Você está na página 1de 2

TERMODINÂMICA

Definição: área da Física que estuda os processos que regem PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA
as relações entre trabalho e energia térmica. O foco da
termodinâmica é a relação entre as energias térmicas e
Constitui-se no princípio da conservação da energia. Isso
mecânica e os processos de transferências de energia.
significa que o valor da energia de um sistema é constante, não
podendo ser criado ou destruído, apenas transformada. A
variação da Energia interna ΔU de um sistema é expressa por
TRABALHO DE UM GÁS meio da diferença entre a quantidade de calor Q trocada com o
meio ambiente e o trabalho W realizado durante a
transformação. Analiticamente:
Considere um gás de massa m contido em um cilindro com
área de base A, provido de um êmbolo. Ao ser fornecida uma
quantidade de calor Q ao sistema, este sofrerá uma expansão,
ΔU = Q – W
sob pressão constante, como é garantido pela Lei de Gay- ou
Lussac (transformação isobárica), o êmbolo será deslocado.
Q = ΔU + W

Portanto, podemos determinar o trabalho (W ) realizado para


Nela, está implícita a seguinte convenção de sinais:
deslocar o êmbolo:
ΔU > 0: a energia interna aumenta, portanto, a temperatura
w g =p ⋅ ΔV aumenta;

Graficamente, o trabalho é a área sob o gráfico p x V. ΔU < 0: a energia interna diminui, portanto, a temperatura
diminui;

Q > 0: o sistema recebe calor do ambiente;

Q = 0: o sistema não troca calor com o ambiente (processo


adiabático)

Q < 0: o sistema cede calor para o ambiente

W > 0: trabalho realizado pelo sistema (expansão do gás)

W = 0: não há trabalho realizado nem pelo sistema, nem pelo


ambiente;

W < 0: trabalho realizado pelo ambiente sobre o sistema


(compressão do gás)
ENERGIA INTERNA DE UM GÁS

Não é possível medir diretamente a energia interna U de um MÁQUINAS TÉRMICAS


sistema, porém podemos conhecer a variação de energia
interna ΔU. Se o gás sofre variação de temperatura, São dispositivos que operam em ciclos, transformando calor
consequentemente varia a energia interna do gás. Para em trabalho. Para que isso ocorra, são necessárias duas fontes
calcularmos, utilizamos: de calor em temperaturas diferentes. A máquina térmica retira
calor de uma fonte quente, transforma parte desse calor em
3 trabalho e cede a parte restante para a fonte fria.
ΔU = ⋅ n⋅ R ⋅ Δt
2
total, estabelecendo um ciclo de rendimento máximo, que mais
tarde passou a ser chamado Ciclo de Carnot.

Este ciclo seria composto de quatro processos, independente


da substância:

Q = W e ΔU = 0
 Uma expansão isotérmica reversível. O sistema
recebe uma quantidade de calor da fonte de
aquecimento (L-M)
OBSERVAÇÃO: O refrigerador faz o processo inverso. Retira o
calor da fonte fria e transfere para a fonte quente. Para isso,  Uma expansão adiabática reversível. O sistema não
recebe trabalho de um agente externo (compressor) que é troca calor com as fontes térmicas (M-N)
acionado por um motor elétrico.
 Uma compressão isotérmica reversível. O sistema
cede calor para a fonte de resfriamento (N-O)

SEGUNDA LEI DA TERMODINÂMICA  Uma compressão adiabática reversível. O sistema não


troca calor com as fontes térmicas (O-L)
1º ENUNCIADO: É impossível remover energia térmica de um
Numa máquina de Carnot, a quantidade de calor que é
sistema a uma certa temperatura e converter essa energia
fornecida pela fonte de aquecimento e a quantidade cedida à
integralmente em trabalho mecânico sem que haja uma
fonte de resfriamento são proporcionais às suas temperaturas
modificação no sistema ou em suas vizinhanças. (Enunciado
absolutas, assim:
de Kelvin)

2º ENUNCIADO: Não há nenhum processo onde o único efeito


de energia térmica seja o de transferir energia de um corpo frio
para outro quente. (Enunciado de Clausius)

Assim, o rendimento de uma máquina de Carnot é:

RENDIMENTO DE UMA MÁQUINA TÉRMICA

É definido como a relação entre a energia aproveitada (útil) e a e 


energia recebida (total)
Logo:
Qf
η=1−
Qq
Como a máquina só funciona se há troca de calor com a fonte
fria, o rendimento nunca é de 100%

CICLO DE CARNOT

Até meados do século XIX, acreditava-se ser possível a


construção de uma máquina térmica ideal, que seria capaz de
transformar toda a energia fornecida em trabalho, obtendo um
rendimento total (100%).

Para demonstrar que não seria possível, o engenheiro francês


Nicolas Carnot (1796-1832) propôs uma máquina térmica
teórica que se comportava como uma máquina de rendimento