Você está na página 1de 44

Gestão e Economia

DR3 - Saberes, poderes e instituições


Sistemas monetários e financeiros
As relações económicas internacionais têm-se desenrolado, nos últimos 60
anos, segundo processos de integração económica, através dos quais os países
constroem espaços económicos comuns. Paralelamente, um processo de
integração implica, a partir de certo grau, a criação de instituições políticas
comuns a todos os países (Parlamento Europeu, Comissão Europeia) e a
progressiva transferência de parte das soberanias nacionais para tais
instituições. É o que acontece com a União Europeia, da qual Portugal faz
parte.
O processo de construção da
UNIÃO EUROPEIA

O lema: «Unida na diversidade»


Os símbolos da União Europeia (UE)
• A bandeira europeia: as doze estrelas em círculo
simbolizam os ideais de unidade, solidariedade e
harmonia entre os povos da Europa.
• O hino europeu: a melodia é um excerto da nona
sinfonia de Beethoven, interpretado numa versão
unicamente instrumental.
• O dia da Europa: 9 de maio. As ideias na base do que
é agora a União Europeia foram formuladas pela
primeira vez em 9 de Maio de 1950, num discurso do
então ministro dos Negócios Estrangeiros francês,
Robert Schuman.
Formas de integração
O processo de integração seguido pelos países pode comportar
objetivos essencialmente económicos ou comerciais ou pode
alargar-se a níveis de carácter social e político, como acontece
com a UE: a livre circulação de bens , pessoas, capitais e
serviços pode estender-se à adoção de políticas comuns na área
económica, na política, na social e n a área da segurança.

A diferença nos objetivos de integração pretendidos por cada


organização traduz formas distintas de integração.
A integração económica

• Como processo – é o conjunto de medidas


tendentes a abolir a discriminação.

• Como situação – corresponde à ausência de


formas diversificadas de discriminação entre
economias nacionais.
Formas de integração económica
• SISTEMA DE PREFERÊNCIAS ADUANEIRAS

• ZONA DE COMÉRCIO LIVRE

• UNIÃO ADUANEIRA

• MERCADO COMUM

• UNIÃO ECONÓMICA

• UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA


Sistema de Preferências Aduaneiras

• É a forma mais simples de integração.


Consiste na concessão mútua de vantagens
aduaneiras aos países membros.
Zona de Comércio Livre
• Eliminação dos direitos aduaneiros e das
restrições quantitativas ao comércio de
mercadorias com origem nos países que
formam esta área, mantendo cada país a sua
própria pauta aduaneira em relação a
terceiros.
Exemplo: EFTA (Associação Europeia de
Comércio Livre).
União Aduaneira
• Mantém os objetivos da Zona de Comércio
Livre, com a diferença de cada país membro
passar a adotar para com terceiros uma
política comercial comum, isto é, a
aplicação de uma pauta exterior comum.
Exemplo: a CEE na sua fase inicial.
Mercado Comum
• Para além de uma pauta exterior comum e da
livre circulação de mercadorias, são
eliminadas as restrições aos movimentos de
serviços, pessoas e capitais.

Exemplo: Mercado Comum da CEE, aquando da


criação do Mercado Único.
União Económica
• Constitui uma forma de integração mais profunda.
• Estabelece a livre circulação total de bens, serviços,
pessoas e capitais, exigindo a adoção de políticas
económicas e sociais comuns.
• Acrescenta ao Mercado Comum a harmonização das
políticas económicas nacionais, como forma de
eliminar as discriminações resultantes das
disparidades existentes entre essas políticas.

Exemplo: a União Europeia com a assinatura em 1992, do


Tratado de Maastricht.
União Económica e Monetária
• É a forma de integração mais profunda e
acabada.
• Unificação das políticas monetárias, fiscais,
sociais, verificando-se, por conseguinte, a
progressiva transferência dos poderes
soberanos dos Estados para entidades
supranacionais que exercem a chamada
soberania comum.
Os tratados da União Europeia
Instituiu a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA)
• Data de assinatura: 18 de abril de 1951
TRATADO DE PARIS • Data da entrada em vigor: 23 de julho de 1952
• Data de termo: 23 de julho de 2002
Foi assinado por seis países e compreendeu o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia (CEE) e a
Comunidade Europeia da Energia Atómica (EURATOM)
TRATADO DE ROMA • Data de assinatura: 25 de março de 1957
• Data da entrada em vigor: 1 de janeiro de 1958
Instituiu uma Comissão e um Conselho únicos para as três comunidades europeias então existentes
TRATADO DE BRUXELAS («Tratado de fusão») • Data de assinatura: 8 de abril de 1965
• Data da entrada em vigor: 1 de julho de 1967
Estabeleceu o mercado interno europeu, isto é, um espaço onde deviam circular livremente pessoas, capitais,
«ATO ÚNICO EUROPEU» mercadorias e serviços
(Luxemburgo e Haia) • Data de assinatura: 28 de fevereiro de 1986
• Data da entrada em vigor: 1 de julho de 1987
Visou a realização de uma união monetária, para mais tarde introduzir o Euro e uma união económica e política;
estabeleceram-se três pilares fundamentais: comunidade europeia, política externa e segurança comum;
TRATADO DE MAASTRICHT
a designação da Comunidade Económica Europeia (CEE) foi alterada para Comunidade Europeia (CE)
(«Tratado da União Europeia») • Data de assinatura: 7 de fevereiro de 1992
• Data da entrada em vigor: 1 de novembro de 1993
Alterou o «Tratado da União Europeia» (Tratado de Maastricht) e o Tratado que institui a Comunidade Europeia
TRATADO DE AMESTERDÃO • Data de assinatura: 2 de outubro de 1997
• Data da entrada em vigor: 1 de maio de 1999
Pretendeu adaptar-se o funcionamento eficaz da União Europeia na perspetiva do alargamento em 1 de maio de
2004, nomeadamente na composição do Parlamento Europeu, da Comissão Europeia, da ponderação do número de
TRATADO DE NICE votos de cada estado-membro e na extensão da maioria qualificada
• Data de assinatura: 26 de fevereiro de 2001
• Data da entrada em vigor: 1 de fevereiro de 2003
O Tratado de Roma visava a elaboração de uma Constituição Europeia; no entanto, quando sujeito a referendo, foi
Tratado de estabelecimento de uma rejeitado em alguns Estados-membros e estes começaram a trabalhar no Tratado de Lisboa
Constituição Europeia (Roma) • Data de assinatura: 29 de outubro de 2004
• Data da entrada em vigor: após ratificação pelos Estados-membros
Tem como principais objetivos: aumentar a democracia na UE, a eficácia da sua atuação e a sua capacidade para
enfrentar os atuais desafios globais (como as alterações climáticas, a segurança e o desenvolvimento sustentável)
TRATADO DE LISBOA
• Data de assinatura: 13 de dezembro de 2007
• Data de entrada em vigor: 1 de dezembro de 2009
As principais datas da construção europeia
• 1951 - Tratado de Paris. Criação da Comunidade Europeia do Carvão e do
Aço (CECA) por 6 países (Alemanha, França, Holanda, Bélgica,
Luxemburgo, Itália)
• 1957 - Assinatura do Tratado de Roma (Alemanha, França, Holanda,
Bélgica, Luxemburgo, Itália) - Constituição da CEE
• 1968 - Entrada em vigor da união aduaneira
• 1973 - Entrada da Dinamarca, Reino Unido e Irlanda
• 1979 - Entrada em vigor do Sistema Monetário Europeu
• 1981 - Entrada da Grécia
• 1986 - Adesão de Espanha e Portugal.
• 1986 - Assinatura do Ato Único Europeu
• 1992 - Tratado de Maastricht - (Tratado da UE, onde se fixam, como
objetivos, a criação da UE e da União Económica e Monetária - UEM)
• 1995 - Entrada da: Áustria, Suécia e Finlândia
• 1999 - Criação da moeda única: o €uro
• 2004 - Entrada da: República Checa, Estónia, Chipre, Letónia, Lituânia,
Hungria, Malta, Polónia, Eslovénia e Eslováquia
• 2007 - Entrada Bulgária e Roménia
• 2013 - Adesão da Croácia
• 2016 - Referendo Reino Unido (23 de junho); Saída da UE (23 h de 31 de janeiro
2020).
A EUROPA ANTES DE 1950

Não havia acordos económicos


Declaração Schuman – 9 maio de 1950

Proposta:
• Subordinação do conjunto da produção
franco-alemã de carvão e de aço a uma Alta
Autoridade, numa organização aberta à
participação de outros países da Europa.
CECA – Comunidade Europeia do
Carvão e do Aço (1951)
• Objetivo era a Europa enveredar pelo caminho
da paz e da cooperação e estreitar o
relacionamento entre a França e a Alemanha.
• Jean Monnet foi o mentor da criação de um
mercado comum de produtos do carvão e do aço
e propôs a Robert Schuman (Min. Neg. Estr.
Francês ) e a Adenauer (Chanceler alemão) a
criação desse mercado.
1951 - Tratado de Paris - CECA

• A proposta de Schuman deu origem à


Comunidade Europeia do Carvão e do Aço
(CECA), criada pelo Tratado de Paris em
1951.
• Aderiram ao mercado dos produtos do
carvão e do aço: a Alemanha, a França, a
Bélgica, a Itália, o Luxemburgo e a Países
Baixos.
O TRATADO DE ROMA - 1957

• A Constituição da CEE - Comunidade Económica


Europeia (França, Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo).
• A Constituição da CEEA – Comunidade Europeia de
Energia Atómica
CEEA – Comunidade Europeia Energia Atómica

• Pretendia coordenar os programas de


investigação de energia nuclear, numa
perspetiva da sua utilização pacífica.
A C.E.E. – Entrou em vigor em 1/1/1958
Principais objetivos:

• Criação de uma União Aduaneira;

• Construção de um Mercado Comum;

• A adoção de políticas comuns;

• A instituição de um Banco Europeu de


Investimentos.
A CEE em 1973
- França, Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo (1957);
- Reino Unido, Irlanda e Dinamarca (1973).
A criação do Sistema Monetário Europeu (SME) – 1979

• A serpente monetária é um símbolo que significa a limitação


imposta à flutuação das moedas, por isso é desenhada dentro de
um túnel.
A CEE em 1981
- França, Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo (1957);
- Reino Unido, Irlanda e Dinamarca (1973);
- Grécia (1981).
O espaço Schengen* (1985)
O espaço Schengen é um dos maiores feitos da UE. Trata-se de um espaço sem fronteiras internas no
interior do qual os cidadãos europeus e muitos nacionais de países que não pertencem à UE podem
circular livremente, em turismo ou por motivos de trabalho, sem serem sujeitos a controlos
fronteiriços. Criado em 1985, este espaço tem vindo gradualmente a crescer, englobando, hoje em dia,
quase todos os países da UE e alguns países associados.

PAÍSES QUE FAZEM PARTE DO ESPAÇO SCHENGEN (26)

Alemanha; Áustria; Bélgica; Dinamarca; Eslovénia; Espanha; Estónia;


Finlândia; França; Grécia; Hungria; Islândia; França; Itália; Letónia;
Lituânia; Malta; Países Baixos; Polónia; Portugal; República Checa
(Chéquia); Suécia; Liechtenstein; Suíça; Noruega.

* SCHENGEN - pequena localidade produtora de vinho, situada no cantão de Remich, distrito de


Grevenmacher, no sudeste do LUXEMBURGO. Fica próxima do ponto em que se unem as fronteiras da
Alemanha, França e Luxemburgo.
A CEE em 1986
- França, Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo (1957);
- Reino Unido, Irlanda e Dinamarca (1973);
- Grécia (1985);
- Portugal e Espanha (1986).
Ato Único Europeu – 1986

• Primeira revisão do Tratado de Roma, que fixa como grande objetivo a


realização de um Mercado Comum a partir de 1/1/1993.

OBJETIVOS:

• Abolição de todas as barreiras físicas, técnicas e fiscais existentes entre os


Estados-membros (livre circulação de mercadorias, serviços, pessoas e
capitais);
• Reforço da coesão económica e social;
• Reforço da cooperação em matéria monetária através da criação do SME;
• Reforço das instituições comunitárias através da criação do Conselho Europeu.
A UNIÃO EUROPEIA
O TRATADO DE MAASTRICHT - 1992
• Segunda revisão do Tratado de Roma, que altera a designação
C.E.E. para União Europeia;
• Estabelece uma União Económica e Monetária (UEM), que se
traduz na convergência das políticas económicas e monetárias
dos Estados Membros e na adoção de uma moeda única (€uro);

• Define os critérios de convergência nominal que os


países teriam de cumprir para fazerem parte da
zona euro;
• As políticas monetária e cambial passam a ser
comuns, sendo conduzidas por uma entidade
supranacional, que é o Banco Central Europeu.
O TRATADO DE MAASTRICHT - 1992
CRITÉRIOS DE CONVERGÊNCIA
A taxa de inflação não deverá ultrapassar em média mais
Estabilidade dos preços
de 1,5 pontos percentuais a taxa média dos três países com
a inflação mais baixa.
O défice orçamental não poderá ser superior a 3% do
Solidez das finanças públicas
PIB.
Sustentabilidade das finanças A dívida pública não poderá exceder 60% do PIB.
públicas

As taxas de juro de longo prazo não poderão exceder em


Sustentabilidade e credibilidade
de convergência
mais de 2 pontos percentuais as verificadas nos três países
com a inflação mais baixa.
Participação no mecanismo de taxas de câmbio durante os
dois anos anteriores à entrada na UEM, sem tensões
Estabilidade cambial graves (os países não podem proceder a desvalorizações
ou valorizações da sua moeda relativamente às de outros
Estados-Membros).
A UE em 1995
- França, Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo (1957);
- Reino Unido, Irlanda e Dinamarca (1973);
- Grécia (1985);
- Portugal e Espanha (1986);
- Áustria, Finlândia e Suécia (1995).
O Tratado de Amesterdão - 1997
• Consagrar novos direitos para os cidadãos
alargando o conceito de cidadania europeia;
• Dar maior prioridade à criação de emprego;
• Garantir aos cidadãos paz, liberdade, segurança e
justiça;
• Criar condições de estabilidade económica para
que a União Monetária e a Moeda Única passem
a ser uma realidade.
A União Europeia em 2004
A União Europeia em 2007
A União Europeia em 2013
A União Europeia em 2018:
500 milhões de pessoas, 28 países e 24 línguas oficiais

Български English latviešu valoda português


Čeština español lietuvių kalba Română
dansk français magyar slovenčina
Deutsch Gaeilge Malti slovenščina
eesti keel hrvatski Nederlands suomi
Ελληνικά Italiano polski svenska
A União Europeia e a moeda única

Nos países que adotaram o euro observa-se uma União


Monetária para além da União Económica comum a todos.

A União Europeia - 28 países

A Europa do Euro –
Zona Euro:19 países

Países da UE que
não usam o Euro: 8
países
Países que adotaram o €uro
Portugal (1999) Grécia (2001) Estónia (2011)
Espanha (1999) Eslovénia (2007) Letónia (2014)
França (1999) Chipre (2008) Lituânia (2015)
Itália (1999) Malta (2008)
Alemanha (1999) Eslováquia (2009)
Áustria (1999)
Luxemburgo (1999)
Países Baixos (1999)
Irlanda (1999)
Finlândia (1999)
Bélgica (1999)
Países da UE que não adotaram o €uro

Bulgária Roménia
Croácia Dinamarca
República Checa Suécia
Hungria
Polónia
As instituições europeias
Conselho Europeu
(cimeira)

Conselho de Ministros
Parlamento Europeu (Conselho) Comissão Europeia

Tribunal Tribunal Comité Económico e


de de Social Comité das Regiões
Justiça Contas

Banco Europeu de
Agências Banco Central Europeu
Investimento
As principais instituições europeias
Constituição, funções e mandato
CONSELHO EUROPEU: é constituído pelo seu Presidente, CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA (conselho de ministros):
pelos chefes de Estado e de Governo dos Estados-membros e pelo representa os Estados-membros e é constituído, em cada reunião,
Presidente da Comissão Europeia (CE). por um ministro do Governo nacional de cada um dos países da
A principal função do CE é a definição da estratégia global da UE, UE; conforme o tema a tratar, assim a pasta do ministro que
em termos políticos e económicos. participa na reunião.
O CE deve reunir-se uma vez a cada 6 meses, mas o seu Presidente Este organismo reúne em Bruxelas ou no Luxemburgo e tem várias
pode convocar reuniões extraordinárias. responsabilidades, nomeadamente a adoção das leis europeias e a
Tornou-se uma instituição oficial da UE com a entrada em vigor do coordenação das políticas económicas, de segurança e relações
Tratado de Lisboa, a 1 de dezembro de 2009, e o primeiro externas.
Presidente eleito foi Herman Van Rompuy. A Presidência deste Conselho é rotativa e o seu mandato é de 6 meses.

PARLAMENTO EUROPEU: o Parlamento Europeu (PE) é COMISSÃO EUROPEIA: a CE é sediada em Bruxelas e é


diretamente eleito pelos cidadãos da UE para representar os seus composta por 28 comissários. O Presidente da CE é escolhido
interesses.
pelos Estados-membros da UE para mandatos de 5 anos.
Tem 3 funções principais:
- adotar as leis europeias; Tem como principais funções:
- controlar o funcionamento das instituições; - controlar a aplicação das leis e tratados em cada um dos
- e aprovar o orçamento da UE. estados-membros;
Os 736 deputados do PE estão agrupados em 7 grupos políticos principais - propor leis aos Conselho da UE e ao PE;
e têm 3 locais de trabalho, reunindo-se em Bruxelas, Luxemburgo e - elaborar o orçamento da UE;
Estrasburgo.
O Presidente do PE é eleito pelos seus deputados e o seu mandato é de
- negociar em nome da UE e representá-la a nível
dois anos e meio. internacional.
BCE
https://www.ecb.europa.eu/ecb/html/index.pt.html

Inflação e estabilidade de preços


Vídeo - http://www.youtube.com/watch?v=qAWq74ucPG0&feature=player_embedded# !

Fonte: https://europa.eu/european-union/documents-publications/slide-presentations_pt#actividades-e-realiza%C3%A7%C3%B5es-da-ue