Você está na página 1de 2

Faculdade das Ciências Agronómicas

2° Ano Curso de direito

Disciplina: Direito Constitucional

Nome: Patrício Domingos

Docente primeiro pedir minhas sinceras desculpas pela demora de entrega do exercício, não
tive conhecimento dos mesmos pós não tinha um telefone adequado para poder interagir com
a turma pela plataforma e pelo correio electrónico da mesma.

1. Não concordo com afirmação, pós estamos presentes a duas situações distintas,
quando falamos da constituição estamos perante um documento legal que estabelece
normas jurídicas que determinam a organização fundamental do estado, fixando seus
órgãos supremos e respectivas funções e atribuições, e o garante básico dos direitos
básicos das pessoas em quanto o constitucionalismo moderno é uma teoria é o estudo
dos meios utilizados no processo de evolução constitucional ao longo dos tempos, são
fases que a constituição sofreu para se formar como um documento normativo e legal
contendo nelas alguns aspectos que caracterizam a constituição moderna, como os
direitos deveres e garantias da liberdade fundamental, assim como a questão de
separação de poderes é de facto uma técnica especifica de limitação do poder com
fins garantisticos, sendo, claramente uma teoria normativa de politica.

2. Nestas constituições podemos afirmar que a constituição de 2004 é que de alguma


forma já apresenta nos um conjunto nítido da constituição moderna, tendo algumas
características ou elementos que o caracterizam nomeadamente: a questão de
separação de poderes, no artigo 135 da CRM, os direitos deveres e liberdades
fundamentais no artigo 35 da CRM, o multipartidarismo, artigo 74 a questão da
descentralização e a questão do direito a defesa das arbitrariedades dos poderes do
Estado.

3. Realmente quando falamos da constituição no sentido formal é pertinente termos em


conta a questão de que a mesma é consubstanciada de forma escrita, por meio de um
documento solene e estabelecido pelo poder constituinte, em que o conjunto de regras
manifesta se na estrutura organizadora dos órgãos supremos do estado é a
representação do estado, é a representação do estado expresso juridicamente em
normas constitucionais em quanto que já no sentido material estamos presentes as
regras constitucionais que vão se manifestar dentro de um estado dispersas
codificadas ou não num documento.

4. Primeiro realçar que é da competência do presidente a declaração do estado do sitio


ou de emergência, mas tendo em conta que o mesmo deve fundamentar e submeter
assembleia para a sua ratificação no seu no 1 do artigo 293 da CRM, e no que
concerne a alteração da constituição no sentido de englobar as normas que punem os
que não acatarem com as medidas, é da competência dele também assim como como
um terço dos deputados, a alteração feita pelo presidente sem a submissão ou enuncia
da assembleia não teria eficácia jurídica pós assembleia é o órgão que tem
competência para examinar questões dessa natureza, assim como por se só não seria
eficais pois é preciso que essa mesma proposta seja avaliada pelo concelho
constitucional.

Você também pode gostar