Você está na página 1de 2

Universidade A Politécnica

Escola Superior de Gestão, Ciências E Tecnologias

Curso: Ciências da Comunicação


Disciplina: Técnicas de Comunicação
Discente: Simão Djedje Docente: Profª. Doutora Irene Mendes

Tema: Elaboração de ficha comentério

Titulo da Obra: ''Na Terra dos Sonhos'' de Agnaldo Bata

Bibliografia
BATA, Agnaldo, 2015, ''Na Terra dos Sonhos'', Maputo, 1ª edição, 87 Pág.

Síntese da obra:
Uma narrativa envolvente, daquelas que habitualmente não são inventadas na literatura
moçambicana.
Em ''Na Terra dos Sonhos'', Agnaldo Bata, conta a história de Ângela, uma mulher que nasceu
numa pequena localidade do distrito de Manjakaze. Ainda nova, Ângela apercebeu-se dos
desafios que a sua condição social (Mulher e Órfã) lhe impunham e quando todos pensavam que
“sonhar” era o maior insulto que ela podia proferir contra a moral social que a cercava, Ângela
mostra ser mais forte e com o apoio dos amigos que os espíritos lhe enviam (Gabriel, Sitoe e
Edson) dá o máximo de si para vencer cada desafio, sempre movida pela justiça, determinação e
a eterna vontade de ver os seus sonhos realizados, o incontornável anseio de chegar à terra dos
sonhos.

Comentário:
Na terra dos sonhos. A grande descoberta do ano em termos literários pra mim. Fiquei
empolgadíssimo com a leitura desta obra, uma prosa deliciosa de Agnaldo Bata, que considero
na minha humilde opinião ser um convite para uma viagem rumo a um plano ideal para a
sociedade moçambicana. O principal interesse nisso, recorrendo à ficção, é fazer entender que,
mais do que nunca, é preciso que os homens e as mulheres partilhem direitos iguais.
O que mais me atraiu na escrita de “Na terra dos sonhos”, tem a ver com o desejo de fazer com
que os seus leitores possam apaixonar-se pela estória, e, com isso, deixarem-se levar por uma
revolta que lhes permita mudar alguma coisa em si, na forma como olham para a sociedade.
Ainda sobre as mulheres, bem representadas neste livro por via de uma personagem lutadora,
nota-se que elas têm particularidades que nenhum homem será capaz de compreender. E eu
entendo que, no mínimo, deveria haver um esforço nesse sentido, aceitando-se como elas são
sem as impor o que a sociedade gostaria que elas fossem.
Por fim, a linguagem desse livro é um sopro de vida, é nova, é fresca, por vezes inventada, mas
totalmente verdadeira. A história é relativamente simples, despretensiosa e justamente nisso está
a grande força do livro.
“Na terra dos sonhos”, foi distinguido com o prémio ex-aequo pelo Banco de Moçambique, em
2015.