Você está na página 1de 3

No campo da terceira idade a animação sociocultural pode surgir como resposta a uma

ausência ou diminuição da atividade e relações sociais dos idosos, na medida em que é


capaz de preencher esse vazio e ajudar a favorecer a emergência de uma vida centrada à
volta do indivíduo ou do grupo.

A animação pode dividir-se em sete grupos:

Animação física ou motora

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define "a saúde como o estado de total bem-
estar corporal, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade".

Deste modo, a sociedade de hoje oferece ao homem um grande conforto, que o leva a
movimentar-se pouco e a pôr em perigo a sua saúde. Com esta modernização e evolução
constantes, cada vez mais estamos perante uma sociedade onde a maioria das atividades
profissionais fazem pouco apelo ao vigor físico.

A atividade física e os desportos saudáveis constituem um dos pilares para um estilo de


vida saudável, a par de alimentação saudável, vida sem tabaco e evitar outras
substâncias perigosas para a saúde.

O exercício físico é fundamental para o bom funcionamento biopsicossocial de qualquer


indivíduo em qualquer idade, incluindo pessoas com incapacidades. Através dele, o ser
humano pode combater o stress, a depressão, estabelecer e melhorar as relações
interpessoais, assim como a sua qualidade de vida.

Em contrapartida, a falta de exercício físico pode favorecer a degeneração do corpo


(doenças cardiovasculares) e o seu atrofiamento.

Exemplos: Ginástica e Caminhadas.

Animação cognitiva ou mental

Um dos principais receios associados ao envelhecimento está relacionado com a


diminuição da memória e do funcionamento cognitivo. Contudo, pequenos
esquecimentos, tais como o lugar onde colocou a chave ou os óculos, podem ocorrer em
qualquer idade. Assim, como o corpo, o cérebro tem de ser exercitado para continuar a
funcionar e, tal como na atividade física é desejável que a mente se canse com o treino,
pois a prática melhora o desempenho cognitivo (Azevedo & Teles, 2011)

O declínio cognitivo geralmente associado à idade pode ser prevenido, ou até mesmo
retardado através do uso e treino adequados das várias funções cognitivas ou através da
adaptação de estratégias de compensação.

Deste modo, torna-se importante compreender os fatores que influenciam a cognição


humana à medida que se envelhece, considerando que a dedicação diária de alguns
minutos ao treino cognitivo pode ser o suficiente para manter a mente ativa durante
muito mais tempo.
No entanto, os declínios cognitivos surgem associados a vários fatores que compilados,
ou isoladamente contribuem para o modo como cada ser humano envelhece. Destacam-
se os fatores biológicos (relacionados com os sistemas sensoriais e neuronais); fatores
pessoais (relacionados com a história passada e o historial clínico de cada pessoa);
e fatores sociais (relacionam-se com os níveis de fortificação das redes sociais
estabelecidas até à idade da reforma, bem como as novas que se vão estabelecendo após
esta etapa) (Azevedo & Teles, 2011).

As atividades realizadas têm a finalidade de manter a mente ativa ou exercitar


capacidades que têm tendência a piorar, contribuindo assim para diminuir o declínio
cognitivo associado à idade, mas também prevenir e atrasar o aparecimento do mesmo.

Exemplos: puzzles, jogo da memória, labirintos, sopa de letras, palavras cruzadas, entre
outros.

Animação através da expressão plástica

As atividades de animação através da expressão plástica têm por objetivo proporcionar


ao residente a possibilidade de se expressar através dos trabalhos manuais e das artes
plásticas.

Pretende-se, com estas atividades de expressão plástica dar largas à imaginação,


criatividade, desenvolver e estimular a motricidade fina e a coordenação psicomotora do
residente.

Exemplos: Tudo o que envolva colagens/pintura/desenho.

Animação através da expressão e da comunicação

Neste tipo de animação pretende-se que o residente comunique com os seus


semelhantes. Essa comunicação pode ser efetuada através da música, do teatro, da
dramatização, da poesia, etc. Na animação expressiva através da expressão e da
comunicação o idoso transmite os seus sentimentos e emoções através da voz, do
comportamento, da postura e do movimento.

Exemplos: Cantares populares

Animação promotora do desenvolvimento pessoal e social

Neste tipo de animação pretende-se desenvolver o “eu” do idoso, as suas experiências


de vida, as suas emoções e sentimentos. Esta animação tem por objetivo desenvolver as
competências pessoais e sociais da pessoa e, principalmente, da pessoa como elemento
de um grupo. Com esta animação estimula-se o autoconhecimento, a interação entre a
pessoa e o grupo e a dinâmica de grupo. Neste tipo de animação pode incluir-se toda a
componente da religião e espiritualidade.

Exemplos: "Rir é o melhor remédio" Lima, M. (2004). Posso Participar? Atividades de


desenvolvimento pessoal para idosos. Ambar: Porto.

Animação lúdica
A animação lúdica, como o seu nome indica, é a animação que tem por objetivo divertir
as pessoas e o grupo, ocupar o tempo, promover o convívio e divulgar os
conhecimentos, artes e saberes. É vocacionada principalmente para a essência da
animação: o lazer, o entretenimento e a brincadeira.

Exemplos: provérbios, adivinhas, dominó, cartas, bingo, bowling, entre outros.

Animação comunitária

A animação comunitária engloba todas as ações que criem e dinamizem as relações


interpessoais e sociais dos mais velhos com a comunidade.  

Você também pode gostar