Você está na página 1de 10

AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

Continuação da 1º Ficha

Accão executiva – nas acções executivas, como já vimos, o credor pretende que o tribunal
realize as providencias adequadas para a reparação coerciva do direito violado. O artigo 45 nº
1 do CPC, dispõe que toda a execução tem por base um titulo, pelo que sem este não pode
haver execução. Assim, para instaurar uma acção executiva o credor deve estar munido de
um documento a que a lei reconheça forca bastante, por isso se diz que o titulo executivo é
condição necessária para a instauração da acção executiva, ou seja, é a causa de pedir da
execução. Vejam artigo 46 e seguintes CPC.

Tais documentos são designados títulos executivos e encontram-se previstos no artigo 46 do


CPC. A enumeração que se faz neste artigo é taxativa, ou seja, o credor pode usar qualquer
deles, ate mesmo simultaneamente, mas não pode usar títulos não previstos nesse artigo.

Por titulo executivo, dizem António Montalvão Machado e Paula Pimenta, deve definir- se o
documento que exterioriza ou demostra a existência de um facto que, por sua vez, é
constitutivo ou certificativo de uma ou mais obrigações, ao qual a lei confere forca bastante
para servir de base à acção executiva.

São espécies de títulos executivos as sentenças condenatórias é o mais comum titulo


executivo judicial e é também a única situação em que há uma acção executiva precedida de
uma acção declarativa. Chama-se de a atenção que este titulo não é apenas a sentença que é
proferida em acção de condenação, mas qualquer sentença, desde que condene em
determinada prestação, quer se trate de uma acção de simples apreciação, quer constitutiva.

Outros títulos são os documentos exarados ou autenticados por notário, que importem a
constituição ou o reconhecimento de qualquer obrigação artigo 369, 372, 377 ambos C.C são
documentos elaborados pelo próprio notário no desempenho da sua função de oficial publico.
São igualmente títulos executivos os documentos particulares, para que sejam exequíveis, a
lei exige que estejam assinados pelo devedor, importem a constituição ou o reconhecimento
de obrigações pecuniárias cujo montante seja determinado ou determinável, a constituição ou
reconhecimento de obrigação de entrega de coisa ou a constituição ou reconhecimento da
prestação de facto. Em ultimo lugar, são títulos executivos os documentos que, por disposição
especial, seja atribuída forca executiva, por exemplo, os documentos extraídos da
contabilidade das antigas empresas estatais.

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 1


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

Nos casos em que o credor com um titulo executivo fizer uso de uma acção declarativa sem
necessidade, será responsável pelo pagamento das custas judiciais, por se considerar que esse
caso há falta de interesse processual na propositura da acção declarativa, como resulta da
alínea c) do nº 2 do artigo 449 do CPC. Pode, porem, acontecer que mesmo munido de um
titulo executivo, o credor tenha necessidade em instaurar uma acção declarativa, naqueles
casos que queira, por exemplo, responsabilizar um obrigado solidário ou cônjuge responsável
pela divida, mas que não conste do titulo.

Temaː O Processo

É a sequencia de actos destinados a justa composição por um órgão imparcial da autoridade,


o tribunal que vela sobre os conflitos de interesse.

Processo Comum

O processo é comum quando as acções não sigam uma forma de processo especial
determinada na lei. Portanto, é o processo regra. As formas do processo comum são definidas
através de critérios assentes sobretudo no valor da acção, podendo ser Ordinário e Sumário.

Processo Especial

Quando a lei expressamente define o seu campo de aplicação, de acordo com o artigo 460 nº
1, 463 nº 1,2 e 3 ambos do Código do Processo Civil.

Processo de Jurisdição Voluntária

Neste processo livre, modificabilidade das decisões artigo 1.412CPC, reside o princípio da
equidade artigo 4 do C.C e 1.409 nº2 CPC, o tribunal tem a iniciativa na produção da prova.

Processo de Jurisdição Contenciosa

Reside o principio da legalidade porque há um contencioso, o tribunal deve dirimir o conflito,


portanto, aqui não há equidade nem o bom senso e com base na lei, ver artigo 659 nº 2, 264,
661 nº 1 CPC. A imodificabilidade das decisões por parte do juiz da causa. Portanto, só
podem ser mudadas ou modificar através de um recurso ao tribunal superior.

Processo Declarativo

A composição de um litigio onde faz- se através de um processo que termina por uma
declaração doptada de autoridade. Portanto, a sentença é que decide, reconhece um direito.

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 2


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

N. Bː salientar que as acções declarativas de condenação podem corresponder a qualquer


forma de processo declaratório comum (ordinário ou sumario).

Temaː Os Pressupostos Processuais

Trata-se de condições mínimas consideradas indispensáveis para a partida garantir uma


decisão idónea e útil da causa. São elementos de cuja verificação depende para o juiz proferir
uma decisão sobre o pedido formulado condenando e indeferindo a providencia requerida.

1. Personalidade Jurídica- ver artigo 5 CPC, consiste na personalidade de requerer ou


contra si ser requerida em próprio nome qualquer das providencias jurisdicional
reconhecida por lei.

As partes- são pessoas pela qual e contra qual é requerida, através da acção a providencia
judiciaria.

2. Capacidade judiciaria- consiste na possibilidade de estar por si mesmo em juízo ver


artigo 9nº 1 CPC.

Para que o juiz possa apreciar o pedido, concedendo ou delegando a providencia requerida
não basta que as partes tenham personalidade jurídica é preciso que elas possuam também a
capacidade judiciaria ou que, não a possuindo, se encontre devidamente representado ou
autorizado. A capacidade judiciaria corresponde na relação processual a capacidade de
exercício de direitos no âmbito do direito civil. Incapacidade judiciaria não suprida prova a
absolvição da instancia suprida. Suprimento é através da representação legal ou um curador
artigo 101 C.C.

Legitimidade das Partes- para que o juiz se possa pronunciar sobre o mérito da questão não
basta que as partes tenham personalidade judiciaria e gozem de capacidade judiciaria. É
preciso que alem disso elas tenham legitimidade para acção, que o autor, o reu sejam partes
legitimas do processo ver artigo 26CPC.

3. Interesse Processual

Consiste na necessidade de usar do processo, de instaurar ou de fazer prosseguir a acção.

4. Patrocínio Judiciário

Consiste na assistência técnica prestada as partes, por profissionais do fórum, na condição do


processo em geral ou na realização de certos actos em especial.

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 3


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

5. Competências de um Tribunal

Um dos pressupostos processuais mais importante, relativo ao tribunal é a competência.


Para que um tribunal possa decidir sobre o mérito da causa ou o fundo da questão,
requeresse que o tribunal, perante o qual a sua acção foi proposta, seja competente.

As regras da competência são normas definidoras dos critérios que presidem a


distribuição do poder de julgar entre diferentes tribunais. Como exemplo das regras de
competência podem referir-se a norma segundo a qual as acções de divorcio ou de
separação de pessoas e bens devem ser propostas ao tribunal do auxilio ou da residência
do autor ver artigo 75 CPC.

6. Competência de Jurisdição

Competência é o poder resultante do fracionamento do poder jurisdicional entre


diferentes tribunais enquanto que, jurisdição designa o poder de julgar dentro da
organização do estado ao conjunto dos tribunais, diz se conflito de competência ver artigo
115 nº 1 e 2CPC.

7. Competência Externa e Competência Interna

Externa- designa a esfera de jurisdição de cada tribunal em face e restantes órgãos


jurisdicionais da mesma categoria.

Interna- abrange a repartição dos processos, dentro de cada tribunal entre vários juízes,
que servem entre as secções que compõe a respectiva secretaria.

8. Providencias cautelares

Revestem sempre caracter urgente ver artigo 381/a CPC.

Contraditório diferido artigo381/b quando uma providencia cautelar e decretada sem ser
ouvida a parte requerida na sequencia o juiz marca a audiência de comparência das partes,
dentro de prazo não superior a 10 dias.

 Alimentos provisórios artigo 388 CPC, podem pedir alimentos provisórios como
dependência da acção principal ou assessoria se presta a prestação de alimentos,

A prestação de alimentos é fixada em atenção ao que foram estritamente necessários para o


sustento, habitação e vestuário do autor. Ver artigo 388CPC.

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 4


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

9. Restituição Provisoria da Posse artigo 393CPC

Tem lugar a restituição provisoria de posse no casso de esbulho violento, o possuidor pode
pedir que seja restituído provisoriamente a sua posse alegando os factos que constituem a
posse, o esbulho e a posse.

10. Suspensão de Deliberação

E nos casos em que alguma associação ou sociedade, seja qual for a sua espécie, tomar
deliberações contrarias a lei, aos estatutos ou aos contratos, qualquer socio pode querer
num prazo de 5 dias, que a execução dessa deliberação, seja suspensa, justificando a
qualidade do sócio e mostrando que essa execução pode causar dano, ver nº 1 artigo
396CPC

11. Arresto - artigo 402 CPC consiste na apreensão judicial de bens.

12. Embargo de Obra Nova – artigo 412 CPC

é nos casos em que alguém se julga ofendido no seu direito de propriedade singular ou
comum ou qualquer outro direito real de gozo em consequência de obra, trabalho ou serviço
novo que lhe cause prejuízo, pode o interessado requerer dentro de 30 dias, a contar do
conhecimento dos factos, que a obra, trabalho, serviço seja suspenso imediatamente.

13. Arrolamento Artigo 421 CPC

É quando há justo receio de extravio ou de dissipação de moveis ou imoveis ou documentos,


pode o interessado requere o arrolamento dos bens (imoveis, moveis e dos documentos).

14. Providencias Cautelares não Especificadas

Quando há receio de que alguém antes da acção ser proposta ou na pendencia dela, causar
lesões graves é dificilmente reparável o seu direito, pode o interessado requerer as
providencias adequadas a situação nomeadamente a autorização para a pratica de
determinados actos a intimação para que o reu se abstenha de certas condutas ou a entregar os
bens moveis ou imoveis que constitui objecto da acção.

Exː A mulher é expulsa de casa pelo seu marido, ela requer dele, em juízo a prestação de
alimentos, na pendencia da acção que pode prolongar-se por meses se não anos. Portanto, as

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 5


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

providencias cautelares são decretadas dentro do prazo de 30 dias e dentro deste período
deve se intentar uma acção principal se for o contrario.

As providencias cautelares visam precisamente impedir que durante a pendencia de qualquer


acção declarativa ou executiva a situação de facto se altere de modo que a sentença nela
proferida, sendo favorável perca toda a sua eficácia ou parte dela.

Pretende-se deste modo, combater o prejuízo da demora inevitável do processo, a fim de que
a sentença não se torne numa decisão puramente platónica. Chama-se procedimento e não
acções, porque ele carece de autonomia, dependem de uma acção, já pendente ou o que deve
ser seguidamente proposta pelo requerente, se a acção ainda não estiver proposta, o
procedimento cautelar constitui mero preliminar dela e caduca, se acção não for proposta
dentro de 30 dias subsequentes na notificação da concepção da providencia. Ver artigo
382CPC. Estando acção já pendente o procedimento cautelar constitui um mero incidente
dela que será processado por a penso.

15. Incidente- diz-se incidente da instancia a ocorrência estranha ao desenrolar o normal do


processo, que de lugar ao processado, próprio que tenha fins específicos, embora
limitados a alcançar. O tribunal competente para conhecer dos incidentes que nela se
levantam ver artigo 96 nº 1 CPC.

16. Confissão-é o reconhecimento que uma das partes do processo faz da realidade de um
facto que lhe é desfavorável e favorece a parte contrária.

17. Desistência- é o acto ou efeito de desistir de uma causa, renuncia.

18. Transacção- é um acordo que as partes fazem para por termo a litígio judicial, contrato
pelo qual as partes terminem um litígio mediante concepções reciprocas.

Temaː Competência dos Tribunais

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 6


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

Competência Internacional – designa-se a fracção do poder jurisdicional atribuída aos


tribunais Moçambicanos, no seu conjunto, em face dos tribunais estrangeiros para julgar as
acções que tenham algum elemento de conexão com a ordem judicial estrangeira.

A Competência Internacional dos Tribunais Moçambicanos- para julgarem acções que


tenham algum elemento de conexão com outras ordens jurídicas, dependem da verificação de
alguma das circunstâncias discriminadas no artigo 65 CPC que são ː princípio de consciência,
princípio da casualidade, princípio da necessidade. Essas circunstâncias não são cumulativas
artigo 65 CPC.

Competência Interna- temos os tribunais comuns- tribunais judiciais, ver artigo 68 CPC
artigo 66 do CPC. Onde iremos encontrar o tribunal administrativo, tribunal militar, tribunal
fiscal.

Alçada- é o valor dentro ou até o qual os tribunais julgam sem recurso. Artigo 38 da lei
orgânica dos tribunais.

Alçada dos Tribunaisː

 Tribunal Judicial de Província˭ 50ˣ2.750˭ 137.500mts


 Tribunal de Distrito da 1º instancia ˭25ˣ2.750˭ 68.750mts
 Tribunal de Distrito da 2º instancia ˭10ˣ2.750˭ 27.500mts

N. Bː O tribunal julga sem recurso. Se perder a causa no tribunal judicial de província já não
pode recorrer e se perder no tribunal de distrito pode recorrer ver artigo 84 e 85 da lei
24/2007 de 20 de agosto – lei orgânica dos tribunais.

Competência em Razão da Matéria - no plano interno, o poder jurisdicional esta dividido


por diferentes categorias de tribunais, de acordo com a natureza das causas. Há tribunal
administrativo, tribunal militar, tribunal fiscal, tribunais judiciais, tendo cada uma destas
categorias competência para determinar a matéria de direito. Ver artigo 68CPC e 38 da lei
orgânica dos tribunais.

Competência em Razão do Território- o tribunal supremo tem competência para todo


território nacional. Os demais tribunais judiciais, tem competência nas respectivas áreas de
jurisdição.

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 7


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

Competência em Razão da Hierarquia- os tribunais encontram-se hierarquizados para


efeitos de recurso das suas decisões e de organização do poder judicial. Ver artigo
70,73,68CPC.

Competência do Tribunal de Distrito

1º classe-100ˣ2.750mts˭275,00mts o tribunal de distrito não é competente, porque está


acima de 100 salários mínimos.

2º classe- 50ˣ270˭137.50 pode julgar valores a baixo de 137.500mts

O tribunal judicial de província pode julgar o valor ate 27.500, mts, se perder a causa já
não tem direito a recurso.

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 8


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

Referencias Bibliográficasː

Tomás Timbane Lições de Processo Civil, 2010 Escolar Editores Av 24 de Julho. Maputo,
Moçambique 2010,

Filipe Sebastião Sitoe, Código do Processo Civil e legislação complementar2010. Ministério


da Justiça, Centro de Formação Jurídica e Judiciaria.

Freitas, José Lebre Introdução ao processo civil – conceito e princípios gerais a luz do código
revisto Coimbra editores 1996.

Alexandre, Isabel, a fase da instrução no processo declarativo comum, in Aspectos do novo


processo civil, lisboa, lex 1997.

Júnior, Humberto Teodoro, Curso de Direito processual Civil, volume I, 48 Edicção, Editora
Forense, Rio de Janeiro.

Andrade, Manuel, Noções Elementares de Processo Civil, com a colaboração do professor


Antunes Varela, Nova Edição revista Revista e Atualizada pelo Dr Herculano Esteves,
Coimbra Editores, 1979.

Baptista, José João, Processo Civil I, 8º Edição, Coimbra Editora, Coimbra 2006.

Lierbman, Eurico Túlio, Manual de Direito Processual Civil, 3º Edição, Volume I, Malheiros
Editores (Tradução e notas de Cândido Rangel Dinamarco), São paulo.

Legislações Usadasː

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 9


AULA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I- ACCAO EXECUTIVA

Lei 24/2007 de 20 de Agosto - Lei Orgânica dos Tribunais

Código Civil

Código do Processo Civil

ELABORADO POR IRACEMA CARVALHO 10