Você está na página 1de 3

Conhecimentos Específicos

Redação
COMENTA
A prova de Redação do Vestibular 2015.2 da Universidade Estadual do Ceará (UECE) aborda a
temática da maioridade penal, questão que está em evidência nos últimos meses devido às recentes
propostas de redução dessa idade de 18 para 16 anos em nosso país. É importante percebermos que o
enfoque dado pelos textos motivadores traz discussões que extrapolam os simplistas posicionamentos
“a favor” e “contra”. Os questionamentos procuram demonstrar a complexidade da problemática da de-
linquência juvenil e analisar as características sociais que favorecem o fenômeno.
O texto I, por exemplo, defende que o entendimento sobre a maioridade penal deve comportar
três aspectos: o político, o social e o médico. Para o autor, o enfoque da decisão política, responsável
por estipular o limite penal, resulta mais de uma visão social que de uma abordagem científica, o que é
um erro na opinião do autor. Para ele, é preciso que a ciência determine a partir de que idade um jovem
torna-se consciente da responsabilidade por seus atos. Será possível, no entanto, que a ciência respon-
da, de forma tão categórica, a algo tão subjetivo? Não haveria fatores – para além da genética – que
individualizassem tal discernimento? São ideias a ser consideradas pelo candidato, que pode responder
a elas de forma afirmativa ou negativa.
A autora do texto II chama atenção ao fato de nunca ter havido, na história da humanidade, tão
numerosa população de jovens. Os impactos positivos que essa configuração social pode ter sobre a
economia dependem de um adequado investimento em direitos fundamentais desses jovens e de ações
e políticas públicas. A autora exemplifica essa ideia citando o trabalho da ONG Terre des hommes, que
atua em comunidades brasileiras por meio de espaços comunitários juvenis. No que diz respeito à forma
como deve ser tratada a juventude brasileira, o que está em debate não é o que fazer com o jovem que
comete o crime, mas como a sociedade e o Estado devem se portar para que tal crime não ocorra.
O texto III, após afirmar que a redução da maioridade penal não soluciona a violência, apresenta
ações do governo e da sociedade que contribuiriam para a efetiva redução da criminalidade juvenil. O que
chama a atenção no texto é a necessidade de haver uma atitude proativa do poder público e da sociedade
civil diante desse grave problema.
Por fim, a poetisa goiana Cora Coralina é autora do texto IV da prova de Redação. Seu texto, a
poesia Menor abandonado, é de cunho estritamente social. De forma sensível, ela nos apresenta a tra-
jetória de um menor – infelizmente história tão comum – a quem muito foi negado e de quem muito foi
cobrado. A crítica decorre do desrespeito aos direitos fundamentais de uma criança que, impelida por
essa condição, torna-se um adulto infrator. Adulto julgado de forma impiedosa como se somente a ele
coubesse a responsabilidade por sua condição.
A partir de todos os pontos de vista elencados nos quatro textos-base da prova, o candidato é
orientado a escolher uma entre as duas sugestões de escrita. A Sugestão 1 solicita a produção de um
texto argumentativo acerca da maioridade penal. Observemos que a proposta não se restringe a solicitar
do candidato opinião favorável ou contrária à redução dessa maioridade. Assim como fizeram os textos
motivadores da prova, a redação a ser produzida poderá transcender à cotidiana discussão acerca da
criminalização ou não do jovem de 16 anos e refletir sobre o que significa a um país adotar a rigidez
da punição como postura de combate ao crime. É possível ao candidato analisar todos os aspectos que
devem, em sua opinião, definir o limite a partir do qual uma pessoa deve responder por seus crimes. É
cabível também uma crítica à forma como os representantes políticos, a sociedade civil, os meios de co-
municação têm tratado esse tema. É importante reparar que o tema da dissertação é maioridade penal,
e não redução da maioridade penal. Está claro que o candidato que limitar seu texto a discorrer sobre a
redução dessa idade criminal, contanto que defenda um ponto de vista, não terá fugido do tema, nem
cometido genuinamente um erro, no entanto as possibilidades de interpretação da proposta estendem-se
muito além desse tipo de abordagem.
A Sugestão 2 demanda um texto descritivo, o que não tem sido muito comum nos vestibulares dos
últimos anos. O candidato deve imaginar uma cidade com índice de violência zero e descrevê-la em sua
redação. Essa descrição deve detalhar as características que contribuem para essa conquista. É preciso
que se pense: o que seria capaz de levar o índice de violência de uma cidade a zero? A resposta a esse
questionamento é o mais importante a ser apresentado no texto. Não se trata, portanto, de uma descri-
ção com enfoque no ambiente físico, na quantidade de habitantes ou em informações estruturais, mas
sim nas soluções, nos procedimentos realizados para que a violência não ocorra. A proposta considera
os habitantes “satisfeitos, tranquilos e felizes”, de modo que a violência sequer acontece, não precisando
ser combatida posteriormente. O autor da redação deve descrever que medidas ele considera capazes
de prevenir a delinquência. Notemos que a Sugestão 2 não se detém apenas à questão da maioridade
penal, mas da criminalidade como um todo.

Digitador: Cynara
Revisor: Flávio

Você também pode gostar