Você está na página 1de 18

0

Anza Essiaca

Hugo Reis Iariva

Jessica Grace Lopes

Julio Bernardo Laiene Vilanculo

Milota de Castro Pascoal

Momade Atumane

Natalio Alexandre

Geologia de Tete

(Licenciatura em ensino de Geologia com habilitações em Mineração)

Universidade Pedagógica

Nampula

2019
1
2

Anza Essiaca

Hugo Reis Iariva

Jessica Grace Lopes

Julio Bernardo Laiene Vilanculo

Milota de Castro Pascoal

Momade Atumane

Natalio Alexandre

Geologia de Tete

(Licenciatura em ensino de Geologia com habilitações em Mineração)

Trabalho de investigação de carácter avaliativo


da Cadeira de Geologia de Moçambique, 2o
Grupo, 3o Ano, I Semestre, a ser entregue ao
Departamento de Ciências da Terra e Ambiente,
Leccionado pelo:
Geologo Fernando Momade

Universidade Pedagógica

Nampula

2019
3

Índice
1. Introdução................................................................................................................................................3
1.2 Localização Geográfica da Província de Tete........................................................................................4
1.3 Enquadramento Geológico de Tete....................................................................................................5
1.3.1 Caracterização Geológica da Província de Tete...................................................................................5
1.3.2 Geologia Regional...............................................................................................................................5
1.3.3 Geologia Local....................................................................................................................................6
2.Unidades Litoestratigraficas da Região de Tete (Principais tipos de Rocha).............................................6
2.1.Série de Fíngoè.......................................................................................................................................7
2.1.1. Complexo Granitóides........................................................................................................................8
2.1.2. Granito de Messandaluz.....................................................................................................................8
2.1.3. Granito de Tchiputo e Ânguè.............................................................................................................8
2.1.4. Granito de Zumbo-Chipera.................................................................................................................8
2.1.5. Complexo Gnáisso-migmatítico.........................................................................................................8
2.2.Série de Zâmbuè.....................................................................................................................................9
2.2.1. Complexo de rochas básicas e ultrabásicas.........................................................................................9
2.3 Litoestratigrafia da região de Tete..........................................................................................................9
2.4 Série Produtiva.....................................................................................................................................10
2.5 Série Matinde.......................................................................................................................................11
2.6 Estruturas.............................................................................................................................................11
2.7 Estratigrafia..........................................................................................................................................12
2.9 Magmatismo.........................................................................................................................................13
2.11 Princípais Jazigos Minerais da região de Tete....................................................................................14
Jazigos de carvão mineral foram descobertos nos distritos de Changara, Cahora Bassa e Mangoe, na
província de Tete........................................................................................................................................14
3. Conclusão...............................................................................................................................................15
Bibliografia................................................................................................................................................16
4

1. Introdução
A cidade de Tete há de alguns tempos, palco de intensas obras de construção civil, que aliadas a
outros efeitos de busca e exploração de recursos minerais estão a transformar visivelmente a
imagem e o modo de vida daquela urbe.

O distrito de Moatize, onde a vale Moçambique iniciou já a extracção e a riversidade prepara -se
para tirar o primeiro carvão possuía 178.096 habitantes.

É desde já que se apresentamos o trabalho de investigação, esperamos nos que seja do seu inteiro
aproveitamento, para ampliar o conhecimento do leitor.

Quanto a sua organização, temos como estrutura: introdução, desenvolvimento, conclusão e sua
respectiva bibliografia.
5

1.2 Localização Geográfica da Província de Tete.

A província de Tete, localiza-se a NW de Moçambique com as Latitudes 14º 00´00´´ à 14º47´01´´


e longitude 30º 13´00´´ à 35º 20´07´´, abrangido os distritos de Zumbo, Marávia Cahora Bassa,
Changara, Chiúta Macanga, Moatize, Mutarara, Chifunde e Tsangano. Nesta região predomina
um relevo muito acidentado, destacando-se a região montanhosa que ocupa grande parte desta
região, onde se destacam formações de Marávia - Angónia com altitude de 1400m, a norte da
província de Tete, onde afloram diversos litotipos destacando-se fundamentalmente as rochas da
família gabróide, granitos e outros litotipos.

Fig 1: Ilustração do Mapa Geográfico da Província de Tete

As precipitações médias anuais são de 700mm distribuídos irregularmente, concentrando as


chuvas entre os meses de Dezembro ao Março com temperaturas máximas de 41˚ e mínima de
22˚.

A vegetação está constituída fundamentalmente de árvores de grande porte, floresta aberta de


Miombo, que ocupam grande parte do norte da província e árvores de pequeno porte, savana
arbórea e arbustiva, como por exemplo Chanate, Messanha, que ocupam o sul da Província
principalmente as áreas cobertas pelo Karroo.
6

1.3 Enquadramento Geológico de Tete

1.3.1 Caracterização Geológica da Província de Tete


A Província de Tete faz parte da “Província Tectónica do Niassa” e abrange as formações Pré-
câmbrico Norte desta Província que se estende até a faixa E do lago Niassa, limitando-se deste
modo com a Província de Moçambique na sua parte Sul e nota-se uma grande área de coberta
pelos sedimentos do Karoo ao recente que preenchem a maior parte do sul da bacia do Zambeze.

1.3.2 Geologia Regional


Os depósitos de carvão em Tete estão associados ao super grupo do Karoo.
Bacia de Moatize, Rochas sedimentares (siltitos e arenitos → estéril).
Em relação a economia da região é de salientar a bacia carbonífera de Moatize que actualmente
está sendo explorada pela única mina de carvão, Minas Moatize, onde o carvão extraído é
consumido internamente e pelos paises vizinhos; A pedreira do Monte Pande, sob tutela da
Empresa Ceta, está actualmente a extrair rochas da família gabróides que são utilizadas para
construção civil e obras de grande engenharia como é o caso da construção da linha férrea
Moatize-Beira; Na região existe a maior fonte energética do País e uma das maiores da África e
do Mundo, Barragem Hidroeléctrica de Cahora Bassa a qual fornece parte da sua energia ao
nosso País, a África do Sul, o Zimbabwe e o Malawi. Além destes países está em curso um
projecto de expansão da energia eléctrica pelos distritos do nosso País.

Na área de Chitima são extraídas rochas denominadas montemorilonites de modo artersanal, que
são vendidas a África do Sul. Esta actividade meramente artesanal contribui de certa maneira
para o emprego dos residentes desta área. Em algumas áreas desta província são extraídos alguns
recursos naturais de modo rudimentar como é o caso de ouro no povoado Madzanidzani no
distrito de Changara e Chifumbazi no distrito de Chiútam, as argilas de Moatize que são úteis
para o fabrico de tijolos e utensílios domésticos.
7

1.3.3 Geologia Local


Os depósitos de carvão em Tete estão associados ao super grupo de karoo;

 Bacia de Moatize – rochas sedimetares (siltitos, arenitos, estéril)

Fig 2: Ilustração de Esboço geológico da região de Moatize. L. Vasconcelos, 2005

2. Unidades Litoestratigraficas da Região de Tete (Principais tipos de Rocha)

Vários autores fizeram estudo desta Província dentre os quais se destacam Freitas (1952), Borges
(1933-1937) e as companhias Long year (1955) e outros. O trabalho mais recente é do F. Real
(1966) que praticamente faz um resumo do ambiente Geológico propício para a ocorrência
minerais, sendo de destacar os seguintes:
8

 Grafite- Ocorre na região de Angónia e está associada aos gnéisse migmatíticos;


 Corundo-Ocorre na região de Canchoeira, próximo da vila de Moatize e na região de
Zóbuè e se relacionam com os pegmatitos dissilicificados do tipo plumasito e cortam as
rochas gabro-anortosíticas;
 Berilo- Relacionam-se com os filões pegmatíticos na região do rio Mese no distrito de
Zumbo;
 Mavuzite e Uranite-se relacionam com os sienitos e ao contacto calcáreo - piroxenito;
 Garnierite- realacionado com os complexos básicos e ultrabásicos;
 Níquel, cromite, platina e platinóides- relacionados com as rochas do complexo gabro
anortosítico de Tete e de Anchiza;
 Ouro, sulfuretos e carbonatos de cobre- ligados a formação calcáreca e ao contacto do
complexo gabro anortosítico de Tete com a série de fíngoè, e ainda aos filões quartzo-
carbonatados;
 Titanomagnetites- ligados ao complexo gabro anortosítico e os maiores jazigos se situam
em Machédua, Massamba, Txizita, Inhantipissa e na antiga povoação de caldas Xavier.É
constituida por uma zona estrutural com uma orientação N-S. A sua litologia está
distribuida do seguinte modo:
 Granito Gnáissico do Vúzi- situada a SW da mancha Pré-câmbrico da província de Tete
a N do rio Zambeze e outras ocorrências encontram-se dispersas na região. Não foram
feitos estudos petrográficos nesta região e faz-se apenas referência a existência de dois
tipos litológicos fundamentais: Granitos gnáissico porfíroblástico e granito gnáissico.

2.1.Série de Fíngoè
Se localiza entre Fíngoe e Zumbo. Existem algumas manchas da referida série a N de Cahora
Bassa, a volta do Complexo gabro anortosítico de Tete a N da Província de mesmo nome. Está
constituída fundamentalmente por rochas metassedimentares onde se alternam os psamitos, grés
feldispático, arcoses e quartzitos puros, calcáreos cristalinos e xistos que incluem talcoxistos
anfíbolitos e epidioritos.
9

Há informações divergentes relativas as idades das rochas desta série.Vail (1955) fez correlação
tendo sugerido que as rochas desta série são comparáveis as do sistema Shamvaniano (Gold Belt)
rodesiano e sul Africano.

2.1.1. Complexo Granitóides


É constituida pela profusão de rochas graníticas distribuídas na parte Oeste da “Província
Tectónica de Niassa” e ocupa a maior parte da região a Norte do rio Zambeze na Província de
Tete. Os granitos que compõem estas manchas, foram englobados na mesma rubrica de rochas
metamórficas na carta 1:2000.000, porque as suas origens parecem migmatíticas e não
magmáticas,este complexo apresenta os seguintes tipos de granito.

2.1.2. Granito de Messandaluz


Estes granitos ocupa uma grande área na região entre Zâmbuè e Fíngoè. A granularidade varia de
fina a grosseira. A foliação primária – considerada uma característica distinta é atribuida aos
alinhamentos dos minerais antes da consolidação da rocha ígnea. Os principais minerais são:
Quartzo, Ortoclase róseo, Biotite e por vezes Hornoblenda.

2.1.3. Granito de Tchiputo e Ânguè


estes granitos distribuem-se a Norte e a Nordeste de Fíngoè e aparentam serem intrusivo na série
de Fíngoè e nos granitos de Messandaluz. A sua textura varia entre granular grosseiro e grão fino,
passando por porfiróide.

2.1.4. Granito de Zumbo-Chipera


Granitos deste tipo afloram em diversas manchas imediatamente a N da bacia do Karroo e a S da
linha Zumbo- Fíngoè, formando por vezes, domos, como é o caso de Camacoro. Os granitos de
Zumbo - Chipera dividem-se em 4 tipos diferentes:

 Gratinos Porfiróide com fenocristais de feldispatos,


 Granitos de grão médio grosseiro, róseo, porfírico,
 Granito de grão médio, róseo e cinzento,
 Granito Castanho.
10

2.1.5. Complexo Gnáisso-migmatítico


Constituído por vários tipos de rochas interestratificadas e outras fazendo passagem laterais de
uns tipos para os outros, denunciadoras do carácter sedimentar das rochas deste complexo.

2.2.Série de Zâmbuè
Tem larga representação no canto NW da Província de Tete e é motivo de controverso. Os tipos
litológicos fundamentais desta formação são: Quartzito, Paragnaisses, e alguns Migmatitos. Os
quartzitos são de grão médio e grosseiro, constituídos exclusivamente por quartzo e
acessoriamente por feldspato, biotite e hematite. Ocorrem em bandas que ultrapassam raras vezes
100 metros de espessura, muito dobrados e constituindo uma excelente chave para determinação
das estruturas do complexo.

2.2.1. Complexo de rochas básicas e ultrabásicas


Os complexos mais importantes são o de Gabro Anortosítico de Tete e o Ultrabásico de Achiza.
O complexo ultrabásico do monte de Achiza ficou bastante conhecido pelos trabalhos de
prospecção mineira da Missão de Fomento e Povoamento do Zambeze, embora já existissem
notícias anteriores.

É intrusivo na rocha metamórfica a W e NW; a N contacta com os granitos do tipo Zumbo-


Chipera e a S é coberto pelos sedimentos de Karroo. As rochas mais típicas são serpentinitos,
piroxenitos, harzbugitos, noritos, gabros e dioritos.Os tipos petrográficos mais importantes são
gabros, anortositos, piroxenitos, epidioritos e sienitos (P. Coelho, 1969).O complexo é ainda
cortado por numerosos filões quarto-carbonatados, granofíricos e turnmalínicos.

2.3 Litoestratigrafia da região de Tete


Estas diferenciações em Moçambique são expressas sob forma de vários andares pelo facto das
bacias sedimentatres serem irregulares e a ausência de restos fósseis e litologia característica.
Estes motivos fazem com que o Karroo de Moçambique se divida:

 Karroo indeferenciado
 Karroo Inferior
 Karroo Superior.
11

O Karroo indeferenciado é assim denominado devido a posição estratigraáfica de algumas


manchas parecer duvidosa na altura da elaboração nda carta Geológica 1: 2000 000.

Karroo inferior- este distribui-se ao longo das margens do rio Zambeze onde atinge espessuras
superiores a 7500 m e subdivide-se em dois grupos.

a) Grés vários,
b) Série produtiva.
O grupo Grés vários se sobrepõe à série produtiva da região de Moatize, Carinde-Chicoa e a de
Caldas Xavier. Na região de Mecuco-chicôa, o grupo de grés vário é constituído
fundamentalmente por grés argiloso fino, argilas esverdeada ou amareladas, grés grosseiro de
cimento carbonoso.

Na região de Moatize, superiormente à série produtiva, começa outra série sedimentar constituída
por grão grosseiro à média, grés arcósico e pequenas camadas lenticulares de calhau rolado e
estratificação cruzada.

Na região de Caldas Xavier, o grupo de grés vário é constituído por grés médio à grosseira
alternado com grés fino e micáceo bem estratificados. Apresentam profusas estruturas com
direcção N-S.

2.4 Série Produtiva


Esta é de grande interesse por nela estar englobada a importante camada de carvão. Esta série é
caracterizada por possuir xistos, grés carbonosos, argilitos negros, por vezes piritosos. A idade
desta série é de pérmico Inferior, que, provavelmente se corresponde com o andar Ecca.

A idade da série produtiva pode ser determinada devido a presença de numerosos fósseis
vegetais, que são:

 Glossopteris Indica Shimper;


 Glossopteris Browniana Brongr;
 Glossopteris Brancae Gothan;
 Glossopteris Stricta Bunb;
 Gangamopteris Cf. Obvata
12

 Gangamopteris Cyclopteroides;
 Sphenophyllum Specioum Royle;
 Sphenophyllum thonnii Mabr;
 Oblingifolium
 Sigillariasp.
Na série produtiva são conhecidas camadas de diferentes espessuras e desiganadas apartir do
mais recente por:

a) Camada André- topo da série produtiva, constituída por bancadas de carvão inteceptadas
apenas por dois leitos finos de xistos carbonosos, piritosos com com 1 à 2 m de carvão.

b) Camada Grande Falésia- constituida por xistos argilosos e carvões com 12 m de espessura.

c) Camada Intermédia- formada por xistos e níveis de carvão com 8 m de espessura.

d) Camada Bananeira- a que corresponde a um complexo de xistos e carvão, este com fraca
espessura e uma espessura de aproximadamente 10m.

e) Camada Chipanga- a mais importante da série produtiva com uma camada basal de 2.5 à
3.5m de carvão.

f) Camada Sousa Pinto - constituída por um complexo carbonoso com 14 m de espessura.

As várias camadas de carvão estão separadas por xistos cinzentos, por vezes piritosos, grés, xistos
carbonosos, etc, atingido a série produtiva uma espessura de 340m.

2.5 Série Matinde


Esta encontra-se sobre a série produtiva e está constituída por margas e grés fosilíferos, e
compreende ainda grés argiloso fino, grés grosseiro de cimento carbonatado e argilito
esverdeado. Esta série é de idade Pérmico Superior a Triássico Inferior.

Depois dos depósitos da série de Matinde, existem sedimentos recentes os quais estão compostos
por aluviões, coluviões e eluviões. Os eluviões são depósitos incoerentes formados por uma
delegada camada sobre diversos litotipos espalhados na região.
13

2.6 Estruturas
Na província de Tete, os acidentes estruturais são numerosos, sendo a maior parte deles muito
evidentes sendo os mais notáveis: falhamentos e dobramentos.

 Falhamentos
Os falhamentos não só afectam as rochas Pré-Câmbricas, mas também as formações secundárias
e terciárias. As zonas preferenciais das falhas são N-S, NE-SW e E-W nestas fracturas instalam-
se numerosos filões de vários tipos e de várias idades, sendo a maior parte deles brechóides
silicificados.

 Dobramentos
Dobramentos e foliações são muito frequentes em toda a província de Tete incluindo os
complexos granitóides e nos complexos básicos. Os dobramentos se destacam nas áreas de
Zâmbue e na de Fíngoè. Os e seus eixos apresentam-se predominantemente as direcções WSW-
ENE e SW e NE. As outras estruturas pouco frequentes têm outras direcções.

2.7 Estratigrafia
O Karroo que ocupa a parte sul da província de Tete são caracterizados pela sua origem
continental e que se depositaram em bacia controladas por falhas. A maior bacia se situa na
bordadura do Cratão Rodesiano com forma de um arco com concavidade virada para SW. Estas
machas de Karroo em Moçambique se dividem:

 Ecca
 Dwyka
 Bauforte
 Stormberg.

2.8 Tectónica

Estruturalmente na região existem várias falhas com uma direcção geral NE-SW, sendo a mais
importante falha a de bordadura, que põe em contacto rochas do Karroo e as do Complexo de
base.
14

A bacia sedimentar do Zambeze apresenta uma estrutura de um anticlinal assimétrico afectado


por falhas nos flancos eixos próximos da direcção WNW-ESE. As fracturas existentes nos
sedimentos do Karroo se associam aos filões doleríticos de espessura variável que originam nas
camadas de carvão o fenómeno de coquificação e fenómenos de desligamentos o que dispõe o
carvão de Moatize numa estrutura do tipo graben. Além das falhas assinaladas o Karroo apresenta
dobras suaves em os seus eixos coincidem com mesmas direcções da tectónica da região.

2.9 Magmatismo
Na região distinguem-se as rochas do Complexo gabro anortosítico de Tete, de idade Pré-
câmbrico e as rochas efusivos intrusivas de idade pós Karroo, possivelmente Cretássica. O
Complexo Gabro anortosítico é um dos maiores afloramentos, constituído fundamentalmente por
rochas básicas. Este complexo tem um comprimento de 150 Km na direcção E-W e uma largura
de 50km na Direcção N-S e uma área de aproximadamente 6000Km 2, o tipo de rochas
predominantes são gabros do tipo andesino, labradorítico, incluindo a hiperstena associada a
augite e a hiperstena, piroxenos que muitas vezes se apresentam alterados1.

Na carta Geológica da província de Tete escala 1: 1000 000, o jurássico divide-se em 3 partes:

 Formações greso- conglomeraáticas de Tete


 Calcáreos das Províncias de Moçambique e de Cabo Delgado.
 Grés Inferior da Lupata.
Destas 3 formações a que está representada em Tete é a formação Greso - Conglomerático. Esta
formação aflora sob forma de extensas manchas, nomeadamente ao sul do rio Zambeze e ao W
do meridiano 34 E, formando uma faixa que se estende Mágoè à Changara, envolvendo os
maciços vulcânicos dos rios Luia e Luenha. De uma maneira geral os sedimentos destas manchas
são formados fundamentalmente por grés conglomerático e por conglomerados que tem que tem
como características dominates calhaus de rochas vulcânicas associados a calcáreos e depósitos
arenosos em leitos argilsos.

2.10 Geomorfologia

Na bacia do Zambeze, existem 4 testemunhos dos ciclos principais de erosão.

1
15

 Zona de montanhas ou do ciclo Gondwana;


 Zona de grandes planaltos ou de Ciclo Africano;
 Nível dos planaltos médios ou Ciclo do Zumbo
 Zona de planícies costeiras ou ciclo do Congo.
Nesta região existem os dois últimos ciclos através de elevações que apresentam formas
aproximadamente simétricas que tem em geral uma orientação NW-SE que concorda com a
tectónica desta região. Na região existem pequenas elevações onde a que possuem a maior
altitude é a de Marávia, Angónia com 1400 m de altitude.

2.11 Princípais Jazigos Minerais da região de Tete


Jazigos de carvão mineral foram descobertos nos distritos de Changara, Cahora Bassa e Mangoe,
na província de Tete.
176 Empresas estão envolvidas na pesquisa e prospecção de minerais básicos assim como na
exploração de carvão mineral ao longo da bacia carbonífera de moatize, Maravia, Zumbu,
Chifunde, Changara, Cahora- Bassa, Magoe e cidade de Tete.

Jazigos de Manganes, ocorrem no Grupo de Rushinga, a sudoeste da província de Tete, na


fronteira com Zimbabwe.
16

3. Conclusão
A Província de Tete foi palco de vários estudos Geológicos, os pioneiros nesses estudos em Tete,
datam de 1920, onde estudantes e Professores Universitários Belgas, estudaram a bacia
sedimentar, com particular incidência as camadas de carvão de Moatize, tendo concluído que em
Moatize haviam diferentes camadas de carvão que faziam a diferentes profundidades onde o
carvão extraído é consumido internamente e pelos países vizinhos;

A província de Tete esta localizada no topo da região centro de Moçambique, sendo a única em
contacto fronteiriço com três países: a nordeste com Malawi, Zâmbia, a sudoeste com Zimbabwe;
e a sul com as províncias de Manica, Sofala e Zâmbia.
17

Bibliografia
CUMBE, Ângelo Nhapacho Francisco: O Património Geológico de Moçambique: Proposta de
Metodologia de Inventariação, Caracterização e Avaliação, Universidade do Minho, Braga-
Portugal, Dezembro, 2007
DNG da Republica de Mocambique: Notícia Explicativa / Map Explanation, 2o Vol, DNG
editora, Maputo – Mocambique, 2006
https://pt.m.wikipedia.org<wiki>Tete
https://macahub.com.mo>2010/09/29

Você também pode gostar