Você está na página 1de 215

Matemática I

Para Ciências Exactas e Económicas

Teória e Prática

Autores:
Adelino Bucuane;
Betuel Canhanga;
Teresa Mondlane;
Clarinda Nhamgumbe;

Maputo, Janeiro de 2015

versao 1.01
2

Prefácio

Agradecemos a todos que de forma directa ou indirecta fizeram parte desta obra. Ao escrevê-la
inspiramo-nos nos princı́pios de um grande Professor que postula a ideia de que ”...ensinar é lem-
brar aos outros que eles sabem tanto quanto você!...”e procuramos de modo detalhado mostrar
momentos importantes para a construção de valores e saberes Matemáticos.

Se dedicarmo-nos a lembrar ao estudante ou leitor que ele sabe, então estaremos a incitar a orga-
nização e construção de seu proprio conhecimento buscando dessa forma a base do estudante na
centralização do processo de ensino. Esta abordagem tem sido previlegiada nos ultimos tempos, razão
pela qual preparamos esta obra dando prioridade a actividade individual e colectiva dos estudantes
destacando o Professor como alguem que disperta nos estudantes a direcção e os caminhos a seguir
para a sua aprendisagem.

Dividida em quatro capı́tulos, o primeiro faz uma revisão de componentes necessárias para o acom-
panhamento do manual. O segundo capı́tulo fala sobre sucessões numéricas, limites de sucessões
numéricas, funções reais de uma variável real, limites e continuidade. O segundo capı́tulo estuda
o conceito de derivada de funções e suas aplicações em estudos Matemáticos e áreas afins; o ter-
ceiro aborda a integração segundo Rieman, suas propriedades e aplicações. Ao longo do manual
desenvolvem-se temas e da-se primor a construção dos saberes orientados a aplicações imediatas em
ciências e economia, garantindo também a criação de bases para o prosseguimento de estudos em Ma-
temática II e em outras disciplinas que buscam na Matemática a fonte para a persepção e resolução
de seus problemas.

Apresentamos exemplos com diferentes aplicações aos temas aqui abordados, dando-se primasia a
capacidade do estudante encontrar problemas práticos que apliquem os conceitos estudados. No fim
de cada capı́tulo, poderá encontrar uma colecção de exercı́cios que obrigatoriamente deverá resolver
antes de prosseguir com a sua leitura.

Consideramos esta obra ainda não acabada, a sua terceira versão será publicada em inicios de 2016,
por isso, esperamos receber de Si observações, comentários e crı́ticas que naturalmente servirão para
enriquecer este produto. Dispomos do email canhanga@uem.mz para crı́ticas, crı́ticas e crı́ticas. Cri-
tique por favor, sabemos que só assim iremos um dia atingir melhores patamares. Sua crı́tica vai
ajudar-nos a melhorar.

Com desejos de que a leitura desta brochura seja fascinante, a nossa espectativa é de despertar em Si,
3

mais do que o saber, a preciosa vontade de aprender hoje, aprender para sempre, e aprender sempre.
Bem Haja.

Betuel de Jesus Varela Canhanga


(Licenciado em Informática e Mestre em Matemática Aplicada)

Typeset by LATEX 2ε
Conteúdo

1 Preliminares 9
1.1 Aula 1 - Teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.1 Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.2 Notações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.3 Formas de definição de um conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.1.4 Relacções de Pertença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.1.5 Cardinal de um conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.1.6 Conjuntos Finitos e Conjuntos Infinitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.1.7 Igualdade de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.1.8 Conjunto Nulo ou Conjunto Vazio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.1.9 Conjunto Universo ou Universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.1.10 Subconjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.1.11 Conjunto de conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.1.12 Simbologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.1.13 Operações Sobre Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.1.14 Razões e Proporções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.1.15 Percentagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.2 Aula 2 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.3 Aula 3 - Teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
1.3.1 Algebra e expressões algebricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
1.3.2 Expressões numéricas e valor numérico de uma expressão . . . . . . . . . . . . 34
1.3.3 Domı́nio de Expressões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
1.3.4 Valores Numéricos de uma Expressão Literal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.3.5 Polinómios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.3.6 Monómios Semelhantes e Monómios Iguais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
1.3.7 Operações sobre Monómios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
1.3.8 Polinómios Semelhantes e Polinómios Iguais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

4
5

1.3.9 Factorização de Polinómios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40


1.3.10 Polinómios Quadráticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
1.3.11 Triângulo de Pascal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
1.3.12 Exercicios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
1.3.13 Potênciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
1.3.14 Operações com Potências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
1.3.15 Multiplicação de Potências com Bases Iguais e Expoentes Diferentes . . . . . . 48
1.3.16 Divisão de Potências com Bases Iguais e Expoentes Diferentes . . . . . . . . . 48
1.3.17 Multiplicação de Potências com Expoentes Iguais e Bases Diferentes . . . . . . 48
1.3.18 Divisão de Potências com Expoentes Iguais e Bases Diferentes . . . . . . . . . 48
1.3.19 Potência de Potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
1.3.20 Radiciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
1.3.21 Raiz de Índice n . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
1.3.22 Multiplicação e Divisão de Radicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
1.3.23 Simplificação de Radicais (Redução ao mesmo ı́ndice) . . . . . . . . . . . . . . 50
1.3.24 Comparação de Radicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
1.3.25 Adição e Subtração de Radicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
1.3.26 Potência de uma raiz e Raiz de uma Potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
1.4 Aula 4 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
1.5 Aula 5 - teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
1.5.1 Funções lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
1.5.2 Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
1.5.3 Função Inversa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
1.5.4 Funções Compostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
1.5.5 Sistemas de Equações e Inequações Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
1.5.6 Funções quadráticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
1.5.7 Estudo Completo de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
1.5.8 Equações Quadráticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
1.5.9 Exercı́cio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
1.5.10 Equações Paramétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
1.5.11 Funções e Equações Radicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
1.5.12 Composição de funções por funções radicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
1.5.13 Equações e Inequaões Radicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
1.6 Aula 6 - prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
1.7 Aula 7 - teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
6

1.7.1 Funções exponenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88


1.7.2 Resolução de Equações Exponenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
1.7.3 Inequação Exponencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
1.7.4 Função exponêncial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
1.7.5 Representação Gráfica de uma Função Exponencial . . . . . . . . . . . . . . . . 91
1.7.6 Cálculo Logarı́tmico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
1.7.7 Propriedades Importantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
1.7.8 Equação Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
1.7.9 Inequação Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
1.7.10 Função Logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
1.7.11 Representação Gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
1.7.12 Função e Equação Homográfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
1.7.13 Equações e Inequações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
1.7.14 Função Modular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
1.7.15 Gráfico da Função Modular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
1.7.16 Equações Modulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
1.7.17 Inequações Modulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
1.8 Aula 8 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114

2 Limites de Sucessões e funções 119


2.1 Aula 9 - Teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
2.1.1 Monotonia de uma Sucessão Numérica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
2.1.2 Limite de SucessõesNuméricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
2.1.3 Regras de Cálculo de Limites de Sucessões Numéricas . . . . . . . . . . . . . . 122
2.1.4 Alguns tipos de Indeterminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
2.1.5 O Número e . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
2.1.6 Alguns Exercı́cios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
2.2 Aula 10 - prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
2.3 Aula 11 - teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
2.3.1 Progressões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
2.3.2 Alguns Exercı́cios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
2.4 Aula 12 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
2.5 Aula 13 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
2.5.1 Limite de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
2.5.2 Cálculo de Limite de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
7

2.5.3 Indeterminação do Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129


2.5.4 Limites Laterais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
2.5.5 Limites Notáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
2.5.6 Alguns Exercı́cios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
2.6 Aula 14 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
2.7 Aula 15 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
2.7.1 Continuidade de Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
2.7.2 Pontos de Descontinuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
2.7.3 Classificação dos Pontos de Descontinuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
2.8 Aula 16 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140

3 Derivadas e aplicações 141


3.1 Aula 17 - Teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
3.1.1 Conceito de Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
3.1.2 Derivação por Tabela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
3.1.3 Regras de Derivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
3.1.4 Tabelas de Derivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
3.2 Aula 18 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
3.3 Aula 19 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
3.3.1 Derivada logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
3.3.2 Regra de Cadeia ou Regra de Derivada de Função Composta . . . . . . . . . . 153
3.3.3 Derivada de função dada na forma implı́cita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
3.3.4 Derivada da função paramétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
3.4 Aula 20 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
3.5 Aula 21 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
3.5.1 Interpretação geométrica e mecânica da derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
3.5.2 Diferencial da função de uma variável real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
3.5.3 Derivadas e diferenciais de ordem superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
3.5.4 Polinómio de Taylor e de Maclaurin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
3.6 Aula 22 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
3.7 Aula 23 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
3.7.1 Estudo da Primeira Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
3.7.2 Estudo da Segunda Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
3.7.3 Máximos e mı́nimos de funções. Estudo completo de função . . . . . . . . . . . 162
3.8 Aula 24 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
8

4 Cálculo Integral 173


4.1 Aula 25 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
4.1.1 Somatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
4.1.2 Cálculo de áreas usando limites de soma de áreas particionadas . . . . . . . . . 174
4.2 Aula 26 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
4.3 Aula 27 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
4.3.1 Integral definido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
4.3.2 Somas inferiores e superiores de Riemann . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
4.3.3 Propriedades do integral definido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
4.4 Aula 28 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
4.5 Aula 29 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
4.5.1 Integral indefinido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
4.5.2 Propriedades de integração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
4.5.3 Tabela de integração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
4.5.4 Método de substituição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
4.5.5 Resolução : . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
4.5.6 Algumas identidades trigonométricas fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . 194
4.5.7 Integrais de funções trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
4.5.8 Substituições trigonométricas inversas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
4.5.9 Integração de funções racionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
4.5.10 Integração por partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
4.6 Aula 30 - Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
4.7 Aula 31 - teorica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
4.7.1 Integral impróprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
4.7.2 Integral impróprio do primeiro tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
4.7.3 Critério de convergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
4.7.4 Integral impróprio do segundo tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
4.7.5 Critério de convergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
4.7.6 Cálculo de áreas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
4.7.7 Comprimento do arco duma curva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
4.7.8 Área de superfı́cie de revolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
4.7.9 Volume do sólido de revolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
4.8 Aula 32 - Pratica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
Capı́tulo 1

Preliminares

1.1 Aula 1 - Teórica

1.1.1 Conjuntos

A teoria de conjuntos é uma parte da Matemática que é aplicada em muitos campos da ciência tais
como: estatı́stica, engenharia, economia. Debrussar-nos-emos sobre linhagens básicas da teoria de
conjuntos. Os estudantes, deverão com muito cuidado ler a componente teórica e resolver paulatina e
atenciosamente os exercı́cios aqui sugeridos.

Definção 1.1. Conjuntos- Conjunto é um conceito fundamental em todos os ramos da matemática.


Um conjunto é uma lista, uma colecção, um agrupamento ou uma classe de objectos com caracterı́sticas
idênticas. Os objectos em um conjunto, como mostram os exemplos que se seguem, podem ser qualquer
coisa como: pessoas, rios, lagos, nome de provı́ncias, etc. Estes objectos que fazem parte do conjunto
são chamados elementos do conjunto.

Exemplo 1.1. Consideremos seguintes exemplos de conjuntos e seus elementos:

1) Os números 1, 3, 7, 10 podem ser vistos como elementos de um conjunto;

2) As soluções da equação x3 + 3x − 1 = 0 são elementos de um conjunto;

3) As vogais do alfabeto português são elementos de um conjunto;

4) Os estudantes que faltam às aulas, são elementos de um conjunto;

5) Maputo, Gaza, Inhambane, Zambézia e Cabo Delgado são elementos de um conjunto.

1.1.2 Notações

Os Conjuntos são geralmente representados por letras maiúsculas.

9
10 Matemática I - Da teoria à Prática

Exemplo 1.2.

A = {2, 4, 6, 8, ...} B = {1, 3, 5, 7, 9, ...} C = {maputo, pemba, xai − xai, lichinga}

Os Elementos de um conjunto são geralmente representados por letras minúsculas.

Exemplo 1.3.
A = {a,e,i,o,u}

Observação 1.1. Veja que no exemplo anterior os elementos do conjunto aparecem separados pelo
sinal da vı́rgula.
Os elementos de um conjunto aparecem entre chavetas ”{}”. Designa-se a esta forma de representar
conjuntos Forma tabular ou Representação por extensão.

Se se definir um conjunto particular usando uma determinada propriedade de que se revestem


seus elementos, como por exemplo: considerando-se o conjunto B como sendo o conjunto de numéros
ı́mpares, usa-se uma letra qualquer. Por questão de uniformidade usa-se a letra x para representar
um elemento qualquer e o sı́mbolo (:) que significa - tal que, e escreve-se:

B = {x : x = 2k − 1, k ∈ N}

Lê-se:
B é um conjunto de números x tal que esses números são ı́mpares. Designa-se a esta meneira
de construir ou representar um conjunto Representação por compreensão.

1.1.3 Formas de definição de um conjunto

Diz-se que um conjunto está bem definido, quando claramente se identificam os seus elementos. Exis-
tem 3 formas de definição de um conjunto:

• Extensão;

• Compreensão;

• Diagrama de Venn.

Definção 1.2. Um conjunto diz-se definido ou representado por extensão quando é ”extendido”,
lista-se todos os seus elementos.

Exemplo 1.4. O conjunto A está representado por extensão:

A = {1, 3, 5, 7, 9}
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 11

Definção 1.3. Um conjunto diz-se definido ou representado por compreensão quando se ”compre-
ende”,com base em uma regra, quais são os constituentes do mesmo.

Exemplo 1.5. O conjunto A está representado por extensão:

A = {x : x = 2k − 1; k ∈ N e x < 10}

Definção 1.4. Um conjunto diz-se definido ou representado por diagrama de Venn

1.1.4 Relacções de Pertença

• Quando um elemento ”a”não faz parte de um determinado conjunto A, diz-se que a não
pertence a A ( escreve se a 6∈ A);

• Quando um elemento a faz parte de um determinado conjunto A, diz-se que a pertence a A


( escreve-se a ∈ A).

Exemplo 1.6. Seja A = {a, b, c, d, e, f }, Diz-se que A é um conjunto e ”a, b, c, d, e, f ”são elementos
do conjunto A, assim:

1) a ∈ A

2) e ∈ A

3) m 6∈ A

4) p 6∈ A

1.1.5 Cardinal de um conjunto

É o número de elementos que o conjunto tem (]).

Exemplo 1.7. Seja V = {a, e, i, o, u}então ]V = 5.

1.1.6 Conjuntos Finitos e Conjuntos Infinitos

Definção 1.5. Um conjunto diz-se Finito quando se poder identificar o número de elementos que
dele fazem parte. Em outras palavras, se tiver Cardinal.

Exemplo 1.8. Considere os seguintes exemplos:

1) O conjunto formado por capitais provinciais de Moçambique;

2) O conjunto formado pelos estudantes de uma turma;

3) O conjunto de números naturais menores que 1000000.


12 Matemática I - Da teoria à Prática

Definção 1.6. Um conjunto diz-se Infinito quando não se pode identificar o número de elementos
que dele fazem parte. Em outras palavras, se não tiver Cardinal.

Exemplo 1.9. Considere os seguintes exemplos:

1) O conjunto formado por números entre 1 e 3;

2) O conjunto de números naturais maiores que 1000000.

1.1.7 Igualdade de Conjuntos

Definção 1.7. O conjunto A diz-se igual ao conjunto B se eles tiverem mesmos elementos, isto é, se
todos elementos de B pertencerem a A e se todos elementos de A pertencerem a B.

Exemplo 1.10. Considere seguintes exemplos:

1) A = {1, 2, 3, 4} e B = {2, 3, 1, 4} são conjuntos iguais;

2) O conjunto formado por pessoas de sexo feminino é igual ao conjunto formado por mulheres;

3) A = {x : x2 + 4x + 4 = 0}, B = {x : x + 2 = 0}, e C = {−2} são conjuntos iguais.

1.1.8 Conjunto Nulo ou Conjunto Vazio

Definção 1.8. Diz-se que um conjunto é nulo ou vazio (denota-se {} ou ∅) quando não contém
elementos. Isto é, o seu cardinal é igual a zero.

Exemplo 1.11. Considere os seguintes exemplos:

1) O conjunto formado por todas pessoas com mais de 700 anos de vida na terra;

2) O conjunto formado pelas soluções da equação x2 + 1 = 0.

1.1.9 Conjunto Universo ou Universal

Definção 1.9. Em qualquer aplicação da teoria de conjuntos, todos os conjuntos aprendidos estarão
no momento de estudo particularizado de um outro conjunto mais amplo e expresso, por exemplo,
quando se fala de números naturais, vê-se que eles fazem parte de um outro conjunto, que é o conjunto
de números. Quando se fala de estudantes de uma sala, vê-se que eles fazem parte do conjunto de
estudantes dessa escola, portanto há sempre uma tendência de particularizar um pequeno conjunto
de um outro conjunto mais amplo com o intuito de concentrar atenções sobre a matéria em estudo.
Diz-se que um conjunto é Universo ou Universal ( denota-se U ) se ele contém todos subconjuntos
de um determinado caso em estudo.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 13

Exemplo 1.12. Considere os seguintes exemplos:

1) Em geometria plana o conjunto Universal é o conjunto de todos os pontos do espaço;

2) O conjunto Universal do conjunto de estudantes de uma turma é o conjunto de todos estudantes


dessa escola.

1.1.10 Subconjuntos

Definção 1.10. O nome vai mais longe, sub-conjunto, um conjunto pequeno. O termo pequeno
na lı́ngua portuguesa é relativo, ”pequeno em relacção a alguma coisa”. Diz-se que o conjunto A é
subconjunto do conjunto B , se todos elementos de A pertencerem a B , isto é, também são elementos
de B.

Exemplo 1.13. Considere os seguintes exemplos:

1) Seja A = {1, 2, 3, 4, 5}, B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7}, o conjunto A é subconjunto do conjunto B ,isto


é, A ⊂ B ;

2) O conjunto de capitais provinciais do Sul de Moçambique é um subconjunto de capitais provin-


ciais de Moçambique;

3) São conhecidos os conjuntos:

(a) N-Conjunto de números naturais;

(b) Z-Conjunto de números inteiros;

(c) Q-Conjunto de números racionais;

(d) R-Conjunto de números reais.

Então pode-se ver que o conjunto de números naturais é subconjunto de Z e daı́ segue-se a
seguinte cadeia:
N⊂Z⊂Q⊂R

Costuma-se dizer que o conjunto A é superconjunto de B . Esta afirmação equivale a dizer que o
conjunto B é subconjunto de A e isto é lógico, se B é subconjunto de A, então A é superconjunto
de B . A ser assim temos para a firmação A ⊂ B os seguintes comentários:

1) O conjunto A é subconjunto de B ;

2) O conjunto A está contido em B ;

3) O conjunto B é superconjunto de A;
14 Matemática I - Da teoria à Prática

4) O conjunto B é contém A.

Para a afirmação A 6⊂ B , pode-se fazer os seguintes comentários:

1) O conjunto A não é subconjunto de B ;

2) O conjunto A não está contido em B ;

3) Existe em A pelo menos um elemento que não faz parte de B ;

4) O conjunto B não contém A.

Observação 1.2. Atenção:

• Sem limitação da sua essência e para todos efeitos, o conjunto vazio ”{}” é subconjunto de
qualquer conjunto;

• Se o conjunto A = B então A ⊂ B e B ⊂ A.

1.1.11 Conjunto de conjunto

Algumas vezes os elementos de um determinado conjunto, são também conjuntos. O conjunto formado
por todos subconjuntos de um determinado conjunto é um conjunto de conjuntos ou ainda famı́lia
de conjuntos.

Exemplo 1.14. Considere os seguintes exemplos:

1) O conjunto A = {{a, b}, {c}, {a, e}} é um conjunto de conjuntos.

1.1.12 Simbologia

Os sı́mbolos mais usados na teoria de conjuntos estão representados a seguir:

• ∈ (pertence), ex: a ∈ B

• 6∈ (não pertence), ex: m 6∈ B

• = (igual), ex: A = B

• 6= (diferente), ex: A 6= B

• ⊂ (contido), ex: A ⊂ B

• 6⊂ (não contido), ex: A 6⊂ B

• ⊃ (contém), ex: A ⊃ B
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 15

• 6⊃ (não contém), ex: A 6⊃ B

• {} (vazio)

• ] (cardinal), ex: ]1, 4 = 2

1.1.13 Operações Sobre Conjuntos

1) Reunião - Chama-se reunião de dois ou mais conjuntos, a operação que une elementos de dois
ou de mais conjuntos. E denota-se por ∪.

Exemplo 1.15. Sejam dados os seguintes conjuntos: A = {1, 2, 4, 5} e B = {1, 2, 7, 8}; repre-
sentados por diagrama de Venn nas figuras (1.1) e (1.2) respectivamente, a reunião de A e B
é um outro conjunto que se pode designar por C e denota-se:

C = A ∪ B = {1, 2, 4, 5, 7, 8};

o conjunto C está representado por diagrama de Venn na figura (1.3)

Figura 1.1:

2) Intersecção - Chama-se intersecção de dois ou mais conjuntos, a operação que intersecta ele-
mentos de dois ou de mais conjuntos. E denota-se ∩.

Exemplo 1.16. Sejam dados os seguintes conjuntos:

A = {1, 2, 4, 5}; B = {1, 2, 7, 8};


16 Matemática I - Da teoria à Prática

Figura 1.2:

5 8

1 1

4 7

2 2

A∪B

Figura 1.3:

A intersecção de A e B é um outro conjunto que se pode designar por C e teremos:

C = A ∩ B = {1, 2}.

Veja que participam na intersecção os elementos que em simultâneo pertencem a A e B . Veja


na figura (1.6), os elementos que fazem parte do conjunto intersecção, são 1 e 2.

3) Diferença - Chama-se Diferença de dois ou mais conjuntos, a operação que diferencia dois ou
mais conjuntos, e denota-se ”\”.

Exemplo 1.17. Sejam dados os seguintes conjuntos:

A = {1, 2, 4, 5}; B = {1, 2, 7, 8};


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 17

Figura 1.4:

Figura 1.5:

A Diferença de A e B é um outro conjunto que se pode designar por C e teremos: C = A \ B =


{4, 5}; vide figura (1.7) Veja que participam na diferença de A e B os elementos que fazem
parte de A e que não fazem parte de B, como mostramos na figura (1.8).

4) Diferença Simétrica

Exemplo 1.18. Sejam dados os seguintes conjuntos:

A = {1, 2, 4, 5}; B = {1, 2, 7, 8}.

A diferença simétrica de A e B é o conjunto:

E = C ∪ D = {4, 5, 7, 8}
18 Matemática I - Da teoria à Prática

A∩B

Figura 1.6:

B\A

Figura 1.7:

Onde C é o conjunto dado no Exemplo 1.16. e denota-se: E = A M B, veja a figura (1.9)

1.1.14 Razões e Proporções

De certeza que o estudante já em algum momento ouviu falar de Razão, uma expressão que como
tantas pertencentes a lı́ngua portuguesa podem ter diferentes sentidos. Falar, em Matemática, de
razão entre dois números a e b é falar do quociente

a
, b 6= 0
b

ou ainda, é o mesmo que falar da divisão de a por b, isto é:

a ÷ b, b 6= 0.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 19

A\B

Figura 1.8:

5 7

4 8

BMA

Figura 1.9:

Exemplo 1.19. Numa sala de aulas estão presentes 20 rapazes e 25 raparigas. Determine a razão
entre o número de rapazes e raparigas.

R: A razão entre o número de rapazes e o número de raparigas é:


no rapazes 20 4
o
= =
n raparigas 25 5
ou
4÷5

Isto é, 4 rapazes para 5 raparigas!!!


a
Definção 1.11. Quando se fala de razão entre dois números a e b, isto é , o dividendo (a) designa-se
b
antecedente e o divisor (b) designa-se consequente.
20 Matemática I - Da teoria à Prática

Definção 1.12. Os desenhistas, cartografistas, marinheiros e outros, utilizam o conceito razão para
relaccionar distâncias reais e distâncias mapeadas que para distinguir introduzem no lugar de razão o
conceito de escala e denota-se:
medida do desenho
Escala =
medida real
Exemplo 1.20. No Mapa de Moçambique a distância entre Lichinga e Quelimane é de 50cm, sabendo
1
que o mapa foi desenhado com uma escala de . Determine a distância real em km de Quelimane
5000
à Lichinga.

Exemplo 1.21. Qual é a razão entre as áreas de duas circunferências se a razão entre seus raios for
1
igual a ?
2
Resolução.
sen

−1 1
cos

−1

Figura 1.10:

As duas circunferências acima são somente um exemplo de várias circunferências que tem a relacção
de seus raios 1:2.
Designar-se-á r1 , S1 raio e superfı́cie respectivamente da primeira cı́rcunferência e r2 , S2 raio e
superfı́cie respectivamente da segunda cı́rcunferência, pelo problema colocado temos:
r1 1
= .
r2 2
Como neste exercı́cio deve-se determinar a razão de proporção entre as áreas das duas cı́rcunferência,
teremos: 2  2
π × r12

S1 r1 1 1
= = = =
S2 π × r22 r2 2 4

1.1.15 Percentagens

Definção 1.13. Chama-se Percentagem a razão com consequente 100.


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 21

sen

−2 2
cos

−2

Figura 1.11:

Exemplo 1.22. Considere os exemplos seguintes:


30
X = 30%
100
4 133, 3
X = 1, 333 = = 133, 3%
3 100

1.2 Aula 2 - Prática

Os exercı́cios 1, 3, 7, 9, 11, 42, 43, 45 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão
corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 2, 15, 20, 21, 47, 48, 55, 56 deverão ser
resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente
de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

1) Seja dado o conjunto A = {1, 2, 3, 4, 5}, quais das seguintes afirmações são verdadeiras?

(a) 1 ∈ A.

(b) 1,2,3 pertencem a A.

(c) {1, 2, 3} ∈ A.

(d) 1 ⊂ A.

(e) 1 ∈ A.

2) Sejam dados os conjuntos A = {1, 2, 3}, B = {1, 2, 3, 7, 8}; quais das seguintes afirmações são
verdadeiras?

(a) 1 ⊂ A.

(b) 1, 2, 3 pertencem a A e a B .
22 Matemática I - Da teoria à Prática

(c) A ∈ B .

(d) {A} ⊂ B .

(e) A ⊂ B .

(f) B ⊃ A.

3) Considere os conjuntos A e B do exercı́cio anterior e determine:

(a) A ∪ B .

(b) A ∩ B .

(c) Seja C={1,2,3,4,5,6,7,8}, determine A \ B .

(d) Determine C \ A \ B .

(e) Determine C \ (B \ C).

(f) Determine (B \ A) \ C .

4) Determine A ∩ B ∪ C .

5) Determine (A ∩ B) ∪ C .

6) Determine A ∪ (B ∩ C).

7) Em uma turma, 20 estudantes estudam matemática, 30 estudantes estudanm fı́sica. 10 estudam


matemática e fı́sica. Responda as seguintes questões:

(a) Quantos são os estudantes que frequentam somente matemática?

(b) Quantos são os estudantes que frequentam somente fı́sica?

(c) Quantos são os estudantes que frequentam matemática ou? fı́sica?

(d) Quantos estudantes tem a turma?

8) Em um grupo musical há pessoas de raça negra e individuos de raça branca. Depois de feitas
as contas verifica-se que há 15 brancos puros e 5 mistiços (brancos negros), o grupo é composto
por 40 músicos. Responda as questões que se seguem:

(a) Faça o diagrama de Venn que ilustre esta descrição.

(b) Quantos são os negros puros?

(c) Quantos são os negros ou brancos?

9) Em uma avaliação que se considera positiva as notas maiores que 10 e menores ou igual a 20,
considera-se negativa as notas menores que 10, não se considera negativa nem posetiva a nota
10. Em estatisticas, um docente apresentou a seguinte descrição: 30 estudantes tem posetivas e
40 tem negativas, a turma é composta por 80 estudantes.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 23

(a) Faça o diagrama de venn que ilustra a descrição.

(b) Quantos estudantes tiveram nota igual a 10?

10) Numa loja de vestuarios 400 peças tem a cor amarela, 200 tem a cor azul e 100 tem a cor branca.
Na loja há 1000 peças, 20 peças tem cor branca e azul, 30 amarela e branca.

(a) Faça o diagrama de Venn que ilustre a descrição acima.

(b) Quantas peças tem cores amarela, azul e branca?

(c) Quantas peças tem a cor azul e amarela?

(d) Quantas peças não tem cores amarela, azul e branca?

(e) Quantas peças não tem cores amarela, azul ou branca?

11) Durante o capeonato escolar passado o centro internato de Mocuba acolheu várias equipas de
diferentes modalidades desportivas (Voleibol, Andebol e Futebol). Da recepção sabe-se que:
No total participaram 175 estudantes, 80 desportistas jogaram Andebol, 70 futebol, 5 jogaram
voleibol, andebol e futebol, 10 jogaram voleibol e andebol. Sabe-se também que 50 jogaram
somente andebol e 40 jogaram somente futebol. Responda as questões que se seguem.

(a) Quantos são os desportistas que jogaram futebol e andebol?

(b) Quantos são os desportistas que jogaram futebol e voleibol?

(c) Quantos são os desportistas que jogaram somente voleibol?

(d) Quantos são os desportistas que jogaram somente uma modalidade?

(e) Quantos são os desportistas que jogaram duas modalidades?

12) Sendo A = {1; 2; 3; 4; 5}, B = {2; 4; 6; 8} e C = {4; 5}, assinale V (verdadeiro) ou F (falso):

(a) 1 ∈ A ()

(b) 1 ∈ B ()

(c) 1 ∈ C ()

(d) 4 ∈ A ()

(e) 4 ∈ B ()

(f) 4 ∈ C ()

(g) 7 ∈ A ()

(h) 7 ∈ B ()

(i) 7 ∈ C ()
24 Matemática I - Da teoria à Prática

(j) 1 ∈ A ou 1∈B ()

(k) 1 ∈ A e 1∈B ()

(l) 4 ∈ A ou 4∈B ()

(m) 4 ∈ A e 4∈B ()

(n) 7 ∈ A ou 7∈B ()

(o) 7 ∈ A e 7∈B ()

(p) Todo elemento de A pertence a C. ()

(q) Todo elemento de C pertence a A. ()

13) Represente, por enumeração, os seguintes conjuntos:

(a) A = {x : x é mês do nosso calendário}

(b) B = {x : x é mês do nosso calendário que não possui a letra r }

(c) C = {x : x é a letra da palavra amor }

(d) D = {x : x é par compreendido entre 1 e 11}

(e) E = {x : x2 = 100}

14) Sendo A = 2; 4; 6; 8, B = 1; 3; 5; 7 e C = 1; 2; 3; 4; 5; 6; 7; 8, assinale V ou F:

(a) 1 ∈ A ()

(b) 1 ∈ B ()

(c) 1 ∈ C ()

(d) 2 ∈ A ()

(e) 2 ∈ B ()

(f) 2 ∈ C ()

(g) 3 ∈
/A ()

(h) 3 ∈
/B ()

(i) 3 ∈
/C ()

(j) 9 ∈ A ()

(k) 9 ∈ B ()

(l) 9 ∈
/C ()

(m) 1 ∈ A ou 1 ∈ B ()

(n) 1 ∈ A e 1 ∈ B ()
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 25

(o) 9 ∈ A ou 9 ∈ B ()

(p) 9 ∈ A e 9 ∈ B ()

(q) 9 ∈
/A e 9∈
/B ()

(r) 1 ∈ A e 1 ∈
/B ()

(s) 1 ∈
/A e 1∈B ()

(t) Todo elemento de A pertence a B. ()

(u) Todo elemento de B pertence a A. ()

(v) Todo elemento de A pertence a C. ( )

(w) Todo elemento de C pertence a B. ()

15) Represente, por enumeração, os seguintes conjuntos:

(a) A = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra a}

(b) B = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra b}

(c) C = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra C }

(d) D = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra x}

(e) E = {x : x é letra da palavra partido}

(f) F = {x : x é ı́mpar compreendido entre 10 e 20}

(g) G = {x : x é inteiro compreendido entre 2,3 e 11,8}

(h) H = {x : x2 = 25}

(i) I = {x : x2 = 0}

(j) J = {x : x3 = 8}

(k) L = {x : x3 0 = −8}

(l) M = {x : x2 = −25}

16) Represente, por uma de suas propriedades caracterı́sticas, os conjuntos:

(a) A = {Janeiro; Junho; Julho}

(b) B = {Março; Maio}

(c) C = {P; e; r; n; a; m; b; u; c; o}

(d) D = {P; p; e; r; n; n; n; a; m; b; b; u; u; c; c; o; o; o; o}

(e) E = {P; e; r; n; a; m; b; u; o; c}

(f) F = {8; 10; 12}


26 Matemática I - Da teoria à Prática

(g) G = {101; 103; 105, ...}

(h) H = {7; −7}

17) Determine o número de elementos dos seguintes conjuntos e indique os que são unitários e os
que são vazios:

(a) A = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra o}

(b) B = {x : x é mês do nosso calendário que comeca com a letrao}

(c) C = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra i}

(d) D = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letrad}

(e) E = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra p}

(f) F = {x : x é mês do nosso calendário que termina com a letra a}

(g) G = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra g }

(h) H = {x : x é mês do nosso calendário que possui a letra h}

18) Determine o número de elementos dos seguintes conjuntos e indique os que são unitários e os
que são vazios:

(a) A = {x : x é par compreendido entre 7 e 19}

(b) B = {x : x é ı́mpar compreendido entre 80 e 82}

(c) C = {x : x é inteiro compreendido entre 11, 7 e 18, 4}

(d) D = {x : x e inteiro compreendido entre 3, 4 e 3, 7}

19) Determine o número de elementos dos seguintes conjuntos e indique os que são unitários e os
que são vazios:

(a) A = {x : x2 = 121}

(b) B = {x : x2 = 0}

(c) C = {x : x3 = 1}

(d) D = {x : x3 = −1}

(e) E = {x : x2 = −1}

20) Determine o número de elementos do conjunto C = {3; 6; 9; 12; ..., 99}

21) Determine o número de elementos do conjunto C de frações:

 
1 1 1 2 2 3 3 3
C= ; ; ; ; ; ; ;
2 3 4 4 3 4 5 6
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 27

22) Determine o número de elementos do conjunto C seguinte:

4 √ 8 √
 
3 1000
C= 2; ; 4; ; 8;
2 4 500
23) Dados os conjuntos A e B , determine x para que A = B , nos seguintes casos:

(a) {1; 2; 3; 4} = {1; 2; x; 4}

(b) {1; 2; 3; 4} = {1; 2; 3; x}

(c) {x; 2; 3; 4} = {x; 1; 2; 3}

24) Complete com = ou 6= :

(a) {3; 7; 8; 9} {3; 7; 8; 9}

(b) {3; 7; 8; 9} {7; 3; 9; 8}

(c) {3; 7; 8; 9} {3; 3; 3; 7; 8; 8; 9}

(d) {3; 7; 8; 9} {3; 8; 9}

(e) {3; 7; 8} {3; 7; 9}

(f) {x : x2 = 1} {1}

(g) {x : x2 = 1} {−1}

(h) {x : x2 = 1} {−1; 1}

(i) {x : x3 = 1} {1}

(j) {x : x3 = 1} {−1}

(k) {x : x3 = 1} {1; −1}

(l) {x : x é inteiro, positivo e divisı́vel por 2} {x : x é par e positivo}

(m) {x : x é inteiro, positivo e divisı́vel por 3} {x : x é ı́mpar e positivo}

(n) { } ø

(o) {x : x2 = −1} {x : xé mulher e tem pomo-de-adao}

25) Dados os conjuntos A e B , determine x para que A = B , no seguintes casos:

(a) {1; 3; 5; 7; 9} {1; 3; x; 7; 9}

(b) {1; 3; 5; 7; 9} {x; 5; 1; 7; 3}

(c) {1; 3; 5; 7; 9} {3; 5; 3; 7; 9; 9; 5; x; 3; 7; 7; x; 7}

(d) {1; 3; x; 7; 9} {1; 5; x; 9; 3}

(e) {1; 3; 5; 7; 9} {1; 3; 5; x}


28 Matemática I - Da teoria à Prática

(f) {1; 3; 5; 7; 9} {1; 3; 7; x; x}

(g) {1; 3; 5; 7; 9} {1; 3; 5; 7; 9; x}

26) Complete com ⊂ ou 6⊂ :

(a) {a; b; c} {a; b; c; d; e}

(b) {a; b; c} {a; b; d}

(c) {a; b; c; d} {a; b; c}

(d) {a; b; c} {a; b; c}

(e) ø {a; b; c}

(f) {a; b} ø

27) Complete com ⊂ ou ⊃:

(a) {2; 4; 6} {2; 4; 6; 8}

(b) {1; 3; 5; 7; 9} {1}

(c) {1; 2; 3; 4} {1; 2; 3; 4}

(d) ø {1; 2; 3}

(e) {3; 5} ø

28) Observe as seguintes definições:

• Triângulo é todo polı́gono de três lados; vamos chamar de T o conjunto dos triângulos.

• Triângulo isósceles que possui pelo menos dois lados congruentes, ou seja, de mesma
medida; vamos chamar de I o conjunto dos triângulos isósceles.

• Triângulo equilátero é todo triângulo que possui os três ldos congruentes; vamos chamar
de E o conjunto dos triângulos equiláteros.

• Triângulo rectângulo é todo triângulo recto, ou seja. de medida igual a 90; vamos chamar
de R o conjunto dos triângulos rectângulos.

Complete então com ⊂ ou 6⊂ :

(a) T R

(b) E I

(c) R I

(d) I E

(e) E T
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 29

29) Escreva todos os subconjuntos do conjunto C = {1; 2}.

30) Complete com ⊂ ou 6⊂ :

(a) {1; 3; 4} {1; 2; 3; 4}

(b) {1; 2; 3; 4} {1; 2}

(c) {1; 2; 3} {1; 2; 4}

(d) {1; 2; 3} {1; 2; 3}

(e) ø {1}

(f) {2} ø

(g) ø ø

31) Complete com ⊂ ou ⊃:

(a) {7; 8} {7}

(b) {7; 8} {7; 8; 9}

(c) {7; 8; 9} {8; 7; 7; 9; 8}

(d) ø {7}

(e) {8} ø

(f) ø ø

32) Observe as seguintes definições:

• Quadrilátero é todo polı́gono de quatro lados; vamos chamar de U o conjuntos dos qua-
driláteros.

• Quadrado é todo polı́gono que possui os quatro lados congruentes e também os quatro
ângulos congruentes; vamos chamar de Q o conjunto de quadrados.

• Rectângulo é todo polı́gono que possui os quatro ângulos rectos; vamos chamar de B o
conjunto dos rectângulos.

• Losango é todo polı́gono que possui quatro lados congruentes; vamos chamar de L o
conjunto dos losangos.

• Trapézio é todo quadrilátero que possui pelo menos um par de lados paralelos; vamos
chamar de M o conjunto dos trapézios.

• Paralelogramo é todo quadrilátero que possui os lados opostos paralelos; vamos chamar
de P o conjunto dos paralelogramos.
30 Matemática I - Da teoria à Prática

Complete então com ⊂ ou 6⊂ :

(a) B L

(b) P B

(c) L U

(d) U M

(e) M Q

(f) Q P

33) Sendo A = {x; y; z}; B = {x; w; v} e C = {y; u; t}, determine os seguintes conjuntos:

(a) A ∪ B

(b) A ∩ B

(c) A ∪ C

(d) A ∩ C

(e) B ∪ C

(f) B ∩ C

(g) A ∪ B ∪ C

(h) A ∩ B ∩ C

(i) (A ∩ B) ∪ (A ∩ C)

34) Sendo A = {a; b; c; d}, B = {b; d; e; f } e C = {a; g; h}, determine os seguintes conjuntos:

(a) A ∪ B

(b) A ∩ B

(c) A ∪ C

(d) A ∩ C

(e) B ∪ C

(f) B ∩ C

(g) A ∪ B ∪ C

(h) A ∩ B ∩ C

(i) A ∪ (B ∩ C)

(j) (A ∪ B) ∩ C

(k) (A ∩ B) ∪ (A ∩ C)
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 31

(l) (A ∪ B) ∩ (A ∪ C)

35) Seja os seguintes conjuntos: U dos quadriláteros; Q dos quadrados; B dos rectângulos; L dos
losangos; M dos trapézios; P dos paralelogramos. Determine então os seguintes conjuntos:

(a) Q ∪ M

(b) L ∪ Q

(c) P ∪ U

(d) B ∩ L

36) Dados dois conjuntos A e B , sabendo que n(A) = 23, n(B) = 37 e n(A ∩ B) = 8, determine
n(A ∪ B).

37) Dois clubes A e B tem juntos 141 socios. O clube B possui 72 socios e os clubes possuem em
comum 39 socios. Determine o numero de socios do A.

38) Sendo A = {x; y; z}, B = {x; w; v} e C = {y; u; v} , determine os seguintes conjunto:

(a) A − B

(b) B − A

(c) A − C

(d) C − A

(e) B − C

(f) C − B

39) Sendo A = {a; b; c; d}, B = {b; d; e; f } e C = {e; f }, determine os seguintes conjuntos:

(a) A − B

(b) B − A

(c) A − C

(d) C − A

(e) B − C

(f) C − B

40) Dados dois conjuntos A e B , e sabendo que n(A) = 35, n(B) = 23 e B ⊂ A, determine
n(A − B) e n(B − A).

41) Sejam os seguintes conjuntos:


32 Matemática I - Da teoria à Prática

(a) A = {x : x é inteiro positivo}

(b) B = {x : x é par positivo}

(c) C = {x : x é ı́mpar}

Determinarnos conjuntos:

(a) B ∪ C

(b) B ∩ C

(c) B − C

(d) C − B

(e) {A B

(f) {A c

42) Numa sala estão presentes 20 rapazes e 25 raparigas. Determine:

(a) A percentagem de rapazes.

(b) A percentagem de raparigas.

43) Um comerciante compra um par de sapatos por 100 dólares e os vende por 3 milhões de meticais,
a taxa de câmbio de 1usd : 25000M T n determine:

(a) O valor de venda em usd.

(b) O valor de compra em MTn.

(c) O lucro em usd.

(d) A percentagem do lucro.

44) Um funcionário recebia 1500usd, em Janeiro o seu salário sofreu um aumento em 10% e em
Junho um outro aumento de 20% Determine

(a) O salário recebido pelo funcionário em Fevereiro.

(b) O salário recebido pelo funcionário em Julho.

(c) A subida percentual total. De Janeiro à Julho.

45) O preço de um producto aumenta 10% mensalmente. Ao fim de 12 aumentos qual será o preço
sabendo que inicialmente era 5usd?

46) Se em Janeiro de 2007 for a emprestar um montante p de um banco, quanto devolverá em Janeiro
de 2008 se a taxa de inflacção anual for de 30%
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 33

47) Nas festas de um determinado fim de ano o preço do açucar branco subiu em 20% e depois subiu
novamente em 30%, mais tarde, em Janeiro sofreu uma redução em 15%, em quanto porcento
variou o preço?

48) Se um producto custa x M T n e sofre um aumento de 10% e mais tarde um outro aumento de
10%. Em quanto porcento variou o preço do producto?

(a) 20%

(b) 15%

(c) 21%

(d) Nenhuma delas

1
49) 3 litros de leite são divididos em latas de 5 do litro. Quantas latas são necessárias?

1
50) Quantas latas de 3 do litro são necessárias para dividir 15 litros de sumo?

1
51) Qual é a razão entre as áreas de dois cı́rculos, se a razão entre os seus raios for de 4?

1
52) Determine a razão entre os volumes de dois cubos, sabendo que a razão das arestas é de 2.

53) Num mapa de Moçambique, a distância de Maputo a Beira é de 40cm. Sabendo que a escala é
de 1 : 3000000, determine a distância real.

54) A distância de Quelimane a Beira é de 960km. Sendo a escala dum mapa de 1 : 2000000, qua
será a sua distância no mapa?

55) Um aluno consegue 36 pontos dum total de 60 num teste. Que percentagem obteve o aluno?

56) O preço de venda dum produto subiu 20 por cento numa primeira subida de preços e 40 por
cento na segunda subida. Qual foi a subida total em percentagem?

Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto, quanto você

Typeset by LATEX 2ε

1.3 Aula 3 - Teórica

1.3.1 Algebra e expressões algebricas

ÇOEm Álgebra da matemática estudar-se-á vários temas que se revestem de enorme importância
para o domı́nio desta disciplina. Existem escritos de matemáticos que descrevem este tema como uma
34 Matemática I - Da teoria à Prática

construção engenhérica para estudantes de matemática. Não se pode pensar em grandes matemáticos
desprovidos da álgebra matemática.
Quase sempre nos deparamos com operações e problemas de matemática que exigem o conheci-
mento profundo de expressões algébricas, expressões polinómiais, factorização e etc... estes assuntos
serão, com detalhe, tratados neste tema.

1.3.2 Expressões numéricas e valor numérico de uma expressão

Na lı́ngua portuguesa, chama-se expressão o acto ou efeito de exprimir algo. Na matemática, ex-
pressão é a conjugação de sı́mbolos e códigos matemáticos de modo a transmitir uma mensagem ou
um pensamento.

Exemplo 1.23. Alguns exemplos de expressões algébricas:

1) x − y

2) x + y

3) x2 + y 2

4) x3 + x2 − 3x + 2

Pode se ver dos exemplos dados que as expressões não possuem nenhum valor afirmativo ou com-
parativo. Elas não possuem sinais comparativos e ou de igualdade, isto é, não são afirmações. Mesmo
na lı́ngua portuguesa, as expressões que não possuem verbos não podem ser consideradas verdadeiras
ou falsas.

Exemplo 1.24. Veja os seguintes:

1) Escola bonita - é uma expressão;

2) Escola é bonita - é uma afirmação que pode ser verdadeira ou falsa.

Analogamente x − y é uma expressão e x − y = 0 é uma afirmação matemática que, em função


de valores que x e y forem a tomar, pode ser verdadeira ou falsa.
Estamos sempre a fazer comparações com expressões vindas da lı́ngua portuguesa e fazemos isto
porque temos convicção de que sobre a lı́ngua portuguesa todos temos domı́nio. Não se pode conceber
que um falante da lı́ngua portuguesa formule a seguinte expressão: Escola Bonitas!!!!! Esta expressão
não tem sentido em português; em outras palavras, pode se dizer que esta expressão está errada. Do
mesmo modo que não se pode permitir que um matematico escreva:

x = −x + −y

E porque em matemática não existe meios termos, simplesmente se diz que a expressão está ER-
RADA! As expressões da matemática que tem variáveis também são chamadas Expressões Literais.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 35

1.3.3 Domı́nio de Expressões

O domı́nio de uma expressão algébrica com uma variável (x por exemplo), é o conjunto de valores de
x pelos quais é possı́vel calcular o valor da expressão. Em outras palavras, é o conjunto de valores
que x pode tomar de modo que expressão tenha sentido.

Exemplo 1.25. Considere a expressão:


x+1
x−1
Esta expressão tem domı́nio
x ∈ R\{1}

Se o x for igual a 1 teremos no denominador x − 1 = 1 − 1 = 0, e teremos uma contradição ao


postulado segundo o qual: ”Não existe divisão por zero!!!”

Em geral ao determinar dominios de existência de uma expressão segue-se as seguintes linhagens


mestras:

• Radicandos de um radical com ı́ndice par não devem ser negativos, isto é, devem
ser maiores ou iguais a zero;

Exemplo 1.26. Determine os domı́nios das seguintes expressões:



1) x − 1 o domı́nio será: x − 1 > 0 ⇒ x > 1.

2) x + 3 o domı́nio será: x + 3 > 0 ⇒ x > −3.

3) 5 x + 3 o domı́nio será: x ∈ R. Veja que o ı́ndice do radical é ı́mpar.

• Denominador de uma fracção não pode ser igual a zero;

Exemplo 1.27. Determine os domı́nios das seguintes expressões:


x+1
1) o domı́nio será: x − 1 6= 0 ⇒ x 6= 1.
x−1
x+3
2) o domı́nio será: x + 2 6= 0 ⇒ x 6= −2.
x+2

• As funções logarı́tmicas definem-se em R+ , isto é, os argumentos de funções lo-


garı́tmicas devem sempre ser maiores do que zero;

Exemplo 1.28. Determine os domı́nios das seguintes expressões:

1) log2 (x − 2) o domı́nio será: x − 2 > 0 ⇒ x > 2.

2) log10 (sin x) o domı́nio será: sin x > 0. resolve-se a inequação.

• Denominadores que contém raizes de ı́ndice par devem ser maiores do que zero.
36 Matemática I - Da teoria à Prática

Exemplo 1.29. Determine os domı́nios das seguintes expressões:

x−1
1) √ o domı́nio será: x − 1 > 0 ⇒ x > 1.
x+1
x2 + 3
2) √
3
o domı́nio será: x + 1 6= 0 ⇒ x 6= −1. Veja que o ı́ndice do radical é ı́mpar.
x+1

1.3.4 Valores Numéricos de uma Expressão Literal

As expressões são geralmente compostas por sinais operacionais, por números e por sı́mbolos literários
(Letras) ”Daı́, Expressões Literais”. E elas podem assumir um determinado valor depois de efectu-
adas algumas operações. Este valor tem o nome de valor numérico de expressões literais. Por exemplo,
se elas possuem variáveis, ao substituirmos as variáveis por respectivos valores numéricos, obteremos
através de operações um numéro que corresponderá ao valor numérico da expressão no seu todo.

Exemplo 1.30. Determine o valor numérico das seguintes expressões:

1) x2 − y 2 , quando x = 1 e y = 2, se obtém:

x2 − y 2 = (1)2 − (2)2 = 1 − 4 = −3.

Assim −3 é o valor numérico da expressão ácima com as condições dadas.

2) x2 − y 2 , quando x = 2 e y = 1, se obtém:

x2 − y 2 = (2)2 − (1)2 = 4 − 1 = 3.

Assim 3 é o valor numérico da expressão ácima com as condições dadas.

3) x2 − y 2 , quando x = a e y = b, se obtém:

x2 − y 2 = (a)2 − (b)2 .

Assim a2 − b2 é o valor numérico da expressão ácima com as condições dadas.

4) x + y 3 , quando x = −1 e y = −3, se obtém:

−1 + (−3)3 = −1 + (−27) = −1 − 27 = −28.

Assim −28 é o valor numérico da expressão ácima com as condições dadas.

1.3.5 Polinómios

Definção 1.14. Chama-se monómio a expressão constituida por números relactivos ou por um
producto de números relactivos eventualmente representados por letras.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 37

Exemplo 1.31. Veja os seguintes exemplos:

1) 3 é um monómio;

2) 2x é um monómio;

3) 3x2 é um monómio;

4) 7x2 y 3 é um monómio;

xy 2
5) é um monómio.
7

Definção 1.15. Num monómio a parte composta por numéros (constantes) chama-se coeficiente.

Definção 1.16. A parte composta por letras chama-se parte literal.

Definção 1.17. Chama-se grau de um monómio a soma dos expoentes associados as variáveis. Vamos
considerar sem limitação da sua essência, monómios de variável x.

Exemplo 1.32. Veja os seguintes exemplos:

1) No monómio 7x2 y 3 o coeficiente é o 7 e a parte literal é x2 y 3 , o grau deste monómio é


2 + 3 = 5;

2) No monómio ax2 o coeficiente é o a e a parte literal é x2 , o grau deste monómio é 2;

3) No monómio abx3 o coeficiente é o ab e a parte literal é x3 , o grau deste monómio é 3.

1.3.6 Monómios Semelhantes e Monómios Iguais

Definção 1.18. Diz-se que dois monómios são semelhantes ou idénticos, se eles tiverem a mesma
parte literal

Exemplo 1.33. Considere os seguintes exemplos:

1) 4x e −7x são monómios idênticos;

yx2
2) 2x2 y e são monómios idênticos.
4

Definção 1.19. Dois monómios são iguais se eles forem idênticos e possuı́rem mesmos coeficientes.

Exemplo 1.34. Considere os seguintes exemplos:

1) 4x e 4x são iguais;

8yx2
2) 2x2 y e são iguais.
4
38 Matemática I - Da teoria à Prática

1.3.7 Operações sobre Monómios

Com monómios pode-se efectuar operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.

Adição - Adicione os seguintes monómios

1) 3x2 e 7x2

2) ax2 e bx2

3) 7x4 e 7x3

4) 3x2 e 7x5

5) 3xsin 2 e 7xsin 2 2xln2 e 7xln3

Subtração - Subtraia os seguintes monómios

1) 3x2 e 7x2

2) ax2 e bx2

3) 7x4 e 7x3

4) 3x2 e 7x5

5) 3xsin 2 e 7xsin 2 2xln2 e 7xln3

Divisão - Divida os seguintes monómios

Na divisão de monómios segue-se regras sobre divisão de potências (com mesma base e expoente
diferentes).

1) 3x2 e 7x2

2) ax2 e bx2

3) 7x4 e 7x3

4) 3x2 e 7x5

5) 3xsin 2 e 7xsin 2 2xln2 e 7xln3

Multiplicação - Multiplique os seguintes monómios

Na multiplicação de monómios segue-se regras sobre multiplicação de potências (com mesma base
e expoente diferentes).
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 39

1) 3x2 e 7x2

2) ax2 e bx2

3) 7x4 e 7x3

4) 3x2 e 7x5

5) 3xsin 2 e 7xsin 2 2xln2 e 7xln3

1.3.8 Polinómios Semelhantes e Polinómios Iguais

Definção 1.20. Um Polinómio é um agrupamento de monómios (este agrupamento é feito através


de operadores de adição ou subtração).

Definção 1.21. Dois polinómios são idênticos se os seus monómios forem idênticos dois a dois.

Exemplo 1.35. x2 − 1 e 3x2 + 3

Definção 1.22. Dois polinómios são iguais se os seus monómios forem iguais dois a dois.

Exemplo 1.36. x2 − 1, e −1 + x2

Com polinómios pode-se efectuar operações de adição, subtração, divisão e multiplicação.

Adicione os seguintes polinómios


1) x3 − 7x + 9 e 2x3 + 5x + 5

7 7 √
2) x2 − x 3 + 2 e 2x 3 + 5x

3) x4 − x sin 7 − 3 e 2x3 + 5x + 6

Subtraia os seguintes polinómios


1) x3 − 7x + 9 e 2x3 + 5x + 5

7 7 √
2) x2 − x 3 + 2 e 2x 3 + 5x

3) x4 − x sin 7 − 3 e 2x3 + 5x + 6

Multiplique os seguintes polinómios


1) x3 − 7x + 9 e 2x3 + 5x

7 7 √
2) x2 − x 3 + 2 e 2x 3 + 5x
40 Matemática I - Da teoria à Prática

3) x4 − x sin 7 − 3 e 2x3 + 6

Divida os seguintes polinómios

1) x3 − 7x + 9 e 2x3 + 3

2) x2 − 3x + 2 e 2x − 1

3) x4 − 3x3 + 2x2 − x + 1 e 2x3 + x2 − 3x

4) −x5 + 3x2 + 4x e 2x

5) 2x2 + x − 10 e x − 2

6) 3x3 − 2x + 5 e x − 3

1.3.9 Factorização de Polinómios

Factorização vem de factores. Factores são os diferentes componentes de uma multiplicação. Por
exemplo 2 × 4 = 8, pode-se dizer que 2 e 4 são factores.
Portanto, factorizar é o mesmo que trasnformar uma determinada expressão polinomial em uma
sucessão de factores (Transformar uma expressão em uma multiplicação).

Exemplo 1.37. Existem diferentes métodos de factorização, cada método é adequado a determinadas
situações. Veja os exemplos que se seguem:

1) x3 = x × x × x.

2) x3 + x2 = x2 (x + 1) (evidencia-se os factores comuns).

3) 2x3 + 2x = 2x(x2 + 1) (evidencia-se os factores comuns).

4) ax + a2 x + a2 + a = x(a2 + a) + a2 + a = (a2 + a)(x + 1) (evidencia-se os factores comuns).

5) 10 − 3x − x2 Ao factorizar este polinómio quadrático ter-se-á:

10 − 3x − x2 = (2 − x)(5 + x) e

transformá-se assim o polinómio 10 − 3x − x2 em factores (2 − x) e (5 + x)

Observação 1.3. Seja dado o polinomio ax2 + bx + c, a 6= 0 se ∆ = b2 − 4ac ≥ 0, pode-se


factorizar o polinómio segundo a fórmula:

ax2 + bx + c = a(x − x1 )(x − x2 )

Onde x1 , x2 são calculados pelas fórmulas


√ √
−b + ∆ −b − ∆
x1 = , x2 =
2a 2a
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 41

Observação 1.4. Em muitos casos usa-se algumas igualdades (Os ditos casos notáveis), veja:

• (x + y)2 = x2 + 2xy + y 2 ,

• (x − y)2 = x2 − 2xy + y 2 ,

• (x + y)3 = x3 + 3x2 y + 3xy 2 + y 3 ,

• (x − y)3 = x3 − 3x2 y + 3xy 2 − y 3 ,

• x2 − y 2 = (x − y)(x + y),

• x3 − y 3 = (x − y)(x2 + xy + y 2 ),

• x3 + y 3 = (x + y)(x2 − xy + y 2 ),

1.3.10 Polinómios Quadráticos

Existem diferentes classes de polinómios, e estas classes são atribuı́das em função do seu maior expo-
ente. Por exemplo: um polinómio com maior expoente igual a 1 chama-se polinómio de grau 1 ou
linear, um polinómio com maior expoente igual a 2 chama-se polinómio de grau 2 ou quadrático,
um polinómio com maior expoente igual a 3 chama-se polinómio de grau 3 ou cúbico..., assim
em diante.

Definção 1.23. Chama-se polinómio quadrático de variável x ao polinómio dado na forma


P (x) = ax2 + bx + c, a 6= 0 eb, c ∈ R.

a, b e c são os coeficientes do polinómio.


Ao se igualar um polinómio quadrático a uma constante, transformá-se numa equação quadrática.

Observação 1.5. Importante:

• Um polinómio de grau 1 tem uma solução (ou 1 raı́z);

• Um polinómio de grau 2 tem duas soluções (ou 2 raı́zes);

• Um polinómio de grau 3 tem três soluções (ou 3 raı́zes).

Os polinómios quadráticos são sobejamente conhecidos, razão pela qual existem


fórmulas para momentos importantes de estudos sobre estes tipos de polinómios.

Veja atentamente:

Definção 1.24. Um polinómio quadrático na forma ax2 + bx + c = 0, chama-se Discriminante, e


denota-se ∆ ao valor numérico dado pela expressão ∆ = b2 − 4ac
42 Matemática I - Da teoria à Prática

Definção 1.25. Chama-se Zero de um polinómio aos valores de x que fazem com que o polinómio
seja igual a zero. Isto é:
ax2 + bx + c = 0, a 6= 0

Veja as seguintes transformaçãos:

1) Colocar em evidência o valor de a, e a seguir multiplicar e dividir a segunda parcela por 2:


   
2 2 b c 2 2b c
ax + bx + c = 0 ⇒ a x + x + =0⇒a x + x+ =0
a a 2a a
 2
b
2) Passar o a, para o membro direito, somar e subtrair a equação o valor :
2a
 2  2
b c b b b c
ax + bx + c = x + x + = x2 + 2 x +
2 2
− + =0
a a 2a 2a 2a a

3) Identificar o caso notável:

b 2
   2   2  2
2 b c b b 4ac
ax + bx + c = x + − + = x− − − + 2 =0
2a 2a a 2a 2a 4a

4) Fazendo transformações na parte da constante se obtém:


2 2
b2 − 4ac b2 − 4ac
   
2 b b
ax + bx + c = x − − − = 0 ⇒ x − − =
2a 4a2 2a 4a2

5) Resolvendo a equação se obtém:


√  √ 2
b2 − 4ac
  
2 b b b − 4ac
ax + bx + c = x − − =± ⇒x= − ±
2a 2a 2a 2a
de onde obter-se-á: √ √
−b ± b2 − 4ac −b ± ∆
x1,2 = =
2a 2a

Definção 1.26. Para um polinómio quadrático na forma ax2 +bx+c = 0, chama-se Vértice ao ponto
onde o gráfico muda de monotonia, e determina-se as coordenadas deste ponto usando as expressões:
−b −∆
xv = , yv =
2a 4a
Também, pode-se achar o xv achando a média aritmética dos zeros da função.

Observação 1.6. É importante saber que um ponto no plano é composto por duas coordenadas, uma
coordenada no eixo dos x e uma outra coordenada no eixo dos y . Assim ao se determinar o vértice
de uma parábola, preocupa-se em determinar o xv e o yv , portanto o par (xv , yv ).

Observação 1.7. Se se designar os dois zeros de uma equação quadrática por x1 e x2 , pode-se
escrever uma equação quadrática ou um polinómio quadrático de modo seguinte:

ax2 + bx + c = a(x − x1 )(x − x2 )


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 43

Observação 1.8. Se se designar os dois zeros de uma equação quadrática por x1 e x2 , pode-se
escrever uma equação quadrática ou um polinómio quadrático de modo seguinte:

ax2 + bx + c = a[x2 − (x1 + x2 )x + x1 × x2 ]

Veja que:
b c
x1 + x2 = − e x1 × x2 =
a a
Observação 1.9. Nas equações quadráticas ou polinómios quadráticos, pode-se calcular as coorde-
nadas do vértice e a seguir escrever o polinómio de modo seguinte:

ax2 + bx + c = a(x − xv )2 + yv .

Esta fórmula é também conhecida por Fórmula de Viet - SP (Soma-Produto)

1.3.11 Triângulo de Pascal

linha 0
1

linha 1
1 1

linha 2
1 2 1

linha 3
1 3 3 1

linha 4
1 4 6 4 1

linha 5
1 5 10 10 5 1

linha 6
1 6 15 20 15 6 1

linha 7
1 7 21 35 35 21 7 1

linha 8
1 8 28 56 70 56 28 8 1
44 Matemática I - Da teoria à Prática

Exemplo 1.38. Veja de seguida os exemplos da aplicação do triângulo de Pascal.

Observação 1.10. Um binómio com expoente n ∈ N pode ser desenvlvido em soma de monómios
com grau igual a n e coeficiente tirados da linha n do triângulo de Pascal.

1) Decomponha (3 + 2)1 , sendo uma potência de expoente 1, recorrer-se-á a linha 1, teremos que
somar monómios de grau 1 e coeficientes 1 e 1 (veja a linha 1), teremos então:

(3 + 2)1 = 1 × 31 20 + 1 × 30 21 = 3 + 2 = 5

2) Decomponha (3 + 2)2 , sendo uma potência de expoente 2, recorrer-se-á a linha 2, teremos que
somar monómios de grau 2 e coeficientes 1, 2 e 1 (veja a linha 2), teremos então:

(3 + 2)2 = 1 × 32 20 + 2 × 31 21 + 1 × 30 22 = 9 + 12 + 4 = 25

3) Decomponha (a + b)2 , sendo uma potência de expoente 2, recorrer-se-á a linha 2, teremos que
somar monómios de grau 2 e coeficientes 1, 2 e 1 (veja a linha 2), teremos então:

(a + b)2 = 1 × a2 b0 + 2 × a1 b1 + 1 × a0 b2 = a2 + 2ab + b2

4) Decomponha (a + b)3 , sendo uma potência de expoente 3, recorrer-se-á a linha 3, teremos que
somar monómios de grau 3 e coeficientes 1, 3, 3 e 1 (veja a linha 3), teremos então:

(a + b)3 = 1 × a3 b0 + 3 × a2 b1 + 3 × a1 b2 + 1 × a0 b3 = a3 + 3a2 b + 3ab2 + b3

5) Decomponha (a + b)4 , sendo uma potência de expoente 4, recorrer-se-á a linha 4, teremos que
somar monómios de grau 4 e coeficientes 1, 4, 6, 4 e 1 (veja a linha 4), teremos então:

(a + b)4 = 1 × a4 b0 + 4 × a3 b1 + 6 × a2 b2 + 4 × a1 b3 + 1 × a0 b4 = a4 + 4a3 b + 6a2 b2 + 4ab3 + b4

6) Decomponha (a − b)2 = [a + (−b)]2 , sendo uma potência de expoente 2, recorrer-se-á a linha 2,


teremos que somar monómios de grau 2 e coeficientes 1, 2 e 1 (veja a linha 2), teremos então:

(a + b)2 = [a + (−b)]2 = 1 × a2 (−b)0 + 2 × a1 (−b)1 + 1 × a0 (−b)2 = a2 − 2ab + b2

7) Decomponha (a − b)3 = [a + (−b)]3 , sendo uma potência de expoente 3, recorrer-se-á a linha 3,


teremos que somar monómios de grau 3 e coeficientes 1, 3, 3 e 1 (veja a linha 3), teremos então:

(a−b)3 = [a+(−b)]3 = 1×a3 (−b)0 +3×a2 (−b)1 +3×a1 (−b)2 +1×a0 (−b)3 = a3 −3a2 b+3ab2 −b3

8) Decomponha (a − b)4 = [a + (−b)]2 , sendo uma potência de expoente 4, recorrer-se-á a linha


4, teremos que somar monómios de grau 4 e coeficientes 1, 4, 6, 4 e 1 (veja a linha 4), teremos
então:

(a−b)4 = 1×a4 (−b)0 +4×a3 (−b)1 +6×a2 (−b)2 +4×a1 (−b)3 +1×a0 (−b)4 = a4 −4a3 b+6a2 b2 −4ab3 +b4
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 45

1.3.12 Exercicios Resolvidos

1) Determine os valores de A e B de modo que:


1 A B
(a) = +
(x − 1)(x + 1) x−1 x+1
Resolução
Somando as fracções que se encontram a direita, se obtém:

1 A(x + 1) + B(x − 1)
= ⇒
(x − 1)(x + 1) (x − 1)(x + 1)

⇒ 1 = Ax + A + Bx − B ⇒ (A + B)x + A − B = 0x + 1

de seguida resolve-se o seguinte sistema de equações:



 A= 1
  
 A+B =0  A = −B  A = −B 
⇒ ⇒ ⇒ 2
 A−B =1  −B − B = 1  B = −1  B=−
 1
.
2 2
2 A B C
(b) 2
= + +
(x − 1)(x + 1) x − 1 x + 1 (x + 1)2
Resolução
Somando as fracções que se encontram a direita, se obtém:

2 A(x + 1)2 + B(x − 1)(x + 1) + C(x − 1)


2
= ⇒
(x − 1)(x + 1) (x − 1)(x + 1)2

⇒ 2 = A(x2 + 2x + 1) + B(x2 − 1) + C(x − 1) = (A + B)x2 + (2A + C)x + (A − B − C) = 2

de seguida resolve-se o seguinte sistema de equações:


  


 A + B = 0 

 A = −B 

 A = −B
  
2A + C = 0 ⇒ 2(−B) + C = 0 ⇒ −2B = −C ⇒

 
 


 A−B−C =2 
 −B − B − C = 2 
 −2B − C = 2

  1
 A = −B  A = −B

 A=
2

 
 

1
  
⇒ −2B = −C ⇒ −2B = 1 ⇒ B=−








 2
 −2C = 2  C = −1  C = −1

(c) Factorize o seguinte polinómio:

P (x) = x3 − 3x2 + 2x

Resolução
Primeiro evidencı́a-se o factor comum, o factor que aparece em todos os monómios, teremos
então:
P (x) = x3 − 3x2 + 2x = x(x2 − 3x + 2)
46 Matemática I - Da teoria à Prática

veja que estamos na presença de um polinómio quadrático. Acha-se as raı́zes (x1 = 1; x2 =


2) e daı́ pode-se escrever:

P (x) = x3 − 3x2 + 2x = x(x2 − 3x + 2) = x(x − 1)(x − 2)

(d) Factorize o seguinte polinómio:


x3 − y 3

Resolução
Trata-se da diferença de cubos, veja que estamos na presença de um caso notável, teremos
então:
x3 − y 3 = (x − y)(x2 + xy + y 2 )

(e) Factorize o seguinte polinómio:


x2 − y 4 ,

Resolução
trata-se da diferença de quadrados, veja que estamos na presença de um caso notável,
teremos então:
x2 − y 4 = x2 − (y 2 )2 = (x − y 2 )(x + y 2 )

2) Efectue as seguintes operações:


5 x
(a) +
2x − 10 x − 5
Resolução
Transformá-se a primeira fracção e de seguida acha-se o mmc.

5 x 5 x 5 2x 5 + 2x
+ = + = + = .
2x − 10 x − 5 2(x − 5) x − 5 2(x − 5) 2(x − 5) 2x − 10

x2 4x − 4
(b) −
x+2 x+2
Resolução
Como temos duas fracções com mesmo denominador, iremos somente efectuar a operação
de subtracção, preste atenção porque antes da 2a fracção aparece um sinal ”−”que afecta
toda a fracção.
x2 4x − 4 x2 − 4x + 4
− = .
x+2 x+2 x+2
3) Seja f (x) = 2x2 − x Determine f (2), f (a), f (2 + a), f (2 − a), f (k + a), f (a) − f (2 − a)

(a) f (2) = 2(2)2 − 2 = 2 × 4 − 2 = 8 − 2 = 6


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 47

(b) f (a) = 2(a)2 − a = 2 × a2 − a = a(2a − 1)

(c) f (2 + a) = 2(2 + a)2 − (2 + a) = 2 × (4 + 4a + a2 ) − 2 − a = 8 + 8a + 2a2 − 2 − a = 2a2 + 8a + 6

(d) f (2 − a) = 2(2 − a)2 − (2 − a) = 2 × (4 − 4a + a2 ) − 2 + a = 8 − 8a + 2a2 − 2 + a = 2a2 − 7a + 6

(e) f (k + a) = 2(k + a)2 − (k + a) = 2 × (k 2 + 2ka + a2 ) − k − a = 2k 2 + 4ka + 2a2 − k − a =


2a2 + 2k 2 + 4ka − k − a

(f) f (a) − f (2 − a) = 2a2 − a − (2a2 − 7a + 6) = −a + 7a − 6 = 6a − 6

1.3.13 Potênciação

Definção 1.27. Pode acontecer que numa multiplicação sucessiva os factores sejam iguais, isto é:

1) 2 × 2

2) 3 × 3 × 3

3) 4 × 4 × 4 × 4 × 4

Estes casos podem ser escritos de maneira mais simplificada, ter-se-á o seguinte:

1) 2 × 2 = 22 e lê-se quadrado de dois;

2) 5 × 5 × 5 = 53 e lê-se Cubo de cinco;

3) 4 × 4 × 4 × 4 × 4 = 45 e lê-se quinto de quatro.

Potência - é uma multiplicação de factores iguais.

NOTA:

• 4 × 4 × 4 × 4 × 4 = 45 o sı́mbolo 45 é uma potência;

• O 4 é o factor que se repete e chama-se Base da Potência;

• 5, que é o número de vezes em que se repete a base, chama-se de Expoente.

Observação 1.11. Repare que ao escrever 41 denota-se uma potência. No entanto, pela definição,
supõe-se existir uma multiplicação com um só factor, o que não é verdade. Sendo assim, convencionou-
se que 41 = 4 e isto generaliza-se à todos números que tenham expoente igual a 1.

a1 = a, ∀a ∈ R.

Também convencionou-se que:


a0 = 1, ∀a ∈ R \ {0}.
48 Matemática I - Da teoria à Prática

1.3.14 Operações com Potências

As propriedades de multiplicação sucessiva de factores iguais, justificam as seguintes regras:

1.3.15 Multiplicação de Potências com Bases Iguais e Expoentes Diferentes

Ao multiplicar potências com bases iguais e expoentes diferentes, mantém-se a base e soma-se os
expoentes.

Exemplo 1.39.
1 1 5
42 × 45 = 42+5 = 47 , 52 × 5 2 = 52+ 2 = 5 2

1.3.16 Divisão de Potências com Bases Iguais e Expoentes Diferentes

Ao dividir potências com bases iguais e expoentes diferentes, mantém-se a base e subtrai-se os expo-
entes.

Exemplo 1.40.
1 1 3
42 × 45 = 42−5 = 4−3 , 52 × 5 2 = 52− 2 = 5 2

1.3.17 Multiplicação de Potências com Expoentes Iguais e Bases Diferentes

Ao multiplicar potências com expoentes iguais e bases diferentes, mantém-se o expoente e multiplica-se
as bases.

Exemplo 1.41.

24 × 34 = (2 × 3)4 = 64 , 53 × 23 = (5 × 2)3 = 103 = 1000

1.3.18 Divisão de Potências com Expoentes Iguais e Bases Diferentes

Ao dividir potências com expoentes iguais e bases diferentes, mantém-se o expoente e divide-se as
bases.

Exemplo 1.42.
 4
4 4 24
2 ÷ 3 = (2 ÷ 3) = , 53 ÷ 23 = (5 ÷ 2)3 = (2, 5)3
3

1.3.19 Potência de Potência

Nas linhas anteriores procurou-se transmitir ao estudante a noção de potência, recursivamente desenvolver-
se-á casos de sobreposição de potências, exemplo:

4
23
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 49

Ao desenvolver expressões com potência de potência faz-se o seguinte:


4
23 = 23 × 23 × 23 × 23 = 23+3+3+3 = 212

De outra maneira pode-se manter a base e multiplicar os expoentes, isto é:

4
23 = 23×4 = 212 = 4096

Observação 1.12. Importante:

1) Uma potência só é negativa se tiver base negativa e expoente ı́mpar;

2) Uma potência de expoente par, é sempre positiva independentimente do sinal da base;

3) Sempre que o zero for base de uma potência, ela será igual azero;

4) Sempre que o zero for expoente de uma potência de base diferente de zero, ela será igual a 1.

1.3.20 Radiciação

Preste atenção a Raiz Quadrada.


√ 1 √ 1 1
Raiz de indice 2: a, que é o mesmo que escrever a 2 . Desta propriedade advém que 4 = 4 2 = 22 2
1
usando a superpotênciação obtém-se 22× 2 = 2, com mesma analogia obtém-se:
√ √
36 = 6 porque 62 = 36, 100 = 10 porque 102 = 100

1.3.21 Raiz de Índice n

Considere o seguinte problema: O volume de um cubo é igual a 27cm3 . Qual é a medida das
arestas do cubo?
Resolução: Para resolvar este problema, recordar-se-á primeiro a fórmula para o cálculo do
volume de um cubo. Sabe-se que:
Vcubo = (aresta)3

então, pode-se refazer a pergunta de nodo seguinte: Qual é o número que elevado ao cubo seja igual
a 27. Isto é x3 = 27 para calcular o valor recorre-se ao seguinte:

x3 = 27 = x3 = 33 ⇒ x = 3.

E diz-se cubo de 3 é 27, então a aresta do cubo em questão mede 3cm.

Definção 1.28. Chama-se raiz de ı́ndice n de um número real b ao número real a, tal que:

an = b

onde n é o ı́ndice do radical, b é o radicando.


50 Matemática I - Da teoria à Prática

1) Caso o n seja ı́mpar o b pode ser qualquer valor real;

2) Caso o n seja par o b deve ser qualquer valor real positivo ou zero.

Ja que se pode olhar para um radical como uma potência de expoente fraccionário. Então as
propriedades e regras sobre multiplicação e divisão de potências podem aqui ser utilizadas com uma
e única prerogativa, de que para o caso de raizes os expoentes são fracções.

1.3.22 Multiplicação e Divisão de Radicais

Ao multiplicar (dividir) radicais com mesmo ı́ndice se obtem um outro radical com ı́ndice igual ao
ı́ndice dos radicandos factores (quocientes) e com radicando igual ao producto (razão) dos radicandos
factores (quocientes).

√ √
n

n √ √
n

n
n n
a× b= a × b, a÷ b= a÷b

Exemplo 1.43. Considere os exemplos que se seguem:


3

3

3

3
1) 2× 24 = 2 × 24 = 48;

3

3

3

3
2) 2× 24 = 2 × 24 = 48.

1.3.23 Simplificação de Radicais (Redução ao mesmo ı́ndice)

Existem casos em que se impõe a necessidade de multiplicar e/ou dividir raizes com ı́ndices diferentes.
Situações desta natureza levam à necessidade de simplificação ou transformação de radicais.

Observação 1.13. Se multiplicar ou dividir o ı́ndice de um radical e o expoente do radicando pelo


mesmo valor natural não nulo, o valor do radical não se altera, isto é:


n m n×k
√ m×k
am = a n = am×k = a n×k


3

3

3×2

6
Exemplo 1.44. 27 = 33 = 33×2 = 36

Esta propriedade ajuda a resolver o caso de redução de radicais ao mesmo ı́ndice. Tornando por
esta via possı́vel a multiplicação de radicais com ı́ndices diferentes.


3

5 e 7

Achando o m.m.c de (2 e 3), que são os coeficientes dos dois radicais, se obtem 6, então:


3

3×2

6
√ √
2

2×3

6

3
√ √
6

6
p
6
5= 52 = 25 7= 7= 73 = 73 dai 5 × 7 = 25 × 73 = 25 × 73
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 51

1.3.24 Comparação de Radicais

1) Com o mesmo Índice - Entre dois radicais com mesmo ı́ndice e radicandos diferentes, maior
será o que tiver maior radicando. Assim:

3

3
5< 15 porque 5 < 15

Observe que os dois radicais tem mesmo ı́ndice, o 3, a ser assim, basta comparar os radicandos.

2) Com ı́ndices diferentes - Não é possı́vel comparar dois radicais que tenham ı́ndices diferentes;
sempre que tiver um caso de dois radicais que apresentem ı́ndices desiguais, deve-se primeiro
reduzı́-los ao mesmo ı́ndice e depois procede-se como no caso anterior.

3

Exemplo 1.45. Compare os radicais 5 e 7. Primeiro reduz-se os dois radicais a outros
radicais equivalentes, com ı́ndices iguais. De seguida acha-se o m.m.c entre os ı́ndices ”2 e 3”,
que é 6. Então:
√ √
2

2×3

6

3

3×2

6
7= 7= 73 = 343 e 5= 52 = 25

6

6
Depois de feita a operaçâo, Compara-se os radicandos do resultado obtido ( 343 e 25)e
√ √
chega-se a conclusão de que 25 < 343 e consequentimente 3 5 < 7.

Passagem de factores para fora ou para dentro de um radical.


√ n
Sabe-se que: n an = a n = a1 = a, então obtém-se:

n

n

n

n
an × b = an × b=a× b

Exemplo 1.46. Considere os seguintes exemplos:


√ √ √ √
1) 52 × 3 = 52 × 3=5× 3

3

3 3

3
√ √
2) 54 = 3 × 2 = 33 × 3 2 = 3 × 3 2

1.3.25 Adição e Subtração de Radicais

Definção 1.29. Chama-se Radicais Semelhantes aqueles que diferem somente no coeficiente.

Exemplo 1.47.

3

3

3
5, 3 5, 7 625

Veja que os seguintes radicais ,a primeira, não parecem semelhantes. Mas se se efectuar sobre eles
algumas transformações obter-se-á radicais semelhantes.


3

3

3

3
p
3

3

3
5, 3 5, 7 625 = 7 54 = 7 53 × 5 = 7 × 5 5 = 35 5
52 Matemática I - Da teoria à Prática

Obtém-se:


3

3

3
5, 3 5, 35 5

A adição e subttração de radicais semelhantes efectua-se aplicando a propriedade distributiva da


multiplicação em relacção à adição. Assim:
√ √ √ √
5

5

5

5
7 5 + 5 5 = (7 + 5) 5 2 8 − 11 8 = (2 − 11) 8 = −9 8

Para os casos da soma e diferença, a redução não joga papel preponderante visto que para estas
operações muito mais do que reduzir ao mesmo ı́ndice, necessita-se de reduzir os radicais à semelhantes,
condição que não é satisfeita pelas regras de simplificação-redução de radicais.

1.3.26 Potência de uma raiz e Raiz de uma Potência

Veja agora o significado de:

√ p √ √ √ √ p √ √
n
a = n a × n a··· n a p − vezes, n
a = n a × a × a · · · a = n ap

Exemplo 1.48. Observe o seguinte exemplo:


 √ 2 √ √
3 3 3
5 = 52 = 25

Considere a seguinte situação:

q √  √ 1  11 1 √
n p p n n×p
a = a = ap
n
= a n×p = a

1.4 Aula 4 - Prática

Os exercı́cios 1, 5, 8, 9, 13, 15, 29, 32 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão
corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 3, 11, 14, 16, 18, 26, 31, 33 deverão ser
resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente
de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

1) Calcule o valor numérico das seguintes expressões para os valores de x indicados.



(a) (x − 1)(x2 + x + 1) para x = 1, x= 2
x+1 x3
− 5x
(b) − 2 para x = −3
x−1 x −1
2) Seja f (x) = 3(x − 2)2 + 5 calcule f (2 + α) e f (2 − α)
5
3) Seja f (x) = calcule f (2 + α) e f (2 − α)
2−x
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 53

x+3
4) Seja f (x) = calcule f (2 + α) e f (2 − α)
x−2
f (x + h) − f (x)
5) Seja f (x) = x2 −3x+2. Calcule f (−3), f (2x−3), f (2x−3)+f (2x+3), f (x+h),
h
6) Seja f (x) = 2x − 3 e g(x) = x2 + 5 calcule

(a) f (5), g(−3), g[f (2)], f [g(3)], g[f (x)]

(b) f [g(x + 1)] + g[g(x)]

7) Determine o domı́nio das seguintes expressões:


1
(a) x2 − 1 +
x
x2 − 5x + 1
(b)
x2 − 2x

(c) 2 − x
1 2
(d) √ +
x x+3

x+3
(e)
x−4

x2 + 3
(f)
x−1
5 7
(g) 2 +√
x −9 x+3
√ √
(h) x − 2 + 6 − 2x

8) Seja P (x) = 2x3 + ax2 + bx − 5. Determine a e b de modo que P (2) = 0 e P (−1) = 0

9) Sejam dados os polinómios:

A(x) = −x3 + 3x2 − 7x + 5, B(x) = 2x3 − 3x2 + 2x − 1, C(x) = −3x3 + 5x − 2.

Determine:

(a) A + B + C

(b) 2A + 2B − C

(c) 2A − 3B − 5C

10) Determine α e β de modo que os polinomios A(x) e B(x) sejam iguais.

(a) A(x) = (α + β)x2 − 3x B(x) = 5x2 − (α − β)x

(b) A(x) = 2αx2 + 3x − 5 B(x) = 4x2 + 3βx − 3α + β

11) Determine m de modo que o polinómio Q(x) = (m2 − 1)x2 + (m2 − 3m + 2)x + 1 + m3

(a) Seja constante.


54 Matemática I - Da teoria à Prática

(b) Seja do primeiro grau.

12) Factorize pondo em evidência o factor comum

(a) 8a3 b2 + 16a2 b3 + 20a3 b3

(b) 5x3 − 15x2

(c) 16x5 − 20x4 + 8x3

(d) (x + 1)(7x − 3) − (x + 1)(2 − x)

(e) 2x(x − 1)2 − 2x2 (x − 1)

13) Factorize os seguintes trinómios

(a) x2 + 3x + 2

(b) x2 + 7x + 6

(c) x2 + x − 42

(d) x5 + 4x4 + 4x3

14) Factorize (Diferênça de quadrados)

(a) 25a2 − 36
4x2 16y 2
(b) −
9 25
(c) 18 − 5x2

(d) (a + 5)2 − (4 − 3a)2

15) Escreva sob forma de quadrado perfeito

(a) 81a2 − 18a + 1

(b) 49x2 + 28xy + 4y 2



(c) (a + 3)2 − 6(a + 3) 5 + 45
(6 − x)2 6 − x 3
(d) + + 2
12 x x

16) Factorize usando casos notáveis

y3
(a) 8x3 −
27
8a3 64b6
(b) +
27 125
(c) 8x3 − (x − 3)3

(d) (2x − 5)3 + 27x3


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 55

17) Factorize agrupando em factores

(a) ax + 2x + 3a + 6

(b) ax − x − 5a + 5

(c) x2 − 3ax − 2x + 6a

18) Factorize caso possı́vel

(a) x4 − 16y 4

(b) 5x2 + 125

(c) −9x3 y + 30x2 y 2 − 25xy 3

(d) 3x2 + 15xy + 12y 2

(e) 5a2 − 10a2 b2 + 5b4

(f) (a − 3)2 − (5 − 2a)2

(g) (x − y)3 − (x + y)3

19) Simplifique

4x − 8
(a)
x−2
−6x2 − 14x
(b)
14 + 6x
x−3
(c) 2
x − 6x + 9
x2 − 8x + 16
(d)
16 − x2
8x − 4x2
(e)
6x − 12
4x2 − 12x + 9
(f)
4x2 − 9
(2x − 1)(x − 1)2 − 2(x2 − x − 1)(x − 1)
(g)
(x − 1)4
20) Simplifique

2x(x − 1) − x2
(a)
(x − 1)2
(2x + 3)x2 − 2x(x2 + 3x)
(b)
x3
(2x + 1)(x − x) − (2x − 1)(x2 + x)
2
(c)
x2 (x − 1)2
21) Efectue as seguintes operações:

x2 4x − 4
(a) −
x+2 x+2
56 Matemática I - Da teoria à Prática

x 3
(b) +
x+1 4
x 2
(c) − 2
x−3 x −9
2x 3
(d) 2 + 2
x − 2x − 15 x − 10x + 25

22) Determine A e B de modo que:

3x − 1 A B
(a) = +
x2
+ 4x − 5 x+5 x−1
1 A B
(b) = +
2x2 + 3x − 2 2x − 1 x + 2

23) Para que valores de x, tem sentido as seguintes expressões:


2n
(a) x
2n+1

(b) x

24) Simplifique os seguintes radicais:


√5
(a) 32a3 b2
p
(b) 9x4 y 8
r
27ab4
(c)
12a5
p
(d) 4 0, 04a4 (a − b)8
√3

686 × 3 5
25) Efectue √3
.
10
26) Simplifique:
√ √ √
(a) 3 2 + 2 2 − 5 2
√ √ √ √
(b) 8 + 18 − 50 + 72
√5

5

5
(c) a5 b2 + 32b7 − 3a b2

27) Racionalize os denominadores das seguintes fraccões:

4
(a) √
14

3+ 2
(b) √
3 2
12
(c) √ √
7+ 3

4 2+5
(d) √ √
2+ 3
28) Racionalize os denominadores das seguintes fraccões:
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 57

4
(a) √3
14

3+ 2
(b) √
342
12
(c) √3

7+ 3

4 2+5
(d) √ √
2− 33
√ √ √ √
2 3+3 2 4 3−2 2
29) Efectue √ √ + √ √ .
3− 2 3+2 2
30) Escreva sob a forma de uma única potência:

(a) 27 × 25

(b) 23x × 2−2x

(c) 4x+1 × 4x−1

31) Escreva sob a forma dum produto de potências de mesma base:

(a) 2x+3

(b) 32−x

32) Transforme numa so potência:

(a) an ÷ an−1 (a 6= 0)

(b) π x ÷ π x+2
x
(c) x−1
(x 6= 0)

93x × 6x+4
33) Simplifique a expressão .
2x+3 × 37x−1
Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto, quanto você...

Typeset by LATEX 2ε

1.5 Aula 5 - teórica

1.5.1 Funções lineares

Definção 1.30. Considere os seguintes conjuntos:

A = {a1 , a2 , a3 , · · · } e B = {b1 , b2 , b3 , · · · }

Chamar-se-á relacção a ligação de elementos de A com os elementos de B. Em outras palavras,


Relacção é a associação entre elementos de dois conjuntos.
58 Matemática I - Da teoria à Prática

Suponha-se que os elementos do conjunto A sejam as provı́ncias do Norte de Moçambique e os


elementos de B as suas respectivas capitais, teremos:

A = {Cabo delgado, N iassa, N ampula} B = {P emba, Lichinga, N ampula}

Ao se associar os nomes das provı́ncias com as suas capitais diz-se que se está a estabelecer relacções,
e teremos:

A −→ B = {(Cabo delgado, P emba); (N iassa, Lichinga); (N ampula, N ampula)}

Definção 1.31. Para este caso; chamar-se-á domı́nio ou objecto, o conjunto de partida da relacção
(Conjunto A) e chamar-se-á contradomı́nio ou imagem, o conjunto de chegada (Conjunto B ).

As relacções podem ser estabelecidas de 3 maneiras diferentes:

1) Por extensão;

2) Por diagramas de venn; e

3) Por compreensão.

Exemplo 1.49. Considere os conjuntos:

A = {1, 2, 3, 4}, B = {5, 10, 15, 20}

Pode-se estabelecer a seguinte relacção entre os elementos de A e os elementos de B :

A −→ B = {(1, 5); (2, 10); (3, 15); (4, 20)}

Esta maneira de estabelecer relacções não se difere da usada a cima. A mesma relacção pode ser
estabelecida usando fórmulas e sı́mbolos matemáticos de modo seguinte:

{(x, y)|y = 5x, x ∈ {1, 2, 3, 4}};

Neste caso o domı́nio da função é o conjunto: A = {1, 2, 3, 4}, e a regra de definição da relacção é
y = 5x Com base na regra temos:

x=1 y =5×1=5 x=2 y = 5 × 2 = 10

x=3 y = 5 × 3 = 15 x=4 y = 5 × 4 = 20

Assim sendo, temos:

{(x, y)|y = 5x, x ∈ {1, 2, 3, 4}} = {(1, 5); (2, 10); (3, 15); (4, 20)}

Viu-se desta meneira, dois métodos diferentes de representação de relacções.


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 59

Observação 1.14. As funções são relacções que para cada elemento do conjunto de partida existe
um e somente um elemento no conjunto de chegada.

Exemplo 1.50. Veja o seguinte exemplo:

{(1, 2); (3, 4); (5, 6); (7, 8)}

É uma função, porque para cada elemento do conjunto de partida {1, 3, 5, 7} existe somente um
elemento no conjunto de chegada {2, 4, 6, 8}. Analogamente pode-se dizer que é uma função porque
para cada x pertencente ao par (x, y) existe um e somente um y.

Existe diferentes maneiras de denotar funções. veja os seguintes casos:

y = 7 − x, f (x) = 7 − x, g(x) = 7 − x

Denotou-se então de 3 maneiras diferentes a mesma função. Nota-se, neste caso, que os valores
do domı́nio são pertencentes ao conjunto de números reais. Estas funções chamam-se funções de
variável real.

1.5.2 Funções

Definção 1.32. Uma Função é uma relacção em que para cada elemento do domı́nio corresponde
um e somente um elemento do contradomı́nio.

Definção 1.33. Toda função do tipo y=ax+b chama-se função linear.

Estas funções quando representadas gráficamnete apresentam-se como uma recta (uma linha recta),
daı́ o nome  Função Linear  .
Numa função linear (y = ax + b), o ”a”é o coeficiente angular, e o parâmetro que determina
o nı́vel de inclinação da recta. Daı́ que se duas rectas tiverem o mesmo coeficiente angular, serão
paralelas. Se os coeficientes angulares não forem iguais significa que as rectas tem um ponto comum.
A recta perpendicular a y = ax + b, tem a forma:
1
y = − x + b1
a

• Se b = 0, a função passa a ter a forma y = ax e funções deste tipo passam pela origem do
sistema carteziano ortogonal.

• Se o valor de a for negativo, isto é, menor que zero, diz-se que a função é decrescente.

• Se o valor de a for positivo a função é crescente.

• Se o velor de a for igual a zero, diremos que a função é constante, isto é , não é crescente nem
decrescente.
60 Matemática I - Da teoria à Prática

O coeficiente angular da recta que passa pelos pontos P1 (x1 , y1 ) e P1 (x2 , y2 ) é:

y2 − y1
a= , x2 6= x1
x2 − x1

Definção 1.34. Diz-se que uma função é crescente num intervalo D , se para qualquer que seja x1 , x2
pertencentes a D com

x1 < x2 ⇒ f (x1 ) < f (x2 )

Definção 1.35. Diz-se que uma função é decrescente num intervalo, se para qualquer que seja x1 , x2
pertencentes ao domı́nio da função f , com

x1 < x2 ⇒ f (x1 ) > f (x2 )

Para esboçar o gráfico de uma função linear, basta encontrar dois pontos pelos quais passará a
recta e unindo os 2 pontos teremos o gráfico.

Exemplo 1.51. Veja os esboços gráficos de algumas funções lineares:

1) y1 = 2x + 2

2) y2 = 2 − x

3) y3 = 3

y3 = 3 (0, 3)

(0, 2)

(−1, 0) (2, 0)
x
y2 = −x + 2

y1 = 2x + 2

Figura 1.12:
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 61

1.5.3 Função Inversa

Para inverter uma função y = f (x) segue-se os seguintes passos:

1) Em y = f (x) procura-se isolar o x escrevendo x = f (y);

2) Troca-se o x por y −1 e o y por x.

Exemplo 1.52. Determine a função inversa de y = x − 1

1) Isole o x, observe:

y = x − 1 ⇒ y − x = −1 ⇒ −x = −1 − y ⇒ x = y + 1

2) Troque x por y −1 e y por x, terás então:

y −1 = x + 1

Veja os esboços gráficos das funções f e a função f −1 .


y

x−1

x
x+1

Figura 1.13:

1.5.4 Funções Compostas

Considere os conjuntos:

A = {1, 2, 3}; B = {2, 4, 6}; C = {3, 5, 7}.


62 Matemática I - Da teoria à Prática

Componha o esquema da relacção f : A → B e g : B → C.


Observe que existe uma maneira de definir a relacção A → C usando as relacções (funções) f e
g, suponha-se que h : A → C , sem a necessidade de passar por B , entao teremos:

h(1) = 3 ⇒ 3 = g[f (1)]; h(2) = 5 ⇒ 5 = g[f (2)]; h(3) = 7 ⇒ 7 = g[f (3)];

Assim, de modo claro conclui-se que


h(x) = g[f (x)]

E diz-se que h é uma função que compõe f em g .

Exemplo 1.53. Sejam dadas as funções:

f (x) = ax + b, g(x) = cx + d.

Determinar-se-á a função f o g e g o f

f o g = f [g(x)] = a[g(x)] + b = a(cx + d) + b = acx + ad + b

g o f = g[f (x)] = c[f (x)] + d = c(ax + b) + d = acx + cb + d

1.5.5 Sistemas de Equações e Inequações Lineares

Todas as rectas podem ser representadas a partir da expressão y = ax+b, onde em caso de a = 0 temos
uma recta horizontal que corta o eixo vertical em b. Caso contrário temos uma recta oblı́qua e inclinada
de modo dependente do a-coeficiente angular. Muitos problemas de matemática, economia, gestão
e áreas afim, podem ser resolvidos usando sistemas de rectas. Veja o seguinte exemplo:

Exemplo 1.54. Em boas cozinhas, para preparar 5 unidades de sopa mistura-se uma determinada
quantidade de água ao dobro de óleo. Se se misturar quantidades iguais de água e óleo no lugar de 5,
produzem-se 7 unidades. Determine a quantidade de litros de água e de óleo.

Este tipo de problemas e muitos outros podem ser, com muita facilidade, resolvidos usando os
sistemas de equações lineares. É possı́vel criar e/ou resolver problemas que exigem sistemas de equações
de diferentes graus, mas, para todos efeitos e sem limitação da sua essência, vamos falar de sistemas
de 2 equações com 2 incógnitas. Resolver um sistema de 2 equações com duas incógnitas é o mesmo
que procurar encontrar o par (x, y) que satisfaz o sistema:


 ax + by + c = 0
.
 dx + ey + f = 0
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 63

Observação 1.15. Seja dado o seguinte sistema de duas equações com duas incógnitas:


 ax + by + c = 0
 dx + ey + f = 0

Diremos que:

a b
1) O sistema tem uma e única solução se 6= ;
d e
a b
2) O sistema não tem solução se = ;
d e
a b c
3) O sistema tem muitas soluções se = = .
d e f

Exemplo 1.55. Quantas soluções tem o sistema?



 2x − y + 5 = 0
 x − 5y = 7

Usando as regras dadas acima concluı́mos que o sistema tem uma única solução. Resolvendo-o
teremos:
19
   
 2x − y + 5 = 0  2x − y + 5 = 0  2(7 + 5y) − y + 5 = 0  y=−

⇒ ⇒ ⇒ 9  
 x − 5y = 7  x = 7 + 5y  x = 7 + 5y  x = 7 + 5 − 19 = − 33

9 9
Graficamente a solução de um sistema de equação corresponde ao ponto de intersecção das duas
rectas geradas pelas funções definidas pelas equações do sistema. Para o sistema acima teremos; veja
a figura (1.14):
Para resolver uma inequação linear vamos, a partir do esboço do gráfico, fazer a leitura da parte
que satisfaz a condição da inequação.
Veja o seguinte exemplo:
2x + 5 − y > 0

Deve-se fazer com que o y tenha coeficiente positivo, para tal vamos multiplicar ambos membros da
inequação por -1 e teremos:
−2x − 5 + y < 0

Esboça-se o gráfico da função:


y = 2x + 5

Porque pelo exercı́cio, o sinal (condição) da inequação é menor, a solução é a parte debaixo (a
parte sombreada no esboço gráfico).
Para o caso em que temos um sistema de várias inequações lineares, deve-se esboçar as inequações
e escolher como solução a parte correspondente a intersecção das diferentes soluções.
64 Matemática I - Da teoria à Prática

2x + 5

x
x−7
5

Figura 1.14:
y

2x + 5
x

Figura 1.15:

Exemplo 1.56. 
 y+x−1≥0
 y−x−2≥0

Antes de resolver este sistema de inequações, transforma-se em sistema de equações.


 
 y+x−1=0  y+x=1

 y−x−2=0  y−x=2
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 65

3
Somando as duas equações (método de adição sucessiva) teremos 2y = 3, isto é, y = , substituindo
2
numa das equações (a primeira por exemplo) teremos:

3 3 1
+x−1=0⇒x=1− ⇒x=− .
2 2 2

 
1 3
A solução do sistema de equação é o ponto − , , que é o ponto de intersecção das duas rectas
2 2
que são definidas pelas equações do sistema. Vamos no mesmo S.C.O esboçar as rectas:

y+x−1=0 e y−x−2=0

y−x−2=0

II

3
2
III I

x
− 12
IV y+x−1=0

−x + 1

Figura 1.16:
66 Matemática I - Da teoria à Prática

As duas rectas intersectam-se e fazem 4 regiões (I,II,III,IV), veja na figura (1.16). Como no sistema
de inequações todas as condições foram dadas para regiões maiores que as rectas dadas, a nossa solução
será a região II que é a região que fica acima das duas rectas.

Observação 1.16. Se o sinal de desigualdade for > ou < as rectas aparecem em traço não cheio,
isto é, (tracejado).

Existe um tipo de inequações que, muito embora não sejam lineares, são compostas por binómios
lineares em forma de factores e(ou) quocientes.

Exemplo 1.57. Veja atentamente os exemplos que se seguem:


x−1
1) Resolva a seguinte equação; = 0, para que a fracção dada(qualquer fracção) seja igual a
x+1
zero basta que x − 1 = 0(o numerador seja igual a zero). Então teremos:

x−1
=0⇒x−1=0⇒x=1
x+1

É importante frizar que x + 1 6= 0 ⇒ x 6= −1, portanto, a solução é:

S:x=1

2x − 1
2) Resolva a seguinte equação; = 0, teremos:
x−3
2x − 1 1
= 0 ⇒ 2x − 1 = 0 ⇒ x =
x−3 2
1
Como 6= 3 teremos;
2
1
S:x=
2

3) Resolva a seguinte equação; (2x − 1)(x − 3) = 0, pode se ver que:

1
S : 2x − 1 = 0 ∨ x − 3 = 0 ⇒ x = ∨x=3
2

4) Resolva a seguinte equação; (x2 − 1)(x + 4)(x + 2) = 0, teremos então:

S : x2 − 1 = 0 ∨ x + 4 = 0 ∨ x + 2 = 0 ⇒ x = −4 ∨ x = −2 ∨ x − 1, ∨x = 1

Considere agora o caso em que se tem inequações compostas por binómios lineares.
x−1
1) Resolva a seguinte inequação: > 0, (r ecorrer-se-á ao método de tabelas). Antes resolver-
x+1
se-á as seguintes equações:
x − 1 = 0, x+1=0

Teremos:
x = 1, x = −1
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 67

Vamos construir a seguinte tabela:

x ] − ∞; −1[ -1 ]-1;1[ 1 ]1; +∞[


x−1 - -2 - 0 +
x+1 - 0 + + +
x−1
+ @ - 0 +
x+1

Ao resolvermos a inequação dada, porque a condição diz maior do que zero, nos limitamo em
procurar encontrar as regiões ao longo do eixo dos x onde a expressão tem sinal positivo, e lendo
a última linha da tabela podemos dar a seguinte solução:

S : x ∈] − ∞; −1[∪]1, +∞[

(a) Se no lugar da inequação anterior, tivessemos que resolver a seguinte inequação:

x−1
<0
x+1

Terı́amos que seguir os mesmos passos, mas, no fim da leitura da última linha da tabela
irı́amos dar como solução a parte que tem o sinal negativo, isto é:

S : x ∈] − 1; 1[,

(b) E se tivessemos a inequação:


x−1
≥0
x+1

terı́amos que seguir os mesmos passos, mas, no fim da leitura da última linha da tabela
irı́amos dar como solução a parte que tem o sinal positivo ou zero, isto é:

S : x ∈] − ∞; −1[∪[1, +∞[

2) Resolva a seguinte inequação;


(x − 1)(x + 2)
< 0.
(x + 1)(x − 3)

Usando o método de tabelas, teremos, antes, que resolver as seguintes equações:

x − 1 = 0, x + 1 = 0, x+2=0 e x − 3 = 0.

Teremos:

x = 1, x = −1, x = −2, x=3


68 Matemática I - Da teoria à Prática

Vamos construir a seguinte tabela:

x ] − ∞; −2[ -2 ]-2;-1[ -1 ]-1;1[ 1 ]1;3[ 3 ]3; +∞[


x−1 - - - - - 0 + + +
x+2 - 0 + + + + + + +
x+1 - - - 0 + + + + +
x−3 - - - - - - - 0 +
(x − 1)(x + 2)
+ 0 - @ + 0 - @ +
(x + 1)(x − 3)

A solução será a parte negativa, porque a inequação aparece com o sinal menor do que zero.
Assim sendo, teremos:

S : x ∈] − 2; −1[∪]1; 3[

1.5.6 Funções quadráticas

Estudar-se-á neste capı́tulo funções que podem ser apresentadas de maneira gráfica, expressando
parábolas ou partes de parábolas. Sabe-se o conceito de relação e função, estudou-se também uma
especı́fica famı́lia de funções, as funções lineares- aquelas que admitem expoente máximo associado a
variável igual a 1. As funções lineares apresentam-se na forma:

y = ax + b

E sobre elas, construı́mos o gráfico e fazemos vários estudos, (rever aulas passadas).
Ao estudarmos funções quadráticas iremos, de certeza, re-utilizar as bases que adquirimos do
estudo de funções e funções lineares, um exemplo disso aplica-se sobre o conceito Domı́nio e(ou)
Contradomı́nio, Zeros, Sinal e Monotonia de função. Iremos ,aqui, usar estes conceitos virando
nossas atenções para as funções que admitem expoente máximo de x igual a 2 (funções quadráticas).
As funções quadráticas são funções do tipo:

y = ax2 + bx + c com a 6= 0

E podem ser representadas de maneiras diferentes.

1) Veja o caso mais simples de funcões quadráticas, em que elas tem a forma:

f (x) = ax2

Observe a figura (1.17)

(a) y = x2
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 69

y = 3x2

y = x2 y = 2x2

Figura 1.17:

(b) y = 2x2

(c) y = 3x2

Observação 1.17. No esboço gráfico de funções quadráticas a amplitude (abertura da parábola)


varia de modo inverso com o valor de a, isto é, quanto maior for o valor de a, menor será a
abertura da parábola.

Se o a for negativo a parábola é virada para baixo (concavidade virada para baixo).

Observe a figura (1.18)

(a) y = −x2

(b) y = −2x2

(c) y = −3x2

2) Veja o caso em que as funções tem deslocamento ao longo do eixo horizontal.

y = a(x − p)2 onde o x ∈ R, a 6= 0 e p, q ∈ R.

Pode-se ter vários exemplos de funções quadráticas com esta representação.

Observe a figura (1.19)

(a) y = x2

(b) y = (x + 3)2

(c) y = (x − 1)2
70 Matemática I - Da teoria à Prática

−x2

−3x2

−2x2

Figura 1.18:
y

y = (x + 3)2 y = x2 y = (x − 1)2

Figura 1.19:

Observação 1.18. Os gráficos de y = ax2 , y1 = a(x − p)2 são semelhantes e se obtém y1 a


partir da transladação de y = ax2 em p unidades para a esquerda se p > 0 ou p unidades para
a direita se p < 0.

Definção 1.36. Chama-se vértice de uma função quadática ao ponto, (xv , yv ), onde ela muda
de comportamento, isto é, deixa de crescer e passa a decrescer ou vice-versa.

Exemplo 1.58. Observe os vértices (coordenadas do vértice) das funções dadas nos exemplos
anteriores.

(a) Para a função y = x2 o vértice é o ponto V (0, 0);

(b) Para a função y = (x + 3)2 o vértice é o ponto V (−3, 0);

(c) Para a função y = (x − 1)2 o vértice é o ponto V (1, 0).

Considere a função y = −3(x − 1)2 , o esboço gráfico, (Figura 1.20)


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 71

Figura 1.20: y = −3(x − 1)2

Observação 1.19. As funções y = (x − 1)2 , y = −3(x − 1)2 e y = 3(x − 1)2 têm vértices no
ponto (1, 0) o que nos leva a concluir que o valor de a não influencia na determinação do vértice
da função.

Pode-se concluir que o vértice da função y = a(x − p)2 é o ponto V (p, 0) e o eixo de simetria é
o eixo x = p.

Exemplo 1.59. Determine, sem construir o gráfico, o vértice e o eixo de simetria da função.

(a) y = 2(x − 2)2

(b) y = − 26 (x − c)2
1
(c) y = x2 + x + 4 (passe primeiro para a forma y = a(x − p)2 .

3) Observe agora o caso em que

y = a(x − p)2 + q, x ∈ R, a 6= 0, q 6= 0, ∀p

Este caso é semelhante ao caso (2) em que tinhamos

y = a(x − p)2 .

Para se obter o gráfico deste tipo de funções, faz-se a transladação que se fez no caso y = a(x−p)2
e acrescenta-se mais uma transladação de q unidades para cima se q > 0 e para baixo se q < 0.
Note que ao se transladar um determinado gráfico, deve-se transladar todos os pontos que fazem
parte dele. Desenhar com o auxı́lio dos estudantes, explicando detalhadamente os passos para a
construção de y = 21 (x − 5)2 + 2

Passos para a construção:

(a) Construir o gráfico da função y1 = x2 ;


72 Matemática I - Da teoria à Prática

(b) construir o gráfico da funçao y2 = 21 x2 ;

(c) construir o gráfico da função y3 = 12 (x − 5)2 ; e

(d) construir o gráfico da função y4 = 12 (x − 5)2 + 2, transladando-o duas (2) unidades para
cima.

IV : 12 (x − 5)2 + 2

II : 21 x2
III : 12 (x − 5)2
I : x2

Figura 1.21:

Observação 1.20. O gráfico da função y = a(x − p)2 + q pode ser obtido a partir do gráfico
y1 = ax2 por meio de uma transladação horizontal de p unidades e uma transladação vertical
de q unidades.

Observação 1.21. Para funções dadas na forma y = a(x − p)2 + q , o eixo de simetia é x = p
e o vértice localiza-se no ponto V (p, q).

1.5.7 Estudo Completo de uma Função

O estudo completo de uma função consiste numa série de investigações que são feitas para a descoberta
de caracterı́sticas que, de maneira inequı́voca, identificam uma função. Este estudo (para funções
quadráticas) é composto por 9 (nove) passos importantes a saber:

1) O sinal de a;

2) O domı́nio da função;

3) O contradomı́nio da função;

4) As coordenadas do vértice;

5) Os zeros da função;
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 73

6) A variação da função ( ou monotonia da função);

7) A variação do sinal da função;

8) A equação do eixo de simetria e

9) A construção gráfica.

Com os estudantes, na sala, fazer o estudo completo das funções y = x2 − 2x e y = −x2 + 2x + 3

1.5.8 Equações Quadráticas

No capı́tulo anterior falou-se de equações lineares, e definiu-se equação como uma igualdade que contêm
uma determinada incógnita. Ao se resolver uma equação, procura-se achar os valores da incógnita
que satisfaz a igualdade. Chamar-se-á então equação quadrática a equação que tiver na incógnita
o expoente 2. A forma gerada da equação quadrática é a seguinte:

ax2 + bx + c = 0 com a 6= 0.

Existem 3 tipos de equações qudráticas. Nas suas resoluções diferem-se no ponto de vista de
eficiência, isto é, podemos resolvê-las da mesma maneira, mas é racional para cada caso cumprir
certos algorı́tmos que facilitam a resolução. Veja:

1) No caso em que os valores de b e c são iguais a zero, teremos

ax2 = 0, a 6= 0

e daı́ resulta que x = 0, neste caso é muito simples encontrar a solução, veja que achar a solução
de uma equação ax2 = 0 reduz se a determinar ao longo do eixo dos x o conjunto de pontos
interceptados pela parâbola y = ax2 , veja nas figuras (1.17) e (1.18) os gráficos de y = ax2 .

2) No caso em que c = 0, b 6= 0 , teremos

ax2 + bx = 0

Colocando o x em evidência, teremos: x(ax + b) = 0 onde x = 0 ou ax + b = 0 o que nos


leva às soluções x = 0 ou x = − ab . Vamos aqui fazer o esboço do gráfico de funções dadas na
forma y = ax2 +bx para podermos observar gráficamente as soluções. Consideremos as equações
x2 + 3x = 0 x2 − 5x = 0. Ao determinarmos as soluções gráficas destas equações vamos fazer
os esboços gráficos de funções

y = x2 + 3x e y = x2 − 5x
74 Matemática I - Da teoria à Prática

x2 + 3x

x2 − 5x

Figura 1.22:

Resolvendo a equação teremos x2 + 3x = 0 ⇒ x(x + 3) = 0 daı́ que teremos x = 0 ou


x + 3 = 0 ⇒ x = −3. Para a equação x2 − 5x = 0 teremos x(x − 5) = 0 ⇒ x = 0 ou
x − 5 = 0 ⇒ x = 5, estes resultados podem ser observados a partir da leitura gráfica.

3) No caso em que os valores de a, b e c são diferentes de zero, teremos:

ax2 + bx + c = 0

Pode-se resolver esta equação usando a fórmula resolvente que foi vista a quando do estudo da
factorização de polinómios quadráticos:

−b ± ∆
x1,2 = e ∆ = b2 − 4ac
2a

Com o auxı́lio desta fórmula, pode-se também encontrar as coordenadas do vértice do gráfico
que descreve a função y = ax2 + bx + c :

b ∆
xv = − e yv = −
2a 4a

1.5.9 Exercı́cio

Determine, para as seguintes funções, os zeros, os vértices e o eixo de simetria da função.


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 75

1) y = ax2 + bx + c, a 6= 0

2) y = x2 − 10x + 25

3) −x2 + 8x = −5 + y

4) x2 − 7x + 11 = 1 − y

5) y = 2x2 + 7x + 5

6) y + 3x + (x + 1)2 + x2 = 2(x2 − 1) + x(x + 3)

Observação 1.22. Seja dada uma equação quadrática. se a + b + c = 0 esta equação tem raı́zes
c
iguais a x1 = 1 e x2 = a.

Observação 1.23. Seja x1 e x2 raı́zes de uma equação quadrática, então x1 + x2 = − ab ; x1 × x2 = c


a

e x2 − (x1 + x2 )x + x1 × x2 = 0

1.5.10 Equações Paramétricas

Nma função quadrática de acordo com o valor assumido pelo ∆ = b2 − 4ac pode-se saber, se tem ou
não raı́zes e caso tenha pode-se saber se estas raı́zes são duplas ou não.

1) ∆ < 0 a função não tem raı́zes em R

2) ∆ = 0 a função tem raı́zes duplas, isto é, x1 = x2

3) ∆ > 0 a função tem raı́zes diferentes, isto é, x1 6= x2

Usando estes 3 pressupostos, pode-se resolver as equações paramétricas.

Exemplo 1.60. Seja dada a função y = x2 − 6x + k

1) Determine k de modo que a função y não tenha raı́zes.

2) Determine k de modo a que a função tenha raı́zes duplas.

3) Determine k de modo que a função tenha raı́zes reais e diferentes.

4) Determine k de modo que a função passe pelo ponto (1, 2).


76 Matemática I - Da teoria à Prática

1.5.11 Funções e Equações Radicais

Funções radicais são funções que possuem a variável dentro do radical (e sem limitação da sua essência,
suponha-se que tenham formas lineares como radicandos) e tem a forma

y= ax + b ax + b ≥ 0

A condição ax + b ≥ 0 advém do domı́nio de radicais com ı́ndice par (recordar o capı́tulo sobre
radiciação).

Exemplo 1.61. Considere a função



1) f (x) = 2x − 1, determine o domı́nio da função.

2) g(x) = ax − 3, determine o domı́nio da função.

Observação 1.24. Como esboçar o gráfico de uma função radical?

• Atente a figura (1.23), nela estão construı́dos os quatro gráficos que podem ser usados como
auxiliadores no esboço gráfico de funções radicais.

1) y = x

2) y = −x

3) y = − x

4) y = − −x

• Ver atentamente os teores sobre equações e inequações irracionais. Explicar aos estudantes.

1.5.12 Composição de funções por funções radicais

1) Sejam dadas as funções


√ √
f (x) = ax + b, g(x) = cx + d

Determine as funções f o g e g o f.


q
o
f g = f [g(x)] = a cx + d + b , e

q
o
g f = g[f (x)] = c ax + b + d

2) Sejam dadas as funções



f (x) = ax + b, g(x) = cx + d

Determinemos as funções f o g e g o f.
p
f o g = f [g(x)] = a(cx + d) + b , e

g o f = g[f (x)] = c ax + b + d
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 77

√ √
y= −x y= x

√ √
y = − −x y=− x

Figura 1.23:

1.5.13 Equações e Inequaões Radicais

Existem vários tipos de equações quadráticas



1) Equações do tipo A = B resolve-se impondo que

A = B2, e B≥0


Exemplo 1.62. Para resolver a equação x2 − 1 = −x + 2 faz-se

5
x2 − 1 = (−x + 2)2 ⇒ x2 − 1 = x2 − 4x + 4 ⇒ 4x − 5 = 0 ⇒ x = ,
4

Pelo domı́nio de expressões radicais de ı́ndice par, temos que:

x2 − 1 ≥ 0 ⇒ x ∈] − ∞, −1] ∪ [1, +∞[,

5 5
Porque faz parte do domı́nio da expressão, diz-se então que S : x = .
4 4
Veja a solução da mesma equação dada na forma gráfica:

2) Para o caso em que a equação é dada na forma;


√ √
A= B

Teremos:
A = B, A ≥ 0, B≥0
78 Matemática I - Da teoria à Prática

−3 −2 −1 1 2 3 x

−1

−2

−3

Figura 1.24:

5
5
x=
4
4

−5 −4 −3 −2 −1 1 2 3 4 5 6 x

−1

−2

−3

−4

−5

Figura 1.25:

Exemplo 1.63. Considere a equação:

√ √
−x + 4 = x−1
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 79

Seguindo as regras a cima teremos:

−x + 4 ≥ 0 ⇒ −x ≥ −4 ⇒ x ≤ 4

Analogamente
x−1≥0⇒x≥1

O que nos leva a afirmar que caso exista solução desta equação, ela localiza-se entre 1 e 4, isto
é, no conjunto intersecção dos domı́nios das expressões radicais dadas. Resolvendo −x + 4 =
5 5
x − 1 ⇒ −2x = −5 ⇒ x = , como 2.5 está entre 1 e 4 temos: S : x =
2 2
Graficamente teremos:
y


√ x−1
2 −x + 4

1 2.5 4 x

Figura 1.26:

Para resolver inequações, e à semelhança do que aconteceu com as equações quadráticas, usa-
remos o metódo gráfico. Suponha-se que se quer resolver a inequação;
√ √
−x + 4 > x−1
√ √
Esboça-se o gráfico de y1 = −x + 4 e y2 = x − 1, e a solução será o intervalo onde o gráfico
de y1 se localiza a cima do gráfico de y2 E a solução será:
5
x ∈] − ∞, [
2
Veja que os parenteses são abertos porque a inequação aparece com o sinal > e não ≥ .
80 Matemática I - Da teoria à Prática


√ x−1
2 −x + 4

1 2.5 4 x

Figura 1.27:

1.6 Aula 6 - prática

Os exercı́cios 9, 11, 14, , 22, 27, 32, 38, 40 devem ser resolvidos na qualidade de TPC.
Serão corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 6, 8, 12, 17, 25, 28, 33, 37 deverão
ser resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente
de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

1) Represente graficamente as funções definidas pelas equações seguintes, determine o domı́nio e o


contradomı́nio.

(a) y = 2x − 1

(b) y = 2 − x

(c) y = x + 2y − 1

(d) 2x − 3y + 2 = 0

(e) y = 3

(f) x = 1 (Suponha que seja função de y )

2) Para cada uma das alı́neas do número anterior identifica se o ponto (1, 0) e o ponto (1, 1)
pertencem ou não a recta.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 81

3) Identifique o coeficiente angular (declive) das rectas dadas:

(a) 2x + 2y − 7 = 0

(b) y = 3
2
(c) x − 3y + =0
3
(d) x − 2y = 1

4) Veja se as seguintes rectas são paralelas (se tem mesmo coeficiente angular).

(a) 9x − 6y + 2 = 0, 3x + 2y + 1 = 0
2x y
(b) + = 3, 2x + 3y − 1
3 2
5) Seja f (x) = 2x − 6, D(f ) =] − 1, 4]; determine a Im(f )
−x − 7
6) Seja f (x) = , D(f ) =] − 1, 3[; determine a Im(f )
2
7) De uma função, sabe-se que D(f ) = [−3; 5] e Im(f ) = [1; 5]

(a) Esboçe uma das possibilidade

(b) Suponha que as funções são lineares, escreva as suas fórmulas.

8) Ache f [g(x)] e g[f (x)]

(a) f (x) = x + 1 g(x) = x − 1

(b) f (x) = ax + b g(x) = cx + d

(c) Para a função anterior determine f [f (x)].

(d) Qual é a caracterı́stica de uma função composta por duas funções lineares?

9) Seja f uma função linear, tal que f [f (x)] = x − 1, determine f (x)

10) Resolva as seguintes equações:


x+3 3 x−5 7
(a) − = +
5 10 2 10
3x − 3
(b) =9
3x + 5
11) Resolva a equação (x + 3)(4x + 7)(3x − 1) = 0 apresente as soluções em:

(a) N

(b) Z

(c) Q

(d) R
82 Matemática I - Da teoria à Prática

12) Nas boas escadas, a altura a dos degraus e a sua profundidade p estão relaccionadas por 2a−64 =
p em Cm.

(a) Esboce 3 escadas diferentes para a = 10, a = 20 e a = 15.

(b) Umas escadas compostas de 17 degraus levam à um piso situado a 2, 55m acima. Qual é a
profundidade dos degraus?

(c) Considera-se que a altura de um degrau não pode ultrapassar 25Cm. Dispõe-se dum espaço
que permite colocar escadas tais que a soma da profundidade seja 4m. Qual será a altura
máxima dessas escadas?

13) Resolva as inequações seguintes:

2 x+2
(a) 3x − ≥
3 3
3x − 2 x+2
(b) − >
2 5
−2x + 7
(c) 2 ≤ <6
3

14) Resolva as seguintes inequações:

(a) (x + 3)(x − 5) > 0

(b) (3x − 5)(2 − 3x) ≥ 0


x 
(c) x −1 ≥0
2
5
(d) <0
1 − 4x
2−x
(e) <0
x−6

15) Indique o número de soluções dos seguintes sistemas de equações:



 x + 4y − 2 = 0
(a)
 2x − y + 3 = 0

 3x + 5y + 1 = 0
(b)
 −21x − 35y − 7 = 0

 −x + 2y + 3 = 0
(c)
 3x − 6y + 1 = 0

 x+y+2=0
(d)
 3x − 4y − 20 = 0

16) Resolva os seguintes sistemas:


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 83


 2x + 3y − 6 = 0
(a)
 2x + y + 2 = 0

 2x − 3y − 6 = 0
(b)
 2x + 3y − 6 = 0

 2x − 10y = 0
(c)
 −5x + 25y = 0

 (x + y) − (x − y) + 1 = 0
(d)
 x+y + x−y − 7 =0
2 3 36
17) Um cavalo e uma mula caminhavam juntos levando no lombo pesados sacos. Lamentava-se o
cavalo da sua pesada carga quando a mula lhe disse: ”de que ti queixas? Se eu levasse um dos
teus sacos, a minha carga seria o dobro da tua. Pelo contrário, se te desse um saco, a tua carga
seria igual a minha.”Quantos sacos levava o cavalo e quantos sacos levava a mula?

18) Resolva

(a) 2x − y + 1 > 0

(b) 3x + 5y ≤ 0

(c) x − y − 1 > 2x + 6y

(d) 2x − y + 1 < x − y − 1

19) Resolva

(a) 2x + 3y − 1 < 0 e x − y > 1

(b) x − 2 ≥ 0 e x + y − 2 ≤ 0

(c) 2x + y − 1 < 0 e y ≤ −2x − 5

(d) x > 0, y>0 e x+y ≤5

(e) (2x − y + 1)(x − y − 1) ≥ 0

20) Resolva as seguintes inequações:

(a) (x + 3)(x − 5) > 0

(b) (3x − 5)(2 − 3x) ≥ 0


x 
(c) x −1 ≥0
2
5
(d) <0
1 − 4x
2−x
(e) <0
x−6
84 Matemática I - Da teoria à Prática

21) Verifique quais dos seguintes pontos pertence a parábola que representa graficamente a função
f (x) = x2 − 5x + 6.

(a) A(2, 0)

(b) B(4, 2)

(c) C(−1, 10)

22) Determine o valor de m para que o ponto A(2, 1) pertença à parábola que representa grafica-
mente a função f (x) = (m + 1)x2 − 1.

23) Faça o mesmo com A(2, 5) e f (x) = x2 − 2x + m.

24) Represente graficamente as seguintes funções:

(a) f (x) = (x − 3)2


(x − 1)2
(b) f (x) =
3
(c) f (x) = 3(x + 2)2 + 1

25) Escreva sob a forma canónica e resolva, a partir dessa forma, a equação y = 0; indique em cada
caso as coordenadas do vértice.

(a) y = x2 − 6x + 6

(b) y = 2x2 − 8x + 6

(c) y = x2 − 56 x − 7
25

26) Resolva, utilizando o discriminante, as seguintes equações:

(a) 3x2 − 5x + 7 = 0

(b) 4(x − 3)2 = 3 − x


√ √ √
(c) (2 + 3)x2 − (2 3 + 1)x + 3 − 1 = 0

27) Determine os valores de k na função y = x2 − 6x + k, de modo que:

(a) As raı́zes sejam reais e iguais;

(b) As raı́zes sejam reais e diferentes;

(c) Não haja raı́zes reais;

(d) Uma das raı́zes seja 5;

(e) A curva passe pelo ponto A(4, 5);

(f) A ordenada do vértice seja −1.


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 85

7
28) Determine os valores de p de modo que a função quadrática y = x2 + px + p − 16 tenha raı́zes
reais.

29) Nas seguintes equações do segundo grau, sendo dada uma solução, determine a outra sem resolver
a equção:

(a) 6x2 − 7x − 10; x1 = 2


√ √
(b) x2 − x + 2 − 2; x1 = 2

30) Escreva equações do segundo grau que admitam as seguintes soluções:

(a) 1 e -1

(b) √1 e −2 2
2

31) Determine x e y sabendo que:

(a) x + y = − 31 e x × y = − 32

(b) x + y = 6 e x × y = 7

32) Seja ax2 + bx + c = 0 e x1 × x2 = 0.

(a) Qual é o valor de c?

(b) Se as raı́zes não forem ,ambas, iguais a zero, simplifique ax2 + bx + c. Qual é a segunda
raı́z? Por qual ponto passa o gráfico? Faça um esboço do gráfico.

(c) Se as raı́zes forem, ambas, iguais a zero, simplifique ax2 +bx+c. Faça um esboço do gráfico.

33) Seja ax2 + bx + c = 0 e x1 × x2 6= 0.

(a) Simplifique ax2 + bx + c sabendo que as raı́zes são iguais.

(b) Por qual ponto passa o gráfico? Onde está o vértice? Faça um esboço do gráfico.

34) Determine um número real cuja soma com o seu inverso seja igual a 4.

35) Na figura ao lado, o quadrado tem 10m de lado. Determine x de modo que o quadrado interior
tenha 90m2 de área

36) Um rectângulo tem 34cm de perı́metro e as suas diagonais medem 13cm. Determine o compri-
mento dos seus lados.

37) As pessoas que assistiram a uma reunião cumprimentaram-se, apertando-se as mãos. Uma delas
verificou que foram 66 os apertos de mão. Quantas pessoas estiveram na reunião?
86 Matemática I - Da teoria à Prática

38) Duas camponesas levaram um total de 100 ovos para o mercado. Uma delas tinha mais mer-
cadoria, mas receberam as duas a mesma quantia. Uma vez vendidos todos os ovos, a primeira
camponesa disse à segunda: ”se eu tivesse trazido a mesma quantidade de ovos que tu, teria
recebido 1500 meticais”. A segunda camponesa respondeu: ”e se eu tivesse vendido os ovos que
2000
tinhas, teria recebido 3 meticais”. Quantos ovos vendeu cada uma?

39) Um problema chinês: Uma cidade quadrada de dimensões desconhecidas possui uma porta no
meio de cada um dos seus lados. Uma árvore encontra-se a 20 passos da porta Norte, no exterior
da cidade. Esta árvore é visı́vel desde um ponto C que se pode alcançar percorrendo 14 passos
a partir da porta Sul, seguidos de 1775 passos em direcção a Oeste. Quais são as dimensões da
cidade?

40) Determine o valor de k para que a função f (x) = (2 − k)x2 − 5x + 3 admita um valor máximo.

41) Determine o valor de m para que a função f (x) = (4m + 1)x2 − x + 6 admita um valor mı́nimo.

42) Determine k de modo que o valor mı́nimo da função f (x) = x2 − 6x + 3k seja 3.

43) Determine p de modo que a função f (x) = −3x2 + (2p − 3)x − 1 tenha um valor máximo para
x = 2.

44) A trajectória duma bola, num chuto, descreve uma parábola. Supondo que a altura h, em
metros, t segundos após o chuto, seja dada por h = −t2 + 6t, determine:

(a) Em que instante a bola atinge a altura máxima;

(b) Qual é a altura máxima atingida pela bola.

45) Sabe-se que o custo C para produzir x unidades de um certo produto é dado por C = x2 −
80x + 300. Nestas condições, calcule:

(a) A quantidade de unidades produzidas para que o custo seja mı́nimo;

(b) O valor mı́nimo do custo.

46) Estude o sinal dos seguintes trinómios:

(a) y = x2 − 6x + 9

(b) y = 5x2 + 2x + 17

47) Resolva, utilizando as regras do sinal do trinómio do segundo grau, as inequações seguintes:

(a) x2 − 8x + 16 ≥ 0

(b) x2 − 8x + 7 > 0
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 87

(c) 9x2 + 8x − 1 < 0

(d) −x + 7x2 + 2 ≤ 0

48) Resolva as seguintes inequações:

(a) (x − 3)2 > 16

(b) (x + 2)2 − 9 ≤ 0

(c) (x + 3)2 ≥ 10

49) Represente graficamente as funções seguintes:



(a) f (x) = x+3

(b) f (x) = −2x + 5

(c) f (x) = 2 −x + 1

(d) f (x) = 1 − x

50) Represente a função que dá o raio de um cı́rculo em função da sua área.

51) Seja f (x) = 14 x2 − 1, D(f ) = [0, +∞[.

(a) Esboce o gráfico de f e f −1 .

(b) Determine a função inversa e o seu domı́nio e contradomı́nio.



52) Seja f (x) = − x − 4 + 1.

(a) Determine D(f ) e Im(f ).

(b) Esboce o gráfico da função f e da sua função inversa.

(c) Determine a função inversa, o seu domı́nio e o seu contradomı́nio.



53) Seja f (x) x + 4 − 1.

(a) Determine D(f ) e Im(f ).

(b) Esboce o gráfico da função f e da sua função inversa.

(c) Determine a função inversa, o seu domı́nio e o seu contradomı́nio.

(d) Determine fo f −1 e fo−1 f.

54) Das funções a seguir, determine fo g e go f.

(a) f (x) = x2 − 4 e g(x) = −x2 + 2x

(b) f (x) = 5 + x − 2x2 e g(x) = 5 − 3x


88 Matemática I - Da teoria à Prática

55) Resolva analiticamente as equações seguintes:



(a) x+8=3

(b) x + x − 1 = 13

(c) x2 − 1 + 2 = x

56) Resova analiticamente as seguintes equações:


√ √
(a) x2 − 3x = 3x − 5
√ √
(b) x2 − 3x − 4 = x2 − 6x + 5

Resolva grafica e analiticamente as seguintes inequações:


(a) 1+x>3
√ √
(b) x + 2 > x + 3
√ √
(c) 2x − 3 < x + 3

Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto, quanto você...

Typeset by LATEX 2ε

1.7 Aula 7 - teórica

1.7.1 Funções exponenciais

Definção 1.37. Chama-se Equação Exponencial à toda equação que apresenta incógnita sob ex-
poente.

Exemplo 1.64. A equação


2x = 8

é exponêncial, pois o x que é a incógnita aparece no expoente

1.7.2 Resolução de Equações Exponenciais

Para resolver equações exponenciais como 2x = 8, prossegue-se:

1) Encontrar duas potências da mesma base, uma em cada membro;

2) Igualar os expoentes dos dois membros entre si; e,

3) Achar o valor da variável.


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 89

Exemplo 1.65. Vejamos seguintes exemplos

1) Resolva 2x = 8
2x = 23

como as bases são iguais, igualamos os expoentes e teremos:

x=3

1
2) Resolva 3x =
9
3x = 3−2

como as bases são iguais, igualamos os expoentes e teremos:

x = −2

3) Resolva 17x = 1
17x = 170

como as bases são iguais, igualamos os expoentes e teremos:

x=0

4) Resolva 7x = −1 Esta equação não tem solução, veja que para qualquer x ∈ R, 7x é sempre
posetivo.

5) Resolva 5x = 0 Esta equação não tem solução, veja que para qualquer x ∈ R, 7x > 0.

6) Resolva 3x = 9
√ 1 x
3x = 32 ⇒ (3x ) 2 = 32 ⇒ 3 2 = 32

igualando os expoentes temos:


x
= 3 ⇒ x = 6.
2

7) Vejamos o caso em que temos equações do tipo

3x+1 + 3x+2 + 1 = 37

Eis os passos importantes:

(a) Fazer o desenvolvimento seguindo regras de potenciação,

3x 3 + 3x 9 + 1 = 37
90 Matemática I - Da teoria à Prática

(b) colocar em evidência o factor comum, e isolar o 3x

36
3x (3 + 9) = 37 − 1 ⇒ 12 × 3x = 36 ⇒ 3x = ⇒ 3x = 31 ⇒ x = 1
12

8) Para o caso em que temos uma equação do tipo

4x − 9 × 2x + 8 = 0,

procedemos de modo seguinte

(a)
4x − 9 × 2x + 8 = 0 ⇒ (2x )2 − 9 × 2x + 8 = 0

(b) Vamos fazer a substituição t = 2x , t > 0 e determinar os valores de t que satisfazem a


equação assim obtida,

t2 − 9t + 8 = 0 ⇒ (t − 1)(t − 8) = 0 ⇒ t1 = 1, t2 = 8

(c) Para cada valor de t obtido, resolver a equação 2x = t e teremos

2x = 1 ⇒ x = 0, 2x = 8 ⇒ x = 3.

(d) A Solução será


x ∈ {0; 3}

9) Resolva as seguintes equações

(a) 5x+1 + 5x = 150

(b) 9x − 8 × 3x = 9

1.7.3 Inequação Exponencial

Seja am > an , uma inequação exponencial. Na resolução desta inequação é preciso ter atenção o
seguinte:

• Se a > 1, o sentido do sinal de desigualdade mantém-se, isto é,

am > an ⇒, m > n;

• Se 0 < a < 1; (o a é a base exponêncial e esta base não pode ser negativa nem igual
a 1) muda o sentido do sinal de desigualdade, isto é,

am > an ⇒ m < n
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 91

Exemplo 1.66. 1) Resolva 2x > 1


primeiro devemos perceber que 1 = 20 e dai escrevemos 2x > 20 , de acordo as instruções o nosso
a = 2 > 0 então x > 0

2) Resolva 2x < 8
2x < 23 ⇒ x < 3

3) Resolva 17x ≥ 1
17x ≥ 170 ⇒ x ≥ 0
 x
1
4) Resolva <8
2
 x  −3
1 1
<
2 2
porque a < 1 teremos
x > −3

5) Resolva 7x > −1 veja que ∀x ∈ R ⇒ 7x é sempre posetivo, isto significa que é maior que -1, dai
que a solução da inequação dada é x ∈ R.

6) Resolva 5x < 0 neste caso não existe solução, pois 5x é sempre maior do que zero, isto é, nunca
é menor do que zero ou ainda dizemos que x ∈ {} (intervalo vazio).

1.7.4 Função exponêncial

O estudante de certeza ja sabe a oque se refere o termo ”exponêncial,”

Definção 1.38. Chama-se, Função Exponencial, à toda função que tem sob expoente uma variável.

Exemplo 1.67. Veja as seguintes funções:

1) f (x) = 2x

2) f (x) = 2x + 1

3) f (x) = 2x+1

1.7.5 Representação Gráfica de uma Função Exponencial

Há que ter em conta o seguinte: Seja f (x) = ax ;

1) Se a > 1 a função exponencial. f (x) é crescente.

2) Se 0 < a < 1 a função exponêncial f (x) é decrescente


92 Matemática I - Da teoria à Prática

3) O valor de a corresponde a assimptota horizontal

4) Devemos procurar os pontos histórcos da função, isto é, os pontos onde ela toca os eixos do
S.C.O

Exemplo 1.68. Represente graficamente as seguintes funções, ache o Df e a Imf

 x
1
2 2x

Figura 1.28:

2x + 1

−2x + 1

Figura 1.29:

1) y = 2x , vide (1.28)
 x
1
2) y = , vide (1.28)
2
3) y = 2x + 1, vide (1.29)
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 93

2x+1 + 1
y

2x+1

2x

Figura 1.30:

−2x −2x−1

−2(x−1) − 3

Figura 1.31:

4) y = −2x + 1, vide (1.29)

5) y = 2(x+1) + 1, vide (1.30)

6) y = −2x , vide (1.31)

7) y = −2(x−1) − 3, vide (1.31)


94 Matemática I - Da teoria à Prática

1.7.6 Cálculo Logarı́tmico

Definção 1.39. Chama-se logarı́tmo base a de b e denota-se

loga b

onde
a ∈ R+ \ {1}, b>0

ao valor y , tal que ay = b

E temos
loga y = x; (a > 0; a 6= 1); y > 0; x∈R

, lê-se: logarı́tmo de y na base a é igual a x. Onde:

• y é o logaritmando,

• a é a base,

• x é o logarı́tmo.

Observação 1.25. Veja que, se:

y = ax ⇒ loga y = x; (a > 0; a 6= 1)

Exemplo 1.69. Determine o valor de x tal que

1) log2 x = 4 veja que, segundo a definição de logarı́tmo,

x = 24 ⇒ x = 16

2) logx 81 = 4,

1.7.7 Propriedades Importantes

1) loga 1 = 0

2) loga a = 1

3) aloga x = x
logp b
4) loga b = (mudança de base: b > 0; p > 0; p 6= 0)
logp a
5) loga uv = loga u + loga v
u
6) loga = loga u − loga v, v 6= 0
v
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 95


n q
q
7) loga p = loga p;
n

Observação 1.26. Sem limitação da sua essência, tem se que:

log10 a = lg a, loge a = ln a

1.7.8 Equação Logarı́tmica

1) Resolva 2 log2 x = log2 4. Este tipo de equação resolve-se seguindo os seguintes passos:

2) Calcule sem recorrer a tabelas e(ou) máquinas calculadoras

(a) 5log5 2 ,
Usando a a propriedade (3) temos que

5log5 2 = 2


(b) log2 2 3

Usando a propriedade (7) teremos



3

log2 2 = 3 log2 2

e pela propriedade (2) temos que


√ √
log2 2 = 1 ⇒ 3 log2 2 = 3

(c) Determine lg 25 sabendo que lg 2 = x


100
Ao resolvermos este exercicio devemos procurar escrever o 25 como dai teremos
4
100
lg 25 = lg = lg 100 − lg 4
4

Pela propriedade (6) teremos

lg 25 = lg 102 − lg 22 = 2 lg 10 − 2 lg 2

usando propriedade (2) e aliado ao facto de que pelo exercicio lg 2 = x teremos

lg 25 = 2 − 2x.

(d) Determine lg 500 sabendo que lg 2 = α.

(e) Determine log4 log2 log3 81


Pela definição de logarı́tmo temos que

log3 81 = 4
96 Matemática I - Da teoria à Prática

entao
log4 log2 log3 81 = log4 log2 4

como log2 4 = 2 entao teremos

1
log4 log2 4 = log4 2 =
2

(f) Determine log8 log6 log2 64

3)
log2 x = log2 4

Como temos nos 2 membros logarı́tmos da mesma base, igualamos apenas os logaritmandos

4) x = 4.

5) Resolva log3 x = 1,
Basta usar a definição de logarı́tmo para resolver este exercı́cio, teremos então

log3 x = 1 ⇒ x = 31 ⇒ x = 3

6) Resolva a equação logarı́tmica log3 (x − 1) + log3 (2x + 1) − log3 (x − 3) = 3


Vamos achar o domı́nio da expressão, para tal teremos que resolver seguintes inequações

x − 1 > 0 ∧ 2x + 1 > 0 ∧ x − 3 > 0 ⇒ x > 3

aplicando as propriedades (5) e (6) teremos

(x − 1)(2x + 1)
log3 = 3,
x−3

vamos escrever 3 como log3 27 dai que

(x − 1)(2x + 1) (x − 1)(2x + 1)
log3 = log3 27 ⇒ = 27
x−3 x−3

Resolvamos a equação

(x − 1)(2x + 1)
= 27 ⇒ (x − 1)(2x + 1) = 27(x − 3)
x−3

transformamos assim numa equação quadrática

2x2 − x − 1 − 27x + 81 = 0 ⇒ x2 − 14x + 40 = 0 ⇒ x = 10 ∨ x = 4.

Concluimos então que


S : x ∈ {4; 10}

pois tanto 4 como o 10 são maiores que 3 (condição imposta pelo domı́nio da expressão)
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 97

Observação 1.27. Durante a resolução de uma equação logarı́tmica muitas vezes somos obrigados
a transforma-la em exponêncial, outras vezes a simples percepção deste conceito satisfaz a resolução
do problema. As equações e inequações logarı́tmicas são muito analogas as equações e inequações
exponênciais.

1.7.9 Inequação Logarı́tmica

Consideremos a inequação
log2 x > log2 3.

Para resolvê-la, é preciso ter em conta o seguinte, se loga m > loga n, então:

1) Se a > 1, o sentido do sinal de desigualdade mantém-se, isto é,

loga m > loga n, ⇒ m > n;

2) Se 0 < a < 1, muda o sentido do sinal de desigualdade, isto é,

loga m > loga n, ⇒ m < n;

Para o caso
log2 x > log2 3

porque a = 2 > 1 teremos


x>3

Exemplo 1.70. Veja seguintes exemplos

1) log2 x > log2 2, como a base é 2, então teremos x > 2 veja no gráfico
1
2) log 1 x > log 1 3, como a base é , então teremos x < 3
2 2 2
3) log3 x > log29 x
Mudamos de base
1
log3 x > log29 x ⇒ log3 x > log23 x
2
aplicando a substituição
t = log3 x

teremos
1
t > t2 ⇒ 2t − t2 > 0
2
de onde resulta que t ∈]0; 2[ e sendo assim

log3 x > 0 ∧ log3 x < 2

o que nos da
x ∈]1; 9[
98 Matemática I - Da teoria à Prática

log2 2 = 1

Figura 1.32:

1.7.10 Função Logarı́tmica

Vamos considerar a seguinte função:

f (x) = loga x; a > 0; a 6= 1; x > 0 :

À esta função, chamaremos Função Logarı́mica de Base a. Por utras palavras, à função inversa da
função exponencial de base a, dá-se o nome de Função Logarı́tmica de Base a.

1.7.11 Representação Gráfica

Para a representação gráfica, suponhamos por exemplo a = 2 : O gráfico da função

f (x) = log2 x

obtém-se de modo seguinte

1) Determinamos o domı́nio da função, para tal, consideramos o argumento da função maior do


que zero e dai extraı́mos a assimptota vertical

2) Procuramos à semelhança da função exponêncial, os pontos de história da função, que são os


pontos onde a função intersecta o eixo x (x- intercepto) e o eixo y (y - intercepto)

Represente graficamente as seguintes funções:

1) f (x) = log2 (x + 1)
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 99

Figura 1.33: f (x) = log2 (x + 1)

2) f (x) = log 1 (x + 1) Esboce este gráfico (veja que é identico ao esboçado na (1.33) mas tem uma
2
base menor do que a unidade.

3) f (x) = − log2 (−x + 1)


y

Figura 1.34: f (x) = − log2 (−x + 1)

4) f (x) = − log2 (−x + 1) − 3 e f (x) = − log2 (−x − 3) + 1

1.7.12 Função e Equação Homográfica

Definção 1.40. Chama-se função Homográfica à funções do tipo:

ax + b
f (x) = ; onde a, b, c, d ∈ R.
cx + d

Exemplo 1.71. Veja os seguintes exemplos:


100 Matemática I - Da teoria à Prática

f (x)

(−5, 0) x

g(x)

Figura 1.35: f (x) = − log2 (−x − 3) + 1 e g(x) = − log2 (−x + 1) − 3

1
1) A função: y = , é homográfica; onde a = 0, d = 0, b = 1, c = 1 e têm uma representação
x
gráfica caracterizada por uma curva chamada hipérbole equilátera.
O gráfico desta função faz uma curva suave em dois quadrantes alternos. Veja a tabela de valores:

x -3 -2 -1 0 1 2 3
1 1 1 1
f (x) - − -1 @ 1
3 2 2 3

Com base na tabela pode-se construir o gráfico da figura (1.36)


y

Figura 1.36:
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 101

1
2) Considere agora: y = − , é homográfica; onde a = 0, d = 0, b = −1, c = 1. Veja a figura
x
(1.37)
y

Figura 1.37:

A função homográfica:
ax + b
f (x) =
cx + d
É definida para cx + d 6= 0, ou seja o seu domı́nio é:
−d
Df = x ∈ R\{ }
c
Observação 1.28. Analisando a tabela. Pode se ver que à medida em que os valores de x tendem
a crescer (em módulo), os valores de y vão se aproximando do zero, isto é, vão se aproximando do
eixo dos x. Escreve-se y → 0 quando x → ∞ e diz-se que o y ou a função tende para zero quando x
tende para o infinito). O eixo dos x é assı́mptota ao gráfico. Por outro lado, quando o x tende para
zero, o y tende para o infinito; isto é, x → 0 ⇒ y → ∞. Neste caso , o gráfico da função aproxima-se
do eixo dos y , mas nunca o toca. O eixo dos y é assı́mptota ao gráfico.

O gráfico da função homográfica definida por:


ax + b
f (x) =
cx + d
Admite duas assı́mptotas: uma assı́mptota vertical e uma assı́mptota horizontal. A assı́mptota
vertical corresponde ao valor que anula o denominador, isto é:
−d
cx + d = 0 ⇒ x = .
c
Para determinar a equação da assı́mptota horizontal, escreve-se f (x) sob a forma seguinte f (x) =
B a
A+ ; segundo a fórmula , a equação da assı́mptota horizontal será dada por y = .
cx + d c
102 Matemática I - Da teoria à Prática

Exemplo 1.72. Veja os exemplos seguintes:

2x + 1
1) Esboce gráficamente a função f (x) = .
x+2

(a) Determina-se primeiro a assı́mptota vertical pelo domı́nio:

x + 2 6= 0 ⇒ x 6= −2 logo AV = −2 i.e (x = −2).

(b) A assı́mptota horizontal pode ser dada pela fórmula:

a2
AH = y = =2
c1

(c) Os zeros da função:


−1
2x + 1 = 0 ⇒ x =
2
(d) Intercepto (intercepto vertical)- Chamaremos de y intercepto (”caso exista”, ao ponto onde
o gráfico intersecta o eixo do y ). Para esta função homográfica o y intercepto é:

2×0+1 1
f (0) = =
0+2 2

Figura 1.38:

2x + 1
2) Esboce gráficamente a função f (x) = − . Veja a figura 1.37.
x+2
Dr. Betuel de Jesus Varela Canhanga 103

2x + 1 −2x − 1
(a) Veja que escrever f (x) = − , é o mesmo que escrever f (x) = .
x+2 x−3
Portanto, a = −2, b = −1, c = 1, d = −3.
Determinar-se-á a assı́mptota vertical, pelo domı́nio:

x − 3 6= 0 ⇒ x 6= 3 logo AV = 3 i.e (x = 3).

(b) A assı́mptota horizontal pode ser dada pela fórmula

a −2
AH = y = = = −2
c 1

(c) Zeros da função:


1
−2x − 1 = 0 ⇒ x = −
2
(d) y intercepto (intercepto vertical)- Chamaremos de y intercepto (caso exista, ao ponto onde
o gráfico intersecta o eixo do y ), isto é x é igual a zero.

Exemplo 1.73.

−2 × 0 − 1 1
f (0) = =
0−3 3

Observação 1.29. O gráfico da função homográfica é composto por dois ramos simétricos em relação
ao ponto de encontro das assı́mptotas.

1.7.13 Equações e Inequações

Para resolver inequações e equações com uma parte homográfica, recorre-se ao método de tabelas
estudado no capı́tulo sobre funções, equações e inequações lineares.

1.7.14 Função Modular

Definção 1.41. Defini-se o módulo de um número da seguinte forma:



 a, se a ≥ 0;
|a| =
 −a, se a < 0.

Exemplo 1.74. Veja os exemplos seguintes:

1) |0| = 0;

2) |−2| = −(−2) = 2 porque -2 é menor que zero;

3) |2| = 2 porque 2 é maior que zero;


√ √ √
4) −2 + 3 = −(−2 + 3) porque −2 + 3 é menor que zero;
104 Centro de Preparação de Exames de Admissão para o Ensino Superior

Figura 1.39:
√ √ √
5) 2 − 3 = 2 − 3 porque 2 − 3 é maior que zero;

6)  
 x − 1, se x − 1 ≥ 0;  x − 1, se x ≥ 1;
|x − 1| = ⇒
 −(x − 1), se x − 1 < 0.  −x + 1, se x < 1.

7)  
 −(x − 1), se x − 1 ≥ 0;  −x + 1, se x ≥ 1;
− |x − 1| = ⇒
 −[−(x − 1)], se x − 1 < 0.  x − 1, se x < 1.

8)
 
2  x2 − 1, se x2 − 1 ≥ 0;  x2 − 1, se x ∈] − ∞, −1] ∪ [1; +∞[;
x − 1 = ⇒
 −(x2 − 1), se x2 − 1 < 0.  −x2 + 1), se x ∈] − 1; 1[.
Dr. Betuel de Jesus Varela Canhanga 105

9)
 2
x −1 x2 − 1
2
x − 1
  , se ≥ 0;
= x+2 x+2
x + 2  x2 − 1 x2 − 1
 − , se < 0.
x+2 x+2
Vamos primeiro estudar o sinal da fracção:

x2 − 1
x+2

Para se resolver as inequaçõs:

x2 − 1 x2 − 1
≥0 e < 0, usa-se para tal o método de tabelas.
x+2 x+2

Resolve-se as equações:

x2 − 1 = 0 ⇒ (x − 1)(x + 1) = 0 ⇒ x = ±1, x + 2 = 0 ⇒ x = −2

x ] − ∞ − 2[ -2 ] − 2, −1[ −1 ] − 1, 1[ 1 ]1, +∞[


x−1 - - - - - 0 +
x+1 - - - 0 + + +
x+2 - 0 + + + + +
x2 − 1
- @ + 0 - 0 +
x+2
A partir da última linha da tabela podemos ver que:

x2 − 1
≥ 0 ⇒ x ∈] − 2, −1] ∪ [1, +∞[ e
x+2

x2 − 1
< 0 ⇒ x ∈] − ∞, −2[∪] − 1, 1[
x+2
Então teremos:

 2
2   x − 1, se x ∈] − 2, −1] ∪ [1, +∞[;
x − 1
x+2
x + 2 =  x2 − 1

 − , se x ∈] − ∞, −2[∪] − 1, 1[.
x+2
10) 
2  x2 + 2x − 3, se x2 + 2x − 3 ≥ 0;
x + 2x − 3 =
 −(x2 + 2x − 3), se x2 + 2x − 3 < 0.

Resolvendo as duas inequações que aparecem no sistema, teremos:

x2 + 2x − 3 ≥ 0 ⇒ x ∈] − ∞, −3] ∪ [1, +∞[ e

x2 + 2x − 3 < 0 ⇒ x ∈] − 3, 1[
106 Centro de Preparação de Exames de Admissão para o Ensino Superior


2  x2 + 2x − 3, se x ∈] − ∞, −3] ∪ [1, +∞;
x + 2x − 3 =
 −x2 − 2x + 3, se x ∈] − 3, 1[.

11)  
 x2 + 2x − 3, se x ≥ 0;  x2 + 2x − 3, se x ≥ 0;
2
|x| + 2 |x| − 3 = ⇒
 (−x)2 + 2(−x) − 3, se x < 0.  x2 − 2x − 3, se x < 0.

Definção 1.42. Chama-se função modular a função real de variável real que a cada x faz corres-
ponder o seu módulo, ou seja, f (x) = |x| .

Aplicando a definição de módulo, teremos:


 x, se x ≥ 0;
|f (x)| = |x| =
 −x, se x < 0.

Generalizando, teremos:


 f (x), se f (x) ≥ 0;
|f (x)| =
 −f (x), se f (x) < 0.

1.7.15 Gráfico da Função Modular

Para construir o gráfico da função modular f (x) = |f (x)|, seguem-se os seguintes passos:

1) Partindo da definição, desenvolve-se a função dada;

2) Esboça-se as diferentes partes da função;

3) Procura-se destacar as regiões correspondentes para cada intervalo do domı́nio de existência da


função.

Exemplo 1.75. Veja os exemplos que se seguem:

1) Seja f (x) = |x| , construa os gráficos de f (x). Para construir os gráficos da função, temos de
seguir os passos dados acima:

Desenvolvemos a função seguindo a definição de módulo.


 x, se x ≥ 0;
f (x) =
 −x, se x < 0.

Vamos, portanto, esboçar o gráfico de:

y1 = x quando x ≥ 0; e

y2 = −x quando x < 0
Dr. Betuel de Jesus Varela Canhanga 107

−x x

Figura 1.40:

2) Seja f (x) = |x + 1| , construa os gráficos de f (x). Para construir os gráficos da função, temos
de seguir os passos dados acima:

Desenvolve-se a função seguindo a definição de módulo.

 
 x + 1, se x + 1 ≥ 0;  x + 1, se x ≥ −1;
f (x) = ⇒ f (x) =
 −(x + 1), se x + 1 < 0.  −x − 1, se x < −1.

Vamos, portanto, esboçar o gráfico de:

y1 = x + 1 quando x ≥ −1; e

y2 = −x − 1 quando x < −1

−x − 1 x+1

Figura 1.41:

3) Seja f (x) = − |x − 3| , construa os gráficos de f (x).

Desenvolve-se a função seguindo a definição de módulo.


108 Centro de Preparação de Exames de Admissão para o Ensino Superior

 
 −(x − 3), se x − 3 ≥ 0;  −x + 3, se x ≥ 3;
f (x) = ⇒ f (x) =
 −[−(x − 3)], se x − 3 < 0.  x − 3, se x < 3.

Vamos, portanto, esboçar o gráfico de

y1 = −x + 3 quando x ≥ 3; e

y2 = x − 3 quando x < 3

−x + 3

x−3

Figura 1.42:

4) Esboce graficamente a função:


x − 1
f (x) =

x + 2
Desenvolvendo a função pela definição de módulo, teremos:

x−1


x − 1  , se x ∈] − ∞, −2[∪[1, +∞[;
f (x) = = x+2
x + 2  x−1
 − , se x ∈] − 2, 1[.
x+2
Daı́, teremos a figura (1.43)

5) Esboce gráficamente a função:


f (x) = x2 + 2x − 3

Desenvolvendo o módulo à partir da definição, teremos:


 x2 + 2x − 3, se x2 + 2x − 3 ≥ 0;
f (x) = x2 + 2x − 3 =

 −(x2 + 2x − 3), se x2 + 2x − 3 < 0.

Então: 
 x2 + 2x − 3, se x ∈] − ∞, −3] ∪ [1, +∞;
f (x) =
 −x2 − 2x + 3, se x ∈] − 3, 1[.

Veja a figura (1.44)


Dr. Betuel de Jesus Varela Canhanga 109

AH = 1

AV = −2

Figura 1.43:
y

Figura 1.44:

6) Esboce o gráfico da função:


f (x) = |x|2 + 2 |x| − 3

Veja a figura (1.45) Desenvolvendo o módulo pela definição, teremos:



 x2 + 2x − 3, se x ≥ 0;
f (x) =
 x2 − 2x − 3, se x < 0.

7) Esboce o gráfico da função:


f (x) = |x|2 − 2 |x| − 3

Veja a figura (1.46) Desenvolvendo o módulo pela definição, teremos:



 x2 − 2x − 3, se x ≥ 0;
f (x) =
 x2 + 2x − 3, se x < 0.
110 Centro de Preparação de Exames de Admissão para o Ensino Superior

Figura 1.45:

Figura 1.46:

1.7.16 Equações Modulares

Definção 1.43. Chama-se Módulo ou Valor absoluto de um número real x, e denota-se |x|,
ao número real não negativo que satisfaz as seguintes condições:


 x, se x ≥ 0;
|f (x)| = |x| =
 −x, se x < 0.

Exemplo 1.76. 1) Resolva:

|x − 3| = 5
Dr. Betuel de Jesus Varela Canhanga 111

Pelo desenvolvimento do módulo temos:



 x − 3, se x ≥ 3;
|x − 3| ⇒
 −x + 3, se x < 3.

Então:

 
 x − 3 = 5, se x ≥ 3;  x = 8, se x ≥ 3;
|x − 3| = 5 ⇒ ⇒
 −x + 3 = 5, se x < 3.  x = −2, se x < 3.

Como 8 é maior do que 3 e -2 é menor do que 3, teremos a seguinte solução:

S : x ∈ {−2; 8}

2) Resolva a equação seguinte:


|x + 7| = −3

Usando o desenvolvimento do módulo teremos:


 
 x + 7 = −3, se x ≥ −7;  x = −10, se x ≥ −7;
|x + 7| = −3 ⇒ ⇒
 −x − 7 = −3, se x < −7.  x = −4, se x < −7.

Como -10 é menor do que -7 e -4 é maior que -7, isto é, as duas soluções não pertencem aos
intervalos obtidos pela definição do módulo diremos que a solução desta equação é:

x ∈ {}

3) Resolva a seguinte equação modular:

|x − 1| = |3x + 1|

Para resolver esta equação modular segue-se a regra:



 A = B,
|A| = |B| ⇒
 A = −B .

Então teremos:
 
 x − 1 = 3x + 1,  x = −1,
|x − 1| = |3x + 1| ⇒ ⇒
 x − 1 = −(3x + 1) .  x=0 .

4) Resolva:
|x − 1| + |x + 2| = |x − 3|

Passamos o membro a direita para a esquerda

|x − 1| + |x + 2| − |x − 3| = 0.
112 Centro de Preparação de Exames de Admissão para o Ensino Superior

Resolver esta equação significa procurar determinar valores de x que fazem com que a equação
seja igual a zero. Vamos primeiro desenvolver os três modulos que aparecem nesta equação.

 x − 1, se x ≥ 1;
|x − 1| =
 −x + 1, se x < 1.


 x + 2, se x ≥ −2;
|x + 2| =
 −x − 2, se x < −2.


 x − 3, se x ≥ 3;
|x − 3| = ;
 −x + 3, se x < 3.

Em seguida constroı́-se a tabela

x ] − ∞; −2[ -2 ]-2;1[ 1 ]1;3[ 3 ]3; +∞[


|x + 2| −x − 2 0 x+2 3 x+2 5 x+2
|x − 1| 1−x 3 1−x 0 x−1 2 x−1
|x − 3| −x + 3 5 −x + 3 2 −x + 3 0 x−3
|x − 1| + |x + 2| − |x − 3| −x − 4 -2 x 1 3x − 2 7 x+4

−x − 4 = 0 ⇒ x = −4, quando x ∈] − ∞, −2[;

x = 0 ⇒ x = 0, quando x ∈] − 2, 1[;

2
3x − 2 = 0 ⇒ x = , quando x ∈]1, 3[;
3

x + 4 = 0 ⇒ x = −4, quando x ∈]3, +∞[;

 
2
Dentre as soluções −4; 0; , das equações acima, somente -4 e 0 pertencem aos seus respec-
3
tivos intervalos. Portanto, a solução será:

S : x ∈ {−4; 0}

Iremos mostrar pelo esboço gráfico as soluções aqui apresentadas. Lembre-se que determinar a
solução de uma equação f (x) = 0 significa determinar os valores de x por onde a função toca
o eixo horizontal.

Veja que o gráfico toca o eixo de x em -4 e 0.


Dr. Betuel de Jesus Varela Canhanga 113

Figura 1.47:

1.7.17 Inequações Modulares

Pode-se generalizar o resultado das inequações do tipo:

|x| > k ou |x| < k, ∀k > 0.

1) |x| > k ⇒ ()x < −k ou x > k

2) |x| < k ⇒ −k < x < k.

Exemplo 1.77. Veja os exemplos seguintes:

1) |x| > 4 ⇒ |x| > 22 ⇒ x < −2 ou x > 2

2) |x − 1| > 4 ⇒ |x − 1| > 22 ⇒ x − 1 < −2 ou x − 1 > 2 ⇒ x < −1 ou x > 3

3) |x + 2| > 9 ⇒ |x + 2| > 32 ⇒ x + 2 < −3 ou x + 3 > 3 ⇒ x < −5 ou x > 0

4) |x| < 4 ⇒ |x| > 22 ⇒ −2 < x < 2

5) |x + 1| < 4 ⇒ |x + 1| > 22 ⇒ −2 < x + 1 < 2 ⇒ −3 < x < 1

6) |x − 3| < 25 ⇒ |x − 3| > 52 ⇒ −5 < x − 3 < 5 ⇒ −2 < x < 8


114 Centro de Preparação de Exames de Admissão para o Ensino Superior

Observação 1.30. Pode-se também resolver inequações modulares usando a definição de módulo
e(ou) usando o método gráfico (a semelhança do que se fez para equações quadráticas).

1.8 Aula 8 - Prática

Os exercı́cios 8, 10, 11, 13, 16, 17, 24, 26 devem ser resolvidos na qualidade de TPC.
Serão corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 6, 9, 12, 14, 18, 19, 23, 25, 37
deverão ser resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues
ao Docente de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

1) Sendo x < 0 e sabendo que ax > 1, o que pode afirmar sobre o valor de a? Justifique
graficamente.

2) Se a > 1 e 0 < ax < 1, o que pode afirmar sobre o valor de x? Justifique graficamente.

3) Se 0 < a < 1 e ax > 1, o que pode afirmar sobre o valor de x? Justifique.

4) Esboce os gráficos das funções definidas por:

(a) y = 2x−3
 x
1
(b) y = +3
2
(c) y = 5 − 2x

(d) y = 1 + 3x

5) Resolva as seguintes equações:


 x
3 8
(a) = 27
2
1
(b) 3x = 81

(c) 3x = 9 3

6) Resolva as seguintes inequações:


 x
3
(a) ≥1
2
 x
1 1
(b) 9 ≤ ≤9
3
 x
−2 1
(c) 5 ≤ ≤4
5
(d) bx ≥ b, (0 < b < 1)

(e) bx > b2 , (b > 1)


Dr. Betuel de Jesus Varela Canhanga 115

7) Determine, aplicando a definição de logarı́tmo:

(a) log3 81

(b) log 1 32
3

25
(c) log 2 4
5

8) Determine o valor de x tal que:

(a) log2 x = 4

(b) log√2 x = 5

(c) log 1 x = − 32
2

3
(d) log0,5 x = 4

9) determine o domı́no das funções definidas por:

(a) y = log 1 (x − 3)
2

(b) y = log2 (x2 − 3)

(c) y = logx (x2 − 7x + 12)

10) Esboce os gráficos das funções definidas por:

(a) y = log2 (x + 4)

(b) y = log3 x + 2

(c) y = log 1 (x − 1) + 2
3

(d) y = log2 (5 − x)

11) Determine a função inversa das funções seguintes e para cada função e sua inversa, determine o
domı́nio e o contradomı́nio.

(a) f (x) = 2x+3 − 5

(b) f (x) = log 2 (x − 2) + 7


3

12) Resolva as seguintes inequações:

1
(a) log3 x < log3 2

(b) log10 2x > log10 x

(c) log 1 3x > 0


5

x
(d) log3 2 ≤2

(e) log 1 (x2 − 1) > 1


3
116 Centro de Preparação de Exames de Admissão para o Ensino Superior

13) Dado lg 2 = 0, 3010 e lg 3 = 0, 4771, determine : (Nota: lg x = log10 x)

(a) lg 24

(b) lg 92

(c) lg 32

(d) lg 3

14) Calcule, aplicando as propriedades dos logarı́tmos:



3
(a) log5 52

(b) 72 log7 5

(c) 2−3 log2 2



log2 16×log2 27
(d) log2 8

1
(e) 3 log 2 8 − 2 log 2 3 + 14 log 2 81
3 3 3

15) Determine (fo g)(x) e (go f )(x) nos seguintes casos:

(a) f (x) = 3x e g(x) = log 1 x


3

(b) f (x) = 5x e g(x) = 2x + 1

16) Resolva as seguiintes equações exponenciais:

(a) (ax−1 )x = 1

(b) 4 × 22x − 4 × 2x − 3 = 1

(c) 9x + 3 × 6x = 4x+1

(d) 2x+7 − 2x+4 − 2x+2 = 3x+4 − 3x+2

(e) 9x+1 + 8 × 3x + 33 = 3x+4 + 19 × 3x+2


x
(f) 16 2 −1 − 4x+1 = 322 + 22x+1 − 4x+2

17) Resolva, com ajuda da máquina de calcular, as equações seguintes:

(a) 2x = 348

(b) 6, 23x = 13

18) Resolva as seguintes equações logarı́tmicas:

(a) lg(2x − 5) + lg(3x + 7) = 4 lg 2

(b) 2 lg 2 + lg(x2 − 1) = lg(4x − 1)


Dr. Betuel de Jesus Varela Canhanga 117

(c) 3 log4 x + log2 x = 10


1
(d) 2(log3 x + log 1 x) = 3 + log3 x
3

7 lg x 17
(e) + =
lg(x3 − 1) 2
lg(x − 3) lg x3 − 1

19) Represente graficamente as funções seguintes:

2x
(a) f (x) = x+1

x+4
(b) g(x) = 2x−3

4x−1
(c) h(x) = x−3

20) Seja f uma função definida por f (x) = x2 + 2x.

(a) Estude e represente graficamente a função f.

(b) Estude e represente graficamente no mesmo sistema de eixos a função g definida por g(x) =
2x
x+1 .

(c) Determine as coordenadas dos pontos de intersecção dos dois gráficos.


2x
(d) Verifique este resultado analiticamente, resolvendo o sistema y = x2 + 2x e y = x+1

21) Determine h(x) = g[f (x)] e k(x) = f [g(x)] nos casos seguintes:

x−3
(a) f (x) = 3x − 7 e g(x) = 2x+1

−x+8
(b) f (x) = − x2 + 4 e g(x) = 2x−5

22) Chama-se distância de dois números x e y ao módulo da sua diferença. Nota-se: d(x; y) = |x−y|

(a) Calcule as distâncias seguintes:

i. d(−3; 3)

ii. d(−3, 41; 3, 41)

iii. d 0; 34


√ √
iv. d( 2; −3 2)

(b) Determine os números reais x tais que:

i. d(4; x) = 0, 31

ii. d x; − 13 = 14


iii. d x; 52 = 32


23) Represente graficamente as seguintes funções modulares:

(a) y = |2 − x|
118 Centro de Preparação de Exames de Admissão para o Ensino Superior

(b) y = |x2 − 5x + 6|

(c) y = | 5 − x − 3|

(d) y = 1−2x

x+1

24) Represente graficamente as seguintes funções soma ou diferença de módulos:

(a) y = |2x − 3| + |x + 4|

(b) y = 3|x − 1| − |x − 5|

25) Resolva as seguintes equações modulares:

(a) |3x − 4| = 2

(b) |2x − 3| = 2x − 3

(c) |x2 − 4x + 5| = 2

(d) |4x − 1| = |2x + 3|

(e) |x|2 − 5|x| + 6 = 0

26) Resolva as seguintes inequações modulares:

(a) |3x| < 1

(b) − x2 ≥ 5

(c) |x − 1| ≥ −2

(d) |3 − x| ≤ 3

(e) |3x − 1| < 5

(f) 2x−1
1
<
2 5

(g) |2x + 1| + 4 − 3x > 0

Com a simplicidade construimos o orgulho!...

Typeset by LATEX 2ε
Capı́tulo 2

Limites de Sucessões e funções

2.1 Aula 9 - Teórica

Definção 2.1. Seja dado o conjunto de números {1, 2, 3, 4, · · · }, conjunto de números inteiros
positivos. Chamaremos a este conjunto, conjunto de números naturais, e denota-lo-emos por N,
isto é, N = {1, 2, 3, 4, · · · }.

Definção 2.2. Diz-se Sucessão numérica a toda aplicação de N em R, isto é, a toda correspondên-
cia entre os elementos de N com os elementos de R, tal que para cada elemento de N, existe somente
um elemento de R.

Exemplo 2.1. Exemplos de algumas Sucessões Numéricas

1) 2; 4; 6; 8; · · · an = 2n; ∀n ∈ N

2) 2; 4; 8; 16; · · · an = 2n ; ∀n ∈ N

Observação 2.1. Os elementos: a1 , a2 , · · · , an , chamam-se termos da sucessão e a1 designa-se o


primeiro termo, a2 , o segundo e an , o n-ésimo termo, onde an também chama-se termo geral da
sucessão.

Definção 2.3. Chama-se Termo Geral duma sucessão ao termo que gera (produz) todos elementos
da sucessão.

Exemplo 2.2. Determine os primeiros dois termos da sucessão, cujo termo geral é an = 2n + 1.
Resolução:

Precisamos determinar a1 e a2 :

a1 = 1 + 2 × 1 = 1 + 2 = 3

a2 = 1 + 2 × 2 = 1 + 4 = 5

119
120 Matemática I - Da teoria à Prática

2.1.1 Monotonia de uma Sucessão Numérica

Definção 2.4. Uma sucessão an diz-se crescente, se an+1 − an > 0.

Exemplo 2.3. Consideremos a sucessão cujo termo geral é an = 2n + 1. Verifiquemos se ela é


crescente:
an+1 = 2(n + 1) + 1 = 2n + 3;

achando
an+1 − an

obtemos
an+1 − an = 2n + 3 − (2n + 1) = 2n + 3 − 2n − 1 = 2;

como 2 > 0, logo a sucessão cujo termo geral é an = 2n + 1 é crescente.

Definção 2.5. Uma sucessão an diz-se decrescente, se an+1 − an < 0


1
Exemplo 2.4. Consideremos a sucessão cujo termo geral é an = . Verifiquemos se é decrescente:
n
1
an+1 = ;
n+1

achando
an+1 − an

obtemos
1 1 n n+1 n−n−1 1
an+1 − an = − = − = =−
n+1 n n(n + 1) n(n + 1) n(n + 1) n(n + 1)
Como o denominador é sempre positivo, a fracção toda é menor do que zero. Neste caso diremos que
1
a sucessão de termo geral an = é decrescente.
n
Definção 2.6. Se an+1 − an = 0, diz-se que a sucessão an é constante.

Exemplo 2.5. Consideremos a sucessão de termo geral an = 2. O termo

an+1 = 2

achando
an+1 − an

obtemos
an+1 − an = 2 − 2 = 0

o que quer dizer que a sucessão de termo geral an = 2 é constante

Observação 2.2. Uma sucessão diz-se monótona, se e somente se for crescente ou decrescente.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 121

Exemplo 2.6. Classifique quanto à monotonia (monótona crescente, monótona decrescente e não
monótona), as seguintes sucessões

2n + 1
1) an = ; Resp. monótona decrescente;
2n
n+1
2) an = ; Resp. monótona crescente;
2

3) an = (−1)n ; Resp. não monótona;

4) an = −2; Resp. constante;

2.1.2 Limite de SucessõesNuméricas

Definção 2.7. Diz-se que um número k é limite de uma sucessão numérica an e escreve-se lim an =
n→∞
k , se e só se, dado qualquer número positivo ε, existe um número natural Nε , tal que todos os termos
an de orden n superior a Nε , verificam a desigualdade |an − a| < ε, isto é:

lim an = k
n→∞

ou simplesmente
lim an = k

⇐⇒ ∀ ε > 0, ∃Nε ∈ N : ∀ n > Nε =⇒ |an − k| < ε

Por outras palavras se pode dizer que a sucessão an converge para um limite k , se durante o cresci-
mento do número n, os termos an da sucessão tendem para o valor k, isto é, aproximam-se cada vez
mais de k.

Definção 2.8. Uma sucessão numérica an que tem limite finito k , diz-se sucessão convergente. E
caso contrário, se k é um limite não finito, diz-se sucessão divergente, isto é:

• Se lim an = k < ∞ =⇒ an é converge;

• Se lim an = k = ∞ =⇒ an é diverge.

Exemplo 2.7. Determine se as seguintes sucessões são convergentes ou divergentes:

4n−1
1) lim
n→∞ n+1
Resolução:  
1
n 4−
n
lim 4n−1 = lim  = 4.
n→∞ n+1 n→∞ n 1 + 1
n

Como k = 4 < ∞, então a sucessão é converge.


122 Matemática I - Da teoria à Prática

n4
2) lim
n→∞ 3n2 + n
Resolução:
n4 n4 n2
lim = lim n = lim = ∞.
n→∞ 3n2 + n
 
n→∞ 2 n→∞ 3
n 3+ 2
n

Como k = ∞, então a sucessão é diverge.

Definção 2.9. Uma sucessão numérica αn diz-se um infinitésimo, se o seu limite é igual a zero,
isto é:

lim αn = 0 ⇐⇒ ∀ ε > 0 ∃Nε ∈ N : ∀ n > Nε =⇒ |αn | < ε


n→∞

Definção 2.10. Uma sucessão βn diz-se um infinitśimo grande, se e só se o seu limite tende para
o infinito, isto é:

lim βn = ∞ ou lim βn → ∞
n→∞

⇐⇒ ∀K > 0, ∃Nk ∈ N : ∀ n > Nk =⇒ |βn | > K

Observação 2.3. Se uma sucessão numérica é um infinitamente grande e todos os seus termos têm
o mesmo sinal (+ ou -), então, em correspondência com o sinal, escreve-se:

lim βn = +∞ ou lim βn = −∞
n→∞ n→∞

2.1.3 Regras de Cálculo de Limites de Sucessões Numéricas

Sejam an e bn sucessões convergentes com limites respectivamente k1 e k2 . Isto é:

lim an = k1 e lim bn = k2 .

Disto podemos concluir as seguintes propriedades dos limites:

1) lim(an ± bn ) = lim an ± lim bn = k1 ± k2 .

an lim an k1
2) lim = = k2 6= 0.
bn lim bn k2

3) lim(an × bn ) = lim an × lim bn = k1 × k2 .

4) lim(an )p = (lim an )p = k1p .

5) lim pan = plim an = pk1 .

6) lim can = c × lim an = c × k1 , onde c é uma constante qualquer.


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 123

2.1.4 Alguns tipos de Indeterminação

Vamos estudar os seguintes tipos de indeterminação:



• ∞−∞

0

0

• 1∞

• 00

• ∞0

• 0×∞

Exemplo 2.8. Ache o limite de

2 + 4n
1) an =
n+1

Resolução:   h i
2 + 4n ∞
Substituindo por ∞, teremos lim an = lim =
n+1 ∞
Para levantarmos a indeterminação, vamos escolher no numerador, tanto como no denominador,
a parte principal. Quando n → ∞ ⇒ 2 + 4n ∼ 4n, n + 1 ∼ n. Daı́, teremos:

 
2 + 4n 4n
lim an = lim = lim =4
n+1 n
124 Matemática I - Da teoria à Prática

3
2
2) an = n
1
n
Resolução:

3
 
0n2
Substituindo por ∞, teremos: lim an = lim =
1 0
n
Para levantar esta indeterminação,vamos fazer a divisão e teremos
3
n2 = 3n = 3
1 n2 n
n
, donde teremos
3
lim =0
n

2.1.5 O Número e

O número irracional e = 2, 7182... é limite da sucessão numérica

1 n
 
an = 1 +
n
Exemplo 2.9. Consideremos os seguintes exemplos:

1 n
 
1) Seja an = 1 +
n
 n
1
lim an = lim 1 + = [1∞ ]
n
que é uma indeterminação. Então,
 n
1
lim an = lim 1 + = e.
n

Observação 2.4. Suponhamos que an → 1, bn → ∞, então teremos

lim (an )bn = [1∞ ] = elim(an −1)bn

2) Determine  n
n+2
lim .
n
substituindo o n por infinito teremos uma indeterminação na base do tipo
h∞i
,

B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 125

ao levantarmos esta indeterminação passamos a ter uma outra indeterminação, do tipo [1∞ ] .
Para levantarmos este tipo de indeterminação, recorremos a:

n+2
!
lim −1 ×n
lim(an )bn = [1∞ ] = elim(an −1)×bn = e n

logo
n+2−n 2
! !
lim ×n lim ×n
lim(an )bn = e n =e n = e2

2.1.6 Alguns Exercı́cios Resolvidos

1) Calcule os limites:
7n + 2
(a) lim
n→∞ 5n + 3

2n+2 + 3n+3
(b) lim
n→∞ 2n + 3 n
 3n2
1
(c) lim 1 + 2
n→∞ n +1

Resolução:
   
2 2
n 7+ lim 7 + lim
7n + 2 n n→∞ n→∞ n 7+0 7
(a) lim = lim   = lim  = = ,
n→∞ 5n + 3 n→∞ 3 n→∞ 3 5+0 5
n 5+ lim 5 + lim
n n→∞ n→∞ n
2 3
dado que quando n → ∞, →0 e →0
n   n
2 n
   n 
n 2
3 4 + 27 4 + 27
2n+2 + 3n+3 3 3
(b) lim = lim  n  = lim  n  =
n→∞ 2n + 3 n n→∞ 2 n→∞ 2
3n +1 +1
  n  3 3
2
4 lim + lim 27
n→∞ 3 n→∞ 4.0 + 27
=   n  = = 27,
2 0+1
lim + lim 1
n→∞ 3 n→∞
 n
2
dado que quando n → ∞, → 0.
3
3n2
3n2 " n2 +1 # 2 3n2
n +1

1 1 lim
(c) lim 1 + 2 = lim 1+ 2 = en→∞ n2 + 1 = e3
n→∞ n +1 n→∞ n +1

2.2 Aula 10 - prática

Os exercı́cios 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão


corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 9, 10, 11 deverão ser resolvidos pelos
126 Matemática I - Da teoria à Prática

estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente de aulas teóricas
na aula teórica da semana seguinte.

3+n
1) Construa o gráfico da seguinte sucessão numérica an = ;
1+n
1
2) Construa o gráfico da seguinte sucessão numérica an = ;
2n − 1
3+n
3) Classifica em convergente ou divergente a seguinte sucessão an = e justifique sua resposta;
1+n
1 + n2
4) Classifica em convergente ou divergente a seguinte sucessão an = e justifique sua resposta;
1+n
(2n2 + 3)(n + 2)3
5) lim √ √ ;
n→∞ 4n4 + 3n3 + 1 . 3 8n9 + 2n4 + 5

1 n+1
 
6) lim 1 +
n→∞ 2n
 √n2 +1
n+4
7) lim
n→∞ n+1
√3
8n3 +n+1
n2 + n + 1

8) lim
n→∞ n2 + 1
√ √ 6
(2 n + 3 3 n + 1)
9) lim √ √ ;
n→∞ (4n + 5 n + 4 n)2

10) Desenhe o gráfico da sucessão do exercı́cio 3 e 4;

11) Classifique as sucessões dos exercı́cios 3 e 4 quanto a monotonia.

2.3 Aula 11 - teórica

2.3.1 Progressões

Definção 2.11. progressão é uma sucessão em que a diferença ou quociente entre dois termos
consecutivos é constante.

Definção 2.12. Chama-se progressão aritmética a uma secessão de números reais an , em que
cada termo, a partir do segundo, é igual à soma do termo anterior com um número constante d,
denominado diferença da progressão aritmética dada.

Observação 2.5. Uma progressão aritmética é definida se são dados o primeiro termo a1 e a sua
diferença d.

Neste caso, verifica-se:


an = f (n) = a1 + (n − 1)d
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 127

A soma dos primeiros n termos de uma progressão aritmética, calcula-se pela fórmula:

1
Sn = (a1 + an )n
2
Propriedade de toda a progressão aritmética: qualquer termo am , a partir do segundo, é igual
à média aritmética dos seus termos simétricos am−k e am+k , isto é:

1
am = (am−k + am+k )
2

Definção 2.13. Chama-se progressão geométrica a uma sucessão de números reais an , em que
cada termo, a partir do segundo, é igual ao produto do termo anterior e de um número constante q,
denominado razão da progressão geométrica dada.

Observação 2.6. Uma progressão gemétrica é definida se são dados o primeiro termo a1 e a sua
rezão q.

Neste caso, verifica-se:


an = f (n) = a1 q n−1

A soma dos primeiros n termos de uma progressão geométrica, calcula-se pela fórmula:

a1 (1 − q n )
Sn =
1−q
Caso |q| < 1 e n → ∞, a soma duma progrssão geométrica infinitamente decrescente, é dada
por:

a1
Sn =
1−q
Propriedade de toda a progressão geotmétrica: qualquer termo am , a partir do segundo, é
igual à média geométrica dos seus termos simétricos am−k e am+k , k < m, isto é:

p
am = am−k + am+k

2.3.2 Alguns Exercı́cios Resolvidos


√ p √ q p √
1) Calcule o limite da sucessão 7, 7 7, 7 7 7...

Resolução:
A sucessção dada pode ser escrita na seguinte forma:

1 1 1 1 1 1
7 2 , 7 2 + 22 , 7 2 + 22 + 23 , ...
128 Matemática I - Da teoria à Prática

É fácil notar que o termo geral da sucessão dada tem a forma de petência

1 1 1 1
an = 7 2 + 22 + 23 +...+ 2n ,

1
cujo expoente representa a soma de n termos duma progressão geométrica de razão q = que
2
podemos calcular do modo seguinte:
 
1 1
1− n  
1 1 1 1 2 2 1
+ + + ... + n =   = 1− n
2 22 23 2 1 2
1+ 2
2

Assim, obtemos
h i
1 1
1 lim (1− n ) lim 1− lim ( )
lim an = lim 7(1− 2n ) = 7n→∞ 2 = 7 = 71−0 = 7
n
n→∞ n→∞ 2
n→∞ n→∞

2.4 Aula 12 - Prática

Os exercı́cios 1-8 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão corrigidos e discutidos
na aula prática. Os exercı́cios 1-8 deverão ser resolvidos pelos estudantes para a consilidação do
conhecimento e deverão ser entregues ao Docente de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

 
1 + 4 + 7 + ... + (3n − 2) 3n + 1
1) lim −
n→∞ n+1 2

1 + 6 + 11 + ... + (5n − 4)
2) lim
n→∞ 1 + 7 + 13 + ... + (6n − 5)

" #
1 1 1 (−1)n−1
3) lim 1− + − + ... +
n→∞ 3 9 27 3n−1
 
1 + 5 + 9 + ... + (4n − 3)
4) lim +3−n
n→∞ 2n + 1

n3 + 2 n!

5) lim
n→∞ (n2 + 3n) (n + 1)!


2n2 +

n + 1 (n + 2)!
6) lim
n→∞ (n + 4)!

√ p √ q p √
7) 3, 3 3, 3 3 3, ...

8) 0, 14; 0, 144; 0, 1444; ...


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 129

2.5 Aula 13 - teorica

2.5.1 Limite de uma Função

Definção 2.14. Diz-se que o número b é limite da função f (x), quando x tende para a (x → a),
se para qualquer valor x vizinho com raio δ > 0 e centro em a, tem-se

|x − a| < δ ⇒ |f (x) − b| < ε

onde ε > 0 e escreve-se


lim f (x) = b,
x→a

2.5.2 Cálculo de Limite de uma Função

Observação 2.7. Ao calcularmos limite de uma função, procedemos de maneira semelhante ao cálculo
de limite de uma sucessão. Todos os métodos usados para levantamento de indeterminações de su-
cessções são válidos para limites de funções. Portanto, manteremos válidas todas as definições e
propriedades apresentadas no caso do estudo de sucessões.

2.5.3 Indeterminação do Tipo





x2 − 2
Exemplo 2.10. Ache o seguinte limite: lim
x→∞ x2 + x
Resolução:

x2 − 2 ∞
lim =
x→∞ x2 + x ∞
2
x2 − 2 1− 2 1
lim = lim x = =1
x→∞ x2 + x x→∞ 1 1
1+
x
0

0
x−2
Exemplo 2.11. Calcule o seguinte limite: lim
x→2 x2 − 4
Resolução:

x−2 0 x−2 x−2 1 1


lim = =⇒ lim 2 = lim = lim =
x→2 x2 − 4 0 x→2 x − 4 x→2 (x + 2)(x − 2) x→2 x + 2 4

• ∞−∞
√ 
Exemplo 2.12. Ache o seguinte limite: lim x2 − 2x − x
x→∞
Resolução:
130 Matemática I - Da teoria à Prática

√ 
lim x2 − 2x − x = ∞ − ∞
x→∞
√  x2 − 2x − x2 −2x
=⇒ lim x2 − 2x − x = lim √ = lim !
x2 − 2x + x x→∞
x→∞ x→∞
r
2
x 1− +1
x
−2
= lim r = −1
x→∞ 2
1− +1
x
• 1∞
1 x+5
 
Exemplo 2.13. Ache o seguinte limite: lim 1 +
x→∞ x
Resolução:

1 x+5
 
lim 1+ = 1∞
x→∞ x
1 x+5 1 x 1 5
     
=⇒ lim 1 + = lim 1 + 1+ =
x→∞ x x→∞ x x
x
1 5
  
1
= lim 1+ × lim 1 + =e×1=e
x→∞ x x→∞ x

2.5.4 Limites Laterais

1) Se f (x) tende para o limite b quando x tende para a, tomando apenas valores menores que a,
escreve-se:
lim f (x) = b
x→a−

O número b chama-se Limite à Esquerda de f (x), no ponto a

2) Se f (x) tende para o limite c quando x tende para a, tomando apenas valores maiores que a,
escreve-se:
lim f (x) = c
x→a+

O número c chama-se Limite a Direita de f (x), no ponto a

Portanto, b e c são chamam-se Limites Laterais

Exemplo 2.14. Determine os limites laterais das seguintes funções:

1) 
 3, se x < 2;
f (x) =
 x − 1, caso contrário,

Vamos construir o gráfico desta funções para podermos ilustrar os seus limites laterais.

Com base na figura (2.1), constatamos que:


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 131

y = 3x2

Figura 2.1:

• à esquerda de 2, a função tende para 3: lim f (x) = 3


x→2−

• à direita de 2, a função tende para 1: lim f (x) = 1


x→2+

Definção 2.15. Diz-se que uma função tem limite num certo ponto se os seus limites laterais
forem iguais, isto é:
lim f (x) = lim f (x) = lim f (x)
x→a− x→a+ x→a

Observação 2.8. Para a função da figura (2.1), como seus limites laterais são diferentes quando
x → 2, dizemos que ela não tem limite quando x → 2.

2) 


 x2 − 1, se x ∈] − ∞, 1[;

f (x) = −x + 1, x ∈]1; ∞[;



 2, x=1

Vamos construir o gráfico desta função para podermos ilustrar os seus limites laterais.

Com base na figura (2.2), constatamos que:

• à esquerda de 1, a função tende para 0: lim f (x) = 0


x→1−

• à direita de 1, a função tende para 0: lim f (x) = 0


x→1+

Observação 2.9. Para a função na figura (2.2), como seus limites laterais são iguais quando
x → 1 dizemos que ela tem limite e esse limite é igual a zero.

2.5.5 Limites Notáveis

Vejamos alguns limites notáveis


132 Matemática I - Da teoria à Prática

Figura 2.2:

sin x
1) lim =1
x→0 x
tan x
2) lim =1
x→0 x
ln(x + 1)
3) lim =1
x→0 x
ex − 1
4) lim =1
x→0 x

2.5.6 Alguns Exercı́cios Resolvidos


(2x − 1)(3x + 5)(4x − 2)
1) Resolva lim
x→∞ 3x3 + x − 2

Resolução:
Substituindo por ∞, teremos

(2x − 1)(3x + 5)(4x − 2) h ∞ i


lim = .
x→∞ 3x3 + x − 2 ∞

Tomando as partes principais para levantar a indeterminação, teremos

(2x − 1)(3x + 5)(4x − 2) 2x 3x 4x 24x3 24


lim 3
= lim 3
= lim 3
= =8
x→∞ 3x + x − 2 x→∞ 3x x→∞ 3x 3

x2 − 4
2) Resolva lim
x→2 x2 − 3x + 2

Resolução:
Substituindo por 2, teremos
x2 − 4
 
0
lim =
x→2 x2 − 3x + 2 0
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 133

Factorizando, tanto o numerador, como o denominador, teremos

x2 − 4 (x + 2)(x − 2) x+2 4
lim 2
= lim = lim = = 4.
x→2 x − 3x + 2 x→2 (x − 2)(x − 1) x→2 x − 1 1

1+x−1
3) Resolva lim √
3
x→0 1+x−1

Resolução:
Substituindo por 0, teremos √  
1+x−1 0
lim √ =
x→0 3 1 + x − 1 0

Para fazer com que tanto a raiz do numerador como a do denominador deixem de existir, fazemos
o m.m.c (menor múltiplo comum) de 2 e 3 (ı́ndices das raı́zes). mmc(2;3)=6, e

t6 = 1 + x, x→0⇒t→1

e
t3 − 1 (t − 1)(t2 + t + 1) t2 + t + 1 3
2
lim
= lim = lim = .
t→1 t − 1 t→1 (t − 1)(t + 1) t→1 t+1 2
√ √
x− a
4) Resolva lim
x→a x−a

Resolução:
Substituindo por ∞, teremos √ √  
x− a 0
lim =
x→a x−a 0

Um outro método para resolver este tipo de limites (expressões irracionais) consiste na raciona-
lização do denominador e(ou) do numerador. Teremos então:
√ √ √ √ √ √
x− a ( x − a)( x + a) x−a 1 1
lim = lim √ √ = lim √ √ = lim √ √ = √ .
x→a x−a x→a (x − a)( x + a) x→a (x − a)( x + a) x→a x+ a 2 a
 x+2
sin 3x
5) Resolva lim .
x→0 x

Resolução:
Vamos achar separadamente o limite da base e o limote do expoente, quando x tende para zero,
a saber:    
sin 3x sin 3x
lim = lim 3 =3
x→0 x x→0 3x
134 Matemática I - Da teoria à Prática

e o limite
lim (x + 2) = 2
x→0

donde concluimos que  x+2


sin 3x
lim = 32 = 9
x→0 x
  x2
x+1
6) Resolva lim
x→∞ 2x + 1

Resolução:
Vamos achar separadamente o limite da base
  h i
x+1 ∞ x 1
lim = = lim =
x→∞ 2x + 1 ∞ x→∞ 2x 2

e o limite do expoente
lim x2 = ∞
x→∞

Finalmente, teremos
 x2  ∞
x+1 1
lim = =0
x→∞ 2x + 1 2
 x
x+1
7) Resolva lim
x→∞ x−1

Resolução:
Substituindo por ∞, teremos  x
x+1
lim = [1∞ ]
x→∞ x−1

Levantando a indeterminação, teremos:


x+1 2 2x 2x
! ! ! !
lim −1 x lim x lim lim
e
x→∞ x−1 =e
x→∞ x−1 =e
x→∞ x−1 =e
x→∞ x = e2
 x
x+1
8) Resolva lim
x→∞ x

Resolução:
Substituindo por ∞, teremos:  x
x+1
lim = [1∞ ]
x→∞ x
Levantando a indeterminação, teremos:
x+1 1
! !

x+1
x lim −1 x lim x
lim =e
x→∞ x =e
x→∞ x =e
x→∞ x
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 135

9) Resolva lim x[ln(x + 1) − ln(x)]


x→∞
Resolução:
Substituindo por ∞, teremos

lim x[ln(x + 1) − ln(x)] = [∞ − ∞]


x→∞

Levantando a indeterminação, teremos:

x+1 x x+1 x
       
x+1
lim x[ln(x + 1) − ln(x)] = lim x ln = lim ln = ln lim
x→∞ x→∞ x x→∞ x x→∞ x

Como  x
x+1
lim =e
x→∞ x
(vide exercı́cios anteriores), então teremos

lim x[ln(x + 1) − ln(x)] = ln e = 1


x→∞

2.6 Aula 14 - Prática

Os exercı́cios 1, 3, 5, 8, 9, 11, 14 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão


corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 2, 4, 6, 7, 10, 12, 13 deverão ser resolvidos
pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente de aulas
teóricas na aula teórica da semana seguinte.
Calcule

2x2 − 5x + 8
1) lim
x→1 x2 + 1
4x3 − 2x2 + x
2) lim
x→0 3x2 + 2x
x3 − 1
3) lim
x→1 x − 1

(x − h)3 − x3
4) lim
h→0 h
x−3
5) lim √
x→3 3−x

x−2
6) lim
x→4 x − 4

x2 − ax
7) lim
x→a a − x

x− p
8) lim 2
x→p x − p
 
1 3
9) lim −
x→1 1 − x 1 − x3
136 Matemática I - Da teoria à Prática

p
x2 + p 2 − p
10) lim p
x→0 x2 + q 2 − q
√ √
m
x− ma
11) lim
x→a x−a
k x
 
12) lim 1 +
x→∞ x
√ √
2x + 1 − x + 1
13) lim
x→0 sin x
√ √ 
14) lim x2 + 1 − x2 − 1
x→∞

sin 4x
15) lim
x→0 tan x

sin x − tan x
16) lim
x→0 x
x
sin
17) lim 2
x→0 8x
x
18) lim √
x→0 1 − cos x
sin(a + x) − sin(a − x)
19) lim
x→0 x

20) limπ (1 + cos x)3 sec x


x→ 2

2.7 Aula 15 - teorica

2.7.1 Continuidade de Funções

Definção 2.16. A função f (x) diz-se contı́nua no ponto x = x0 se se verificam simultaneamente as


seguintes condições:

1) A função é definida no ponto x = x0 , isto é, existe um número f (x0 )

2) Existe limite finito de f (x) quando x tende para x0

3) lim f (x) = f (x0 ),


x→x0

Exemplo 2.15. Verifique se a função f (x) = x2 é contı́nua no ponto x0 = 2

1) A função f (x) = x2 é definida em x0 = 2 e f (2) = 4.

2) lim x2 = 4
x→2

3) lim x2 = f (2)
x→2
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 137

Concluimos deste modo que a função é contı́nua.

Observação 2.10. Se uma função não é contı́nua, dizemos que ela é Descontı́nua.

Observação 2.11. Seja f (x) uma função definida num certo intervalo e x0 pertencente a esse inter-
valo. Então, se:


lim f (x) = f (x0 ) 6= lim f (x)
x→x−
0 x→x+
0

dizemos que ela é contı́nua a Esquerda.


lim f (x) = f (x0 ) 6= lim f (x)
x→x+
0 x→x−
0

dizemos que ela é contı́nua a Direita.

2.7.2 Pontos de Descontinuidade

Se num dado ponto x = x0 , a condição de continuidade é violada, então x0 chama-se Ponto de


Descontinuidade.

Exemplo 2.16. Na função


x−1
f (x) =
(x − 2)(x + 1)
é descontı́nua nos pontos x = 2, x = −1 pois esta função não estã definida nestes pontos. Então
x = 2, x = −1 são pontos de descontinuidade para a função dada.

2.7.3 Classificação dos Pontos de Descontinuidade

Descontinuidade da Primeira Espécie

Se para uma função f (x) existirem limites laterais finitos e diferentes, isto é,

1) ∃ lim f (x)
x→x−
0

2) ∃ lim f (x)
x→x+
0

3) lim f (x) 6= lim f (x)


x→x−
0 x→x+
0

então o ponto de descontinuidade x = x0 chama-se Ponto de Descontinuidade da Primeira


Espécie do Tipo Salto.

Se lim f (x) = lim 6= f (x0 , )


x→x−
0 x→x+
0
138 Matemática I - Da teoria à Prática

então o ponto de descontinuidade x = x0 chama-se Ponto deDescontinuidade da Primeira Espécie


Eliminável ou Evitável.

Exemplo 2.17. 1) A função [vide figura (2.3)]



 x + 1, se x ≥ 2;
f (x) =
 −x, x < 2.

Figura 2.3:

é descontı́nua no ponto x = 2, Classifique o tipo de descontinuidade.

Descontinuidade da Segunda Espécie

Se para uma função f (x) pelo menos um dos limites laterais for ∞, então a descontinuidade é da
segunda espécie.

Exemplo 2.18. Vejamos os seguintes exemplos


1
1) Investigue a continuidade da função y = . Esta função é homográfica e tem a = 0, b = 1, c =
x
1, d = 0,

pelo gráfico da figura (2.4) podemos fazer as seguintes leituras

(a) lim = +∞
x→0+

(b) lim = −∞
x→0−

(c) A função é no ponto x = 0 discontı́nua (discontinuidade de segunda espécie).


x−1
2) Investigue a continuidade da função y = , pelo gráfico da figura (2.5) podemos
(x − 2)(x + 1)
fazer as seguintes leituras
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 139

Figura 2.4:

Figura 2.5:

(a) lim = −∞
x→−1−

(b) lim = +∞
x→−1+

(c) lim = −∞
x→2−

(d) lim = +∞
x→2+

(e) A função é nos pontos x = −1 e x = 2 disconı́nua (discontinuidade de

segunda espécie).
140 Matemática I - Da teoria à Prática

2.8 Aula 16 - Prática

Os exercı́cios 1- 6 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão corrigidos e discuti-


dos na aula prática. Os exercı́cios 1-6 deverão ser resolvidos pelos estudantes para a consilidação do
conhecimento e deverão ser entregues ao Docente de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

x2 − 3x + 2
1) Investigue a continuidade da seguinte função: f (x) = .
x2 + x + 1
sin x
2) Determine se a função f (x) = , f (0) = 1 é contı́nua.
|x|

 3x x ≤ −1
3) Seja f uma função definida por f (x) = . Determinine p para que a
 x2 − x + p x > −1
função f seja contı́nua.

 x2 − 1, x ≤ 0;
4) Determine se é contı́nua a função f (x) =
 |x2 − 1|, x > 1.

5) Investigue a continuidade das seguintes funções

(a) f (x) = |x|


x2 − 4
(b) f (x) = ; se x 6= 2 e f (x) = A; x = 2
x−2
1
(c) f (x) = e− x2
1
(d) f (x) = 1
1 + e x−1
6) Ache os pontos de descontinuidade para as seguintes funções

x
(a) f (x) =
(1 + x)2
x+1
(b) f (x) = 3
x +1

Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto, quanto você

Typeset by LATEX 2ε
Capı́tulo 3

Derivadas e aplicações

3.1 Aula 17 - Teórica

3.1.1 Conceito de Derivada

Definção 3.1. Sejam x1 e x2 dois pontos pertencentes a D, onde D é o domı́nio de definição de


função f (x), suponhamos ainda que x2 > x1 , chamaremos de incremento de x a expressão

∆x = x2 − x1 .

Definção 3.2. Seja dada a função f (x) que é definida num certo domı́nio D. Suponhamos que x1 e
x2 são dois pontos pertencentes a D, e x2 > x1 . Chamaremos de incremento de f a função dada
pela expressão
∆f (x) = f (x2 ) − f (x1 ).

y
2x
f (x2 )

∆y

f (x1 )

x
x1 x2

∆x

Figura 3.1:

Observação 3.1. Traçando a partir do gráfico da figura (3.1) um segmento que une os pontos f (x1 )
e f (x2 ) obtemos a figura (3.2)

141
142 Matemática I - Da teoria à Prática

y
2x
f (x2 )

f (x1 )

x
x1 x2

Figura 3.2:

de onde observa-se que estamos na presença de um triângulo com pontos em (x1 , f (x1 )); (x2 , f (x1 ))
e (x2 , f (x2 )). Da trigonometria sabemos que o quociente dos catetos (oposto pelo adjacente) a um
determinado ângulo corresponde a tangente a esse ângulo; sabe-se também que a tangente a um
determinado ângulo dita o coeficiente angular da hipotenusa, isto é, o grau de inclinação da hipotenusa.
Sendo assim,
∆y cateto oposto
=
∆x cateto adjacente
é o coeficiente angular (declive) do segmento que une f (x1 ) com f (x2 )

Observação 3.2. Vejamos o seguinte, como

∆y = f (x2 ) − f (x1 ) e ∆x = x2 − x1 ⇒ x2 = x1 + ∆x

∆y = f (x1 + ∆x) − f (x1 )

Definção 3.3. Suponhamos que a distância entre os pontos x1 e x2 é menor; isto é;

x2 ∼
= x1 ⇒ x2 − x1 ∼
= 0 ⇒ ∆x → 0

Suponhamos ainda que nestas condições existe o limite

∆y f (x1 + ∆x) − f (x1 )


lim = lim
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

este limite é igual a derivada da função f (x) em x1 e denota-se f 0 (x1 )

Definção 3.4. A função que determina a relação entre os valores de x e as derivadas nesses pontos
chamamos de função derivada e denota-se f 0 (x)

Exemplo 3.1. Consideremos os seguintes exemplos:


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 143

1) Usando a definição de derivada determine a derivada de f (x) = 2


Resolução: Vamos achar ∆y a parte. Consideremos um x pertencente ao domı́nio de f (x). A
função f (x) é constante , portanto f (x) = 2 e f (x + ∆x) = 2 dai teremos que

∆y = f (x + ∆x) − f (x) = 2 − 2 = 0

Passando ao limite obtemos


∆y 0
lim = lim =0
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x
dizemos então que f 0 (x) = 0

2) Usando a definição de derivada determine a derivada de f (x) = x


Achemos primeiro ∆y . Consideremos um x qualquer pertencente ao domı́nio de f (x).

∆y = f (x + ∆x) − f (x) = (x + ∆x) − x = ∆x

Passando ao limite temos


∆y ∆x
lim = lim =1
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

dizemos então que

f 0 (x) = 1, e verifica-se que f 0 (0) = 1; f 0 (2) = 1; f 0 (4) = 1.

3) Usando a definição de derivada determine a derivada de f (x) = x2


Achemos ∆y . Consideremos um x qualquer pertencente ao domı́nio de f (x).

∆y = f (x + ∆x) − f (x) = (x + ∆x)2 − x2 = x2 + 2x∆x + (∆x)2 − x2 = 2x∆x + (∆x)2

Passando ao limite
2x∆x + (∆x)2
 
∆y 0
lim = lim =
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x 0
levantando a indeterminação (simplificando a expressão) teremos

∆y 2x + ∆x
lim = lim = 2x
∆x→0 ∆x ∆x→0 1

dizemos então que

f 0 (x) = 2x, e por exemplo f 0 (0) = 2 × 0; f 0 (2) = 2 × 2 = 4; f 0 (4) = 2 × 4 = 8.

4) Usando a definição de derivada determine a derivada de f (x) = x3


Vamos achar ∆y . Consideremos um x qualquer pertencente ao domı́nio de f (x).

∆y = f (x + ∆x) − f (x) = (x + ∆x)3 − x3 = x3 + 3x2 ∆x + 3x(∆x)2 + (∆x)3 − x3 =


144 Matemática I - Da teoria à Prática

= 3x2 ∆x + 3x(∆x)2 + (∆x)3

Passemos agora ao cálculo do limite

3x2 ∆x + 3x(∆x)2 + (∆x)3


 
∆y 0
lim = lim =
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x 0

levantando a indeterminação (simplificando a expressão) teremos

∆y 3x2 + 3x∆x + (∆x)2


lim = lim = 3x2
∆x→0 ∆x ∆x→0 1

dizemos então que

f 0 (x) = 3x2 , e por exemplo f 0 (0) = 3 × 02 = 0; f 0 (2) = 3 × 22 = 12; f 0 (4) = 3 × 42 = 48.

1
5) Usando a definição de derivada determine a derivada de f (x) =
x2
Vamos achar ∆y . Consideremos um x qualquer pertencente ao domı́nio de f (x).

1 1 x2 − (x + ∆x)2
∆y = f (x + ∆x) − f (x) = − = =
(x + ∆x)2 x2 x2 (x + ∆x)2

x2 − x2 − 2x∆x − (∆x)2 2x∆x + (∆x)2


= = −
x2 (x + ∆x)2 x2 (x + ∆x)2
∆y
Calculemos também
∆x
2x∆x + (∆x)2
∆y x2 (x + ∆x)2 2x∆x + (∆x)2 2x + ∆x
=− =− 2 2
=− 2
∆x ∆x x (x + ∆x) ∆x x (x + ∆x)2

Passando ao limite
∆y 2x + ∆x 2x 2
lim = lim − = − 4 = − 3.
∆x→0 ∆x ∆x→0 x2 (x + ∆x)2 x x
dizemos então que

2 2 1 2 1
f 0 (x) = − , e por exemplo @f 0 (0); f 0 (2) = − =− ; f 0 (4) = − =− .
x3 23 4 4 3 32

6) Usando a definição de derivada determine a derivada de f (x) = x
Vamos achar ∆y . Consideremos um x qualquer pertencente ao domı́nio de f (x).
√ √
∆y = f (x + ∆x) − f (x) = x + ∆x − x

racionalizando o numerador (multiplicando pelo seu conjugado) teremos


√ √ √ √
( x + ∆x − x)( x + ∆x + x) ∆x
∆y = √ √ =√ √
x + ∆x + x x + ∆x + x
∆y
Calculando a parte teremos
∆x
∆y ∆x
= √ √
∆x ∆x( x + ∆x + x)
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 145

e simplificando a expressão obtemos

∆y 1
= √ √
∆x ( x + ∆x + x)

Passemos agora ao cálculo do limite

∆y ∆y 1 1
lim = lim = √ √ = √ .
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x ( x + ∆x + x) 2 x

dizemos então que

1 1 1 1
f 0 (x) = √ , e por exemplo @f 0 (0); f 0 (2) = √ ; f 0 (4) = √ = .
2 x 2 2 2 4 4

7) Usando a definição de derivada determine a derivada de f (x) = sin x


Vamos achar ∆y . Consideremos um x qualquer pertencente ao domı́nio de f (x).

∆y = f (x + ∆x) − f (x) = sin(x + ∆x) − sin x (3.1)

vamos usar as formulas trigonométricas, lembre-se que

p−q p+q
sin p − sin q = 2 sin cos (3.2)
2 2

aplicando (3.2) em (3.1) teremos


   
∆x 2x + ∆x
sin cos
2 2
lim 2
∆x→0 ∆x

Passando ao limite obtemos

   
∆x 2x + ∆x
sin cos
2 2
lim 2 .
∆x→0 ∆x
Lembre-se que
sin x
lim =1
x→0 x
então    
∆x 2x + ∆x
sin cos
2 2
lim 2   =
∆x→0 ∆x
2
2
 
∆x
 
 sin 2
    
2x + ∆x  = lim 1 × cos 2x + ∆x
= lim    × cos = cos x
∆x→0  ∆x 2  ∆x→0 2
2
146 Matemática I - Da teoria à Prática

8) Usando a definição de derivada determine a derivada de f (x) = cos x


Vamos achar ∆y . Consideremos um x qualquer pertencente ao domı́nio de f (x).

∆y = f (x + ∆x) − f (x) = cos(x + ∆x) − cos x (3.3)

vamos usar as formulas trigonométricas, lembre-se que

p+q p−q
cos p − cos q = −2 sin sin (3.4)
2 2

aplicando (3.4) em (3.3) teremos


   
2x + ∆x ∆x
sin sin
2 2
lim −2
∆x→0 ∆x

Passemos agora ao cálculo do limite

   
2x + ∆x ∆x
sin sin
2 2
lim −2 .
∆x→0 ∆x
Lembre-se que
sin x
lim =1
x→0 x

então

   
2x + ∆x ∆x
sin sin
2 2
lim −2   =
∆x→0 ∆x
2
2
 
∆x
 
 sin 2
    
2x + ∆x  2x + ∆x
= − lim 
   × sin  = − ∆x→0
 lim 1 × sin = − sin x
∆x→0 ∆x 2 2
2

Observação 3.3. Segundo a definição podemos calcular a derivada de qualquer função, muito embora
não seja tão fácil para algumas funções um pouco mais complexas. Existem no entanto um conjunto
de formulas (regras) que ajudam a determinação da derivada de qualquer função.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 147

3.1.2 Derivação por Tabela

A seguir apresentamos um conjunto de regras que podem ser usadas para a derivação, estas regras,
auxiliam-se à tabela de derivadas

3.1.3 Regras de Derivação

Seja x ∈ R, f, g, h são funções de x e k , uma constante arbitrária. Então tem lugar as seguintes
propriedades:

1)
h(x) = kf (x) ⇒ h0 (x) = kf 0 (x). (3.5)

2)
h(x) = f (x) + g(x) ⇒ h0 (x) = f 0 (x) + g 0 (x). (3.6)

3)
h(x) = f (x) × g(x) ⇒ h0 (x) = f 0 (x)g(x) + g 0 (x)f (x). (3.7)

4)
f (x) f 0 (x)g(x) − g 0 (x)f (x)
h(x) = ⇒ h0 (x) = , g(x) 6= 0. (3.8)
g(x) g 2 (x)

3.1.4 Tabelas de Derivação

Seja x ∈ R, k é uma constante real , f, g, h são funções de x então cumpre-se o seguinte:

1) h(x) = k ⇒ h0 (x) = 0.

2) h(x) = xn ⇒ h0 (x) = nxn−1 .

√ 1
3) h(x) = x ⇒ h0 (x) = √ , x > 0.
2 x

4) h(x) = sin x ⇒ h0 (x) = cos x.

5) h(x) = cos x ⇒ h0 (x) = − sin x.

1
6) h(x) = tan x ⇒ h0 (x) = .
cos2 x
1
7) h(x) = cot x ⇒ h0 (x) = − .
sin2 x
1
8) h(x) = arcsin x ⇒ h0 (x) = √ , (−1 < x < 1).
1 − x2
1
9) h(x) = arccos x ⇒ h0 (x) = − √ , (−1 < x < 1).
1 − x2
148 Matemática I - Da teoria à Prática

1
10) h(x) = arctan x ⇒ h0 (x) = .
1 + x2
1
11) h(x) = arcctgx ⇒ h0 (x) = − .
1 + x2

12) h(x) = ax ⇒ h0 (x) = ax ln a, (a > 0).

13) h(x) = ex ⇒ h0 (x) = ex ln e = ex .

1
14) h(x) = ln x ⇒ h0 (x) = , (x > 0).
x
1
15) h(x) = loga x ⇒ h0 (x) = , (x > 0, a > 0).
x ln a

Exemplo 3.2. Iremos em seguida apresentar alguns exemplos de aplicação das regras e tabelas de
derivadas.

1) Ache a Derivada de y = x5 − 4x3 + 2x − 3


Resolução: Como estamos na presença de um polinómio podemos derivar monómio a monómio.
Assim teremos

y 0 = 5x4 − 4 × 3x2 + 2 = 5x4 − 12x2 + 2.

2x + 3
2) Derive y =
x2 − 5x + 5
Resolução: Estamos na presença de uma fracção, auxiliando-nos da regra (??)

2(x2 − 5x + 5) − (2x − 5)(2x + 3) −2x2 − 6x + 25


y0 = = .
(x2 − 5x + 5)2 (x2 − 5x + 5)2

3) Derive y = 5 sin x − 4 cos x


Resolução: Temos que derivar funções trigonométricas, auxiliamo-nos na regra (3.5) e (3.6),

y 0 = 5 cos x − 4 × (− sin x) = 5 cos x + 4 sin x.

4) Derive y = x2 arctan x
Resolução: Auxiliados na regra (3.7) teremos

x2
y 0 = 2x arctan x + .
x2 + 1

5) Derive y = x6 ex
Resolução: Trata-se da derivada de produto que contém função exponencial. Auxiliamo-nos a
regra (3.7).

y 0 = 6x5 ex + x6 ex .
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 149

6) Derive y = ex arcsin x
Resolução: Trata-se da derivada de produto que contém função exponencial e trigonométrica.
Auxiliamo-nos a regra (3.7) teremos

ex
y 0 = ex arcsin x + √ .
1 − x2

7) Derive y = (1 + 2x)50
Resolução: Estamos na presença de uma função composta. Auxiliamo-nos a regra (??)

y 0 = 50(1 + 2x)49 (1 + 2x)0 = 50(1 + 2x)49 2 = 100(1 + 2x)49 .

3x + 1 4
 
8) Derive y =
5
Resolução: teremos

3x + 1 3 3x + 1 0 3x + 1 3 3 12 3x + 1 3
         
0
y =4 =4 = .
5 5 5 5 5 5

9) Derive y = 1 − x2
Resolução: Estamos na presença de uma função composta. Auxiliamo-nos a regra (??).

(1 − x2 )0 −2x x
y0 = √ = √ = −√ .
2 1 − x2 2 1 − x2 1 − x2

10) Derive y = (2 − 3 sin 2x)6


Resolução: teremos

y 0 = 6(2 − 3 sin 2x)5 (2 − 3 sin 2x)0 = 6(2 − 3 sin 2x)5 (−3 cos x)(2x)0 =

= −18(2 − 3 sin 2x)5 cos x × 2 = −36(2 − 3 sin 2x)5 cos x.


11) Derive y = 1 − arctan x
Resolução: teremos  
1

0 (1 − arctan x)0 1 + x2
y = √ = √ =
2 1 − arctan x 2 1 − arctan x
1
=− √ .
(1 + x2 )(2 1 − arctan x)
 
x
12) Derive y = arcsin √
1 + x2
 0
x

1 + x2
y0 = s  2 (3.9)
x
1− √
1 + x2
150 Matemática I - Da teoria à Prática

Simplificando esta expressão teremos


 0
x
√  0 p
1 + x2 x
y0 = r = √ 1 + x2 (3.10)
1 1 + x2
1 + x2
Supondo que
x
y1 = √
1 + x2
calculamos y10
√ (1 + x2 )0 √ 2x2
 0 1 + x2 − x × √ 1 + x2 − √
x 2 1 + x2 2 1 + x2
y10 = √ = 2
= (3.11)
1 + x2 1+x 1 + x2

simplificando esta expressão (achando mmc no numerador) teremos

1
y10 = √ (3.12)
(1 + x2 ) 1 + x2
Aplicando (3.12) em (3.10) teremos
1
y0 =
1 + x2

3.2 Aula 18 - Prática

Os exercı́cios 1, 2, 4, 5, 7, 8, 10, 12 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão


corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 13, 14, 15, 16, 18, 19, 21, 22 deverão ser
resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente
de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

Determine a derivada das seguintes funções


x
1) y = sin3 5x cos2
3
15 10 1
2) y = − 5
− 4

4(x − 3) 3(x − 3) 2(x − 3)2
x7
3) y =
7(1 − x3 )5

2x2 − 2x + 1
4) y =
x
x
5) y = √
2
2x − 2x + 1
x
6) y = √
a a2 + x2
2

2√ 3 18 √ 9 √
3 6 √
7) y = x2 + x 6 x + x x2 + x3 5 x
3 7 5 13
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 151

1p3 1p
8) y = (1 + x3 )8 − 3 (1 + x3 )6
8 5
9) Ache o acréscimo de x e o respectivo acréscimo da função y = log x, se x vaia de 1 até 1000. ∗

1
10) Ache o acréscimo ∆x do argumento x e o respectivo acréscimo ∆y da função , se x varia
x2
de 0.01 até 0.001. ∗

11) A variável x tem um acréscimo ∆x. Ache o acréscimo ∆y , se:

a) y = ax + b;

b) y = ax2 + bx + c;

c) y = ax .

12) Aplicando a definição de derivada, ache as derivadas das seguintes funções: ∗

a) f (x) = x2 ;
1
b) f (x) = ;
x

c) f (x) = x.

13) Ache f 0 (1), f 0 (2) e f 0 (3), se f (x) = (x − 1)(x − 2)2 (x − 3)3 .

Determine a derivada das seguintes funções

14) f (x) = (x6 − x2 + 4x + 2)8 ;

15) f (x) = (x5 + 9)100 ;

16) f (x) = (x2 − 2)2 (x3 − 3)3 .

11 4
17) y = − 3

2(x − 2) x−3
r
4 x−1 ∗
18) y = 4
5 x+3
19) y = x5 (b − 3x4 )5

x3
20) y = p
3 (1 + x2 )3

a + bxn k
 
21) y =
a − bxn
9 4 2 7
22) y = 4
− 3
+ 2

7(x − 3) (x − 3) (x + 2) (x − 3)3

23) y = (a − x) a + x


p
24) y = (x − a)(x − b)(x − c)(x − d)
152 Matemática I - Da teoria à Prática

p
7
√ ∗
25) y = x+ 5x


26) y = (2x + 1)(3x − 2) 3x − 5

1
27) y = √
2ax − x4

3.3 Aula 19 - teorica

3.3.1 Derivada logarı́tmica

Vamos deduzir a derivada da função logarı́tmica h(x) = ln x usando o conceito de derivada.


Encontremos o acréscimo da função ∆y , quando um x qualquer pertencente ao domı́nio de f (x) sofre
um acréscimo ∆x.

x + ∆x ∆x
∆y = f (x + ∆x) − f (x) = ln(x + ∆x) − ln x = ln = ln(1 + )
x x

Passemos agora ao cálculo do limite

ln(1 + ∆x
 
∆y x ) 0
lim = lim =
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x 0

levantando a indeterminação e sabendo que

ln(1 + x)
lim =1
x→0 x

(simplificando a expressão) teremos

∆y ln(1 + ∆x
x ) 1 ln(1 + ∆x
x ) 1 1
lim = lim ∆x
= · ∆x
= ·1=
∆x→0 ∆x ∆x→0 x x x x x
x

dizemos então que


1
f 0 (x) = .
x

Exemplo 3.3.

Derive y = ln x lg x
Resolução: Trata-se da derivada de produto que contém função logarı́tmica. Auxiliamo-nos a regra
(3.7).
lg x ln x
y0 = + .
x x ln 10
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 153

3.3.2 Regra de Cadeia ou Regra de Derivada de Função Composta

Se a função g(x) tem derivada no ponto x0 e a função f (u) tem derivada no ponto u(x0 ), então a
função composta h(x) = f (g(x)) tem derivada no ponto x0 e essa derivada é h0 (x0 ) = f 0 (g(x0 ))g 0 (x0 ).
Esta regra chama-se regra de cadeia ou regra de derivada de função composta.

De uma forma geral podemos aplicar esta regra para a derivação de várias funções, como por
exemplos funções logarı́tmicas da forma y = ln u(x).

1 0
y 0 = (ln u(x))0 u0 (x) = u (x)
u(x)
.
1 1
Exemplo 3.4. 1) A derivada da função y = ln x é y 0 = (ln u(x))0 (x)0 = · 1 = , sendo
u(x) x
u(x) = x

2) Derive y = arctan ln x
1
Sabendo que (arctan t)0 = então:
1 + t2
(ln x)0 1
y0 = 2 =
1 + ln x x(1 + ln2 x)

3.3.3 Derivada de função dada na forma implı́cita

Seja y = y(x) uma função diferenciável que satisfaz a equaçõ F (x, y) = 0. Então, a derivada y 0 (x)
desta função dada na forma implı́cita F (x, y) = 0 podemos achar a partir da equação

dF (x, y)
= 0,
dx

onde F (x, y) considera-se como uma função composta de x.

Exemplo 3.5. 1) Achar y 0 em relação à x da função x2 + (2x + 1)y 3 − 3xy − 6 = 0.


Resolução:

(x2 + (2x + 1)y 3 − 3xy − 6)0 = 0 ⇔

(x2 )0 + (2x + 1)0x y 3 + (2x + 1)(y 3 )0x − (3x)0x y − 3xy 0 − (6)0 = 0 ⇔


154 Matemática I - Da teoria à Prática

2x + 2y 3 + 3(2x + 1)y 2 y 0 − 3y − 3xy 0 = 0 ⇔

2x + 2y 3 − 3y
y0 =
3x − 3(2x + 1)y 2

3.3.4 Derivada da função paramétrica

Consideremos que as funções x = ϕ(t) e y = ψ(t) estão definidas num intervalo e em todos os pontos
desse intervalo elas têm derivadas ϕ0 (t) 6= 0 e ψ 0 (t). Então, a derivada da função paramêtrica

 x = ϕ(t)
 y = ψ(t)

y em relação a x é dada pela fórmula

yt0 ψ 0 (t)
yx0 = = .
x0t ϕ0 (t)

Exemplo 3.6. Ache yx0 se 


 x = cos t
, 0<t<π
 y = sin t

Resolução:

yt0 ψ 0 (t) (sin t)0


yx0 = = = = − cot t = −x
x0t ϕ0 (t) (cos t)0

3.4 Aula 20 - Prática

Os exercı́cios 1, 3, 4, 8, 13, 16, 19, 27, 29 devem ser resolvidos na qualidade de TPC.
Serão corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 2, 5, 9, 10, 17, 21, 23, 30 deverão ser
resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente
de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.
Determine a derivada y 0 (x) das seguintes funções,
cos3 x(3 cos4 cos5 x − 5)
1) y =
15
2
2) y = ecos x

3) y = ln ln ln ln x

4) x3 + y 3 − 3xy = 0;
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 155

5) x4 − 6x2 y 2 + 9y 4 − 5x2 + 15y 2 − 100 = 0


p
6) sin(y − x2 ) − ln(y − x2 ) + 2 y − x2 − 3 = 0

7) sin y + x2 + 6y = 9

8) x(t) = a sin2 t, y(t) = b cos2 t;

9) y = 4 sin x cos2 x2 + sin x2 ∗

√ √
10) y = ln( 3 1 + ax − 3x) − ln( 1 + ex + loga x)

11) y = tan(cos3 x) ∗

12) y = sin7 (x − 2 cos x4 )

13) x2 + y 2 = 4 ∗

cos x 4
14) y = − 4 + cot x
4 sin x 3
x sin α
15) y = arctan
1 + x cos β

16) y = sinx a

6
17) y = eax+b
p
18) y = a sin2 x + b cos x2
√ √
19) y = cos xa sin x ∗


20) y = ln(x + a2 + x2 )
√ √
21) y = x − 2 x + 2 ln (1 + 5 x)

x
22) y =
ln3 x
x−2 ∗
23) y = ln cos
x2
(x − a)2
24) y = ln
x3 + b
tan3 x
25) y = − tan x + x
3

26) ex + ey − 2xy − 1 = 0 ∗

27) x4 ln y + 2x3 + xy 5 − 1 = 40 ∗

(tanx −1)(tan4 x + 7 tan5 x − arctan x)


28) y =
3 tan3 x
156 Matemática I - Da teoria à Prática

29) x(t) = cos(t2 + 2t), y(t) = sin(t4 − 16) ∗

30) x(t) = e−t sin t, y(t) = et cos t

3.5 Aula 21 - teorica

3.5.1 Interpretação geométrica e mecânica da derivada

A derivada da função f (x) no ponto x0 representa o coeficiente angular da tangente ao gráfico de


f (x) no ponto [x0 , f (x0 )] e a equação dessa tangente é dada por

y = f 0 (x0 )(x − x0 ) + f (x0 ).

Facilmente, nota-se que a perpendicular à tangente é

1
y=− (x − x0 ) + f (x0 ), se f 0 (x0 ) 6= 0.
f 0 (x0 )

Exemplo 3.7. Encontre a recta tangente ao gráfico de f (x) = x3 +2 no ponto x = 1 e a perpendicular


a tangente.

Se P é um ponto do plano com x(t) e y(t) como suas coordenadas no instante t, então o vector
−−→
r = OP pode ser dado por
r(t) = x(t)i + y(t)j. (3.13)

A velocidade instantânea do ponto P no momento t é dada pela derivada de (3.13), isto é

r0 (t) = x0 (t)i + y 0 (t)j.

i e j representam vectores unitários perpendiculares.

3.5.2 Diferencial da função de uma variável real

Função diferenciável
Diremos que a função f (x) é diferenciável no pono x0 se o seu acréscimo ∆f neste ponto, correspon-
dente ao acréscimo ∆x do argumento x, admite a representação

∆f = A ∆x + α(∆x) ∆x,

onde A é um certo valor, não depende de ∆x, α é uma função dependente de ∆x, infinitamente
pequena e contı́nua no ponto ∆x = 0.

Teorema 3.1. (sobre a condição necessária e suficiente de diferenciabilidade)


Para que a função f (x) seja diferenciável no ponto x0 é necessário e suficiente que exista a derivada
f 0 (x0 ).
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 157

Neste caso, o acréscimo é

∆f = f 0 (x0 ) ∆x + α ∆x.

Diferencial da função

Definção 3.5. Chama-se diferencial da função f (x) no ponto x0 à função linear homogénea de
argumento ∆x definida por

df = f 0 (x0 ) ∆x, f 0 (x0 ) 6= 0.

Para valores de ∆x muito pequenos temos ∆f ≈ df , isto é

f (x0 + ∆x) − f (x0 ) ≈ f 0 (x0 ) ∆x.

Exemplo 3.8. Encontrar o diferêncial dy e o acréscimo ∆y da função y = x2

1) Para valores arbitrários de x e ∆x

2) Para x = 20, ∆x = 0.1

Resolução:

1) ∆y = (x + ∆x)2 − x2 = 2x∆x + ∆x2


dy = (x2 )0 ∆x = 2x∆x

2) Se x = 20 e ∆x = 0.1 então ∆y = 2 · 20 · 0.1 + (0.1)2 = 4.01


dy = 2 · 20 · 0.1 = 4.00
isto é, o erro cometido substituindo ∆y por dy é igual a 0.01.

3.5.3 Derivadas e diferenciais de ordem superior

Seja f (x) uma função derivável (que admite derivada):

i) se a derivada f 0 (x) é uma função derivável, então sua derivada chama-se derivada de segunda
d2 f (x)
ordem da função f (x) e é denotada por f 00 (x) ou f (2) (x) ou . Se f 00 (x) é derivável,
dx2
então sua derivada chama-se derivada de terceira ordem;

ii) em geral, se a derivada de (n − 1)-ésima ordem de f (x) é uma função derivável, sua derivada é
dn f (x)
chamada derivada de n-ésima ordem da função f (x) e a denotação usada é f (n) (x) ou .
dxn

Uma função que possui derivada de n-ésima ordem chama-se n vezes diferenciável.

Exemplo 3.9. Encontre f (n) (x) se f (x) = x4 + 2x3 + x − 1.


158 Matemática I - Da teoria à Prática

3.5.4 Polinómio de Taylor e de Maclaurin

Seja f (x) uma função n-vezes diferenciável no ponto x0 . O polinómio


n
X f (k) (x0 )
Pn,x0 (x) = (x − x0 )k
k!
k=0

chama-se polinómio de Taylor para a função f (x), com o centro no ponto x0 . No caso particular,
quando x0 ≡ 0 chama-se polinómio de Maclaurin.

Exemplo 3.10. Decomponha em polinómio de Taylor com o centro x0 = 1 e de Maclaurin a função

f (x) = x3 + 3, se n = 3.

Teorema 3.2. (Regra de L’Hospital)


Suponhamos que se cumprem as seguintes condições:

a) as funções f (x) e g(x) estão definidas e são diferenciáveis numa certa vizinhança do ponto x0
com excepção, talvez, no próprio ponto;

b) lim f (x) = lim g(x) = 0;


x→x0 x→x0

c) g 0 (x) 6= 0 na vizinhança do ponto x0 com excepção, talvez, no próprio ponto;

f (x)
d) existe lim .
x→x0 g(x)

Então,
f (x) f 0 (x)
lim = lim 0 .
x→x0 g(x) x→x0 g (x)

Exemplo 3.11. Usando a regra de L’Hospital, calcule

x4 + 3x3 − 4
lim √
3
.
x→1 x−1

3.6 Aula 22 - Prática

Os exercı́cios 1, 4, 7, 9, 11, 18, 21, 24 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão
corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 2, 5, 8, 10, 15, 20, 22, 25 deverão ser
resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente
de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

1) Calcule o acréscimo e o diferêncial da função da função y = x3 + 2x para x = −1 e ∆x = 0.002.

2) Conhecendo sin 60· = 0, 866015, cos 60· = 1


2 calcular o valor aproximado de sin 60· 30 e sin 60· 180 .
Comparar os resultados obtidos com os dados das tábuas.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 159

00 e y 000
3) Ache as derivadas yxx xxx das funções dadas na forma paramétrica:

x(t) = 2t − t2 , y(t) = 3t − t3 ;

x(t) = cos t, y(t) = sin t;

4) Decomponha o polinómio de terceiro grau P (x) = 1 + 3x + 5x2 − 2x3 em potências de x + 1.


R: 5 − 13(x + 1) + 11(x + 1)2 − 2(x + 1)3 .

2
5) Decomponha a função f (x) = e2x−x em potências de x até o termo com x3 .

6) Usando a regra de L’Hospital calcule os seguintes limites:

sin αx
lim ;
x→0 tan βx
tan x − x
lim ;
x→0 x3
7) Seja dada a função f (x) = x2 − x. ∗

0 ∆y
(a) Determine f (x) pelo cálculo de lim ∆x .
∆x→0

(b) Determine a equação da tangente ao grafico em (−3, 12).

(c) Determine o ponto em que a inclinação do grafico é igual a:

i. 4
1
ii.
2
iii. −2

8) Calcule a inclinação do grafico da função y = x4 nos pontos (2, 16) e (−1, 1).

5
9) Seja f (x) = x5 . Para que valores de x, a derivada é igual a ?
16

10) Seja f (x) = x.

(a) Desenhe o grafico da função.

(b) Calcule lim f (x)


x→0+
0
(c) Investigue lim f (x)
x→0+
1
(d) Determine o ponto de tangencia com a equação y = x +
4
11) Seja f (x) = 2x2 + 2. ∗

(a) Determine os pontos de intersecção do grafico com os eixos de x e dos y.


0
(b) Determine f (x).
3
(c) Determine os pontos do grafico em que a tangente tem coeficiente angular igual a .
2
160 Matemática I - Da teoria à Prática

(d) Desenhe o grafico de f .

12) Seja, agora, g(x) = 2x3 + x2 + x + 2.

(a) Responda as mesmas perguntas que no exercicio anterior.

(b) Determine os pontos do gráfico em que a tangente é paralela a recta y = x.

(c) Desenhe o gráfico de g.

13) Determine a equação da tangente ao grafico de f (x) para o valor ∗ dado de x :

(a) f (x) = (3x2 + 1)2 ; x = −1


1
(b) f (x) = ; x=1
(2x − 1)2
00 e y 000
14) Ache as derivadas yxx xxx das funções dadas na forma paramétrica:

1 x(t) = a sin2 t, y(t) = b cos2 t;

2 x(t) = cos(t2 + 2t), y(t) = sin(t4 − 16);

3 x(t) = e−t sin t, y(t) = et cos t


1 2
4 y(x) = x (2 ln x − 3);
4
6 y(x) = f (ex );

15) Usando a regra de L’Hospital calcule os seguintes limites:


(x + h)2 − x2
9 lim ;
h→0 h
2x3
11 lim 2 ;
x→∞ x + 1
x2 + x − 2
12 lim .
x→∞ 4x3 − 1

16) Decomponha f (x) = sin x em potências de x até x4 . ∗

17) Decomponha f (x) = cos x em potências de x até x4 .

18) Decomponha a função f (x) = x6 em potências de x − 1 até (x − 1)5 .


√ x (m − 1)x2
19) Decompôr f (x) = m
am + x, (a > 0), m ∈ N\{1} até x2 . R: a+ − + Rn (x).
mam−1 2m2 a2m−1
20) Dum rectângulo de cartolina de de 10dm de 16dm faz-se uma caixa (sem tampa) cortando 4
quadrados iguais nos 4 vertices.

(a) Determine a derivada da formula do volume.

(b) Para que valor do lado dos 4 quadrados recortados o volume é maximo e quanto é esse
volume?
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 161

(c) Desenhe o grafico do volume em função ao lado dos quadrados referidos anteriormente.

21) Um papel rectangular de area 2m2 vai-se imprimir. As partes que se nao imprimem sao as
bordas de 20cm abaixo e acima e as bordas de 15cm e esquerda e a direita. Quais sao as
dimensoes do papel para uma area impressa maxima? ∗

22) Suponha que uma bola foi deixada cair do posto de observação da torre, 450m acima do solo. ∗

a) Qual a velocidade da bola após 5 segundos? (sol : 49m/s)

b) Com que velocidade a bola chega ao solo? (sol : 94m/s)


1
23) A posição de uma partı́cula é dada pela equação do movimento S = f (t) = , onde t é
1+t
medido em segundos e S em metros. Encontre a velocidade e a rapidez após 2 segundos.sol :
(v(2) = − 91 m/s, rapidez = |v(2)|)

24) Um fabricante produz peças de fazenda com largura fixa, e o custo da produção de x metros
desse material é C = f (x). ∗

a) Qual o significado da derivada f 0 (x)? Quais suas unidades?

b) Em termos práticos, o que significa dizer que f 0 (1000) = 9?

c) O que você acha que é maior, f 0 (50) ou f 0 (500)? E f 0 (5000)?

25) Seja D(t) a dı́vida de um paı́s no instante t. A tabela a baixo concede os valores aproxi-
mados dessa função fornecendo as estimativas da dı́vida, ao fim de cada ano, em bilhões de
dólares no perı́odo de 1980 a 2000. Interprete e estime os valores de D0 (1990). (sol :≈
t D(t)
1980 930,2
1985 1945,9
303bilhões de dólares por ano).
1990 3233,3
1995 4974,3
2000 5674,2

3.7 Aula 23 - teorica

3.7.1 Estudo da Primeira Derivada

1) Se a primeira derivada de f (x) for posetiva numa região do domı́nio da função f (x), então a
função é crescente nessa região.

2) Se a primeira derivada de f (x) for negativa numa região do domı́nio da função f (x), então a
função é decrescente nessa região
162 Matemática I - Da teoria à Prática

3) Se a primeira derivada de f (x) for igual a zero num determinado ponto do domı́nio da função
f (x), então a função atinge um extremo relactivo ou local nesse ponto.

3.7.2 Estudo da Segunda Derivada

1) Se a segunda derivada de f (x) for posetiva numa região do domı́nio da função f (x), então a
função tem concavidade virada para cima nessa região.

2) Se a segunda derivada de f (x) for negativa numa região do domı́nio da função f (x), então a
função tem concavidade virada para baixo nessa região

3) Se a segunda derivada de f (x) for igual a zero num determinado ponto do domı́nio da função
f (x), então a função tem uma inflexão nesse ponto.

3.7.3 Máximos e mı́nimos de funções. Estudo completo de função

Definção 3.6. Diz-se que a função f (x) admite um máximo no ponto x1 se f (x1 + ∆x) < f (x1 )
para todos ∆x suficientemente pequenos.

Definção 3.7. Diz-se que a função f (x) admite um mı́nimo no ponto x2 se f (x2 + ∆x) > f (x2 ) para
todos ∆x suficientemente pequenos.

Teorema 3.3. Se a função derivável f (x) tem um máximo ou um mı́nimo no ponto x = x1 , então,
a sua derivada anula-se nesse ponto, isto é, f 0 (x) = 0.

x3
Exemplo 3.12. Achar os máximos e os mı́nimos da função y = − 2x2 + 3x + 1
3

Resolução

1) Calculemos a primeira derivada: y 0 = x2 − 4x + 3

2) Igualando a zero temos x2 − 4x + 3 = 0 onde obtemos x1 = 1, x2 = 3

3) estudemos os pontos crı́ticos: Para x1 = 1. como y 0 = (x − 1)(x − 3) então;


Para x < 1, temos y 0 = (−) · (−) > 0;
Para x > 1, temos y 0 = (+) · (−) < 0. portanto a função admite um máximo para x = 1 e o
7
valor da função neste ponto é yx=1 =
3
Para x2 = 3 :
Para x < 3, temos y 0 = (+) · (−) < 0;
Para x > 0, temos y 0 = (+) · (+) > 0. portanto a função admite um mı́nimo para x = 3 e o
valor da função neste ponto é yx=3 = 1
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 163

A determinação dos máximos e mı́nimos de uma função pode ser feita através do auxilio da se-
gunda derivada.

00
Teorema 3.4. Seja f 0 (x1 ) = 0; então, a função tem um máximo no ponto x = x1 se f (x1 ) < 0 e
00
um mı́nimo se f (x1 ) > 0.

Exemplo 3.13. Determinar os extremos máximos e mı́nimos da função y = 4x − x4

Resolução

1) Achemos os pontos crı́ticos: y 0 = 4 − 4x3 ; igualando a derivada a zero obtemos 4 − 4x3 = 0 onde
obtemos x = 1

2) Determinemos o sinal da segunda derivada no ponto x = 1 :


00 00
y = −12x2 e y (1) = −12 < 0 portanto a função tem um máximo no ponto x = 1

Alguns Exercı́cios Resolvidos

1) Consideremos a função f (x) = x2 − 1,

(a) Ache a primeira e segunda derivadas.

(b) Estude a monotonia e a concavidade de f (x)

Resolução
Usando as regras de derivação teremos

f 0 (x) = 2x f 00 (x) = 2

Vamos esboçar no mesmo gráfico as três funções


164 Matemática I - Da teoria à Prática

x2 − 1

2x

Figura 3.3:

Da Leitura do gráfico e dos nossos conhecimentos sobre diferenciação tiramos as seguintes con-
clusões

• A função dada é quadrática com valor de a posetivo (concavidade virada para cima).

• A função tem um mı́nimo igual a -1 quando x = 0,

• A função derı́vada tem zero no ponto onde a função f (x) atinge um extremo relactivo
(mı́nimo).

• A segunda derivada é posetiva e igual a 2, por isso a concavidade da parábola é virada para
cima.

• A primeira derivada de f (x) é negativa no intervalo ] − ∞; 0[ e nesse intervalo a função


f (x) é decrescente.

• A primeira derivada de f (x) é posetiva no intervalo ]0; +∞[ e nesse intervalo a função f (x)
é crescente.

2) Consideremos a função f (x) = x3 − 3x2 + 2x,

(a) Ache a primeira e segunda derivadas.

(b) Estude a monotonia e a concavidade de f (x)

(c) Determine os seus extremos relactivos


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 165

Resolução
Usando as regras de derivação teremos

f 0 (x) = 3x2 − 6x + 2 f 00 (x) = 6x − 6

Vamos esboçar no mesmo gráfico as três funções, f (x), f 0 (x), f 00 (x)

3x2 − 6x + 2

x3 − 3x2 + 2x

6x − 6

Figura 3.4:
166 Matemática I - Da teoria à Prática

Da Leitura do gráfico e dos nossos conhecimentos sobre diferenciação tiramos as seguintes con-
clusões

• A função dada é cúbica e por isso tem 3 raizes, xa = 0, xb = 1, xc = 2.

• A função derivada f 0 (x) = 3x2 − 6x + 2 tem concavidade virada para cima, tem zeros
1 1
nos pontos x1 = 1 − √ e x2 = 1 + √ onde a função f (x) atinge extremo relactivo
3 3
(máximo em x1 ) e (mı́nimo em x2 ). Veja que estes extremos são mesmo relactivos, pois
1
não é verdade que o máximo valor que a função toma é atingido em 1 − √ e também não
3
1
é verdade que o mı́nimo valor que a função toma é atingido em 1 + √ .
3
 
1
• A função f (x) tem um mı́nimo relactivo (local) igual a f 1 + √ .
3
 
1
• A função f (x) tem um máximo relactivo (local) igual a f 1 − √ .
3
• A segunda derivada é uma função linear que é negativa quando x < 1 onde a concavidade
de f (x) é virada para baixo.

• A segunda derivada é posetiva quando x > 1 onde a concavidade de f (x) é virada para
cima.

• No ponto x = 1 a concavidade de f (x) não está virada para cima nem para baixo, dizemos
então que é o ponto de inflexão, e é ai onde f 00 (x) = 0.

x2 − 4
3) Faça o estudo completo da seguinte função y =
x2 + 1
Resolução
Antes de mais vamos recordar que o estudo completo da função é um processo constituido por
seguintes passos:

• Determinação do Domı́nio da função.

• Determinação dos zeros da função.

• Determinação de f 0 (x) e f 00 (x).

• Determinação dos zeros da primeira (extremos relactivos) e segunda derivada (pontos de


inflexão).

• Determinação das assimptotas.

• Estudo do sinal (com base no sinal da primeira derivada).

• Estudo da concavidade da função (com base no sinal da segunda detivada).

• Esboço gráfico.
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 167

(a) Determinação do Domı́nio da função.

x2 − 4
f (x) = , Df : x ∈ R
x2 + 1

veja que o denominador não é igual a zero para qualquer valor de x ∈ R.

(b) Determinação dos zeros da função.


Para determinarmos os zeros da função teremos

x2 − 4
f (x) = 0 ⇒ = 0 ⇒ x2 − 4 = 0 ⇒ x = ±2.
x2 + 1

(c) Determinação de f 0 (x) e f 00 (x).

i.

(x2 − 4)0 (x2 + 1) − (x2 − 4)(x2 + 1)0 2x(x2 + 1) − 2x(x2 − 4)


f 0 (x) = 2 2
= =
(x + 1) (x2 + 1)2

2x(x2 + 1 − x2 + 4) 10x
= = 2
(x2 + 1)2 (x + 1)2
ii. 0
(10x)0 (x2 + 1)2 − 10x (x2 + 1)2

00 10x
f (x) = 2 = =
(x + 1)2 (x2 + 1)4
10(x2 + 1)2 − 10x 2(x2 + 1)2x
 
10(x2 + 1)2 − 40x2 (x2 + 1)
= = =
(x2 + 1)4 (x2 + 1)4

10(x2 + 1)[x2 + 1 − 4x2 ) 10(x2 + 1)(1 − 3x2 )


= =
(x2 + 1)4 (x2 + 1)4
(d) Determinação dos zeros da primeira derivada (extremos relativos) e segunda derivada
(pontos de inflexão). Vamos determinar os zeros da primeira e segunda derivada

i.
10x
f 0 (x) = 0 ⇒ = 0 ⇒ 10x = 0 ⇒ x = 0
(x2 + 1)2
ii.

10(x2 + 1)(1 − 3x2 )


f 00 (x) = 0 ⇒ = 0 ⇒ 10(x2 + 1)(1 − 3x2 ) ⇒ 1 − 3x2 = 0
(x2 + 1)4

1 1
⇒ −3x2 = −1 ⇒ x2 = ⇒ x = ±√
3 3
(e) Determinação das assimptotas.

i. A função dada não tem assimptotas verticais. Veja que ela tem o domı́nio x ∈ R.
e não só.
@k tal que lim f (x) = ∞
x→k
168 Matemática I - Da teoria à Prática

ii. Determinemos as assimptotas oblı́quas achando

f (x) x2 − 4 h∞i
a = lim = lim =
x→+∞ x x→+∞ (x2 + 1)x ∞

Procuramos levantar a indeterminação

x2 1
a = lim = lim = 0.
x→+∞ x3 x→+∞ x

x2 − 4
b = lim [f (x) − ax] = lim = 1.
x→+∞ x→+∞ x2 + 1

dai temos que a assimptota obliqua é igual a

y = ax + b = 0x + 1 = 1

neste caso temos o caso particular de assimptota obliı́qua que é (assimptota hori-
zontal).
Vejemos que neste caso, a função tem somente uma assimptota, que é a recta y = 1.

(f) Estudo do sinal (com base no sinal da primeira derivada). A primeira derivada é

10x
f 0 (x) = .
(x2 + 1)2

Esta função é negativa a esquerda de zero(f (x) é decrescente a direita de zero). f 0 (x)
é posetiva a direita de zero (f (x) é crescente a direita de zero).

(g) Estudo da concavidade da função (com base no sinal da segunda derivada).

10(x2 + 1)(1 − 3x2 )


f 00 (x) =
(x2 + 1)4

ao estudarmos o sinal desta função vamos somente estudar o sinal de (1 − 3x2 ) pois os
outros factores são sempre posetivos. teremos

1 1
x ∈] − ∞; − √ [∪] √ , +∞[ f 00 (x) < 0 concavidade virada para baixo
3 3

e
1 1
x ∈] − √ ; √ [ f 00 (x) > 0 concavidade virada para cima
3 3

(h) Esboço do gráfico.


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 169

Figura 3.5:

x
Exemplo 3.14. Faça o estudo da função f (x) = .
1 + x2
Resolução:

1) O domı́nio de definição da função é o intervalo ]−∞; ∞[ ;

2) A função é sempre contı́nua;

3) Procuremos os máximos e os mı́nimos desta função:


1 − x2 0 (x) = 1 − x
2
f 0 (x) = igualando a derivada a zero obtemos f = 0 que resolvendo
(1 + x2 )2 (1 + x2 )2
esta equação obtemos os pontos crı́ticos x1 = −1ex2 = 1.
É fácil verificar que f 0 (x) < 0 para x < −1 e f 0 (x) > 0 para x > −1. então a função tem um
mı́nimo no ponto x = −1 e fmin = f (−1) = −0, 5;
Pra outro lado, f 0 (x) > 0 para x < 1 e f 0 (x) < 0 para x > 1 onde a função admite um máximo
no ponto x = 1, e fmax = f (1) = 0, 5;

4) Determinação dos intervalos de crescimento e de decrescimento da função:


f 0 < 0 para −∞ < x < −1, a função é decrescente;
f 0 > 0 para −1 < x < 1, a função é crescente;
f 0 < 0 para 1 < x < ∞, a função é decrescente.

5) Determinação dos intervalos de convexidade, de concavidade e os pontos de inflexão do gráfico:


00 2x(x2 − 3) 00
Achamos a segunda derivada f (x) = igualando a derivada a zero obtemos f (x) =
(1 + x2 )3
2x(x2 − 3) √ √
= o onde resolvendo a equação encontramos x 1 = 3, x 2 = 0, x 3 = 3.
(1 + x2 )3
00
Analizemos a f (x) em função de x:
√ 00
Para −∞ < x < − 3 tem-se f < 0, a curva é convexa;
√ 00
Para − 3 < x < 0 tem-se f > 0, a curva é côncava;
170 Matemática I - Da teoria à Prática

√ 00
Para 0 < x < 3 tem-se f < 0, a curva é convexa;
√ !
√ 00 √ 3
Para 3 < x < ∞ tem-se f > 0, a curva é côncava. Os pontos de coordenadas − 3, − , (0, 0)
4
√ !
√ 3
e 3, são pontos de inflexão.
4

6) Determinação das assimptotas:


Para x → ∞, f (x) → 0
Para x → −∞, f (x) → 0, portanto, a recta f (x) = 0 é uma assimptota oblı́qua.

O Esboço do gráfico da função deixamos a cargo do leitor.

3.8 Aula 24 - Prática

Os exercı́cios 1a, 1d, 2b, 3c, 4b, 7, 9, 10 devem ser resolvidos na qualidade de TPC.
Serão corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 1b, 1c, 2c, 3e, 4c, 5, 6, 8 deverão ser
resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente
de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

1) para as seguintes funções

(a) f (x) = 2 + (x − 1)3

(b) f (x) = x3 − 3x2 + 2



3
(c) f (x) = x
x2
(d) f (x) =
x−1

Determine os intervalos de variação da função; as coordenadas dos pontos maximo, minimo e de


inflexao; o coeficiente da recta tangente e o ponto de inflexao.

2) Classifique a paridade as funções seguintes:

(a) y = |x|
1
(b) y =
x
x2 − x
(c) y = 2
x +1
p
(d) y = |x2 + 1|

3) Estudar o comportamento e construir os gráficos das funções:

(a) f (x) = x2 − 2x + 1

(b) y = −x3 − 6x2 − 9x


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 171

x2 − 4
(c) y =
x2 + 1
(d) f (x) = sin(3x)
1
(e) f (x) = e− x

4) Estudar o comportamento e construir os gráficos das funções:

8a3
(a) f (x) =
x2 + 4a2
x2 ∗
(b) f (x) =
1+x
(c) f (x) = xe−x
2
(d) f (x) = x2 e−x ∗

 
1 1 ∗
5) Seja f (x) = x2 − x; x∈ , +∞
2 4

(a) Determine o dominio e o contradominio da sua função inversa g.

(b) No grafico de g situa-se P(p,1). Calcule p.

(c) Determine a equação da tangente ao gráfico em p.

6) f (x) = sin x + cos x. ∗

(a) Calcule a derivada de f.

(b) Determine os zeros de f.

(c) Determine os extremos de f.

(d) Desenhe o gráfico de f.

7) Responda às mesmas perguntas do exercicio precedente para a função f (x) = sin2 x.

8) Seja dada a função f (x) = arctan x.

(a) Desenhe o gráfico de f.


1
(b) Calcule as coordenadas dos pontos em que a tangente tem declive igual a . . Trace essas
4
tangentes no gráfico desenhado.

(c) Determine os valores possı́veis dos coeficientes angulares das tangentes ao gráfico de f.

9) Uma partı́cula move-se ao longo de uma reta com a equação do movimento S = f (t), onde S é
medido em metros e t em segundos. Encontre a velocidade quando t = 2,

a) f (t) = t2 − 6t − 5

b) f (t) = 2t3 − t + 1
172 Matemática I - Da teoria à Prática

10) O custo da produção de x onças (1 libra = 12 onças) do ouro proveniente de uma nova mina é
C = f (t) dólares.

a) Qual o significado da derivada de f 0 (x)? quais são suas unidades?

b) O que significa f 0 (800) = 17?

c) Você acha que os valores de f 0 (x) vão crescer ou decrescer a curto prazo? E a longo prazo?
Explique.

Com a simplicidade construimos o orgulho!...

Typeset by LATEX 2ε
Capı́tulo 4

Cálculo Integral

4.1 Aula 25 - teorica

Um dos problemas fundamentais de Análise Matemática é a determinação da área de uma região plana
limitada por várias curvas, este problema é conhecido também como sendo problema de integração
e aparece relacionado com o problema de derivação, sendo um inverso do outro. Pretende-se neste
capı́tulo fazer uma abordagem detalhada deste problema e debruçar algumas técnicas de integração.
Para construir as bases de percepção deste capı́tulo começaremos por estudar somatórios e aplica-los
com a teoria de limites para a determinação de áreas de figuras.

4.1.1 Somatórios

Definção 4.1. Seja m e n números inteiros tal que m ≤ n , e f uma função definida nos pontos
Xn
m, m + 1, m + 2, · · · , n. Denota-se por f (i) a soma finita dos valores da função f nos pontos
i=m
Xn
m, m + 1, m + 2, · · · , n . A expressão f (i) diz-se soma usando a notação sigma, e a sua
i=m
expansão é :
n
X
f (i) = f (m) + f (m + 1) + f (m + 2) + · · · + f (n)
i=m

5
X
Exemplo 4.1. i2 = 12 + 22 + 32 + 42 + 52 = 55
i=1

X ∞
X
Uma soma infinita f (i) = f (1) + f (2) + f (3) + · · · , ou simplismente ai = a1 + a2 +
i=1 i=1
+ a3 + · · · , diz-se série numérica.

Propriedades da soma
n
X n
X n
X
1) (Af (i) + Bg(i)) = A f (i) + B g(i) , para quaisquer constantes A e B .
i=m i=m i=m

173
174 Matemática I - Da teoria à Prática

m+n
X n
X
2) f (j) = f (i + m)
j=m i=0

17 p
X n
X
Exemplo 4.2. Expresse 2
1 + j na forma f (i) .
j=3 i=1
Resolução
Seja j = i + 2, então j = 3 corresponde a i = 1 e j = 17 corresponde a i = 15 ,
logo
17 p
X 15 p
X
2
1+j = 1 + (i + 2)2
j=3 i=1

Fórmulas do cálculo da soma


n
X
1) 1 = 1| + 1 + 1{z+ · · · + 1} = n
i=1 n−termos

n
X n(n + 1)
2) i = 1 + 2 + 3 + 4 + ··· + n =
2
i=1
n
X n(n + 1)(2n + 1)
3) i2 = 12 + 22 + 32 + 42 + · · · + n2 =
6
i=1
n
X rn − 1
4) ri−1 = 1 + r + r2 + r3 + · · · + rn−1 = , onde r 6= 1
r−1
i=1
n
X
Exemplo 4.3. Ache a fórmula fechada da seguinte soma: (6k 2 − 4k + 3),onde 1 ≤ m ≤ n .
k=m+1
Resolução
Usando propriedades e fórmulas do somatório acima teremos :

n
X n
X n
X n
X
2 2
(6k − 4k + 3) = 6 k −4 k+3 1=
k=1 k=1 k=1 k=1

n(n + 1)(2n + 1) n(n + 1)


6 −4 + 3n = 2n3 + n2 + 2n
6 2
Logo
n
X n
X m
X
2 2
(6k − 4k + 3) = (6k − 4k + 3) − (6k 2 − 4k + 3) = 2n3 + n2 + 2n − 2m3 − m2 − 2m.
k=m+1 k=1 k=1

4.1.2 Cálculo de áreas usando limites de soma de áreas particionadas

Nesta secção iremos abordar um método para achar a área duma região R limitada pela curva y = f (x)
não negativa, pelo eixo OX e pelas abcissas x = a e x = b, onde a < b, veja figura (4.1). Divide-se
o intervalo [a, b] em n subintervalos x1 , x2 , x3 , · · · , xn−1 , escolhidos de tal forma que

a = x0 < x1 < x2 < · · · < xi < · · · < xn−1 < xn = b.


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 175

x
a b

Figura 4.1:

Denota-se ∆xi o comprimento do i-ésimo subintervalo [xi−1 , xi ], onde

∆xi = xi − xi−1 para i = 1, 2, 3, · · · , n.

Em cada subintervalo desenha-se um rectângulo cuja a medida da base é ∆xi e a da altura é dada
pelo valor que a função f (x) (a função que limita superiormente a região) toma no ponto x = xi isto
é f (xi ). Assim, a área aproximada é dada por
n
X
Sn = f (xi )∆xi = f (x1 )∆x1 + f (x2 )∆x2 + f (x3 )∆x3 + · · · + f (xn )∆xn
i=1

Exemplo 4.4. Suponhamos que queremos calcular a área da região dada pela figura (4.2) esboçada
em baixo no segmento que vai de [−1, 2]. A função esboçada é exponencial e definida por y = 2x .

Resolução

x
a = −1 b=2

Figura 4.2:

Veja que a = −1; b = 2, assim, pode se usar a seguinte partição, veja a figura (4.3).

x0 = −1; x1 = 0; x2 = 1; x3 = 2 e a = x0 < x1 < x2 < x3 = b.

A área de cada rectângulo é dada por f (xi )×∆xi , para i = 1, 2, 3. Portanto a área da parte rectangular
pintada é expressa por :
3
X
S3 = f (xi )∆xi = f (x1 )∆x1 + f (x2 )∆x2 + f (x3 )∆x3
i=1
176 Matemática I - Da teoria à Prática

Teremos então
S3 = f (0)∆x1 + f (1)∆x2 + f (2)∆x3

Considerando ∆x1 = ∆x2 = ∆x3 = 1 teremos

S3 = f (0) × 1 + f (1) × 1 + f (2) × 1 = [f (0) + f (1) + f (2)] × 1 = 1 + 2 + 4 = 7

Está área aproxima-se por excesso a área da figura (4.2) que queremos calcular.
y

x
a b

Figura 4.3:

Observação 4.1. A aproximação que fizemos no exemplo acima é por excesso. Pode-se resolver o
mesmo exemplo fazendo a aproximação por defeito. Vejamos o exemplo seguinte.

Exemplo 4.5. Suponhamos que queremos calcular a área da região dada pela figura (4.4) no segmento
que vai de [−1, 2]. A função esboçada é exponencial e definida por y = 2x .

Resolução

a = −1; b = 2, veja a figura (4.4).

x0 = −1; x1 = 0; x2 = 1; x3 = 2 e a = x0 < x1 < x2 < x3 = b.

A área de cada rectângulo é dada por f (xi )×∆xi , para i = 0, 1, 2. Portanto a área da parte rectangular
pintada é expressa por :
2
X
S3 = f (xi )∆xi = f (x0 )∆x0 + f (x1 )∆x1 + f (x2 )∆x2
i=0

Teremos então

S3 = f (−1)∆x1 + f (0)∆x2 + f (1)∆x3


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 177

Considerando ∆x1 = ∆x2 = ∆x3 = 1 teremos

S3 = f (−1) × 1 + f (0) × 1 + f (1) × 1 = [f (−1) + f (0) + f (1)] × 1 = 0.5 + 1 + 2 = 3.5

Está área aproxima-se por defeito a área da figura (4.2) que queremos calcular. Que é uma apro-
ximação por defeito da área procurada.
y

x
a b

Figura 4.4:

Observação 4.2. A área da parte pintada na figura 4.2 quando calculada com exactidão, é igual a
5.049432, portanto as duas aproximações que fizemos encontram-se perto deste valor. Para melhorar
o resultado das aproximações, devemos aumentar o número de partições, i.e, o número de rectângulos
das figuras (4.4) e (4.2) devem ser maiores que 3.

ExercÃcio 4.1. Refazer os dois exemplos anteriores, particionando o segmento de [−1, 2] em 6 partes
iguais.

Observação 4.3. Sn é uma aproximação da área da região R , e esta aproximação torna-se mais
proxima do real quando n for grande, isto é , quando n tender para infinito, e isto acontece quando
∆xi tender para zero. Deste modo tem-se:

Area de R = lim Sn
n→∞

Recomendação

Escolher pontos xi , (0 ≤ i ≤ n) no intervalo [a, b] de tal forma que os comprimentos dos subintervalos
∆xi sejam iguais. Neste caso tem-se

b−a i
∆xi = ∆x = , xi = a + i∆x = a + (b − a)
n n
Exemplo 4.6. Achar a área limitada pela recta y = x+1 , eixo OX , e pelas abcissas x = 0 e x = 2 .
178 Matemática I - Da teoria à Prática

Resolução

Para mostrarmos com detalhes, vamos fazer o esboço região que pretendemos determinar a sua área,
vide figura (4.5)
Nota-se que a área pretendida é do trapézio com base maior igual a 3, base menor igual a 1 e altura
y

Figura 4.5:

igual a 2, isto é
B+b 3+1
St = ×h= × 2 = 4.
2 2
Calculemos esta área como limite da soma de áreas dos rectângulos, seguindo a observação (4.3).
Dividindo o intervalo [0, 2] em n subintervalos de comprimentos iguais teremos :

2 4 6 2n
x0 = 0, x1 = , x2 = , x3 = , · · · , xn = =2
n n n n
O valor de y = x + 1 no ponto x = xi é

2i
xi + 1 = +1
n

, o i-ésimo subintervalo
 
2(i − 1) 2i
,
n n
2
,tem ∆x = . Temos que ∆xi → 0 quando n → ∞. Então a soma de áreas dos rectângulos
n
aproximados é :
n   " n n
#  
X 2i 2 2 2X X 2 2n(n + 1) n+1
Sn = +1 = i+ 1 = +n =2 +2
n n n n n 2n n
i=1 i=1 i=1

e isto implica que a área pretendida é :

 
n+1
A = lim Sn = lim 2 +2 =2+2=4
n→∞ n→∞ n
unidades quadráticas
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 179

Exemplo 4.7. Achar a área A da região limitada pela parábola y = x2 , eixo OX , e pelas abcissas
x=0 e x=b>0
Resolução
b
Da divisão do intervalo [0, b] em n subintervalos iguais de comprimento , teremos i-ésima altura
n
y

x
b

Figura 4.6:
 2
ib
do rectângulo igual a vide figura (4.6).
n
Assim

n  2 n
X ib b b3 X 2 b3 n(n + 1)(2n + 1)
Sn = = 3 i =
n n n 6n3
i=1 i=1

e
b3 n(n + 1)(2n + 1) b3
A = lim Sn = lim =
n→∞ n→∞ 6n3 3

unidades quadráticas.

4.2 Aula 26 - Prática

Os exercı́cios 1a, 1c, 2b, 3a, 3b, 4a, 4b, 4c devem ser resolvidos na qualidade de TPC.
Serão corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 1b, 1c, 2a, 3b, 4a, 4b, 4c deverão ser
resolvidos pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente
de aulas teóricas na aula teórica da semana seguinte.

1) Expande as seguintes somas:

100
X j
(a)
j+1
j=1
180 Matemática I - Da teoria à Prática

n
X
(b) 3i
i=1

n
X (−2)j
(c)
(j − 2)2
j=3

2) Escreva as seguintes somas usando a notação sigma:

(a) 22 − 32 + 42 − 52 + · · · − 992

(b) 1 + x + x2 + x3 + · · · + xn

3) Ache a fórmula fechada para as seguintes somas :

6
X
(a) (i − 1)
i=2

n
X
(b) (π k − 3)
k=1

4) Usando técnica do cálculo de área como limite da soma de áreas particionadas, calcule a área
das regiões limitadas pelas curvas :

(a) y = 3x, y = 0, x = 0 e x = 1

(b) y = x2 + 2x + 3, y = 0, x = −1 e x = 2

(c) y = 2x , y = 0, x = −1 e x = 1

4.3 Aula 27 - teorica

4.3.1 Integral definido

Somas de Riemann

Definção 4.2. Diz-se que no segmento [a, b] está dada uma partição se forem dados os pontos

x0 , x1 , x2 , x3 , · · · , xn−1 , xn
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 181

tais que

a = x0 < x1 < x2 < · · · < xi < · · · < xn−1 < xn = b

e denota-se

P = {x0 , x1 , x2 , x3 , · · · , xn−1 , xn }

O conjunto P divide o segmento [a, b] em n subintervalos [xi−1 , xi ] chamados partição P . O número


n depende de partições, n = n(P ) , o comprimento do i-ésimo subintervalo é dado por ∆xi = xi −xi−1
o máximo dos ∆xi chama-se norma da partição P e denota-se por k P k

k P k= max ∆xi
1≤i≤n

Seja f é uma função contı́nua em cada subintervalo [xi−1 , xi ] de P , tomando-se valores máximos ui
e mı́nimo li nos pontos do subintervalo, tal que f (li ) ≤ f (x) ≤ f (ui ) sempre que xi−1 ≤ x ≤ xi .
Se f (x) ≥ 0 em [a, b] , então as expressões f (li )∆xi e f (ui )∆xi representam áreas dos rectângulos
que têm o intervalo [xi−1 , xi ] como base comum e alturas f (li ) e f (ui ) , respectivamente (vide figura
(4.7)).

x
a b

Figura 4.7:

Se Ai é área limitada pela curva y = f (x), eixo OX e pelas abcissas x = xi−1 e xi , então tem lugar
a seguinte desigualdade

f (li )∆xi ≤ Ai ≤ f (ui )∆xi


182 Matemática I - Da teoria à Prática

4.3.2 Somas inferiores e superiores de Riemann

Definção 4.3. As somas inferiores L(f, P ) e superiores U (f, P ) de Riemann para a função f são
dadas através das expressões seguintes:
n
X
L(f, P ) = f (li )∆xi = f (l1 )∆x1 + f (l2 )∆x2 + · · · + f (ln )∆xn
i=1

n
X
U (f, P ) = f (ui )∆xi = f (u1 )∆x1 + f (u2 )∆x2 + · · · + f (un )∆xn
i=1

Vide exemplos (4.4) e (4.5).

1
Exemplo 4.8. Achar a soma inferior e superior de Riemann para a função f (x) = no intervalo
x
[1, 2] partido em quatro subintervalos iguais.

Resolução
5 3 7 1
A partição P consiste de pontos x0 = 1, x1 = , x2 = , x3 = e x4 = 2. A função f (x) = é
4 2 4 x
1
decrescente no segmento [1, 2], então os valores mı́nimos e máximos em cada subintervalo são e
xi
1
, respectivamente. Assim temos:
xi−1  
1 4 2 4 1 533
L(f, P ) = + + + =
4 5 3 7 2 840
1 4 2 4 319
U (f, P ) = 1+ + + =
4 5 3 7 420

Definção 4.4. Suponhamos que existe um número I tal que para toda partição P do segmento [a, b]
tem lugar a desigualdade L(f, P ) ≤ I ≤ U (f, P ) . Então diremos que a função f é integrável em
Z b
[a, b] , e chamaremos ao número I de integral definido de f em [a, b] e denota-se por I = f (x)dx
R a
onde: chama-se sinal de integral;
a e b são limites de integração, inferior e superior , respectivamente ;
f (x) é função integrada, x variável de integração , dx diferencial de x .

Nota:

O integral definido da função f (x) em [a, b] é um número ( não é uma função de x ), que depende
de a e b , e da função f (x). Deste modo é válida a igualdade :
Z b Z b
f (x)dx = f (t)dt
a a

Exemplo 4.9. Mostre que a função f (x) = x2 é integrável no segmento [0, a] onde a > 0 , e calcule
Z a
x2 dx .
0
Resolução
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 183

Calculando a soma inferior e superior de Riemann teremos :


n n n−1
X a3 X a3 X 2 a3 (n − 1)n[2(n − 1) + 1] a3 (n − 1)(2n − 1)
L(f, Pn ) = (xi−1 )2 ∆x = 3 (i − 1)2 = 3 (j) = =
n n 6n3 6n3
i=1 i=1 j=0
n n
X a3 X 2 a3 n(n + 1)[2n + 1] a3 (n + 1)(2n + 1)
U (f, Pn ) = (xi )2 ∆x = (i) = =
n3 6n3 6n3
i=1 i=1
a3
Donde lim L(f, Pn ) = lim U (f, Pn ) = Da desigualdade L(f, Pn ) ≤ I ≤ U (f, Pn ) vem que
n→∞ n→∞ 3
a3
I=
3
a a
a3
Z Z
Assim a função f (x) = x2 é integrável em [0, a] e f (x)dx = x2 dx =
0 0 3

Definção 4.5. Dada uma função f em [a, b] , denomina-se soma de Riemann de f toda soma da
forma :

n
X
R(f, P, c) = f (ci )∆xi = f (c1 )∆x1 + f (c2 )∆x2 + f (c3 )∆x3 + · · · + f (cn )∆xn
i=1

Onde P = {x0 , x1 , x2 , · · · , xn } e a = x0 < x1 < x2 < · · · < xi < · · · < xn−1 < xn = b,
c = (c1 , c2 , · · · , cn ) e ci ∈ [xi−1 , xi ] .

Definção 4.6. Seja f uma função definida em [a, b] . O número I denomina-se integral de f ( em
[a, b] ) se , dado qualquer ε > 0 , existe um δ > 0 tal que

n
X
| R(f, P, c) − I |=| f (ci )∆xi − I |< ε
i=1

Seja qual for a partição P = {x0 , x1 , x2 , · · · , xn } e ci ∈ [xi−1 , xi ] de [a, b] com norma inferior a
δ , isto é , tal que k P k= max ∆xi < δ , escrevendo-se então
1≤i≤n
Xn Z b
lim R(f, P, c) = lim R(f, P, c) = lim f (ci )∆xi = f (x)dx
n(P )→∞
kP k→0
max ∆xi → 0 max ∆xi → 0 i=1 a
1≤i≤n 1≤i≤n
O integral assim definido , denomina-se integral de Riemann . Diz-se integrável a Riemann toda
função que possui esta propriedade.

Teorema 4.1. Se f é uma função contı́nua em [a, b] , então f é integrável em [a, b].
1
X2 
2i − 1 3
Exemplo 4.10. Expresse lim 1+ como integral definido.
n→∞ n n
Resolução
2 1
Queremos interpretar a soma de Riemann para a função f (x) = (1 + x) 3 . O factor sugere-nos que
n
2
o intervalo de integração tem comprimento 2 e é dividido em n subintervalos iguais de comprimento
n
2i − 1 1 2n − 1
Seja ci = para i = 1, 2, 3, · · · , n ; quando n → ∞, c1 = → 0 e cn = → 2 . Assim
n n n
184 Matemática I - Da teoria à Prática

2i 2i − 2 2i
o intervalo é [0, 2] , e os pontos de partição são xi =
. Nota -se que xi−1 = < ci < = xi
n n n
para cada i ,f é contı́nua em [0, 2] e consequentimente integrável neste intervalo, logo
n  1 Z 2
X 2 2i − 1 3 1
lim 1+ = (1 + x) 3 dx
n→∞ n n 0
i=1

4.3.3 Propriedades do integral definido


Z a
1) f (x)dx = 0
a

Z b Z a
2) f (x)dx = − f (x)dx
a b

Z b Z b Z b
3) (Af (x) + Bg(x)) dx = A f (x)dx + B g(x)dx
a a a

Z b Z c Z c
4) f (x)dx + f (x)dx = f (x)
a b a

Z b Z b
5) Se f (x) ≤ g(x) para qualquer x  [a, b] , então f (x)dx ≤ g(x)dx
a a

Z b Z b

6) f (x)dx ≤ |f (x)| dx
a a

Z a
7) Se f (x) é uma função ı́mpar no intervalo simétrico [−a, a] , então f (x)dx = 0
−a

Z a Z a
8) Se f (x) é uma função par no intervalo simétrico [−a, a] , então f (x)dx = 2 f (x)dx
−a 0

Z 2 Z 3 Z 3 p
Exemplo 4.11. Calcule: (a) (2 + 5x)dx (b) (2 + x)dx (c) 9 − x2 dx
−2 0 −3

Resolução

As áreas das regiões pretendidas são apresentadas nos seguintes esboços:

Z 2 Z 2 Z 2
• pela propriedade 3 tem-se (2 + 5x)dx = dx + 5 5xdx
−2 −2 −2
O primeiro integral representa a área dum rectângulo de comprimento 4 e largura 2,portanto o
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 185

y
y=2

x
−2 2

Figura 4.8:

y y =x+2

x
3

Figura 4.9:
y

y= 9 − x2

x
3

Figura 4.10:

seu valor é 8. O segundo integral é igual a zero , visto que a função integral é ı́mpar. Logo

Z 2
(2 + 5x)dx = 8 + 0 = 8.
−2

• representa área do trepézio que é a soma das áreas do rectângulo e do triângulo, logo

Z 3
1 21
(2 + x)dx = (3 × 2) + (3 × 3) =
0 2 2
186 Matemática I - Da teoria à Prática

• representa área do semi-cı́rculo de raio 3. Logo

3
π × 32
Z p 9π
9 − x2 dx = =
−3 2 2

Teorema 4.2. Se f é uma função contı́nua em [a, b] , então existe um ponto c  [a, b] , tal que
Z b
f (x)dx = (b − a)f (c) .
a

f (c)

x
a l c u b

Figura 4.11:

Seja f uma função integrável em [a, b] . Chama-se valor médio de f ,o valor denotado por f , tal
Z b
1
que f = f (x)dx
b−a a
Exemplo 4.12. Achar o valor médio da função f (x) = 2x , no intervalo [1, 5]
Resolução
Z 5
O esboço da área representada pelo integral 2xdx , é figura (4.12):
1
Z 5  
1 1 1
Donde temos que f = 2xdx = 4 × 2 + (4 × 8) = 6
5−1 1 4 2
Teorema 4.3. Se f é uma função integrável em [a, b] e F é uma primitiva de f , isto é, uma função
tal que F 0 (x) = f (x) para cada x[a, b] então

Z b
f (x)dx = F (b) − F (a)
a
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 187

y = 2x

x
1 5

Figura 4.12:

Convenção:

F (b) − F (a) = F (x)|ba


Z a Z 2
x2 dx x2 − 3x + 2 dx

Exemplo 4.13. Calcule: (a) (b)
0 −1

Resolução
a
1 3 a 1 3 1 3 a3
Z  
2
(a) x dx = x |0 = a − 0 =
0 3 3 3 3 
Z 2
1 3 3 2
x2 − 3x + 2 dx = x − x + 2x |2−1 =

(b)
−1 3 2
 
1 3 3 2 1 3 3 2 9
×2 − ×2 +2×2− × (−1) − × (−1) + 2 × (−1) =
3 2 3 2 2

Exemplo 4.14. Achar a área da região A limitada pela curva y = 3x − x2 e pelo eixo OX .

Resolução

A área pretendida está representada na figura (4.14)


Da equação 3x − x2 = x(3 − x) = 0 tem-se como raı́zes x = 0 e x = 3
188 Matemática I - Da teoria à Prática

y = 3x − x2

x
3

Figura 4.13:

Portanto a área da região pretendida é :

Z 3  
2 3 2 1 3 3 27 27 27 9
A= (3x − x )dx = x − x |0 = − − (0 − 0) = =
0 2 3 2 3 6 2
unidades quadráticas.

Exemplo 4.15. Ache o valor médio para a função f (x) = e−x + cos x no intervalo [− π2 , 0].

Resolução
Z 0
1 2 2 π 2 π
f=  π (e−x + cos x)dx = (−e−x + sin x)|0− π = (−1 + 0 + e 2 − (−1)) = e 2
0− − − π2 π 2 π π
2

4.4 Aula 28 - Prática

Os exercı́cios 1a, 1b, 2a, 3c, 4a, 5a, 5b devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão
corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 3a, 3b, 4b, 2b deverão ser resolvidos pelos
estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente de aulas teóricas
na aula teórica da semana seguinte.

1) Considere a partição Pn do intervalo [a, b] em n subintervalos iguais de comprimento ∆xi =


b−a
. Calcule a soma inferior L(f, Pn ) e superior U (f, Pn ).
n

(a) f (x) = ex em [−2, 2], com n = 4

(b) f (x) = sin x em [0, π], com n = 6


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 189

2) Calcule os seguintes integrais definidos :


Z 2 p
(a) √ 2 − t2 dt
− 2

Z e
(b) ax dx, a > 0
0

a
a3
Z
3) Sabendo que x2 dx = , calcule os seguintes integrais:
0 3

Z 3
x2 − 4 dx

(a)
2

Z 2 p 
(b) x2 + 1 − x2 dx
0

4) Calcule o valor médio para cada uma das seguintes funções :

(a) f (t) = 1 + sin t , no intervalo [−π, π]


(b) f (x) = 4 − x2 , no intervalo [0, 2]

5) Achar a área da região R limitada por :

(a) y = x2 − 4x , y = 0

1 1
(b) y = x 3 − x 2 , y = 0, x = 0, x = 1

4.5 Aula 29 - teorica

4.5.1 Integral indefinido

Definção 4.7. Dada uma função f definida em (a, b) , denomina-se primitiva de f toda função F
derivável neste intervalo e tal que F 0 (x) = f (x) .
190 Matemática I - Da teoria à Prática

Teorema 4.4. Seja f uma função definida em (a, b) . Se cada uma das funções F1 (x) e F2 (x) é uma
primitiva de f (x) , então existe um número C tal que F1 (x) − F2 (x) = C em (a, b) .

Definção 4.8. Dada uma função f definida em (a, b) , denota-se por

Z
f (x)dx (4.1)

uma primitiva arbitrária de f . A expressão (4.1) denomina-se integral indefinido de f . O cálculo


do integral indefinido é chamado integração .

Se F é uma primitiva de f , então

Z
f (x)dx = F (x) + C,

onde C é um número arbitrário.

4.5.2 Propriedades de integração


Z
1) d f (x)dx = f (x)dx

Z
2) dF (x) = F (x) + C

Z Z Z
3) [f (x) + g(x)]dx = f (x)dx + g(x)dx

Z Z
4) Kf (x)dx = K f (x)dx , onde K é uma constante .

4.5.3 Tabela de integração


Z
1) 1dx = x + C

Z
1
2) xdx = x2 + C
2

Z
1
3) x2 dx = x3 + C
3
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 191

Z
1
4) xr dx = xr+1 + C , para r 6= −1
r+1

Z
1
5) dx = ln |x| + C
x

Z
6) ex dx = ex + C

ax
Z
7) ax dx = + C , para a > 0, a 6= 1
ln a

Z
8) sin xdx = − cos x + C

Z
9) cos xdx = sin x + C

Z
1
10) dx = tan x + C
cos2 x

Z
1
11) dx = − cot x + C
sin2 x

Z
12) sinh xdx = cosh x + C

Z
13) cosh xdx = sinh x + C

Z
1
14) dx = tanh x + C
cosh2 x

Z
1
15) dx = − coth x + C
sinh2 x

Z
1
16) dx = arctan x + C
x2 + 12

Z
1 1 x
17) dx = arctan + C , para a 6= 0
x2 + a2 a a
192 Matemática I - Da teoria à Prática


1 x − 1
Z
1
18) 2 dx = ln +C
x2 − 1 2 x + 1


x − a
Z
1 1 + C , para a 6= 0
19) dx = ln
x2 − a2 2a x + a

Z
1
20) √ dx = arcsin x + C
1 − x2

Z
1 x
21) √ dx = arcsin + C
a2 − x2 a

Z
1 p
22) √ dx = ln x + x2 ± 1 + C

x2 ± 1

Z
1 p
23) √ dx = ln x + x2 ± a2 + C

2
x ±a2

Exemplo 4.16. Aplicação da tabela de integração para o cálculo integral


x5 3x4 8x3
Z
x4 − 3x3 + 8x2 − 6x − 7 dx = − 3x2 − 7x + C

1) − +
5 4 3
Z  
3 3 25 8 3 x
2) 5x −
5
2
dx = x 5 − √ arctan √ + C
2+x 8 2 2
Z
4 5
3) (4 cos 5x − 5 sin 3x) dx = sin 5x + cos 3x + C
5 3
Z  
1 1 1
4) + aπx dx = ln |x| + aπx + C, (a > 0)
πx π π ln a
As vezes é preciso fazer-se algumas manipulações da função integrada de forma a obter-se função
simples para se integrar .

(x + 1)3 x3 + 3x2 + 3x + 1
Z Z Z  
2 1 1 3
Exemplo 4.17. dx = dx = x + 3x + 3 + dx = x3 + x2 +
x x x 3 2
ln |x| + C

4.5.4 Método de substituição

Teorema 4.5. Se f (x) é uma função contı́nua e ϕ(t) continuamente derivável , então

Z Z
0
F (ϕ(t)) = f (ϕ(t)ϕ (t)dt + C = f (ϕ(t))dϕ(t) + C, (1)

onde F é qualquer primitiva de f , isto é , qualquer função tal que F 0 = f .


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 193

Exemplo 4.18. Achar os seguintes integrais indefinidos usando método de substituição:


Z
x
1) dx
x2 + 1
Z
sin(3 ln x)
2) dx
x

Z
3) ex 1 + ex dx

Resolução:
Z Z Z
x 1 x 1 1
1) 2
dx seja u = x2 +1
, então du = 2xdx e xdx = du logo 2
dx = du =
x +1 2 x +1 2 u
1 1 2
p
2
ln |u| + C = ln (x + 1) + C = ln x + 1 + C
2 2

Z
sin(3 ln x) 3
2) dx seja u = 3 ln x , então du = dx
xZ Z x
sin(3 ln x) 1 1 1
donde dx = sin udu = − cos u + C = − cos(3 ln x) + C
x 3 3 3

Z
3) ex 1 + ex dx seja v = 1 + ex , então dv = ex dx

Z Z
1 2 3 2 3
donde x
e 1 + e dx = v 2 dv = v 2 + C = (1 + ex ) 2 + C
x
3 3

Exemplo 4.19. Achar


Z
1
1) 2
dx
x + 4x + 5
Z
dx
2) √
2x
e −1

Resolução:
Z Z
1 1
1) 2
dx = 2
dx seja t = x + 2 , então dt = dx
x + 4xZ +5 (x + 2)
Z +1 Z
1 1 dt
donde 2
dx = 2
dx = 2
= arctan t + C = arctan(x + 2) + C
x + 4x + 5 (x + 2) + 1 t +1
e−x dx
Z Z Z
dx dx
2) √ = √ = p seja u = e−x , então du = −e−x dx donde
e2x − 1 ex 1 − e−2x 1 − (e−x )2
e−x dx
Z Z Z
dx du
√ = p =− √ = − arcsin u + C = − arcsin(e−x ) + C
e2x − 1 −x
1 − (e ) 2 1 − u2

Teorema 4.6. Seja f (x) uma função contı́nua em [a, b] , ϕ(t) derivável continuamente em [α, β]
para qualquer t [α, β], a ≤ ϕ((t) ≤ b , então para α0  [α, β] e β0 [α, β] satisfazendo a condição
a = ϕ(α0 ) e b = ϕ(β0 ) , tem-se

Z b Z β0
f (x)dx = f (ϕ(t))ϕ0 (t)dt =
a α0
194 Matemática I - Da teoria à Prática

Z 8

cos x + 1
Exemplo 4.20. Calcule I= √ dx
0 x+1

Resolução:
√ dx
Seja u = x + 1 , então du = √ . Se x = 0 , então u = 1 ; se x = 8,então u = 3 .Logo
Z 8 √ Z 3 2 x+1
cos x + 1
I= √ dx = 2 cos udu = 2 sin u|31 = 2 sin 3 − 2 sin 1.
0 x+1 1
 x 2 x
Exemplo 4.21. Achar a área da região limitada por y = 2 + sin cos , eixo OX ,rectas x = 0
2 2
e x=π .

4.5.5 Resolução :

Uma vez que y ≥ 0 quando 0 ≤ x ≤ π , a área pretendida é dada por

Z π  x 2 x
A= 2 + sin cos dx
0 2 2
x
Seja v = 2 + sin , então
2
1 x
dv = cos dx.
2 2
Se x = 0 , isto é v = 2 ; se x = π , logo v = 3. e
Z π Z 3
 x 2 x 2 2 38
A= 2 + sin cos dx = 2 v 2 dv = v 3 |32 = (27 − 8) =
0 2 2 2 3 3 3

unidades quadráticas.

4.5.6 Algumas identidades trigonométricas fundamentais

1) sin2 x + cos2 x = 1

2) sec2 x = 1 + tan2 x

3) sin 2x = 2 sin x cos x

4) cos 2x = 2 cos2 x − 1 = 1 − 2 sin2 x


B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 195

1 − cos 2x
5) sin2 x =
2

1 + cos 2x
6) cos2 x =
2

4.5.7 Integrais de funções trigonométricas


Z
tan xdx = ln | sec x| + C
Z
cot xdx = ln | sin x| + C = − ln | csc x| + C
Z
sec xdx = ln | sec x + tan x| + C
Z
csc xdx = − ln | csc x + cot x| + C = ln | csc x − cot x| + C
Z
1
cos2 xdx = (x + sin x cos x) + C
Z 2
1
sin2 xdx = (x − sin x cos x) + C
2

Exemplo 4.22. Calcule:


Z
1) sin3 x cos8 xdx
Z
2) cos5 axdx

Resolução
Z Z
3 8
1) sin x cos xdx = (1 − cos2 x) cos8 x sin xdx Seja u = cos x, du = − sin xdx

u1 1 u9
Z Z Z
2 8 2 8 1 1
(1−cos x) cos x sin xdx = − (1−u )u du = (u10 −u8 )du = − +C = cos1 1x− cos9 x+C
11 9 11 9

isto é
Z
1 1
sin3 x cos8 xdx = cos11 x − cos9 x + C
11 9
Z Z
5
2) cos axdx = (1 − sin2 ax)2 cos axdx. Seja u = sin ax, du = a cos axdx

Z Z Z   
2 2 2 2 1 2 4 1 2 3 1 5 1
(1−sin ax) cos axdx = (1−u ) du = (1−2u +u )du = u − u + u +C = sin ax −
a a 3 5 a

logo
Z  
5 1 2 3 1 5
cos axdx = sin ax − sin ax + sin ax + C
a 3 5
196 Matemática I - Da teoria à Prática

4.5.8 Substituições trigonométricas inversas



Os integrais que envolvem a2 − x2 (onde a > 0) podem reduzir-se a forma simples através da
x
substituição x = a sin θ , ou θ = arcsin
a
Z
dx
Exemplo 4.23. Ache I = 3 dx
(5 − x2 ) 2

Resolução
√ √
Seja x = 5 sin θ; dx = 5 cos θdθ
Z Z √ Z
dx 5 cos θdθ 1 1 1 x
I= 3 dx = 3 = sec θdθ = tan θ + C = √ +C
(5 − x2 ) 2 5 2 cos3 θ 5 5 5 5 − x2

√ 1
Os integrais que envolvem a2 + x2 ou são simplificados através da substituição x = a tan θ
x2 + a2
x
ou θ = arctan
a

Z
1
Exemplo 4.24. Ache I = √ dx
4 + x2

Resolução

Seja x = 2 tan θ, dx = 2 sec2 θdθ


2 sec2 θ 4 + x2 x
Z Z Z
1 p
I= √ dx = dθ = sec θdθ = ln |secθ+tan θ|+C = ln | + |+C = ln | 4 + x2 +x|+
4 + x2 2 sec θ 2 2
onde
C1 = C − ln 2.

Os integrais que envolvem x2 − a2 ( onde a > 0 ) são simplificadas através da substituição x =
a sec θ.
Z
1
Exemplo 4.25. Ache I = √ dx, a > 0
x2 − a2

Resolução

Seja x = a sec θ, dx = a sec θ tan θdθ e x2 − a2 = a tan θ. Assim

x x2 − a2 a p
I = sec θdθ = ln | sec θ + θ| + C = ln | + + C = ln |x + x2 − a2 | + C1
a |

, onde
C1 = C − ln a
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 197

p √
x2 − a2
Z
du p 1 x + x +
I=− √ = − ln |u + u2 − a2 | + C1 = ln | √ √ | + C1 =
u2 − a2 −x + x2 − a2 x + x2 − a2

x + x2 − a2 p
ln | + C 1 = ln |x + x 2 − a 2 | + C2 ,
−a2
onde C2 = C1 − 2 ln 2 portanto

Z
1 p
I= √ dx = ln |x + x2 − a2 | + C
x2 − a2
Os integrais racionais que envolvem sin θ, cos θ são racionalizados através da substituição
θ 1 − x2 2x 2dx
x = tan donde : cos θ = 2
, sin θ = 2
e dθ =
2 1+x 1+x 1 + x2

Z
1
Exemplo 4.26. Calcule dθ
2 + cos θ
Resolução :
θ 1 − x2 2x 2dx
Seja x = tan portanto : cos θ = , sin θ = e dθ =
2 1 + x2 1 + x2 1 + x2
Z Z 2dx Z  
1 1 + x2 = 2 1 2 x 2 1 θ
dθ = dx = √ arctan √ + C = √ arctan √ tan +C
2 + cos θ 1 − x2 3 + x2 3 3 3 3 2
2+
1 + x2

4.5.9 Integração de funções racionais

Considera-se agora integrais de forma


Z
Q(x)
dx
P (x)
Onde P e Q são polinómios.

x3 + 3x2
Z
Exemplo 4.27. Calcule dx
x2 + 1
Resolução
O numerador é do grau 3 e o denominador é do grau 2 , portanto fazendo a divisão terá-se :
x3 + 3x2 x+3
=x+3− 2
x2 + 1 x +1
Logo
Z 3
x + 3x2
Z Z Z
x dx 1 1
2
dx = (x + 3)dx − 2
dx − 3 2
= x2 + 3x − ln(x2 + 1) − 3 arctan x + C
x +1 x +1 x +1 2 2
Z
x
Exemplo 4.28. Calcule dx
2x − 1
Resolução
O numerador e o denominador são ambos do grau 1 , portanto fazendo a divisão terá-se :
1
x 1 2
= +
2x − 1 2 2x − 1
198 Matemática I - Da teoria à Prática

Logo
Z Z Z
x 1 1 dx x 1
dx = dx + = + ln |2x − 1| + C
2x − 1 2 2 2x − 1 2 4
Decomposição em frações simples
Toda fração própria irredutı́vel

Q(x) b0 xm + b1 xm−1 + · · · + bm
R(x) = =
P (x) xn + a1 xn−1 + · · · + an

Onde b0 , b1 , b2 , · · · , bm , a1 , a2 , · · · , an são números reais,pode ser de modo único transformada


A Dx + E  p 2
numa soma de frações simples de forma ou ,onde − q < 0. Deste modo
(x − α)k x2 + px + q)l 2
pode-se apresentar quatro casos:

1) O denominador P (x) é tal que a equação P (x) = 0 tem somente as raı́zes reais simples
α1 , α2 , · · · , αn . A decomposição realiza-se pela forma:

Q(x) b0 xm + · · · + bm A B C
= = + + ··· +
P (x) (x − α1 )(x − α2 ) · · · (x − αn ) x − α1 x − α2 x − αn

2) As raı́zes do denominador são reais ,porém entre elas há múltiplas. A decomposição se efectua
pela fórmula:
Q(x) b0 xm + · · · + bm
= =
P (x) (x − α1 )k1 (x − α2 )k2 · · · (x − αi )ki
A1 A2 Ak1 B1 B2 Bk2 Lki
+ 2
+ · · ·+ k
+ + 2
+ · · ·+ k
+ · · ·+
x − α1 (x − α1 ) (x − α1 ) 1 x − α2 (x − α2 ) (x − α2 ) 2 (x − αi )ki

3) Entre as raı́zes do denominador há complexas simples.Efetua-se a decomposição pela fórmula:

Q(x) b0 xm + · · · + bm
= =
P (x) (x − α1 )k1 (x − α2 )k2 · · · (x2 + p1 x + q1 )(x2 + p2 x + q2 ) · · ·

A1 A2 Dx + E Fx + G
+ 2
+ ··· + 2 + 2 + ···
x − α1 (x − α1 ) x + p1 x + q1 x + p2 x + q 2

4) Entre as raı́zes do denominador há complexas múltiplas. A decomposição realiza-se pela fórmula

Q(x) b0 xm + · · · + bm
= =
P (x) (x − α1 )k1 (x − α2 )k2 · · · (x2 + p1 x + q1 )l1 (x2 + p2 x + q2 )l2 · · ·

A1 A2 D1 x + E1 D2 x + E2
+ 2
+ ··· + 2 + ··· + 2 + ···
x − α1 (x − α1 ) x + p 1 x + q1 (x + p1 x + q1 )2
Dl1 x + El1 F1 x + G1 Fl x + Gl2
··· + + 2 + ··· + 2 2 + ···
(x2 + p1 x + q1 )l1 x + p2 x + q 2 (x + p2 x + q 2 )l2
Z
x+4
Exemplo 4.29. Calcule 2
dx
x − 5x + 6
Resolução

x+4 A B
= +
x2 − 5x + 6 x−2 x−3
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 199

Calculando os valores de A e B obtemos :

A = −6 e B=7

Logo
Z Z Z
x+4 1 1
2
dx = −6 di dx + 7 dx = −6 ln |x − 2| + 7 ln |x − 3| + C
x − 5x + 6 x−2 x−3

x3 + 2
Z
Exemplo 4.30. Calcule dx
x3 − x
Resolução

x3 + 2
Z Z   Z
x+2 x+2
dx = 1+ 3 dx = x + dx
x3 − x x −x x3 − x
Usando o método de decomposição em frações simples teremos :

x+2 A B C A(x2 − 1) + B(x2 + x) + C(x2 − x)


= + + =
x3 − x x x−1 x+1 x(x − 1)(x + 1)

Teremos
A+B+C =0

B−C =1

−A = 2

Donde
3 3
A = −2, B = e C=
2 2
Logo

x3 + 2
Z Z Z
3 1 1 1 3 1
3
dx = x − dx + dx = x − 2 ln |x| + ln |x − 1| + ln |x + 1| + C
x −x 2 x−1 2 x+1 2 2

2 + 3x2 + x2
Z
Exemplo 4.31. Calcule dx
x(x2 + 1)

2 + 3x + x2
Z
Exemplo 4.32. Calcule dx
x(x2 + 1)
Resolução:

2 + 3x + x2 A Bx + C A(x2 + 1) + Bx2 + Cx
= + =
x(x2 + 1) x x2 + 1 x(x2 + 1)
Obtemos A = 2, B = −1 e C=3
Logo

2 + 3x + x2
Z Z Z
1 x 1 1
=2 dx − dx + 3 dx = 2 ln |x| − ln(x2 + 1) + 3 arctan x + C
x(x2 + 1) x 2
x +1 x2 +1 2
200 Matemática I - Da teoria à Prática

Z
1
Exemplo 4.33. Calcule dx
x3 +1
Resolução:

1 1 A Bx + Cx A(x2 − x + 1) + B(x2 + x) + C(x + 1)


= = + =
x3 + 1 (x + 1)(x2 − x + 1) x + 1 x2 − x + 1 (x + 1)(x2 − x + 1)
A+B =0

−A + B + C = 0

A+C =1
1 1 2
Obtemos A = , B = − e C=
3 3 3
Logo
1 3
Z
1 1
Z
dx 1
Z
x−2 1 −
1
Z x−
dx = − 2 2 dx Seja u = x− 1 , du = dx
dx = ln |x+1|−
3 2 2
x +1 3 x+1 3 x −x+1 3 3 2

1 3
x− +
2 4
Z Z    
1 1 u 1 1 1 1 2 3 1 2 2u
= ln |x+1|− du+ = ln |x+1|− ln u + + √ arctan √ +C =
3 3 3 2 3 3 6 4 2 3 3
u2 + u2 +
4 4
 
1 1 2 1 2 2x − 1
= ln |x + 1| − ln(x − x + 1) + √ arctan √ +C
3 6 2 3 3
Z
1
Exemplo 4.34. Calcule dx
x(x − 1)2
Resolução:

1 A B C A(x2 − 2x + 1) + B(x2 − x) + Cx
= + + =
x(x − 1)2 x x − 1 (x − 1)2 x(x − 1)2
A+B =0

−2A − B + C = 0

A=1

Obtemos A = 1, B = −1 e C=1
Logo
Z Z Z Z
1 1 1 1 1 x 1
dx = dx− dx+ dx = ln |x|−ln |x−1|− +C = ln | |− +C
x(x − 1)2 x x−1 (x − 1)2 x−1 x−1 x−1

x2 + 2
Z
Exemplo 4.35. Calcule dx
4x5 + 4x3 + x
Resolução:

x2 + 2 A Bx + C Dx + E A(4x4 + 4x2 + 1) + B(2x4 + x2 ) + C(2x3 + x) + Dx2 + Ex


= + + =
x(2x2 + 1)2 x 2x2 + 1 (2x2 + 1)2 x(2x2 + 1)2
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 201

4A + 2B = 0

2C = 0

4A + B + D = 1

A=2

Obtemos A = 2, B = −4, C = 0, D = −3 e E=0


Logo

x2 + 2
Z Z Z Z
dx xdx xdx
dx = 2 −4 −3 = Seja u = 2x2 + 1, du = 4xdx
4x5 + 4x3 + x x 2x2 + 1 (2x2 + 1)2

x2
Z Z  
du 3 du 3 3 1
2 ln |x| − − = 2 ln |x| − ln |u| + + C = ln + +C
u 4 u2 4u 2x2 + 1 4 2x2 + 1

4.5.10 Integração por partes

Teorema 4.7. Sejam as funções u = u(x) e v = v(x) continuas num intervalo I , deriváveis em todos
Z Z
pontos interiores de I e existe o integral udv . Então também existe o integral vdu e tem-se

Z Z
vdu = uv − udv

ou
Z Z
0
v(x)u (x)dx = u(x)v(x) − u(x)v 0 (x)dx

Exemplo 4.36. Usando o método de integração por partes ache os seguintes integrais indefinidos:
Z Z Z
(a) ln xdx (b) x arctan xdx (c) arcsin xdx
Resolução:
Z
dx
(a) ln xdx Seja u = ln x , dv = dx então du = ,v = x donde
x
Z Z
1
ln xdx = x ln x − x dx = x ln x − x + C
x

Z
dx 1
(b) x arctan xdx Seja u = arctan x , dv = xdx então du = 2
, v = x2 donde
Z1 +
x 2
x2
Z Z
1 2 1 1 2 1 1 1 1
x arctan xdx = x arctan x − 2
dx = x arctan x − 1− 2
dx = x2 − x +
2 2 1+x 2 2 1+x 2 2
1
arctan x + C logo
2
Z
1 1 1
x arctan xdx = x2 − x + arctan x + C
2 2 2
202 Matemática I - Da teoria à Prática

Z
dx
(c) arcsin xdx Seja u = arcsin x , dv = dx então du = √ ,v = x donde
Z Z 1 − x2
x
arcsin xdx = x arcsin x − √ dx Seja u = 1 − x2 ,então du = −2xdx
1 − x 2

Z Z
x 1 1
p
x arcsin x − √ dx = x arcsin x + u− 2 du = x arcsin x + u + C = x arcsin x + 1 − x2 + C
1 − x2 2
logo

Z p
arcsin xdx = x arcsin x + 1 − x2 + C
Z e
Calcule I = x3 (ln x)2 dx
1
Resolução :
(2 ln xdx) x4
Seja u = (ln x)2 , dv = x3 dx Então du = ,v =
Z e x 4
x4 1 e 3
Z
3 2 2 e
I= x (ln x) dx = (ln x) |1 − x ln xdx
1 4 2 1
dx x4
Seja u = ln x, dv = x3 dx Então du = ,v =
Z e x 4 Z
e4 2 1 x4 1 e 3 e4 e4 1 x4 e e4 e4

3 2 e 1
I= x (ln x) dx = (1 ) − 0 − ln x|1 − x dx = − + |1 = + − =
1 4 2 4 4 1 4 8 8 4 8 32 32
5 4 1
e −
32 32
Teorema 4.8. Se as funções u e v , possuem derivadas contı́nuas integráveis em [a, b] , então

Z b Z b
0
u (x)v(x)dx = u(x)v(x)|ba − u(x)v 0 (x)dx.
a a
Z 2
Exemplo 4.37. Calcule: I= xex dx
1
Resolução:
Z 2 Z 2
x x 2
I= xe dx = xe |1 − ex dx = (x − 1)ex |21 = (2 − 1)e2 − (1 − 1)e1 = e2 .
1 1

4.6 Aula 30 - Prática

Os exercı́cios 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 devem ser resolvidos na qualidade de TPC. Serão


corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 9, 10 deverão ser resolvidos pelos estudan-
tes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente de aulas teóricas na aula
teórica da semana seguinte.

Calcule os seguintes integrais:



Z
1) 3x + 4dx
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 203

Z
2) cos(ax + b)dx

Z
3) tan x ln cos xdx

sin2 x
Z
4) dx
cos4 x

ex + 1
Z
5) dx
ex − 1

x3
Z
6) √
9 + x2

x3
Z
7) dx
x3 − a3

Z
8) x cos xdx

Z
9) x arcsin xdx

Z
ln(ln x)
10) dx
x

4.7 Aula 31 - teorica

4.7.1 Integral impróprio

O integral impróprio surge como expansão do integral de Riemann ( integral dado num intervalo finito
com a função f (x) limitada em todo intervalo ). No integral impróprio considera-se dois tipos :

1) Integral impróprio do primeiro tipo

(a) Considera-se um intervalo infinito (−∞, b) ou (a, +∞) ou (−∞, +∞)

(b) f (x) é limitada no intervalo dado .


Z b Z +∞ Z +∞
f (x)dx ou f (x)dx ou f (x)dx
−∞ a −∞

2) Integral impróprio do segundo tipo


204 Matemática I - Da teoria à Prática

(a) Considera-se um intervalo finito [a, b]

(b) f (x) não é limitada no intervalo dado ( f (x) tem pelo menos um ponto de descontinuidade
em [a, b] )

4.7.2 Integral impróprio do primeiro tipo

Seja f (x) função limitada num intervalo infinito (a, +∞) ou (−∞, b) ou (−∞, +∞).
Para o número R , tal que a < R < +∞ existe o integral de Riemann de f (x) onde o integral
impróprio define-se da seguinte forma :

Z +∞ Z R
def
f (x)dx = lim f (x)dx
a R→+∞ a

De forma similar para outros intervalos tem-se :

Z b Z b
def
f (x)dx = lim f (x)dx
−∞ R→−∞ R

Z +∞ Z R2
def
f (x)dx = lim f (x)dx
R1 →−∞
−∞ R2 →+∞ R1

Em cada um dos casos acima se o limite existir , isto é , se for um número finito , diz-se que o integral
impróprio converge , no caso contrário diz-se que diverge .

Z +∞ Z 0
Z +∞ Z 0 Z R2
dx dx dx dx dx
Exemplo 4.38. = + = lim + lim =
−∞ 1 + x2
−∞ 1 + x
2
0 1+x 2 R1 →−∞ R1 1 + x 2 R2 →+∞ 0 1 + x2
π π
lim arctan x|0R1 + lim arctan x|R
0 = −(− ) +
2
=π .
R1 →−∞ R2 →+∞ 2 2

4.7.3 Critério de convergência

Teorema 4.9. Suponhamos que ∀x ∈ [a, +∞) , verifica-se a desigualdade |f (x)| ≤ g(x) .Se o integral
Z +∞ Z +∞
g(x)dx é convergente , então o integral f (x)dx também é convergente.
a a
Z +∞ Z +∞
Se f (x) ∼ g(x), x → ∞ , então f (x)dx e g(x)dx convergem ou divergem simultanea-
a a
mente .
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 205

a1−p

+∞
dx  converge para p − 1 , se p > 1
Z 
Teorema 4.10. Seja 0 < a < ∞ , então
a xp 
 diverge para ∞, se p ≤ 1
Z +∞
Definção 4.9. Diz-se que o integral f (x)dx converge de modo absoluto ( absolutamente con-
Z +∞ a
vergente ) se converge o integral |f (x)|dx.
a
+∞
(−1)n (−1)n
Z
1
Exemplo 4.39. 2
dx, f (x) = 2
, |f (x)| = 2
Z +∞ Z 1+∞ x Zx+∞ x
1 (−1)n
|f (x)|dx = dx , converge ⇒ dx é absolutamente convergente.
1 1 x2 1 x2
Z +∞
Definção 4.10. Diremos que o integral f (x)dx converge de modo condicional (condicionalmente
Z +∞ a Z +∞
convergente) se f (x)dx é convergente e |f (x)|dx é divergente.
a a

4.7.4 Integral impróprio do segundo tipo

Definção 4.11. Diremos que o ponto b é singular se a função f (x) não é limitada no intervalo
[a, b] e ∀ε > 0 f (x) é limitada no intervalo [a, b − ε]
1
Exemplo 4.40. f (x) = , x ∈ [1, 2] No ponto x = 1 a função não é limitada
x−1
1
f (x) = , x ∈ [1 + ε, 2], ε > 0
x−1
1
f (x) = é limitada em [1 + ε, 2]
x−1
x = 1 é ponto singular

Seja a função f (x) não limitada no intervalo [a, b] e b ponto singular.


Suponhamos ainda que para ε > 0 a função f (x) é limitada em [a, b−ε] e integrável segundo Riemann
em [a, b − ε] então:

Z b Z b−ε
def
f (x)dx = lim f (x)dx
a ε→0+ a

Se a for o ponto singular tem-se

Z b Z b
def
f (x)dx = lim f (x)dx
a ε→0+ a+ε

Se o ponto singular estiver no interior do intervalo [a, b] , isto é , se for um ponto c tal que a < c < b
tem-se:

Z b Z c Z b Z c−ε Z c+ε
def
f (x)dx = f (x)dx + f (x)dx = lim f (x)dx + lim f (x)dx
a a c ε→0+ a ε→0+ a
206 Matemática I - Da teoria à Prática

Em cada um dos casos acima se o limite existir , isto é , se for um número finito , diz-se que o integral
impróprio converge , no caso contrário diz-se que diverge .

4.7.5 Critério de convergência


Z b
Teorema 4.11. Suponhamos que ∀x ∈ [a, b], |f (x)| ≤ g(x) e o integral g(x)dx é convergente ,
Z b a

então o integral f (x)dx também é convergente.


a Z b Z b
Se f (x) < g(x), ∀x ∈ [a, b] e f (x)dx diverge , então g(x)dx também diverge.
a a
Z b Z b
Se f (x) ∼ g(x), x → b , então f (x)dx e g(x)dx convergem ou divergem simultaneamente .
a a
Z 1
dx
Exemplo 4.41. Investigue a convergência do integral √
0 x + x3
Resolução:
1
f (x) = √ , ∀x ∈ (0, 1] , x = 0 é ponto singular
x + x3

I-Usando desigualdade
1
f (x) = √ , ∀x ∈ (0, 1]; x ∈ (0, 1]
√ + x3
x√
x + x3 ≥ x, 0 ≤ x < 1
1 1
f (x) = √ ≤ √ = g(x), 0 ≤ x ≤ 1
x+x 3 x
Z 1 Z 1
dx √ dx
√ = lim 2 x|1ε = 2 lim (1 − ε) = 2 , converge . Então √ também converge.
0 x ε→0+ ε→0 +
0 x + x3

II-Usando
√ equivalência
√ √
x + x3 x 1 + x2 p √
lim √ = lim √ = 1 =⇒ x + x3 ∼ x, x → 0
x→0 x x→0 x
Z 1 Z 1
1 1 dx dx
√ ∼ √ , x→0⇒ √ e √ convergem ou divergem simultaneamente; mas
x+x 3 x 0 x+x 3 x
Z 1 Z0 1
dx dx
já mostrou-se que √ converge , logo √ converge.
0 x 0 x + x3

a1−p

Z a
dx  converge para 1 − p , se p < 1

Teorema 4.12. Seja 0 < a < ∞ , então p 
0 x  diverge para ∞, se p ≥ 1

4.7.6 Cálculo de áreas

Teorema 4.13. Seja f (x) uma função não negativa e contı́nua no segmento [a, b].Então a área da
região plana G ,
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 207

G = {(x, y) : a ≤ x ≤ b, 0 ≤ y ≤ f (x)}

é dada pela fórmula

Z b
S= f (x)dx
a

f (x)

x
a b

Figura 4.14:

Exemplo 4.42. Calcule a área da figura limitada pelo gráfico de f (x) = x2 + 1 , pelos vértices x = 1
e x = 3 e pelo eixo das abcissas.
Resolução:

3
x3
Z
27 1 32
S= (x2 + 1)dx = ( + x)|31 = +3− −1=
1 3 3 3 3
Se a função f é negativa e contı́nua no segmento [a, b].Então a área da região plana G ,

G = {(x, y) : a ≤ x ≤ b, f (x) ≤ y ≤ 0}

é dada pela fórmula

Z b
S=− f (x)dx
a

Para a função com valores positivos e negativos no segmento [a, b]


208 Matemática I - Da teoria à Prática

y = x2 + 1

x
1 3

Figura 4.15:

−f (x)

x
a b

f (x)

Figura 4.16:

Tem-se:

Z b Z c Z d Z b
S= f (x)dx = f (x)dx − f (x)dx + f (x)dx
a a c d

Área da região limitada por duas curvas vide figura (4.18) :

Tem-se:
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 209

y f (x)

x
a c d b

Figura 4.17:

f (x)

g(x)
x
a b

Figura 4.18:

Z b
S= [f (x) − g(x)]dx
a

Se a função é dada na forma polar

Figura 4.19:
210 Matemática I - Da teoria à Prática

α≤ϕ≤β

Z β
1
S= ρ2 (ϕ)dϕ
2 α

4.7.7 Comprimento do arco duma curva

Seja Γ uma curva dada pela função y = f (x) , a ≤ x ≤ a. Suponhamos que a função f (x) é conti-
nuamente diferenciável no segmento [a, b]. Então o comprimento da curva é dada por

Z bp
s= 1 + [f 0 (x)]2 dx
a

1
Exemplo 4.43. Achar o comprimento do arco da curva y = x4 + de x = 1 a x = 2.
32x2
Resolução
s
Z 2  2 Z 2   
dy 1 1 3
s= 1+ dx = 4x3 + 3
dx = x4
− 2
|21 = 15 +
1 dx 1 16x 32x 128

Se Γ é dada na forma paramétrica , tem-se

Z bp
s= [x0 (t)]2 + [y 0 (t)]2 + [z 0 (t)]2 dt
a

Se Γ é dada na forma polar ρ(ϕ), α ≤ ϕ ≤ β o comprimento é dado pela fórmula

Z β p
s= ρ2 (ϕ) + [ρ0 (ϕ)]2 dϕ
α

4.7.8 Área de superfı́cie de revolução

Se f 0 (x) é contı́nua em [a, b] e a curva y = f (x) é rodado em torno do eixo OX , a área da superfı́cie
de revolução é :

Z b p
S = 2π |f (x)| 1 + [f 0 (x)]2 dx
a

Se for rodado em torno do eixo OY , a área da superfı́cie é

Z b p
S = 2π |x| 1 + [f 0 (x)]2 dx
a
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 211

Se g 0 (y) é contı́nua em [c, d] e a curva x = g(y) é rodado em torno do eixo OX , a área da


superfı́cie de revolução é :

Z d p
S = 2π |y| 1 + [g 0 (y)]2 dy
c

Se for rodado em torno do eixo OY , a área da superfı́cie é

Z d p
S = 2π |g(y)| 1 + [g 0 (y)]2 dy
c

Exemplo 4.44. Achar a área da superfı́cie da esfera de raio a .


Resolução

A superfı́cie esférica é gerada pela rotação da semi-circunferência y = a2 − x2 , (−a ≤ x ≤ a), em
torno do eixo OX.

dy x x
= −√ =−
dx 2
a −x2 y
A área da superfı́cie
s esférica é dada por
Z a  2 Z ap Z a√
x
S = 2π y 1+ dx = 4π 2 2
y + x dx = 4π a2 dx = 4πax|a−a = 4πa2 unidades
−a y −a −a
quadráticas .

Exemplo 4.45. Achar a área da superfı́cie de revolução gerada pela rotação do arco da curva y =
x2 , (0 ≤ x ≤ 1) , em torno do eixo OY .
Resolução
Z 1 p
S = 2π x 1 + 4x2 dx Seja u = 1 + 4x2 , du = 8xdx Então
0
π √
Z 1 p Z 5
π 1 π 3
S = 2π x 1 + 4x2 dx = u 2 du = u 2 |51 = (5 5 − 1) unidades quadráticas.
0 4 1 6 6

4.7.9 Volume do sólido de revolução

O volume V de um corpo situado entre x = a e x = x tendo a área da secção perpendicular ao eixo


OX igual a A(x) é dada pela fórmula

Z b
V = A(x)dx
a
212 Matemática I - Da teoria à Prática

A região plana limitada por x = a e x = b, y = f (x) é girada em torno do eixo OX , a secção do


corte é perpendicular ao eixo OX é um disco de raio R = |f (x)| cuja área é

A(x) = π[f (x)]2

Assim sendo o volume do corpo de revolução é

Z b
V =π [f (x)]2 dx
a

Exemplo 4.46. Achar o volume duma bola de raio a .


Resolução

A bola é gerada pela rotação do disco , 0 ≤ y ≤ a2− x2 , −a≤ x ≤ a pelo
 eixo OX
 ( veja figura )
Ra √ a x 3 1 4 3
V = π −a ( a2 − x2 )2 dx = 2π −a (a2 − x2 )dx = 2π a2 x − |a−a = 2π a3 − a3 =
R
πa
3 3 3
Exemplo 4.47. Achar o volume do corpo gerado pela rotação em torno do eixo OX da região plana
R , limitada pela curva y = x2 , rectas y = 2 e y = 1 .
Resolução
Z Z 1 Z 1
1 2 2 2 2 4
(3 − 4x2 + x4 )dx =
 
V = −1 π(2 − x ) − π(1) dx = π (3 − 4x + x )dx = 2π
−1 0
4x3 x5 1
   
4 1 56π
= 2π 3x − + |0 = 2π 3 − + =
3 5 3 5 15
O volume do sólido obtido da rotação da região planar 0 ≤ y ≤ f (x), a ≤ x < b em torno do eixo
OY é

Z b
V = 2π xf (x)dx
a

Exemplo 4.48. Achar o volume do corpo obtido pela rotação em torno do eixo OY do arco da
parábola y = x2 , 0 ≤ x ≤ 1.
Resolução
Z 1  2
x4 1 π

x
V = 2π x(1 − x2 )dx = 2π − |0 =
0 2 4 2
O volume de um corpo , obtido ao girar um sector limitado por um arco da curva ρ = ρ(ϕ) e dois
raios polares ϕ = α, ϕ = β(α < β) , em torno do eixo polar , é expressa pela fórmula
B. Adelino; C. Betuel; M. Tereza; N. Clarinda - 2015 213

Z β

V = ρ3 sin ϕdϕ
3 α

4.8 Aula 32 - Pratica

Os exercı́cios 1a, 1b, 2a, 2b, 3a, 4a, 5a, 5b devem ser resolvidos na qualidade de TPC.
Serão corrigidos e discutidos na aula prática. Os exercı́cios 1c, 2c, 3b, 4b deverão ser resolvidos
pelos estudantes para a consilidação do conhecimento e deverão ser entregues ao Docente de aulas
teóricas na aula teórica da semana seguinte.

1) Calcule os seguintes integrais impróprios :

Z ∞
1
(a) dx
2 (x − 1)3

Z 1
dx
(b) 2
−1 (x + 1) 3
Z +∞
x
(c) dx
−∞ 1 + x2

2) Usando critérios de convergência mostre que convergem ou divergem os seguintes integrais :

Z ∞
dx
(a) √
0 1+ x

Z ∞
3
(b) e−x dx
0

1
ex
Z
(c) dx
−1 x+1

3) Achar o comprimento do arco das seguintes curvas :

(a) y 3 = x2 de (−1, 1) a (1, 1)

(b) 4y = 2 ln x − x2 de x = 1 a x = e
214 Matemática I - Da teoria à Prática

4) Achar as áreas de superfı́cies de revolução obtidas pela rotação das seguintes curvas :

3
(a) y = x 2 , (0 ≤ x ≤ 1) em torno do eixo OY

x3 1
(b) y = + , (0 ≤ x ≤ 4) em torno do eixo OY
12 x

5) Achar o volume do sólido de revolução obtido pela rotação da região limitada por :

(a) y = x(2 − x), y = 0, x = 0 e x = 2 em torno do eixo OX e OY

1
(b) y = , y = 2, x = 0 e x = 1 em torno do eixo OX e OY
1 + x2

Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto, quanto você

Typeset by LATEX 2ε
Bibliografia

[1] Adams, R. (2003) Calculus: A Complete Course, Fifth Edition, Addison Wesley Longman, To-
ronto.

[2] Edwards, C. H. and D. E. Penney. (2002) Calculus, Sixth Edition, Prentice Hall, Inc., New Jersey.

[3] Demidovitch, B. (2004) Problemas e Exercı́cios de Análise Matemática, Ediçoes Lopes da Silva,
Porto - Portugal.

[4] Ferreira, R. S. (1999) Matemática Aplicada ás Ciências Agrárias, Viçosa.

[5] Piskunov, N. (1980) Cálculo Diferencial e Integral, São Paulo.

[6] Beirão, J. (2006) Introdução a Análise Matemática, Texto Editores Lda, Moçambique.

[7] Larson, R. Hostetler, R.P Edwards, B. H. (2006) Cálculo - Volume II, 8a Edição, McGraw-Hill,
São Paulo, Brasil.

215