Você está na página 1de 15

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINTA

BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL – EAD


ESTÁGIO SUPERVISIONADO I

MARIA ISABEL FALCÃO TAVEIRA

PROJETO DE INTERVENÇÃO
CONSTRUINDO O PROTAGONISMO JUVENIL NA SOCIEDADE

VIÇOSA-AL
2018
MARIA ISABEL FALCÃO TAVEIRA

PROJETO DE INTERVENÇÃO
CONSTRUINDO O PROTAGONISMO JUVENIL NA SOCIEDADE

Projeto de pesquisa apresentado ao Centro


Universitário - UNINTA, como requisito avaliativo
de conclusão da disciplina de Estágio
Supervisionado l do Curso de Graduação em
Serviço Social – EAD.

VIÇOSA-AL
2018

PROJETO DE INTERVENÇÃO
CONSTRUINDO O PROTAGONISMO DOS JOVENS NA SOCIEDADE

MARIA ISABEL FALCÃO TAVEIRA

Resumo: O presente projeto contempla os requisitos da disciplina de Estágio


Supervisionado l, através do qual foi desenvolvidas atividades de cunho sócio
pedagógico, que foi desenvolvido no período entre dezembro de 2018 e março
de 2019. O projeto objetivou o conhecimento atinentes a cidadania e aos
direitos sociais tendo como referencia o cotidiano dos usuários dos serviços de
convivência e fortalecimento de vínculos, com isso estimulam o pensamento e
o protagonismo dos mesmos, sendo abordada as seguintes temáticas:
cidadania e direitos, violência, drogas e formação cidadã. As principais
estratégias didático-pedagógicas foram as palestras, oficinas, atividades
individuais e grupais, dramatizações e apresentações. Os resultados mais
relevantes foram a ampliação do universo informacional dos jovens acerca das
temáticas trabalhadas e o estímulo a um maior protagonismo para sua
formação cidadã e social.

Palavras-chave: Jovens, protagonismo, sociedade.


SUMÁRIO

1.INTRODUÇÃO ............................................................................................ 05
2. OBJETIVOS

OBJETIVO GERAL ...................................................................................... 07

OBJETIVOS ESPECÍFICOS ........................................................................ 07

3. REVISÃO DA LITERATURA .........................................................................


08

4. METODOLOGIA ...........................................................................................
10

5.
CRONOGRAMA ............................................................................................12

6. RECURSOS NECESSÁRIOS .......................................................................


13

7. AVALIAÇÃO.................................................................................................. 14

6. REFERÊNCIAS ...........................................................................................
15
1- INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem a finalidade de complementar o Estágio


Supervisionado l em Serviço Social, na Secretaria de Assistência Social do
município de Colônia Leopoldina/AL, junto ao Serviço de Fortalecimento de
Vínculos, no qual foi desenvolvido um projeto de intervenção sócio pedagógico.
Com isto, objetivou-se proporcionar ao grupo o acesso ao conhecimento sobre
protagonismo, direitos e deveres sociais, violência, drogas e formação cidadã.

Procurou-se estimular o pensamento e o auto reconhecimento como


sujeitos de direitos, alcançando com isso a autonomia e o protagonismo juvenil,
frente as situações cotidianas dos mesmos.

Os recursos metodológicos adotados na abordagem das temáticas


foram por meio de atividades dinâmicas e didáticas, tendo os integrantes
indicados pelo uso dos seguintes instrumentos: palestras, oficinas, atividades
individuais e grupais, dramatizações e apresentações. À medida que as
atividades estarão sendo executadas será feito um feedback com os
participantes.

No que toca a discussão sobre cidadania e seus direitos, segundo


PINSKY (2003 apud Ferreira, 2004, p.9) ser cidadão define-se como:

Ser cidadão é ter direito a vida, a liberdade, a propriedade, a


igualdade perante a lei: é, em resumo, ter direitos civis. É
também participar no destino da sociedade, votar, ser votado,
ter direitos políticos. Os direitos civis e políticos não asseguram
a democracia sem os direitos sociais, aqueles que garantem a
participação do indivíduo na riqueza coletiva: o direito a
educação, ao trabalho, ao salário justo, a saúde, a uma velhice
tranquila. Exercer a cidadania plena é ter direitos civis, políticos
e sociais.
O protagonismo juvenil significa, tecnicamente, o jovem participar como
ator principal em ações que não dizem respeito à sua vida privada, familiar e
afetiva, mas a problemas relativos ao bem comum, na escola, na comunidade
ou na sociedade mais ampla. A participação é a atividade mais claramente
criadora, ou seja, formadora do ser humano, tanto do ponto de vista pessoal
como social.

Neste projeto de intervenção, um dos propósitos é contribuir para


ampliação do universo do protagonismo e do conhecimento dos jovens
instigando neles o autoconhecimento e seu papel na sociedade.
2- OBJETIVOS

2.1 Objetivo Geral:

Promover o acesso ao conhecimento, bem como, favorecer a inclusão social


através do protagonismo dos jovens na sociedade.

2.2 Objetivos Específicos:

* Desenvolver o senso crítico social;

* Reconhecer com um integrante da sociedade;

* Participar de atividades sócio educativas;

* Fortalecer parcerias com instituições sócio assistenciais locais;

* Promover discussões contínuas sobre o protagonismo e a atuação dos jovens


na sociedade.
3- REVISÃO DA LITERATURA

O Brasil tem a Constituição Federal de 1988 como um dos principais


marcos para efetivação da Assistência Social, ao reconhece-la e regulamenta-
la como política pública integrante do Sistema de Seguridade Social, o qual
formado pelo tripé: Assistência Social, Saúde e Previdência Social, tem duas
modalidades de proteção social: a assistência e o seguro social.

A assistência se constitui pelo princípio da segurança e pressupõe


direitos compulsoriamente outorgado aos cidadãos, numa perspectiva
universal, caso da Saúde; ou para todos aqueles que precisarem, caso da
Assistência Social, sem que haja cobrança de contrapartidas. Já o seguro,
como é o caso da Previdência Social brasileira, pressupõe a contribuição
prévia.

A Carta Magna representa a ampliação formal dos direitos sociais,


sendo, então, também a assistência social reconhecida como um direito do
cidadão e dever do Estado. Tal reconhecimento veio desmitificar o caráter
histórico que sobrepôs à lógica do direito tomando a assistência social como
mero assistencialismo, como um favor ou benesse cedida pelo Estado, numa
perspectiva que Sposati (1995, p. 19) critica como um “direito social concebido
como um atributo individual para romper uma relação de favor”. Os princípios
contidos na Política Nacional de Assistência Social/2004, fazem referências à
autonomia, ao respeito, a socialização das informações dos direitos sociais e a
garantia universal aos direitos dos cidadãos.

O Sistema Único de Assistência Social organiza-se em três principais


eixos estruturantes: programas, benefícios e serviços. Suas ações de
assistência social qualificam-se em duas modalidades de proteção social: a
básica e a especial. A proteção social básica objetiva prevenir situações de
risco social, através do desenvolvimento de potencialidades e aquisições e do
fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. A proteção social especial
atua quando ocorre a violação dos direitos da família, seus membros ou
indivíduos, como também a violação da lei.

O Protagonismo Juvenil é um tipo de ação de intervenção no contexto


social para responder a problemas reais onde o jovem é sempre o ator
principal. É uma forma superior de educação para a cidadania não pelo
discurso das palavras, mas pelo curso dos acontecimentos. É passar a
mensagem da cidadania criando acontecimentos, onde o jovem ocupa uma
posição de centralidade.

Protagonizar significa, tecnicamente, o jovem participar como ator


principal em ações que não dizem respeito à sua vida privada, familiar e
afetiva, mas a problemas relativos ao bem comum, na escola, na comunidade
ou na sociedade mais ampla. Outro aspecto do protagonismo é a concepção
do jovem como fonte de iniciativa, que é ação; como fonte de liberdade, que é
opção; e como fonte de compromissos, que é responsabilidade

Conforme Saviani (2004), para quem a ação sócio educativa tem seus
objetivos indicados pelas necessidades humanas, ou seja, pelas condições da
sociedade, é necessário, portanto, reestruturar o currículo escolar, reorganizar
os tempos e espaços na escola, buscando desenvolver a consciência individual
e coletiva dos jovens que ali estão.

O Protagonismo Juvenil deve ser para o jovem uma leitura de ação do


reflexo de sua ansiedade em conquistar objetivos, porém, de realizações
concretas, ações que o façam concluir temas, conceitos e o mais importante,
que o leve a estabelecer uma relação de segurança com seu próprio
crescimento, mesmo estando envolto a algumas situações cotidianas que
fazem parte de sua realidade, e nem sempre são situações propícias a um
crescimento seguro. É importante reconhecer que desenvolver um projeto de
protagonismo juvenil é permitir ao jovem sua expressão genuína, apenas
oferecendo a ele o suporte e a possibilidade, e o mais importante, alimentando
e fomentando a criação do seu ser e de não deixar morrer a esperança de que
nós participamos do processo de transformação e mudança do mundo em que
vivemos, mesmo que essa seja lenta.

4- METODOLOGIA

O projeto terá como cenário o núcleo do Serviço de Convivência e


Fortalecimento de Vínculos do município de Colônia Leopoldina - AL,
especificamente crianças, com a faixa etária entre 8 a 16 anos de idade
matriculados na rede municipal de ensino. O Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vínculos, ainda segundo a Tipificação Nacional de Serviços
Socioassistenciais (2009) objetiva prevenir situações de risco social, têm como
público-alvo crianças, adolescentes, jovens.

A execução do projeto de intervenção “Construindo o Protagonismo


Juvenil na Sociedade” tem seu período de realização entre novembro de 2018
e março de 2019, onde foram realizados encontros grupais.

O primeiro encontro consistiu na entrega dos convites e divulgação do


projeto na instituição de estágio para as crianças do SCFV. Na ocasião, foi
explicado o que consiste o processo de estágio curricular-obrigatório e o
projeto de intervenção, e após isso foi entregue os convites. Em continuidade,
foi apresentado o nome do projeto, o objetivo geral e as atividades que seriam
desenvolvidas, assim como o horário o qual as atividades seriam realizadas.

O segundo encontro do projeto “Construindo o Protagonismo Juvenil na


Sociedade” foi intitulado “Roda de conversa: Cidadania e direitos: Para quem?
Por quem? Como?”. No primeiro momento das realizações das atividades
foram realizadas as apresentações, momento em que os participantes se
apresentaram e falaram o nome, a idade, a escola e a série. Também foi
realizada uma dinâmica com o grupo, intitulada dinâmica do pirulito, com o
objetivo de refletir sobre a importância do próximo em nossas vidas. Conversa
informal em torno da temática com todos os participantes e exposição
dialogada. Por fim, foi realizada uma reflexão do quanto precisamos do
conhecimento para chegar a algum lugar.

Já no terceiro encontro sob o tema violência, foi transmitido o filme


“Menino de Carvão” o qual conta a história de Uma família que vive da
produção de carvão. O pai, a mãe e um filho. O menino de 6 anos de idade,
que nunca foi à escola, vive trabalhando com o pai na caieira de carvão e
ajudando a mãe nos afazeres de casa, restando assim pouco tempo para
brincar e não podendo para ir à escola. O filme pretende contribuir para a
discussão o sobre a questão das relações familiares no tocante à violência
doméstica e a exploração do trabalho infantil pelos próprios familiares. O filme
traz à tona a questão da violação de direitos básicos das crianças previstos em
Lei. Através desse fato foi possível refletir sobre a ausência de matérias que
abordem a temática para trabalhar com crianças, faixa etária essa de suma
importância para trabalhar questões relacionadas a violação dos direitos e a
igualdade. Após esse primeiro momento os participantes realizaram um caça
palavras e pintaram desenhos relacionados a temática abordada.

Em relação ao quarto encontro, foi realizada a oficina: Prevenção do uso


de drogas, ocasião em que foi realizado um quizz a respeito dos malefícios
causados por elas, e ao longo da brincadeira as discussões sobre o assunto
foram realizadas. Com o intuito de dinamizar ainda mais a abordagem da
temática, foi executado uma dinâmica com o objetivo de proporcionar aos
participantes vivenciar as dificuldades enfrentadas pelas pessoas usuárias.
Esse momento foi de suma importância no processo de intervenção, pois além
das análises teóricas realizadas foi possível que os participantes apreende-se a
noção do ser protagonista de sua história de vida e de sua formação cidadã.

O encerramento do projeto que aconteceu no respectivo dia, momento


em que foram realizadas palestras, apresentações, dramatizações sobre as
temáticas vivenciadas e a avaliação com as criança, a qual ocorreu por meio
de relato, tendo, na ocasião, sido exposto pelos participantes a satisfação
frente às atividades desenvolvidas, as quais foram consideradas divertidas e
trouxe diversos elementos novos para se está refletindo. Para finalizar o
momento foi distribuído o lanche para as crianças/adolescentes.
5- CRONOGRAMA

ATIVIDADES Nov. Dez. Jan Fev Mar.

. .

Observação da problemática no campo de estudo. X

Organização e planejamento da ação de intervenção. X

Apresentação da proposta a coordenação. X

Vivência da proposta de intervenção. X

Avaliação das ações desenvolvidas. X


6- RECURSOS NECESSÁRIOS

Papel Ofício, Cartolina, Papel Camurça, TNT, data show, notebook, Cola
Branca, Papel Laminado, Papel Seda, Pincel Atômico, Papel 40, Papel
Madeira, Fita adesiva, Papel Fotográfico, Pincel, Papel Crepom, Papel cartão,
Papel Guache, Impressora, caixas de som e microfone.

Relativo a recursos financeiros foram utilizados R$ 280,00 (duzentos e


oitenta reais) em lanche e brindes para culminância.
7- AVALIAÇÃO

A avaliação ocorrerá de forma contínua com observação dos


participantes em todas as atividades propostas através da frequência e
interesse nas reuniões e trabalhos propostos, na organização de eventos e
divulgação de informações. Os resultados dos trabalhos serão apreciados e
avaliados também pela equipe coordenadora e a sociedade representada pelos
pais.
8- REFERÊNCIAS

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei n. 8.069/90. São Paulo:


Atlas, 1990.

______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Tipificação


Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília, DF, 2009

COSTA, Antônio Carlos Gomes da. Protagonismo Juvenil - Adolescência,


Educação e Participação Demográfica. Salvador: Fundação Odebrecht, 1998.

PINSKY, Jaime e PINSKY, Carla Bassanezi (orgs.). História da Cidadania. 2ª


Ed. São Paulo: Contexto. 2003.

Protagonismo juvenil: caderno de atividades/Ministério da Saúde, Secretaria de


Políticas de Saúde, Área Técnica de Saúde do Adolescente e do Jovem.
Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvspublicacoes/cd06 13.pdf.

SAVIANI, Dermeval. O legado educacional do “longo século XX” brasileiro. In:


SAVIANI, Dermeval et al. O legado educacional do Século XX. Campinas,SP:
Autores Associados, 2004.

SPOSATI, A. (Coord.) Carta Tema: a assistência social no Brasil, 1983-1990.


2ª. Ed. São Paulo: Cortez, 1995.

SPOSATI, A.; FALCÃO, M. do C.; FLEURY, S. M. T. Os direitos(dos


desassistidos) sociais. 3ª. Ed. São Paulo: Cortez, 1995.