Você está na página 1de 3

UFPE / CFCH / LICENCIATURA EM FILOSOFIA

PERÍODO 7/ TURNO TARDE / ANO: 4º

DISCENTE: Ricardo Gusmão Pupe dos Santos

PLANO DE AULA1

Pré-vestibular Portal/UFPE
CURSO: Vestibular
DISCIPLINA: FILOSOFIA
TEMA: FENOMENOLOGIA
DATA: XX.XX.2020 (segunda-Feira) TEMPO: 2h

- Compreensão da fenomenologia enquanto corrente e método filosófica


OBJETIVOS - Familiarização com os principais conceitos da fenomenologia
- Identificação da estrutura de uma análise fenomenológica
- Proporcionar uma noção das diferentes concepções da fenomenologia

- Fomentar o debate filosófica entorno do tema mencionado, privilegiando a


COMPETÊNCIAS argumentação e diálogo
/ HABILIDADES2 - Contextualizar o tema filosófica a vida prática dos alunos e relacioná-lo à vida social da
turma

- Compreender em suas linhas gerais em que consiste a fenomenologia.


CONTEÚDOS - Seus conceitos chaves: consciência, fenômeno, estruturas essenciais da consciência
(principalmente intencionalidade, reflexividade e temporalidade), ato intencional, objeto
intencional, époche, redução transcendental. 
- Quais os traços principais que caracterizam uma abordagem enquanto
fenomenológica, isto é, o que é a fenomenologia enquanto método filosófico de análise
da experiência
- Diferentes concepções, métodos e resultados em relação a fenomenologia: Heidegger,
Sartre e Merleau-Ponty

METODOLOGIA - Aula expositiva e participativa

- Quadro
RECURSOS - Piloto (preto e vermelho/azul)
- Apagador

AVALIAÇÃO - Propor que os interlocutores, de alguma forma, caracterizem um exemplo de


experiência através da estrutura tríplice essencial da consciência, a saber, consciência
– ato intencional – objeto intencional.

BIBLIOGRAFIA STEGMÜLLER, Wolfgang. A filosofia contemporânea: Introdução Crítica. 2. ed. Rio


de Janeiro: Forense, 2012. Tradução Adaury Fiorotti e Edwino A. Royer, et al.
HUSSERL, Edmund. Investigações Lógicas: segundo volume, parte I: investigações
para a fenomenologia e a teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Forense, 2015.
Tradução de Pedro M. S. Alves, Carlos Aurélio Morujão.

1
“Nenhum plano pode ser considerado absolutamente rígido” (GIL, A. Didática do ensino superior. São Paulo:
Atlas, 2011, p.107.
2
Conforme OCNEM/Filosofia ou atual BNCC.
HUSSERL, Edmund. Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia
fenomenológica: introdução geral à fenomenologia pura. São Paulo: Ideias & Letras,
2006. Tradução de Márcio Suzuki.
HUSSERL, Edmund. Meditações Cartesianas e Conferências de Paris. Rio de
Janeiro: Forense, 2013. Traduzido por Pedro M. S. Alves.
BERNET, Rudolf; MARBACH, Eduard; KERN, Iso. Edmund Husserl: Darstellung
seinesDenkens. Hamburg: Felix Meiner Verlag, 1996.
SOKOLOWSKI, Robert. Introdução à fenomenologia. São Paulo: Loyola, 2004.

DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO DIDÁTICA3

3
Opcional.

Você também pode gostar