Você está na página 1de 18

Ciclo de Krebs

Dawidson Assis Gomes


Perspectiva histórica
• O ciclo foi proposto em 1937 por Hans Krebs, uma
contribuição que situa-se entre as mais importantes
façanhas da química metabólica.

• Em 1930 a via glicolítica já havia sido elucidada.

• Em 1935, Albert Szent Gyorgyi demonstrou que a


respiração celular é acelerada dramaticamente por
quantidades catalíticas de succinato, fumarato, malato e
oxaloacetato.
Perspectiva histórica
• Gyorgyi mostrou posteriormente que esses compostos
eram interconvertidos, de acordo com a seguinte
sequência de reação:
Succinato fumarato malato oxaloacetato

• Pouco mais tarde, Carl Martius e Franz Knoop


demostraram que o citrato é rearranjado, via cis-
aconitato, a isocitrato e então desidrogenado para
formar a-cetoglutarato. Isso ampliou a sequência de
reações para:
Citrato cis-aconitado isocitrato a-cetoglutarado
Succinato fumarato malato oxaloacetato
Perspectiva histórica
• Era ainda necessário, para fechar o ciclo de modo a
tornar o sistema catalítico, estabelecer que o
oxaloacetato era convertido a citrato.

• Em 1936, Martius e Knoop demonstratram que o citrato


podia ser formado não-enzimaticamente a partir do
oxaloacetato e do piruvato, por tratamento com peróxido
de hidrogênio em condições básicas.

• Krebs utilizou esse modelo químico como ponto de


partida para os experimentos bioquímicos que levaram à
sua proposta do ciclo do ácido cítrico.
Perspectiva histórica
• Embora Krebs tenha estabelecido a existência do ciclo
do ácido cítrico, alguns pontos importantes ainda
permaneciam para serem estabelecidos.

• O mecanismo da formação do citrato não foi


estabelecido até Nathan Kaplan e Fritz Lipmann
descobrirem a coenzima A, em 1945.

• Severo Ochoa e Feodor Lynen estabeleceram, em 1951,


que a acetil-CoA é o intermediário que é condensado
com o oxaloacetato para formar o citrato.
Perspectiva histórica
• A elucidação do ciclo do ácido cítrico foi um grande feito
e, como todas as realizações desta magnitude,
necessitou do esforço de numerosos pesquisadores.

• O manuscrito propondo o ciclo do ácido cítrico foi


apresentado para publicação na Nature, mas foi
rejeitado. Foi a seguir publicado na revista Enzymologia.

• O Dr. Krebs orgulhosamente exibiu a carta de rejeição


por toda a sua carreira, como encorajamento aos jovens
cientistas.
Ciclo de Krebs
• Ciclo do Ácido Cítrico
• Ciclo dos Ácidos
Tricarboxílicos
O que é?
• É a via final comum para a oxidação de moléculas como:
aminoácidos, ácidos graxos e carboidratos.
Onde ocorre?
• A descarboxilação oxidativa do piruvato e
a sequência do ciclo de Krebs ocorrem na
matriz mitocôndria
Características
• O ciclo inicia-se com oxaloacetato, o qual
é regenerado no final.
Características
• O ciclo de Krebs é uma via anfibólica - degrada
acetil-CoA em CO2 e água (catabolismo) mas
alguns de seus intermediários são utilizados
para a síntese de outros compostos
(anabolismo).
Funções do Ciclo de Krebs
• Oxidar acetil-CoA em CO2 e H2O.
• Como conseqüência desta oxidação, é o
maior fornecedor de elétrons para a Cadeia
Respiratória e, sendo assim, é um grande
gerador de energia (ATP).
• Alguns de seus intermediários são
precursores de compostos bioquimicamente
importantes.
Pyruvate
N AD +
N AD H
Acetyl -CoA Coenzyme A

N AD H

N AD + Citric N AD +
acid
cycle N AD H
(8 steps)
FAD H2 CO 2
FAD N AD +
N AD H
GTP
GDP CO 2

Cerca de 88 voltas por min.


Balanço ciclo de Krebs
• Acetil-CoA + 3NAD+ + FAD + GDP + Pi
+ 2H2O 2CO2 + 3 NADH + FADH2 + GTP + 2H+
+ CoA

• Eventual produção de ATP a partir de um


acetato:
3 NADH 7,5 ATP (2,5 ATP por cada NADH)
1 FADH2 1,5 ATP (1,5 ATP por FADH2)
1 GTP 1 ATP
Referências Bibliográficas
• Molecular Biology of the Cell, Alberts B, et.
al., 2002.
• Lehninger Princípios de Bioquímica,
Nelson DL e Cox MM, 2002.
• Bioquímica, Berg JM, et. al., 2004.