Você está na página 1de 1

Grupo I

Leia atentamente o excerto:

Cena I
1. Explique a obsessão de Maria pelo retrato de D. João de Portugal.
Maria, Telmo
(…)
2. Manuel de Sousa responde à filha, contrariamente a Telmo que, na cena anterior, não fora
Maria - Ficará, pode ser; Deus queira que seja! Mas tenho cá uma coisa que me diz que aquela
capaz de dar esse esclarecimento a Maria.
tristeza de minha mãe, aquele susto, aquele terror em que está, e que ela disfarça com tanto
2.1.Compare e justifique o comportamento das duas personagens.
trabalho na presnça de meu pai (também a mim mo queria encobrir, mas agora já não pode,
coitada!), aquilo é pressentimento de desgraça grande… Oh, mas é verdade… vinde cá. (leva-o
3. Fundamentando-se no texto apresentado, defina três traços psicológicos de Maria.
diante dos três retratos que estão no fundo; e apontando para o de D. João). De quem é este
retrato aqui, Telmo?
4. Retire dois índicios trágicos presentes no excerto e refira-se à sua importância
Telmo (Olha e vira a cara de repente) – Esse é … há-de ser… é um da família destes senhores da
casa de Vimioso, que aqui estão tantos.
5. Manuel de Sousa Coutinho apresenta, nestas cenas, uma outra faceta: a de pai.
Maria (Ameaçando-o com o dedo) – Tu não dizes a verdade, Telmo.
5.1.Caracterize a sua relação com Maria.
Telmo (Quase ofendido) – Eu nunca menti, senhora D. Maria de Noronha. (…)
Maria – E não tem nome de cavaleiro?
6. “Esse é … há-de ser…” (linha 6)
Telmo (Embaraçado) - Há-de ter; mas eu é que…
6.1. Aponte um dos efeitos de sentido produzidos pela pontuação presente na frase transcrita.
Maria (Como quem lhe vai tapar a boca) - Agora é que tu ias mentir de todo… Cala-te. Não sei
para que são estes mistérios: cuidam que eu hei-de ser sempre criança! Na noite que viemos para
esta casa, no meio de toda aquela desordem, eu e minha mãe entrámos por aqui dentro sós e
viemos dar a esta sala. Estava ali um brandão aceso, encostado a uma dessas cadeiras que
Grupo II
tinham posto no meio da casa: dava todo o clarão da luz aquele retrato… Minha mãe, que me
trazia pela mão, põe de repente os olhos nele e dá um grito. Oh, meu Deus!… ficou tão perdida de
susto, ou não sei de quê, que me ia caindo em cima. Pergunto-lhe o que é, não me respondeu.
1. Resuma o excerto a seguir transcrito, num texto de setenta e cinco a noventa e cinco
Arrebata da tocha, e leva-me com uma força… com uma pressa a correr por essas casas, que
palavras.
parecia que vinha alguma coisa má atrás de nós- Ficou naquele estado em que a temos visto há
oito dias, e não lhe quis falar mais em tal. Mas este retrato que ela não nomeia nunca de quem é,
A arte teatral nasce do encontro entre duas forças convergentes: a obra, concebida
e só diz assim às vezes: “ O outro, o outro…”, este retrato e o de meu pai que se queimou, são
pelo autor e animada sobre as tábuas do palco pelo encenador, e o público, a quem se
duas imagens que lhe não saem do pensamento.
dirige e destina. O actor é o elo de ligação entre estes dois elementos: a ele compete
(…)
produzir a descarga eléctrica resulotante da aproximação destes dois polos; é por via dele
Cena II
que se transmite ao público o pensamento do autor, tornado, graças à sua intervenção,
Maria, Telmo e Manuel de Sousa
sensível e presente.
A obra escrita pelo poeta implica a presença do actor e o mundo em que este há-de
Manuel – Aquele era D. João de Portugal, um honrado fidalgo e um valente cavaleiro.
evoluir e viver o conflito idealizado pelo autor. Assim, o teatro assume-se como uma
Maria (Respondendo sem observar quem lhe fala) – Bem mo dizia o coração!
verdadeira síntese de artes, um modo superior de expressão, em que todas as formas
Manuel (Desembuçando-se e tirando o chapéu, com muito afecto) – Que te dizia o coração, minha
artísticas colaboram e, unificadas no plano comum do espectáculo, harmoniosamente se
filha?
fundem. O actor, com a sua presença física, viva, real, a sua voz, os seus gestos, a sua
Maria (Reconhecendo-o) – Oh, meu pai, meu querido pai! Já me não diz mais nada o coração,
marcha, é um dos elementos essenciais dessa síntese.
senão isto. (Lança-se-lhe nos braços e beija-o nas faces muitas vezes). Ainda bem que vieste; mas
Épocas houve da história do teatro em que o actor […] ocupou o lugar predominente
de dia!… não tendes receio, não há perigo já?
adentro da síntese teatral. Tais épocas, porém, não coincidem com os períodos áureos da
Manuel – Perigo, pouco. Ontem à noite não pude vir; e hoje não tive paciência para aguardar todo
arte dramática. Os momentos mais altos da história do teatro são aqueles em que todas as
o dia. Vim bem coberto com esta capa… (…) E tua mãe, tua mãe, filha?
artes, e portanto também a do actor, embora gravitando em torno do texto e ordenadas em
Maria - Desde ontem está outra…
sua função, concorrem harmoniosa e proporcionalmente para atingir o objectivo comum: o
Manuel (Em acção de partir) – Vamos a vê-la,
espectáculo teatral.
Maria (Retendo-o) – Não, que dorme ainda.
Manuel – Dorme? Oh, então melhor. Sentemo-nos aqui, filha, e conversemos. (Toma-lhe as mãos;
Luís Francisco Rebello, «O Actor», Separata da Enciclopédia da Vida Corrente, Lisboa, 1953
sentam-se). Tens as mãos tão quentes! (Beija-a na testa) E esta testa, esta testa!… Escalda! Se
(Texto adaptado e com supressões)
isto está sempre a ferver! Valha-te Deus, Maria! Eu não quero que tu penses.
Maria – Então que hei-de eu fazer?
Questões Cotação Questões Cotação
Manuel – Folgar, rir, brincar, tanger na harpa, correr nos campos, apanhar das flores… E Telmo
1 25 6 25
que te não conte mais histórias, que te não ensine mais trovas e solaus. Poetas e trovadores
3 25 Grupo II 60
padecem todos da cabeça… e é um mal que se pega.
4 25 Total 0
Maria – Então para que fazeis vós como eles?… Eu be, sei que fazeis.
5 20
Manuel (Sorrindo) – Se tu sabes tudo, Maria, minha Maria! (Aninhando-a). Mas não sabias ainda
agora de quem era aquele retrato…
Maria – sabia.
Frei Luis de Sousa, Almeida Garrett (texto com
supressões)
1