Você está na página 1de 4

William Vella Nozaki (*) - 04/11/2009 00:00

Créditos da foto: Divulgação


A Informação não
é mercadoria,
é um bem público.
Venha se somar aos mais de 100.000 leitores cadastrados.
Resenha do livro:
MELLO, João Manuel Cardoso de & NOVAIS, Fernando. Capitalismo tardio e
sociabilidade moderna. Unesp/Facamp: Campinas, 2009.

https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/Capitalismo-e-modernidade-no-
Brasil/7/15345

O Brasil ontem e hoje


O que se tornou o capitalismo brasileiro? Essa questão elementar não cessa de ser
formulada. Muitos a perguntam na discrição das reflexões solitárias ou na distração das
conversas informais; alguns a respondem de forma excessivamente retórica ou de
maneira demasiadamente abstrata.

Tratada de maneira indireta e oblíqua essa indagação soa mais como demonstração de
estilo do que como manifestação de perplexidade. Talvez isso ocorra porque de tão
natural, direta e ingênua, tal questão só possa mesmo ser feita por um pensamento
maduro, cansado de tergiversar e pronto para a hora de falar concretamente. É
precisamente esse o exercício proposto em Capitalismo tardio e sociabilidade moderna.

O texto foi escrito no bojo dos ataques contra o neoliberalismo e veio a lume pela
primeira vez como parte da coleção História da Vida Privada no Brasil, em 1998. Trata-
se de obra com espírito crítico e com ímpeto de balanço, que, publicada agora como
livro, não deixa de revelar sua atualidade.

Esse pequeno ensaio sobre a modernidade brasileira reúne o método crítico de um


historiador reconhecido por sua habilidade em clarificar a nossa herança mercantil e a
perspectiva analítica de um economista conhecido por sua destreza em esclarecer o
nosso fado industrial. Ao atarem essas duas pontas, Fernando Novais e João Manuel
Cardoso de Mello, produzem um curto-circuito revelando como a industrialização
brasileira criou e foi tragada por uma sociedade mercantil nos trópicos.

A interpretação dos dois autores aborda meia dúzia de décadas fundamentais para a
compreensão do Brasil. Parte-se do otimismo da década de 1930, período em que o
progresso industrial colore a nação, e caminha-se em direção à desilusão da década de
1990, momento em que o regresso monetário descaracteriza qualquer nacionalismo.

O livro se divide em sete pequenos capítulos, neles se analisam: (1) a indústria e o


consumo; (2) o campo e a cidade; (3) a estrutura de classes e a mobilidade social; (4) os
valores capitalistas e os princípios modernos; (5) a concentração de riqueza e a
distribuição de renda; (6) o autoritarismo político-econômico e a massificação sócio-
cultural; (7) a globalização e o neoliberalismo no Brasil.

Capitalismo
Nos três primeiros capítulos do livro abordam-se as principais transformações
responsáveis pela modernização do país, trata-se de enfatizar a aura de otimismo que
tomou conta do país apesar da manutenção de algumas distorções.

Retomando interpretações consagradas, os autores relembram como nas décadas entre


1930 e 1950 acelera-se o processo brasileiro de industrialização, modernizam-se os
setores industriais mais tradicionais (alimentos, têxteis, calçados, móveis) e formam-se
os setores industriais mais complexos (aço, petróleo, alumínio, químicos e
farmacêuticos). Além disso, ensaiando interpretações inéditas, enfatiza-se como nesse
período emergem mudanças significativas no processo de comercialização dos produtos,
com o surgimento dos supermercados, shopping centers, cadeias de lojas de
eletrodomésticos, revendedora de automóveis e lojas de departamento.

O objetivo é demonstrar como as relações entre a alteração na oferta de produtos e na


circulação de mercadorias implicaram novos hábitos de vestuário, de alimentação, de
higiene pessoal, de limpeza da casa etc. ensejando um novo padrão de consumo.

Para tanto, os exemplos mobilizados são muitos e diversos, trata-se de ilustrar a relação
entre as mudanças na estrutura produtiva e as transformações na dinâmica do consumo.
Como, por vezes, a profusão de casos listados pode ofuscar a interpretação sugerida
pelos autores, aos deslumbrados com os exemplos recomenda-se cautela, aos ansiosos
pela análise pede-se paciência. A leitura ponderada será recompensada ao final.

Durante esse período, notam ainda os autores, a industrialização acelerada não poderia
deixar de significar também uma urbanização desenfreada. Assim é que a estrutura
rígida do campo cede lugar à estrutura competitiva da cidade; a extrema pobreza e a
miséria são sobrepujadas pela esperança e pelo desejo da migração; a família conjugal,
dos compadres e vizinhos, é substituída pela família unicelular, de pais e filhos; e a
educação pelo trabalho é trocada pela educação escolar.

Nesse processo o imigrante estrangeiro pôde usufruir de sua pequena vitória na luta por
melhores posições sociais, dada sua melhor posição financeira de saída, muitos
passaram de mascates a empresários, de trabalhadores especializados converteram-se
em profissionais liberais. A mesma sorte não se deu com os migrantes rurais, ainda que
sua situação tenha melhorado, a pobreza do campo foi substituída por não mais do que
algumas tarefas de pouca qualificação e de baixa remuneração. Os negros urbanos, em
sua grande maioria, permaneceram confinados ao trabalho subalterno, rotineiro e
mecânico.
Tais mudanças e permanências, denunciam os autores, revelam como o capitalismo cria
a ilusão de que as oportunidades econômicas são iguais para todos, quando na realidade
a mercantilização da sociedade é que se apresenta como o único denominador comum.

No topo dessa sociedade abriga-se um pequeno conjunto de capitalistas, banqueiros e


industriais, menos interessados em liderar o desenvolvimento econômico do país e mais
interessados em tirar proveito da ação do Estado e da atuação da grande empresa
multinacional. Na faixa intermediária, acotovelam-se uma classe média alta de
profissionais em busca da qualificação fundada no ensino superior e uma classe média
baixa de operários à procura de especialização. Na base dessa pirâmide subsistem
incontáveis famílias de trabalhadores comuns, de migrantes recém-chegados e de
citadinos empobrecidos.

O que os separa é uma hierarquia rígida de trabalhos e remunerações, o que os une são
certas necessidades e desejos de consumo. Sendo assim, ressaltam os autores, é
importante notar como entre nós os processos de diferenciação do trabalho e de
generalização do consumo se deram no mesmo compasso. Desse modo, entre nós a
corrida pela ascensão social apresentou-se menos como um fruto do progresso industrial
e tecnológico e mais como uma corrida de miseráveis, pobres, remediados e ricos pela
atualização dos padrões de consumo.

Modernidade
Desse descompasso entre a produção industrial e a circulação mercantil é que emerge
nossa modernidade interrompida. Esse tema encontra-se muito bem desenvolvido no
quarto capítulo, que é uma espécie de ponto de viragem no livro, fazendo a passagem
entre a formação da nossa economia capitalista e a deformação da nossa sociedade de
mercado.

Nos três últimos capítulos do livro, dessa vez, abordam-se as principais patologias e
distorções responsáveis por interditar a modernização do país, trata-se de encarar o
fantasma da desilusão que se generalizou pelo Brasil.

Isso porque entre as décadas de 1960 e 1980, os valores capitalistas foram reinventados
entre nós sem grandes contestações. O privatismo patriarcalista da casa-grande se
prolongou no familismo empresarial; a desvalorização do trabalho, herança da
escravidão, se redefiniu na cisão entre funções intelectuais e tarefas manuais; a
reverência pela hierarquia das ordens tradicionais se transfigurou na suposta
concorrência que seleciona superiores e inferiores; e a idéia de país tomado como
negócio, mas não como nação, ganhou fôlego redobrado. Isso tudo porque a aspiração à
ascensão individual no Brasil não se lastreou no progresso técnico, mas na corrida pelo
consumo.

Em contrapartida, os valores modernos foram obstruídos por grandes barreiras. A


secularização, o racionalismo e a ilustração, capazes de inculcar as idéias de autonomia,
igualdade e liberdade, trazem consigo conteúdos éticos e humanistas que não ecoam
diante dos limites impostos pela lógica utilitarista e mercantil vigente no Brasil. Ou seja,
sem os valores modernos capazes de refrear os valores capitalistas, imperou entre nós a
exploração econômica e a dominação política que perpetuam as desigualdades sociais
fundadas num capitalismo sem iluminismo. Em última instância, pode-se dizer que o
industrialismo foi sobrepujado pelo consumismo como lógica de organização social.
Tal alteração ocorre, precisamente, por ocasião do Golpe de 1964, a política econômica
capaz de combinar crescimento econômico e concentração de renda abria espaço para a
acumulação de lucros e riqueza ao mesmo tempo em que patrocinava a diferenciação
entre os salários e, por extensão, entre as capacidades de consumo.

O que se originava era uma sociedade deformada, fraturada em três dimensões: um


mundo desfrutado por ricos e privilegiados, caracterizado pelo consumo de luxo, regado
à ostentações e suntuosidades; um mundo permeado pelas várias classes médias e
remediados, marcado por um tipo de consumo que é o simulacro e a imitação do
primeiro; e, por fim, um mundo povoado por pobres e miseráveis, nesse ambiente os
salários baixos permitem a reprodução daqueles padrões de consumo, mas impedem a
difusão da capacidade de consumir.

Mas as agruras impostas ao país pela ditadura militar não se restringiram ao plano
político e econômico, notam os autores, elas também se esprairam pela esfera social e
cultural. Isso porque ao cerceamento do espaço público seguiu-se, imediatamente, o
estabelecimento de uma opinião privada. Disfarçando-se em meio a entretenimentos ou
revestindo-se de objetividades, as empresas televisivas e jornalísticas formavam uma
pequena confraria que, com a anuência do governo militar, patrocinavam a instauração
de uma indústria cultural americanizada no país.

A prioridade da TV e do entretenimento sobre a informação e a educação, e a


preeminência de empresas privadas sobre a opinião pública, apontam os autores,
promoveu, novamente, o triunfo de normas mercadológicas sobre princípios
modernizantes. Desse modo, a sociedade brasileira passava diretamente da deseducação
para a massificação, criavam-se consumidores sem que se houvesse formado cidadãos.
Esse será o país lançado, nos anos 1990, sobre os estertores da globalização e do
neoliberalismo.

Na melhor tradição do pensamento social brasileiro, o livro destaca como ao mesmo


tempo em que criávamos condições para o nascimento e o desenvolvimento do
capitalismo, impúnhamos obstáculos para o florescimento e a consolidação da
modernidade no país. Tudo analisado à partir das justaposições entre a produção
econômica e a reprodução social, entre a lógica da industrialização e os nexos do
consumismo.

(*) Bacharel em Ciências Sociais (FFLCH/USP); mestrando em Desenvolvimento


Econômico (IE/UNICAMP).