Você está na página 1de 7

O hospital

Enfermagem
Faculdade Santa Terezinha (CEST)
6 pag.

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: ana-carolina-silveira-costa (carol-silveiracosta@hotmail.com)
O Hospital _______

1- Histórico

A palavra hospital vem do la�m "hospes", que significa hóspede, dando origem a
"hospitalis" e a "hospi�um" que designavam o lugar onde se hospedavam na An�güidade, além de
enfermos, viajantes e peregrinos. Quando o estabelecimento se ocupava dos pobres, incuráveis e
insanos, a designação era de "hospi�um", ou seja, hospício, que por muito tempo foi usado para
designar hospital de psiquiatria.

A figura do hospital, bem como suas funções tem um marco divisor: antes e depois da Era
Cristã. Na Grécia, Egito e Índia an�gos, os médicos aprendiam medicina em locais junto aos
templos e exerciam a profissão no domicílio das pessoas enfermas. Havia na Grécia construções
semelhantes a hospitais junto aos templos dedicados ao deus Esculápio. Nesses locais, eram
colocadas as pessoas enfermas ante a estátua desse deus para que a ação dos sonhos associada à
de medicamentos empíricos preparados pelos sacerdotes pudessem curar os doentes.

Na Índia An�ga, se tem no�cias de aparecimento de construções do �po hospitalar junto às


estradas por onde passavam os exércitos, principalmente, na linha de frente do Império Romano.
Nesses locais, as tropas descansavam e os enfermos eram tratados. Surgem também, nessa época,
estabelecimentos semelhantes para o descanso e tratamento de civis, principalmente, para o
isolamento das pessoas portadoras de doenças contagiosas, que assim permaneciam separadas do
restante da sociedade e entregues à própria sorte, pois os medicamentos eram às vezes ineficazes.
Até esse período, o hospital não passava de uma espécie de depósito em que se amontoavam
pessoas doentes, des�tuídas de recursos. Sua finalidade era mais social do que terapêu�ca.

A história do hospital começa a ser contada de outra forma a par�r de 360 d.C, quando
surge a primeira en�dade assistencial - Hospital. Sob a máxima de "Amar o próximo como a si
mesmo" advinda do Cris�anismo, o homem passa a se preocupar com o seu semelhante. Até
então, predominava o espírito egoís�co do ser humano de se afastar dos deficientes e enfermos,
resguardando-se e não socorrendo o próximo.
Inicia-se a "Era dos Hospitais" com a�vidades básicas de restaurar a saúde, pregar a assistência,
simplesmente concluindo diagnós�co e efetuando tratamento limitados pelos padrões e condições
da época.

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: ana-carolina-silveira-costa (carol-silveiracosta@hotmail.com)
Com o desenvolvimento da medicina e de acordo com as regiões, o Hospital assumiu
determinadas caracterís�cas. Os primeiros hospitais foram criados como locais de isolamento onde
a caridade se exercia como uma prá�ca cristã. Eram locais para pobres, mulheres desamparadas,
velhos e doentes crônicos sob os cuidados de monges e religiosos. Cons�tuíam-se o úl�mo recurso
que a caridade oferecia para o paciente pobre.

A tecnologia médica disponível só minorava o sofrimento. Os pacientes com maiores


recursos tratavam-se a domicílio e a relação médico-paciente era independente da organização
hospitalar. O Brasil, país de colonização portuguesa, adquiriu o cuidado com os doentes dessas
comunidades lusitanas. O primeiro Hospital da América do Sul foi a Santa Casa de Misericórdia
fundada em Santos em 1543, onde os cuidados dos enfermos passaram a ser exercidos por freiras
e religiosos. À medida que os exploradores portugueses adentraram o interior brasileiros e
formaram vilarejos, fundaram um hospital local para o atendimento dos próprios colonizadores e
exploradores. Assim, surgiu também a Santa Casa de São Paulo, cuja fundação se deu por volta de
1590 a 1599, inicialmente próxima ao Páteo do Colégio.

Historicamente, a primeira ins�tuição-hospital pública ou privada des�nava-se ao


tratamento dos doentes, desenvolvendo a�vidades de natureza cura�va. Conforme os
conhecimentos de natureza preven�va foram se desenvolvendo, as medidas prá�cas com eles
relacionadas aplicaram-se mais à abordagem dos problemas de saúde das comunidades. Criou-se
um segundo �po de ins�tuição, des�nada ao desenvolvimento das prá�cas de natureza preven�va
- as unidades de saúde, especialmente ligadas ao poder público.

2- Hospital: conceito

♦ “Hospital é Estabelecimento onde se tratam doentes, pessoas acidentadas, etc., internados ou


não; nosocômio.” (Dicionário Aurélio)

Segundo o Ministério de Saúde quando assim definiu o conceito de hospital; coloca que:

♦ "O hospital é parte integrante de uma organização Médica e Social, cuja função básica, consiste
em proporcionar à população Assistência Médica Sanitária completa, tanto cura�va como

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: ana-carolina-silveira-costa (carol-silveiracosta@hotmail.com)
preven�va, sob quaisquer regime de atendimento, inclusive o domiciliar, cujos serviços externos
irradiam até o âmbito familiar, cons�tuindo-se também, em centro de educação, capacitação de
Recursos Humanos e de Pesquisas em Saúde, bem como de encaminhamento de pacientes,
cabendo-lhe supervisionar e orientar os estabelecimentos de saúde a ele vinculados
tecnicamente."

Para a OMS:

♦ “O hospital é um elemento organizador de caráter médico-social, cuja função consiste em


assegurar assistência médica completa, cura�va e preven�va a população, e cujos serviços
externos se irradiam até a célula familiar considerada em seu meio; é um centro de medicina e de
pesquisa bio-social.”

3- Hospital: funções e Importância Social

25
BA
Restaura�va: diagnós�co, tratamento, reabilitação e emergência.

25
BA Preven�va: controle de doenças infecto-contagiosas, saúde ocupacional, promoção à saúde.
25
BA
Educa�va: serve como estagio para diversas áreas.

25
BA
Pesquisa

25
BA
Gerador de Empregos: empresa complexa que emprega profissionais de varias categorias.

Então as funções hospitalares podem ser agrupadas segundo Lima Gonçalves (1983)
em:

a) Prestação de atendimento médico e complementares aos doentes em regime de internação;


b) Desenvolvimento sempre que possível de a�vidades de natureza preven�va;
c) Par�cipação em programas de natureza comunitária procurando a�ngir o contesto Sócio-
Familiar dos pacientes, incluindo aqui a educação em saúde, que abrange a divulgação dos
conceitos de promoção, proteção e prevenção da saúde.

4- Classificação dos Hospitais

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: ana-carolina-silveira-costa (carol-silveiracosta@hotmail.com)
1► Quanto à natureza assistencial:

- GERAL: des�nado a internar clientes de várias especialidades.


- ESPECIALIZADO: des�nado a internar clientes predominantemente de uma especialidade.

2► Quanto ao controle administra�vo:

- Hospitais Filantrópicos:
* 20% da renda bruta para o atendimento gratuito ás pessoas carentes.
* 60% dos seus leitos des�nados as SUS.
* Membros da diretoria sem gra�ficação.

- Hospitais Públicos:
* man�dos por verbas federais, estaduais e/ou municipais.
* Municipais: verbas do Município.
* Estaduais: verbas do Estado.
* Federais: verbas da Federação.

- Hospitais Beneficentes:
* Finalidade não lucra�va.
* Man�do por contribuições e doações par�culares.
* Membros da diretoria sem gra�ficação.

- Hospitais com Finalidades Lucra�vas:


* Empresa Privada
* Man�do por Convênios e Par�culares.
* Os serviços prestados são pagos.

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: ana-carolina-silveira-costa (carol-silveiracosta@hotmail.com)
3► Quanto a Capacidade ou Lotação:

- Hospital de Pequeno Porte: 24 a 49 leitos.


- Hospital de Médio Porte: 50 a 149 leitos.
- Hospital de Grande Porte: 150 a 500 leitos.
- Hospital de Especial ou Extra: acima de 500 leitos

5- Hospital Humanizado

Humanização
Humanizar a assistência significa agregar, à eficiência técnica e cien�fica, valores é�cos, além de
respeito e solidariedade ao ser humano.

- A Polí�ca Nacional de Humanização do Ministério da Saúde entende por humanização “a


valorização dos diferentes sujeitos implicados no processo de produção de saúde e enfa�za a
autonomia e o protagonismo desses sujeitos, a co-responsabilidade entre eles, o estabelecimento
de vínculos solidários e a par�cipação cole�va no processo de gestão.“

►Critérios para a “Humanização Hospitalar”:

- Não haver longas esperas para atendimento;


- Comunicação eficiente;
- Informações claras e rápidas;

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: ana-carolina-silveira-costa (carol-silveiracosta@hotmail.com)
- Resolu�vidade;
- Ambiente limpo e acolhedor;
- Atenção integral, não vendo apenas a doença, mas o indivíduo todo;
- Respeito entre profissionais;
- Boas condições de trabalho;
- Equipes integradas;
- Valorização do profissional;
- Educação con�nuada;
- Garan�r a par�cipação do usuário e da família no processo de recuperação;
- trabalhar a auto-es�ma.

6- Organograma Hospitalar

- Conceito: Representação gráfica de uma organização ou de um serviço, e que indica os arranjos e


as inter-relações de suas unidades cons�tu�vas, o limite das atribuições de cada uma delas
(Dicionário Aurélio)

BIBLIOGRAFIA:

- ABPp. Associação Brasileira de Psicopedagogia.


- OMS. Organização Mundial de Saúde.
- MS. Ministério da Saúde.
- Dicionário Aurélio.

Document shared on www.docsity.com


Downloaded by: ana-carolina-silveira-costa (carol-silveiracosta@hotmail.com)