Você está na página 1de 18

OS MAIAS

E P I S Ó D I O S DA V I DA RO M Â N T I C A

Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Tarde

Trabalho realizado por:


Cristina Dias; Nicole Santos; Oxana Marian; Paulo Caetano; Stefanie Wacek
NARRATIVA

 Narrador: heterodiegético.
 Focalização do narrador (Corneta do Diabo): interna.
 Focalização do narrador ( Jornal a Tarde): omnisciente.
 Nível de ação: crónica de costumes.
 Função Cardinal 6: encontro de Maria Eduarda com Guimarães.
 Tempo: Outono de 1876.
 Espaço físico: Lisboa.
C O R N E TA D O D I A B O E
J O R NA L A TA R D E

 Capitulo: XV.

 Elemento da tragédia: peripécia.

 Temas abordados no capitulo XV:

• A vida e educação de Maria Eduarda;

• O encontro de Maria Eduarda com Guimarães;

• O episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Tarde.


ÍNDICE

 Episódio da Corneta do Diabo  Episodio do Jornal a Tarde


 Resumo do episódio  Resumo do episódio
 Personagens  Personagens
 Caracterização das personagens  Caracterização das personagens
 Crítica  Critica
CORNETA DO DIABO
RES UMO

 Carlos recebe a Carta de Ega;

 Ega informa Carlos sobre a Corneta do Diabo, jornal de escândalos;

 No jornal aparece um artigo sobre a relação de Carlos e Maria Eduarda ;

 Carlos e Ega compram a tiragem do artigo;

 Palma revela o nome do autor da carta (Dâmaso );

 Palma aceitou publicar o artigo que Dâmaso encomendou em troca de 100 mil reis.
PERS ONAGENS
C A R A C T E R I Z A ÇÃ O DA S P E R S O NA G E N S

Caracterização física e psicológica

 Carlos da Maia

 João da Ega

 Palma Cavalão

 Dâmaso Salcede
CRÍTICA
 decadência do jornalismo português:

 - corrupto

 - desprovido de ética

 - sensacionalista

 - interesses políticos e económicos.


J ORNAL A TARDE
RES UMO

 Ega e Cruges vão a casa de Dâmaso;

 Ega confronta-o com duas hipóteses para compensar a carta da Corneta do Diabo;

 Dâmaso assina a carta em que se declara bêbedo;

 Após algumas hesitações Ega decide publicar a carta no jornal d’A Tarde

 Editor Neves recusa a publicação por ter confundido Dâmaso Salcede com o político
Dâmaso Guedes;

 Publicação da carta na primeira página da edição seguinte.


PERS ONAGENS
C A R A C T E R I Z A ÇÃ O DA S P E R S O NA G E N S

Caracterização física e psicológica:

 João da Ega

 Dâmaso Salcede

 Neves

 Vitorino Cruges
CRÍTICA

 Decadência do jornalismo português

 corrupto

 desprovido de ética

 sensacionalista

 interesses políticos e económicos


ES TILO QUEIROS IANO

 As personagens-tipo : Neves, Palma Cavalão e Dâmaso Salcede.

 Advérbio: “ Primeiramente”; “ Lentamente”; “Significativamente”;


“Irresistivelmente”; “Desesperadamente”.

 Adjetivação: “Um cavalheiro, gordo e carrancudo”; “O pobre Dâmaso escutava-


o, esmagado, enervado sem compreender (..)”; “ aquele fim de outono ia escuro e
agreste”.

 Os Verbos: “ Aqui para nós, eu prometei-lhe dois estalos na cara, e ele embuchou.”;

“(…) sentindo-se remoçar, como ele dizia (…)”.


ES TILO QUEIROS IANO

 Hipálage: “luz suja de saguão”; “grogue frio”; monóculo sôfrego”;


“subindo a escada lobrega”.
 Diminutivo: Sim, fora em Sintra, com o Eusebiozinho e duas espanholas(… )“; Porque
artiguinhos como este da Corneta(…)”.
 Comparação: (…) como um cão abandonado.”
 Estrangeirismos: “adiós”; “coupé”; “High Life”; “Royal Mail”; “Mesageries”; “ La Gazette”;
“Cigarettes”; “Sportsman”.
 Neologismo : “ gordafulho”
ES TILO QUEIROS IANO

 Anáfora: “O Palma nada sabia de Carlos, nem de Maria, nem da casa da Rua de
S. Francisco, nem da Toca…”; (…) inspirador da Corneta devia ser alguém familiar
com Castro Gomes; alguém frequentador da Rua de S. Francisco; alguém conhecedor da
Toca; alguém que tinha, por ciúme uma vingança, um desejo ferrenho de magoar Carlos;
alguém que sabia a história de Maria; e enfim alguém que era um cobarde…”
 Ironia: “ E chamei eu aquele homem “meu amigo” “( Dâmaso). “ No entanto, Ega
escrevia muito lentamente, com amor”.
 Enumeração: “Planos, ideias, títulos…”
FIM DA APRESENTAÇÃO