Você está na página 1de 11

Manuel João Chimiti

Metodologia de Investigação Cientifica


IMPORTÂNCIA DO ENSINO ONLINE NA PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO EM
MOÇAMBIQUE
Curso de licenciatura em Gestão Ambiental, 1º. I Bloco.

ISCED – Instituto Superior de Ciências e Educação a Distancia

Nampula – 2019

1
Manuel João Chimiti

IMPORTÂNCIA DO ENSINO ONLINE NA PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO EM


MOÇAMBIQUE

O presente trabalho e de caracter avaliativo da


cadeira de Metodologia de Investigação
Cientifica, no curso de licenciatura em Gestão
Ambiental, 1º. I Bloco.

ISCED – Instituto Superior de Ciências e Educação a Distancia

Nampula – 2019

2
Índice

Introdução...............................................................................................................4
1.1. Objetivo Geral...............................................................................................4
1.2. Objetivos Específicos....................................................................................5
1.3. Justificativas..................................................................................................5
1.4. Delimitações.................................................................................................5
1.5. Problematização............................................................................................5
1.6. Metodologia..................................................................................................6
1.7. Hipóteses.......................................................................................................6
IMPORTÂNCIA DO ENSINO ONLINE NA PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO
EM MOÇAMBIQUE..............................................................................................6
1.1.1. Fundamentos teóricos.................................................................................6
1.1.2. Educação a distância..................................................................................6
1.1.3. Abordagem sistémica do ensino a distância...............................................7
1.1.4. Dificuldades do ensino a distância em Moçambique..................................7
1.1.5. Dificuldades do aluno num ambiente virtual..............................................8
1.1.5.1. Afetivo....................................................................................................8
1.1.5.2. Pedagógico..............................................................................................9
1.1.5.3. Tecnológico.............................................................................................9
1.1. Formação do Professor no ensino a distância em Moçambique....................9
I. Conclusão.......................................................................................................10
II. Referência bibliográfica................................................................................11

3
Introdução
O ensino à distância (EaD) em Moçambique reveste – se de fundamental importância
pois constitui uma das estratégias de expansão do ensino superior, aumentando – se, por este
meio, as oportunidades educativas aos cidadãos sem possibilidades de acesso aos cursos
oferecidos em regime presencial nas Instituições de Ensino Superior no País.

Habert (1996) afirma que a educação contínua e a distância, associada com o ensino
presencial faz-se presente cada vez mais nas Instituições de Ensino Superior. Acrescenta o
autor que esse sistema de ensino também acaba formando docentes melhor preparados,
centrados na produção de materiais didáticos, como: livros, fitas, vídeos, software, programas
de televisão, radio, internet, multimídias, que nada mais sao que componentes dos
instrumentos utilizados na auto – aprendizagem.

1.1. Objetivo Geral

Apresentar as dificuldades encarradas pelos docentes e estudante Moçambicanos quanto ao


ensino a distancia considerando as limitações existentes, mas que podem ser superadas com a
inserção das novas tecnologias

1.2. Objetivos Específicos


 Apresentar as dificuldades encontradas pelos docentes e estudantes do ensino a
distancia em Moçambique concretamente nos Municípios de Mocuba e Nacala,
 Havendo diferença entre educação online, ensino a distancia e e-learning este trabalho
focaliza as partes comuns tratando-o como um todo educação a distância.
1.3. Justificativas

As necessidades atuais de cultura demandam uma formação permanente e uma


reciclagem profissional que alcança quase todas as áreas produtivas (comércio, indústria,
mercado, entre outros), como consequência de um mercado de trabalho complexo, mutável,
flexível e inclusive imprevisível, junto a um acelerado ritmo de mudanças tecnológicas, que
obriga o profissional a estar sempre adquirindo novos conhecimentos. Mas não se trata apenas
de obter novos conhecimentos, e sim de obtê-los em um curto espaço de tempo (ALMEIDA,
2009).

A educação é considerada um fator-chave na promoção do bem – estar social e na


redução da pobreza, pois pode afetar positivamente a produtividade 46 nacional e, por via

4
disso, determinar padrões de vida e a habilidade das nações competirem na economia global
(PORTAL DO GOVERNO DE MOÇAMBIQUE, 2007).

1.4. Delimitações

Tempo de pesquisa e o facto de o pesquisador não poder ter estado no terreno, tendo
baseado em pesquisas a internet e na bibliografia patente nas referências bibliográfica.
Amostra pequena e não abrangente para se ter a real dimensão das dificuldades existente
tanto para os professores como estudante neste tipo de ensino (ensino a distancia), amostra
reduzida pois foi direcionada somente a duas escolas (Mocuba e Nacala).
1.5. Problematização
Referido anteriormente, existe um estímulo por parte das entidades
governamentais para que se fomente a modalidade da Educação a distância no país, desde
o nível primário ao superior, como forma de resolver o problema de incapacidade de
cobertura do ensino convencional às zonas mais recônditas do País.

É neste quadro socioeconómico e tecnológico, que surge a necessidade de se elencar o


conjunto de dificuldades enfrentadas pelos estudantes que possam condicionar o seu
desempenho nos cursos frequentados.

1.6. Metodologia

Quanto à natureza, a metodologia da pesquisa adotada neste trabalho caracteriza-se


como Aplicada e quanto à abordagem do problema, a pesquisa é qualitativa, visto que,
segundo Richardson (2008), ela prioriza a interpretação qualitativa do problema na busca por
sua solução.

Quanto aos objetivos, a pesquisa é exploratória, porque possibilita um consistente


conhecimento do problema. Gil (1999) considera a pesquisa exploratória como aquela que
tem como objetivo garantir melhor familiaridade com o problema com vistas a torná-lo mais
explícito.

1.7. Hipóteses
Os grandes e rápidos avanços nas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e
as suas aplicações nos processos de ensino-aprendizagem têm permitido, particularmente à
EAD, abranger grandes números de pessoas, podendo estas vencerem as limitações de acesso,
decorrentes da sua situação geográfica ou ocupacional.

5
1.1.1. Fundamentos teóricos
1.1.2. Educação a distância

A educação esta necessariamente vinculada ao seu tempo e ambiente, segundo Tiffin e


Rajasingham (1995, p. 85). Com base na citação acima, e notório que a educação a distancia e
o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão
separados espacial e/ou temporalmente. Podemos verificar ainda no nosso pais que, no ensino
a distancia a enfase e dada ao papel do professor como alguém que ensina a distância.

Hoje temos a educação presencial, semi – presencial (parte presencial/parte virtual ou a


distancia) e educação a distância ou virtual.

A presencial e a dos cursos regulares, em qualquer nível, onde professores e alunos se


encontram sempre num local físico, normalmente chamado de sala de aula e e o ensino
convencional.
Semi – presencial acontece em parte na sala de aula e outra parte a distancia, através de
tecnologias. A educação a distância pode ter ou nao momentos presenciais, mas acontece
fundamentalmente com professores e alunos separados fisicamente no espaço e ou no tempo,
mas podendo estar juntos através de tecnologias de comunicação.

As tecnologias interativas, sobretudo, vem evidenciando, na educação a distancia, o que


deveria ser o cerne de qualquer processo de educação, a interação e a interlocução entre todos
os que estão envolvidos nesse processo.

1.1.3. Abordagem sistémica do ensino a distância

Uma das características mais marcantes da educação a distancia e, obviamente, a


separação física entre o professor e os alunos durante a maior parte do tempo.
Para haver comunicação e necessária a utilização do meio de comunicação, da média e,
utilizando no curso material impresso, áudio, vídeo, teleconferência, videoconferência,
Internet, software, que atuam como um filtro na comunicacao, diferenciando-a da presencial.

1.1.4. Dificuldades do ensino a distância em Moçambique

Uma das dificuldades segundo Matos e Mosca (2009), os cursos ministrados nas
Instituições de Ensino Superior de Moçambique não tem continuidade, ou seja, as

6
universidades concluem os cursos programados, porem, não abrem novas turmas para os
mesmos cursos.

Ainda segundo o Portal do Governo de Moçambique (2007), muitos são os desafios que os
pais tem diante da implementação deste tipo de ensino, nomeadamente:

 O reduzido número de profissionais e técnicos com competências específicas de que o


pais dispõe;
 A credibilidade do Ensino a Distancia, pelo fato de ainda estarem muito presentes os
valores culturais do modelo tradicional presencial, em grande parte das instituições
provedoras, particularmente de Ensino Superior;
 O forte investimento financeiro inicial que exige a implementação de sistemas do
Ensino a Distancia;
 As fracas habilidades de autoestudo, autonomia e leitura e extrema dependência do
professor, que caracteriza a maioria dos estudantes nos pais;
 O acesso extremamente limitado o TICs, os seus elevados custos, as fracas
competências no seu uso e até a inexistência de uma cultura de tecnologia¡¨, pela
grande maioria da população.
1.1.5. Dificuldades do aluno num ambiente virtual

Os processos de aprendizagem estao em constante construção, relacionando e


somando saberes adquiridos de cada individuo e levando em conta sua experiencia pessoal,
seus relacionamentos, suas capacidades.

Carbone et al. (2011) indicam em suas pesquisas que o ambiente virtual como um todo
também e uma dificuldade para o aluno a distancia, que tende a achar o ambiente confuso. Na
medida em que as semanas vao passando eles se ambientam e as dificuldades diminuem.
Mesmo assim, a qualidade que se espera deste aluno sera sempre focada na autonomia, uma
vez que ¡§um sujeito tem mais autonomia quanto mais ele possui capacidade de reconhecer
suas necessidades de estudo, selecionando conteúdos, buscando e utilizando os materiais
necessários, bem como organizando e avaliando o próprio processo de aprendizagem.
(MENEGOTTO, 2006, p. 22).

As dificuldades encontradas no nosso pai por alunos em ambientes on-line de


aprendizagem podem ser divididas em três aspetos: afetivo, pedagógico e tecnológico:

1.1.5.1. Afetivo
7
Ao valorizar uma formação mais inclusiva, ou seja não cingido apenas aos aspetos cognitivos,
a educação passa, a cada dia a contemplar as dimensões sociais e afetivas. Piaget (1945; 2005)
e Vygotski (2004) observam que, desenvolvimento intelectual bem estruturado tem como
pressuposto a devida atenção a afetividade. Poderemos afirmar segundo os dois autores que os
processos cognitivos são assumidos como profundamente interligados a dimensão afetiva.

Interação entre alunos quando o aluno sente falta de compartilhar ideias com outros alunos
(falta de conexão a internet), ele sente-se só durante o curso a distância.
Feedback do professor, quando o aluno não obtém uma resposta do professor acerca de seu
desempenho. Não adianta apenas relatórios automáticos e resultados de testes como foi
observado pelo autor na consulta oral feita a seus colegas de Mestrado que vivem esta
situação no Ensino a Distancia, e preciso haver interação, já que nessa modalidade o aluno
tende a assumir um papel mais ativo do que em salas de aula presenciais.

1.1.5.2. Pedagógico

 Falta de tempo, a uma utilização do tempo e a organização da agenda diária acabam


por interferir na frequência ao curso;

Falta de disciplina, sem a presença cara a cara. Muitas vezes os alunos não realizam as
atividades propostas e acabam ficando atrasados quanto aos conteúdos diários do curso e
dificilmente conseguem o sincronismo com o calendário elaborado pelo professor.

 Interferências externas, estudar em casa ou no trabalho pode colocar a concentração


em risco, uma vez que são diversos os fatores que chamam nossa atenção nesses
ambientes;
 Pelo difícil acesso aos meios informáticos e tecnológicos e porque não dizer, pela falta
de conhecimento verificado no uso das TICs no nosso pais, a maioria dos candidatos
aos cursos a distância não compreendem o objetivo do mesmo ou nao fazem parte do
público-alvo. Isto gera dificuldades no ensino de aprendizagem uma vez que os
docentes devem para além de lecionar a matéria que cabe ao módulo dele, deve
também fazer certas induções das TICs;
 Material ruim, um material didático de ma qualidade que, devido ao seu
armazenamento e, muitas das vezes não eletrónico, leva o aluno a desmotivação, já
que suas expectativas deixam de ser alcançadas.

8
1.1.5.3. Tecnológico
 Falta de recursos/recursos mal utilizados, a falta de uso ou o uso inadequado das
TIC¡¦s atrapalha o bom desempenho do aluno. O projeto pedagógico precisa delimitar
o uso e justificar a estratégica pedagógica para cada ferramenta, caso contrário, o
aluno sente-se perdido;
 Familiarização com a internet, não estar familiarizado com os recursos da web pode
fazer com que o aluno se sinta deslocado, tanto na utilização das TICs como na
compreensão da linguagem utilizada virtualmente.
1.1. Formação do Professor no ensino a distância em Moçambique

A formação de professores aponta para a necessidade de programas, de estratégias na


gestão institucional e projetos de formação continuada de professores, como prática reflexiva
sobre o saber docente. No ensino a distancia o professor tem papel fundamental. Para o
professor/tutor que atua no ensino a distancia e necessário base pedagógica e metodológica,
assim como novas habilidades e competências que atendam as exigências desta modalidade
de ensino.

Domínios das novas tecnologias de informação e comunicacao TICs e capacidade de


potencializar a interação dessas tecnologias no campo educacional são alguns exemplos que
devem ser contemplados na formação desse profissional para que ele responda as
necessidades da demanda em que atua

9
I. Conclusão

Considerando a grande extensão territorial do nosso pais, além dos insatisfatórios índices
educacionais da população, as instituições de ensino precisam estar preparadas para responder aos
anseios desta nova época da história. Acreditar que o ensino online pode ser o caminho mais rápido
que as instituições de ensino podem utilizar para oferecerem educação, com o propósito de reduzir a
distância existente entre estas instituições e os profissionais já inseridos no mercado de trabalho. No
aspeto pedagógico e importante uma ampla discussão, que vise a adequação das tecnologias as
metodologias, propiciando a integração aluno-professor, com destaque ao primeiro.

Acredita-se que este trabalho venha contribuir para as dificuldades encontradas na capacitação do
docente frente o TIC. Sendo assim, a metodologia aplicada neste trabalho, serve de parâmetro para as
pesquisas dentro dessa área.

10
II. Referência bibliográfica

GUELPELI, A.C.P, GUELPELI M.V.C., MAIA R. M. Centro de Capacitação do Docente no uso de


Ferramentas Computacionais para auxílio no Desenvolvimento de Conteúdos Didático ¡V
Pedagógicos ¨. IX Taller Internacional de Software Educativo, anais p89-94, Santiago do Chile, Chile,
2004.

Habert, A. Desterritorialização do saber. In: BOLETIM FUNDACAO VANZOLINI. São


Paulo. Ano IV - No. 18. p. 10-11, Jul./Ago. 1995.

Tiffin, John, Rajasingham, Lalita. Search of the virtual class. London : Routledge, 1995.

Wenzel, M.L. Dificuldades e limitacoes da educacao a distancia. In: INFORME CPEAD . Rio
de Janeiro. Ano 1 - no 4. p. 1-3. Jul./Ago./Set. 1994.

11