Você está na página 1de 2

1.

A ética finalista de Aristóteles tem como objetivo fundamental:

a verdade.

a felicidade.
 

a justiça.
 

o conhecimento.

o dever.

2. Para Aristóteles, o ser humano virtuoso é aquele que consegue ou que


possui a justa medida daquilo que deve realizar. Portanto, não falhará nem
por excesso, nem por falta. A excelência moral é um caminho de
realização, de felicidade. Essa ética é chamada também de:

Physis.
 

Eudemonista.
 

Gnose.

Compaixão.

Deontológica.

 Gabarito Comentado

3. A teoria aristotélica do justo meio termo implica que:

a excelência se encontra num certo ponto intermediário entre o excesso e a falta.


 

a virtude não poderá ser construída pelo hábito.

a justiça se esgota na legalidade.

não se pode aceitar que um mandamento moral seja condicionado por elementos
externos.

a ética aristotélica se confunde com religião.

4. A excelência moral é (...) um meio-termo entre duas formas de deficiência


moral, uma pressupondo excesso e outra pressupondo falta (...). Sua
característica é visar às situações intermediárias nas emoções e nas ações
(Aristóteles. Ética a Nicômaco). A partir do trecho acima, é INCORRETO
afirmar:

A doutrina do meio-termo, ou justa medida, é um dos princípios fundamentais da


ética aristotélica.
A ação correta do ponto de vista ético deve evitar os extremos, caracterizando-se
pelo equilíbrio ou justa medida.
A moderação (ou temperança) é a característica do indivíduo equilibrado no sentido
ético.
A sabedoria prática, para Aristóteles, consiste em evitar o meio-termo em todas as
  nossas ações.
Um vício (ou deficiência moral) é um sentimento ou conduta excessiva ou
  deficiente.

5. Para Aristóteles, justiça e vida boa estão interligadas, o que nos


oportuniza pensar em vida boa de uma maneira muito diferente do que o
senso comum brasileiro entenderia como tal. E o que isso significa?

Viver na excelência moral


 

A maximização do prazer pessoal

Viver o relativismo moral

Seguir regras morais rígidas

Usufruir apenas dos bens materiais

6. Ética e a política integram, portanto, as ciências práticas que estudam a


conduta humana, a construção do homem virtuoso e, consequentemente,
do bom cidadão. A afirmação apresenta a ideia da ética de:

Bentham.

Cortella.

Kant.

Aristóteles.
 

Descartes.