Você está na página 1de 9

Apreciação crítica

Objeto de apreciação: Fotografia


Pintura

▪ Observar a fotografia/ pintura, considerando a situação representada e a


intencionalidade comunicativa do autor.

Leitura de uma imagem

Aspetos a considerar:

A. Observação/ Descrição

- Ângulo a partir do qual é apresentada a imagem

- Enquadramento

- Elementos que constituem a imagem

- Aspetos sobre os quais recai de imediato a atenção

- Figuração objetiva

- Figuração subjetiva/simbólica

- Planos

- Proximidade / Distância

-Conjunto / Pormenor

- Alto / Baixo
- Esquerda / Direita

- Sobreposições

- Cromatismo /preto e branco

- Função representativa

- Dimensão subjetiva / simbólica

- Luminosidade

- Objetividade

- Destaques

- Contraste

- Cores quentes / cores frias

- Jogos de luz / sombra

- ….

- Texturas sugeridas

- Sugestões de movimento

- Relação entre o título / legenda e a imagem

B. Interpretação

Exemplo: Leitura do quadro A Tentação de Santo António, de Max Ernest

Observa a imagem que se segue. Trata-se de uma reprodução de um quadro de


Max Ernest (1891-1976), um pintor alemão nacionalizado francês e um dos grandes
representantes do Surrealismo, movimento estético que valoriza o insólito, a
transfiguração do real e os elementos inconscientes na produção artística.
A Tentação de Santo António, Max Ernest, 1945

A. Observação/Descrição

Enquadramento

• monstros à esquerda, em baixo e à direita, rodeiam a figura humana;


• ao centro, em planos mais distantes, a figura é circundada por rochedos
e por uma figura feminina;
• em cima, surge um céu que perde luz.

Elementos que constituem a imagem

Aspetos sobre os quais recai de imediato a atenção:

- figuração subjetiva (simbólica): figuras monstruosas; a figura vermelha em


primeiro plano;

- figuração objetiva: a figura vermelha representa Santo António.


Planos

Quatro planos distintos:

• o da figura vermelha, rodeada de monstros, sobretudo à esquerda (plano


mais aproximado e abrangendo o plano horizontal do quadro);
• o da água, onde surgem refletidas as imagens que constituem o plano
mais distante;
• o terceiro plano, onde surge uma figura feminina e rochedos;
• um último plano, interseccionando a verticalidade e o plano horizontal,
revela o céu e as nuvens.

Cromatismo

• Predominância do vermelho-vivo, relacionado com o sangue, a vitalidade e o


instinto;
• tonalidade escura dos monstros, associando-se esta cor ao mal;
• verde da água, manchada do negro das sombras que as imagens dos outros
elementos nela refletem;
• bege-esverdeado das pedras, que ganham uma tonalidade escura (associada
ao tempo e à intemporalidade);
• céu azul sombrio, carregado de nuvens bege-acinzentadas, sugerindo o
desaparecimento do sol.

Luminosidade

• maior concentração de luz do lado direito, junto à cabeça que sai da figura
vermelha (a cabeça encontra-se ligada à razão, ao conhecimento); destaque
para o olhar das figuras monstruosas e para a sua constituição física;
• obscuridade na parte esquerda do quadro.

Contrastes

• contraste entre a obscuridade que predomina na parte esquerda da composição


e a luz que incide sobre o lado direito da mesma, o que acontece também no
plano vertical: a escuridão dos planos anteriores é gradativamente diluída até à
representação do céu.

Texturas sugeridas

• dureza da carapaça dos animais (em baixo);


• aspereza do pelo e das pinças das patas dos monstros (sugestão de picada e
de corte);
• lisura das pedras que representam a figura feminina e a espécie de coruja;
• rugosidade das pedras à esquerda, atrás dos monstros.

Sugestão de movimento

• os monstros dirigem-se dos lados esquerdo e direito do quadro para a imagem,


imóvel, que se encontra ao centro.

Relação entre o título e a imagem

• a relação entre o título e a imagem é simbólica, funcionando o quadro como a


representação pictórica do conteúdo verbal que constitui o título.

B. Interpretação

A tentação, ligada à esfera moral do Mal, surge representada pictoricamente sob a


forma de monstros, que simbolizam os medos inconscientes ligados aos desejos
humanos, que conduzem (se não refreados) à perdição.

A ideia de que a tentação pode aniquilar o indivíduo é traduzida pelo cromatismo


(contraste entre o vermelho, ligado ao desejo físico, e a tonalidade escura das figuras
disformes), e pela ausência de luminosidade na parte esquerda do quadro, aos pés do
santo. A verdadeira tentação parece surgir mais longe, sob a forma de uma figura
feminina, inserida no cenário das pedras. Com efeito, a representação dos monstros
(figuras que reconhecemos das ciências naturais e da floresta) ligada à imagética da
figura feminina, traduz a difícil prova que todo o indivíduo tem que superar para atingir
a imortalidade da alma.

Simbologia

Jean Chevalier e Alain Gheerbrant, Dicionário de Símbolos, Ed. Teorema (texto com
supressões)

Monstro: simboliza o guardião de um tesouro, como o tesouro da imortalidade, por


exemplo, isto é, o conjunto das dificuldades a vencer, os obstáculos a ultrapassar, para
se ter acesso, no fim, a esse tesouro, material, biológico ou espiritual. O monstro está
ali para provocar o esforço, o domínio do medo, o heroísmo.
Vermelho: universalmente considerado como o símbolo fundamental do princípio da
vida, com a sua força, o seu poder e o seu brilho, o vermelho, cor de fogo e de sangue,
possui, entretanto, a mesma ambivalência simbólica destes últimos, sem dúvida,
visualmente falando, conforme seja claro ou escuro. (…) O vermelho escuro é noturno,
feminino, secreto e, no limite, centrípeto; ele representa não a expressão, mas o mistério
da vida. Um seduz, encoraja, provoca… o outro alerta, retém, incita à vigilância, inquieta
(…).

Preto: Simbolicamente é visto com mais frequência o seu aspecto frio, negativo. Cor
oposta a todas as cores, o preto está associado às trevas primordiais, à indiferenciação
original. (…) o preto exprime a passividade absoluta, o estado de morte (…).

In Comunicar (11.º ano), Porto Editora

Exemplo: Fotografia (World Press Photo of the Year – 2018)

Venezuela Crisis
World Press Photo of the Year
May 3, 2017

José Víctor Salazar Balza (28) catches fire amid violent clashes with riot police
during a protest against President Nicolás Maduro, in Caracas, Venezuela.

https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2018
Objeto de apreciação: Cartoon

▪ Observar o cartoon, considerando a situação representada, a


intencionalidade crítica e humorística.
GAG

3st prize - FadiToOn

Zebra… Leaving our mark on nature

Cartoon Movement, NETHERLANDS


https://www.publico.pt/2017/06/11/culturaipsilon/notici
a/primeiro-premio-do-world-press-cartoon-para-o-
iraniano-alireza-pakdel-1775326
Artes

Primeiro prémio do World Press Cartoon


para o iraniano Alireza Pakdel
O drama dos refugiados voltou a ser um dos temas recorrentes nos mais de 250 trabalhos
da edição deste ano. No cartoon de Pakdel há um bote carregado que se afunda num
oceanário, enquanto os visitantes se limitam a fotografar e a comentar, como se aquele
fosse um acontecimento banal.

Lusa
11 de Junho de 2017, 12:47

O 1.º prémio do World Press Cartoon 2017, do iraniano Alireza Pakdel, põe em evidência
o drama dos refugiados.