Você está na página 1de 27

PROTOCOLO MANEJO CLÍNICO

COVID-19
Dra. Daniella Cabral de Freitas
Dr. Henrique Godoy
Dr. Sergio Antonio Dias da Silveira
FLUXOGRAMA DE ATENDIMENTO
SINTOMAS RESPIRATÓRIOS INFECCIOSOS AGUDOS -
DEMANDA ESPONTÂNEA

SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SEM SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE


FR >= 24 ipm e/ou Sat O2 < 93% FR < 24 ipm e/ou Sat O2 > 93%

REALIZAR TOMOGRAFIA DE TÓRAX REALIZAR TOMOGRAFIA DE TÓRAX - A


INTERNAR UTI/ LEITO DEDICADO DEPENDER DO QUADRO CLÍNICO
COLHER SWAB COVID 19/ H1N1 SOLICITAR: HEMOGRAMA,
NOTIFICAR GASOMETRIA ARTERIAL, NÃO COLETAR SWAB
COAGULOGRAMA, FUNÇÃO
SUPORTE CLÍNICO RENAL, ELETRÓLITOS,
PRESCRIÇÃO ADMISSIONAL NÃO NOTIFICAR
DIMERO D, CPK, DHL

PRESCREVER OSELTAMEVIR
PRESCREVER ATB SE IMAGEM RADIOLÓGICA
PRESCRIÇÃO ADMISSIONAL: COMPATIVEL COM PNEUMONIA
EVITAR CORTICÓIDES ISOLAMENTO DOMICILIAR
OSELTAMIVIR 75 Mg 12/12 HORAS POR 5 DIAS - SUSPENDER SE COVID + MONITORAMENTO DOMICILIAR
HIDROXICLOROQUINA 400 Mg 12/12 HORAS NO PRIMEIRO DIA , DO COLABORADORES: RETORNO COM MÉDICO
SEGUNDO AO QUINTO DIA - 400 Mg/DIA - DEVE TER TCLE ASSINADO POR DO TRABALHO ANTES DO RETORNO ÀS
FAMILIAR ATIVIDADES
AZITROMICINA 500 Mg AO DIA POR 5 DIAS
COLETA DE SWAB
SEM DESCONFORTO
RESPIRATÓRIO FLUXOGRAMA DE ATENDIMENTO -
ENCAMINHAMENTO TELETRIAGEM
SINTOMAS RESPIRATÓRIOS INFECCIOSOS AGUDOS -
ENCAMINHADOS TELETRIAGEM

TRIAGEM ENFERMAGEM

SEM DESCONFORTO RESPIRATÓRIO COM DESCONFORTO RESPIRATÓRIO

ENCAMINHAR PARA TC TÓRAX -


AVALIAÇÃO MÉDICA
PEDIDO JÁ ESTARÁ EM SISTEMA
PROTOCOLO
HIDROXICLOROQUINA
TODAS AS LIBERAÇÕES/ PRESCRIÇÕES
OBRIGATÓRIO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE ESCLARECIDO
REALIZAR ECG - ANTES DO INÍCIO DO TRATAMENTO E DURANTE TODO O
TRATAMENTO - ATENÇÃO COM INTERVALO QT
HIDROXICLOROQUINA 400 Mg 12/12 HORAS NO PRIMEIRO DIA
SEGUNDO AO QUINTO DIA - 400 Mg/DIA
SUSPENDER NO D5
+
AZITROMICINA 500 Mg Mg AO DIA POR 5 DIAS
ORIENTAR SOBRE OS RISCOS DE
CONTRA INDICAÇÕES ABSOLUTAS - HIDROXICLOROQUINA RETINOPATIA
GRAVIDEZ HIPOGLICEMIA
RETINOPATIA/MACULOPATIA DIAGNOSTICADA TOXICIDADE CARDÍACA
HIPERSENSIBILIDADE AO FÁRMACO
MIASTENIA GRAVIS CASOS DE TRATAMENTO DOMICILIAR SERÃO
ACOMPANHADOS PELA TELETRIAGEM
DEFINIÇÃO DE ACOMODAÇÃO
SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE
FR >= 24 ipm e/ou Sat O2 < 93%

UTI LEITO DEDICADO

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA COM INDICAÇÃO DE IOT


SEM SINAIS DE INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA
PIORA AGUDA DO PADRÃO VENTILATÓRIO
AGUDA E SEM IMINÊNCIA DE NECESSIDADE
SINAIS DE HIPOPERFUSÃO ORGÂNICA E/OU PERIFÉRICA
DE IOT
(ALTERAÇÃO NÍVEL CONSCIÊNCIA, ELEVAÇÃO LACTATO,
OLIGÚRIA)
SEM SINAIS DE INSTABILIDADE
CHOQUE DISTRIBUTIVO
HEMODINÂMICA GRAVE
MANEJO CLÍNICO - LEITOS DEDICADOS
LEITO DEDICADO: MONITOR MULTIPARAMÉTRICO (1 PARA CADA PACIENTE) , CONTROLES
DE ENFERMAGEM COM MENOR INTERVALO QUANDO COMPARADO A LEITOS COMUNS,
MAIOR ASSERTIVIDADE PARA ACIONAMENTO EM CASO DE INTERCORRÊNCIAS,
IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DAS DEGENERAÇÕES CLÍNICAS

EXAMES DE CONTROLE A
CADA 48 HORAS ADMISSÃO MÉDICA
DÍMERO D/ TGO/TGP/VHS/ ATENÇÃO: NÍVEL DE CONSCIÊNCIA, PADRÃO RESPIRATÓRIO, FREQUENCIA NA ADMISSÃO
FERRITINA/TROPONINA/ RESPIRATÓRIA, SAT O2, PERFUSÃO PERIFÉRICA CHECAR
BILIRRUBINAS MONITORIZAÇÃO MULTIPARAMÉTRICA CONTÍNUA SE PRESCRIÇÃO DE
PROTOCOLO ESTÁ
GASOMETRIA ARTERIAL SE CONTROLES DE ENFERMAGEM CADA 4 HORAS OK
PIORA DO PADRÃO
VENTILATÓRIO OU SINAIS IDENTIFICAÇÃO DE DEGENERAÇÃO CLÍNICA ATRAVÉS DE ESCALA DE SE TCLE ESTÁ
DE HIPOPERFUSÃO MEWS ASSINADO
SISTÊMICA/ PERIFÉRICA
ACIONAMENTO DA EQUIPE MÉDICA IMEDIATAMENTE SE SINAIS DE RECONCILIAÇÃO
TOMOGRAFIA DE TÓRAX DEGENERAÇÃO CLÍNICA/ VENTILATÓRIA MEDICAMENTOSA
48 HORAS APÓS A
ADMISSÃO E SE PIORA DO SE: RESULTADOS DE
QUADRO RNC EXAMES REALIZADOS
SAT< 90% OU ENCAMINHAR PARA UTI NO PS - CORRIGIR
EVITAR VNI NÃO ATRASAR IOT
CASO NECESSÁRIO: PaO2 <60 mmHg ALTERAÇÕES
VENTILADOR COM DUPLO Sem melhora com
CIRCUITO + FILTRO HEPA VNI (até 2h)
MÁXIMO 2 HORAS
QUARTO INDIVIDUAL
MANEJO CLÍNICO - LEITOS
DEDICADOS
ROTINAS
BOLETIM MÉDICO
DEVERÁ OCORRER EM HORÁRIO PRÉ DEFINIDO POR CADA UNIDADE
INFORMAÇÕES DEVEM SER PRESTADAS DIARIAMENTE
SANAR TODAS AS DÚVIDAS E ACOLHER FAMILIARES
ANOTAR EM PRONTUÁRIO NOME DO FAMILIAR QUE RECEBEU AS
INFORMAÇÕES E O QUE FORA ORIENTADO
EXPLICAR SOBRE TODO CONTEXTO CLÍNICO E PLANEJAMENTO TERAPÊUTICO

DIREÇÃO CLÍNICA - ENTRARÁ EM CONTATO DIÁRIO COM CADA MÉDICO PARA QUE TODO O
BOLETIM MÉDICO SEJA INFORMADO, BEM COMO DEMANDAS, NECESSIDADES DE AUXÍLIO -
INCLUSIVE AOS FINAIS DE SEMANA E FERIADOS

TUTORES - DEVERÃO ZELAR PELO CUMPRIMENTO INTEGRAL DESTE PROTOCOLO, ALINHAR


CONDUTAS, DIRECIONAR À DIREÇÃO CLÍNICA TODAS AS DEMANDAS REFERENTES AO SETOR
MANEJO CLÍNICO - ESCALA DE MEWS
PARÂMETROS 3 2 1 0 1 2 3

FREQUENCIA < OU = 9-11 12-20 21-24 > OU =


RESPIRATÓRIA 8 25

SATURAÇÃO O2 < 88% 89-91% >92

SUPLEMENTAÇÃO DE SIM
O2

TEMPERATURA <35 35,1 - 35,9 36 - 37,8- >39,1


37,7 39

PRESSÃO SISTÓLICA <80 81-89 90-160 161-180 181-199 >200

FREQUENCIA <40 41-50 51-100 101-110 111-129 >130


CARDÍACA

NÍVEL DE RNC* ALERTA AGITAÇÃO


CONSCIÊNCIA

*RNC - Queda aguda de Glasgow > 2 pontos


Mews > 4 pontos ou colunas 3 - Acionar equipe para avaliação
MANEJO CLÍNICO
PCR COVID 19- NEGATIVO

PCR COVID-19 NEGATIVO

AVALIAR TOMOGRAFIA DE TOMOGRAFIA NÃO


TÓRAX CARACTERÍSTICA COVID -19

TOMOGRAFIA
CARACTERÍSTICA COVID -19 NÃO REPETIR PCR COVID-19

REPETIR PCR COVID-19


NÃO SUSPENDER HIDROXICLOROQUINA E CONSIDERAR OUTRAS
AZITROMICINA
PATOLOGIAS
MANEJO CLÍNICO - ALTA HOSPITALAR
CRITÉRIOS DE ALTA HOSPITALAR
SINAIS DE MELHORA CLÍNICA
APÓS RESULTADO SWAB
MÍNIMO 7 DIAS APÓS O INÍCIO DOS SINTOMAS MONITORAMENTO DOMICILIAR
SAT >93% NAS ÚLTIMAS 72 HORAS REALIZADO DE MANEIRA REMOTA DIARIAMENTE
AFEBRIL NAS ÚLTIMAS 72 HORAS CONTROLE DE SINAIS CLÍNICOS
FREQUENCIA RESPIRATÓRIA < 20 ipm IDENTIFICAÇÃO DE PIORA DO QUADRO
COVID NEGATIVO - SUSPENDER RE ENCAMINHAMENTO AO PS SE NECESSÁRIO
HIDROXICLOROQUINA E AZITROMICINA ACOMPANHAMENTO ATÉ TÉRMINO DO ISOLAMENTO

FORNECER NOS CASOS COVID POSITIVO


HIDROXICLOROQUINA ATÉ COMPLETAR D5 DE
TRATAMENTO E AZITROMICINA ATÉ COMPLETAR
D5 DE TRATAMENTO

ATESTADO MÉDICO - 14 DIAS A PARTIR DO INÍCIO


DOS SINTOMAS

COMUNICAR EQUIPE MONITORAMENTO


DOMICILIAR
ORIENTAÇÕES ISOLAMENTO DOMICILIAR
CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS
6. O paciente deve cobrir a boca e o nariz 10. Roupas de cama, toalhas
1. Manter repouso relativo, 5. O paciente, cuidador e familiares durante a tosse e espirros com lenços de de banho e vestimentas do
alimentar-se com dieta leve e devem usar máscara cirúrgica bem papel ou cotovelo flexionado, seguido de paciente devem ser lavadas
garantir hidratação oral ajustada ao rosto quando estiverem higiene das mãos. com água e sabão comum.
(pacientes com restrição hídrica na mesma sala e durante a Evitar agitar a roupa suja.
por outras doenças devem manipulação da pessoa doente. As
seguir a orientação médica). máscaras não devem ser tocadas
ou manuseadas durante o uso. Se a 11. Os pacientes devem
7. Evitar o contato direto com fluidos
máscara ficar molhada ou suja permanecer em casa até a
corporais, principalmente os orais, ou
com secreções, deve ser trocada resolução completa dos
2. Manter o paciente em cômodo secreções respiratórias e fezes.
imediatamente. Descartar a sinais e sintomas.
da casa individual bem ventilado. máscara cirúrgica imediatamente
Caso não seja possível manter em após o uso e realizar a higiene das 8. Evitar o compartilhamento de escovas 12. Retornar ao Pronto
um cômodo privativo, manter a mãos com água e sabonete ou de dente, talheres, pratos, bebidas, toalhas Atendimento caso apresente
distância de pelo menos 1 metro produto alcoólico após a remoção ou roupas de cama. Talheres e pratos piora do quadro clínico
da pessoa doente. da máscara. devem ser limpos com água e sabão ou (persistência da febre além
detergente comum após o uso e podem ser de 5 dias, piora da tosse,
reutilizados. falta de ar ou outros
3. Limitar o número de cuidadores sintomas).
e não receber visitas. 9. Limpar e desinfetar as superfícies frequentemente
tocadas, como mesas de cabeceira, controle remoto
e outros móveis do quarto do paciente diariamente 13 Não usar ibuprofeno ou
com desinfetante doméstico comum. Limpar e
corticóide.
4. Limitar a circulação do paciente e desinfetar as superfícies do banheiro pelo menos
verificar se ambientes uma vez ao dia com desinfetante doméstico comum.
compartilhados (ex: cozinha,
banheiro) são bem ventilados
(manter as janelas abertas).
MANEJO CLÍNICO - UTI
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL
PREPARAR SEQUENCIA RÁPIDA DE
INTUBAÇÃO
KIT EPI

PREVER INTUBAÇÕES DIFÍCEIS


REA (MACOCHA/ LEMON)
Evitar ao máximo qualquer ventilação assistida com
o dispositivo de Bolsa-Válvula-Máscara ou o uso de
dispositivos supraglóticos REALIZAR PRÉ OXIGENAÇÃO COM
MÁSCARA RESERVATÓRIO E MENOR
FLUXO DE OXIGÊNIO POSSÍVEL
SEQUÊNCIA RÁPIDA DE INTUBAÇÃO
FENTANIL 50 - 100 Mcg IV
SISTEMA DE ASPIRAÇÃO FECHADO
ETOMIDATO 0,3 Mg/KG EM 30 A 60 SEGUNDOS, 3 MINUTOS APÓS FENTANIL
UTILIZAR VIDEOLARINGOSCÓPIO
SUCCINILCOLINA 1Mg/Kg OU ROCURÔNIO 1,2 Mg/Kg

APÓS INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL


ACOPLAR AO VENTILADOR
CHECAR POSICIONAMENTO DO TOT (AUSCULTA)
ACOPLAR FILTRO HEPA NA SAÍDA DO CIRCUITO EXPIRATÓRIO DO VENTILADOR PARA O
AMBIENTE, ALÉM DO FILTRO DO PACIENTE
SOLICITAR RX DE TÓRAX E GASOMETRIA ARTERIAL
SOLICITAR SNE - CASO INSUCESSO NA PASSAGEM- INDICAR SONDA OROGÁSTRICA
MANEJO CLÍNICO - UTI
SCORE MACOCHA

CRITÉRIO PONTUAÇÃO

MALLAMPATI III OU IV 5

HISTÓRIA DE APNEIA DO 2
SONO

MOBILIDADE CERVICAL 1
REDUZIDA

ABERTURA ORAL < 3 CM 1

COMA 1

OXIMETRIA < 80% 1

MÉDICO NÃO ANESTESISTA 1

O escore varia de 0 (fácil) a 12 (muito difícil). Um MACOCHA > 3 indica via aérea difícil.
MANEJO CLÍNICO - UTI
VENTILAÇÃO MECÂNICA
MODO VCV
VENTILAÇÃO PROTETORA Vt= 3 - 6 Ml/Kg DE PESO IDEAL
FR INICIAL - 25 ipm
PEEP INICIAL 10 cm H20
FIO2 60%
PACIENTE SOB SEDAÇÃO PROFUNDA,
ANALGESIA E BLOQUEADOR NEUROMUSCULAR

MANEJO DE HIPERCAPNIA
META pH >7,25

Aumentar FR até 30 – 35 ipm -> Tolerar pH até 7,15

Se pH < 7,15

Tratar acidose metabólica

Aumentar FR até 40 – 50 ipm (risco de auto-PEEP) - Se Pplatô não subir e não houver comprometimento hemodinâmico

Medidas para reduzir espaço morto, produção de CO2 e controle de drive ventilatório
MANEJO CLÍNICO - UTI
VENTILAÇÃO MECÂNICA
AJUSTE INICIAL DO PEEP E FIO2

AJUSTES DEVEM OCORRER RAPIDAMENTE ATÉ OXIGENAÇÃO


ALVO

OXIGENAÇÃO NO ALVO - APÓS 30 MINUTOS - COLETAR PRONAÇÃO


GASOMETRIA ARTERIAL QUANDO pO2/FiO2 < 150
ATENÇÃO COM HEMODINÂMICA
REAVALIAR CADA 2 HORAS CUIDADOS OCULARES
MANTER SEMPRE VENTILAÇÃO PROTETORA GASOMETRIA CADA 3 HORAS
AJUSTES VENTILATÓRIOS PERTINENTES
TOLERAR HIPERCAPNIA PARA pH >=7,15

∆P < 16 cmH2O, Pplatô < 30 cmH2O


MANEJO CLÍNICO - UTI - GERAL

EXAMES
SOLICITAR EXAMES DE ROTINA DIÁRIOS - PACIENTES CRÍTICOS

SOLICITAR A CADA 48 HORAS: DÍMERO D/ TGO/TGP/VHS/


USO CONSERVADOR DE FLUIDOS FERRITINA/TROPONINA/BILIRRUBINAS

DESMAME VENTILATÓRIO PROLONGADO - SOLICITAR DOSAGEM DE


FÓSFORO
ATENÇÃO COM NUTRIÇÃO E HIPERCAPNIA
GASOMETRIA - PACIENTES PRONADOS 3/3 HORAS
DEMAIS PACIENTES - 6/6 HORAS

CORTICÓIDES - NÃO RECOMENDADO, EXCETO EM ASMA,


DPOC E CHOQUE REFRATÁRIO
MANEJO CLÍNICO - UTI
RCP

RCP DEVE SER RETARDADA ATÉ A COLOCAÇÃO DOS EPI’S NECESSÁRIOS

CHECAR INFORMAÇÕES EM PRONTUÁRIO DE DIRETIVAS ANTECIPADAS/ NÃO REANIMAÇÃO

NÃO UTILIZAR DISPOSITIVO BOLSA- VALVA- MÁSCARA NO CASO DE NECESSIDADE - REALIZAR SELAMENTO E COLOCAR
FILTRO ENTRE MÁSCARA E BOLSA

DURANTE A RCP - UTILIZAR VENTILADOR COM FREQUENCIA RESPIRATÓRIA DE 10-12 POR MINUTO

TRATAR PCR CONFORME PROTOCOLO ACLS - CONSIDERAR HIPOXEMIA, ACIDEMIA, TROMBOSE


EQUIPE REDUZIDA

DESCARTE E LIMPEZA DOS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS - CONFORME DEFINIÇÃO EQUIPE CCIH


BOLETIM MÉDICO UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA
CADA UNIDADE DEFINIRÁ O SEU HORÁRIO MAIS ADEQUADO

PRESENCIAL TELEMEDICINA

HORÁRIO PRÉ DEFINIDO PELA HORÁRIO PRÉ DEFINIDO PELA


UNIDADE UNIDADE

1 FAMILIAR POR PACIENTE NO MOMENTO DA INTERNAÇÃO (INDEPENDENTE MÉDICO ATRAVÉS DO TABLET


DO SETOR) , EQUIPE ADMINISTRATIVA DEVERÁ ENTRARÁ EM CONTATO COM
INFORMAÇÕES PRESTADAS ENTREGAR AO FAMILIAR TERMO DE FAMILIAR
FORA DO “SALÃO” DA UTI CONSENTIMENTO PARA USO DE TELEMEDICINA
FAMILIAR DEVERÁ RECEBER
FAMILIAR DEVERÁ RECEBER DEVERÁ SER DEFINIDO NESTE MOMENTO O TODAS AS INFORMAÇÕES
TODAS AS INFORMAÇÕES FAMILIAR QUE RECEBERÁ AS INFORMAÇÕES ACERCA DO CASO
ACERCA DO CASO MÉDICAS DIÁRIAS ATRAVÉS DA FERRAMENTA
TELEMEDICINA - DEVERÁ CONSTAR EM
DEVERÁ SER ANOTADO EM
PRONTUÁRIO A CÓPIA DO RG DESTE FAMILIAR E
DEVERÁ SER ANOTADO EM PRONTUÁRIO NOME DO FAMILIAR
SEU TELEFONE ATUALIZADO
PRONTUÁRIO NOME DO FAMILIAR E QUAIS INFORMAÇÕES FORAM
E QUAIS INFORMAÇÕES FORAM DEIXAR CLARO QUE, A FERRAMENTA PRESTADAS E DEIXAR EXPRESSO
PRESTADAS TELEMEDICINA NESTE MOMENTO SERÁ EM PRONTUÁRIO QUE AS
UTILIZADA PARA OS PACIENTES INTERNADOS INFORMAÇÕES FORAM
NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA PRESTADAS DE MANEIRA
REMOTA
PRONTUÁRIO MÉDICO
INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS
ATENDIMENTO EM PRONTO SOCORRO
DATA CORRETA DO INÍCIO DOS SINTOMAS
COMORBIDADES
ALERGIAS MEDICAMENTOSAS
MEDICAMENTOS EM USO
EXAME FÍSICO - PRINCIPALMENTE: SAT O2/ PADRÃO RESPIRATÓRIO/ FREQUENCIA RESPIRATÓRIA, TEMPERATURA
CONDUTAS
RESULTADO DE EXAMES
CONDIÇÕES DE ALTA
ORIENTAÇÕES NA LIBERAÇÃO E NOME DO FAMILIAR QUE RECEBEU AS INFORMAÇÕES OU
SE INDICADA INTERNAÇÃO - INDICAR UTI/ LEITO DEDICADO

EVOLUÇÃO LEITOS DEDICADOS


CABEÇALHO
DATA CORRETA DO INÍCIO DOS SINTOMAS
DATA DO ÚLTIMO PICO FEBRIL
COMORBIDADES
ALERGIAS MEDICAMENTOSAS
MEDICAMENTOS EM USO
CHECAR DE TCLE ESTÁ ASSINADO EM PRONTUÁRIO - CASO NEGATIVO - PROVIDENCIAR
RESULTADO COVID (POSITIVO/ NEGATIVO) - ATUALIZAR QUANDO RESULTADO DISPONÍVEL
ANOTAR RESULTADOS DE EXAMES REALIZADOS
EXAME FÍSICO - PRINCIPALMENTE: SAT O2/ PADRÃO RESPIRATÓRIO/ FREQUENCIA RESPIRATÓRIA, TEMPERATURA
ANOTAR NOME FAMILIAR QUE RECEBEU BOLETIM MÉDICO DIARIAMENTE
SUSPENDER HIDROXICLOROQUINA NO D5
SUSPENDER OSELTAMEVIR SE COVID POSITIVO
PRONTUÁRIO MÉDICO
INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS
EVOLUÇÃO UTI
CABEÇALHO
DATA CORRETA DO INÍCIO DOS SINTOMAS
DATA DO ÚLTIMO PICO FEBRIL
COMORBIDADES
ALERGIAS MEDICAMENTOSAS
MEDICAMENTOS EM USO
CHECAR DE TCLE ESTÁ ASSINADO EM PRONTUÁRIO - CASO NEGATIVO - PROVIDENCIAR
RESULTADO COVID (POSITIVO/ NEGATIVO) - ATUALIZAR QUANDO RESULTADO DISPONÍVEL
ANOTAR RESULTADOS DE EXAMES REALIZADOS

USO DE DVA - DOSE (ATUALIZAR EM TODAS AS EVOLUÇÕES)


RELAÇÃO PO2/FIO2 - DESCREVER EM PRONTUÁRIO A CADA GASOMETRIA REALIZADA
SEDAÇÃO EM USO E DOSE

EXAME FÍSICO - PRINCIPALMENTE: SAT O2/ PADRÃO RESPIRATÓRIO/ FREQUENCIA RESPIRATÓRIA, TEMPERATURA
ANOTAR NOME FAMILIAR QUE RECEBEU BOLETIM MÉDICO DIARIAMENTE

INTERCORRÊNCIAS

ANOTAR NOME FAMILIAR QUE RECEBEU BOLETIM MÉDICO DIARIAMENTE

SUSPENDER HIDROXICLOROQUINA NO D5
SUSPENDER OSELTAMEVIR SE COVID POSITIVO
DECLARAÇÃO DE ÓBITO
ÓBITOS CONFIRMADOS (RESULTADO PCR COVID POSITIVO ÓBITOS SUSPEITOS (RESULTADOS PCR COVID
Todos os óbitos confirmados por COVID-19 deverão ser PENDENTES)
classificados com o CID - B34.2 (Infecção por Coronavírus de
localização não especificada).
• No caso de óbito que o médico mencionar na Declaração de Óbito
“Síndrome Respiratória Aguda Grave – SARS”, ou “Doença “Síndrome Respiratória Aguda Grave – SARS”, ou
Respiratória Aguda” devido ao COVID-19, deverá ser classificado “Doença Respiratória Aguda” e “Próvável Covid 19”
com o CID - U04.9.
• Portadores de doenças crônicas, orientamos que estas doenças • Portadores de doenças crônicas, orientamos que estas
sejam mencionadas na Parte II do Bloco V da Declaração de Óbito. doenças sejam mencionadas na Parte II do Bloco V da
Este dado é muito importante. Declaração de Óbito. Este dado é muito importante.
• preenchimento do campo (tempo aproximado entre o início da • preenchimento do campo (tempo aproximado entre o
doença e a morte) é obrigatório. início da doença e a morte) é obrigatório.

Casos de síndrome respiratória aguda grave sem


DEMAIS CASOS - MORTE INDETERMINADA diagnóstico etiológico e casos suspeitos de COVID-19
com investigação em andamento devem colher swab
Demais casos : nasal / orofaríngeo postmortem (até 24 horas após o
• Deve ter a Declaração de Óbito preenchida pelo médico que assistiu o óbito).
paciente ou que constatou o óbito preencher como “Morte Indeterminada –
aplicada autópsia verbal” e aplicar Questionário de Autópsia Verbal
(http://www.saude.sp.gov.br/resources/ccd/homepage/covid19/questionario
_de_autopsia_verbal_-_ses-sp_20032020_1.pdf)
PREENCHIMENTO DA
DECLARAÇÃO DE ÓBITO
COVID CONFIRMADO RESULTADO PENDENTE
MANEJO DO CORPO

1) Todos os profissionais envolvidos no manejo do corpo deverão utilizar os equipamentos de proteção


individual descritos no item 6.24 da resolução SS - 28, de 25-2-2013. Proteção do corpo: aventais
impermeáveis para proteção de tronco e membros superiores).

2) Adicionalmente, os corpos de casos SUSPEITOS OU CONFIRMADOS , devem ser acondicionados em


sacos impermeáveis próprios, de acordo com a política nacional de resíduos e desta forma colocado e
mantidos na urna. Urna deve ser lacrada.
REFERÊNCIAS
https://www.who.int/publications-detail/clinical-management-of-severe-acute-respiratory-infection-when-novel-coronavirus
-(ncov)-infection-is-suspected

Protocolo de Tratamento da Influenza. Ministério da Saúde 2017.


Protocolo de Manejo Clínico de Síndrome Respiratória Aguda Grave. Ministério da Saúde 2010.
American Heart Association, 2015

World Health Organization. Infection prevention and control during health care when novel coronavirus (nCoV) infection is suspected Interim
guidance. January 2020.World Health Organization. Clinical management of severe acute respiratory infection when novel coronavirus (2019-nCoV)
infection is suspected. January 2020.
Cheung JC, et al. Staff safety during emergency airway management for COVID-19 in Hong Kong. Lancet. Feb. 2020.
Tran K, Cimon K, Severn M, Pessoa-Silva CL, Conly J. Aerosol generating procedures and risk of transmission of acute respiratory infections to
healthcare workers: a systematic review. PLoS One 2012; 7: e35797.
Simonds AK, et al. Evaluation of droplet dispersion during non-invasive ventilation, oxygen therapy, nebuliser treatment and chest physiotherapy in
clinical practice: implications for management of pandemic influenza and other airborne infections. Health Technol Assess. 2010
Pan L, et al. How to face the novel coronavirus infection during the 2019–2020 epidemic: the experience of Sichuan Provincial People’s Hospital.
Intensive Care Med. Feb. 2020.
REFERÊNCIAS
Liao X, Wang B, et al. Novel coronavirus infection during the 2019-2020 epidemic: preparing intensive care units - the experience in Sichuan
Province, China. Intensive Care Med. 2020
Higgs A, et al. Guidelines for the management of tracheal intubation in critically ill adults. British Journal of Anaesthesia. 2017.
Yang X, Yu, Y, et al. Clinical course and outcomes of critically ill patients with SARS-CoV-2 pneumonia in Wuhan, China: a single-centered,
retrospective, observational study. Lancet Respiratory Medicine. Feb. 2020
Xie et al. Critical care crisis and some recommendations during the COVID-19 epidemic in China. Intensive Care Med. 2020
Ross W. et al. Rapid Sequence Induction. World Federation of Societies of Anaesthesiologists. 2016.
Wax RS, et al. Practical recommendations for critical care and anesthesiology teams caring for novel coronavirus (2019-nCoV) patients. Can J
Anesth/J Can Anesth
Peng PWH, et al. Outbreak of a new coronavirus: what anaesthetists should know. British Journal of Anaesthesia. 2020.
Guan WJ, Ni ZY, Hu Y, Liang WH, Ou CQ, He JX, Liu L, Shan H, Lei CL, Hui DSC, Du B, Li LJ, Zeng G, Yuen KY, Chen RC, Tang CL, Wang T, Chen
PY, Xiang J, Li SY, Wang JL, Liang ZJ, Peng YX, Wei L, Liu Y, Hu YH, Peng P, Wang JM, Liu JY, Chen Z, Li G, Zheng ZJ, Qiu SQ, Luo J, Ye CJ, Zhu
SY, Zhong NS; China Medical Treatment Expert Group for Covid-19.Clinical Characteristics of Coronavirus Disease 2019 in China.N Engl J Med.
2020 Feb 28.
Combes A, Hajage D, Capellier G, Demoule A, Lavoué S, Guervilly C, Da Silva D, Zafrani L, Tirot P, Veber B, Maury E, Levy B, Cohen Y, Richard C,
Kalfon P, Bouadma L, Mehdaoui H, Beduneau G, Lebreton G, Brochard L, Ferguson ND, Fan E, Slutsky AS, Brodie D, Mercat A; EOLIA Trial Group,
REVA, and ECMONet.Extracorporeal Membrane Oxygenation for Severe Acute Respiratory Distress Syndrome. N Engl J Med. 2018 May
24;378(21):1965-1975.
REFERÊNCIAS
SÃO PAULO - Secretária da Saúde do Estado de São Paulo. Orientação para o Procedimento de Emissão de Declaração de Óbito frente à
pandemia de COVID-19 no Estado de São Paulo. São Paulo, 20 Março 2020.
Secretária da Saúde do Estado de São Paulo. Orientação para o Procedimento da Declaração de Óbito. São Paulo, 20 Março 2020. - .
Diário Oficial do Estado de São Paulo, Resolução SS 28 - Aprova Norma Técnica que disciplina os serviços de necrotério, serviço de
necropsia, serviço de somatoconservação de cadáveres, velório, cemitério e as atividades de exumação, cremação e transladação, e dá
outras providências. São Paulo, 25 Fev 2013.

Assistência domiciliar a pacientes Suspeitos ou confirmados e contatos - 04 de fevereiro de 2020 - Divisão de infecção
hospitalar/CVE Grupo técnico médico hospitalar/sersa/cvs

ABRAMEDE- Associação Brasileira de Medicina de Emergência