Você está na página 1de 7

ESCOLA DE INSTRUÇÃO ESPECIALIZADA CURSO DE HABILITAÇÃO AO QUADRO

AUXILIAR DE OFICIAIS

S Ten WLADIMIR DE LIMA MONTE (Grupo P)

TAREFA: FUNDAMENTOS DO DIREITO PÚBLICO E PRIVADO - CHQAO 2018

Corumbá - MS
2018
S Ten WLADIMIR DE LIMA MONTE (Grupo P)

TAREFA: FUNDAMENTOS DO DIREITO PÚBLICO E PRIVADO - CHQAO 2018

Tarefa apresentada para a disciplina Fundamentos do


Direito Público e Privado, no Curso de Habilitação
ao Quadro Auxiliar de Oficiais, da Escola de
Instrução Especializada.

Tutor 2º Ten SAMUEL NASCIMENTO DA


SILVA

Corumbá - MS
2018
2
- Aluno CHQAO: S Ten Wladimir de Lima Monte
- Grupo: P
- Tutor: 2º Ten Samuel Nascimento da Silva
- Tarefa: Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito dos povos
indígenas

TAREFA DO ESTÁGIO DE APRENDIZAGEM - Após a leitura das fontes de consulta


indicadas, elabore uma dissertação defendendo uma posição frente ao tema: Direito dos Povos
Indígenas com ênfase nos pontos em que uma jurisprudência conflita com a soberania do Estado
brasileiro e com os direitos e garantias fundamentais dos demais cidadãos brasileiros.

Direitos humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. A


Declaração Universal dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que
todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos, dotados de razão e de
consciência. A ONU adotou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, com o objetivo de
evitar a guerra promovendo a paz, a democracia e fortalecer os Direitos Humanos. Em 1948 foi
criada, nos Estados Unidos, a Organização dos Estados Americanos (OEA) que é uma organização
internacional formada por países do continente americano, inclusive o Brasil, que se
comprometeram em buscar soluções pacíficas para as questões sociais, econômicas e culturais do
continente, criando assim a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). A CIDH é
responsável pela promoção e pela proteção dos direitos humanos. Em 10 de dezembro de 1998, o
Brasil reconheceu a jurisdição obrigatória da Corte Interamericana de Direitos Humanos e com isso
sua jurisprudência, isto é, o conjunto de soluções dadas pelos tribunais às questões de Direito ou o
movimento decisório constante e uniforme dos tribunais sobre determinado ponto do Direito. O
objetivo do sistema interamericano de direitos humanos é a salvaguarda dos direitos humanos,
dividindo-se em duas vertentes: uma direcionada ao avanço internacional dos direitos humanos no
âmbito interno dos Estados e outra voltada à prevenção de retrocessos no sistema de proteção de
direitos. A recepção da Convenção Americana de Direitos Humanos (CADH) e a jurisprudência da
Corte Interamericana trouxeram algumas dificuldades de aceitação pelos agentes públicos
brasileiros, sendo o grande obstáculo a dificuldade de implantar as decisões da Corte no Sistema
Judiciário do país.
Um dos frutos das atividades do grupo de trabalho foi a declaração da ONU sobre
os Direitos dos Povos Indígenas. Anos de negociações em um Grupo de Trabalho sobre
Populações Indígenas fizeram surgir uma proposta com a participação de governos,
representantes indígenas e da sociedade civil. Os direitos indígenas são os direitos coletivos que
existem como reconhecimento à condição dos povos indígenas. Direito Indígena é o ramo do direito

3
que se compõe das normas jurídicas que reconhecem a existência e os direitos dos povos indígenas
(Wikipédia).
Não existe ainda nenhuma infra-estrutura dentro da área indígena que demande uma
quantia substancial de indenização. Pelo contrário, com poucas exceções, as benfeitorias existentes
das fazendas e sítios são precárias. As benfeitorias existentes na vila e pontos de apoio ao garimpo
poderão ser utilizadas pelas próprias comunidades indígenas futuramente. A demarcação da terra
tradicionalmente ocupada é uma obrigação legal do Estado Brasileiro a ser cumprida até junho de
1993 e um direito imprescindível dos Macuxi, Ingarikó e Wapixana que resitiram a mais de cem
anos de colonização.
General Heleno considera terra indígena de fronteira risco à soberania - O general
lembrou o compromisso brasileiro com declaração da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre
o direito dos povos indígenas, que destaca a desmilitarização das terras indígenas como
contribuição para a paz e o desenvolvimento econômico e social.
O Supremo Tribunal Federal (STF) impõe 19 condições para demarcação de terras
indígenas - No julgamento que decidiu que a terra indígena Raposa Serra do Sol terá demarcação
contínua e deverá ser deixada pelos produtores rurais que hoje a ocupam (Petição 3388), os
ministros do Supremo Tribunal Federal analisaram as 18 condições propostas pelo ministro Carlos
Alberto Menezes Direito para regular a situação nos territórios da União ocupados por índios, e
garantir a soberania nacional sobre as terras demarcadas. Ao final dos debates, foram fixadas 19
ressalvas, sujeitas ainda a alterações durante a redação do acórdão, que será feita pelo relator,
ministro Carlos Ayres Britto.
Para cumprimento da decisão, foi designado o presidente do Tribunal Regional Federal
da 1ª Região, que agirá sob a supervisão do ministro Carlos Ayres Britto, como previu o presidente
do Supremo, ministro Gilmar Mendes, na proclamação do resultado do julgamento. “Quanto à
execução, o Tribunal determinou a execução imediata confiando a supervisão ao eminente relator,
ficando cassada a liminar [que impedia a retirada dos não-índios], que deverá fazer essa execução
em entendimento com o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, especialmente o seu presidente”,
disse Mendes.
As condições estabelecidas para demarcação e ocupação de terras indígenas terão os
seguintes conteúdos:

1 – O usufruto das riquezas do solo, dos rios e dos lagos existentes nas terras indígenas pode ser
relativizado sempre que houver como dispõe o artigo 231 (parágrafo 6º, da Constituição Federal)
o relevante interesse público da União na forma de Lei Complementar;

4
2 - O usufruto dos índios não abrange o aproveitamento de recursos hídricos e potenciais
energéticos, que dependerá sempre da autorização do Congresso Nacional;

3 - O usufruto dos índios não abrange a pesquisa e a lavra das riquezas minerais, que dependerá
sempre de autorização do Congresso Nacional, assegurando aos índios participação nos resultados
da lavra, na forma da lei.

4 – O usufruto dos índios não abrange a garimpagem nem a faiscação, devendo se for o caso, ser
obtida a permissão da lavra garimpeira;

5 - O usufruto dos índios não se sobrepõe ao interesse da Política de Defesa Nacional. A instalação
de bases, unidades e postos militares e demais intervenções militares, a expansão estratégica da
malha viária, a exploração de alternativas energéticas de cunho estratégico e o resguardo das
riquezas de cunho estratégico a critério dos órgãos competentes (o Ministério da Defesa, o Conselho
de Defesa Nacional) serão implementados independentemente de consulta a comunidades indígenas
envolvidas e à Funai;

6 – A atuação das Forças Armadas da Polícia Federal na área indígena, no âmbito de suas
atribuições, fica garantida e se dará independentemente de consulta a comunidades indígenas
envolvidas e à Funai;

7 – O usufruto dos índios não impede a instalação pela União Federal de equipamentos públicos,
redes de comunicação, estradas e vias de transporte, além de construções necessárias à prestação de
serviços públicos pela União, especialmente os de saúde e de educação;

8 – O usufruto dos índios na área afetada por unidades de conservação fica sob a responsabilidade
imediata do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade;

9 - O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade responderá pela administração da


área de unidade de conservação, também afetada pela terra indígena, com a participação das
comunidades indígenas da área, que deverão ser ouvidas, levando em conta os usos, as tradições e
costumes dos indígenas, podendo, para tanto, contar com a consultoria da Funai;

10 - O trânsito de visitantes e pesquisadores não-índios deve ser admitido na área afetada à unidade
de conservação nos horários e condições estipulados pelo Instituto Chico Mendes;

11 – Deve ser admitido o ingresso, o trânsito, a permanência de não-índios no restante da área da


terra indígena, observadas as condições estabelecidas pela Funai;

5
12 – O ingresso, trânsito e a permanência de não-índios não pode ser objeto de cobrança de
quaisquer tarifas ou quantias de qualquer natureza por parte das comunidades indígenas;

13 – A cobrança de tarifas ou quantias de qualquer natureza também não poderá incidir ou ser
exigida em troca da utilização das estradas, equipamentos públicos, linhas de transmissão de energia
ou de quaisquer outros equipamentos e instalações colocadas a serviço do público tenham sido
excluídos expressamente da homologação ou não;

14 - As terras indígenas não poderão ser objeto de arrendamento ou de qualquer ato ou negócio
jurídico, que restrinja o pleno exercício do usufruto e da posse direta pela comunidade indígena;

15 – É vedada, nas terras indígenas, qualquer pessoa estranha aos grupos tribais ou comunidades
indígenas a prática da caça, pesca ou coleta de frutas, assim como de atividade agropecuária
extrativa;

16 - As terras sob ocupação e posse dos grupos e comunidades indígenas, o usufruto exclusivo das
riquezas naturais e das utilidades existentes nas terras ocupadas, observado o disposto no artigo 49,
XVI, e 231, parágrafo 3º, da Constituição da República, bem como a renda indígena, gozam de
plena imunidade tributária, não cabendo a cobrança de quaisquer impostos taxas ou contribuições
sobre uns e outros;

17 – É vedada a ampliação da terra indígena já demarcada;

18 – Os direitos dos índios relacionados às suas terras são imprescritíveis e estas são inalienáveis e
indisponíveis.

19 – É assegurada a efetiva participação dos entes federativos em todas as etapas do processo de


demarcação.

O direito dos povos indígenas desenvolveu-se no sentido de garantir o reconhecimento


desses povos em bases conceituais e legais mais amplas, principalmente a partir do momento em
que as relações entre Estados e esses povos se enquadraram no referencial de direitos humanos. No
caso do Brasil, a projeção internacional das demandas indígenas constitui um passo fundamental
para a ampliação da base jurídica e de política públicas para com os povos indígenas. Já a forma
com que esses direitos são vistos, internalizados e aplicados pode ocorrer de forma distinta, a
exemplo do caso da terra indígena Raposa Serra do Sol. Por outro lado, uma questão interessante,
mas que não foi objeto dessa análise, é pensar como o caráter dos movimentos indígenas e as

6
próprias identidades indígenas se reformularam diante de categorias e de um discurso global de
valorização da diversidade cultural.

A conclusão aponta, por um lado, a contribuição da jurisprudência da Corte para a


promoção dos direitos humanos e os direitos indígenas, bem como o desenvolvimento da
democracia no Brasil e, por outro, que o principal desafio é a implantação das decisões da Corte no
âmbito interno e a resistência dos agentes públicos brasileiros de aplicar o direito internacional. As
decisões da Corte cumprem um papel fundamental na promoção dos direitos humanos no Brasil e
importantes transformações políticas, jurídicas, legislativas e culturais, surtindo efeito sobre os
assuntos atinentes aos direitos indígenas promovendo o debate acerca dos direitos humanos. Apesar
das inegáveis contribuições a dificuldade está na implantação das sentenças desta Corte no plano
doméstico, o cumprimento da obrigação do Estado de investigar, processar e punir penalmente os
responsáveis pelas violações de direitos humanos, em relação ao não cumprimento dos direitos
indígenas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Constituição da República Federativa do Brasil, texto promulgado em 5 OUT 1998; Apostila
Disponível no AVA e ebaula.ensio.eb.br; http://www.eb.mil.br/missao-e-visao-de-futuro
http://www.justica.gov.br/noticias/mj-lanca-colecao-jurisprudencia-da-corte-interamericanade-
direitos-humanos
http://www.significados.com.br/direitos-humanos/
https://www.oas.org/pt/sobre/comissao_direitos_humanos.asp.
http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticianoticiastf/anexo/pet3388ma.pdf - Acesso: 30 Mar 2018
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=105036 - Acesso: 30 Mar 2018