Você está na página 1de 8

Assine o DeepL Pro para poder editar este documento.

Visite www.DeepL.com/Pro para mais informações.

Vivendo pela Fé
E. J. Waggoner

Em Rom. 1:17 o apóstolo Paulo faz a seguinte afirmação: "Porque nela se


manifesta a justiça de Deus de fé em fé; como está escrito: O justo viverá pela
fé". Esta afirmação é a soma do que o apóstolo tem a dizer sobre o evangelho.
O evangelho é o poder de Deus para a salvação, mas somente "para todo
aquele que crê"; nele é revelada a justiça de Deus. A justiça de Deus é a lei
perfeita de Deus (Isa. 51:6, 7; Sl. 119:172), que é apenas a transcrição da sua
própria vontade justa (Sl. 40:7, 8). Toda injustiça é pecado (1º João 5:17), ou a
transgressão da lei (1º João 3:4; Rom. 7:7). O evangelho é o remédio de Deus
para o pecado; sua obra, portanto, deve ser a de colocar os homens em
harmonia com a lei, - fazer com que a obra da lei justa se manifeste em suas
vidas. Mas esta é totalmente uma obra de fé, - a justiça de Deus se revela de
"fé em fé", - fé no princípio, e fé no fim, - como está escrito: "O justo viverá pela
fé".
Isto é verdade em todos os tempos desde a queda do homem, e será
verdade até que os santos de Deus tenham o seu nome na testa, e o vejam
como ele é. Foi do profeta Habacuque (2:4) que o apóstolo citou a afirmação.
Se os profetas não a tivessem revelado, os primeiros cristãos
4
não podiam saber disso, pois tinham apenas o Antigo Testamento. Dizer que
nos tempos mais antigos os homens tinham apenas uma idéia imperfeita da fé
em Cristo, é dizer que naqueles tempos não havia apenas homens. Mas Paulo
volta logo ao início e cita uma instância de fé salvadora. Ele diz: "Pela fé Abel
ofereceu a Deus um sacrifício mais excelente do que Caim, pelo qual obteve
testemunho de que ele era justo". Heb. 11:4. Ele diz também de Noé, que foi
pela fé que construiu a arca para a salvação de sua casa; "pela qual condenou
o mundo e se tornou herdeiro da justiça que é pela fé". Heb. 11:7. Dizemos que
a fé deles estava em Cristo, porque era fé para salvação, e além do nome de
Jesus "não há outro nome debaixo do céu dado entre os homens, pelo qual
devamos ser salvos". Atos 4:12.
Há demasiados que tentam viver a vida cristã com a força da fé que
exerceram quando perceberam a necessidade de perdão pelos pecados da
sua vida passada. Eles sabem que só Deus pode perdoar pecados, e que Ele
o faz através de Cristo; mas imaginam que, uma vez começado, eles devem
correr a corrida com suas próprias forças. Sabemos que muitos têm essa idéia,
primeiro, porque já ouvimos alguns dizerem isso, e segundo, porque há tantas
multidões de professos cristãos que não mostram o trabalho de um poder maior
do que o seu próprio. Se alguma vez tiverem algo a dizer no encontro social,
além da fórmula sempre recorrente, "quero ser cristão, para que eu possa ser
salvo", contam apenas uma experiência passada, a alegria que tiveram quando
acreditaram pela primeira vez. Da alegria de viver para Deus, e de caminhar
com ele pela fé, nada sabem, e aquele que fala disso
5
fala uma língua estranha para eles. Mas o apóstolo leva esta questão da fé
clara até o reino glorioso, na seguinte ilustração mais forçada:-
"Pela fé Enoque foi traduzido para não ver a morte; e não foi encontrado,
porque Deus o tinha traduzido; pois antes da sua tradução ele tinha este
testemunho, que ele agradou a Deus. Mas sem fé é impossível agradá-lo; pois
aquele que vem a Deus deve crer que ele é, e que é galardoador daqueles que
o buscam diligentemente". Heb. 11:5, 6.
Observe o argumento para provar que Enoque foi traduzido pela fé: Enoque
foi traduzido porque andou com Deus, e teve o testemunho de que agradou a
Deus; mas sem fé é impossível agradar a Deus. Isso é o suficiente para provar
o ponto. Sem fé não se pode realizar um ato que satisfaça a aprovação de
Deus. Sem fé, as melhores obras que um homem pode fazer ficarão
infinitamente aquém da perfeita justiça de Deus, que é o único padrão. Onde
quer que a verdadeira fé seja encontrada é uma coisa boa; mas a melhor fé em
Deus para tirar a carga dos pecados do passado não beneficiará nada a menos
que seja levada adiante em medida sempre crescente até o fim de sua
liberdade condicional.

UMA CAUSA DE FRACASSO.

Ouvimos muitas pessoas dizerem o quanto achavam difícil fazer o certo;


sua vida cristã era muito insatisfatória para elas, sendo marcada apenas pelo
fracasso, e elas foram tentadas a desistir desanimadas. Não é de se admirar
que desanimem; o fracasso contínuo é suficiente para desencorajar qualquer
um. O soldado mais corajoso do mundo ficaria desanimado se tivesse sido
derrotado em cada 6
batalha. Às vezes essas pessoas vão dizer de luto que perderam a confiança
em si mesmas. Pobres almas, se só perdessem totalmente a confiança em si
mesmas, e pusessem toda a sua confiança naquele que é poderoso para
salvar, teriam uma história diferente para contar. Elas teriam então "alegria em
Deus através de nosso Senhor Jesus Cristo". Diz o apóstolo: "Alegrai-vos
sempre no Senhor; e novamente eu digo: Alegrai-vos". Phil. 4:4. O homem que
não se alegra em Deus, mesmo sendo tentado e aflito, não está lutando a boa
luta da fé. Está lutando a pobre luta da autoconfiança e da derrota.
Todas as promessas de felicidade final são para o vencedor. "Àquele que
vencer", diz Jesus, "darei para sentar-me comigo no meu trono, assim como
eu também venci, e serei depositado com meu Pai em seu trono". Apoc. 3:21.
"Quem vencer herdará todas as coisas", diz o Senhor. Apoc. 21:7. Um
vencedor é aquele que ganha vitórias. O herdeiro não é a superação; essa é
apenas a recompensa pela superação. A superação é agora; as vitórias a
serem conquistadas são as vitórias sobre as cobiças da carne, as luxúrias dos
olhos e o orgulho da vida, - vitórias sobre as indulgências egoístas e egoístas.
O homem que luta e vê o inimigo ceder, pode regozijar-se; ninguém pode
impedi-lo de se regozijar, pois a alegria vem espontaneamente, como resultado
de ver o inimigo ceder. Algumas pessoas olham com pavor a idéia de ter que
travar uma guerra contínua com o ego e as luxúrias mundanas. Isso porque
ainda não sabem nada sobre a alegria da vitória; experimentaram apenas a
derrota. Mas não é tão triste lutar constantemente, quando há uma vitória
contínua. O velho veterano de uma centena de batalhas, que tem sido vitorioso
em cada
7
luta, anseia por estar no local do conflito. Os soldados de Alexandre, que sob
seu comando nunca conheceram a derrota, estavam sempre impacientes para
serem levados para a briga. Cada vitória aumentava sua força, que nascia
apenas da coragem, e diminuía correspondentemente a do inimigo vencido.
Agora, como podemos obter vitórias contínuas em nossa guerra espiritual?
Ouçam os discípulos amados:-
"Porque tudo o que nasce de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que
vence o mundo, até a nossa fé". 1 João 5:4.
Leia novamente as palavras do apóstolo Paulo:-
"Estou crucificado com Cristo: todavia vivo; não eu, mas Cristo vive em mim;
e a vida que agora vivo na carne vivo pela fé do Filho de Deus, que me amou,
e se entregou por mim". Gal. 2:20.
Aqui está o segredo da força. É Cristo, o Filho de Deus, aquele a quem é
dado todo o poder no Céu e na Terra, que faz a obra. Se ele vive no coração
para fazer a obra, será que se vangloria de dizer que podem ser conquistadas
vitórias contínuas? Sim, é ostentação; mas é ostentação no Senhor, e isso é
permissível. Diz o salmista: "Minha alma se gloria no Senhor"; e Paulo diz: "Mas
Deus me livre de me gloriar, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo,
por quem o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo". Gal. 6:14.
Os soldados de Alexandre eram considerados invencíveis. Por quê? Será
porque eram naturalmente mais fortes e corajosos que todos os seus inimigos?
Não; mas porque eles eram liderados por Alexandre. A força deles estava em
sua liderança. Sob outro líder, eles
8
muitas vezes têm sido derrotados. Quando o exército da União estava fugindo,
apavorado, diante do inimigo em Winchester, a presença de Sheridan
transformou sua derrota em vitória. Sem ele, os homens eram uma multidão
que tremia; com ele à sua frente, eles eram um exército invencível. Se você
tivesse escutado os comentários após a batalha, dos soldados que serviram
sob esses e outros líderes semelhantes, você teria ouvido os elogios de seu
general misturado com toda a sua alegria. Eles eram fortes porque ele era; eles
eram inspirados pelo mesmo espírito que ele tinha.

NOSSO PODEROSO LÍDER.

Bem, nosso Capitão é o Senhor dos Exércitos. Ele encontrou o maior


inimigo de todos e o derrotou sozinho. Aqueles que o seguem invariavelmente
saem conquistando e para conquistar. Oh! que aqueles que se dizem seus
seguidores confiem nele e, então, pelas vitórias repetidas que ganhariam,
mostrem os louvores d'Aquele que os chamou das trevas para sua maravilhosa
luz.
João diz que aquele que é nascido de Deus vence o mundo, através da fé.
A fé segura o braço de Deus, e seu poderoso poder faz a obra. Como o poder
de Deus pode trabalhar em um homem, realizando aquilo que ele não poderia
fazer por si mesmo, ninguém pode dizer. Seria tão fácil de dizer como Deus
pode dar vida aos mortos. Diz Jesus: "O vento sopra onde ele sopra, e tu ouves
o seu som, mas não sabes dizer de onde vem, e para onde vai; assim é todo
aquele que nasce do Espírito." João 3:8. Como o Espírito trabalha no homem
para subjugar suas paixões, e para fazer dele
9
Vitorioso sobre o orgulho, a inveja e o egoísmo, só é conhecido pelo Espírito;
basta-nos saber que está feito, e será feito em todos os que querem que o
trabalho nele seja feito, acima de tudo, e que confia em Deus para a sua
realização.
Não podemos dizer como Pedro foi capaz de andar sobre a água, quando
as ondas estavam rolando sobre ele; mas sabemos que, por ordem do Senhor,
ele o fez. Enquanto manteve os olhos fixos no Mestre, o poder divino o
capacitou a caminhar tão facilmente como se fosse rocha sólida por baixo; mas
quando olhou para as ondas, possivelmente com um sentimento de orgulho
pelo que estava fazendo, como se ele mesmo o estivesse fazendo, o medo
tomou posse dele muito naturalmente, e ele começou a afundar. A fé lhe
permitiu caminhar sobre as ondas; o medo o fez afundar sob elas.
Diz o apóstolo: "Pela fé as muralhas de Jericó caíram depois de terem sido
cercadas cerca de sete dias." Heb. 11:30. Por que isso foi escrito? Para nosso
aprendizado, "para que através da paciência e conforto das Escrituras
tenhamos esperança". Rom. 15:4. Por que, existe alguma perspectiva de que
seremos chamados a combater hospedeiros armados e a tomar cidades
fortificadas? Não; "porque não lutamos contra a carne e o sangue, mas contra
os principados, contra as potestades, contra os dominadores das trevas deste
mundo, contra a maldade espiritual nas alturas" (Ef. 6:12); mas as vitórias que
foram conquistadas pela fé em Deus sobre os inimigos visíveis na carne, são
colocadas em registro para nos mostrar o que a fé realizará em nosso conflito
com os dominadores das trevas deste mundo. A graça de Deus, em resposta
à fé, é tão poderosa nestas batalhas quanto naquelas; pois diz o apóstolo:-
10
"Porque, embora andemos na carne, não guerreamos após a carne; (pois
as armas da nossa guerra não são carnais, mas poderosas, através de Deus,
para derrubar os porões fortes;) lançando abaixo a imaginação, e toda coisa
alta que se exalta contra o conhecimento de Deus, e trazendo em cativeiro todo
pensamento à obediência de Cristo". 2 Cor. 10:3-5.
Não foram apenas os inimigos físicos que a fé permitiu que os antigos
dignitários conquistassem. Lemos sobre eles que não apenas "subjugaram
reinos", mas que "forjaram retidão, obtiveram promessas" e, o mais
maravilhoso e mais encorajador de tudo, "por causa da fraqueza se tornaram
fortes". Heb. 11:33, 34. Sua própria fraqueza se tornou força para eles pela fé,
porque a força de Cristo se aperfeiçoou na fraqueza. Quem, pois, encarregará
os eleitos de Deus de alguma coisa? Porque é Deus quem justifica, e nós
somos sua obra, criados em Cristo Jesus para as boas obras. "Quem nos
separará do amor de Cristo? Tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome,
ou nudez, ou perigo, ou espada?". "Não, em todas estas coisas somos mais do
que conquistadores por Aquele que nos amou". Rom. 8:35, 37.
DE FÉ EM FÉ.

Há outra expressão no texto que se encontra no início deste trecho: "Porque


nele [no evangelho] está a justiça de Deus revelada de fé em fé". Essa
expressão tem sido objeto de muita discussão por parte dos teólogos, e muito
poucos estão de acordo quanto ao seu significado. O fato de os sábios
discordarem dela, não precisa nos assustar com o pensamento de que ela não
pode ser compreendida, pois nós
11
lê-se que coisas escondidas dos sábios e prudentes são reveladas às crianças.
Se somos suficientemente simples para aceitar o significado óbvio das
Escrituras, como explicam as Escrituras, não precisamos estar na escuridão.
Uma das maiores causas do fracasso de muitas pessoas em compreender
o livro de Romanos, e de fato qualquer outra parte da Escritura, é o fracasso
em se apegar aos primeiros princípios e definições bíblicas. Os homens tentam
definir alguns termos de acordo com seu treinamento teológico, e acham difícil
fazê-los caber. Então, se em algum momento aceitarem a definição bíblica de
um termo, eles não aderem a ele, mas lhe dão algum outro significado na
próxima vez em que se encontrarem com ele. Isto não pode levar a mais nada
além de confusão.
A causa da dificuldade em compreender este texto, é a falha em se apegar
à definição bíblica do termo, "a justiça de Deus". Já vimos que é uma expressão
que indica o caráter de Deus, e que seu caráter está estabelecido nos dez
mandamentos. Eles resumem todo o dever do homem, que é o de ser como
Deus. A lei, tendo sido transgredida, não pode, naturalmente, ser perfeitamente
representada na vida de qualquer pessoa, e assim foi elaborado o evangelho,
para que o homem possa encontrar em Cristo a perfeita justiça da lei. O
evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, porque
torna manifesta a justiça de Deus. Não apenas a lei - a justiça de Deus - é
pregada, e sua majestade é mantida, pelo evangelho, mas pelo evangelho os
frutos da justiça são feitos para aparecer na vida do crente. Alguns fariam
"justiça de Deus" nisto
12
texto sinônimo de "justificativa". Tudo bem, se eles não limitarem a aplicação
do texto ao momento da justificativa da transgressão passada. É a aplicação
da lei em Cristo à vida do transgressor que o justifica. Pela redenção que está
em Cristo Jesus, Deus pela sua graça conta a vida passada do pecador que
crê como se tivesse sido em todos os aspectos, de acordo com a sua lei. Rom.
3:25. Isto é justificação. É a revelação, ou manifestação, através do evangelho,
da justiça de Deus. Rm. 3:21, 22. Mas o texto diz que isto se revela "de fé em
fé"; e isto não pode significar outra coisa senão uma obra progressiva de
justiça. O versículo ensina que a justiça de Deus é revelada de um grau de fé
para um grau superior de fé, e conseqüentemente que a justiça deve estar
sempre em crescimento. Isto é demonstrado pela citação que o apóstolo faz
para provar sua afirmação. Deve ser que a justiça de Deus é revelada de fé em
fé, argumenta ele, porque está escrito: "O justo viverá pela fé".

CRESCIMENTO CRISTÃO.

A força disso se encontra no fato de que a vida cristã, que é o resultado da


fé, é progressiva. A vida cristã é um crescimento contínuo. Pedro diz: "Vós,
pois, amados, vendo que sabeis estas coisas antes, cuidado para que também
vós, sendo levados pelo erro do ímpio, não caiais da vossa própria firmeza".
Mas crescei na graça, e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus
Cristo". 2 Pedro 3:17, 18. A única maneira de não cair do que temos, é crescer.
Davi diz do justo que "ele será como uma árvore
13
plantadas junto aos rios de água". Sl. 1:3. Isto significa crescimento contínuo.
Lemos sobre o caminho do justo, que "será como a luz brilhante, que brilha
cada vez mais até o dia perfeito". Prov. 4:18. Mas "o justo viverá pela fé";
portanto, deve ser que a sua fé aumente.
Mais uma vez, diz Paulo aos coríntios: "Agora aquele que ministra a
semente ao semeador, tanto ministra o pão para o vosso alimento, como
multiplica a vossa semente semeada, e aumenta os frutos da vossa justiça." 2
Cor. 9:10.
Aos Tessalonicenses ele escreveu: "E o Senhor vos faça crescer e abundar
em amor uns para com os outros, e para com todos os homens". 1
Tessalonicenses. 3:12. E novamente ele disse: "Mas nós vos rogamos, irmãos,
que aumenteis mais e mais." 1 Tessalonicenses. 4:16. Mas a fé funciona pelo
amor, ou seja, o amor é o resultado da verdadeira fé; portanto, o aumento do
amor deve ser o resultado do aumento da fé.
Aos Hebreus, o apóstolo escreveu: "Deixando, pois, os princípios da
doutrina de Cristo, prossigamos para a perfeição". Heb. 6:1. E na epístola aos
Filipenses disse Paulo: "Não como se eu já tivesse alcançado, nem um nem
outro já fossem perfeitos; mas sigo depois, se é que posso apreender aquilo
pelo qual também sou apreendido de Jesus Cristo". Irmãos, não me considero
apreendido; mas uma coisa faço, esquecendo-me das coisas que estão atrás,
e estendendo a mão para as que estão antes, pressiono para a marca do
prêmio do alto chamado de Deus em Cristo Jesus". Phil. 3:12-14. Aqui se
estabelece uma contínua busca por alguma realização superior. O chamado
de Deus em Cristo Jesus, é um chamado para uma vida santa ou justa, pois
14
nós lemos: "Mas, como aquele que vos chamou é santo, sede vós também
santos em toda a espécie de vida; porque está escrito: Sede santos, porque eu
sou santo." 1 Ped. 1:15, 16, Versão revisada.
Essa justiça para a qual somos chamados, e para realizações superiores
nas quais devemos constantemente pressionar, é obtida somente pela fé, pois
Paulo expressa seu desejo de ser encontrado em Cristo, não tendo sua própria
justiça, mas a que é pela fé de Cristo, a justiça que é de Deus pela fé. Phil. 3:9.
Portanto, como a justiça vem somente pela fé, e deve aumentar, segue-se que
a fé também deve aumentar. Portanto, não foi uma oração vã que os discípulos
proferiram, quando disseram: "Senhor, aumenta a nossa fé". Lucas 17:5.
Essa fé é suscetível de crescimento, é claramente declarada pelas
Escrituras. Paulo tinha esperança de que quando a fé dos irmãos coríntios
crescesse, ele deveria ser ajudado por eles para pregar o evangelho nas
regiões além deles. 2 Coríntios 10:15, 16. Aos Tessalonicenses ele escreveu
que orava excessivamente noite e dia, para poder vê-los, e aperfeiçoar o que
faltava na fé deles. 1 Tess. 3:10. E ainda mais tarde escreveu: "Temos que
agradecer sempre a Deus por vós, irmãos, como é justo, porque a vossa fé
cresce excessivamente, e a caridade de cada um de vós uns para com os
outros abunda". 2 Tess. 1:3.
Este último texto contém toda a argumentação que fizemos. Sua fé cresceu,
e como conseqüência, sua caridade abundou. Caridade, ou amor, é o
cumprimento da lei. Rom. 13:10; 1 João 5:3. É a manifestação da justiça de
Deus, e é resultado da verdadeira fé, pois a fé opera pelo amor, e a única
justiça
15
que será aceita quando o Senhor vier é aquela que é pela fé de Cristo, "a justiça
que é de Deus pela fé". Sendo assim o ensino das Escrituras, não há razão
para que não entendamos Rom. 1:17, assim como se lê: A justiça de Deus é
revelada, ou manifestada, de fé em fé.
Uma ou duas instâncias notáveis registradas na Escritura ilustrarão isto. O
apóstolo registra que "pela fé a meretriz Raabe não pereceu com os que não
creram, quando ela recebeu os espiões com paz". Heb. 11:31. Este caso tem
sido motivo de tropeço para alguns que não têm pensado bem no assunto. É
sabido que Raabe mentiu aos homens enviados pelo rei de Jericó para prender
os espiões (veja Josué. 2:2-6), e eles imaginam que ao salvá-la Deus colocou
um prêmio na mentira, e que às vezes é correto mentir. Também não é
verdade. Rahab foi salva, não por causa da sua mentira, mas por causa da sua
fé. Ela, em comum com todo o povo de Jericó, tinha ouvido como o Senhor
secou as águas do Mar Vermelho, e como ele tinha conduzido os israelitas;
mas só ela, de todos os habitantes de Jericó, acreditava que a mão do Senhor
estava no assunto, e que ele tinha dado a terra de Canaã aos israelitas. Ela
tinha uma fé simples, mas ignorava totalmente a lei de Deus. No código da
moralidade pagã, a mentira era considerada uma virtude, e ela não sabia nada
melhor. Mas sua fé tornou possível que ela fosse salva, e a trouxe para um
lugar onde pudesse aprender a justiça. Como conseqüência natural, sua fé em
Deus aumentaria quando ela aprendesse mais sobre ele. No caso dela, temos
um claro exemplo da revelação da justiça de Deus, de fé em fé.
O mesmo se aplica a Cornelius. Ele temia a Deus.
16
com toda a sua casa, e deu muitas esmolas, e "orou a Deus sempre". Como
um
Em conseqüência, um anjo foi enviado a ele, orientando-o a mandar buscar
Pedro, que deveria dizer-lhe o que ele deveria fazer.
A soma de tudo isso é que é a fé que aproxima Deus de nós. Se primeiro
acreditarmos que Ele é, Ele se revelará a nós mais plenamente. Se nos
alegrarmos com essa luz e andarmos nela, nossa fé será aumentada, e isso
trará mais luz. Como com Rahab, assim também com todos. Deus não nos
concede uma bênção porque somos justos, mas para que possamos nos tornar
justos. Quando nossa fé nos leva a Cristo, é para que possamos aprender dele.
À nossa fé acrescentamos virtude e conhecimento. Mas como a fé vem pelo
ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus, segue-se que quanto mais nós realmente
soubermos - aceitar a palavra de Deus, maior será a nossa fé. E assim,
aumentando diariamente na fé, o justo passa de força em força, até que o
amanhecer do dia perfeito os leva à presença imediata de Deus.