Você está na página 1de 28

Fundamentos de Física

Volume 1 – Mecânica e aplicações

Capítulo 3 – MRU e MRUA.

3.1 Introdução ..................................................................................................................... 2


3.2 Movimento Rectilíneo Uniforme - MRU ..................................................................... 4
3.3 Movimento Rectilíneo Uniformemente Acelerado – MRUA....................................... 7
Exercícios Resolvidos ....................................................................................................... 13
Anexo 3A - Laboratório Virtual ....................................................................................... 24
Anexo 3B – Vídeos sobre o MRU e o MRUA ................................................................. 26
Síntese do Capítulo 3 ........................................................................................................ 27
Formulário Comentado – MRU e MRUA ........................................................................ 28

Descrição: Estas folhas de apoio são uma compilação de aspectos teóricos com
exercícios com solução/resolução. Não dispensam aulas teóricas, nem aulas práticas.
Pretendem fazer a ponte entre as aulas e a bibliografia recomendada. Para iniciar a
resolução de exercícios é absolutamente necessário que o aluno tenha a teoria bem
estudada.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências:


Doutor Joaquim Marques
E-mail: jmgmarques@ulusofona.pt
Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

3.1 Introdução
“Arquimedes teria sacrificado a sua vida por um vislumbre das verdades que um simples
estudante de hoje toma como familiares.” Ernest Renan

Neste capítulo pretende-se introduzir as definições iniciais de movimento em linha recta,


posição, tempo, velocidade, aceleração, espaço percorrido, deslocamento; com muitos
exemplos físicos e gráficos para os dois movimentos mais simples: MRU e MRUA. No
capítulo seguinte são formalizados os conceitos de forma mais rigorosa. Neste capítulo
vamos considerar que o movimento do corpo se dá no eixo orientado dos xx´s.

Movimento, é a acção de um corpo em mudar a sua localização ou posição em relação a


um determinado referencial e ao longo de um determinado tempo. No âmbito do nosso
estudo observemos agora o movimento rectilíneo, ou seja, o movimento executado por
um corpo ao longo de uma recta.

A Física é a ciência que estuda as leis dos fenómenos naturais. A Mecânica é a parte da
Física que estuda o movimento. A Cinemática é a parte da Mecânica que trata da
descrição do movimento. A Dinâmica é a parte da Mecânica que relaciona os
movimentos com as forças a eles associadas. Neste capítulo vamos estudar as primeiras
noções da Cinemática e só mais tarde iremos estudar aspectos da Dinâmica.

Definição: A rapidez média ou celeridade média é uma quantidade escalar. Se um


objecto percorre o espaço s no intervalo de tempo t , então:

espaço total percorrido s


Rapidez média  
intervalo de tempo gasto t

onde s é o espaço total percorrido. É, por exemplo, a grandeza que se pode calcular
atendendo aos valores indicados no conta-quilómetros de um carro no início e no fim de
uma viagem.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 2


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

Exemplo: Reduza a rapidez média de 0.200 cm s a quilómetros por ano.


Resolução:

cm  cm   5 km   s  h  d  km
0.200   0.200  10   3600   24   365   63.1 .
s  s  cm   h  d  ano  ano

Definição: A velocidade média é uma quantidade vectorial. Se um objecto sofre um


deslocamento x num intervalo de tempo t , então:
vector deslocamento x
Velocidade média   .
intervalo de tempo t

A direcção e sentido do vector velocidade coincidem com as do correspondente vector


deslocamento. As unidades de velocidade (e de rapidez) são as de espaço por unidade de
tempo, tais como m s ou km h .

Exemplo: Um corredor dá uma volta completa a uma pista de 200 m em 25 s . Para esse
corredor calcule:
a) A rapidez média
b) A velocidade média.
Resolução:
espaço percorrido 200 m
a) A partir da definição Rapidez média    8.0 m s .
intervalo de tempo 25 s
b) Como o corredor termina no ponto de partida, o vector deslocamento, dirigido do
ponto inicial para o ponto final, tem comprimento zero. Como v m  x t ,

0m
vm   0m s .
25 s

Definição: A aceleração média mede o ritmo da alteração da velocidade:


variação do vector velocidade v v f  v i
Aceleração média  ou am  
intervalo de tempo t t

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 3


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

em que v i é a velocidade inicial, v f é a velocidade final, e t é o intervalo de tempo

durante o qual essa alteração ocorreu. As unidades de aceleração são as de velocidade a


dividir pelo tempo. No Sistema Internacional exprime-se em m s 2 .
Note-se que também a aceleração é uma quantidade vectorial. A aceleração média
tem a direcção e o sentido de v f  vi , a correspondente variação da velocidade no

intervalo de tempo t . Por vezes chama-se aceleração apenas à grandeza da aceleração,


o que é valido quando não há ambiguidades.
As interpretações gráficas do movimento segundo uma linha recta (eixo OX) são
as seguintes:
- A velocidade (instantânea) de um objecto num determinado instante é o declive do
gráfico posição em função do tempo, x  t  , nesse instante. Pode ser positiva, negativa ou

nula.
- A aceleração (instantânea) de um objecto num determinado instante é o declive do
gráfico velocidade em função do tempo, v  t  , nesse instante.

Para um movimento com velocidade constante (MRU) o gráfico x  t  é uma linha

recta. Para um movimento com aceleração constante o gráfico v  t  é uma linha recta.

Em geral (isto é, para movimentos a uma, duas ou três dimensões), em qualquer instante
a inclinação do gráfico espaço percorrido em função do tempo indica a rapidez do
movimento nesse instante. Note-se que a rapidez (instantânea) é igual à grandeza da
velocidade (instantânea).

3.2 Movimento Rectilíneo Uniforme - MRU


Sendo que já sabemos o que é o movimento rectilíneo resta-nos apenas acrescentar a
característica que o define como uniforme, ou seja a sua velocidade constante.
Então o que é a velocidade?
Velocidade é o espaço percorrido por unidade de tempo, e é matematicamente calculada
s
por: v 
t
Onde;

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 4


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

v  velocidade expressa em metros por segundo  m s 

s  espaço percorrido expresso em metros  m 

t  tempo expresso em segundos  s 

Em aeronáutica utiliza-se como unidade da grandeza espaço percorrido a milha náutica


( 1NM  1853 metros) e para a velocidade a unidade knot que corresponde à velocidade
necessária para percorrer uma milha náutica numa hora.

Manipulando a fórmula anterior poderemos obter expressões que nos dão o espaço
percorrido ou o tempo necessário com base no conhecimento das outras duas incógnitas:
s
s  v t , t  .
v

Lei do movimento rectilíneo uniforme: x  x0  vt

Esta expressão diz-nos que a posição varia linearmente com o tempo, em que x é a
posição num instante t genérico, x0 é a posição no instante inicial e v (o declive desta
recta) é o valor da velocidade do corpo.
- Velocidade: v  constante
- Aceleração: a  0

Exemplo: A figura ao lado apresenta um gráfico da


posição em função do tempo para dois corpos A e B
que se movem ao longo do mesmo eixo.
a) No instante t = 1s a velocidade do corpo A é
superior, inferior ou igual à do corpo B?
b) Os dois corpos A e B possuem a mesma
velocidade em algum instante? Em caso afirmativo,
indique o ou os instantes em que isso acontece.

Resolução:

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 5


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

a) No instante t = 1s a velocidade do corpo A é, em módulo, superior à do corpo B. Com


efeito, a partir de um gráfico da posição em função do tempo para o movimento
unidimensional, a velocidade de um corpo num determinado instante é dada pelo declive
da curva nesse ponto. Para t = 1s o declive da curva que representa as posições do corpo
A em função do tempo é superior ao da curva correspondente para B.

b) As curvas referidas na alínea anterior possuem declive constante. Consequentemente,


o módulo da velocidade do corpo A é, em todos os instantes, superior ao módulo da
velocidade do corpo B. A resposta portanto é negativa: os dois corpos nunca possuem a
mesma velocidade. Note-se que no instante t = 2.5s os dois corpos ocupam a mesma
posição mas possuem velocidades diferentes.

Exemplo: A figura mostra um diagrama de posição para os movimentos de dois


automóveis, A e B. Para cada caso, o intervalo de tempo decorrido entre duas posições
sucessivas é de 1s.

a) Desenhe o gráfico da posição em função do tempo e o gráfico da velocidade em função


do tempo que correspondem a este diagrama. Para cada caso (posição e velocidade)
represente o movimento de ambos os automóveis no mesmo gráfico.
b) Existe algum instante de tempo em que os dois automóveis ocupem a mesma posição?
Se sim, marque esse ou esses instantes nos gráficos, utilizando linhas verticais.

Resolução:

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 6


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

a) Ambos os automóveis estão animados


de movimento rectilíneo uniforme (MRU):

b) Existe um único instante em que os automóveis estão na mesma posição: t = 4s.

3.3 Movimento Rectilíneo Uniformemente Acelerado – MRUA1


Diz-se que o movimento é uniformemente acelerado quando a sua aceleração é constante,
o exemplo mais comum deste tipo de movimento é a queda de um corpo.
Em termos das grandezas físicas que o definem temos um novo elemento que é a
aceleração expressa em metros por segundo quadrado m s 2  e que representa a variação
v v  v0
de velocidade por unidade de tempo, matematicamente: a  
t t
onde;
a  aceleração expressa em metros por segundo quadrado m s 2 
v  velocidade final expressa em metros por segundo  m s 
v0  velocidade inicial expressa em metros por segundo  m s 
t  tempo expresso em segundos  s 

1
Ou MRUV de movimento rectilíneo uniformemente variado.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 7


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

v  v0
Manipulando a fórmula a  em ordem a v temos a apresentação mais comum da
t
fórmula da velocidade para o movimento rectilíneo uniformemente acelerado:
v  v0  a  t
Resta-nos apenas uma fórmula de obter o espaço percorrido com base nas outras
incógnitas. Sabemos que, embora a velocidade esteja a variar ao longo do deslocamento
esta varia de uma forma homogénea, ou seja, com uma aceleração constante, então
v  v0
podemos dizer que: vmédia  .
2
Sabendo que no movimento rectilíneo uniforme s  v  t então podemos dizer que no
movimento
rectilíneo uniformemente acelerado:
s  vmédia  t , substituído na fórmula temos
v  v0
s  t , substituído v pelo valor da formula da velocidade …
2
v  a  t  v0
s 0  t , simplificando …
2
2v  a  t  2v at  at 2
s 0  t   0    t  v0  t  ou na forma mais comum para a equação do
2  2 2 2
1
espaço percorrido no movimento rectilíneo uniformemente acelerado: s  v0  t   a  t 2
2
Onde;
a  aceleração expressa em metros por segundo quadrado m s 2 
v  velocidade final expressa em metros por segundo  m s 
v0  velocidade inicial expressa em metros por segundo  m s 
t  tempo expresso em segundos  s 
s  espaço percorrido em metros  m 

O movimento rectilíneo uniformemente acelerado (MRUA) é bastante vulgar. Neste caso,


o vector aceleração é constante e tem a direcção do vector deslocamento. Sendo assim, os
vectores v e a podem ser especificados apenas pelos seus valores escalares, isto é, uma
grandeza e um sinal positivo ou negativo. Se representarmos, neste caso, o deslocamento
(escalar) por x (positivo se dirigido no sentido arbitrado positivo e negativo ser dirigido
no sentido arbitrado negativo), e considerando a abcissa no instante inicial x0  0 , o
movimento pode ser descrito através de cinco equações para o movimento
uniformemente acelerado:

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 8


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

x  vm t ,

v f  vi
vm  ,
2
v f  vi
a ,
t
v2f  vi2  2ax ,

1
x  x0  v0t  at 2 .
2
Muitas vezes x é substituído por s ou y , bem como v f e vi se podem escrever v e v 0 ,

respectivamente.
O sentido (do movimento) é importante, e quando se analisa um movimento
rectilíneo deve escolher-se um sentido positivo. Este pode ser um sentido qualquer. Se
um deslocamento, velocidade ou aceleração tiverem o sentido oposto ao sentido arbitrado
como positivo, os seus valores algébrico são negativos.

Aceleração devida à gravidade  g  : a aceleração de um corpo que se move

apenas sujeito à força da gravidade tem grandeza g , a aceleração gravitacional (ou de

queda livre), e é dirigida verticalmente para baixo. Na Terra, g  9.81 m s 2 ; este valor
varia ligeiramente de local para local. Na Lua, a aceleração de queda livre é 1.6 m s 2 .

Exemplo: A partir do repouso, deixa-se cair uma bola de uma altura de 50 m acima do
solo.
a) Qual é a sua velocidade quando toca no solo?
b) Quanto tempo leva a atingir o solo?
Nota: use para a aceleração da gravidade o valor: a  9.81 m s 2 .
Resolução: Se desprezarmos a resistência do ar, a bola é uniformemente acelerada até
atingir o solo. A sua aceleração aponta para baixo e tem a grandeza de 9.81m s 2 .
Considerando para baixo o sentido positivo, temos para este movimento: y  50.0 m ,
a  9.81 m s 2 , vi  0 .

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 9


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

a) v2f  vi2  2 ay  0  2 9.81m s 2  50.0 m  981m2 s 2 de modo que v f  31.3 m s .

b) De a   v f  vi  t  t 
v f  vi

 31.3  0  m s  3.19 s
a 9.81 m s 2

Observação: também poderíamos ter considerado para cima como positivo. Como é que
neste caso os cálculos se alterariam?

Exemplo: Um objecto parte do repouso com uma aceleração constante igual a 8.00 m s 2 ,
seguindo uma linha recta. Determinar:
a) A sua rapidez passados 5.00 s ?
b) A rapidez média para esse intervalo de 5.00 s .
c) O espaço percorrido durante os 5.00 s ?
Resolução: Estamos interessados no movimento durante os primeiros 5.00 s . Considere
que a direcção e o sentido do movimento são os do semi-eixo positivo OX. Sabemos que
vi  0 , t  5.00 s e a  8.00 m s 2 . Como o movimento é uniformemente acelerado, pode

aplicar-se qualquer uma das cinco equações do movimento.


a) v f  vi  at  0  8.00 m s2  5.00 s   40.0 m s

vi  v f 0  40.0
b) vmedia   m s  20.0 m s
2 2

c) x  vi t  at 2  0  8.00 m s 2   5.00 s   100 m


1 1 2

2 2
ou x  vmt   20.0 m s 5.00 s   100 m .

Exemplo: Uma partícula move-se ao longo de uma recta, com movimento cuja lei pode
ser traduzida por:
x  1, 0t 2  4, 0t  10 (S.I.).
a) Escreva a equação do movimento colocando explicitamente as unidades nas constantes
que são os coeficientes do polinómio do 2º grau.
b) Que tipo de movimento tem este corpo?

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 10


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

c) Qual o valor da velocidade inicial?


d) Qual o valor da aceleração?
e) Qual o espaço percorrido nos 5,0 primeiros segundos?
f) Quanto tempo leva o móvel a percorrer os primeiros 21 m?
g) Que distância percorreu o corpo no terceiro segundo?

Resolução:
a) x  1.0m/s2  t 2  4.0m/s  t  10m

1
b) A lei do movimento dada é da forma: x  x0  v0  t   a  t 2  M.R.U.A.
2

c) Comparando a expressão dada com a fórmula geral do MRUA, conclui-se que


v0  4.0m / s

d) Comparando a expressão dada com a fórmula geral do MRUA, conclui-se que


1
 a  1m / s 2  a  2m / s 2
2

1
e) x  5  x  0   v0  t   a  t 2
2
 4.0  5  1.0  52 m  45m
f) Podemos escrever a expressão
1 1 1
x  x0  v0  t   a  t 2  x  x0  v0  t   a  t 2  x  v0  t   a  t 2
2 2 2
Neste caso temos que x  21m logo t 2  4.0t  21

4  16  4 1 21
 t 2  4.0t  21  0  t  s
2
4  100 4  10
t  s t  s  t  3s ou t  7 s
2 2

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 11


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

g) A partir do cálculo da posição nos instantes t = 3s e t = 2s:


x  3s   1.0  32  4.0  3  10 m

x  2s   1.0  22  4.0  2  10 m

Podemos calcular a distância pedida:


x  3s   x  2s   9  12  4  8 m  9m

1
Lei do movimento rectilíneo uniformemente acelerado: x  x0  v0t  at 2
2
dx
- Velocidade: v  v0  at (v  )
dt
dv d 2 x
- Aceleração: a  constante (a   )
dt dt 2

Outras relações:
v f  vi
x  vm t , vm  , v2f  vi2  2ax .
2

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 12


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

Exercícios Resolvidos
ER.1 Uma bicicleta, durante a sua trajectória rectilínea, percorre 300 m em 50 s. Na tabela
seguinte são indicadas as posições nos instantes indicados:

x (m) 0 300 600 900 1200 1500


t (s) 0 50 100 150 200 250

a) Construa o gráfico posição-tempo, i.e., gráfico x-t.


b) Calcule a velocidade média para os intervalos de tempo:

0s,50s;50s,100s;100s,150s;150s, 200s;200s, 250s


O que pode concluir perante os valores da velocidade média calculada, em relação ao tipo de
movimento que a bicicleta tem no intervalo de tempo em estudo?
c) Sabendo o valor da velocidade para cada intervalo de tempo, construa o gráfico velocidade-
tempo, i.e., gráfico v-t.
d) Sabendo que a velocidade é constante, quanto acha que é o valor da aceleração média?
Justifique.
e) Represente o gráfico aceleração-tempo, i.e., gráfico a-t.
f) Imagine agora que uma mota percorre a mesma trajectória rectilínea da bicicleta, durante o
mesmo tempo. No entanto, desloca-se a uma velocidade constante de 25m/s. A partir do gráfico
v-t, calcule a distância percorrida pela mota ao fim de 250s.
g) Escreva a lei do movimento da bicicleta.

Resolução:
a) Além dos eixos, represente um segmento de recta com origem no ponto t=0 s, x=0m e
extremidade no ponto t =250 s, x = 1500 m. O tempo fica sempre no eixo horizontal!

x x f  xi
b) vmédia  
t t f  ti

300m  0m 30
vmédia 0 s ,50 s   m / s  6m / s
50s  0s 5

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 13


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

vmédia  constante para todos os intervalos pedidos, pelo que a bicicleta tem movimento

rectilíneo uniforme (MRU).

c) Além dos eixos, represente um segmento de recta com origem no ponto t = 0 s, v =


6m/s e extremidade no ponto t = 250 s, v = 6m/s; por isso é um segmento horizontal. O
tempo fica sempre no eixo horizontal!

v v f  vi
d) amédia    0 porque v f  vi  constante.
t t f  ti

e) Além dos eixos, represente um segmento de recta com origem no ponto t = 0 s, a =


0m/s2 e extremidade no ponto t = 250s, a = 0m/s2; por isso é um segmento horizontal que
está sobre o eixo das abcissas. O tempo fica sempre no eixo horizontal!

f) Como x  x0  v  t  x  x0  v  t . Logo d  v  t i.e d  área do gráfico. Neste caso


temos o gráfico que determina um rectângulo, pelo que neste caso a área é dada
25m
v  t  250s   6250m .
s

g) Pretende-se particularizar a expressão geral do MRU x  x0  v  t . Como x0  0m e

v  6m / s , temos para a Lei do Movimento da bicicleta: x  6t (S.I.)

ER.2 Um automóvel, em movimento uniformemente acelerado, possuía, num dado


instante, a velocidade de 10 m.s-1. Nesse instante iniciou-se a contagem do tempo e do
espaço percorrido. Ao fim de 10s já tinha entretanto, atingido a velocidade de 72 km.h -1.
Que espaço percorreu nesses 10s?

Resolução: Sabemos a velocidade em dois instantes:

t  0s  v0  10m / s

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 14


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

72 103 m 72 10
t  10s  v f  72km / h   m / s  2 10m / s  20m / s
3600s 36

v0  10m / s v 10s   20m / s


x  x 10 s   x0  x 10 s 

t 0 t  10s

Podemos determinar a aceleração do movimento:


v  v0 20  10
v  v0  a  t  a   m / s 2  1m / s 2
t 10

Agora que temos o valor da aceleração podemos escrever a lei do movimento:


1
 x  x0  v0  t   a  t 2
2
1
 x  0 10t  t 2 (S.I.)
2
e determinar a distância percorrida em 10s:
1
x 10s   0  10 10m  102 m
2
 100m  50m
 150m  0.15km

ER.3 Um veículo desloca‐se em linha recta, aumentando a respectiva velocidade de


15km/h para 60 km/h em 20 s. Admitindo que o aumento de velocidade se processou de
forma uniforme, determine:
a) O valor médio da velocidade do veículo nesse intervalo de tempo, no S.I.;
b) A aceleração do veículo, no S.I.;
c) O espaço percorrido nesses 20 s.

Resolução:

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 15


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

x
vi  15km / h v f  60km / h
t  20 s

vi  v f 60  15 75 103
a) vmédia   km / h   m/s (2 A.S.)
2 2 2 3600

60 103 m 600 50 100


b) v  0s   60km / h   m/s  m/s  m/s
3600s 36 3 6

15 103 m 150 25
v  20s   15km / h   m/s  m/s
3600s 36 6

75
m/s
v  v0 6 75
v  v0  a  t  a    m / s2 (2 A.S.)
t 20s 120

1
c) x  x0  v0  t   a  t 2 equação da posição
2

1 50 1 75
x  x  x0  v0  t   a  t 2   20m     20  m
2
(2 A.S.)
2 3 2 120

Calculadora - respostas com (2 A.S.):


a) 10m / s ; b) 0.625m / s 2 0.63m / s 2

ER.4 Um objecto parte do repouso com uma aceleração constante de 8,00 m/s2,
deslocando‐se ao longo de uma dada trajectória recta. Determine:
a) A velocidade ao fim de 5,00 s;
b) A velocidade média para o intervalo de tempo correspondente;
c) O espaço percorrido nesse intervalo de tempo a partir do gráfico v-t..

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 16


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

Resolução:
v0  0

x
0 x0 t f  5s

a  8.00m / s 2

a) v  v0  a  t  0  8  5m / s 2  40.0m / s 2 (3 A.S.)

0  40m / s
b) vmédia   20.0m / s 2 (3 A.S.)
2
Ou: xi  x0

1 1
x f  x0  v0  t  a  t 2  x   8  t 2  4t 2 (S.I)
2 2
x 4  52 m
vmédia    20m / s
t 5s
40m / s  5s
c) s  área do gráfico v-t   20  5m  100m (3 A.S.)
2
Verificação: s  x  x0

1
 v0  t   a  t 2
2
1
  8  52 m  4  52 m  100m
2

ER.6 Um avião percorreu 600 m de pista antes de descolar, manobra na qual gastou 15s.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 17


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

a) Admitindo que manteve constante a aceleração durante a manobra, qual o valor da


aceleração?
b) Com que velocidade descolou, expressa em km.h1 ?

Resolução:
Dados:
t 15 s

x  600m v0  0 vf x  m

t  15s
a  constante
vf  ?

a)
v  v0  a  t   
 
 1  2x 2  600m (2 A.S.)
 x  x0  v0t   a  t 2
 a 2 
 2  t 152 s 2

2  600m 15 2  600m
b) v  a  t     2  40m / s  80m / s
152 s 15s
80 103 km
  80  3600 103 km / h  8  36km / h
1
h
3600
 288km / h  2.9 102 km.h1  2 A.S.
Observação: O factor de conversão de m/s para km/h é 3,6.

ER.7 A grandeza de velocidade de um autocarro aumenta uniformemente de 15km h


para 60 km h em 20 s . Determine:
a) A velocidade média.
b) A aceleração.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 18


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

c) O espaço percorrido.
 km   m  1 h 
Resolução: v0  15  1000    4.17 m s , v f  60 km h  16.7 m s
 h  km   3600 s 

a) vm 
1
2
 vi  v f    4.17  16.7  m s  10 m s
1
2

b) a 
v f  v0

16.7  4.17  m s  0.63 m s2
t 20 s

c) s  vmt  10.4 m s  20 s   208 m  0.21km .

ER.8 Um carro move-se em linha recta e o gráfico da Figura. Representa as leituras no


seu conta-quilómetros, à medida que o tempo passa. Qual é a velocidade média do carro?
Qual é a sua aceleração?

Resolução: Como a velocidade é dada pela inclinação x t da linha tangente,


consideramos a tangente à curva. A tangente a uma recta é a própria recta. Temos:
x 5.0 m
  0.50 m s .
t 10.0 s
Que é a velocidade do corpo em qualquer instante, por se tratar de uma linha recta. Sendo
assim, a  0 e v  0.50 m s  vm .

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 19


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

ER.9 A Figura ao lado é o gráfico que indica as


características do movimento a uma dimensão, de
um objecto que se move ao longo do eixo OX.
Descreva esse movimento.

Resolução:
- A velocidade escalar do objecto em qualquer
instante é igual à inclinação do gráfico posição em
função do tempo, no ponto que corresponde a esse
instante. Como a inclinação é zero desde o instante
t  0 até ao instante t  2.0 s , o objecto está parado durante este intervalo de tempo. No
instante t  2.0 s o objecto começa a mover-se na direcção OX e no sentido positivo, com
velocidade constante (a inclinação é constante e positiva). Durante o intervalo de tempo
que vai do instante t  2.0 s até t  4.0 s ,
x f  xi 3.0 m  0 m 3.0 m
vm  inclinação    1.5 m s
t f  ti 4.0 s  2.0 s 2.0 s

A velocidade média é então vm  1.5 m s  direcção OX , sentido positivo.

- Durante o intervalo de tempo que vai do instante t  4.0 s até t  6.0 s , o objecto está
parado; a inclinação do gráfico é zero e a posição não se altera.

- Desde t  6.0 s até t  10 s e depois o objecto move-se segundo OX, mas no sentido
negativo; a inclinação e a velocidade escalar são negativas. Temos então
x f  xi 2.0 m  3.0 m 5.0 m
vm  inclinação      1.3 m s .
t f  ti 10.0 s  6.0 s 4.0 s

A velocidade média é então vm  1.3 m s  direcção OX , sentido negativo.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 20


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

ER.10 Considere o seguinte gráfico para a posição de um móvel em função do tempo.


Determine a velocidade nos pontos A B e C .

Resolução: Lembrando que a velocidade instantânea é dada pela inclinação do gráfico


x-t, vemos que o objecto se move mais depressa para t  0 . À medida que sobe, a sua
velocidade diminui e atinge o valor nulo em B (neste ponto a inclinação é zero). Então,
começa a descer com a velocidade de grandeza cada vez maior. No ponto A , temos
x 12.0 m  3.0 m 9.0 m
vA  inclinação     2.3 m s .
t 4.0 s  0 s 4.0 s
A velocidade no ponto A é positiva, por isso a velocidade tem o sentido positivo e a
direcção do eixo dos xx´s.

Nos pontos B e C vB  inclinação  0 m s e

x 8 m  12 m 4 m
vC  inclinação      1,0 m s .
t 15 s  11 s 4s
Como é negativa, a velocidade em C tem o sentido negativo e a direcção do eixo dos
xx´s.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 21


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

Lembremo-nos que a velocidade é uma quantidade vectorial, e a sua direcção e sentido


devem ser explicitados.
ER.11 Um esquiador parte do repouso e desliza 9.0 m numa encosta em 3.0 s . Em que

instante, depois de partir, é que atinge uma velocidade de grandeza 24.0 m s ? Considere
que em todo o percurso a aceleração é constante.
Resolução: A partir dos dados temos de determinar a aceleração do esquiador.
Considerando a direcção do movimento como o eixo OX e o seu sentido como o sentido
positivo, temos t  3.0 s , v0  0 , e x  9.0 m . Então, de x  v0t  1 2 at 2 , obtém-se

2x 18 m
a   2.0 m s 2 .
 3.0 s 
2 2
t

Podemos agora usar este valor de a para todo o percurso, desde o ponto de partida até
que v f  24.0 m s . Neste caso, v0  0 , v f  24.0 m s e a  2.0 m s 2 . Então obtemos

v f  v0 24 m s
v f  v0  at  t    12 s .
a 2.0 m s 2

ER.12 Um autocarro que se move com uma velocidade de grandeza 20 m s começa a


diminuir essa velocidade de modo constante, diminuindo 3.0 m s em cada segundo.
Determine que espaço percorre até parar.
Resolução: Considere-se a direcção e sentido do movimento como os do semi-eixos OX.
Neste caso, v0  20 m s , v f  0 m s , e a  3.0 m s 2 . Note-se que o autocarro está a

diminuir a velocidade no sentido positivo do movimento, logo, a aceleração é negativa (é


  20 m s 
2

uma desaceleração). Usando v  v  2ax obtém-se x 


2 2
 67 m .
f 0
2  3.0 m s 2 

ER.13 Um carro que se move a 30 m s diminui uniformemente a grandeza de velocidade


para 10 m s em 5.0 s . Determine:
a) A aceleração do carro.
b) O espaço percorrido no terceiro segundo.
Resolução: Considere-se direcção e o sentido do movimento como os do semi-eixo OX.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 22


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

a) Para o intervalo de 5.0 s temos t  5.0 s , v0  30 m s , v f  10 m s . Usando

10  30 m s  4.0 m


v f  v0  at , obtém-se a  s2 .
5.0 s

b) x   espaço percorrido em 3.0 s    espaço percorrido em 2.0 s 

   
  v0t3  at32    v0t2  at22   v0  t3  t2   a  t32  t22  .
1 1 1
 2   2  2
Usando v0  30 m s , a  4.0 m s 2 , t2  2.0 s , t3  3.0 s , obtém-se

x  30 m s 1.0s    2.0 m s 2 5.0s 2   2.0 m .

ER.14 A grandeza da velocidade de um comboio é reduzida uniformemente de 15m s a


7.0 m s enquanto este se desloca de 90 m .
a) Calcule a aceleração;
b) Calcular quanto espaço terá ainda o comboio de percorrer até parar, considerando que
a aceleração se mantém constante.

Resolução: Considere-se a direcção e sentido do movimento como os do semi-eixo OX.


a) Temos v0  15 m s , v0  7.0 m s , x  90 m . Da expressão v2f  v02  2ax , obtém-se

a  0.98 m s 2 .

b) Temos agora as novas condições v0  7.0 m s , v0  0 , a  0.98 m s 2 . Então da

0   7.0 m s 
2

expressão v  v  2ax obtém-se x 


2 2
 25 m .
f 0
1.96 m s 2

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 23


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

Anexo 3A - Laboratório Virtual

Como forma de complementar o estudo sobre o MRU e o MRUA, recomenda-se que os


alunos efectuem as simulações virtuais descritas de seguida. O aluno pode mudar os
valores que se encontram por defeito, para visualizar o efeito de cada parâmetro.

Introduza os valores para a posição inicial, velocidade inicial e aceleração e


visualize a construção dos gráficos x – t, v – t e a – t.

Se considerar que a = 0 m/s2, estará a estudar o MRU.

Considere a aplicação:
http://www.physics.uoguelph.ca/Fendt_app/phe/acceleration.htm
Em cada um dos exemplos seguintes, estude a situação indicada introduzindo os dados
antes de iniciar (clique no botão start) a simulação.

Exemplo 1: Considere para parâmetros do movimento do carro:


Posição inicial – x0 = 0 m;
Velocidade inicial – v0 = 5 m/s;
Aceleração: – a = 0 m/s2.

a) Determine usando a aplicação:


a.1) o tempo para o qual o carro está na posição x = 25 m. (indicada a verde).
a.2) o tempo para o qual o carro está na posição x = 50 m. (indicada a vermelho).
a.3) os gráficos x – t, v – t e a – t, considerando que o movimento dura 10s.
b) Verifique os resultados anteriores usando as expressões para o MRU.

Exemplo 2: Considere para parâmetros do movimento do carro:


Posição inicial – x0 = 50 m;
Velocidade inicial – v0 = - 5 m/s;
Aceleração: – a = 0 m/s2.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 24


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

a) Determine usando a aplicação:


a.1) o tempo para o qual o carro está na posição x = 25 m. (indicada a verde).
a.2) o tempo para o qual o carro está na posição x = 0 m. (na origem do referencial)
a.3) os gráficos x – t, v – t e a – t, considerando que o movimento dura 10s.
b) Verifique os resultados anteriores usando as expressões para o MRU.

Exemplo 3: Considere para parâmetros do movimento do carro:


Posição inicial – x0 = 0 m;
Velocidade inicial – v0 = 5 m/s;
Aceleração: – a = 2 m/s2.

a) Determine usando a aplicação:


a.1) o tempo para o qual o carro está na posição x = 25 m. (indicada a verde).
a.2) o tempo para o qual o carro está na posição x = 50 m. (indicada a vermelho).
a.3) os gráficos x – t, v – t e a – t, considerando que o movimento dura 10s.
b) Verifique os resultados anteriores usando as expressões para o MRUA.

Exemplo 4: Considere para parâmetros do movimento do carro:


Posição inicial – x0 = 0 m;
Velocidade inicial – v0 = 10 m/s;
Aceleração: – a = - 2 m/s2.

a) Determine usando a aplicação:


a.1) o tempo para o qual o carro está na posição x = 25 m. (indicada a verde).
a.2) o tempo para o qual o carro está na posição x = 50 m. (indicada a vermelho).
a.3) o tempo para o qual o carro pára.
a.4) os gráficos x – t, v – t e a – t, considerando que o movimento dura 10s.
b) Verifique os resultados anteriores usando as expressões para o MRUA.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 25


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

Anexo 3B – Vídeos sobre o MRU e o MRUA

Physics: One-dimensional kinematics


http://www.youtube.com/watch?v=7J9neu_58Zc&feature=related

Aulas de um Professor Brasileiro - Professor Nivaldo (Aulas 1 a 14):


Por exemplo a Aula 8: MRU
http://www.youtube.com/watch?v=-nkjaY8_Wio&feature=related

Aulas de um Professor Brasileiro - Professor Jorge (Aulas 1 a 6)


Por exemplo a Aula 5: MRUA
http://www.youtube.com/watch?v=-f-OKxFVFWE&feature=related

Aulas sobre aspectos da matemática:


Desde a Aula 1 – Operações com fracções
http://www.youtube.com/watch?v=HEJ4oIv4qZ8&feature=related

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 26


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

Síntese do Capítulo 3

Expressões do movimento uniforme - MRU ( a  0 )


- Posição: x  x0  vt

- Velocidade: v  constante
- Aceleração: a  0

Expressões do movimento uniformemente acelerado – MRUA


1
- Posição: x  x0  v0t  at 2
2
- Velocidade: v  v0  at

- Aceleração: a  constante

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 27


Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias

Formulário Comentado – MRU e MRUA

espaço total percorrido s


Rapidez média  
intervalo de tempo gasto t

vector deslocamento x
Velocidade média  
intervalo de tempo t

x  x0  vt ; v  v0  at ; x  x0  v0t  at 2 / 2 ; v2  v02  2.a.x

x  x0  vt
- Lei do movimento do MRU (módulo da velocidade constante) – variação da posição com o
tempo é linear, i.e., a posição é directamente proporcional ao tempo, a constante de
proporcionalidade é a velocidade v .

- x0 representa a posição inicial do móvel.

As expressões seguintes aplicam-te todas ao MRUA (módulo da aceleração constante)


1 2
- Lei do movimento do MRUA: x  x0  v0t  at – variação da posição com o tempo é
2
quadrática.

- Lei da velocidade: v  v0  at – variação da velocidade com o tempo é linear, i.e., a

velocidade é directamente proporcional ao tempo, a constante de proporcionalidade é a


aceleração a .

v2  v02  2.a.x - esta expressão designa-se por equação das velocidade e é adequado a
problemas em que a variável tempo não é considerada.

Agradece-se a indicação de sugestões, gralhas e/ou inconsistências: jmgmarques@ulusofona.pt 28