Você está na página 1de 64

Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF

Profº Cyonil Borges – Aula 04

AULA 04: LICITAÇÕES – EXERCÍCIOS COMENTADOS


Fala Pessoal,
Promessa é dívida! Abaixo os comentários da última bateria de
exercícios.
Só depois que postei o arquivo 1 [de licitações, parte teórica], é que
percebi que algumas questões são de contratos administrativos. Por
isso, peço que desconsiderem, afinal a parte de contratos não está de
forma expressa no Edital. Seria, no mínimo estranho, a ilustre banca
forçar a barra e cobrar tal assunto.
Abraço forte,
Cyonil Borges.
Observação: no final dos comentários, postei uma bateria
com questões de 2012. Por favor, gabaritem. Em caso de
eventuais dúvidas, estarei no fórum para guiá-los.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

1. (2011/FCC – PGE-RO - Procurador) NÃO é hipótese legal de


dispensa de licitação:
(A) A alienação gratuita ou onerosa, aforamento, concessão de direito
real de uso, locação ou permissão de uso de bens imóveis
residenciais construídos, destinados ou efetivamente utilizados no
âmbito de programas habitacionais ou de regularização fundiária de
interesse social desenvolvidos por órgãos ou entidades da
administração pública.
(B) A contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento,
em consequência de rescisão contratual, desde que atendida a ordem
de classificação da licitação anterior e aceitas as mesmas condições
oferecidas pelo licitante vencedor, inclusive quanto ao preço,
devidamente corrigido.
(C) A contratação da coleta, processamento e comercialização de
resíduos sólidos urbanos recicláveis ou reutilizáveis, em áreas com
sistema de coleta seletiva de lixo, efetuados por associações ou
cooperativas formadas exclusivamente por pessoas físicas de baixa
renda reconhecidas pelo poder público como catadores de materiais
recicláveis, com o uso de equipamentos compatíveis com as normas
técnicas, ambientais e de saúde pública.
(D) A contratação de associação de portadores de deficiência física,
sem fins lucrativos e de comprovada idoneidade, por órgãos ou
entidades da Administração Pública, para a prestação de serviços ou
fornecimento de mão de obra, desde que o preço contratado seja
compatível com o praticado no mercado.
(E) O credenciamento de número indeterminado de profissionais de
saúde para atendimento de saúde complementar aos servidores
públicos, garantindo-se a publicidade do procedimento, a objetividade
dos requisitos, a regulamentação da prestação dos serviços e a
fixação criteriosa da tabela de remuneração dos serviços prestados.
Comentários:
Não é uma questão trivial. Aprendemos que a dispensa de licitação
divide-se em: licitação dispensada (art. 17 da Lei) e licitação
dispensável (art. 24 da Lei). A letra “A” está prevista no art. 17,
tratando-se, portanto, de situação que demanda a licitação
dispensada. Já as hipóteses previstas nas letras “B” a “D” acham-se
delineadas no art. 24 da Lei de Licitações.
Beleza, e por que a resposta é letra “E”?
Os amigos estão lembrados que o rol de hipóteses de dispensa de
licitação é taxativo? Então, entre os dispositivos da Lei não temos a
previsão de credenciamento. Isso, por si só, seria suficiente para
marcarmos a letra “E”.
Espera aí Professor. Então tenho que decorar todos os
dispositivos? Claro que não! Vamos pela lógica.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Qual é a forma de contratação direta que a lista é


exemplificativa? Isso mesmo. Inexigibilidade.
Qual é o pressuposto da contratação direta por
inexigibilidade? Isso mesmo. Inviabilidade de competição.
Ora, se há número indeterminado de profissionais para a prestação
de serviços, significa dizer que há inviabilidade de competição, afinal
qualquer um pode prestar o serviço. Exatamente por isso, a
jurisprudência e a doutrina registram que o credenciamento é um
caso de inexigibilidade de licitação.
Gabarito: alternativa E.

2. (2011/FCC – PGE-RO - Procurador) A Lei de Licitações e


Contratos – Lei Federal no 8.666/93 – exige que seja feita
audiência pública com antecedência mínima de 15 (quinze) dias úteis
da data prevista para a publicação do edital quando:
(A) se tratar de obra ou prestação de serviço decorrente de contrato
de programa celebrado com ente da Federação ou com entidade de
sua administração indireta, para a prestação de serviços públicos de
forma associada, em virtude de contrato de consórcio público ou em
convênio de cooperação.
(B) o valor estimado para uma licitação ou para um conjunto de
licitações simultâneas ou sucessivas for superior a 100 (cem) vezes o
valor referente à dispensa de licitação, em contratação de obras ou
serviços de engenharia.
(C) a obra ou a prestação de serviços forem realizados no envoltório
de 100 (cem) quilômetros do perímetro de unidade de conservação
de proteção integral.
(D) o valor estimado para uma licitação ou para um conjunto de
licitações simultâneas ou sucessivas for superior a 100 (cem) vezes o
valor estipulado como limite para a adoção da modalidade
concorrência, em contratação de obras e serviços de engenharia.
(E) se tratar da alienação ou concessão de direito real de uso de
terras públicas rurais da União na Amazônia Legal superiores ao
limite de 15 (quinze) módulos fiscais ou 1.500 ha (mil e quinhentos
hectares).
Comentários:
Vamos conversar um pouco sobre a audiência pública.
O art. 39 da LLC obriga que a Administração proceda à audiência
pública sempre que o valor estimado para uma licitação ou para um
conjunto de licitações simultâneas ou sucessivas1 for superior a 150

1 Licitações simultâneas são aquelas realizadas com intervalos menores que 30 dias (simulTâneas é Trinta dias). Já as
sucessivas são aquelas com prazo não superior a 120 dias entre o término de um contrato e a publicação do Edital de
outra.
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

milhões de reais [100 (cem) vezes o limite previsto no art. 23, inciso
I, alínea "c", que é de 1 milhão e meio de reais].
Esse valor, de 150 milhões de reais, é o que o autor Celso Antônio
Bandeira de Mello denomina licitação de imenso vulto.
A audiência pública serve, p. ex., para a Administração receber
sugestões e críticas a respeito de uma contratação futura, de valor
considerável. Esclareço que que a audiência não se confunde com a
consulta pública, nesta as sugestões são entregues em envelopes
(correspondências, em geral); naquela (audiência), as sugestões são
verbais, em reuniões previamente fixadas.
Por fim, peço que não confunda a licitação de imenso vulto, cuja
denominação é doutrinária, com a licitação de grande vulto, que é
aquela cujos valores são superiores a R$ 37,5 milhões de reais (25
vezes o valor da concorrência para serviços e obras de engenharia),
nos termos do inc. V do art. 6º da LLC, as quais, diga-se de
passagem, não obrigam (apenas facultam, conforme o caso) a
realização de audiência pública.
Apenas para efeito de registro, dado que, dificilmente o assunto é
exigido em prova, registro que a divulgação da audiência pública é
feita no prazo mínimo de 10 dias úteis, a ser realizada com
antecedência mínima de 15 dias úteis da data prevista para a
publicação do edital.
Gabarito: alternativa D.

3. (2011/FCC – TRE-TO – Analista Judiciário) Nos contratos


administrativos,
(A) o instrumento de contrato é obrigatório nos casos de concorrência
e tomada de preços, sendo dispensável em algumas hipóteses de
inexigibilidade e dispensa de licitação.
(B) é permitida a qualquer interessado a obtenção gratuita de cópia
autenticada de contrato administrativo.
(C) a minuta do futuro contrato integrará sempre o edital ou ato
convocatório da licitação.
(D) decorridos cinquenta dias da data da entrega das propostas, sem
convocação para a contratação, ficam os licitantes liberados dos
compromissos assumidos.
(E) nenhum contrato com a Administração Pública pode ser de forma
verbal.
Comentários:

Essa questão foi anulada. O gabarito preliminar foi a alternativa “C”,


como determina o §1º do art. 62 da LLC: §1o A minuta do futuro
contrato integrará sempre o edital ou ato convocatório da licitação.
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Vejamos os erros nos demais quesitos.

(B) é permitida a qualquer interessado a obtenção gratuita de cópia


autenticada de contrato administrativo. NO ENTANTO, A
OBTENÇÃO NÃO É GRATUITA, SERÁ MEDIANTE O PAGAMENTO
DOS EMOLUMENTOS DEVIDOS, NOS TERMOS DO ART. 63 DA
LLC.
(D) decorridos cinquenta SESSENTA dias da data da entrega das
propostas, sem convocação para a contratação, ficam os licitantes
liberados dos compromissos assumidos.
(E) nenhum POR EXCEÇÃO, ADMITE-SE O contrato VERBAL com a
Administração Pública pode ser de forma verbal.

Então qual foi o motivo da anulação? Explico. Primeiro,


transcrevo, a seguir, a alternativa “A”.

(A) o instrumento de contrato é obrigatório nos casos de


concorrência e tomada de preços, sendo dispensável em
algumas hipóteses de inexigibilidade e dispensa de licitação.
Nos termos do art. 62 da Lei de Licitações, o instrumento de contrato
(termo de contrato), é obrigatório nos casos de concorrência e de
tomada de preços, bem como nas dispensas e inexigibilidades cujos
preços estejam compreendidos nos limites destas duas modalidades
de licitação. O limite para compras e serviços que não de engenharia
acima de R$ 80.000,00 e obras e serviços de engenharia acima de R$
150.000,00 é que obrigam a tomada de preços, e, por conseguinte,
fica facultada a concorrência. Com efeito, uma aquisição direta de
impressoras, sem licitação, orçada em R$ 90.000,00, exige a
formalização por termo de contrato.
E se a contratação direta, mediante dispensa de licitação, por
exemplo, for orçada no valor de R$ 70.000,00? Isso mesmo. O termo
de contrato não será obrigatório.
Então, percebeu o motivo da anulação? Isso mesmo. A
alternativa “A” está, igualmente, correta. Por partes: a) o
instrumento de contrato é obrigatório nos casos de concorrência e
tomada de preços (...) e b) (...) sendo dispensável em algumas
hipóteses de inexigibilidade e dispensa de licitação, COMO, POR
EXEMPLO, PARA VALORES INFERIORES A R$ 80 MIL OU R$
150 MIL, CONFORME O CASO. SENDO POSSÍVEL A CARTA-
CONTRATO, NOTA DE EMPENHO DE DESPESA, AUTORIZAÇÃO
DE COMPRA, ORDEM DE EXECUÇÃO DE SERVIÇO.

Gabarito: ANULADA.

4. (2011/FCC – TRE-TO – Analista Judiciário) De acordo com


a Lei no 8.666/93 (Lei de Licitações), os interessados em
participar de licitação, na modalidade convite:

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(A) Como regra, são convidados em número mínimo de três pela


unidade administrativa.
(B) Não precisam ser necessariamente do ramo pertinente ao objeto
do convite.
(C) Devem ser previamente cadastrados.
(D) Não poderão participar, os cadastrados na correspondente
especialidade, ainda que manifestem interesse até vinte e quatro
horas antes da apresentação das propostas.
(E) São convocados obrigatoriamente por meio da publicação do
edital na Imprensa Oficial.
Comentários:
A resposta é letra “A”. O número mínimo de propostas válidas é de
três. A seguir, vejamos os erros nos demais itens.
(B) Não precisam ser necessariamente do ramo pertinente ao objeto
do convite. ASSIM, NÃO PODE UM ADVOGADO SER CONVIDADO
PARA SERVIÇO DE ENGENHARIA.
(C) Devem PODEM ser previamente cadastrados, AFINAL O
CONVITE É EFETUADO ÀS EMPRESAS CADASTRADAS OU NÃO.
(D) Não poderão participar os cadastrados na correspondente
especialidade, ainda que DESDE QUE manifestem interesse até vinte
e quatro horas antes da apresentação das propostas.
(E) São convocados obrigatoriamente por meio da publicação do
edital na Imprensa Oficial. A PUBLICIDADE DO CONVITE PODE
SER RESTRITA À AFIXAÇÃO EM QUADRO DE AVISOS DA
ADMINISTRAÇÃO.
Gabarito: alternativa A.

5. (2011/FCC – TCE/SP – Procurador) A mutabilidade do


contrato administrativo é
(A) prerrogativa inerente a qualquer das partes, desde que vise ao
restabelecimento do equilíbrio econômico-financeiro.
(B) passível de ser invocada pelo particular contratado, nos casos de
álea empresarial que resulte no desequilíbrio econômico financeiro do
contrato.
(C) dever da Administração Pública de rescindir unilateralmente o
contrato nos casos de álea econômica, fato da Administração ou força
maior.
(D) faculdade atribuída às partes para, nos casos de fato da
administração, imprevisível, possibilitar a alteração unilateral do
contrato.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(E) característica que permite à Administração Pública a alteração


unilateral e limitada do contrato.
Comentários:
A palavra mutabilidade quer indicar mudança, alteração, ou seja, os
contratos celebrados pelo Poder Público não são pétreos, imutáveis,
estáticos, funcionam exatamente em sentido reverso, são maleáveis,
alteráveis, e dinâmicos.
A Administração Pública, como parte contratante, faz jus a fortes
prerrogativas, como, por exemplo, a alteração unilateral das
cláusulas regulamentares ou de serviços, o que traduz a ideia de que
o contrato é mutável, daí a correção da alternativa E.
Abaixo, os erros nos quesitos.
(A) prerrogativa inerente a qualquer das partes DO PARTICULAR,
desde que vise ao restabelecimento do equilíbrio econômico-
financeiro, SENDO DEVER DO ESTADO A MUDANÇA DO
CONTRATO PARA O RESTABELECIMENTO DO EQUILÍBRIO
ECONÔMICO-FINANCEIRO.
(B) passível de ser invocada pelo particular contratado, nos casos de
álea empresarial EXTRAORDINÁRIA que resulte no desequilíbrio
econômico financeiro do contrato.
(C) dever da Administração Pública de rescindir unilateralmente
REEQUILIBRAR o contrato nos casos de álea econômica, fato da
Administração ou força maior.
(D) faculdade atribuída às partes para DEVER DO ESTADO, nos
casos de fato da administração, imprevisível, possibilitar a alteração
unilateral do O contrato.
Gabarito: alternativa E.

6. (2011/FCC – TCE/SP – Procurador) A Administração


Pública realizou licitação para venda de ativos mobiliários à
vista. Venceu o licitante que apresentou proposta de maior
valor. Em razão de oscilações no mercado financeiro, o
licitante apresentou, posteriormente, requerimento para
parcelamento do valor ofertado. A Administração Pública
deverá
(A) indeferir o pedido, com base no princípio da publicidade.
(B) deferir o pedido, com fundamento no princípio da legalidade, já
que não há vedação expressa.
(C) indeferir o pedido, com base no princípio da vinculação ao
instrumento convocatório.
(D) deferir o pedido, em razão do princípio da manutenção do
equilíbrio econômico-financeiro.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 7 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(E) deferir o pedido, com base no princípio do julgamento objetivo


das propostas, desde que as parcelas sejam atualizadas
monetariamente.
Comentários:
A regra do jogo é clara: pagamento à vista! Portanto, a
Administração deve indeferir o pleito em nome do princípio da
vinculação ao instrumento convocatório.
Gabarito: alternativa C.

7. (2011/FCC – TCE/SP – Procurador) Uma hipótese expressa


na Lei no 8.666/93 de dispensa de licitação é:
(A) A contratação de profissional de setor artístico, consagrado pela
crítica especializada.
(B) Alienação por investidura ao proprietário de imóvel lindeiro de
área remanescente de obra pública, por valor não superior a R$
150.000,00.
(C) Quando tiver havido licitação anterior para o mesmo objeto que
tenha resultado deserta e desde que o valor do objeto não ultrapasse
R$ 150.000,00.
(D) Aquisição de bens produzidos por empresa privada que tenha
vencido a última licitação com o mesmo objeto.
(E) Venda de um imóvel de uma autarquia estadual para uma
autarquia federal.
Comentários:
As questões de FCC, na parte de licitações, são perigosas. Exige-nos
atenção redobrada, afinal a banca troca vírgula por ponto. Vejamos.
A resposta é letra “E”, como decorre da literalidade do art. 17 da LLC.
A seguir os erros.
A letra “A” trata de hipótese de licitação inexigível.
A letra “B” é sempre tema em provas de FCC. A tal investidura. No
caso, o valor não pode ser superior a R$ 40 mil ou 50% da
modalidade convite para compra e serviços que não de engenharia
(50*R$ 80 mil).
A letra “C” está errada porque não há limitação de valor para sua
aplicação. Assim, em tese, é possível realizarmos a licitação pregão
para a contratação de serviços de informática na ordem de R$ 2
bilhões e não comparecer qualquer empresa, o que facultará a
Administração à contratação direta dos serviços.
A letra “D” foi brincadeirinha da banca. Dispensa comentários.
Gabarito: alternativa “E”.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

8. (2011/FCC – TJUPE – Juiz-substituto) É regra estranha ao


tratamento legal da modalidade de licitação dita pregão, em
termos de normas gerais, a que determina que:
(A) no curso da sessão, o autor da oferta de valor mais baixo e os
das ofertas com preços até 20% superiores àquela poderão fazer
novos lances verbais e sucessivos, até a proclamação do vencedor.
(B) o prazo fixado para a apresentação das propostas, contado a
partir da publicação do aviso, não será inferior a 8 dias úteis.
(C) para julgamento e classificação das propostas, será adotado o
critério de menor preço, observados os prazos máximos para
fornecimento, as especificações técnicas e parâmetros mínimos de
desempenho e qualidade definidos no edital.
(D) examinada a proposta classificada em primeiro lugar, quanto ao
objeto e valor, caberá ao pregoeiro decidir motivadamente a respeito
da sua aceitabilidade.
(E) encerrada a etapa competitiva e ordenadas as ofertas, o
pregoeiro procederá à abertura do invólucro contendo os documentos
de habilitação do licitante que apresentou a melhor proposta, para
verificação do atendimento das condições fixadas no edital.
Comentários:
Questão bem tranquilinha. O percentual utilizado para conjugar as
empresas participantes na fase de lances verbais e sucessivos é de
10% superiores à oferta de valor mais baixo.
Gabarito: alternativa A.

9. (2011/FCC – Nossa Caixa – Advogado) A empresa X, após


sagrar-se vencedora de procedimento licitatório, celebrou
contrato administrativo com o Poder Público para o
fornecimento de determinado produto. Após a celebração do
contrato, adveio uma greve de trabalhadores que paralisou,
indefinidamente, a fabricação do produto, impedindo a
execução contratual. Conforme previsto na Lei de Licitações e
Contratos Administrativos (Lei no 8666/93), o fato narrado:
(A) constitui evento absolutamente previsível, que não traz qualquer
consequência ao mencionado contrato administrativo.
(B) caracteriza hipótese de fato da Administração, que não é causa
impeditiva da execução contratual, mas apenas criadora de maior
dificuldade.
(C) constitui motivo para a rescisão do contrato administrativo.
(D) caracteriza hipótese de fato do príncipe, sendo necessária a
revisão contratual.
(E) constitui motivo para o reajustamento contratual.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 9 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Comentários:
Questão excelente! Vamos relembrar o que aprendemos sobre a
teoria da imprevisão.
A Teoria da Imprevisão, como o próprio nome já indica, refere-se a
situações imprevisíveis e supervenientes à apresentação das
propostas, estranhas à vontade das partes, delas desconhecidas, de
natureza extraordinária e extracontratual, logo, inevitáveis e
que provocam forte e insuportável desequilíbrio da equação
econômico-financeira. É reconhecida ainda a aplicação da teoria para
fatos previsíveis, porém de consequências incalculáveis.
Existem alguns requisitos para o restabelecimento do equilíbrio
econômico-financeiro do contrato, em razão da aplicação da teoria da
imprevisão. Assim, o fato que justifica a aplicação da teoria da
imprevisão deverá ser:

a) Dotado de imprevisibilidade razoável quanto à sua


ocorrência ou quanto às suas consequências;
b) Estranho à vontade das partes;
c) Excessivamente onerosos em relação a uma das partes;
d) Correspondente a álea extraordinário e
extracontratual, logo, não o simples risco empresarial.

Abaixo, serão examinadas, sinteticamente, as circunstâncias que


conferem a característica de mutabilidade (de alteridade) aos
contratos administrativos (áleas extraordinárias): fato do
príncipe; fato da administração; caso fortuito e força maior; e
interferências imprevistas.

A – Fato do Príncipe (álea administrativa)


A Lei de Licitações acolheu expressamente a aplicação da teoria da
imprevisão, no entanto, não nos fornece conceitos das situações que
a ensejam. Vejamos o que estabelece o art. 65, inc. II, alínea “d”:

“d) para restabelecer a relação que as partes


pactuaram inicialmente entre os encargos do
contratado e a retribuição da Administração para a
justa remuneração da obra, serviço ou fornecimento,
objetivando a manutenção do equilíbrio econômico-
financeiro inicial do contrato, na hipótese de sobrevirem
fatos imprevisíveis, ou previsíveis porém de
consequências incalculáveis, retardadores ou
impeditivos da execução do ajustado, ou ainda, em
caso de força maior, caso fortuito ou fato do
príncipe, configurando álea econômica
extraordinária e extracontratual.”

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 10 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

O fato do príncipe, decorrente de ato geral do Poder Público, não


como parte contratual (Estado-administrador), mas como Estado-
império (príncipe), pode ser definido como uma determinação
estatal, geral, imprevista e imprevisível, positiva ou negativa,
que onera substancialmente a execução do contrato
administrativo.
Ou seja, a greve, na questão ora analisada, não é fato do Príncipe.
Assim, afastamos a correção da alternativa D.

B – Fato da Administração
De início, é oportuno esclarecer que o fato da administração não
se confunde com o fato do príncipe, pois, enquanto o fato do
príncipe incide de forma reflexa no contrato, desequilibrando a
economia do contrato; o fato da Administração relaciona-se
diretamente com o contrato. Embora distintos, têm efeitos bem
próximos, pois, a depender do caso concreto, podem acarretar até
mesmo a rescisão do contrato ou a necessidade de revisão.

Os incisos XIII a XVI do art. 78 do Estatuto de Licitações fornece-nos


exemplos de fatos da administração:

XIII – a supressão, por parte da Administração, de


obras, serviços ou compras, acarretando
modificação do valor inicial do contrato além do limite
permitido no § 1o do art. 65 desta Lei;
XIV – a suspensão de sua execução, por ordem
escrita da Administração, por prazo superior a 120
(cento e vinte) dias, salvo em caso de calamidade
pública, grave perturbação da ordem interna ou guerra,
ou ainda por repetidas suspensões que totalizem o
mesmo prazo, independentemente do pagamento
obrigatório de indenizações pelas sucessivas e
contratualmente imprevistas desmobilizações e
mobilizações e outras previstas, assegurado ao
contratado, nesses casos, o direito de optar pela
suspensão do cumprimento das obrigações assumidas
até que seja normalizada a situação;
XV – o atraso superior a 90 (noventa) dias dos
pagamentos devidos pela Administração
decorrentes de obras, serviços ou fornecimento, ou
parcelas destes, já recebidos ou executados, salvo em
caso de calamidade pública, grave perturbação da
ordem interna ou guerra, assegurado ao contratado o
direito de optar pela suspensão do cumprimento de
suas obrigações até que seja normalizada a situação; e
XVI – a não liberação, por parte da Administração,
de área, local ou objeto para execução de obra,
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 11 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

serviço ou fornecimento, nos prazos contratuais,


bem como das fontes de materiais naturais
especificadas no projeto.

Assim, certamente a resposta não pode ser alternativa “B”,


pois a greve não advém de manifestação do Estado.

C – Caso fortuito e Força Maior


A doutrina não é unânime quanto aos conceitos dos institutos, por
essa razão, acompanharemos o posicionamento DE PARTE DA
DOUTRINA, o qual é o mais adotado a título de concursos públicos,
com a ressalva de que não existem verdades absolutas.
A força maior é definida como sendo o evento humano que, por
imprevisível e inevitável, cria a impossibilidade material de regular
execução do contrato. São exemplos: greve que paralise os
transportes ou a fabricação de um produto que dependa a regular
execução do contrato.
Já o caso fortuito é evento da natureza também inevitável e
imprevisível gerador de impossibilidade total de regular execução
do contrato. São exemplos: tufão destruidor em região não sujeita a
esse tipo de fenômeno e inundação imprevisível que cubra o local
da obra.
Então. Encontramos a resposta. A greve, para parte da
doutrina, é considerada força maior, sendo uma das
consequências a rescisão do contrato, donde decorre a
correção da alternativa “C”.
Uma última observação. O erro da alternativa “E” está no termo
“reajuste”. A teoria da imprevisão acarreta, conforme o caso, a
revisão ou recomposição. O reajuste é feito por apostilamento, sendo
conhecido previamente pelas partes.
Gabarito: alternativa C.

10. (2011/FCC – TRE/TO – Analista Judiciário) Constitui


motivo para rescisão do contrato administrativo:
(A) a alteração social ou a modificação da finalidade ou da estrutura
da empresa, que prejudique a execução do contrato.
(B) o atraso superior a sessenta dias dos pagamentos devidos pela
Administração decorrentes de obra já recebida.
(C) o atraso no início da obra, serviço ou fornecimento, ainda que
justificado.
(D) a supressão, por parte da Administração, de obras, serviços ou
compras, acarretando modificação do valor contratual em vinte e
cinco por cento do valor inicial atualizado do contrato.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 12 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(E) a ocorrência de caso fortuito ou força maior, regularmente


comprovados, mesmo quando não impeditivos da execução
contratual.
Comentários:
A resposta é a letra “A”. Abaixo, vejamos os erros nos demais
quesitos.
(B) o atraso superior a sessenta NOVENTA dias dos pagamentos
devidos pela Administração decorrentes de obra já recebida EM
EXECUÇÃO AUTORIZA A EMPRESA A COMUNICAR A
SUSPENSÃO.
(C) o atraso no início da obra, serviço ou fornecimento, ainda que
DESDE QUE NÃO justificado.
(D) a supressão, por parte da Administração, de obras, serviços ou
compras, acarretando modificação do valor contratual em vinte e
cinco por cento do valor inicial atualizado do contrato. ISSO É UMA
CLÁUSULA EXORBITANTE.
(E) a ocorrência de caso fortuito ou força maior, regularmente
comprovados, mesmo quando não SE impeditivos da execução
contratual.
Gabarito: alternativa A.

11. (2011/FCC – TRE/TO – Analista Judiciário)35. No que


concerne aos princípios das licitações, é correto afirmar:
(A) O desrespeito ao princípio da vinculação ao instrumento
convocatório não torna inválido o procedimento licitatório.
(B) Apenas o licitante lesado tem direito público subjetivo de
impugnar judicialmente procedimento licitatório que não observou
ditames legais.
(C) A licitação não será sigilosa, sendo públicos todos os atos de seu
procedimento, como por exemplo, o conteúdo das propostas,
inclusive quando ainda não abertas.
(D) É possível a abertura de novo procedimento licitatório, ainda que
válida a adjudicação anterior.
(E) A Administração não poderá celebrar o contrato com preterição da
ordem de classificação das propostas, sob pena de nulidade.
Comentários:
A letra “E” é a resposta. Abaixo, os erros nos demais itens.
(A) O desrespeito ao princípio da vinculação ao instrumento
convocatório não torna inválido o procedimento licitatório.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 13 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(B) Apenas o licitante e OS ADMINISTRADOS lesados têm direito


público subjetivo de impugnar judicialmente procedimento licitatório
que não observou ditames legais.
(C) A licitação não será sigilosa, sendo públicos todos os atos de seu
procedimento, como por exemplo, EXCEÇÃO FEITA, POR
EXEMPLO, AO conteúdo das propostas, inclusive quando ainda não
abertas.
(D) É possível a abertura de novo procedimento licitatório, ainda que
válida a adjudicação anterior.
Gabarito: alternativa E.

12. (2011/FCC - TJU/AP - Cartório) Acerca da rescisão do


contrato administrativo, é correto afirmar:
(A) Não cabe falar em rescisão judicial de um contrato administrativo
por motivo de inadimplemento pela Administração, dada a posição de
supremacia desta em relação ao particular.
(B) O mero atraso no início da obra, serviço ou fornecimento, ainda
que injustificado, não é motivo para rescisão do contrato
administrativo.
(C) Sendo inviável a rescisão amigável, o Poder Público poderá
rescindir unilateralmente o contrato, com fundamento no exercício de
seu poder hierárquico.
(D) A rescisão unilateral tem caráter sancionador e desobriga o Poder
Público do pagamento de indenizações ou ressarcimento de prejuízos
ao contratado.
(E) A comprovada ocorrência de caso fortuito ou força maior que
impeça a execução do contrato administrativo autoriza a sua rescisão
unilateral pelo Poder Público.
Comentários:
A ocorrência de caso fortuito ou força maior autoriza a rescisão pelo
Poder Público, daí a correção da alternativa E.
(A) Não cabe falar em rescisão judicial de um contrato administrativo
por motivo de inadimplemento pela Administração, dada APESAR DA
posição de supremacia desta em relação ao particular.
(B) O mero atraso no início da obra, serviço ou fornecimento, ainda
que injustificado SE JUSTIFICADO, não é motivo para rescisão do
contrato administrativo.
(C) Sendo inviável a rescisão amigável, o Poder Público poderá
rescindir unilateralmente o contrato, com fundamento no exercício de
seu poder hierárquico, NÃO SENDO NECESSÁRIO RECORRER A
RESCISÃO AMIGÁVEL.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 14 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(D) A rescisão unilateral NEM SEMPRE tem caráter sancionador,


NÃO desobrigando o Poder Público do pagamento de indenizações ou
ressarcimento de prejuízos ao contratado.
Gabarito: alternativa E.

13. (2011/FCC – TCE-PR – Analista Contábil) Em contratos


administrativos regidos pela Lei no 8.666/93,
(A) a alteração qualitativa, não é admitida mas apenas a quantitativa,
para acréscimos ou supressões do objeto contratado, até o limite de
50% do valor inicial atualizado do contrato.
(B) a alteração qualitativa é admitida, quando houver modificação do
projeto ou das especificações, vedadas alterações quantitativas.
(C) a alteração qualitativa ou quantitativa do seu objeto, não é
admitida em face do princípio da vinculação ao instrumento
convocatório.
(D) admitem-se acréscimos quantitativos, no limite de 25% do valor
inicial atualizado do contrato, podendo chegar a 50% no caso de
reforma de edifício ou equipamento.
(E) a supressão de obras, serviços ou compras contratados, não é
admitida exceto com a expressa concordância do contratado.
Comentários:
Questão “batidinha” de prova. A alteração unilateral, incidente sobre
as cláusulas de serviços ou regulamentares, tanto pode quantitativa
como qualitativa, para acréscimos ou supressões de até 25%. No
entanto, para reforma de edifício ou equipamento, o percentual pode
chegar até 50%, só para acréscimos.
Gabarito: alternativa D.

14. (2011/FCC – TCE-PR – Analista Contábil) De acordo com


legislação que rege licitações e contratos administrativos, são
ADEQUADAS as modalidades licitatórias:
(A) tomada de preços para aquisição de bens de natureza comum e
convite para contratação de serviços de natureza comum, em ambos
os casos, independentemente do valor estimado.
(B) leilão para alienação de bens móveis e imóveis avaliados em até
R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) e concorrência
para alienação de bens móveis e imóveis acima deste valor.
(C) pregão para aquisição de bens de natureza comum e para
alienação de bens inservíveis e convite para compras de até R$
80.000,00 (oitenta mil reais).

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 15 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(D) concurso para contratação de serviços técnicos especializados e


tomada de preços para compras até R$ 1.500.000,00 (um milhão e
quinhentos mil reais).
(E) concorrência para concessões e para alienação de imóveis de
qualquer valor e pregão para aquisição de bens e serviços comuns.
Comentários:
A resposta é letra “E”. O objeto do pregão é a aquisição de bens e
serviços comuns. Revimos, ainda, que, para determinados objetos, a
concorrência se impõe, como, por exemplo, nas concessões de direito
real e alienação de imóveis. Vamos aos erros.
(A) tomada de preços PREGÃO para aquisição de bens de natureza
comum e convite PREGÃO para contratação de serviços de natureza
comum, em ambos os casos, independentemente do valor estimado.
(B) leilão para alienação de bens móveis e imóveis avaliados em até
R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) 650 MIL,
QUANDO DECORRENTES DE DAÇÃO EM PAGAMENTO OU
PROCEDIMENTO JUDICIAL, e concorrência para alienação de bens
móveis e imóveis acima deste valor.
(C) pregão para aquisição de bens de natureza comum e LEILÃO
para alienação de bens inservíveis e convite para compras de até R$
80.000,00 (oitenta mil reais).
(D) concurso para contratação de serviços técnicos especializados e
tomada de preços para compras até R$ 650 MIL 1.500.000,00 (um
milhão e quinhentos mil reais).
Gabarito: alternativa E.

15. (2011/FCC – TCE-PR – Analista Contábil) De acordo com


a Lei no 8.666/93, as exigências relativas à qualificação
econômico-financeira dos licitantes:
(A) restringem-se à apresentação de certidões negativas de falência e
recuperação judicial e de balanço e demonstrações financeiras do
último exercício, admitindo-se a exigência de garantia apenas para
objetos de grande vulto e alta complexidade.
(B) compreendem a apresentação de balanço e demonstrações
contábeis do último exercício social que comprovem a boa situação
financeira da empresa, vedada a exigência valores mínimos de
faturamento anterior e de índices de rentabilidade ou lucratividade.
(C) não podem contemplar a apresentação de garantia de execução
do contrato, podendo-se, contudo, exigir dos licitantes a
apresentação de índices que comprovem a capacidade financeira e
faturamento anterior, compatíveis com o objeto da licitação.
(D) podem contemplar a exigência de garantia, na forma de caução
em dinheiro, seguro-garantia ou fiança bancária, limitada a 5% do
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 16 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

valor estimado da contratação, vedada a exigência simultânea de


índices de rentabilidade.
(E) restringem-se à apresentação de certidões negativas de falência e
recuperação judicial e relação de compromissos que possam
comprometer a capacidade de execução do objeto licitado, vedada a
exigência de apresentação de balanço ou balancetes.
Comentários:
Não é uma questão trivial. A resposta é letra “A”. Nos termos do inc.
I do art. 31 da Lei de Licitações:

Art. 31. A documentação relativa à qualificação econômico-


financeira limitar-se-á a:

I - balanço patrimonial e demonstrações contábeis do último


exercício social, já exigíveis e apresentados na forma da lei,
que comprovem a boa situação financeira da empresa, vedada
a sua substituição por balancetes ou balanços provisórios,
podendo ser atualizados por índices oficiais quando encerrado
há mais de 3 (três) meses da data de apresentação da
proposta;

II - certidão negativa de falência ou concordata expedida pelo


distribuidor da sede da pessoa jurídica, ou de execução
patrimonial, expedida no domicílio da pessoa física;

III - garantia, nas mesmas modalidades e critérios previstos no


"caput" e § 1o do art. 56 desta Lei, limitada a 1% (um por
cento) do valor estimado do objeto da contratação.

§ 1o A exigência de índices limitar-se-á à demonstração da


capacidade financeira do licitante com vistas aos compromissos
que terá que assumir caso lhe seja adjudicado o contrato,
vedada a exigência de valores mínimos de faturamento
anterior, índices de rentabilidade ou lucratividade. (Redação
dada pela Lei nº 8.883, de 1994)

§ 2o A Administração, nas compras para entrega futura e na


execução de obras e serviços, poderá estabelecer, no
instrumento convocatório da licitação, a exigência de capital
mínimo ou de patrimônio líquido mínimo, ou ainda as garantias
previstas no § 1o do art. 56 desta Lei, como dado objetivo de
comprovação da qualificação econômico-financeira dos licitantes
e para efeito de garantia ao adimplemento do contrato a ser
ulteriormente celebrado.

§ 3o O capital mínimo ou o valor do patrimônio líquido a que se


refere o parágrafo anterior não poderá exceder a 10% (dez por
cento) do valor estimado da contratação, devendo a
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 17 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

comprovação ser feita relativamente à data da apresentação da


proposta, na forma da lei, admitida a atualização para esta data
através de índices oficiais.

§ 4o Poderá ser exigida, ainda, a relação dos compromissos


assumidos pelo licitante que importem diminuição da
capacidade operativa ou absorção de disponibilidade financeira,
calculada esta em função do patrimônio líquido atualizado e sua
capacidade de rotação.

Gabarito: alternativa A.

16. (2011/FCC – TRE-PE – Técnico Judiciário) A Prefeitura


Municipal de Recife pretende contratar uma empresa para
realização de uma obra de engenharia na cidade. O valor do
contrato está estabelecido em R$ 10.000,00. Neste caso,
a) a Prefeitura Municipal deverá promover a licitação na modalidade
tomada de preços.
b) está dispensada a realização de licitação, tendo em vista o valor da
obra estabelecido.
c) a licitação é inexigível, tendo em vista o valor da obra
estabelecido.
d) a Prefeitura Municipal deverá promover a licitação na modalidade
convite.
e) a Prefeitura Municipal deverá promover a licitação na modalidade
leilão.
Comentários:
A licitação é dispensável em razão do valor. No caso, até 10% da
modalidade convite. O convite para obras e serviços de engenharia é
aplicável até R$ 150 mil, sendo dispensável, portanto, até R$ 15 mil.
Daí a correção da letra B.
Gabarito: alternativa B.

17. (2011/FCC – TRE-PE – Analista/Judiciária) A empresa


Macro Engenharia Ltda. celebrou contrato administrativo com
o Estado de Pernambuco para a execução de determinada obra
pública, a ser realizada no prazo de dois anos. Após seis
meses da data da assinatura do contrato, houve a dissolução
da referida sociedade empresária. Tal fato:
a) não enseja qualquer providência, bastando que a empresa
comunique a Administração Pública do fato ocorrido.
b) constitui motivo para a rescisão do contrato administrativo, por ato
escrito e unilateral da Administração Pública.
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 18 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

c) constitui motivo para a alteração do contrato administrativo, a ser


efetivada unilateralmente pela Administração Pública.
d) acarretará a rescisão do contrato administrativo, que deverá,
obrigatoriamente, ser realizada judicialmente, nos termos da
legislação.
e) é causa de alteração do contrato administrativo, por acordo entre
as partes.
Comentários:
Questão bem tranquilinha. A dissolução é motivo de rescisão, no
caso, unilateral, daí a correção da alternativa B.
Gabarito: alternativa B.

18. (2011/FCC – TRE-PE – Analista/Judiciária) Nos termos da


Lei no 8.666/93, no que concerne ao sistema de registro de
preços, está correto asseverar:
a) Deve haver estipulação prévia do sistema de controle e atualização
dos preços registrados.
b) O registro de preços não necessita ser precedido de ampla
pesquisa de mercado.
c) Os preços registrados serão publicados semestralmente para
orientação da Administração, na imprensa oficial.
d) O sistema de registro de preços será regulamentado por Lei
Complementar, atendidas as peculiaridades regionais.
e) A validade do registro de preços deve ser superior a dois anos.
Comentários:
Algumas regras previstas, expressamente, na Lei de Licitações (art.
15) acerca do registro de preços. Vejamos:

- O registro de preços será precedido de ampla pesquisa de mercado,


daí a incorreção da letra B.

- Os preços registrados serão publicados trimestralmente para


orientação da Administração, na imprensa oficial, daí a incorreção da
letra C.

- O sistema de registro de preços será regulamentado por decreto,


atendidas as peculiaridades regionais, observadas as seguintes
condições (incorreção da letra D, que fala em Lei
Complementar):

I - seleção feita mediante concorrência;

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 19 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

II - estipulação prévia do sistema de controle e atualização dos


preços registrados (RESPOSTA: ALTERNATIVA A);

III - validade do registro não superior a um ano, daí a


incorreção da letra “E”.

- A existência de preços registrados não obriga a Administração a


firmar as contratações que deles poderão advir, ficando-lhe facultada
a utilização de outros meios, respeitada a legislação relativa às
licitações, sendo assegurado ao beneficiário do registro preferência
em igualdade de condições.

- O sistema de controle originado no quadro geral de preços, quando


possível, deverá ser informatizado.

- Qualquer cidadão é parte legítima para impugnar preço constante


do quadro geral em razão de incompatibilidade desse com o preço
vigente no mercado.

Gabarito: alternativa A.

19. (2011/FCC – TCE-SE – Analista) Em casos de emergência


ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de
atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou
comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços,
equipamentos e outros bens necessários ao atendimento de
situação emergencial ou calamitosa, o procedimento licitatório
é:
(A) inexigível.
(B) obrigatório.
(C) imprescindível.
(D) dispensável.
(E) vedado.
Comentários:
O inc. IV do art. 24 da LLC faculta o administrador à contratação
direta dos serviços. Como revimos, o rol do art. 24 da Lei cuida dos
casos de licitação dispensável.
Gabarito: alternativa D.

20. (2011/FCC – TCE-SE – Analista) Sobre os contratos


administrativos, é correto afirmar:
(A) Traço característico dos contratos administrativos é sua
imutabilidade.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 20 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(B) O particular poderá, via de regra, socorrer-se da cláusula de


exceção do contrato não cumprido.
(C) A retomada do objeto contratual pela Administração Pública
deverá ocorrer depois de proferida sentença judicial de mérito.
(D) A presença de cláusulas exorbitantes em contrato administrativo
enseja a anulação deste, dada a contrariedade existente em relação
ao direito positivo vigente.
(E) A duração dos contratos administrativos poderá ultrapassar a
vigência dos respectivos créditos orçamentários, quando se tratar de
contrato de prestação de serviços executados de forma contínua.
Comentários:
A resposta é letra E. Sobre o tema, vamos rever um dos esquemas
do Sapo-da-Vez.

Agora, passemos às incorreções.


(A) Traço característico dos contratos administrativos é sua
imutabilidade MUTABILIDADE.
(B) O particular NÃO poderá, via de regra, socorrer-se da cláusula de
exceção do contrato não cumprido. DEVE AGUARDAR O
INADIMPLEMENTO ACIMA DE 90 DIAS.
(C) A retomada do objeto contratual pela Administração Pública
deverá ocorrer depois de proferida DISPENSA sentença judicial de
mérito, PODENDO OCORRER DE FORMA UNILATERAL.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 21 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(D) A presença de cláusulas exorbitantes em contrato administrativo


É INERENTE À ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, HAJA VISTA A
SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO SOBRE O PRIVADO
enseja a anulação deste, dada a contrariedade existente em relação
ao direito positivo vigente.
Gabarito: alternativa E.

21. (2011/FCC – TCE-SE – Jurídico) Segundo a Lei no


10.520/02,
(A) as compras de bens comuns, quando efetuadas pelo sistema de
registro de preços, poderão adotar a modalidade pregão.
(B) o prazo de validade das propostas no pregão é de 90 (noventa)
dias, se outro não tiver sido fixado em edital.
(C) o pregão é a modalidade licitatória empregada para aquisição de
bens e serviços de baixo valor, sendo assim definidas em lei as
aquisições de até R$ 8.000,00 (oito mil reais).
(D) o prazo para apresentação das propostas no pregão não será
inferior a 15 (quinze) dias úteis, contados a partir da publicação do
aviso.
(E) o pregoeiro designado por autoridade competente deverá ser
pessoa que não integre o quadro de servidores do órgão ou entidade
promotora da licitação.
Comentários:
Revimos que o registro de preços na Lei de Licitações exige a
realização de concorrência. Acontece que, mais recentemente,
autorizou-se o uso do pregão para bens e serviços comuns. Daí a
correção da letra A.
Vamos aos erros.
(B) o prazo de validade das propostas no pregão é de 90 (noventa)
60 dias, se outro não tiver sido fixado em edital.
(C) o pregão é a modalidade licitatória empregada para aquisição de
bens e serviços, INDEPENDENTEMENTE DOS VALORES
ENVOLVIDOS de baixo valor, sendo assim definidas em lei as
aquisições de até R$ 8.000,00 (oito mil reais).
(D) o prazo para apresentação das propostas no pregão não será
inferior a 15 (quinze) dias CINCO DIAS úteis, contados a partir da
publicação do aviso.
(E) o pregoeiro designado por autoridade competente deverá ser
pessoa que não integre o quadro de servidores do órgão ou entidade
promotora da licitação.
Gabarito: alternativa A.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 22 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

22. (2011/FCC – TCE-SE – Coordenador de Técnicas)


Constitui hipótese legal de dispensa de licitação a:
(A) contratação de profissional de setor artístico consagrado pela
crítica especializada ou pela opinião pública.
(B) aquisição de materiais, equipamentos ou gêneros que só possam
ser fornecidos por produtor, empresa ou representante comercial
exclusivo.
(C) contratação de remanescente de obra, em consequência de
rescisão contratual, atendida a ordem de classificação da licitação
anterior e aceitas as mesmas condições oferecidas pelo licitante
vencedor.
(D) contratação de estudo técnico de natureza singular realizado por
profissional de notória especialização.
(E) aquisição de bens em geral por entidades de Administração
Direta, em valor inferior a R$ 15.000,00 (quinze mil reais).
Comentários:
A resposta é letra C. Está-se diante da contratação direta do
remanescente. Vamos aos erros.
(A) contratação de profissional de setor artístico consagrado pela
crítica especializada ou pela opinião pública. INEXIGILIDADE.
(B) aquisição de materiais, equipamentos ou gêneros que só possam
ser fornecidos por produtor, empresa ou representante comercial
exclusivo. INEXIGIBILIDADE.
(D) contratação de estudo técnico de natureza singular realizado por
profissional de notória especialização. INEXIGIBILIDADE.
(E) aquisição de bens em geral SERVIÇOS DE ENGENHARIA OU
OBRAS por entidades de Administração Direta, em valor inferior a R$
15.000,00 (quinze mil reais). AS COMPRAS, EM GERAL, EM VALOR
INFERIOR A R$ 8 MIL.
Gabarito: alternativa C.

23. (2011/FCC – TCE-SE – Coordenador de Técnicas)


Consoante dispõe a Lei no 8.666/93, a:
(A) alienação de bens pela Administração, quando imóveis, será
precedida de autorização legislativa, avaliação prévia e licitação na
modalidade leilão, independentemente da forma de aquisição.
(B) alienação de bens pela Administração, quando móveis, dependerá
de autorização legislativa e licitação na modalidade pregão.
(C) alienação de bens pela Administração, sejam eles móveis ou
imóveis, será precedida de autorização legislativa, avaliação prévia e
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 23 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

licitação nas modalidades concorrência para bens imóveis e tomada


de preços para bens móveis.
(D) Administração poderá conceder título de propriedade ou de
direito real de uso de imóveis, dispensada a licitação, quando o uso
destinar-se a outro órgão ou entidade da Administração Pública.
(E) fase de habilitação, na concorrência para a venda de bens
imóveis, limitar-se-á à comprovação do recolhimento de quantia
correspondente a 10% da avaliação.
Comentários:
A resposta é letra “D”, nos termos do art. 17 da Lei.
Vamos aos erros.
(A) alienação de bens pela Administração, quando imóveis, será
precedida de autorização legislativa, avaliação prévia e licitação na
modalidade leilão CONCORRÊNCIA, independentemente da forma
de aquisição, FACULTANDO-SE O USO DE LEILÃO SE A
AQUISIÇÃO FOI POR DAÇÃO EM PAGAMENTO OU
PROCEDIMENTO JUDICIAL.
(B) alienação de bens pela Administração, quando móveis, dependerá
INDEPENDE de autorização legislativa e licitação SERÁ na
modalidade pregão LEILÃO PARA VALORES NÃO SUPERIORES A
R$ 650 MIL.
(C) alienação de bens pela Administração, sejam eles móveis ou
imóveis, será precedida de autorização legislativa, avaliação prévia e
licitação nas modalidades concorrência para bens imóveis e tomada
de preços LEILÃO para bens móveis.
(E) fase de habilitação, na concorrência para a venda de bens
imóveis, limitar-se-á à comprovação do recolhimento de quantia
correspondente a 10% 5% da avaliação.
Gabarito: alternativa D.

24. (2011/FCC – Infraero – Administrador) Nos termos da


Lei no 8.666/1993, o edital de licitação indicará,
obrigatoriamente, dentre outras disposições,
(A) o critério de reajuste, que deverá retratar a variação potencial do
custo de produção.
(B) o objeto da licitação, em descrição detalhada e clara, vedada a
descrição sucinta.
(C) condições distintas de pagamento entre empresas brasileiras e
estrangeiras, no caso de licitações internacionais.
(D) se há projeto executivo disponível na data da publicação do edital
de licitação e o local onde possa ser examinado e adquirido.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 24 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(E) limites para pagamento de instalação e mobilização para


execução de obras ou serviços que serão previstos em conjunto com
as demais parcelas.
Comentários:
Abaixo, reproduzo, na íntegra, o art. 40 da Lei de Licitações.
Vejamos:

Art. 40. O edital conterá no preâmbulo o número de ordem em série


anual, o nome da repartição interessada e de seu setor, a
modalidade, o regime de execução e o tipo da licitação, a menção de
que será regida por esta Lei, o local, dia e hora para recebimento da
documentação e proposta, bem como para início da abertura dos
envelopes, e indicará, obrigatoriamente, o seguinte:

I - objeto da licitação, em descrição sucinta e clara (LETRA B);

II - prazo e condições para assinatura do contrato ou retirada dos


instrumentos, como previsto no art. 64 desta Lei, para execução do
contrato e para entrega do objeto da licitação;

III - sanções para o caso de inadimplemento;

IV - local onde poderá ser examinado e adquirido o projeto básico;

V - se há projeto executivo disponível na data da publicação do edital


de licitação e o local onde possa ser examinado e adquirido (LETRA
D – RESPOSTA);

VI - condições para participação na licitação, em conformidade com


os arts. 27 a 31 desta Lei, e forma de apresentação das propostas;

VII - critério para julgamento, com disposições claras e parâmetros


objetivos;

VIII - locais, horários e códigos de acesso dos meios de comunicação


à distância em que serão fornecidos elementos, informações e
esclarecimentos relativos à licitação e às condições para atendimento
das obrigações necessárias ao cumprimento de seu objeto;

IX - condições equivalentes de pagamento entre empresas brasileiras


e estrangeiras, no caso de licitações internacionais (LETRA C);

X - o critério de aceitabilidade dos preços unitário e global, conforme


o caso, permitida a fixação de preços máximos e vedados a fixação
de preços mínimos, critérios estatísticos ou faixas de variação em
relação a preços de referência, ressalvado o disposto nos parágrafos
1º e 2º do art. 48; (Redação dada pela Lei nº 9.648, de 1998)

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 25 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

XI - critério de reajuste, que deverá retratar a variação efetiva do


custo de produção, admitida a adoção de índices específicos ou
setoriais, desde a data prevista para apresentação da proposta, ou do
orçamento a que essa proposta se referir, até a data do
adimplemento de cada parcela; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de
1994) (LETRA B)

XIII - limites para pagamento de instalação e mobilização para


execução de obras ou serviços que serão obrigatoriamente previstos
em separado das demais parcelas, etapas ou tarefas;

XIV - condições de pagamento, prevendo:

a) prazo de pagamento não superior a trinta dias, contado a partir da


data final do período de adimplemento de cada parcela; (Redação
dada pela Lei nº 8.883, de 1994)

b) cronograma de desembolso máximo por período, em conformidade


com a disponibilidade de recursos financeiros;

c) critério de atualização financeira dos valores a serem pagos, desde


a data final do período de adimplemento de cada parcela até a data
do efetivo pagamento; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)

d) compensações financeiras e penalizações, por eventuais atrasos, e


descontos, por eventuais antecipações de pagamentos;

e) exigência de seguros, quando for o caso;

XV - instruções e normas para os recursos previstos nesta Lei;

XVI - condições de recebimento do objeto da licitação;

XVII - outras indicações específicas ou peculiares da licitação.

§ 1o O original do edital deverá ser datado, rubricado em todas as


folhas e assinado pela autoridade que o expedir, permanecendo no
processo de licitação, e dele extraindo-se cópias integrais ou
resumidas, para sua divulgação e fornecimento aos interessados.

§ 2o Constituem anexos do edital, dele fazendo parte integrante:

I - o projeto básico e/ou executivo, com todas as suas partes,


desenhos, especificações e outros complementos;

II - orçamento estimado em planilhas de quantitativos e preços


unitários; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 26 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

III - a minuta do contrato a ser firmado entre a Administração e o


licitante vencedor;

IV - as especificações complementares e as normas de execução


pertinentes à licitação.

§ 3o Para efeito do disposto nesta Lei, considera-se como


adimplemento da obrigação contratual a prestação do serviço, a
realização da obra, a entrega do bem ou de parcela destes, bem
como qualquer outro evento contratual a cuja ocorrência esteja
vinculada a emissão de documento de cobrança.

§ 4o Nas compras para entrega imediata, assim entendidas aquelas


com prazo de entrega até trinta dias da data prevista para
apresentação da proposta, poderão ser dispensadas: (Incluído pela
Lei nº 8.883, de 1994)

I - o disposto no inciso XI deste artigo; (Incluído pela Lei nº 8.883,


de 1994)

II - a atualização financeira a que se refere a alínea "c" do inciso XIV


deste artigo, correspondente ao período compreendido entre as datas
do adimplemento e a prevista para o pagamento, desde que não
superior a quinze dias. (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)

Gabarito: alternativa D.

25. (2011/FCC – Infraero – Administrador) O Ministério dos


Transportes realizou licitação, na modalidade concorrência
pública, para construção de um novo terminal aeroportuário
de passageiros. Ao iniciar a execução do contrato, a
Administração identificou a necessidade de algumas obras
adicionais àquelas descritas no edital. De acordo com a
legislação aplicável, a Administração
(A) não pode exigir qualquer alteração no contrato, em face do
princípio da intangibilidade do objeto e vinculação ao instrumento
convocatório.
(B) somente pode alterar o contrato, qualitativa ou
quantitativamente, se comprovar a superveniência de fato
imprevisível.
(C) pode alterar o contrato, independentemente da anuência do
contratado, acrescentando obras, até o limite de 25% (vinte e cinco
por cento) do valor originalmente contratado.
(D) pode alterar o contrato, sem qualquer limitação, desde que
comprove fato imprevisível e interesse público relevante e conte com
a anuência do contratado.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 27 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(E) somente pode alterar o contrato com a anuência do contratado e


até o limite de 25% (vinte e cinco por cento) do valor originalmente
contratado.
Comentários:
Questão de fixação. Alternativa C.
Gabarito: alternativa C.

26. (2011/FCC – Infraero – Administrador) Determinada


empresa foi contratada pela Administração para prestar
serviços de vigilância em prédios públicos. No curso do
trabalho, a empresa constatou que o preço avençado não seria
suficiente para remunerar seus serviços e solicitou a revisão
do valor do contrato. De acordo com a legislação aplicável, o
contratado
(A) possui direito à revisão, em face do princípio da manutenção do
equilíbrio econômico-financeiro, bastando a comprovação dos custos
efetivos dos insumos e da mão de obra relativos ao contrato.
(B) não possui direito à revisão, pois apenas contratos de obras
comportam reequilíbrio econômico-financeiro em razão de majoração
de custos diretos e indiretos.
(C) somente pode pleitear judicialmente a revisão contratual, que
deverá ser assegurada se comprovado que o preço ofertado era
inexequível.
(D) possui direito à revisão, tendo em vista a caracterização da
situação descrita como fato do príncipe.
(E) não possui direito à revisão, exceto se comprovar a ocorrência de
fato imprevisível ou previsível porém de consequências incalculáveis,
força maior, caso fortuito ou fato do príncipe, configurando álea
econômica extraordinária ou extracontratual.
Comentários:
A rigor, a empresa não tem direito à revisão. No entanto, perceba
que o item “E” ressalva a ocorrência da teoria da imprevisão.
Gabarito: alternativa E.

27. (2011/FCC – Infraero – Administrador) Leilão constitui a


modalidade licitatória aplicável para
(A) alienação de obras de arte, bens inservíveis para a Administração
e imóveis remanescentes de desapropriação.
(B) alienação de bens móveis inservíveis para a Administração,
produtos legalmente apreendidos ou penhorados e imóveis cuja

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 28 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

aquisição tenha derivado de procedimento judicial ou dação em


pagamento.
(C) alienação de bens móveis ou imóveis, inservíveis para a
Administração ou adquiridos em execução judicial, com valor limitado
a R$ 80.000,00 (oitenta mil reais).
(D) alienação de bens móveis, com valor limitado a R$ 80.000,00,
imóveis com valor limitado a R$ 150.000,00 e obras de arte de
qualquer valor.
(E) fornecimento de bens e serviços de natureza comum e alienação
de bens de pequeno valor.
Comentários:
Questão de fixação. Alternativa B.
Gabarito: alternativa B.

28. (2011/FCC – Infraero – Administrador) Determinada


empresa estatal pretende estruturar operação financeira para
antecipar o recebimento de créditos futuros e, com isso,
acelerar seu programa de investimentos. Para tanto, precisa
contratar serviços técnicos especializados. De acordo com a
legislação aplicável,
(A) pode efetuar a contratação, independentemente de procedimento
licitatório, caso a estatal atue em regime de competição com as
empresas privadas, hipótese em que não se submete aos princípios
aplicáveis à Administração.
(B) não pode, em hipótese alguma, efetuar a contratação sem
licitação prévia, pois, independentemente de ser empresa prestadora
de serviço público ou atuante no domínio econômico, sujeita-se aos
princípios aplicáveis à Administração.
(C) pode contratar com dispensa de licitação apenas se comprovada a
notória especialização da empresa a ser contratada.
(D) pode contratar com dispensa de licitação, desde que comprovado
interesse público relevante e necessidade de sigilo.
(E) pode contratar com inexigibilidade de licitação, desde que
comprovada a inviabilidade de competição, a notória especialização
do contratado e a singularidade do objeto.
Comentários:
Fornecedor exclusivo, contratação no setor artístico e serviços
técnicos especializados são situações que justificam a contratação
direta por inexigibilidade.
Gabarito: alternativa E.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 29 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

29. (2011/FCC – Infraero – Administrador) A Administração


iniciou procedimento licitatório para a contratação de projeto
básico de uma obra, porém, em face da decisão de contratar o
empreendimento futuro na modalidade de parceria público-
privada e não mais como obra pública, o projeto tornou-se
desnecessário. Diante dessa situação, poderá
(A) revogar o procedimento licitatório, desde que comprove razões de
interesse público decorrente de fato superveniente, pertinente e
suficiente para justificar tal conduta.
(B) anular o procedimento licitatório, desde que assegurado o
contraditório e a ampla defesa.
(C) anular ou revogar o procedimento licitatório somente se ainda
não procedida a abertura das propostas comerciais.
(D) anular ou revogar o procedimento licitatório, em qualquer fase,
somente com a concordância dos licitantes.
(E) revogar o procedimento licitatório, desde que conte com a
anuência de todos os licitantes, ou anulá-lo, assegurando o
contraditório e ampla defesa, desde que comprovada a ocorrência de
fato superveniente.
Comentários:
A questão é resolvida no detalhe. Perceba que não houve vício. Logo
não se está diante do dever de anular a licitação. Assim, resta-nos a
alternativa A.
Gabarito: alternativa A.

30. (2011/FCC – Infraero – Administrador) A modalidade


licitatória pregão
(A) aplica-se à aquisição ou alienação de bens e serviços comuns,
excluídas obras e serviços de engenharia.
(B) admite a apresentação de lances, após a abertura dos envelopes
de preços, por todos os licitantes que apresentaram propostas.
(C) faculta a inversão de fases, com a abertura dos envelopes
contendo as propostas de preços preliminarmente ao exame da
documentação de habilitação, a critério do pregoeiro.
(D) aplica-se à aquisição de bens e serviços comuns,
independentemente do valor estimado para a contratação.
(E) não se aplica à aquisição de bens e serviços de grande valor,
assim entendidos aqueles com preço de referência acima de R$
1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais).
Comentários:

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 30 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Questão maldosa. A letra “A”, alternativa abre-alas, abriga uma


pegadinha. O pregão não é utilização para alienações e o seu uso é
garantido para alguns serviços de engenharia. Assim, chegamos à
alternativa D.
Gabarito: alternativa D.

31. (2011/FCC – Infraero – Administrador) Determinado


órgão da Administração direta necessita adquirir, no decorrer
do exercício, suprimentos de informática com entrega
parcelada. Para tanto, pretende valer-se do Sistema de
Registro de Preços, cuja adoção pressupõe a
(A) realização de licitação na modalidade convite, pelo interessado ou
por outra entidade integrante da Administração direta ou indireta, no
âmbito da União, e credenciamento junto ao órgão gerenciador.
(B) existência de Ata de Registro de Preços, com validade máxima de
2 anos, e aceitação do pedido pelo órgão gerenciador, a quem
compete verificar a possibilidade de fornecimento das quantidades
demandadas.
(C) existência de Ata de Registro de Preços, ainda que oriunda de
licitação procedida por outro órgão ou entidade da Administração
federal, mediante consulta ao órgão gerenciador, desde que
devidamente comprovada a vantagem.
(D) prévia licitação, pelo próprio interessado, e a subsequente
homologação da Ata de Registro de Preços pelo órgão gerenciador,
sendo vedada a utilização de ata proveniente de certame realizado
por outra entidade.
(E) anuência do órgão ou da entidade que procedeu à licitação que
deu origem à Ata de Registro de Preços.
Comentários:
(A) realização de licitação na modalidade convite CONCORRÊNCIA
OU PREGÃO, pelo interessado ou por outra entidade integrante da
Administração direta ou indireta, no âmbito da União, e
credenciamento junto ao órgão gerenciador.
(B) existência de Ata de Registro de Preços, com validade máxima de
2 anos 1 ANO, e aceitação do pedido pelo órgão gerenciador, a quem
compete verificar a possibilidade de fornecimento das quantidades
demandadas.
(C) existência de Ata de Registro de Preços, ainda que oriunda
de licitação procedida por outro órgão ou entidade da
Administração federal, mediante consulta ao órgão
gerenciador, desde que devidamente comprovada a vantagem.
(D) prévia licitação, pelo próprio interessado, e a subsequente
homologação da Ata de Registro de Preços pelo órgão gerenciador,
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 31 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

sendo NÃO SENDO vedada a utilização de ata proveniente de


certame realizado por outra entidade, É O QUE A DOUTRINA
CHAMA DE CARONA.
(E) anuência do órgão ou da entidade que procedeu à licitação que
deu origem à Ata de Registro de Preços GERENCIADOR DA ATA.
Gabarito: alternativa C.

32. (2011/FCC – Infraero – Administrador) A Lei no


8.666/93 estabelece requisito específico para contratações de
grande vulto, com o objetivo de ampliar a transparência, a
saber:
(A) obrigatoriedade de realização de audiência pública, com
antecedência mínima de 15 dias úteis da data prevista para a
publicação do edital, sempre que o valor estimado para uma licitação
ou um conjunto de licitações sucessivas ou simultâneas for superior a
R$ 150.000.000,00.
(B) obrigatoriedade de disponibilização do edital para consulta
pública, com prazo mínimo de 30 dias da data prevista para o
recebimento das propostas, sempre que o valor estimado for superior
a R$ 1.500.000,00.
(C) audiência pública, com antecedência mínima de 15 dias da data
prevista para a publicação do edital, sempre que a modalidade
adotada for concorrência pública, independentemente do valor.
(D) publicação do aviso de abertura no Diário Oficial e em jornal de
grande circulação, por 3 vezes, sendo a primeira com, no mínimo, 30
dias de antecedência, sempre que o valor estimado for superior a R$
150.000.000,00.
(E) obrigatoriedade de audiência pública e de disponibilização do
edital para consulta pública, com antecedência mínima de 30 dias da
data prevista para a publicação do edital, sempre que o valor
estimado for superior a R$ 150.000.000,00.
Comentários:
Questão de reforço. Já tecemos considerações sobre a audiência
pública. Na presente questão, restrinjo a análise à reprodução do
artigo da Lei de Licitações. Vejamos.

Art. 39. Sempre que o valor estimado para uma licitação ou para um
conjunto de licitações simultâneas ou sucessivas for superior a 100
(cem) vezes o limite previsto no art. 23, inciso I, alínea "c" desta Lei,
o processo licitatório será iniciado, obrigatoriamente, com uma
audiência pública concedida pela autoridade responsável com
antecedência mínima de 15 (quinze) dias úteis da data prevista para
a publicação do edital, e divulgada, com a antecedência mínima de 10
(dez) dias úteis de sua realização, pelos mesmos meios previstos
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 32 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

para a publicidade da licitação, à qual terão acesso e direito a todas


as informações pertinentes e a se manifestar todos os interessados.

Parágrafo único. Para os fins deste artigo, consideram-se licitações


simultâneas aquelas com objetos similares e com realização prevista
para intervalos não superiores a trinta dias e licitações sucessivas
aquelas em que, também com objetos similares, o edital subseqüente
tenha uma data anterior a cento e vinte dias após o término do
contrato resultante da licitação antecedente. (Redação dada pela Lei
nº 8.883, de 1994)

Gabarito: alternativa A.
33. (2011/FCC – Infraero – Auditor) Nos termos da Lei no
8.666/1993, o edital de licitação indicará, obrigatoriamente,
dentre outras disposições,
(A) o critério de reajuste, que deverá retratar a variação potencial do
custo de produção.
(B) o objeto da licitação, em descrição detalhada e clara, vedada a
descrição sucinta.
(C) condições distintas de pagamento entre empresas brasileiras e
estrangeiras, no caso de licitações internacionais.
(D) se há projeto executivo disponível na data da publicação do edital
de licitação e o local onde possa ser examinado e adquirido.
(E) limites para pagamento de instalação e mobilização para
execução de obras ou serviços que serão previstos em conjunto com
as demais parcelas.
Comentários:
Ver questão 24. Questão, infelizmente, repetida.
Gabarito: alternativa D.

34. (2011/FCC – Infraero – Auditor) Em procedimentos


licitatórios realizados na modalidade pregão, a Administração
Pública W exigiu garantia de proposta e a Administração
Pública Z impôs, como condição para participação no certame,
a aquisição do edital pelos licitantes. Nestes casos, de acordo
com a Lei no 10.520/2002,
(A) ambas as Administrações praticaram condutas expressamente
permitidas pela referida lei.
(B) ambas as Administrações praticaram condutas vedadas pela
referida lei.
(C) somente a Administração W praticou conduta permitida pela
referida lei.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 33 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(D) somente a Administração Z praticou conduta permitida pela


referida lei.
(E) ambas as condutas são permitidas, mas necessitam de prévia
aprovação do chefe do Poder Executivo licitante.
Comentários:
São vedações previstas na lei do Pregão:
 Exigência de garantia de proposta: não é possível exigir
garantia de proposta, como ocorre geralmente nas modalidades
comuns (para estas: leitura do inc. III do art. 31 da LLC).
Todavia, no pregão, é possível exigência de garantia do
CONTRATADO, com o regramento dado pelo art. 56 da mesma
LLC;
 A aquisição do edital pelos licitantes como condição para
participação do certame: aqui para nós, em época da
tecnologia da informação, “vender” o edital como condição de
participação é quase um crime. Imagina se o Edital “custasse”
dois mil e quinhentos reais, sendo que o licitante só poderia
participar do processo caso pagasse o valor...; e,
 O pagamento de taxas e emolumentos SUPERIORES ao
custo de recursos de tecnologia da informação, quando
for o caso: detalhe - pode até cobrar pelo Edital, porém, pelo
custo de reprodução, ou, em linguagem mais comum, pela
“Xerox” do edital.
Gabarito: alternativa B.

35. (2011/FCC – TCM-BA – Procurador) O procedimento


licitatório para contratação de obras de grande vulto, de alta
complexidade técnica, poderá contemplar exigência de:
(A) garantia de execução contratual, limitada a 20% do objeto
contratual, admitindo-se sua prestação mediante seguro-garantia ou
fiança bancária.
(B) metodologia de execução, cuja avaliação, para efeito de sua
aceitação ou não, antecederá sempre à análise dos preços e será
efetuada exclusivamente por critérios objetivos.
(C) apresentação da relação dos compromissos do licitante que
importem diminuição de sua capacidade operativa, calculada em
função do seu faturamento.
(D) capacitação econômico-financeira, mediante apresentação de
índices de liquidez, rentabilidade e faturamento, compatíveis com o
valor do objeto licitado.
(E) pré-qualificação, para fins de aferição de capacidade econômico-
financeira dos licitantes, desde que a modalidade adotada não seja a
concorrência.
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 34 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Comentários:

Vejamos o que diz o §3o do art. 56 da LLC:

Para obras, serviços e fornecimentos de grande vulto


envolvendo alta complexidade técnica e riscos financeiros
consideráveis, demonstrados através de parecer tecnicamente
aprovado pela autoridade competente, o limite de garantia
previsto no parágrafo anterior poderá ser elevado para até dez
por cento do valor do contrato. (Redação dada pela Lei nº
8.883, de 1994)

E também o §8º do art. 31 da Lei:

§ 8o No caso de obras, serviços e compras de grande vulto, de alta


complexidade técnica, poderá a Administração exigir dos licitantes a
metodologia de execução, cuja avaliação, para efeito de sua
aceitação ou não, antecederá sempre à análise dos preços e será
efetuada exclusivamente por critérios objetivos.

Gabarito: alternativa B.

36. (2011/FCC – TCM-BA – Procurador) Os contratos


administrativos submetem-se a um regime jurídico
diferenciado, que inclui a:
(A) natureza intuitu personae, o que impede a previsão de
subcontratação ou cessão do objeto.
(B) impossibilidade de rescisão por iniciativa do contratado ou por
consenso, em função da preservação da continuidade do serviço
público.
(C) possibilidade de alteração do objeto, unilateralmente pela
Administração, independentemente da recomposição do equilíbrio
econômico-financeiro.
(D) presença de cláusulas exorbitantes, inclusive prevendo a
possibilidade de aplicação de sanções administrativas como multa,
advertência e impedimento de contratar com a Administração.
(E) vinculação ao instrumento convocatório, vedando-se aditamentos
quantitativos ou qualitativos.
Comentários:
A resposta é letra “D”. O impedimento de contratar não tem previsão
na Lei de Licitações, mas sim na Lei do Pregão. Então, não se
assustem com o gabarito.
Gabarito: alternativa D.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 35 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

37. (2011/FCC – TCM-BA – Procurador) A licitação do tipo


melhor técnica ou técnica e preço aplica-se para:
(A) a contratação de serviços de natureza predominantemente
intelectual.
(B) a contratação de qualquer tipo de objeto, quando cabível
exclusivamente a modalidade concorrência.
(C) a contratação exclusiva de projetos de alta complexidade.
(D) a contratação, a critério exclusivo da Administração,
independentemente do objeto, desde que devidamente justificada.
(E) a escolha de trabalho científico ou artístico, apenas.
Comentários:

Art. 45. (...)

§ 4o Para contratação de bens e serviços de informática, a


administração observará o disposto no art. 3o da Lei no 8.248, de 23
de outubro de 1991, levando em conta os fatores especificados em
seu parágrafo 2o e adotando obrigatoriamente o tipo de licitação
"técnica e preço", permitido o emprego de outro tipo de licitação nos
casos indicados em decreto do Poder Executivo. (Redação dada pela
Lei nº 8.883, de 1994)

Art. 46. Os tipos de licitação "melhor técnica" ou "técnica e preço"


serão utilizados exclusivamente para serviços de natureza
predominantemente intelectual, em especial na elaboração de
projetos, cálculos, fiscalização, supervisão e gerenciamento e de
engenharia consultiva em geral e, em particular, para a elaboração
de estudos técnicos preliminares e projetos básicos e executivos,
ressalvado o disposto no § 4o do artigo anterior. (Redação dada pela
Lei nº 8.883, de 1994)

Isso aí. Letra A.


Gabarito: alternativa A.

38. (2011/FCC – TCM-BA – Procurador) De acordo com a Lei


no 8.666/93, a licitação poderá ser dispensada na hipótese
de:
(A) aquisição de materiais ou equipamentos que só possam ser
fornecidos por produtor exclusivo ou de marca preferencial da
Administração.
(B) contratação de serviços de publicidade e divulgação.
(C) contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento,
até o limite de 20% do contrato anterior.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 36 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

(D) intervenção, da União no domínio econômico para regular preços


ou normalizar o abastecimento.
(E) contratação de obras ou serviços de engenharia, até o limite de
R$ 8.000,00 (oito mil reais).
Comentários:
Questão de fixação. Alternativa D.
Gabarito: alternativa D.

39. (2011/FCC – TCM-BA – Procurador) A alienação de bens


da Administração:
(A) é possível somente quando se trate de bens de uso comum,
mediante prévia avaliação e independentemente de autorização
legislativa.
(B) depende, quando imóveis, de prévia avaliação, autorização
legislativa e licitação na modalidade concorrência, admitindo-se leilão
para bens cuja aquisição haja derivado de procedimento judicial ou
dação em pagamento.
(C) depende, quando imóveis, de prévia autorização legislativa e
licitação na modalidade leilão, dispensada na hipótese de alienação
de bens móveis.
(D) é possível, quando imóveis, somente após a sua desafetação,
devendo ser precedida de avaliação e licitação na modalidade tomada
de preços.
(E) é possível somente para imóveis não afetados ao serviço público
e móveis considerados inservíveis, sempre precedida de avaliação e
licitação na modalidade leilão.
Comentários:
A banca não cansa de cobrar esta questão em provas. Isso mesmo. A
resposta é alternativa B. Vamos aos erros.
(A) é possível somente quando se trate de bens de uso comum
PÚBLICOS DESAFETADOS, mediante prévia avaliação e
independentemente de autorização legislativa.
(C) depende, quando imóveis, de prévia autorização legislativa e
licitação na modalidade leilão CONCORRÊNCIA, dispensada A
AUTORIZAÇÃO LEGISLATIVA na hipótese de alienação de bens
móveis.
(D) é possível, quando imóveis, somente após a sua desafetação,
devendo ser precedida de avaliação e licitação na modalidade tomada
de preços CONCORRÊNCIA E, CONFORME O CASO, LEILÃO.
(E) é possível somente para imóveis não afetados ao serviço público
e móveis considerados inservíveis, sempre precedida de avaliação e

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 37 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

licitação na modalidade leilão CONCORRÊNCIA OU LEILÃO,


CONFORME O CASO.
Gabarito: alternativa B.

40. (2011/FCC – TCM-BA – Procurador) É aplicável a


modalidade licitatória:
(A) pregão para aquisição de bens e serviços comuns, com valor
limitado a R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais).
(B) pregão para contratação de serviços e obras de natureza comum,
independentemente do valor.
(C) concorrência para contratos de parceria público-privada,
independentemente do valor.
(D) convite para contratação de serviços de natureza comum,
independentemente do valor.
(E) tomada de preços para obras e serviços de engenharia, com valor
da contratação estimado em até R$ 80.000,00 (oitenta mil reais).
Comentários:
Questão bem bacaninha! Revimos que a concorrência é modalidade
obrigatória para as concessões de serviços públicos. A PPP é um dos
tipos de concessão, daí a correção da alternativa C.
O erro da letra “A” é que o pregão independe do valor envolvido.
O erro da letra “B” é que o pregão não se aplica a obras!
Na letra “D”, a modalidade cabível é o pregão.
Na letra “E”, a modalidade mais adequada é o convite, o que não
significa dizer que não caiba a TP, pois quem pode mais, pode
menos!
Gabarito: alternativa C.

41. (2011/FCC – PGE-MT – Procurador) A respeito do regime


jurídico aplicável aos contratos administrativos regidos pela
Lei Federal no 8.666/93, é correto afirmar:
a) Não são passíveis de rescisão pelo contratado, diversamente do
que ocorre nos contratos de concessão.
b) Permitem a subcontratação de parcela das obras, serviços ou
fornecimento, até o limite admitido, em cada caso, pela
Administração, conforme previsto no Edital e no contrato.
c) Não comportam alteração, quantitativa ou qualitativa, em face da
vinculação ao Edital.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 38 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

d) Comportam alteração unilateral, pela Administração, para


acréscimos ou supressões em seu objeto, até o limite de 50% do
montante contratado.
e) Não podem prever, dado o seu caráter personalíssimo, a cessão,
transferência ou subcontratação, total ou parcial, de seu objeto.
Comentários:
Revimos que, a despeito do caráter intuitu personae, a LLC admite a
subcontratação, que deve ser sempre parcial, aprovada pela
Administração, com previsão no edital e contrato. Daí a correção da
letra B.
Gabarito: alternativa B.

42. (2011/FCC – PGE-MT – Procurador) Determinada sociedade


de economia mista pretende contratar serviços técnicos
especializados para estruturação de operação de abertura de
seu capital social e emissão de debêntures no mercado
internacional, para tanto,
a) está dispensada de prévio procedimento licitatório, por se tratar de
operação regulada pela legislação do mercado de capitais, devendo
comprovar a compatibilidade do preço com os praticados no mercado.
b) pode declarar a inexigibilidade de licitação, por ato fundamentado
de seus administradores, quando a licitação possa comprometer o
sigilo da operação.
c) deve instaurar prévio procedimento licitatório, sendo este
inexigível se comprovada a inviabilidade de competição, em função
da singularidade do objeto, bem como a notória especialização do
contratado.
d) pode dispensar a licitação, por ato fundamentado de seus
administradores, caso a contratada seja empresa estrangeira, de
notória especialização e desde que haja compatibilidade do preço com
os praticados no mercado.
e) pode dispensar a licitação, por ato fundamentado de seus
administradores, se a contratada for fundação ou empresa pública
especializada e desde que haja compatibilidade do preço com o
mercado.
Comentários:
Questão de fixação. Serviços técnicos especializados podem ser
contratados por inexigibilidade, desde que o serviço esteja previsto
no art. 13, o objeto seja singular e o profissional com notória
especialização.
Gabarito: alternativa C.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 39 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

43. (2011/FCC – PGE-MT – Procurador) De acordo com a Lei no


8.666/93, podem ser exigidas dos licitantes garantias de:
a) proposta, apenas para licitação na modalidade concorrência,
limitada a 5% do valor estimado para a contratação e de execução
contratual, limitada a 10% do valor do contrato.
b) proposta, limitada a 1% do valor estimado da contratação, e de
execução contratual, limitada a 5% do valor do contrato, podendo
esta última alcançar até 10% do valor do contrato para obras,
serviços e fornecimentos de grande vulto, alta complexidade e riscos
financeiros consideráveis, demonstrados em parecer aprovado pela
autoridade competente.
c) proposta e de execução contratual, esta última apenas para
contratos de obras na modalidade empreitada integral, ambas
limitadas a 5% do valor do contrato, podendo ser prestadas mediante
caução em dinheiro, seguro-garantia ou fiança bancária.
d) proposta e de execução contratual, ambas apenas para contratos
de obras, serviços e fornecimentos de grande vulto e alta
complexidade, limitadas a 5% do valor do objeto.
e) execução contratual, limitada a 5% do objeto, podendo alcançar
até 10% do valor do contrato para obras, serviços e fornecimentos de
grande vulto e alta complexidade, vedada a garantia de proposta,
exceto na licitação para alienação de imóveis.
Comentários:
Questão de reforço. Cabe o registro que a garantia pode ser efetuada
em: títulos da dívida pública, seguro-garantia e fiança-bancária.
Gabarito: alternativa B.

44. (2011/FCC – PGE-MT – Procurador) São modalidades


licitatórias adequadas para as situações descritas:
a) pregão para aquisição e alienação de bens e serviços comuns e
concorrência para alienação de imóveis de qualquer valor.
b) leilão para alienação de bens móveis e imóveis de pequeno valor e
pregão para aquisição de bens e serviços comuns.
c) concorrência para alienação de imóveis acima de R$ 1.500.000,00
(um milhão e meio de reais) e leilão para alienação de imóveis
avaliados abaixo desse valor e móveis de qualquer valor.
d) concurso para contratação de quaisquer serviços técnicos
especializados e leilão para alienação de bens móveis inservíveis ou
de produtos legalmente apreendidos ou penhorados.
e) convite para obras e serviços de engenharia, com valor da
contratação estimado em até R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 40 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

reais) e concorrência para concessão de serviços públicos de qualquer


valor.
Comentários:
A resposta é letra E. Vamos aos erros.
O erro da letra A é que o pregão é dirigido a aquisições.
O erro da letra B é que o leilão não é para a alienação de bens
móveis de pequeno valor. E mais: não é utilizado, irrestritamente,
para a alienação de bens imóveis.
O erro da letra C é que a concorrência é obrigatória
independentemente do valor quando diante da alienação de bens
imóveis.
O erro da letra D é que o concurso não é para quaisquer serviços
técnicos. Inclusive, a lei fala que, não sendo o caso de contratação
direta, o uso do concurso é preferencial e não exclusivo.
Gabarito: alternativa E.

45. (2011/FCC – TRT/20R – Técnico) Analise a seguinte


característica concernente ao contrato administrativo:
"prerrogativa especial conferida à Administração Pública na
relação do contrato administrativo em virtude de sua posição
de supremacia em relação à parte contratada". Trata-se:
a) do direito ao equilíbrio econômico-financeiro do contrato
administrativo.
b) da cláusula exorbitante.
c) da exigência legal de formalização por escrito e com requisitos
especiais do contrato administrativo.
d) da comutatividade do contrato administrativo.
e) da consensualidade do contrato administrativo, exigindo o acordo
entre as partes para a formalização da avença.
Comentários:
Questão de reforço. Dispensáveis novos comentários.
Gabarito: alternativa B.

46. (2011/FCC – TRT/20R – Técnico) Sobre licitação,


considere as seguintes características:
I. Destina-se à escolha de trabalho técnico, científico ou
artístico.
II. A contraprestação pode ser através remuneração.
III. Destina-se a interessados previamente cadastrados.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 41 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

IV. O edital é publicado na imprensa oficial com antecedência


mínima de trinta dias.
São características da modalidade de licitação concurso o que
consta nos itens
a) I e II, apenas.
b) I, II e III, apenas.
c) I, III e IV, apenas.
d) III e IV, apenas.
e) I, II, III e IV.
Comentários:
Há dois erros. O primeiro é que independe de qualquer cadastro. O
segundo é que a antecedência mínima é de 45 dias.
Gabarito: alternativa A.
47. (2011/FCC – TRT/20R – Técnico) Nos termos da Lei no
8.666/1993 (Lei de Licitações), é INCORRETO afirmar:
a) Em regra, é vedado aos agentes públicos incluir, nos atos de
convocação, cláusulas ou condições que comprometam, restrinjam ou
frustrem o seu caráter competitivo, inclusive nos casos de sociedades
cooperativas, e estabeleçam preferências ou distinções em razão da
naturalidade, da sede ou domicílio dos licitantes ou de qualquer outra
circunstância impertinente ou irrelevante para o específico objeto do
contrato.
b) O procedimento licitatório caracteriza ato administrativo formal,
seja ele praticado em qualquer esfera da Administração Pública, e
qualquer cidadão pode acompanhar seu desenvolvimento, desde que
não interfira de modo a perturbar ou impedir a realização dos
trabalhos.
c) Subordinam-se ao regime da Lei de Licitações e Contratos
Administrativos as sociedades de economia mista e demais entidades
controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito
Federal e Municípios.
d) É vedado aos agentes públicos estabelecer tratamento diferenciado
de natureza comercial, legal, trabalhista, previdenciária ou qualquer
outra, entre empresas brasileiras e estrangeiras, inclusive no que se
refere a moeda, modalidade e local de pagamentos, desde que não
envolvidos financiamentos de agências internacionais.
e) Os editais de licitação para a contratação de bens, serviços e obras
poderão, mediante prévia justificativa da autoridade competente,
exigir que o contratado promova, em favor de órgão ou entidade
integrante da administração pública ou daqueles por ela indicados a
partir de processo isonômico, medidas de compensação comercial,
industrial, tecnológica ou acesso a condições vantajosas de

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 42 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

financiamento, cumulativamente ou não, na forma estabelecida pelo


Poder Executivo federal.
Comentários:
Não é uma questão trivial, apesar de decoreba.
O erro está na letra “D”, porque a vedação alcança, inclusive, os
financiamentos de agências internacionais.
Gabarito: alternativa D.

48. (2011/FCC – TRT/20R – Analista Judiciário/Execução de


Mandados) Em determinado edital de licitação, foi previsto o
critério de menor preço para a escolha do vencedor do
certame. No entanto, o licitante que apresentou a proposta de
menor preço foi preterido no julgamento, tendo sido
adjudicado ao licitante que apresentou o quinto maior preço. A
justificativa da Administração Pública foi no sentido de que
escolheu a proposta mais vantajosa, que nem sempre coincide
com a de menor preço. A conduta da Administração Pública:
a) está correta, tendo em vista a necessidade de respeito ao princípio
da adjudicação compulsória.
b) está correta, pois ela deve buscar sempre a seleção da proposta
mais vantajosa.
c) não está correta, por implicar em violação ao princípio da
finalidade.
d) não está correta, por implicar em violação ao princípio do
julgamento objetivo.
e) está correta, pois ela deve buscar sempre o respeito ao princípio
da impessoalidade
Comentários:
O critério de julgamento previsto no Edital foi o de menor preço. Por
isso, não pode a Administração simplesmente preterir o menor preço
para contratar o quinto lugar. Há, na oportunidade, ofensa ao
princípio do julgamento objetivo.
Gabarito: alternativa D.

49. (2011/FCC – TRT/20R – Analista Judiciário/Área


Judiciária) No que concerne à dispensa de licitação, é
INCORRETO afirmar:
a) A licitação deserta não se confunde com a licitação fracassada;
nesta última, a dispensa de licitação é possível.
b) As hipóteses de dispensa nem sempre ficam inseridas na
competência discricionária da Administração.
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 43 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

c) Em razão de situações excepcionais, a dispensa é possível em


certas situações em que a demora do procedimento é incompatível
com a urgência na celebração do contrato.
d) Se comprovado o superfaturamento decorrente da dispensa,
respondem solidariamente, pelo dano causado à Fazenda Pública, o
fornecedor ou prestador de serviços e o agente público responsável.
e) É dispensável a licitação para a contratação de instituição
brasileira, incumbida estatutariamente, da pesquisa, do ensino ou do
desenvolvimento institucional, desde que tenha inquestionável
reputação ético-profissional e não tenha fins lucrativos.
Comentários:
O erro da letra “A” é que a licitação deserta e a fracassada permitem
a contratação direta, nos termos do art. 24 da Lei.
Gabarito: alternativa A.

50. (2011/FCC – MPE-CE – Promotor de Justiça) É admissível,


em editais de licitação, a fixação de cláusula que estabeleça:
a) isenção tributária aos produtos e serviços produzidos no território
do ente licitante.
b) margem de preferência para produtos manufaturados e para
serviços nacionais que atendam a normas técnicas brasileiras.
c) como critério de desempate a preferência por bens e serviços
produzidos por empresa de capital nacional.
d) exigência, nos contratos de compra para entrega futura e na
execução de obras e serviços, de que os licitantes ostentem capital
mínimo de 20% do valor estimado da contratação.
e) preferência em favor da produção de bens em âmbito local, de
maneira a favorecer a criação de empregos na região do órgão
contratante e diminuir o custo ambiental da produção dos bens
contratados.
Comentários:

Para o cumprimento do desenvolvimento nacional sustentável,


a Lei previu o estabelecimento de uma margem de preferência
para a aquisição de produtos manufaturados e para serviços
nacionais, assim definidos, nos termos dos incisos XVII e XVIII do
art. 6º da LLC:

XVII - produtos manufaturados nacionais - produtos


manufaturados, produzidos no território nacional de acordo com
o processo produtivo básico ou com as regras de origem
estabelecidas pelo Poder Executivo federal; (Incluído pela Lei nº
12.349, de 2010)

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 44 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

XVIII - serviços nacionais - serviços prestados no País, nas


condições estabelecidas pelo Poder Executivo federal; (Incluído
pela Lei nº 12.349, de 2010)

Abre-se um parêntese para esclarecer que, para o emprego da


margem de preferência, alguns requisitos devem ser observados,
a saber:
- a capacidade de produção ou prestação no País não
pode ser inferior à quantidade a ser adquirida ou
contratada, ou, ainda, inferior ao quantitativo mínimo
para preservar a economia de escala (§7º do art. 23), nos
termos do art. 3º, §9º, I e II, da LLC;
- as margens de preferência por produto, serviço, grupo de
produtos ou serviços nacionais, não podem ultrapassar o
montante de 25% sobre o preço dos produtos
manufaturados e serviços estrangeiros;
- a margem de preferência poderá ser estendida, total ou
parcialmente, aos bens e serviços originários dos Estados
Partes do Mercado Comum do Sul – Mercosul;
- a aplicação da margem de preferência deve estar
fundamentada em estudos revistos periodicamente, em
prazo não superior a cinco anos, que considerem, em todo
caso:
I - geração de emprego e renda;
II - efeito na arrecadação de tributos federais, estaduais e
municipais;
III - desenvolvimento e inovação tecnológica realizados no
País;
IV - custo adicional dos produtos e serviços; e
V - em suas revisões, análise retrospectiva de resultados.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 45 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Registro que, ao lado da referida preferência, poderá ser


estabelecido margem de preferência adicional, tratando-se de
produtos manufaturados e serviços nacionais resultantes de
desenvolvimento e inovação tecnológica realizados no País.
A justificativa de margem adicional de preferência para tais
produtos e serviços de tecnologia pode ser percebida, também, a
partir da leitura do §12 do art. 3º da LLC, ao fixar que, nas
contratações destinadas à implantação, à manutenção e ao
aperfeiçoamento dos sistemas de tecnologia de informação e
comunicação, sistemas considerados estratégicos em ato do Poder
Executivo federal, a licitação poderá ser restrita a bens e serviços
com tecnologia desenvolvida no País e produzidos de acordo com
o processo produtivo básico de que trata a Lei 10.176, de 11 de
janeiro de 2001.
Por fim, é previsto que os editais de licitação para a contratação
de bens, serviços e obras poderão, mediante prévia justificativa da
autoridade competente, exigir que o contratado promova, em favor
de órgão ou entidade integrante da administração pública ou
daqueles por ela indicados a partir de processo isonômico, medidas
de compensação comercial, industrial, tecnológica ou acesso a
condições vantajosas de financiamento, cumulativamente ou
não, na forma estabelecida pelo Poder Executivo federal.
Gabarito: alternativa B.

51. (2011/FCC – TRE-AP – Técnico) Considere as seguintes


assertivas concernentes aos interessados em participar da
licitação na modalidade convite:
I. São escolhidos e convidados, em regra, em número mínimo de
dois.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 46 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

II. Podem ser cadastrados ou não.


III. Devem ser do ramo pertinente ao objeto da licitação.
Está correto o que se afirma SOMENTE em
a) II e III.
b) I.
c) III.
d) II.
e) I e III.
Comentários:
Só o item I está incorreto. Isso porque o número de convidados é de,
no mínimo, três.
Gabarito: alternativa A.

52. (2011/FCC – TRE-AP – Técnico) A ação ou omissão do


Poder Público que, incidindo direta e especificamente sobre o
contrato, retarda ou impede sua execução, como por exemplo,
quando a Administração deixa de entregar o local da obra ou
serviço, denomina-se:
a) estado de perigo.
b) fato do príncipe.
c) caso fortuito.
d) força maior.
e) fato da Administração.
Comentários:
Questão de fixação. Incidência direta é fato da Administração.
Gabarito: alternativa E.
53. (2011/FCC – TRE-AP – Analista) NÃO constitui hipótese de
inexigibilidade de licitação a
a) aquisição de materiais que só possam ser fornecidos por empresa
exclusiva.
b) contratação de serviço técnico de restauração de obras de arte e
bens de valor histórico, de natureza singular, com empresa de notória
especialização.
c) contratação de profissional do setor artístico, consagrado pela
opinião pública.
d) contratação de instituição dedicada à recuperação social do preso,
de inquestionável reputação ético- profissional e sem fins lucrativos.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 47 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

e) contratação de parecer, de natureza singular, com profissional de


notória especialização.
Comentários:
Questão de fixação.
Gabarito: alternativa D.

54. (2011/FCC – TRE-AP – Analista) Uma das causas


justificadoras da inexecução do contrato administrativo
denomina-se fato do príncipe. Dentre os exemplos a seguir,
constitui fato do príncipe:
a) a criação de tributo que incida sobre matérias-primas necessárias
ao cumprimento do contrato.
b) a omissão da Administração Pública em providenciar a
desapropriação necessária para a realização de obra pelo contratado.
c) o atraso superior a noventa dias de pagamento devido pela
Administração decorrente de serviço já executado.
d) a inundação imprevisível que cubra o local da obra.
e) a greve que paralise a fabricação de um produto de que dependa a
execução do contrato.
Comentários:
Itens B e C – incidência direta. Fato da Administração.
Itens D e E – caso fortuito e força maior.
Gabarito: alternativa A (incidência reflexa).

55. (2011/FCC – TRE-AP – Analista) Uma das características


dos contratos administrativos denomina-se comutatividade,
que consiste em:
a) presença de cláusulas exorbitantes.
b) equivalência entre as obrigações ajustadas pelas partes.
c) sinônimo de bilateralidade, isto é, o contrato sempre há de traduzir
obrigações para ambas as partes.
d) obrigação intuitu personae, ou seja, que deve ser executada pelo
próprio contratado.
e) sinônimo de consensualidade, pois o contrato administrativo
consubstancia um acordo de vontades e não um ato impositivo da
Administração.
Comentários:
Os contratos administrativos são comutativos, isso porque os
interesses das partes são opostos, com outras palavras, enquanto
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 48 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

uma parte aufere vantagem, a outra incorrerá em “desvantagem”


(de regra!). O incremento do patrimônio de uma acarreta o
decréscimo da outra, como nos contratos de compra e venda, por
exemplo. Enfim, há equivalência entre os direitos e obrigações.
Contudo, doutrinadores de peso indicam a existência de contratos
administrativos de organização, nos quais as partes caminham
lado a lado, unindo seus esforços para alcançar um objetivo comum,
cooperando entre si, tal como no contrato de consórcio e
franquia, por exemplo. Nesses, portanto, não há comutatividade.
Gabarito: alternativa B.

56. (2011/FCC – TRE-AP – Analista) Nos termos da Lei de


Licitações (Lei nº 8.666/93), constituem, dentre outras,
hipóteses em que será possível a licitação na modalidade
tomada de preços:
a) licitações internacionais, mesmo que o órgão ou entidade não
disponha de cadastro internacional de fornecedores.
b) compras e serviços, com exceção dos serviços de engenharia, cujo
valor seja de setecentos mil reais.
c) casos em que couber convite.
d) obras e serviços de engenharia cujo valor seja de um milhão e
seiscentos mil reais.
e) concessões de direito real de uso.
Comentários:
Sempre que couber o convite, cabe a (...), e, em qualquer caso, cabe
a (...). Isso mesmo. TP e concorrência.
Gabarito: alternativa C.

57. (2011/FCC – TRT/23R – Técnico Judiciário) No que


concerne à modalidade de licitação concurso, é correto
afirmar:
a) Destina-se à escolha de trabalho apenas técnico ou científico, não
sendo admitido para qualquer outra natureza de trabalho.
b) É possível, como forma contraprestação ao vencedor do certame,
remuneração a ser paga pelo Poder Público.
c) O edital deve ser publicado com antecedência mínima de quarenta
dias.
d) Não é cabível, como forma de contraprestação ao vencedor do
certame, a instituição de prêmios.
e) Apenas interessados previamente cadastrados podem participar do
certame, não se admitindo a participação de quaisquer interessados.
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 49 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Comentários:
O erro está na letra “B”. A forma de pagamento do concurso dá-se
por remuneração ou prêmio.
Gabarito: alternativa B.

58. (2011/FCC – TRT/23R – Analista) No que concerne ao


pregão, é INCORRETO afirmar:
a) Admite, como uma de suas modalidades, o pregão eletrônico, que
se processa, em ambiente virtual, por meio da internet.
b) Destina-se à aquisição de bens e serviços comuns.
c) Os lances ocorrem em sessão pública no pregão denominado
presencial.
d) Poderá dar-se no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e
Municípios.
e) Existe, em regra, limitação de valor para a contratação.
Comentários:
Não há limitação de valores. Já vimos isso.
Gabarito: alternativa E.

59. (2011/FCC – TRT/23R – Analista) Segundo a Lei no


8.666/1993, pela inexecução total ou parcial do contrato a
Administração poderá, garantida a prévia defesa, aplicar ao
contratado, dentre outras sanções administrativas, a pena de
suspensão temporária de participação em licitação e
impedimento de contratar com a Administração, por prazo de
até:
a) quatro anos.
b) cinco anos.
c) dois anos.
d) dez anos.
e) três anos.
Comentários:
Nos termos da Lei 8.666, de 1993, a suspensão é de até dois anos.
Gabarito: alternativa C.

60. (2011/FCC – TRT/14R – Técnico Judiciário) A


Administração Pública decide celebrar contrato administrativo
com determinada Fundação brasileira incumbida
estatutariamente da pesquisa, com inquestionável reputação
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 50 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

ético-profissional e sem fins lucrativos. Nos termos da Lei no


8.666/93, que institui normas para licitações e contratos da
Administração Pública, o processo administrativo que
embasou a decisão mencionada:
a) não deve ser instruído com qualquer elemento, por tratar de
hipótese de dispensa de licitação, basta a decisão da Administração
em realizar a contratação.
b) deve conter apenas a decisão final da Administração em realizar a
contratação, por tratar de hipótese de inexigibilidade de licitação, já
que os requisitos são objetivos, decorrem da lei.
c) deve estar instruído apenas com as razões da escolha da menciona
Fundação, não se exigindo justificativa de preço, pois as
peculiaridades do ente a ser contratado são suficientes nesta
hipótese.
d) deve estar instruído, dentre outros elementos, com as razões da
escolha da mencionada Fundação, bem como com a justificativa do
preço.
e) deve estar instruído com o procedimento licitatório realizado para
a escolha da mencionada Fundação, vez que a situação narrada exige
licitação para a escolha do ente a ser contratado.
Comentários:

Art. 26. As dispensas previstas nos §§ 2o e 4o do art. 17 e no inciso


III e seguintes do art. 24, as situações de inexigibilidade referidas no
art. 25, necessariamente justificadas, e o retardamento previsto no
final do parágrafo único do art. 8o desta Lei deverão ser
comunicados, dentro de 3 (três) dias, à autoridade superior, para
ratificação e publicação na imprensa oficial, no prazo de 5 (cinco)
dias, como condição para a eficácia dos atos. (Redação dada pela Lei
nº 11.107, de 2005)

Parágrafo único. O processo de dispensa, de inexigibilidade ou de


retardamento, previsto neste artigo, será instruído, no que couber,
com os seguintes elementos:

I - caracterização da situação emergencial ou calamitosa que


justifique a dispensa, quando for o caso;

II - razão da escolha do fornecedor ou executante;

III - justificativa do preço.

IV - documento de aprovação dos projetos de pesquisa aos quais os


bens serão alocados. (Incluído pela Lei nº 9.648, de 1998)

Gabarito: alternativa D.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 51 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

61. (2011/FCC – TRF/1R – Analista) Os contratos regidos pela


Lei nº 8.666/1993 poderão ser alterados, entre outros
motivos,
a) para adequar a remuneração do contratante à taxa de juros média
do mercado.
b) sempre que a inflação superar os índices anuais superiores a 12
pontos percentuais.
c) quando necessária a modificação do valor contratual - e por acordo
das partes - em decorrência de acréscimo ou diminuição quantitativa
de seu objeto, nos limites permitidos por esta Lei.
d) unilateralmente pela Administração, quando conveniente a
substituição da garantia de execução.
e) para restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro inicial do
contrato.2
Comentários:
A banca decidiu pela anulação, haja vista a possibilidade duas
alternativas igualmente corretas (alternativas “C” e “E”).
Gabarito: anulada.

62. (2011/FCC – TRF/1R – Analista) A modalidade de tomada


de preços:
a) aplica-se aos interessados do ramo pertinente ao seu objeto,
cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número mínimo de
três pela unidade administrativa.
b) é indicada para a escolha de trabalho técnico, científico ou
artístico, mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos
vencedores.
c) exige que os interessados estejam devidamente cadastrados ou
atendam a todas as condições exigidas para cadastramento até o
terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas, observada
a necessária qualificação.
d) compreende uma fase inicial de habilitação preliminar, para que os
interessados comprovem possuir os requisitos mínimos de
qualificação exigidos no edital para execução de seu objeto.
e) é utilizada para a venda de bens móveis inservíveis para a
administração ou de produtos legalmente apreendidos ou
penhorados.
Comentários:

2 ANULADA.
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 52 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Questão de reforço. Dispensa maiores comentários.


Gabarito: alternativa C.

63. (2011/FCC – TRF/1R – Analista) Com relação aos


componentes exigidos do Projeto Básico, no âmbito da Lei nº
8.666 de 1993, considere as afirmativas abaixo:
I. Orçamento geral da obra, sem quantitativos detalhados de serviços
e fornecimentos estimativamente avaliados, sujeitos a futuras
modificações por parte da Administração.
II. Identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e
equipamentos a incorporar à obra, bem como suas especificações que
assegurem os melhores resultados para o empreendimento, sem
frustrar o caráter competitivo para a sua execução.
III. Soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente
detalhadas, de forma a minimizar a necessidade de reformulação ou
de variantes durante as fases de elaboração do projeto executivo e
de realização das obras e montagem.
IV. Desenvolvimento da solução escolhida de forma a fornecer visão
global da obra e identificar todos os seus elementos constitutivos com
clareza.
V. Subsídios para montagem do plano de licitação e gestão da obra,
compreendendo a sua programação, a estratégia de suprimentos, as
normas de fiscalização e outros dados necessários em cada caso.
Está correto o que se afirma SOMENTE em:
a) II, III e IV.
b) I, III e IV.
c) I, II, III e V.
d) II, III, IV e V.
e) II, IV e V.
Comentários:
Vejamos o artigo correspondente.

Art. 6º (...).

IX - Projeto Básico - conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão


adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da
licitação, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que
assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do
empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do
prazo de execução, devendo conter os seguintes elementos:

a) desenvolvimento da solução escolhida de forma a fornecer visão global da obra e identificar


todos os seus elementos constitutivos com clareza;

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 53 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

b) soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a


necessidade de reformulação ou de variantes durante as fases de elaboração do projeto
executivo e de realização das obras e montagem;

c) identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar à


obra, bem como suas especificações que assegurem os melhores resultados para o
empreendimento, sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução;

d) informações que possibilitem o estudo e a dedução de métodos construtivos, instalações


provisórias e condições organizacionais para a obra, sem frustrar o caráter competitivo para a
sua execução;

e) subsídios para montagem do plano de licitação e gestão da obra, compreendendo a sua


programação, a estratégia de suprimentos, as normas de fiscalização e outros dados
necessários em cada caso;

f) orçamento detalhado do custo global da obra, fundamentado em quantitativos de serviços e


fornecimentos propriamente avaliados;

Esse último dispositivo justifica o erro do item I.


Gabarito: alternativa D.

64. (2011/FCC – TRE/RN – Técnico) O princípio segundo o qual


os critérios e fatores seletivos previstos no edital devem ser
adotados inafastavelmente para o julgamento, evitando-se,
assim, qualquer surpresa para os participantes da licitação,
denomina-se:
a) Adjudicação Compulsória.
b) Publicidade.
c) Julgamento Objetivo.
d) Impessoalidade.
e) Probidade Administrativa.
Comentários:
Questão de fixação.
Gabarito: alternativa C.

65. (2011/FCC – TRE/RN – Técnico) Nos contratos


administrativos:
a) o contratado é responsável pelos danos causados diretamente à
Administração ou a terceiros, decorrentes de sua culpa ou dolo na
execução do contrato; no entanto, essa responsabilidade é excluída
ou reduzida pela fiscalização ou acompanhamento pelo órgão
interessado.
b) a execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por
um representante da Administração especialmente designado, não

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 54 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

sendo permitida a contratação de terceiros para subsidiá-lo de


informações pertinentes a essa atribuição.
c) o contratado é obrigado a reparar, corrigir, remover, reconstruir ou
substituir, às suas expensas, no total ou em parte, o objeto do
contrato em que se verificarem vícios, defeitos ou incorreções
resultantes da execução ou de materiais empregados.
d) a inadimplência do contratado, com referência aos encargos
trabalhistas, fiscais e comerciais transfere à Administração Pública a
responsabilidade por seu pagamento, além de poder onerar o objeto
do contrato e restringir a regularização e o uso das obras e
edificações, inclusive perante o Registro de Imóveis.
e) o contratado, na execução do contrato, sem prejuízo das
responsabilidades contratuais e legais, não poderá, em qualquer
hipótese, subcontratar partes da obra, do serviço ou do fornecimento.
Comentários:
O item correto é letra C, nos termos do art. 69 da Lei de Licitações.
Gabarito: alternativa C.

66. (2011/FCC – TRE/RN – Analista) É inexigível a licitação


para:
a) contratação de serviço de gerenciamento de obra, de natureza
singular, com empresa de notória especialização.
b) contratação de instituição brasileira incumbida estatutariamente de
pesquisa, com inquestionável reputação ético-profissional e sem fins
lucrativos.
c) aquisição ou restauração de obras de arte e objetos históricos, de
autenticidade certificada, desde que compatíveis ou inerentes às
finalidades do órgão ou entidade.
d) aquisição de bens destinados exclusivamente a pesquisa científica
e tecnológica com recursos concedidos por instituição de fomento a
pesquisa credenciada pelo CNPq para esse fim específico.
e) aquisição de bens e contratação de serviços para atender aos
contingentes militares das Forças Singulares brasileiras empregadas
em operações de paz no exterior, necessariamente justificadas
quanto ao preço e à escolha do fornecedor ou executante e
ratificadas pelo Comandante da Força.
Comentários:
Todas as hipóteses listam situações de licitação dispensável, exceto a
alternativa A.
Gabarito: alternativa A.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 55 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

67. (2011/FCC – TRE/RN – Analista) No que concerne ao


denominado “fato da Administração”, é correto afirmar:
a) não permite a rescisão do contrato administrativo, mas tão
somente sua revisão.
b) corresponde a uma determinação estatal de caráter geral.
c) trata-se de interferência que antecede o contrato, mantendo-se
desconhecida até ser revelada através das obras e serviços em
andamento.
d) incide direta e especificamente sobre determinado contrato
administrativo.
e) sua ocorrência, em qualquer hipótese, não possibilita que o
particular suspenda a execução do contrato, invocando a exceptio
non adimpleti contractus.
Comentários:
Questão de reforço.
Gabarito: alternativa D.

68. (2011/FCC – TRE/RN – Analista) A tomada de preço,


modalidade de licitação que exige publicidade, destina-se à
contratação de
a) vulto médio e não permite que o administrador opte por realizar a
concorrência quando o vulto contratual comportar tomada de preços.
b) grande vulto, apenas a interessados devidamente cadastrados, e
não exige a qualificação.
c) vulto médio, a interessados devidamente cadastrados ou que
atenderem às condições exigidas para cadastramento até o terceiro
dia anterior à data do recebimento das propostas.
d) vulto médio, a interessados devidamente cadastrados ou que
atenderem às condições exigidas para cadastramento até o quinto dia
anterior à data do recebimento das propostas.
e) grande vulto, não exige a qualificação do interessado e permite
que o administrador opte por realizar a concorrência quando o vulto
contratual comportar tomada de preços.
Comentários:
Questão de reforço.
Gabarito: alternativa C.

69. (2011/FCC – DPE-RS - Defensor) Com relação aos


benefícios das microempresas e das empresas de pequeno
porte nas licitações, que independem de regulamentação pelo

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 56 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

órgão licitante, de acordo com a Lei Complementar Federal no


123/2006, é correto afirmar:
a) A microempresa e a empresa de pequeno porte têm preferência,
como critério de desempate, para a contratação em licitações.
b) A regularidade jurídica da microempresa e da empresa de pequeno
porte será exigida apenas na assinatura do contrato.
c) A microempresa será automaticamente declarada vencedora se a
sua proposta for superior ao melhor preço em até dez por cento.
d) A microempresa e a empresa de pequeno porte estão dispensadas
de apresentar a documentação fiscal para participar em licitações.
e) A microempresa terá preferência na contratação quando sua
proposta for equivalente à apresentada por empresa de pequeno
porte.
Comentários:
Vimos que, com a LC 123, às MEs e EPPs garantiu-se preferência na
contratação em licitações. Sendo compreendida como empate o
percentual de até 10% superior ao menor preço ofertado.
Gabarito: alternativa A.

Isso aí Galerinha. Finish!

Desejo a todos uma excelente semana.

Cyonil Borges.

Abaixo, uma bateria com questões de FCC 2012.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 57 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

QUESTÕES FCC – 2012


Fonte: www.tecconcursos.com.br

Questão 1: FCC - ACE TCE AP/TCE-AP/Controle Externo/Tecnologia


da Informação/2012
Assunto: Definições, obras e serviços, compras (arts. 6 a 16, Lei
8.666)
De acordo com a Lei no 8.666/1993, poderá participar, direta ou
indiretamente, da licitação ou da execução de obra ou serviço e do
fornecimento de bens a eles necessários
a) o autor do projeto, básico ou executivo, pessoa física ou jurídica.
b) a empresa, isoladamente ou em consórcio, responsável pela
elaboração do projeto básico.
c) a empresa cujo autor do projeto seja dirigente, gerente, acionista
ou responsável técnico.
d) o servidor ou dirigente de órgão ou entidade contratante ou
responsável pela licitação.
e) o autor do projeto, como consultor ou técnico, nas funções de
fiscalização ou supervisão, a serviço exclusivamente da Administração
interessada.

Esta questão possui comentário do professor no


site.www.tecconcursos.com.br

Questão 2: FCC - AJ TRE SP/TRE


SP/Administrativa/Contabilidade/2012
Assunto: Modalidades na Lei 8.666/1993
Para incentivar a produção técnica e científica na área de educação, a
Secretaria de Estado da Educação resolve premiar os melhores
trabalhos publicados em 2011 nas categorias: dissertação de
mestrado, tese de doutorado e artigo científico. Para a premiação, a
licitação deverá ocorrer na modalidade de
a) concurso.
b) concorrência.
c) tomada de preço.
d) convite.
e) leilão.

Questão 3: FCC - TJ TRE SP/TRE SP/Administrativa/"Sem


Especialidade"/2012
Assunto: Concorrência, Tomada de Preços e Convite
A Secretaria Estadual de Habitação pretende contratar a construção
de casas populares e estima que o valor das obras seja da ordem de
R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais). Para a contratação das obras,
deverá adotar a modalidade licitatória
a) leilão.
b) pregão.
c) convite.
Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 58 de 64
Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

d) concorrência.
e) tomada de preços.

Questão 4: FCC - AFF (TCE-SP)/TCE-SP/"Sem Área"/2012


Assunto: Licitação dispensada (art. 17 da Lei 8.666/1993)
Uma sociedade de economia mista prestadora de serviços públicos
pretende alienar participação societária minoritária que adquiriu em
empresa privada (ações). De acordo com a Lei no 8.666/93,
a) está dispensada de avaliação prévia e de procedimento licitatório,
desde que conte com autorização legislativa específica para a
alienação.
b) deverá obter autorização legislativa, realizar avaliação prévia e
licitação na modalidade leilão.
c) deverá promover avaliação prévia, sendo inexigível o procedimento
licitatório em função do regime privado a que se submete a empresa
alienante.
d) deverá promover avaliação prévia e poderá dispensar o
procedimento licitatório na hipótese de alienar as ações em bolsa,
observada a legislação específica.
e) está obrigada a obter autorização legislativa e realizar licitação na
modalidade concorrência.

Questão 5: FCC - AJ TST/TST/Administrativa/2012


Assunto: Licitação dispensável (art. 24 da Lei 8.666/1993)
NÃO se configura hipótese de dispensa de licitação, nos termos da Lei
no 8.666/93,
a) não acudir interessados à licitação anterior e esta,
justificadamente, não puder ser repetida sem prejuízo para a
Administração, mantidas, neste caso, todas as condições
preestabelecidas.
b) a contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento,
em consequência de rescisão contratual, independentemente da
ordem de classificação da licitação anterior, mas aceitas as mesmas
condições oferecidas pelo licitante vencedor, inclusive quanto ao
preço, devidamente corrigido.
c) a União tiver que intervir no domínio econômico para regular
preços ou normalizar o abastecimento.
d) a possibilidade de comprometimento da segurança nacional, nos
casos estabelecidos em decreto do Presidente da República, ouvido o
Conselho de Defesa Nacional.
e) a contratação de instituição brasileira incumbida regimental ou
estatutariamente da pesquisa, do ensino ou do desenvolvimento
institucional, ou de instituição dedicada à recuperação social do
preso, desde que a contratada detenha inquestionável reputação
ético-profissional e não tenha fins lucrativos.

Questão 6: FCC - AJ TST/TST/Apoio


Especializado/Contabilidade/2012

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 59 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Assunto: Licitação dispensável (art. 24 da Lei 8.666/1993)


Configura hipótese de dispensa de licitação, nos temos da Lei n o
8.666/93, a
a) contratação de serviços técnicos de natureza singular, com
profissionais ou empresas de notória especialização.
b) contratação realizada por Instituição Científica e Tecnológica − ICT
ou por agência de fomento para a transferência de tecnologia e para
o licenciamento de direito de uso ou de exploração de criação
protegida.
c) contratação de profissional de qualquer setor artístico, diretamente
ou através de empresário exclusivo, desde que consagrado pela
crítica especializada ou pela opinião pública.
d) compra de material bélico, ou de uso pessoal, ou administrativo,
pelas Forças Armadas, quando houver necessidade de manter a
padronização requerida pela estrutura de apoio logístico dos meios
navais, aéreos e terrestres.
e) contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento,
em consequência de rescisão contratual, desde que atendida a ordem
de classificação da licitação anterior, respeitado o preço então
oferecido pelo novo contratado.

Questão 7: FCC - TJ TRE SP/TRE SP/Administrativa/"Sem


Especialidade"/2012
Assunto: Licitação inexigível (art. 25 da Lei 8.666/1993)
O Estado instaurou procedimento licitatório, na modalidade
concorrência, para alienação de imóveis considerados desnecessários
para o serviço público. Ocorre que não acudiram interessados na
licitação e a manutenção desses imóveis no patrimônio público
passou a gerar altos custos de manutenção e vigilância, tornando
premente, assim, a sua alienação. Diante dessa situação, de acordo
com a Lei no 8.666/1993, o Estado
a) está obrigado a realizar nova licitação, podendo, contudo, adotar a
modalidade leilão, na qual poderá alienar o imóvel por até 50% do
valor de avaliação.
b) poderá declarar a inexigibilidade de licitação, por inviabilidade de
competição, e alienar o imóvel diretamente a eventual interessado,
por preço de mercado.
c) está obrigado a realizar nova licitação, na modalidade
concorrência, podendo reduzir o preço mínimo do imóvel,
independentemente de nova avaliação, até o limite de 25%.
d) poderá dispensar o procedimento licitatório para alienar o imóvel,
desde que comprovado que a repetição da licitação gerará prejuízo
para a Administração, e mantidas todas as condições
preestabelecidas.
e) poderá dispensar o procedimento licitatório apenas se comprovar
situação de emergência ou de calamidade pública que determine a
venda forçada.

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 60 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

Questão 8: FCC - AJ TRE SP/TRE SP/Administrativa/"Sem


Especialidade"/2012
Assunto: Licitação inexigível (art. 25 da Lei 8.666/1993)
O Departamento de Estradas de Rodagem − DER, autarquia estadual,
contratou, mediante prévio procedimento licitatório, obras de
duplicação de uma rodovia estadual. No curso da execução das obras,
viu-se obrigado a rescindir o contrato, em face da incapacidade
técnica superveniente da contratada, restando, assim, remanescente
de obras a serem concluídas. De acordo com a Lei no 8.666/1993, o
DER
a) está obrigado a efetuar novo procedimento licitatório para a
contratação da execução do remanescente das obras, podendo,
contudo, fazê-lo sob a modalidade convite, independentemente do
valor da contratação.
b) poderá declarar a inexigibilidade de licitação, desde que por ato
fundamentado da autoridade e comprovado o interesse público
envolvido, não podendo o preço contratado superar o da licitação
anterior, devidamente corrigido.
c) poderá contratar o remanescente de obra com dispensa de
licitação apenas se comprovar situação de emergência ou de
calamidade pública, bem como a compatibilidade do preço com os
praticados no mercado.
d) está obrigado a efetuar novo procedimento licitatório, que poderá
adotar a modalidade pregão eletrônico, com a participação dos
licitantes do certame que deu origem à contratação original, os quais
deverão apresentar, como primeira proposta, o preço ofertado pelo
licitante vencedor, devidamente corrigido.
e) poderá dispensar o procedimento licitatório e contratar o
remanescente da obra com licitante habilitado na licitação anterior,
desde que atendida a ordem de classificação daquela licitação e
aceitas as mesmas condições oferecidas pelo licitante vencedor,
inclusive quanto ao preço, devidamente corrigido.

Questão 9: FCC - AFTM SP/Pref SP/Gestão Tributária/2012


Assunto: Fases (Licitação)
A Secretaria Municipal de Saúde pretende contratar a construção de
um conjunto de unidades de atendimento básico, selecionando a
empresa responsável pela execução das obras mediante regular
procedimento licitatório, regido pela Lei no 8.666/93. As obras não
possuem complexidade técnica, porém, em função da grande
quantidade de unidades a serem construídas, existe o risco de que a
empresa vencedora do certame tenha dificuldade em executá-las de
acordo com o cronograma estabelecido contratualmente. Para
proteger-se de tal risco, a Administração poderá prever no Edital a
obrigatoriedade de os licitantes

a) comprovarem a aptidão para o desempenho do objeto licitado,


mediante a apresentação de atestados referenciados a serviços

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 61 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

realizados no Município, nos 12 meses anteriores à instauração da


licitação.
b) comprovarem a capacidade econômico-financeira para execução
da obra, mediante a apresentação de valores mínimos de
faturamento anterior, índices de rentabilidade ou lucratividade.
c) apresentarem, na fase de habilitação, garantia de execução
contratual, limitada a 10% do valor do objeto da licitação, na forma
de caução, seguro-garantia ou fiança bancária.
d) apresentarem a relação dos compromissos assumidos, que
importem diminuição da capacidade operativa ou absorção de
disponibilidade financeira, calculada esta em função do patrimônio
líquido atualizado e sua capacidade de rotação.
e) apresentarem metodologia de execução, cuja avaliação, para
efeito de sua aceitação ou não, antecede a análise e deve ser feita
por critérios objetivos.
Esta questão possui comentário do professor no
site.www.tecconcursos.com.br

Questão 10: FCC - AFF (TCE-SP)/TCE-SP/"Sem Área"/2012


Assunto: Fases (Licitação)
O Estado instaurou procedimento licitatório para contratação de obra
de grande vulto, consistente na construção de um túnel para
desassoreamento do Rio Pinheiros, que envolve alta complexidade
técnica. De acordo com a Lei no 8.666/93, a licitação poderá
contemplar exigência de
a) apresentação da relação dos compromissos do licitante que
importem diminuição de sua capacidade operativa, calculada em
função do seu faturamento.
b) garantia de execução contratual, limitada a 20% do objeto
contratual, além da qualificação técnica, com apresentação de
atestados de execução de serviços da mesma complexidade, com
limitação de prazo e local.
c) metodologia de execução, cuja avaliação, para efeito de sua
aceitação ou não, antecederá sempre à análise dos preços e será
efetuada exclusivamente por critérios objetivos.
d) capacitação econômico-financeira, mediante apresentação de
índices de liquidez, rentabilidade e faturamento, compatíveis com o
valor do objeto licitado.
e) pré-qualificação, para fins de aferição de capacidade econômico-
financeira dos licitantes, desde que a modalidade adotada não seja a
concorrência.

Questão 11: FCC - AFTM SP/Pref SP/Gestão Tributária/2012


Assunto: Alienação de bens móveis e imóveis (arts. 17 a 19, Lei
8.666)
No curso de processo de execução fiscal, o Município adjudicou, como
forma de pagamento da dívida do contribuinte, o imóvel no qual
estava instalada a fábrica da empresa executada, além de veículos e

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 62 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

outros bens móveis, passando, todos, a integrar o patrimônio da


municipalidade. Ocorre que esses bens, exceto os veículos, não são
do interesse da Administração, que decidiu, assim, aliená-los. De
acordo com o regime jurídico dos bens públicos e conforme as
disposições aplicáveis da Lei no 8.666/93, o Município

a) poderá alienar todos os bens, mediante prévia avaliação e licitação


na modalidade leilão, comprovando a necessidade ou utilidade da
venda dos imóveis e o caráter inservível dos móveis.
b) somente pode alienar os bens móveis, mediante licitação na
modalidade pregão, eis que os bens imóveis, a partir do momento
que ingressam no patrimônio público, são gravados pela
inalienabilidade.
c) pode alienar todos os bens, móveis e imóveis, dada a sua natureza
dominical, independentemente de procedimento licitatório, desde que
por preço não inferior ao da avaliação feita na execução fiscal.
d) pode alienar os bens, mediante prévia avaliação e adoção de
procedimento licitatório, na modalidade pregão para os bens móveis
e convite para os bens imóveis.
e) somente pode alienar os bens imóveis mediante desafetação,
operada com edição de lei específica, e licitação na modalidade
concorrência, utilizando-se do valor de avaliação feita na execução
fiscal.

Questão 12: FCC - AJ TRE SP/TRE SP/Administrativa/"Sem


Especialidade"/2012
Assunto: Alienação de bens móveis e imóveis (arts. 17 a 19, Lei
8.666)
O Estado adquiriu imóveis em procedimento judicial (adjudicação em
processo de execução fiscal) e, em razão da natureza dos mesmos,
não pretende afetá-los à finalidade pública, concluindo, assim, pela
utilidade da alienação, de forma a obter recursos financeiros para a
aplicação em atividades prioritárias. De acordo, com a Lei no
8.666/1993, a alienação deve ser precedida de

a) avaliação e licitação na modalidade concorrência,


obrigatoriamente.
b) avaliação e licitação na modalidade concorrência ou leilão.
c) autorização legislativa, avaliação e licitação na modalidade pregão.
d) autorização legislativa, que deverá estabelecer o preço mínimo de
alienação e licitação na modalidade leilão.
e) autorização legislativa e licitação na modalidade leilão,
dispensando-se a avaliação mediante a adoção do valor da avaliação
judicial para fins de adjudicação.

Questão 13: FCC - JE TJGO/TJ GO/2012


Assunto: Alienação de bens móveis e imóveis (arts. 17 a 19, Lei
8.666)

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 63 de 64


Curso Teórico de Direito Administrativo para CEF
Profº Cyonil Borges – Aula 04

A alienação de bens imóveis da Administração

a) somente pode ser realizada em favor de outro órgão ou entidade


da Administração Pública, em vista da indisponibilidade dos bens
públicos.
b) deve ser sempre realizada mediante licitação na modalidade
concorrência, excetuados os casos de dispensa.
c) depende de autorização legislativa, quando se tratar de bem de
empresa pública ou sociedade de economia mista.
d) não depende de licitação, quando se tratar de venda a outra
entidade da Administração Pública, desde que seja entidade de maior
abrangência.
e) depende de licitação, caso seja feita por meio de doação com
encargo, exceto se houver interesse público devidamente justificado.

Questão 14: FCC - ACE TCE AP/TCE-AP/Controle


Externo/Jurídica/2012
Assunto: Alienação de bens móveis e imóveis (arts. 17 a 19, Lei
8.666)
O Estado adquiriu imóvel em procedimento judicial (adjudicação em
execução fiscal) e, não havendo interesse em destiná-lo ao serviço
público, decidiu aliená-lo onerosamente. Para isso, com base na Lei
de licitações,

a) está dispensado de realizar procedimento licitatório, bastando a


avaliação prévia do imóvel e a sua alienação por valor compatível
com os praticados no mercado.
b) está obrigado a instaurar procedimento licitatório, na modalidade
concorrência, não sendo necessária autorização legislativa, já que o
imóvel não foi afetado ao serviço público.
c) deverá obter autorização legislativa para alienação do imóvel,
realizar avaliação prévia e instaurar procedimento licitatório na
modalidade pregão.
d) deverá realizar avaliação prévia e procedimento licitatório, que
pode adotar a modalidade leilão.
e) está dispensado da realização do procedimento licitatório e da
obtenção de autorização legislativa, exceto se o imóvel já estiver
incorporado ao patrimônio público.

1) E 2) A 3) E 4) D 5) B 6) B 7) D 8) E 9) D 10) C 11) A 12) B


13) E 14) D

Prof. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.com.br Página 64 de 64