Você está na página 1de 11

1.

INTRODUÇÃO
No presente trabalho abordarei aspectos fundamentais ligados a cadeira de higiene, saúde e
segurança no trabalho. Focalizando mais na ergonomia, falando mais de todos aspectos a
cerca da protecção individual e colectiva da análise feita na visita de campo na empresa One
More.

Terei como ponto de partida: a apresentação dos objectivos, métodos usados para elaboração
do relatório, matérias usados no campo, objectos de estudo, resultados obtidos após a visita de
campo na empresa One More, todos esses aspectos estão ligados a relevância da nossa visita
de campo.

Ao se fazer ao terreno o grupo pode persuadir os trabalhadores como se fazer no local de


trabalho, assim como manter uma postura produtiva. Falando mais do que se deve e não fazer
quando estamos no local de trabalho.

Tratando se de uma oficina de serração de madeira fize mo nos presente devidamente


equipados de EPI, sinonimo de bom exemplo para os nossos entrevistados. E no local
conseguimos detectar alguns aspectos positivos e os negativos. E dos quais podem ser
melhorados e também no que se deve remover ou substituir para o bem dos operários e sendo
um perigo a saúde publica.

O presente trabalho está dividido em capítulos e subcapítulos abordando todos aspectos


leccionados nas aulas e que ao se fazermos no terreno eu e meu grupo procuramos aplicar no
máximo as regras ergonómicas e de higiene, saúde e segurança no trabalho.

Juntamente com os meus colegas conseguimos ver alguns aspectos que era de nossa
competência ajudar a melhorar, e com essas ideias em forma de sugestão eles consideraram
muito bem-vindas e apesar de no inicio terem se intimidado criando uma confusão com os
técnicos do INAE, pensamos em ajudar porque sabe se que, a saúde é de interesse de todos e é
um bem comum.

Não só, de mencionar que durante as aulas temos tido grandes avanços no âmbito da inserção
do próprio ambiente de trabalho até a ultima instancia das verdades vividas pelos operários no
ambiente de trabalho, gestores das áreas práticas e isso leva nos a ganhar certa experiencia e a
acertar nos nossos futuros postos de trabalho ou mesmo para um auxilio em algumas
pequenas e médias empresas, e de forma mais detalhada debruçarei sobre o assunto mais em
diante, e em jeito de desfecho darei as nossas sugestões, criticas e por fim a conclusão.
1. OBJECTIVOS
 Diagnostico das condições de higiene, saúde e segurança no local de trabalho e
aspectos a ter em conta na oficina One More;
1.1. Objectivos específicos:
 Ajudar a lidar com acidente de trabalho;
 Saber a posição adequada para o kit de primeiros socorros;
 Ajudar a diagnosticar como proceder com a rotação das actividades para uma maior
produtividade;
2. Material e Métodos
 Lápis;
 Bloco de notas;
 Manual para ajudar na diagnosticar aspectos ligados a HST;
 Telemóvel para auxiliar na gravação de áudios;

O método usado para a produção do relatório, foi Experimental mas com tendências para o
método monográfico porque na produção de um trabalho cientifico faz se uma mistura de
métodos para a elaboração do trabalho final e auxiliando com o contacto directo com os
repensáveis da oficina e os operários, e vice-versa permitindo uma interacção directa.
Ergonomia – estuda a relação entre o homem e o meio que o rodeia, o seu objecto de estudo é
o homem e se sentar bem. [ CITATION Pri02 \l 1033 ]

Primeiros socorros – são primeiros procedimentos de emergência feitos a uma pessoa que
sofreu um acidente enquanto por atendimento personalizado. [ CITATION SBV02 \l 1033 ]

2.1. No local de trabalho

Designação Social: CARPINTARIA ONE MORE;

Localização: BAIRRO DE CHAMBONE 3;


Telefone: 845078646;
Actividade Principal: Processamento de matéria-prima (madeira)
Pode se observar que ao se dirigirmos ao terreno pudemos observar que dentro da oficina tem
entrada e saída com acesso rápido e fácil para locomoção de dentro para fora da oficina.
Observamos que quanto aos trabalhos nocturnos não há dificuldades na eliminação, pois
apresentam o padrão recomendado.

Quanto ao piso é feito de cimento e é aderente e sem irregularidades. Quanto a afastamento de


outros postos de trabalho, digamos que esta bem localizado e em um bom local capaz de ser
um bom ambiente para a prática do trabalho.

2.2. Movimentação de cargas

Quanto a movimentação de cargas a empresa ainda não tem os padrões recomendados, apenas
tem pequenas maquinas que auxiliam na locomoção de material pesado e quando há falta de
funcionamento dos mesmos há necessidade de usar a forca humana o que pode provocar em
um desgaste físico por parte dos operários e posterioriormente a uma doença profissional.

E não há transporte auxiliar, todo processo acaba sendo manual, porque também a empresa
ainda é nova e aos poucos está se reorganizando para apresentar um melhor padrão. E se
tratando de uma oficina revestida de metal e laterais com meia fiada de blocos não apresenta
passeios, passagens e corredores com largura compatível, e também há dificuldades na
marcação no solo em zonas delimitadas para a movimentação.

2.3. Posições no ambiente de trabalho


Para não ser escova, e estar a elogiar a empresa, ao se fazermos ao local para a entrevista
pudemos detectar que a há falta de respeito nos aspectos ergonómicos porque os operadores
trabalham muito tempo de pé o que dificulta para uma celeridade no trabalho, e eles giram e
baixam frequentemente o que pode originar em doenças de trabalho.

E como foi citado acima, pela falta de corredores e sinais ou delimitação de solos o operador
tem que se afastar para dar passagem as máquinas e também aos colegas do trabalho por ser
confinado. Pode se observar ainda que quanto ao posicionamento das maquinas e altura são
adequadas e não foge das regras. E quanto ao posicionamento do homem e as maquinas a
posição é boa o que não danifica a vista, estando numa posição para o trabalho.

2.4. Conduções psicológicas do trabalho

O trabalho na oficina One More a maior parte das vezes é normal ou seja sempre se trabalha
de dia no período de manha ate ao período de tarde, das 7:30 até 17:30 mas no caso de
encomendas a ser entregues a tempo e hora seleccionam os mais experientes e ficam a
terminar o trabalho.

E os trabalhadores não têm tido muitas horas extras, há rigorosidade na hora de entrada e
saída, excepto quando há encomendas de grande lote. E há probabilidade das tarefas serem de
altas cadências de produção pois não há muitas especificidades a cerca do assunto.

Há muita exigência para os trabalhadores se fazerem ao local lúcidos e bem-dispostos porque,


devem estar concentrados para se evitar riscos de operação e isso evita problemas de
acidentes de trabalho sabendo que trabalham com máquinas pesadas e perigosas.

2.5. Máquina

Quanto as máquinas observamos que as engrenagens e as partes móveis estão protegidas, e


também estão devidamente identificados os sinais e os dispositivos de segurança. Mas se
tratando de uma pequena empresa pudemos observar que nem todos os operários tem a devida
formação e os aprendizes não estão suficientemente qualificados, observamos que mandam
praticar sem os controlar ou seja mandam cortar varões sem a devida protecção e sem a
devida aprendizagem, e não se esquecendo que as actividades são operações rotineiras e
repetitivas o que acaba levando o homem a se adaptar ao seu trabalho e com riscos de lhe
causar acidentes e possíveis acidentes de trabalho e não se esquecendo da baixa
produtividade.
2.6. Ruídos e Vibrações

Dentro da oficina quando se está a trabalhar ou parado a espera de terminar uma peça é
possível sentir altas vibrações e ruídos intensos e não se fazem ao local de trabalho
devidamente protegidos e alem de que são actividades continuas, apesar de existirem alguns
dispositivos que minimizam as tais vibrações e ruídos mas não é suficiente. Porque sabe se
que trabalham com objectos de metal e maquinas cortantes o que traria um perigo aos
trabalhadores, mas a máquina quando esta a operar fornece trepidação e sendo assim existem
dispositivos que minimizam vibrações e ruídos apesar de alguns não os possuírem, ou nem
todos estarem em dividas condições.

2.7. Iluminação

A iluminação é feita na base da luz da natureza ou seja as actividades são feitas a luz do dia, e
estão bem orientados relativamente a PT. Para o caso de muita demanda há sim uma
iluminação artificial para alguns trabalhos nocturnos.

2.8. Riscos Químicos

Não há muito a comentar a cerca desse aspecto porque a empresa tem pouco contacto com
substancias químicas mas no que meu grupo pode observar, vimos que o ar que circula tem
poeira por causa da areia e o chão mas quanto ao fumo só um pouco produzidos pela serração
da madeira e quanto aos prováveis cheiros, não há assim cheiros persistentes porque há
ventilações ou por causa de ser uma oficina com quase as laterais abertas deixa a passagem de
ar sem problemas no ambiente de trabalho.

2.9. Riscos Biológicos

Sendo uma empresa distante das residências e vocacionada a serração de madeira não há
contacto directo com animais, o que torna o local seguro quanto ao contacto com animais.
Mas sendo assim não existem meios meios de desinfecção no PT, alegando ser um local que
não apresenta riscos biológicos e alegando ser seguro.

2.9.1. Pessoal de Primeiros socorros

Primeiro ao se fazermos para empresa não conseguimos observar que o kit de primeiros
socorros está em um local e de fácil manuseio.
Mas mesmo com ausência dos mesmos, existem alguns trabalhadores com formação em
primeiros socorros, que quando há pequenos acidentes tem auxiliado os colegas a fazer
curativos de emergência, e o mesmo pode se ver a falta de macas para a evacuação de
trabalhadores que tenham fracturado algum membro.

3. Resultados obtidos e Discussões

De referir que classificamos o nível da aprendizagem de todos integrantes do nosso grupo,


pois conseguimos observar cada processo referente a Higiene, Saúde e Higiene no ambiente
de trabalho, pode se dizer que sabemos como manusear os equipamentos o que nos torna
detentores do saber de cada norma em que pudemos aprender.

E já nos sentimos capazes de orientar operários da nossa área de formação e para os que terão
empresas irão aplicar com facilidade o que se aprendeu na cadeira de HST consoante o que
foi dito, como também pudemos ajudar a melhorar as técnicas de produção ao ensinarmos aos
trabalhadores da One More, ao lhes mostrar que é bom criar um ambiente de trabalho
totalmente ergonómico e com rotação de actividades .

Esperávamos comparar o sistema que usavam com os novos ensinamentos ou dicas por nós
deixadas e voltaremos para verificar se estão aplicando ou não e iremos mostrar o relatório
final para eles também verem que o trabalho por nós feitos é de extrema importância pois se
trata de uma parte vitalícia para a saúde publica. Após o término das nossas actividades eles
sentiram gratificados pois vimos pelos sorrisos após termos sugerido algumas mudanças e
esperamos que cumpram com as suas palavras, porque fariam um bem para si, e aumentariam
a própria produtividade e não se esquecendo de evitar acidentes de trabalho.

Não conseguimos observar a caixa de primeiros socorros, o que gostaríamos que visse mos
assim que retornasse mos a oficina. E também não conseguimos observar os seguros de vida
dos operários, assim como se eles pagam o INSS, e os demais seguros ma deixamos que isso
era benéfico para eles mesmos, porque assegurariam seu futuro no caso de velhice e acidente
profissional, há falta de plano de emergência para um provável risco, assim como
recomendamos que deixassem uma caracterização espacial da sua empresa. E apesar do fácil
acesso sugerimos que deixassem uma placa e identificação de cada sector e cada maquina da
empresa, assim como colocar mais extintores, e prestarem mais atenção nos planos de
intervenção, evacuação, emergência, mas deixamos mais claro como lhe dar com instruções
de segurança: quanto ao geral, particular e especial.
4. Conclusão

Concluir que, após os ensinamentos tidos na sala de aula e aplicação do que foi apreendido no
terreno, posso afirmar que agora me sinto capaz de ajudar a corrigir aspectos ergonómicos e
ligados a saúde, higiene e segurança no trabalho.

Mas sabe que se respeitarem os passos que estão nos manuais de segurança e usando os EPI’s
e EPC’s podemos evitar perdas humanas e ganhamos mais recursos humanos e evitando que
se gastem em vão. Porque assim acontecendo haverá um equilíbrio no ambiente de trabalho
em que consiste em equilibrar as tarefas pesadas ao homem, assim como ajudando com as
rotações.

Pode se notar o ganho que a One More teve, assim como nós estudantes da cadeira de HST,
porque a empresa ao respeitar aspectos ergonómicos poderá aumentar o seu nível de
produção, pode ver que se faz tantos objectos em simultâneo e totalmente consistentes,
apesar de ter falta de alguns materiais ou máquinas que facilitariam a movimentação de
cargas.

Mencionar que haveria mais qualidade se apostassem na obtenção de maquinas que fazem
dosagem dos traços, também daria mais celeridade nas actividades da oficina, isso daria mais
consistência e credibilidade dos objectos produzidos na empresa e poderiam ser de referencia
a nível distrital, quiçá a nível da província.

Quanto aos assuntos ligados a ergonomia, os operários estão numa situação de atentado a
saúde publica, e recorrendo o seu direito juntamente do dever do patronato deveria verificar as
condições do equipamento de protecção individual porque na ausência deles podem causar
danos irreparáveis como surdez e intoxicação, por trabalhar sem abafadores (auriculares),
luvas, mascara para a protecção de poeira produzida pela poeira e fumo dos eléctrodos, que é
o agregado fundamental em todos objectos produzidos na fabrica.

Gostaríamos que na próxima visita, estes requisitos estivessem supridos, e repisar que tinham
de se preocupar coma qualidade e não quantidade de lucro, pois pudemos observar que há
consistência no produto final, mas agradecer pelo tempo cedido a todo trabalhador que parou
suas funções para nos explicar detalhadamente cada processo ligado a objectos produzidos na
empresa e mostrar aquela que é a sua realidade, pois alguns negaram de nos abrir as portas
pensando que fossemos do governo. De mencionar que tentaremos aplicar o aprendido no
campo, juntamente com as técnicas que o manual nos diz, isso nos tornará mas versáteis e
pelas experiencia que ganhamos, o que nos deixa inspirados e motivados como futuros
engenheiros, de concluir que foi bom estar a visitar a ONE MORE Lta.
5. Bibliografia

(2002). Primeiros Socorros. National Safaty Countil.

SBV. (2002). In Para provedores de saude. American Heart Association .


6. Anexos

Localizacao da empresa
one more
Uma das maquinas usadas na carpintaria

Maquina de serração de madeira