Você está na página 1de 14

Melhorias, Benefícios &

Impacto Organizacional
do Manual AIAG-VDA FMEA 1ª Edição

www.aiag.org www.iaction-plexus.com.br
Novo AIAG-VDA FMEA - Impacto Financeiro

LISTA DO
CONTEÚDO
Introdução...................................................1 A Abordagem 7 Passos.................................6
Para melhorar o processo de desenvolvimento de FMEA, Uma nova abordagem para o FMEA; análise de sistemas, análise
o AIAG e o VDA harmonizaram seus manuais anteriores. de falhas e mitigação de riscos, e comunicação de riscos.

Mitigação de Risco e Equilíbrio dos Custos.2 Preparação Aprimorada do FMEA.................7


Os principais benefícios do processo de desenvolvimento Maior destaque para o primeiro passo do processo de
do FMEA são a capacidade de reduzir o risco e, ao mesmo desenvolvimento do FMEA.
tempo, equilibrar os custos.

Objetivos do FMEA...................................2 Maior Especificidade dos Critérios......................8


Identificar claramente a função que um item ou atividade Aumeto da especificidade dos critérios para determinar as
deve executar, desenvolver perfis de risco realistas, etc... classificações de Severidade, Ocorrência e Detecção.

O Custo da Qualidade (COQ)...................3 Mudanças Adicionais..........................................9


Medição da eficácia e eficiência do FMEA através da Melhorias adicionais esperadas no Manual AIAG-VDA
conexão com o Custo da Qualidade (COQ). FMEA.

Produtos e Processos Similares......................4 Próximas Etapas........................................11


Avaliar a eficácia e eficiência do processo de As 7 etapas para implementar adequadamente o processo de
desenvolvimento de FMEA para novos produtos e desenvolvimento do AIAG-VDA FMEA dentro de sua
processos. organização.

AIAG-VDA FMEA: Mudanças, Benefícios.....5


Principais melhorias e benefícios do manual do AIAG-VDA
FMEA 1ª edição em um relance.

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org
Novo AIAG-VDA FMEA - Impacto Financeiro

INTRO
DUÇÃO
Para melhorar o processo de desenvolvimento do FMEA e tornar mais fácil para os fornecedores de
manufatura automotiva atender às necessidades de seus clientes durante o processo de
desenvolvimento de Análise de Modo e Efeitos de Falha (FMEA), AIAG e VDA harmonizaram seus
manuais “regionais” de FMEA em um único, co-protegido por direitos autorais. Este manual usa as
melhores práticas de cada manual e uma abordagem orientada a processos para atender aos requisitos
de ambos os grupos da indústria.
O Manual AIAG-VDA FMEA 1ª edição está pronto e será lançado em breve, substituindo a versão
anterior (AIAG FMEA 4ª Edição). Com o lançamento oficial do novo manual que está por vir, as
organizações da cadeia de suprimentos automotiva estão questionando o significado das mudanças e
como elas afetarão sua organização, se for o caso. A verdade é que, quando implementadas
corretamente, algumas das alterações afetarão sua organização de duas maneiras, em termos de
desempenho e, por fim, no resultado final de sua organização.
Este informe destaca algumas das melhorias mais importantes que você pode esperar no Manual
AIAG-VDA FMEA 1ª Edição e explica o benefício dessas mudanças em termos de robustez,
desempenho, eficácia e eficiência do FMEA. Mas antes de se aprofundar nessas melhorias e
compreender seu impacto, é importante que você saiba como determinar se o seu processo de
desenvolvimento do FMEA está funcionando como deveria por meio da conexão entre o FMEA e o
Custo da Qualidade (COQ) que indica o impacto financeiro inevitável do FMEA no desempenho dos
negócios.

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 1
Novo AIAG-VDA FMEA - Impacto Financeiro

FMEA Ajuda a Mitigar


Riscos e Equilibrar Custos Objetivos do Processo de
Desenvolvimento do FMEA
A Análise de Modos e Efeitos de Falha (FMEA) é um método
orientado para equipe, sistemático, qualitativo e analítico destinado
a identificar, analisar e mitigar os riscos técnicos relacionados ao
projeto de produtos e processos de manufatura. Suporta as cinco
fases do Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (APQP) Identificar claramente a função
para melhorar a satisfação do cliente, enfatizando a prevenção de que um item ou atividade deve
defeitos. executar.

Quando usado corretamente, um grande benefício do FMEA é a


capacidade de mitigar o risco enquanto equilibra os custos, levando
à estabilidade e crescimento organizacional. Para conseguir isso,
você deve ser capaz de conectar o FMEA ao Custo da Qualidade Identificar o que faria com que
(COQ). aquele item ou atividade NÃO
desempenhasse sua função

FMEA - Eficácia e Eficiência


pretendida.

Através da Conexão ao Custo da Qualidade


O processo de desenvolvimento do FMEA é uma análise Desenvolver um perfil de risco
aprofundada do potencial de falhas internas e externas. Como realista avaliando o quão ruim
tal, a qualidade do FMEA afeta o sucesso de uma organização em cada modo de falha seria e a
manter seu Custo da Má Qualidade (COPQ) baixo. Enquanto o robustez dos controles atuais de
COPQ procura traduzir o conceito de falhas de qualidade em prevenção e detecção.
termos de tempo e dinheiro, o FMEA é uma ferramenta para
identificar a origem das falhas que contribuem para o COPQ,
permitindo que uma organização tome as corretas ações
preventivas.
Usar o perfil de risco como
Então, como você determina se o seu processo de base para uma melhor tomada
desenvolvimento de FMEA está funcionando como deveria? A de decisão e tomada de ações
melhoria do desempenho geral do negócio pode ser uma boa apropriadas para atender às
indicação, especialmente em termos de menor Custo da Má expectativas pretendidas.
Qualidade (COPQ).

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 2
Novo AIAG-VDA FMEA - Impacto Financeiro

Aprendendo a ver a
Interdependência
Entre o Custo da Qualidade e o FMEA
Eficácia do FMEA
A capacidade de fornecer informações que indicam o
desempenho do FMEA é fundamental para obter o
O Custo da Qualidade
comprometimento da gestão no processo de Tradicionalmente, existem quatro categorias
desenvolvimento do FMEA. Se o objetivo principal do dentro do Custo da Qualidade (COQ), e duas
FMEA é mitigar riscos técnicos para um nível aceitável, delas são categorizadas em Custo da Má
Qualidade (COPQ):
podemos então afirmar que o esforço organizacional para
desenvolver o FMEA só será válido se os incidentes de falhas
internas e externas permanecerem dentro dos limites Custos das Falhas Externas
aceitáveis após o lançamento de um novo produto ou São o resultado de falhas que
processo. Considere uma analogia simples comparando o existem fora da organização, como
esforço feito para preparar FMEAs com um estudante que a falha em atender a um requisito.
Essa área de custo também pode ser
estuda muito, mas ainda recebe pontuações ruins; no final do
categorizada em COPQ. Exemplos
dia, pontuações baixas indicam que o estudo não foi eficaz. incluem custos de garantia, retornos
O mesmo vale para o desenvolvimento do FMEA. Podemos de clientes, segregações, e multas.
avaliar a eficácia do FMEA monitorando a redução de falhas
internas e externas. Se não houver uma redução aceitável de
falhas, o FMEA não foi eficaz. Custos das Falhas Internas
São o resultado de falhas que existem
Eficiência do FMEA dentro da organização. Essa é outra
Além da eficácia do seu FMEA, é importante que você área de custo categorizada no COPQ.
Exemplos incluem custos de sucata,
considere também sua eficiência. Para os gestores, outro
de reparo, de classificações, de horas
aspecto crítico do desempenho do FMEA é o nível de adicionais para as máquinas rodarem
esforço necessário para preparar FMEAs eficazes. Para nos fins de semana devido ao baixo
equilibrar o custo, você deve considerar os recursos tempo de atividade ou sucata elevada.
alocados para preparar os FMEAs. Por exemplo:
• O tempo que uma equipe multidisciplinar leva para Custos de Avaliação
realizar análises de projeto e documentar os resultados no Incluem testes e monitoramento
formulário do FMEA de itens ou atividades. Exemplos
• Os investimentos na capacitação da equipe incluem custos de testes de rotina,
multidisciplinar custos de laboratório internos e
externos, etc.
• Os investimentos na melhoria dos métodos de controle
de prevenção e de detecção para atingir as metas de Custos de Prevenção
desempenho de qualidade esperadas
Estão associados a quaisquer
O nível de esforço necessário para preparar um FMEA eficaz atividades que previnam falhas.
Alguns exemplos de atividades
relaciona-se com o custo de avaliação e prevenção, conforme
incluem treinamento, auditoria e
descrito anteriormente. O COQ geralmente é usado para esforços do processo de
mostrar o equilíbrio entre os custos de prevenção/avaliação e desenvolvimento do FMEA.
a redução dos custos de falhas internas e externas.
www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 3
Novo AIAG-VDA FMEA - Impacto Financeiro

Avaliando Produtos
&Processos Similares
FMEA - Eficácia e Eficiência
A avaliação da eficácia e eficiência do FMEA no
desenvolvimento de novos produtos e processos pode
ser realizada monitorando o COQ de produtos e
processos similares. O COQ atual será a linha de
base da nova geração de produtos e processos, e a
pergunta a ser respondida é: “Esperamos os mesmos
níveis de COQ / COPQ neste novo desenvolvimento
de produto e/ou do processo? ” A resposta mais
provável é “Não, queremos um COPQ mais baixo”.
Mas mesmo que a resposta seja “sim”, o jogo ainda
não acabou. A equipe multidisciplinar precisará
considerar se o novo produto ou processo tem novas
funções e requisitos que levarão a novos modos de
falhas ou causas, portanto, uma avaliação de quão
robustos os controles atuais de prevenção e de
detecção são, para garantir que as metas de
desempenho de qualidade sejam atingidas.

O Elo Essencial entre o Custo da


Qualidade (COQ) e os FMEAS:
• Você precisará do FMEA para garantir que as
metas de desempenho do COQ / COPQ sejam
atendidas, e
• Você precisará do desempenho real do COQ /
COPQ em produtos e/ou processos similares para
garantir que a avaliação de risco do FMEA do
novo produto e/ou do processo seja realista.

O Manual do AIAG-VDA FMEA 1ª Edição está


fortemente enraizado no propósito de aumentar a
robustez do FMEA. Na próxima seção, apresentamos
algumas das principais melhorias, benefícios e mudanças
no Manual da AIAG-VDA FMEA 1ª Edição que trará sua
organização para o próximo nível de desempenho de
negócios na cadeia de suprimentos automotiva.

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 4
Novo AIAG-VDA FMEA - Impacto Financeiro

AIAG-VDA FMEA 1ª
Edição
Mudanças e benefícios de forma breve

Por que o Manual do FMEA foi revisado?


O manual do FMEA foi revisado com a Este novo método do FMEA é descrito em um único
sustentabilidade da cadeia de suprimentos manual co-protegido por direitos autorais que utiliza
automotiva em mente. O objetivo do as melhores práticas da AIAG e da VDA usando uma
desenvolvimento do novo Manual AIAG-VDA abordagem orientada a processos para desenvolver
FMEA 1ª Edição é aplicar uma metodologia mais FMEAs de Projeto e de Processo que atendam aos
robusta para abordar os riscos do processo de requisitos de ambos os grupos do setor. Portanto, a
fabricação e de produtos, considerando as aplicação do Manual AIAG-VDA FMEA 1ª Edição
complexidades de múltiplos requisitos específicos e permitirá que os fornecedores tratem efetivamente dos
regulamentares de OEMs, e as expectativas das riscos técnicos durante o processo de
demandas dos consumidores por produtos melhores Desenvolvimento de Produto e de Processo,
e mais inovadores. Os manuais de FMEA da AIAG e desenvolvendo DFMEA e PFMEA robustos, precisos e
da VDA foram harmonizados em uma publicação completos que atenderão às necessidades de todos os
conjunta para levar em conta esses fatores. clientes.

Abordagem Alavanca as Direcionada


mais lições a prova de
estruturada aprendidas erros

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 5
1. A abordagem
7 Passos
A mudança mais notável no Manual AIAG-VDA FMEA 1ª Edição é sua
nova abordagem para o desenvolvimento do FMEA: a Abordagem 7
Passos. Ela fornece uma estrutura para documentação de riscos técnicos
de maneira precisa, relevante e completa. Essa nova estrutura é precisa
devido ao uso de termos técnicos para descrever os modos de falha e suas
causas potenciais. É relevante porque os efeitos da falha descrevem as
consequências técnicas das falhas. Por fim, ela está completa por causa do
uso da abordagem de elemento foco de nível superior / de nível inferior,
permitindo uma análise abrangente dos riscos.

Benefício:
A Abordagem 7 Passos é mais estruturada e altamente instrumental para aumentar a
eficácia e a eficiência de uma equipe multidisciplinar:

• Mais riscos podem ser tratados de maneira abrangente


• Análises multidisciplinares do FMEA tornam-se “reflexões técnicas dirigidas” envolventes em vez
de um “brainstorm sem foco”, evitando uma atitude de desencorajamento relacionada ao FMEA
• Permite que a gestão superior compreenda e analise as ações e recursos necessários para mitigar os
riscos técnicos

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 6
Aprimoramento do Planejamento
2.
e da Preparação do FMEA
Outra grande diferença é a direção aprimorada do Planejamento e da
Preparação do FMEA; o primeiro passo do desenvolvimento do FMEA.
Embora a definição do escopo tenha sempre sido parte do
desenvolvimento do FMEA, o Manual AIAG-VDA FMEA oferece
maior destaque a isto. Por exemplo, determinar limites de análise (o
que está incluído e o que é excluído), aplicação dos 5T’s (FMEA
InTent, Timing, Team, Tasks, Tools), preparação de FMEAs de
referência com lições aprendidas e definição clara de funções e
responsabilidades (gestão, líder técnico, facilitador, membros da equipe)
estão agora mais explicitamente incluídos na preparação do FMEA.

Benefício:
O planejamento e a preparação aprimorados permitirão evitar o desperdício de tempo da equipe
multidisciplinar devido à falta de foco (Por que estamos aqui? Qual é o risco técnico em discussão
agora? Quem deve fazer o quê?) e disponibilidade de informações relevantes.

Os benefícios de organizar as lições aprendidas nos FMEAs de referência são:


• Mitigar o risco de recorrências de falhas passadas devido à perda de conhecimento relacionada à
rotatividade e aposentadoria
• Economizar tempo na preparação do FMEA, pois o FMEA de referência é um ponto de partida
robusto para o FMEA em produtos e processos similares
• Possibilitar a praticidade no conceito do “FMEA como um documento vivo”
• Clareza para a gestão estimar e alocar recursos para padronizar as lições aprendidas

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 7
3. Maior Especificidade dos
Critérios
O novo Manual AIAG-VDA FMEA inclui mais especificidade nos critérios
para determinar os níveis para as classificações de Severidade, Ocorrência e
Detecção. Por exemplo, a consideração da confirmação da eficácia dos
controles atuais de prevenção e detecção, a experiência com produtos e
processos e a maturidade do método de detecção estão agora incluídos nos
critérios.
Além disso, a Prioridade da Ação: PA (Action Priority: AP) substitui os
números de prioridade de risco (RPN’s). O exame das classificações S, O e D
individualmente e em combinações dos três fatores para ações de redução de
risco priorizadas como Alta, Média ou Baixa. Uma Alta prioridade é uma
solicitação de ações de mitigação de risco para melhorar os controles de
prevenção / detecção ou justificar por que os controles atuais são adequados.

Benefício:
• Os níveis de PA (Prioridade da Ação) baseados na combinação das
classificações S, O e D favorecem claramente a prova de erros. O PA é
considerado Alto ou Médio para classificações moderadas de severidade
e ocorrência, mesmo quando os controles de detecção são eficazes.

• O novo FMEA é acionável. A implementação de soluções à prova de


erros é o caminho mais rápido para reduzir os níveis de PA de Alto para
Médio e de Médio para Baixo

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 8
Novo AIAG-VDA FMEA - Impacto Financeiro

MUDANÇAS
ADICIONAIS
Além das principais alterações explicadas anteriormente, veja outras mudanças que você pode esperar:

Capítulo de introdução detalhado enfatizando e esclarecendo os fundamentos necessários para


desenvolver um FMEA robusto. Por exemplo:
• propósito, objetivos e limites do FMEA
• normas para documentação de riscos técnicos (claros, verdadeiros, realistas e completos)
• maior ênfase no compromisso da gestão superior com o processo de desenvolvimento do FMEA
• esclarecimentos relacionados à proteção de know-how
• orientações sobre a estratégia de transição para o novo Manual AIAG-VDA FMEA
• uso de FMEAs de referência para preservar o conhecimento organizacional e as lições aprendidas
• correlação entre DFMEAs e PFMEAs considerando os mesmos efeitos da falha para a mesma
característica analisada em ambos os FMEAs
• uso dos 5Ts (InTent: engajamento intencional da equipe, esclarecendo o propósito e o escopo
dotrabalho, Timing: alinhamento do cronograma com as Fases do APQP, Team: definindo
funções e responsabilidades típicas da equipe, Task: uso de tarefas da Abordagem 7 Passos, Tool:
exemplo de ferramentas do FMEA incluem softwares e planilhas tradicionais) como uma
abordagem de planejamento de projeto para desenvolvimento do FMEA

Inclusão do 1º Passo do DFMEA - Planejamento e Preparação.

2ª Passo do DFMEA - Análise da Estrutura. O formulário do DFMEA começa com o entendimento


da estrutura do sistema. Após a decomposição do projeto em sistema, subsistema e componente, o
Elemento Foco, o Próximo Nível Superior e o Próximo Nível Inferior são descritos no formulário.
Esclarecimentos adicionais sobre ferramentas para suportar a análise da estrutura antes de completar
o DFMEA são fornecidos (Diagrama de Blocos, Árvore de Estrutura)

3ª Passo do DFMEA - Análise das Funções. Explicação mais detalhada sobre como descrever
adequadamente uma função, incluindo ferramentas para suportar a análise da função (Diagrama-P).

4ª Passo do DFMEA - Análise das Falhas. Os conceitos de tipos de falhas e modelo de cadeia de falha
são descritos para suportar uma descrição da falha mais abrangente (mais falhas descritas) e
consistente (consistência interna entre Efeito da Falha (EF), Modo de Falha (MF), Causa da Falha
(CF)

5ª Passo do DFMEA - Análise de Risco. Maior diferenciação entre Controles de Prevenção (CP) e
Controles de Detecção (CD). A confirmação da efetividade do CP e CD precisa ser considerada antes
de se selecionar as classificações de Ocorrência e Detecção. Mais especificidade nos critérios para
determinar níveis para as classificações de Severidade, Ocorrência e Detecção e a substituição de RPN
para a Prioridade de Ação (PA) do DFMEA. Os níveis de PA Baixo, Médio e Alto determinam a
prioridade da ação.

6ª Passo do DFMEA - Otimização. A Ação Recomendada é substituída por Ação de Prevenção e


Ação de Detecção. Adicionadas as colunas: Situação (planejado, decisão / implementação pendente,
concluído, descartado) e Ação Tomada com apontamento da evidência

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 9
7ª Passo do DFMEA - Documentação dos Resultados. Relatórios internos para gerenciamento e
reporte aos clientes.

Adicionada uma seção completamente nova chamada FMEA Suplementar para Monitoramento e
Resposta do Sistema (FMEA-MSR). O MSR pode detectar falhas durante a operação do usuário final
(motorista) e evitar um efeito de falha original de Alta Prioridade descrito no DFMEA, alternando
para um estado de operação degradado (dos tradicionais alarmes de luz e sonoros para desabilitar o
veículo).

Inclusão da 1ª Passo do PFMEA - Planejamento e Preparação.

2º Passo do PFMEA - Análise da Estrutura. Adicionada uma análise mais detalhada do processo de
manufatura:
• Elemento Foco do PFMEA: o número e o nome da estação da etapa do processo em revisão
• Próximo Nível Superior do processo: sistema (o processo de manufatura como um todo)
• Próximo Nível Inferior do processo: elemento de trabalho considerando os 4M em cada
elemento (baseado na abordagem de Ishikawa). Isso leva a considerar as categorias de Homem,
Máquina, Material, Método, etc., levando a uma lista mais completa de Causas da Falha (CF)

3º passo do PFMEA - Análise da Função. Adicionada a descrição das funções e dos requisitos
relacionados ao Próximo Nível Superior e Próximo Nível Inferior. Isso suporta uma descrição clara
e completa dos Efeitos da Falha (EF) e das Causas da Falha (CF).

4º passo do PFMEA - Análise das Falhas. O Modo de Falha Potencial é substituído pelo Modo de
Falha (MF) do Elemento Foco. Efeito(s) potencial(ais) da falha é substituído por "Efeitos da Falha
(EF) para o Próximo Elemento de Nível Superior e / ou Usuário Final do Veículo. A Causa Potencial
de/da Falha é substituída por Causa da Falha (CF) do elemento de trabalho.

5ª Passo do PFMEA - Análise de Risco. A classificação é substituída por Características Especiais e


Código de Filtro. Ocorrência é substituída por Ocorrência do CF. A classificação de Ocorrência
agora é baseada na “previsão da ocorrência da CF”, o que leva a determinar a robustez real dos
Controles de Prevenção (CP). O Controle do Processo Atual - Prevenção é substituído pelo Controle
de Prevenção Atual (CP) da Causa da Falha (CF). O Controle do Processo Atual - Detecção é
substituído por Controle de Detecção Atual (CD) da Causa da Falha (CF) ou do Modo de Falha
(MF). A Detecção é substituída pela Detecção da CF ou MF. A Detecção agora é baseada em três
fatores: maturidade do método de detecção, oportunidade de detecção e capacidade de detecção. O
RPN é substituído pela Prioridade da Ação do PFMEA (PA). Os níveis de PA Baixo, Médio e Alto
determinam a prioridade da ação.

6ª Passo do PFMEA - Otimização. Ação Recomendada substituída por Ação de Prevenção e Ação de
Detecção. Adicionadas as colunas: Situação (planejado, decisão / implementação pendente,
concluído, descartado), Ação Tomada com apontamento da evidência, Característica Especial e
Observações .

7ª Passo do PFMEA - Documentação dos Resultados. Relatórios internos para gerenciamento e


reporte aos clientes.

www.iaction-plexus.com.br www.aiag.org 10
Novo AIAG-VDA FMEA - Impacto Financeiro

PRÓXIMAS
ETAPAS
Se você está usando o AIAG FMEA 4ª Edição ou ainda não implementou adequadamente o processo de
desenvolvimento do FMEA em sua organização, há 7 etapas importantes a serem seguidas depois que a
nova edição do Manual AIAG-VDA FMEA 1ª Edição for lançada. Lembre-se de que cada organização é
diferente, portanto, as etapas necessárias para ajustar seu processo de desenvolvimento do FMEA
provavelmente serão exclusivas de sua situação. No entanto, aqui estão algumas etapas que ajudarão você a
começar a jornada:

1 2 3
Familiarize-se com o Identifique quaisquer Forneça treinamento e
novo Manual AIAG- gaps organizacionais conscientização a todas as
VDA FMEA. Enquanto que precisam ser partes com impacto no
muitas coisas realmente abordados para atender desenvolvimento e
mudaram, outras aos novos requisitos. suporte dos FMEAs
permaneceram as (equipe multidisciplinar,
mesmas. executores, gerentes,
auditores).

4 5 6
Revise e atualize a Implemente o “projeto Padronize os processos de
análise de gap e piloto do novo FMEA” e negócios para suportar a
desenvolva um plano de registre as lições aplicação do novo Manual
implementação aprendidas sobre o uso da do FMEA. O coaching e a
específico para um nova metodologia. Meça o consultoria profissional na
“projeto piloto do novo impacto financeiro do seu Transição do FMEA é
FMEA”. projeto piloto do FMEA uma opção
em termos do COQ. economicamente eficaz na
maioria dos casos.

7 E finalmente, adote uma abordagem de melhoria


contínua para tornar seus FMEAs documentos
vivos.
11
OPORTUNIDADES DE TREINAMENTO
Os treinamento da AIAG para o novo Manual AIAG-VDA FMEA serão
fornecidos pela Interaction Plexus, um provedor global certificado para
produtos e serviços de qualidade da AIAG e serão oferecidos à indústria após o
lançamento oficial da publicação. Qualquer treinamento oferecido antes da data
de publicação real pode ser muito impreciso, pois é baseado na primeira versão
de rascunho do documento. Os esforços do fornecedor para implementar ou
fazer a transição para a nova metodologia AIAG-VDA FMEA só devem ocorrer
após a publicação do novo manual.

Para mais informações veja: www.aiag.org ou www.iaction-plexus.com.br