
• aprovado em 1848 na Câmara em segunda discussão
• não foi adiante
• 1845: Bill Aberdeen
• em 1849, governo britânico deslocou navios do Prata para a costa brasileira para
combater o tráfico
• aumentou a urgência de aprovar uma lei
▪ entre 1845 e 1850, explosão da demanda de escravos e aumento do preço
• após Bill Aberdeen, risco era maior
• latifundiários pegavam empréstimos com os próprios traficantes
• para convencer os latifundiários, Eusébio promete o perdão das dívidas
▪ após consulta ao Conselho de Estado, governo apresentou outro projeto
▪ 1850
• aumento do haitianismo
• concentração e alto ritmo de crescimento da população escrava na Corte
• aprovação do projeto no Parlamento (conservador) com oposição de províncias
cafeeiras
▪ faz parte da consolidação do capitalismo no país
▪ combate ao traficante, não ao latifundiário
▪ Lei equiparou o tráfico a pirataria
▪ criação de tribunais marítimos especiais

Página 31 de HB
▪ criação de tribunais marítimos especiais
▪ liberação de capitais
• investimentos no complexo cafeeiro (lavoura e ferrovias) e na infraestrutura
urbana
• dinamização da economia coincide com criação de regras de firmas (Código
Comercial)
▪ aumento do tráfico interprovincial
▪ pode ser considerada uma lei liberalizante
• sinaliza um eventual fim da escravidão
▪ último desembarque ilegal foi registrado em 1855
▪ interpretações
• Leslie Bethell
 fatores exógenos (pressão britânica – ex: Bill Aberdeen em 1845)
• Amado Cervo
 fatores internos
 haitianismo
 enfraquecimento dos “homens de grosso trato”
 foco no Prata e não no Atlântico
➢ Lei de Terras (1850)
▪ proposta pelo Conselho de Estado
• em 1842, governo pediu ao Conselho de Estado uma proposta para substituir o
regime de sesmarias
• discussão começa no Parlamento em 1843
• Lei só é implementada a partir de 1854
• 1840s: tanto no Conselho quanto no Parlamento, havia maioria de
conservadores, principalmente de MG, SP e RS - tinham alta disponibilidade de
mão de obra, lei não era prioridade
• projeto sai da gaveta após aprovação da Eusébio de Queiroz, mas com várias
modificações
▪ projeto de 1842
• relator: Bernardo Pereira de Vasconcellos
• inspirado em um plano para colonização e ocupação de terras na Austrália
• aquisição de terras apenas pela compra à vista em dinheiro
• revalidava as sesmarias concedidas até 1822
• legalização das posses após 1822, com duração maior que 1 ano
• obrigatoriedade de registro da propriedade dentro de 6 meses
• medição e demarcação de propriedades, sob pena de serem consideradas
devolutas
• imposto sobre propriedade de terras
• confisco de terras após 3 anos, consecutivos ou não, sem pagamento de taxas e
impostos
• venda de terras financiaria imigração
• confisco de terras não registradas após 6 anos
▪ para o governo, objetivo era separar o que era terra pública e o que era terra privada
• não foi bem sucedido
• "veto dos barões" (J. Murilo)
• era necessário fazer isso desde o fim das sesmarias (1822)
• expansão da cafeicultura foi feita com base na ocupação de terras sem título de
propriedade
▪ acesso à terra só por meio de compra
• cria mercado de terras
▪ reforça concentração fundiária
▪ não inclui imposto territorial
▪ multas substituem pena de expropriação do projeto original
▪ pensando na transição para mão de obra livre
• imigrantes antes teriam que trabalhar na lavoura, para depois conseguir um
pedaço de terra

Página 32 de HB
pedaço de terra
▪ custo de registrar a terra era muito alto
• um dos motivos para a lei não ter funcionado
• custo da legalização, por vezes, superava o valor da terra
▪ faz parte da consolidação do capitalismo no país
▪ José de Souza Martins: “O cativeiro da terra”
Acesso à terra Mão de obra
Pré-1850 Livre Cativa
Pós-1850 Cativa Livre (progressivamente)
• para se manter a estrutura socioeconômica, tem que manter o controle de um
dos dois
▪ José Murilo: “veto dos barões”
• política de terras quase não saiu do debate legislativo e dos relatórios dos
burocratas
• oposição não estava na colonização, mas sim nos meios sugeridos, as medidas
referentes à propriedade da terra e aos impostos (custos com que os proprietários
rurais deveriam arcar para efetivar a política de imigração)
• o radicalismo do projeto talvez tenha contribuído para a aprovação: muitos não
acreditavam na possibilidade de implementação
• a imigração passou a ser financiada por verbas orçamentárias que subsidiavam
companhias de transporte, imigração e colonização, fazendeiros e imigrantes
• os custos foram socializados não apenas para o conjunto dos proprietários, mas
para o conjunto da população pagadora de impostos via orçamento público
▪ proprietários não tinham interesse em registrar suas terras, pois depois não
conseguiriam expandir a propriedade (Brasil nação)
▪ reformada em 1878
• gabinete Sinimbu
• após fracasso do sistema de parceria
• mudanças para atrair imigrantes com perspectiva de propriedade
• redução do tamanho dos lotes mínimos
• vendas a prazo
• favorecia mais o Oeste paulista
• proprietários rejeitam imposto sobre a terra
➢ Código Comercial (1850)
▪ regulação de relações capitalistas
▪ faz parte da consolidação do capitalismo no país
▪ segurança jurídica para investimentos
▪ influenciado por Mauá
➢ reforma da Guarda Nacional (1850)
▪ centralização
▪ oficial da Guarda Nacional também pode ser oficial do Exército (menos portugueses no
Exército)
• fim da proibição da acumulação de cargos
▪ coronéis se tornam instrumento de manipulação eleitoral do governo (Manual)
▪ postos de oficiais da Guarda tornaram-se moeda política (Brasil nação)
➢ tentou fazer o primeiro censo (1851-52), mas não conseguiu
▪ mostra estabilidade
▪ resistência da população, que acreditava que era um mecanismo de recrutamento
forçado
❖ Gabinete da Conciliação (1853-1858)
➢ conservador
▪ moderados
➢ Marquês do Paraná (Honório Hermeto Carneiro Leão)
➢ concilia liberais moderados e conservadores moderados
▪ conciliação de homens, não de ideias
➢ Lei dos Círculos (1855)

Página 33 de HB
➢ Lei dos Círculos (1855)
▪ voto distrital
▪ incompatibilidades
• diminui a influência dos que já tem poder em uma localidade
• tende a aumentar a participação dos liberais no processo eleitoral
▪ dá origem ao “renascer liberal”, a partir de 1858
▪ tentativa do Marquês do Paraná de institucionalizar a conciliação
• tornar permanente a representação das minorias na Câmara
• evitar que minorias que se sentissem alijadas pegassem em armas, como fizeram
em 1842
➢ novo Banco do Brasil
▪ monopólio de emissão de moedas
➢ eleições de 1856
▪ renovação da Câmara foi maior que 60%
▪ liberais continuaram sendo minoria
➢ morte de Carneiro Leão (1856)
▪ conseguiram manter a conciliação por mais dois anos apenas
▪ 1856-1858: crise da conciliação
➢ “batalha dos artigos”
▪ “Libelo do Povo” (1849)
• Timandro (Francisco Torres Homem)
• crítica à repressão desproporcional à Praieira → Imperador era um tirano
• conseguem identificar quem era o autor
▪ “Ação, Reação e Transação” (1855)
• Justiniano José da Rocha
• patrocinado por Carneiro Leão
• legitima a conciliação e a repressão à Praieira → manutenção da ordem
• ação: 1822-1837
• reação: 1837-1853
• transação: 1855 (Estado já consolidado)
❖ Gabinete dos conservadores “puros” (1858-1862)
➢ Imperador chama os conservadores → experiência em lidar com crises
➢ conservadores radicais
➢ não aceitam liberais
➢ não aceitam conservadores moderados
➢ não conseguem estabilidade
▪ renascer liberal
▪ gera dissidência nos conservadores
➢ 2ª Lei dos Círculos (1860)
▪ distritos passam a eleger 3 deputados
▪ diminui o número de círculos
▪ aumenta a chance de vitória de figuras com maior projeção
▪ não funcionou
• liberais continuaram aumentando participação na Câmara
➢ Tarifa Silva Ferraz (1860)
▪ fim da política protecionista
➢ hegemonia dos conservadores: 1848-1862
▪ havia sido tempo demais
▪ Imperador percebeu que era a hora de trazer os liberais de volta
❖ Liga Progressista (1862-1868)
➢ instabilidade
▪ 6 gabinetes em 6 anos
➢ gabinetes formados por maioria parlamentar
▪ momento em que Brasil chegou mais perto do Parlamentarismo clássico
▪ segunda conciliação, sob comando ideológico dos liberais históricos
➢ renascer liberal
▪ liberais voltam a falar a língua do liberalismo

Página 34 de HB
▪ liberais voltam a falar a língua do liberalismo
▪ abandonam a agenda conservadora
➢ articuladores
▪ Câmara: Zacarias de Góes e Vasconcelos
▪ Senado: Nabuco de Araújo
▪ Araújo Lima (Marquês de Olinda)
➢ Partido Progressista (1864)
▪ primeiro partido a ter um programa partidário escrito
▪ liberais históricos + conservadores dissidentes (não eram contemplados pelo grupo
que estava no poder até 1862)
➢ 3º Gabinete Zacarias (1866-1868)
▪ ver PEB Segundo Reinado
▪ queda gera racha no Partido Progressista (Manual)
❖ Decênio Conservador (1868-1878)
➢ liberais não aceitam ficar longe do poder por tanto tempo
➢ “clamor por reformas”
▪ ver Crise da Monarquia
➢ novos grupos políticos
▪ ver Crise da Monarquia
➢ Gabinete Rio Branco (1871-1875)
▪ conservador, mas medidas liberais
▪ grande estabilidade
▪ tinha governabilidade
▪ reform mongering
▪ Lei do Ventre Livre (1871)
• ver Crise da Monarquia
▪ primeiro censo
▪ Lei de recrutamento (1874)
• José Murilo de Carvalho
• alistamento universal
• sorteio para cobrir as vagas não preenchidas pelo voluntariado e pelo
reengajamento
• aboliu castigo físico, mas continuou sendo aplicado
• fracasso
 os que não queriam servir poderiam pagar ou indicar substitutos
 isenções especiais para bacharéis, padres, proprietários de empresas
agrícolas e pastoris, caixeiros de lojas de comércio
 alistamento e sorteio ficaram a cargo das juntas paroquiais - serviço pesava
apenas sobre pessoas sem recursos financeiros ou políticos
▪ Lei do Terço (1875)
• fim do voto distrital
• garante que o partido derrotado nas eleições teria, pelo menos, um terço na
Câmara
• introdução do título eleitoral
• aprovada no próximo gabinete
❖ Gabinetes Liberais (1878-1885)
➢ Lei Saraiva (1881)
▪ ver Crise da Monarquia
➢ Lei dos Sexagenários (1885)
▪ ver Crise da Monarquia
➢ instabilidade: uma vez no governo, liberais encontraram dificuldade em manter-se unidos
(Manual)
➢ 1880: Revolta do Vintém (Manual)
❖ Gabinetes Conservadores (1885-1889)
➢ ver Crise da Monarquia
❖ Gabinete Ouro Preto (1889)
➢ último

Página 35 de HB
➢ último
➢ inclui federalismo no programa de reformas
▪ reform mongering
➢ propõe redução das atribuições políticas do Conselho de Estado
➢ tarde demais
❖ Economia e sociedade
➢ inserção dependente no capitalismo internacional
➢ escravidão
▪ processo de emancipação gradual
➢ agroexportação
▪ café
• produção extensiva
• superávits comerciais
• no Oeste Paulista, empresários do café
 imigrantes assalariados
 mentalidade capitalista
▪ açúcar
• decadente
• mas ainda era segundo produto da pauta
▪ fumo
• moeda de troca para escravos
▪ algodão
• importante durante a Guerra de Secessão
▪ borracha
• 1890s: surto da borracha
• importante para modernização de cidades como Belém e Manaus (Manual)
▪ mineração
• declínio não foi revertido
➢ na economia internacional: era do capital (1848-1875)
▪ ciclo expansivo
▪ disponibilidade de capitais
▪ investimentos diretos e empréstimos
➢ Era Mauá
▪ surto industrial
• não contou com o incentivo estatal para continuar
• oposição dos barões do café → Brasil destinado a ser um país agrícola
▪ disponibilidade de capitais
• café
• fim do tráfico atlântico
• era do capital
▪ Cervo
• beneficiado por política alfandegária protecionista (Alves Branco) → mercado
consumidor
▪ orçamento chegou a superar o orçamento imperial
▪ instrumento de PEB → diplomacia dos patacões
• ver PEB Segundo Reinado
▪ falência em 1878
• coincide com a crise da Monarquia
➢ formação da identidade nacional
▪ formação do Estado precedeu formação da nação
▪ nacionalismo embrionário após Guerra do Paraguai
▪ Romantismo (literatura)
• Gonçalves de Magalhães
• José de Alencar
• índio
• L. Schwarcz (Barbas do imperador)
 fornecia concepções que permitiam afirmar a universalidade mas também o

Página 36 de HB
 fornecia concepções que permitiam afirmar a universalidade mas também o
particularismo, e portanto a identidade
 não foi apenas um projeto estético, mas também um movimento cultural e
político, profundamente ligado ao nacionalismo
▪ artes plásticas
• artistas subsidiados pelo Imperador
• Pedro Américo
• Victor Meirelles
➢ com um índice de analfabetismo de 85% da população, o Brasil constituía uma ilha de letrados
num mar de analfabetos (Brasil nação)
❖ Crise da Monarquia (1870s-1880s)
➢ “clamor por reformas”
▪ geração de 1870
• filhos de liberais que não tinham espaço na política nacional
• um bando de ideias novas
 abolicionismo
 republicanismo
 cientificismo
 evolucionismo
 realismo (literatura)
▪ questionamentos à ordem saquarema
➢ novos grupos políticos
▪ imigração em massa
• em massa: a partir de 1880s
▪ urbanização
• profissionais liberais, em sua maioria
▪ Manifesto liberal “moderado” (1869)
• Clube da Reforma (dissidência do Partido Progressista)
• fim gradual da escravidão
• Nabuco de Araújo (conservador dissidente)
• base do Novo Partido Liberal
▪ Manifesto liberal “radical” (1869)
• Clube Radical
• fim imediato da escravidão
• sufrágio universal
• fim do Senado vitalício
• incompatível com a continuidade da Monarquia
• base do Partido Radical
▪ Manifesto Republicano (1870)
• mais moderado que os outros dois
• não toca na questão da escravidão
➢ “Império é o déficit”
▪ apesar de ter tido superávit comercial a partir de 1860s
• superávit apenas no comércio
• café
▪ déficit orçamentário predominou até o final da monarquia
➢ questão religiosa (1872-1875)
▪ a de menor peso
▪ Bula Syllabus
• Pio IX
• determinava expulsão de maçons da Igreja
▪ beneplácito no Brasil
• Imperador era maçom e não concorda
▪ missão Penedo
• missão ao Vaticano para tentar solucionar a questão
• antes da prisão dos bispos

Página 37 de HB
antes da prisão dos bispos
• com a prisão, missão fica inviabilizada
▪ dois bispos tentam aplicar a Bula e são presos
• durante gabinete Rio Branco
• são anistiados, após pressão popular
▪ D. Pedro II perde popularidade
➢ questão republicana
▪ protagonistas
• camadas médias urbanas
• “empresários do café”
• militares
▪ Manifesto Republicano (1870)
▪ propostas
• federalismo
• fim do Poder Moderador
• voto universal
• ausência do abolicionismo
 apoio dos latifundiários
➢ questão militar (1883-1887)
▪ Guerra do Paraguai
• Exército venceu a guerra e quer mais prestígio
• corporativismo
▪ rompimento do “dique moral”
• aumento das críticas do Exército contra o Império
▪ novas ideias entre a juventude militar
• Escola Militar da Praia Vermelha
• positivismo
▪ escravos
• lutaram na Guerra
• Exército se recusa a capturar escravos fugidos, desrespeitando ordem do
Imperador
• reforço do movimento dos caifazes (fuga coletiva)
▪ depois da abolição precoce no Ceará e no Amazonas, um militar (Sena Madureira)
recebe o líder da greve dos jangadeiros
• foi fundamental para a abolição no Ceará (1884)
• não iam transportar nada enquanto houvesse transporte de escravos no estado
• Madureira foi punido
▪ Clube Militar (Manual)
• criado em 1887
• distanciamento do governo fez Clube aderir ao republicanismo de Constant
➢ questão servil
▪ batalha parlamentar
• escravistas
• emancipacionistas: libertação jurídica
 vence (“meio termo”)
• abolicionistas: abolição imediata, com medidas sociais
• abolicionismo constituiu o primeiro movimento de opinião pública no Brasil (Brasil
nação)
▪ pressões
• Inglaterra
 fez pressão pelo fim do tráfico
 não houve pressão inglesa pela abolição da escravidão
• movimento abolicionista
 literatura
 compra de alforrias
• revoltas negras
 “camélias do Leblon”

Página 38 de HB
 “camélias do Leblon”
▪ abolição gradual: iniciativa da Coroa
▪ Lei do Ventre Livre (1871)
• José Murilo: “o rei contra os barões”
• filho de escrava deveria ser sustentado até os 8 anos
• depois, proprietário poderia libertá-lo ou ficar com ele até os 21 anos
• cria fundo de emancipação
• justiça poderia decidir o valor da alforria
▪ Lei Saraiva-Cotegipe (1885)
• sexagenários
• pouco efetiva
• radicalização do movimento abolicionista
▪ Lei Áurea (13/05/1888)
• abolição sem indenização
• republicanos de última hora
 devido à ausência de indenização
 antes disso, republicanismo não era uma ameaça real
▪ José Murilo (Teatro das sombras)
• política da abolição: o rei contra os barões
• em nenhum outro momento, em nenhum outro tema, ficou mais clara a oposição
entre as motivações e os interesses do polo burocrático do poder e os interesses
do polo social e econômico deste mesmo poder
• lei do ventre livre foi a primeira clara indicação de divórcio entre o rei e os barões
➢ reformas eleitorais
▪ Lei dos Círculos (1855)
• ver Gabinete da Conciliação
▪ 2ª Lei dos Círculos (1860)
• ver Gabinete dos conservadores “puros”
▪ Lei do Terço (1875)
• um dos motivos para saída de Rio Branco → acumulou muita oposição
• 1/3 do Parlamento reservado à minoria parlamentar
• fim do voto distrital
• tira o alistamento dos chefes locais
▪ Lei Saraiva (1881)
• Câmara 100% liberal
 apesar da lei do terço
 conservadores boicotam a eleição de 1878, não participam
• aumento da renda para votar e com mais exigências para comprovação
 tentativa de moralizar as eleições
➢ consideravam a renda para ser votante muito baixo → venda de votos
 venda de votos continua
• eleição direta
• censo literário
• reduz eleitorado
• José Murilo (Cidadania no Brasil)
 tornava o voto facultativo
 limite de renda estabelecido não era muito alto, mas a lei era muito rígida
no que se referia à maneira de demonstrar a renda
 limitou de fato o voto ao excluir os analfabetos (somente 15% da população
era alfabetizada)
 houve um corte de quase 90% do eleitorado, enquanto a tendência de todos
os países europeus da época era na direção de ampliar os direitos políticos
❖ Correntes republicanas
➢ positivistas
▪ influência: Comte
▪ ditadura republicana

Página 39 de HB
▪ ditadura republicana
▪ nega direitos políticos, mas considera direitos sociais essenciais
▪ PRR e jovens militares (Escola da Praia Vermelha)
➢ jacobinos
▪ participação política direta
▪ negligencia direitos civis, mas enfatiza sociais e políticos
➢ liberal à americana
▪ federalismo
▪ PRP e PRM
▪ Convenção de Itu (1873) – PRP

Página 40 de HB
Primeira República
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ Década do caos (1889-1898)


❖ Deodoro da Fonseca (1889-1891)
○ Constituição de 1891
❖ Floriano Peixoto (1891-1894)
❖ Prudente de Morais (1894-1898)
❖ Campos Sales (1898-1902)
○ política dos estados
❖ Rodrigues Alves (1902-1906)
❖ Afonso Pena (1906-1909)
❖ Nilo Peçanha (1909-1910)
❖ Hermes da Fonseca (1910-1914)
○ Pacto de Ouro Fino (1913)
❖ Wenceslau Brás (1914-1918)
❖ Rodrigues Alves (1918-1918)
❖ Epitácio Pessoa (1919-1922)
❖ Arthur Bernardes (1922-1926)
❖ Washington Luís (1926-1930)
❖ Sistema partidário
○ dissidências oligárquicas
❖ Economia
❖ Movimentos sociais
❖ Crise dos anos 1920
❖ Revolução de 1930
❖ Militares

❖ Década do caos (1889-1898)


➢ disputa política não era rotinizada
➢ republicanos têm força somente no Sudeste e no Sul
▪ povo apoiava a Monarquia
➢ Lessa (Invenção republicana)
▪ legislação errática dos anos iniciais da República: ao tentar superar o vazio institucional
provocado pela queda do Império, produziu ainda mais incerteza
▪ fechado o ciclo militar, a experiência republicana não havia gerado respostas às
questões institucionais deixadas em aberto com a queda do Império
▪ República consolidou-se somente no governo de Campos Sales (1898-1902)
❖ Deodoro da Fonseca (1889-1891)
➢ Regulamento Alvim (1890)
▪ regras das eleições
▪ voto universal
▪ masculino
▪ sem renda mínima
▪ excluiu analfabetos
• mantém Lei Saraiva
▪ proíbe políticos do Império de concorrer
➢ Constituinte
▪ de acordo com Regulamento Alvim
▪ representantes das oligarquias
➢ decretos (1889-1891)
▪ governo provisório
• antes da Constituição
▪ exílio da Família Real
▪ novos símbolos nacionais
• hino

Página 41 de HB
• bandeira
• heróis nacionais
• datas cívicas
▪ Grande Naturalização
• protestos de governos europeus
• branqueamento
▪ Encilhamento (1890)
• ver Economia
➢ Constituição de 1891
▪ ideólogo: Rui Barbosa
▪ liberalismo à americana
▪ inspiração
• EUA e Argentina
▪ federalismo
• elevada autonomia
• constituições estaduais
• exércitos estaduais
• eleição de presidentes de estados
• empréstimos externos
• impostos de importação para os estados
• exemplo de autonomia: 10 estados tinham voto feminino
▪ Estado laico
• positivismo
• gera impactos na sociedade, que era fortemente católica
▪ República presidencialista
• ausência do Poder Moderador → enfraquecimento do poder institucional (Lessa)
▪ influência do Exército
• deve-se respeitar o Presidente na medida da lei
• Brasil nação: legitimava possíveis intervenções
▪ igualdade jurídica
• ex-escravos são cidadãos
 racialização da cidadania (Hebe Mattos)
 forma de, mesmo sem a escravidão, manter os ex-escravos excluídos da
sociedade
 branqueamento
 não está claro na Constituição, mas existem mecanismos para isso
▪ voto universal masculino
• censo literário é mantido
• exceções
 praças militares
 mendigos
 menores de 21 anos
 religiosos de ordens monásticas
▪ voto “aberto”
• não era muito claro
• permitia que cada estado criasse suas regras
• oligarquias não tinham interesse em voto secreto
 era mais fácil controlar o curral eleitoral com voto aberto
▪ pluripartidarismo
• exceto durante o período entre 1922 e 1926 (estado de sítio)
• 1927: Lei Celerada
▪ elegíveis são todos os alistáveis
▪ reforma constitucional (1926)
• Parlamento deve legislar sobre direito do trabalho
▪ sem educação primária gratuita
• Brasil nação: alfabetização como critério para a cidadania fez com que a questão

Página 42 de HB
• Brasil nação: alfabetização como critério para a cidadania fez com que a questão
da educação primária tomasse feição central em inúmeros estados, ainda que não
fosse garantida pela Constituição
➢ eleição indireta
▪ pela Constituinte
▪ Deodoro + Wanden Kolk
• Kolk era um almirante da Marinha → unificar FAs
▪ Prudente de Morais + Floriano Peixoto
• Prudente precisava do apoio dos militares
• Floriano era do grupo contrário a Deodoro
▪ Deodoro + Floriano
➢ governo constitucional (1891)
▪ criação do PRF
• ver Partidos da Primeira República
▪ conflito com o Legislativo
• questão externa → ver PEB Primeira República
• Lessa (Invenção Republicana)
 Poder Executivo agora dotado de limites legais e Poder Legislativo quase
unanimemente de oposição → agravou-se o quadro de anarquia
• Barão de Lucena no Ministério
 título de nobreza indicava provocação à República → não era
• Congresso tenta aprovar Lei das Reponsabilidades
 permite responsabilizar Presidente e Ministros
• Deodoro fecha o Congresso
▪ 1ª Revolta da Armada (1891)
• ameaça bombardear a capital
• Deodoro renuncia
❖ Floriano Peixoto (1891-1894)
➢ polêmica
▪ como Deodoro renunciou antes da metade do mandato, vice deveria convocar novas
eleições em 90 dias
▪ se coloca como vice-presidente em exercício
• como foi uma eleição "incomum" (indireta), regras normais não se aplicavam
➢ muita popularidade
▪ apesar de autoritário
▪ congelamento de preços
➢ antilusitanismo
▪ “jacobinismo”
• primeiro grande movimento nacional de massas
• camadas médias urbanas
• era um projeto político – queriam que Moreira César assumisse (não era pessoal
com Floriano)
➢ 2ª Revolta da Armada (1893)
▪ Custódio de Melo + Wanden Kolk
▪ Esquadra Flint
• chegou apenas um navio e atrasado
▪ batalhões patrióticos
▪ parte dos revoltosos adere à Revolução Federalista
➢ Revolução Federalista (1893-1895, RS)
▪ guerra civil
▪ PRR
• Júlio de Castilhos
• controlam política gaúcha por muito tempo
• positivista
• autoritário
• republicanos históricos
• “chimangos”

Página 43 de HB
• “chimangos”
▪ federalistas
• Silveira Martins
• estão perdendo as eleições estaduais
• tentam pegar em armas
• parlamentarismo
• “maragatos”
▪ governo faz intervenção em favor do PRR
❖ Prudente de Morais (1894-1898)
➢ oligarquia paulista
➢ negociação com Floriano
▪ compromisso de não lançar candidato militar
➢ instabilidade
▪ no Parlamento
• havia sido eleito com apoio do PRF
• PRF passa para a oposição
• Prudente se aproxima do PRP
▪ militares
• dois primeiros governos tinham sido militares
• não gostavam de um presidente civil
▪ jacobinismo
• Floriano era muito popular
▪ Canudos
• ver Movimentos sociais
➢ tentativa de golpe
▪ Prudente se licencia por problemas de saúde
▪ vice (Manuel Vitorino) era florianista
• articula golpe contando com o retorno triunfal de Moreira César de Canudos
 morre
▪ Prudente retorna e desarticula o golpe
➢ atentado a Prudente (1897)
▪ organizado pelos jacobinos
▪ erra e mata marechal Bittencourt
▪ aproximação entre Prudente e Militares
▪ estado de sítio
▪ consegue legitimidade para reprimir o jacobinismo → desarticulado
▪ fortalece atribuições presidenciais
➢ consolidação das oligarquias
❖ Campos Sales (1898-1902)
➢ Lessa (Invenção republicana)
▪ início da rotinização do regime
• sistema político ganha, através de um pacto não escrito, contornos mais concretos
▪ formulação do pacto mesclou realismo (reconhecimento da preexistência de uma
"distribuição natural do poder") e utopia (desenho de uma comunidade política
despolitizada e prioritariamente voltada para a "obra administrativa")
➢ funding loan (1898)
▪ renegocia como presidente eleito
▪ ver Economia
➢ no Parlamento
▪ PRF desestruturado
▪ não tem maioria contrária ao governo, mas não é tão dócil como gostaria
➢ “República dos Conselheiros”
▪ geração republicana que se identifica muito mais com os valores políticos do Segundo
Reinado
➢ “colmeia oligárquica”
➢ política dos estados
▪ acordo tácito

Página 44 de HB
▪ acordo tácito
▪ Lessa (Invenção republicana)
• evita o fortalecimento das instituições representativas clássicas
• particularismo estadual e unidade nacional
• desempenho futuro do Congresso foi de apatia: as questões políticas realmente
relevantes já estavam tratadas por um eixo que excluía o Legislativo enquanto
instituição
• conteúdo doutrinário claramente anti-urbano: a cidade é percebida como lugar da
anarquia, da identidade política difusa e arredia ao controle governamental
▪ Brasil nação
• uma espécie de sucedâneo do Poder Moderador
▪ SP, MG, RS, RJ, PE, BA
• 6 estados mais importantes
• maior população
▪ garante bancadas estaduais dóceis
▪ “congela” política estadual
• não intervenção do governo federal
▪ dependia do coronelismo
• relação típica da Primeira República
• clientelismo e coerção
• coronéis economicamente decadentes, mas com capital político
 coronelismo não poderia ter existido em outra época
➢ reforma da CVP
▪ CVP: ver Sistema Partidário
▪ presidente da CVP passa a ser o líder da bancada do governo
• antes, era o mais velho → risco de ser da oposição
▪ garante governabilidade
• "degola da oposição"
❖ Rodrigues Alves (1902-1906)
➢ austeridade monetária e reformas modernizadoras (Brasil nação)
➢ Revolta da Vacina (1904)
▪ ver Movimentos Sociais
➢ Brasil nação
▪ sucessão do paulista Rodrigues Alves pelo mineiro Afonso Pena marcou o início da
aliança entre MG e SP como principais forças políticas no controle do governo federal
▪ base na defesa dos interesses cafeeiros, a partir da aprovação do Convênio de Taubaté
(1906)
❖ Afonso Pena (1906-1909)
➢ Lei Adolfo Gordo (1907)
▪ ver Crise dos Anos 1920 (movimento operário)
➢ Lei do sorteio (1908)
▪ Exército passa a ser um canal de ascensão social
▪ abre espaço para entrada de pessoas que não eram filhos de militares
▪ José Murilo de Carvalho
• só foi efetivamente aplicada após a I GM
• importância dos "jovens turcos" - revista A Defesa Nacional
• apoio de Olavo Bilac à campanha pelo sorteio
❖ Nilo Peçanha (1909-1910)
➢ eleições
▪ indicação de Afonso Pena era David Campista
▪ Peçanha indica Hermes
▪ racha entre os 6 estados
▪ campanha
• Hermes
 apoio de RS e parte de MG
• Rui Barbosa
 campanha civilista: ver Dissidências oligárquicas

Página 45 de HB
 campanha civilista: ver Dissidências oligárquicas
 apoio de BA e SP
❖ Hermes da Fonseca (1910-1914)
➢ política das salvações
▪ Brasil nação: intervenções com discurso antioligárquico
➢ Pacto de Ouro Fino (1913)
▪ PRP e PRM se comprometem a ter o mesmo candidato na eleição seguinte
▪ valeu APENAS para a eleição seguinte
▪ único momento em que houve entendimento formal entre PRP e PRM para se revezar
na presidência
❖ Wenceslau Brás (1914-1918)
➢ greves (1917-1920)
▪ leis trabalhistas a partir de 1919
➢ Brasil nação
▪ crescente aproximação entre SP e MG: segunda política de valorização do café (1917)
➢ 1918: extinção da Guarda Nacional (José Murilo de Carvalho)
▪ fim da dualidade do serviço militar - um para classes baixas e um para classes altas
▪ Exército ganha condições de se tornar efetivamente nacional
❖ Rodrigues Alves (1918-1918)
➢ morre de gripe espanhola
➢ Delfim Moreira (vice) assume, apenas para convocar eleições
❖ Epitácio Pessoa (1919-1922)
➢ Brasil nação
▪ consenso interoligárquico pela primeira vez se fez em torno de um nome do Nordeste
▪ terceira valorização do café e Instituto de Defesa Permanente do Café
➢ crise oligárquica
➢ “cartas falsas”
▪ atribuídas a Arthur Bernardes
▪ objetivo era incitar militares contra Bernardes
➢ indica Arthur Bernardes
➢ Reação Republicana (1921-1922)
▪ ver Dissidências Oligárquicas
❖ Arthur Bernardes (1922-1926)
➢ estado de sítio
▪ quase todo o governo
➢ Brasil nação: interveio em todos os estados dissidentes
➢ 18 do Forte (1922)
▪ ver Crise dos anos 1920
➢ Coluna Prestes
▪ ver Crise dos anos 1920
➢ reforma constitucional (1926)
▪ fortalece Executivo
• evitar novo prolongado estado de sítio
▪ Congresso deve legislar sobre trabalho
❖ Washington Luís (1926-1930)
➢ Lei Celerada (1927)
▪ ver Crise dos anos 1920
❖ Sistema Partidário
➢ eleitorado era pequeno
▪ censo literário
➢ partidos estaduais
➢ bancadas estaduais homogêneas
▪ bastava negociar com o chefe do partido
➢ bancadas dos maiores estados (maior população) ditavam as regras
▪ MG, SP, RJ, RS, PE, BA
➢ dissidências efêmeras
▪ apenas para eleições
▪ elemento estrutural do sistema partidário

Página 46 de HB
▪ elemento estrutural do sistema partidário
➢ tentativas de partidos nacionais
▪ PRF (1893-1897)
• Francisco Glicério
• união dos partidos republicanos
• representava os interesses oligárquicos
• municipalismo: articulação a partir dos coronéis
▪ PRC (1910-1916)
• Pinheiro Machado (RS)
▪ PRL (1913)
• “herdeiro” da campanha civilista
• não é de nenhum estado
▪ PD (1920s)
• dissidência do PRP
• ideologicamente, não é diferente do PRP
• apoiou Revolução de 1930
▪ PCB (1922)
• colocado logo na clandestinidade
• clandestinidade de 1922 a 1945
• legalizado por Vargas (1945)
• clandestinidade em 1947
• legalização apenas com Sarney
• cria o Bloco Operário Camponês, para poder atuar
➢ dissidências oligárquicas
▪ disputas se davam um ano antes das eleições
▪ Cláudia Viscardi: “teatro das oligarquias”
• contesta a ideia do café com leite
▪ regime acabou sendo inviabilizado pela incapacidade de lidar com as dissidências
▪ Campanha Civilista (1909)
• referência à opção de um civil para as eleições
• contra Hermes
▪ Reação Republicana (1921)
• Nilo Peçanha
• contra hegemonia de MG e SP
 criação do termo “política do café com leite”
• RS, RJ, BA, PE
• Jorge Ferreira
 indicador do esgotamento do modelo político vigente na Primeira República
 estavam interessados em mobilizar as massas urbanas
 apelo popular pregando a urgência "de arrancar a República das mãos de
alguns para as mãos de todos"
 nenhuma proposta concreta que propiciasse uma maior democratização foi
apresentada
 era preciso encontrar um novo parceiro político capaz de antepor-se às
oligarquias dominantes → militares (apelo à posição secundária que lhes
vinha sendo atribuída pelo governo federal)
▪ Aliança Liberal (1929)
• divergência em torno da política econômica
• Washington Luís indica alguém que ele sabe que seguiria a política econômica
de austeridade de seu governo
• Washington Luís indica Júlio Prestes
• Pacto do Hotel Glória (1929)
 aconteceu depois que Washington Luís já tinha indicado Júlio Prestes
 articulação feita por João Neves da Fontoura (RS)
➢ queria aumentar o peso do PRR na próxima eleição
 entre PRR e PRM

Página 47 de HB
 entre PRR e PRM
➢ representante do PRM: Antônio Carlos de Andrada
 dá origem à Aliança Liberal
• PRM + PRR + PB + tenentes
 PRR: geração de 1907
➢ primeira vez que chega ao poder no RS
➢ geração de Vargas
➢ Pacto de Pedras Altas (1923): Borges de Medeiros não concorreria à
próxima eleição
➢ Vargas havia articulado uma Frente Única Gaúcha, mas isso não
significa que não existisse oposição no RS
▪ oposição era ideológica
• Prestes não apoiou: achou que era mais do mesmo
 pediram apoio a outro tenente: Juarez Távora
➢ Comissão de Verificação de Poderes
▪ responsável por renovar o Legislativo
▪ candidatos que fossem eleitos, precisavam ser diplomados
▪ “degola da oposição”
▪ Lessa (Invenção republicana)
• perda de soberania do Legislativo
❖ Economia
➢ Encilhamento (1890)
▪ Rui Barbosa
▪ tentativa de modernização econômica
▪ incentivo à industrialização
▪ ampliação do crédito
▪ emissionismo
▪ inflação
➢ funding loan (1898)
▪ consolidação da dívida externa brasileira
▪ política recessiva
▪ tentativa de solucionar os efeitos mais negativos do Encilhamento
▪ hipoteca a alfândega do Rio
▪ consolidação da hegemonia britânica sobre a economia brasileira
▪ 3 funding loans: 1898, 1914, 1931
➢ valorizações do café
▪ Convênio de Taubaté (1906)
• RJ, MG, SP
• sem governo federal
▪ aval do governo federal em 1908
▪ plano de controle da oferta
• estoques
▪ socialização das perdas
• desvaloriza moeda → aumenta exportações de café → encarece importados
▪ coincidência entre elite econômica e elite política
▪ a partir de Arthur Bernardes, estadualização
➢ padrão-ouro
▪ 1906-1914
▪ 1927-1930
➢ indústria
▪ surto de ISI
• avanço do surto industrial iniciado no II Reinado (Era Mauá)
 segundo Brasil nação
• I GM
• concentração e aumento do operariado
▪ não existe oposição entre café e indústria
• era a cafeicultura que acumulava capitais e investia na indústria

Página 48 de HB
• era a cafeicultura que acumulava capitais e investia na indústria
▪ complexo cafeeiro
• atividades não agrícolas que se beneficiam do dinamismo do café
➢ surto da borracha
▪ contexto: 2ª revolução industrial
▪ boom da borracha (1890s-1900s)
• barões da borracha
• reformas urbanas
▪ concorrência asiática (1910s)
➢ imigração em massa
▪ branqueamento
▪ revoltas de colonos
❖ Movimentos Sociais
➢ não querem derrubar o regime
➢ Brasil nação: resultados de um processo de modernização a qualquer custo e da desatenção
diante de populações deixadas à míngua diante de tantas novidades
➢ Guerra de Canudos (1896-1897)
▪ religiosidade popular
▪ messianismo
▪ Antonio Conselheiro
▪ taxados de monarquistas
• envolvimento do governo federal
▪ terceira expedição derrotada
• morte de Moreira César
▪ derrotada pela quarta expedição
▪ Euclides da Cunha: Os sertões
▪ Mario Vargas Llosa: A guerra do fim do mundo
▪ soldados retornados de Canudos → Morro da Favela/Providência
▪ Brasil nação
• mais do que milhares de quilômetros, o que afastava a capital dos sertões era um
abismo cultural/temporal
• a distância geográfica e cultural e o relativo isolamento teriam protegido tais
segmentos sociais dos modismos e "degenerações" das cidades litorâneas
➢ Guerra do Contestado (1912-1916)
▪ catolicismo popular
▪ território disputado entre PR e SC
▪ longa tradição de messianismo
▪ conflitos sociais
• concessão para ferrovia (1908) → desapropriação e, depois, desemprego
▪ monge José Maria (1911-12)
• herdeiro espiritual de João Maria (desapareceu em 1908 e virou lenda)
• funda comunidade em Taquaraçu (Curitibanos) → combatida pela força pública
do Paraná
• morte de José Maria
• cenário rural dificulta repressão
▪ 1912-1916: repressão desproporcional
➢ cangaço
▪ banditismo social
• Hobsbawm: porta-vozes de um mundo em dissolução
▪ avanço do capitalismo em regiões periféricas atrasadas → problema social
▪ bandos de grupos armados independentes dos coronéis
• às vezes, servem a eles
▪ auge coincide com a crise da dominação oligárquica
➢ Revolta da Vacina (1904)
▪ Pereira Passos
• reforma urbana do RJ
 engenheiros: Francisco Bicalho e Paulo de Frontin

Página 49 de HB
 engenheiros: Francisco Bicalho e Paulo de Frontin
 Avenida Central
➢ inspiração: Paris de Haussmann
 bota abaixo
▪ Oswaldo Cruz
• diretor de saúde
• peste bubônica
• febre amarela
• varíola
 vacinação obrigatória
 estopim
▪ reação popular espontânea
▪ Escola Militar da Praia Vermelha
• 14 de novembro
• positivistas
• Lauro Sodré e florianistas
• tentam se unir às camadas populares
▪ repressão
• Escola Militar no Realengo
• estado de sítio
▪ historiografia
• Francisco Foot
 motivo é o bota abaixo
 vacinação obrigatória é apenas o estopim
• José Murilo
 resistência era mais forte onde bota abaixo não tinha chegado
➢ temor de ainda ser atingida pela reforma
 motivo é moral
➢ positivismo: inviolabilidade dos corpos
➢ cidadania em negativo
• Sidney Chaloub
 medo da vacina
▪ José Murilo (Os bestializados)
• cidadãos inativos pelo critério constitucional revelaram-se não só profundamente
atentos a aspectos do exercício do poder que lhes afetavam a vida cotidiana como
também dispostos a ir até as últimas consequências para defender o que
consideravam seus direitos
• composição da multidão variou com o desenrolar da revolta: apesar do estopim
único, tratava-se de revolta fragmentada, como era fragmentada a própria
sociedade na época
• interferência do governo além de limites aceitáveis
• o mais importante era "mostrar ao governo que ele não põe o pé no pescoço do
povo"
➢ Revolta da Chibata (1910)
▪ motivações
• recrutamento forçado
• elitismo no oficialato
• modernização da Marinha (encouraçados)
 treinamento no exterior
• castigos corporais
▪ encouraçados chegando ao Brasil
• no Minas Gerais, tripulação assume o controle
• João Cândido, “almirante negro”
▪ Hermes promete anistia, mas prende revoltosos
• nova rebelião na Ilha das Cobras
➢ Juazeiro

Página 50 de HB
➢ Juazeiro
▪ Juazeiro do Norte (CE)
• fundado em 1872
• Padre Cícero (“coronel de batina”)
• Igreja não vê com bons olhos
▪ Franco Rabelo
• oligarquia dissidente
• contra os Acioli (apoiados por Cícero)
• uniu-se aos salvacionistas
▪ Levante do Cariri ou Juazeiro (1913-1914)
• levante popular
• liderado por Cícero
• contra salvacionismo
❖ Crise dos anos 1920
➢ movimentos sociais organizados
➢ Semana de Arte Moderna
▪ nova imagem do Brasil
➢ PCB (1922)
➢ Reação Republicana (1921)
▪ ver Dissidências oligárquicas
➢ Aliança Liberal (1929)
▪ ver Dissidências oligárquicas
➢ movimento operário
▪ classe operária
• formação tardia
• muitos estrangeiros
• reprodução de diferenças étnicas
• concentração espacial (Sudeste)
▪ industrialização incipiente
▪ não consegue articulação nacional
▪ faltam canais institucionais para demandas operárias
▪ até década de 1910: mutualismo
▪ 1910s: anarcossindicalismo
• greve geral como instrumento
▪ 1920s: PCB/BOC
▪ setores com poder de barganha → relacionados à economia agroexportadora
• marítimos, portuários, ferroviários
▪ Greves Gerais (1917-1920, SP e RJ)
• questão social foi tratada como caso de polícia – repressão
• Lei Adolfo Gordo (1907)
 expulsão de imigrantes que fossem presos pela segunda vez
• Lei Celerada (1927)
 contra movimento operário e tenentismo
 criminalização do PCB
➢ tenentismo
▪ demandas genéricas e composição heterogênea
▪ objetivos
• “republicanizar a República”
• modernização autoritária
• moralização
• nacionalismo
• leis trabalhistas
▪ condições privilegiadas de rebelião (José Murilo)
• grande predominância numérica dos tenentes
• baixo grau de controle hierárquico dentro da organização
• lentas promoções geravam insatisfação profissional
▪ programa vago

Página 51 de HB
▪ programa vago
• por isso, reunia muita gente de vertentes diferentes
▪ novidade: método
• dispostos a pegar em armas
▪ levantes tenentistas não tiveram grande apoio popular
▪ origens (historiografia)
• Virgílio Santa Rosa
 vocalizou demandas das classes médias urbanas
 tese superada
• José Murilo
 perspectiva institucional
 oficialato do Exército se reproduzia de forma endógena (famílias de
militares)
 em 1908, lei do sorteio → Exército se torna alternativa de carreira
 tenentismo não expressa demandas de nenhuma classe social, mas de
uma parte da corporação
 trajetória histórica do Exército
➢ 1870: soldado-cidadão
▪ função do militar: defender interesse nacional
▪ jacobinismo
▪ positivismo
▪ intervenção reformista
➢ 1910s: transformações profundas
▪ reforço do modelo do soldado profissional
▪ certo afastamento do positivismo
▪ modernização do Exército
▪ jovens turcos
▪ não intervenção
➢ 1930s: soldado corporação
▪ intervenções pontuais na política para restabelecer a ordem
▪ política do Exército, não política no Exército
▪ 1920: maior controle das atividades militares pela cúpula hierárquica (José Murilo)
• Regulamento Disciplinar do Exército
• Regulamento para Instrução e Serviços Gerais
• reduz possibilidade de quebra da hierarquia
▪ 18 do Forte (1922)
• contra eleição de Arthur Bernardes
• acreditavam que o povo se juntaria a eles
• Jorge Ferreira: estreia dos tenentes no cenário nacional
▪ Revolução do Isidoro Dias Lopes (1924)
• tropas se rebelaram na capital
• contavam com apoio das tropas do interior (lideradas por Miguel Costa)
• tropas da capital foram derrotadas antes
• Coluna Miguel Costa encontra-se com Coluna Prestes
▪ Coluna Prestes (1925-1927)
• percorrem o interior do país → oligarquias eram mais fortes
• não tem organização institucional
• não é possível falar que foi socialista
❖ Revolução de 1930
➢ foi liderada pela Alta Cúpula das Forças Armadas
▪ antes que os tenentes fizessem uma revolução
▪ evitar que alto oficialato ficasse submetidos aos tenentes
▪ general Tássio Fragoso
➢ deposição de Washington Luís
➢ existia grande risco de um golpe pela Aliança Liberal → liderado pelos tenentes
➢ Vargas sai do RS em 03/out
➢ Junta Militar entrega o governo a Vargas em 03/nov

Página 52 de HB
➢ Junta Militar entrega o governo a Vargas em 03/nov
➢ José Murilo
▪ primeira tomada de poder planejada e executada pelos altos escalões do Exército e da
Marinha
▪ primeiro ensaio de um Exército mais poderoso e organizado no sentido de atuar com
maior independência no cenário político
❖ Militares
➢ Lessa (Invenção republicana)
▪ militares passam a viver uma situação de hiperpolitização
▪ acreditam que são dotados da missão de realizar com pureza a verdadeira República
▪ onda de intervenções do governo central nas políticas estaduais contou com
significativa participação militar
▪ a interferência militar alimentou-se de sua própria turbulência
▪ até o governo de Prudente de Moraes, a presença desorganizadora dos militares é
constante
➢ Brasil nação
▪ capacidade de mobilizar homens armados para fins políticos foi uma das
características mais marcantes da experiência política da Primeira República

Página 53 de HB
Era Vargas
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ Pensamento nacionalista autoritário


❖ Governo Provisório (1930-1934)
○ Constituição de 1934
❖ Governo Constitucional (1934-1937)
○ Estado de exceção (1935-1937)
❖ Estado Novo (1937-1945)
○ Constituição de 1937
❖ Política econômica
○ 1930-1933: medidas emergenciais
○ 1933-1939: efeitos colaterais
○ 1939-1945: desenvolvimentismo
❖ Crise do Estado Novo
○ invenção do trabalhismo
❖ Redemocratização

❖ Cronologia
➢ 1930-1934: Governo Provisório
➢ 1934-1937: Governo Constitucional
➢ 1935-1937: estado de exceção
➢ 1937-1945: Estado Novo
❖ Pensamento nacionalista autoritário
➢ surgimento em 1920s
➢ tronco-chave: Alberto Torres
➢ centralização
➢ Centro Dom Vital
▪ pensadores católicos
▪ destaque para educação
▪ Doutrina Social da Igreja
▪ influência da Rerum Novarum
➢ importantes no Estado Novo
➢ Francisco Campos
▪ se defende da Polaca, dizendo que o que estava previsto na Constituição não era o
que estava sendo implementado por Vargas
• Vargas governou por decreto
▪ inventa a fórmula do ato institucional
• já na época da ditadura
• resolver a dualidade de poderes Mazzilli X Junta Militar
• atos revolucionários (do Comando Supremo) se legalizam por si só
• garantir o respeito ao regime constitucional de 1946
• a ideia dele era ser apenas um ato institucional, para garantir a
governabilidade
▪ quer transformações, mas que sejam controladas
• de cima para baixo
▪ consciência nacional
▪ líder político mais eficaz é o que, diante da ascensão das massas, consegue controlar
as massas, evitando um caminho revolucionário
▪ lideranças devem entender como as massas se comportam e saber conduzi-las de
acordo com seus interesses
❖ Governo Provisório (1930-1934)
➢ Revolução de 1930
▪ ver Primeira República
➢ autonomização do Executivo

Página 54 de HB
➢ autonomização do Executivo
▪ atender aos interesses de todas as oligarquias, sem atender a nenhuma delas
▪ Estado de compromisso
• várias classes influenciando o jogo político
• crise de hegemonias
• nenhuma delas manda em caráter exclusivo
• classes não estão em caráter de igualdade
• continua até o final da era Vargas
▪ intocabilidade das relações no campo
• não pode perder totalmente o apoio das oligarquias agrícolas
• reflexo do Estado de compromisso
• ex: faz leis trabalhistas, mas não para o campo
▪ enfraquecimento das oligarquias
• interventores
▪ fortalecimento do Executivo central
▪ fortalecimento e enfraquecimento dos tenentes
• interventores e aproximação com alto oficialato das FAs
➢ corporativismo
▪ desde o início do governo provisório
▪ não pode ser confundido com o corporativismo fascista
▪ "terceira via" entre liberalismo individualista e marxismo classista
▪ propõe a organização da sociedade com base em associações representativas dos
interesses e atividades profissionais
▪ Estado como mediador e harmonizador dos grupos sociais
▪ antecedentes
• questão social
• sociedades de massa
• 1891: Rerum Novarum
• 1930: Quadragesimo Anno
 restauração e aperfeiçoamento da ordem social
 resposta à crise de 1929
▪ desde 1910s: Alberto Torres
• raiz do Pensamento Nacionalista Autoritário
• Oliveira Vianna
• Azevedo Amaral
• intelectuais católicos
• integralismo
• negação do corporativismo fascista
▪ base: Mihail Manoilesco
• corporativismo democrático
➢ Constituição de 1891 revogada
➢ fim do federalismo → interventores
➢ Exército
▪ Jorge Ferreira
• nacionalização das Forças Armadas era uma questão crucial
• para diminuir o poder das oligarquias regionais era necessário diminuir seu
poder de fogo
▪ rabanetes X picolés
• tenentes haviam sido afastados do Exército, por quebra de hierarquia
• apoiaram a Revolução de 1930 → voltam ao Exército
• tempo de serviço do tempo que ficaram afastados foi contado
• para os oficiais, Vargas estava premiando subversivos
▪ Clube 3 de Outubro
• tentativa de institucionalização do tenentismo
• tenentismo poderia fugir do controle de Vargas → incentiva a participação de
oficiais
➢ “Ministério da Revolução”

Página 55 de HB
➢ “Ministério da Revolução”
▪ Trabalho, Indústria e Comércio (MTIC)
▪ prova do Estado de compromisso → vários setores de várias classes
▪ Lei de Sindicalização (1931)
• unicidade sindical
• tutela estatal do movimento operário
• contou com oposição do sindicalismo livre ao projeto de sindicalização sob a
tutela do Estado (até 1933)
• depois disso, operários começam a pressionar lideranças para receber os
benefícios da legislação trabalhista – redução da oposição
▪ Estado como defensor do trabalho
▪ cria, ao mesmo tempo, o público desse discurso
• operariado era fraco
• "trabalhismo"
▪ Jorge Ferreira
• entre 1931 e 1934 foi promulgada uma série de decretos e leis de proteção ao
trabalhador
• governo buscava nacionalizar o trabalho (2/3 dos empregados deveria ser de
nacionais)
➢ Ministério da Educação (1930)
▪ preocupação em criar um sistema nacional
▪ Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932)
• reformadores liberais
• defende educação gratuita para as massas
• laica
• não é a proposta que venceu na Constituição, mas não foram alijados do
Estado
• Anísio Teixeira
➢ demissão dos ministros gaúchos (1931)
▪ PRR se sentiu traído por Vargas, que estava fazendo política nacional e não estadual
▪ RS foi o primeiro estado a romper com Vargas
➢ Revolução Constitucionalista (1932)
▪ Doratioto: guerra civil de SP e MT
• SP deveria ter recebido armas do Paraguai via MT - não funcionou
• dentro do país, SP não conseguiu se articular com os estados dissidentes
▪ unificação do PD e do PRP
▪ confrontos entre estudantes e tenentes
▪ todos os setores se unificam “pelo bem de SP”
▪ objetivos
• fim da ditadura
• interventor civil e paulista
• constitucionalização do país
▪ tenta angariar apoio de MG e RS
• apoio militar (forças públicas estaduais)
• Vargas negocia com MG e RS, para evitar o apoio
• anuncia Código Eleitoral e Constituinte
• oligarquias dissidentes teriam a oportunidade de decidir que projeto de país
iriam querer
▪ Vargas nomeia interventor civil e paulista → Armando Salles
➢ Código Eleitoral (1932)
▪ antes da Revolução de SP → já ia convocar eleições e Constituinte
▪ Jorge Ferreira
• sufrágio universal, direto e secreto
• mulheres conquistaram a cidadania política
➢ Constituinte (1933-1934)
▪ grupos sociais emergentes após 1930 começam a se organizar para influir no futuro
do país

Página 56 de HB
do país
• tenentes
• oligarquias dissidentes
• Alto Oficialato
• Igreja Católica
• industriais (principalmente paulistas)
• bancada classista
▪ coronelismo em decadência
▪ Liga Eleitoral católica
• consegue bancada importante na Constituinte
• se confrontam com os pioneiros da Escola Nova
▪ industriais colaboram com Vargas na Constituinte
• definição sobre o nível de intervenção do Estado na economia
➢ eleição indireta de 1934
▪ principais candidatos
• Getúlio Vargas
• Góis Monteiro
➢ Constituição de 1934
▪ inspirações
• Weimar (1919)
 primeira a ter leis trabalhistas
• Constituição de 1891
▪ mandato de 4 anos, sem reeleição
▪ voto universal, secreto e feminino
• exceção: analfabetos
▪ federalismo
• governadores eleitos
• limitação da autonomia financeira
▪ prevê “assistência jurídica aos mais necessitados”
• sem mecanismo efetivos, mas estava prevista
• forma de garantir acesso ampliado a justiça
▪ pluralidade sindical
• divide e enfraquece operariado
• não chega a ser implementada
 1935: estado de exceção
▪ bancada classista
• corporativismo
 não é fascista
 unidade básica é a corporação e não o indivíduo
▪ Justiça do Trabalho
• mas instalada apenas em 1941
▪ Justiça Eleitoral
• fim da CVP
▪ nacionalização de recursos estratégicos
• permite regulamentação futura de como explorar
• importância: cria precedente jurídico
▪ mandado de segurança
▪ leis trabalhistas
▪ ensino primário obrigatório e gratuito
• sistema nacional
• ensino religioso na educação primária
 influência da Liga Eleitoral Católica (Centro Dom Vital)
❖ Governo Constitucional (1934-1937)
➢ Carta de 1934 era "xingada" de liberal
▪ fora de moda
▪ na época, estava em voga o antiliberalismo

Página 57 de HB
na época, estava em voga o antiliberalismo
• alternativas: fascismo, corporativismo
➢ declínio do tenentismo
▪ Código dos Interventores
▪ extinção do Clube 3 de Outubro (1935)
• influência de Góis Monteiro na diluição
▪ Vargas se afasta dos tenentes e se aproxima do alto oficialato
• enfraquecer ANL
➢ fortalecimento do Exército
▪ enquanto instituição
▪ Lei de Segurança Nacional
▪ política DO Exército e não NO Exército
• Jorge Ferreira: obra de Góes Monteiro e Dutra
▪ Jorge Ferreira
• militares passaram a ser os principais fiadores tanto da ordem social como da
política de desenvolvimento nacional do Estado Novo
• mais do que da defesa nacional, o Exército cuidava da ordem interna e fazia-se
fiador da política de industrialização nacional
➢ polarização ideológica
▪ partidos “de massa”
▪ AIB (1932)
• “fascismo à brasileira”
• Plínio Salgado, Miguel Reale, Gustavo Barroso
• “deus, pátria e família”
• defendia partido único
• não adotou antissemitismo
• retórica anticapitalista
• influência da Doutrina Social da Igreja (Rerum Novarum)
• usada por Vargas para enfraquecer a ANL
• Jorge Ferreira
 de início dava sustentação política ao governo de Vargas, sobretudo na
luta contra o comunismo
 primeiro partido político brasileiro com implantação nacional (1936)
 modernismo e nacionalismo foram vertentes centrais na estruturação
ideológica da AIB
 membros da AIB eram setores ainda não representados politicamente
pelos partidos oligárquicos
▪ ANL (1935)
• Prestes como presidente de honra
• não é comunista
• frente antifascista
• defende pluripartidarismo e governo democrático popular
• Jorge Ferreira
 desde sempre fez oposição cerrada ao regime
 congregava comunistas, socialistas e liberais desiludidos
 alguns meses após sua criação, foi colocada na ilegalidade
 na clandestinidade, intensificou os preparativos para a deflagração de um
movimento armado cujo objetivo era derrubar Vargas
➢ Estado de exceção (1935-1937)
▪ Lei de Segurança Nacional (abr/1935)
• Conselho de Segurança Nacional desde 1910s
 jovens turcos
 Revista de Defesa Nacional
• Prestes faz um discurso (via Carlos Lacerda) com lema “todo poder à ANL”
▪ julho/1935: ANL é fechada pelo governo
▪ Intentona Comunista (nov/1935)
• começou em uma quartelada

Página 58 de HB
• começou em uma quartelada
• Prestes acreditava que existia uma conjuntura revolucionária no Brasil e
convenceu Moscou disso
• Jorge Ferreira: chegava ao fim a tolerância da cúpula militar com a iniciativa
política autônoma da jovem oficialidade
▪ estado de sítio
• tribunais de segurança nacional (1936)
• Vargas reprime toda a oposição
 exceto SP, por medo de nova revolução
• fortalece AIB, para enfraquecer oposição
➢ eleições (1938)
▪ NÃO aconteceram
▪ pela Constituição, Vargas não poderia ser candidato
▪ candidatos
• situação: José Américo de Almeida
 apoio de Vargas
• AIB: Plínio Salgado
• oposição: Armando Salles de Oliveira (SP)
• Góis Monteiro
▪ ninguém suspeitava que Vargas fosse dar o golpe, porque estava apoiando um
candidato
➢ Plano Cohen (1937)
▪ pretexto para cancelar as eleições de 1938
▪ inaugura "estado de guerra"
• uma variação do estado de sítio
➢ golpe (10/11/1937)
▪ golpe branco
▪ Vargas mandou Negrão de Lima negociar com governadores
• ofereceu que seriam interventores após o golpe
▪ não tem resistência
▪ tem apoio das FAs
▪ Jorge Ferreira: parte expressiva dos aliados de 1930 estava marginalizada do poder
❖ Estado Novo (1937-1945)
➢ ditadura declarada
➢ “refundar a República”
▪ discurso que aparecia desde 1930
▪ era para ter iniciado em 15/nov, mas negociação de Negrão de Lima com os
governadores vazou na imprensa
➢ NÃO É fascista
➢ democracia social
▪ sem intermediários entre governo e povo
▪ voltado para as massas
▪ nega direitos civis e políticos
▪ afirma a centralidade dos direitos sociais
• tutelados pelo Estado
• Wanderlei Guilherme dos Santos: "estadania"
• José Murilo de Carvalho: cidadania em negativo - negligência de direitos civis e
políticos
• Ângela de Castro Gomes: "ideologia da outorga" - invenção do trabalhismo
➢ continuidade da crise de hegemonia
▪ regime sustentado pela burocracia civil e militar, burguesia industrial e classe
operária (sindicatos)
▪ manutenção da ideia do “Estado de compromisso”, mas conceito serve somente
para Governo Provisório
➢ “fim” do federalismo
▪ queima das bandeiras estaduais
▪ retorno dos interventores

Página 59 de HB
▪ retorno dos interventores
➢ apartidarismo
▪ partidos foram transformados em associações culturais → decreto complementar
(1937)
▪ reações
• Putsch integralista (1938)
 tentativa de assassinato de Vargas
 ruptura com AIB
• caso Ritter (1938)
 fortalecimento dos americanistas no Estado
 Osvaldo Aranha no MRE
▪ NÃO É partido único
➢ Constituição de 1937
▪ outorgada
▪ “Polaca”
▪ Francisco Campos
▪ inspirações
• 1891
• Polônia (1935)
▪ prazo de 6 anos para plebiscito de aceitação → nunca aconteceu
▪ dissolução de Câmaras parlamentares
• sem intermediários entre o governo e o povo
▪ tenta promover conciliação entre as classes
▪ interventorias
• retomada da centralização
• não eram mais tenentes
▪ direitos civis restringidos
• no texto constitucional
• pena de morte
• censura
• proibição do direito de greve
➢ modernização na burocracia
▪ modernização conservadora
▪ concurso público
▪ planos de carreira
▪ meritocracia
▪ cria mercado de trabalho para as classes médias
➢ DASP
▪ decreto complementar
▪ estrutura com grande capilaridade
▪ promove a modernização na burocracia
▪ mercado de trabalho - serviço do Estado
▪ institucionalização da centralização
➢ DOPS e polícia especial
▪ decreto complementar
▪ tendências fascistas
➢ DIP
▪ decreto complementar
▪ propaganda de massa
▪ Hora do Brasil (1939)
▪ estatização da Rádio Nacional (1940)
▪ mudança nas relações sociais
• passa a existir uma autoridade acima do coronel
▪ censura
➢ IBGE
▪ decreto complementar
▪ agências municipais

Página 60 de HB
▪ agências municipais
▪ censo de 1940
▪ nova regionalização em 1942
• primeira de um órgão estatal
➢ sindicato único
▪ decreto de 1939
▪ tutela estatal
➢ Ministério da Educação e Saúde
▪ constelação Capanema
• Capanema como Ministro entre 1934-1945
▪ reúne intelectuais de todas as tendências
• nacionalistas autoritários
• modernistas
• comunistas
▪ base social de sustentação
▪ valorização dos negros no futebol
▪ “domesticação do samba”
▪ Modernismo no poder
• Di Cavalcanti, Portinari, Villa Lobos, Nelson Rodrigues, Niemeyer
❖ Política Econômica
➢ usada para cooptação da burguesia e do Exército
➢ Exército
▪ segurança nacional
▪ Conselho Nacional do Petróleo (1938)
▪ CSN (1940)
▪ Plano Rodoviário Nacional
➢ burguesia
▪ industrialização
▪ Comitês Técnicos
➢ 1930-1933: medidas emergenciais
▪ minimizar efeitos da crise de 1929
▪ Funding Loan (1931)
▪ Esquema Aranha (1934)
• transição da hegemonia britânica para a americana
▪ desvalorização da moeda
▪ defesa do café
• necessária para que o país não entrasse em colapso total
• nas mãos do Estado central
• Conselho Nacional do Café (1931)
• Departamento Nacional do Café (1933)
➢ 1933-1939: efeitos colaterais
▪ processo acidental de ISI
▪ burguesia começa a perceber que pode se beneficiar de um Estado centralizado
▪ Estado começa a perceber que pode se beneficiar de uma política industrializante
➢ 1939-1945: desenvolvimentismo
▪ industrialização com condução do Estado
▪ Estado como
• agente regulador
 BB
 favorece investimentos em infraestrutura e indústria
• produtor direto
 Plano Souza Costa (quinquenal)
 CSN
 CHESF (Companhia Hidrelétrica do São Francisco)
 CVRD (Vale)
 CNP
 com poupança externa

Página 61 de HB
 com poupança externa
 códigos (minas, água, florestal)
▪ consequências
• concentração no Sudeste
• desenvolvimentismo como paradigma
❖ Crise do Estado Novo
➢ contradição entre política interna e política externa
▪ II GM
▪ ver PEB Era Vargas
➢ invenção do trabalhismo (Ângela de Castro Gomes)
▪ a partir de 1942
▪ mobilização do operariado
▪ público destinatário do discurso está sendo criado pelo próprio governo Vargas
▪ dar-receber-retribuir
▪ “ideologia da outorga”
• Estado “dá” direitos ao trabalhador
• ignora a luta dos trabalhadores
• a relação fundadora do Estado era uma relação de doação, uma relação de dar e
receber dádivas/presentes/benefícios
• coloca o trabalhador na obrigação moral de retribuir → apoio ao governo
▪ Ministro do Trabalho (Alexandre Marcondes Filho) explica, no rádio, direitos
trabalhistas em linguagem clara
• rádio: meio de comunicação de massa mais difundido, chegava até o campo
▪ reconhecimento do trabalhador na história do país
• inclusive do trabalhador negro
▪ trabalhador como agente social mais importante do país
• Jorge Ferreira: não é simples troca de benefícios sociais por subordinação
política - resgate da autoimagem construída pelos próprios trabalhadores
▪ Estado Novo vislumbra, no horizonte político, que precisará dessa lealdade
▪ calendário cívico
▪ CLT (1943)
• marketing
• sistematiza todas as leis existentes
❖ Redemocratização
➢ Manifesto dos Mineiros (out/1943)
▪ cobrava o plebiscito da Constituição
▪ boa parte dos fundadores da UDN está entre os signatários
➢ Congresso de Escritores Brasileiros (jan/1945)
▪ pedia o fim da ditadura
➢ entrevista de José Américo (fev/1945)
▪ desafia a censura
▪ José Américo era o candidato de Vargas nas eleições de 1938
• se sentiu traído quando as eleições não ocorreram
➢ Lei Constitucional nº9 (fev/1945)
▪ Vargas se antecipa
▪ permite a criação de partidos
▪ convocação de eleições em 90 dias
▪ convocação de eleições para Constituinte
➢ Movimento da Panela Vazia (mar-mai/1945)
▪ SP
▪ pró-Vargas
• Jorge Ferreira: em resposta a um comício do Centro Acadêmico Onze de Agosto
▪ origem do queremismo
▪ desperta temores de que Vargas tentará se manter no poder
➢ Lei Agamenon Magalhães (mai/1945)
▪ regras eleitorais
▪ regras para criação de partidos

Página 62 de HB
▪ regras para criação de partidos
• impediu a formação de partidos estaduais
• exigia assinatura de um número determinado de estados
▪ desincompatibilização
• para concorrer a um cargo, deveria se desvincular do cargo anterior 3 meses
antes
▪ candidaturas avulsas não são mais permitidas
▪ políticos podem se candidatar a mais de um cargo, em mais de um estado, por mais
de um partido
▪ eleições em 2 de dezembro para governo federal
▪ eleições para governos estaduais estavam previstas para 1946
▪ foi usada depois para cassar o registro do PCB
• alegação: partido internacional
• fruto de anticomunismo, não era a intenção da lei
➢ criação de partidos
▪ UDN (abr/1945)
• Jorge Ferreira: abrigava diversos grupos políticos heterogêneos - direita,
extrema direita, esquerda democrática e comunistas dissidentes da linha oficial
do PCB
▪ PCB e PTB (mai/1945)
• Jorge Ferreira: Vargas convocou os trabalhadores a aderirem ao PTB -
institucionalização de um projeto político (trabalhismo), do getulismo como
personalização do trabalhismo e do queremismo como movimento social
▪ PSD (jul/1945)
➢ queremismo
▪ Jorge Ferreira
• movimento de massa somente comparado à Aliança Nacional Libertadora e às
diretas já
• contou com apoio discreto do DIP e de empresários favoráveis a Vargas
• mas não teria alcançado tais proporções se não fosse pela vontade política dos
trabalhadores
• inicialmente, queriam que Getúlio se candidatasse à Presidência, quando ele
recusou, pediram pela candidatura à Constituinte
▪ Constituinte com Getúlio
▪ queriam realização da Constituinte antes da eleição presidencial, para garantir que
Getúlio garantiria os direitos trabalhistas
• Jorge Ferreira: importância do "trabalhismo" - movimento queremista
contribuiu para que a união trabalhismo-getulismo se consolidasse ainda mais
▪ diante da grande mobilização popular, ganhou apoio dos comunistas
▪ PCB seguia a diretriz soviética de fazer aliança com regimes antifascistas
➢ momentos finais (out/1945)
▪ dia 10: lei antecipa eleições presidenciais
▪ dia 25: Vargas nomeia Bejo Vargas para chefe de polícia do DF
▪ dia 29: deposição de Vargas pelo Alto Comando Militar
• Dutra + Góis Monteiro
• autoexílio em São Borja
• declarou publicamente que concordava com a deposição
▪ assume José Linhares (presidente do STF)
• era para ser apenas para convocar as eleições
• fez repressão contra os sindicatos e os comunistas
• revogou a Lei Antitruste – havia aproximado Vargas dos comunistas
➢ candidatos
▪ UDN: Eduardo Gomes
• Jorge Ferreira: apesar do grande esforço dos meios de comunicação para eleger
Eduardo Gomes, a campanha da UDN mobilizou camadas médias, os
intelectuais, os oficiais das FAs, não os trabalhadores
▪ PCB: Yedo Fiuza

Página 63 de HB
▪ PCB: Yedo Fiuza
▪ PSD: Dutra
• apoio de Vargas → em troca do Ministério do Trabalho para o PTB
➢ eleições
▪ maior eleição da história
▪ PCB tem 10% dos votos
▪ Vargas eleito em 7 estados
• varguismo assusta elites
• toma posse como senador do RS

Página 64 de HB
República Liberal
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ Características gerais
○ sistema partidário nacional
○ polarização ideológica
○ frentes parlamentares
❖ Dutra (1946-1951)
○ Constituição de 1946
❖ Vargas (1951-1954)
○ Carnaval da Tristeza
❖ Café Filho (1955)
○ Novembrada
❖ JK (1956-1961)
○ ponto ótimo da dobradinha PSD-PTB
❖ Jânio Quadros (1961)
○ Campanha da Legalidade
❖ João Goulart (1961-1964)
○ polarização ideológica + radicalização política
❖ Golpe de 1964
❖ Atuação dos comunistas

❖ Características gerais
➢ José Murilo (Cidadania no Brasil)
▪ 1945: início da primeira experiência que se poderia chamar com alguma propriedade
de democrática em toda a história do país
➢ Jorge Ferreira
▪ entre 1945 e 1964, não se ensaiou democracia política e eleitoral no Brasil; praticou-
se
➢ Estado democrático de Direito
▪ mesmo com a cassação do PCB
➢ sistema partidário nacional
▪ conforme Lei Agamenon Magalhães
▪ pluripartidário
▪ partidos formados livremente
• exceto o PCB – com argumento de que era partido internacional
▪ existiam projetos políticos antagônicos
▪ pessoas votavam nos partidos, não nas pessoas
• derruba a ideia de populismo
▪ sistema partidário ideológico
▪ PTB
• nacional-estatismo
• esquerda
• nos anos 1950, começa a incorporar membros do PCB
• partido que mais cresce
• “herdeiro” do sindicalismo tutelado pelo Estado
• Jorge Ferreira
 inserção regional fragmentada
 partido que apresentou programa mais nítido e bem definido quanto a
metas e projetos
▪ UDN
• no início, era uma frente ampla antivarguista
• liberal-conservadorismo
• direita
• 1947: PSB surge como dissidência
▪ PSD

Página 65 de HB
▪ PSD
• fiel da balança
• “centro”
• partido fisiológico
• origem na burocracia do Estado Novo
• maior partido do período
• maior bancada parlamentar
➢ polarização ideológica
▪ em torno dos dois projetos partidários
• nacional-estatismo
• liberal-conservador
▪ dupla PTB-PSD ganhou quase todas as eleições
• exceção: Jânio Quadros
▪ se acentua ao longo do período
▪ PTB é o partido que mais cresce no período
• urbanização e industrialização aceleradas
• era o terceiro maior partido no início do período
• em 1962, se torna o segundo maior
▪ crises da República
• resultados da polarização
• 1954: Carnaval da Tristeza
• 1955: Novembrada
• 1961: Campanha da Legalidade
➢ frentes parlamentares (Jorge Ferreira)
▪ Frente Parlamentar Nacionalista
• 1956-1964
• bandeira nacionalista e desenvolvimentista
• Brasil "autônomo e soberano"
• pluralidade ideológica
• maioria de parlamentares era do PTB
• buscou fundamentos teóricos junto à ala mais nacionalista do ISEB
• marcada atuação no Poder Legislativo
• em 1964, transformou-se no principal alvo das cassações e perseguições
políticas no Congresso
▪ Ação Democrática Parlamentar
• surgiu em 1961
• combater expansão da ideologia comunista junto à sociedade brasileira
• maioria da UDN
• bandeiras: defesa intransigente da iniciativa privada, apoio incondicional aos
investimentos estrangeiros no Brasil e defesa de princípios liberais
• conseguiu bloquear projeto de reforma agrária em 1963
• contaram com apoio do IBAD e do IPES
❖ Dutra (1946-1951)
➢ PSD
➢ Constituição de 1946
▪ inspiração: Constituição de 1934
▪ primeira Constituição fruto de uma Constituinte eleita
▪ bancada comunista representativa
▪ mandatos presidenciais de 5 anos, sem reeleição
▪ voto separado para presidente e para vice
▪ legislaturas de 4 anos
• presidentes precisam recompor base no meio do mandato
▪ direitos civis
• direitos individuais
• acaba com a pena de morte (nunca havia sido aplicada)
• mandado de segurança é mantido

Página 66 de HB
• mandado de segurança é mantido
• “assistência jurídica aos necessitados”
 maneira de garantir o acesso à justiça
 não é um direito civil, mas é necessário para garantir os direitos civis
▪ direitos políticos
• bicameralismo
• pluripartidarismo
 desde 1945, partidos nacionais (Lei Agamenon Magalhães)
 PCB foi cassado com base nisso, por ter sido considerado um partido
internacional (filial do PCUS)
• eleições em um só turno
• voto universal, feminino e secreto
 exceto analfabetos e praças de pré
▪ direitos sociais
• todos os direitos sociais criados até então são incorporados ao texto
constitucional
• CLT é mantida
 com a concepção corporativista e autoritária
 unicidade sindical
• imposto sindical
• estabilidade no emprego após 10 anos
• educação pública e gratuita
• direito de greve
 garantido no texto constitucional
 mas vale decreto pré-Constituição
➢ direito garantido na Constituição nunca foi regulamentado
➢ era um decreto do governo Dutra
➢ “greve só nas perfumarias”
• possibilidade de desapropriação de terras improdutivas para reforma agrária
 indenização paga à vista e em dinheiro
▪ EC n. 4/1961: parlamentarismo
• durou até 1963, quando plebiscito decidiu retorno ao presidencialismo
➢ conta com apoio dos comunistas (PCB) até 1947
▪ comunistas ainda seguiam a diretriz de apoiar governos que haviam combatido os
fascismos
▪ depois disso, comunistas passam a apoiar os sindicatos e as greves
• dobradinha PCB + PTB nos sindicatos
▪ inicia radicalização
▪ mudança de postura é formalizada em uma conferência do partido em 1948
➢ 1946-1948: aliança com o PTB
▪ construída por Vargas, por meio do Ministério do Trabalho
▪ UDN era oposição
• era uma frente ampla antivarguista
• vai se diluindo e passando mais para a direita durante o governo Dutra
▪ política econômica: liberal
• libera importações
• Brasil tinha acumulado muitas reservas durante a II GM
• importações livres queimam divisas
▪ conservadorismo nos costumes
• fechamento de cassinos
• proibição de jogos de azar
▪ anticomunismo
• grande sucesso alcançado pelo PCB nas eleições de 1945
 quase 10% dos votos para presidente
 mais de 15 deputados na Constituinte
 um senador

Página 67 de HB
 um senador
• 1947: TSE cassa PCB
• 1948: cassação dos mandatos dos parlamentares do PCB
▪ inflação em alta
• corrói poder de compra dos trabalhadores
• diferente do contexto da guerra: sem apoio financeiro dos EUA
• decide que era hora de mudar a política econômica e adotar uma estratégia
mais intervencionista
➢ 1948-1951: aproximação com UDN
▪ 1948: acordo interpartidário (PSD + UDN)
• pode ser entendido de duas formas
• Dutra queria governabilidade e UDN era o segundo partido no Congresso
 pouco provável, visto que o PSD era o maior partido da Câmara
• correlação de forças para a eleição seguinte
 estratégia de isolar o PTB
 Vargas estava ganhando cada vez mais força, mesmo estando no “exílio”
em São Borja
➢ Plano SALTE (1948-1953)
▪ política econômica intervencionista
▪ aprovado com os votos da UDN
▪ determina a política econômica do governo seguinte
• era um plano quinquenal
▪ levava em conta o diagnóstico dado pela missão Abbink
▪ não funciona
▪ não tem recursos suficientes
▪ Dutra não recupera popularidade
▪ inflação não é contida
▪ fracasso contribui para o desejo de que Vargas volte
➢ 1949: criação da ESG (Jorge Ferreira)
▪ comandada pelo general Oswaldo Cordeiro de Farias
▪ subordinada ao Estado-Maior das Forças Armadas
▪ a própria criação da ESG confirma a visão de que os militares se viam como
despreparados para enfrentar os grandes problemas da Nação
▪ grupo que fundou a ESG partia da percepção da necessidade de estreitar os laços
entre elites militares e civis na luta contra o comunismo
▪ marcou o primeiro passo de uma elite militar consciente de que a atuação das FAs
exigia a superação das divisões internas
▪ consolidação de uma ideologia hegemônica tinha como alvo principal cimentar a
unidade institucional
➢ 1950: campanha “ele voltará”
➢ eleições
▪ PTB: Getúlio Vargas
• aliança com PSP (Adhemar de Barros)
 Vargas tinha uma rejeição muito grande em SP
 vice: Café Filho (indicado pelo Adhemar)
 acordo era que Vargas apoiaria Adhemar nas próximas eleições
• durante a campanha, Vargas já vai construindo a aliança com o PSD, para
garantir governabilidade
 discursos mais moderados em alguns lugares
▪ PSD: Cristiano Machado
• durante a campanha, é abandonado pelo partido
• pragmaticamente, lideranças do partido apoiam Vargas → garantir cargos no
governo
▪ UDN: Brigadeiro Eduardo Gomes
▪ vitória de Vargas
▪ tese da maioria absoluta
• UDN não aceita a vitória de Vargas

Página 68 de HB
• UDN não aceita a vitória de Vargas
• Vargas não teve 50% + 1 dos votos
• Constituição só previa maioria simples, não previa dois turnos
❖ Vargas (1951-1954)
➢ apoio do PSD
➢ contava com a oposição da imprensa
▪ imprensa era majoritariamente liberal, nas mãos da elite contrária a Vargas
▪ censura do Estado Novo
▪ Vargas tenta contornar, por meio da criação de um jornal pró-Vargas
• Samuel Wainer
• Última Hora
➢ “nos braços do povo”
▪ apesar da inflação alta
• tendência a greves
➢ Forças Armadas
▪ polarizadas
▪ entreguistas
• americanistas
▪ nacionalistas
▪ dinâmica das eleições internas do Clube Militar passa a ter mais peso
• Jorge Ferreira
 depois do fim do Estado Novo, debate no Clube Militar foi transformado
em uma válvula de escape para o debate de grandes temas nacionais, fora
do controle da hierarquia
 após terem perdido as eleições do Clube de 1950, antinacionalistas
criaram a Cruzada Democrática (1951) e passaram a defender a
despolitização do Clube Militar e o "respeito à hierarquia"
➢ industrialização (Ângela de Castro Gomes)
▪ Comissão de Desenvolvimento Industrial (CDI)
• criada em 1951
• planejar uma política abrangente de desenvolvimento industrial, ao lado de
projetos específicos de criação e expansão de setores da indústria
• traçou uma política protecionista para atrair indústrias (locais ou estrangeiras)
em áreas estratégicas
• estratégia de articulação entre burguesia industrial e Estado
• militares agiam como uma força de apoio
▪ necessidade de optar pelo envolvimento do Estado em setores essenciais
• projetos de desenvolvimento da infraestrutura eram ambiciosos
• se propunham a alargar a oferta antecipando-se à demanda e criando condições
para um contínuo crescimento industrial
• sobretudo crescimento da indústria de base, considerada o setor prioritário
• colaboração entre militares e indústria civil
➢ nacional-desenvolvimentismo (60 anos PEB)
▪ assessoria econômica na Presidência da República
• sob comado de Rômulo Almeida, membro do ISEB
➢ 1951-1952: ministério conservador
▪ aproximação com o PSD → governabilidade
▪ política econômica conservadora
• Fazenda: Horácio Lafer (representante dos industriais)
• Assessoria Especial da Presidência: Rômulo de Almeida
▪ política externa alinhada aos EUA
➢ 1952-1953: “guinada nacionalista”
▪ ideia muito controversa na literatura – somente para fins didáticos
▪ contínuo aumento da inflação
▪ constatação de que não estava atendendo aos anseios dos trabalhadores
▪ 1952: renovação do Acordo Militar de 1942
• Estillac Leal (nacionalista) se demite

Página 69 de HB
• Estillac Leal (nacionalista) se demite
• demonstra a perda de força do grupo nacionalista no Clube Militar
▪ 1952: BNDE
▪ mudanças no ministério
• Trabalho: Jango e proposta de ajuste de 100% do salário mínimo
• Fazenda: Oswaldo Aranha e política ortodoxa
▪ tenta agradar “gregos e troianos”
• demite Jango
• mas aumenta o salário mínimo em 100%
▪ instrução 70 da SUMOC
• protecionismo cambial
• favorecia investimentos industriais
▪ 1953: Petrobrás
• lei 2004
• monopólio estatal da extração
• contou com o apoio dos militares nacionalistas
• campanha “o petróleo é nosso” começou no governo Dutra
• proposta de Vargas enviada ao Congresso não previa o monopólio
• monopólio estatal foi aprovado no Congresso, em resposta à pressão popular
• lei aprovada com o voto de vários udenistas
 para contrariar Vargas, que não queria monopólio
 visando à próxima eleição, para atender a pressão popular
 não são as únicas teses
• como o Brasil não possuía a tecnologia para a extração, ao colocar o
monopólio, impediria o projeto de Vargas de exploração do petróleo
➢ crises
▪ aumento de 100% no salário mínimo
• Jango havia chegado ao ministério em 1953, para debelar greve
 Jorge Ferreira: greve dos 300 mil
 consegue encerrar
 negociação emblemática
 cedeu à maioria das exigências - despertou desconfianças políticas
• fevereiro/1954: Memorial dos Coronéis
 Jorge Ferreira
➢ refletia as posições do Alto Comando do Exército e das correntes
antinacionalistas
➢ instrumento de unificação institucional - manifestação de oficiais no
pré-generalato tendo como público-alvo os escalões inferiores
• demissão de Goulart, mas concessão do aumento
• resultado: maior controle sobre a massa sindical, mas distanciamento do
empresariado e perda de apoio político
▪ CPI do Última Hora
• Lacerda começou a investigar e descobriu que o dono do jornal tinha um
relacionamento pessoal com Vargas
• encontra evidências de que Samuel era estrangeiro
 pela lei da época, estrangeiro não poderia ser dono de jornal
• no Congresso, começam a investigar o financiamento que ele havia recebido
do Banco do Brasil
• Jorge Ferreira: Wainer foi preso
• atiça a crise do governo Vargas
➢ crise de agosto de 1954
▪ atentado da Toneleros
• morte do Major Rubens Vaz
▪ República do Galeão
• inquérito policial militar
• tribunal militar da Aeronáutica

Página 70 de HB
• tribunal militar da Aeronáutica
▪ UDN começa campanha pelo impeachment
▪ Gregório Fortunato (chefe da guarda pessoal de Vargas) é preso e assume toda a
culpa, não culpa Vargas
▪ 22 de agosto de 1954: Manifesto dos Brigadeiros e Manifesto dos Generais (Jorge
Ferreira)
• exigiam renúncia de Vargas
▪ 23 de agosto de 1954: reunião com os 3 ministros militares
• ministros disseram que não garantiriam a manutenção da ordem
• indica oposição das FAs à manutenção de Vargas no poder
• risco de ser deposto por um golpe militar
▪ 24 de agosto de 1954: suicídio
• carta-testamento
• Jorge Ferreira: Manifesto dos Ministros Militares (set/1954) - isenta as FAs de
responsabilidade pelo suicídio de Vargas
➢ Carnaval da Tristeza
▪ PCB inicia uma aproximação com o varguismo (trabalhismo - PTB)
• antes, estava isolado (desde a adoção da postura sectária e radical de 1947)
• maior moderação no discurso
• maior aproximação da sociedade, maior adesão
• "dobradinha" PCB + PTB no movimento sindical
• autonomização do movimento sindical
• PCB + PTB criam uma central sindical fora da unicidade sindical
▪ forte reação popular ao suicídio de Vargas
▪ adia o golpe por 10 anos
▪ Jorge Ferreira
• jornais foram destruídos, exceto o Última Hora
• ataques populares a sedes de partidos opositores e bancos americanos
• grande anti-americanismo
• forte repressão policial
❖ Café Filho (1955)
➢ instrução 113 da SUMOC
▪ favorece remessa de lucros
➢ ministério udenista
▪ acordo interpartidário de 1948
➢ eleições
▪ Jorge Ferreira
• alas mais radicais da direita, lideradas por Carlos Lacerda, queriam o
adiamento das eleições
• Lacerda acreditava que o eleito seria produto de fraude, demagogia e práticas
sujas
• defendia um contragolpe para criar condições para o estabelecimento da
democracia no Brasil
• General Canrobert (presidente do Clube Militar e chefe do Estado Maior das
FAs), em discurso de 5 de agosto, disse que o dilema dos militares era escolher
entre uma pseudolegalidade imoral e corrompida e o restabelecimento da
moralidade democrática, por meio de uma intervenção aparentemente ilegal
• vários setores da sociedade manifestaram-se pela manutenção da democracia
• Carta Brandi
 denunciada por Carlos Lacerda
 uma carta supostamente de quando Jango era ministro de Vargas
 de um deputado argentino peronista
 indicava formação de "brigadas de choque operárias" e entrada de armas
clandestinas compradas por Jango
 Comissão Militar de Inquérito instaurada por Lott concluiu que a
assinatura do suposto deputado havia sido falsificada
▪ a partir de 1954, comunistas apoiam o varguismo

Página 71 de HB
▪ a partir de 1954, comunistas apoiam o varguismo
▪ primeira vez que se formaliza a aliança PTB-PSD em uma chapa
▪ PSD: JK
• PTB: Jango (vice)
• Prestes declara apoio
▪ PDC: Juarez Távora
• com apoio da UDN
• Milton Campos (UDN) como vice
• Jorge Ferreira: em resposta à candidatura de Juarez Távora, general Canrobert
faz um discurso pregando a união das FAs contra o egoísmo dos políticos
 em jan/1955, Memorial dos Militares, assinado por Távora, garantia que
não haveria candidatos militares à presidência
▪ PSP: Adhemar de Barros
• Danton Coelho como vice
▪ PRP: Plínio Salgado
▪ vitória da chapa PSD-PTB
• Jango teve mais votos que JK
• “ponto ótimo” da aliança (Maria Vitória Benevides)
• fundamental para garantir a estabilidade e a governabilidade
▪ tese da maioria absoluta é derrotada de novo
▪ articulação golpista
• discurso de Jurandir Mamede (líder da Cruzada Democrática) no funeral do
general Canrobert
• apesar de ter rompido o protocolo, é louvado, dizendo que JK e Jango não
deveriam tomar posse
▪ general Zenóbio da Costa manifestou-se publicamente a favor da legalidade
• Jorge Ferreira: foi punido por Lott - pelos códigos disciplinares do Exército,
não poderia ter-se manifestado
➢ Café Filho licencia-se
▪ crise cardiovascular
▪ assume Carlos Luz
▪ Lott havia pedido uma audiência com o presidente, para lidar com o discurso de
Mamede
• postura legalista de Lott
• Mamede estava subordinado à ESG e não ao Ministério da Guerra
• somente o presidente da República poderia punir oficiais da ESG
▪ Carlos Luz humilha Lott, deixando-o esperar, e recusa-se a punir Mamede
▪ Lott se demite do cargo de Ministro da Guerra
• Jorge Ferreira: Carlos Luz nomeia o general Fiúza de Castro, antinacionalista
➢ Novembrada
▪ contragolpe preventivo de Lott
• legalista
▪ é articulado na madrugada de 11 de novembro
▪ articulação das FAs para manter a legalidade
▪ articula o impeachment de Carlos Luz
▪ Jorge Ferreira
• contou com o apoio de vários dirigentes sindicais
• contragolpe liberou tendências nacionalistas dentro das FAs próximas ao PTB
• PTB ganhou uma oportunidade única de competir com a UDN dentro das FAs
• coronel Nemo Canabarro Lucas fundou Frente de Novembro - oficiais e
sargentos pelos ideais do nacionalismo e da democracia
➢ assume Nereu Ramos (PSD)
▪ apenas para garantir a posse dos eleitos
❖ JK (1956-1961)
➢ PSD
▪ é das alas mais jovens do PSD - Ala Moça
➢ ponto ótimo da dobradinha PSD-PTB

Página 72 de HB
➢ ponto ótimo da dobradinha PSD-PTB
▪ construída já na campanha eleitoral
➢ período de maior estabilidade da República Liberal
➢ Ministro da Guerra: Lott
▪ FAs estavam contidas
➢ JK nomeia altos oficiais para cargos-chave no governo
➢ oposição
▪ “banda de música” da UDN
• liderada por Lacerda
▪ imprensa
➢ Plano de Metas: 50 anos em 5
▪ plano quinquenal
▪ coordenado por Lucas Lopes (60 anos de PEB)
▪ identificava gargalos da economia
▪ 30 metas em 5 setores
• alimentação
• transportes
• energia
• educação
• indústria de base
▪ Estado + capital privado nacional (bens de consumo não duráveis) + capital
estrangeiro (bens de consumo duráveis)
▪ beneficiado pela instrução 113 da SUMOC
▪ meta-síntese: construção de Brasília
▪ administração paralela: grupos executivos
• um para cada meta
• se reúnem no Conselho de Desenvolvimento, subordinado diretamente à
Presidência da República
• para garantir governabilidade, tinha concedido ministérios, nem sempre para
as pessoas mais competentes
➢ política econômica emissionista
➢ endividamento externo
➢ aumento da inflação
➢ confronto com FMI
▪ queria uma política de austeridade
▪ na prática, inviabilizaria o Plano de Metas
➢ urbanização acelerada e desordenada
➢ concentração do desenvolvimento industrial no Centro-Sul
▪ aumenta as disparidades regionais
➢ “dois brasis”
▪ surge a imagem do Nordeste como uma região problema
▪ SUDENE: “indústria da seca”
• reforça desigualdade regional
➢ projeto ruralista (Jorge Ferreira)
▪ ampliação do parque industrial brasileiro demandava aumento da oferta de
alimentos e integração entre as zonas produtoras e as cidades
▪ construção de Brasília auxiliou na ampliação da fronteira agrícola
▪ ruralistas no Congresso definiram construção de Brasília como "Nova Marcha para o
Oeste"
• comparação equivocada
• Marcha de Vargas baseava-se na colonização e em pequenas propriedades,
com o objetivo de ocupar e integrar o território, além de aumentar o mercado
consumidor com os pequenos produtores rurais
• JK descartou a colonização e deixou a elite agrária ocupar os novos
territórios - conflitos com povos preexistentes
▪ crescimento da oferta agrícola para atender ao mercado interno e ao externo
(divisas - importantes para a industrialização)

Página 73 de HB
(divisas - importantes para a industrialização)
▪ bancada ruralista defendia que a reforma agrária deveria basear-se em
industrialização da agricultura, para aumentar a produtividade, não em divisão de
terras
▪ para setores mais atentos às agitações políticas, a desapropriação era uma
alternativa viável, desde que com indenização justa e prévia, como previa a
Constituição - dificuldade em definir o "justa"
➢ surgimento das Ligas Camponesas
▪ não eram muito fortes
▪ adotam novo meio de atuação: invasão de terras
▪ Jorge Ferreira
• foram uma alternativa à sindicalização rural, barrada pelo bloco agrário no
Congresso
• deputado estadual (PE), Francisco Julião, defende as Ligas, conferindo-as mais
visibilidade
• reportagens de Antonio Callado também conferem mais visibilidade
• 1960: Cartilha do Camponês - orientações sobre como votar nas eleições
 forte crítica ao discurso do proprietário
• Ligas eram, em muitos lugares, apoiadas ou lideradas pelos comunistas
• mudança em 1961: I Congresso nacional de Lavradores e Trabalhadores
Agrícolas (BH)
 rompimento com PCB
 congresso convocado pela União de Fazendeiros e Trabalhadores
Agrícolas do Brasil (ULTAB)
 tese das Ligas da reforma radical (na lei ou na marra) derrota as
propostas do PCB
➢ Igreja e questão rural (Jorge Ferreira)
▪ 1956: encontro dos bispos do Nordeste
• uma ala da Igreja publica um documento demonstrando preocupação com os
problemas sociais da região e defendendo a reforma agrária
• encontro ganha significado político - Presidente e ministros de Estado
comparecem
▪ Márcio Moreira Alves diz que uma das preocupações da Igreja era o receio de
perder influência sobre a população rural
▪ Ligas Camponesas criticavam a atuação dos padres, que apoiavam os grandes
proprietários e as oligarquias
▪ Serviço de Orientação Rural de Pernambuco (SORPE)
• antecedente: Serviço de Assistência Rural (SAR) - alfabetização e educação
• objetivo é promover sindicalização rural, procurando atrelar o movimento
rural ao trabalho paroquial
➢ “otimismo e esperança”
▪ vitórias brasileiras no esporte: boxe, tênis, futebol
▪ Bossa Nova
➢ movimento contra a alta do custo de vida
▪ afetou a popularidade de JK
➢ crises
▪ foram bem conduzidas por JK, o que reforça a estabilidade
▪ levantes armados da Aeronáutica
• Jacareacanga
 JK decreta anistia dos revoltosos, para garantir popularidade com as FAs
• Aragarças
• JK anistia os revoltosos
➢ PCB continuava na clandestinidade, mas tinha uma margem de atuação maior
▪ no movimento sindical, aliança com o PTB
▪ primeira central sindical
➢ democracia com desenvolvimento
➢ eleições

Página 74 de HB
➢ eleições
▪ PSD: Marechal Lott
• candidato de JK
• vice: Jango
 vence
▪ PDC: Jânio Quadros
• vice era da UDN
• “vassourinha”
▪ Comitês Jan-Jan
• Jânio e Jango
• não é movimento de nenhum partido
➢ eleições estaduais
▪ Guanabara: Lacerda
▪ MG: Magalhães Pinto
❖ Jânio Quadros (1961)
➢ austeridade fiscal
▪ apoio do FMI
▪ recessão
▪ corte de gastos
➢ medidas moralizantes
▪ proibição de brigas de galo, biquíni cavado, beijo em público
➢ combate à burocracia
▪ “bilhetinhos”
➢ combate à corrupção
▪ comissões de investigação criadas à margem do Parlamento e dos Ministérios
▪ dificulta negociações políticas de apoio a Jânio
➢ negligência do apoio no Congresso
▪ governabilidade
➢ PEI é vista como política de esquerda
▪ condecorações
➢ UDN rompe com governo Jânio
▪ motivo: condecoração de Che Guevara
▪ Lacerda denuncia golpe do presidente
• pretexto
• golpe nunca existiu
▪ Jânio ficou isolado
➢ 25/08/1961: renúncia de Jânio
▪ motivos
• “forças terríveis”
• tentativa de golpe “gaullista”
▪ Congresso nem tentou demover Presidente de seu intento
• alegou que renúncia era um ato unilateral
• nem foi para votação
▪ Ranieri Mazzilli (presidente da Câmara) assumiu o poder
• Jorge Ferreira: mensagem ao Congresso sobre a inconveniência da volta de
Goulart ao país
▪ Jango estava na China em missão comercial
▪ 3 ministros das FAs são contra posse de Goulart
• Manifesto à Nação
• direitas golpistas têm apoio claro das FAs
• abre crise institucional
▪ Lott tenta articular para manter a legalidade
• Manifesto à Nação
• aponta para Brizola militares no RS que poderiam apoiar
• prisão de Lott
▪ Jango pousa no Uruguai
• havia ordem para abater avião caso entrasse no Brasil (operação mosquito)

Página 75 de HB
• havia ordem para abater avião caso entrasse no Brasil (operação mosquito)
➢ Campanha da legalidade
▪ liderada por Brizola
▪ invadiram uma rádio (Guaíba) para angariar apoio pelo país (Jorge Ferreira)
• demais rádios já haviam sido fechadas pelo governo federal
• estúdios da rádio foram transferidos para o Palácio Piratini
• Cadeia Radiofônica da Legalidade
▪ apoio do comandante do III Exército (Machado Lopes)
• RS
• desobedece comando central
• governo central havia dado ordens de bombardear o Piratini (Jorge Ferreira)
• racha no Exército
▪ apoio dos governadores de GO e MT
▪ esquerdas na defensiva
▪ com apoio da população
• população, majoritariamente, não é de esquerda, mas é legalista
▪ Jorge Ferreira
• população se mobilizou em diversos estados
• em SP, presidente da Assembleia Legislativa (Abreu Sodré - UDN) articulou a
Frente da Legalidade Democrática
• OAB, CNBB e UNE exigiram respeito da ordem constitucional
• no Senado, JK discursou pela legalidade
• na Câmara, Adauto Lúcio Cardoso (UDN) pedindo impedimento de Mazzilli e
dos ministros militares por crime de responsabilidade
• todos uniram-se pela legalidade, mas grupos de esquerda queriam posse
imediata e presidencialismo, enquanto direita (principalmente UDN, PSD e
legalistas das FAs) conduziram negociações do parlamentarismo
➢ Jango aceita solução de compromisso parlamentarista
▪ negociada por Tancredo Neves
• primeiro-ministro de Jango
▪ emenda constitucional
▪ plebiscito previsto para 1965
▪ Brizola rompe com Jango
❖ João Goulart (1961-1964)
➢ visto como uma ameaça à democracia
▪ direitas fazem propaganda ideológica anti-Goulart
▪ tentam se apresentar como defensoras da legalidade
▪ IPES
▪ IBAD
▪ think tanks contaram com apoio financeiro explícito dos EUA
➢ set/61-jan/63: parlamentarismo
▪ 3 primeiros-ministros
• Tancredo Neves (PSD) - set/1961-jul/1962
 Jorge Ferreira: gabinete de "conciliação nacional"
➢ Goulart conseguiu implementar um programa nacionalista mínimo
➢ out/1961: gabinete aceitou proposta do ministério das Minas e
Energias para cancelar as concessões de exploração de ferro em MG
a um grupo dos EUA
➢ renunciou para poder concorrer às eleições de 1962
➢ Goulart, com apoio das esquerdas, queria indicar San Tiago Dantas,
mas nome foi recusado pela UDN e pelo PSD
➢ Goulart nomeou Auro de Moura Andrade, conservador, o que
desencadeou uma greve e Andrade foi forçado a renunciar
➢ Goulart queria criar um impasse e conseguiu
• Brochado da Rocha - jul/1962-ago/1962
 Jorge Ferreira
➢ uma das primeiras medidas foi solicitar ao Congresso delegação de

Página 76 de HB
➢ uma das primeiras medidas foi solicitar ao Congresso delegação de
poderes para legislar sobre monopólio da importação de petróleo,
comércio de minérios e materiais nucleares e Estatuto do
Trabalhador Rural, entre outros
➢ ministros militares pediram antecipação do plebiscito
➢ renunciou em ago/1962, diante da recusa do Congresso em marcar
o plebiscito para outubro
➢ CGT decretou greve geral
➢ sob pressão , Congresso convocou plebiscito para jan/1963
• Hermes Lima - set/1962-jan/1963
• demonstra instabilidade
▪ governabilidade prejudicada
• instabilidade dificulta aprovação de qualquer medida, ainda que moderada
▪ anúncio das reformas estruturais
• reformas de base
• mostra que é um governo reformista, não revolucionário
• para as direitas, era de esquerda
• são reformas para modernizar o capitalismo
• reforma agrária
 prevista na CF/46: com indenização, a vista em dinheiro
 Jango propõe que indenização fosse paga a prazo
• Brizola sobre reformas (Jorge Ferreira)
 afirmou que o Legislativo, ao aceitar a emenda do parlamentarismo,
perdeu legitimidade política
 incitava Goulart a fechar o Congresso, assumir seus poderes de fato e
realizar as reformas
▪ André Franco Montoro no Ministério do Trabalho em 1962 (Jorge Ferreira)
• reconhecimento de sindicatos rurais apoiados pela Igreja
• abre a disputa entre católicos, comunistas e as Ligas pelo controle dos
sindicatos rurais
▪ eleições de 1962
• PTB ultrapassa UDN no Congresso
• UDN e PSD, juntos, continuavam sendo maioria (54%)
• Jorge Ferreira
 Brizola (deputado pelo RJ) obteve a maior votação proporcional já obtida
no país
▪ 1963: Brizola lança a Frente de Mobilização Popular (Jorge Ferreira)
• "parlamento das esquerdas"
• unificava as esquerdas
• estudantes, operários urbanos, subalternos das FAs, Ligas Camponesas,
grupos de esquerda revolucionária, segmentos mais radicais do PCB, Frente
Parlamentar Nacionalista
▪ antecipação do plebiscito para 1963
• esquerdas interpretam que vitória do presidencialismo é uma vitória de
Goulart
• direitas defendem o presidencialismo, porque acreditam que venceriam as
eleições de 1965
• esquerdas saem da defensiva e passam para a ofensiva
➢ jan/63-mar/64: presidencialismo
▪ inicialmente, tentativas de reformas pela via legal
▪ moderação: tenta negociar com o Congresso
▪ Plano Trienal
• Celso Furtado
• era um plano moderado
• 1) “aperto dos cintos”
• 2) reformas estruturais
• um programa que contempla os dois lados, acaba desagradando a ambos

Página 77 de HB
• um programa que contempla os dois lados, acaba desagradando a ambos
• não é aprovado
▪ 1963: Estatuto do Trabalhador Rural
▪ EC da reforma agrária não passa
• discordância em torno da taxa de juros da indenização
• direitas queriam, pelo menos, 10%
• PSD começa a se aproximar mais da UDN
• Jorge Ferreira
 recusa deu argumentos para a esquerda negar qualquer possibilidade de
mudanças sociais e econômicas pela via parlamentar
 tornou visível o rompimento da histórica aliança PTB-PSD
 Jango organizou um outro ministério, tentando reativar a aliança
▪ deu continuidade ao projeto desenvolvimentista (Jorge Ferreira)
• mesmo com as difíceis negociações e com dificuldades financeiras
• inauguração de siderúrgicas (Cariacica e Cosipa)
• aumentou capacidade de geração de energia elétrica em 20%
• elaborou planos para Sete Quedas (posteriormente usados pela Itaipu)
• novas refinarias para a Petrobrás
▪ impasse
• teses radicais se reforçam
▪ Goulart fica isolado
• perde PSD
• isolado dentro do PTB – criticavam moderação de Jango
• poderia radicalizar ou renunciar
▪ “radicalização” de Goulart
• tenta algumas reformas por decreto
• impasse + isolamento político
▪ set/1963: tentativa de golpe dos sargentos
• alguns haviam sido eleitos em 1962
• CF/46 era ambígua sobre isso
• Supremo decide não dar posse
• Jango pediu estado de sítio ao Congresso, para reprimir a tentativa
• Congresso não aprova por receio de golpe branco
• evidência clara do isolamento
▪ out/1963: entrevista de Carlos Lacerda ao Los Angeles Times (Jorge Ferreira)
• denunciou infiltração comunista nos sindicatos e no governo
• pediu intervenção dos EUA no processo político brasileiro
• ministros militares pediram ao Congresso decretação do estado de sítio, para
invadir a Guanabara e prender Lacerda
• direita e esquerda regiram negativamente ao pedido
• no Congresso, PTB uniu-se ao PSD e à UDN contra o pedido
▪ out/63: Goulart isolado
▪ aproximação com setores mais radicais à esquerda
▪ dez/1963: medidas polêmicas (Jorge Ferreira)
• estendeu benefícios da Previdência Social aos trabalhadores rurais
• empresas deveriam oferecer ensino elementar gratuito aos funcionários
• 13º salário para funcionalismo público
• revisão das concessões de exploração das jazidas minerais e cancelamento das
que não foram exploradas
• ministro da Fazenda renunciou em dez/1963 - era último ponto de ligação do
Presidente com o empresariado
▪ reformas de base são detalhadas
▪ opções de Goulart
• Frente Progressista de Apoio às Reformas de Base (Jorge Ferreira)
 políticos moderados
 liderada por San Tiago Dantas

Página 78 de HB
 liderada por San Tiago Dantas
 tentativa de romper o isolamento e parar a radicalização
• Frente Única de Esquerda (Jorge Ferreira)
 liderada por Brizola
 opção escolhida por Goulart
 radicalização
➢ polarização ideológica + radicalização política
▪ consenso negativo sobre a manutenção das regras democráticas
▪ impede negociação
▪ impede jogo democrático
▪ esquerdas saem da defensiva e passam para a ofensiva
▪ no Parlamento, frentes interpartidárias
• Frente Parlamentar Nacionalista (esquerda)
• Ação Democrática Parlamentar (direita)
• não tem mais espaço para o fiel da balança
▪ esquerdas
• UNE: Centros Populares de Cultura
• CGT
 sinal para as direitas de que o governo estava violando as leis
 era um sindicato formado à margem da lei sindical, que previa unicidade
• Ligas Camponesas
• PCB
• Comunidades Eclesiais de Base
• Ação Popular
• praças das FAs
▪ direitas
• Comando de Caça aos Comunistas (UDN)
• IBAD
 Jorge Ferreira
➢ subvencionou diretamente candidaturas conservadoras nas eleições
de 1962
➢ histeria anticomunista
• IPES
 Jorge Ferreira
➢ fundado em 1962
➢ aproximação de setores militares, inclusive da ESG
➢ estocou armas
➢ verbas de grandes empresas estrangeiras
• latifundiários (PSD)
• alto oficialato das FAs
• CNBB (Cúpula)
❖ Golpe de 1964
➢ estopins
▪ Brizola: grupos dos onze
▪ CONTAG
• “reforma agrária na lei ou na marra”
▪ MNR (Brizola)
• depois, cria a primeira guerrilha brasileira
• Serra do Caparaó (gov. Castelo Branco)
▪ Comício da Central (13/03/64)
• era para ser um o primeiro de um conjunto de comícios
• Goulart assina decretos da reforma agrária
• Jorge Ferreira: selou aliança do governo com o movimento sindical urbano,
com os trabalhadores rurais e as esquerdas (PCB e ala radical do PTB)
 derradeira tentativa de se buscar um caminho reformista para a nação
brasileira
reação das direitas: Marchas da Família com Deus pela Liberdade

Página 79 de HB
brasileira
▪ reação das direitas: Marchas da Família com Deus pela Liberdade
• mostra o quanto as direitas tinham passado para a defensiva
• articuladas por mulheres de militares
 militares não podiam se manifestar abertamente
➢ Goulart radicaliza
▪ levante de marinheiros
• Jorge Ferreira
 Sílvio Mota, ministro da Marinha, havia proibido realização de ato público
para comemorar o segundo aniversário da Associação dos Marinheiros e
Fuzileiros Navais do Brasil
 subalternos fizeram atos mesmo assim
 no ato realizado no Sindicato dos Metalúrgicos, tropa de choque enviada
para prender os marinheiros aderiu à revolta
 Goulart ordenou que marinheiros não fossem atacados
 ministro da Marinha sentiu-se desprestigiado e renunciou
 revoltosos foram anistiados
• para as FAs, parece que Goulart estava incentivando quebra de hierarquia
▪ discurso no Automóvel Clube
• Jorge Ferreira
 posse da nova diretoria da Associação dos Sargentos
 militares legalistas começaram a ceder ao discurso golpista
➢ Auro de Moura Andrade declarou rompimento do Senado com o governo
▪ Jorge Ferreira
• manifesto à nação
• lançou apelo para que FAs restabelecessem a ordem
➢ 31/mar/64-01/abr/64: deslocamento de tropas de Juiz de Fora para RJ
▪ Olympio Mourão Filho
▪ não encontra resistência
➢ operações
▪ Popeye
▪ Gaiola
• prender principais lideranças sindicais
▪ Silêncio
• intervenção nas rádios
▪ Brother Sam
• não chegou a ser acionada
➢ dispositivo militar não funciona
▪ golpe antivarguista
▪ golpe anticomunista
▪ ameaça de quebra da hierarquia
• convence a maioria dos militares, que era legalista
➢ dispositivo sindical
▪ CGT convoca greve geral
▪ acaba sendo uma tragédia
➢ Goulart não ordena resistência
▪ levaria a uma guerra civil
➢ 01/04/64: decretada vaga a presidência da República
▪ Ranieri Mazzili
▪ Goulart estava no RS
▪ para evitar guerra civil, Goulart vai para o Uruguai e pede asilo
➢ apoio civil ao golpe
▪ marchas
▪ UDN
▪ Lacerda
▪ JK
▪ CNBB
▪ OAB

Página 80 de HB
▪ OAB
▪ ABI
▪ IPES e IBAD
▪ empresariado nacional
❖ Atuação dos comunistas
➢ 1945-1947: conciliação e “união nacional”
▪ 1943: Conferência da Mantiqueira
• decidiram apoiar o Estado Novo
• orientação do PCUS: frentes antifascistas
• luta por redemocratização (principal interesse: anistia de presos políticos)
▪ 1945: PCB
• moderação
• anistia de Prestes
• apoio ao queremismo
• “Constituinte com Getúlio”
• depois da deposição de Vargas, apoiam Dutra (mantendo a ideia de frente
antifascista)
▪ 1945: resultado eleitoral expressivo
• Prestes eleito senador
▪ 1946: Confederação Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB)
• após o Movimento Unificador dos Trabalhadores (MUT – 1945)
 João Amazonas
• na liderança do PCB, não havia muitos nomes com experiência sindical
 explica o maior sucesso no movimento sindical apenas nos anos 1950
• nesse momento, era contrário à greve (a não ser em último caso)
• ideia era oposição à tutela estatal do movimento sindical
• Jorge Ferreira
 PCB se viu cada vez mais longe do poder e, diante da pressão dos
trabalhadores que havia votado no partido, começou a rever sua política
de ordem e tranquilidade, com menos reservas às greves
 Congresso Estadual dos Trabalhadores de SP defendeu unidade,
autonomia e liberdade sindicais, condenou a pluralidade sindical, exigiu a
garantia do direito de greve e apontou a necessidade de uma central
sindical (CGTB)
▪ 1946: vaga grevista (Jorge Ferreira)
• greve nacional dos bancários alcançou destaque por 3 motivos, embora não
tenha tido suas solicitações atendidas
 ampla solidariedade recebida
 conquista na prática do direito de greve
 primeira paralisação do período em que o sindicato desempenhou papel
de liderança
• várias categorias passaram por cima da mediação da Justiça do Trabalho, via
negociação direta com os patrões, superando os limites do corporativismo
• protagonistas foram as comissões de fábricas que desautorizavam os
diretórios sindicais contrários às greves
• colocou os comunistas sob grande tensão
 união com outras correntes levava o PCB a adotar uma retórica mais
agressiva
• PCB se fortaleceu como partido da classe operária
▪ 1947: eleição
• consegue um resultado ainda melhor que o de 1945
• mais comunistas eleitos tanto pelo PCB (câmara DF) quanto por outras siglas
(ex: PSP e PRT)
• Jorge Ferreira: vitória de Ademar de Barros em SP (PSP) pode ser parcialmente
atribuída à militância pecebista que o apoiou
▪ 1947: cassação do registro do PCB
• lei Agamenon Magalhães – partido internacional (filial do PCUS)

Página 81 de HB
• lei Agamenon Magalhães – partido internacional (filial do PCUS)
➢ 1948: mandatos parlamentares comunistas cassados
➢ 1947-1948: intervenções em sindicatos e fechamento da CTB
➢ 1948 e 1950: manifestos contra governo Dutra
▪ radicalização
▪ perdem um pouco da influência sobre diversos setores da sociedade
▪ Jorge Ferreira: comunistas sempre conseguiram mais apoio quando moderavam o
discurso
• exigência do partido de abandonar os sindicatos oficiais em favor dos grêmios
paralelos encontrou a resistência de operários e ativistas de base
▪ inimigos: imperialismo + latifúndio
• beneficiados por Dutra
➢ segundo governo Vargas (1951-1954)
▪ Vargas visto como agente do imperialismo
▪ revogação do atestado de ideologia
▪ corrosão do poder de compra do salário mínimo
▪ Jango no Ministério do Trabalho em 1952 (Jorge Ferreira)
• Segadas Vianna foi demitido durante a greve dos marítimos
• Goulart adotou uma posição de negociação com o sindicato e atendeu quase
todas as reivindicações
• novo estilo de atuação política: suspendeu intervenções nos sindicatos,
minimizou a repressão, não perseguiu comunistas
• em 1953, defendeu aumento de 100% do salário mínimo
▪ manifesto de agosto de 1954
• maior radicalização
• contra Vargas
➢ pós-1954: aliança dos comunistas com os trabalhistas
▪ Café Filho: são contra
▪ campanha 1955: Prestes apoia JK e Jango
➢ 1954-1957/8
▪ no movimento sindical, dobradinha PCB + PTB
• autonomização do movimento operário
• à margem da CLT, surgem organizações
 Pacto de Unidade e Ação (PUA)
 Comissão Permanente de Organização Sindical (PCOS)
 Fórum Sindical de Debates
▪ 1956: XX Congresso do PCUS
• relatório Kruschev
• para os comunistas, gera algumas divisões
▪ 1957-58: crise no PCB
• stalinistas X grupo que se concretiza como majoritário no Partidão (novas
diretrizes na Conferência Nacional de 1961)
• 1958: Novos Rumos e Estudos Sociais
 revistas
 desestalinização
• mudança de nome: Partido Comunista Brasileiro
 buscar legalização
 apoia reformas de base
 campanha pelo não ao plebiscito do parlamentarismo
 expulsão dos stalinistas
 pacifista
 luta parlamentar por outras legendas
▪ 1959: Movimento de Renovação Sindical (Jorge Ferreira)
• reunia dissidentes do PCB, "independentes" e cristãos antagônicos ao
"circulismo" (contra os círculos operários católicos)
▪ 1959: Conselho Sindical dos Trabalhadores (Jorge Ferreira)
• direção ancorada nas federações, não nos sindicatos - maior distância das

Página 82 de HB
• direção ancorada nas federações, não nos sindicatos - maior distância das
pressões das bases
• só podiam filiar-se entidades legalmente oficializadas como sindicais
• deveria ser internamente plural
• não sobreviveu às eleições de 1960 - movimento se dividiu entre Jânio e Jango
▪ 1961: Movimento Sindical Democrático (Jorge Ferreira)
• parte do PTB - "ministerialistas"
• circulismo
• líderes sindicais anticomunistas
• chefiado pelo presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores no
Comércio (Antônio Magaldi)
• recebeu apoio do governo e do sindicalismo dos EUA
• manejado pelo complexo Ipes-Ibad
▪ 1962: PCdoB
• via chinesa
• luta armada
• atuação destacada no campo (sindicalismo rural)
• disputa com Igreja Católica e Ligas Camponesas
▪ existem outras dissidências
➢ Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (CONTAG)
▪ no campo
▪ “reforma agrária na lei ou na marra”
▪ composição PCB + Igreja católica
➢ 1962: Confederação Geral dos Trabalhadores
▪ sindicalismo urbano
▪ contrariava a CLT (sindicato único)
▪ Jorge Ferreira
• cristalização da aliança nacional-reformista
• principal liderança das lutas dos trabalhadores a partir de 1961
• objetivo de interferir diretamente na vida política do país
• articulação dos sindicatos com instituições comprometidas com um plano de
reformas estruturais para o Brasil
• estabeleceu elos com o PTB e o PCB
• atuou com membros de partidos nacionalistas
• desempenhou papel de destaque na "greve da legalidade" em 1961
• 1962: decretou greve por um "gabinete nacionalista e democrático" e "pelo
plebiscito"
• responsável, em grande medida, pelo dinamismo do movimento sindical entre
1961 e 1964
➢ UNE: “Une Volante”
▪ Centros Populares de Cultura (CPCs)
▪ gera CPI da UNE (governo Jango)

Página 83 de HB
Regime Militar
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ Características gerais
❖ Junta militar
○ Ato Institucional (AI-1)
❖ Castelo Branco (1964-1967)
○ AI-2 (1965)
○ Frente Ampla (1966-1968)
○ Constituição de 1967
❖ Costa e Silva (1967-1969)
○ AI-5 (1968)
❖ Médici (1969-1973)
○ milagre brasileiro (1968-1973)
❖ Geisel (1974-1979)
○ abertura
❖ Figueiredo (1979-1985)
○ "anistia ampla, geral e irrestrita"
○ 1983-84: Diretas Já
❖ José Murilo - cidadania no Brasil
❖ Cultura

❖ Características gerais
➢ houve preocupação em revezar os generais no poder
➢ aparato estatal era apoiado e feito funcionar por civis
➢ se preocupou em manter a aparência de legalidade
▪ Parlamento foi fechado somente 3 vezes
• somadas, dão menos de um ano e meio
• 1965 (AI-2)
• 1968 (tentativa de cassação de Mário Moreira Alves e AI-5)
• 1977 (Pacote de Abril)
▪ eleições para presidente sempre ocorreram, ainda que indiretas
▪ eleições estaduais ocorreram sempre – ainda que indiretas entre 1966 e 1982
▪ ampliação do eleitorado
• redução dos analfabetos
• aumento populacional
• aumento da urbanização
➢ política educacional
▪ massificação do ensino público fundamental e médio
▪ incentivo ao ensino privado
▪ criação de um sistema nacional de apoio à pós-graduação e à pesquisa nas
universidades
▪ níveis educacionais que mais cresceram (1970s)
• pós-graduação (31%)
• ensino universitário (12%)
• ensino médio (11%)
• ensino fundamental (4%)
❖ Junta Militar
➢ 01/04/64: Comando Revolucionário
➢ “revolução redentora”
➢ se declarou legalista desde o começo
➢ criação de mecanismos legais para se legitimar
➢ era para ser uma intervenção cirúrgica
▪ castelistas/grupo da Sorbonne
• mais acadêmicos
▪ linha dura queria um governo mais duradouro dos militares

Página 84 de HB
▪ linha dura queria um governo mais duradouro dos militares
▪ ideia de intervenção cirúrgica angariou o apoio dos políticos civis ao golpe
▪ ideia era “limpar a casa”, convocar eleições em 1965 (respeitando a Constituição de
1946) e voltar aos quartéis
➢ governa na prática
▪ por meio de decretos
➢ Ato Institucional (AI-1)
▪ 09/04/64
▪ Francisco Campos
▪ cassação de mandatos
• Fausto: em qualquer nível
▪ possibilidade de suspensão de direitos políticos
• Fausto: por 10 anos
▪ eleição indireta em 1964
• escolher quem seria o governante para limpar a casa e convocar as eleições
diretas do ano seguinte
▪ calendário eleitoral que previa eleição em 1965 seria mantido
▪ legalização do golpe
▪ Fausto
• manteve a Constituição de 1946
• próprio ato limitou sua vigência até 31/01/1965
• presidente poderia mandar ao Congresso projetos de lei que deviam ser
apreciados no prazo de 30 dias na Câmara e no Senado - caso contrário, seriam
considerados aprovados - foi comum a aprovação por decurso de prazo
• suspendeu imunidades parlamentares e garantias de vitaliciedade dos
magistrados e de estabilidade dos servidores públicos - facilitar o expurgo
• criou as bases para os IPMs
➢ eleição indireta de Castelo Branco
➢ em 1964, havia 13 partidos legais no país
❖ Castelo Branco (1964-1967)
➢ responsável por
▪ fazer a limpeza da casa
▪ estruturar comunidade de segurança
• órgãos de informações
• combater subversão
▪ combater inflação
➢ criação do SNI
▪ ideia de Golbery do Couto e Silva
• estava na reserva desde 1961
▪ criado como órgão de informações para informar o Presidente da República
▪ depois, se torna o elemento central da Comunidade de Segurança e Informações
➢ Emenda Constitucional nº9
▪ estende o mandato de Castelo até 1967
➢ extinção da UNE
➢ PAEG
▪ medidas ortodoxas e heterodoxas
▪ plano de austeridade
▪ corte de gastos
▪ arrocho salarial
• proibição de greves
• reajustes salariais automáticos, de acordo com a inflação
 governo usa taxas distorcidas de inflação
 aumenta o salário nominal, mas não o poder de compra
▪ revogação da lei de remessa de lucros
▪ fim da estabilidade no emprego
• FGTS como compensação
▪ Banco Nacional de Habitação

Página 85 de HB
▪ Banco Nacional de Habitação
▪ Banco Central
▪ criação de um aparato institucional que garanta algum nível de poupança interna,
ainda que compulsória
➢ apoio do FMI
➢ corte nos cargos comissionados e de gastos
➢ recessão
➢ inflação cai de 90% para 30%
▪ meta era de 20%
➢ tenta manter aparência de legalidade
➢ 1965: eleição direta para governadores
▪ vitória da oposição em alguns estados
▪ em paralelo ao retorno de JK ao país
• entusiasmo
▪ pressão interna da linha dura
➢ Lei 4.740 (15/07/65)
▪ Lei Orgânica dos Partidos Políticos
▪ fidelidade partidária apenas em 1969
➢ Código Eleitoral (15/07/65)
▪ Lei 4.737
➢ AI-2 (27/10/65)
▪ extinção dos partidos políticos
• Fausto: militares acreditavam que o sistema multipartidário era um dos fatores
responsáveis pelas crises políticas
▪ bipartidarismo foi instituído num ato complementar
• regras claras
• não poderia remeter ao nome de nenhum dos partidos anteriores
• não poderia contar a palavra “partido” no nome
• criação do MBD contou com a assinatura de parlamentares do PSD (ARENA)
 alguns parlamentares ficaram no MDB, para que o partido fosse formado –
na década de 1970, isso criou uma divisão no MDB (“autênticos” não
acreditavam que os outros estavam aptos a fazer efetiva oposição ao
regime)
 não interessava ao governo um regime de partido único
• bipartidarismo foi uma consequência do AI-2, mas não estava explícito no texto –
partidos deveriam ser formados a partir dos parlamentares
▪ fechamento do Congresso
▪ suspende a eleição direta para presidente em 1967
▪ ato complementar nº 4 (20/11/65)
• cabe a parlamentares criar organizações provisórias
▪ ato complementar nº 29 (26/12/65)
• legislação relativa a partidos políticos
➢ AI-3 (1966)
▪ estabelece eleições indiretas para governador
• só voltou a ser direta em 1982
▪ prefeitos de capitais e de áreas de segurança nacional seriam nomeados
➢ Frente Ampla (1966-1968)
▪ fim das eleições diretas para presidente provoca ruptura nos políticos civis que haviam
apoiado a ditadura
▪ JK, Jango e Lacerda
▪ racha na base civil-militar que apoiou o golpe
➢ 1966-1967: guerrilha do Caparaó (MNR)
▪ luta armada não surgiu em resposta ao AI-5, era anterior
• existia inclusive uma dissidência da esquerda que defendia a luta armada
• racha no Partidão
▪ Brizola como líder, com dinheiro cubano
➢ outubro/1966: eleição de Costa e Silva

Página 86 de HB
➢ outubro/1966: eleição de Costa e Silva
▪ derrota do grupo da Sorbonne
▪ vitória da linha dura
▪ MDB boicotou eleição
➢ AI-4 (1966)
▪ antes da posse de Costa e Silva
▪ convoca o Congresso, que estava fechado, para aprovar uma nova Constituição
➢ Constituição de 1967
▪ incorporou a doutrina de segurança nacional e os atos institucionais existentes até
então
• Fausto: não manteve os dispositivos excepcionais que permitiriam novas
cassações de mandatos, perda de direitos políticos, etc
▪ única da ditadura
▪ Jorge Ferreira: constitucionaliza a DSN
▪ semi outorgada
• convoca-se o Congresso somente para a aparência de legalidade
▪ maioria absoluta como quórum para aprovação de ECs
▪ direitos civis garantidos
• com exceções para casos de ameaça à segurança nacional
• garantidos formalmente
▪ CLT
• é mantida
• apesar da oposição ao varguismo
• intocada
▪ direitos sociais
• ampliação
• direito de greve restrito
▪ aparência de Estado de direito
▪ direitos políticos
• preservados
• voto mantido sem mudanças formais
• aumento do eleitorado
 efeito danoso no aprendizado sobre o voto (José Murilo)
 grande parte do eleitorado começou a votar em um sistema político
ditatorial
• eleição indireta para presidente, com Colégio Eleitoral
▪ emendas
• EC nº 1 (1969)
 fidelidade partidária
 quórum de 2/3 para aprovação de ECs
 estende mandato presidencial de 4 para 5 anos
➢ fevereiro/67: nova lei de imprensa
▪ ainda não tem censura prévia
• apenas com AI-5
➢ março/67: nova Lei de Segurança Nacional
▪ “inimigo interno”
▪ binômio segurança e desenvolvimento
➢ março/1967: posse de Costa e Silva
❖ Costa e Silva (1967-1969)
➢ linha dura
➢ vice civil: Pedro Aleixo
➢ regime que precisa garantir legitimidade
▪ legalidade havia sido garantida com a Constituição de 1967
➢ contexto de recessão, devido às medidas do PAEG
➢ propaganda ufanista
▪ otimista
▪ Agência Especial de Relações Públicas (AERP)

Página 87 de HB
▪ Agência Especial de Relações Públicas (AERP)
• ligada à Presidência
• criada em 1968
▪ busca de legitimidade
➢ 1967-1976: Plano Decenal de Desenvolvimento
▪ elaborado pela equipe do PAEG
▪ não foi seguido como previsto
▪ conseguiu atingir a meta de desenvolvimento
▪ queria colocar o Brasil entre as 10 maiores economias
➢ 1968-1970: Programa Estratégico de Desenvolvimento
➢ busca legitimação pela eficácia
▪ principalmente econômica
➢ abril/1967: derrota da guerrilha do Caparaó
➢ reforma administrativa
▪ modernização da burocracia
➢ não consegue legitimidade imediatamente
➢ 1968: contestações à ditadura
▪ “o ano que não terminou”
▪ assassinato de Edson Luís no Calabouço
▪ Tropicalismo
▪ Marcha dos Cem Mil
▪ greves de Osasco e Contagem
▪ congresso da UNE em Ibiúna
▪ discurso de Mario Moreira Alves
• boicote às FAs
• apelo às mulheres
• tem imunidade parlamentar
• Exército pede para que cassassem a imunidade
• Legislativo não se curva ao Executivo
• fecham o Congresso
• endurecimento maior do regime
➢ 13/12/1968: AI-5
▪ Estado de direito questionável
▪ presidente pode decretar recesso do Congresso
▪ suspensão do habeas corpus
• preocupação com a legitimidade mitigada
• mas continuava presente na Constituição
▪ intervenção em estados e municípios
▪ suspensão de direitos políticos por 10 anos
▪ censura prévia
▪ confisco de bens oriundos de enriquecimento ilícito
▪ não tem data de validade
• Fausto: os outros AIs tinham
➢ 1969
▪ Costa e Silva tem uma trombose cerebral
▪ vice era Pedro Aleixo
• civil
• udenista
• foi contra o AI-5
▪ Junta Militar não o deixa assumir
▪ 31/08-30/10: Junta Provisória
▪ AI-12: impede a posse de Pedro Aleixo
▪ setembro: sequestro do embaixador norte-americano
• Charles Burke Elbrick
• maior golpe da luta armada
• troca por 15 presos políticos
• leitura em cadeia nacional de um manifesto dos guerrilheiros

Página 88 de HB
• leitura em cadeia nacional de um manifesto dos guerrilheiros
• desencadeia repressão desproporcional
▪ AI-13: pena de banimento
▪ AI-14: pena de morte
• Fausto: para os casos de guerra externa, psicológica adversa, revolucionária ou
subversiva
▪ tortura como política de Estado
• contra guerrilha urbana
 grupos foquistas
 grupos se isolaram da população e, quando precisaram de apoio, não
conseguiram
 estratégia cubana/guevarista
 foram alvo fácil da repressão
 repressão desproporcional derrota a luta armada ainda no governo Médici
• obs: único grupo guerrilheiro que durou um pouco mais no Brasil
 guerrilha do Araguaia
➢ até 1974/75
➢ PCdoB
➢ maoismo
➢ guerrilha rural
➢ repressão mais difícil, mas mais cruel
❖ Médici (1969-1974)
➢ não era nem linha dura, nem castelista
▪ “nome de consenso”
➢ escolhido por meio de consulta ao alto oficialato das 3 forças
➢ EC nº1: “Constituição de 1969” em vigor
▪ incorporou o AI-5 à Constituição
➢ “anos de chumbo”
➢ autonomização da Comunidade de Segurança e Informações (CSI)
▪ deu força para a linha dura
➢ milagre brasileiro (1968-1973)
▪ resultado, em parte,
• do PAEG
• do planejamento (plano decenal e demais)
• da ação de Delfim Netto
▪ PIB cresce mais de 10% ao ano
▪ inflação controlada em torno de 20% ao ano
▪ arrocho salarial
• concentração de renda
• não significa que os pobres estavam ficando mais pobres
• não tinha aumento dos salários individualmente, mas mais membros da família
estavam conseguindo emprego, aumentando a renda familiar
▪ capital estrangeiro
• poupança externa
• aumento do endividamento externo
▪ “legitimação pela eficácia”
▪ 1973: 1º choque do petróleo
➢ 1970: Copa do Mundo
▪ ufanismo
➢ 1974: vitória relativa do MDB
▪ relativa porque não foi suficiente para garantir maioria
▪ derrota eleitoral da ARENA
▪ MDB mudou estratégia eleitoral
• lança anticandidato
▪ até 1974, MDB boicotava as eleições e não lançava candidato a presidente
▪ em 1974, MDB consegue mais de 40% das cadeiras na Câmara
▪ no Senado, consegue mais de 30% das cadeiras

Página 89 de HB
▪ no Senado, consegue mais de 30% das cadeiras
• não consegue maioria no Senado
• estava sendo renovado apenas 1/3 do Senado
▪ ARENA perde maioria qualificada para aprovar ECs
▪ MDB atinge quantidade mínima de deputados para instalar CPIs e convocar ministros
▪ governo via isso como um resultado do choque do petróleo
❖ Geisel (1974-1979)
➢ castelista
➢ tinha sido presidente da Petrobrás
▪ parecia adequado em um contexto de crise energética
➢ II PND (Simonsen)
▪ botar o pé no acelerador
▪ marcha forçada
▪ ênfase em bens de capital
▪ infraestrutura
• energia
• descoberta da Bacia de Campos
• Itaipu
• acordo nuclear com Alemanha
• ProÁlcool
▪ manter legitimação pela eficácia
➢ Lei Complementar nº 20 (01/07/74)
▪ fusão do Rio e Guanabara a partir de 1975
➢ abertura
▪ castelistas de volta e visando promover uma “volta aos quartéis”
▪ projeto: distensão lenta, gradual e segura
▪ processo: diferente do planejado
• forças políticas e sociais
▪ motivos
• Golbery: história brasileira varia em ciclos de sístoles e diástoles
• sinais de que estava no fim de um ciclo de centralização
 choque do petróleo
 derrota eleitoral de 1974
 dificuldade do governo para conduzir o processo de abertura
• era hora de abrir, para não perder o controle do processo
• crise de legitimidade
 fim da legitimação pela eficácia
• ameaça de quebra da hierarquia
 defronta a própria existência da instituição
 CSI saiu do controle
▪ exemplos internacionais de abertura
• Portugal
 Revolução dos Cravos
 movimento das FAs, com apoio da população
• Espanha
 1975: Pacto de Moncloa
 pacto de união nacional
 modelo que Geisel queria seguir
▪ “uma no cravo e outra na ferradura”
• contava com oposição da linha dura e das oposições
▪ linha dura
• Comunidade de Segurança e Informações
• queria barrar a abertura
• Geisel adota medidas liberalizantes
• início do fim da censura prévia
• exoneração de Ednardo D’Ávila Melo

Página 90 de HB
exoneração de Ednardo D’Ávila Melo
 comandante da repressão no Segundo Exército (SP), responsável pelas
mortes de Vladmir Herzog e de Manuel Fiel Filho, apesar da ordem de Geisel
de parar com a tortura
• demissão de Sylvio Frota do Ministério da Guerra (1977)
 candidato da linha dura para suceder Geisel
 primeira vez que, em um embate desse tipo, o presidente vence
• revogação do AI-5 (1978)
 EC nº 11 (13/10)
 valeria a partir de 1979
 mas Geisel governou uns 2 meses sem o AI-5
▪ oposições
• OAB
 apoiou o golpe, mas depois ficou contra
• CNBB
 não só no baixo clero
 contexto: teologia da libertação
• queriam acelerar a abertura
• Geisel adota medidas autoritárias
• Lei Falcão (1976)
 propaganda eleitoral
 anular a importância da propaganda gratuita na televisão
 levar a propaganda para a rua, que demanda mais recursos
• Pacote de Abril (1977)
 fechamento do Congresso por 15 dias, para aprovar
 reforma do Judiciário
 senador biônico
 subrepresentação do Sudeste e sobrerrepresentação do Norte e do
Nordeste – maioria da ARENA
 divisão do Mato Grosso – dois estados com maioria da ARENA
 estendeu mandato presidencial de 5 para 6 anos
 quórum para aprovação de ECs passa a ser de maioria absoluta
 eleições indiretas para governador em 1978
• 1978: vitória eleitoral da ARENA e eleição de Figueiredo
 sinais de que a contenção da oposição estava funcionando
 oposição aumentou a bancada, mas continuou minoria (Vizentini)
➢ reforma da Lei de Segurança Nacional (1978)
▪ mudança do regime de progressão de pena
▪ liberou alguns presos políticos
▪ vale a partir de 1979
❖ Figueiredo (1979-1985)
➢ “Estado de direito autoritário”?
▪ Daniel Aarão
▪ por conta do fim do AI-5
• volta a ser um Estado de direito, mas ainda é autoritário
▪ posição, a princípio, não adotada pela banca
➢ não tinha como manter o equilíbrio da abertura lenta, gradual e segura
▪ não tinha mais instrumentos repressivos do AI-5
➢ movimentos sociais
▪ maior projeção
▪ “novo” sindicalismo
• pós-1974
• autonomia da tutela estatal
• fim do imposto sindical
• pluralidade sindical
 "concorrência" entre os sindicatos
• comitês de fábrica

Página 91 de HB
• comitês de fábrica
• mobilização do operariado do chão de fábrica
• negociação direta
▪ sindicalismo rural
• CONTAG
• Comissão Pastoral da Terra
• Comunidades Eclesiais de Base
• Movimento de Atingidos por Barragens
• MST
 surge de todas as outras influências
• latifundiários se organizam na União Democrática Ruralista
▪ “geração 77”
• Elio Gaspari
• vê a democracia como valor universal
• no movimento estudantil
▪ imprensa alternativa
• movimento negro
• movimento feminista
• movimento gay
• “utopia fragmentada”
 socialismo continua no horizonte
 mas não suplanta as demandas dos demais movimentos
▪ “resistência democrática”
• para Aarão, é uma ofensiva armada
• luta armada não começou com o AI-5, existia desde o início do regime
• dissidências no Partidão começam em 1961
• tese controversa
➢ “anistia ampla, geral e irrestrita”
▪ movimento das esquerdas
▪ Golbery percebe que era melhor fazer a anistia antes que a oposição forçasse
• rouba agenda da oposição
▪ 1979: Lei de Anistia
• não foi ampla
• não foi geral
• não foi irrestrita
• aprovada com folga
• anistia a crimes desde 1961
• não prescreve crimes, perdoa crimes
• exceção: crimes de sangue (terrorismo, assalto, sequestro, atentado pessoal,
quando resultarem em morte)
• tortura sequer é mencionada na letra da lei
• anistia tanto torturados quanto torturadores
• anistia a servidores militares foi dificultada na prática – anistiados deveriam
voltar ao posto que ocupavam antes, o que dificilmente seria aceito pelos
superiores
• segura para o governo
➢ retorno dos exilados
▪ em um cenário de bipartidarismo, levaria a um aumento muito grande do MDB
➢ 1979-80: reforma partidária
▪ ideia de Golbery
▪ dividir a oposição
• “utopia fragmentada”
▪ exilados não se reúnem no MDB
▪ partidos comunistas continuam na ilegalidade
• legalizados apenas em 1985 (Emendão) → PCB e PCdoB
▪ Arena → PDS

Página 92 de HB
▪ Arena → PDS
• dissidência em 1985 → Frente Liberal → PFL → DEM
▪ MDB → PMDB
• racha na Constituinte → PSDB
▪ trabalhismo → PDT (Brizola + Prestes)
▪ PTB fica com Ivete Vargas
▪ PT
• primeiro partido de massas
• nasce das ruas
• novo sindicalismo
• intelectuais
• classes médias urbanas
• Igreja
➢ CSI (“linha dura”)
▪ bombas
▪ terrorismo de Estado
▪ bancas de jornal
▪ Riocentro (1981)
• IPM conclui que bomba era dos comunistas e coloca os militares como heróis
• Golbery se demite → laudo muito fraudulento
➢ 1982: eleições diretas para governador
▪ exigência de "chapas completas"
• candidatos a todos os cargos do mesmo partido
▪ proibição de coligações
▪ vitórias expressivas da oposição
▪ SP: Franco Montoro (PMDB)
▪ MG: Tancredo Neves (PMDB)
▪ RJ: Leonel Brizola (PDT)
▪ PR: José Richa
➢ 1983-84: Diretas Já
▪ já existia a previsão de que o próximo presidente seria um civil
▪ movimento suprapartidário
▪ maior movimento de massas
▪ Emenda Dante de Oliveira
• governo fez gestões junto à base governista para não irem votar
• emenda teve mais votos a favor que contra, mas não teve quórum
• precisava de 2/3 dos votos – era EC
❖ José Murilo – Cidadania no Brasil
➢ 3 fases
▪ 1964-1968
• intensa atividade repressiva seguida de sinais de abrandamento
• combate à inflação
• forte queda no salário mínimo
• pequeno crescimento
▪ 1968-1974
• anos mais sombrios da história do país
• combinou a repressão política mais violenta já vista no país com índices também
jamais vistos de crescimento econômico
• salário mínimo continuou a decrescer
▪ 1974-1985
• leis de repressão vão sendo aos poucos revogadas
• oposição faz sentir sua voz com força crescente
➢ eleitorado cresceu sistematicamente durante o período
➢ unificação e universalização da previdência
▪ em 1966, Instituto Nacional de Previdência Social (INPS)
▪ sindicatos perderam a influência sobre a previdência, que passou a ser controlada
totalmente pela burocracia estatal

Página 93 de HB
totalmente pela burocracia estatal
▪ em 1971, Fundo de Assistência Rural (Funrural)
▪ em 1966, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)
▪ em 1974, Ministério da Previdência e Assistência Social
❖ Cultura
➢ Jorge Ferreira
▪ Tropicalismo (1967-68)
• influenciado pela contracultura, impulsionada nos EUA pelas manifestações contra
a guerra do Vietnã
• antropofagia
• sincretismo
• articula elementos modernos e arcaicos
• uma variante do nacionalismo
• preocupação básica continuava sendo com a constituição de uma nação
desenvolvida e de um povo brasileiro
• propor soluções à moda brasileira para os problemas do mundo

Página 94 de HB
Nova República
sexta-feira, 9 de março de 2018 21:51

❖ Eleições indiretas (1985)


❖ Sarney (1985-1990)
○ 1985: Emendão
○ Constituinte
○ Constituição de 1988

❖ Eleições indiretas (1985)


➢ PMDB: Tancredo Neves (480 votos)
▪ atrai Frente Liberal → Aliança Democrática
• em troca de ministérios e cargos
▪ vice: Sarney
• indicado pela Frente Liberal
• como Frente Liberal ainda não tinha sido aprovada como partido, Sarney se filia
ao PMDB
• era o presidente do PDS
➢ PDS: Paulo Maluf (180 votos)
▪ disputa interna
▪ Paulo Maluf
• comprou votos
• mostra que o governo não tinha controle sobre seu próprio partido
▪ Mario Andreazza
• candidato de Figueiredo
• foi derrotado por Maluf
• Frente Liberal
▪ Tancredo vê na divisão do partido governista a possibilidade de ganhar
❖ Sarney (1985-1990)
➢ debate após morte de Tancredo
➢ 1985: Emendão
▪ fez morrer o debate sobre a duração de seu mandato
▪ legaliza partidos comunistas
▪ direito de voto para analfabetos
▪ voto opcional para menores de 16 anos e idosos
▪ eleições em dois turnos
• evitar argumento da tese da maioria absoluta
➢ mantém ministério formado por Tancredo (ex-arenistas)
➢ transição pelo alto
▪ B. Fausto: “transação”
➢ política
▪ “Emendão”
▪ remover o entulho autoritário
• extinção de órgãos repressivos (exceto SNI)
▪ constitucionalização do país
➢ economia
▪ 1986: Plano Cruzado
• Dilson Funaro
• congelamento de preços e salários
 desabastecimento
 ágio
 saques
• gatilho salarial
• apoio popular
▪ 1987: moratória
➢ 1986: eleições para governador

Página 95 de HB
➢ 1986: eleições para governador
▪ PMDB vence eleições em todos os estados, exceto um
➢ Constituinte
▪ PMDB era ampla maioria
▪ PFL era o segundo maior partido
▪ maioria confortável da centro-direita
• “Centrão”: PDS + PFL (parte) + PMDB (parte) + PTB + partidos menores

• aliança de centro-direita
• controla a Constituinte
• grupo fisiológico, não ideológico
• não tem partidos de esquerda
• Comissão de Redação: decide o que realmente irá para votação no plenário
• tentam tirar da Comissão de Redação os PMDBistas mais ideológicos → PSDB
(dissidência)
 PMDBistas ideológicos: grupo de Mário Covas
▪ corporativismo
• muito sensível a lobbies
➢ Constituição de 1988
▪ encerra o processo de redemocratização
▪ “Constituição Cidadã”
▪ resgata as três dimensões de direitos
• e inclui outras
• direitos do consumidor, idoso, criança, etc
• direitos coletivos
▪ remédios constitucionais
▪ não teve texto preliminar
• por isso a demora
▪ no campo fiscal, amplia a área de atuação do poder central
▪ não tem censura, nem mesmo para público infantil
• classificação indicativa, não censura

Página 96 de HB

Você também pode gostar