Você está na página 1de 2

Nosso Planeta Ameaçado

 
Não é segredo nenhum que estamos num momento de imensas oportunidades e riscos enormes. Embora
tenhamos recursos para criar um verdadeiro Céu na Terra, parecemos apenas estar criando um verdadeiro
inferno.
 
Os números são conhecidos, mas não menos aterradores. Nossa população está explodindo, aliás
duplicando-se a cada quarenta anos. Nosso meio ambiente está sendo destruído por lepras químicas
emanadas da população urbana, da chuva ácida, da destruição da camada de ozônio, do dióxido de
carbono e da população tóxica. Nossas florestas estão desaparecendo e os desertos aumentando.
 
Perto de vinte milhões de pessoas, a cada ano, morrem devagar, sofrendo dores, e desnecessariamente de
fome, e mais de setecentos milhões são subnutridos.
 
Como se não bastasse, pairando como uma nuvem agourenta acima disso tudo, está a ameaça nuclear,
que representa a possível eliminação não de culturas e indivíduos apenas, mas de toda a civilização. As
ogivas nucleares atuais podem conter poder explosivo equivalente a 20 bilhões de toneladas de TNT, o que
é suficiente para lotar um trem e seus vagões enfileirados por quase 7 milhões de km. Esse trem daria a
volta na Terra cento e sessenta vezes ou iria até a lua e voltaria oito vezes.
 
Mesmo que essa armas continuem inativas, ainda sim causam morte e sofrimentos indizíveis. Todos os
anos, o mundo gasta mais de US$ 1 trilhão em armamento. Contudo, a Comissão Presidencial Sobre a
Fome no Mundo estimou que custaria apenas US$ 6 bilhões por ano para erradicar a fome e a destruição
do planeta, numa quantidade equivalente menor do que os gastos com três dias de armamentos. Não é de
espantar que o Papa Paulo IV tenha deplorado como a corrida armamentista mata, sejam as armas usadas
ou não.
 
Portanto, estamos diante de um momento decisivo da história humana, em que há possibilidades
incontáveis de um lado, e sofrimento interminável, de outro. Em nenhum outro ponto da história humana,
tivemos maiores oportunidades e riscos.
 
É também notável em nossa era, além do alcance inacreditável e da urgência absoluta de nossos
problemas, que pela primeira vez, em milhões de anos de evolução, todas as grandes ameaças à nossa
sobrevivência são causadas pelas pessoas.
 
Problema de ausência de alimentos, poluição e armas nucleares decorrem diretamente de nosso próprio
comportamento e de medos, esperanças, fobias e fantasias, desejos e delírios que dão força a tais
comportamentos. O estado do mundo, em outras palavras, reflete o estado de nossas mentes. Os conflitos
que nos rodeiam reflete os conflitos que temos dentro de nós; a insanidade que existe ali adiante é um
reflexo em espelho da insanidade que existe em nós.
O que isso significa é que as atuais ameaças humanas e ao bem estar dos indivíduos são na realidade
sintomas de nosso estado mental coletivo e individual.
 
Para compreendermos e corrigirmos a condição do mundo, devemos entender melhor a fonte tanto de
nossos problemas, como das soluções: nós mesmos. Como disse o senador W.F. "Só com base num
entendimento de nossa conduta é que podemos ter esperança de controlá-la de maneira de maneira a
assegurar a sobrevivência da raça humana”. Nada disso pretende negar a importância das forças sociais,
militares e econômicas. Pelo contrário, pretende salientar raízes psicológicas que a sustentam e que em
geral, não são sequer mencionadas.
 
Essas raízes psicológicas estão se tornando cada vez mais compreendidas e está em andamento a
realização de um trabalho destinado a criar uma psicologia da sobrevivência humana. Já foram identificados
muitos fatores psicológicos e alguns deles relacionam-se diretamente ao xamanismo e à sua visão de
mundo.  Entre eles, estão nosso relacionamento interpessoal, nossa relação com a Terra e com as formas
de vida que nela existem.

A visão predominante, no Ocidente, tem sustentado - pelo menos uma perspectiva sutil - que o mundo e
tudo o que nele existe serve para nos beneficiar. A Terra em geral tem sido considerada um imóvel
inanimado disponível para  para nossas iniciativas de espoliação. Quantas às formas de vida existentes,
presume-se, normalmente, que como diz o Gênesis " temos domínio sobre os peixes do mar, os pássaros
do ar e todas as outras coisas vivas que se movem na superfície da Terra". Em resumo, vemo-nos como
seres separados e superiores a tudo o que está dentro e fora da Terra, e temos abusado dessa perspectiva
para justificar a destruição de tudo o que se interpuser em nosso caminho.

Consideramo-nos também seres separados uns dos outros. Embora possamos nos comunicar com todos,
relacionarmos, e até mesmo, amarmos, em última instância vivemos e morremos sós. Salientamos a nossa
distância em relação aos outros mais do que o nosso elo de ligação com eles, nossa independência mais do
que nossa interdependência.
Esta visão de vida coloca poucos obstáculos à nossa agressividade.
 
Apesar disso, através de toda a história, muitas pessoas consideraram que essa sensação de separação é
a causa do medo e do sofrimento humanos. " Onde quer que existe o outro, existe o medo " proferiu o
antigo texto Upanixades indiano, enquanto em nosso próprio tempo o existencialista J.P. Sartre resumiu
uma visão semelhante dizendo " o inferno é o outro ".
 
 
 
Como é diferente desse quadro a visão xamanista Mundo. Para o xamã tudo é Sagrado e vivo, tudo está
ligado a tudo e depende de tudo o mais, numa rede de interdependências, em que todas as criaturas fazem
parte da grande teia da vida que mantém a harmonia entre todas as coisas. Para o xamã, como para o
Chefe Seatle , "todas as coisas estão unidas como o sangue que une uma família "  Essa visão de Mundo
sagrada e holística parece ser estimulada pelas vivências xamânicas . Michael Harner afirma :
 
" As experiências que decorrem do xamanismo tendem a incentivar um grande respeito pelo Universo,
baseado numa sensação de  união, de integração, com todas as formas de vida. Ao entrar em harmonia, a
pessoa tem muito mais poder disponível para ajudar os outros, porque a harmonia com o Universo é de
onde vem o verdadeiro poder. Então, a pessoa terá muita chance de levar uma vida que privilegie o amor
em lugar do ódio, e que promova a compreensão e o otimismo ".
 
Michael Harner