Você está na página 1de 6

A

AKJÍaJ.II.
^^~.-~ QUARTA FEIRA 6 DE MARCO DE 1851 K.° m ,

Ws» ¦Wi-M'-»*»»».-^.,. |
sssmiiWS^Bs» *-*~l »«¦-«»• I

ADVERTÊNCIA. PARTIDA DOS CORREIOS.


A EI'ííà^ÊKlL>_._.
• CORftÊlO DA VICaTORlÁ pubHCa-seaí (|uar- Rio de Janeiro.' llapeinerim. BeneveniÍf*aia-
rapary e Espirito Sãnio, 4,-9; u. f), çjse_9 .Win^oaniaf a 5' a* Sbòra* 4_* 3$ ti?, tor*$*.
mi e áabbaílos. Subsc reve-se á ÍJüíío ris
por Sao üathíAis. Serra. Nova Almeida. Sa»ii|i.íi«t
mino, e +moo réis por seri.eístrfe, pagos adian- Limiares c Barra, de SíoMalheus, A, U. e _4. Nova á 13 as 8 hora. W 58 da lardf.
iado.*A naTyp. CapUaniensé do editor P. A. dc Mina.% C uiacica, Queimado, Mangarahy, Vi-
mna, colônia de Sinta l/abel. e aldeamenío Crescente a _i a 1 hora «' ísA da manfef.
Azeredo, rua da Praia. Folha avulsa 80 réis. Imperial Allbnsino, nos dias 4* e U. Cheia a 27, as 4 horas 34' ku da tard*.
MH,M -la-lila-JsWMMLte - ,-^ "
' " 'i." 1— '»'.¦!—¦«¦«.
JílffiiaaMAiiiiIsjliHiiKggag

aa» adaa» tíl- WàiCmZÁ méiecedor de gratidão desta


¦*-• parte importantissi-
ma da província do Espirito Santo,
pela illustr_~
SECRETARIA _)0 GOV£I*_fO. çao, energia, e prudência que distingue a admi-
nistraçiio de V. Ex. Esttf câmara nunca esquece
lllm, e Exm. Sí*.4-Ai çamara municipal da vit- us serviços dá
primeira aúthoridade da provincial
Ia do Espirito Santo mereceria a censura dos seus
pois que reconhece perfeitamente bem quanto
municipes se não ibsse a pre-snrad.t em levar á sâo eiles apreciáveis e digito.* de serem
lembrai
presença de V. Ex. os protestas da mais sincera, dos, grande é o seu prazer nesta occasiao; pois
gratidão pelo aí a 11 com que Y, Ex. procura pro-! qae por idêntico motivo esta çamara reuniu-se
maa ¦» ¦. ¦ a jIL a .v~ ^*r- «a* mr m.^. ^y v. • • * S V ¦" * » ¦. sa W. 1 ai J I. — ^^ ¦ s:

ver de remédio muitas necessidades


que aunlaAxIi-aoi-diivariamenle oomo ora se acha paia leis-
paralisão o «fesenvolvinfento da prosperidade cla! teinunhai-ao lixin. Sr. Dr. Luiz Pedreira db Cou'-
provincia, que l<mi a fei rei* dó de achar-se en-j to. Ferraz sua gratidão; pelos ifiiuuneros beneii-
tregue aos cuidado? dtí V. IA. lista câmara
podo cios «pie deitumou por Mas as parles da provin,-
assegurar a Y. Ex.. qnç entre setis municipes no-ljcia os seutmme sempre ináeít
quaes gomarão
i; ¦
ta-se * maior consideriiéão, e estinra a
pessoa dervel, nome qiiè será sempre repetido e respeita-
V. Ex. e todos mostrã|-se satisfeitos com a illus- do. V.f Ex.
pro^eguindo no empenho em que eis-i
Irada, imparcial, emui|o prudente administração túvC de
•$ que tjmtas provas ha dado, de; proríio:-^
de V, Ex. Tanto mato é o prascr desta çamara, m-
pros|.teriilade ãn província, cuidados estes, .:%
em assim exprimir-se, quanto esta certa de
que que esfa câmara avalia no alto conceito, e estí-
V. Ex. tem .seguido/ás pisadas de unidos mais may
que? consagra a V. Ex. e o nonte de V. Ex.;
talentosos, é (íabilissimois antecessores de Y. Ex. será também do mesmo modo repetido,
e a pro-
o Exm. Sr. Pr. Pedreira, cujo uame ha feito rui- vincia
já mais se esquecerá delle.-^Deos guarde
do nesta provincia, e nella será pcrduravel. i\l- a Y. Et Sala da câmara rriuriieipaj
da villa de
gumas vozes que se levantão para estigmatisar os Guarapary em sessão extraordinária de 28 de fc-
actos de Y, Ex. nem uma sympathia encontra- vereiro ie 1850. lllm, e Exm.
Sr, Fiuppe José"
rão, por sem duvida, na provincia; não
poderão Pereira Leal, dignissimo presidente da província.
mesmo ser ouvidas em conseqüência do rumor Joaquim Moraes da Conceição
Imperial, Manoel
de mil outras que, reconhecidas, tecem elogios de Jesus Rosa, Joaquim, José
Siríiões, Frederico
a V. Ex. E* notório que os actos de V. Ex. são Pinto Homem de Azevedo Sampaio,
José ftari^el
pela maior parte tendentes a desenraisar certos de Gusmão, Manoel da Costa Pinto, José Jo»-.
abusos, que parecião impossíveis de aoabar-.se;
quim Ramalhete Gameiro.
actos taes nâo podem ser geralmente acceitos,
Exm. Si\ Esta câmara faz votos pela conservação lll ir? -:* •*-.¦* ' ws A"^'
de Y* Ex,. no posto de honra, que o governo im- lllm. e Exm. aSr.-^A câmara municipal da vilr
confiou tão aeertadamente a Ia de Beaevent« testemunha dos serviços,
perial V. Ex., que Y. Ex. ha que
tem sabido perfeitamente corresponder a essa prestado á provincia que tão diária-
confiança — Deos guarde a V. Ex. Paço da ca- mente administra, já promovendo a bertura d0
mara municipal da villa do Espirito Sanlo erri ses- estradas, que communiquem esta provincia com
.-•ão extraordinária do 1.° de março de 1850.— a de Minas Geraes, já facilitando os meias de
lllm. e Exm. Sr, Filippe Jo.sé Pereira Lial, pre-1 transporte de uns para outros municípios, já fa-*-
sidente desta provincia.-Jo.se Pinto de Queiroz zendo reparar pontes, fontes, e outras obras de
Francisco das Chagas utilidade publica, e já fmahnente desenvolvendo
presidente, Rufino, ,Toão
Brandão da Costa, João de Freitas Magalhães, o maior empenho na organisação da guarda na-
Manoel Pinto de Jesus Victoria, Jo.sé Pinlo das cional, em que se fundão hoje as bases de se<m-*
Chagas, Jo.sé Pinto Coutinho Rangel. rança publica, não pode deixar, desde já de a<u'a*
decer a V. Ex. serviços tão relevantes,
que re-
vertem em favor da provincia inteira, e asse<m-
N.* 6.—lllm, e Exm. Sr.—Os actos da admi- rara V. Ex., a mais decidida cooperação
em tu-
nislracão de V. Ex. não podem deixar de lem- do
que tender a boa gestão dos negócios publi-
brar a esta câmara o dever de manifestar á V.E.w cos. De igu-aes «sentimentos aos da câmara
muni-
o quanlo ha sido a satisfação que no seu*muni- cipal se achão
possuídos os seus municipes; e
çipio tem elies produzido, tornando-se Y. Ei. conlião na
providencia, que V. Ex, Ihts legará.
_1.„_,_ ' CORREIO DA YlíTOl.lA

ainda muitos serviços, que tem direito a esperar,! KXl'KÍ)ÍKNri. 1)0 Í)IA í.8 ÍH. MARCO.
_
logo que os cofres públicos favoreção os bons!
desejos de V. Ex.—Deos guarde a V. Ex. Paço Ao tenente eoroaei eo:ú na.ídanté do 1.* ba-
da câmara municipal cia villa de Be.neve.nle 1! de lalhão da jni.irda nac.o.i.d da leirião dõ norfe
fevereiro de 1850.—Illm. e Exm, Sr. Filippü Jo- transmitlindo o .requerimento do alteres da 1.*
se' Pereira Leal, presidente da provincia. — companhia do incuiR) batalhão, a fi:n de iu-
• Francisco Xavier Nunes, José Marceílino Pereira formar sobre seu coniheúdo.
de Vasconceüo-, Manoel de Jesus Miiaud i. Mano- —Ao ^dmmistrador cli.s rendas
provinciaès
ei Antônio de Oliveira, José Auto lio de Mattos, mandando entregar ao professor da villa dá Ser-
lgnacio Rodrigues Pereira de Sena. ra aquiintia de 20$()0G rs. pura ser applicâda
a compra de certos utenses necessários áquel-
Illm. e Exm. Sr.—A câmara municipal dcstai Ia escola. •
—Ao Dr. chefe de
villa possuída da mais viva gratidão, e reconheci-| polida communicando
mento pelo-*transcendentes serviços,que ajusta ei c?ue iresTa data se e.íoeiia orlem a thesotira-
imparei»! administração, de V. Ex. tem já presta- j ria de fizenda pura pagar ao capitão da coro-
do a esta provincia, tão rica de elementos para; panhia do caçadores Afitoiío José Ferreira a
sua futura grandeza; vendo que V. Ex. penetra- quantia de 22.^300 rs. p >"r eí!e desoetidida com
do da religião do dever tem correspondido a alta diárias abonadas a reeruus no mez de feve-
confiança, e vi taspateruaesdo no's*o adorado Mo-i rei.ro honlem [inll-ò.
narcha, que na escolha de V. Ex. para presideiite] ia 9
delia deu-nos um garante de sua solicitude por
Ao Exms. Srs, ministros do imoerio, e jus-
esta parte do império, nutrindo a bem fundada
tiça participando que esta provincia continua a
esperança de um lisongeiro futuro pela realisa-
medidas, a gozar pléiiu socego.
ção das que V. Ex. tem encetado — Ao Ilxh. Sr. ministro da
#bem de seu engrandecimenlo, não sú guerra, enviai-.-
por que do a demonstração çíá defesa feita
os precisos melhoramentos materiaes da provin-- pela the-
souráriã de fazenda põ.' conta do ministério a
cia, se não lambem a moralidade publica pren-
cargo de S. Ex., no uiez proximamente findo.
ciem a mente vasta de V. Ex.; observando o —Ao mesmo íemetlendn os mappas dos of-
louvável esforço em promover a boa organisaçào
íiciaes das diíierentes classes do exercito exis-
da guarda nacional, este tão interessante auxiliar j
tentes nesta provincia, das companhias de ca-
cia força publica de que a provincia tanto neces-l
sita; e vendo finalmente que os doces fruetos de çadores e pedestres, è dos recrutas apurados,'
tão sabias cogitações comessãp a desabrocharpor tonos pertencente, ao m-ez p. p.
—-A' thesouraria p.iilicipando epie do oilicio
este município, julgou do seu dever dirigir a V.
Ex. os protestos de seu agradecimento pelo vivo| do Dr. chefe de policia, n/0i, datado de hon-
tem, consta que tora derniuido do lixgar dêí car-
interesse, que lhe tem merecido a província do'
da cadeia dVsra cidade Joaquim Jo*é dos
Espirito Santo. Se aos Exms. Srs. Drs. Luiz Pe-j Cerdro
dreira do Couto Ferraz, e Antônio Pereira Pinto. j Praseres, é nouvoado par;» substiiuií-o Cezario
de Almeida, iju.^ serve esse lugar desde
e outros antecessores de V. Ex. expressou esta; Pinto
câmara sua gratidão pelos bons serviços por elles 7 de dcsemhro ultimo.
a esta ingrata injusta ella.1 "Ao administrador das rendas provinciaès
prestados provincia; e
(íWf'Í;ir. a)J^HlliWíic> PÍ!lt0 <!o Sacramen-
50 tornaria, se a V. Ex. que L__> infalível tem si- BtA
do, não pagasse ella desde ja esle devido tr.itui, l,° ;i^|»'| ^*M'J30 rs. que o mesmo venceu
to. Não é o sentimento da lisonja, aue esta c^-M? Pf1'^^' como guarda do chafariz da Ca-
mara desconhece, o movei que a conduz São !>'^^a "os nu-zes dc fam-u-o e fevereiro proxi-
:1 %¦ W^lvi- *?*&&
os principios de justiça, é o amor da verdade, e W l!f,(irv;* e !J"m assiH
um sentimento sagrado, que ella em mudo âpre-J ¥% nos ^fW- tB'-'^ C:)ta ° ,a!nP,So do ha~
a SI'H $¦''-&
cia. Curto tem sido por ora o p .riorfo da ad.ni-1 iJniail<> c!,;,lam-
Ao mesmo
nislração de V. Ex.^ mais sufticienle já para per- para pagar áo porteiro da secre-
suaclir de çjli.e? os méIhoi'és desejos ani mão o pa-' tu ria do governo a quantia de ÍS^ÜO rs., im-
triolico coração de V. Ex.» que como illustrado porlaucia da despesa feita eon. o expediente da
e zeloso administrador não esquecerá os meius dita repartição uo mez de fevereiro p. p.
Ao Dr. chefe de policia
de os réalisar. üigne-se pois acceitav hondadoso para informar so-
i\I. o Imperador, no iu-
os protestos de p viva gratidão, e os votos • sinee-i Bre o que pede a S.
ros, epie a câmara municipal desta villa faz pela! é-luso requerimento, Joaquim Francisco de Cas-
duração da administração de V. Ex., e por sua! tro.
vida, e a! Dia U.
preciosa prosperidade.—Deos guarde
V. Ex. Paço da câmara municipal da villa de lla-i Ao Exm. Sr. mini tro da justiça transmiítin-
pemerim em sessão extraordinária 16 de fevcrei-l do a deinonsii^aeão chi despesa feita pela.lhesou-
ro de 1850.—Illm. e Exm. Sr. Fílíppk José' raria de fazenda por conta d'esse ministério no
Pereira Leal, digníssimo presidente desta pro-' exercieio de 18.^8, 18(i9.
vincia.—Joaquim Antônio da Fonseca Bahiense, | A' thesouraria mandando entregar ao
pa-
Diolindo Jorge dc Castro, João Nepomoceno Go-Jtrão-mór da barra cFéstá cidade a quahiiâ de
"i\s.
mes Bitancout, Antônio dg Silva Povoa. Hulino!J7^)00() para ser repartida igualmente pelos
H
Rodrigues Lapa.
"aT* iJ*A'a
''marinheiros da lancha a seu cargo
ãaa.

que condusi-
****»
/'': /¦;

_-^_-___________-__ CORREIO il: VICTOUJA - ***

ir^*-*^??**^^
rao sete lanchadas de arca
para a obra do paia-'cio de h do CJ1""il- eor-eoi-* (I'J *•»¦»* ,,' e i
t]% «-»*_ a c de¦ rc-
fiei
c.ociestt
cio deste _ovuuo.«*ovpi ..... Ir ; lor.Tial-a V ¦¦visto passado
-A mesma que cada u n batalhãodeveeom
para pagar ao naa)or encarregado d.«- de fc oi, & eouaoauhias ~
do armaze.» de artigos bellicos a
quantia çje rs.
15^:920 importância da
pólvora comprada para
os cinco quaríeis .da estrada de São Pedro d'AI -
contara, deduzi udo~.se ess.i quantia-:la ci-i^mia- . iV'#
i\T •
()65. —- Ilhn. e hxm-. or. x> )• inCiU;o«
da para a mesma estrada. : ii't«''rogai.oriü achara V. !««£.; a declaração' féí-'
—A' mesma enviando os documentos da des-! ta por Cândido [lodrigú.é, Santo, como
assiguou o requerim-nto. qu-,
pesa feita pelo subdelegado da villa de Guarapa-! procurador, que Ü An-
rypomluz, e ag;)i para o destacamento gosta presença de S. M, o imperador l«9„: B,,,
que alli a<ml*a- dc Sena,
se acha, a li.n de mandar e cdfa declaração V. M exbWii.
pagar ao dito subcleje-1 «in-portaria *fô do ,av,,
e respectiva de
gado, pela coílectoria, a quantia; /- !vx, secretaria p, ,>:_^),os „,,.„,£ ,
constante dos' mesmos documentos.—Comiini-i da policia th
ivspii-iío baiitoM»;,^ provincia- it.
nicou-se ao Dr. chefe de policia. 2 de março d:»- 1850. Illnj,.
i e Ex-m.-. Sr. • i
A' mesma mandando ao capitão de en-' Fiiib-*ie .lo*;•»P-:»,•.*.;,.-a
,m^ teteua f ,
L^al,* i .
pagar . . tílrJ? ' -¦ - ¦ presidente-
"
a da
Ua província. --—-
_¦ /•;.;,*/,
,,-,,,.¦ íg,,„,•.,
genheiros quantia de rs. iÜ9$'J:jü importância1 j,,)ü ^ yxfofc ,
da feria da obra do palácio du w//;;5y ch-efe de policU
g\)va-.rno, e de ma-! l
teriaes co-mprados para a mcs.ua obra. í^^
Ao a, hnimstrador dar, rendas
provinciaes pa- so Senhor Jesus Cíiristo de ISSü — No dia V*',l',.
ra pagar a Lu._ Barbosa dos Santos a
quantia cor-jimez de março nesLVcidade ÍUViclorí-i .,-. se -, ,-Í
.•espondente ao ordenado do lugar de continuo ria de
pouca o-respectivo cheí'- cou " o -"
de seerelaru, do governo pertencente ao m«j.p.p.,l receu Ca lido perante llndrigue» Smtfo d«- Vlul ,\,.U\
-~ o mesmo
para mandar pagar peia agenciai anuos, natu,al de.ta'" cidade, solteiro m-o-issãó "
da villa de ouarapary, ao respectivo subdeie^-idol dc ''" negocio,
*»»*»** a ' l
a quantia de 5^5Í)0; rs. que.ao mesmo- siiideie- «•asse quem o mesmo chefe exi"iu decla-
quaes os recrutas que pretendido aür-ar
gado despendeu com diárias abanadas aos presos perant, apresidenciasnas rasões dc escusa
tinha,.
pobres existentes na cadeia d'aqaeila villa.— .*'J«<> ameaçado» com 5!)
Commuoieou-se ao [>r. cheíede atirmoii pranchad f.s conforme sr
policia a ex-oe- em una requerimento de Bernardiua
dição d'esta ordem. d-»
ocaa, dingulu , S. M. o 1 mp .rador
—Ao mesmo, c.a,n,rilf
para ordenarão administrador da responilente assígníiu como
mesa de rendas da cilada lí.irra de. Sào Matheus iOi:.espoad!do, procurador, por elle
em dias d» meZ de janeiro
([ue ponha a disposiçào da respectiva ea.ru ra mu-* d«> corrente annoque
sendo apresentado a elle rei.-
nicipal a quan lia'de que tr.acla o
§ 9.° do titulo poiulente um rascunho de una requerimento
9.° do orçamento \\^nhe. — Com-nunicou-se a por
W W$Wm cm. nome de uma mulher casada
câmara municipal a expedição desta ordem. «companaadb dc (loccumcnlos,
no qual pedia a
—Ao mesm.)
participan. 1 > para seu cou!i:-ci- O- ,ai. que mandasse dar baixa a scu marido Úà-
mento, qne das pessoas constantes .de sua noel rrancisco si5>.ai.io. morado*- na tieguezia í',-,.-,-,, .• dei v-
pm- Vianna,
posta este governo nomeou o cidadã*- Anselmo! que tendo sido preso pelo respectivo sui>deh-a~
deAlmeida Cri mon para o cargo de subdelegado: do, c .ren.mettido
para a cadeia desta, cidade ou-
da vü-la- de, Linhares, a quem fará snber, a li u de ds- esteve dous ou três «lias suspeita de cri-
solliriíar o respectivo titulo m secretaria d,> | me .ú-gurmo por
jrp*. cadeia parecia.a elle rtósponileSatie íò.-a (k
verno co n a maior brevidade trausícrido
possivel. para o quartel da companhia
~Ao juiz municipal ede órfãos "T W caçadores, onale
da viüa de m ,T m^^m- o;iue sc se demorou 24 2íi horas,
horas.
Nova Almeida, dpclarando. em resposta ao seu!"3 -a reüleltl(io
pm o Rio. de Janeiro connfre-
A..-A,, ca
olíleio^le _>i doa .
mez p. :¦¦?:*¦.: .... cruta
crilta sem sem rrnr. se
que *.<* lhe
ila,» desse
a t.
tempo para aliegar o
p., qiie;b termo da villa seta d.re.to,c
de Linhares pertence ao de sua jurisdiceão. que nesse rascunho de .requerimento
— Aolieiegado dá cidade de São ftlatheus, entre outrin coisas
di- dente que se di/.ia, julga ellercspou-
zendo ([ne, não havendo-quaiMia que também se allegava- que aos indivíduo ..w,«»«,.
quotisada pai\J n-cnUai ()S o
(1^ protendião aliegar escusa erão
a despesa de que tracta o seu olíicio de 19'(lcsjjaim'aÇ:,;-'>s do! ilameaçados
mez p. p. uão pode ter lugar o coaa 50 pranchadase ignorando elle
que .sollicíta respond,aiite
sc olíicio. > íírespond,aiite por quem erão ameaçados com os-
—Circular aos delegados, e sulxkdt-Mdos lisas pranchadas, declarando mais ellere.spondente
das seudo-lhe apresentado com.
villas do uorte, esul da ....... ij
que ja disse esse
provincia ordenando que rascuolKxle requerimento .tis •/*. is . ! . •

facão ficar de quarentena em lugar apropriado ! copiou eassignou eo-


mo procurador
não consentindo (|tie ellas tenhão coarmunic^ãcr j)or esse individuo não sabor ler
nem ccrevèr, e se achar ausente a mulher
com a terra todas as embarcações 7Z por
^V^/^^*°W> ^,,,te
procedentesi ,,n*,, ," °' ío,tü t>SSe ,'CCft,eiMm^'
«los portos das províncias do Rio dc Janeiro IJaV ' V*
laia. Pemanbuco, e Alagoas nas ™-.?1»^
quaes tem-se' ma-: ^-HSmÍ tem ^» « N™*?»-
nifestado a lebre amarella.— Igual recom nen da-1 que pretendido ailegar escusa do recruta.-*
mento tem sido
ção fez-se ao provedor da saúde d'esta cidade. pela presidência nna-ear.ados com
«a9 .pranchadas.— E
—Ao tenente coronel commandante p:ini çóüstiu- m melou o me.-
do,2.' ba- mo chele íuzer esle auto
talhã.o da guarda nacional da legião do aiorl.e. d,-']-Manoel J(i,c que com elle assi<>üo.u.
de Noronha tVxo'„ c,«^cvJ«"l'i_.'l
Tolrendo a pi*<*p.ostd que acompanhou o sen a_G-'c: ou.— Cândido 'iCdri^rs ' ' '
Srnte
COlIflEÍO DA VICTORIA.
'..

**.'" ¦'¦.¦_»

C0EI.EIO DA VICTORIA. Fonseca, alferes-ajudante Martinho José da Sil-


va, e de mais 14 praças, incluindo o tenente
Joaquim Barroso de Carvalho, levemente feri- '
Chamamos a attecção dos nossos leitores para o do de um chumbo no
pé esquerdo.
interrogatório a que respondeu Cândido Rodri- , São dignos de louvor #que
pelo bem cum-
gues Souto na presença do Dr. chefe de policia prirão as minhas ordens os Srs. coronel «rã-
• em conseqüência de ter num requerimento que duaclo José Ferreira dé Azevedo, tenente-co-
assignou como procurador, attribuido ao Exm. ronel Antônio Maria de Souza, commandante
Sr. presidente da provincia um facto calumnio- das duas brigadas, major
so, o de ameaçar com pranchadas os recrutas que reira Dourado, major Joaquim graduado Felix Pe-
Rodrigues Coe-
pretendem appreserilar suas escudas. Os homens lho Kelly, major graduado Luiz Antônio Per-
sisudos o imparciaes^tem mais umaoccasião para râz e tenente-coronel
graduado João GuilhcV-
apreciarem a injustiça com qüe certa gente pro- me de Bruce, èommandantes interinos
dos ba-
cura deseonceitua* o mesmo Exm. Sr. talhões 3.° de artilharia a pé, l.u, SJ e 8,* de •
caçadores; merecendo o ultimo particular men-
ção por se ter casualmente achado em um
Entrou ante-honteií* arribado, eom 7 dias de dos onde o inimigo òppôz maior re-
pontos
viagem o Vapor de guerra nacional Guapiassú, sisteucia: o Sr. capitão José
Antônio Barbosa,
procedente da corte, trouxe Jornaes do Commer- que marchou com unia peça de seis, so bem só li-
cio até 15 do mez próximo findo, dos quaes ex- vesse oceasião de dar três tiros, também
meresse
trahimos o que se segue :•*# ser mencionado, assim como o Sr., tenente de
guardas nacionaés Lqiz M ithias dos Santos, cujo
muito me satisfez. O Sr. capitão
O Sr. conselheiro José Antônio Pimenta Büe-j procedimento
comiriandiu-te interino do 5.» batalhão de caça-
no foi nomeado presidente da provincia do Rio
dores José Albano Wanderley acompanhou-me
Grande do Sul.
na tomada das forticações do Cousseiro, onde
PERNAMBUCO. portou-se bem o Sr. capitão João Gervazio de
Souza Persú, e nas digressões
Recife, SO de janeiro de 1850. que fiz até chegar
á Prata. Como o corpo de batedores não cuuj-
Quartel-general do commando das armas dc priu a minha ordem, por motivos que ainda i"-
Pernambuco na villa de Agua-PreU, 28 de
ja- noro, reservo para tratar deüe em outra ordem
neiro de 1850. do dia,
ordem bo PIA, São lambem dignos eje honrosa ménçào os Srs.
*.
primeiro tenente do 3.° de artilharia Hermes Er-
Havendo eu dado as convenientes; ordens nesto da Fonseca,
que, achando-se doente, oífe-
para que fossem atacados ao amanhecer do dia receu-se para marchar, e, depois de dar rfiovas
26 do corrente os pontos
principaes dos re- provas de valor, foi ferido, como já disse, n __
beldes, marchando as forcas em direcção ó to Gapim; capitão pon-
Manoel José da Soledade, ai-
rata, centro do acampamento inimigo, onde feres-ajudante
Martinho José da Silva, ferido no
devião elles fazer juneção, assim fôrfvo cum- do Cousseiro, sargentó-ajudante Leoncio
ponto
pridas, e elles batidos em Cousséiros, Capim, José Barbosa, segundo-cadete José Maria Chaves
-Catuama, Pirangi, Japaranduba e Prata,
que de Brito, todos do 8.° batalhão, e o segundo-te-
das 11 1/2 horas do dia em diante começou nente do 2/ de artilharia
Francisco Nunes da Cu*
a ser oecupada pelas forças do governo, as nha, dos fa* especial menção o Sr. tenen-
quaes
quaes até chegavão por diversos caminhos, de- te-coronel Bruee; e finalmente 'os Srs. capitão
pois de tomar e arrasar treze trincheiras. O Antônio Maria Cabello, segundo-tenente Ayres
< inimigo oppôz alguma resistência no Coussei-
Antônio de Moraes Ancora, que servem o
ro, Capim, e Japaranduba; mas, repellido ro primei-
pe- de major, e o segundo de ajudante de campo
lo valor das forças do governo, combateu da- da brigada; e os Srs. primeiref-tenente
hi por diante como em retirada, oferecendo Manoel Franciscoprimeira
Coelho de Oliveira Soares, ai-
lacil victoria, creio eu que atordoado
por ver feres Antônio Eloy da Cunha Mello, que oceu-
que o fogo rompia por muitos lugares. pão semelhantes lugares na segunda; todos
E para sentir que esses cobardes, aos bem pelo
quaes que cumprirão os seus deveres,
muito bem cabe o nome de assassinos, Toda a força do governo se achava
pois possuida do
mesmo nas suas emboscadas apenas dão os maior enlhusiasmo, e o pânico terror do inimigo,
pri-
meiros tiros, sempre nocivos ás forças do
go- depois da tomada do Cousseiro c Capim, rou-
verno, fogem, não disputassem
por mais algum bou-lhe a gloria de ainda uma vez mostrar-lhe
tempo a posse de seus entrincheiramentos, aliás de
temíveis, afim de sentirem o valor das forças quanto são capazes as armas da legalidade,que
pouco teria já que receiar do inimigo se nãofos-
que os perseguião;'fugitivos e dispersos na den- sem os tiros traiçoeiros com
sidade das matas; unicamente deixarão um indigno do nome que o" rebelde vil e
brasileiro pode dizimai-a, sem
morto no campo. Nós temos de lamentar a mor- ser mesmo
sobre o que de passagem
te de três anspeçadas dos batalhões 1.° e 8.° chamo toda presentido, a attenção dos Srs. commandjntes
de caçadores e 3.° de artilharia; o ferimento em
dos valentes l.' tenente .Hermes Ernesto doUlia geral. Não terminarei a presente ordem do .
.l.O SVm"'n)enci0na7o's..C
C_a_V_ K, - . ». .
coronel Manoel Muni/.
( SEGUE O-SUPPLEMENTO )
^ rÍP
SÜPPLEMEN-
\% MA
11 m
tu ||/n
II A
T.
4 QUARTA FEIRA.
TQ&0N.M9 1850. 6 ÜE MARCO.
-33_fiasa3-_S-3E_ãÉEg>_gag^

Tavares, que me acompanhou em todos os mo- tados, possa a assembléa geral legislativa authori-
vimentos que liz, patenteando aquella coragem sar o governo com os meius. necessários para oc-
que o distingue; aproveitando a oceasião para correr ás despesas que dernandão as providenci-
dar-lhe os devidos elogios as conducentes a soecorrer a população e arredar
pelo bem que (lesem-
penhou o commando çeral das forcas ao sul da delia um ílagello que tão de perto a ameaça.—
provincia, e as funeções de ajudante-general:. as- Deus guarde, etc.»
sim como o ja conhecido Sr. tenente-coronel Fe- No meiu cia sessão, e depois de orarem sobre
liciano Antônio Falcão, que, nomeado deputado a fixação das forcas de terra os Srs. Oliveira e mi-
do aiV.damte-gencral, veíu do Verde com a forca, nistro da guerra, requereu o Sr. Dr. Jobim ür-
e depois cie assistir ao ataque do Cousseiro, tam- genciaparase ler rim parecer das commissões reu-
bem me acompanhou, assim como o assistente do niclas, segunda do orçamento e saude publica.
ajudante-general o Sr, capitão Manoel Rodrigues Vencida a urgência, leu o Sr. .."secretario o se-
de Barros Fonseca de Brito.
a guinte, .que foi julgado objecto de deliberação :
O meu estado-maior, composto dos Srs. capi- « As commissões reunidas de saude publica e
tão José Pedro íleidor ajudante d ordens, alferes 2.a do orçamento, tomando em consideração o
«¦ .
»

José Joaquim Coelho Júnior ajudante rTordens offieio do ministério do império datado de 6 do
cie pessoa, dito secretario (íuilherme dos Santos corrente, tem a honra de submeti cr á delibera-
Sazes Cadett, dito Luiz Albuquerque Maranhão, cão da assembléa geral legislativa o seguinte oro-
commandante do piquete de cavallaria., portou- jecto.
<¦*<? bem. «A assembléa «eral legislativa resolve :
.Congralulo-rnc com todos os Srs. officiaes, e ¦« Art, l.ü 0 governo fica authorisadoa despen-
a todas as praças das duas brigadas dou os maio- der até a quantia de 100:000^000 rs. para oc-
res elogios pela optima disposição que dellas ob- correr ás despesas que forem necessárias, não só
servei.—José Joaquim Coelho. —Conforme. Gni- afim de obstar a propagação da epidemia reinante
Jherme do.s Santos Sazes Cadett, alferes servindo na provincia da Bahia, e que se tem ja estendido a
de secretario interino. outros pontos do littoral, como também de soe-
correr aos enfermos necessitados, dando de tudo
. Falleceu em Bruxcllas o Br. Álvaro Teixeira contas ao corpo legislativo.
« Art. .2." Ficão revogadas as disposições em
de Macedo encarregado dos negócios do Brasil.
contrario.
«Sala das commissões, 8 de fevereiro de 185Ò.
A febre amareila manifestou-se na corte, a res- —F. /. Carvalho Moreira.—José Agostinho Vi-
peito delia ,são divergentes as opiniões dos medi- eirade Mattos.—José Martins da Cruz Jobim.—
cos. 0 governo imperial tem sido incancavel em B. At Magalhães Taques.—A. J. Jíenriques.—
dar as providencias precisas a fim de atalhar tão \ Antônio Gabriel de Paula Fonseca.»
granae ma O Sr. visconde cie Baependy requereu dispen-
sa da impressão, e pediu urgência para que o pro-
O Sr. 1.' secretario da câmara temporária, jecto entrasse immediatamente em
primeira dis-
dando limitem conta do expediente, leu o se - cussfio, e assim se venceu.
guinte oííieio do Sr. ministro do império, que O Sr. Dr. Paula Cândido procurou, sera toda-
foi remittido ás commissões reunidas de saude via oppôr-se ao
projecto, pelo qual votou, acal-
publica e segunda do orçamento : mar a sensação que poderia produzir na popu-
« lllm. e Exm. Sr.—As febres
que no relato- lação o açoclamento com que a câmara ia proce-
rio da repartição a meu cargo se participou ao dendo. Fez ver
que as febres que reinão na capi-
corpo legislativo terem acornmettido a cidade tal estão muito longe de terá
gravidade que se
da Bahia, uão* so continuão a grassar ali, mas inculca, e demonstrou
que até o presente não ha
infelizmente sé tem propagado ao interior da motivo para tanto terror.
provincia; invadirão a de Pernambuco, e alguns Depois de orarem os Srs. Jobim e Carvalho Mo-
casos se tem ja manifestado nesta corte, apezar reira, foi o
projecto approvado por grande maio-
de todas as precauções tomadas pelo governo ria
para passar a segunda discussão.
para obstar á sua introducção. As medidas em-, Propoz-se então urgência ou dispensa cios in-
pregadas para atalhar o seu progresso e pres- tersticios marcados no regi mento para o pro-
tar á população desvalida os soecorros de
que jecto entrar immediatamente em segunda diseus-
precisa, exigem despesas extraordinárias, para são. Nesta questão de ordem tomarão parte vários
satisfazer ás quaes não basta a tênue consignação oradores, e entre elles o Sr. ministro da mari-
das eventuaes; e não podendo ser decretado o nha.
credito para ellas preciso, nos termos do art. 5o S. Ex. oppôz-seádispensa cios interstícios. De-
da lei n.° 514 de '28 de outubro de 1848, por se monstrou
que esta precipitação em conceder des-
'

achar actualmente reunido o corpo legislativo, e o

dm
ja um credito de cem contos poderia fazer
recebi ordem dé S. M. o Imperador para levar 'acreditar á
população que o governo não tem da- -
o exposto ao conhecimento dé V. Ex., afim de doas necessárias
providencias por falta de dinhei-
que, fazendo-o constar á câmara do.s Sis. dcprV ro. Informou que o governo lem feito e eonlinúa
3 COURElO DA YICTORIA

a fazer as despesas necessárias, que pode esperar |o utel, bom, e conveniente de conformidade
mais alguns dias, e que embora às circumstancias com a lei do 1.° de outubro de 1828 tendo em*
sejão um pouco graves, não ha necessidade de vistas tudo isto ( senão nus enganáo ) foi quem
tanta pressa. prestou súa assignatura ao offieijp informando—
Encerroú-se a discussão, e foi rejeitada a dis- em pró do aforamento de parte do Ueginho,
pensa dos interstícios. e que principiei a eclificar—então S. S. cujo
[Jornal do Commercio.) coração palpita sempre de patriotismo, e arden-
te zelo pelo bem publico—não se lembrou dos
inconvenieateè, que óra se lhe antolha, des.se
PUBLICAÇÃO A PEDIDO.
afora .mérito.*—Tem percorrido doze annos desde
que teve lugar tal aforamento e durante esse
Èxtrahido do livro respectivo. lempo o Sr, das estrellàs ha ocupado lugar dis-
Prestarão juramento n^fe-ífijiét&corrente pa- tinto na câmara municipal—e só agora é que
ra os cargos de inspeMòres de- quarteirões, pe- o seu estro implicou com o Reguinho para*de*
rante o delegado de policia deste termo, ós cida- le tirar motivo para um Soneto, e o que é mai*
dãos João Rodrigues dos Anjos inspector do 3.° quando tivemos dc edificar a obra que nos foi em-
quarteirâ), Antônio José dos Reis do 5.° André bargada—pedimos a câmara que mandasse pro-
de Almeida Silva, do 7,° Francisco José da Cos- ceder ao alinhamento da rua, e obra, e depois
ta, do 10.°, e Antônio Ferreira Maia dó 11.* e que isto nos foi concedido foi que principiámos
assignarão seus juramento com o mesmb dele- amesma obra—hoje embargada injustamente, seos
gado no livro respectivo. Eli Manoel Gousalves as precisas formal idades, da lei, embargo contra
d'Arauio escrivão o escrevi. João Chrisostomo de o qital protestamos; e havendo nós recorrido a
Carvalho. câmara, eVta reunindo-se despresou no»ssa repre-
zentáçãòbasiáda na justiça,è direito; temos a nos-
«sò favor a opinião das pessoas com os atributo.s
, Quanto não se faz digno de Iovor, aquelle,
o sabe adminis- que exige ò Sr. Ia das estrellàs, uma dellas, o
que constituído juiz entre povo
trar,e destribuir justiça! como em tal caso redu- Sr. Susano, jájleclarou pela imprensa o seu jui—
zir à.silencio uma virtude, que he úm attributo zoa re«*peito: de nóssò direito.—Nós dezejauios
o Sr. das estrellàs em vez de fazer tanta ce-
dà Divindade; a quem se assemelha aqui He, que que
leuma em desvantagem da justiça de outrem o-
ama,e que a pratica! é por isso Sr. Redactor que i
lhace.com olhos de interesse publico, que tanto
caiu a campo para bem diser, para louvar a sabia
e justa sentença, que deu o muito digno juiz mu- alardeia,para o péssimo estado em que se acha a
nicipal, e d'orfãos desta cidade o lllm.Sr. Dr.Jo- valia desde seu começo da fonte Grande até bai-
sé de Mello e Carvalho no monstruoso e illesral xo da ponte que se diz de João Rodrigues Pereira
inventario, que no juiso de órfãos desta mesma e para cortar abusos que demandão prompto re-
cidade se procedeu em certo tempo nos bens de médio é isso da competência da câmara; nossa
João de Lemos Barbosa. edificação não prejudica a 3.°—mas quando tei-
Pesa-me não ter milhares de bocas em ca- meni em querer desapropriar-nos dessa parte do
Reguinho qumios pertence sem as urgente neces-
da uma milhares de línguas, para louvar a rec-
tidão, e equidade de uma sentença que nada me- sidade publica «saberão a quantia era que importa
•a
a

nos fez do que restituir a pobre orla, e miseráveis tal despesa, e tudo o mais é violência.
interessados a posse da sua propriedade de que Concinta S. S. que digamos que a câmara a
tão iu.solitamente forão esbulhados, e por um fre- no.sso refipeito não pode obrar fora da lei: a cama-
io para que se não pratiquem taes illegalidades, ra não pode oppor-se a uma decisão da presiden-
e ja que me faltão priucipios para seus/incomios, cia da provincia, e em virtude da ordem desta foi
Sr. na sua folha que se concedeu o titulo do terreno que me per-
queira \m. Redactor imprimir
essa mesma «sentença a lim de fjue os verdadeiros lence hoje; e as idéas do Sr. das estrellàs são pe-
amantes da justiça bem digão por mim a justiça, rigosas,e ellas não tem applicação^lguma do caso
a imparcialidade e rectidão de nm tão virtuoso vertante; náo entendemos o principio do segun-
Sr. Redactor do §, do Sr. das estrellàs, seria favor explicar-*
julgador.—Sou no-lo, e estimaremos o faça porque tem S. S.
Um dos interessados.
mais uma oceasião de brilhar como costuma.
Sr. Redactor novamente tou encommodal-o na
CORRESPONDÊNCIA. inserção destas toscas linhas na sua acreditada
folha.
Sr. Redactor.
Ignacio Loyo Ia Lisboa.
O seu correspondente das três estre!las,o qual;
pelo ultimo verso da correspondência enserta ANNÜNCIOS
no seu Correio de 2 do corrente »
0 ABAIXO assignado pertende fa-
«Porque pode ser que me convença zer seguir para a Bahia até 20 do
« Pois uão «sou tãó^mau como se penca»
áÉÊÊWMM corrente mez o seu hiate Andori-
manifestou quem é S. S. que dezeja que ho- :^^Z?^^^irlha\ qualquer pessoa que queira ir
mens cheios de espirito pubulico discorrão des- .de^assagem dirija-se a casa de sua residência.
pido»: de ódios, caprichos e emppnhos, sobre José Rodrigues Saraiva*
Yiçiorja.Typ, Càfiukiik*i d Ãieredt. 18M