Você está na página 1de 6

3 – CONTABILIDADE INSTRUMENTAL PARA PERITOS

A nossa intenção é chegar aos graduados que não fazem um curso de pós na área
da pericia contábil (contábil, econômica e financeira) porque não têm tempo
disponível ou porque onde residem e trabalham este tipo de especialização não é
oferecido. Os nossos cursos pela Internet (por e-mails) propiciam (i) custos
menores, (ii) respeito ao seu nível de conhecimento e (iii) liberdade para você
escolher os melhores horários de estudo e (iv) o conforto de estudar em seu
ambiente preferido. Nada impede que você monte um grupo de estudo, todavia,
o Certificado será expedido unicamente no nome da pessoa inscrita. Não há
prazo para concluir o curso. Recomendamos concluí-lo em um ano. Mas há
participantes que preferem estudar um módulo a cada quinze dias e outros um
módulo a cada mês, segundo suas disponibilidades de tempo.

Investimento: Você pagará 10 (dez) parcelas e receberá 10 (dez)


módulos. O primeiro pagamento será de R$ 130,00. Os demais 9
(nove) pagamentos serão de R$ 100,00 por módulo. Você só pagará os
módulos que fizer e na medida em que você for progredindo no curso.
Você investirá, no total, R$ 1.030,00.

O Professor Remo Dalla Zanna orientará seus estudos. Fazendo esse curso com o
Prof. Remo você terá, principalmente, as seguintes vantagens: (a) dialogar (por e-
mail) com ele sobre as dúvidas que surgirem durante seus estudos; (b) receber
orientações pontuais sobre cada tema à medida de seu progresso; (c) esclarecer
dúvidas por e-mail que serão atendidas em até 72 (setenta e duas) horas e (d)
receber ajuda técnica para a solução de questões práticas de seu trabalho enquanto
você estiver cursando.

Caso você esteja fazendo algum trabalho pericial enquanto realiza o curso,
atenderemos aos seus pedidos de esclarecimentos e orientaremos e nada pagará por
isso. Todavia as orientações que lhe daremos corresponderão aos assuntos tratados
até o módulo que você concluiu. Ou seja, caso você tenha concluído o módulo três
e deseje orientações sobre o módulo cinco, nós lhe daremos orientações somente
até o terceiro módulo. Para receber orientações sobre o quinto, você terá que
concluir esse módulo. Em outras palavras, não é possível pular módulos e não é
possível estudar módulos alternadamente. Você os requererá na sequencia do
programa de ensino como abaixo especificado.

Você receberá uma listagem contendo a bibliografia complementar. Além do


abundante material que lhe será enviado. Seu estudo será apoiado pelas nossas
recomendações.

Avaliações: (1) Avaliações Dinâmicas, ou seja, para passar do 1º para o 2º tema


há que responder algumas perguntas. Você enviará as respostas ao nosso e-mail.
Serão analisadas e haverá recomendação para avançar. Caso seja necessário
recomendaremos rever alguma parte ainda não bem absorvida por você. E assim
sucessivamente. (2) Você perguntará e o que for perguntado comporá sua
Página 1 de 6
avaliação. Todas as perguntas que você fizer serão respondidas e, caso seja de seu
interesse, teremos um debate através da troca de e-mails ou pelo Skype. (3) Para
conclusão de seu curso você fará uma prova final com 10 questões e 5 alternativas
cada. Cada questão valerá um ponto. A correção das perguntas, a discussão dos
temas e os esclarecimentos de itens dúbios (até o tema que você estudou), a prova
final e o certificado de aproveitamento são gratuitos.

Não é possível estudar capítulos alternadamente. Você os requererá na sequencia


do programa de ensino como abaixo especificado.

Veja o que estudaremos em cada tema:

01. VALOR CONTÁBIL DA EMPRESA


01.1. Conceito de Valor Contábil da Empresa
01.2. Conceitos de: (i) Patrimônio e (ii) Patrimônio Líquido
01.3. A Contabilidade como única fonte legal e tecnicamente confiável para conhecer o Valor
Contábil da Empresa.
01.4. Critérios Contábeis usados para avaliar direitos, bens e obrigações.
01.4.1. Contas do Ativo (Ativo Circulante e Ativo Não Circulante)
04.4.2. Contas do Passivo (Passivo Circulante e Passivo Não Circulante)
04.4.3. Contas do Patrimônio Líquido (Passivo Não Exigível)
01.5. Conceito e Exemplos de ajustes contábeis.
01.5.1. Conceito de Ajuste Contábil
01.5.2. Alguns exemplos de situações que requerem a aplicação de ajustes contábeis.
01.6. Identificação, Fundamentação e Registro dos Ajustes.
01.7. Exemplo de Balanço Patrimonial e ajustes para conhecer o valor do Patrimônio Líquido
Ajustado.

02. AVALIAÇÃO DE ATIVOS INTANGÍVEIS


02.1. Conceito de bens intangíveis
02.2. Bens Intangíveis normalmente contabilizados no grupo do Ativo Não Circulante
02.3. Bens Intangíveis e o Perito Judicial
02.4. O valor de uma marca
02.5. Como avaliar Ativo Intangível
02.5.1. A respeito de Marcas, Patentes e Direitos Autorais.
02.5.2. Sobre a ausência de critérios pré-estabelecidos para avaliar bens intangíveis.
02.5.2.1. Regra geral para avaliar o conjunto de bens intangíveis.
02.6. Como avaliar “luvas” ou “ponto comercial”.

03. COMO CALCULAR O FUNDO DE COMÉRCIO


03.1. Fundo de Comércio
03.1.1. Conceitos de Fundo de Comércio.
03.1.2. Explicitação do que o Fundo de Comércio representa.
03.1.3. Contabilização do Fundo de Comércio
03.1.3. Dificuldades para conhecer o valor do Fundo de Comércio e juros compensatórios.
03.2. Conceitos, Critérios e alguns Cálculos de Avaliação de Fundo de Comércio.
03.2.1. Outros exemplos de cálculo do valor do Fundo de Comércio.
03.2.2. O valor do Fundo de Comércio de uma sociedade anônima de capital aberto.
03.2.3. O valor do Fundo de Comércio de empresas limitadas, empresas de pequeno porte e
microempresas como farmácias, padarias, postos de gasolina, mercadinhos,
pizzarias etc.
03.3. O Lucro como elemento determinante para avaliar o Fundo de Comércio da empresa.

Página 2 de 6
04. AVALIAÇÃO DE EMPRESAS PARA FINS JUDICIAIS
04.1. Introdução.
04.2. A figura do Perito Contador Avaliador.
04.2.1. No campo extrajudicial
04.2.2. No campo judicial.
04.3. Conceito de Valor Monetário.
04.4. Como conhecer o Valor de Mercado da Empresa.
04.4.1. O valor de mercado de companhias abertas
04.4.2. O valor de mercado de companhias fechadas
04.4.3. O valor de mercado de empresas limitadas
04.5. Fontes de Informação para o Trabalho Pericial.
04.6. Demonstrações Contábeis Especiais
04.6.1. Balanço Especial
04.6.2. Balanço de Determinação
04.7. A questão dos AJUSTES necessários para apurar o Balanço de Determinação.
04.8. Os cuidados do Perito Judicial com as Fraudes Perpetradas na Elaboração do Balancete de
Verificação ou do Balanço Especial.
04.9. Três Formas usadas para Avaliar uma Empresa.
04.9.1. Sistema Americano EBIT (Erning before interest and taxes) = Resultado (lucro)
Antes de Juros e Impostos.
04.9.2. Sistema de Capitalização de Resultados (lucros) Líquidos Futuros.
04.9.3. Sistema dos Resultados (lucros) Líquidos Passados mais Publicidade.
04.10. Exemplo de Laudo em caso de avaliação da empresa para fins judiciais com cálculo do
Fundo de Comércio.

05. AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEM CONTABILIDADE ou com CONTABILIDADE


LACUNOSA
05.1. Ausência Total de Contabilidade Societária
05.2. Uso da Contabilidade Fiscal, de Informações Trabalhistas e outras para Avaliar a Empresa.
05.2.1 - O Livro de Movimentação Financeira é diferente do LIVRO CAIXA.
05.3. Balanço de Abertura aplicável à avaliação de empresas sem contabilidade
05.4. A Escrituração Contábil revela apenas Parte das Operações da Empresa
05.5. Exemplo de Laudo Pericial Contábil elaborado sem o uso da contabilidade societária.
05.6. Exemplo de Laudo Pericial Contábil que, em face à ausência de contabilidade societária,
foi elaborado usando outras fontes de informação.
05.7. Exemplo de Laudo Pericial Contábil elaborado em face à Escrituração Contábil Lacunosa.

06. APURAÇÃO DE HAVERES


06.1. Fundamentos Legais da Apuração de Haveres.
06.2. Conceito de Apuração de Haveres.
06.3. O Balanço de Determinação na Apuração de Haveres
06.4. Os Haveres dos sócios com base no Balanço Especial e no Balanço de Determinação
06.5. A Apuração de Haveres, Balanço de Determinação e o Caixa Dois
06.6. A Investigação Contábil e Caixa Dois
06.7. Exemplo de Laudo Pericial Contábil em caso de Apuração de Haveres e respectivo Balanço
de Determinação.
06.8. Outro exemplo de Laudo Pericial Contábil em caso de Apuração de Haveres e críticas
apresentadas pelo Perito Contador Assistente.

07. AVALIAÇÃO de PERDAS, DANOS EMERGENTES e LUCROS CESSANTES


07.1. Perdas e Danos Emergentes
07.1.1. Conceito de perdas e danos emergentes
07.1.2. Indenização por perdas e danos emergentes

Página 3 de 6
07.1.3. Conceito de danos morais ou à imagem
07.1.4. Indenização por danos morais
07.2. Lucros Cessantes
07.2.1. Conceito de lucros cessantes
07.2.2. Indenização de lucros cessantes
07.2.3. Exemplos de cálculos feitos para avaliar os lucros cessantes
07.3. Indenização de Lucros Cessantes pela Lei Ferrari
07.3.1. Conceito, critérios e legislação.
07.4. Indenização em casos de expropriação a bem do serviço público.
07.5. Resumo.
07.6. Exemplo de laudo contendo Perdas, Danos Emergentes e Lucros Cessantes.

08. RECUPERAÇÃO de EMPRESAS e FALÊNCIA


08.1. Pontos de interesse pericial na Nova Lei de Falências ou Lei de Recuperação de Empresas.
Lei nº 11.101, de 09/02/2005.
08.2. Livros e Documentos Contábeis e Econômicos.
08.3. Atuação do Perito Contador em casos de Recuperação Extrajudicial.
08.4. Atuação do Perito em casos de Recuperação Judicial.
08.4.1. Tratamento diferenciado para as empresas enquadradas como micro e de pequeno
porte.
08.5. Atuação do Perito em casos de Falência.
08.6. Atuação do Perito Contador como Auxiliar do Administrador Judicial.
08.6.1. Contabilização dos Atos da Administração Judicial
08.6.2. Crimes Falimentares
08.7. Estrutura do Laudo Pericial Contábil em casos de Falência e Recuperação Extra ou
Judicial.
08.7.1. Requisitos extrínsecos
08.7.2. Requisitos intrínsecos
08.7.3. Juntada de Anexos e de Apêndices
08.7.4. Índice ou pró-memória de Temas para o Laudo
08.7.5. Perguntas que o Perito Judicial deve se fazer para Bem Conduzir seu Trabalho.
08.8. Simulação de Laudo em Casos de Pedidos de Recuperação Judicial de Empresas.
Recuperação Judicial Convertida em Falência.

09. AS FRAUDES E A CONTABILIDADE


09.1. Fraudes e Erros
09.1.1. Conceitos de fraude e erro.
09.1.1.1. Vítimas mais comuns de fraudes
09.1.1.2. O erro contábil
09.1.2. As fraudes e o contador.
09.1.2. Fraudes e escrituração contábil.
09.1.4. As fraudes administrativas segundo a visão do investigador.
09.2. Incongruências contábeis
09.2.1. A omissão de receita
09.2.2. Conceitos populares de “receita real” ou “faturamento real”, “lucro real” e
“caixa2”.
09.2.3. A real possibilidade de o perito conhecer as receitas registradas no “caixa 2” ou
“não contabilizadas”.
09.3. As fontes de prova em contabilidade
09.3.1. Conceitos a respeito da Verdade Contábil Revelada (ou não) pelas fontes de prova
pesquisadas
09.4. Indícios de fraudes cometidas pelos administradores e seus colaboradores
09.4.1. Fraudes Corporativas
09.5. Fraudes com a ajuda da informática
09.6. Fraudes em documentos.
Página 4 de 6
09.7. A importância da perícia contábil na detecção de fraudes administrativas.
09.8. Exemplo de laudo que trata de fraude contra marca registrada
09.9. Exemplo de laudo que trata de fraude em livros contábeis

10. INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE INVESTIMENTOS


10.1. Conceito de Valor Econômico de Empreendimentos
10.2. Orçamento de Capital
10.3. Importância das Decisões de Orçamento de Capital
10.4. Fases do Processo de Orçamento de Capital
10.5. Quando são usadas as técnicas de Orçamento de Capital ou Análise de Investimentos?
10.6. Classificação dos Investimentos ou Tipos de Projetos
10.7. O que se entende por Fluxo de Caixa?
10.7.1. Fluxo de Caixa Convencional
10.7.2. Fluxo de Caixa Não Convencional
10.7.3. O que deve ser considerado no Fluxo de Caixa?
10.7.4. O Capital de Giro e o Fluxo de Caixa.
10.8. Métodos utilizados para avaliar investimentos de empresa usando o Fluxo de Caixa como
parâmetro
(A) Métodos que não levam em consideração a remuneração básica do capital, ou seja,
não levam em consideração juros:
(I) - Método do Período de Recuperação do Capital ou “Payback”,
(II) - Método da Taxa Média de Retorno
(B) Métodos que levam em consideração juros como variável fundamental para a tomada
de decisões de investimento, ou seja, o Fluxo de Caixa Descontado.
(III) - Valor Presente Líquido - VPL ou Valor Atual Líquido,
(IV) - Índice de Rentabilidade
(V) - Taxa Interna de Retorno (TIR).
10.9. Roteiro básico para examinar o Valor Atual ou a Taxa Interna de Retorno -TIR - de um
projeto.
10.10. Valor perpétuo de uma empresa.
10.11. Exemplos de estudo de viabilidade de projetos de investimento.
10.11.1. Primeiro exemplo
10.11.2. Segundo exemplo
10.11.3. Terceiro exemplo
10.11.4. Um exemplo mais trabalhado

Certificado de aproveitamento:

Para receber o certificado você atingirá, no mínimo, a média de 7 (sete). As (i)


avaliações dinâmicas corresponderão a 60% da nota e a (ii) prova final valerá
40%. Para seu sucesso você será orientado, durante a progressão do curso, módulo
por módulo e atingirá a média necessária. No final o seu Certificado será emitido
pela firma RDZ FORMAÇÃO DE PERITOS LTDA. e será assinado pelo
Professor Remo Dalla Zanna (MS).

Deposite o valor correspondente na conta corrente da RDZ – Formação de Peritos


Ltda. como segue :

Banco 001 – Banco do Brasil S/A


Agência : 2935-1
Conta Corrente : 22529-0
Página 5 de 6
Em nome de RDZ – FORMAÇÃO DE PERITOS LTDA.
CNPJ nº 15.251.173/0001-50

Em seguida comunique o depósito feito para contatos@rdzpericias.com.br

No final, para obter seu Certificado de Aproveitamento mande-nos, pelo correio,


no endereço: Rua Santa Catarina, 418 - Parque São Jorge - SÃO PAULO - SP
- CEP 03086-025; os seguintes documentos:
a) Cópia da cédula de identidade,
b) Cópia de comprovante de endereço residencial,
c) Cópia da inscrição no órgão de classe,
d) Cópia do Certificado ou Diploma de conclusão de curso superior.

Página 6 de 6

Você também pode gostar