Você está na página 1de 23

Curso de Arquitetura e Urbanismo

Prof.: Me. Janaína Fernandes e Silva

LEVANTAMENTO TÉCNICO
E
PROJETO “AS BUILT”
 “As Built” termo em inglês que pode ser traduzido por “Como
Construído”.
 Trata-se de um projeto com representações técnicas. Ou seja, plantas,
cortes, fachadas etc., com todas as alterações e modificações
promovidas durante a construção ou reforma de um imóvel.
 O As Built é de enorme importância na área da arquitetura e da
engenharia, na gestão de edifícios residenciais, comerciais e industriais.
Não à toa, esse tema é tratado em norma técnica da ABNT (Associação
Brasileira de Normas Técnicas), no caso, a NBR 14.645:2001 – Elaboração
do “como construído” (as built) para edificações.

FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 Durante a execução das obras, novas alterações sejam realizadas,
afetando o projeto inicial. O mesmo ocorre durante a vida útil de um
edifício, quando reformas e adaptações são, invariavelmente, realizadas
pelos usuários.

 O registro completo e confiável de todas essas modificações é


imprescindível. Para que, no futuro, reformas e eventuais manutenções
possam ser realizadas sem que se comprometa a qualidade da estrutura
construída.
FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 O As Built relaciona todas as mudanças efetivadas num
empreendimento civil durante sua execução e, também, durante o seu
uso.
 Ao registrar tecnicamente e formalmente eventuais mudanças não
documentadas, ele ajuda a prevenir possíveis acidentes que podem
ocorrer em intervenções em imóveis mais antigos.
 Com o As Built também fica mais fácil averiguar se, na atual situação, a
construção está dentro das normas vigentes. Dessa forma, evitam-se
problemas legais como alvarás de funcionamento e laudo do Corpo de
Bombeiros, por exemplo.
FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 A elaboração do As Built se aplica tanto no projeto arquitetônico, quanto
nos projetos complementares, podendo ser classificado em diversos
tipos:
 As Built arquitetônico – Contempla o levantamento total da construção,
incluindo áreas internas e fachadas. Esse tipo de As Built apresenta as
dimensões e as medidas geométricas, bem como traz o detalhamento de
materiais empregados em vedações, coberturas e revestimentos.

FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 As Built elétrico – Como é de se supor, se dedica às instalações elétricas.
Esse tipo de As Built consiste no levantamento de toda a instalação
elétrica e analisa a distribuição dos circuitos, a demanda de energia,
elementos que compõem as instalações, quantidade, potência e
localização de pontos de alimentação.
 As Built hidrossanitário – Consiste na identificação dos diversos
conjuntos de instalações que fazem parte do sistema hidráulico e
hidrossanitário. Apresenta todo o posicionamento, as medidas de
tubulações e as ramificações, seja de água fria ou quente.

FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 Outras tipologias – O As Built pode ser realizado, ainda, para analisar o
sistema de comunicação de voz e dados, de prevenção de incêndio, de
climatização, entre outras disciplinas.

FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 A ABNT NBR 14.645:2005 –
Elaboração do como construído (as
built) para edificações, fixa os
procedimentos a serem adotados na
execução do As Built de uma obra. O
objetivo da norma é padronizar os
métodos e minimizar falhas neste
processo de engenharia de construção
civil.

FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 O As Built pode ser dividida em duas etapas principais:

 A primeira delas consiste no levantamento de todas as medidas e análises


dos sistemas que compõem a edificação.

 A segunda parte abarca o relato e a representação gráfica (desenhos e


plantas) das alterações analisadas em obra.

 Obs.: É importante que ele contemple o histórico de todas as revisões


realizadas.
FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 Tradicionalmente, o As Built é elaborado a partir de um levantamento
métrico detalhado de forma manual.
 Mais recentemente, contudo, passou-se a utilizar tecnologias que permitem
captar digitalmente os ambientes, resultando em maior detalhamento, maior
qualidade, precisão e, principalmente economia de recursos e tempo.
 Sondagem com ultrassom de elementos estruturais.
 Escaneamento a laser (3D).

FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 O laser scan fornece de forma rápida, precisa e detalhada os dados de cenas
digitalizadas por meio de uma nuvem de pontos 3D. Tais nuvens podem ser
utilizadas para a criação de modelos As Built 3D em BIM, por exemplo.
 Lembre-se que, mais do que oferecer uma representação tridimensional, o
BIM (Building Information Modeling) centraliza informações de toda a
edificação, possibilitando a gestão automática de dados para a manutenção e
operação.

FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
FONTE: https://www.buildin.com.br/as-built/
 Conhecendo os espaços;

 Conhecendo o mobiliário;

 Pesquisando os materiais.
 → Conheça o local do projeto.

 Anote as áreas dos ambientes;

 Leia e analise o projeto arquitetônico;

 É importante a observação de todos os elementos do ambiente como:


esquadrias (portas e janelas), pontos elétricos, hidráulicos, pilares e
vigas, entre outros.

 Use da fotografia – importante para o levantamento e também como


comparativo do antes com o depois.

 Mesmo em espaços que possuam plantas é bom conferir in loco todas


as informações referentes ao local para se verificarem alterações já
realizadas e informações que não constam na planta.
O Diagnóstico é um aspecto fundamental no processo de
levantamento de dados de um projeto e consiste em:
 Levantamento (todos os espaços, instalações, logística, tomadas e
interruptores, etc.), profundidades, alturas e larguras de peitoris,
esquadrias e caixilhos; orientação solar (qualidade e intensidade da
iluminação natural);
 Análise do espaço existente, levantamento fotográfico ou vídeo
são excelentes recursos.
A análise deve ser feita de acordo com uma lista de verificação:

 TETO;  MARCENARIA;
 PAREDES;  PORTAS;
 PISO;  JANELAS;
 ELETRICIDADE;  MOBILIÁRIO EXISTENTE;
 AQUECIMENTO;  PATOLOGIAS (Infiltrações,
 VENTILAÇÃO; estrutura, etc.)
 AR CONDICIONADO;  OUTROS.
 → Representação gráfica e Memorial descritivo:

 Plantas técnicas;

 Plantas com Layout e determinação de uso;

 Cortes;

 Fachadas;

 Patologias;

 Registro do histórico das alterações;

 Análise comparativa entre o Projeto Original da obra (quando houver) e a situação atual
levantada.

 Levantamento fotográfico, filmagens, etc. conforme necessário e possível.


O croqui é uma excelente forma de registrar o Levantamento.
 Plantas, vistas e cortes: arquitetura, layout, demolição e
construção, paginação de piso, elétrica/iluminação, gesso,
detalhamentos, etc.
 Trena de 5,00 a 8,00m;
 Trena de 50,00m;
 Trena Eletrônica*;
 Nível*;
 Prancheta de mão para suporte de papel;
 Papel sem pauta para desenho;
 Lápis ou lapiseira;
 Borracha;
 Canetas e lápis de cor*;
 Celular câmera ou máquina fotográfica digital.

*Material não obrigatório, mas que proporciona melhor qualidade do levantamento e


dados.
BIBLIOGRAFIA

GIBBS, Jenny. Design de Interiores guia útil para estudantes e profissionais. São Paulo. Editora G.
Gili, Ltda. 2013.

NAKAMURA, Juliana. As Built: O que é e para que serve? Buildin Construção & Informação.
Ago 2019. Disponível em: <https://www.buildin.com.br/as-built/> Acesso em: Fev 2020.