Você está na página 1de 3

Capitulo 7 – Sistema de isolamento

7.1 - Comportamento térmico do motor


Toda maquina elétrica é um gerador de calor e deve dispor de um sistema
de arrefecimento para limitar a temperatura dos seus componentes mais
sensíveis, preservando o sistema de isolamento, cuja função depende
bastante da temperatura da maquina, sendo que a vida da maquina
depende do sistema de isolamento.
O motor de Indução tem como principais fontes de calor as perdas cobre
que se dá em seus enrolamentos e as perdas ferro que ocorrem nos
núcleos do estator e do rotor.
O arrefecimento é provido pela ventilação própria (ventilador acoplado no
eixo) ou forçada (ventilação externa), a ventilação provoca a circulação do
ar pelo entreferro e pela carcaça, retirando o calor.
A parte mais sensível do motor é o seu enrolamento, cuja vida depende
do isolamento, das temperaturas atingidas e dos tempos de aplicação das
cargas normais de sobre cargas.

7.2 - Vida do isolamento


A vida do isolamento depende de muitos fatores, como por exemplo: as
condições do ambiente onde está instalado, temperatura, umidade,
poeiras abrasivas, etc.; em paralelo com estes fatores deve-se considerar
também o ciclo de trabalho do motor.
Os ciclos de aquecimento do motor levam ao ressecamento do material
isolante e a degradação das suas qualidades, ate que não resista mais os
valores de tensão aplicada e os de surtos, ocasionando o curto circuito
entre espiras ou contra o núcleo de ferro.
A vida do isolamento de um motor operando continuamente, na
temperatura permitida e em condições ambientais favoráveis deve ser em
torno de 20.000 horas.
Se a temperatura do funcionamento contínuo for menor, a vida se
prolonga, e se a temperatura nas mesmas condições for maior que a
permitida pelo isolamento, a vida se encurta.
Exemplo: Um motor com classe de isolamento B (temperatura de 120º C)
operando continuamente com sobre temperatura de 9º C, terá sua vida
reduzida de cerca da metade.
Se a temperatura de funcionamento contínuo for reduzida de 9º C a sua
vida é aumentada para cerca do dobro.

7.3 - Perdas ferro


Dependem do projeto, da qualidade dos materiais empregados em seus
núcleos, da frequencia da rede e níveis de tensões aplicadas.

7.4 - Perdas cobre


A quantidade de calor gerado por esta fonte é proporcional ao quadrado
das correntes que circulam nos enrolamentos do estator e do rotor e ao
tempo de aplicação destas correntes.
7.5 - Acompanhamento do comportamento térmico do motor
Os motores dentro de sua classe de isolamento e de acordo com as
normas adotadas no seu projeto, permitem sobre cargas de curta
duração.
As sobre cargas maiores e ou mais prolongadas comprometem a vida do
isolamento, diminuindo a vida do motor, portanto é muito importante
acompanhar o comportamento térmico do motor, porque permite
aumentar a sua vida em conjunto com melhor aproveitamento da
capacidade de carga e menor consumo de energia.
O comportamento térmico visto pelo lado de geração de calor, é ditado
principalmente por: sobrecargas, numero de partidas por hora e tempo de
partida.
Durante as sobre cargas de curta duração não há tempo suficiente para a
troca de calor com o exterior e se a corrente for elevada, a temperatura
dos condutores pode subir acima do valor permitido pela classe de
isolamento, comprometendo a vida do motor.
Durante uma partida direta e prolongada do motor, a corrente da
armadura é alta e eleva a temperatura deste enrolamento tendo efeito
cumulativo na diminuição da vida do isolamento, a corrente do rotor é
muito mais alta e pode levar a temperatura de suas barras a valores muito
altos, a ponto de deforma-las e provocar a sua expansão e ate
comprometer as ligações com seus anéis.
As sobre cargas prolongadas após o motor atingir velocidade final afeta
o estator e pode danifica-lo a ponto de enfraquecer o isolamento e
provocar um curto circuito entre espiras ou para a carcaça.

7.6 - Sobrecargas de curta duração


Nestas ocasiões em que a corrente é alta em curto tempo (ordem de
segundos) não há tempo para troca de calor dos enrolamentos com o
exterior, e eleva-se a temperatura dos condutores.
Existe um limite para o motor suportar esta energia térmica, quando
ultrapassado este valor limite há alta possibilidade de danificação do
isolamento. Esta energia térmica é determinada por:

......... ......... [7.6.1]


Sendo i o valor das correntes e t o valor dos tempos decorridos sob estas
correntes.

7.7 - Comportamento térmico nas diversas formas de operação do motor


Área de atuação de carga antes do ponto de máximo conjugado:
 Nesta região de operação a frequencia do rotor é muito baixa e o
valor da resistência efetiva de seu enrolamento é também muito
baixo e os condutores que sofrem mais aquecimento são os do
estator, que neste caso dita o comportamento térmico do motor.

Período de aceleração:
 Dependendo da rampa de aceleração o calor gerado pode ser alto e
a temperatura dos barras serão altas.
No momento da partida:
 Havendo uma partida rápida, a aceleração do rotor leva a
diminuição progressiva da frequencia no circuito do rotor e da sua
corrente ate que seja atingida a velocidade de regime.

Na eventualidade do motor ficar travado, não conseguindo partir, e sendo


a frequencia do rotor igual a da rede, as perdas ferro no rotor tem seu
maior valor, a corrente também tem seu maior valor, sendo assim as
perdas ferro e cobre são as de máximo valor e o aquecimento é quase
todo causado pelo rotor, a temperatura cresce rapidamente, por falta de
dissipação, comprometendo a vida do isolamento do motor.
Os motores são projetados para suportar a corrente de rotor bloqueado
por certo tempo, admitindo-se que a temperatura do motor atinja o valor
limite de rotor bloqueado.
As normas NEMA e IEC determinam estes limites:

Classe de isolamento Limites de temperatura em °C


NEMA IEC
B 175 185
F 200 210
H 225 235

O tempo de rotor bloqueado é limitado por estes valores de temperatura.


Os valores de tempo de rotor bloqueado são informados pelos
fabricantes e equivalem ao tempo máximo que o rotor pode ficar
bloqueado alimentado por tensão e frequencia nominal. Estes valores
variam de 5 seg. ate cerca de 40 seg. de acordo com o tamanho do motor.
Nas partidas com tensão reduzida a corrente de rotor bloqueado é
também reduzida e o tempo limite pode ser aumentado.

7.8 - Desequilíbrio entre fases


O desequilíbrio de tensões entre fases provoca distorções no campo
girante no rotor, provocando correntes elevadas e aumento de
temperatura no motor.

7.9 - Falta de fase


A falta de uma fase sobrecarrega as outras fases com o aumento da
corrente nas fases remanescentes de cerca de 73%. Provocando o
aumento de temperatura no enrolamento.