Você está na página 1de 5

F3-Evolução

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS AMARANTE – 150149

Já foram lidas todas as letras do genoma do orangotango


Susie é uma orangotango de Samatra que vive no Jardim Zoológico Gladys Porter, em Brownsville,
no Texas. Até aqui nada de mais, só que Susie ficará na história quer da genética, quer da sua
espécie: é o primeiro orangotango a ter o genoma lido de uma ponta a outra. A sequenciação do
genoma do orangotango, levada a cabo por cientistas de 34 instituições de vários países, incluindo
dois portugueses, chegou ao fim. Sequenciar um genoma significa ler as quatro letras do alfabeto
genético ao longo da molécula de ADN, que comandam a produção das proteínas. No caso de Susie,
tratou-se de ler por completo os cerca de três mil milhões de pares de letras, um projeto da
Universidade de Washington, em Saint Louis, nos Estados Unidos, que custou 14,6 milhões de
euros. Tendo como referência a leitura do genoma deste representante dos orangotangos de
Samatra (Pongo abelii), os cientistas partiram para o estudo menos pormenorizado do genoma de
outros cinco orangotangos de Samatra e de cinco orangotangos do Bornéu (Pongo pygmaeus). As
espécies antepassadas dos orangotangos viveram por todo o Sudoeste da Ásia, mas os seus
representantes atuais limitam-se às florestas tropicais das ilhas indonésias de Samatra e do Bornéu.
De facto, eles passam 95 por cento do tempo nas árvores: é aí que comem a sua fruta, que
constroem os ninhos para dormir e quando se deslocam, geralmente muito devagar, fazem-no
através das árvores. Com o genoma dos orangotangos, poderá compreender-se melhor a árvore
evolutiva dos humanos e dos grandes símios (chimpanzés, gorilas e orangotangos), que são os

nossos parentes mais próximos.


Figura 4 – Árvore evolutiva dos humanos e dos grandes símios
1. As quatro letras do alfabeto genético — ao longo da molécula de ADN, comandam a produção
das proteínas, necessitando, para isso, de serem previamente _____.

(A) A, T, C, G ... replicadas


(B) A, T, C, G ... transcritas
(C) A, U, C, G ... replicadas
(D) A, U, C, G ... transcritas

2. A análise do genoma dos orangotangos mostrou que estes nossos parentes de pelo ruivo têm
uma _____ diversidade genética, um aspeto importante para que possam adaptar-se ao
ambiente e resistir a pressões ambientais, de onde se destaca, pela negativa, a _____.
(A) grande ... desflorestação
(B) grande ... poluição
(C) pequena ... desflorestação
(D) pequena ... poluição

3. Em termos evolutivos, o genoma do orangotango é bastante especial entre os grandes símios,


no sentido em que tem sido extraordinariamente estável nos últimos 15 milhões de anos,
quando se separaram do ramo que depois deu origem aos _____; em comparação, o genoma
de chimpanzés e humanos teve rearranjos em larga escala, o que pode ter _____ a sua
evolução.

(A) gorilas e chimpanzés ... acelerado


(B) gorilas e chimpanzés ... desacelerado
(C) gorilas, chimpanzés e humanos ... acelerado
(D) gorilas, chimpanzés e humanos ... desacelerado

4. Orangotangos e humanos (cuja sequenciação do genoma ficou concluída por completo em


2003) partilham _____ do ADN; com o genoma dos chimpanzés, lido em 2005, temos uma
semelhança de _____, o que faz deles os nossos parentes mais _____.

(A) 97% ... 99% ... afastados


(B) 97% ... 99% ... chegados
(C) 99% ... 97% ... afastados
(D) 99% ... 97% ... chegados

5. Os orangotangos de Samatra e do Bornéu tornaram-se _____ distintas há 400 mil anos,


restando atualmente, na natureza, cerca de 7500 orangotangos de Samatra e 50.000 do
Bornéu, o que leva a União Internacional para a Conservação da Natureza a classificá-los,
respetivamente, como _____ e _____ - se persistirem os fatores que os ameaçam, estima-se
que daqui a 30 anos tenham desaparecido das florestas.

(A) espécies ... “criticamente em perigo” ... “em perigo”


(B) espécies ... “em perigo” ... “criticamente em perigo”
(C) subespécies ... “criticamente em perigo” ... “em perigo”
(D) subespécies ... “em perigo” ... “criticamente em perigo”

6. Nos orangotangos, cada célula resultante da _____ possui 24 _____, sendo metade de origem
materna e metade de origem paterna

(A) meiose ... cromossomas


(B) meiose ... pares de cromossomas homólogos
(C) mitose ... cromossomas
(D) mitose ... pares de cromossomas homólogos

7. Classifica como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas à
cicatrização das feridas nos orangotangos.

(A) A meiose é o processo responsável pela formação das novas células e, portanto,
responsável pela formação do novo tecido.
(B) Durante a formação do novo tecido, algumas células da região da ferida apresentam 96
cromatídios.
(C) Nas células dos orangotangos, a parede celular rígida não permite a divisão por
estrangulamento.
(D) Durante a metáfase, não ocorre alinhamento de bivalentes (tétradas cromatídicas) no plano
equatorial.
(E) O processo regenerativo ocorre sem intervenção do RNA.
8. Apesar de evolutivamente próximos, cruzamentos entre orangotangos e gorilas ou entre
orangotangos e chimpanzés, resultariam, inevitavelmente, em descendentes estéreis, devido a
uma formação de gâmetas anormal. Explica o motivo da formação anormal de gâmetas,
responsável pela esterilidade destes híbridos, apesar de as três espécies apresentarem igual
número de pares de cromossomas homólogos.

II
Em 1977, um microbiólogo americano coloca em causa a divisão clássica dos seres vivos em 5
reinos. Através de análises de sequências de RNA ribossomal, mostra que existem grandes
diferenças entre os procariontes, propondo a divisão deste reino em dois e o agrupamento dos 6
reinos em 3 domínios da vida.
1.1. O autor da proposta acima apresentada foi…
a) Whittaker
b) Woese
c) Haeckel
d) Copeland

1.2. Os 3 domínios propostos em 1977 foram…


a) Archaea, Prokarya e Eukarya,
b) Archaea, Monera e Eukarya
c) EuKarya, Monera e Protista
d) Bacteria, Eukarya e Archaea

1.3. Na classificação o Domínio Eukarya inclui os Reinos…


a) Monera, Protista, Animalia e Plantae
b) Animalia e Plantae
c) Protista, Fungi e Plantae
d) Animalia, Plantae, Fungi e Protista

1.4. Na classificação de Whittaker de 1979, as algas castanhas estão incluídas no Reino…


a) Protista, porque seres autotróficos e multicelulares
b) Plantae, porque são seres autotróficos multicelulares
c) Plantae, porque são seres heterotróficos aquáticos
d) Protista, porque são seres multicelulares com baixo grau de diferenciação

1.5. A presença de cloroplastos num ser unicelular torna possível a sua inclusão no Reino…
a) Monera
b) Protista
c) Fungi
d) Plantae

1.6. Considerando o sistema estabelecido por Whittaker em 1979, faça corresponder cada um dos
reinos expressos na coluna A a um termo que o defina da coluna B. Escreva na folha de respostas,
apenas os números correspondentes.

Coluna A Coluna B

A. Reino Plantae 1. Eucariontes, multicelulares e produtores.


B. Reino Animalia 2. Eucariontes, produtores ou consumidores.
C. Reino Monera 3. Eucariontes, macroconsumidores, multicelulares, com elevada diferenciação.
D. Reino Protista 4. Procariontes exclusivamente.
E. Reino Fungi 5. Exclusivamente microconsumidores
2. A presença de ossos vestigiais é uma realidade anatómica em alguns vertebrados. No caso das
cobras o que se observa é que se estes forem dissecados e examinados com precisão, são
encontrados pequenos ossos parecidos com os da bacia e pernas que nem se encontram ligados à
estrutura vertebral. Alguns lagartos sem patas
carregam vestígios de patas rudimentares
dentro da pele, indetetáveis pelo lado de fora,
nos mamíferos temos como exemplo a baleia
(figura ao lado) que possui ossos da anca
(ligação fémur-bacia), sem nenhuma função,
provenientes da sua descendência de um
mamífero terrestre.

2.1. Estruturas ósseas vestigiais que perderam


a função e atrofiaram, podem ser encontradas desenvolvidas e funcionais noutras espécies. Por essa
razão são consideradas estruturas _______ pois são marcas de uma evolução _________.
a) …análogas…convergente
b) …análogas…divergente
c) …homólogas…convergente
d) …homólogas…divergente
2.2. Qual o princípio Lamarquista que explicaria os ossos da anca da baleia?
2.3. Lagartos e Cobras pertencem à Ordem Squamata por terem escamas a revestirem o corpo. Por
essa razão pode dizer-se que também pertencem ….
a) …à mesma Família
b) …a Filos diferentes
c) …a Classes diferentes
d) …à mesma Classe

III
A insulina é uma hormona, codificada por um gene, que controla os níveis de glucose no sangue,
mantendo-os numa concentração adequada ao bom funcionamento do organismo.
Quando uma mãe não produz insulina em quantidade suficiente entre duas gravidezes, desenvolve
diabetes tipo 2, e o segundo filho irá crescer num ambiente gestacional onde a concentração de
glucose no plasma ‒ glicemia ‒ é muito elevada. Segundo Guillaume Charpentier, este filho,
relativamente ao irmão mais velho, corre um risco quatro vezes maior de se tornar diabético. Aquele
autor constata ainda que, em células de crianças nascidas de mães diabéticas, se observa a adição
de um grupo químico a alguns nucleótidos dos genes implicados na regulação da produção de
insulina, o que compromete essa regulação.
Estudos recentes têm demonstrado como os fatores ambientais ‒ alimentação, consumo de drogas,
stress, poluição atmosférica e condições climáticas ‒ influenciam a expressão dos genes, gerando
mudanças nos caracteres sem que, no entanto, ocorram mutações do DNA. Essa influência
relaciona-se com o grau de ligação de certos grupos químicos ao DNA ou às histonas (proteínas à
volta das quais o DNA se enrola para formar a cromatina), podendo conduzir à inativação ou à
ativação da transcrição dos genes. Estes mecanismos de alteração da expressão do DNA podem ser
hereditários.
Atualmente, um dos objetivos dos cientistas é identificar todos os locais do DNA em que ocorrem
modificações químicas semelhantes às descritas.
Baseado em: C. Bruyère, «Épigenétique: quand notre environnement influence nos gènes»,
Science & Univers, N.º 29, agosto de 2018.
1. Os mecanismos de alteração da expressão do DNA referidos no texto consideram-se hereditários
quando resultam de
(A) ligações de certos grupos químicos aos nucleótidos do DNA de células somáticas.
(B) modificações da sequência de aminoácidos nas histonas de células que originam gâmetas.
(C) ligações de certos grupos químicos aos nucleótidos do DNA de células que originam gâmetas.
(D) modificações da sequência de aminoácidos nas histonas de células somáticas.
2. De acordo com o texto, as mudanças nos caracteres dos indivíduos
(A) surgem devido à influência de fatores ambientais.
(B) são selecionadas por influência de fatores ambientais.
(C) ocorrem na população devido a mutações génicas.
(D) resultam de alterações no processo de tradução.

3. A adição de um grupo químico a alguns nucleótidos pode conduzir ao aparecimento de doenças.


Explique de que modo o aparecimento da diabetes, nas condições descritas no texto, pode ser
interpretado à luz de uma nova abordagem lamarckista da evolução.