Você está na página 1de 17

Como criar o seu arquivo para impressão no Photoshop

 Criar um novo documento para impressão é simples, porém alguns detalhes devem ser sempre
observados quanto à sua configuração. Iremos explicar esses detalhes neste tutorial.
Apesar de não ser o software gráfico mais adequado para montar artes para impressão, existe uma
forma correta de montar seu arquivo no Photoshop.
Vá ao Menu Superior > File [Arquivo] > New [Novo].

Na janela seguinte insira as medidas com pelo menos 6mm a mais para a sangria (3mm de cada
lado). No campo ‘Resolution’, insira pelo menos 300 pixels/inch e no campo ‘Color Mode’
deixe CMYK16bits. Procure sempre deixar o campo ‘Background Contents’ como ‘Transparent’.

Obs: essas configurações são essenciais para a geração do seu arquivo. Nunca monte seu arquivo
no Photoshop sem antes configurar estes campos.
Em seguida, clique em OK. Seu arquivo deve ficar com essa aparência.

Formato final e número de páginas no Photoshop


 Para enviar seu arquivo, você deve primeiramente verificar se o seu formato e número de
páginas esta correspondente com as configurações que você solicitou em seu orçamento no site,
como mostra o exemplo abaixo.
Verificar ou alterar o tamanho do seu arquivo é muito simples. Mostraremos como verificar isto em
cada software de edição de imagens.
Neste software, sua prancheta é chamada de ‘Canvas’ [Tela de Pintura], ao invés de artboard como
no Illustrator. Para verificar as medidas do seu canvas vá ao Menu Superior > Image [Imagem] >
Canvas Size [Tamanho da tela de pintura]

Uma janela de edição do seu canvas se abrirá. Verifique se as medidas estão corretas e se não
estiverem, coloque as medidas de acordo com o seu orçamento no site da Printi. Clique em OK.

Sangria e margem de segurança no Photoshop


 Para aplicar a sangria e a margem de segurança no seu arquivo você deve seguir os passos
apresentados neste tutorial. Todas as instruções deste tutorial usam como o software padrão o
Adobe Illustrator, pois se trata do mais adequado para a montagem de artes para impressão. [Caso
ainda não tenha começado seu arquivo veja o item “Como criar o seu arquivo para impressão”
deste tutorial]
O Photoshop não é o software ideal para se trabalhar com finalização de arquivos para impressão.
Uma das razões para isso envolve justamente a marcação de margens e sangrias. Porém, ainda
assim é possível fazer um arquivo para impressão, mas será necessário utilizar outros softwares
para seu fechamento completo.
Para aplicar sangrias ao seu documento no Photoshop, é preciso alterar o tamanho do seu
documento, pois não há como estender a arte além dos limites do canvas. O canvas determina a
área visível da sua arte, portanto, para aplicar sangrias ao documento no Photoshop, você deve
adicionar a medida das sangrias ao tamanho final do canvas.
Antes de aplicar sua sangria, coloque linhas guia nas extremidades do arquivo, para que você possa
saber os limites do papel e marcar o limite das sangrias.
Aproveite e estabeleça também as margens, colocando-as pelo menos 3mm distantes da borda do
arquivo.
Se as réguas não estiverem visíveis na sua tela, vá ao Menu Superior > View [Visualizar] > Rulers
[Réguas] e arraste as guias para as extremidades do documento para definir as margens de
segurança, como é exibido abaixo.

Ex.: se estiver montando um cartão no tamanho de 90x50mm você deve adicionar a todos os lados
3mm de sangria, ou seja, seu (canvas) documento deve ter o tamanho de 96x56mm.
Para isso, vá ao Menu Superior > Image > Canvas Size [tamanho da tela de pintura].

Na próxima janela, adicione a medida de sangria no tamanho do seu documento, +6mm na altura e
+6mm na largura.

Seu documento deve ficar com aparência semelhante à mostrada abaixo. Depois, estenda ou
complete o fundo da sua arte para a área de sangria.
Usando imagens em seus documentos no Photoshop
 O uso de imagens em seus arquivos deve ser feito com muita atenção, pois nem sempre a boa
visualização no monitor significa que sua impressão será de alta definição. Além, é claro, de estar
emmodo de cor RGB e não CMYK , que é o modo de cor da impressão offset.
De certa forma, imagens e elementos ilustrativos são indispensáveis para uma boa peça gráfica. As
imagens podem ser basicamente de dois tipos: vetor e bitmap O bitmap é um conjunto de pixels
(pontos) que carregam uma informação de cor (a imagem é formada pela união desses
pixels).A resolução(dpi) mede a qualidade e nitidez de um bitmap. “DPI” (dots per inch) significa
pixels por polegada.
Quanto maior o DPI da imagem original, maior a definição e qualidade dessa imagem.
Veja o exemplo abaixo:

Acima, vemos um degradê com 10 pixels por polegada, e um oposto com 300 pixels por polegada.
Ao lado, a imagem que cada configuração irá gerar. Vê-se que a má resolução (10 dpi) deixa
evidente os pixels e prejudica a qualidade da imagem. Os pixels em volta da imagem sofrem
pequenas alterações para suavizar o contorno.
Para que a sua imagem esteja adequada para impressão ela deve possuir uma definição de pelo
menos 300dpi. Isso garante que a imagem, ao ser impressa, fique em alta qualidade.
Portanto, se você colocar alguma imagem em sua arte, certifique-se de que ela está em alta
definição. Caso contrário, sua imagem pode ficar “pixelizada” ou com um aspecto “embaçado”.
Para verificar se a imagem em seu documento está em alta definição você deve seguir as seguintes
instruções:
Por se tratar de um software para edição de imagens, o Photoshop possibilita a edição da resolução
da sua imagem através do seguinte caminho: Menu Superior > Image [Imagem] > Image Size
[Tamanho da Imagem].
Na próxima janela desmarque todas as opções na parte inferior, caso estejam acionadas. Se sua
imagem estiver com 300dpi ou mais, ela está adequada para impressão. Caso contrário é preciso
configurar o documento para 300dpi.

Quando se altera a resolução de um arquivo, ele sofre alteração em seu tamanho. Portanto, se seu
arquivo estiver com uma resolução menor que 300dpi será preciso começar um novo arquivo, de
acordo com as nossas especificações no item "Como criar o seu arquivo para impressão".
Obs: no Photoshop não não há como verificar a resolução de imagens individuais, pois o software
trabalha com pixels. Ou seja, ele identifica todo o documento como uma única imagem.

Convertendo seu arquivo para CMYK no Photoshop


 Procure sempre montar a sua arte no modo de cor CMYK desde o começo, como é demonstrado no
Item " Como criar o seu arquivo para impressão”. Caso não tenha feito isso, siga nossos passos
abaixo para fazer a conversão para CMYK.

O processo de impressão utilizado pela Printi é a impressão offset. O modo como a cor é formada
nesse processo é pelo método reticuladomeio tom. Esse método se utiliza de pequenos pontos
(retículas) de cor para compor as tonalidades desejadas, intercalando entre densidade dos pontos e
o espaçamento entre eles. O nome dessa configuração de cor é CMYK (Cyan – Magenta – Yellow
[amarelo] – Black [Preto]).
Portanto, para que você possa nos enviar sua arte é imprescindível que ela esteja no modo de cor
CMYK.
Para converter seu documento em CMYK você deve seguir o tutorial abaixo:
Para transformar o seu arquivo para modo de cor CMYK vá ao Menu Superior > Image > Mode >
CMYK Color
Fazendo isso, alguns avisos podem aparecer: Se houverem ‘Smart Objects’ [Objetos inteligentes]
em seu documento, o primeiro aviso informa que a mudança de modo de cor acarretará em
mudanças na aparência, e pergunta se você deseja rasterizar os Smart Objects. Clique em ‘Don’t
Rasterize’ [Não Rasterizar].

O segundo aviso irá informar que a mudança de modo de cor pode descartar algumas camadas de
ajuste.
Neste aviso você deve clicar em Merge [Mesclar], pois dessa forma você manterá a aparência dos
ajustes do seu documento.
Obs: Caso você prefira clicar em OK, fique atento para qualquer mudança de aparência.

O terceiro aviso apenas informará qual o perfil de cor ao qual o CMYK será aplicado (o perfil de cor
é um padrão determinado de acordo com o sistema ISO adotado em cada país). Apenas clique em
OK, pois o software já se ajusta a esse padrão automaticamente.

Após estes processos todas as cores da sua arte serão convertidas em CMYK.

Antes de passar a sua arte para modo de cor CMYK é importante que você visualize se nessa
mudança haverá alterações significantes de aparência de cores. 
Dica: caso você deseje visualizar o seu documento em CMYK sem mudar o seu modo de cor
definitivamente, vá ao Menu Superior > View > Proof Colors
Na aba superior da sua janela do arquivo deve aparecer esta indicação, mostrando que a
visualização do seu documento está em CMYK.

Verifique a arte para checar a mudança nas cores que será efetuada com a conversão CMYK.

Como usar fontes nos seus textos no Photoshop


 As fontes são conjuntos de estilos de letras. Quando instaladas em seu computador, você pode usá-
las para qualquer composição de arte para qualquer arquivo que estiver montando.
Quando se abre um mesmo arquivo em um computador diferente do que tenha sido usado para a
montagem, podem ocorrer problemas com a aparência dos textos, pois a fonte pode não estar
instalada no computador. Ou seja, o software não tem as informações necessárias para possibilitar
a edição apropriada dos textos.
Por isso é importante que ao finalizar a edição você transforme suas fontes em curvas, ou incorpore
suas fontes no arquivo. O ideal para a produção gráfica é sempre salvar o arquivo em
formato PDF/X-1A, o que dispensa a conversão das fontes em curvas.

Como transformar suas fontes em curvas


Atenção: Antes de começar este processo salve seu documento editável com outro nome, pois ao
final deste processo não será possível editar seus textos. 
Como o Photoshop trabalha com imagens, ou seja, pixels, e não vetores, não é possível transformar
as fontes em curvas. No Photoshop precisamos completar um processo de rasterização das fontes.
Na janela Layers [Camadas] selecione as camadas de texto que deseja rasterizar:
Em seguida vá ao Menu Superior > Type > Rasterize Type Layer [Rasterizar camada de texto]:

A outra opção é clicar com o botão direito do mouse em cada camada de texto e escolher a opção
Rasterize Type.
Como gerar um arquivo PDF/X-1A no Photoshop
 Antes de fechar seu arquivo , verifique sempre se ele está com as configurações de margens e
sangrias correspondentes aos nossos padrões.
Para ter certeza que seu trabalho vai ser impresso sem problemas, sugerimos 3mm de sangria e
3mm de margem de segurança. [Vide item “Sangria e margem de segurança” do tutorial].
Com o seu arquivo aberto e aprovado, vá até o Menu Superior > Arquivo [File] > Salvar Como [Save
As].

Em Formato, escolha ‘Adobe PDF’. Clique em Salvar.

*Caso surja uma caixa de diálogo perguntando se as configurações padrões de PDF podem ser
sobrepostas, clique em OK:

Em seguida aparecerá uma janela para especificações do PDF Para o software Photoshop você deve
seguir os mesmos passos do Illustrator, porém deve pular o passo do item “E” pois o Photoshop
não permite a opção de colocar marcas de corte.
Em seguida aparecerá uma janela para especificações do PDF Para o software Photoshop você deve
seguir os mesmos passos do Illustrator, porém deve pular o passo do item “E” pois o Photoshop
não permite a opção de colocar marcas de corte.

*Em algumas versões do Photoshop, a opção disponível pode ser PDF/X-A1:2001 **Outras
configurações podem ser feitas nas abas secundárias. Porém não são necessárias para o seu envio
de arquivo para a Printi.Atenção:Devido o Photoshop não permitir a visualização, da arte fora do
Canvas (tela de pintura / área de pintura) não é possível marcar visualmente a sangria, por isso
deve-se aplicar a sangria colocando o canvas 3mm maior para cada lado e expandir,
proporcionalmente, os objetos, imagens e elementos que passarão dalinha de corte do papel.
Por exemplo, se seu pedido for um cartão de visita 90x50mm, você precisa montar um canvas no
tamanho 96x56mm, sabendo que os 3mm de cada lado serão áreas cortadas. Use
nossos gabaritos para assegurar-se que o seu arquivo está no formato correto.
Após isso, salvar o arquivo em PDF e abri-lo no em um dos outros softwares citados neste item e
salvá-lo novamente com as marcas de corte e registro.

Como configurar o cinza corretamente


 Trabalhar com o cinza (ou meio tom) é uma tarefa que deve ser feita com cuidado. Cinza é a cor
intermediária entre o branco e preto. No modelo subtrativo de cores, que é o caso do CMYK ele é
obtido pela adição de preto. Sendo assim, o cinza deve ser composto apenas da cor preta em
escalas de sua porcentagem, ou seja, qualquer porcentagem entre 100% e 0% de preto é
considerado cinza. Evite usar outras cores (Ciano, Magenta, Amarelo) para compô-lo.
Veja exemplos abaixo da forma certa e errada de configurações de cinza:
 O lado esquerdo ilustra a forma correta de configurar o seu cinza em alguns exemplos. Usando
apenas a cor preto você garante que as áreas ou elementos em cinza da sua arte estarão
corretamente configuradas para impressão.
 Já o lado direito ilustra as formas erradas de configurar o cinza. Usando cores além do preto fazem
com que a cor cinza fique muito carregada. Além disso, sua edição se torna muito mais complexa,
pois possui mais de uma cor em sua composição.

[Veja como deve configurar a cor Preto em seu documento no item “Usando a cor preto de forma
correta” deste tutorial.]

Usando a cor preto de forma correta


 A cor preto é largamente usada em projetos gráficos, pois nela estão empregadas características de
visibilidade, contraste, sofisticação, peso e força. Ao mesmo tempo, o preto pode gerar muitos
erros de impressão pelo seu mau uso, principalmente por causa de erros nas configurações dos
programas de edição.
Para textos,linhas finas e pequenos elementos : o preto deve ser sempre usado de forma pura, ou
seja, preto(K) 100%. [veja como transformar sua fontes em curva ou incorporá-las no item
“fontes” deste tutorial.]
Sua paleta de cores para textos, linhas finas e pequenos elementos em preto deve estar sempre
configurada da seguinte maneira:

Para grandes áreas: no caso de fundos (e algumas vezes, imagens), o preto deve ser usado em sua
configuração composta, ou seja, Ciano(C) 30%, Preto(K)100%. Chamamos esta configuração de
“preto calçado” ou “preto chapado”. Para fundos chapados e grandes áreas, sua paleta de cores
deve estar configurada conforme o exemplo abaixo: 
As instruções deste tutorial foram feitas no Adobe Illustrator, porém servem para qualquer
programa de edição de imagens. As paletas de cor trabalham da mesma forma em todos os
software de edição de imagens, assim como o Adobe Photoshop, Adobe InDesign e Corel Draw, por
exemplo.

Linhas finas e textos pequenos


 Quando se trata de impressão offset , é inevitável que o seu impresso tenha variação de registro de
2 ou 3 décimos de milímetro. Para elementos considerados médios e grandes, essa variação não
fará diferença no resultado do impresso final. Porém, para elementos menores assim como linhas
finas e textos com tamanho menor do que 8 pontos, essa variação pode ficar mais evidente.
Para evitar qualquer tipo de problema com a impressão, recomendamos que você não use mais de
duas cores na composição desses pequenos elementos, pois pode acarretar perda de legibilidade
no caso das fontes.
Veja o exemplo abaixo:

Perceba que a fonte com quatro cores pode ficar com um efeito “desfocado”, dificultando muito a
legibilidade do texto. Já a fonte com apenas uma cor, mesmo sendo pequena, não dificulta tanto
sua leitura.
Para linhas finas (linhas com menos de 2 pontos de espessura), a lógica é a mesma. Digamos como
exemplo que você configure a cor da sua linha para marrom. São necessárias três cores para
compor o marrom: ciano, magenta e amarelo.
Desta forma, é possível que aconteça um erro conforme ilustra a imagem abaixo:

Sua configuração desejada é uma linha marrom. Mas note que na impressão a variação de registro,
apesar de pequena, pode tornar a linha que deveria ter apenas uma cor, em uma linha com cinco
cores.
Para que não ocorra esse erro é importante que estes pequenos elementos não sejam formados
por mais de duas cores em sua composição. Ou, caso possível, os elementos devem ser
aumentados a um tamanho onde a composição de cores não cause problemas.
No nosso exemplo da linha marrom, seria ideal que a linha tivesse pelo menos 3-4 pontos de
espessura, ou em caso de uma linha fina que a mesma não fosse feita em marrom, mas sim em
uma única cor (por exemplo, no preto).

O que é um boneco? Como fazer um boneco?


 O boneco é uma prova impressa do seu arquivo, simulando, de forma aproximada, como ele deve
ficar em seu formato final (ou seja, impresso). O boneco é usado para identificar e prevenir falhas
que não foram ou não poderiam ser identificados sem a geração de um “protótipo”.
Há vários tipos de boneco. Os bonecos mais comuns na área gráfica são os bonecos/protótipos
de catálogos ,brochuras ,folders ,embalagens e caixas.Esses materiais impressos são geralmente um
pouco mais complexos, precisam de dobras e por isso merecem uma atenção especial antes de
serem produzidos.
Neste tutorial, vamos abordar o boneco para catálogos, por ser confeccionado com maior
frequência que os demais.
Como ilustra a imagem abaixo, um catálogo é composto por várias partes: página, folha, lâmina e
caderno.

 No exemplo acima, começamos com uma lâmina de papel. Com a impressão nas duas faces da
lâmina, além da dobra, criamos duas folhas. Como cada folha tem duas páginas, obtemos como
produto final um folder de quatro páginas.
 O exemplo acima ilustra o processo de montagem de um caderno a partir de uma lâmina impressa
e dobrada. A junção de três lâminas pelo grampo cria o caderno. Neste caso, o caderno tem doze
páginas, seis folhas e é composto por três lâminas.

Ao montar o seu boneco você deve primeiramente fazer a imposição das páginas, ou seja, deixá-las
alocadas de forma que ao montar os cadernos elas estejam na posição correta.
A imposição “caseira” do boneco funciona da seguinte maneira:
 A imposição começa por posicionar a capa com a quarta capa. Ou seja, a primeira página está ao
lado da última, e a segunda ao lado da penúltima. Nesse exemplo temos página 1 e página 4 unidas
em imposição, na frente, com página 2 e página 3, no verso.
 Se não for possível imprimir seu boneco em frente e verso, cole as duas faces respeitando a
imposição. Marque a dobra no seu devido local e dobre seu boneco para dentro, deixando a
primeira e ultima página no lado externo.
 Ao imprimir, certifique-se de que a imposição esta sendo feita corretamente. Você pode imprimir
todo o arquivo em preto e branco na primeira vez para checar a ordem das páginas. Certificando-se
de que está tudo correto, você pode imprimir uma versão colorida para checagem da combinação
de cores.

 Após a impressão e dobra das lâminas, é só fazer a montagem.

o 1.A capa será seu referencial, portanto comece por ela.


o 2.Ao abrir, confira se a ordem das páginas do verso está correta.
o 3.Depois, dentro do caderno da capa, vá colocando as outras lâminas, com as páginas 2 e 3,
4 e 5, respectivamente. Faça isso até acabarem as lâminas.
o 4.Feche o modelo por completo e faça as verificações necessárias.

 Como você pode ver, montar um boneco é muito fácil e permite visualizar detalhes que só podem
ser percebidos com o modelo impresso. O boneco é recomendado para verificações de tamanho do
impresso, legibilidade das fontes (ou outros elementos, como QR Codes, por exemplo), erros
gramaticais, elementos muito próximos das bordas do papel, além de ordem das páginas.

Dobras e vincos
 Ao montar um folder que possua dobras, é importante estar atento às áreas de dobra e à margem
de segurança de textos, fotos, ilustrações, etc. Isso porque ao fazer a dobra, a máquina pode variar
em torno de 2 a 3 milímetros para cada lado, ou seja, se não houver uma margem de segurança no
local onde o folder será dobrado, a dobra pode prejudicar o texto ou outro elemento importante.
Veja o exemplo que segue:

 Lembre-se sempre de colocar esta margem mínima para que seu impresso possa sair da forma que
deseja. Além disso, procure sempre fazer uma impressão teste e dobra-la à mão para verificar se as
dobras estão nos lugares corretos. [Veja nosso tutorial sobre "bonecos" para saber mais].

Formato Aberto e Fechado


Ao aplicar a dobra em seu material, você atribui um tipo de acabamento ao seu impresso. Dessa
forma você cria duas versões dele, que chamamos de “formato aberto” e “formato fechado”.
Usemos como exemplo o famoso formato de folder DL, seu formato aberto possui as medidas
20x29,7cm divide-se em 3 partes sendo a terceira a menor, para que não atrapalhe a segunda
dobra, seu formato fechado fica com as medidas de 10x20cm.
O formato aberto consiste no folder em seu maior formato, ou seja, desdobrado. Já o formato
fechado é a forma dobrada do material, ou seja, a sua forma finalizada.
Obs: No site da printi a referencia é sempre o formato fechado para fazer o orçamento.

Dobra
Na área gráfica, chama-se de dobra o acabamento dado ao material que tem o intuito de mudar o
seu formato. Por exemplo, uma folha A3 com uma dobra vertical central passa a ter o formato
fechado de uma folha A4, conforme exemplo que segue.

Vinco
Chamamos de vinco um processo de pré-dobra, auxiliando e reforçando a dobra do material. O
processo é mais indicado para papéis de altas gramaturas, que possuem uma resistência maior e
podem “quebrar” com a dobra. Por exemplo, um papelão ao ser dobrado “quebra”. Geralmente,
papéis a partir de uma gramatura de 200g precisam ser vincados.