Você está na página 1de 55

PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)

PROFESSOR TERROR
Português para Tribunal Regional do Trabalho 9ª Região
(teoria e questões comentadas)

Aula 01
Verbo (flexão de verbos irregulares)

Olá!

Bem-vindo(a) ao nosso curso de Português para o TRT-9ª Região. De


antemão, peço a você que não deixe a matéria acumular, pois a quantidade de
material vai aumentando à medida que os assuntos vão se somando.
Como disse na aula anterior, NÃO DECORE!!!! Estude focando a
quantidade de questões. O tópico que possui mais questões é mais importante.
Fazendo isso, você otimiza e organiza seu estudo. Sempre atente à revisão no
final da aula.
Vamos agora trabalhar o último tópico sobre o assunto VERBO, que é
forte na banca Fundação Carlos Chagas. Vimos na aula passada que esta
banca cobra o reconhecimento do modo e do tempo verbal, seu emprego e
a correlação. Fizemos bastantes questões. Nesta aula, vamos às flexões dos
verbos irregulares. Para isso é importante vermos alguns conceitos.
Vimos na aula anterior o que é a raiz (radical) de um verbo: cantar,
beber e partir. Agora veremos que, quando a vogal tônica está no radical do
verbo, temos as formas rizotônicas (rizo=raiz/radical; tônica=vogal de som
mais forte): estudo, compreendam, cantam.
Há também as formas arrizotônicas, isto é, a vogal tônica está fora do
radical: venderão, cantarei, conseguiríamos.
Outros conceitos importantes são os seguintes:
Regulares: verbos que mantêm a mesma base (radical). Perceba que
na flexão do verbo “cantar” se mantém a base “cant”:
eu canto .... talvez eu cante .... se eu cantasse...
Irregulares: verbos que não mantêm a mesma base (radical). Veja que
na flexão do verbo “saber”, a base “sab” se modifica:
eu sei ... talvez eu saiba .... se eu soubesse ...
Essa variação da base (radical), quando mudamos os tempos, mostra
que o verbo é irregular. Naturalmente, são justamente eles que caem na
prova.
Os verbos ser e ir, por apresentarem profundas alterações nos radicais
em sua conjugação, são chamados anômalos.
(ser) eu sou ... talvez eu seja ... se eu fosse...
(ir) eu vou ... talvez eu vá ... se eu fosse...

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 1


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Perceba que não mudamos só o radical. A palavra está totalmente
modificada.
Defectivos: não são conjugados em determinadas pessoas, tempos ou
modos. (teremos exemplos adiante)
Abundantes: apresentam mais de uma forma para determinada flexão.
(teremos exemplos adiante)

Conjugação de alguns verbos irregulares


Muitas questões da Fundação Carlos Chagas têm base nos verbos pôr,
ter, ver e vir (e seus derivados). Assim, atente à conjugação abaixo
especificada na região sombreada, além das setas.
Tempos e modos derivados do presente do indicativo:
Primeiro, perceba que o radical da primeira pessoa do singular do
presente do indicativo normalmente gera o radical do presente subjuntivo. Isso
é importante porque nos livra da decoreba, basta aplicar na conjugação. Veja:
presente do indicativo: eu vejo
Esse radical “vej-“ será empregado na flexão deste verbo no presente do
subjuntivo: talvez eu veja, tu vejas, ele veja, nós vejamos, vós vejais, eles
vejam.
Como vimos na aula passada, a vogal temática (A) vira desinência (E) e
a vogal temática (E ou I) vira desinência (A), quando temos o presente do
subjuntivo. Observe este mesmo verbo na forma infinitiva: ver (vogal temática
“e”). No presente do subjuntivo esta vogal vira “a”, agora com o nome de
desinência modo-temporal. É lógico que esta banca não pergunta o nome, mas
faz a troca desta vogal.
Veja outro: ele canta (infinitivo: cantar – vogal temática: “a”)
Talvez ele cante (desinência modo-temporal “e”). Confira isso pelo uso
da seta nas conjugações.
Lembre-se da formação do imperativo da aula passada. O afirmativo é
gerado pelo presente do indicativo nas segundas pessoas (tu/vós), retirando-
se o “s”. A terceira pessoa do singular (você) e do plural (vocês) e a primeira
do plural (nós) do imperativo afirmativo e todo o imperativo negativo são
gerados do presente do subjuntivo. (É só copiar!!!!)
Tempos derivados do pretérito perfeito do indicativo:
Note que, na segunda pessoa do singular do tempo pretérito perfeito do
indicativo, encontramos a terminação “-ste” (desinência número-pessoal). Ao
retirarmos esta terminação, sobra uma base, chamada tema. Essa base forma
o pretérito-mais-que-perfeito do indicativo, com acréscimo da desinência modo
temporal (-ra) e os tempos pretérito imperfeito do subjuntivo e futuro do
subjuntivo, com as desinências “-sse” e “-r”, respectivamente. Todos estão
sombreados a seguir.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 2


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
I - pôr
Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu ponho punha pus pusera porei poria
tu pões punhas puseste puseras porás porias
ele põe punha pôs pusera porá poria
nós pomos púnhamos pusemos puséramos poremos poríamos
vós pondes púnheis pusestes puséreis poreis poríeis
eles põem punham puseram puseram porão poriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu ponha pusesse puser - não -
tu ponhas pusesses puseres põe tu não ponhas tu
ele ponha pusesse puser ponha você não ponha você
nós ponhamos puséssemos pusermos ponhamos nós não ponhamos nós
vós ponhais pusésseis puserdes ponde vós não ponhais vós
eles ponham pusessem puserem ponham vocês não ponham vocês

Você verá que não é o verbo “pôr” que cai na prova, normalmente são
seus derivados que caem. Então veja quais são:
antepor, apor, compor, decompor, depor, expor, impor, indispor, justapor,
opor, predispor, pressupor, propor, repor, supor, transpor, etc.

Veja uma frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRT 4ªR 2006):
Quem não se dispor a torcer numa Copa terá dificuldade em se isolar
num canto aonde não cheguem as ressonâncias da competição.
Será que está correta a flexão verbal? Lógico que não! O verbo “dispor” é
derivado de “pôr” e nós não flexionamos “Quem não pôr”. O contexto pede o
tempo futuro do subjuntivo (puser), por isso a forma verbal correta é
“dispuser”:
Quem não se dispuser a torcer numa Copa terá dificuldade em se isolar
num canto aonde não cheguem as ressonâncias da competição.
Veja outra frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 4ªR 2008):
Serão bem-vindas todas as iniciativas que se proporem a melhorar a
qualidade dos noticiários de TV.
O verbo “propor” é derivado de “pôr” e nós não flexionamos no futuro do
subjuntivo “porem”, mas “puserem”, por isso a forma verbal correta é
“propuserem”:
Serão bem-vindas todas as iniciativas que se propuserem a melhorar a
qualidade dos noticiários de TV.
Veja outra frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 5ªR 2003):
Eles pressuporam que elas agiriam eticamente, mas os fatos que
advieram provaram o contrário.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 3


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
O verbo “pressupor” é derivado de “pôr” e nós não flexionamos no pretérito
perfeito do indicativo “eles poram”, mas “eles puseram”, por isso a forma
verbal correta é “pressupuseram”:
Eles pressupuseram que elas agiriam eticamente, mas os fatos que
advieram provaram o contrário.

II - ter e seus derivados abster, conter, deter, entreter, manter, obter,


reter, suster.
Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu tenho tinha tive tivera terei teria
tu tens tinhas tiveste tiveras terás terias
ele tem tinha teve tivera terá teria
nós temos tínhamos tivemos tivéramos teremos teríamos
vós tendes tínheis tivestes tivéreis tereis teríeis
eles têm tinham tiveram tiveram terão teriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu tenha tivesse tiver - não -
tu tenhas tivesses tiveres tem tu não tenhas tu
ele tenha tivesse tiver tenha você não tenha você
nós tenhamos tivéssemos tivermos tenhamos nós não tenhamos nós
vós tenhais tivésseis tiverdes tende vós não tenhais vós
eles tenham tivessem tiverem tenham vocês não tenham vocês

Veja uma frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRT 6ªR 2006):
Antigas práticas supersticiosas se manteram ao longo da história dos
povos, em todo o planeta.
Note que o verbo “manter” é derivado de “ter” e nós não flexionamos “eles
teram”. A construção correta no pretérito perfeito do indicativo é “eles
tiveram”, por isso a forma verbal correta é “mantiveram”:
Antigas práticas supersticiosas se mantiveram ao longo da história dos
povos, em todo o planeta.

Veja outra frase cobrada pela Fund. Carlos Chagas (TRT 6ªR 2006):

Os torcedores brasileiros ainda retêem, como glória máxima, a imagem


do nosso capitão erguendo a taça da penúltima Copa.

O verbo “reter” é derivado de “ter” e, na terceira pessoa do plural do presente


do indicativo, é flexionado assim: “têm”. Apenas os verbos “crer, dar, ler e
ver” dobram a vogal “e” (creem, deem, leem, veem). Assim, a forma verbal
correta é “retêm”:

Os torcedores brasileiros ainda retêm, como glória máxima, a imagem


do nosso capitão erguendo a taça da penúltima Copa.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 4
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Veja outra frase cobrada pela Fund Carlos Chagas (TRT 6ªR 2006):
É comum que os meninos menores não se detenhem diante da televisão,
quando se trata de um jogo da Copa da Mundo.

O verbo “deter” é derivado de “ter” e, na terceira pessoa do plural do presente


do subjuntivo, é flexionado assim: “tenham”. Assim, a forma verbal correta é
“retenham”:
É comum que os meninos menores não se detenham diante da
televisão, quando se trata de um jogo da Copa da Mundo.

Veja outra frase cobrada pela Fund. Carlos Chagas (TRT 4ªR 2006):
Se os policiais não detessem os torcedores mais exagerados, certamente
não se veriam tantas famílias nos estádios alemães.
O verbo “deter” é derivado de “ter” e nós não flexionamos “se eles tessem”. A
construção correta é: “se eles tivessem”, por isso a forma verbal correta é
“detivessem”:
Se os policiais não detivessem os torcedores mais exagerados,
certamente não se veriam tantas famílias nos estádios alemães.

Veja outra frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 5ªR 2008):
A independência que os habitantes do Timor Leste obteram foi
reconhecida pela ONU; espera-se que venha a consolidar-se.
O verbo “obter” é derivado de “ter” e nós não flexionamos “teram”, no
pretérito perfeito do indicativo, mas “tiveram”, por isso a forma verbal correta
é “obtiveram”:
A independência que os habitantes do Timor Leste obtiveram foi
reconhecida pela ONU; espera-se que venha a consolidar-se.

Veja outra frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 5ªR 2008):
Se um otimista não se conter, sua expectativa de êxtase cresce tanto
que ele acaba por se juntar aos pessimistas.
O verbo “conter” é derivado de “ter” e nós não flexionamos “se ele ter”, no
futuro do subjuntivo, mas “se ele tiver”, por isso a forma verbal correta é
“contiver”:
Se um otimista não se contiver, sua expectativa de êxtase cresce tanto
que ele acaba por se juntar aos pessimistas.

Veja outra frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 1ªR 2011):
Se eu me abster, haverá empate na votação.
O verbo “abster” é derivado de “ter” e, no futuro do subjuntivo, flexionamos
“se eu tiver”, por isso a forma verbal correta é “abstiver”:
Se eu me abstiver, haverá empate na votação.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 5


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

III - ver e seus derivados antever, entrever, prever e rever

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu vejo via vi vira verei veria
tu vês vias viste viras verás verias
ele vê via viu vira verá veria
nós vemos víamos vimos víramos veremos veríamos
vós vedes víeis vistes víreis vereis veríeis
eles veem viam viram viram verão veriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu veja visse vir - não -
tu vejas visses vires vê tu não vejas tu
ele veja visse vir veja você não veja você
nós vejamos víssemos virmos vejamos nós não vejamos nós
vós vejais vísseis virdes vede vós não vejais vós
eles vejam vissem virem vejam vocês não vejam vocês

Veja uma frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRT 6ªR 2006):
Os homens primitivos anteveram benefícios na prática de certos rituais
supersticiosos.
O verbo “antever” é derivado de “ver” e nós não flexionamos “eles veram”. A
construção correta é: “eles viram”, por isso a forma verbal correta é
“anteviram”:

Os homens primitivos anteviram benefícios na prática de certos rituais


supersticiosos.

Veja outra frase cobrada pela Fund. Carlos Chagas (TRT 4ªR 2006):
Se nós revêssemos nosso comportamento durante uma Copa, pode ser
que fôssemos corrigir alguns excessos deles.
O verbo “rever” é derivado de “ver” e não podemos flexionar “se nós
vêssemos”. A construção correta, no pretérito imperfeito do subjuntivo, é: “se
nós víssemos”, por isso a forma verbal correta é “revíssemos”:

Se nós revíssemos nosso comportamento durante uma Copa, pode ser


que fôssemos corrigir alguns excessos deles.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 6


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
IV - Vir e seus derivados advir, avir-se, contravir, convir, desavir-se,
desconvir, intervir, provir, sobrevir.

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu venho vinha vim viera virei viria
tu vens vinhas vieste vieras virás virias
ele vem vinha veio viera virá viria
nós vimos vínhamos viemos viéramos viremos viríamos
vós vindes vínheis viestes viéreis vireis viríeis
eles vêm vinham vieram vieram virão viriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu venha viesse vier - não -
tu venhas viesses vieres vem tu não venhas tu
ele venha viesse vier venha você não venha você
nós venhamos viéssemos viermos venhamos nós não venhamos nós
vós venhais viésseis vierdes vinde vós não venhais vós
eles venham viessem vierem venham vocês não venham vocês

Veja uma frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRT 6ªR 2006):
Uma vez que não nos conviu nos afastarmos dos subterfúgios ilusórios,
também não nos convirá enfrentar nossa imagem num espelho verdadeiro.
O verbo “convir” é derivado de “vir” e nós não flexionamos “ele viu” (na ideia
de vir de algum lugar). A construção correta é: “ele veio”, por isso a forma
verbal correta é “conveio”.
Uma vez que não nos conveio nos afastarmos dos subterfúgios ilusórios,
também não nos convirá enfrentar nossa imagem num espelho verdadeiro.
Note que o verbo “convirá” está corretamente flexionado no futuro do presente
do indicativo.

Veja outra frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 5ªR 2003):
Se convirmos em que os fins justificam quaisquer meios, justificar-se-ão
até mesmo as maiores atrocidades.
O verbo “convir” é derivado de “vir” e nós não flexionamos “se virmos” (na
ideia de vir de algum lugar). A construção correta é: “se viermos”, por isso a
forma verbal correta é “conviermos”:
Se conviermos em que os fins justificam quaisquer meios, justificar-se-
ão até mesmo as maiores atrocidades.
Veja outra frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 5ªR 2003):
Atos éticos nunca adviram de meios antiéticos, segundo o que assevera a
autora do texto.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 7


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
O verbo “advir” é derivado de “vir” e nós não flexionamos “viram” (na ideia de
vir de alguma coisa). A construção correta é: “vieram”, por isso a forma verbal
correta é “advieram”:
Atos éticos nunca advieram de meios antiéticos, segundo o que
assevera a autora do texto.
V – Diferença na conjugação dos verbos prever, provir e prover:
O verbo prever é conjugado como o verbo ver. O verbo provir é
conjugado como o verbo vir. Assim, basta observar as conjugações de seus
verbos primitivos ver e vir, respectivamente, e acrescentar os prefixos. Mas o
verbo prover é conjugado, em boa parte, como o verbo ver e, no tempo
pretérito perfeito do indicativo e seus tempos derivados, ele é regular. Veja:

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu provejo provia provi provera proverei proveria
tu provês provias proveste proveras proverás proverias
ele provê provia proveu provera proverá proveria
nós provemos províamos provemos provêramos proveremos proveríamos
vós provedes províeis provestes provêreis provereis proveríeis
eles proveem proviam proveram proveram proverão proveriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu proveja provesse prover - não -
tu provejas provesses proveres provê tu não provejas tu
ele proveja provesse prover proveja você não proveja você
nós provejamos provêssemos provermos provejamos nós não provejamos nós
vós provejais provêsseis proverdes provede vós não provejais vós
eles provejam provessem proverem provejam vocês não provejam vocês

Veja duas frases cobradas pela Fund. Carlos Chagas (TRF 1ªR 2001):
I - O cronista provê de sonhos sua vida, ainda que sejam fugazes.
II - De onde proviram as gravatas, que se ostentam tão vaidosamente?
Como visto anteriormente, o verbo “prover” é derivado de “ver” no
presente do indicativo. Apenas, no tempo pretérito perfeito do indicativo e
seus tempos derivados, flexiona-se regularmente, como os verbos “beber”,
“vender”, “abastecer”. Assim, se o cronista “vê”, então o cronista “provê”. A
frase I está correta.
Já a frase II está errada, pois o verbo “provir” (vir de algum lugar) é
derivado de “vir”. Não se diz “eles viram”, mas “eles vieram”. Então o correto
é “provieram”.
II - De onde provieram as gravatas, que se ostentam tão
vaidosamente?

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 8


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Veja outra frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 1ªR 2011):
Está redigida de modo claro e em conformidade com o padrão culto
escrito a seguinte frase:
Surpreende a proposta feita anteontem, na diretoria pela secretária
geral, segundo a qual, porque não prouvemos o depósito de material de
limpeza, tenhamos de providenciá-lo a nossas próprias expensas.
Note que o verbo “prover”, no pretérito perfeito do indicativo, é regular:
“provemos”, como indicado no esquema da conjugação desse verbo
anteriormente. Perceba, também, que o verbo “tenhamos” não combina no
contexto, o tempo presente do indicativo (temos) transmite a ideia correta.
Há, também erro na pontuação, mas isso será comentado em outra aula.
Assim, a frase reescrita de acordo com o padrão culto é:
Surpreende a proposta feita anteontem, na diretoria, pela secretária
geral, segundo a qual, porque não provemos o depósito de material de
limpeza, temos de providenciá-lo a nossas próprias expensas.
Questão 1: SPPREV 2012 Analista em Gestão Previdenciária
Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas em:
(A) Certamente muitas das dúvidas que acabaram por colocar em xeque a
objetividade científica proviram do convívio mais intenso de alguns
cientistas com a arte.
(B) Grandes cientistas foram os que sempre obstaram a que prevalecessem
os preconceitos subjacentes a procedimentos científicos supostamente
imparciais.
(C) O artista que se dispor a conhecer um pouco mais da ciência poderá
também ver surgir os reflexos positivos desse conhecimento nas obras
que vier a criar.
(D) No dia em que revermos nossos conceitos sobre a arte e a ciência, bem
como melhor compreendermos as suas afinidades, nós só teremos a
ganhar.
(E) Quantas vezes já não se deteram os cientistas na discussão sobre a
parcela de objetividade que realmente caberia atribuir aos métodos
científicos?
Comentário: Na alternativa (A), o verbo “provir” se conjuga da mesma forma
que o verbo “vir”. Assim, se no pretérito perfeito do indicativo a terceira
pessoa do plural é “vieram”, com o verbo “provir” é “provieram”. Veja:
Certamente muitas das dúvidas que acabaram por colocar em xeque a
objetividade científica provieram do convívio mais intenso de alguns
cientistas com a arte.
A alternativa (B) é a correta. Note que o verbo “obstar” é regular, por
isso a sua flexão na terceira pessoa do plural do pretérito perfeito do
indicativo é realmente “obstaram”. Da mesma forma, o verbo “prevalecer” é
também regular e sua flexão no pretérito imperfeito do subjuntivo é
“prevalecessem”. Veja:
Grandes cientistas foram os que sempre obstaram a que prevalecessem os
preconceitos subjacentes a procedimentos científicos supostamente

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 9


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
imparciais.
Na alternativa (C), o verbo “dispor” se conjuga da mesma forma que o
verbo “pôr”. Assim, se no futuro do subjuntivo a terceira pessoa do singular é
“puser”, com o verbo “dispor” é “dispuser”. Veja:
O artista que se dispuser a conhecer um pouco mais da ciência poderá
também ver surgir os reflexos positivos desse conhecimento nas obras que
vier a criar.
Na alternativa (D), o verbo “rever” se conjuga da mesma forma que o
verbo “ver”. Assim, se no futuro do subjuntivo a primeira pessoa do plural é
“virmos”, com o verbo “rever” é “revirmos”. Veja:
No dia em que revirmos nossos conceitos sobre a arte e a ciência, bem como
melhor compreendermos as suas afinidades, nós só teremos a ganhar.
Na alternativa (E), o verbo “deter” se conjuga da mesma forma que o
verbo “ter”. Assim, se no pretérito perfeito do indicativo a terceira pessoa do
plural é “tiveram”, com o verbo “deter” é “detiveram”.
Quantas vezes já não se detiveram os cientistas na discussão sobre a parcela
de objetividade que realmente caberia atribuir aos métodos científicos?
Gabarito: B

Questão 2: TCE AM 2012 Analista de Controle Externo


Está correta a flexão de todas as formas verbais em:
(A) Se não deterem a escalada da censura moralista, os Estados Unidos
tornar-se-ão um país cada vez mais problemático em sua falsa ortodoxia
de valores.
(B) Quando todos convirmos em que é necessária uma linha divisória entre a
moral pública e a privada, nossos valores terão maior legitimidade.
(C) Toda promessa hipócrita que advir de uma falsa moralidade deverá ser
denunciada pelos eleitores, para que se eleve o nível das campanhas
eleitorais.
(D) Os candidatos sempre se entreteram com os números das campanhas,
sem atinar com a qualidade das teses e a possibilidade de cumprimento
das promessas.
(E) Quando revirmos os valores morais que sempre costumamos defender,
dar-nos-emos conta de quantos deles não deveriam merecer nosso
crédito.
Comentário: Na alternativa (A), o verbo “deter” se conjuga da mesma forma
que o verbo “ter”. Assim, se no futuro do subjuntivo a terceira pessoa do
plural é “tiverem”, com o verbo “deter” é “detiverem”. Veja:
Se não detiverem a escalada da censura moralista, os Estados Unidos tornar-
se-ão um país cada vez mais problemático em sua falsa ortodoxia de valores.
Na alternativa (B), o verbo “convir” se conjuga da mesma forma que o
verbo “vir”. Assim, se no futuro do subjuntivo a primeira pessoa do plural é
“viermos”, com o verbo “convir” é “conviermos”. Veja:
Quando todos conviermos em que é necessária uma linha divisória entre a
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 10
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
moral pública e a privada, nossos valores terão maior legitimidade.
Na alternativa (C), o verbo “advir” se conjuga da mesma forma que o
verbo “vir”. Assim, se no futuro do subjuntivo a terceira pessoa do singular é
“vier”, com o verbo “advir” é “advier”. Veja:
Toda promessa hipócrita que advier de uma falsa moralidade deverá ser
denunciada pelos eleitores, para que se eleve o nível das campanhas
eleitorais.
Na alternativa (D), o verbo “entreter” se conjuga da mesma forma que o
verbo “ter”. Assim, se no pretérito perfeito do indicativo a terceira pessoa do
plural é “tiveram”, com o verbo “entreter” é “entretiveram”. Veja:
Os candidatos sempre se entretiveram com os números das campanhas,
sem atinar com a qualidade das teses e a possibilidade de cumprimento das
promessas.
A alternativa (E) é a correta. Note que o verbo “ver”, na primeira pessoa
do plural do futuro do subjuntivo é “virmos”. Assim, o verbo “rever” no
mesmo tempo é “revirmos”. Note que houve mesóclise no verbo “daremos”,
pois percebemos a inserção do pronome oblíquo átono “nos”: dar-nos-emos.
Quando revirmos os valores morais que sempre costumamos defender, dar-
nos-emos conta de quantos deles não deveriam merecer nosso crédito.
Gabarito: E

Questão 3: Assembleia Legislativa 2010 - Agente


Os verbos grifados estão corretamente flexionados na frase:
(A) Após a catástrofe climática que se abateu sobre a região, os responsáveis
propuseram a liberação dos recursos necessários para sua reconstrução.
(B) Em vários países, autoridades se disporam a elaborar projetos que
prevessem a exploração sustentável do meio ambiente.
(C) Os consumidores se absteram de comprar produtos de empresas que não
consideram a sustentabilidade do planeta.
(D) A constatação de que a vida humana estaria comprometida deteu a
exploração descontrolada daquela área de mata nativa.
(E) Com a alteração climática sobreviu o excesso de chuvas que destruiu
cidades inteiras com os alagamentos.
Comentário: Abaixo, observe as frases já corretamente redigidas:
A alternativa (A) é a correta. Perceba que “propuseram” é derivado de “pôr”.
(B) Em vários países, autoridades se dispuseram a elaborar projetos que
previssem a exploração sustentável do meio ambiente.
(C) Os consumidores se abstiveram de comprar produtos de empresas que
não consideram a sustentabilidade do planeta.
(D) A constatação de que a vida humana estaria comprometida deteve a
exploração descontrolada daquela área de mata nativa.
(E) Com a alteração climática sobreveio o excesso de chuvas que destruiu
cidades inteiras com os alagamentos.
Gabarito: A

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 11


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Questão 4: TRE SE - 2007 - Técnico


O verbo corretamente flexionado está grifado na frase:
(A) Proporam-se medidas de caráter emergencial para controle das emissões
de gases poluentes na atmosfera.
(B) Medidas de controle da poluição atmosférica foram tomadas pelos
especialistas, para satisfazerem exigências legais.
(C) Diante do rompimento da tubulação de esgotos, as autoridades preveram
um surto de moléstias infecciosas na região.
(D) A chuva excessiva fez transbordar o córrego, de onde adviram inundações
e mortes com o alagamento da área urbana.
(E) Especialistas ateram-se à observação de certos fenômenos climáticos para
chegar à iminência de catástrofes em algumas regiões do planeta.
Comentário: Abaixo, observe as frases já corretamente redigidas:
(A) Propuseram-se medidas de caráter emergencial para controle das
emissões de gases poluentes na atmosfera. (derivado do verbo “pôr”)
A alternativa (B) está correta. Note que o verbo “satisfazer” está no infinitivo
flexionado.
Medidas de controle da poluição atmosférica foram tomadas pelos
especialistas, para satisfazerem exigências legais.
(C) Diante do rompimento da tubulação de esgotos, as autoridades previram
um surto de moléstias infecciosas na região. (derivado do verbo “ver”)
(D) A chuva excessiva fez transbordar o córrego, de onde advieram
inundações e mortes com o alagamento da área urbana. (derivado do verbo
“vir”)
(E) Especialistas ativeram-se à observação de certos fenômenos climáticos
para chegar à iminência de catástrofes em algumas regiões do planeta.
(derivado do verbo “ter”)
Gabarito: B

Verbos que despertam dúvidas de pronúncia e flexão


Adaptar, designar, impugnar, obstar, ritmar, dignar-se, impregnar,
indignar-se, optar, persignar-se, pugnar, raptar, resignar-se. Esses
verbos não formam sílaba nova na conjugação. Atente principalmente ao
presente do indicativo de alguns deles:
Deve-se dizer: Impugnam a lei, e não: *impuguinam; A injustiça nos indigna,
e não: *nos indiguina; Opto por ficar, e não: *opito.
Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu impugno impugnava impugnei impugnara impugnarei impugnaria
tu impugnas impugnavas impugnaste impugnaras impugnarás impugnarias
ele impugna impugnava impugnou impugnara impugnará impugnaria
nós impugnamos impugnávamos impugnamos impugnáramos impugnaremos impugnaríamos
vós impugnais impugnáveis impugnastes impugnáreis impugnareis impugnaríeis
eles impugnam impugnavam impugnaram impugnaram impugnarão impugnariam

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 12


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu impugne impugnasse
impugnar - não -
tu impugnes impugnasses
impugnares impugna tu não impugnes tu
ele impugne impugnasse
impugnar impugne você não impugne você
nós impugnemos impugnássemos impugnarmos impugnemos nós não impugnemos nós
vós impugneis impugnásseis impugnardes impugnai vós não impugneis vós
eles impugnem impugnassem impugnarem impugnem vocês não impugnem vocês

Aderir, advertir, competir, deferir, repelir...


...compelir, conferir, convergir, despir, desservir, discernir, dissentir, divergir,
ferir, impelir, interferir, investir, mentir, preferir, preterir, proferir, referir,
repetir, servir, sugerir, transferir, etc. A irregularidade desses verbos está em
a vogal e, última do radical, passar a i na 1ª pessoa do singular do presente do
indicativo e em todo o presente do subjuntivo, e a e aberto na 2ª e 3ª pessoas
do singular e 3ª do plural do presente do indicativo e 2ª pessoa do singular do
imperativo.
Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu adiro aderia aderi aderira aderirei aderiria
tu aderes aderias aderiste aderiras aderirás aderirias
ele adere aderia aderiu aderira aderirá aderiria
nós aderimos aderíamos aderimos aderíramos aderiremos aderiríamos
vós aderis aderíeis aderistes aderíreis aderireis aderiríeis
eles aderem aderiam aderiram aderiram aderirão adeririam
Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu adira aderisse aderir - não -
tu adiras aderisses aderires adere tu não adiras tu
ele adira aderisse aderir adira você não adira você
nós adiramos aderíssemos aderirmos adiramos nós não adiramos nós
vós adirais aderísseis aderirdes aderi vós não adirais vós
eles adiram aderissem aderirem adiram vocês não adiram vocês

Aguar e enxaguar
Com a reforma ortográfica, o u passou a ser tanto átono quanto tônico. Assim,
esses são verbos com duas possibilidades de conjugação.
Pres. ind.: águo, águas, água, aguamos, aguais, águam.
aguo, aguas, agua, aguamos, aguais, aguam.
Pret. perf. ind.: aguei, aguaste, aguou, aguamos, aguastes, aguaram.
Pres. subj.: águe, águes, águe, aguemos, agueis, águem.
ague, agues, ague, aguemos, agueis, aguem.
Imper. afirm.: água, águe, aguemos, aguai, águem.
agua, ague, aguemos, aguai, aguem.
Apaziguar, averiguar, obliquar
No presente do indicativo, o “u” é tônico, exceto na primeira e segunda
pessoas do plural. Compare com os dois verbos anteriores.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 13


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Presente do indicativo:
apaziguo, apaziguas, apazigua, apaziguamos, apaziguais, apaziguam.
Pretérito perfeito do indicativo:
apaziguei, apaziguaste, apaziguou, apaziguamos, apaziguastes, apaziguaram.
Presente do subjuntivo:
apazigue, apazigues, apazigue, apaziguemos, apazigueis, apaziguem.
Aprazer, comprazer, desprazer, descomprazer
Embora sejam derivados de prazer, que quase não é usado na 1ª e 2ª pessoa,
estes verbos possuem conjugação completa.

Indicativo
presente pretérito pretérito perfeito pretérito mais- futuro futuro do pretérito
imperfeito que-perfeito
eu aprazo aprazia aprouve aprouvera aprazerei aprazeria
tu aprazes aprazias aprouveste aprouveras aprazerás aprazerias
ele apraz aprazia aprouve aprouvera aprazerá aprazeria
nós aprazemos aprazíamos aprouvemos aprouvéramos aprazeremos aprazeríamos
vós aprazeis aprazíeis aprouvestes aprouvéreis aprazereis aprazeríeis
eles aprazem apraziam aprouveram aprouveram aprazerão aprazeriam
Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu apraza aprouvesse aprouver - não -
tu aprazas aprouvesses aprouveres apraze tu não aprazas tu
ele apraza aprouvesse aprouver apraza você não apraza você
nós aprazamos aprouvéssemos aprouvermos aprazamos nós não aprazamos nós
vós aprazais aprouvésseis aprouverdes aprazei vós não aprazais vós
eles aprazam aprouvessem aprouverem aprazam vocês não aprazam vocês

Questão 5: Assembleia Legislativa 2010 - Agente


Estão corretos o emprego e a forma dos verbos na frase:
(A) Ainda que retêssemos apenas lembranças felizes, as más lembranças não
tardariam a incorrer em nossa consciência.
(B) Se a adolescência nos provisse apenas de momentos felizes, a ninguém
conviria esperar pelos bons momentos da velhice.
(C) Se a um velho só lhe aprouver o lamento pelo tempo que já passou,
caber-lhe-á algo melhor que o temor do futuro?
(D) Costuma ser repelido o adulto experiente que intervir na conduta de um
jovem desorientado para tentar ratificar o rumo de sua vida.
(E) Sempre conviu ao homem primitivo orientar-se pela sabedoria dos
anciãos, ao passo que hoje poucos idosos conseguem fazer-se ouvido.
Comentário: Abaixo, observe as frases já corretamente redigidas:
(A) Ainda que retivéssemos apenas lembranças felizes, as más lembranças
não tardariam a incorrer em nossa consciência. (derivado de “ter”)
(B) Se a adolescência nos provesse apenas de momentos felizes, a ninguém
conviria esperar pelos bons momentos da velhice. (“provesse” vem do verbo
“prover”)
A alternativa (C) é a correta. Note que o verbo “aprouver” é o futuro do
subjuntivo do verbo “aprazer”.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 14
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Se a um velho só lhe aprouver o lamento pelo tempo que já passou, caber-
lhe-á algo melhor que o temor do futuro?
(D) Costuma ser repelido o adulto experiente que intervier na conduta de um
jovem desorientado para tentar retificar o rumo de sua vida. (derivado do
verbo “vir”)
(E) Sempre conveio ao homem primitivo orientar-se pela sabedoria dos
anciãos, ao passo que hoje poucos idosos conseguem fazer-se ouvido.
(derivado do verbo “vir”)
Gabarito: C

Questão 6: TRT 13ªR - 2005 Analista


Está correta a flexão de todas as formas verbais na frase:
(A) Giscard contrapôs às falas de Mitterrand a impressão de que este se
pronunciava como se detera o monopólio do coração.
(B) A mãe interviu na discussão, alegando que seu filho era alérgico a pêlos
de animais – razão pela qual se indispusera com a dona do cachorrinho.
(C) O autor afirma que sempre se comprazeu em participar de reuniões em
que todos envidam esforços na busca de soluções conciliatórias.
(D) Se condissessem com a verdadeira prática democrática, as campanhas
eleitorais não dariam lugar ao discurso que inclui arrogância na
argumentação.
(E) Caso Mitterrand contesse o ímpeto de sua fala, não houvera de
argumentar com tamanha simplificação e tão visível autoritarismo.
Comentário: Abaixo será destacada a flexão verbal já com correção. Você
notará que o verbo negritado e sublinhado foi corrigido e os outros serão
apenas sublinhados.
(A) Giscard contrapôs às falas de Mitterrand a impressão de que este se
pronunciava como se detivera o monopólio do coração.
(B) A mãe interveio na discussão, alegando que seu filho era alérgico a pelos
de animais – razão pela qual se indispusera com a dona do cachorrinho.
(C) O autor afirma que sempre se comprouve em participar de reuniões em
que todos envidam esforços na busca de soluções conciliatórias. (“comprouve”
é o pretérito perfeito do indicativo do verbo “comprazer”)
A alternativa correta é a (D). Note que o verbo “condissessem” deriva do
verbo “dizer”:
Se condissessem com a verdadeira prática democrática, as campanhas
eleitorais não dariam lugar ao discurso que inclui arrogância na
argumentação.
(E) Caso Mitterrand contivesse o ímpeto de sua fala, não haveria de
argumentar com tamanha simplificação e tão visível autoritarismo.
Gabarito: D

Questão 7: TRT 11ªR - 2005 Analista


Estão corretos o emprego e a forma dos verbos na frase:
(A) Ainda que retêssemos apenas lembranças felizes, as más lembranças não
tardariam a incorrer em nossa consciência.
(B) Se a adolescência nos provisse apenas de momentos felizes, a ninguém

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 15


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
conviria esperar pelos bons momentos da velhice.
(C)) Se a um velho só lhe aprouver o lamento pelo tempo que já passou,
caber-lhe-á algo melhor que o temor do futuro?
(D) Costuma ser repelido o adulto experiente que intervir na conduta de um
jovem desorientado para tentar ratificar o rumo de sua vida.
(E) Sempre conviu ao homem primitivo orientar-se pela sabedoria dos
anciãos, ao passo que hoje poucos idosos conseguem fazer-se ouvido.
Comentário: Abaixo será destacada a flexão verbal já com correção. Você
notará que o verbo negritado e sublinhado foi corrigido e os outros serão
apenas sublinhados.
(A) Ainda que retivéssemos apenas lembranças felizes, as más lembranças
não tardariam a incorrer em nossa consciência.
(B) Se a adolescência nos provesse apenas de momentos felizes, a ninguém
conviria esperar pelos bons momentos da velhice. (“provesse” é derivado do
verbo “prover”)
(C) Se a um velho só lhe aprouver o lamento pelo tempo que já passou,
caber-lhe-á algo melhor que o temor do futuro? (“aprouver” é o pretérito
perfeito do indicativo do verbo “aprazer”)
(D) Costuma ser repelido o adulto experiente que intervém na conduta de
um jovem desorientado para tentar ratificar o rumo de sua vida.
(E) Sempre conveio ao homem primitivo orientar-se pela sabedoria dos
anciãos, ao passo que hoje poucos idosos conseguem fazer-se ouvido.
Gabarito: C
Arguir, redarguir (o “u” é semivogal no infinitivo)
O u é tônico em quatro formas do presente do indicativo e subjuntivo. No
restante da conjugação, é átono quando seguido de i.
Pres. ind.: arguo , arguis, argui, arguímos, arguís, arguem.
Pret. Imp. Ind.: arguía, arguías, arguía, arguíamos, arguíeis, arguíam.
Pret. perf. ind.: arguí, arguíste, arguiu, arguímos, arguístes, arguíram.
Pres. subj.: argua , arguas, argua, arguamos, arguais, arguam.
Verbos terminados em “guir”
Distinguir, extinguir
Esses verbos possuem o dígrafo “gu” (duas letras com apenas um som).
Após “g” e “q” e antes de “e” e “i” (que, qui, gue, gui”), o “U” aparece para
soar /KÊ/ e /GÊ/. A falta do “u” no infinitivo “distinguir”, por exemplo, faria
com que o som fosse /JI/. Perceba, na conjugação deste verbo, que, quando
recebe as vogais “a” e “o”, deve perder o “u” (distingo, distinga). Quando
recebe as vogais “e” ou “i”, automaticamente se insere o “u” (sem som):
distinguir, distinguisse, distingue. Veja a conjugação.
Indicativo
presente pretérito pretérito perfeito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito que-perfeito pretérito
eu distingo distinguia distingui distinguira distinguirei distinguiria
tu distingues distinguias distinguiste distinguiras distinguirás distinguirias
ele distingue distinguia distinguiu distinguira distinguirá distinguiria
nós distinguimos distinguíamos distinguimos distinguíramos distinguiremos distinguiríamos
vós distinguis distinguíeis distinguistes distinguíreis distinguireis distinguiríeis
eles distinguem distinguiam distinguiram distinguiram distinguirão distinguiriam
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 16
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu distinga distinguisse distinguir - não -
tu distingas distinguisses distinguires distingue tu não distingas tu
ele distinga distinguisse distinguir distinga você não distinga você

nós distingamos distinguíssemos distinguirmos distingamos nós não distingamos nós


vós distingais distinguísseis distinguirdes distingui vós não distingais vós
eles distingam distinguissem distinguirem distingam vocês não distingam vocês

Veja uma frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 5ªR 2003):
A menos que distinguamos entre o bem e o mal, não haverá como aferir
a qualidade ética dos nossos atos.
Ao observarmos a conjugação deste verbo no presente do subjuntivo,
percebemos que a forma correta é “distingamos”:
A menos que distingamos entre o bem e o mal, não haverá como aferir
a qualidade ética dos nossos atos.
Crer, descrer
Estes verbos conjugam-se como ler.
O particípio é esquisito, mas é isso mesmo: crido.

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu creio cria cri crera crerei creria
tu crês crias creste creras crerás crerias
ele crê cria creu crera crerá creria
nós cremos críamos cremos crêramos creremos creríamos
vós credes críeis crestes crêreis crereis creríeis
eles creem criam creram creram crerão creriam
Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu creia cresse crer - não -
tu creias cresses creres crê tu não creias tu
ele creia cresse crer creia você não creia você
nós creiamos crêssemos crermos creiamos nós não creiamos nós
vós creiais crêsseis crerdes crede vós não creiais vós
eles creiam cressem crerem creiam vocês não creiam vocês

Veja a frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRT 6ªR 2006):
Todos aqueles que crêm na força dos talismãs sentem-se em segurança
ao usá-los.
O verbo “crer”, na terceira pessoa do plural do presente do indicativo,
dobra a vogal e não possui acento. Assim, a frase corretamente reescrita é:
Todos aqueles que creem na força dos talismãs sentem-se em
segurança ao usá-los.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 17


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Questão 8: TJ PI 2010 Analista
Todos os verbos estão corretamente flexionados na frase:
(A) Aqueles que preveram dificuldades trazidas pela globalização devem
reconhecer que ela trouxe também alguns benefícios.
(B) Alguns especialistas crêm na redução dos bolsões de pobreza no país, pois
boa parte da população brasileira obteu mais renda.
(C) Pesquisas feitas sobre a distribuição de renda indicam ter havido redução
das desigualdades, fato que constitui motivo de comemoração.
(D) O governo de muitos países interviu na economia para controlar os maus
resultados trazidos ao comércio pela crise mundial.
(E) Para que se mantessem os níveis sustentáveis de consumo, seria preciso
garantir renda suficiente às famílias de classe média.
Comentário: Abaixo, as frases já estão corrigidas e os verbos alterados estão
sublinhados e em negrito. Veja como foram explorados os verbos derivados de
“ver”, “ter” e “vir”. A FCC adora isso!!!!
(A) Aqueles que previram dificuldades trazidas pela globalização devem
reconhecer que ela trouxe também alguns benefícios.
(B) Alguns especialistas creem na redução dos bolsões de pobreza no país,
pois boa parte da população brasileira obteve mais renda.
A alternativa (C) é a correta. Note que “constitui” deve terminar em “i”.
Pesquisas feitas sobre a distribuição de renda indicam ter havido redução das
desigualdades, fato que constitui motivo de comemoração.
(D) O governo de muitos países interveio na economia para controlar os
maus resultados trazidos ao comércio pela crise mundial.
(E) Para que se mantivessem os níveis sustentáveis de consumo, seria
preciso garantir renda suficiente às famílias de classe média.
Gabarito: C
Haver
Note a irregularidade no presente do subjuntivo “haja”, forma que não é
originada do presente do indicativo.
Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu hei havia houve houvera haverei haveria
tu hás havias houveste houveras haverás haverias
ele há havia houve houvera haverá haveria
nós havemos havíamos houvemos houvéramos haveremos haveríamos
vós haveis havíeis houvestes houvéreis havereis haveríeis
eles hão haviam houveram houveram haverão haveriam
Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu haja houvesse houver - não -
tu hajas houvesses houveres há tu não hajas tu
ele haja houvesse houver haja você não haja você
nós hajamos houvéssemos houvermos hajamos nós não hajamos nós
vós hajais houvésseis houverdes havei vós não hajais vós
eles hajam houvessem houverem hajam vocês não hajam vocês

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 18


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Pesar
No sentido de “causar mágoa, desgosto”, pesar é defectivo e só se conjuga nas
terceiras pessoas. Quando possui sujeito oracional, permanece na 3ª pessoa
do singular. Quando o sujeito é substantivo ou palavra equivalente, concorda
com ele no singular ou plural:
Pesa-me saber essas notícias. (sujeito oracional = saber essas notícias)
Pesam-me notícias de morte. (sujeito = notícias de morte)

Querer (Compare com a conjugação do verbo “requerer”, adiante, no


pretérito perfeito do indicativo e seus tempos derivados)
Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do pretérito
imperfeito perfeito que-perfeito
eu quero queria quis quisera quererei quereria
tu queres querias quiseste quiseras quererás quererias
ele quer queria quis quisera quererá quereria
nós queremos queríamos quisemos quiséramos quereremos quereríamos
vós quereis queríeis quisestes quiséreis querereis quereríeis
eles querem queriam quiseram quiseram quererão quereriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu queira quisesse quiser - não -
tu queiras quisesses quiseres quere tu não queiras tu
ele queira quisesse quiser queira você não queira você
nós queiramos quiséssemos quisermos queiramos nós não queiramos nós
vós queirais quisésseis quiserdes querei vós não queirais vós
eles queiram quisessem quiserem queiram vocês não queiram vocês

Neste verbo há uma quebra da derivação do tempo presente do


subjuntivo em relação à primeira pessoa do presente do indicativo. Perceba
que “queira”, no presente do subjuntivo, não foi gerado de “quero”, presente
do indicativo; pois este verbo não possui o “i”.

Veja uma frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRF 1ªR 2011 ):
Está redigida de modo claro e em conformidade com o padrão culto
escrito a seguinte frase:
Quem quizesse afagar o ego do velho casmurro, lhe bastava oferecer
dois dedos de prosa e toda a paciência para ouvir-lhe em suas detalhadas
lembranças do tempo da guerra.
Esta frase não está correta, pois o verbo “querer”, no pretérito imperfeito
do subjuntivo, é “quisesse”. Esse verbo não recebe a letra “z” no radical, mas
“s”. Há outros vícios de linguagem na frase, mas cabe aqui comentar apenas o
verbo. Os outros problemas gramaticais serão comentados ao longo do nosso
curso. A frase reescrita de acordo com o padrão culto será:
A quem quisesse afagar o ego do velho casmurro, bastava-lhe oferecer
dois dedos de prosa e toda a paciência para ouvi-lo em suas detalhadas
lembranças do tempo da guerra.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 19
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Veja outra frase cobrada pela Fund. Carlos Chagas (TRT 4ªR 2011):

O período redigido de forma clara e correta é:


“Quizeram mediar as pessoas da comunidade atingida junto aos órgãos
públicos que lhe pudessem conceder ajuda imediata para o quê foram
incapazes.”
Veja como é explorado o verbo “querer” com “z” no tempo pretérito
perfeito do indicativo e seus derivados. De acordo com o que vimos na
conjugação, deve ser grafado com “s” (Quiseram). Além desse erro, há
outros, apontados na reescrita da frase, mas esses erros são tema de outras
aulas. Veja a reescrita:
“Quiseram mediar as pessoas da comunidade atingida junto aos órgãos
públicos que lhes pudessem conceder ajuda imediata para aquilo de que
foram incapazes.”

Requerer (compare com o verbo “querer”, já conjugado)


Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu requeiro requeria requeri requerera requererei requereria
tu requeres requerias requereste requereras requererás requererias
ele requer requeria requereu requerera requererá requereria
nós requeremos requeríamos requeremos requerêramos requereremos requereríamos
vós requereis requeríeis requerestes requerêreis requerereis requereríeis
eles requerem requeriam requereram requereram requererão requereriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu requeira requeresse requerer - não -
tu requeiras requeresses requereres requere tu não requeiras tu
ele requeira requeresse requerer requeira você não requeira você
nós requeiramos requerêssemos requerermos requeiramos nós não requeiramos nós
vós requeirais requerêsseis requererdes requerei vós não requeirais vós
eles requeiram requeressem requererem requeiram vocês não requeiram vocês

Note que o verbo “requerer” tem conjugação parecida com o verbo


“querer”; porém, no tempo pretérito perfeito do indicativo e seus derivados
(sombreados na conjugação), ele é conjugado regularmente. Isso é muito
importante.

Questão 9: TRF 5ª R 2012 Técnico Judiciário


Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas em:
(A) Enquanto não se disporem a considerar o cordel sem preconceitos, as
pessoas não serão capazes de fruir dessas criações poéticas tão originais.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 20
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
(B) Ainda que nem sempre detenha o mesmo status atribuído à arte erudita,
o cordel vem sendo estudado hoje nas melhores universidades do país.
(C) Rodolfo Coelho Cavalcante deve ter percebido que a situação dos
cordelistas não mudaria a não ser que eles mesmos requizessem o
respeito que faziam por merecer.
(D) Se não proveem do preconceito, a desvalorização e a pouca visibilidade
dessa arte popular tão rica só pode ser resultado do puro e simples
desconhecimento.
(E) Rodolfo Coelho Cavalcante entreveu que os problemas dos cordelistas
estavam diretamente ligados à falta de representatividade.
Comentário: A alternativa (B) é a correta, pois o verbo “detenha” está
corretamente flexionado no presente do indicativo (derivado de “ter”). Além
disso, a locução verbal “vem sendo estudado” está correta e se encontra na
voz passiva, a qual será estudada na aula de concordância.
A alternativa (A) está errada, pois o verbo “dispor” é gerado do verbo
“pôr”. Assim, se o futuro do subjuntivo deste verbo é “puserem”, basta
inserir o prefixo “dis-“: dispuserem. Note que o verbo “fruir” tem o sentido
de aproveitar, gozar, desfrutar; por isso está corretamente empregado. Veja:
“Enquanto não se dispuserem a considerar o cordel sem preconceitos, as
pessoas não serão capazes de fruir dessas criações poéticas tão originais.”
A alternativa (C) está errada, pois o verbo “requerer” não se flexiona da
mesma forma que “querer”. No tempo pretérito imperfeito do subjuntivo, sua
flexão é regular: requeressem. Veja:
“Rodolfo Coelho Cavalcante deve ter percebido que a situação dos cordelistas
não mudaria a não ser que eles mesmos requeressem o respeito que faziam
por merecer.”
A alternativa (D) está errada, pois o contexto nos faz entender que há o
verbo “provir” (ser originado de alguma coisa). Este verbo está flexionado na
terceira pessoa do plural, pois faz referência ao sujeito composto “a
desvalorização e a pouca visibilidade” Além disso, ele está flexionado no
presente do indicativo e é derivado do verbo “vir”. Assim, eles vêm, eles
provêm.
O sujeito composto “a desvalorização e a pouca visibilidade” força a locução
verbal ao plural: “podem ser resultado”. Veja:
“Se não provêm do preconceito, a desvalorização e a pouca visibilidade dessa
arte popular tão rica só podem ser resultado do puro e simples
desconhecimento.”
A alternativa (E) está errada, pois o verbo “entrever” é derivado do
verbo “ver”. Assim, se a terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do
verbo “ver” é “viu”, a do verbo “entrever” é “entreviu”. Veja:
“Rodolfo Coelho Cavalcante entreviu que os problemas dos cordelistas
estavam diretamente ligados à falta de representatividade.”
Gabarito: B

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 21


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Questão 10: TJ RJ 2012 Técnico de Atividade Judiciária


Está adequada a flexão de todos os verbos da frase:
(A) É possível que ele requera imediatamente sua aposentadoria; otimista,
espera que o pedido não lhe seja denegado.
(B) O autor estaria disposto a trabalhar no que lhe conviesse, depois de
aposentado, para assim imunizar-se contra os males do ócio.
(C) Se o autor manter com disciplina o cômputo diário do que resta para
aposentar-se, fará contas pelos próximos seis meses e 28 dias.
(D) Se nos propormos a trabalhar depois de aposentados, evitaremos os males
que costumam acometer os ociosos.
(E) Os que haverem de se aposentar proximamente serão submissos a uma
averiguação, a fim de serem saldadas as dívidas pendentes.
Comentário: A alternativa (B) é a correta, pois o verbo “conviesse” está
corretamente flexionado no pretérito imperfeito do subjuntivo (derivado de
“vir”: viesse→conviesse).
A alternativa (A) está errada, pois o verbo “requerer”, quando flexionado
no presente do subjuntivo, é “requeira”. Veja:
“É possível que ele requeira imediatamente sua aposentadoria; otimista,
espera que o pedido não lhe seja denegado.”
A alternativa (C) está errada, pois o verbo “manter” é derivado do verbo
“ter”. Assim, se a terceira pessoa do singular do futuro do subjuntivo do verbo
“ter” é “tiver”, a do verbo “manter” é “mantiver”. Veja:
“Se o autor mantiver com disciplina o cômputo diário do que resta para
aposentar-se, fará contas pelos próximos seis meses e 28 dias.”
A alternativa (C) está errada, pois o verbo “propor” é derivado do verbo
“pôr”. Assim, se a primeira pessoa do singular do futuro do subjuntivo do
verbo “pôr” é “pusermos”, a do verbo “propor” é “propusermos”. Veja:
“Se nos propusermos a trabalhar depois de aposentados, evitaremos os
males que costumam acometer os ociosos.”
A alternativa (E) está errada, pois o verbo “haver”, quando flexionado
na terceira pessoa do plural do futuro do subjuntivo, é “houverem”. Veja:
“Os que houverem de se aposentar proximamente serão submissos a uma
averiguação, a fim de serem saldadas as dívidas pendentes.”
Gabarito: B

Questão 11: TST 2012 Analista Judiciário – Área Administrativa


A flexão de todas as formas verbais está plenamente adequada na frase:
(A) Os que virem a desrespeitar quem não tem fé deverão merecer o repúdio
público de todos os homens de bem.
(B) Deixar de professar uma fé não constitue delito algum, ao contrário do
que julgam os fanáticos de sempre.
(C) Ninguém quererá condenar um ateu que se imbui do valor da ética e da
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 22
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
moral no convívio com seus semelhantes.
(D) Se não nos dispormos a praticar a tolerância, que razão teremos para nos
vangloriarmos de nossa fé religiosa?
(E) Quem requiser respeito para a fé que professa deve dispor-se a respeitar
quem não adotou uma religião.
Comentário: Na alternativa (A), ocorre a locução verbal “vir a desrespeitar”.
Tal locução verbal deve ser flexionada no futuro do subjuntivo: “vierem a
desrespeitar”. Veja:
Os que vierem a desrespeitar quem não tem fé deverão merecer o repúdio
público de todos os homens de bem.
Na alternativa (B), o verbo “constituir”, na terceira pessoa do singular
do presente do indicativo, deve receber a vogal “i”: “constitui”.
Deixar de professar uma fé não constitui delito algum, ao contrário do que
julgam os fanáticos de sempre.
A alternativa (C) é a correta. Apesar de pouco usarmos a flexão do
verbo “querer” no futuro do presente do indicativo, a sua conjugação é
realmente “quererá”. O verbo “imbuir”, na terceira pessoa do singular do
presente do indicativo, recebe a vogal “i”.
Ninguém quererá condenar um ateu que se imbui do valor da ética e da moral
no convívio com seus semelhantes.
Na alternativa (D), o verbo “dispor” é derivado do verbo “pôr” e sua
flexão no futuro do subjuntivo é “dispusermos”.
Se não nos dispusermos a praticar a tolerância, que razão teremos para nos
vangloriarmos de nossa fé religiosa?
Na alternativa (E), o verbo “requerer” no tempo futuro do subjuntivo é
regular e não se flexiona de acordo com o verbo “querer”. Compare:
Quem quiser... Quem requerer...
Quem requerer respeito para a fé que professa deve dispor-se a respeitar
quem não adotou uma religião.
Gabarito: C

Questão 12: TRF 2ªR 2012 Analista Judiciário – Área Administrativa


O emprego, a grafia e a flexão dos verbos estão corretos em:
(A) A revalorização e a nova proeminência de Paraty não prescindiram e não
requiseram mais do que o esquecimento e a passagem do tempo.
(B) Quando se imaginou que Paraty havia sido para sempre renegada a um
segundo plano, eis que ela imerge do esquecimento, em 1974.
(C) A cada novo ciclo econômico retificava-se a importância estratégica de
Paraty, até que, a partir de 1855, sobreviram longos anos de
esquecimento.
(D) A Casa Azul envidará todos os esforços, refreando as ações predatórias,
para que a cidade não sucumba aos atropelos do turismo selvagem.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 23
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
(E) Paraty imbuiu da sorte e do destino os meios para que obtesse, agora em
definitivo, o prestígio de um polo turístico de inegável valor histórico.
Comentário: Na alternativa (A), o verbo “requerer”, na terceira pessoa do
plural do pretérito perfeito do indicativo é regular: “requereram”. Veja:
A revalorização e a nova proeminência de Paraty não prescindiram e não
requereram mais do que o esquecimento e a passagem do tempo.
Na alternativa (B), o verbo “imergir” significa submergir, afundar. Além
disso, tal verbo exige a preposição “em” e não cabe no contexto. A grafia
correta neste contexto é “emerge”, pois significa “sair de”, “elevar-se”. Além
disso, perceba que há a preposição “de”, a qual é corretamente exigida por
este verbo (imergir em, emergir de).
Quando se imaginou que Paraty havia sido para sempre renegada a um
segundo plano, eis que ela emerge do esquecimento, em 1974.
Na alternativa (C), o verbo “retificar” significa “corrigir”, o que não cabe
neste contexto. Veja que o tema exige o verbo “ratificava”, o qual significa
“confirmava”. O verbo “sobreviram” não existe. O verbo “vir” recebeu o
prefixo “sobre-”. Como tal verbo se encontra no pretérito perfeito do
indicativo, a flexão correta é “sobrevieram”.
A cada novo ciclo econômico ratificava-se a importância estratégica de
Paraty, até que, a partir de 1855, sobrevieram longos anos de
esquecimento.
A alternativa (D) é a correta. Note que o verbo “envidar” está
corretamente flexionado no futuro do presente do indicativo (envidará). O
verbo “refrear”, no gerúndio, apenas recebe o sufixo “-ndo” (refreando). O
verbo “sucumba” é o presente do subjuntivo do verbo “sucumbir”.
A Casa Azul envidará todos os esforços, refreando as ações predatórias, para
que a cidade não sucumba aos atropelos do turismo selvagem.
Na alternativa (E), o verbo “imbuir” está corretamente flexionado no
pretérito perfeito do indicativo: “imbuiu”. O verbo “obtesse” não existe. O
verbo “obter” se flexiona como o verbo “ter”. Como tal verbo se encontra no
pretérito imperfeito do subjuntivo, a flexão correta é “obtivesse”.
Note que o substantivo “polo”, após a nova reforma ortográfica, perdeu
o acento.
Paraty imbuiu da sorte e do destino os meios para que obtivesse, agora em
definitivo, o prestígio de um polo turístico de inegável valor histórico.
Gabarito: D

Verbos terminados em -ear


Os verbos em -ear (cear, frear, nomear, passear, recear, etc.) trocam o
e pelo ditongo ei nas formas rizotônicas (1ª, 2ª, 3ª pessoas do singular e 3ª
pessoa do plural dos presentes do indicativo e subjuntivo).

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 24


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu nomeio nomeava nomeei nomeara nomearei nomearia
tu nomeias nomeavas nomeaste nomearas nomearás nomearias
ele nomeia nomeava nomeou nomeara nomeará nomearia
nós nomeamos nomeávamos nomeamos nomeáramos nomearemos nomearíamos
vós nomeais nomeáveis nomeastes nomeáreis nomeareis nomearíeis
eles nomeiam nomeavam nomearam nomearam nomearão nomeariam
Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu nomeie nomeasse nomear - não -
tu nomeies nomeasses nomeares nomeia tu não nomeies tu
ele nomeie nomeasse nomear nomeie você não nomeie você
nós nomeemos nomeássemos nomearmos nomeemos nós não nomeemos nós
vós nomeeis nomeásseis nomeardes nomeai vós não nomeeis vós
eles nomeiem nomeassem nomearem nomeiem vocês não nomeiem vocês

Questão 13: Polícia Civil MA - 2006 - Agente


O verbo corretamente flexionado está grifado na frase:
(A) As tropas americanas não conteram os ataques da população enfurecida à
Biblioteca Nacional.
(B) Saqueadores de museus contrabandeiam obras de raro valor arqueológico
no mercado internacional.
(C) Nazistas se proporam a destruir, em enormes fogueiras, livros
considerados perigosos na Alemanha.
(D) O problema que sobreviu à invasão americana no Iraque foi a destruição
de peças arqueológicas raríssimas.
(E) Os invasores do Iraque não antevieram as funestas consequências dos
saques, como o contrabando de obras valiosas.
Comentário: Abaixo, observe as frases já corretamente redigidas:
(A) As tropas americanas não contiveram os ataques da população
enfurecida à Biblioteca Nacional. (derivado do verbo “ter”)
(B) Saqueadores de museus contrabandeiam obras de raro valor arqueológico
no mercado internacional. (veja a conjugação de verbos terminados em “ear”)
(C) Nazistas se propuseram a destruir, em enormes fogueiras, livros
considerados perigosos na Alemanha. (derivado do verbo “pôr”)
(D) O problema que sobreveio à invasão americana no Iraque foi a
destruição de peças arqueológicas raríssimas. (derivado do verbo “vir”)
(E) Os invasores do Iraque não anteviram as funestas consequências dos
saques, como o contrabando de obras valiosas. (derivado do verbo “ver”)
Gabarito: B

Verbos terminados em –iar

Os verbos em -iar, como premiar e maquiar, com exceção dos verbos “MARIO”
(ver adiante), são conjugados regularmente.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 25


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Indicativo

presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do


imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu maquio maquiava maquiei maquiara maquiarei maquiaria
tu maquias maquiavas maquiaste maquiaras maquiarás maquiarias
ele maquia maquiava maquiou maquiara maquiará maquiaria
nós maquiamos maquiávamos maquiamos maquiáramos maquiaremos maquiaríamos
vós maquiais maquiáveis maquiastes maquiáreis maquiareis maquiaríeis
eles maquiam maquiavam maquiaram maquiaram maquiarão maquiariam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu maquie maquiasse maquiar - não -
tu maquies maquiasses maquiares maquia tu não maquies tu
ele maquie maquiasse maquiar maquie você não maquie você
nós maquiemos maquiássemos maquiarmos maquiemos nós não maquiemos nós
vós maquieis maquiásseis maquiardes maquiai vós não maquieis vós
eles maquiem maquiassem maquiarem maquiem vocês não maquiem vocês

Os verbos mediar, ansiar, remediar, incendiar e odiar, cujas iniciais


formam a palavra MÁRIO, conjugam-se, nas formas rizotônicas (1ª, 2ª, 3ª
pessoas do singular e 3ª pessoa do plural dos presentes do indicativo e
subjuntivo), como se terminassem em -ear. Será conjugado abaixo o verbo
“mediar”, o qual é o de maior ocorrência nas provas da FCC dentre os verbos
desta regra:

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu medeio mediava mediei mediara mediarei mediaria
tu medeias mediavas mediaste mediaras mediarás mediarias
ele medeia mediava mediou mediara mediará mediaria
nós mediamos mediávamos mediamos mediáramos mediaremos mediaríamos
vós mediais mediáveis mediastes mediáreis mediareis mediaríeis
eles medeiam mediavam mediaram mediaram mediarão mediariam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu medeie mediasse mediar - não -
tu medeies mediasses mediares medeia tu não medeies tu
ele medeie mediasse mediar medeie você não medeie você
nós mediemos mediássemos mediarmos mediemos nós não mediemos nós
vós medieis mediásseis mediardes mediai vós não medieis vós
eles medeiem mediassem mediarem medeiem vocês não medeiem vocês

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 26


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Veja uma frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (MPU 2007):
A frase em que a forma destacada está apropriada às normas gramaticais é:
Espero que ele medie a reunião com a isenção de espírito de que todos
necessitamos.

Veja como é explorado o verbo “mediar” no tempo presente do


subjuntivo. De acordo com o que vimos na conjugação, deve ser flexionado
“medeie”. Veja a reescrita:
Espero que ele medeie a reunião com a isenção de espírito de que todos
necessitamos.

Verbos terminados em -uar

Verbos como atuar, atenuar, efetuar, extenuar, etc. possuem a vogal temática
“a”, a qual se transforma em desinência “e”, e não i, no presente do
subjuntivo.

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu atuo atuava atuei atuara atuarei atuaria
tu atuas atuavas atuaste atuaras atuarás atuarias
ele atua atuava atuou atuara atuará atuaria
nós atuamos atuávamos atuamos atuáramos atuaremos atuaríamos
vós atuais atuáveis atuastes atuáreis atuareis atuaríeis
eles atuam atuavam atuaram atuaram atuarão atuariam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu atue atuasse atuar - não -
tu atues atuasses atuares atua tu não atues tu
ele atue atuasse atuar atue você não atue você
nós atuemos atuássemos atuarmos atuemos nós não atuemos nós
vós atueis atuásseis atuardes atuai vós não atueis vós
eles atuem atuassem atuarem atuem vocês não atuem vocês

Verbos terminados em –uir

Os verbos afluir, anuir, atribuir, concluir, constituir, contribuir, destituir, diluir,


diminuir, distribuir, estatuir, imbuir, imiscuir, influir, instituir, instruir, possuir,
restituir, ruir, etc. são grafados com is e i (e não es, e) na 2ª e 3ª pessoa do
singular do presente do indicativo. Deve-se acentuar o i quando for tônico e
formar sílaba sozinho ou acompanhado de s. Note que o verbo “imiscuir” tem
caído muito nas provas da FCC. Sua conjugação é igual ao do verbo “possuir”,
conjugado abaixo.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 27


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Indicativo

presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do


imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu possuo possuía possuí possuíra possuirei possuiria
tu possuis possuías possuíste possuíras possuirás possuirias
ele possui possuía possuiu possuíra possuirá possuiria
nós possuímos possuíamos possuímos possuíramos possuiremos possuiríamos
vós possuís possuíeis possuístes possuíreis possuireis possuiríeis
eles possuem possuíam possuíram possuíram possuirão possuiriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu possua possuísse possuir - não -
tu possuas possuísses possuíres possui tu não possuas tu
ele possua possuísse possuir possua você não possua você
nós possuamos possuíssemos possuirmos possuamos nós não possuamos nós
vós possuais possuísseis possuirdes possuí vós não possuais vós
eles possuam possuíssem possuírem possuam vocês não possuam vocês

Questão 14: TRT 2ªR 2008 Analista


Todas as formas verbais estão corretamente empregadas e flexionadas na
frase:
(A) Não há nada que impela mais ao registro confessional da linguagem do
que uma vocação poética essencialmente lírica.
(B) O juiz disse ao amigo que lhe convira frequentar as duas linguagens, a
poética e a jurídica.
(C) Constatou que nos poemas não se vislumbrava qualquer marca que
adviesse da formação profissional do amigo.
(D) O juiz lembrou ao amigo que o ofício de poeta não destitue de
objetividade o ofício de julgar.
(E) Nem bem se detera na leitura dos poemas do amigo e já percebera que
se tratava de uma linguagem muito depurada.
Comentário: Abaixo, observe as frases já corretamente redigidas:
(A) Não há nada que impila mais ao registro confessional da linguagem do
que uma vocação poética essencialmente lírica. (Este verbo é conjugado
conforme o verbo “aderir”. Confira na conjugação feita anteriormente)
(B) O juiz disse ao amigo que lhe conviera frequentar as duas linguagens, a
poética e a jurídica.
A alternativa (C) é a correta. Perceba que o primeiro verbo é regular e é o
pretérito imperfeito do indicativo do verbo “vislumbrar”. O segundo é derivado
do verbo “vir”.
Constatou que nos poemas não se vislumbrava qualquer marca que adviesse
da formação profissional do amigo.
(D) O juiz lembrou ao amigo que o ofício de poeta não destitui de
objetividade o ofício de julgar. (a conjugação deste verbo é igual a “possuir”.
Confira!)
(E) Nem bem se detivera na leitura dos poemas do amigo e já percebera que
se tratava de uma linguagem muito depurada.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 28
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Gabarito: C

Os verbos construir, desconstruir, destruir e reconstruir, na segunda e


terceira pessoa do singular e na terceira do plural do presente do indicativo,
possuem “o” aberto. Veja:
Pres. ind.: construo, constróis, constrói, construímos, construís, constroem.
Imper. afirm.: constrói tu.

Veja uma frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (MPU 2007):

A frase em que a forma destacada está apropriada às normas gramaticais é:


Quem disse que ele constroe toda essa argumentação sem apoio de
advogados?
Vimos que a conjugação do verbo “construir”, na terceira pessoa do singular
do presente do indicativo, é “constrói”. Veja a reescrita:
Quem disse que ele constrói toda essa argumentação sem apoio de
advogados?
Verbos terminados em -zer e –zir

a) fazer, liquefazer, perfazer, desfazer, refazer, satisfazer


Note que esses verbos perdem a vogal e final na 3ª pessoa do singular do
presente do indicativo e (não obrigatoriamente) na 2ª pessoa do singular do
imperativo afirmativo, quando o z não é precedido de consoante. Uma seta
indicará isso na conjugação abaixo:

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu faço fazia fiz fizera farei faria
tu fazes fazias fizeste fizeras farás farias
ele faz fazia fez fizera fará faria
nós fazemos fazíamos fizemos fizéramos faremos faríamos
vós fazeis fazíeis fizestes fizéreis fareis faríeis
eles fazem faziam fizeram fizeram farão fariam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu faça fizesse fizer - não -
tu faças fizesses fizeres faze tu não faças tu
ele faça fizesse fizer faça você não faça você
nós façamos fizéssemos fizermos façamos nós não façamos nós
vós façais fizésseis fizerdes fazei vós não façais vós
eles façam fizessem fizerem façam vocês não façam vocês

(ou faz)

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 29


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Veja a frase cobrada pela Fundação Carlos Chagas (TRT 6ªR 2006):
Era importante para o homem primitivo que os feitiços desfazessem
possíveis perigos.
O verbo “desfazer” é derivado do verbo “fazer”. Este, na terceira pessoa
do plural do pretérito imperfeito do subjuntivo, flexiona-se “fizessem”. Por isso
o correto seria: desfizessem:
Era importante para o homem primitivo que os feitiços desfizessem
possíveis perigos.
Questão 15: BB 2012 Engenheiro de Segurança
Façamo-nos videntes: olhemos devagar para a cor das paredes.
A frase acima permanecerá correta caso se substituam as formas sublinhadas
por:
(A) Faça-se vidente - olha
(B) Faz-te vidente - olha
(C) Fazei-vos videntes - olheis
(D) Façam-se videntes - olhai
(E) Faça-te vidente - olhes
Comentário: O verbo “fazer” está flexionado na primeira pessoa do plural do
imperativo afirmativo. O mesmo ocorre com o verbo “olhar”.
Você verá, nas aulas seguintes que, quando o verbo estiver flexionado
na primeira pessoa do plural e em seguida houver o pronome oblíquo átono
“nos”, o “s” é excluído.
Nesta questão, você terá que observar se os dois verbos permanecem
na mesma pessoa do discurso. Vejamos a conjugação deles no imperativo
afirmativo:
presente do indicativo imperativo afirmativo presente do subjuntivo
eu faço, olho, - talvez eu faça, olhe
tu fazes, olhas, faze(faz), olha tu talvez tu faças, olhes
ele faz, olha, faça, olhe você talvez ele faça, olhe
nós fazemos, olhamos façamos, olhemos talvez nós façamos, olhemos
vós fazeis, olhais fazei, olhai talvez vós façais, olheis
eles fazem, olham façam, olhem talvez eles façam, olhem

A alternativa (A) está errada, porque o verbo “Faça” está flexionado na


terceira pessoa do singular (você); já o verbo “olha” está flexionado na
segunda pessoa do singular (tu).
A alternativa (B) é a correta, porque o verbo “Faz” está flexionado na
segunda pessoa do singular (tu). Note que pode haver a variação “faze”,
“faz”. O verbo “olha” também está flexionado na segunda pessoa do singular
(tu).
A alternativa (C) está errada, porque o verbo “Fazei” está flexionado na
segunda pessoa do plural (vós); já o verbo “olheis” está flexionado
equivocadamente. Deve-se retirar o “s” e manter a vogal temática “a” para
manter o imperativo afirmativo na segunda pessoa do singular (tu). A flexão
correta é “Olhai”.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 30
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
A alternativa (D) está errada, porque o verbo “Façam” está flexionado
na terceira pessoa do plural (vocês); já o verbo “olhai” está flexionado na
segunda pessoa do plural (vós).
A alternativa (E) está errada, porque o verbo “Faça” está flexionado na
terceira pessoa do singular (você), não cabendo o pronome “te”, mas “se”. Já
o verbo “olhes” está flexionado equivocadamente. A flexão correta para
manter o imperativo afirmativo na terceira pessoa do singular (você) é
“Olhe”.
Gabarito: B

b) dizer, bendizer, condizer, contradizer, desdizer, maldizer,


predizer

Os futuros do indicativo desse verbo e seus derivados são irregulares, já


que perdem a sílaba “ze” (confira na conjugação).
O particípio desse verbo e de seus derivados é irregular: dito, bendito,
contradito...
Note que esses verbos perdem a vogal e final na 3ª pessoa do singular
do presente do indicativo e (não obrigatoriamente) na 2ª pessoa do singular
do imperativo afirmativo, quando o z não é precedido de consoante. Uma seta
indicará isso na conjugação abaixo:

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu digo dizia disse dissera direi diria
tu dizes dizias disseste disseras dirás dirias
ele diz dizia disse dissera dirá diria
nós dizemos dizíamos dissemos disséramos diremos diríamos
vós dizeis dizíeis dissestes disséreis direis diríeis
eles dizem diziam disseram disseram dirão diriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu diga dissesse disser - não -
tu digas dissesses disseres dize tu não digas tu
ele diga dissesse disser diga você não diga você
nós digamos disséssemos dissermos digamos nós não digamos nós
vós digais dissésseis disserdes dizei vós não digais vós
eles digam dissessem disserem digam vocês não digam vocês

(ou diz)

c) trazer

Os futuros do indicativo desse verbo e seus derivados são irregulares, já


que perdem a sílaba “ze” (confira na conjugação).

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 31


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu trago trazia trouxe trouxera trarei traria
tu trazes trazias trouxeste trouxeras trarás trarias
ele traz trazia trouxe trouxera trará traria
nós trazemos trazíamos trouxemos trouxéramos traremos traríamos
vós trazeis trazíeis trouxestes trouxéreis trareis traríeis
eles trazem traziam trouxeram trouxeram trarão trariam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu traga trouxesse trouxer - não -
tu tragas trouxesses trouxeres traze tu não tragas tu
ele traga trouxesse trouxer traga você não traga você
nós tragamos trouxéssemos trouxermos tragamos nós não tragamos nós
vós tragais trouxésseis trouxerdes trazei vós não tragais vós
eles tragam trouxessem trouxerem tragam vocês não tragam vocês

(ou traz)

d) aduzir, conduzir, deduzir, introduzir, traduzir

Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu traduzo traduzia traduzi traduzira traduzirei traduziria
tu traduzes traduzias traduziste traduziras traduzirás traduzirias
ele traduz traduzia traduziu traduzira traduzirá traduziria
nós traduzimos traduzíamos traduzimos traduzíramos traduziremos traduziríamos
vós traduzis traduzíeis traduzistes traduzíreis traduzireis traduziríeis
eles traduzem traduziam traduziram traduziram traduzirão traduziriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito futuro afirmativo negativo
imperfeito
eu traduza traduzisse traduzir - não -
tu traduzas traduzisses traduzires traduze tu não traduzas tu
ele traduza traduzisse traduzir traduza você não traduza você
nós traduzamos traduzíssemos traduzirmos traduzamos nós não traduzamos nós
vós traduzais traduzísseis traduzirdes traduzi vós não traduzais vós
eles traduzam traduzissem traduzirem traduzam vocês não traduzam vocês

(ou traduz)
Verbos Defectivos

Chamam-se defectivos os verbos que não possuem conjugação


completa, ou seja, deixam de ser flexionados em algumas formas.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 32


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Em geral, o fator determinante da classificação de um verbo como
defectivo é de natureza morfológica ou eufônica. Se fosse completo, o verbo
falir, por exemplo, apresentaria, no presente do indicativo, eu falo, tu fales, ele
fale. Falo é forma do presente do indicativo de falar; fales e fale são do
presente do subjuntivo do mesmo verbo. Isso implicaria um problema
morfológico, ou seja, formas iguais para verbos diferentes (porém a norma
gramatical deixou escapar alguns verbos de formas iguais, não os colocando
como defectivos para evitar problemas ainda maiores).
Dividimos os defectivos em dois grupos para facilitar a aprendizagem.
Primeiro grupo

Verbos que, no presente do indicativo, deixam de ser conjugados apenas


na primeira pessoa do singular, consequentemente não apresentam presente
do subjuntivo e imperativo negativo. O imperativo afirmativo limita-se às
pessoas diretamente provenientes do indicativo (tu e vós). É o caso, entre
outros, dos verbos:
abolir aturdir banir bramir
carpir colorir delinquir demolir
esculpir espargir exaurir explodir
extorquir feder fremer (ou fremir) fulgir
haurir impingir retorquir ruir

ABOLIR
presente do indicativo imperativo afirmativo
eu - -
tu aboles abole tu
ele abole -
nós abolimos -
vós abolis aboli vós
eles abolem -
Na necessidade de se utilizarem esses verbos na primeira pessoa do
singular, ou no presente do subjuntivo, é recomendado substituir por um
sinônimo não defectivo. Por exemplo: “É preciso que se revogue” “É preciso
que se anule”, pois não se pode usar que “se abula” (do verbo “abolir”).
Da mesma forma, utilize “Para que se esgotem”, evitando a construção
“exauram” (do verbo “exaurir”).
Segundo grupo

Verbos que, no presente do indicativo, são conjugados apenas na


primeira e na segunda pessoas do plural (nós, vós). Os verbos desse grupo
não possuem presente do subjuntivo e imperativo negativo. O imperativo
afirmativo limita-se à forma diretamente retirada do presente do indicativo.
É o caso dos verbos:
adequar aguerrir combalir comedir-se falir fornir
foragir-se precaver reaver remir ressarcir ressequir

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 33


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
adequar, falir, precaver, reaver,
presente do indicativo imperativo afirmativo
eu - -
tu - -
ele - -
nós adequamos, falimos, precavemos, reavemos -
vós adequais, falis, precaveis, reaveis adequai, fali, precavei, reavei
eles - -
Veja a flexão de dois verbos que normalmente caem na prova:
precaver
Indicativo
presente pretérito pretérito perfeito pretérito mais- futuro futuro do pretérito
imperfeito que-perfeito
eu - precavia precavi precavera precaverei precaveria
tu - precavias precaveste precaveras precaverás precaverias
ele - precavia precaveu precavera precaverá precaveria
nós precavemos precavíamos precavemos precavêramos precaveremos precaveríamos
vós precaveis precavíeis precavestes precavêreis precavereis precaveríeis
eles - precaviam precaveram precaveram precaverão precaveriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito imperfeito futuro afirmativo negativo
eu - precavesse precaver - não -
tu - precavesses precaveres - tu não - tu
ele - precavesse precaver - você não - você
nós - precavêssemos precavermos - nós não - nós
vós - precavêsseis precaverdes precavei vós não - vós
eles - precavessem precaverem - vocês não - vocês

reaver
Indicativo
presente pretérito pretérito pretérito mais- futuro futuro do
imperfeito perfeito que-perfeito pretérito
eu - reavia reouve reouvera reaverei reaveria
tu - reavias reouveste reouveras reaverás reaverias
ele - reavia reouve reouvera reaverá reaveria
nós reavemos reavíamos reouvemos reouvéramos reaveremos reaveríamos
vós reaveis reavíeis reouvestes reouvéreis reavereis reaveríeis
eles - reaviam reouveram reouveram reaverão reaveriam

Subjuntivo Imperativo
presente pretérito imperfeito futuro afirmativo negativo
eu - reouvesse reouver - não -
tu - reouvesses reouveres - tu não - tu
ele - reouvesse reouver - você não - você
nós - reouvéssemos reouvermos - nós não - nós
vós - reouvésseis reouverdes reavei vós não - vós
eles - reouvessem reouverem - vocês não - vocês

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 34


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
a) Como dissemos anteriormente, na necessidade de se utilizarem esses
verbos no presente do subjuntivo, por exemplo, é recomendado substituí-los
por um sinônimo não defectivo. Assim:
É necessário que se adapte. ( Não use adeque)
Para que eles se precatem, se acautelem, se previnam. (Não use
precavejam ou precavenham.)
Ele espera que eu recupere, resgate o dinheiro. (Não use reaveja)
b) precaver não deriva de ver, nem de vir. Não existem as formas
“precavejo, precavo, precavenho”. No pretérito perfeito do indicativo e tempos
derivados, comporta-se como verbo regular: precavi, precaveste, precaveu...
Então, use: Ele se precaveu. (Não use precaviu ou precaveio)

c) Na prática, pode-se dizer que reaver é conjugado como haver, mas só


existe nas formas em que o verbo haver apresenta “v”. Observe com atenção o
pretérito perfeito do indicativo: reouve, reouveste, reouve, reouvemos,
reouvestes, reouveram.
Por isso, cuidado:
Eles reouveram a joia desaparecida. (Não use reaveram).
Questão 16: DNOCS 2010 Superior
É preciso corrigir uma forma verbal flexionada na frase:
(A) O e-mail interveio de tal forma em nossa vida que ninguém imagina viver
sem se valer dele a todo momento.
(B) Se uma mensagem eletrônica contiver algum vírus, o usuário incauto será
prejudicado, ao abri-la.
(C) Caso não nos disponhamos a receber todo e qualquer e-mail, será preciso
que nos munamos de algum filtro oferecido pela Internet.
(D) Se uma mensagem provier de um desconhecido, será preciso submetê-la
a um antivírus específico.
(E) Ele se precaveio e instalou em seu computador um poderoso antivírus,
para evitar que algum e-mail o contaminasse.
Comentário: Perceba que foi pedida a alternativa errada.
Na alternativa (A), o verbo “interveio” é derivado de “vir”, cuja
conjugação no pretérito perfeito é “veio”. Assim, está correta a flexão.
Na alternativa (B), o verbo “contiver” é derivado de “ter”, cuja
conjugação no futuro do subjuntivo é “tiver”. Assim, também está correta a
flexão.
Na alternativa (C), os verbos “disponhamos” e “munamos” estão
corretamente flexionados, pois são o presente do subjuntivo dos verbos
“dispor” e “munir”, respectivamente.
Na alternativa (D), o verbo “provier” é derivado de “vir”, cuja
conjugação no futuro do subjuntivo é “vier”. Assim, também está correta a
flexão.
A alternativa (E) está errada, pois não existe a forma “precaveio”. O
verbo “precaver” é defectivo e não é conjugado nas três primeiras pessoas do
singular e na terceira pessoa do plural do presente do indicativo, mas no

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 35


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
pretérito perfeito do indicativo passa a ter conjugação regular. Assim, a
conjugação ideal seria: precaveu.
Gabarito: E

Questão 17: TCE PB - 2006 Assistente Jurídico


Está correta a flexão de todas as formas verbais da frase:
(A) Conviu ao comitê do Nobel que se premiasse o escritor turco.
(B) Muito do que advir de uma premiação do Nobel obterá imediato sentido
político.
(C) É preciso que se abula a pena de morte, que se pune de outra forma.
(D) Os turcos reaverão sua auto-estima quando convierem em apurar todos
os fatos.
(E) Enquanto um povo não reaver sua dignidade, prosseguirá refém de seu
passado.
Comentário: Na alternativa (A), o verbo “conviu” não existe. Na realidade, o
verbo “convir” é derivado do verbo “vir”. Flexionando-se este verbo na
terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo, temos: “veio”.
Assim, basta inserir o prefixo “con-": conveio.
O verbo “premiasse” está corretamente flexionado no pretérito
imperfeito do subjuntivo.
Na alternativa (B), o verbo “advir” é derivado do verbo “vir”. Quando se
flexiona no futuro do subjuntivo, sua flexão é “vier”. Assim, basta inserir o
prefixo “ad”: advier. O verbo “obterá” está corretamente flexionado no futuro
do presente do indicativo.
Na alternativa (C), o verbo “abolir” é defectivo, não se flexionando na
primeira pessoa do singular do presente do indicativo. Por isso, não pode ser
flexionado no presente do subjuntivo. Para manter a coerência e a
gramaticalidade, pode-se substituir por um sinônimo, como “extinga”.
O verbo “punir”, neste contexto, deve ser flexionado no presente do
subjuntivo: puna. Veja:
É preciso que se extinga a pena de morte, que se puna de outra forma.
A alternativa (D) é a correta, pois o verbo “reaverão” está corretamente
flexionado no futuro do presente do indicativo. O verbo “convierem” é
derivado do verbo “vir”, o qual é flexionado no futuro do subjuntivo da
seguinte forma: “vierem”. Basta agora inserir o prefixo “con": convierem. O
verbo “apurar” encontra-se no infinitivo e está corretamente flexionado.
Na alternativa (E), o verbo “reaver”, no futuro do subjuntivo, é
flexionado como o verbo “haver”: houver. Basta retirar o “h” e inserir o
prefixo “re”: reouver.
Gabarito: D

Verbos abundantes
Verbos abundantes são aqueles que apresentam mais de uma forma
para determinada flexão. Esse fenômeno costuma ocorrer no particípio, em
que, além das formas regulares, terminadas em –ado ou –ido, surgem as
formas irregulares, também chamadas curtas ou breves.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 36


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Infinitivo Particípio Particípio
impessoal regular irregular
aceitar aceitado aceito
entregar entregado entregue
enxugar enxugado enxuto
expressar expressado expresso
expulsar expulsado expulso
findar findado findo
isentar isentado isento
limpar limpado limpo
matar matado morto
salvar salvado salvo
segurar segurado seguro
soltar soltado solto
acender acendido aceso
benzer benzido bento
eleger elegido eleito
morrer morrido morto
prender prendido preso
suspender suspendido suspenso
emergir emergido emerso
expelir expelido expulso
exprimir exprimido expresso
extinguir extinguido extinto
imergir imergido imerso
imprimir imprimido impresso
inserir inserido inserto
omitir omitido omisso
submergir submergido submerso
(ter / haver) (ser/estar)
Os particípios regulares são empregados normalmente com os auxiliares
ter e haver; os particípios irregulares são normalmente empregados com os
auxiliares ser e estar:
O Brasil tem elegido deputados preguiçosos. Ele está eleito.
O professor havia imprimido bom ritmo de aula. A folha foi impressa.
Questão 18: MPE SE 2010 Superior
Está apropriado o emprego e correta a flexão de todos os verbos na frase:
(A) Tínhamos ganho vários presentes, e eu já tinha eleito o meu favorito: um
belo helicóptero, que deporam junto à árvore de Natal.
(B) O helicóptero alçava o ar pela força dos meus braços, sem que intervisse
qualquer tipo de dispositivo eletrônico.
(C) Seria preciso que eu retivesse o helicóptero em sua caixa, para que
ninguém viesse a suspeitar do que lhe ocorrera.
(D) Meu irmão refreiou por um momento sua curiosidade, ao passo que eu,
como não detesse a curiosidade, passei a abrir os presentes.
(E) Meus pais se manteram para todo o sempre à margem do que ocorrera
com meu helicóptero e do pequeno ardil que lhes impigira.

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 37


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Comentário: Na alternativa (A), O verbo auxiliar “Tínhamos” leva o
particípio do verbo “ganhar” a flexionar-se de modo regular “ganhado”. O
mesmo ocorre com o verbo “elegido”. O verbo “depuseram” é derivado de
“pôr”.
Tínhamos ganhado vários presentes, e eu já tinha elegido o meu favorito:
um belo helicóptero, que depuseram junto à árvore de Natal.
Na alternativa (B), o verbo “interviesse” é derivado de “vir”.
O helicóptero alçava o ar pela força dos meus braços, sem que interviesse
qualquer tipo de dispositivo eletrônico.
A alternativa (C) é a correta. Perceba que o verbo “retivesse” é derivado
de “ter”:
Seria preciso que eu retivesse o helicóptero em sua caixa, para que ninguém
viesse a suspeitar do que lhe ocorrera.
Na alternativa (D), a forma “refreiou” não existe: perde-se o “i” no
pretérito perfeito do indicativo dos verbos terminados em “ear”. O verbo
“detivesse” é derivado de “ter”:
Meu irmão refreou por um momento sua curiosidade, ao passo que eu, como
não detivesse a curiosidade, passei a abrir os presentes.
Na alternativa (E), “mantiveram” também deriva de “ter”. O infinitivo do
segundo verbo é “impingir”, então o pretérito mais-que-perfeito não pode
perder o “n” do radical.
Meus pais se mantiveram para todo o sempre à margem do que ocorrera
com meu helicóptero e do pequeno ardil que lhes impingira.
Gabarito: C

Vamos a algumas questões que exploraram tudo o que vimos nesta


aula!!!!

Questão 19: TJ PE 2007 Analista


Estão adequados o emprego e a flexão de todas formas verbais na frase:
(A) Se as pesquisas bem realizadas sempre intervissem no comportamento
das pessoas, o estudo ao qual se aplicou Johnson teria algum efeito sobre
o público.
(B) Imergem da pesquisa de Johnson alguns dados reveladores quanto à ação
da TV sobre nós, mas é possível que outros fatores hajam de modo
determinante sobre o nosso comportamento.
(C) Quem revir as várias pesquisas sobre a relação entre TV e
comportamento haverá de se deparar com resultados que talvez
constituam motivo para algum alarme.
(D) Jamais conviu às emissoras de TV divulgar essas pesquisas, que quase
sempre as encriminam como responsáveis pela multiplicação da violência
social.
(E) Se as violências que provêem do hábito de assistir à TV se saneiassem
por conta de alguma regulamentação governamental, seria o caso de
pedir providências às autoridades.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 38
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Comentário: Note que esta questão aborda o emprego (visto na aula
demonstrativa) e a flexão (aula atual). Os verbos corrigidos estão em negrito
e sublinhados. Os que estão apenas sublinhados já estavam corretos na
questão e só servem de base.
Na alternativa (A), o problema é apenas a flexão verbo “intervir”, o qual
é derivado de “vir”. Este verbo está flexionado no pretérito imperfeito do
subjuntivo, assim (se eles viessem→se eles interviessem). Veja:
Se as pesquisas bem realizadas sempre interviessem no
comportamento das pessoas, o estudo ao qual se aplicou Johnson teria algum
efeito sobre o público.
Na alternativa (B), perceba que o contexto pede o verbo “emergir” (sair)
e não “imergir” (entrar). Assim, a forma correta no presente seria “Emergem”.
Note também que o verbo “hajam” é o presente do subjuntivo do verbo
“haver” (confira na conjugação). Já o contexto exige o verbo “agir” neste
mesmo tempo. Por isso o correto é “ajam”.
Emergem da pesquisa de Johnson alguns dados reveladores quanto à
ação da TV sobre nós, mas é possível que outros fatores ajam de modo
determinante sobre o nosso comportamento.
A alternativa (C) está correta, pois o verbo “rever” está no futuro do
subjuntivo. Este verbo é derivado do verbo “ver”, o qual seria conjugado
“Quem vir” (reveja a conjugação anteriormente). Assim, a construção “Quem
revir...” está corretíssima.
Quem revir as várias pesquisas sobre a relação entre TV e
comportamento haverá de se deparar com resultados que talvez constituam
motivo para algum alarme.
Na alternativa (D), o verbo “conviu” não existe. Ele é derivado do verbo
“vir”, o qual possui a seguinte flexão no pretérito perfeito do indicativo (veio→
“conveio”). O verbo “encriminar” também não existe, o correto é:
“incriminar”. Veja a reconstrução da frase:
Jamais conveio às emissoras de TV divulgar essas pesquisas, que quase
sempre as incriminam como responsáveis pela multiplicação da violência
social.
Na alternativa (E), a forma correta é “provêm”, pois o contexto pede o
verbo derivado de “provir” no presente do indicativo. A forma “proveem”, a
qual já perdeu o acento gráfico com a reforma ortográfica, é do verbo
“prover”. Compare a conjugação de prover e provir, no esquema
anteriormente colocado.
O verbo “sanear” está na regra dos terminados em “ear”, como
“nomear”, conjugado anteriormente. Compare! Ele só admite a semivogal “i”
no radical, em algumas pessoas do presente do indicativo (saneio, saneias,
saneia, saneiam) e imperativos (saneia tu, saneie você, saneiam vocês; não
saneies tu, não saneie você, não saneiem vocês). Como este verbo se
encontra no pretérito imperfeito do subjuntivo, não pode haver esta semivogal
no radical.
Se as violências que provêm do hábito de assistir à TV se saneassem
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 39
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
por conta de alguma regulamentação governamental, seria o caso de pedir
providências às autoridades.
Gabarito: C

Questão 20: TRT 9ªR - 2010 Analista


Estão corretamente empregadas e flexionadas todas as formas verbais da
frase:
(A) Se não intervirmos no mundo em que vivemos, para garantir seu
equilíbrio, talvez nem mesmo Deus se interesse por nos favorecer.
(B) Se a religião não se dispor a refazer os cálculos, o número de 7.000 anos
que ela impele ao mundo parecerá cada vez mais absurdo.
(C) Se os crentes requisessem e obtivessem a presença de Deus como prova
de sua existência, os cientistas passariam a examiná-lo.
(D) Mesmo que todos os religiosos conviessem quanto à existência de um
único Deus, ainda assim pouco teria este a inspirar os cientistas.
(E) Mesmo que todos os cientistas fossem agnósticos, e se detessem no
caminho exclusivo da ciência, a dúvida acabaria por assaltar alguns.
Comentário: Abaixo será destacada a flexão verbal já com correção. Você
notará que os verbos negritados e sublinhados foram corrigidos e os outros
serão apenas sublinhados:
(A): Se não interviermos no mundo em que vivemos, para garantir seu
equilíbrio, talvez nem mesmo Deus se interesse por nos favorecer. (correlação
1: também cabe a forma no futuro “interessará”)
(B): Se a religião não se dispuser a refazer os cálculos, o número de 7.000
anos que ela impele ao mundo parecerá cada vez mais absurdo. (Correlação
1. Verbo “dispor” é derivado de “pôr”.)
(C): Se os crentes requeressem e obtivessem a presença de Deus como
prova de sua existência, os cientistas passariam a examiná-lo.
(Correlação 2. Verbo “requeressem” é regular. Diferencie de “querer”.)
(D) é a correta:
Mesmo que todos os religiosos conviessem quanto à existência de um único
Deus, ainda assim pouco teria este a inspirar os cientistas. (correlação 2)
(E): Mesmo que todos os cientistas fossem agnósticos, e se detivessem no
caminho exclusivo da ciência, a dúvida acabaria por assaltar alguns.
(correlação 2)
Gabarito: D

Questão 21: Bahia Gás - 2010 Analista


Está correta a flexão verbal, bem como adequada a correlação entre os
tempos e os modos na frase:
(A) Zeus teria irritado-se com a ousadia de Prometeu e o havia condenado a
estar acorrentado ao monte Cáucaso.
(B) Seu sofrimento teria durado várias eras, até que Hércules intercedera,
compadecido que ficou.
(C) O sofrimento de Prometeu duraria várias eras ainda, não viesse Hércules
a abater a águia e livrá-lo do suplício.
(D) Irritado com a ousadia que Prometeu cometesse, Zeus o teria condenado
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 40
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
e acorrentado ao monte Cáucaso.
(E) Prometeu haveria de sofrer por várias eras, quando Hércules o livrara do
suplício, e abateu a águia.
Comentário: Abaixo será destacada a flexão verbal já com correção. Você
notará que o verbo negritado e sublinhado foi corrigido e os outros serão
apenas sublinhados.
Na alternativa (A), o verbo “teria” (futuro do pretérito do indicativo)
correlaciona-se com “condenou” (pretérito perfeito do indicativo). A forma
“Havia condenado” é o pretérito mais-que-perfeito do indicativo composto que
indicaria o passado do passado, mas não foi isso que ocorreu. Houve uma
hipótese (teria), e um resultado desse processo é a condenação (que
certamente ocorreu depois da irritação). A banca não pediu erro de colocação
pronominal, mas corrigimos o pronome “se” deixando-o entre os verbos. O
ideal seria o verbo “ficar” no lugar de “estar”, mas não é erro.
Zeus teria se irritado com a ousadia de Prometeu e o condenou a estar
acorrentado ao monte Cáucaso.
Na alternativa (B), houve a correlação da mesma forma que a letra (A).
Houve uma suposição no passado e algo como resultado (interceder), o que
não pode ser transmitido com o pretérito mais-que-perfeito, mas com o
pretérito perfeito do indicativo.
Seu sofrimento teria durado várias eras, até que Hércules intercedeu,
compadecido que ficou.
A alternativa (C) é a correta. Lembre-se da correlação nº 2:
O sofrimento de Prometeu duraria várias eras ainda, não viesse Hércules
a abater a águia e livrá-lo do suplício.
Na alternativa (D), o pretérito imperfeito do subjuntivo “cometesse”
transmite dúvida e não foi que o contexto mostrou. Na realidade, Prometeu
cometeu ousadia num momento passado antes da condenação e do
acorrentamento, por isso o ideal seria o pretérito mais-que-perfeito
(cometera) e os outros dois verbos no pretérito perfeito do indicativo,
transmitindo certeza.
Irritado com a ousadia que Prometeu cometera, Zeus o condenou e
acorrentou ao monte Cáucaso.
Na alternativa (E), novamente o futuro do pretérito do indicativo
(haveria) mostra um transcurso de um processo no futuro de um passado e,
depois desse processo, cabem os verbos no pretérito perfeito do indicativo
(livrou, abateu)
Prometeu haveria de sofrer por várias eras, quando Hércules o livrou do
suplício, e abateu a águia.
Gabarito: C

Questão 22: TCE MG - 2007 Superior


Todos os verbos estão corretamente empregados e flexionados na frase:
(A) Se eu voltar à mesma escola e os alunos proporem as mesmas perguntas,
os debates não deixarão de ter o mesmo calor da primeira vez.
(B) Se o autor do texto não retesse o mesmo entusiasmo de menino pelas
perguntas, não haveria todo aquele magnetismo durante o colóquio.
(C) Ao autor aprouve suspender a palestra convencional e deter-se nas

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 41


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
perguntas fundamentais que as crianças lhe propuseram.
(D) Imergia das questões formuladas aquela vitalidade própria das crianças
que não se resiguinam à passividade diante dos mistérios do mundo.
(E) Seria interessante que os cientistas convissem em que é fundamental não
perder o contato com a curiosidade que se constitue ainda na infância.
Comentário: Abaixo será destacada a flexão verbal já com correção. Não há
desvio de correlação. Você notará que o verbo negritado foi corrigido e os
outros serão apenas sublinhados:
(A): Se eu voltar à mesma escola e os alunos propuserem as mesmas
perguntas, os debates não deixarão de ter o mesmo calor da primeira vez.
(B): Se o autor do texto não retivesse o mesmo entusiasmo de menino pelas
perguntas, não haveria todo aquele magnetismo durante o colóquio.
A alternativa (C) é a correta, pois a flexão de “aprazer” no pretérito
perfeito do indicativo é “aprouve” (confira na conjugação deste verbo). Quanto
à correlação, os verbos “aprouve” e “propuseram” estão no mesmo tempo
verbal. Veja que os verbos “suspender” e “deter-se” estão no infinitivo,
corretamente empregados (suspender ... e deter-se ... aprouve ao autor).
Ao autor aprouve suspender a palestra convencional e deter-se nas perguntas
fundamentais que as crianças lhe propuseram.
Na alternativa (D), lembre-se de que o verbo “resignar” tem o “g” mudo
no radical. A sua conjugação é regular, então não podemos inserir o “ui”. Veja
a conjugação do verbo “impugnar”. É a mesma para “resignar”. Perceba
novamente o verbo “imergir”. Na realidade, devemos entender que algo sai
daquelas questões, por isso o verbo correto é: “Emergia”.
Emergia das questões formuladas aquela vitalidade própria das crianças que
não se resignam à passividade diante dos mistérios do mundo.
(E): Seria interessante que os cientistas conviessem em que é fundamental
não perder o contato com a curiosidade que se constitui ainda na infância.
Gabarito: C

Questão 23: TRT 24ªR - 2006 Analista


Está correta a flexão de todas as formas verbais na frase:
(A) Ao longo do tempo, os corruptos nem sempre se desaviram com as
instituições; pelo contrário, muitos souberam usá-las em benefício
próprio.
(B) Em respeito à ética, se os interesses particulares se contrapuserem aos
públicos, devem prevalecer estes, e não aqueles.
(C) Caso não detêssemos boa parte dos nossos ímpetos destrutivos, nenhuma
sociedade conheceria um momento sequer de estabilização.
(D) Quando os estados nacionais não intervêem nas instituições corrompidas,
a ordem social tende a fragilizar-se cada vez mais.
(E) Se tivessem prevalecido as boas causas pelas quais nossos antepassados
haveram de lutar, estaríamos hoje numa sociedade mais justa.
Comentário: Abaixo será destacada a flexão verbal já com correção. Você
notará que o verbo negritado e sublinhado foi corrigido e os outros serão

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 42


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
apenas sublinhados.
(A) Ao longo do tempo, os corruptos nem sempre se desavieram com as
instituições; pelo contrário, muitos souberam usá-las em benefício próprio.
(“desavir” é derivado de “vir”)
A alternativa (B) é a correta. Note que “contrapor” é derivado de “pôr”:
Em respeito à ética, se os interesses particulares se contrapuserem aos
públicos, devem prevalecer estes, e não aqueles.
(C) Caso não detivéssemos boa parte dos nossos ímpetos destrutivos,
nenhuma sociedade conheceria um momento sequer de estabilização. (“deter”
é derivado de “ter”)
(D) Quando os estados nacionais não intervêm nas instituições corrompidas,
a ordem social tende a fragilizar-se cada vez mais. (“intervir” é derivado de
“vir”)
(E) Se tivessem prevalecido as boas causas pelas quais nossos antepassados
haveriam de lutar, estaríamos hoje numa sociedade mais justa. (Correlação
2, por isso o futuro do pretérito: “haveriam”.)
Gabarito: B

Questão 24: TRF 1ªR - 2006 Analista


Estão corretos o emprego e a flexão dos verbos na frase:
(A) A polêmica que o editorial tinha aceso entre os latino-americanos também
acerrou os ânimos de intelectuais progressistas europeus.
(B) Atitudes colonialistas costumam insulflar ressentimentos entre os povos
que buscam imergir de suas fundas penúrias.
(C) A revista The Lancer descriminou os cubanos, tratando-os como bem lhe
aprouveu.
(D) Se os cubanos interviessem em outros países do modo como já
intervieram as grandes potências, seriam duramente rechaçados.
(E) Que ninguém se surprenda se os cubanos recomporem seu estilo de vida,
após uma eventual ruptura política.
Comentário: Abaixo será destacada a flexão verbal já com correção. Você
notará que o verbo negritado e sublinhado foi corrigido e os outros serão
apenas sublinhados.
Na alternativa (A), veja que a locução verbal deve ser “tinha acendido”.
Lembre do que falamos sobre os particípios abundantes. Eles são regulares
com os verbos “ter” e “haver” (tinha acendido). Com os verbos “ser” e “estar”
o particípio seria irregular (estar aceso). Note que não existe o verbo “acerrar”
e sim “acirrar”.
A polêmica que o editorial tinha acendido entre os latino-americanos também
acirrou os ânimos de intelectuais progressistas europeus.
Na alternativa (B), note que o verbo “insuflar” não possui “l” antes do
“f”. Novamente está sendo cobrado o verbo “imergir”. O contexto pede
“emergir” (sair/emergir de: note a preposição “de”, que já nos dá a dica)
Atitudes colonialistas costumam insuflar ressentimentos entre os povos que
buscam emergir de suas fundas penúrias.
Na alternativa (C), “descriminar” significa “absolver”. Isso não cabe no

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 43


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
contexto. O texto fala da “discriminação”, então o correto é “discriminou”.
Note que o verbo “aprouve” é pretérito perfeito do verbo “aprazer”.
A revista The Lancer discriminou os cubanos, tratando-os como bem lhe
aprouve.
A alternativa (D) é a correta. Note os verbos derivados de “vir”.
Se os cubanos interviessem em outros países do modo como já intervieram as
grandes potências, seriam duramente rechaçados.
Na alternativa (E), o verbo “surpreender” possui duas vogais “e” no
radical. Essas vogais não se perdem no presente do subjuntivo. O verbo
“recompor” é derivado de “pôr”.
Que ninguém se surpreenda se os cubanos recompuserem seu estilo de
vida, após uma eventual ruptura política.
Gabarito: D

Questão 25: TRF 3ªR - 2007 Analista


Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas no contexto da
seguinte frase:
(A) Se não nos entretermos com as ficções de nossas telas, dizem algumas
pessoas, com que se preencherá nosso tempo ocioso?
(B) Quando finalmente convirmos em que os sonhos são estimulantes e
necessários, a eles recorreremos para combater nosso excessivo
pragmatismo.
(C) Já que aos adolescentes de ontem aprouve cultivar tantos sonhos, por
que os de hoje terão abdicado do direito a todos os devaneios?
(D) Se as ficções não nos provissem de tantas imagens e informações,
teríamos mais tempo para criar nossas próprias fantasias.
(E) As sucessivas gerações já muito se contradizeram, por força da
diversidade de seus sonhos, ao passo que a de hoje parece ter renunciado
a todos eles.
Comentário: Abaixo será destacada a flexão verbal já com correção. Você
notará que o verbo negritado e sublinhado foi corrigido e os outros serão
apenas sublinhados.
(A) Se não nos entretivermos com as ficções de nossas telas, dizem algumas
pessoas, com que se preencherá nosso tempo ocioso? (derivado de “ter”)
(B) Quando finalmente conviermos em que os sonhos são estimulantes e
necessários, a eles recorreremos para combater nosso excessivo
pragmatismo. (derivado de “vir”)
A alternativa (C) é a correta. O verbo “aprouve” é o pretérito perfeito do
indicativo do verbo “aprazer”.
Já que aos adolescentes de ontem aprouve cultivar tantos sonhos, por que os
de hoje terão abdicado do direito a todos os devaneios?
(D) Se as ficções não nos provessem de tantas imagens e informações,
teríamos mais tempo para criar nossas próprias fantasias. (derivado de “prover”)
(E) As sucessivas gerações já muito se contradisseram, por força da
diversidade de seus sonhos, ao passo que a de hoje parece ter renunciado a
todos eles. (derivado de “dizer”)

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 44


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Gabarito: C

Questões cumulativas de revisão

Como avisado na aula demonstrativa, neste espaço, serão


disponibilizadas algumas questões com assuntos acumulados das aulas
anteriores.

Questão 26: TJ PI Analista 2010


Enquanto isso, Karzai falava que os serviços de inteligência...
A frase cujo verbo está flexionado nos mesmos tempo e modo que o grifado
acima é:
(A) Não sabia o coronel Vician que, imediatamente, Stada...
(B) Durante oito dias, os funcionários da Emergency ficaram incomunicáveis.
(C) O flagrante preparado consistiu numa blitz em sala da administração...
(D) O móvel dessa urdidura remonta a março de 2007...
(E) A ligação completou-se com um soldado britânico...
Comentário: O verbo “falava” possui a desinência modo-temporal de
primeira conjugação “-va” e isso nos mostra o tempo pretérito imperfeito do
indicativo. O verbo “sabia” encontra-se com a desinência modo-temporal de
segunda conjugação “-ia”, por isso também está no pretérito imperfeito do
indicativo. Veja os outros verbos: “ficaram”, “consistiu” e “completou”
(pretérito perfeito do indicativo) e “remonta” (presente do indicativo).
Gabarito: A

Questão 27: TRE RN 2011 Técnico


Na frase “... como fazia em noites de trovoadas.”, o verbo flexionado nos
mesmos tempo e modo em que se encontra o grifado acima está em:
(A) Ao ouvir as notícias...
(B) ... D. João embarcou na carruagem...
(C) ... que passara a madrugada...
(D) ... bastaram algumas semanas...
(E) ... que o aguardava...
Comentário: O verbo “fazia” possui a desinência modo-temporal de segunda
conjugação “-ia” e isso nos mostra o tempo pretérito imperfeito do indicativo.
O verbo “aguardava” encontra-se com a desinência modo-temporal de
primeira conjugação “-va”, por isso também está no pretérito imperfeito do
indicativo. Veja os outros verbos: “ouvir” (infinitivo), “embarcou” (pretérito
perfeito do indicativo), “passara” (pretérito mais-que-perfeito do indicativo),
“bastaram” (pretérito perfeito do indicativo).
Gabarito: E

Questão 28: TRT 18ª R 2008 - Analista


É importante que você possa contar com minha amizade; confie nela, que eu
não o decepcionarei.
(A) tu possas - confies - te
(B) Vossa Excelência podeis - confiei - vos
(C) tu possas - confia - te
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 45
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
(D) vós possais - confiem - vos
(E) Sua Senhoria podeis - confiai - vos
Comentário: Para melhor visualização da questão, vamos articular a frase
com os pronomes de segunda pessoa do singular (tu) e do plural (vós) e de
terceira pessoa do singular (você) e do plural (vocês). Não cabe neste
contexto o pronome “nós”. Veja também que o pronome de tratamento
“Vossa Excelência” se encaixa ao pronome de terceira pessoa do singular.
Tu: É importante que tu possas contar com minha amizade; confia nela; que
eu não te decepcionarei.
Você: É importante que você possa contar com minha amizade; confie nela;
que eu não o decepcionarei.
Vossa Excelência: É importante que Vossa Excelência possa contar com
minha amizade; confie nela; que eu não o decepcionarei.
Vós: É importante que vós possais contar com minha amizade; confiai nela;
que eu não vos decepcionarei.
Vocês: É importante que vocês possam contar com minha amizade;
confiem nela; que eu não os decepcionarei.
Compare as flexões dos verbos no imperativo afirmativo e negativo com
a estrutura anteriormente colocada na teoria.
Gabarito: C

O que devo tomar nota como mais importante?

1. Saber flexionar os verbos derivados de “ter”, “ver”, “vir” e “pôr”.


2. Saber diferenciar a conjugação de “prever” (igual a “ver”), “provir” (igual a
“vir”) e “prover” (igual a “ver”, mas no pretérito perfeito do indicativo e seus
tempos derivados, conjuga-se regularmente)

3. Atentar-se quanto à flexão do presente do subjuntivo, o qual é gerado a


partir da primeira pessoa do presente do indicativo. É só acompanhar a
“seta” no esquema mostrado na aula.
4. Atentar-se quanto à flexão dos tempos pretérito mais-que-perfeito do
indicativo, pretérito imperfeito do subjuntivo e futuro do subjuntivo. Todos eles
são gerados a partir da segunda pessoa do pretérito perfeito do indicativo.

Grande abraço!!!
Professor Terror

Lista de questões
(Lembre-se de que TODAS as questões são da FCC)
Questão 1: SPPREV 2012 Analista em Gestão Previdenciária
Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas em:
(A) Certamente muitas das dúvidas que acabaram por colocar em xeque a
objetividade científica proviram do convívio mais intenso de alguns
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 46
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
cientistas com a arte.
(B) Grandes cientistas foram os que sempre obstaram a que prevalecessem
os preconceitos subjacentes a procedimentos científicos supostamente
imparciais.
(C) O artista que se dispor a conhecer um pouco mais da ciência poderá
também ver surgir os reflexos positivos desse conhecimento nas obras
que vier a criar.
(D) No dia em que revermos nossos conceitos sobre a arte e a ciência, bem
como melhor compreendermos as suas afinidades, nós só teremos a
ganhar.
(E) Quantas vezes já não se deteram os cientistas na discussão sobre a
parcela de objetividade que realmente caberia atribuir aos métodos
científicos?

Questão 2: TCE AM 2012 Analista de Controle Externo


Está correta a flexão de todas as formas verbais em:
(A) Se não deterem a escalada da censura moralista, os Estados Unidos
tornar-se-ão um país cada vez mais problemático em sua falsa ortodoxia
de valores.
(B) Quando todos convirmos em que é necessária uma linha divisória entre a
moral pública e a privada, nossos valores terão maior legitimidade.
(C) Toda promessa hipócrita que advir de uma falsa moralidade deverá ser
denunciada pelos eleitores, para que se eleve o nível das campanhas
eleitorais.
(D) Os candidatos sempre se entreteram com os números das campanhas,
sem atinar com a qualidade das teses e a possibilidade de cumprimento
das promessas.
(E) Quando revirmos os valores morais que sempre costumamos defender,
dar-nos-emos conta de quantos deles não deveriam merecer nosso
crédito.

Questão 3: Assembleia Legislativa 2010 - Agente


Os verbos grifados estão corretamente flexionados na frase:
(A) Após a catástrofe climática que se abateu sobre a região, os responsáveis
propuseram a liberação dos recursos necessários para sua reconstrução.
(B) Em vários países, autoridades se disporam a elaborar projetos que
prevessem a exploração sustentável do meio ambiente.
(C) Os consumidores se absteram de comprar produtos de empresas que não
consideram a sustentabilidade do planeta.
(D) A constatação de que a vida humana estaria comprometida deteu a
exploração descontrolada daquela área de mata nativa.
(E) Com a alteração climática sobreviu o excesso de chuvas que destruiu
cidades inteiras com os alagamentos.

Questão 4: TRE SE - 2007 - Técnico

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 47


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
O verbo corretamente flexionado está grifado na frase:
(A) Proporam-se medidas de caráter emergencial para controle das emissões
de gases poluentes na atmosfera.
(B) Medidas de controle da poluição atmosférica foram tomadas pelos
especialistas, para satisfazerem exigências legais.
(C) Diante do rompimento da tubulação de esgotos, as autoridades preveram
um surto de moléstias infecciosas na região.
(D) A chuva excessiva fez transbordar o córrego, de onde adviram inundações
e mortes com o alagamento da área urbana.
(E) Especialistas ateram-se à observação de certos fenômenos climáticos para
chegar à iminência de catástrofes em algumas regiões do planeta.

Questão 5: Assembleia Legislativa 2010 - Agente


Estão corretos o emprego e a forma dos verbos na frase:
(A) Ainda que retêssemos apenas lembranças felizes, as más lembranças não
tardariam a incorrer em nossa consciência.
(B) Se a adolescência nos provisse apenas de momentos felizes, a ninguém
conviria esperar pelos bons momentos da velhice.
(C) Se a um velho só lhe aprouver o lamento pelo tempo que já passou,
caber-lhe-á algo melhor que o temor do futuro?
(D) Costuma ser repelido o adulto experiente que intervir na conduta de um
jovem desorientado para tentar ratificar o rumo de sua vida.
(E) Sempre conviu ao homem primitivo orientar-se pela sabedoria dos
anciãos, ao passo que hoje poucos idosos conseguem fazer-se ouvido.

Questão 6: TRT 13ªR - 2005 Analista


Está correta a flexão de todas as formas verbais na frase:
(A) Giscard contrapôs às falas de Mitterrand a impressão de que este se
pronunciava como se detera o monopólio do coração.
(B) A mãe interviu na discussão, alegando que seu filho era alérgico a pêlos
de animais – razão pela qual se indispusera com a dona do cachorrinho.
(C) O autor afirma que sempre se comprazeu em participar de reuniões em
que todos envidam esforços na busca de soluções conciliatórias.
(D) Se condissessem com a verdadeira prática democrática, as campanhas
eleitorais não dariam lugar ao discurso que inclui arrogância na
argumentação.
(E) Caso Mitterrand contesse o ímpeto de sua fala, não houvera de
argumentar com tamanha simplificação e tão visível autoritarismo.

Questão 7: TRT 11ªR - 2005 Analista


Estão corretos o emprego e a forma dos verbos na frase:
(A) Ainda que retêssemos apenas lembranças felizes, as más lembranças não
tardariam a incorrer em nossa consciência.
(B) Se a adolescência nos provisse apenas de momentos felizes, a ninguém
conviria esperar pelos bons momentos da velhice.
(C)) Se a um velho só lhe aprouver o lamento pelo tempo que já passou,
caber-lhe-á algo melhor que o temor do futuro?
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 48
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
(D) Costuma ser repelido o adulto experiente que intervir na conduta de um
jovem desorientado para tentar ratificar o rumo de sua vida.
(E) Sempre conviu ao homem primitivo orientar-se pela sabedoria dos
anciãos, ao passo que hoje poucos idosos conseguem fazer-se ouvido.

Questão 8: TJ PI 2010 Analista


Todos os verbos estão corretamente flexionados na frase:
(A) Aqueles que preveram dificuldades trazidas pela globalização devem
reconhecer que ela trouxe também alguns benefícios.
(B) Alguns especialistas crêm na redução dos bolsões de pobreza no país, pois
boa parte da população brasileira obteu mais renda.
(C) Pesquisas feitas sobre a distribuição de renda indicam ter havido redução
das desigualdades, fato que constitui motivo de comemoração.
(D) O governo de muitos países interviu na economia para controlar os maus
resultados trazidos ao comércio pela crise mundial.
(E) Para que se mantessem os níveis sustentáveis de consumo, seria preciso
garantir renda suficiente às famílias de classe média.

Questão 9: TRF 5ª R 2012 Técnico Judiciário


Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas em:
(A) Enquanto não se disporem a considerar o cordel sem preconceitos, as
pessoas não serão capazes de fruir dessas criações poéticas tão originais.
(B) Ainda que nem sempre detenha o mesmo status atribuído à arte erudita,
o cordel vem sendo estudado hoje nas melhores universidades do país.
(C) Rodolfo Coelho Cavalcante deve ter percebido que a situação dos
cordelistas não mudaria a não ser que eles mesmos requizessem o
respeito que faziam por merecer.
(D) Se não proveem do preconceito, a desvalorização e a pouca visibilidade
dessa arte popular tão rica só pode ser resultado do puro e simples
desconhecimento.
(E) Rodolfo Coelho Cavalcante entreveu que os problemas dos cordelistas
estavam diretamente ligados à falta de representatividade.

Questão 10: TJ RJ 2012 Técnico de Atividade Judiciária


Está adequada a flexão de todos os verbos da frase:
(A) É possível que ele requera imediatamente sua aposentadoria; otimista,
espera que o pedido não lhe seja denegado.
(B) O autor estaria disposto a trabalhar no que lhe conviesse, depois de
aposentado, para assim imunizar-se contra os males do ócio.
(C) Se o autor manter com disciplina o cômputo diário do que resta para
aposentar-se, fará contas pelos próximos seis meses e 28 dias.
(D) Se nos propormos a trabalhar depois de aposentados, evitaremos os males
que costumam acometer os ociosos.
(E) Os que haverem de se aposentar proximamente serão submissos a uma
averiguação, a fim de serem saldadas as dívidas pendentes.

Questão 11: TST 2012 Analista Judiciário – Área Administrativa


Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 49
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
A flexão de todas as formas verbais está plenamente adequada na frase:
(A) Os que virem a desrespeitar quem não tem fé deverão merecer o repúdio
público de todos os homens de bem.
(B) Deixar de professar uma fé não constitue delito algum, ao contrário do
que julgam os fanáticos de sempre.
(C) Ninguém quererá condenar um ateu que se imbui do valor da ética e da
moral no convívio com seus semelhantes.
(D) Se não nos dispormos a praticar a tolerância, que razão teremos para nos
vangloriarmos de nossa fé religiosa?
(E) Quem requiser respeito para a fé que professa deve dispor-se a respeitar
quem não adotou uma religião.

Questão 12: TRF 2ªR 2012 Analista Judiciário – Área Administrativa


O emprego, a grafia e a flexão dos verbos estão corretos em:
(A) A revalorização e a nova proeminência de Paraty não prescindiram e não
requiseram mais do que o esquecimento e a passagem do tempo.
(B) Quando se imaginou que Paraty havia sido para sempre renegada a um
segundo plano, eis que ela imerge do esquecimento, em 1974.
(C) A cada novo ciclo econômico retificava-se a importância estratégica de
Paraty, até que, a partir de 1855, sobreviram longos anos de
esquecimento.
(D) A Casa Azul envidará todos os esforços, refreando as ações predatórias,
para que a cidade não sucumba aos atropelos do turismo selvagem.
(E) Paraty imbuiu da sorte e do destino os meios para que obtesse, agora em
definitivo, o prestígio de um polo turístico de inegável valor histórico.

Questão 13: Polícia Civil MA - 2006 - Agente


O verbo corretamente flexionado está grifado na frase:
(A) As tropas americanas não conteram os ataques da população enfurecida à
Biblioteca Nacional.
(B) Saqueadores de museus contrabandeiam obras de raro valor arqueológico
no mercado internacional.
(C) Nazistas se proporam a destruir, em enormes fogueiras, livros
considerados perigosos na Alemanha.
(D) O problema que sobreviu à invasão americana no Iraque foi a destruição
de peças arqueológicas raríssimas.
(E) Os invasores do Iraque não antevieram as funestas consequências dos
saques, como o contrabando de obras valiosas.

Questão 14: TRT 2ªR 2008 Analista


Todas as formas verbais estão corretamente empregadas e flexionadas na
frase:
(A) Não há nada que impela mais ao registro confessional da linguagem do
que uma vocação poética essencialmente lírica.
(B) O juiz disse ao amigo que lhe convira frequentar as duas linguagens, a
poética e a jurídica.
(C) Constatou que nos poemas não se vislumbrava qualquer marca que
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 50
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
adviesse da formação profissional do amigo.
(D) O juiz lembrou ao amigo que o ofício de poeta não destitue de
objetividade o ofício de julgar.
(E) Nem bem se detera na leitura dos poemas do amigo e já percebera que
se tratava de uma linguagem muito depurada.

Questão 15: BB 2012 Engenheiro de Segurança


Façamo-nos videntes: olhemos devagar para a cor das paredes.
A frase acima permanecerá correta caso se substituam as formas sublinhadas
por:
(A) Faça-se vidente - olha
(B) Faz-te vidente - olha
(C) Fazei-vos videntes - olheis
(D) Façam-se videntes - olhai
(E) Faça-te vidente - olhes

Questão 16: DNOCS 2010 Superior


É preciso corrigir uma forma verbal flexionada na frase:
(A) O e-mail interveio de tal forma em nossa vida que ninguém imagina viver
sem se valer dele a todo momento.
(B) Se uma mensagem eletrônica contiver algum vírus, o usuário incauto será
prejudicado, ao abri-la.
(C) Caso não nos disponhamos a receber todo e qualquer e-mail, será preciso
que nos munamos de algum filtro oferecido pela Internet.
(D) Se uma mensagem provier de um desconhecido, será preciso submetê-la
a um antivírus específico.
(E) Ele se precaveio e instalou em seu computador um poderoso antivírus,
para evitar que algum e-mail o contaminasse.

Questão 17: TCE PB - 2006 Assistente Jurídico


Está correta a flexão de todas as formas verbais da frase:
(A) Conviu ao comitê do Nobel que se premiasse o escritor turco.
(B) Muito do que advir de uma premiação do Nobel obterá imediato sentido
político.
(C) É preciso que se abula a pena de morte, que se pune de outra forma.
(D) Os turcos reaverão sua auto-estima quando convierem em apurar todos
os fatos.
(E) Enquanto um povo não reaver sua dignidade, prosseguirá refém de seu
passado.

Questão 18: MPE SE 2010 Superior


Está apropriado o emprego e correta a flexão de todos os verbos na frase:
(A) Tínhamos ganho vários presentes, e eu já tinha eleito o meu favorito: um
belo helicóptero, que deporam junto à árvore de Natal.
(B) O helicóptero alçava o ar pela força dos meus braços, sem que intervisse
qualquer tipo de dispositivo eletrônico.
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 51
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
(C) Seria preciso que eu retivesse o helicóptero em sua caixa, para que
ninguém viesse a suspeitar do que lhe ocorrera.
(D) Meu irmão refreiou por um momento sua curiosidade, ao passo que eu,
como não detesse a curiosidade, passei a abrir os presentes.
(E) Meus pais se manteram para todo o sempre à margem do que ocorrera
com meu helicóptero e do pequeno ardil que lhes impigira.

Questão 19: TJ PE 2007 Analista


Estão adequados o emprego e a flexão de todas formas verbais na frase:
(A) Se as pesquisas bem realizadas sempre intervissem no comportamento
das pessoas, o estudo ao qual se aplicou Johnson teria algum efeito sobre
o público.
(B) Imergem da pesquisa de Johnson alguns dados reveladores quanto à ação
da TV sobre nós, mas é possível que outros fatores hajam de modo
determinante sobre o nosso comportamento.
(C) Quem revir as várias pesquisas sobre a relação entre TV e
comportamento haverá de se deparar com resultados que talvez
constituam motivo para algum alarme.
(D) Jamais conviu às emissoras de TV divulgar essas pesquisas, que quase
sempre as encriminam como responsáveis pela multiplicação da violência
social.
(E) Se as violências que provêem do hábito de assistir à TV se saneiassem
por conta de alguma regulamentação governamental, seria o caso de
pedir providências às autoridades.

Questão 20: TRT 9ªR - 2010 Analista


Estão corretamente empregadas e flexionadas todas as formas verbais da
frase:
(A) Se não intervirmos no mundo em que vivemos, para garantir seu
equilíbrio, talvez nem mesmo Deus se interesse por nos favorecer.
(B) Se a religião não se dispor a refazer os cálculos, o número de 7.000 anos
que ela impele ao mundo parecerá cada vez mais absurdo.
(C) Se os crentes requisessem e obtivessem a presença de Deus como prova
de sua existência, os cientistas passariam a examiná-lo.
(D) Mesmo que todos os religiosos conviessem quanto à existência de um
único Deus, ainda assim pouco teria este a inspirar os cientistas.
(E) Mesmo que todos os cientistas fossem agnósticos, e se detessem no
caminho exclusivo da ciência, a dúvida acabaria por assaltar alguns.

Questão 21: Bahia Gás - 2010 Analista


Está correta a flexão verbal, bem como adequada a correlação entre os
tempos e os modos na frase:
(A) Zeus teria irritado-se com a ousadia de Prometeu e o havia condenado a
estar acorrentado ao monte Cáucaso.
(B) Seu sofrimento teria durado várias eras, até que Hércules intercedera,
compadecido que ficou.
(C) O sofrimento de Prometeu duraria várias eras ainda, não viesse Hércules
Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 52
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
a abater a águia e livrá-lo do suplício.
(D) Irritado com a ousadia que Prometeu cometesse, Zeus o teria condenado
e acorrentado ao monte Cáucaso.
(E) Prometeu haveria de sofrer por várias eras, quando Hércules o livrara do
suplício, e abateu a águia.

Questão 22: TCE MG - 2007 Superior


Todos os verbos estão corretamente empregados e flexionados na frase:
(A) Se eu voltar à mesma escola e os alunos proporem as mesmas perguntas,
os debates não deixarão de ter o mesmo calor da primeira vez.
(B) Se o autor do texto não retesse o mesmo entusiasmo de menino pelas
perguntas, não haveria todo aquele magnetismo durante o colóquio.
(C) Ao autor aprouve suspender a palestra convencional e deter-se nas
perguntas fundamentais que as crianças lhe propuseram.
(D) Imergia das questões formuladas aquela vitalidade própria das crianças
que não se resiguinam à passividade diante dos mistérios do mundo.
(E) Seria interessante que os cientistas convissem em que é fundamental não
perder o contato com a curiosidade que se constitue ainda na infância.

Questão 23: TRT 24ªR - 2006 Analista


Está correta a flexão de todas as formas verbais na frase:
(A) Ao longo do tempo, os corruptos nem sempre se desaviram com as
instituições; pelo contrário, muitos souberam usá-las em benefício
próprio.
(B) Em respeito à ética, se os interesses particulares se contrapuserem aos
públicos, devem prevalecer estes, e não aqueles.
(C) Caso não detêssemos boa parte dos nossos ímpetos destrutivos, nenhuma
sociedade conheceria um momento sequer de estabilização.
(D) Quando os estados nacionais não intervêem nas instituições corrompidas,
a ordem social tende a fragilizar-se cada vez mais.
(E) Se tivessem prevalecido as boas causas pelas quais nossos antepassados
haveram de lutar, estaríamos hoje numa sociedade mais justa.

Questão 24: TRF 1ªR - 2006 Analista


Estão corretos o emprego e a flexão dos verbos na frase:
(A) A polêmica que o editorial tinha aceso entre os latino-americanos também
acerrou os ânimos de intelectuais progressistas europeus.
(B) Atitudes colonialistas costumam insulflar ressentimentos entre os povos
que buscam imergir de suas fundas penúrias.
(C) A revista The Lancer descriminou os cubanos, tratando-os como bem lhe
aprouveu.
(D) Se os cubanos interviessem em outros países do modo como já
intervieram as grandes potências, seriam duramente rechaçados.
(E) Que ninguém se surprenda se os cubanos recomporem seu estilo de vida,
após uma eventual ruptura política.

Questão 25: TRF 3ªR - 2007 Analista


Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 53
PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR
Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas no contexto da
seguinte frase:
(A) Se não nos entretermos com as ficções de nossas telas, dizem algumas
pessoas, com que se preencherá nosso tempo ocioso?
(B) Quando finalmente convirmos em que os sonhos são estimulantes e
necessários, a eles recorreremos para combater nosso excessivo
pragmatismo.
(C) Já que aos adolescentes de ontem aprouve cultivar tantos sonhos, por
que os de hoje terão abdicado do direito a todos os devaneios?
(D) Se as ficções não nos provissem de tantas imagens e informações,
teríamos mais tempo para criar nossas próprias fantasias.
(E) As sucessivas gerações já muito se contradizeram, por força da
diversidade de seus sonhos, ao passo que a de hoje parece ter renunciado
a todos eles.

Questão 26: TJ PI Analista 2010


Enquanto isso, Karzai falava que os serviços de inteligência...
A frase cujo verbo está flexionado nos mesmos tempo e modo que o grifado
acima é:
(A) Não sabia o coronel Vician que, imediatamente, Stada...
(B) Durante oito dias, os funcionários da Emergency ficaram incomunicáveis.
(C) O flagrante preparado consistiu numa blitz em sala da administração...
(D) O móvel dessa urdidura remonta a março de 2007...
(E) A ligação completou-se com um soldado britânico...

Questão 27: TRE RN 2011 Técnico


Na frase “... como fazia em noites de trovoadas.”, o verbo flexionado nos
mesmos tempo e modo em que se encontra o grifado acima está em:
(A) Ao ouvir as notícias...
(B) ... D. João embarcou na carruagem...
(C) ... que passara a madrugada...
(D) ... bastaram algumas semanas...
(E) ... que o aguardava...

Questão 28: TRT 18ª R 2008 - Analista


É importante que você possa contar com minha amizade; confie nela, que eu
não o decepcionarei.
(A) tu possas - confies - te
(B) Vossa Excelência podeis - confiei - vos
(C) tu possas - confia - te
(D) vós possais - confiem - vos
(E) Sua Senhoria podeis - confiai - vos

GABARITO

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 54


PORTUGUÊS P/ TRT 9ªR (TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS)
PROFESSOR TERROR

1B 2E 3A 4B 5C 6D 7C 8C 9B 10 B
11 C 12 D 13 B 14 C 15 B 16 E 17 D 18 C 19 C 20 D
21 C 22 C 23 B 24 D 25 C 26 A 27 E 28 C

Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 55