Você está na página 1de 7

SANTOS MRA; LIMA MR; FERREIRA MGR. 2008. Uso de plantas medicinais pela população de Ariquemes, em Rondônia.

Horticultura Brasileira 26: 244-250.

Uso de plantas medicinais pela população de Ariquemes, em Rondônia


Maurício Reginaldo A dos Santos; Maria Railda de Lima; Maria das Graças R Ferreira
Embrapa Rondônia, C. Postal 406, 78900-970 Porto Velho-RO; mauricio@cpafro.embrapa.br

RESUMO ABSTRACT
A utilização de plantas medicinais reflete a realidade de parte da Use of medicinal plants by the population of Ariquemes, in
população brasileira, cujo limitado acesso aos programas de saúde Rondônia State, Brazil
pública levou ao desenvolvimento e conservação de um conheci- The use of medicinal plants shows the reality of part of the
mento etnobotânico rico de informações. Porém, a sabedoria popu- Brazilian population whose limited access to the health public
lar carece de sistematização, para que possa ser devidamente utili- programs leads to the development and conservation of a rich
zada. O objetivo deste trabalho foi relatar o uso de plantas medici- ethnobotanic knowledge. However, the popular knowledge needs
nais no município de Ariquemes, em Rondônia, bem como avaliar systematization for adequate utilization. The aim of this work was
os padrões sócio-econômicos dos entrevistados em relação à utili- to study the use of medicinal plants in Ariquemes, Rondônia State,
zação da fitoterapia no seu cotidiano. Para coleta das informações Brazil, and to evaluate the social and economic patterns in relation
etnobotânicas e etnossociais, foram aplicados questionários to the use of phytotherapy. To have access to ethnobotanic and
estruturados a 44 indivíduos escolhidos por possuírem prestígio junto ethnosocial data structured interviews were applied to 44 persons
à comunidade em relação ao conhecimento e uso de plantas medici- chosen for their prestige in the community in relation to the
nais, identificando-se a finalidade, os órgãos e o modo de uso da knowledge and use of medicinal plants, identifying therapeutic
planta medicinal. Além disso, foi identificada a espécie de cada planta purpose, part of the plant used and methods of preparation. Moreover,
utilizada. Procurou-se ainda correlacionar o conhecimento the species of each used plant was identified. The ethnobotanic
etnobotânico (inferido a partir do número de citações por indiví- knowledge (estimated by the number of citations per informer) was
duo), com a forma de aquisição dos conhecimentos, aspectos religio- correlated to the knowledge source, religious and educational aspects,
sos, educacionais, região de origem, tempo de residência no local e region of origin, residence period in Ariquemes and sex of the
gênero dos entrevistados. Identificaram-se 63 espécies de plantas informers. Sixty-three species of medicinal plants being used by the
medicinais em uso pela população, distribuídas em 38 famílias, com population were identified, distributed in thirty-eight families, the
maior representatividade para a família Lamiaceae. A parte mais Lamiaceae being the most representative. The most used part and
utilizada das plantas foram as folhas e o decocto foi o modo de pre- method of preparation were the leaf and decoction. Ethnosocial
paro mais usual. Os estudos etnossociais permitiram inferir que os studies allowed to infer that the books were the major source of
conhecimentos etnobotânicos da população estudada foram adqui- ethnobotanic knowledge; which concentrates in the masculine
ridos principalmente por meio de livros e concentraram-se entre pes- individuals; and evangelic people; with basic level (1st to 4th series);
soas do gênero masculino, de religiões evangélicas, com nível de from the Southeast of Brazil. Residence period in Ariquemes did
escolaridade Fundamental, da 1ª à 4ª série, provenientes da região not affect the ethnobotanic knowledge.
Sudeste; e do gênero masculino. O tempo de residência no municí-
pio não afetou significativamente o conhecimento etnobotânico na
população estudada.

Palavras-chave: etnobotânica, fitoterapia, Amazônia. Keywords: ethnobotany, phytotherapy, Amazon.

(Recebido para publicação em 9 de outubro de 2006; aceito em 3 de abril de 2008)

D urante milênios o homem


aprofundou seus conhecimentos
empiricamente a fim de melhorar sua
zem investigações experimentais acer-
ca das plantas utilizadas para fins medi-
cinais e de seus princípios ativos, para
nais). Esse tipo de procedimento propor-
ciona o progresso dos estudos básicos e
aplicados, fitoquímicos e farmacológicos,
alimentação e tratar de suas enfermida- garantir sua eficácia e segurança tera- uma vez que fornece a matéria-prima aos
des, criando uma inter-relação entre o pêutica (Santos, 2004). Paralelamente, pesquisadores de áreas afins e o conjunto
uso das plantas e sua evolução (Miguel se faz necessário o levantamento das de dados necessários para as análises pre-
& Miguel, 2000). Provavelmente a uti- espécies medicinais de cada região tendidas. Nesta perspectiva, reconhecer a
lização das plantas como medicamento fitogeográfica do Brasil, como primei- importância das relações entre o homem
seja tão antiga quanto o próprio homem. ro passo para a adoção das plantas me- e a natureza significa um avanço
Numerosas etapas marcaram a evolução dicinais nos programas de atenção pri- cognitivo, onde a ciência é utilizada para
da arte de curar, contudo torna-se difí- mária à saúde, o que pode resultar em proteger o patrimônio cultural e a
cil delimitá-las com exatidão, já que a diminuição de custos e ampliação do biodiversidade (Albuquerque, 2002).
medicina esteve por muito tempo asso- número de beneficiados (Matos, 1997). Na área da etnobotânica têm sido
ciada a práticas mágicas, místicas e Tradicionalmente, etnobotânicos de realizadas pesquisas com comunidades
ritualísticas (Martins et al., 1995). Atual- todo o mundo têm registrado plantas, seus residentes nas regiões de florestas tro-
mente, a Organização Mundial de Saú- usos por populações humanas e formas picais, com o objetivo de avaliar os re-
de considera fundamental que se reali- terapêuticas (no caso de plantas medici- cursos vegetais utilizados por estas co-

244 Hortic. bras., v. 26, n. 2, abr.-jun. 2008


Uso de plantas medicinais pela população de Ariquemes, em Rondônia

munidades e apontar propostas para seu Rondônia, localizado, de acordo com o inferir sobre o conhecimento
uso sustentado, como forma de preservar Zoneamento Sócio-Econômico-Ecoló- etnobotânico dentro do grupo “analfa-
e recuperar esses ecossistemas (Silva & gico do Estado de Rondônia (ZSEE), na betos” da população, dividiu-se o nú-
Andrade, 2005). O conhecimento tradicio- zona 01 (áreas de usos agropecuários, mero de citações (utilizações de plantas
nal sobre o uso das plantas é vasto e, em agroflorestais e florestais) (Millikan, com finalidade terapêutica mencionadas
muitos casos, é o único recurso para trata- 1998). Conta atualmente com aproxima- em entrevistas com os analfabetos da
mento da saúde que as populações rurais damente 84 mil habitantes (projeção população) pelo número de indivíduos
de países em desenvolvimento têm ao seu IBGE, 2005) e com uma área de analfabetos, obtendo-se a média de ci-
alcance. Alguns autores propõem-se a es- 4.706,70 km², localizando-se 198 km ao tações por indivíduo. Da mesma forma,
timar o valor de uso das plantas com a Sul da capital Porto Velho. A economia foram obtidas médias para os outros gru-
finalidade de apontar as espécies e famí-
do município está voltada para o setor pos populacionais, e estas foram com-
lias de preferência da população humana
primário: agricultura, pecuária, paradas entre si, dentro de cada fator,
no universo vegetal (Phillips & Gentry,
extrativismo vegetal e mineral. utilizando-se o teste t de Student
1993). No Brasil, considerando a ampla
diversidade de espécies vegetais, bem Para o levantamento dos dados fo- (p<0,05).
como a riqueza étnico-cultural, o uso po- ram realizadas entrevistas de abril a de- Não foi possível a identificação
pular de plantas medicinais é muito rele- zembro de 2005. O entrevistador em- taxonômica de todos os espécimes, de-
vante. Por isso, os estudos etnobotânicos pregou diálogos para direcionar a con- vido à indisponibilidade de material
são fundamentais, uma vez que possibili- versa, baseando-se em questionários já vegetal adequado para a classificação à
tam o resgate e a preservação dos conhe- estruturados. Buscou-se dar mais ênfa- época do levantamento. As plantas que
cimentos populares das comunidades en- se aos dados etnobotânicos, como indi- apresentavam floração e frutificação
volvidas (Garlet & Irgang, 2001). Confor- cação terapêutica, parte da planta utili- foram coletadas, posteriormente
me ressalta Albuquerque (2002), os infor- zada nas preparações e modo de prepa- herborizadas, seguindo o procedimento
mantes devem ser tratados como especia- ro. Os 44 informantes foram escolhidos de prensagem entre jornais, papelão e
listas, pois são dotados de conhecimentos por possuírem prestígio junto à comu- corrugado, em prensa de madeira, sen-
e fenômenos que nos são desconhecidos nidade em relação ao conhecimento e do que cada espécime foi identificada
e que buscamos compreender. uso de plantas medicinais e foram en- com número de coleta, data, local e
A utilização de plantas medicinais trevistados individualmente, em suas nome do coletor. Após esse processo, o
como alternativa terapêutica vem atin- residências, nos dias laborais e finais de material foi colocado em estufa elétrica
gindo um público cada vez maior. Este semana. para desidratação, por um período de
crescimento requer dos pesquisadores e três dias. Depois de desidratado, o ma-
Foram obtidas médias, dividindo-se
estudiosos um maior empenho, no sen- terial vegetal foi descrito e identificado
o número de citações (somatório do nú-
tido de fornecer informações relativas com auxílio de lupa, literatura especia-
mero de todas as citações de utilizações
ao sistema produtivo dessas plantas e lizada, ou por comparação com mate-
preparo dos medicamentos, pois nem de plantas com alguma finalidade tera-
pêutica mencionadas pelos entrevista- rial já identificado e, posteriormente,
sempre as normas que garantem a qua-
dos) pelo número de entrevistados, em incorporado ao acervo do herbário Dr.
lidade dos fitoterápicos são cumpridas
relação aos fatores: forma de aquisição Ary Tupinambá Penna Pinheiro, perten-
(Castro & Ferreira, 2000). A vasta gama
de informações sobre o uso de centenas dos conhecimentos (pessoas conhecidas, cente à Faculdade São Lucas (FSL),
de plantas como remédios, em todos os livros, parentes e pastorais), religião município de Porto Velho, Rondônia.
lugares do mundo, leva à necessidade (adventista, católico, evangélico, outros
de se desenvolver métodos que facili- e sem religião), região de origem (Cen- RESULTADOS E DISCUSSÃO
tem a enorme tarefa de avaliar cientifi- tro-Oeste, Nordeste, Norte, Sudeste e
camente o valor terapêutico de espécies Sul), nível de escolaridade (analfabetos, Foram coletados 77 espécimes, sen-
vegetais (Elisabetsky, 2001). alfabetizados, Ensino Fundamental da do identificadas 63 espécies distribuí-
O objetivo deste trabalho foi relatar 1ª à 4ª série, Ensino Fundamental da 5ª das em 38 famílias botânicas (Tabela 1).
o uso de plantas medicinais no municí- à 8ª série, Ensino Médio e Ensino Su- As famílias mais representativas em
pio de Ariquemes, em Rondônia, con- perior), tempo de residência no local (até número de espécies foram Lamiaceae,
tribuindo assim para auxiliar no resgate 3 anos; de 4 a 6 anos; de 7 a 9 anos; de com sete espécies, e Asteraceae,
do conhecimento tradicional. Procurou- 10 a 12 anos; de 13 a 15 anos; de 16 a Leguminosae e Compositae, com qua-
se também estabelecer uma correlação 18 anos; de 19 a 21 anos; de 22 a 24 tro espécies cada, enquanto as demais
entre os padrões sócio-econômicos dos anos; de 25 a 27 anos; e de 28 a 30 anos), tiveram apenas uma ou duas espécies
entrevistados e a utilização da fitoterapia e gênero dos entrevistados. A utilização mencionadas. Foram constatadas oito
como prática em seu cotidiano. deste procedimento teve por objetivo a formas de preparo dos fitoterápicos, sen-
identificação de como está distribuído do a mais utilizada o decocto, ou seja, o
MATERIAL E MÉTODOS o conhecimento sobre fitoterápicos nes- cozimento da parte vegetal em água e,
ta população, em relação aos fatores em segundo lugar, o infuso, que consis-
A pesquisa de campo foi realizada mencionados. Por exemplo, dentro do te na submersão da parte vegetal em
no município de Ariquemes, em fator “nível de escolaridade”, para se água, logo após a fervura desta. Isto tam-

Hortic. bras., v. 26, n. 2, abr.-jun. 2008 245


MRA Santos et al.

bém foi observado por Rodrigues (1998) plantas, garantindo sua preservação. Toda (Jack)SW), terramicina (Althernanthera
durante levantamento florístico e informação colhida foi transcrita literal- dentata (Moench) Stuchlik), copaíba
etnobotânico de plantas medicinais do mente, procedimento também adotado (Copaifera langsdorfii Desf.),
Cerrado, na Região do Alto Rio Gran- por Radomski & Wisniewski (2004), coqueirinho (Elleutherine bulbosa
de, em Minas Gerais. Destacou-se tam- mantendo-se expressões como tiriça (ic- Mill.), cupuaçu (Theobroma grandiflora
bém nesse levantamento o uso combi- terícia), afinar o sangue (reduzir as con- Willd.) e insulina (Cissus verticilata L.),
nado de plantas com outros ingredien- centrações de ácidos graxos no sangue), o que sugere que a cultura etnobotânica
tes como: poejo (Mentha pulegium L.) pano branco (doença de pele causada sobre as plantas amazônicas está se per-
com mel, babosa (Aloe vera (L.) Burn. pelo fungo Pityrosporum ovale) e chia- dendo, sendo um dos motivos a carên-
F.) com mel e cachaça, pé-de-galinha do no peito (asma), termos utilizados cia de estudos na região, tanto em rela-
(Eleusine indica (L.) Gaertn) com pe- pelos entrevistados (Tabela 1). ção ao resgate cultural quanto à desco-
daço de cupim e álcool. Outro fato cons- Foram registradas 237 citações, nas berta de novas plantas como prováveis
tatado foi o uso de várias ervas medici- quais foi relatada a utilização de várias fontes de substâncias bioativas de inte-
nais com chimarrão, conforme já ante- partes vegetais das 63 espécies, em oito resse, devido à falta de incentivo por
riormente observado por Garlet & formas de preparo, com diferentes fina- parte das instituições acadêmicas e de
Irgang (2001), em Cruz Alta, no Rio lidades terapêuticas. pesquisa. Em um recente levantamento
Grande do Sul. Com relação às diferentes religiões realizado por Fernandes (2004) acerca
As plantas mencionadas com maior praticadas por cada comunidade, pode- de trabalhos apresentados nos simpósios
freqüência foram crajiru (Arrabidaea se inferir uma maior concentração de de plantas medicinais, de 1972 a 1998,
chica (Bonpl.) B. Verl.), boldo conhecimentos nos evangélicos e cató- as regiões mais participativas, em ter-
(Plectranthus barbatus Andrews), hor- licos, com médias de 7,4(a) e 6,7(a) ci- mos de número de trabalhos apresenta-
telã (Mentha sp.), erva-cidreira (Lippia tações por entrevistado, respectivamen- dos, foram Sudeste, Sul e Nordeste, sen-
alba (Mill.) N. E. Br), erva-de-Santa- te, seguidos pelos entrevistados sem re- do que as regiões Centro-Oeste e Norte
Maria (Chenopodium ambrosioides L.), ligião, com 5,6(b), e os adventistas, com apresentaram uma parcela pouco signi-
poejo (Mentha pulegium L.), hortelã- 4,3(c). Esses dados nos permitem cons- ficativa.
grande (Plectranthus amboinicus (Lour) tatar que há uma interação entre os co- Em relação ao nível de escolarida-
Spreng.), algodão (Gossypium hirsitum nhecimentos etnobotânicos e as reli- de, o conhecimento e uso de plantas
L.), babosa (Aloe vera (L.) Burn. F.) e giões. É importante ressaltar que gran- medicinais predominou no nível de En-
alfavaca (Ocimum selloi Benth.). Tam- de parte dos entrevistados que se decla- sino Fundamental da 1ª à 4ª série, no
bém foram mencionadas com freqüên- raram evangélicos, eram ex-católicos, nível de Ensino Fundamental da 5ª à 8ª
cia a associação de mais de uma planta convertidos recentemente. De acordo série e no Ensino Médio, com médias
nas formulações, dentre elas romã com Camargo (1998), as pesquisas na de 7,3(a), 6,8(a) e 6,7(a) citações por
(Punica granatum L.) e gengibre área da medicina popular em todos os entrevistado, respectivamente. Entre os
(Zingiber officinale Roscoe), chapéu- segmentos da sociedade demonstram analfabetos, obteve-se 5,6(b) e no nível
de-couro (Echinodorus grandiflorus uma constante vinculação com crenças de Ensino Superior foi observada a me-
Mitch) e crajiru (Arrabidaea chica religiosas. nor média, 3,0(c) citações por entrevis-
(Bonpl.) B. Verl.), cana-do-brejo Com relação à origem dos entrevis- tado. Assim, observa-se que o conheci-
(Costus spicatus (Jack) SW) e pata-de- tados, constatou-se que as pessoas mento sobre plantas medicinais apresen-
vaca (Bauhinia forficata Link) e abacate advindas do Sudeste do país detinham ta uma tendência a diminuir com o ní-
(Persea americana Mill) e quebra-pe- mais informações em relação às demais vel de escolaridade. Está claro que o
dra (Phyllanthus niruri L.). Observações regiões, com média de 8,5(a) citações nível de escolaridade está associado a
semelhantes foram constatadas por por entrevistado; em seguida, a região condições econômicas. Assim, a relação
Ming & Amaral Júnior (2005) em estu- Nordeste apresentou média de 7,3(b); a entre o baixo nível de escolaridade e a
do realizado na reserva extrativista região Centro-Oeste 7,0(b); a região maior familiarização com o poder me-
“Chico Mendes”. Norte 5,6(c); e a região Sul 4,7(c). Nota- dicinal de espécies vegetais pode refle-
Observou-se que não há uma padro- se que, embora a região Norte abrigue tir a busca, devido ao baixo poder aqui-
nização com referência à quantidade de uma enorme biodiversidade, inclusive sitivo, de formas alternativas de tratar
planta a ser empregada nas preparações, no que diz respeito a plantas medicinais, as doenças, que não envolvam a com-
sendo indicado um punhadinho, uma os conhecimentos etnobotânicos não se pra de medicamentos caros. Talvez seja
mão cheia, um maço, entre outras. concentraram nos indivíduos originários possível inferir também que o nível cres-
Quanto à parte vegetal utilizada nas pre- do Norte. Isto se deve provavelmente cente de escolaridade envolve uma cer-
parações, observou-se uma maior utili- ao fato de que a maioria das plantas es- ta massificação dos costumes, principal-
zação das folhas. É interessante obser- tudadas foram trazidas de outras re- mente frente à globalização, o que le-
var que as folhas, além de geralmente giões. Das 63 espécies mencionadas, varia a uma perda gradual dos hábitos
concentrarem grande parte dos princí- apenas sete são amazônicas: crajiru ancestrais relacionados à fitoterapia.
pios ativos da plantas, podem ser (Arrabidea chica (Bonpl.) B. Verl.), Os dados relacionados à aquisição
coletadas sem causar grandes danos às cana-do-brejo (Costus spicatus dos conhecimentos sobre o uso das plan-

246 Hortic. bras., v. 26, n. 2, abr.-jun. 2008


Uso de plantas medicinais pela população de Ariquemes, em Rondônia

Tabela 1. Nomes vulgares e científicos, famílias botânicas, indicações, partes utilizadas e modos de preparo de plantas medicinais utilizadas
pela população de Ariquemes, em Rondônia (vulgar and scientific names, botanic families, indications, used parts of the plants and methods
of preparation of used medicinal plants for the population of Ariquemes, in Rondônia). Porto Velho, Embrapa Rondônia, 2005.

1
As letras de referência indicam conexão entre os itens Indicação, Parte Utilizada e Modo de Preparo. (The reference letters indicate
connection between itens Indication, Used Part of the Plant and Method of Preparation); 2Asma (asthma); 3Melena (melena); 4Icterícia
(jaundice); 5Reduzir as concentrações de ácidos graxos no sangue (to reduce the fatty acids concentrations of the blood); 6Doença de pele
causada pelo fungo Pityrosporum ovale (skin disease caused for the fungus Pityrosporum ovale).

Hortic. bras., v. 26, n. 2, abr.-jun. 2008 247


MRA Santos et al.

Tabela 1. (Continuação)

248 Hortic. bras., v. 26, n. 2, abr.-jun. 2008


Uso de plantas medicinais pela população de Ariquemes, em Rondônia

Tabela 1. (Continuação)

tas medicinais revelaram que a maior vistado. Porém, não ocorreu diferença consumidas, indicando que estas eram
parte foi adquirida por meio de livros, significativa entre as faixas estudadas, ao menos parcialmente preservadas.
com média de 11,3(a) citações por en- não se observando uma tendência nos Como foi observado neste trabalho,
trevistado. As outras formas de obten- resultados que permitisse inferências o estudo do conhecimento etnobotânico
ção de informações registradas foram entre o tempo de residência dos entre- de comunidades predominantemente
menos relevantes: a aquisição de conhe- vistados no local e o seu conhecimento voltadas para o setor primário em geral
cimentos de pessoas conhecidas resul- sobre as plantas medicinais utilizadas. nos leva a duas vertentes: a primeira é a
tou em média de 7,6(b), a partir de pa- Provavelmente, estas duas variáveis não observação das estratégias que o homem
rentes 6,0(b) e de pastorais 5,5(b). Em- interagiram devido ao fato de que a utiliza para lidar com a natureza, ten-
bora as pastorais de saúde sejam atuan- maioria das plantas utilizadas no muni- tando melhorar de alguma forma sua
tes nas comunidades, o interesse das cípio estudado não são nativas. Se este qualidade de vida e; a segunda, é a ne-
pessoas pelas leituras referentes ao as- fosse o caso, seria de se esperar que os cessidade pungente de proteger o conhe-
sunto é bastante significativo. Atual- moradores com maior tempo de residên- cimento ancestral, resgatando e regis-
mente, há uma grande profusão de li- cia detivessem maior conhecimento so- trando informações, de forma a
vros abordando o uso de plantas medi- bre a utilização das plantas na medicina perpetuá-las para as gerações futuras.
cinais, a maioria relativamente simples popular do local. Esta pesquisa fornecerá subsídio para
em termos de elaboração, de fácil en- O gênero masculino apresentou sig- estudos fitoquímicos e farmacológicos
tendimento, e que podem ser adquiri- nificativamente mais informações sobre necessários para confirmar as proprie-
dos a baixo preço. A forma de aquisição as plantas medicinais no município es- dades terapêuticas da maioria das espé-
dos conhecimentos etnobotânicos, nes- cies estudadas e para verificar a
tudado. Enquanto os homens entrevis-
se estudo, difere bastante do levanta- toxicidade ou inocuidade das mesmas
tados apresentaram uma média de
mento etnobotânico realizado por Ming para a saúde humana.
16,4(a) citações por entrevistado, a mé-
& Amaral Júnior (2005), na reserva dia para as mulheres foi de 10,4(b). No
extrativista “Chico Mendes”, no Acre, trabalho realizado por Ming & Amaral REFERÊNCIAS
em que todos os entrevistados afirma- Júnior (2005), com seringueiros da re-
ram que o aprendizado foi repassado ALBUQUERQUE UP. 1998. Introdução à
serva extrativista “Chico Mendes”, foi etnobotânica. Recife: Bagaço. 72p.
pelos pais. constatado que os homens, devido ao CAMARGO MTLA. 1998. Plantas medicinais e
No que se refere ao conhecimento maior contato com a floresta, tendem a de rituais afro–brasileiros II: estudo
das plantas medicinais em relação ao ter maior conhecimento de plantas des- etnofarmacobotânico. São Paulo: Ícone. 232p.
tempo de residência no local, a maior te ecossistema. CASTRO HG; FERREIRA FA. 2000.
Contribuição ao estudo das plantas
média aponta para a faixa entre 7 a 9 Observou-se que a maioria dos en- medicinais: carqueja (Baccharis
anos, sendo de 12,3 citações por entre- trevistados cultivava as plantas genistelloides). Viçosa: UFV. 102p.

Hortic. bras., v. 26, n. 2, abr.-jun. 2008 249


MRA Santos et al.

ELISABETSKY E. 2001. Etnofarmacologia como MIGUEL MD; MIGUEL OG. 2000. RODRIGUES VEG. 1998. Levantamento
ferramenta na busca de substâncias ativas. In: Desenvolvimento de fitoterápicos. São Paulo: florístico e etnobotânico de plantas medicinais
SIMÕES CMO; SCHENKEL EP; GOSMAN Robe Editorial. 115p. dos cerrados na região do Alto Rio Grande–
G; MELLO JCP; MENTZ LA; PETROVICK MILLIKAN B. 1998. Zoneamento Sócio- MG. Lavras: UFLA. 229p (Tese mestrado).
PR (eds). Farmacognosia: da planta ao Econômico-Ecológico no Estado de Rondônia: SANTOS MRA; INNECCO R. 2004. Adubação
medicamento. 3ª ed. Porto Alegre: UFSC. p. análise de um instrumento de ordenamento orgânica e altura de corte da erva-cidreira
91-104. territorial na fronteira amazônica. Brasília: brasileira. Horticultura Brasileira 22: 182-185.
FERNANDES TM. 2004. Plantas Medicinais: PNUD/PLANAFLORO. 105p. SILVA AJR; ANDRADE LHC. 2005.
memória da ciência no Brasil. Rio de Janeiro: MING LC; AMARAL JÚNIOR, A. 2005. Etnobotânica nordestina: estudo comparativo
Fiocruz. 260p. Aspectos etnobotânicos de plantas medicinais da relação entre comunidades e vegetação na
GARLET TMB; IRGANG BE. 2001. Plantas na reserva extrativista “Chico Mendes”. The Zona do Litoral – Mata do Estado de
medicinais utilizadas na medicina popular por New York Botanical Garden. Disponível em Pernambuco, Brasil. Acta Botanica Brasilica
mulheres trabalhadoras rurais de Cruz Alta, http://www.nybg.org/bsci/acre/www1/ 19: 45-60.
Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira medicinal.html. Acessado em 25 de agosto de
de Plantas Medicinais 4: 9-18. 2005.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e PHILLIPS O; GENTRY AH. 1993. The useful
Estatistica. 2005, 17 de abril. Cidades @. plants of Tambopata, Peru. I. Statistical
Disponível em http://www.ibge.gov.br/ hypotheses tests with a new quantitative
cidadesat/default.php technique. Economic Botany 47: 15-32.
MARTINS ER; CASTRO DM; CASTELLANI RADOMSKI MI; WISNIEWSKI C. 2004. Teores
DC; DIAS JE. 1995. Plantas medicinais. de elementos químicos hidrossolúveis em
Viçosa: UFV. 220p. folhas de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia)
MATOS FJA. 1997. O formulário fitoterápico do (Schrad.) Planch. Revista Brasileira de Plantas
Professor Dias da Rocha. 2ª ed. Fortaleza: Medicinais 6: 65-68.
EUFC. 124p.

250 Hortic. bras., v. 26, n. 2, abr.-jun. 2008