Você está na página 1de 8

F429 – Física Experimental IV

Grupo 2:
Ana
José Getúlio Chuma 044297
José Matheus
Thiago Ivan Pessoa 118800

Relatório I

Introdução:

Este experimento tem por objetivo monitorar a tensão de entrada e saída em dois circuitos distintos,
para tanto foi utilizado um gerador de função ligado a um cabo BNC para excitar a entrada do
circuito com uma onda AC senoidal. A tensão de entrada e de saída foi monitorada com o
osciloscópio (canal 1 e canal 2). A montagem do circuito é apresentada na Figura 1 deste relatório.
Já o experimento com um resistor é apresentado na Figura 2.
As tensões no osciloscópio tem como referência a tensão do terra. A tensão de entrada foi medida
pelo canal 1 do osciloscópio e a de saída pelo canal 2.
Através da análise das senóides da tensão de entrada (amarelo) e a tensão de saída (azul), obtemos
os valores das tensões de pico e transformamos para tensão rms. Utilizamos a lei das malhas para
obter a relação das tensões de entrada e saída conforme variamos a resistência do resistor 2.
Plotamos as tabelas e os gráficos para analisar os resultados.

Figura 1: Circuito com dois resistores.


Figura 2: Circuito com um resistor

Circuito com dois resistores

A configuração desse circuito é um típico divisor de tensão. A partir de uma tensão Vrms (V1)
gerada por um gerador de função na entrada do circuito, temos uma tensão na saída Vrms (V2) na
saída do circuito. Essa tensão de saída muda conforme alteramos o valor da resistência R2.
Conforme observado no experimento, o sinal gerado no osciloscópio (amarelo) na entrada não varia
conforme alteramos o valor da resistência 2. Esse é o sinal do gerador de função que foi fixado
numa frequência de 100 Hz, aproximadamente, (frequência observada pelo período no
osciloscópio) gerando um valor de tensão de pico de 480mV no osciloscópio (senóide amarela).
Através da fórmula (Vrms= Vp/√ 2 ) obtemos o valor de tensão rms de entrada que é
aproximadamente 311 mV. Variando a resistência 2, obtemos o sinal de saída (azul) no
osciloscópio, e para cada vapor de resistência obtemos o valor de pico no gráfico (gráfico azul no
osciloscópio). E do mesmo modo que fizemos para a tensão de entrada, calculamos o valor da
tensão de saída Vrms2.
Assim obtemos a seguinte tabela:

Resistência
Resistência 1 Resistência 2 equivalente V1(pico)
(ohms) (ohms) (ohms) (V) V1rms (V) V2 (pico) (V) V2 rms (V)
1000 0 1000 0,480 0,3394 0,0000 0,0000
1000 150 1150 0,480 0,3394 0,0640 0,0453
1000 220 1220 0,480 0,3394 0,0900 0,0636
1000 330 1330 0,480 0,3394 0,1200 0,0849
1000 470 1470 0,480 0,3394 0,1500 0,1061
1000 1000 2000 0,480 0,3394 0,2500 0,1768
1000 2200 3200 0,480 0,3394 0,3400 0,2404
1000 4700 5700 0,480 0,3394 0,4000 0,2828
1000 10000 11000 0,480 0,3394 0,4400 0,3111
1000 47000 48000 0,480 0,3394 0,4800 0,3394
1000 100000 101000 0,480 0,3394 0,4900 0,3465
1000 1000000 1001000 0,480 0,3394 0,5000 0,3536
1000 100 1100 0,480 0,3394 0,0440 0,0311
1000 75 1075 0,480 0,3394 0,0340 0,0240
1000 50 1050 0,480 0,3394 0,0235 0,0166
Tabela 1: Valores coletados e trabalhados no experimento 1

Plotando os valores da resistência 2 no eixo x e os valores da tensão de saída V2 rms no eixo y,


obtemos o gráfico abaixo.

Gráfico 1: Tensão de saída V2rms versus resistência 2

Analisando o gráfico, observamos que ao aumentarmos os valores da resistência 2, aumentamos o


valor da tensão rms na saída.
Através da lei das malhas obtemos a seguinte equação.

V 2rms=( R2 /(R 1+ R 2)) x V 1 rms

onde, V2rms é igual a tensão de saída


V1rms é a tensão de entrada
R1 é o resistor de 1kΩ
R2 é o resistor que variamos
Analisando a equação acima, nota-se que ao aumentarmos o valor da resistência 2, a fração
( R 2/(R 1+ R 2))diminui, como o valor da tensão de entrada V1rms é fixo, o valor de saída V2rms
aumenta.
Portanto, a tensão de entrada é a tensão gerada pelo gerador de tensão que independe das
resistências.
Já a tensão de saída vai variar conforme variamos a resistência do resistor 2, pois a tensão de saída e
a resistência 1 são valores fixos.
A tensão de saída está relacionada com a tensão de saída e os resistores de acordo com a equação:
V 2rms=( R2 /(R 1+ R 2)) x V 1 rms
A explicação física para esse fenômeno é que, aumentando a resistência 2 ocorre a diminuição do
valor da corrente elétrica que passa através do circuito, isso para manter fixo o valor da tensão de
entrada. Assim, com essa diminuição da corrente elétrica ocorre o aumento de cargas elétricas antes
do resistor 2 e consequentemente ocorre o aumento da tensão de saída V2rms (potencial elétrico).

Figura 3: Análise do experimento 2 no software Multisim 14.2. (bônus) pelo grupo 2.

Circuito com um Resistor

No circuito com uma resistor variamos a resistência trocando os resistores de vários valores.
Obtemos assim os valores de tensão de pico para cada mudança de resistor, calculamos a tensão rms
e através da equação da primeira Lei de Ohm, (V=R.I), obtemos a corrente elétrica rms. Plotamos a
planilha e os gráficos logo abaixo. Como o resistor é um dispositivo que resiste a passagem de
corrente elétrica, aumentando o valor das resistências ocorre a diminuição da corrente elétrica
conforme o gráfico 2. Como a corrente elétrica diminui, para manter o valor fixo de cada resistência
, ocorre o aumento da tensão, conforme pode ser observado no gráfico 3. Já o gráfico 4, mostra a
relação entre os valores da tensão e da corrente elétrica, para cada valor, a razão entre esses valores
é a própria resistência.
Então, mudando os valores das resistências, ocorre a mudança dos valores de tensão de pico para
cada troca de resistor.
Para resistores de alta resistência, os valores de tensão de pico atinge um valor máximo limite,
conforme o gráfico 3. Portanto, está consistente com o circuito com dois resistores, já que o resistor
1(circuito com dois resistores) é um resistor de alta resistência e o valor de tensão de pico de
entrada não muda conforme mudamos o resistor 2.
Isso é explicado pela característica dos resistores de resistir a passagem de corrente elétrica.
Conforme aumentamos a resistência elétrica do resistor, para manter esse valor de resistência
constante, a corrente elétrica diminui ao mesmo tempo que o valor da tensão aumenta. Quando a
corrente elétrica tende a zero, o valor da tensão tende para o máximo.

resistor (ohms) Vpp (mV) Vp (V) Vrms (V) I rms (A)


4,7 100 0,050 0,0354 0,00752
10 190 0,095 0,0672 0,00672
22 300 0,150 0,1061 0,00482
33 400 0,200 0,1414 0,00429
50 500 0,250 0,1768 0,00354
75 600 0,300 0,2121 0,00283
100 655 0,328 0,2316 0,00232
150 750 0,375 0,2652 0,00177
220 800 0,400 0,2828 0,00129
330 860 0,430 0,3041 0,00092
470 885 0,443 0,3129 0,00067
1000 960 0,480 0,3394 0,00034
2200 980 0,490 0,3465 0,00016
4700 985 0,493 0,3483 0,00007
10000 985 0,493 0,3483 0,00003
47000 985 0,493 0,3483 0,00001
Gráfico 2: Corrente x Tensão

Gráfico 3: Tensão x Resistência


Gráfico 4: Relação entre Corrente elétrica e tensão

De acordo com a fonte tal do moodle....

Os resultados encontram-se nas figuras x,y,z do anexo

Anexos

Figura 1. Montagem experimental. Da esquerda para a direita tem-se: Gerador de função(fonte),


placa de circuitos e osciloscópio (detector).
Figura 2. Esquema dos arranjos de resistores utilizados nos circuitos. a) dois resistores e b) apenas
um resistor.

Figura 3

Figura 4

Você também pode gostar