Você está na página 1de 10

1

CONHECIMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DA EDUCAÇÃO: INTRODUÇÃO À


FILOSOFIA

O conceito de Filosofia

1. A palavra Filosofia é a junção de dois termos gregos: filos ou philia, que significa amor
fraterno, amizade e Sofia ou Sophia, que significa sabedoria. Assim, o sentido etimológico
da palavra Filosofia seria amor à sabedoria ou amor pelo saber.
2. Filósofo não é aquele que detém o saber, e sim aquele que ama a busca da sabedoria, que
tem amizade e desejo pelo saber.
3. A Filosofia não é apenas um logos (palavra que vem do grego e, inicialmente, significava,
palavra, verbo. Com o surgimento da Filosofia, passou a representar o conceito filosófico
de razão.), ela é a procura da verdade.
4. A Filosofia vai além de um conjunto de conhecimentos. Ela nos conduz a um
posicionamento diante da vida e do mundo, a uma atitude filosófica, ou seja, a decisão de
não aceitar como óbvias e evidentes as coisas, os fatos, as situações, os valores, os
comportamentos de nossa vida cotidiana; jamais aceitá-los sem antes havê-los investigado
e compreendido.
5. A atitude filosófica leva a pessoa a questionar o senso comum (= opiniões informais,
aceitas como verdades e que constitui uma forma de conhecimento compartilhado pela
maioria das pessoas, mas sem embasamento teórico ou científico).

O nascimento da Filosofia

6. A filosofia se iniciou, durante o século VI a.C., nas cidades gregas.


7. Os primeiros questionamentos feitos pelos filósofos se concentravam na tentativa de
explicar a existência humana e do Universo (Cosmologia, cosmo=mundo e logia =
estudo).
8. Historicamente, a filosofia se iniciou com Tales, nascido em Mileto por volta de 624 a. C.
(lembra-se do Teorema de Tales?), o primeiro pensador ocidental que buscou explicar a
existência por meio de um princípio único, que, para ele, era a água.
9. Nos primeiros tempos da Filosofia, o filósofo era o estudioso de todas as áreas do
conhecimento humano, refletindo sobe Lógica, Ética, Matemática, Astronomia, Física,
Medicina, entre outros saberes.

A dúvida filosófica

10. Questionar é uma atitude filosófica. É por meio do questionamento daquilo que se
estabelece como “verdade” que a pessoa reformula e adquire novos pensamentos em
2

relação a essa “verdade”. Sócrates declarou “que uma vida sem questionamentos não
vale a pena ser vivida”.
11. Na Filosofia não existe o dogma (=verdade religiosa inquestionável); assim, tudo pode
ser questionado, inclusive, é claro, o pensamento dos filósofos.
12. Ter dúvida é essencial para distinguir o saber (episteme) da opinião (doxa).
13. O filósofo francês René Descartes (1596-1650) – lembra-se dos produtos cartesianos? –
defendeu a ideia de que todas as coisas deveriam passar sob o crivo da dúvida. Para
ele, para se alcançar a verdade era necessário utilizar o método da dúvida. É dele a
famosa frase: “penso, logo existo” (“Cogito,ergo sum”)

A admiração na filosofia

14. Ao nos defrontarmos com uma situação totalmente diferente, inesperada, normalmente
ficamos admirados, espantados com tal situação.
15. Essa admiração é o ponto de partida do ato de filosofar, pois nos leva à indagação
daquilo que ignoramos, conduzindo-nos a uma visão mais ampla da situação.
16. Aristóteles (384 – 322 a.C.) afirmava que “a atitude da admiração, quando nos desperta
para certas interrogações, é a manifestação do desejo de saber”
17. Para a Filosofia, esses questionamentos precisam levar o indivíduo ao conhecimento,
pois, ao se deparar com uma situação inusitada, se ele simplesmente se espantar e ficar
passivo diante dela, aceitando a situação tal como ela é, jamais estará filosofando;
estará, sim, numa atitude de alienação.
18. As ações de pensar e de questionar, propostas pela Filosofia, envolvem perigo, já que
essas indagações podem levar à instabilidade, à incerteza. Para muitos, então, é melhor
deixar as coisas do jeito que estão, sem perguntas complexas que aparentemente não
tem solução. A atitude de filosofar exige coragem.

A mitologia grega

19. Buscar respostas para as dúvidas, querer saber das coisas... é inerente ao ser
humano.(o homem é um “animal epistêmico”)
20. O conhecimento empírico (do latim empiricus, “experiência prática”) é decorrente das
experiências do dia a dia. Conhecimento imperfeito, particularizado, imaturo, não
baseado ou comprovado pela ciência.
21. Quando um conhecimento empírico é superado pelas informações já comprovadas pela
ciência, surge o conhecimento científico.
22. Há ainda o conhecimento mítico. O mito (do grego mythos e significa narrativa, conto,
relato fabuloso) é uma “verdade” instituída que não necessita de provas.
23. Os mitos servem para explicar os fenômenos, o Universo, a criação de tudo, não de
forma racional, pois, geralmente, são alegóricos e fantasiosos.
24. Mitologia é o conjunto de mitos, lendas e entidades ou seres sobrenaturais criados e
transmitidos originalmente por tradição oral.
3

25. Acredita-se que os primeiros registros sobre a mitologia grega são datados do século VIII
a. C., feitos nos textos épicos escritos por Homero, a Ilíada (Guerra de Tróia) e a
Odisseia (retorno de Ulisses após a Guerra)
26. Na religião grega imperava, além da mitologia, o politeísmo e o antropomorfismo.
27. O conjunto de mitos gregos fundiu-se com os mitos romanos quando a Grécia foi
conquistada pelo Império Romano. Desse modo, Afrodite, deusa do amor e da beleza, é
chamada de Vênus pelos romanos.

Mitologia e Filosofia.

28. Com o surgimento da filosofia grega, no século VI a.C. , a crença nos mitos passou a ser
questionada pelos filósofos, todavia,a mitologia grega não deixou de existir e os cultos
aos deuses gregos continuaram
29. Diferentemente do mito, a Filosofia tenta explicar o mundo por meio de um saber
racional, utilizando o raciocínio lógico.

A Filosofia pré-socrática

30. Os filósofos pré-socráticos tinham como preocupação explicar o princípio da natureza e


da ordem no mundo, ou seja, as leis gerais que regem o mundo físico (ver tópico 7)
31. Tales de Mileto (ver tópico 8) é considerado o fundador da Filosofia. Foi estudioso da
geometria e astrônomo, tendo previsto corretamente o eclipse solar que ocorreu em 585
a. C.
32. Heráclito de Éfeso nasceu por volta de 540 a. C. para ele, o mundo era dinâmico e
estava em constante transformação, tendo afirmado que “ninguém pode entrar no
mesmo rio duas vezes”
33. Pitágoras nasceu por volta de 570 a.C., em Samos. Para ele, o princípio de todas as
coisas eram os números, que representavam a harmonia e a ordem no Universo.
Contribuiu com a Matemática (lembra-se do Teorema?) e a Astronomia.
34. Escola eleática (devido à cidade de Eleia, situada na Itália). O eleatismo concentra-se
na comparação entre o conhecimento sensível e o conhecimento racional, concluindo
que o único conhecimento realmente válido é aquele que resulta da Razão.
35. Parmênides de Eleia nasceu por volta do ano 510 a.C. Para esse pensador, existem dois
caminhos para a realidade: (a) o da Filosofia (da razão) e (b) o da aparência enganosa
(da crendice, da opinião pessoal).
36. Para ele, o caminho da razão mostra que existe o ser, e sua existência não pode ser
questionada. É dele a afirmação “o ser é e o não ser não é”. O ser, para Parmênides, é
único, eterno e ilimitado.
37. Zenão de Eleia viveu entre 488 e 461 a.C. e foi discípulo de Parmênides. Seu método
consistia em não rebater imediatamente a posição dos “adversários”, aceitando-a
inicialmente, para logo depois revelar suas contradições. Por isso, Zenão é considerado
o fundador da Dialética.
38. Dialética (vem do grego através do latim dialectĭca ou dialectĭce) é um método de
diálogo cujo foco é a contraposição e contradição de ideias que leva a outras ideias e
4

que tem sido um tema central na filosofia ocidental e oriental desde os tempos antigos. A
tradução literal de dialética significa "caminho entre as idéias".
39. A Escola atomista recebe esse nome em decorrência da Teoria dos Átomos criada por
Leucipo e aperfeiçoada, posteriormente por seu discípulo Demócrito. Para os atomistas,
o arché ou arqué (elemento básico na constituição da natureza e princípio básico de
todas as coisas e seres) são os átomos, isto é, elementos invisíveis, indivisíveis (átomo,
em grego, significa “indivisível”) e ilimitados.
40. Demócrito viveu entre os anos 460 e 370 a.C. na cidade de Abdera. É considerado um
dos filósofos mais versáteis já conhecidos. Além de filósofo, tinha grandes
conhecimentos de astronomia, história, linguística, geometria, matemática e música.
Demócrito sistematizou a concepção atomista, defendendo que a existência do átomo
pressupõe o vazio e, nesse vazio, os átomos se movimentam.

 Os sofistas.

41. O termo sofista vem do grego sophós, cujo sentido é sábio.


42. Os sofistas eram professores itinerantes que andavam, de cidade em cidade, ensinado
ciências, arte, eloquência, oratória e habilidade mental com o objetivo de o aprendiz
obter sucesso nos negócios. Os sofistas cobravam pelos seus trabalhos pelo que foram
muitos criticados.
43. Apesar das críticas, os sofistas foram muito importantes para a Filosofia grega, pois,
além do ensino voltado para a prática, eles contribuíram para a sistematização do
ensino, ao iniciarem estudo da gramática, da retórica e da dialética.
44. A Protágoras é atribuído o início do pensamento sofista, tendo vivido em Abdera entre
480 e 420 a.C.. Sua frase mais conhecida é “o homem é a medida de todas as coisas”.
45. Um importante sofista foi Geórgias, que nasceu na Sicília, Itália, em 485 a. C. ele
possuía grande capacidade retórica e defendia o ceticismo absoluto (= doutrina
filosófica que defende a impossibilidade total ou parcial do conhecimento humano). Para
ele, por não existir a verdade, o poder da palavra é o que vale, pois a palavra pode
mudar a opinião das pessoas.

 O período socrático

46. Sócrates nasceu na cidade de Atenas em 369 a.C., era filho de um escultor e de uma
parteira. É dele a frase “Só sei que nada sei”
47. A frase “Conhece-te a ti mesmo” revela que Sócrates tinha como principal preocupação o
autoconhecimento.
48. Os ensinamentos de Sócrates baseavam-se em diálogos, que apresentavam dois
momentos básicos, denominados ironia e maiêutica. A ironia (de eiroeía = perguntar,
fingindo ignorar, para rir-se dos outros) consistia em questionar o interlocutor sobre algo,
“fingindo” não conhecer o assunto. Na segunda fase do diálogo, Sócrates ajudava o
discípulo a elaborar suas próprias idéias. Essa concepção era chamada de maiêutica (de
maieutikós = parto), ou a arte de trazer à luz.
5

49. Sócrates, ao referir-se à educação, descreveu os processos de obtenção do


conhecimento, enfatizando dois aspectos: objetivo: conversação; subjetivo: reflexão.
50. Sócrates faleceu em 399 a.C. Acusado de não reconhecer os deuses da cidade grega,
de corromper a juventude e introduzir novos deuses, foi condenado à morte através da
ingestão de um veneno chamado cicuta.
51. Platão nasceu em 428 ou 427 a.C. e morreu em 348 ou 347 a.C. Seu nome era
Arístocles, porém, por ter ombros muito largos, foi apelidado de Platão, que em grego
significa ombros largos.
52. A vida de Platão transcorreu entre a democracia ateniense e o fim do período helenístico,
portanto sua forma de pensar sofreu a influência desse período de grande liberdade de
pensamento.
53. O período helenístico é um momento de transição entre o esplendor da cultura grega e
o desenvolvimento da cultura romana
54. Platão foi discípulo de Sócrates e realizou várias viagens. Regressando a Atenas, fundou
sua escola filosófica, chamada Academia.
55. Segundo Platão, a dialética (ver tópico 40) é a proposição de uma tese, seguida de uma
discussão e negação dessa tese, para, assim corrigir os erros e os equívocos
provenientes dela.
56. O “mito” ou “alegoria da caverna” é um dos textos mais conhecidos de Platão e está
inserida na sua obra A República, considerada a primeira utopia da literatura ocidental.
57. Sobre a educação, Platão dizia que é atividade que cada homem desenvolve para
conquistar as idéias e viver de acordo com elas.
58. Aristóteles nasceu no ano 384 a.C., em Estagira, cidade da Macedônia fundada por
colonos gregos. Na juventude, mudou-se para Atenas e estudou na Academia de Platão.
Em 343 a.C, tornou-se professor de Alexandre, filho de Filipe da Macedônia. O aluno,
mais tarde, seria conhecido como Alexandre, o Grande.
59. Aristóteles fundou, em Atenas, a sua própria academia, conhecida como Liceu, em
homenagem ao templo de Apolo Lício. Suas aulas eram ministradas enquanto
caminhava. Ele e seu grupo foram chamados de peripatéticos, que em grego quer dizer
passear, andar em redor. Sobre a educação, afirmou que tem como processo
fundamental a imitação e descreveu os fatores da educação: natura = as disposições
naturais; ars = os meios para aprender; exercitatio = a prática para consolidar o
assimilado.
60. Aristóteles desenvolveu a lógica para que servisse como instrumento para o raciocínio.
Ele é considerado o pai da Lógica e o inventor do silogismo (uma dedução formal em
que são postas duas proposições chamadas premissas e delas se tira uma conclusão)
61. A importância de Aristóteles é tão grande que, a partir do século XII, seus manuscritos
foram levados para os centros de cultura muçulmana, principalmente na península
Ibérica, e seus textos foram traduzidos do árabe para o latim. Aristóteles faleceu na ilha
de Eubeia, na Grécia, em 322 a.C.
6

Helenismo
62. O período filosófico após a morte de Aristóteles e o início da Filosofia medieval é
conhecido como helenismo. Neste período, surgiram várias escolas. Quatro
correntes de pensamento se destacaram: os cínicos, os céticos, os estoicos e os
epicuristas.
63. O cinismo surgiu em Atenas, por volta de 400 a.C, tendo como figura mais
expressiva o filósofo Diógenes. O cinismo pregava o desapego aos bens
materiais. Mais tarde, a palavra cínico ganharia uma conotação depreciativa.
64. O fundador do ceticismo antigo foi o filósofo grego Pirro (360 – 275 a.C.) . O
ceticismo é uma doutrina filosófica que defende que não se pode conhecer a
verdade, pois ela não existia.
65. O ceticismo se opõe ao dogmatismo, pois essa perspectiva se estrutura em
dogmas que expressam verdades absolutas, não passíveis de críticas ou de
questionamentos.
66. Zenão de Cítio , cerca de 340 a.C e 264 a.C , (ver tópico 39) foi o fundador da
escola estoica, cujas raízes tinham base no pensamento de Aristóteles. Os
estoicos consideravam que a virtude é baseada no conhecimento e a razão é o
princípio que rege toda a natureza.
67. Epicuro ( 341-270 a.C.) fundou, em Atenas, a escola dos epicuristas ou
epicureus, cuja doutrina propunha o prazer como o único objetivo essencial na
vida. “Não se preocupe, seja feliz” era o lema dessa escola. Na escola de Epicuro
havia a seguinte frase: “O prazer maior é o bem”
68. Os epicuristas evitavam a dor, as inquietações, o estresse, a vida pública e
envolvimentos emocionais mais profundos. Para eles, o mandamento era: “viver o
momento”
69. Carpe Diem é uma frase em latim de um poema de Horácio, e é popularmente
traduzida para colha o dia ou aproveite o momento. (citada no Filme “Sociedade
dos poetas mortos”)

O neoplatonismo e a escola de Alexandria.


70. A corrente mais importante do final da Antiguidade foi o neoplatonismo, inspirada
em Platão (ver tópicos 53 a 60)
71. A escola de Alexandria foi fundada por Amônio Sacas (175 a 242 d.C.) . Ele não
deixou nada escrito; sua doutrina foi compilada, mais tarde, por Plotino, seu
discípulo.
72. Os neoplatônicos acreditavam que o Mal não tinha existência no mundo, o que
existia era a ausência do Bem. Para eles, a perfeição e a felicidade eram
adquiridas pela contemplação filosófica.
73. Plotino ( 204-270 d.C.) nasceu no Egito. Estudou em Alexandria. Fundou, em
Roma, sua escola. Escreveu 54 tratados.
74. Porfírio (232 d.C.- 304 d.C.) . Esteve em Roma, onde foi discípulo de Plotino
7

75. Porfírio explicou a lógica de Aristóteles e o neoplatonismo de Plotino. Foi opositor


do cristianismo. Era defensor do vegetarianismo, tendo escrito um livro sobre o
assunto além de obras sobre astrologia, teoria musical, astronomia e uma
biografia de Pitágoras.

O “fim” da Filosofia grega.

76. A Filosofia grega é a base de toda Filosofia existente hoje. Ela perdurou por um
milênio e formulou questões ainda não respondidas pelos pensadores
contemporâneos.
77. Sócrates, Platão, Aristóteles e outros tantos filósofos continuam sendo estudados
atualmente e, ao longo do tempo, influenciaram todo pensamento Ocidental.

Filosofia Medieval

78. Para melhor entender os acontecimentos no campo da Filosofia referentes à era


medieval, é necessário referir-se ao cristianismo.
79. O cristianismo começou no século I, ainda na Antiguidade e é uma religião
monoteísta extremamente importante devido à sua influência em vários períodos
históricos e à sua disseminação em todo mundo.
80. Os imperadores romanos perseguiram os seguidores de Jesus durante muito
tempo, mas apesar disso, o cristianismo foi se desenvolvendo e conquistando
novos adeptos.
81. Com o decorrer do tempo, essa perseguição tornou-se mais suave e, em 312 d.
C., com a conversão do imperador Constantino, os cristãos conquistaram sua
liberdade religiosa, através do Edito de Milão.
82. Em 391, o imperador Teodósio (364-395) proibiu os cultos pagãos em Roma, e o
cristianismo passou a ser a religião oficial do Império Romano.

Cristianismo e Filosofia
83. Muitas são as discussões sobre a ligação entre cristianismo e Filosofia, ou seja,
sobre o cristianismo filosófico.
84. Para alguns especialistas, o cristianismo é uma Filosofia, enquanto outros
defendem a ideia contrária.
85. Na Filosofia, busca-se a “verdade” através da razão; já o cristianismo está
centrado na fé, definida como “o firme fundamento das coisas que se esperam, e
a prova das coisas que não se veem”
86. Apesar da aparente separação entre a Filosofia e o cristianismo, alguns líderes
religiosos basearam-se nas teorias dos filósofos para elaborar suas doutrinas
religiosas. São Tomás de Aquino, por exemplo, utilizava alguns conceitos
elaborados por Aristóteles.
8

A Filosofia Patrística

87. A Idade Média já foi considerada a “Idade das Trevas”. Atualmente, essa visão é
contestada por muitos historiadores.
88. Foi nessa época que predominou a Filosofia patrística, que já havia surgido no
período de decadência do Império Romano, durante o século II.
89. As ideias vinculadas a essa Filosofia procuravam explicar a relação existente
entre a fé e a razão e a importância da moral na vida humana.
90. Aureliano Agostinho nasceu em Tagaste, Norte da África, em 354. Ainda na
juventude, foi fortemente influenciado pelo maniqueísmo.
91. O Maniqueísmo é uma filosofia religiosa sincrética e dualística fundada e
propagada por Maniqueu que divide o mundo simplesmente entre Bem, ou Deus,
e Mal, ou o Diabo. Com a popularização do termo, maniqueísta passou a ser um
adjetivo para toda doutrina fundada nos dois princípios opostos do Bem e do Mal.
92. Mais tarde, já maduro, Agostinho abandonou o maniqueísmo e abraçou a filosofia
neoplatônica.
93. Os neoplatonistas pretendiam fortalecer o cristianismo associando o
pensamento de Platão a essa religião, misturando razão e fé, pois , para eles, ter
fé é, antes de mais nada, um ato de razão.
94. Em 397, Agostinho escreveu a obra Confissões. Inspirado em Platão, escreveu o
De Magistro, importante obra pedagógica, onde monta um diálogo entre ele e seu
filho Adeodato. Elaborou a Teoria da Iluminação: o homem recebe de Deus o
conhecimento das verdades eternas, utilizando também seu próprio intelecto.
Toda educação seria, portanto, uma autoeducação.
95. Agostinho faleceu em Hipona (onde foi bispo) em 430. Ele é considerado o maior
representante da Filosofia patrística e sua obra é tida como extremamente
importante para o cristianismo.

A Filosofia escolástica

96. A escolástica num sentido amplo: movimento intelectual preocupado em


demonstrar e ensinar as concordâncias da razão com a fé pelo método da análise
lógica. Surgiu no século IX e predominou até à época do Renascimento, entre os
séculos XV e XVI
97. Essa Filosofia teológica era predominante nas escolas desse período, daí a
explicação de seu nome.
98. Santo Anselmo (1033-1109) foi o primeiro a fazer distinção entre saber e crença.
99. Santo Alberto Magno (1200-1280), o Doutor Universal. Foi o primeiro a
reproduzir a filosofia de Aristóteles de forma sistemática.
100. O mais importante e conhecido representante da Filosofia escolástica foi
São Tomás de Aquino (1225-1274), o Doutor Angélico, que recuperou e baseou-
se no pensamento de Aristóteles para escrever a obra Suma Teológica. São
Tomás de Aquino foi buscar em Aristóteles a distinção entre essência e
9

existência. Como o filósofo grego, considera que o homem, em sua essência,


busca a perfeição através de sua existência.
101. Introduzindo o ponto de vista religioso, ao contrário de Aristóteles, afirma
que somente Deus seria capaz de reunir, em termos de igualdade, a essência e a
existência. Portanto, a busca de perfeição pelo homem seria a busca de Deus.
102. Para ele, o educando deve ter participação na sua formação física e
espiritual.

ATIVIDADE ......

Texto: Conhecimentos Histórico e Filosóficos da Educação: introdução à filosofia.

01. Qual é o sentido etimológico da palavra filosofia?


02. Como podemos caracterizar uma atitude filosófica?
03. O que é o conhecimento do senso comum?
04. Etimologicamente, o que significa cosmologia?
05. Para Tales, qual era o princípio único da natureza?
06. Qual a frase de Sócrates sobre a atitude filosófica?
07. Em síntese, o que é dogma?
08. Qual o sentido do termo grego episteme? E do termo doxa?
09. Que ideia foi defendida por Descartes?
10. Qual a tradução de “cogito, ergo sum”?
11. Segundo o texto, qual é o ponto de partida do ato de filosofar?
12. Que disse Aristóteles sobre a atitude da admiração?
13. O que pode produzir uma atitude de alienação?
14. Por que a atitude de filosofar requer coragem?
15. Por que se diz que o homem é um animal epistêmico?
16. Quais as características do conhecimento empírico?
17. Qual a origem do termo mito? O que significa mito?
18. Para que servem os mitos?
19. Em resumo, o que é mitologia?
20. O que imperava na religião grega?
21. Como a filosofia tenta explicar o mundo?
22. Qual a preocupação dos filósofos pré-socráticos?
23. Por que Heráclito afirmou que ninguém pode atravessar duas vezes o mesmo rio?
24. Para Pitágoras, qual era o princípio de todas as coisas?
25. Qual a conclusão da escola eleática?
26. Em resumo, o que é dialética?
27. Que significa arché?
28. Para os atomistas, qual era o arché?
29. Qual o ponto de vista de Demócrito?
30. O que o texto diz sobre os sofistas?
31. Qual a importância dos sofistas?
32. Qual a frase mais conhecida de Protágoras?
10

33. Que significa ceticismo absoluto?


34. O que a frase “Conhece-te a ti mesmo” revela?
35. Considerando o Método socrático, o que significa ironia e maiêutica?
36. Para Sócrates, o que era a educação?
37. Em síntese, o que foi o período helenístico?
38. Segundo Platão, o que é a dialética?
39. Sobre a educação, o que Platão afirmava?
40. Para Aristóteles, qual era o processo fundamental da educação?
41. Quais são, para Aristóteles, os fatores da educação?
42. O que é o silogismo? Exemplifique.
43. Em síntese, o que foi o helenismo?
44. Quais as principais escolas surgiram nesse período?
45. Qual a figura mais expressiva dessa corrente? O que essa escola pregava?
46. O que defende a doutrina criada por Pirro?
47. Por que o ceticismo se opõe ao dogmatismo?
48. O que os estoicos consideravam?
49. O que era proposto pela escola de Epicuro?
50. Em suma, o que significa a expressão carpe diem?
51. Qual a corrente mais importante do final da Antiguidade?
52. O que os neoplatônicos acreditavam?
53. Quais as principais contribuições de Porfírio?
54. Em síntese, o que foi o Edito de Nantes?
55. Para alguns, qual a distinção básica entre a Filosofia e o Cristianismo?
56. O que ocorreu, apesar da aparente separação entre a Filosofia e o Cristianismo?
57. O que as ideias vinculadas à Filosofia patrística procuravam explicar?
58. Em síntese, o que foi o maniqueísmo?
59. Qual o propósito dos neoplatonistas?
60. Cite duas obras escritas por Agostinho. Em que consiste o De Magistro?
61. Em resumo, o que diz a Teoria da Iluminação?
62. Num sentido amplo, o que foi a escolástica?
63. Por que razão santo Anselmo se destaca?
64. E Santo Alberto Magno?
65. Quem foi o mais importante e conhecido representante da Filosofia escolástica?
66. Que distinção Tomás de Aquino foi buscar em Aristóteles?
67. Para São Tomás de Aquino, qual era a essência do homem?
68. Tendo em vista um ponto de vista religioso, quais as duas conclusões de Tomás
de Aquino?