Você está na página 1de 7

DIREITO

CONSTITUCIONAL
MARCELO MIRANDA
Conteúdo
DIREITOS DE NACIONALIDADE .................................................................................................................2
I. NOÇÕES ..........................................................................................................................................2
II. MANEIRAS DE AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE .........................................................................2
III. BRASILEIROS NATOS E NATURALIZADOS ...................................................................................2
IV. PERDA DA NACIONALIDADE ..........................................................................................................5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com fins
comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização da StartCon Sistema de Ensino Online. 1
DIREITOS DE NACIONALIDADE
I. NOÇÕES
Nacionalidade é o vínculo de natureza jurídica e política que liga um indivíduo a determinado
Estado soberano.
Lembrando que dentre os elementos constitutivos do Estado destacam-se o povo, território e soberania.
O sentido de população significa dizer tratar-se do conceito geográfico como aquelas pessoas
residentes em determinado local (Estado). Em nação resume-se o conceito sociológico como grupo étnico
e cultural de pessoas geralmente que falam o mesmo idioma, com as mesmas tradições vivendo ladeadas
(em conjunto). Daí a ideia de povo como sendo o conjunto de nacionais de um Estado.
II. MANEIRAS DE AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE
A nacionalidade será originária, primária ou de primeiro grau, quando resultante do nascimento – fato
(acontecimento do mundo) originário e involuntário da vida. Doutra sorte, será adquirida como decorrência
de um ato de vontade bilateral que resulta na própria naturalização. Na nacionalidade adquirida são duas
as manifestações de vontade: a do interessado (súdito) que quer tornar-se um nacional do Estado ‘X’ e do
próprio Estado em aceitar o súdito como nacional.
Ocorre, entretanto, que nem sempre o local de nascimento será definidor na nacionalidade originária,
pois as variáveis podem ocorrer conforme o critério sanguíneo (jus sanguinis) ou critério do local do
nascimento (jus solis).
Cada país eventualmente pode adotar um único critério de nacionalidade ou alterná-los de acordo a
legislação pátria. Neste sentido acabam surgindo conflitos negativos de nacionalidade, quando surge a
figura do apátrida (sem pátria) ou, ainda, conflitos positivos de nacionalidade, situação em que o indivíduo
será considerado polipátrida ou multinacional por ter mais de uma nacionalidade.
III. BRASILEIROS NATOS E NATURALIZADOS
Art. 12. São brasileiros:
I - natos:
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde
que estes não estejam a serviço de seu país.
Esta é regra geral da nacionalidade adotado o critério da territorialidade, valendo mesmo que que filhos
de pais estrangeiros. Para que o filho nascido na RFB não seja considerado brasileiro nato é necessário:
ambos os pais sejam estrangeiros e que pelo menos um deles esteja a serviço de seu país. Detalhe
importante é que os pais estrangeiros precisam estar a serviço de seu próprio país, e não é qualquer outro
país ou a passeio no Brasil (ex. filho de espanhóis a serviço do governo americano no Brasil será brasileiro
nato).

Ainda, o art. 12 da CF88 estabelece como brasileiro nato as alíneas ‘b’ e ‘c’:
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que qualquer
deles esteja a serviço da República Federativa do Brasil.
Aqui sai da regra e passa a existir a exceção para os nascidos no estrangeiro desde que o pai OU a
mãe brasileira estejam a serviço do Brasil. A serviço da Administração Pública Indireta também é
considerado como serviço do Brasil. Mas atenção: em tempos de copa do mundo estar a serviço da CBF
não vale!

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com fins
comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização da StartCon Sistema de Ensino Online. 2
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam
registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República
Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela
nacionalidade brasileira.
Aqui também o critério sanguíneo para os filhos de pai ou mãe brasileira nascidos no estrangeiro que
serão considerados brasileiros natos em duas hipóteses:
• Registro em repartição brasileira competente (consulados, embaixadas ou repartições
diplomáticas). O mero registro nesta repartição já confere automaticamente o status de
brasileiro nato.
• Quando o interessado após atingir a maioridade e vir residir na RFB venha optar pela
nacionalidade brasileira.
No caso segundo caso, filho de pais brasileiros que venha a residir na RFB aos cinco anos de idade só
poderá optar pela nacionalidade brasileira aos 8 anos. Importante que neste período, entre os 05 e 8 anos,
o STF entendeu que o cidadão será brasileiro nato sob condição suspensiva (o simples fato de entrar no
Brasil já gera o status de nato de forma condicional suspensiva). Trata-se de uma lacuna na CF sobre o
tema e que o Supremo teve de se manifestar.
Aos 8 anos o elemento deverá optar (ato comissivo) pela nacionalidade brasileira, se não o fizer
perderá esta condição, podendo, entretanto, recuperá-la formalmente na Justiça Federal (a qualquer
tempo). Esta opção deve ser feita em um procedimento de jurisdição voluntária que deverá tramitar na
Justiça Federal pra simples homologação.
Sequencialmente o art. 12 apresenta os brasileiros naturalizados no inciso II:
Art. 12, II - naturalizados:
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários
de países de língua portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade
moral.
Nesta alínea ‘a’ tem-se a hipótese de naturalização ordinária, segundo a qual, mesmo preenchidos os
requisitos o Poder Executivo possui a discricionariedade de conferir ou não a naturalização. São duas
hipóteses: a) adquirir “na forma da lei” significa estar incluído nos requisitos no estatuto do estrangeiro; b)
aos originários de países de língua portuguesa não precisa cumprir requisitos da Lei, devendo apenas
residir durante um ano ininterrupto e possuir idoneidade moral.
b) Os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do
Brasil há mais de quinze anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que
requeiram a nacionalidade brasileira.
Chamada de naturalização extraordinária ou quinzenária estando preenchidos os requisitos o Brasil
fica obrigado a conferir a naturalização. Não existe a naturalização tácita no Brasil, é necessário requerer.
O §1º apresenta a cláusula da reciprocidade:
§1º Aos portugueses com residência permanente no País, se houver reciprocidade em
favor de brasileiros, serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos
previstos nesta Constituição.
Acima o chamado quase nacional, pelo instituto da reciprocidade. Equipara-se ao naturalizado e não
ao nato. Vale saber o que o brasileiro possui direitos recíprocos em Portugal, podendo ter título de eleitor,
votar e ser votado para alguns cargos, por exemplo. Não pode, porém, propor ação popular nem lá nem cá
– pois lá é vedado ao brasileiro.
O §2º veda que a legislação infraconstitucional estabeleça distinções entre brasileiros natos e
naturalizados, mas diz que a Constituição Federal pode estabelecer determinadas distinções.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com fins
comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização da StartCon Sistema de Ensino Online. 3
§ 2º - A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados, salvo
nos casos previstos nesta Constituição.
E quais são essas distinções Constitucionais entre natos e naturalizados?
§ 3º - São privativos de brasileiro nato os cargos: I - de Presidente e Vice-Presidente da
República; II - de Presidente da Câmara dos Deputados; III - de Presidente do Senado
Federal; IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal; V - da carreira diplomática; VI - de
oficial das Forças Armadas; VII - de Ministro de Estado da Defesa.

Este §3º costuma ser muito cobrado em concursos públicos. Para simplificar a memorização algumas
dicas são destacadas no quadro abaixo:

Diferenciação importante quanto ao instituto da extradição já que o brasileiro nato nunca será
extraditado, em hipótese nenhuma. Já o naturalizado se praticou crime comum antes da naturalização ou
crime de tráfico de entorpecentes e drogas afins antes ou depois da naturalização.
Outra distinção constitucional entre natos e naturalizados reside na composição do conselho da
república (6 conselheiros da presidência da república) – art. 89, VII VII - seis cidadãos brasileiros natos,
com mais de trinta e cinco anos de idade, sendo dois nomeados pelo Presidente da República, dois eleitos
pelo Senado Federal e dois eleitos pela Câmara dos Deputados, todos com mandato de três anos, vedada
a recondução.
Tanto o brasileiro nato quanto o naturalizado podem ser proprietários de empresas jornalísticas de TV,
rádio, sonora – a diferença reside que o naturalizado deve contar com no mínimo 10 anos de
naturalização.
O NATO pode perder a nacionalidade brasileira na única hipótese adquirir outra nacionalidade (também
vale para o naturalizado esta regra) – não perderá aqui a nacionalidade brasileira se estiver amparado
pelas exceções do p. 4º abaixo (imposição de naturalização pelo país estrangeiro). Já outra hipótese de
perda para o naturalizado será quando tiver cancelada sua naturalização por sentença judicial em razão
de atividade nociva ao interesse nacional (p. 4º, I, abaixo, poderá voltar em caso de ação rescisória
anulando a sentença condenatória). Ex. das exceções para os natos: contratado por time de futebol na
Espanha que exige a naturalização naquele país – o Neymar não perderá a nacionalidade brasileira.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com fins
comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização da StartCon Sistema de Ensino Online. 4
IV. PERDA DA NACIONALIDADE

§ 4º - Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro que: I - tiver cancelada sua


naturalização, por sentença judicial, em virtude de atividade nociva ao interesse nacional;
II - adquirir outra nacionalidade, salvo nos casos:
a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira;
b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao brasileiro residente em
estado estrangeiro, como condição para permanência em seu território ou para o
exercício de direitos civis.
Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil. § º -
São símbolos da República Federativa do Brasil a bandeira, o hino, as armas e o selo
nacionais. § 2º - Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão ter símbolos
próprios.

CAIU EM CONCURSO! CESPE. A respeito de nacionalidade, julgue o item a seguir. Como regra geral
para a outorga da nacionalidade originária, o Brasil adota o critério do ius solis, ou critério da
territorialidade, admitindo, porém, em algumas situações, o critério do ius sanguinis (origem sanguínea).
Gabarito: certo.
CAIU EM CONCURSO! CESPE. Considerando as normas constitucionais relativas à nacionalidade, julgue
os itens a seguir. A CF prevê que o estrangeiro não pode ser extraditado por crime político ou de opinião.
Gabarito: certo. Somente o brasileiro naturalizado pode perder sua nacionalidade em virtude de atividade
nociva ao interesse nacional.
CAIU EM CONCURSO! CESPE. Julgue o item a seguir, acerca dos direitos da nacionalidade. O cargo de
ministro do TST exige a situação de brasileiro nato para seu provimento. Gabarito: errado.
CAIU EM CONCURSO! CESPE. Maria, espanhola, sem condenação criminal, foi naturalizada brasileira
após ter vivido ininterruptamente dezesseis anos no Brasil. Em uma das suas viagens para a Europa, ela
foi presa em flagrante pela Polícia Federal, em virtude de traficar com entorpecentes do Brasil para a
Europa. Considerando a situação hipotética acima e as disposições da CF, julgue os itens que se seguem.

 Em virtude de Maria ser brasileira naturalizada, ela não poderá, em nenhuma hipótese, ser extraditada
do Brasil, ainda que seja comprovado seu envolvimento com tráfico ilícito de entorpecentes para
países da Europa. Gabarito: errado. Caso seja comprovado o envolvimento de Maria com o tráfico
ilícito de entorpecentes, ela poderá ser banida do Brasil.
 Asseguram-se a Maria o respeito à sua integridade física e moral e o cumprimento de eventual pena
em estabelecimento adequado. Gabarito: certo.
 Caso Maria fosse regularmente à Europa, ela não seria naturalizada brasileira, visto que a residência
ininterrupta de mais de quinze anos em solo brasileiro consiste em requisito para a naturalização.
Gabarito: errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com fins
comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização da StartCon Sistema de Ensino Online. 5
EXERCÍCIOS
1. A respeito da nacionalidade, julgue o item a seguir.
Como regra geral para a outorga da nacionalidade originária, o Brasil adota o critério do ius solis, ou
critério da territorialidade, admitindo, porém, em algumas situações, o critério do ius sanguinis (origem
sanguínea).
2. Considerando as normas constitucionais relativas a nacionalidade, julgue o item a seguir.
A constituição federal prevê que o estrangeiro não pode ser extraditado por crime político ou de opinião.
3. Somente o brasileiro naturalizado pode perder sua nacionalidade em virtude de atividade nociva ao
interesse nacional.
4. Julgue o item a seguir acerca dos direitos da nacionalidade.
O cargo de Ministro do TST exige a situação de brasileiro nato para o seu provimento.
5. Maria, espanhola, sem condenação criminal, foi naturalizada brasileira após ter vivido
ininterruptamente dezesseis anos no Brasil. Em uma das suas viagens para a Europa, ela foi presa
em flagrante pela Polícia Federal, em virtude de traficar com entorpecentes do Brasil para a Europa.
Considerando a situação hipotética acima e as disposições da CF, julgue os itens que se seguem.
Em virtude de Maria ser brasileira naturalizada, ela não poderá, em nenhuma hipótese, ser extraditada
do Brasil, ainda que seja comprovado seu envolvimento com tráfico ilícito de entorpecentes para países da
Europa.
6. Caso seja comprovado o envolvimento de Maria com o tráfico ilícito de entorpecentes, ela poderá ser
banida do Brasil.
7. Asseguram-se a Maria o respeito à sua integridade física e moral e o cumprimento de eventual pena
em estabelecimento adequado.
8. Caso Maria fosse regularmente à Europa, ela não seria naturalizada brasileira, visto que a residência
ininterrupta de mais de quinze anos em solo brasileiro consiste em requisito para a naturalização.
GABARITO
1 - CORRETO
2 - CORRETO
3 - CORRETO
4 - ERRADO
5 - ERRADO
6 - ERRADO
7 - CORRETO
8 - ERRADO

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com fins
comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização da StartCon Sistema de Ensino Online. 6