Você está na página 1de 2

Sobre o comportamento da Professora do Jardim.

É muito importante que VOCÊ lembre-se disso, sempre...


Compreendendo a criança...

1. O Jardim de Infância bem organizado contribue para a formação harmônica da criança em seus
aspectos biológico e psíquico.
2. A Professora deve possuir sólidos conhecimentos de psicologia infantil e de didática especial.
3. A missão da Professora não é instruir, mas educar, criar hábitos, corrigir com suavidade e fineza.
4. No período em que a criança freqüenta o Jardim de Infância ela deve ignorar que está sendo
educada e aprendendo, deve pensar que está somente brincando.
5. As atividades no Jardim de Infância devem ser tão bem conduzidas que a criança ao sair do Jardim
deve recordar do mesmo com saudade.
6. A Primeira aptidão artística que se manifesta na criança é a musical, por esse motivo no Jardim de
Infância deve-se cantar a toda hora e em qualquer ocasião.
7. As atividades manuais concorrem para a correção dos desajustamentos psíquicos motores.
8. A leitura de histórias desenvolve o grau de atenção e vocabulário da criança, preparando o terreno
para a alfabetização.

Algumas Brincadeiras de alto valor Didático

Compreendendo a criança...
1. Brincadeiras de adivinhações são excelentes para desenvolver a capacidade de abstração,
concatenação e formação de idéias;
2. Brincar com água é uma necessidade para todas as crianças nervosas ou difíceis e altamente benéfico
para as crianças em geral;
3. Uma brocha de pintar ou pincel largo e um balde com água para pintar paredes da casa ou azulejos
do banheiro é um brinquedo que fascina as crianças e desperta nelas o senso de limpeza;
4. Os jogos de silêncio e imobilidade são ótimos como exercícios de controle motor e auto-domínio;
5. Os brinquedos cantados são atividades de grande valor para a idade pré-escolar;
6. Brincadeiras ao ar livre devem começar com uma breve explicação da importância das árvores,
animais, amizades, nossa família, etc. Isso desperta nas crianças amor à natureza e senso de
cooperação.

Comportamento social e atividades criativas.

Você sabia que...

Compreendendo a criança...
1. A criança se educa socialmente quando trabalha em grupo ?
2. Quando a criança divide o seu trabalho com outros ou ajuda alguém, aprende a prática de hábitos de
cortesia e ordem ?
3. Amando a criança compreenderá melhor suas fraquezas, tornando-se mais fácil sua educação ?
4. A bondade, aliada à firmeza, e não a rudeza de palavras, são um instrumento poderoso para
conseguir a obediência da criança ?
5. Bons brinquedos e jogos inteligentemente dirigidos transformam o mundo da criança?
6. Dos quatro aos seis anos, a criança deve ter à sua disposição e em grande abundância, brinquedos e
jogos de todo o tipo, que estimulem o seu espírito criador ?
7. Os materiais que estimulam a atividade criadora são papel em folhas grandes, papel de sêda, lápis,
crayon, tinta, giz de cera, um quadro-negro, massas, brinquedos de recortes, caixas velhas de
cartolina, etc, etc. ?
8. Os brinquedos que precisem ser puxados ou empurrados pela criança auxiliam-na a desenvolver o
equilíbrio e aprender a andar e correr ?
9. Brinquedos de armar estimulam a habilidade ?
10. Brinquedos compostos de mais de uma parte, exercitam a coordenação do tato com a vista ?

Histórias no Jardim da Infância.

Historinhas são tão importantes para a criança, quanto a necessidade de brincar.

Compreendendo a criança...

A professora de jardim de Infância deve contar histórias diàriamente. Estas podem ser conhecidas ou
novas, dependendo do interesse da turma, sendo que o número de repetições é ilimitado.

A escolha das histórias deve ser feita entre os livros de pouco texto, linguagem simples e com ilustrações
grandes e sugestivas, atendendo às diferentes necessidades da turma.

Exemplo: A professora sabe, por informações dos pais, que uma das crianças do grupo tem problemas de
alimentação; ela, então, poderá contar uma história do COELHINHO MANHOSO.

No preparo de um plano de trabalho atender-se-á a diferentes itens, dentre os quais:


1. Horário - Em jardim, com exceção das atividades em que a escola necessita que haja uma
coordenação de horário das turmas (lavagem das mãos, merenda, higiene dentária, recreio, repouso),
o horário não pode ser rígido.
As atividades deverão surgir do modo mais natural possivel e de acordo com as oportunidades.
A criança não deve sentir que há "hora da história". Para tal a professora deve usar todos os
artifícios.
2. Local e Arrumação - A professora poderá contar a história dentro da sala, no pátio, com as crianças
sentadas nos degraus de uma escada, no jardim, etc.
Quanto à arrumação, as crianças deverão ficar de frente para a professora de modo que todas vejam
perfeitamente o livro, a professora dramatizando a história ou o material que está sendo usado
3. Motivação - A criança não deve perceber que a professora deseja contar uma determinada história.
Cabe a esta, pondo em jôgo toda a sua habilidade, levar o interesse do grupo a um ponto tal que a
história venha a ser solicitada pelo mesmo.
4. Apresentação da História - A professora precisa conhecer bem o texto da história porque ela não
deve ler mas sim, contar; e contar com linguagem simples, ao alcance do grupo que a ouve.

A história deve ser contada com o auxílio do material (livro, desenhos no quadro negro, fantoches,
gravuras, figuras dos personagens recortadas em cartolina, teatros de sombra e de vara, etc.) porque
a criança de jardim precisa de algo concreto para poder seguir a sequência do que lhe está sendo
contado.

Durante a história a professora pode, de vez em quando, solicitar a cooperação da criança - por
exemplo: "... e agora, diz ela virando a página e mostrando às crianças; Olhem quem vem falar com
o cãozinho ... isso mesmo o padeiro."
Este artifício poderá também ser usado quando a professora perceber que houve um momentâneo
desinteresse das crianças.

5. Comentário - Embora a história, para a criança, seja sempre apenas recreativa, a professora não
deve deixar escapar esta esplêndida oportunidade de aumentar os conhecimentos do grupo por meio
de comentários sobre a mesma.

Para isso, a professora, ao escolher a história, deve prever o que de interessante e útil poderá
conversar com as crianças.

Exemplo: Numa história em que um cãozinho fala com pessoas de diferentes profissões, o assunto do
comentário pode ser encaminhado para as "profissões" - as da história, outras que as crianças
conheçam e algumas que a professora habilmente lembra.

Você também pode gostar