Você está na página 1de 13

Índice

1. Introdução................................................................................................................................1
Objetivos..............................................................................................................................1
1.1.Objetivo geral.................................................................................................................1
1.2. Objetivo geral................................................................................................................1
2. Subestação de Infulene.....................................................................................................2
3. Sala de controle................................................................................................................3
3.1.Parque de alta tensão......................................................................................................5
3.1.2. Seccionador................................................................................................................5
3.1.3. Barramentos...............................................................................................................6
3.1.4.Chave seccionadora.....................................................................................................7
3.1.5.Disjuntor......................................................................................................................7
3.1.6.Para-raios.....................................................................................................................8
4.Transformador móvel........................................................................................................9
4.2.1.Aterramento temporário............................................................................................10
4.2.2. Condensadores..........................................................................................................10
5.Conclusão........................................................................................................................12
1. Introdução
Neste presente relatório o assunto é sobre visita da subestação de INFULENE, tal visita
que foi realizada no dia 26 outubro de 2018.

. Onde, os estudantes da turma 3 o SEI2 realizaram uma visita de estudo a Subestação de


Infulene, esta que situa-se na província de Maputo na Matola em Zona Verde com o
Engenheiro Horácio Chaquisse com finalidade de compreender o processo de
transporte e distribuição de energia elétrica através da Subestação de Infulene.

A subestação de INFULENE é um conjunto de vários equipamentos como é o caso de


transformadores, cabos, chaves seccionadores e outros, que servem de entrada e saídas
de linhas de corrente elétrica. Na mesma subestação existe uma sala de controlo de
linhas de transporte, distribuição e de utilização de energia elétrica.

Objetivos

1.1.Objetivo geral

 Esta visita tem como objetivo dar a conhecer sobre subestação.

1.2. Objetivo geral

 Saber como funciona uma subestação;


 Identificar os componentes e que constituem uma subestação e sua
funcionalidade

1
2. Subestação de Infulene

A subestação de Infulene é um conjunto de vários equipamentos como é o caso de


transformadores, cabos, chaves seccionadores e outros, que servem de entrada e saídas
de linhas de corrente elétrica.

Para garantir a segurança do individuo, antes de entrar nas instalações da subestação é


necessário cumprir as seguintes recomendações:

 Identificar, da portaria e peça autorização de entrada;


 Seguir todas as instruções dadas na portaria;
 Dirigir-se estritamente aos locais autorizados:
 Cumprir com as regras de segurança estabelecidas para os locais da empresa;
 Caso precisar entrar dentro da subestação, tem o dever de usar os equipamentos
de proteção individual (EPI)
 Não entrar drogado;
 Não entrar de sandálias, chinelos ou calções na subestação.

As recomendações acima referidas vem mostradas na imagem abaixo:

Fig. 01 Quadro de normas de segurança

2
3. Sala de controle

Sala de comando onde é feito todo o controle da subestação e é na sala de controlo onde
encontra-se estampada na parede o esquema eléctrico de toda a subestação, na sala de
controlo tivemos também as instruções básicas de como devia-se se agir dentro da
subestação em caso de qualquer eventualidade

Na sala de comando trabalham dois operários por turno, onde eles comandam a
subestação através do sistema SCADA.

A subestação tem uma capacidade de 510mva, a operação é feita a distância via scada é
comandada no centro de despacho perto da portagem da matola. A operação é feita 24
sobre 24h.

Fig. 02 Controlo remoto da subestação

A subestação de Infulene é uma das maiores subestações da zona sul, usado para
alimentar quase toda zona sul, ela recebe energia vindo da barragem de Curumana,
central a gás localizado em Ressano Garcia, Subestação da Matola, a subestação tem
aproximadamente 600MVA distribuídos em 4 grandes transformadores. Na sala de
comando possui um esquema completo da subestação onde o nível de tensão de cada
transformador está especificado com as seguintes cores: vermelho 275/66 KV com uma
capacidade de 250 MVA (este representa aquilo que podemos chamar de tesouro da

3
subestação) é o maior transformador da subestação de Infulene, Amarelo 110/66 KV
contém uma capacidade de 30MVA, Laranja 275/66 KV com a capacidade de
120MVA. Aspeto muito importantes que tivemos na sala de comando, e a questão das
letras e cores;

• Vermelho =tensão de 275kw;

• Amarelo=tensão 66kw

• Laranja=tensão 110kw;

• As letras representam nível de tensão.

A=500KV

B=275KV

C=66KV

D=33KV

Subestação de Infulene e a barragem de Corrumana trabalham em paralelo. As empresas


Mozal e cimento recebem ao mesmo nível de tensão da EDM.Infulene recebe a tensão
de dois pontos; subestação conta com duas linhas de chegadas de 275KV uma vinda da
MATOLA (BL1) e outra da central térmica a gás de KOMATIPORT (BL2) que vão
alimentar um barramento (Barramento 2) que está entre ligado com o Barramento 1
através do Inter - barras.

DL1 alimenta a subestação do jardim e também a central térmica, tem a DL3 que para a
central térmica na máquina, também alimentando a baixa da cidade de Maputo, a DL5
serve para alimentar a subestação de Manhiça e Marracuene, a DL6 alimenta a
subestação da Machava.

4
Fig. 2. Painel de comando

3.1.Parque de alta tensão

Componentes de uma subestação;

• Seccionador;

• Disjuntor;

• Transformadores de tensão;

• Barramento;

• Transformadores de corrente;

• Para-raios.

3.1.2. Seccionador

Tem a função de permitir ou desligamento de uma carga. É um dispositivo de manobra


que assegura, na posição aberta, uma distância de isolamento que santistas requisitos de
segurança especificada.

5
Fig. 3. Seccionador de linha

3.1.3. Barramentos

Na subestação de infulene debitam de dois barramentos com uma tensão de 66kv que
tem como o objetivo de alimentar diversas subestações.

Fig. 03 Barramentos

6
3.1.4.Chave seccionadora

É um dispositivo mecânico de manobra que na posição aberta assegura uma distância de


isolamento, e na posição fechada mantém a continuidade do circuito elétrico nas
condições especificadas, todos os seccionadores estão aterrados.

Fig. 04 Chave seccionadora

3.1.5.Disjuntor

Dispositivo de manobra de proteção, capaz de estabelecer, conduzir e interromper


correntes em condições normais do circuito, assim como estabelecer, conduzir por
tempo especificado e interromper correntes em condições anormais especificadas do
circuito, tais como as de curto-circuito. Tem como função garantir a proteção, abertura e
fechamento de um circuito sem o risco de arco elétrico. Existe disjuntores a óleo e a
hexafluoreto de enxofre (sf6
Aparelho que tem como objetivo de fazer o corte contra sobrecargas, curto-circuito,
choques elétricos etc.

7
Fig.4. Disjuntores de altas potências

3.1.6.Para-raios

Elemento de proteção contra sobre tensões causados por descargas atmosféricas que
porventura caiam em uma linha de transmissão de distribuição. Tento coo função escoar
a corrente proveniente do raio para a tensão.

Nos tempos usa-se disjuntor a óleo para isolar e extinguir as chamas durante abertura e
fecho do disjuntor. O disjuntor tem um contato fixo e móvel, quando fecho o processo
que se cria e este arco deve ser extinguido a óleo, óleo seco ou gás CR6

SR6-e um equipamento usado para extinção do arco para evitar explosões, neste
momento usa este tipo de isolamento no abertura e fecho.

Fig. 5. Para – raio

8
Temos reles instante e cool que indicam a distância onde o problema está. Nó caso
de um problema deve ser resolvido no mesmo instante pois cada linha apanha várias
subestações e as subestações apanham vários clientes. Cada linha tem seus
equipamentos de proteção Os transformadores de corrente e tensão estão ligados em
series que são responsáveis por mandar a informador de quando chega de corrente e
tensão. Transformadores de corrente entra de P1 e sai de P2

Fig. 6. Transformador abaixador (TR2)

4.Transformador móvel

Subestação móvel e aquela que está preparada para ser alocada em qualquer sitio, no
caso de um problema e só levar o carro para aquele sitio que teve o problema.

9
Quando o problema e numa linha de 66kv.o transformador faz 66kv/33kv.tudo que tem
numa subestação normal ali também tem, caso dos para-raios, seccionador, aterramento,
disjuntor, transformador, aparte que faz operação do transformador, a parte que indica
as avarias, o transformador auxiliar, baterias.

Os elementos chaves de uma subestação são as baterias porque sem elas corremos o
risco de ficar sem corrente na subestação e as baterias tem o papel muito importante.
São elementos que auxiliados pelos conversores que converte a energia AC/DC para
armazenar nas baterias quando não há corrente. Ela tem capacidades para armazenar
energia durante 8h, com toda subestação ligada.

4.2.1.Aterramento temporário

Fig. 06

Aterramento temporário

4.2.2. Condensadores

10
Fig. 07 Banco de condensadores

Fig. 8. Linhas de saída da subestação

11
5.Conclusão

A subestação de infulene é uma grande valia para o país de moçambique, porque pode
fazer linhas para vários sítios como é o caso de distritos, localidades e outros. A
subestação é uma instalação feita com material de qualidade que garante uma existência
longa e é uma das maiores subestações da zona sul, usado para alimentar quase toda
zona sul, ela recebe energia vindo da barragem de curumana, central a gás localizado
em komatiport, Subestação da matola, a subestação tem aproximadamente 600MVA
distribuídos em 4 grandes transformadores.

12