Você está na página 1de 4

Escola de Educação Básica Prof.

Germano Waguenfurh
Alunos:Mariana Santana,Leticia Carolaine Abreu e Denis Augusto Linzemeyer
Assunto:Estilo Musical.

Heavy Metal

Porto União,2011.
O heavy metal (muitas vezes referido apenas como metal) é um gênero
do rock que se desenvolveu no fim da década de 1960 e no início da década
de 1970, em grande parte, no Reino Unido e nos Estados Unidos Tendo como
raízes o blues-rock e o rock psicodélico, as bandas que criaram o gênero
desenvolveram um espesso, maciço som, caracterizada por altas distorções
amplificadas, prolongados solos de guitarra e batidas enfáticas. O Allmusic
afirma que "de todos os formatos do rock 'n' roll, o heavy metal é a forma mais
extrema, em termos de volume, e teatralidade"..

As primeiras bandas de heavy metal como Led Zeppelin, Black


Sabbath e Deep Purple atraíam grandes audiências, um atributo comum em
toda a história do gênero. Em meados da década de 1970, o Judas
Priest ajudou a impulsionar a evolução do gênero suprimindo muito da
influência do blues presente na primeira geração do metal britânico; [5][6]
[7]
 o Motörhead introduziu agressividade e fúria nos vocais, influência do punk
rock, e uma crescente ênfase na velocidade. Bandas do "New Wave of British
Heavy Metal" como Iron Maiden seguiram a mesma linha. Antes do final da
década, o heavy metal tinha atraído uma sequência de fãs no mundo inteiro
conhecido como "metalheads" ou "headbangers" e também
como "metaleiros"em países de idioma português.
Na década de 1980, o glam metal se tornou uma grande força comercial
com grupos como Mötley Crüe. O Underground produziu uma série de cenas
mais extremas e estilos agressivos: o thrash metal invadiu o cenário com
bandas como Anthrax, Megadeth,Metallica e Slayer, enquanto outros estilos
como o death metal e o black metal permaneceram como fenômenos da
subcultura do metal. Nos anos 1980, ainda foi criado o power metal, com
bandas como Helloween e Blind Guardian.
Desde meados da década de 1990, populares estilos como alternative
metal e suas vertentes mais famosas: industrial metal, rap metal e nu metal,
muitas vezes incorporam elementos dohip hop e funk. Já o metalcore, que
combina hardcore punk com metal extremo, tem alargado ainda mais a
definição do gênero.

Características
O heavy metal se caracteriza tradicionalmente por guitarras altas e
distorcidas, ritmos enfáticos, um som de baixo-e-bateria densa e vocais
vigorosos. Os subgêneros do metal tradicionalmente enfatizam, alteram ou
omitem um ou mais destes atributos. Segundo o crítico do New York Times,Jon
Pareles, "na taxonomia da música popular, o heavy metal é a principal
subespécie do hard rock - o tipo com menos síncope, menos blues, com mais
ênfase no espetáculo e mais força bruta." A típica formação da banda inclui
um baterista, um baixista, um guitarrista base, um guitarrista solo e um cantor,
que pode ou não também tocar algum dos instrumentos. Teclados são por
vezes usados para enriquecer o corpo do som, as primeiras bandas de heavy
metal costumavam usar um órgão Hammond, enquanto sintetizadores se
tornaram mais comuns posteriormente.
A guitarra elétrica e o poder sônico que ela projeta através
dos amplificadores foi, historicamente, o elemento chave do heavy metal. As
guitarras freqüentemente são tocadas com pedais de distorção, por meio
de amplificadores de tubo com bastante overdrive, criando um som espesso,
poderoso e "pesado". Um elemento central do heavy metal é o solo de guitarra,
uma forma de cadenza. À medida que o gênero se desenvolveu, solos
e riffs mais sofisticados e complexos tornaram-se parte integral do estilo.
Guitarristas usam técnicas como sweep-picking e tapping para tocar com mais
velocidade, e diversos estilos do metal enfatizam demonstrações de
virtuosismo. Algumas bandas influentes do gênero, como Judas Priest e Iron
Maiden, têm dois ou até mesmo três guitarristas que partilham tanto a guitarra
base quanto a solo. Uma característica importante é o uso de escalas
pentatônicas, exemplificado em bandas como Led Zeppelin, Deep
Purple, Black Sabbath.
O papel principal da guitarra no heavy metal frequentemente colide com
o papel tradicional de líder da banda (bandleader) do vocalista, o que cria uma
tensão musical à medida que os dois "disputam pela dominância" num espírito
de "rivalidade afetuosa". O heavy metal "exige a subordinação da voz" ao som
geral da banda. Refletindo as raízes do metal na contracultura da década de
1960, uma "demonstração explícita de emoção" é exigida dos vocais, como
sinal de autenticidade. O crítico Simon Frith alega que o "tom de voz" do cantor
do metal é mais importante do que as letras. Os vocais do metal variam
enormemente de acordo com o estilo, do enfoque teatral, abrangendo
múltiplas oitavas, de Rob Halford, do Judas Priest, e Bruce Dickinson, do Iron
Maiden, até o estilo rouco de Lemmy, do Motörhead, e James Hetfield,
do Metallica, chegando até ao urro gutural de diversos vocalistas de death
metal.
O papel de relevo do baixo também é crucial para o som do metal, e o
intercâmbio entre o baixo e a guitarra formam um elemento central do estilo. O
baixo fornece o som grave necessário para tornar a música "pesada". As linhas
de baixo do metal variam enormemente em termos de complexidade, desde a
manutenção de um simples ponto pedal grave até servir como "alicerce" para
os guitarristas, dobrando riffs e licks complexos juntamente com as guitarras
base e/ou ritmo. Algumas bandas contam com o baixo como um instrumento
solo, um enfoque popularizado pelo baixista Cliff Burton, do Metallica, no início
da década de 1980.
A essência da bateria do metal consiste em criar uma batida alta e
constante para a banda, usando a "trifeta da velocidade, força e precisão". A
bateria do metal "requer uma quantidade excepcional de resistência", e os
bateristas do estilo têm de desenvolver "destreza, coordenação e velocidade
consideráveis para tocar os padrões complexos" utilizados no metal.Uma
técnica característica da bateria do metal é o abafamento do prato, que
consiste na percussão de um prato seguida pelo seu silenciamento imediato,
através do uso da outra mão (ou, em alguns casos, da própria mão que o
percutiu), produzindo uma curta emissão sonora. O setup da bateria do metal
geralmente é muito maior do que o que é utilizado em outras formas de rock.
Nas performances ao vivo o volume - "um ataque sonoro", na descrição
do sociólogo Deena Weinstein - é considerado vital. Em seu livro Metalheads, o
psicólogo Jeffrey Arnett se refere aos shows de heavy metal como "o
equivalente sensorial da guerra." Logo após os primeiros passos dados
por Jimi Hendrix, Cream e The Who, as primeiras bandas de heavy metal,
como Blue Cheer, estabeleceram novos marcos em termos de volume.
Segundo o próprio vocalista do Blue Cheer, Dickie Peterson, "tudo o que
sabíamos é que queríamos mais força." Uma crítica de um show do Motörhead
de 1977 registrou como "o volume excessivo figura com destaque particular no
impacto da banda." Segundo Weinstein, da mesma maneira que a melodia é o
principal elemento da música pop e o ritmo é o principal foco da house music,
som, timbre e volume poderosos são os elementos-chave do metal; o volume
excessivo teria como intenção "varrer o ouvinte para dentro do som",
fornecendo-lhe uma "dose de vitalidade jovial". A fixação do heavy metal com o
volume foi satirizada no documentário de comédia This Is Spinal Tap, no qual
um guitarrista de metal alega ter modificado seus amplificadores para "irem até
o onze".