Você está na página 1de 2

Atividade “ Noção de Paradigma “

Página 221 do manual. Ex 4,5,6

4- Inicialmente o período pré-científico pode ser intitulado como a fase


que antecede a ascensão de um determinado campo de investigação ao
estatuto de ciência propriamente dita. Esta fase do desenvolvimento
científico revela certas características, tais como, a existência de diversas
escolas e investigadores rivais com diferentes perspetivas sobre a natureza
do seu campo de investigação, pressupostos teóricos, metafísicos, métodos,
instrumentos e técnicas a utilizar etc. Esta profunda discordância
impossibilita qualquer espécie de esforço concertado entre os diversos
investigadores. Para além disso, uma vez que os investigadores não
conseguem distinguir o que é acidental e acessório do que é efetivamente
relevante para o seu campo de estudos, não há nada que lhes assegure que a
sua investigação está no caminho certo e, por conseguinte, qualquer
investimento de grandes dimensões, tanto a nível de tempo quanto
monetário, é encarado com grande relutância por parte de todos os
envolvidos. Devido as estes factos os diversos investigadores não parecem
avançar muito além do ponto de que partiram e a sua contribuição para o
seu campo de estudos é virtualmente nula.

5- Com a caracterização do conceito de “pré-ciência”, aparece uma


questão muito peculiar mas importantíssima “Como é que se passa de pré-
ciência para uma investigação científica propriamente dita?” , Kuhn
considera que aquilo que distingue ciência de não-ciência é o aparecimento
de um paradigma ou seja é necessário e suficiente um paradigma que
coloca um fim aos debates inter-investigadores e que inicia estudos e
teorias de grande fundamento e empenho.
6- Kuhn ao considerar que aquilo que distingue ciência de não ciência é o
aparecimento de um paradigma, têm necessariamente de explicar o
conceito de paradigma. Para T. Kuhn um paradigma consiste numa teoria
amplamente aceite e com grande poder explicativo que põe fim aos
desacordos profundos entre investigadores e escolas, favorecendo a
constituição de uma comunidade científica, composta pelos diversos
investigadores de uma determinada área. Um paradigma inclui
pressupostos teóricos fundamentais, aplicações-tipo, princípios metafísicos,
instruções técnicas e metodológicas e orientações gerais. Kuhn revela que
clássicos da literatura científica que serviram para preparar as futuras
gerações para o trabalho que vieram a desenvolver numa determinada área
científica, tais como, a “Física” de Aristóteles, o “Almagesta” de Ptolomeu,
os “Principia e a Ótica” de Newton e a “Eletricidade” de Franklin, entre
outros são exemplos históricos daquilo que Kuhn entende por paradigma.

André Santos nº3 11ºA