Você está na página 1de 143

MINISTÉRIO DA DEFESA

COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR

GUIA DA NASCENTE

DOUTRINA MILITAR
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA

DOUTRINA MILITAR

GUIA DA NASCENTE DO PODER AÉREO

2019
CONTEÚDO DO GUIA DA NASCENTE 2019

1) MANUAL DO ALUNO 2019

2) PROGRAMA DE FORMAÇÃO MILITAR DO CURSO


PREPARATÓRIO DE CADETES DO AR (PFM-CPCAR)

3) PROGRAMA DE FORMAÇÃO E FORTALECIMENTO DO CORPO


DE ALUNOS DO CPCAR (PFV-CA)

4) NPA 012/CA/18 – SERVIÇOS DE ESCALA DOS ALUNOS DO


CPCAR

5) NPA 001/CA/18 – CANCIONEIRO DO CORPO DE ALUNOS

6) NPA 11/CA/18 – PARADA DIÁRIA DO CORPO DE ALUNOS

7) ORDEM EM VIGOR Nº 06/2018 – COMANDAMENTO DE OMBRO-


ARMA PARA GRUPAMENTOS DESARMADOS

8) NPA 26/CA/18 - HORÁRIO DIFERENCIADO DE TREINAMENTO


PARA A NAE

9) NPA 10/CA/18 - NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO


DE RELAÇÕES PÚBLICAS DO CORPO DE ALUNOS

10) LIMITES DA ÁREA DO CA


COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR

DOUTRINA

MANUAL DO ALUNO

CURSO PREPARATÓRIO DE CADETES

DO AR

2019
PREFÁCIO

O Manual do Aluno do Curso Preparatório de Cadetes do Ar é um conjunto de


atribuições, orientações e responsabilidades inerentes ao Aluno da Escola Preparatória de
Cadetes do Ar (EPCAR) e de caráter obrigatório. Ele foi desenvolvido para orientar a rotina e
as atividades acadêmicas no âmbito desta Organização de Ensino.

Estas normatizações devem ser do conhecimento de todos os Alunos. Sendo assim, o


seu estudo é obrigatório e a sua consulta deverá ser rotineira, de forma a contribuir com a
manutenção de um ambiente acadêmico alicerçado na hierarquia e na disciplina.

O conteúdo deste Manual não se esgota em si mesmo, já que as leis, regulamentos e


demais normas orientadoras de vida militar deverão ser também considerados na rotina diária
do Aluno. Cabe salientar, ainda, que as orientações aqui vigentes, em nenhuma situação,
poderão sobrepujar o que está doutrinariamente normatizado nas legislações da Força Aérea
Brasileira (FAB).
LISTA de SIGLAS e ABREVIATURAS

COMAER – Comando da Aeronáutica


DEPENS – Departamento de Ensino da Aeronáutica
EPCAR – Escola Preparatória de Cadetes do Ar
CPCAR – Curso Preparatório de Cadetes do Ar
FAB – Força Aérea Brasileira
OM – Organização Militar
CNJ – Conselho Nacional de Justiça
FOBS – Ficha de Observação
CA – Corpo de Alunos
OPCA – Oficial de Permanência ao Corpo de Alunos
NPA – Norma Padrão de Ação
ICA – Instrução do Comando da Aeronáutica
DE – Divisão de Ensino
EXEC – Exercício de Campanha
RCONT – Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar
RUMAER – Regulamento de Uniformes para os Militares da Aeronáutica
SAEPCAR – Sociedade Acadêmica da EPCAR
AOPCA – Adjunto ao Oficial de Permanência ao Corpo de Alunos
GAP-BQ – Grupamento de Apoio de Barbacena
FATD – Ficha de Apuração de Transgressões Disciplinares
RCA – Regulamento do Comando da Aeronáutica
RADA – Regulamento de Administração da Aeronáutica
SILOMS – Sistema Integrado de Logística de Material e de Serviço
SDO – Seção de Doutrina do Corpo de Alunos
SOD – Seção de Odontologia
RUMAER – Regulamento de Uniformes para os Militares da Aeronáutica
SIM – Seção de Instrução Militar do Corpo de Alunos
SEF – Seção de Educação Física
EPC – Seção de Planejamento da Divisão de Ensino
TFPM – Treinamento Físico Profissional Militar
NAE – Naval - Aeronáutica - Exército
TACF – Teste de Avaliação do Condicionamento Físico
ES-BQ – Esquadrão de Saúde de Barbacena
SAME – Subdivisão de Arquivo Médico e Estatística
PTO – Prioridade de Tratamento Odontológico
LNC – Licenciamento Não Concedido
ADHPD – Apresentação em Data e Horário Pré-determinado
RDAER – Regulamento Disciplinar da Aeronáutica
RMA – Regulamento do Ministério da Aeronáutica
SUMÁRIO

1. CÓDIGO DE HONRA E LEMA DO ALUNO DA EPCAR.........................................................................


2. VALORES FUNDAMENTAIS.....................................................................................................................
3. VALORES DA FAB.....................................................................................................................................
4. CARACTERÍSTICAS DO ALUNO DO CPCAR........................................................................................
5. MISSÃO DO CORPO DE ALUNOS...........................................................................................................
6. CONSIDERAÇÕES INICIAIS.....................................................................................................................
7. NORMAS DE CONDUTA DO ALUNO DA EPCAR..................................................................................
7.1 BULLYING E AS DIVERSAS FORMAS DE ASSÉDIO......................................................................
7.2 CONDUTA NO INTERIOR DA EPCAR.............................................................................................
7.3 ORGANIZAÇÃO PESSOAL E ZELO COM SEUS PERTENCES......................................................
7.4 USO DE DISPOSITIVO MÓVEL........................................................................................................
7.5 TRATAMENTO COM OS SUPERIORES HIERÁRQUICOS.............................................................
7.6 INGRESSO EM LOCAIS FECHADOS...............................................................................................
7.7 TRATAMENTO COM PROFESSORES CIVIS...................................................................................
7.8 TRATAMENTO COM MAIS MODERNOS NA FUNÇÃO DE INSTRUTOR...................................
7.9 PROCEDIMENTO PARA O FORA DE FORMA................................................................................
8. TRÂNSITO E ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DA EPCAR.....................................................................
8.1 LOCAIS DE ACESSO PROIBIDO PARA OS ALUNOS.....................................................................
8.2 LOCAIS COM ACESSO RESTRITO..................................................................................................
8.3 SAEPCAR............................................................................................................................................
9. PROCEDIMENTOS GERAIS SOBRE LICENCIAMENTOS, SAÍDAS EXTRAORDINÁRIAS,
FÉRIAS E RECESSO ESCOLAR..................................................................................................................
9.1 PLANO DE LICENCIAMENTO.........................................................................................................
9.2 RETORNO DO LICENCIAMENTO....................................................................................................
9.3 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS PARA OS ALUNOS MENORES DE IDADE...........................
9.4 SAÍDAS EXTRAORDINÁRIAS.........................................................................................................
9.5 RETORNO DE RECESSO ESCOLAR/ FÉRIAS................................................................................
9.6 ORIENTAÇÕES PARA FÉRIAS OU RECESSO ESCOLAR NO EXTERIOR...................................
10. ATENDIMENTO MÉDICO-HOSPITALAR EMERGENCIAL NO ÂMBITO EXTERNO À
EPCAR...........................................................................................................................................................
11. PROCEDIMENTOS A SEREM SEGUIDOS EM ATIVIDADES PROGRAMADAS.............................
12. COMPORTAMENTO NO REFEITÓRIO................................................................................................
12.1 INGRESSO E CONTROLE DE PRESENÇA NO RANCHO............................................................
13. PROCEDIMENTOS NOS ALOJAMENTOS...........................................................................................
13.1 QUANTO AO ACESSO AO ALOJAMENTO FEMININO...............................................................
14. QUANTO AO ACESSO AOS CLUBES..................................................................................................
15. UNIFORMES USADOS PELOS ALUNOS DO CPCAR........................................................................
15.1 REGRAS PARA RECEBIMENTO OU DEVOLUÇÃO DE UNIFORMES.......................................
15.2 UNIFORMES.....................................................................................................................................
15.3 USO DE TRAJES CIVIS....................................................................................................................
15.4. UNIFORMES EVENTUAIS.............................................................................................................
16. CORTE DE CABELO..............................................................................................................................
17. USO DE MAQUIAGEM E UNHAS PELAS ALUNAS..........................................................................
18. USO DE ACESSÓRIOS E ROUPAS ÍNTIMAS......................................................................................
19. DISTINTIVOS E INSÍGNIAS.................................................................................................................
19.1 DISTINTIVOS DE CURSO DO ALUNO DA EPCAR......................................................................
19.2 INSÍGNIAS DESIGNATIVAS DE SÉRIE OU PERÍODO ESCOLAR..............................................
19.4 DISTINTIVOS ..................................................................................................................................
19.5 NORMAS PERTINENTES À EQUIPE DE SERVIÇO......................................................................
20. PRÁTICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA ......................................................................................................
20.1 PISCINA OLÍMPICA.........................................................................................................................
20.2 QUADRAS DO GINÁSIO CHARLES ASTOR.................................................................................
20.3. DOJÔ.................................................................................................................................................
20.4. ESTÁDIO OLÍMPICO......................................................................................................................
20.5 SALAS DE MUSCULAÇÃO.............................................................................................................
21. PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS........................................................................................................
21.1 CONSULTA MÉDICA.......................................................................................................................
21.2 CONSULTA ODONTOLÓGICA........................................................................................................
21.3 PROCEDIMENTOS QUANDO DA OCORRÊNCIA DE SÁBADOS LETIVOS.............................
21.4 UTILIZAÇÃO DA BARBEARIA......................................................................................................
21.5 UTILIZAÇÃO DA LAVANDERIA ...................................................................................................
22. RELACIONAMENTO AFETIVO DENTRO DA EPCAR.......................................................................
23. VISITAS AOS ALUNOS..........................................................................................................................
24. RECEBIMENTO DE ENCOMENDAS...................................................................................................
25. OCORRÊNCIA POLICIAL......................................................................................................................
26. SECRETARIA DO CORPO DE ALUNOS..............................................................................................
27.MEDIDAS DOUTRINÁRIAS..................................................................................................................
27.1 LICENCIAMENTO NÃO CONCEDIDO (LNC)...............................................................................
27.2 APRESENTAÇÃO EM DATA E HORÁRIO PRÉ-DETERMINADOS (ADHPD)............................
27.3 MEDIDAS DISCIPLINADORAS PREVISTAS PELO RDAER.......................................................
27.4 TRANSGRESSÃO DISCIPLINAR....................................................................................................
28. ALUNO EM PROCESSO DE DESLIGAMENTO...................................................................................
29. DISPOSIÇÕES FINAIS...........................................................................................................................
30. ANEXO A.................................................................................................................................................
MANUAL DO ALUNO 2019 8

1. CÓDIGO DE HONRA E LEMA DO ALUNO DA EPCAR

O Código de Honra do Aluno da EPCAR é o conjunto de princípios éticos que nortearão


a conduta do Aluno da EPCAR, representando seu comprometimento com a Instituição que
representa: “Nós nos comprometemos com a Verdade, com a Honestidade e com a Justiça,
bem como repudiamos entre nós atitudes contrárias a essas”.
O juramento a esse código marca o compromisso do jovem militar com a Escola e,
principalmente, com toda sociedade brasileira. Sendo assim, o seu cumprimento passa a ser
um dever com a Pátria, pois a palavra e atitude de um militar são fundamentais para o
reconhecimento do profissional das armas.
Em estreita ligação com o Código de Honra da EPCAR, o Programa de Fortalecimento e
Formação de Valores da EPCAR prevê o Lema dos Alunos da EPCAR: “O Aluno não rouba,
não cola e não mente”. Atitudes que descumpram o preconizado neste Lema serão
consideradas transgressões disciplinares ou agravante de faltas cometidas.
Entende-se por roubo a subtração intencional de pertences de terceiros, sem autorização
ou indenização. Dentro desse contexto, o furto se apresenta com a mesma característica, qual
seja: subtrair para si ou para outrem coisa alheia. Coisa achada deve ser devolvida ao seu
dono, para não ser caracterizado o ato como furto.
Entende-se por cola todo e qualquer recurso ilícito utilizado na realização de uma
verificação de aprendizagem (teste, prova, etc), ou seja, qualquer auxílio que não seja oriundo
exclusivamente da aplicação do Aluno nos estudos.
Por fim, entende-se por mentira o ato de usar de ambiguidades e meias-verdades que
distorçam ou deturpem a realidade. Mentir é fazer uma afirmação intencionalmente destinada
a deturpar uma interpretação ou conduzi-la à falsidade.

2. VALORES FUNDAMENTAIS

Os valores fundamentais estabelecidos pela EPCAR são:

Dignidade acima de tudo;


Servir por ideal; e
Aprender para liderar.

Tais valores fundamentais estão pormenorizados no Programa de Fortalecimento e


Formação de Valores da EPCAR.

3. VALORES DA FAB

Os valores estabelecidos pela FAB são:

Disciplina;
Patriotismo;
Integridade;
Comprometimento; e
Profissionalismo.

4. CARACTERÍSTICAS DO ALUNO DO CPCAR

A formação do Oficial Aviador inicia-se na EPCAR e deve ser progressiva e continuada.


Sendo assim, para que a formação do líder possa ser sólida, as seguintes características serão
desenvolvidas no Aluno do Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR): lealdade;
MANUAL DO ALUNO 2019 9

comprometimento; disciplina; ética; iniciativa; dedicação; coragem; tenacidade; capacidade e


consciência para assumir riscos; integridade; independência; prática da escuta ativa;
criatividade; patriotismo; confiabilidade; flexibilidade; adaptabilidade; motivação;
conhecimento e domínio do seu trabalho; saber discordar ou apresentar opiniões contrárias de
maneira respeitosa; servir de exemplo positivo aos pares e subordinados; preocupar-se em dar
feedback ao chefe e mantê-lo informado e ter a nobreza de colocar o grupo, a instituição e o
cumprimento das tarefas acima dos seus interesses pessoais.

5. MISSÃO DO CORPO DE ALUNOS

“Preparar intelectual, física e doutrinariamente os Alunos da Escola Preparatória de


Cadetes do Ar para o ingresso na Academia da Força Aérea”.

6. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Para efeitos deste manual, o termo Aluno será utilizado para identificar ambos os sexos
dos militares matriculados no CPCAR. Quando for necessário fazer a distinção entre os sexos,
serão empregados os seguintes termos: alunos do sexo masculino e alunas.

7. NORMAS DE CONDUTA DO ALUNO DA EPCAR

Além do Código de Honra, Lema dos Alunos da EPCAR e dos Valores Fundamentais
estabelecidos pela EPCAR, a conduta militar, moral e social do Aluno da EPCAR deve ser
pautada no estrito cumprimento dos preceitos éticos estabelecidos pela Lei nº 6.880, de 9 de
dezembro de 1980, o Estatuto dos Militares.
Outrossim, é responsabilidade do Aluno conhecer os regulamentos e observar os
preceitos e as normas neles contidos, além de atentar para as instruções de seus Comandantes,
Instrutores e Professores. Quaisquer dúvidas quanto à interpretação das normas de conduta
deverão ser esclarecidas junto ao Comando do respectivo Esquadrão ou à Seção de Doutrina
do Corpo de Alunos, de modo a evitar a prática de procedimentos incompatíveis com o
preconizado.
O Aluno deverá seguir sempre a Cadeia de Comando para o tratamento dos seus
assuntos acadêmicos, exceção feita aos processos normatizados em legislação específica.
O Aluno deverá demonstrar as regras da boa educação e abster-se de usar gírias e
palavras de baixo calão.
O Aluno somente pode sentar-se em local destinado para este fim.

7.1 BULLYING E AS DIVERSAS FORMAS DE ASSÉDIO

Não é permitido que o Aluno do CPCAR pratique atos ou comentários que possam ser
interpretados como bullying ou assédio.
De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o termo bullying é utilizado para
qualificar comportamentos agressivos no âmbito escolar, praticados tanto por meninos quanto
por meninas, de forma intencional e repetitiva.
O Aluno com precedência hierárquica que observar comportamentos inadequados de
mais modernos deverá comunicar o fato através de Ficha de Observação (FOBS). A apuração
de transgressão disciplinar e a aplicação de medidas corretivas é competência exclusiva do
Comando do Corpo de Alunos (CA). Sendo assim, se não houver autorização, orientação e
supervisão de Oficial do CA, é proibido que o Aluno mais antigo peça qualquer tipo de tarefa
com o objetivo de disciplinar outro militar.
MANUAL DO ALUNO 2019 10

Quando um Aluno supor que está sofrendo algum tipo de bullying ou assédio, deve
levar o fato ao conhecimento do Oficial de Permanência ao Corpo de Alunos (OPCA) ou ao
Comando do Esquadrão. Além disso, sempre que possível, deve apresentar testemunha dessa
situação.

7.2 CONDUTA NO INTERIOR DA EPCAR

Os Alunos maiores de idade somente poderão fumar sob a aeronave T-6, no Pátio da
Bandeira, sendo responsáveis pela manutenção da limpeza do local. Destaca-se que o CA
desaconselha a prática do fumo.
É proibido o consumo e o armazenamento de bebidas alcoólicas, o uso e o
armazenamento de qualquer tipo de substância (ilícita) não aprovada para o consumo pelas
agências reguladoras do país.
Além disso, é proibido o uso e o armazenamento de medicamentos e/ou suplementos
alimentares que não estejam devidamente prescritos e homologados. Para regularizar o uso de
suplementos alimentares o Aluno deverá trazer a demanda ao médico do CA, que o
encaminhará ao nutricionista para a prescrição. Após obtida a prescrição, o Aluno deverá
retornar ao médico do CA que solicitará exames laboratoriais, a fim de ratificar ou não a
prescrição. Caso seja ratificada a prescrição, será emitida uma autorização de uso com
validade de 30 dias, devendo o Aluno se antecipar nas solicitações futuras de renovação, a fim
de sempre portar autorizações válidas.
É proibido ao Aluno o uso de óculos escuros em ambientes internos e quando em forma,
exceto em caso de prescrição médica.
O Aluno deverá, em qualquer ocasião, portar-se convenientemente, ser pontual,
apresentar-se com o uniforme limpo e bem passado e com o padrão de barba e cabelo
previstos.
Todos os Alunos, ao entoarem canções durante os deslocamentos, devem observar as
orientações previstas na NPA nº 001/CA/2018 (Cancioneiro do Corpo de Alunos), que aborda
o tema Cânticos, Hinos e Canções Militares.
Quando em forma, o Aluno mantém seus pertences (material escolar ou desportivo) na
mão direita.
Sempre que houver militares mais antigos em forma ou realizando atividades militares,
os Alunos mais modernos deverão agilizar seus deslocamentos e evitar a utilização dessas
áreas.
É proibido o porte e a manipulação de qualquer tipo de armamento e/ou munição. Não
obstante, quando devidamente supervisionados, é autorizada a manipulação de armamentos
em desfiles, Exercícios de Campanha e na instrução de Armamento, Munição e Tiro.
O Aluno obedecerá, rigorosamente, o horário de alvorada e silêncio. Após o horário de
alvorada o Aluno deverá levantar-se de sua cama, não sendo autorizado permanecer na mesma
deitado, mesmo que acordado.
É proibido manter aparelhos eletrônicos com volume alto dentro dos alojamentos e
escutar músicas em que sejam proferidas palavras de baixo calão e/ou que façam apologia a
qualquer ato contrário aos bons costumes praticados na caserna.
É proibido transitar, após o pôr do sol, na área do Estádio, no lago, no bosque ou outros
locais ermos, exceto quando em instrução programada ou quando devidamente autorizado
pelo Comando do CA (por exemplo: uso do Ginásio para atividades dos Clubes).
Todo Aluno deve contribuir para a limpeza da EPCAR, abstendo-se de jogar lixo no
chão e sempre utilizando os coletores existentes para esse fim. Além disso, ele deve usar
adequadamente os bebedouros e banheiros que lhe são disponibilizados e zelar sempre por sua
conservação e limpeza.
MANUAL DO ALUNO 2019 11

7.3 ORGANIZAÇÃO PESSOAL E ZELO COM SEUS PERTENCES

O armário e o escaninho devem estar sempre limpos e organizados. Além disso, é


proibido que alimentos perecíveis sejam guardados fora de recipiente hermeticamente
fechado.
É responsabilidade do Aluno conservar os bens e instalações colocados à sua
disposição, como armário, cama, criado-mudo, roupa de cama, paredes, pias, portas, janelas,
dentre outros, e usá-los de forma correta. Todos os danos causados deverão ser reparados ou
ressarcidos, conforme o caso.
Em relação ao uso de malas, somente está autorizado o uso de 01 (uma) mala por Aluno
fora dos armários, desde que a mesma seja da cor preta (são permitidos detalhes de outras
cores) e dimensões máximas de 0,9x0,5x0,4m (Altura x Largura x Profundidade). A mala
deverá ser acomodada sobre o armário, sem ultrapassar os limites do mesmo, na posição
deitada. Quando for possível e, mediante autorização do Comando do Esquadrão, a mala
poderá ser acomodada em quarto ou sala separada para este fim (maleiro). Alunos que
necessitarem guardar pertences além do especificado acima, deverão levar o assunto,
individualmente, ao respectivo Comando.
É proibido deixar fora do armário quaisquer itens pessoais, como vetiladores, por
exemplo, exceto a mala descrita acima ou outros pertences autorizados pelo Comando
Esquadrão. Ressalta-se o zelo que o Aluno deve ter com os equipamentos eletrônicos, como
aparelhos de telefone celular, smartphones, tablets e laptops, ou quaisquer outros aparelhos de
propriedade do Aluno. A conexão destes aparelhos à rede de energia elétrica para
carregamento das baterias somente estará autorizada nos horários em que o Aluno esteja
presente no alojamento.

7.4 USO DE DISPOSITIVO MÓVEL

Entende-se por dispositivo móvel os equipamentos eletrônicos portáteis dotados de


capacidade computacional e de armazenamento, entre os quais se incluem, não se limitando a
estes: notebooks, netbooks, smartphones, smartwatches, tablets, pendrives, USB drives, HDs
externos e cartões de memória.
Conforme a Instrução do Comando da Aeronáutica - ICA 200-17 de 2015, o uso/porte
de dispositivos móveis nas Organizações Militares do COMAER está proibido durante as
atividades acadêmicas, aulas, palestras, em todo o período no qual estiverem cumprindo
serviço de escala, formaturas, Briefings, deBriefings ou reuniões.
Além disso, os Alunos estão proibidos de usarem dispositivos móveis nas seguintes
circunstâncias:
• próximos aos quadros de aviso que contêm gabaritos, notas ou informações diversas
relacionadas à Divisão de Ensino (DE) e ao CA, muito menos tirar fotos dos respectivos
quadros; e
• nos exercícios operacionais em campo (EXEC e Semana Militar), nesses eventos os
equipamentos deverão estar guardados nos alojamentos.
Somente está autorizado o uso dos dispositivos móveis nos períodos de descanso dos
Alunos e dentro dos Alojamentos. Deve-se levar em consideração a possibilidade de
exposição da intimidade dos demais ocupantes do alojamento, devendo os Alunos se absterem
de retirar fotos e/ou realizar filmagens no local.
Durante as aulas da DE não é autorizado o uso de dispositivos móveis, exceto se
coordenado previamente pelo professor da disciplina com o Corpo de Alunos. Durante o
horário de estudo obrigatório, que será realizado nas salas de aula, biblioteca ou Alojamentos
(2º e 3º Esquadrões), é permitida a utilização de (ou similar), exclusivamente para fins
didáticos, desde que não atrapalhe o estudo dos demais Alunos presentes no local.
MANUAL DO ALUNO 2019 12

7.5 TRATAMENTO COM OS SUPERIORES HIERÁRQUICOS

Além das orientações estabelecidas no Regulamento de Continências, Honras, Sinais de


Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas (RCONT), o Aluno do CPCAR deverá
seguir as seguintes determinações:
• observar a hierarquia sempre e em qualquer lugar;
• apresentar-se a qualquer militar de grau hierárquico superior quando a ele dirigir-se ou
por ele for interpelado;
• o Aluno deve usar sempre o tratamento “SENHOR” ou “SENHORA” para os militares
de grau hierárquico superior;
• deverá oferecer o assento a qualquer militar mais antigo que ingresse no recinto, caso
não haja assento desocupado.
• não importa a distância, o Aluno sempre prestará continência a todos os Oficiais e
Graduados mais antigos.
• os Alunos do 1º e 2º Esquadrões prestarão continência ao Aluno Líder do Corpo de
Alunos e ao Aluno-de-Dia ao CA.

7.6 INGRESSO EM LOCAIS FECHADOS

O Aluno deverá dirigir-se ao mais antigo presente, prestar a continência regulamentar e


solicitar permissão para ingressar e permanecer no local. Contudo, em momentos que houver
cultos religiosos, nos locais destinados a esse fim, será dispensada essa apresentação.
Nos ambientes com a presença de vários Alunos reunidos (a Sociedade Acadêmica da
EPCAR - SAEPCAR, por exemplo), o Aluno que adentrar deverá pedir autorização para o
primeiro Aluno mais antigo que avistar no local, prestando a continência em silêncio.
Os seguintes locais dispensam a solicitação de ingresso e permanência, mas não exime
da obrigação de cumprimentar o mais antigo (com o uso da continência):
• bancos;
• biblioteca;
• lanchonete; e
• enfermarias no hospital.
No horário compreendido entre 06 h e 22 h, o Aluno deverá ficar atento à chegada de
algum Oficial, do Líder do Corpo de Alunos ou do Aluno-de-Dia ao CA, pois, caso não haja
militar mais antigo no local, o primeiro Aluno a avistá-los comanda “ATENÇÃO (local)”. No
refeitório, apenas o Comandante da EPCAR receberá este tratamento.
No Salão de Jogos da SAEPCAR, o Aluno deverá comandar “ATENÇÃO (local)”
apenas para Oficiais.
O Aluno não deverá dar o “ATENÇÃO (local)” em ambientes sob administração civil
(bancos, cantinas, lanchonetes e demais estabelecimentos comercias), na biblioteca, no
cinema (durante reuniões em andamento) e em locais de realização de cultos religiosos.

7.7 TRATAMENTO COM PROFESSORES CIVIS

O tratamento a ser dispensado pelo Aluno aos professores civis deve sempre ser pautado
no respeito, na boa educação e na urbanidade. Sendo assim, essa relação deverá ser sempre
formal.
Ao início e término das aulas, o Chefe de Turma deve realizar a mesma apresentação
formal devida aos superiores hierárquicos, com exceção da continência. Ademais, o Aluno
deverá sempre usar o termo “MESTRE” ao falar com um professor civil.
MANUAL DO ALUNO 2019 13

Destaca-se que as comunicações feitas por professores no tocante ao comportamento do


Aluno receberão tratamento idêntico ao das partes disciplinares elaboradas pelos superiores
hierárquicos.

7.8 TRATAMENTO COM MAIS MODERNOS NA FUNÇÃO DE INSTRUTOR

O subordinado hierárquico deverá ser respeitado como Instrutor, contando sempre com
a atenção e participação do Aluno durante toda a instrução ministrada, haja vista que foi
escalado para cumprir uma tarefa em benefício do próprio Aluno.
Considerando a hierarquia, não será realizada a apresentação formal da turma, porém
cabe ao Chefe de Turma informá-lo que a turma está pronta para o início da aula, além de se
responsabilizar pelo comportamento da mesma.
Por outro lado, as comunicações feitas pelos Instrutores, com respeito ao
comportamento do Aluno, receberão tratamento idêntico ao das partes disciplinares
elaboradas pelos superiores hierárquicos.

7.9 PROCEDIMENTO PARA O FORA DE FORMA

Ao apresentar-se a um superior hierárquico, o Aluno deve aproximar-se do mesmo à


distância de um aperto de mão, chamando-o pelo posto ou graduação: “COM LICENÇA,
SARGENTO (nome de guerra)”. Postar-se na posição de “SENTIDO”, prestar a continência
individual e dizer em tom audível: “Aluno (nome de guerra), do 1º, 2º ou 3º ESQUADRÃO”.
Desfazer a continência e dizer o motivo da apresentação: “APRESENTO A TURMA BRAVO
E SOLICITO AUTORIZAÇÃO PARA PROCEDER COM O FORA DE FORMA”. Após
concedida a autorização, o Aluno deverá solicitar autorização para se retirar, prestando a
continência individual e dizer em tom audível: “COM LICENÇA”.
Em situações especiais, poderá ser determinada pelo Comando do Corpo de Alunos a
“puxada” do Grito de Guerra dos Esquadrões por ocasião do “FORA DE FORMA”.
Em situações rotineiras, quando for comandado o "FORA DE FORMA", os Alunos
procederão da seguinte maneira:
• quando for o Esquadrão, deverão bradar o nome do Esquadrão, conforme exemplificado
a seguir: “LOBOS DE AÇO”;
• quando for uma Esquadrilha, deverão bradar o nome da turma de aula, como
exemplificado a seguir: "ALFA”; e
• quando for em grupamentos mistos ou não configurados nas situações anteriores, os
Alunos deverão bradar: “BRASIL”.
Balbúrdias ou gritos histéricos após o comandamento de “fora de forma”, após os
licenciamentos da rotina ou após a liberação de qualquer instrução, serão tratados como
transgressão disciplinar.

8. TRÂNSITO E ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DA EPCAR

O Aluno, quando for resolver problemas ou realizar atividades particulares, não poderá
chegar atrasado às atividades previstas. Ressalta-se que o Aluno não poderá correr nas escadas
da escola em nenhuma circunstância.
Em locais fechados que não permitam a visualização externa, a Aluna não poderá ficar
sozinha com um indivíduo do sexo masculino.
Nos dias úteis está autorizada a frequência do Aluno à Lanchonete da SAEPCAR (vide
horários item 8.3), desde que não comprometa o cumprimento das atividades programadas.
MANUAL DO ALUNO 2019 14

O Aluno deve consumir os alimentos (comidas e bebidas) na Lanchonete da SAEPCAR,


rancho, ou Alojamento, sendo proibido o consumo nas salas de aula, em quaisquer horários ou
sob quaisquer pretextos.
Para o transporte dos alimentos, os mesmos devem estar embalados, já que não é
permitido ao Aluno se deslocar comendo.
Nos dias não úteis/fora do expediente, quando no interior da EPCAR, os Alunos ficam
restritos a deslocamentos no âmbito do CA. Caso o Aluno queira se dirigir aos Clubes ou
praticar alguma atividade física, fora do âmbito do CA, deverá apresentar-se ao OPCA para
início e término da atividade (limite: início às 06 h e término às 18 h) e somente poderá
realizá-la em dupla, no mínimo, e nunca na piscina. Com relação às alunas, as atividades
somente poderão ocorrer em dupla feminina, no mínimo, e seguindo todas as demais
orientações desse manual.
8.1 LOCAIS DE ACESSO PROIBIDO PARA OS ALUNOS

Exceto se devidamente autorizado pelo respectivo Comandante do Esquadrão, é


proibido o acesso dos Alunos aos seguintes locais:
• Comando da EPCAR;
• Divisão de Ensino;
• Batalhão de Infantaria;
• qualquer alojamento que não for o do próprio militar;
• área da piscina (fora do horário previsto para Educação Física dos Alunos em dias
úteis); e
• banheiros que não sejam disponibilizados, exclusivamente, para o uso dos Alunos.

8.2 LOCAIS COM ACESSO RESTRITO

O Aluno só poderá entrar no Prédio do Corpo de Alunos com a autorização de um


militar do CA.
O Ginásio e o Estádio só poderão ser acessados nos horários previstos para a prática da
Educação Física dos Alunos ou durante competições da EPCAR. Os demais horários somente
com autorização do Comando do Corpo de Alunos (por exemplo: uso do Ginásio para
atividades dos Clubes).
O Aluno só poderá ingressar nas repartições da EPCAR ou GAP-BQ quando houver a
presença de um militar do setor.

8.3 SAEPCAR

Nos dias úteis, o Aluno poderá frequentar a Sociedade Acadêmica durante o intervalo do
almoço e depois do horário do término da Educação Física até o horário do silêncio. Nos dias
não úteis, o funcionamento da SAEPCAR será das 08 h até o horário do silêncio.
A prorrogação desse horário dependerá de autorização prévia do Oficial Orientador da
SAEPCAR.

9. PROCEDIMENTOS GERAIS SOBRE LICENCIAMENTOS, SAÍDAS


EXTRAORDINÁRIAS, FÉRIAS E RECESSO ESCOLAR

É dever do Aluno se comportar de maneira correta, digna e disciplinada, de forma a


elevar, também no âmbito externo, o bom nome e o prestígio da EPCAR e da FAB.
O Aluno deverá sempre observar os horários de entrada e saída da Organização,
conforme autorizado pelo Comando do Corpo de Alunos ou respectivo Comando de
Esquadrão. Além disso, destaca-se que o traje civil somente poderá ser usado no trajeto entre
MANUAL DO ALUNO 2019 15

o alojamento e o Portão da Guarda. Caso o Aluno necessite dirigir-se a qualquer setor da


EPCAR, deverá retornar ao alojamento e vestir o fardamento previsto.
Quando no âmbito externo à EPCAR, os Alunos deverão procurar vestiário ou banheiro,
a fim de realizar as trocas de roupas com a privacidade necessária e com o decoro exigido do
militar.
Quando for viajar em aeronaves militares, o Aluno deve estar uniformizado e
apresentar-se ao Comandante, no embarque e no desembarque. Vale destacar que, o horário
previsto para o embarque deve ser cumprido, conforme orientação do CA, bem como as
orientações transmitidas pelo Comandante da Aeronave. Caso haja mais de 3 (três) Alunos, o
mais antigo coloca o grupamento em forma e apresenta ao Comandante da Aeronave. Caso
seja necessário o Comandante do CA determinará outro uniforme.
Qualquer fato que impeça o Aluno de regressar à EPCAR na data prevista de retorno
dos Licenciamentos, das Férias ou do Recesso Escolar deverá ser comunicado, com
antecedência, ao Comando do Esquadrão. Entretanto, essa comunicação não isentará a
abertura do Formulário de Apuração de Transgressão Disciplinar (FATD).
Como complemento às determinações elencadas neste Manual, os Comandantes de
Esquadrões poderão realizar, antes das férias, um Briefing para detalhar outros procedimentos
e orientações.
Exceto quando devidamente autorizados pelo Comando do Corpo de Alunos, é vedado o
acesso e a frequência de Alunos às vilas residenciais militares (exceto se convidado pelo
militar morador do PNR) e aos cassinos ou clubes de Oficiais, Suboficiais e Sargentos.
A participação de Aluno fardado em cerimônias militares, festas e eventos do meio civil
dependerá de comunicação prévia ao Comando do Esquadrão, ficando proibida qualquer
representação em nome da EPCAR que não esteja autorizada pelo Comandante da Escola.
Quando houver a necessidade de viajar, a serviço ou por motivo particular, o Aluno
deverá obter autorização do Comando do Corpo de Alunos, sempre via Comando de
Esquadrão, com preenchimento obrigatório da Guia de Licenciamento Extraordinário.

9.1 PLANO DE LICENCIAMENTO

Os Alunos designados pelo respectivo Comando do Esquadrão deverão entregar, até o


maior intervalo da manhã do dia, dois dias antes do seu licenciamento, em seu Esquadrão, o
Plano de Licenciamento preenchido.
O Plano poderá ser modificado/alterado até o horário de Educação Física do mesmo dia
da sua entrega. Após esse prazo, eventuais alterações somente poderão ser feitas com
autorização do Comandante do Esquadrão.
O OPCA poderá coordenar a mudança do Plano de Licenciamento, após a devida
autorização do Comandante do Esquadrão ou Subcomandante do CA, em casos de
falecimento de familiares ou emergenciais; ou quando o responsável legal pelo Aluno
comparecer à Escola para buscar seu dependente. Nesse caso, o responsável legal deverá
portar documento oficial válido e com foto recente.

9.2 RETORNO DO LICENCIAMENTO

O retorno do licenciamento, à véspera de dia letivo, será às 21 h com formatura e


retirada de faltas a ser gerenciada pelo OPCA. Na referida formatura, todos os Alunos deverão
trajar o 7º C, exceto quando determinado outro uniforme pelo Corpo de Alunos.

9.3 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS PARA OS ALUNOS MENORES DE IDADE


MANUAL DO ALUNO 2019 16

Por ocasião dos licenciamentos nos dias não úteis, o horário limite para o retorno dos
Alunos menores de 18 anos de idade à EPCAR será às 21 h, conforme Portaria nº 3/2014 da
Vara de Família e Cível da Infância e da Juventude da Comarca de Barbacena (ANEXO A).
De modo a permitir o efetivo controle da situação, os Alunos menores de idade que
pernoitarem na EPCAR deverão se apresentar ao OPCA até as 21 h e 10 min, podendo essa
apresentação ser feita em trajes civis.
O deslocamento relativo a viagens, excursões, encontros culturais ou religiosos,
atividades esportivas ou similares, bem como a participação em eventos não previstos no
calendário escolar, deverão ser precedidos de autorização. A mesma deverá ser por escrito,
feita pelos pais ou pelo responsável legal e apresentada ao Comando do Esquadrão.
As viagens dos Alunos menores de idade, nos licenciamentos concedidos, deverão ser
previamente autorizadas pelo responsável legal, através do envio prévio de autorização (com a
localidade e a data da viagem), com reconhecimento de firma em Cartório, conforme modelo
a ser fornecido pelo Comando do Esquadrão.
Para hospedar-se em um hotel na cidade de Barbacena, será necessária autorização dos
pais. Se optar por uma residência, o Aluno deverá apresentar também uma declaração
assinada pela pessoa responsável por sua tutela no período.
É proibida a permanência de Alunos menores de idade em boates, casas de shows ou
similares no horário compreendido entre 21 h e 06 h, exceto quando devidamente
acompanhado pelo responsável legal e de acordo com o alvará de funcionamento do local,
expedido pelo órgão competente.

9.4 SAÍDAS EXTRAORDINÁRIAS

O Aluno só poderá ausentar-se da EPCAR mediante autorização expressa do


Comandante de Esquadrão e, na ausência deste, de um Oficial ou Graduado do efetivo do
Corpo de Alunos, sempre mediante preenchimento prévio da Guia de Saída, a qual deverá
conter o horário de liberação e o de retorno, bem como a assinatura do Oficial que a
autorizou.
Na saída e na entrada da EPCAR, o Aluno deverá apresentar a Guia de Saída juntamente
com o Crachá de Identificação, de modo que fique registrado o horário real de saída e de
retorno. Outrossim, deverá apresentar-se ao OPCA na saída e no regresso à Escola.
No horário do expediente, a saída do Aluno deverá ser realizada com o 7°A e, após o
horário de expediente, poderá ser realizada em trajes civis, a critério do Comando do
Esquadrão.

9.5 RETORNO DE RECESSO ESCOLAR/ FÉRIAS

No dia previsto para o retorno, às 21 h, todos os Alunos deverão estar em forma com o
7º C para a retirada de faltas, verificação da apresentação pessoal (uniforme e corte do
cabelo).

9.6 ORIENTAÇÕES PARA FÉRIAS OU RECESSO ESCOLAR NO EXTERIOR

Os Alunos interessados em gozar férias ou recesso escolar no exterior deverão solicitar


através de Requerimento Interno, expedido pela Ajudância do CA, com antecedência mínima
de um mês, para as providências administrativas necessárias.
O uso de uniforme no exterior só será autorizado caso se trate de missão de
representação.
No caso de problemas de saúde, envolvimento policial ou qualquer outro tipo de
transtorno que venha a impedir seu livre trânsito no país visitado, o Aluno deverá procurar
MANUAL DO ALUNO 2019 17

assistência junto à Embaixada do Brasil, Consulado ou Adido Militar e, assim que possível,
telefonar para o Comando do Corpo de Alunos para informar o ocorrido.

10. ATENDIMENTO MÉDICO-HOSPITALAR EMERGENCIAL NO ÂMBITO


EXTERNO À EPCAR

Entende-se como caso de emergência aquele em que a assistência médica deverá ser
prestada de imediato por envolver risco de morte, sequelas ou sofrimento intenso do paciente.
Nesses casos, o Aluno deverá procurar atendimento médico-hospitalar em uma Organização
de Saúde da Aeronáutica de sua cidade. Quando não houver Organização de Saúde da
Aeronáutica, o Aluno deve procurar assistência médica em Organização de Saúde de outra
Força Armada. O atendimento médico em entidade civil só deve acontecer quando não houver
possibilidade de atendimento em Organização Militar.
Em qualquer situação, o Aluno lesionado ou seu responsável deverá comunicar o fato ao
Comando do Esquadrão, logo após o primeiro atendimento médico-hospitalar.

11. PROCEDIMENTOS A SEREM SEGUIDOS EM ATIVIDADES PROGRAMADAS

O Aluno deve estar, no local previsto, 5 (cinco) minutos antes do horário previsto para o
início da atividade e ocupar sua cadeira/carteira, conforme croqui informado no início do ano
letivo. Caso não consiga chegar com a antecedência estabelecida, deverá realizar o
deslocamento em passo acelerado.
Quando o docente ingressar no local, o Chefe de Turma comandará o “ATENÇÃO
SALA!” e todos os Alunos deverão se levantar e assumir a posição de “SENTIDO”, para que
seja procedida a apresentação da turma de aula para o Professor/Instrutor.
É dever do Chefe de Turma, ou de seu substituto, anotar o nome dos Alunos que tenham
chegado após o horário previsto ou faltado à instrução em formulário de controle de presença.
Esse formulário deve ser entregue pelo Aluno-de-Dia ao Esquadrão ao OPCA, que deve
conferir e entregar nos respectivos Comandos dos Esquadrões.
Durante a aula, o Aluno deve permanecer sentado, sem se debruçar sobre as carteiras,
cadeiras ou mesas, ficar na posição prevista no croqui, dedicar toda a sua atenção à instrução
ministrada e, para obter o melhor aproveitamento possível, procurar participar ativamente da
atividade. Não é permitido dormir em sala de aula, mesmo nos intervalos entre as aulas. Se
estiver com sono, deverá ficar de pé no fundo do ambiente onde houver instrução.
O Aluno, durante uma instrução, somente poderá se ausentar da sala de aula mediante
autorização do Instrutor ou Professor.
Nos intervalos de aula os Alunos podem, dentro de sala, abandonar seus lugares.
Contudo, deverão manter atitude condigna, sem se debruçarem sobre as carteiras, cadeiras ou
mesas e se absterem de promover algazarras ou barulhos desnecessários.
O material didático só poderá ser guardado nos locais estabelecidos para esse fim.
Ao término da instrução, o Chefe de Turma deve comandar o “ATENÇÃO SALA” e,
quando todos os Alunos estiverem de pé e na posição de “SENTIDO”, apresentar a turma de
aula ao Docente/Instrutor.
Antes de se retirarem das salas de aula os Alunos deverão providenciar a arrumação
destes locais, alinhando as mesas, guardando todo material didático e pessoal.
Os Alunos sempre devem cumprir prontamente as ordens do Chefe de Turma e informá-
lo, antecipadamente, o seu destino.
MANUAL DO ALUNO 2019 18

Nas papeletas de faltas do Corpo de Alunos, os Chefes de Turma deverão utilizar


trigramas conforme a padronização constante da Tabela 1, abaixo, colocando no verso da
papeleta informações adicionais que complementem os trigramas.

Tabela 1 - Trigramas para a Papeleta de Retirada de Faltas


SITUAÇÃO TRIGRAMA
Aguardando Desligamento AGD
Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos ACA
Aluno-de-Dia ao 1º Esquadrão CA1
Aluno-de-Dia ao 2º Esquadrão CA2
Aluno-de-Dia ao 3º Esquadrão CA3
Aluno-de-Dia a SAEPCAR SVS
Atleta ATL
Auxiliar AUX
Auxiliar de Aluno-de-Dia ao 1º Esquadrão AA1
Auxiliar de Aluno-de-Dia ao 2º Esquadrão AA2
Baixado BXD
Consulta Médica CME
Consulta Psicopedagógica/Psicológica CPP
Consulta Odontológica COD
Destino Oculto DOC
Dispensa Médica DPM
Emergência EMG
Fisioterapia FIS
Guia Extraordinária GIA
Liderança LID
Ordem Superior (especificar, no verso, o nome da autoridade e a natureza da
OSP
ordem)
Plantão da Hora PHR
Viagem VGM
Atendimento no Serviço de Assistência Social ASS

12. COMPORTAMENTO NO REFEITÓRIO

O deslocamento para o rancho deve ser feito em passo normal, sem correria ou
atropelos, de modo a evitar incidentes ou acidentes.
Ao ingressar no rancho, remover sua cobertura. Quando for o bibico, deve colocá-lo
do lado esquerdo da calça, com a insígnia voltada para baixo e para fora. Quando for o gorro
com pala, o mesmo deve ser deixado nas mesas localizadas na entrada do rancho destinadas
para esse fim.
O Aluno deve dirigir-se aos balcões térmicos e servir-se de maneira organizada e
educada, de modo a evitar o desperdício de alimentos e não ferir as regras da boa educação.
MANUAL DO ALUNO 2019 19

Durante a refeição do café da manhã, os Alunos deverão utilizar pratos para se


servirem, da mesma forma que fazem nas demais refeições.
Os Alunos devem ter em mente que podem repetir a refeição, contudo o desperdício é
inaceitável. Devem seguir sempre a seguinte máxima: “Peguem o que quiserem, mas comam
o que pegarem”.
Todas as mesas devem ser completadas, independente da antiguidade de seus
ocupantes. Todos devem pedir licença ao chegar e ao sair da mesa.
Durante as refeições os Alunos devem evitar a desorganização da mesa. Ao se ausentar
das mesas, recolher restos de comida, embalagens e materiais descartáveis e talheres.
Nos dias úteis, todas as refeições são obrigatórias, com exceção da ceia. Para ceiar, o
Aluno deverá providenciar para que seu nome conste na relação. Nos dias não úteis, o Aluno
deverá providenciar para que seu nome conste na relação.

12.1 INGRESSO E CONTROLE DE PRESENÇA NO RANCHO

Os Alunos de serviço deverão estar presentes no rancho 5 (cinco) minutos antes do


horário previsto para o início das refeições até o horário previsto para o término das mesmas.
Nos dias úteis, diferentemente do que ocorre por ocasião do almoço, o acesso dos
Alunos do 2º e 3º Esquadrões ao refeitório para o café da manhã, o jantar e a ceia será à
vontade. Para os Alunos do 1º Esquadrão, o acesso ao refeitório será sempre mediante entrada
em forma.
É obrigatória a participação, nos dias úteis, de todos os Alunos no café da manhã, no
almoço e no jantar. Independente da participação obrigatória de todos os Alunos, a equipe de
serviço deverá se certificar da presença de todos através da retirada de faltas na entrada do
refeitório.
Nos dias não úteis, o acesso dos Alunos ao rancho, mediante arraçoamento prévio, será
sempre à vontade. Aos moldes do que é feito nos dias úteis, nos dias não-úteis a equipe de
serviço também deverá se certificar da presença de todos através da retirada de faltas na
entrada do refeitório.
A permanência no rancho deverá obedecer aos horários previamente especificados na
programação semanal.

13. PROCEDIMENTOS NOS ALOJAMENTOS

Somente poderão ingressar nos alojamentos as seguintes pessoas:


• Alunos residentes do respectivo alojamento;
• Militares do Corpo de Alunos;
• OPCA;
• AOPCA;
• Funcionários da empresa contratada para limpeza; e
• Pessoas autorizadas pelo Comandante da EPCAR ou do CA.
É proibido o acesso ao alojamento do sexo oposto, salvo nos casos autorizados pelo
Comando do CA.
O ingresso de pessoas do sexo oposto aos moradores dos alojamentos só será realizado
após certificação de que os Alunos estejam devidamente trajados ou não haja Alunos no local.
Os Alunos Auxiliares de Esquadrão não estão autorizados a adentrar ao alojamento de
outros Esquadrões, salvo em caso de autorização expressa do respectivo Comandante de
Esquadrão e após a realização dos procedimentos supracitados.
MANUAL DO ALUNO 2019 20

Durante o intervalo de almoço, o Aluno poderá descansar em seu leito. No entanto, após
esse período, deverá manter o padrão previsto de arrumação de cama (demonstrado durante o
EAM) e de sua apresentação pessoal.
O acesso de Aluno ao seu respectivo alojamento, durante o horário de expediente,
excluindo-se o intervalo de almoço, somente será permitido mediante necessidade justificada,
com autorização prévia de Oficial ou Graduado do Esquadrão ou do OPCA e sempre sob a
supervisão deste.
O Aluno deve manter o seu alojamento/apartamento e o seu armário em condições de
serem inspecionados a qualquer momento.
O piso do apartamento deve ser mantido sempre limpo e seco.
As escrivaninhas devem ser mantidas limpas e, sobre elas, devem ser dispostos somente
os objetos autorizados pelo Comando do Esquadrão.
A limpeza geral dos apartamentos, quartos e banheiros é de responsabilidade dos
ocupantes. O lixo deverá ser colocado em local apropriado. Os materiais de limpeza (rodo,
vassoura, balde) deverão estar nos locais padronizados pelo Comando do Esquadrão.
Não são permitidos aos Alunos jogos de azar e a prática de qualquer esporte ou
brincadeiras que possam prejudicar a limpeza, a arrumação dos Alojamentos ou provocar
danos às instalações.
É proibido mudar a disposição dos armários e das camas sem a prévia autorização do
Comando do Esquadrão, dormir no chão ou utilizar colchão ou cama que não sejam do
próprio Aluno.
Dentro do alojamento e estando em trajes de dormir ou incompletos, o Aluno tem a
responsabilidade de não se expor à visão de terceiros.
Quando transitando pelas varandas ou corredores dos alojamentos, o Aluno deverá estar
uniformizado ou, em dias não úteis, usando o abrigo de representação do Esquadrão.
No H-8, os Alunos podem deslocar-se em trajes civis para beberem água ou no trânsito
para outro quarto, desde que em horários fora do expediente.
Nos Alojamentos do 1º e 2º Esquadrões, em relação às janelas voltadas para o lado das
varandas, é recomendado aos Alunos abri-las quando saírem para o início das atividades e
fechá-las no intervalo do almoço, durante troca de uniformes ou após a prática de Educação
Física. Com relação às janelas voltadas para a lavanderia, é recomendado mantê-las abertas
durante todo o dia.
Após o término da Educação Física, será permitido que o Aluno deixe peças de roupas,
de maneira organizada, nos varais existentes nos banheiros. Entretanto, essa tolerância cessa
pela manhã, ao início das aulas.
As toalhas brancas podem ficar estendidas para secar no banheiro, desde que estejam
limpas, sem manchas. Elas devem estar dobradas ao meio, com as pontas paralelas ao solo e
alinhadas.
Todo o material encontrado fora dos armários e escaninhos, ou esquecido no banheiro,
será recolhido à Reserva de Material, com destinação a ser definida pelo respectivo
Comandante de Esquadrão.
O Aluno poderá guardar e utilizar ferro e tábua de passar roupas, ventilador,
equipamento de som, notebook, tablets, aparelho de barbear elétrico e secador de cabelos.
Não estão autorizados quaisquer utensílios e eletrodomésticos de cozinha.
As luzes dos Alojamentos do 1º e 2º Esquadrões serão acesas quando necessário e
apagadas pelo aluno de serviço de PAA (permanência ao alojamento) no horário do Silêncio.
Essas luzes permanecem apagadas até o horário da Alvorada, sendo que, por ocasião das
formaturas ou quaisquer outras atividades, o último Aluno a sair ficará com o encargo de
apagá-las.
No Alojamento do 3º Esquadrão, as luzes deverão ser utilizadas de acordo com a
necessidade de cada apartamento e sem que ocorra desperdício de energia. Por ocasião das
MANUAL DO ALUNO 2019 21

formaturas ou quaisquer outras atividades, o último Aluno a sair do apartamento ficará com a
responsabilidade de apagá-las.
Ao ausentar-se do Alojamento, em horário de expediente ou não, o Aluno deverá deixar
os armários trancados, luzes apagadas, equipamentos elétricos desligados, torneiras fechadas,
vasos sanitários asseados e tampas fechadas, portas dos banheiros e boxes fechadas, assoalho
seco e limpo.
Dentro dos alojamentos é proibido o uso e a manutenção de aparelhos de musculação,
como halteres, barras fixas, etc.

13.1 QUANTO AO ACESSO AO ALOJAMENTO FEMININO

O ingresso de homens no alojamento feminino só será permitido com autorização do


Comandante do CA e sempre na companhia de um Oficial do Corpo de Alunos ou do OPCA.
Antes de entrar no alojamento deverão ser efetuados 6 toques curtos na campainha presente
na Sala do OPCA.
O ingresso masculino só será realizado após certificação de que as Alunas estejam
devidamente trajadas ou que não haja Alunas no local.
Para acionar as militares nos alojamentos, deve-se cumprir o seguinte procedimento:
• 1 toque curto para acionar Aluna do 1º Esquadrão; e
• 2 toques curtos para acionar Aluna do 2º Esquadrão.

14. QUANTO AO ACESSO AOS CLUBES

O funcionamento dos clubes está condicionado à elaboração de NPA. A participação do


aluno nessas atividades, quando fora da área do CA, deverá ser comunicada ao OPCA e os
Alunos deverão, individualmente, se apresentar ao mesmo no início e no término das
atividades, conforme item 8. Com relação às alunas, o deslocamento para os clubes somente
poderá ocorrer em dupla feminina, no mínimo. As atividades deverão ser encerradas às 22 h,
nos dias úteis, e às 18 h, nos dias não úteis.

15. UNIFORMES USADOS PELOS ALUNOS DO CPCAR

É obrigação do Aluno envidar esforços para a guarda, conservação e limpeza das peças
de fardamento e dos equipamentos que lhes são distribuídos, mantendo-os de tal maneira que
possam ser utilizados e inspecionados a qualquer momento.
É dever do Aluno apresentar-se sempre com o uniforme alinhado, completo e de acordo
com o preconizado em regulamento. Além disso, os vincos devem ser feitos, de acordo com
as determinações do Comando do CA. Vincos ou uso de parafina na gandola do 10º Uniforme
não estão autorizados.
A padronização quanto aos uniformes seguirá, exclusivamente, o preconizado neste
Manual e nos Regulamentos da Aeronáutica. Sendo proibida qualquer determinação que não
esteja embasada em regulamentos.

15.1 REGRAS PARA RECEBIMENTO OU DEVOLUÇÃO DE UNIFORMES

De acordo com o preconizado na letra “h”, do art. 50, da Lei nº 6.880, de 09 de


dezembro de 1980 e na alínea “a”, da Tabela II, do Anexo IV, da Medida Provisória nº 2.131,
de 28 de dezembro de 2000 e suas atualizações posteriores, o Aluno fará jus à distribuição de
MANUAL DO ALUNO 2019 22

fardamento e roupa de cama, os quais serão devolvidos integralmente quando de seu


licenciamento.
Conforme o previsto nos artigos 286 e 287 do Regulamento do Comando da
Aeronáutica RCA 12-1/2014 (RADA - Regulamento de Administração da Aeronáutica), os
bens e valores da União, quando sofrerem danos ou prejuízos, ressalvados os casos
considerados fortuitos ou de motivo de força maior, serão reparados, repostos ou ressarcidos,
na forma da legislação vigente. O valor do material, para efeitos de indenização, será aquele
que permita sua reposição por outro idêntico ou semelhante, observados os critérios
estabelecidos pelos órgãos competentes.
Os fardamentos, roupas de cama, equipamentos e acessórios distribuídos ao Aluno e não
devolvidos ou extraviados serão indenizados de acordo com a Ficha de Indenização emitida
por meio do Sistema Integrado de Logística de Material e de Serviços (SILOMS) ou pelo
valor nele contabilizado.

15.2 UNIFORMES

O uniforme do dia estará previsto na programação semanal. Na eventual lacuna da


documentação escrita que defina o uniforme a ser utilizado por quaisquer dos Esquadrões, o
Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos deverá buscar a definição junto a Seção de Doutrina.
Contudo, a formatura do pernoite, caso não haja orientação em contrário, será com o 7° C.
Em toda ocasião em que houver entradas e deslocamentos em forma, todos os Alunos
deverão estar com a mesma configuração de uniforme, que será o uniforme do dia com
configuração definida pelo Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos, a qual dependerá das condições
climáticas (com ou sem Abrigo). Caso os Alunos estejam se deslocando individualmente, o
uniforme será aquele definido como o do dia, sendo permitidas as variações possíveis,
segundo o RCA 35-2/2016 - Regulamento de Uniformes para os Militares da Aeronáutica
(RUMAER).
Nos dias úteis, o Aluno deve estar sempre uniformizado, exceto nas seguintes situações:
interior do alojamento/apartamento ou quando houver autorização expressa do Comandante
de Esquadrão. Quando estiver dispensado do uso do uniforme do dia, o Aluno deverá utilizar
o abrigo nº 13 de Educação Física.
Nos dias não úteis, o Aluno está autorizado a utilizar o abrigo de representação do
Esquadrão.
O uniforme previsto para o trânsito externo do Aluno, em dias úteis, no horário de
expediente, é o 7º A.
É proibido o uso de fones de ouvido quando fardado.
De acordo com a ICA 35-10/2016, em seu item 4.1: “Durante o período de formação,
estágios de adaptação e instruções operacionais, os respectivos Alunos, além do disposto nesta
Instrução, estarão sujeitos às orientações e padronizações estabelecidas pelo setor de
Doutrina, ou Seção de Instrução, das Instituições de Ensino às quais estiverem subordinados.”
Em virtude disso, as seguintes determinações deverão ser cumpridas pelas Alunas da
EPCAR, quando uniformizadas:
• não é permitido o uso de calças extremamente justas e/ou com cintura baixa. As calças
devem deixar aparecer, no máximo, cinco botões da canícula;
• não é permitido o uso de saias extremamente justas, acima dos joelhos ou com cintura
baixa;
• não é permitida a utilização de qualquer modelo de sapato diferente do fornecido pela
Seção de Provisões da EPCAR.
Para os Alunos do sexo masculino, quando uniformizados, é vedado o uso de:
• barba, cavanhaque ou barbicha no queixo;
• uso de bigode; e
• brincos.
MANUAL DO ALUNO 2019 23

15.3 USO DE TRAJES CIVIS

É permitida a utilização de adereços tais como correntes, pulseiras e anéis quando fora
da EPCAR, desde que os mesmos sejam visualmente discretos, passíveis de utilização em
qualquer situação condizente com o padrão de trajes civis exigido do Aluno. Para o Aluno do
sexo masculino não está autorizado o uso de brincos quando no âmbito externo à EPCAR.
Aos Alunos do sexo masculino, no âmbito da EPCAR e em viaturas alugadas pela
SAEPCAR, fica proibido o uso de:
• bonés, toucas, chinelos e similares;
• camisas com dizeres impróprios ou que afrontem o decoro e os bons costumes;
• camisetas sem mangas;
• shorts ou bermudas; e
• brincos.
Às Alunas, no âmbito da EPCAR e em viaturas alugadas pela SAEPCAR, fica proibido
o uso de:
• blusas e camisetas sem manga;
• blusas com decotes ousados que deixem à mostra o contorno dos seios, podendo ser
usado top ou faixa por baixo da blusa para cobrir o decote;
• blusas que deixem as costas totalmente descobertas abaixo da linha das axilas;
• blusas transparentes,
• peças que exponham a roupa íntima;
• blusas que deixem qualquer parte do abdômen à mostra;
• calças justas que definam a silhueta do corpo ou calças de lycra;
• saias ou vestidos com comprimento inferior a 3 (três) dedos acima o joelho/ que deixe
mais que 3 (três) dedos da coxa exposta;
• shorts ou bermudas;
• bonés, toucas e chinelos; e
• camisas com dizeres impróprios ou que afrontem o decoro e os bons costumes.
Para as Alunas é permitido o uso de calças "legging" (calças de tecido de lycra) com
vestido por cima, desde que os mesmos cubram totalmente os quadris, e sandálias rasteiras.
Os veículos sublocados pela SAEPCAR para transporte de Alunos a qualquer localidade
são considerados como extensão da EPCAR, permanecendo válidas todas as instruções,
padronizações ou ordens em vigor no Corpo de Alunos. Sendo assim, não é permitida a troca
de roupa dentro dessas viaturas.
O Aluno da EPCAR deve lembrar-se que é um representante da Força Aérea Brasileira,
onde quer que esteja. Como militar em formação, deve portar-se de maneira adequada e
honrosa, uma vez que se espera dele um exemplo de conduta e comportamento de acordo com
as convenções sociais vigentes, o que exclui os modismos estigmatizados pejorativamente
pela forma de falar, agir e se vestir.

15.4. UNIFORMES EVENTUAIS

São uniformes de uso eventual do Corpo de Alunos da EPCAR: Abrigo 14º de


Competição Esportiva (para representação da EPCAR); o abrigo de Representação de
Esquadrão.
O Abrigo de Representação do Esquadrão será aprovado pelo respectivo Comando e
confeccionado em cores que representem o Esquadrão, composto de calça e suéter olímpicos,
com aposição do Distintivo de Turma (bolacha). A confecção desse abrigo não é obrigatória e
deve ser custeada pelos integrantes do respectivo Esquadrão.
MANUAL DO ALUNO 2019 24

Está autorizada, em dias frios, a utilização de camisa segunda pele, quando os alunos
estiverem realizando a prática desportiva.

Tabela 2 - Utilização de Uniformes


ATIVIDADE UNIFORME OBSERVAÇÕES
Aulas 7º C, 6º B, Abrigo nº 13 De acordo com as definições estabelecidas na
(atletas e dispensados) ou programação semanal. O Abrigo nº 13 deverá ser
10º utilizado sempre completo (parte superior e calça)
Formaturas ou
Conforme previsto em Nota de Serviço.
desfiles eventuais
Instrução Militar 10º A utilização da gandola deverá ocorrer de forma
padronizada (arriada ou dobrada).
Educação Física 9º Nos dias frios, a critério do Aluno-de-Dia ao
Corpo de Alunos, poderá ser padronizado para
todos os Alunos o uso do Abrigo nº 13 de
Educação Física completo (parte superior e
calça).

16. CORTE DE CABELO

O padrão de corte de cabelo do Aluno do sexo masculino, conforme autorizado pela


ICA 35-10/2016 em seu item 2.3.1, com as seguintes considerações:
• cortado à máquina nº 2, ou correspondente nas partes parietais e occipitais do crânio,
isto é, na transição do couro cabeludo, mantendo-se bem nítidos os contornos junto às orelhas
e ao pescoço;
• disfarçando o corte, gradativamente, de baixo para cima, até a altura correspondente à
borda da cobertura;
• na parte superior da cabeça, o cabelo deve ser cortado à máquina nº 4, ou
correspondente e deve harmonizar-se com o restante do corte; e
• o corte não poderá cobrir a testa, ainda que parcialmente, não sendo permitido o uso de
franja, “topetes” e outros.
Cortes mais baixos que os preconizados acima serão permitidos, com exceção de
máquina zero.
Seguem, abaixo, imagens que exemplificam o corte de cabelo a ser realizado pelos
Alunos:
MANUAL DO ALUNO 2019 25

As considerações para as Alunas estão listadas abaixo e exemplificadas nas gravuras


que se seguem:
• as Alunas do CPCAR adotarão o corte de cabelo curto, até o compromisso à Bandeira
Nacional;
• em campanha e demais exercícios operacionais poderá ser determinado, por motivo de
segurança, a utilização de touca protetora com o uso do capacete;
• a aluna deve abster-se do uso de penteados exagerados e que cubram a testa, ainda que
parcialmente, bem como o uso de quaisquer adereços ou gliter, inclusive em eventos sociais; e
• o uso de tinturas e luzes será autorizado, desde que sejam de cores naturais.
MANUAL DO ALUNO 2019 26

17. USO DE MAQUIAGEM E UNHAS PELAS ALUNAS

A maquiagem, inclusive em trajes civis, deve ser feita com moderação e em tons
discretos, sempre de acordo com as condições e exigências do ambiente (baile, representação,
formatura, instrução, etc.).
As unhas deverão ser tratadas e, se pintadas, com esmalte de cor única, transparente ou
clara, sem quaisquer adereços. É permitido o uso de “francesinha”. O comprimento máximo
da unha deverá ser limitado pela linha da ponta dos dedos, a fim de se evitar lesões,
arranhões, quebras ou infecções.

18. USO DE ACESSÓRIOS E ROUPAS ÍNTIMAS

Em relação aos adornos, somente será permitido aos Alunos quando uniformizados, o
uso de:
• uma corrente que tenha apenas uma volta, totalmente dourada ou prateada, com
espessura máxima de 0,5 (meio) cm, e que não fique à mostra;
• uma pulseira, totalmente dourada ou prateada, formada de uma única volta, com
espessura máxima de 1 (um) cm;
• um relógio, em tamanho discreto e funcional, desde que com pulseira totalmente preta,
prateada ou dourada;
• uma aliança, prateada ou dourada, ou outro tipo de anel qualquer, desde que discreto. É
proibido o uso no polegar;
• os óculos de grau deverão ter formas discretas e a armação deverá ser dourada, prateada
ou de cor escura, sendo que as lentes não poderão ser coloridas nem espelhadas.
• apenas às mulheres, um par de brincos, podendo ser coloridos e com pedras, desde que
sejam pequenos e discretos, sem argolas nem pingentes e que não ultrapassem o tamanho do
lóbulo da orelha.
Quando uniformizados, não será permitido aos Alunos:
• utilizar piercings;
• uso de mochila levada às costas, exceto aquela de cor preta (junto ao 8º, 9º e 10º
Uniformes) e a de modelo militar quando em campanha ou exercício operacional; e
• utilizar óculos escuros, salvo em casos de prescrição médica ou outras situações
previamente autorizadas. Nesses casos, os óculos deverão ter armação dourada, prateada ou
de cor escura e as lentes não poderão ser coloridas nem espelhadas.
MANUAL DO ALUNO 2019 27

Quando em serviço de representação em trajes civis, recomenda-se seguir os padrões de


discrição e sutileza presentes quando do uso de uniforme, primando-se pelo gosto e
combinação dos adornos, a fim de se manter boa apresentação pessoal.
As roupas íntimas utilizadas com uniformes que propiciem transparência devem ser
brancas ou da cor da pele.

19. DISTINTIVOS E INSÍGNIAS

É vedado ao Aluno o uso de insígnias ou distintivos não previstos no RUMAER, exceto


quando aprovados pela Diretoria de Ensino (DIRENS).

19.1 DISTINTIVOS DE CURSO DO ALUNO DA EPCAR

É composto do Gládio Alado com uma estrela no centro, inscritos num polígono regular
em forma de estrela.
O distintivo de gola é fixado na gola direita, com a base do distintivo alinhada sobre a
linha base de um triângulo isósceles, com altura de 30 (trinta) mm, cujo vértice é a ponta da
gola, ou em posição equivalente, nas golas arredondadas (uso na gandola do 10º Uniforme em
tecido verde bordado na cor preta ou Abrigo nº 4, metálico e prateado).
O distintivo de ombro é fixado na platina, alinhado e centralizado na metade superior,
devendo-se considerar a área triangular formada pelos três vértices superiores da platina para
obter o ponto central de cada metade (uso no 7º A/C).

19.2 INSÍGNIAS DESIGNATIVAS DE SÉRIE OU PERÍODO ESCOLAR

São assim constituídas: 1º Ano - uma barreta em metal cromado; 2º Ano - duas barretas
em metal cromado e 3º Ano - três barretas em metal cromado.
A insígnia de gola é fixada na gola esquerda, com a base da insígnia alinhada sobre a
linha base de um triângulo isósceles, com altura de 30 mm, cujo vértice é a ponta da gola, ou
em posição equivalente, nas golas arredondadas (uso na gandola do 10º Uniforme em tecido
verde bordado na cor preta ou Abrigo nº 4, metálico e prateado).
A insígnia de ombro é fixada na platina, alinhada e centralizada na metade inferior.
Deve-se considerar a área triangular formada pelos três vértices superiores da platina para
obter o ponto central de cada metade (uso no 7º A/C).
A insígnia de gorro sem pala é fixada no lado esquerdo, alinhada e centralizada na seção
de círculo da terminação da tira externa (uso no 7º C).
A insígnia de gorro com pala é fixada no centro da parte frontal (uso no 10º).
MANUAL DO ALUNO 2019 28

19.4 DISTINTIVOS

São distintivos previstos para o uso do Aluno:

• Líder do Corpo de Alunos (localizado acima do bolso esquerdo da canícula);

• Auxiliares de Esquadrão (localizado acima do bolso esquerdo da canícula);


MANUAL DO ALUNO 2019 29

• Monitor de Disciplina (localizado acima do bolso esquerdo da canícula);

• Conselho de Honra (localizado acima do bolso esquerdo da canícula);

• Sociedade Acadêmica dos Alunos - SAEPCAR (Presidente, Vice-Presidente e


Diretores da SAEPCAR, respectivamente) (localizado no bolso direito da canícula);
MANUAL DO ALUNO 2019 30

• NascenTV (localizado no bolso direito da canícula);

• Membro do NESG (localizado no bolso direito da canícula); e

• Atleta NAE (localizado no bolso direito da canícula).


MANUAL DO ALUNO 2019 31

O distintivo de Membro da Sociedade Acadêmica dos Alunos será utilizado pelos


Alunos do 3º Esquadrão eleitos para comporem a SAEPCAR, conforme definido pelo
Estatuto da SAEPCAR.
O distintivo da NascenTV dourado será utilizado pelo Aluno do 3º Esquadrão,
Presidente da NascenTV, e os prateados pelos Alunos dos 2º e 3º Esquadrões participantes das
diversas diretorias deste Clube de Imprensa e Comunicação Social.
Somente poderá constar 01 distintivo no bolso direito da canícula, devendo ser seguida
a seguinte precedência de uso, caso o Aluno faça jus a dois ou mais distintivos previstos:
distintivo da Sociedade Acadêmica, distintivo de Atleta NAE, distintivo da NascenTV,
distintivo do NESG.
Para o distintivo de Atleta NAE, a SEF determinará quais Alunos têm a prerrogativa do
uso e o período de utilização do mesmo.
O distintivo de Monitor de Disciplina do Ensino Acadêmico será utilizado pelos Alunos
dos 1º, 2º e 3º Esquadrões indicados como monitores das diferentes disciplinas do ensino
acadêmico, conforme definido pela Divisão de Ensino.
O distintivo de Membro do Conselho de Honra será utilizado pelos Alunos dos 1º, 2º e
3º Esquadrões eleitos para comporem o Conselho de Honra, conforme definido pelo Estatuto
do Comitê do Código de Honra.
Os distintivos dos Auxiliares de Esquadrão serão utilizados pelos Alunos designados
pelo Comando do Corpo de Alunos.
Somente poderão constar 02 distintivos acima do bolso esquerdo da canícula, devendo
ser seguida a seguinte precedência de uso, caso o Aluno faça jus aos três distintivos previstos:
Auxiliar de Comando, Conselho de Honra e Monitor de Disciplina.
É prerrogativa do Líder do Corpo de Alunos o uso do distintivo de Líder do Corpo de
Alunos e de gorro sem pala frisado.

19.5 NORMAS PERTINENTES À EQUIPE DE SERVIÇO

Além das considerações presentes neste Manual, o Aluno tem o dever de conhecer todas
as NPA afetas ao serviço para o qual estiver escalado. Quaisquer dúvidas que eventualmente
surjam deverão ser sanadas junto à Seção de Doutrina do Corpo de Alunos.
É dever do Aluno cumprir rigorosamente a escala de serviço, sendo que as eventuais
substituições deverão ser previamente autorizadas por Oficial do Esquadrão, com o
preenchimento da Permuta de Serviço. Nesses casos, o Aluno que assumir o Serviço deverá
permanecer de posse da Permuta, devidamente assinada e entregá-la ao Oficial de
Permanência ao Corpo de Alunos (OPCA) no dia do serviço, para o registro no Livro de
Partes.
O Briefing para o Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos (ACA) será proferido, diariamente,
pela Seção de Doutrina, com o comparecimento obrigatório do Aluno que sai e do Aluno que
entra em serviço.
O Auxiliar do Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos (AUX) será Aluno do 2º Esquadrão e o
substituto do Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos será o Aluno-de-Dia ao 3º Esquadrão (CA-3).
O ACA e AUX deverão permanecer na sala do Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos
durante as aulas. Durante o período de serviço, deverão dedicar integralmente sua atenção aos
aspectos inerentes à rotina do Corpo de Alunos, sendo vedado o uso de dispositivos móveis,
livros ou revistas.
Nos dias úteis, o hasteamento do Pavilhão Nacional será realizado durante a Parada
Diária, na qual deve estar presente a Equipe de Serviço, com exceção do AUX. Em dias úteis,
quando não ocorrer a Parada Diária, o Pavilhão Nacional deverá ser hasteado 07 h e 45 min,
com a presença do ACA e AUX (neste momento o Adjunto ao Oficial de Permanência ao
Corpo de Alunos guarnecerá a sala do ACA).
MANUAL DO ALUNO 2019 32

Nos dias úteis, o comparecimento à arriação do Pavilhão Nacional é obrigatório para o


ACA e o AUX às 17 h e 20 min (neste momento o Adjunto ao Oficial de Permanência ao
Corpo de Alunos guarnecerá a sala do ACA). Militares punidos e demais componentes da
equipe de serviço comparecerão somente ao Briefing da Equipe de Serviço, proferido pelo
OPCA às 18 h.
Nos dias não úteis, com exceção do AUX, toda a equipe de serviço e punidos deverão
comparecer ao hasteamento e à arriação do Pavilhão Nacional, que terão os mesmos horários
dos dias úteis.
É dever do Aluno-de-Dia garantir a qualidade da confecção da Parte Relativa ao
Serviço, no que tange à correção gramatical e à fidedignidade das informações lançadas.
Em caso de serviço mal-executado, fica prevista a possibilidade de serviço extra para o
Aluno-de-Dia, bem como, para os demais membros da equipe. Tal decisão deve ser aplicada
pelo Comando do Esquadrão.

Tabela 3 - Utilização de Uniformes para a Equipe de Serviço


SERVIÇO UNIFORME OBSERVAÇÕES
(1) Aluno-de-Dia ao CA Conforme NPA das Escalas - O uniforme a ser utilizado variará de
(2) Auxiliar ao Aluno-de- de Serviços de Alunos acordo com o uniforme do dia previsto.
Dia ao CA - Ambos deverão usar a Braçadeira de
Serviço.
(3) Aluno-de-Dia aos Conforme NPA das Escalas - Nos serviços (3), (4) e (5), os Alunos
Esquadrões de Serviços de Alunos deverão usar a Braçadeira de Serviço.
(4) Auxiliar do Aluno-de-
Dia aos Esquadrões
(5) Permanência à
SAEPCAR
(6) Permanência ao
Alojamento
(7) Chefe de Turma

20. PRÁTICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A Seção de Instrução Militar do CA (SIM), a Seção de Educação Física da EPCAR


(SEF) e a Seção de Planejamento da Divisão de Ensino (EPC) são os setores competentes para
gerenciar todos os procedimentos relativos à Educação Física, que será realizada através do
Treinamento Físico Profissional Militar (TFPM) e das Modalidades Desportivas da
Competição NAE (Naval - Aeronáutica - Exército).
A prática de Educação Física será realizada de acordo com a programação semanal
confeccionada pela DE, devendo haver retirada de faltas pelo Aluno-de-Dia ao CA durante a
formatura para a sua prática. As faltas apuradas deverão ser registradas no Formulário de
Controle de Efetivo (papeletas), que serão preenchidas de acordo com a justificativa da
ausência do Aluno (trigramas). Na impossibilidade de comparecimento à prática de Educação
Física, o Aluno deverá avisar o fato, com antecedência, ao Chefe de Turma e ao Aluno mais
antigo da equipe de sua modalidade desportiva.
O uniforme para a retirada de faltas será o 9º Uniforme (RUMAER), acrescido da bolsa
individual padronizada. O calçado de corrida, se diferente da cor prevista para o 9 Uniforme
o

(RUMAER), deverá ser levado nas mãos ou na bolsa, devendo ser calçado apenas durante a
prática da atividade de corrida (tanto em forma, quanto nos deslocamentos individuais).
MANUAL DO ALUNO 2019 33

Após a retirada de faltas, ocorrida no Pátio da Bandeira, os Alunos que compõem as


diversas equipes de treinamento de modalidades desportivas deslocar-se-ão formados em
grupamentos, de acordo com os locais de treinamento.
O controle de faltas durante a prática da Educação Física é feito pelos professores
orientadores das modalidades de treinamento, no início e no término das instruções, em
planilha específica confeccionada pela SEF.
Os professores orientadores das modalidades desportivas, em coordenação com a SEF,
farão uma seletiva, visando à composição das equipes previstas na NAE.
Os Alunos que não forem selecionados para as referidas modalidades desportivas serão
direcionados para as turmas de TFPM, que têm como um dos objetivos a preparação para o
Teste de Aptidão de Condicionamento Físico (TACF). Os Alunos selecionados para participar
dos treinamentos para a NAE e que não obtiverem rendimento satisfatório no TACF serão
designados para o TFPM.
Os Alunos do 3º Esquadrão que não forem capazes de nadar ou flutuar realizarão
treinamento específico, com orientação de um profissional de Educação Física, de acordo com
a disponibilidade da piscina, para superar essas limitações.
Com exceção do material esportivo de uso diário das equipes, que será devolvido ao
final do ano letivo, todos os demais materiais retirados da SEF deverão ser devolvidos no
mesmo dia, após sua utilização. Aqueles materiais esportivos de treinamento que forem
retirados mediante cautela deverão ser devolvidos em até 15 (quinze) dias antes do término do
ano letivo.
Quaisquer problemas de ordem material ou estrutural observados pelos Alunos deverão
ser imediatamente levados ao conhecimento da Chefia da SEF.
Os Alunos deverão permanecer na prática de Educação Física até as 17 h e 30 min,
tendo em vista que somente poderão adentrar nos alojamentos a partir das 17 h e 40 min, e
equipe de serviço às 17 h e 35 min. Antes desse horário, fica proibida a presença de Alunos no
âmbito do Corpo de Alunos, alojamentos, H-8 e em áreas próximas, exceto quando em prática
de corrida. Durante esse período, os Alunos dispensados e aqueles que retornarem de consulta
médica ou odontológica deverão permanecer na Biblioteca da EPCAR ou em sala de aula
previamente definida pelo OPCA.
O regresso da prática de Educação Física deverá ser feito “À VONTADE”, trajando o 9 o

Uniforme (RUMAER), sendo admitido o uso de tênis para corrida até antes de adentrar a área
do Corpo de Alunos, a partir de onde deverá transitar com o tênis branco.
Durante as férias, feriados e recessos escolares, os Alunos deverão primar pela
manutenção do seu condicionamento físico e manutenção do peso corporal ideal, segundo as
orientações dos professores ou orientadores das modalidades.
Nos finais de semana e nos dias úteis (antes e após o expediente), a prática de Educação
Física, por iniciativa do Aluno, está autorizada no âmbito do CA, sem necessidade de
apresentação ao OPCA (limite: início às 06 h e término às 18 h). Fora do âmbito do CA, os
Alunos deverão se apresentar ao OPCA para início e término da atividade física (mesmos
limites de horário) e somente poderão realizá-la em dupla, no mínimo, e nunca na piscina.
Com relação às alunas, as atividades somente poderão ocorrer em dupla feminina, no mínimo,
e seguindo todas as demais orientações desse manual.
O treinamento físico após o horário de Educação Física definido pelo Professor da
Modalidade, ou após o horário diferenciado de treinamento para a NAE é proibido.

20.1 PISCINA OLÍMPICA

Para a utilização da piscina, é obrigatória a presença do Professor da modalidade a ser


treinada e somente durante o horário da prática de Educação Física dos Alunos ou horário
diferenciado de treinamento para a NAE. Além disso, é obrigatório o uso do uniforme
previsto no RUMAER e passar pela ducha antes de entrar na piscina.
MANUAL DO ALUNO 2019 34

As Alunas deverão utilizar a bermuda de lycra sobre o maiô para as atividades na


piscina.
Todo o equipamento que for utilizado deverá ser recolhido e guardado no respectivo
armário.
É proibido o acesso à casa de máquinas da piscina.
Em virtude dos cuidados necessários para o tratamento e a manutenção da temperatura
da água, os horários de utilização da piscina serão definidos previamente pela SEF, sendo
proibida a prática de natação, pelos Alunos, fora de tais horários.

20.2 QUADRAS DO GINÁSIO CHARLES ASTOR

A utilização das quadras será prioritária para o treinamento das equipes desportivas,
sendo a prática de Futsal proibida nesse espaço.
Todo e qualquer evento a ser realizado no Ginásio com a presença de Alunos, nos finais
de semana e feriados, deverá ser autorizado pela Chefia da SEF e ser de conhecimento prévio
do Comando do Esquadrão.

20.3. DOJÔ

É proibido pisar no tatame estando calçado.


Todo o material de treinamento deverá ser recolhido e organizado, devendo ser colocado
em seu respectivo lugar, após sua utilização.

20.4. ESTÁDIO OLÍMPICO

Todo o material de treinamento deverá ser recolhido e organizado, devendo ser colocado
em seu respectivo lugar, após sua utilização.
É proibido jogar futebol estando descalço ou com calçados inadequados.
Objetos encontrados na área do Estádio Olímpico deverão ser entregues ao Soldado de
Permanência à SEF, no Ginásio.

20.5 SALAS DE MUSCULAÇÃO

A permanência nas salas de musculação será definida pela SEF.


Será afixado na entrada das salas um quadro contendo os horários de sua utilização
pelas equipes desportivas e pelos Alunos que realizam o TFPM, sendo expressamente
proibido permanecer nas Salas de Musculação fora do horário estipulado para sua
equipe/TFPM.
É proibido permanecer nas salas de musculação sem a presença, no local, de um oficial
ou professor de Educação Física.
É obrigatório o uso de toalha para a utilização dos aparelhos.
Os usuários deverão manusear os equipamentos (anilhas, halteres, presilhas e barras)
com cuidado, de forma a se evitarem quedas dos itens e danos ao piso das salas ou traumas ao
usuário, recolocando-os em seus devidos lugares após a utilização, a fim de manter as salas
organizadas.
O ajuste de volume do aparelho de som instalado nas Salas de Musculação será
estipulado pela SEF e estará afixado ao lado do respectivo aparelho.
Com exceção de água, é proibido o consumo de alimentos ou bebidas no interior das
salas de musculação.

21. PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS


MANUAL DO ALUNO 2019 35

21.1 CONSULTA MÉDICA


Antes de buscar o especialista, o Aluno procurará o médico do CA, a fim de ser avaliada
a real necessidade de atendimento especializado pela queixa apresentada.
O horário de atendimento das consultas pré-agendadas nos ambulatórios de
especialidades será das 18h às 22 h, de segunda a quinta-feira.
Nos casos de emergência, o Aluno dirigir-se-á primeiramente ao médico do CA. Na
ausência deste, ou nos finais de semana, o Aluno deve procurar o Médico-de-Dia, que
procederá ao atendimento e o encaminhará à clínica especializada, caso julgue necessário.
O atendimento de Alunos no Esquadrão de Saúde (ES-BQ) será realizado mediante
marcação de consultas, excetuando-se os casos emergenciais.
A planilha de marcação de consulta médica será fornecida pelo SAME (Subdivisão de
Arquivo Médico e Estatística) ao AUX, diariamente, durante o intervalo maior do período
matutino.
O AUX deverá procurar a Seção Médica do CA com a planilha de marcação de
consultas para preenchimento dos nomes dos Alunos, já triados pelo Médico do CA. Após
isso, caso ainda haja disponibilidade de horários na planilha, o AUX poderá levá-la para a sala
do ACA, a fim de que seja completada por aqueles que desejarem passar pelo especialista por
livre demanda.
É de responsabilidade do AUX encaminhar, diariamente e até as 15 h, a listagem de
marcação de consultas ao SAME.
O Aluno que teve a sua consulta médica agendada deverá comparecer ao ES-BQ no
horário previsto para o atendimento, a fim de não atrasar o andamento da programação diária.
A falta do Aluno à consulta marcada, sem autorização ou justo motivo, implicará em
transgressão disciplinar, devido aos transtornos administrativos causados, bem como à
resultante redução da eficiência do atendimento.
Em todos os casos (emergência ou consultas programadas) é responsabilidade do Aluno
deixar ciente o Chefe de Turma e o OPCA sobre o seu destino.

21.2 CONSULTA ODONTOLÓGICA

No início de cada ano letivo, os Alunos matriculados no CPCAR serão encaminhados à


Seção de Odontologia (SOD) para que seja feita uma avaliação, a fim de se definir a
Prioridade de Tratamento Odontológico (PTO).
O atendimento de Alunos na SOD é coordenado pela secretaria daquela Seção, que
encaminhará ao ACA uma relação nominal dos Alunos a serem atendidos.
O ACA deverá providenciar para que todos os Alunos com consulta odontológica
agendada fiquem cientes do horário e data programados.
Havendo conhecimento prévio de impossibilidade de comparecimento por parte do
Aluno agendado, o ACA deverá entrar em contato com a SOD.
A escala de atendimento obedecerá aos seguintes critérios: o atendimento na SOD
acontecerá de segunda a quinta-feira, das 19 h às 22 h; cada dentista atenderá diariamente 4
(quatro) Alunos, de acordo com a PTO, obedecendo à antiguidade hierárquica entre os
Esquadrões; e o Aluno que necessitar de atendimento odontológico em caráter emergencial
dirigir-se-á à SOD, dando ciência ao Chefe de Turma.
Compete ao Aluno escalado para tratamento na SOD cumprir o horário de sua consulta,
chegar com 5 (cinco) minutos de antecedência, sob pena de não ser atendido, com a resultante
comunicação de sua falta ao Esquadrão; e caso esteja impossibilitado de cumprir o horário de
atendimento previsto na escala, deverá informar ao ACA, até as 13 h, para que seja possível
providenciar a devida substituição, junto à Secretaria da SOD.
MANUAL DO ALUNO 2019 36

A falta do Aluno à Consulta Odontológica, sem autorização ou justo motivo, implicará


em transgressão disciplinar sujeita às sanções previstas, devido aos transtornos
administrativos causados, bem como à resultante redução da eficiência do atendimento.

21.3 PROCEDIMENTOS QUANDO DA OCORRÊNCIA DE SÁBADOS LETIVOS

Na sexta-feira que precede ao sábado letivo, os Alunos cumprirão a rotina normal. Aos
sábados, a rotina seguirá a programação elaborada pela DE.
O comparecimento ao almoço obedecerá à previsão previamente encaminhada ao
Rancho.

21.4 UTILIZAÇÃO DA BARBEARIA

A barbearia de Alunos funciona de segunda a quinta-feira, das 18 h e 15 min às 22 h,


podendo, por solicitação do Comando do Corpo de Alunos, funcionar em horários
extraordinários.
O encarregado da barbearia dos Alunos elaborará, trimestralmente, a escala de corte de
cabelo para os Esquadrões, a qual será afixada nos Quadros de Avisos dos Esquadrões e na
barbearia.
A utilização da barbearia ficará condicionada à autorização do desconto em
contracheque do Aluno, junto ao seu Esquadrão, sendo-lhe facultada a desistência, a qualquer
tempo, mediante comunicação formal.
O comparecimento do Aluno à Barbearia será com o uniforme do dia, sendo proibida a
utilização do 9º Uniforme nesse local.
O Aluno poderá cortar o cabelo em dia e horário que não sejam os previstos na
respectiva escala, desde que em situações extraordinárias e devidamente coordenadas pelo
Comando do Esquadrão, lembrando que a prioridade para o corte será da turma escalada para
o dia.
Haverá um horário específico para o uso da barbearia pelas Alunas. Tal horário será
estipulado pelo Comando do Esquadrão em comum acordo com o devido setor.

21.5 UTILIZAÇÃO DA LAVANDERIA

A lavanderia da EPCAR atenderá aos Alunos, desde que seguidas as orientações


estabelecidas pela NPA 01/AINE/2015 do setor.
Sendo assim, os Alunos poderão ser atendidos de segunda a quinta das 17 h às 22 h,
exceto os dias em que não haja expediente.
Haverá, ainda, um horário específico para a entrega de roupa das Alunas na lavanderia.
Tal horário será estipulado pelo Comando do Esquadrão em comum acordo com o devido
setor.

22. RELACIONAMENTO AFETIVO DENTRO DA EPCAR

Enquanto no interior das Organizações Militares, é rigorosamente proibido ao Aluno


manifestar explicitamente comportamentos decorrentes de relacionamentos afetivos, tais
como: beijos, abraços, demonstração de carinhos ou apertos de mão prolongados.
Em bailes, enquanto fardado, é permitido ao aluno dançar com seu par, sendo vedada a
demonstração de afeto por meio de beijos ou abraços prolongados.
No início e término de relacionamento afetivo do Aluno com militares ou servidores
civis do efetivo da EPCAR, o Aluno deverá comunicar o fato ao Comandante do Esquadrão,
como forma de subsídio para futuras análises de desempenho, haja vista que tal
MANUAL DO ALUNO 2019 37

relacionamento poderá interferir em seu desempenho global. Além disso, o Aluno menor de
18 (dezoito) anos deverá entregar uma declaração de ciência desse relacionamento, assinada
pelos pais ou responsáveis.
O local de permanência dos casais, após encerradas as atividades de rotina do Corpo de
Alunos, deverá ser no Salão da SAEPCAR, desde que bem iluminado, dentro do horário de
funcionamento do mesmo e respeitadas as orientações do primeiro parágrafo deste item e do
segundo parágrafo do item 8. O limite mínimo de distância que poderá ser mantido entre os
Alunos será de “um braço”.
O Aluno deve atentar para o fato de que as relações afetivas, no âmbito da EPCAR ou
fora dela, não serão consideradas como justificativa para o descumprimento de quaisquer de
suas obrigações ou da rotina diária.

23. VISITAS AOS ALUNOS

Os Alunos poderão ser visitados, desde que não haja interferências com a rotina
acadêmica do CPCAR. Entretanto, os Alunos deverão alertar previamente os visitantes quanto
à necessidade de utilização de trajes condizentes e quanto à proibição de uso de chinelos,
camisetas sem mangas e bermudas, pois, do contrário, serão impedidos de entrar na EPCAR.
Os Alunos deverão proceder de maneira discreta quando da recepção de namoradas(os).
A visita fica restrita ao salão da SAEPCAR e à lanchonete. Durante as visitas aos Alunos,
caso os visitantes sejam menores de idade, deverão estar acompanhados dos responsáveis
legais.
Não é permitida a entrada de visitantes, civis ou militares, na Sala de Vídeo da
SAEPCAR.
A visita de familiares e visitantes (civis ou militares) aos alojamentos é proibida, por
ordem do Comandante da EPCAR.
As visitas em dias úteis poderão ocorrer após o término da rotina (17 h e 30 min) até as
21 h, desde que previamente agendadas pelo interessado junto ao Comando do Esquadrão a
que pertencer o Aluno.
Os militares de serviço no Portão da Guarda encaminharão os visitantes para o OPCA.
Este entrará em contato com o Comando do Esquadrão a que pertencer o Aluno.
Em dias não úteis, os visitantes, após serem identificados no Portão da Guarda, serão
encaminhados até o OPCA que, em coordenação com o ACA, encaminhará o visitante para o
Salão da Sociedade Acadêmica, em companhia de um Aluno da Equipe de Serviço de
Relações Públicas, até a chegada do Aluno visitado.
Para os dias não úteis, as seguintes diretrizes deverão ser cumpridas:
• as visitas poderão ser realizadas entre 08 h e 21 h sem agendamento para os Alunos que
não estiverem envolvidos com atividades programadas;
• serão necessários o agendamento e a coordenação de horários para receber visita os
Alunos que estiverem cumprindo sansão disciplinar ou envolvidos com atividades
programadas;
• as instalações da EPCAR poderão ser visitadas até as 17 h. A partir desse horário as
visitas ficarão restritas às dependências da Sociedade Acadêmica e da lanchonete, até o limite
de 21 h.
É obrigação do Aluno observar, a todo o tempo, as determinações constantes deste
Manual, orientando também aos seus visitantes, quando pertinente.
MANUAL DO ALUNO 2019 38

Quando dentre os visitantes houver militar fardado de patente superior à sua,


independentemente de parentesco, laço afetivo ou amizade, é dever do Aluno cumprir todas as
determinações quanto à conduta frente a superiores hierárquicos.
Nos dias em que houver festividades na Escola e no Corpo de Alunos (bailes,
formaturas, desfiles, competições esportivas), fica estabelecido como horário limite para as
visitas o encerramento do evento.

24. RECEBIMENTO DE ENCOMENDAS

O recebimento de encomendas será realizado pelo próprio Aluno em dias não úteis,
quando estiver licenciado, nas proximidades do portão da guarda e sem envolver a equipe de
serviço. Deverá, para tanto, receber a encomenda realizada no lado externo ao Portão da
Guarda. Alunos cumprindo quaisquer sanções disciplinares ou Medidas Doutrinárias não
poderão receber encomendas, haja vista a necessidade de realizar o recebimento no âmbito
externo à EPCAR.
Quando o Aluno precisar pedir algum tipo de medicamento, deverá dirigir-se ao OPCA
ou AOPCA. Na ocasião, a entrega do medicamento poderá ser solicitada via telefone. Cabe ao
OPCA/AOPCA informar sobre o pedido feito e a entrega combinada na Guarda, para evitar
qualquer desencontro de informação.
Não é permitido receber quaisquer tipos de encomendas na guarda nos dias úteis.
Mesmo que sejam de familiares dos alunos.
25. OCORRÊNCIA POLICIAL

Quando estiver envolvido em ocorrência policial e houver necessidade de sua condução


à Delegacia de Polícia, o Aluno deverá procurar estabelecer contato com uma Unidade Militar
da localidade, preferencialmente da FAB, a fim de solicitar escolta de militares mais antigos
para lhe acompanharem no desenrolar da ocorrência. Ao final, o Aluno deverá providenciar o
Boletim de Ocorrência e informar o fato ocorrido, o mais rápido possível, ao Comandante do
Esquadrão.
O Aluno poderá prestar depoimento, desde que devidamente intimado por meio de
Ofício dirigido ao Comando da EPCAR.
O Aluno só poderá ser preso/apreendido pela Autoridade Policial quando em flagrante
delito e, apenas neste caso, prestará depoimento independentemente de Ofício remetido à
EPCAR. Após esse procedimento, deverá ser encaminhado à OM mais próxima (se possível
da Aeronáutica), pois não poderá ficar detido na delegacia.

26. SECRETARIA DO CORPO DE ALUNOS

É o setor responsável por todo o trato administrativo das diversas Seções e Esquadrões,
bem como pela montagem de Alojamentos a serem utilizados pelos Alunos.
O apoio prestado aos Alunos pela Secretaria do CA será intermediado pelos Comandos
de Esquadrão, por meio dos quais serão apresentados os pedidos de documentos que os
discentes venham precisar.
É vedada ao Aluno a utilização dos serviços de reprografia e de mensagem fac-símile
para fins particulares.
A retirada das malas do maleiro, caso este seja instituído, deve ser efetuada sob a
coordenação do Encarregado da Seção de Material do CA, após o término da Instrução de
Educação Física do dia anterior ao do Licenciamento.
MANUAL DO ALUNO 2019 39

A guarda de malas ou bolsas no maleiro, caso este seja instituído, deve ser efetuada sob
a coordenação do Encarregado da Seção de Material do CA, após o término da Instrução de
Educação Física do dia posterior ao do retorno do Licenciamento.

27.MEDIDAS DOUTRINÁRIAS

Considerando que a carreira militar exige qualificação, treinamento, dedicação e


comprometimento dos seus integrantes, durante a realização do CPCAR, os Alunos são
submetidos a um Programa de Instrução Militar que visa a proporcionar-lhes as ferramentas
necessárias ao desempenho das futuras atividades como membros da FAB.
Um dos principais aspectos abordados nesse Programa é a prontidão, uma vez que a
pronta resposta é uma importante característica exigida do Oficial Aviador. Assim sendo, o
Aluno será continuamente lapidado de forma a desenvolver a mentalidade de amor à profissão
e de disponibilidade para atuar a qualquer momento.
Para tanto, foram estabelecidas Medidas Doutrinárias que visam a fortalecer a
disciplina, o espírito de corpo e o senso de justiça. Não se trata de ações punitivas, mas sim de
medidas destinadas a reeducar, fortalecer e aprimorar a conduta dos Alunos do CPCAR.
Dependendo da situação, elas darão ao jovem militar a oportunidade para refletir,
aprimorar ou corrigir sua conduta, sem que seja necessário submetê-lo a um processo
disciplinar que pudesse resultar em uma punição administrativa.
Apesar de não ser registrada no Histórico Militar do Aluno, a Medida Doutrinária
constará em dossiê, para fins de controle e composição do seu conceito militar.
São Medidas Doutrinárias o Licenciamento não Concedido (LNC) e a Apresentação em
Data e Horário Pré-determinados (ADHPD).

27.1 LICENCIAMENTO NÃO CONCEDIDO (LNC)

Caracteriza-se pela não concessão do Licenciamento do Aluno em determinado final de


semana, ou outro dia não útil, em que o restante do Corpo de Alunos tenha sido licenciado.
Tem amparo no fato de que o CPCAR, conforme previsto no Edital de Exame de
Admissão, constitui-se num curso ministrado sob o regime de internato, sendo o
licenciamento dos Alunos nos finais de semana uma concessão dada pelo Comandante da
EPCAR.

MEDIDA LOCAIS DE PERMANÊNCIA INTERVALOS DE


UNIFORME PREVISTO
DOUTRINÁRIA AUTORIZADA REVISTAS
Hasteamento
LNC Interior da EPCAR Arriação 10º Uniforme
Pernoite

27.2 APRESENTAÇÃO EM DATA E HORÁRIO PRÉ-DETERMINADOS (ADHPD)

Caracteriza-se pela determinação de que o militar se apresente ao OPCA em data e


horário pré-determinados, trajando o uniforme que for definido pela autoridade aplicadora,
para cada apresentação. Tal medida será aplicada em dias letivos.

MEDIDA LOCAIS DE PERMANÊNCIA INTERVALOS DE


UNIFORME PREVISTO
DOUTRINÁRIA AUTORIZADA REVISTAS
ADHPD Interior da EPCAR A ser definido A ser definido
MANUAL DO ALUNO 2019 40

27.3 MEDIDAS DISCIPLINADORAS PREVISTAS PELO RDAER

A conduta disciplinar requerida na EPCAR está baseada no cumprimento de princípios


éticos e visa a aprimorar as qualidades morais dos Alunos, moldando seu caráter na
obediência espontânea e consciente às exigências dos preceitos regulamentares.
O Aluno deve ter sempre em mente que a disciplina necessária a uma escola de
formação militar inspira-se no dever e na compreensão nítida das obrigações que assumiu ao
ingressar na FAB. Quando houver qualquer desvio na conduta de um Aluno, em que a ação
educativa por meio dos exemplos e das orientações não for suficiente para doutriná-lo, será
aplicada medida disciplinadora pertinente ao caso, após a devida apuração do fato.
Durante o expediente, para cumprimento de medidas disciplinadoras (detenção e
prisão), o Aluno deverá utilizar o uniforme do dia.
Nos dias não úteis e nos dias úteis após o término do expediente, o cumprimento das
medidas disciplinadoras deverá ser feito de 10º Uniforme para detenção e de 7º Uniforme para
o cumprimento da prisão.

27.4 TRANSGRESSÃO DISCIPLINAR

Para fins de apuração da conduta dos Alunos do CPCAR, serão consideradas


Transgressões Disciplinares todas as previstas no Art. 10 do Regulamento Disciplinar da
Aeronáutica (RDAER), RMA 29-1 (Regulamento do Ministério da Aeronáutica).
Para toda Transgressão Disciplinar cometida por Aluno será aberto um FATD, do qual o
Aluno tomará ciência pessoalmente e na presença de duas testemunhas, em conformidade
com a Portaria n 782/GC3, de 10 de novembro de 2010.
o

O Aluno terá o prazo de 5 (cinco) dias úteis, a contar do dia posterior à data de
recebimento do FATD, para proceder, por escrito e em campo próprio, à sua justificativa, sob
pena de não cumprido o prazo, incorrer em nova Transgressão Disciplinar.
Após a devolução do FATD pelo Aluno, o Oficial Apurador verificará a procedência ou
não da acusação e da justificativa apresentada, analisará as circunstâncias atenuantes ou
agravantes e proporá à Autoridade competente uma punição administrativa disciplinar ou
outra solução que entender mais justa e adequada.
O Comandante ou Subcomandante do CA analisará todas as informações inseridas no
processo de apuração, acolherá ou não a proposta do Oficial Apurador e aplicará uma punição
administrativa disciplinar ou outra solução que entender mais justa e adequada.
A punição administrativa disciplinar será aplicada na forma indicada pelo RDAER, ou
seja, repreensão, detenção, prisão, desligamento do curso ou licenciamento a bem da
disciplina.
O Aluno no cumprimento de prisão ou detenção nos dias úteis, além de cumprir toda a
rotina diária, deverá também participar das formaturas do Briefing da Equipe de Serviço e do
Pernoite. Nos dias não úteis, deverá participar das formaturas de hasteamento e arriação do
Pavilhão Nacional, do Briefing da Equipe de Serviço e do Pernoite, devendo, sem exceções,
cumprir a rotina especificada no quadro a seguir:

LOCAIS DE PERMANÊNCIA INTERVALOS DE UNIFORME


PUNIÇÃO
AUTORIZADA REVISTAS PREVISTO
Alojamento
Duas em duas horas 10º Uniforme
DETENÇÃO Biblioteca
Sala de Aula
PRISÃO Uma em uma hora 7º Uniforme
Rancho
MANUAL DO ALUNO 2019 41

28. ALUNO EM PROCESSO DE DESLIGAMENTO

Todos os Alunos nessa situação deverão cumprir todas as normas e procedimentos


previstos neste Manual, até que seja efetivado seu desligamento, devidamente homologado
pelo comandante do seu respectivo Esquadrão.
Nos dias úteis, no período em que os demais Alunos estiverem nas atividades
programadas, deverá permanecer na biblioteca ou estar percorrendo os setores da EPCAR
acompanhado de um militar do CA para realizar seu desimpedimento nesses locais. A
permanência nos alojamentos somente é permitida quando todo o esquadrão estiver liberado
para utilizar tal dependência.
Nos dias não úteis, o Aluno será licenciado, conforme o plano de licenciamento do
respectivo esquadrão.

29. DISPOSIÇÕES FINAIS

Toda vez que houver modificação ou inclusão de procedimento no Corpo de Alunos,


será redigida uma Ordem em Vigor, a qual deverá ser rigorosamente cumprida, até que seu
conteúdo seja inserido definitivamente na próxima atualização do Manual do Aluno.
Este Manual revoga todas as ordens em contrário emitidas antes da data de sua
publicação.
Os casos omissos e as dúvidas não esclarecidas neste Manual serão resolvidos pelo
Comandante do Corpo de Alunos.

Barbacena, 19 de dezembro de 2018.

MAURO BELLINTANI Cel


Av
Comandante Interino da EPCAR
MANUAL DO ALUNO 2019 42

ANEXO A
MANUAL DO ALUNO 2019 43

CONTINUAÇÃO ANEXO A
MANUAL DO ALUNO 2019 44

CONTINUAÇÃO ANEXO A
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA

DOUTRINA MILITAR

PROGRAMA DE FORMAÇÃO MILITAR DO CURSO


PREPARATÓRIO DE CADETES DO AR

(PFM-CPCAR)
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR

DOUTRINA MILITAR

PROGRAMA DE FORMAÇÃO MILITAR DO CURSO


PREPARATÓRIO DE CADETES DO AR

(PFM-CPCAR)

2018
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR
CORPO DE ALUNOS

PORTARIA EPCAR Nº 279/CADO, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2017.

Aprova a Publicação do Programa


de Formação Militar do Curso
Preparatório de Cadetes do Ar.

O COMANDANTE DA ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO


AR, no uso das suas atribuições previstas no inciso II do Art. 10 do Regulamento da Escola
Preparatória de Cadetes do Ar, aprovado pela Portaria no 965/GC3 de 9 de outubro de 2009,
resolve:

Art. 1º Publicar o Programa de Formação Militar do Curso Preparatório de


Cadetes do Ar.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Brig Ar JOSÉ AGUINALDO DE MOURA


Cmt da EPCAR
PREFÁCIO

Aluno, o objetivo deste manual é propiciar que você se inteire das regras e das
etapas que passará durante essa etapa da formação militar.
Aqui estão as informações que irão ajudá-lo a se integrar e se adaptar à
filosofia de trabalho do Corpo de Alunos da EPCAR.
Estão descritas nas páginas seguintes, as fases do Programa de Formação
Militar, o que lhe permitirá visualizar os deveres e responsabilidades do Aluno nas diferentes
etapas de formação.
SUMÁRIO

1 GENERALIDADES........................................................................................................ 6
1.1 FINALIDADE................................................................................................................ 6
1.2 CONCEITUAÇÃO DOUTRINÁRIA....................................................................….... 6
1.2.1 Programa de Formação Militar Básico (PFM-B)...................................................…. 6
1.2.2 Programa de Formação Militar Intermediário (PFM-I)......................................…..... 7
1.2.3 Programa de Formação Militar Avançado (PFM-A)................................................... 7
2 AUXILIARES DO CORPO DE ALUNOS..................................................………….. 8
2.1 CONSTITUIÇÃO…………………………..........................................................……. 9
2.2 CRITÉRIOS DE SELEÇÃO.......................................................................…………... 9
2.2.1 Líder do Corpo De Alunos........................................................................………...... 10
2.2.2 Auxiliares de Esquadrão.............................................................……………………. 10
2.3 DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES…………..................................................................... 10
2.3.1 Líder do Corpo de Alunos (LCA)..............................................................………….. 10
2.3.1.1Atribuições do LCA.................................................................................................. 10
2.3.1.2 Prerrogativas do LCA............................................................................................... 11
2.3.2 Auxiliares de Esquadrão.....................……………….............................…………… 11
2.3.2.1 Atribuições Gerais....................................................................................…............ 12
2.3.2.2 Atribuições Específicas dos Auxiliares do 3° Esquadrão....................................…. 13
2.3.2.3 Atribuições Específicas dos Auxiliares do 2° Esquadrão.............................……… 13
2.3.2.4 Atribuições Específicas dos Auxiliares do 1° Esquadrão...…............................... 14
2.3.2.5 Prerrogativas dos Auxiliares de Esquadrão. 14
2.4 CONCESSÕES AOS AUXILIARES DO CA........................................………...……. 14
3 RESPONSABILIDADES DO CORPO DE ALUNOS..........................................…... 15
3.1COMANDANTES DE ESQUADRÃO................................................................…….. 15
3.2 SEÇÃO DE DOUTRINA DO CORPO DE ALUNOS.............................................…. 15
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS.................................................................……………..... 15
PFM-CPCAR 6

1 GENERALIDADES

1.1 FINALIDADE

Estabelecer as atribuições e as orientações para os Alunos acerca do Programa de


Formação Militar (PFM) ao longo dos três anos de formação.

1.2 CONCEITUAÇÃO DOUTRINÁRIA

O Programa de Formação Militar, no Curso Preparatório de Cadetes do Ar, orienta a


preparação dos futuros Cadetes da Força Aérea Brasileira.
O PFM tem por finalidade nortear a parte da formação militar responsável pelo
desenvolvimento da autodisciplina, a compreensão de autoridade e hierarquia e o acatamento
consciente das regras, além de forjar fortes laços de camaradagem.
É nesse período que o futuro Cadete deve aprender a obedecer, tornando-se um bom
liderado, pois:
“Bem sabe mandar quem bem soube obedecer.
A obediência é a condição orgânica da utilidade da força,
É a sua legitimação,
É o segredo moral dos triunfos militares”
(Ruy Barbosa)

Está divido em três níveis, sendo:


• Básico (PFM-B): destinado ao Primeiro Esquadrão;

• Intermediário (PFM-I): destinado ao Segundo Esquadrão; e

• Avançado (PFM-A):destinado ao Terceiro Esquadrão.

1.2.1 Programa de Formação Militar Básico (PFM-B)

Tem início com a apresentação dos Estagiários para o Estágio de Adaptação Militar
(EAM), o qual tem a função de adaptar o jovem à vida na caserna e às peculiaridades da Força,
através de um programa de treinamento doutrinário, físico e militar, estimulando o gosto pela
profissão, o espírito de corpo, a disciplina, a organização, desenvolvendo, ainda, o hábito da
atividade física e do estudo, tudo, com base nos mais elevados princípios éticos e morais.
PFM-CPCAR 7

Desenvolve-se ao longo do primeiro ano, contando com acentuados treinamentos


físicos e psicológicos e é marcado pela orientação e pelo estímulo, de forma a integrar o militar no
Corpo de Alunos.
Nesse período serão fortalecidos os valores de acordo com Manual do Conselho de
Honra e apresentadas as principais características do liderado.

1.2.2 Programa de Formação Militar Intermediário (PFM-I)

É voltado para a consolidação dos conceitos apresentados no primeiro ano. No


decorrer do ano, serão apresentadas novas características de um liderado e reiterado o
fortalecimento de valores.
A prontidão militar será posta em prática de uma forma mais constante, e se espera
que o Aluno tenha uma postura militar adequada e sirva de exemplo para os mais modernos.
Além disso, a realização de atividades de serviço possibilitará uma maior interação
com os demais alunos e, com isso, o desenvolvimento da sua capacidade de comunicação social e
de respeito às autoridades constituídas.
Nesta fase, o aluno deve ser estimulado a observar o desempenho dos Alunos do 3º
ano, nas atividades que passarão a ser da sua responsabilidade no ano subsequente, devendo ter um
pensamento crítico para analisar méritos e deméritos, visando a apresentar um desempenho melhor
ao ingressar na fase avançada do PFM.

1.2.3 Programa de Formação Militar Avançado (PFM-A)

Ao atingir o Programa de Formação Militar Avançado (PFM-A), os Alunos que


cursam o último ano do Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR) terão a oportunidade de
auxiliarem os Comandantes do 3°, 2° e 1° Esquadrões na transmissão dos valores e da doutrina do
Corpo de Alunos. O PFM-A também possibilitará aos Alunos trilhar os primeiros passos em direção
ao adequado tratamento com os subordinados hierárquicos.
O Aluno do 3° ano do CPCAR, por intermédio dos exemplos e dos ensinamentos
recebidos, identificará suas capacidades e limitações, o que lhe permitirá amadurecer e adquirir
domínio próprio para influenciar, efetivamente, seus pares e subordinados. Tal resultado será
alcançado de forma mais direta, por intermédio da prática dos diversos serviços, funções da
SAEPCAR, direção de Clubes (todos esses descritos em normatizações próprias), bem como nas
funções de Auxiliares do Comando, cujas atribuições serão apresentadas mais à frente.
PFM-CPCAR 8

Nesta fase, será possível ao Aluno desenvolver sua capacidade de comunicação, seu
relacionamento interpessoal e seus atributos físicos e morais, necessários futuramente no Programa
de Treinamento Militar (PTM) e Programa de Treinamento de Liderança (PTL) da Academia da
Força Aérea (AFA) e na carreira militar.
O Aluno terá a oportunidade de se aprimorar, uma vez que deverá estar
constantemente servindo de EXEMPLO para seus subordinados, obrigando-o a lapidar suas
capacidades e caráter militar, além de contribuir para a disseminação e reforço da doutrina militar
junto aos Alunos mais modernos, devido ao extenso contato com eles.
Destacam-se os seguintes conhecimentos, habilidades e atitudes que deverão ser
assimilados pelos Alunos durante esse processo de aprendizagem:
a) no campo cognitivo (conhecimentos): organização e controle de tarefas,
trabalho de grupo e avaliação de desempenho;
b) no campo psicomotor (habilidade): comandamento de tropa militar; e
c) no campo afetivo (atitudes): atitude militar, responsabilidade,
comprometimento e espírito de corpo.

2 AUXILIARES DO CORPO DE ALUNOS

Com o objetivo de permitir que os Alunos do 3° Ano possam praticar ensinamentos


de conduta ante os subordinados, vistos nos anos anteriores, alguns deles serão designados para
exercer a função de Auxiliar do Comando. Para tanto, o PFM-A estabelecerá as atribuições para
essas funções ressaltando que a ferramenta prioritária no momento da carreira em que se encontram
dar-se-á pelo EXEMPLO. Outrossim, definirá limites no trato com os subordinados e no
desenvolvimento de suas tarefas frente ao Corpo de Alunos.
Para os Alunos selecionados para atuarem no EAM, será ministrado um Estágio
Teórico de Preparação e Padronização.
Assim, os Auxiliares do Corpo de Alunos deverão:
a) valorizar a importância do exemplo;
b) controlar a execução das tarefas preestabelecidas pelo Comando do Esquadrão;
c) executar tarefas atribuídas com o uso de técnica de trabalho de grupo;
d) elaborar o conceito de pares e subordinados de forma a auxiliar o Comando
quando da confecção do conceito militar;
e) defender e disseminar os princípios basilares do militarismo: Disciplina e
PFM-CPCAR 9

Hierarquia;
f) reconhecer a importância da missão da Instituição;
g) demonstrar atitudes de respeito para com a missão do grupo de subordinados;
h) acompanhar o desenvolvimento dos subordinados; e
i) demonstrar responsabilidade para com os atos executados.
O processo de aprendizagem ao qual o Aluno será submetido, em especial o Auxiliar
do CA, permitirá que seja possível o exercício de atividades doutrinárias junto aos Alunos do
mesmo esquadrão e mais modernos, porém, sob a orientação e a supervisão dos Oficias dos
Comandos dos respectivos Esquadrões.
Em qualquer situação cuja a influência precise ser aplicada de outra forma que não
através exemplo, os Alunos deverão cumprir estritamente o autorizado pelo Comando do
Esquadrão em questão, estando sempre sob supervisão, uma vez que também estarão em
instrução/formação.

2.1 CONSTITUIÇÃO

Os Auxiliares do Corpo de Alunos contemplam as seguintes funções:


a) Líder do Corpo de Alunos;
b) auxiliares do 3° Esquadrão;
c) auxiliares do 2° Esquadrão; e
d) auxiliares do 1° Esquadrão;

2.2 CRITÉRIOS DE SELEÇÃO

O Comandante do 2° Esquadrão, após a indicação dos nomes para comporem as


diversas funções previstas neste programa e com a devida aprovação do Comandante do Corpo de
Alunos, divulgará os nomes dos Alunos que irão participar da adaptação do 1° Esquadrão,
juntamente com o Líder do Corpo de Alunos.
Ao término desse período, os Alunos que participaram da adaptação, concorrerão às
diversas funções previstas neste documento.
A escolha será realizada pelo Comandante do 3° Esquadrão, assessorado pelos
diversos setores envolvidos no Estágio de Adaptação Militar (EAM).
Os critérios a serem adotados na seleção dos cargos serão pormenorizados a seguir:
PFM-CPCAR 10

2.2.1 Líder do Corpo de Alunos

Será o Aluno do 3° ano classificado como primeiro colocado na apuração final do 2°


ano do CPCAR.

2.2.2 Auxiliares de Esquadrão

Deverão, de cunho obrigatório, ser observados os seguintes critérios:


a) estar situado, no mínimo, na faixa de conceito militar acima do grau 8,50;
b) estar dentro dos 40% mais antigos da sua turma, considerada a classificação do
ano da escolha;
c) ter sido indicado pelo Comando de seu Esquadrão; e
d) ter seu nome aprovado pelo Comandante do CA.
Deverão, de cunho facultativo, ser observados os seguintes critérios:
a) ter sido indicado por sua turma;
b) ter sido indicado pelos Auxiliares do CA da turma anterior;
c) não ter apresentado dificuldades nas atividades acadêmicas; e
d) possuir rigidez física adequada à função.

2.3 DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES

2.3.1 Líder do Corpo de Alunos (LCA)


O Líder do Corpo de Alunos (LCA) é o principal elo entre a Seção de Doutrina do
Corpo de Alunos, a Seção de Instrução Militar do Corpo de Alunos (SIM) e os Alunos.
As atribuições e prerrogativas do LCA são privativas do Aluno que obteve a
classificação correspondente, não podendo delas abdicar para assumir outras funções.
Seu substituto eventual será o segundo colocado do Terceiro Esquadrão.

2.3.1.1 Atribuições do LCA

O LCA sempre agirá orientado pelo Comando do 3° Esquadrão, sendo responsável


por:
a) transmitir as ordens emanadas pela Seção de Doutrina e pela SIM;
PFM-CPCAR 11

b) levar ao conhecimento da Seção de Doutrina os anseios dos Alunos, bem como


sugerir alterações de manuais, procedimentos, horários etc.;
c) influenciar os demais alunos em todas as situações, principalmente, pelo exemplo;
d) acompanhar de perto a rotina do CA, assessorando a Seção de Doutrina sobre
eventuais problemas;
e) presidir a parada diária do CA na ausência de superiores hierárquicos;
f) fiscalizar a atuação dos demais Auxiliares, orientando-os para que atinjam os
objetivos propostos neste programa;
g) diligenciar para que todos os procedimentos previstos no Manual do Aluno sejam
seguidos e praticados;
h) agendar, sempre que julgar necessário, reuniões com todo o CA para tratar de
assuntos gerais, após autorização do Comando do 3° Esquadrão e da Seção de Doutrina; e
i) atuar junto ao Conselho de Honra;

2.3.1.2 Prerrogativas do LCA

As prerrogativas do LCA são impessoais e intransferíveis, uma vez que são inerentes
à função. São elas:
a) ser porta-estandarte da EPCAR nas formaturas e solenidades em que o Corpo de
Alunos comparecer;
b) convocar reuniões com o Corpo de Alunos sempre que julgar necessário, após
aprovação do Comando do Corpo de Alunos;
c) usar o distintivo correspondente à sua função e utilizar o gorro azul sem pala e
com o friso prata;
d) participar, como Auxiliar de Instrução, do Estágio de Adaptação do 1º Esquadrão;
e
e) participar dos Exercícios de Campanha do 1º e 2º Esquadrões, como observador,
desde que convocado pela SIM, sem prejuízo às aulas e às atividades programadas pela Divisão de
Ensino e autorizado pelo Comando do 3° Esquadrão.

2.3.2 Auxiliares de Esquadrão (AE)

Os Auxiliares de Esquadrão são os principais elos de comunicação entre o Comando


do Esquadrão e seu respectivo efetivo de Alunos. Todo o seu planejamento e ações devem ser
PFM-CPCAR 12

pautados, estritamente, nas orientações do Comando do Esquadrão que auxiliam.

2.3.2.1 Atribuições Gerais

As atividades do Auxiliar de Esquadrão, junto ao efetivo de Alunos, devem


restringir-se à comunicação de informações e reforço de conteúdo doutrinário, tudo sob a orientação
e a autorização do respectivo Comando do Esquadrão e da Seção de Doutrina.
Sendo assim, o AE deverá:
a) cumprir e fazer cumprir, no âmbito do Esquadrão que auxilia, as orientações do
respectivo Comando e as diretrizes aprovadas;
b) inteirar-se de suas atribuições, de acordo com o Programa de Formação Militar;
c) acompanhar de perto a rotina dos seus subordinados, procurando assessorar o Comando
do Esquadrão sobre problemas julgados de relevância para a coletividade;
d) supervisionar a conduta militar do respectivo Esquadrão e informar ao Comando
qualquer aspecto positivo ou negativo que mereça ser destacado;
e) encaminhar as Fichas de Observação (FOBS) recebidas ao Comando do
Esquadrão do aluno observado;
f) apresentar ao Comando do Esquadrão, impreterivelmente até a sexta-feira da
semana anterior, o planejamento de atividades propostas para o horário de pernoite da semana
seguinte, devendo as mesmas serem executadas somente após a devida aprovação e sob a
supervisão do Oficial de Permanência do Corpo de Alunos (OPCA) ou do seu Adjunto;
g) servir de elo entre o Comando e os Alunos do Esquadrão, transmitindo ordens,
auxiliando no doutrinamento e levando ao Comando do Esquadrão os assuntos considerados
relevantes;
h) assegurar-se de que somente os procedimentos previstos no Manual do Aluno
sejam ensinados e cobrados;
i) preencher as fichas de conceito militar dos Alunos subordinados, devendo entregá-
las no Comando do Esquadrão no último dia útil dos meses de maio e setembro;
j) inteirar-se de suas atividades programadas;
k) praticar sua capacidade de comunicação e desenvoltura quando à frente da tropa
por meio de treinamentos gerenciados pelo Comando do Esquadrão/Seção de Doutrina;
l) buscar conhecer os integrantes do Esquadrão, suas aptidões e dificuldades,
contribuindo para o desenvolvimento das suas potencialidades, orientando-os ou advertindo-os,
conforme o preconizado nas normas e regulamentos;
PFM-CPCAR 13

m) acompanhar o desempenho dos Alunos, tanto no Corpo de Alunos como na


Divisão de Ensino;
n) reforçar a doutrina da disciplina consciente nos Alunos;
o) conscientizar os Alunos da importância de se manter atualizado o registro de
dados cadastrais no Comando do Esquadrão, notificando o Esquadrão quanto a possíveis
discrepâncias;
p) orientar os Chefes de Turma quanto à correta retirada de faltas e preenchimento
das papeletas durante as formaturas de rotina;
q) ser um exemplo para os seus subordinados em todos os aspectos, procurando
sempre passar informações e experiências úteis à vida acadêmica;
r) manter uma abordagem respeitosa e sem o uso de informalidades frente ao
subordinado;
s) efetuar revistas diárias dos uniformes durante as formaturas de rotina, orientando
seus subordinados e, caso haja alguma alteração, informar ao Comando do Esquadrão via FOBS;
t) motivar seus subordinados para as atividades extracurriculares desenvolvidas na
Escola; e
u) manter registro de informações sobre os subordinados, que tenham por objetivo
relacionar aspectos positivos e negativos sobre a conduta militar de um determinado aluno,
baseando-se sempre em fatos observados (não em impressões pessoais), com vistas a assessorar o
Comandante do Esquadrão na confecção do conceito militar desse Aluno.
Vale ressaltar que as informações contidas no registro referenciado no item “u” são
consideradas “Informações Pessoais”, só podendo ser encaminhadas ao Comandante do Esquadrão
a que pertence o Aluno observado.

2.3.2.2 Atribuições Específicas dos Auxiliares do 3° Esquadrão

a) Motivar o 3° Esquadrão para que adote uma postura exemplar em todas as


ocasiões, destacando o aspecto de estarem sendo observados pelos outros Alunos e que suas ações
irão, certamente, influenciar os integrantes dos Esquadrões mais modernos;
b) supervisionar o 3° Esquadrão quanto à sua conduta frente aos valores encerrados
no Código de Honra do Aluno da Aeronáutica; e
c) supervisionar as formaturas e a conduta do 3° Esquadrão na rotina do CA.

2.3.2.3 Atribuições Específicas dos Auxiliares do 2° Esquadrão


PFM-CPCAR 14

a) incutir a consciência da importância do exemplo nos Alunos do 2º Esquadrão;


b) realizar a transição de todas as funções ao segundo Esquadrão em momento
oportuno, de acordo com orientações e cronograma estabelecido pelo Comando do Esquadrão.

2.3.2.4 Atribuições Específicas dos Auxiliares do 1° Esquadrão


Conforme Estágio Teórico de Preparação e Padronização.

2.3.2.5 Prerrogativas dos Auxiliares de Esquadrão

As prerrogativas dos Auxiliares de Esquadrão são impessoais e intransferíveis, uma


vez que são inerentes à função. São elas:
a) convocar reuniões com o Esquadrão subordinado sempre que julgar necessário,
desde que tenha sido autorizado pelo Comandante do Esquadrão e pela Seção de Doutrina;
b) utilizar a insígnia correspondente à sua função;
c) participar, como Auxiliar de Instrução, do Estágio de Adaptação do 1º Esquadrão;
e
d) participar dos Exercícios de Campanha do 1º e 2º Esquadrões, como observador,
desde que convocado pela SIM, sem prejuízo às aulas e atividades programadas pela Divisão de
Ensino e autorizado pelo Comando do 3° Esquadrão

2.4 CONCESSÕES AOS AUXILIARES DO CA

O Líder do Corpo de Alunos, o Presidente do Conselho de Honra e o Presidente da


SAEPCAR poderão, a critério do Comandante do Terceiro Esquadrão e no momento que este julgar
pertinente, ter as seguintes concessões:
a) entrar em forma ao lado do palanque de autoridades, sob o toldo, nas paradas
diárias do Corpo de Alunos;
b) permanecer fora de forma, ao lado do esquadrão subordinado, na retirada de faltas
do horário do pernoite, após ter sido realizada a apresentação do seu Esquadrão.
c) fazer suas refeições em mesa reservada no rancho dos Alunos; e
d) não concorrer às escalas de serviço, exceto de Aluno de Dia ao Corpo de Alunos
(CA).
Tais concessões poderão ser modificadas ou suspensas a critério da autoridade que a
concedeu.
PFM-CPCAR 15

3 RESPONSABILIDADES DO CORPO DE ALUNOS

Todo o efetivo do Corpo de Alunos é responsável por zelar para que as ações dos
Auxiliares ocorram dentro do preconizado neste programa, devendo comunicar ao Comandante do
respectivo Esquadrão qualquer anormalidade observada ou da qual obteve ciência. As atribuições
específicas são listadas a seguir.

3.1 COMANDANTES DE ESQUADRÃO

a) fiscalizar a conduta dos Alunos no correto cumprimento do PFM;


b) reunir-se com os respectivos auxiliares, na primeira quinzena do ano letivo, de
modo a estabelecer a visão e as metas do Comando para o período;
c) comunicar imediatamente ao Comando do 3° Esquadrão qualquer conduta
contrária ao PFM que tenha sido adotada por um Auxiliar do CA; e
d) cabe ao Comandante do 3° Esquadrão, assessorado pela Seção de Doutrina, levar
qualquer eventual recomendação de afastamento de um Auxiliar à apreciação do Comandante do
Corpo de Alunos.

3.2 SEÇÃO DE DOUTRINA DO CORPO DE ALUNOS

a) receber eventuais propostas de modificação deste Programa e analisar sua


aplicabilidade, mantendo-o constantemente atualizado;
b) coordenar a aplicação do Estágio Teórico de Preparação e Padronização para os
Alunos escolhidos para participarem do EAM do 1º Esquadrão; e
c) assessorar o Comandante do 3° Esquadrão nos casos de indicação para afastamento de algum
Auxiliar.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Considerando o nível de maturidade do público ao qual o presente Programa é


destinado, tem-se por entendido que não pode ser conferido ao Aluno da EPCAR responsabilidade
de aplicar qualquer tipo de punição a um Aluno mais moderno, cabendo-lhe somente a comunicação
dos fatos ao Comandante do Esquadrão ao qual pertença o possível transgressor.
PFM-CPCAR 16

Para tanto, os Auxiliares do CA deverão utilizar a Ficha de Observação (FOBS) na


qual comunicará os fatos que, no seu entendimento, possam ser considerados como uma
transgressão disciplinar. Cabe ainda a possibilidade do Aluno relator solicitar uma audiência com o
Comandante do Esquadrão do aluno observado, de forma a explicar melhor o ocorrido e, se
autorizado, emitir algum juízo de valor.
Nos casos em que haja atitudes incorretas, não caracterizadas como transgressão
disciplinar, caberá ao AE orientar, de forma verbal e respeitosa, o Aluno que agiu de modo
incorreto. Nesse caso, atentar para manter a distância de um braço do Aluno a ser orientado e falar
em tom que possa ser ouvido pelas pessoas que estão no entorno.
Desse modo, cabe unicamente ao Comando do Corpo de Alunos a apuração e a
aplicação de punições disciplinares ou de qualquer outra medida socioeducativa preconizada na
legislação vigente.
Podem ser entendidas como punição ou ações socioeducativas as seguintes
atividades:
a) exercícios físicos de qualquer espécie: flexão de braços, polichinelos, etc.;
b) emissão de comandos à tropa, de forma repetitiva ou prolongada: voltas-volver,
cobrir, sentido e descansar etc.;
c) evidenciação do indivíduo perante a tropa;
d) memorização, cópia ou produção de textos, hinos ou canções não previstos na
rotina;
e) execução de revistas de armário e de pertences em sala de aula;
f) reuniões com o esquadrão ou esquadrilha, durante ou após a rotina, para tratar de
assuntos disciplinares; e
g) qualquer outra ação que possa ser entendida como punição ou medida
socioeducativa por parte dos Comandantes de Esquadrão.
Este Programa revoga todas as ordens em contrário emitidas antes da data de sua
publicação.

Brig Ar JOSÉ AGUINALDO DE MOURA


Comandante da EPCAR
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA

DOUTRINA MILITAR

PROGRAMA DE FORMAÇÃO E FORTALECIMENTO

DE VALORES DO CURSO PREPARATÓRIO DE


CADETES DO AR (PFV-CPCAR)
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR

DOUTRINA MILITAR

PROGRAMA DE FORMAÇÃO E FORTALECIMENTO


DE VALORES DO CORPO DE ALUNOS DA EPCAR
(PFV-CA)
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA
DEPARTAMENTO DE ENSINO
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR

PORTARIA EPCAR Nº 280/CADO, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2017.

Aprova a Publicação do Programa de


Formação e Fortalecimento de Valores
do Corpo de Alunos do Curso
Preparatório de Cadetes do Ar.

O COMANDANTE DA ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO


AR, no uso das suas atribuições previstas no inciso II do Art. 10 do Regulamento da Escola
Preparatória de Cadetes do Ar, aprovado pela Portaria no 965/GC3 de 9 de outubro de 2009,
resolve:

Art. 1º Publicar o Programa de Formação e Fortalecimento de Valores do


Corpo de Alunos do Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR).
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Brig Ar JOSÉ AGUINALDO DE MOURA


Cmt da EPCAR
PREFÁCIO

O Código de Honra dos Alunos e os Valores Fundamentais são elementos es-


senciais e norteadores no cotidiano do CPCAR.

A aplicação sistemática dos conceitos contidos nas palavras Verdade, Honesti-


dade e Justiça constitui estímulo para solidificar os princípios da vida militar e da civilidade
esperada para um cidadão brasileiro exemplar e consciente de seus direitos e deveres. Desta-
que-se que esses padrões de conduta valem por todo o tempo, em todo lugar e em todas as si-
tuações.
Vivenciar o Código de Honra e os Valores Fundamentais é exaltar o pundonor
militar. Significa, ainda, estar alinhado com o dever e com a honra. Por fim, não se esqueça de
que a FAB é mais forte e mais honrada quanto mais íntegros e bem formados forem seus re-
presentantes.
SUMÁRIO

1. HISTÓRICO 6
2. CÓDIGO DE HONRA DO ALUNO DA EPCAR 7
2.1 VERDADE 7
2.2 HONESTIDADE 8
2.3 JUSTIÇA 9
3. VALORES FUNDAMENTAIS 10
3.1 DIGNIDADE ACIMA DE TUDO 10
3.2 SERVIR POR IDEAL 10
3.3 APRENDER PARA LIDERAR 10
3.4 LEMA DOS ALUNOS DA EPCAR 11
3.4.1 Roubar 11
3.4.2 Colar 11
3.4.3 Mentir 11
4 CONSELHO DE HONRA DOS ALUNOS 12
4.1 DEFINIÇÃO 12
4.2 CONSTITUIÇÃO DO CHA 12
4.3 CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO CHA 13
4.4 DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES DO CONSELHO DE HONRA (CHA) 13
4.4.1 Presidente do Conselho de Honra (PCH) 13
4.4.1.1 Atribuições do Presidente do Conselho de Honra (PCH) 13
4.4.1.2 Prerrogativas do Presidente do Conselho de Honra (PCH) 14
4.4.2 Membros do Conselho de Honra dos Três Esquadrões do CPCAR 14
4.4.2.1 Atribuições dos Membros do CHA 14
4.4.2.2 Prerrogativa dos Membros do CHA 15
4.5 RESPONSABILIDADES DO CONSELHO DE HONRA DOS ALUNOS (CHA) 15
5 CRONOGRAMA ANUAL DE VALORES 16
6 METODOLOGIA DE TRABALHO 17
7 DISPOSIÇÕES FINAIS 18
PFV-CA 6

1 HISTÓRICO

Na Academia Militar de West Point do Exército Americano um sistema de


Honra foi iniciado há mais de 150 anos e até hoje ali é respeitado e aplicado com a máxima
sinceridade, rigor e honestidade. Em sua filosofia, o objetivo está na aplicação da Disciplina
Consciente: o Aluno do Ar não mente, não cola e não furta. O registro dessas informações e a
intenção da implantação desse programa narram uma proposta política efetiva a partir de uma
Carta do Exmo. Sr. Major Brigadeiro Engenheiro Antônio Guedes Muniz, Diretor-Geral do
Ensino da Escola da Aeronáutica, ao então Aluno do Ar Carlos Almeida Batista, atual Ten.
Brig. Batista, ex-Comandante da Aeronáutica, que naquela época (1950) era o Presidente da
Sociedade Acadêmica da Escola Preparatória de Cadetes do Ar.

Com a evolução pedagógica e a compreensão da interferência do meio em que


se vive no aprimoramento moral dos alunos, através da Portaria Nº25/CMDO, de 21 de
dezembro, foi nomeada uma Comissão de Desenvolvimento do Caráter Militar, responsável
pela disseminação dos valores, e para um ambiente propenso e com estímulos adequados para
o comportamento determinado na disciplina consciente: o Aluno do Ar não mente, não cola e
não furta. Tal iniciativa teve aprovação e efetiva participação do Exmo. Sr. Diretor-Geral do
Departamento de Ensino da Aeronáutica. Em 12 de setembro de 2013, o Ten. Brig. do Ar
Dirceu Tondolo Nôro, Diretor-Geral do DEPENS encaminhou a todas as escolas da Força
Aérea o Programa de Fortalecimento de Valores, normatizado na DECENS-16,
compartilhando as principais ideias e não ferindo os princípios e as raízes norteadoras do
Aluno do Ar.

Ademais, as responsabilidades advindas da condição de servir às Forças


Armadas sempre serviram de motivação para diversos estudos que objetivavam entender os
fatores que influenciaram a tomada de decisões, bem como os perfis dos militares que
tomaram essas mesmas decisões. Ao questionar esses fatores, alguns valores despontam como
inerentes à profissão das armas, sendo presentes e até certo ponto inalterados, mesmo com o
passar dos séculos e das diversas modificações na estrutura social, cultural e política das
civilizações.

Através da análise de diversos textos propostos, da legislação vigente


(principalmente o Estatuto dos Militares) e de trabalhos científicos relacionados ao tema,
foram definidos os principais valores considerados prioridades de trabalho por parte do Corpo
de Alunos.
PFV-CA 7

2 CÓDIGO DE HONRA DO ALUNO DA EPCAR

“Nós nos comprometemos com a Verdade, com a


Honestidade e com a Justiça, bem como
repudiamos entre nós atitudes contrárias a essas”.

O Código de Honra é o conjunto de princípios éticos que norteará a conduta do


aluno. Sendo assim, o objetivo é definir os comportamentos e orientar processos de
endoutrinamento destinados ao desenvolvimento das qualidades morais e éticas dos alunos da
EPCAR.

Se o caráter constitui fator primordial para todos os cidadãos, para os militares


assume um sentido de absoluta imprescindibilidade.

O juramento a esse Código marca o compromisso do jovem militar com a


Escola e, principalmente, com toda sociedade brasileira. Sendo assim, o seu cumprimento
passa a ser um dever com a Pátria, pois a palavra e atitude de um militar são fundamentais
para o reconhecimento do profissional das armas.

Os Alunos, durante o Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR), prestarão


compromisso ao Código de Honra e assinarão o Livro do Compromisso do Código de Honra,
símbolo do compromisso assumido, em cerimônia solene, coordenada pela Comissão de
Formação e Fortalecimento de Valores da EPCAR.

Verdade, honestidade e justiça são as virtudes que se encontram no Código de


Honra do Aluno da EPCAR, sendo, no mais alto grau, o conjunto de todas as qualidades
essenciais que constituem o homem de bem.

Para que não haja dúvida sobre os conceitos que norteiam essas virtudes, serão
assim definidos:

2.1 VERDADE

O conceito de verdade está intimamente ligado a tudo que é sincero, que é


verdadeiro; é a ausência da mentira. Verdade é também a afirmação do que é correto, do que é
seguramente o certo e está dentro da realidade apresentada. Assim, esse valor dirige a conduta
do homem e o ajuda a superar os temores através da busca por outros valores, como: interesse
pelo conhecimento, sinceridade, otimismo, atenção, perspicácia, justiça, liderança,
imparcialidade, síntese e exatidão, reflexão, discernimento, humildade, lealdade e coerência.
PFV-CA 8

A constante busca pela verdade atravessa os séculos de nossa história.


Comprometer-se com a verdade na carreira das armas sugere o reconhecimento de conceitos
válidos e íntegros que correspondem, de forma originária e coletiva, aos princípios universais
que determinam a natureza de ser militar. Por isso, não se trata da verdade subjetiva
apreendida a uma percepção individual da realidade, mas a construção da verdade enquanto
válida em contexto objetivo e científico da sociedade e cultura da qual fazemos parte.

Outrossim, comprometer-se com a verdade significa assumir sua ignorância


diante dos fatos e humildemente ouvir, perceber e identificar as necessidades de forma mais
universal possível. Assim, o “para mim” torna-se uma expressão não cabível e impossível de
definir a forma da resposta ou da concreta realidade. A verdade é o posicionamento que
referencia os valores válidos que orientam nossa vivência profissional diariamente. Por isso,
verdades são válidas sempre em normativas objetivas, universais, priorizadas em discussões
que saem da opinião (doxa) e se acentuam na verdade (aletheia).

A verdade pode ser mutável, mas nunca diante de pontos de vistas pessoais
(doxa/opinião) e sim referenciando novos dados indutivos para novas percepções de mesmos
fatos. Por exemplo, antes do ano 1453 d.C. era uma verdade a forma quadrada ou plana da
Terra. A partir da experiência de Cristóvão Colombo, tornou-se uma verdade a esfericidade da
Terra como forma. Por isso, diz-se que a verdade está intrinsecamente ligada à realidade
apresentada.

Ao militar cabe compreender, de forma crítica, que a verdade de seu


posicionamento referencia-se não no que lhe convém enquanto indivíduo, mas no que convém
à vida e à cultura da caserna. Nossos valores, nossas histórias e nossos princípios.

2.2 HONESTIDADE

A honestidade é uma virtude que se encontra intimamente ligada à situação da


verdade e da integridade. Ser honesto envolve a capacidade de selecionar, de uma forma que é
sensível ao contexto, alguns elementos sobre as nossas vidas. No mínimo, portanto, a
honestidade exige uma compreensão de como nossas ações cabem ou não dentro das regras e
expectativas do outro, podendo este último ser qualquer pessoa.

“Sermos honestos com nós mesmos” parece ser a peça-chave do que é preciso
para ser autêntico: apenas aqueles que podem encarar a si mesmos, em toda a peculiaridade
própria, parecem ser capazes de desenvolver uma persona que é fiel a si mesma - portanto,
autêntica. Uma pessoa é honesta quando possui a disposição para enfrentar o outro, tornando
PFV-CA 9

explícitos todos os detalhes que são relevantes em uma conversa esclarecedora. A disposição
em questão é uma tendência que foi cultivada ao longo do tempo. Ou seja, uma pessoa
honesta é aquela que tem o hábito de conservar, frente ao outro, todos os detalhes de sua vida
que parecem importantes e podem causar inferências nas escolhas e decisões a serem
tomadas.

Ser honesto é um valor destinado a seguir o embalo da autodisciplina, o que


requer autenticidade. É agindo com honestidade que o homem tem a coragem e a criticidade
de compreender que sua prática condiz com seu posicionamento reflexivo. Em todos os
momentos, o homem da caserna reflete e reavalia, de forma crítica, sua prática e os valores
que o constroem enquanto homem virtuoso. Nessa categoria conceitual, vale uma ressalva: “a
honestidade é uma resignação, especialmente nestes tempos atuais marcados pela cultura do
individualismo e do narcisismo”.

2.3 JUSTIÇA

Justiça significa respeito à igualdade de todos os cidadãos. É o princípio básico


que tem o objetivo de manter a ordem social através da preservação dos direitos em sua forma
legal. É sinônimo de respeito pelo direito de terceiros.

Segundo Aristóteles, filósofo grego, a principal das virtudes seria a justiça,


porque “aquele que a possui pode exercer sua virtude não só sobre si mesmo, mas também
sobre o seu próximo”. A justiça, então, ordenaria a relação entre os membros de uma
sociedade, inclinando-se à vontade dos particulares a dar à comunidade o que lhe é devido
para o bem comum. Com a modernidade, a justiça passou a ser considerada como um valor e
o Direito seria o instrumento para a sua realização. Desse modo, o Direito é o meio para se
alcançar a justiça.

A ideia de justiça está atrelada à ordem social, que protege interesses


socialmente reconhecidos pela maioria como dignos.

Assim, partimos do conceito de que o homem é um ser social, cuja natureza


pressupõe a utilização comunitária de espaços públicos e o aprendizado para o exercício da
boa convivência com a diversidade. Assim, justiça é a disposição da alma que leva as pessoas
a desejar e fazer o que é justo e a agir justamente.

Nesse aspecto, a justiça se apresenta como uma virtude moral que diz respeito
à observância da lei (situação instituída como a moral vigente que zela pelo bem comum dos
PFV-CA 10

integrantes de determinada sociedade) e ao respeito àquilo que é legítimo (acordado entre


todos que são relacionados em experiências naquela mesma realidade), com isto válido para o
bem de toda a comunidade, sendo assim designada com justiça total.

Em todos os filósofos, na ousadia de conceituar a justiça, prevalece uma


constante: justiça exige a igualdade, o único princípio absoluto. Os pitagóricos a
representavam pelo quadrado ou pelo número elevado ao quadrado. Assim foi compreendida a
igualdade como elemento definidor da justiça, desde a Grécia clássica, podendo destacar
como símbolo da justiça, a figura da deusa empunhando uma balança.

3 VALORES FUNDAMENTAIS

“Dignidade acima de tudo” “Servir por ideal” “Aprender para liderar”

Os valores fundamentais são atributos que norteiam a conduta e que devem ser
seguidos por todos Alunos do CPCAR. Esses valores deverão ser compreendidos e adotados
pelos alunos, não apenas aqui na EPCAR, mas por toda a sua carreira militar.

3.1 DIGNIDADE ACIMA DE TUDO

Representa a autoridade moral requerida de um militar, decorrente de sua


conduta honrada, honesta e respeitosa, bem como de seu brio e pundonor.

A dignidade é a qualidade de cada ser humano que o faz merecedor do respeito


e da consideração por parte do Estado e da comunidade. Implicando, nesse sentido, um
conjunto de direitos e deveres fundamentais que asseguram à pessoa proteção contra todo e
qualquer ato de cunho degradante e desumano.

3.2 SERVIR POR IDEAL

Trata-se da renúncia pessoal a que os militares se propõem, colocando seus


interesses individuais subordinados aos da Pátria e da Força Aérea Brasileira.

3.3 APRENDER PARA LIDERAR


PFV-CA 11

Relembra a necessidade imperiosa de dedicação constante ao estudo e


desenvolvimento do conhecimento como condição para o exercício da liderança militar
aeronáutica. Caracteriza a missão do ensino da EPCAR.

3.4 LEMA DOS ALUNOS DA EPCAR

“O aluno não rouba, não cola e não mente”

3.4.1 ROUBAR

Roubar define-se como subtração intencional de pertences de terceiros, sem


autorização ou indenização. A subtração pode ser temporária ou permanente.

O furto consiste em subtrair para si ou para outrem coisa alheia e é


incompatível com a carreira militar. Coisa achada deve ser devolvida ao seu dono, para não
ser caracterizado o ato como furto.

O aluno, ao tomar conhecimento de que um colega seu tenha praticado ato


dessa natureza, deve comunicar ao Comando do Esquadrão. Sempre que furtado, o aluno deve
comunicar o fato à autoridade competente, mesmo que a coisa subtraída seja de pequeno
valor.

3.4.2 COLAR

Entende-se por cola todo e qualquer recurso ilícito utilizado na realização de


uma prova, ou seja, qualquer auxílio que não seja oriundo exclusivamente da aplicação do
aluno nos estudos.

No âmbito da EPCAR, a cola é considerada falta gravíssima, levando o aluno


que nela incidir a Conselho e, consequentemente, ao desligamento.

A cola não deve ser considerada apenas como o ato de olhar as respostas de um
colega ou levar algo escrito para ser consultado às escondidas. A prática dessa ação repudiante
representa também destituir a base do militarismo, já que fere a hierarquia de seus
componentes.

A antiguidade é sagrada, ela acompanha o militar em toda a sua carreira. É


fator preponderante na promoção e na escolha do local onde o oficial irá servir. Portanto, a
cola tem consequências que ferem os preceitos básicos da vida militar.

3.4.3 MENTIR
PFV-CA 12

Mentira é o ato de usar de ambiguidades e meias-verdades que distorçam ou


deturpem a realidade. Mentir é fazer uma afirmação intencionalmente destinada a deturpar
uma interpretação ou conduzi-la à falsidade.

Na formação militar, a retidão moral é exaltada, lembrando que o aluno é


regulador dele mesmo (disciplina consciente). Sendo assim, só mente aquele que não é capaz
de suportar as consequências dos seus atos.

Mentir é fato agravante da falta cometida e pode levar o aluno a ser desligado.
A mentira mais danosa é aquela em que não se pode identificar a sua autoria,
fazendo com que suas consequências recaiam sobre o grupo do qual o autor faz parte.
Portanto, a mentira afeta a credibilidade não apenas do autor do fato, mas
também de todos os seus colegas.

4 CONSELHO DE HONRA DOS ALUNOS

4.1 DEFINIÇÃO

O Conselho de Honra dos Alunos (CHA) é a peça fundamental na realização


das atividades propostas para alcançar os objetivos deste programa, uma vez que os seus
integrantes passam a ser ao mesmo tempo, influenciadores e influenciados pelas atividades
realizadas. Como militares em formação, o envolvimento e as atribuições recebidas na
execução das atividades lhes proporciona um amadurecimento mais abrangente e precoce,
refletindo normalmente em suas atitudes e exercendo, com isso, alto poder de influência para
com seus pares, uma vez que a atuação ocorre somente no âmbito do respectivo Esquadrão.

A finalidade do CHA é analisar, numa primeira instância, em reunião


reservada, fatos negativos ocorridos no âmbito do Esquadrão, que comprometam os princípios
encerrados no Código de Honra. As conclusões das análises do Conselho devem ser
apresentadas ao respectivo Comandante do Esquadrão.

4.2 CONSTITUIÇÃO DO CHA

O Conselho de Honra dos Alunos é formado por Alunos escolhidos pelos


próprios integrantes do Esquadrão e aprovados pelo respectivo Comando. O CHA é
constituído pelas seguintes funções:

a) Presidente do Conselho de Honra dos Alunos (PCH); e

b) membros dos Conselho de Honra dos três Esquadrões (MCH) do CPCAR.


PFV-CA 13

Inicialmente será designado um Membro por Esquadrilha. Esse número poderá


variar de acordo com as determinações do respectivo Comando de Esquadrão.

4.3 CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DO CHA

Os integrantes do CHA devem ter conduta ilibada e jamais poderão ter


cometido falta que vá de encontro ao Código de Honra do Aluno do CPCAR. Serão
escolhidos pelos próprios integrantes do Esquadrão, aprovados pelo respectivo Comando e
aprovados pelo Comando do CA.

O Comandante do Esquadrão poderá destituir ou substituir qualquer membro


do CHA de seu Esquadrão, quando julgar necessário, assim como modificar a quantidade de
integrantes. As alterações descritas acima deverão ser aprovadas pelo Comandante do CA.

4.4 DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE HONRA

4.4.1 Presidente

O Presidente do CHA, que obrigatoriamente será do 3° Ano Esquadrão, é


principal elo entre a Seção de Doutrina do Corpo de Alunos (Seção de Doutrina) e os Alunos.
Ele é o responsável direto pelo cumprimento das atividades preestabelecidas por este
programa.

4.4.1.1 Atribuições do Presidente do CHA

O PCH sempre agirá orientado pela Seção de Doutrina e pelo Comando do


Esquadrão, sendo responsável por:

a) transmitir as ordens emanadas pela Seção de Doutrina;

b) levar ao conhecimento da Seção de Doutrina os anseios dos Alunos no que


se referir a assuntos aqui tratados, bem como sugestões de alterações desse manual e outros
trabalhos que julgar importantes, sempre passando pelo crivo do Comando do Esquadrão;

c) fiscalizar a atuação dos demais membros do Conselho, orientando-os a fim


de que atinjam os objetivos propostos neste programa;

d) solicitar agendamento, sempre que julgar necessário, de reuniões com todo o


CA, para tratar de assuntos relativos ao Código de Honra e Valores, sempre com autorização
do Comando do 3° Esquadrão e pela Seção de Doutrina;
PFV-CA 14

e) atuar junto ao Conselho de Honra do 3° Esquadrão;

f) auxiliar a Seção de Doutrina na aplicação do Programa de Formação e


Fortalecimento de Valores da EPCAR; e

g) acompanhar as atividades desempenhadas pelos membros do Conselho de


Honra no cumprimento de suas obrigações.

4.4.1.2 Prerrogativas do Presidente do PCH

As prerrogativas são impessoais e intransferíveis, uma vez que são inerentes à


função. São elas:

a) usar o distintivo correspondente à sua função; e

b) convocar reuniões com o Corpo de Alunos sempre que julgar necessário,


após aprovação dos Comandos dos Esquadrões e da Seção de Doutrina.

4.4.2 Membros do CHA dos Três Esquadrões do CPCAR

Os membros do CHA são os auxiliares diretos da Seção de Doutrina no que


tange ao Programa de Formação e Fortalecimento de Valores, além de serem importantes
ferramentas de comunicação com os alunos. Todo o trabalho conduzido pelos membros do
CHA deve fundamentar-se nas orientações do Comando de Esquadrão ao qual estiver
auxiliando e nas Diretrizes repassadas pela Seção de Doutrina.

Prioritariamente, os membros do CHA irão trabalhar no âmbito do Esquadrão


ao qual pertencem, de forma a cumprirem o previsto neste manual.

4.4.2.1 Atribuições dos Membros do CHA

Cabe aos Membros do CHA:

a) acompanhar de perto a rotina do seu Esquadrão procurando solucionar, sob


os preceitos dos valores aqui descritos, conflitos internos do Esquadrão julgados de relevância
para a coletividade;

b) receber dos alunos relatos escritos e verbais associados a aspectos


doutrinários;

c) servir de elo entre o Comando do Esquadrão e os alunos de sua turma;


PFV-CA 15

d) inteirar-se de suas atribuições, de acordo com o este Programa;

e) reforçar a doutrina da disciplina consciente no âmbito do Esquadrão; e

f) manter um registro de informações sobre os alunos de seu Esquadrão, com o


objetivo de relacionar aspectos positivos e negativos sobre o caráter de um determinado
aluno, baseando-se sempre em fatos observados (não em impressões pessoais), com vistas a
assessorar o Comandante do Esquadrão, caso se faça necessário.

As informações contidas no registro referenciado no item acima são


consideradas “informações pessoais”, só podendo ser encaminhadas ao Comandante do
Esquadrão a que pertence o Aluno.

4.4.2.2 Prerrogativa dos Membros do Conselho de Honra

As prerrogativas dos membros são impessoais e intransferíveis, uma vez que


são inerentes à função. São elas:

a) usar o distintivo correspondente à sua função; e

b) convocar reuniões com o respectivo Esquadrão sempre que julgar necessário


e após aprovação do Comando do Esquadrão e da Seção de Doutrina.

4.5 RESPONSABILIDADES DO CHA

O CHA deverá atuar dentro do respectivo Esquadrão. O mesmo deverá, durante


suas reuniões periódicas, analisar o impacto e o andamento das atividades propostas,
acrescentando nas atas dessas reuniões as sugestões de atividades e os pareceres a serem
encaminhados à Seção de Doutrina.

São atividades de responsabilidade do CHA:

a) conscientizar os seus pares para que apresentem conduta ilibada, fazendo


gestões para que haja mudança de comportamento;

b) interagir com o conselho dos demais Esquadrões e realizar a troca de


experiências mensalmente;

c) realizar dinâmicas baseadas em textos e vídeos com as diversas


Esquadrilhas, para que possibilitem aos Alunos a conclusão de que é necessário o culto aos
valores contidos neste programa;
PFV-CA 16

d) envolver os Clubes e a Sociedade Acadêmica (SAEPCAR) na disseminação


das ideias propostas neste programa. Ressalta-se que os Clubes e SAEPCAR proporcionam
um ambiente informal dentro das diversas formalidades a serem cumpridas pelos Alunos em
sua rotina. A assimilação dos valores abordados e o consequente enriquecimento ético e moral
alcançado deverão refletir-se nas atitudes, tanto na vida profissional quanto na pessoal dos
Alunos. Dessa forma, o ambiente dos Clubes e da SAEPCAR se reveste de grande
importância para a prática efetiva dos comportamentos esperados, através da convivência e
das atitudes demonstradas em um ambiente menos formal do que o vivenciado na rotina;

e) promover concursos (fotográficos, cênicos, musicais, etc.) envolvendo os


valores abordados. O CHA tem um potencial bastante grande de influência no sentido de
disseminar os ideais e os valores propostos. Ao trazer para suas atividades cotidianas os temas
relativos aos valores contidos neste programa, o CHA reforçará nos Alunos a ideia de que
esses valores devem fazer parte da vida de todos, não se limitando apenas à atividade
profissional exercida;

f) atuar de maneira a evitar que comportamentos contrários aos valores


previstos neste programa sejam praticados no âmbito dos Esquadrões;

g) incentivar o culto aos valores e tradições militares como meio de perpetuar o


trabalho realizado por nossos antecessores e de continuar seu legado. Toda e qualquer
simbologia ou tradição tem um significado implícito e um efeito no subconsciente coletivo. O
CHA deverá fortalecer esse conceito e exigir o máximo respeito em todas as cerimônias, bem
como empenho e orgulho ao entoar hinos e canções, associando sempre essas atividades aos
valores propostos neste programa; e

h) propor a realização de atividades que disseminarem os valores estabelecidos


no PFFV.

5 CRONOGRAMA ANUAL DE VALORES

O Código de Honra e os Valores Fundamentais dos Alunos serão trabalhados e


enaltecidos sempre, desde o início da vida escolar na EPCAR. Ou seja, eles devem ser
abordados a partir do início do Estágio de Adaptação Militar, pelo Comando do Esquadrão,
sendo ressaltados ao longo dos três anos da vida de Aluno.

Com base no calendário anual da EPCAR, foram definidos que os cinco


valores da FAB (Disciplina, Patriotismo, Integridade, Comprometimento e Profissionalismo)
PFV-CA 17

e alguns valores complementares serão abordados ao longo de cada ano letivo, sendo
escalonados conforme o trinômio relevância/ocasião/data oportuna. Os valores definidos
(principais e complementares) e os respectivos meses para abordagem foram estipulados
conforme especificado abaixo:

PERÍODO VALOR VALORES COMPLEMENTARES

ANOS PARES ANOS ÍMPARES

FEVEREIRO DISCIPLINA HIERARQUIA

MARÇO DISCIPLINA DISCRIÇÃO AUTORIDADE

ABRIL PROFISSIONALISMO DEDICAÇÃO EFICIÊNCIA

MAIO PROFISSIONALISMO AMOR À PROFISSÃO APRIMORAMENTO

JUNHO INTEGRIDADE HONRA RESPONSABILIDADE

JULHO INTEGRIDADE AMOR À VERDADE DIGNIDADE

AGOSTO PATRIOTISMO CIDADANIA

SETEMBRO PATRIOTISMO CIVISMO TRADIÇÃO

OUTUBRO COMPROMETIMENTO FÉ NA MISSÃO ESPIRITO DE CORPO

NOVEMBRO COMPROMETIMENTO CORAGEM LEALDADE

O conhecimento acerca de um determinado valor se refere às informações


necessárias ao entendimento e ao desenvolvimento do valor proposto. Espera-se que qualquer
Aluno, ao ser indagado, tenha condições de citar as principais características que compõem
cada um deles.

6 METODOLOGIA DE TRABALHO

O CHA será o responsável pela execução das ações previstas pelo programa
em questão, em âmbito interno às turmas e ao Esquadrão, supervisionado pela Seção de
Doutrina e pelos comandos de seus respectivos esquadrões.

Os membros do Conselho de Honra de um determinado Esquadrão poderão


realizar trabalhos junto a outro Esquadrão, desde que solicitado pela Seção de Doutrina ou
pelos Comandos dos Esquadrões envolvidos.
PFV-CA 18

Tendo em vista a intenção de implantar um programa de ações sistêmicas e que


se complemente ao longo dos anos, foi identificada a necessidade de estruturar a abordagem
dos valores de uma maneira mais efetiva e direta.

Sabe-se que não basta apenas a vivência e a repetição de ações para que os
ideais sejam totalmente absorvidos pelos alunos. Diante disso, a abordagem pretendida aqui
visa proporcionar aos alunos um questionamento da real necessidade de cultuar determinados
valores, contextualizando-os com a realidade cotidiana, que muitas vezes vai de encontro à
realidade vivenciada, possibilitando que o aluno, por si mesmo, seja capaz de identificar a
verdadeira importância desses valores. Dessa forma, espera-se que a internalização e
assimilação dessas ideias ocorram de maneira profunda e permanente, refletindo em suas
atitudes.

7 DISPOSIÇÕES FINAIS

A definição dos princípios encerrados no Código de Honra do Aluno: Verdade,


Honestidade e Justiça deverão ser seguidos e fiscalizados em sua plenitude. Da mesma forma,
os Valores Fundamentais representam um ideal a ser seguido.

A finalidade deles é desenvolver no aluno o senso de integridade e a disposição


de viver de acordo com os padrões da vida militar. Caso haja violação dos preceitos
estabelecidos no Código de Honra, nos Valores Fundamentais e no Lema do Aluno, tal
transgressão será devidamente apurada e serão aplicadas as punições cabíveis, sendo
consideradas de natureza grave.

A solidez e a abrangência do Código de Honra e dos Valores Fundamentais


definirão o caráter e os valores morais de uma geração de alunos e oficiais que, com o tempo,
transformar-se-ão em multiplicadores das ideias abordadas. Nesse escopo, o trabalho ganha
vulto e os resultados alcançados transcendem os limites da EPCAR, gerando a possibilidade
de enriquecimento moral e ético no âmbito da FAB e da sociedade brasileira como um todo.

Deve-se ter em mente que o repúdio deve ser focado nas eventuais ações
equivocadas realizadas por elementos do Esquadrão, e nunca na pessoa. O companheiro de
turma que cometer alguma infração precisa do apoio do grupo para reconhecer o erro e
modificar suas atitudes. Sendo assim, precisa estar inserido no grupo para a conclusão desse
processo.
PFV-CA 19

Este Manual revoga todas as ordens em contrário emitidas antes da data de sua
publicação.

Brig Ar JOSÉ AGUINALDO DE MOURA


Comandante da EPCAR
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR
CORPO DE ALUNOS NPA-CA

Numeração: Assunto: SERVIÇOS DE ESCALA DOS ALUNOS DO


CPCAR.
12/CA/18

Divulgação
Ostensiva:
Emissão: Anexo:
A- TABELA DE HORÁRIOS DOS SERVIÇOS Todos os setores
Efetivação: B- TABELA DE TURNOS DO PSA E RONDA da Escola
C- MODELO DE PREENCHIMENTO DO Preparatória de
LIVRO DE PARTES Cadetes do Ar
D- MODELO DE FICHA DE RECEBIMENTO
DE LIGAÇÃO
E- ROTA PARA RONDA
F- QUADRO HORÁRIO DO PAA
G- HORÁRIOS DE ACOMPANHAMENTO DA
ROTINA DOS ALUNOS
Publicação: Revogação:

Bol. Int. nº ___ de __/__/____ Bol. Int. nº ___ de __/__/____

1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1 FINALIDADE

A presente Norma Padrão de Ação (NPA) tem por finalidade estabelecer os procedimentos
previstos para os serviços de escala dos Alunos da Escola Preparatória de Cadetes do Ar
(EPCAR).
1.2 SIGLAS

1ESQ / 2ESQ / 3ESQ – Respectivamente 1º, 2º e 3º Esquadrões.


A-1 / A-2 / A-3 – Auxiliares aos Alunos de Dia ao Primeiro, Segundo e Terceiro Esquadrões,
respectivamente.
ACA – Aluno de Dia ao Corpo de Alunos.
AOPCA – Adjunto ao Oficial de Permanência ao Corpo de Alunos (OPCA).
AUX – Auxiliar ao Aluno de Dia ao Corpo de Alunos.
CA – Corpo de Alunos.
CA-1 / CA-2 / CA-3 – Alunos de Dia ao Primeiro, Segundo e Terceiro Esquadrões,
respectivamente.
CPCAR – Curso Preparatório de Cadetes do Ar.
ES-BQ – Esquadrão de Saúde de Barbacena.
FOBS – Ficha de Observação. É o documento formal utilizado para o relato de
comportamentos positivos ou negativos dos alunos do CPCAR.
H-8 – Alojamento do 3º Esquadrão.
NPA – Norma Padrão de Ação.
OPCA – Oficial de Permanência ao Corpo de Alunos.
PSA – Permanência à Sala do Aluno de Dia.
PAA – Permanência aos Alojamentos.
SIGADAER – Sistema Informatizado de Gestão Arquivística de Documentos da Aeronáutica.
TFM – Treinamento Físico Militar.
SAEPCAR – Sociedade dos Alunos da EPCAR.
SV – Aluno de Serviço à SAEPCAR.

1.3 FUNDAMENTO LEGAL

1.3.1 RCA 34-1/2005 – Regulamento Interno dos Serviços da Aeronáutica - RISAER.


1.3.2 RCA 35-2/2016 – Regulamento de Uniformes para os Militares da Aeronáutica -
RUMAER.
1.3.3 Portaria Normativa nº 660/MD, de 19 de Maio de 2009 – Regulamento de Continências
- RCONT
1.3.4 NPA 001/ACI/18 – Elaboração, Divulgação, Alteração e Controle de NPA da EPCAR.
1.3.5 Portaria EPCAR nº 64/SCOM, de 09 de Fevereiro de 2015 – Hasteamento de insígnias
referentes aos Postos dos Comandantes do Corpo de Alunos e Batalhão de Infantaria.

1.4 ÂMBITO
A presente Norma aplica-se ao CA da EPCAR.

1.5 COMPETÊNCIA
É de competência do Chefe da Seção de Doutrina do CA a elaboração, atualização, alteração,
distribuição e divulgação da presente NPA.
2 DISPOSIÇÕES GERAIS
2.1 SERVIÇOS DE ESCALA DOS ALUNOS DA EPCAR
2.1.1 Os Alunos do CPCAR concorrem aos seguintes serviços de escala:
a) Aluno de Dia ao CA - ACA;
b) Auxiliar do Aluno de Dia ao CA - AUX;
c) Aluno de Dia aos Esquadrões - CA-1, CA-2 e CA-3;
d) Auxiliar do Aluno de Dia aos Esquadrões - A-1 e A-2;
e) Permanência à Sala do Aluno de Dia - PSA;
f) Chefe de Turma;
g) Ronda ao CA; e
h) Permanência aos Alojamentos – PAA.
2.1.2 O serviço de Relações Públicas(RP) do CA tem seus procedimentos detalhados em NPA
específica a ser elaborada e atualizada pela Seção de Doutrina do CA.
2.1.3 Todos os Alunos devem conhecer o Manual do Aluno, Normas e as Ordens em vigor.
2.1.4 Ao atender o telefone de serviço, o Aluno deverá, em bom tom e pausadamente, seguir o
modelo: “SALA DO ALUNO DE DIA, ALUNO _____________, BOM DIA (TARDE ou
NOITE).
2.1.5 O telefone da Sala do Aluno de Dia é apenas para receber informações. Portanto, é proi-
bido passar quaisquer informações para qualquer pessoa (civil ou militar). Se for necessário, a
ligação deve ser encaminhada para o OPCA. O Aluno que atender a ligação deve preencher o
modelo do Anexo D.
2.1.6 Os Alunos de serviço devem usar o uniforme que o ACA e o AUX estiverem usando,
conforme item 2.2.5. Contudo, se o uniforme do dia for o 7º, o ACA e o AUX devem utilizar
o “A” de modo a estar em destaque e os demais componentes da equipe de Serviço devem
usar o “C”.
2.1.7 Em caso de acionamento, todos os Alunos do respectivo Esquadrão, incluindo os de Ser-
viço, devem entrar em forma com a Turma, exceto o ACA e o AUX.
2.1.8 Da equipe de serviço, somente o ACA e AUX não fazem educação física ou prática des-
portiva, permanecendo na Sala do ACA durante essa atividade.

2.2 ALUNO DE DIA AO CA (ACA)


2.2.1 O ACA é auxiliar direto do OPCA e o principal elo do sistema de Comando e Controle
do CA. Sendo assim, tem a obrigação de executar todas as medidas possíveis para agilizar o
fluxo de informações, certificando-se de que todas as orientações emitidas por seus superiores
sejam transmitidas aos Alunos do CA, bem como informar ao OPCA todas as ocorrências ou
discrepâncias ocorridas durante o período do serviço.
2.2.2 Quando o ACA for do 2ESQ, cabe-lhe conduzir a rotina do CA, manter a disciplina e
fiscalizar o cumprimento das ordens em vigor no que diz respeito ao 2ESQ e 1ESQ. Neste
caso, para coordenação das atividades do 3ESQ, deve ser escalado um Aluno deste esquadrão
como Aluno de Dia ao 3ESQ (CA-3). Fica o CA-3, desta maneira, subordinado diretamente
ao OPCA, devendo-lhe repassar todas as informações atinentes ao 3ESQ.
2.2.3 A equipe subordinada ao ACA deve ter a seguinte constituição:
a) Auxiliar do Aluno de Dia: AUX;
b) Alunos de Dia aos Esquadrões: CA-1, CA-2 e CA-3;
c) Auxiliares dos Alunos de Dia ao 1° e ao 2° Esquadrões: A-1 e A-2;
d) Permanências à Sala do Aluno de Dia (PSA);
e) Permanências ao Alojamento (PAA); e
f) Rondas ao CA.
2.2.4 Quando o ACA for do 2ESQ, a equipe subordinada ao ACA deve ter a seguinte
constituição:
a) Auxiliar do Aluno de Dia: AUX
b) Alunos de Dia ao 1° e 2° Esquadrões: CA-1 e CA-2;
c) Auxiliares dos Alunos de Dia ao 1° e 2° Esquadrões: A-1 e A-2;
d) Permanências à Sala do Aluno de Dia (PSA);
e) Permanências ao Alojamento (PAA); e
f) Rondas ao CA.
2.2.5 O uniforme para o cumprimento do serviço de ACA deve ser o 7° A, com ou sem
jaqueta e braçadeira branca. Após o TFM, deve usar o 10º. Quando o uniforme do dia for o
10°, o ACA deve fazer uso do mesmo durante todo o período do serviço. Nos dias não úteis, o
uniforme deve ser o 10°, no período compreendido entre o licenciamento e a revista de
regresso.
2.2.6 O Comandante do CA pode determinar outro uniforme para o cumprimento do serviço.
Caso seja determinado o uso do 5° A, deve ser acrescentado a este somente o uso da
braçadeira preta.
2.2.7 O serviço de ACA deve ser cumprido desarmado..
2.2.8 O serviço tem a duração de 24 h, iniciando-se, nos dias úteis, na parada diária e, nos dias
não úteis, no hasteamento do Pavilhão Nacional, às 7 h 45 min.
2.2.9 A escala de ACA deve ocorrer durante todo o período escolar do CPCAR, incluindo
feriados e finais de semana, com prejuízo às instruções (exceção feita às atividades avaliadas).
2.2.10 Caso o ACA tenha de se ausentar da sua sala para realizar uma atividade avaliativa, seu
substituto eventual deve ser o AUX. Caso o ACA e AUX tenham de realizar atividades
avaliativas simultaneamente, o AOPCA deve guarnecer a Sala do ACA.
2.2.11 A critério do Comandante do CA, a escala pode ser desativada, de acordo com a
necessidade (ex.: recessos cujo número de Alunos que pretendem ficar alojados na EPCAR é
menor que o necessário para o cumprimento das escalas levando-se em conta as restrições
previstas no Regulamento Interno de Serviços da Aeronáutica (RISAER)).
2.2.12 Devem concorrer à escala de ACA todos os Alunos do 3ESQ, com exceção do Líder do
Corpo de Aluno. Entretanto, este deve compulsoriamente tirar o serviço de ACA, em dia útil,
ao menos uma vez durante o 3° ano.
2.2.13 Durante o período noturno, das 22 h às 5 h 45 min, o ACA deve pernoitar no
alojamento do esquadrão a que pertencer e deve informar o quarto e a posição de sua cama
para a equipe de serviço durante o pernoite.
2.2.14 Durante os dias úteis, o Aluno que estiver entrando de serviço de ACA deve se retirar
da instrução programada ao término do penúltimo tempo de aula da manhã (se houver
atividade avaliativa no último tempo matutino, deve se retirar somente após o término dessa
atividade), a fim de:
a) Colocar o uniforme previsto;
b) dirigir-se à sala do ACA para receber do seu antecessor as informações do serviço anterior
e as orientações vigentes; e
c) apresentar-se ao OPCA para receber outras informações adicionais.
2.2.15 O serviço de ACA possui um Livro de Partes próprio, na qual devem ser lançadas as
seguintes situações:
a) Avisos dados aos Alunos, cuja determinação tenha advindo de autoridades superiores (citar
a autoridade responsável, o esquadrão em que o aviso foi dado e o assunto);
b) alterações nas escalas dos componentes da sua equipe de serviço;
c) solicitação de abertura de Ordem de Serviço (OS) para correção de falhas nas instalações
da sala do ACA e do Pátio de Formaturas coberto (“rodoviária”);
d) realização de atividades avaliativas (ACA ou AUX);
e) alunos que estiverem baixados, em observação médica e os que se encontrarem em viagem;
f) ocorrências disciplinares, dessa maneira, não é necessário fazer FOBS.
2.2.16 Apresentar-se na Seção de Doutrina do CA com seu substituto legal às 13 h 30 min, a
fim de relatar as alterações do serviço e receber as devidas orientações, devendo já haver
preenchido a parte relativa ao serviço.
2.2.17 Os Alunos escalados para dias não úteis devem apresentar-se na Seção de Doutrina do
CA no último dia útil que antecede o serviço e no primeiro dia útil que o sucede, durante o
maior intervalo das instruções matutinas, para receber orientações e reportar alterações relati-
vas ao serviço.

2.3 ATRIBUIÇÕES DO ALUNO DE DIA AO CA


2.3.1 O ACA tem a obrigação de informar imediatamente ao OPCA todos os avisos dados aos
Alunos do CA, ocorrências e discrepâncias ocorridas durante o serviço.
2.3.2 Conhecer as atribuições relativas ao serviço e todas as ordens em vigor no CA.
2.3.3 Repassar as orientações recebidas da Seção de Doutrina do CA aos membros da sua
equipe de serviço.
2.3.4 Orientar o corneteiro logo após o término da parada diária.
2.3.5 Conferir e zelar pelo material sob sua responsabilidade, constante na relação fornecida
pela Ajudância do CA.
2.3.6 Zelar pela apresentação pessoal, marcialidade e desempenho de sua equipe de serviço.
2.3.7 Comunicar ao Comandante do Esquadrão correspondente e ao OPCA qualquer problema
ocorrido com um membro de sua equipe que o impossibilite de continuar no serviço,
solicitando sua imediata substituição e lançando tal ocorrência na parte do ACA.
2.3.8 Verificar toda a documentação em vigor, bem como horários previstos na rotina,
informando à Seção de Doutrina qualquer necessidade de atualização.
2.3.9 Conhecer a rotina dos três esquadrões, consultando a programação semanal disponível
no quadro de avisos de sua sala, devendo estar sempre atento a eventuais alterações. Deve
atentar para os horários previstos no Anexo G, para que não ocorra atrasos durante os eventos
da rotina dos Alunos.
2.3.10 Dar o feedback de todas as ordens, recados e determinações recebidas.
2.3.11 Hastear a insígnia do oficial mais antigo presente do CA, sendo sua responsabilidade
entrar em contato com o OPCA para obter tal informação.
2.3.12 Coordenar as formaturas gerais dos Esquadrões do CA.
2.3.13 Definir, em coordenação com o OPCA, o uso dos abrigos do 7°, 9° e 10° uniformes em
virtude das condições climáticas, devendo padronizar a utilização do abrigo para todos os
Esquadrões do CA.
2.3.14 Zelar pela apresentação pessoal e conduta dos Alunos em processo de desligamento.
2.3.15 Manter limpa e arrumada a sala do ACA, não permitindo que material estranho ao
serviço seja deixado no local.
2.3.16 Certificar-se de que todo material que venha a ser entregue na sala do ACA pelo AUX
estejam etiquetados com todos os dados possíveis e registrados no Livro de Protocolo do
ACA. Estes materiais devem permanecer, identificados e etiquetados, na sala do ACA e
devem ser entregues na Ajudância do CA na passagem do serviço.
2.3.17 Não aceitar produtos bancários de terceiros (talões de cheques, cartões de crédito,
extratos de contas etc.) nem qualquer tipo de material de divulgação sem o conhecimento e
autorização do Chefe da Seção de Doutrina do CA.
2.3.18 Fiscalizar a entrada e a saída de todo material controlado (ex.: chaves do claviculário) e
certificar-se de que tenham sido corretamente preenchidos todos os livros, tanto na retirada
quanto na entrega destes materiais. Ao entrar de serviço, o ACA deve realizar uma
conferência destes mesmos livros, devendo ser registradas quaisquer discrepâncias.
2.3.19 Não permitir a permanência na sala do ACA de pessoal estranho à equipe de serviço.
2.3.20 Fiscalizar, pela manhã, as fichas de ligações recebidas que foram preenchidas pelos
PSA durante o período noturno. As fichas devem ser arquivadas na sala do ACA por um
período mínimo de 5 (cinco) anos.
2.3.21 Inspecionar as instalações do Pátio de Formaturas coberto (“rodoviária”) e da sua sala
e providenciar para que sejam abertas, via OPCA, as Ordens de Serviço para correção das
falhas. Lançar as discrepâncias na Parte do ACA.
2.3.22 Orientar os Chefes de Turma quanto a possíveis dúvidas sobre mudanças na
programação.
2.3.23 Receber os visitantes, durante o expediente, encaminhando-os para a Ajudância do CA
ou Comando dos Esquadrões. Nos dias não úteis, acionar a equipe de Relações Públicas de
serviço.
2.3.24 Ao tomar conhecimento de qualquer acidente ou ocorrência grave com Aluno,
comunicar, o mais breve possível, nesta ordem: OPCA, Comandante do Esquadrão a que
pertence o Aluno e Oficial-de-Dia da EPCAR.
2.3.25 Inteirar-se das alterações ocorridas em todas as revistas, inclusive as de regresso de
licenciamento, realizadas pelos Alunos-de-Dia aos Esquadrões.
2.3.26 Informar ao OPCA caso algum ônibus fretado pela SAEPCAR chegue atrasado.
2.3.27 Por ocasião de todas as entradas em forma com retiradas de faltas, entregar os
Formulários de Controle de Efetivo (papeletas) recebidos do CA-1, CA-2 e CA-3,
imediatamente após a sua conferência, ao OPCA.
2.3.28 Nos dias não úteis, controlar a presença dos Alunos do 3ESQ e 2ESQ nas refeições, de
acordo com a previsão de rancho. O controle de presenças do 1ESQ deve ser feito pelo PAA
mais antigo do 2ESQ. As faltas devem ser encaminhadas ao OPCA, que deve lançar em seu
livro de partes. Obs.: nos dias úteis, esse controle é feito pelo respectivo Aluno-de-Dia ao
Esquadrão e seus auxiliares.
2.3.29 Treinar os procedimentos da passagem de serviço no dia anterior e brifar
detalhadamente os membros da equipe de serviço que participarão da parada diária. Efetuar o
treinamento de hasteamento de insígnia com o A-2 e A-1 que não tenham realizado ainda o
hasteamento ou que apresentem dúvida quanto aos procedimentos.
2.3.30 Controlar a iluminação das dependências externas e alojamentos dos Alunos,
certificando-se do cumprimento das ações e horários previstos a serem executados pelos PAA
e Rondas ao CA. Devido às condições de luminosidade ambiente, estes horários podem ser
alterados, ficando a decisão a cargo do ACA em coordenação com o OPCA.
2.3.31 Proceder ao briefing da equipe de serviço, que ocorrerá em frente à Sala do ACA, no
horário definido no Anexo A.
2.3.32 Auxiliar o OPCA na condução da revista de regresso do licenciamento, às 21 h.
2.3.33 Realizar todas as refeições no rancho dos Alunos. O ACA deve efetuar suas refeições
no início dos horários previstos e render o AUX em sua sala o quanto antes, para que o
mesmo alimente-se em seguida. Cabe aos Alunos-de Dia aos Esquadrões o controle dos
Alunos durante as refeições. Não é permitido lanchar na sala do ACA.
2.3.34 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.
2.3.35 Manter um controle escrito e atualizado de todos os eventos de seu serviço, bem como
eventos futuros que tenham sido repassados por seus superiores hierárquicos. Levando-o
consigo para o briefing de passagem de serviço na Seção de Doutrina do CA.
2.3.36 Escriturar a Parte de serviço do ACA no SIGADAER ou, na falta deste, com letra
legível, sem rasuras e uma folha de papel. Essa folha de papel deve ser entregue na Seção de
Doutrina do CA.
2.3.37 Em dias não úteis ou fora do horário de expediente, apresentar-se a qualquer Oficial
que esteja presente no Pátio de Formaturas coberto( rodoviária) ou nas cercanias do Prédio do
Comando do CA, a fim de verificar possíveis necessidades existentes.
2.3.38 Certificar-se de que o SV está ciente de que nos dias úteis cumprirá o Turno 4 do
Serviço de PAA, conforme Anexo F.
2.3.39 Comunicar ao OPCA o ingresso de quaisquer pessoas nos alojamentos dos Alunos.
2.3.40 Brifar os PSA sobre o correto uso do rádio e recebimento de chamadas via telefone.

2.4 AUXILIAR DO ALUNO-DE-DIA AO CA (AUX)


2.4.1 Cumprir, no que for pertinente, as disposições gerais relativas ao ACA.
2.4.2 O AUX deve zelar pela disciplina no posto de serviço e assessorar o ACA durante todo o
serviço.
2.4.3 O AUX tem a atribuição de informar imediatamente ao ACA, CA-3, CA-2 e ao CA-1 to-
dos os avisos dados aos Alunos do CA, ocorrências e discrepâncias ocorridas durante o servi-
ço.
2.4.4 Caso o AUX tenha que se ausentar da sua sala para realizar uma atividade avaliativa, o
ACA deve permanecer em sua sala e assumir as atribuições de seu auxiliar. Caso o ACA e
AUX tiverem que realizar atividades avaliativas simultaneamente, o Adjunto do OPCA deve
guarnecer a Sala do ACA.
2.4.5 Concorrem à escala de AUX todos os Alunos do 2° Esquadrão. Por determinação do Co-
mandante do CA, o serviço pode ser cumprido por Alunos do 1° Esquadrão.
2.4.6 O serviço de AUX não possui Livro de Partes próprio, devendo as alterações verificadas
durante o serviço ser lançadas pelo ACA no SIGADAER.
2.4.7 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.
2.4.8 O uniforme para o cumprimento do serviço de AUX deve ser conforme os itens 2.1.6 e
2.3.5.

2.5 ATRIBUIÇÕES DO AUXILIAR DO ALUNO-DE-DIA AO CA


2.5.1 Conhecer e cumprir as atribuições relativas ao seu serviço, as atribuições do serviço de
ACA e todas as ordens em vigor no CA.
2.5.2 Estar ciente dos deveres do ACA para que, na sua ausência, esteja pronto para cumprir
suas atribuições, no que compete ao seu grau hierárquico.
2.5.3 Auxiliar o ACA no cumprimento dos horários e eventos previstos na rotina do CA.
2.5.4 Zelar pelo material sob a responsabilidade do AUX, constante da relação fornecida pela
Ajudância do CA.
2.5.5 Verificar toda a documentação em vigor, bem como horários previstos na rotina,
informando ao ACA qualquer necessidade de atualização.
2.5.6 Estar ciente da rotina dos três Esquadrões, consultando a programação semanal
disponível no quadro de avisos de sua sala. Além disso, deve sempre estar atento a possíveis
alterações.
2.5.7 Dar o feedback de todas as ordens, recados e determinações recebidas.
2.5.8 Hastear a insígnia correspondente ao Oficial mais antigo presente no CA, inclusive nos
fins de semana. Verificar a presença de visitante mais antigo àquele pertencente ao CA, a fim
de hastear a insígnia no mastro correspondente. Em datas festivas, com visitas de Oficiais-
Generais mais antigos que o Comandante da EPCAR devem ser hasteadas as insígnias desses
Oficiais no Pátio da Bandeira, durante a presença dos mesmos nesta Escola, sendo suprimida
a insígnia Oficial mais antigo do CA presente, somente nesta ocasião.
2.5.9 Entregar no ES-BQ e na Odontoclínica as listas de marcação de consultas até às 14 h
(essa lista deve ser preenchida pelo Médico do CA). Buscar as listas de marcação de consulta
no ES-BQ e na Odontoclínica e entregar ao Médico do CA até as 11 h.
2.5.10 O AUX que entra de serviço deve guarnecer a sala do ACA durante o almoço e parada
diária (o AUX que estiver saindo de serviço participará da parada diária).
2.5.11 Receber e etiquetar, com todos os dados possíveis, todo material que der entrada na
sala do ACA. Em caso de dúvida se deve receber ou não um determinado material, entrar em
contato com o OPCA.
2.5.12 Buscar encomendas no protocolo, certificando-se de sua correta identificação e destino.
Entregar para o ACA, que deve fazer a conferência das etiquetas, embalagens e livro de
protocolo, conforme versa suas atribuições.
2.5.13 Digitar e manter atualizados todos os avisos expostos na televisão do CA. Não permitir
que outros acessem essa plataforma sem autorização do ACA ou militar do efetivo do CA
(Oficiais e Graduados).

2.6 ALUNO-DE-DIA AOS ESQUADRÕES (CA-1/CA-2/CA-3)


2.6.1 Aluno-de-Dia ao Esquadrão é auxiliar direto do Comandante do Esquadrão e participa,
também, da equipe de serviço comandada pelo ACA.
2.6.2 O Aluno-de-Dia ao Esquadrão (exceto o CA-3) tem como subordinado direto o Auxiliar
ao Aluno-de-Dia ao Esquadrão (A-1 e A-2).
2.6.3 O uniforme para o cumprimento do serviço de CA-1, CA-2 e CA-3 é o 7° C, com ou
sem jaqueta e braçadeira branca. Após o TFM, devem usar o 10º. Quando o uniforme do dia
for o 10°, o CA-1, CA-2 e CA-3 devem fazer uso do mesmo durante todo o período do servi-
ço. Nos dias não úteis, o uniforme deve ser o 10°, no período compreendido entre o licencia-
mento e a revista de regresso.
2.6.4 O Comandante do CA pode determinar outro uniforme para o cumprimento do serviço.
Caso seja determinado o uso do 5° A, deve ser acrescentado a este somente o uso da braçadei-
ra.
2.6.5 O serviço de Aluno-de-Dia ao Esquadrão deve ser cumprido desarmado.
2.6.6 A escala de Aluno-de-Dia ao Esquadrão deve ocorrer durante todo o período escolar do
CPCAR, exceto nos feriados e finais de semana, sem prejuízo às instruções programadas.
2.6.7 Os Alunos de serviço aos Esquadrões, CA1, CA2 , CA3 e seus auxiliares, A1 e A2, que
entrarem de serviço na sexta-feira, devem ser licenciados com o restante do CA. Os mesmos
devem retornar aos seus postos de serviço no domingo, já devendo estar prontos 15 min antes
do horário previsto para o retorno do CA. Entretanto, por solicitação do Comandante do Es-
quadrão ou quando o Esquadrão a que estiver de serviço permanecer na EPCAR, o mesmo
deve ser mantido nos dias não úteis.
2.6.8 Concorrem à escala de Aluno-de-Dia ao Esquadrão todos os Alunos do 3ESQ, com ex-
ceção do Líder do Corpo.
2.6.9 Quando determinado pelo Comandante do CA, o serviço pode ser cumprido por Alunos
do 2ESQ, exceção feita ao CA-3.
2.6.10 Durante o período noturno, das 22 h às 5 h 45 min, os Alunos-de-Dia aos Esquadrões
devem pernoitar no alojamento do Esquadrão a que pertencerem, devendo informar a posição
de suas camas e/ou quartos para a equipe de serviço durante o pernoite.
2.6.11 O Aluno que entra e o que sai de serviço de Aluno-de-Dia ao Esquadrão devem se diri-
gir para frente da Sala do OPCA às 13 h a fim de permutar a braçadeira, receber do antecessor
o debriefing do serviço, o briefing do OPCA e todas as orientações vigentes. Às 13 h 30 min
ambos devem se dirigir ao Comando do Esquadrão para as orientações específicas do serviço.
2.6.12 O modelo de Formulário de Controle de Efetivo (papeletas), a ser preenchido pelo
Chefe de Turma e conferido pelo Aluno-de-Dia ao Esquadrão, encontra-se no Comando de
cada Esquadrão.
2.6.13 Ao tomar conhecimento de qualquer acidente ou ocorrência grave com Aluno, comuni-
car, o mais breve possível, nesta ordem: OPCA, Comandante do Esquadrão a que pertence o
Aluno e Oficial-de-Dia da EPCAR.
2.6.14 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.

2.7 ATRIBUIÇÕES ALUNO DE DIA AOS ESQUADRÕES


2.7.1 Conhecer as atribuições relativas ao serviço bem como todas as ordens em vigor no CA.
2.7.2 Entregar ao ACA, imediatamente após o seu preenchimento, nas formaturas previstas, o
Formulário de Controle de Efetivo (papeletas), devidamente preenchido, revisado e assinado.
Ao receber o Formulário de Controle do Efetivo (papeletas) do Chefe-de-Turma, conferir o
Formulário de Controle do Efetivo (papeletas) com o efetivo em forma.
2.7.3 Após o briefing do Comando do Esquadrão, o Aluno-de-Dia ao Esquadrão deve apresen-
tar-se ao ACA para receber orientação geral para o início das atividades.
2.7.4 Cobrar apresentação pessoal, marcialidade e desempenho nas formaturas e deslocamen-
tos do Esquadrão ao qual presta o serviço, realizando revistas de uniforme.
2.7.5 Verificar toda a documentação em vigor, bem como horários previstos na rotina e infor-
mar à Seção de Doutrina do CA qualquer necessidade de atualização.
2.7.6 Estar a par da rotina do esquadrão ao qual está escalado, consultar a programação sema-
nal disponível no quadro de avisos na sala do ACA e estar atento a eventuais alterações.
2.7.7 Dar o “feedback” de todas as ordens, recados e determinações recebidas.
2.7.8 Comandar o Esquadrão nas formaturas gerais do CA e apresentá-lo, quando pronto, ao
ACA.
2.7.9 Zelar pela apresentação pessoal e conduta dos Alunos em processo de desligamento,
lembrando que até a data da publicação do desligamento são Alunos do CPCAR e militares,
devendo, portanto, cumprir todos os regulamentos.
2.7.10 Solicitar a abertura, via OPCA, das Ordens de Serviço para correção das falhas obser-
vadas nas instalações do alojamento, que chegarem até o seu conhecimento por meio dos Alu-
nos do Esquadrão no qual presta o serviço, informar essa situação durante a passagem de ser-
viço com o Comando do Esquadrão. Para tanto, não é preciso entrar no alojamento.
2.7.11 Orientar os Chefes de Turma sobres as mudanças na programação, bem como no corre-
to preenchimento dos Formulários de Controle de Efetivo (papeletas), conferindo os dados
lançados.
2.7.12 Verificar todas as alterações ocorridas na revista de regresso de licenciamento, in-
formá-las ao ACA.
2.7.13 Avisar ao ACA caso algum ônibus fretado pela SAEPCAR atrase. De acordo com o
item 2.3.26, o ACA deve informar ao OPCA caso algum ônibus fretado pela SAEPCAR atra-
se.
2.7.14 Entrar em contato com o Comandante do Esquadrão na manhã seguinte ao regresso dos
licenciamentos e atualizá-lo com todas as informações referentes ao cumprimento do plano de
licenciamento por parte dos Alunos do Esquadrão ao qual presta o serviço.
2.7.15 Avisar de imediato ao OPCA e ao ACA qualquer baixa de Aluno à enfermaria.
2.7.16 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.
2.7.17 Controlar a presença dos Alunos, nas refeições, do Esquadrão ao qual presta serviço.
As faltas devem ser encaminhadas ao OPCA, que lançará em seu Livro de Partes. Além disso,
durante as refeições no rancho, deve:
a) controlar a distribuição dos Alunos nos balcões de serviço;
b) controlar a distribuição dos Alunos nas mesas. As mesas devem ser completadas sem levar
em consideração a hierarquia dos que a compõe; e
c) solicitar educadamente à Equipe de Serviço ao Rancho a reposição de qualquer material
faltante que seja notado.
2.7.18 Auxiliar o OPCA na condução da revista de regresso do licenciamento.
2.7.19 Nos dias úteis, compor a Equipe de PAA, conforme Anexo F, estando ciente de todas as
ordens para execução dessa função.

2.8 AUXILIAR DO ALUNO-DE-DIA AO ESQUADRÃO (A-1/ A-2)


2.8.1 O Auxiliar do Aluno-de-Dia ao Esquadrão é o auxiliar direto do respectivo Aluno-de-
Dia ao Esquadrão. Deve conhecer e cumprir, no que couber, todas as disposições gerais do
Aluno-de-Dia ao Esquadrão.
2.8.2 Concorrem à escala de A-1 e A-2 todos os Alunos do 2ESQ. Por determinação do Co-
mandante do CA, o serviço pode ser cumprido por Alunos do 1ESQ.
2.8.3 O A-2 e o A-1, que entram de serviço, devem participar da parada diária e auxiliarão,
respectivamente, no hasteamento do Pavilhão Nacional e da insígnia.
2.8.4 As alterações relativas ao efetivo do Esquadrão ao qual presta serviço devem serem lan-
çadas no Formulário de Controle de Efetivo.
2.8.5 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.
2.8.6 Durante o período noturno, das 22 h às 5 h 45 min, o A-1 e A-2 devem pernoitar no alo-
jamento dos Esquadrões a que pertencem, e informar a posição de suas camas e/ou quartos
para a equipe de serviço durante o pernoite.
2.8.7 Os Alunos de serviço devem usar o uniforme, conforme item 2.6.3.

2.9 ATRIBUIÇÕES DO AUXILIAR DO ALUNO DE DIA AO ESQUADRÃO


2.9.1 Conhecer as atribuições relativas ao seu serviço, bem como todas as ordens em vigor no
CA.
2.9.2 Ter ciência dos deveres do Aluno-de-dia ao Esquadrão para que na sua ausência, esteja
pronto para cumprir suas atribuições.
2.9.3 Auxiliar o Aluno-de-Dia ao Esquadrão para que sejam cumpridos os horários e eventos
previstos na rotina do Esquadrão ao qual está escalado, não permitindo que o Esquadrão se
atrase na entrada para as salas de aula, 5 minutos antes do toque, em todos os tempos de aula.
2.9.4 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.
2.9.5 Solicitar a autorização ao Aluno-de-Dia ao Esquadrão, após o toque de silêncio, para po-
der se recolher ao alojamento.

2.10 PERMANÊNCIA À SALA DO ALUNO-DE-DIA (PSA)


2.10.1 O Aluno escalado para o serviço de PSA é auxiliar direto do ACA e OPCA.
2.10.2 As alterações ocorridas nas escalas de PSA devem ser lançadas no Livro de Partes do
ACA / OPCA.
2.10.3 Os Alunos de serviço devem usar o 10º uniforme, após o TFM, nos dias úteis. Nos dias
não úteis, o uniforme também deve ser o 10°, no período compreendido entre o licenciamento
e a revista de regresso.
2.10.4 O serviço de PSA deve ser cumprido desarmado.
2.10.5 A escala de PSA deve ocorrer durante todo o período escolar do CPCAR, incluindo fe-
riados e finais de semana, sem prejuízos às instruções e o serviço tem a duração de 24 horas.
2.10.6 A critério do Comandante do CA, a escala pode ser suspensa (ex.: recesso cujo número
de Alunos que pretendem ficar alojados na EPCAR for menor que o necessário para o cumpri-
mento das escalas levando-se em conta as restrições previstas no RISAER)
2.10.7 Concorrem às escalas de PSA todos os Alunos do 2ESQ.
2.10.8 O serviço de PSA é dividido em quatro turnos de duas horas, iniciando o primeiro tur-
no às 22 horas. A distribuição dos turnos deve ser estabelecida conforme a escala de serviço
aprovada pelo Comandante do Esquadrão e de acordo com o Anexo B.
2.10.9 O serviço de PSA não possui livro de partes próprio, devendo as ocorrências observa-
das durante o serviço serem lançadas no livro do ACA / OPCA.

2.11 ATRIBUIÇÕES DO PERMANÊNCIA À SALA DO ALUNO-DE-DIA


2.11.1 Conhecer as atribuições relativas ao serviço e todas as ordens em vigor no CA.
2.11.2 Estar pronto para assumir seu turno de serviço 10 (dez) minutos antes do horário esta-
belecido para estar na sala do ACA. Cabe ao aluno que substitui estar pronto para o cumpri-
mento do serviço, não sendo responsabilidade do substituído acordar ou chamar seu substitu-
to.
2.11.3 Dar o “feedback” de todas as ordens, recados e determinações recebidas.
2.11.4 Avisar o OPCA se observar atitudes suspeitas nos arredores do Pátio de formaturas e/ou
alojamentos. Não abordar o(s) elemento(s) estranhos e sim avisar ao OPCA para, se for o
caso, acionar o Oficial de Dia. Neste caso, não deve abordar a pessoa suspeita.
2.11.5 O PSA não deve deixar o local de serviço (sala do ACA) sem ser substituído. Em caso
de emergência, acionar o AOPCA/OPCA, para que este guarneça a posição até que seja acio-
nado um substituto.
2.11.6 Durante o turno de serviço, o PSA está autorizado a consultar apenas as NPA de servi-
ço, ordens em vigor, a legislação necessária à boa condução do serviço e a estudar as discipli-
nas do CPCAR. Não é permitido ao PSA ver televisão, utilizar computador, “tablet”, celular,
aparelhos de som e fones de ouvido ou ainda qualquer outra atividade não autorizada.
2.11.7 Ao receber qualquer informação por telefone, atender educadamente e anotar todas as
informações constantes da ficha de ligação recebida, conforme modelo do Anexo D.
2.11.8 Não é permitido ao PSA passar informações referentes ao efetivo ou rotina da EPCAR
por telefone. Os dados anotados na ficha devem ser transmitidos ao destinatário, o qual será o
responsável por retornar a ligação.
2.11.9 Somente se retirar do seu turno de serviço após a chegada de seu substituto.
2.11.10 Dar ciência ao PSA que o substitui das ordens recebidas.
2.11.11 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.
2.11.12 Em dias não úteis, fora do quarto de hora, o PSA deve permanecer na EPCAR em
condições de ser acionado e informar constantemente sua posição ao OPCA. Está autorizado
o acesso aos seguintes locais:
a) lanchonete do Corpo de Alunos;
b) salas de aula; e
c) seu próprio alojamento.
2.11.13 Realizar chamada via rádio, a cada 30 min, para o PAA do 3ESQ e verificar as altera-
ções do serviço. Caso a comunicação não ocorra, acionar o OPCA para que possa verificar as
condições do PAA do 3ESQ. Para tanto, o PSA deverá conhecer a correta operação do rádio
antes de assumir o posto.
2.11.14 Receber chamada via rádio, a cada 15 min, do Ronda ao CA. Anotar as alterações e
informar o OPCA. Controlar o intervalo máximo de 15 min entre as rondas de um mesmo tur-
no de serviço.
2.11.15 Durante o turno de serviço, independente do horário, o PSA deverá notificar imediata-
mente ao OPCA todas as ocorrências anormais observadas e, principalmente, as seguintes si-
tuações:
a) situação de emergência (risco de vida humana);
b) movimentação estranha próxima aos alojamentos;
c) Aluno baixado (horário e motivo);
d) entrada de pessoas não autorizadas, conforme previsto no Manual do Aluno, no alojamento;
e) entrada de pessoal de manutenção, limpeza ou familiares.

2.12 CHEFE DE TURMA


2.12.1 O Chefe de Turma é o responsável direto pela turma de aula perante o Comando do Es-
quadrão.
2.12.2 O serviço de Chefe de Turma é cumprido sem prejuízo das instruções.
2.12.3 É responsabilidade do Chefe de Turma a conservação e organização da pasta relativa
ao seu serviço, bem como as instruções nela contidas, não a empregar para uso pessoal, ou
seja, não colocar no interior da pasta quaisquer itens que não sejam do serviço.
2.12.4 Qualquer discrepância encontrada na pasta ou nas relações deve ser imediatamente co-
municada ao Comando do Esquadrão.
2.12.5 O substituto do Chefe de Turma, caso o mesmo tenha que se ausentar ou não possa
cumprir as atribuições da função, deve ser o Aluno Chefe de Turma da semana seguinte, que
deve ser avisado sobre a eventual ausência do titular, recebendo do mesmo, a pasta do Chefe
de Turma, bem como todas as informações necessárias ao bom cumprimento do serviço.
2.12.6 Os Alunos de serviço devem usar o mesmo uniforme que seu Esquadrão estiver usando
(uniforme do dia).
2.12.7 O serviço de Chefe de Turma deve ser cumprido desarmado.
2.12.8 O Chefe de Turma é escalado para um período semanal de serviço. O serviço inicia-se
na formatura de regresso de licenciamento normalmente ocorre aos domingos, 21 h e termina
após a formatura do licenciamento.
2.12.9 Concorrem à escala de Chefe de Turma todos os Alunos dos respectivos Esquadrões,
excetuando-se apenas o Líder do Corpo de Alunos.

2.13 ATRIBUIÇÕES CHEFE DE TURMA


2.13.1 Apresentar-se ao Comando do Esquadrão, no primeiro dia útil da semana, em horário
definido pelo Comandante do respectivo Esquadrão, ou no próximo tempo vago, tanto o Che-
fe de Turma que sai como o que entra de serviço.
2.13.2 Observar rigorosamente as instruções emanadas do Comando do Esquadrão.
2.13.3 Controlar o comparecimento dos Alunos às instruções programadas, e zelar pelo cum-
primento da rotina diária, no que diz respeito à Turma sob sua responsabilidade.
2.13.4 Zelar pela disciplina e apresentação pessoal dos Alunos da sua Turma em sala, nos in-
tervalos de instrução e nos deslocamentos.
2.13.5 Somente deslocar sua Turma para os locais de instrução após permissão do militar/ ins-
trutor mais antigo que estiver no local, conforme o Regulamento de Continências da Aeronáu-
tica.
2.13.6 Fazer com que todos os deslocamentos para as instruções programadas sejam feitos em
forma, observando altura rigorosa, postura adequada, marcialidade, vibração e canções previs-
tas no Cancioneiro da EPCAR.
2.13.7 Observar os toques para início das aulas, devendo estar com a Turma em sala no sinal
correspondente, aguardando a entrada do Instrutor.
2.13.8 Proceder à apresentação da Turma no início e término das instruções ministradas por
militares e civis, de acordo com o previsto no Manual do Aluno.
2.13.9 Estar a par das faltas de sua Turma e informá-las ao professor ou instrutor durante a
apresentação e lançá-las.
2.13.10 Em caso de falta de Professor ou Instrutor, o Chefe de Turma deverá comunicar o fato
ao OPCA, observando uma margem de 10 min, conservando a Turma no recinto preestabele-
cido para a instrução.
2.13.11 Atualizar, diariamente, o quadro de efetivo da turma, no Comando do Esquadrão,
quanto aos alunos desligados, dispensados, baixados ou em viagens.
2.13.12 Realizar a retirada de faltas com precisão, antes de qualquer atividade que requeira tal
procedimento e apresentá-la ao responsável pela instrução.
2.13.13 Preencher o Formulário de Controle de Efetivo (papeletas) e preencher o Formulário
de instrução científica (DE) conforme as lacunas a serem completadas: data, turma, efetivo
(qtd), número, nome de guerra e motivo dos faltosos. O Chefe de Turma deve colocar seu res-
pectivo número, nome de guerra em letra de forma e rubrica na supracitada papeleta. Devem
ser observados os seguintes motivos para as faltas:
a) AA1 – Auxiliar do Aluno-de-Dia ao 1° Esquadrão;
b) AA2 – Auxiliar do Aluno-de-Dia ao 2° Esquadrão;
c) ACA – Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos;
d) AGD – Aguardando Desligamento;
e) ASS – Atendimento no Serviço de Assistência Social
f) ATL – Atleta;
g) AUX – Auxiliar do Aluno-de-Dia ao Corpo de Alunos;
h) BXD – Baixado;
i) CA-1 – Aluno-de-Dia ao 1° Esquadrão;
j) CA-2 – Aluno-de-Dia ao 2° Esquadrão;
k) CA-3 – Aluno-de-Dia ao 3° Esquadrão;
l) CME – Consulta Médica;
m) COD – Consulta Odontológica;
n) CPP - Consulta Psicopedagógica/Psicológica
o) DOC – Destino Oculto;
p) DPM – Dispensa Médica;
q) EMG – Emergência;
r) FIS – Fisioterapia;
s) GIA – Guia;
t) OSP – Ordem Superior;
u) PAA – Permanência ao Alojamento
v) SVS – Serviço na SAEPCAR;
x) VGM – Viagem.
2.13.14 Sempre que o Chefe de Turma justificar a falta de um Aluno com “OSP”, deve lançar
no verso da papeleta o posto e o nome do Oficial que dispensou este Aluno, bem como o mo-
tivo ou destino, caso conhecido.
2.13.15 Retirar na Ajudância dos Esquadrões, no penúltimo dia útil da semana em curso, o
material que deve compor a pasta do Chefe de Turma da semana seguinte ao seu serviço.
2.13.16 Acender a luz da sala de aula ao início das atividades e apagá-la ao abandonar o recin-
to, e desligar todo o equipamento eletrônico utilizado.

2.14 RONDA AO CA
2.14.1 O Aluno de serviço de ronda ao CA é um auxiliar direto do OPCA, cabendo-lhe a vigi-
lância de toda a área do CA, a saber: Comando, alojamentos dos esquadrões (área externa),
salas de aula, Jardim de Alá, Pátio das Paineiras e estacionamento de veículos (atrás da SAEP-
CAR).
2.14.2 Concorrem ao serviço de Ronda ao CA todos os Alunos do 1° Esquadrão.
2.14.3 O serviço tem a duração de 24 h, iniciando-se na parada diária, sem prejuízo das instru-
ções. Nos dias não úteis, a assunção/passagem de serviço deve ser no hasteamento do Pavi-
lhão Nacional, às 7 h 45 min.
2.14.4 A equipe de Ronda é constituída por 8 (oito) Alunos, distribuídos em 4 (quatro) turnos,
sendo dois Alunos por turno.
2.14.5 O serviço de Ronda, no período noturno dos dias úteis, é dividido em quatro turnos de
duas horas, iniciando o primeiro às 22 h, devendo a distribuição dos turnos ser estabelecida
conforme a escala de serviço. Nos dias não-úteis, o serviço é dividido em 12 (doze) turnos de
duas horas, possuindo a mesma quantidade de Alunos escalados, conforme o Anexo B.
2.14.6 Os Alunos de serviço devem usar o uniforme, conforme item 2.10.3.
2.14.7 O serviço de Ronda ao CA deve ser executado sempre por dupla de mesmo sexo.
2.15 ATRIBUIÇÕES DO RONDA AO CA
2.15.1 Conhecer as atribuições relativas ao serviço, bem como todas as ordens em vigor no
CA.
2.15.2 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.
2.15.3 Dar o “feedback” de todas as ordens, recados e determinações recebidas.
2.15.4 Atentar, durante o seu turno de serviço, para a rota prevista no Anexo D.
2.15.5 Durante a ronda, conduzir para a sala do Aluno-de-Dia qualquer pessoa que precise de
informações e seja encontrada nas imediações do CA. Comunicar o fato imediatamente ao
OPCA e ao Aluno-de-Dia ao CA.
2.15.6 Percebendo atitudes suspeitas, principalmente no período noturno, não abordar o(s)
elemento(s). Acionar o OPCA.
2.15.7 Informar o OPCA de qualquer irregularidade durante o serviço, mesmo que a tenha re-
solvido e a qualquer horário.
2.15.8 Acender as luzes do Pátio da Rodoviária e as externas aos alojamentos às 18 h e apagá-
las às 6 h, sempre em coordenação com o OPCA. Devido às condições de luminosidade, este
horário pode ser alterado ficando a decisão a cargo do Aluno-de-Dia ao CA. Os rondas de-
vem, no entanto, assessorar o Aluno-de-Dia ao CA, caso seja necessária alguma modificação.
Quanto às luzes do Pátio da Bandeira, estas devem ser acesas às 18 h e apagadas às 5h.
2.15.9 Portar o rádio durante todo o seu serviço e realizar um “cheque rádio” a cada 15 minu-
tos durante sua ronda com o PSA e informar possíveis alterações no serviço.
2.15.10 Somente se retirar do seu quarto de hora após a chegada do seu substituto. O local
previsto para a rendição dos Rondas é a Sala do ACA.
2.15.11 Dar ciência, ao Aluno que o substitui, das ordens recebidas.
2.15.12 Nos intervalos entre as rondas, do respectivo turno, os Alunos podem permanecer na
sala do ACA. As rondas devem ter intervalo máximo de 15 min e o PSA deve controlar esse
tempo.
2.15.13 É obrigação do Ronda comunicar ao OPCA ou ao AOPCA qualquer indício de postu-
ra ou atitude incorreta que verifiquem, independente da antiguidade dos Alunos ou militares
observados.
2.15.14 Em cada turno devem obrigatoriamente serem realizadas no mínimo 4 (quatro) rondas
completas na rota do Anexo E. Em caso de mau tempo (chuva forte), as rondas devem ser
canceladas pelo OPCA. Nesse caso, os rodantes devem permanecer na sala do ACA de sobre-
aviso.

2.16 PERMANÊNCIA AO ALOJAMENTO (PAA)


2.16.1 O PAA é auxiliar direto do OPCA.
2.16.2 As alterações ocorridas nas escalas de PAA devem ser lançadas no livro de partes do
OPCA.
2.16.3 Os Alunos de serviço devem usar o uniforme, conforme item 2.10.3.
2.16.4 O serviço de PAA devem ser cumprido desarmado.
2.16.5 A escala de PAA deve ocorrer durante todo o período escolar do CPCAR, incluindo fe-
riados e finais de semana, sem prejuízo às instruções, tendo o serviço a duração de 24 h.
2.16.6 A critério do Comandante do CA, a escala pode ser desativada, de acordo com a neces-
sidade, (ex.: recessos cujo número de Alunos que pretendem ficar alojados na EPCAR é me-
nor que o necessário para o cumprimento das escalas levando-se em conta as restrições pre-
vistas no Regulamento Interno de Serviços da Aeronáutica).
2.16.7 Concorrem às escalas de PAA todos os Alunos do CPCAR, com exceção do Líder do
Corpo de Alunos.
2.16.8 O serviço de PAA é prestado no período noturno dos dias úteis por 04 Alunos escalados
para o serviço por Esquadrão, ou seja: 04 Alunos do 1ESQ, 04 Alunos do 2ESQ e 04 Alunos
do 3ESQ. Somente no 3ESQ (H-8) acrescentam-se a esses e apenas nos dias úteis, o: CA-1,
CA-2, CA-3 e SV, conforme Anexo F.
2.16.9 O serviço de PAA é prestado no período de 24 h nos dias não úteis por: 04 Alunos do
1ESQ, 04 Alunos do 2ESQ e 08 Alunos do 3ESQ. O número de PAA pode ser alterado por de-
terminação do Comandante do CA, conforme Anexo F.
2.16.10 Durante o turno de serviço, independente do horário, o PAA deve notificar imediata-
mente ao OPCA, todas as ocorrências anormais e, principalmente, as seguintes situações:
a) situação de emergência (risco de vida humana);
b) movimentação estranha próxima ao alojamento;
c) Aluno baixado (horário e motivo);
d) entrada de pessoa não autorizada no Alojamento;
e) a realização de jogos de azar com apostas;
f) o consumo de bebidas alcoólicas e fumo de tabaco; e
g) o uso de substância entorpecente, no alojamento ou nas dependências anexas.

2.17 ATRIBUIÇÕES DO PERMANÊNCIA AO ALOJAMENTO (PAA)


2.17.1 Conhecer as atribuições relativas ao serviço bem como todas as ordens em vigor no
CA.
2.17.2 Estar em condições para assumir seu turno de serviço 10 (dez) minutos antes do
horário. Cabe ao Aluno que substitui estar pronto para o cumprimento do serviço, não sendo
responsabilidade do substituído acordar ou chamar seu substituto. A passagem de turno de
serviço deve ser no posto.
2.17.3 Dar o “feedback” de todas as ordens, recados e determinações recebidas.
2.17.4 Durante o turno de serviço, o PAA está autorizado apenas consultar as ordens em vigor,
a legislação necessária à boa condução do serviço e, caso autorizado pelo Comando do
Esquadrão ou OPCA, o estudo das disciplinas do CPCAR. Não é permitido ao PAA estudar
outro material, ler livros e revistas de entretenimento, ver televisão, utilizar computador,
“tablet”, celular, aparelhos de som e fones de ouvido ou ainda qualquer outra atividade não
autorizada, apesar de não citada anteriormente.
2.17.5 Durante o turno de serviço, os PAA do 1ESQ e 2ESQ devem efetuar suas rondas nas
varandas externas do respectivo alojamento, sendo proibido o ingresso no interior dos mes-
mos durante o serviço, a menos que haja alguma emergência.
2.17.6 O PAA do 3ESQ deve permanecer nas varandas externas do H-8 e não dentro dos quar-
tos. Em dias não úteis, fora do quarto de hora, o PAA deve permanecer na EPCAR em condi-
ção de sobreaviso, devendo informar constantemente sua posição ao OPCA.
2.17.7 Acionar o OPCA quando perceber atitudes suspeitas, principalmente no período notur-
no. Neste caso, não abordar o(s) elemento(s).
2.17.8 Somente se retirar do seu turno de serviço após a chegada do seu substituto.
2.17.9 Dar ciência ao PAA que o substitui das ordens recebidas.
2.17.10 Durante a primeira retirada de faltas para o início das atividades didáticas do dia, os
PAA que cumpriram o serviço na noite anterior devem fiscalizar a arrumação final do aloja-
mento de seu Esquadrão (limpeza, luzes apagadas, fechamento de portas e janelas conforme
previsto, alinhamento de camas e armários e recolher os objetos fora dos armários, entre-
gando-os ao ACA). Sendo assim, devem faltar a essa formatura.
2.17.11 Caso ocorra uma emergência médica com um Aluno do Esquadrão, o PAA deve
verificar junto ao Aluno que está em emergência se o mesmo pode se locomover até à ASA.
Nessa situação, é desejável o parecer do médico do CA e sempre que exequível deve ser
consultado. Caso seja possível o deslocamento do Aluno em emergência por meios próprios:
a) o PAA deve acionar seu substituto, que deve assumir o serviço até o regresso do titular ou
sua substituição pelo próximo da escala;
b) o PAA substituto deve notificar ao Adjunto do OPCA sobre a ocorrência;
c) deve ser feito o acompanhamento do Aluno em emergência até o Médico-de-Dia no ES-
BQ; e
d) após o início do atendimento pelo Médico-de-Dia, o PAA deve retornar para reassumir o
turno de serviço, a não ser que receba outra orientação do Médico-de-Dia, comunicando
sempre sua posição ao OPCA/AOPCA imediatamente.
2.17.12 Caso não seja possível o deslocamento por meios próprios até o hospital da EPCAR:
a) o PAA deve acordar um Aluno ou designar o Aluno mais próximo da ocorrência, o qual fi-
cará encarregado de acompanhar o Aluno em emergência até a chegada do seu transporte;
b) após designar o acompanhante, o PAA deve informar a situação ao Adjunto ao OPCA, que
será o responsável pelo acionamento da ambulância; e
c) em seguida, o PAA deve retornar para o cumprimento normal do seu turno de serviço.
2.17.13 As luzes dos alojamentos do 1ESQ e 2ESQ devem ser apagadas logo após o toque de
silêncio pelo PAA de serviço, permanecendo apagadas até o toque de alvorada. Após o toque
de alvorada, as luzes devem ser acessas pelo PAA de serviço no Esquadrão.
2.17.14 Portar lanterna durante o turno de serviço, utilizando-a somente quando necessário,
evitando atrapalhar o descanso dos demais integrantes do Esquadrão.
2.17.15 Impedir qualquer perturbação do silêncio após o respectivo toque.
2.17.16 Apresentar-se na Sala do OPCA nos horários previstos no Anexo A.
2.17.17 Nos dias não úteis, o PAA mais antigo do 2ESQ deve fiscalizar o acesso ao rancho do
1ESQ, em atenção a ficha de arraçoamento. Nos dias úteis, o controle é feito conforme item
3.7.17 desta NPA.

3 DISPOSIÇÕES FINAIS
3.1 A presente NPA entra em vigor na data de sua publicação em Boletim Interno.
3.2 Fica revogada a NPA 12/CA/17, publicada no Boletim Interno nº 25 de 07 de fevereiro de
2018, do GAP-BQ.
3.3 Os casos não previstos nesta NPA devem ser encaminhados à Seção de Doutrina do CA
para análise do Comandante do CA e submissão ao Exmo Sr Comandante da EPCAR.

Elaborada por:

GLEISON ANTONIO SOMENSI Ten Cel Av


Comandante do CA
Conferida por:

HÉLIO TAVARES DE SÁ FILHO Ten Cel Int R/1


Agente de Controle Interno
Aprovada:

MAURO BELLINTANI Cel Av


Comandante Interino da Escola Preparatória de Cadetes do Ar
ANEXO A
TABELA DE HORÁRIOS DOS SERVIÇOS DOS ALUNOS

DIAS ÚTEIS
ATIVIDADE Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira
Apresentação 5 h 50 min 5 h 50 min 5 h 50 min 5 h 50 min 5 h 50 min
Sala do OPCA
Debriefing da 6h 6h 6h 6h 6h
Equipe de
Serviço
Parada Diária A A A A A
Briefing da Entre 13 h e 13h Entre 13 h e 13h Entre 13 h e 13h Entre 13 h e 13h Entre 13 h e
Equipe de 30 min 30 min 30 min 30 min 13h 30 min
Serviço
( somente ACA,
AUX,CA-1, CA-
2, CA-3, A-1 e
A-2)
Arriação da 18 h 18 h 18 h 18 h 18 h
Bandeira
briefing da B B B B B
Equipe de
Serviço
(todos)
Treinamento da 20 h 30 min 20 h 30 min 20 h 30 min 20 h 30 min N/A
Parada Diária
Silêncio 22 h 22 h 22 h 22 h 22 h

Observações:

A – O horário da parada diária será conforme a rotina do Corpo de Alunos ou determinação do comandante do
Corpo de Alunos.

B – O briefing da Equipe de serviço será realizado após o Pernoite do CA, em horário definido pelo OPCA.
DIAS NÃO ÚTEIS
ATIVIDADE Sábado Domingo Feriados
Apresentação Sala do 5 h 50 min 5 h 50 min 5 h 50 min
OPCA
ALVORADA 7h 7h 7h
Hasteamento da Bandeira 7 h 45 min 7 h 45 min 7 h 45 min
Passagem do Serviço * 8h 8h 8h
Arriação da Bandeira * 18 h 18 h 18 h
briefing da Equipe de
Serviço ministrado pelo A A A
OPCA / PERNOITE
Silêncio 22 h 22 h 22 h

Observações:

A – O briefing da Equipe de serviço será realizado após o Pernoite do CA, em horário definido pelo OPCA.

* O AUX deverá permanecer na sala do ACA.


ANEXO B

TABELA DE HORÁRIOS DO SERVIÇO DE PSA e RONDA PARA DIAS ÚTEIS E


NÃO ÚTEIS

HORÁRIO
ATIVIDADE
(DIAS ÚTEIS)
Briefing da Equipe de SVÇ B
1° TURNO
22 h - 0 h
(PSA A) + (RONDA A e B)
2° TURNO
0 h - 2h
(PSA B) + (RONDA C e D)
3° TURNO
2h–4h
(PSA C) + (RONDA E e F)
4° TURNO
4h–6h
(PSA D) + (RONDA G e H)

Observações:

B – O briefing da Equipe de serviço será realizado após o Pernoite do CA, no horário definido pelo OPCA.

Obs.: Nos dias não úteis os turnos serão sucessivos de tal forma que os postos deverão ser guarnecidos, durante
às 24 h do serviço supracitado, pelos Alunos do quadro acima nos horários do quadro abaixo:

ATIVIDADE HORÁRIO (DIAS NÃO ÚTEIS)


1° TURNO 8 h – 10 h
2° TURNO 10 h – 12 h
3° TURNO 12 h – 14 h
4° TURNO 14 h – 16 h
1° TURNO 16 h – 18 h
2° TURNO 18 h – 20 h

3° TURNO 20 h – 22 h
4° TURNO 22 h – 0 h
1° TURNO 0h–2h
2° TURNO 2h–4h
3° TURNO 4h–6h
ANEXO C

MODELO DE PREENCHIMENTO DO LIVRO DE PARTES

MINISTÉRIO DA DEFESA

COMANDO DA AERONAÚTICA

ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR

Livro de partes referente ao Serviço de Aluno-de-Dia ao CA do Aluno (número e nome de


guerra), do dia dd/mm/aa para o dia dd/mm/aa.

1. RECEBIMENTO DO SERVIÇO: Recebi o serviço do Aluno (número e nome de guerra)


com todas as ordens em vigor.

2. MATERIAL CARGA E CLAVICULÁRIO: Citar as alterações verificadas no material carga


listado e no claviculário. Caso não haja alterações lançar: SEM ALTERAÇÕES.

3. AVISOS: Citar a autoridade responsável, o horário, o assunto e o público alvo. Letra


maiúscula antecede cada item. Caso não houve aviso lançar: NÃO HOUVE.

Ex.: 3- AVISOS: A- O Comandante do 1o Esquadrão solicitou confeccionar relação de


voluntários para a formatura do Dia do Aviador, informado a todo o 1° Esquadrão na 1ª formatura do dia.

4. EQUIPE DE SERVIÇO: Citar as modificações na equipe de serviço do ACA, anexando ao


livro as permutas assinadas pelo Cmt do Esquadrão ou OPCA. Caso não houve modificação, lançar: SEM
ALTERAÇÕES.

5. INSTALAÇÕES: Citar a falha encontrada e a providência tomada. Letra maiúscula antecede


cada item. Caso não houve ou caso a falha foi lançada em serviço ocorrido durante a semana, lançar: SEM
ALTERAÇÕES.

Ex.: 5- INSTALAÇÕES: A- A porta da sala do ACA encontra-se emperrada. Foi solicitada na


CAAJ a confecção da Ordem de Serviço. B- Existem 5 lâmpadas no pátio de formaturas coberto que estão
queimadas. Foi solicitada na CAAJ a confecção da Ordem de Serviço.

6. OCORRÊNCIAS: Citar as ocorrências, não disciplinares, que houveram durante o serviço.


Iniciar cada item por meio de letra maiúscula.

7. PASSAGEM DO SERVIÇO: Passei-o ao meu substituto legal, o Aluno (número e nome de


guerra), com todas as ordens em vigor e material carga relacionado.

Barbacena, dd de mmmm de 20aa.

AL 201x/002 FULANO – Aluno-de-Dia ao CA


ANEXO D

MODELO DE FICHA DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÃO


FICHA N°
DATA/HORA: ______/_______/______ ÀS _____:_____
RECEBIDO POR: AL _______/20____

DESTINATÁRIO:
NOME DA PESSOA (PARENTESCO):
TELEFONE DE CONTATO (OBRIGATÓRIO):
CIDADE/ESTADO DE ONDE FALA:
INFORMAÇÃO (USE O VERSO SE NECESSÁRIO):
NOTA: Sobre o preenchimento:

a) O número da ficha inicia-se sempre em 1 (um) a partir do recebimento do


serviço do AUX, todos os dias.

b) O grupo data/hora refere-se ao momento em que recebeu a ligação.

c) O Aluno que recebe a informação cita seu número e nome de guerra.

d) No campo destinatário, citar a pessoa que deverá receber a informação.

e) No campo nome da pessoa, identificar quem está transmitindo a informação


por telefone e qual é o grau de parentesco ou relação dessa pessoa com o destinatário.

f) No campo telefone de contato, citar o número de telefone da pessoa que está


transmitindo a informação para eventuais dúvidas (OBRIGATÓRIO).
ANEXO E

ROTA PARA RONDA


ANEXO F

QUADRO HORÁRIO DO PAA

(Dias Úteis)

LOCAL H-8 ALOJAMENTO 2ESQ ALOJAMENTO 1ESQ


NÚMERO DE POSTOS 2 1 1
TURNO 1 (22 h às 0 h) CA-1 + PAA1 (AL do 3ESQ) PAA 1 (AL do 2ESQ) PAA 1 ( AL do 1ESQ)
TURNO 2 (0 h às 2 h) CA-2 + PAA2 (AL do 3ESQ) PAA 2 (AL do 2ESQ) PAA 2 ( AL do 1ESQ)
TURNO 3 (2 h às 4 h) CA-3 + PAA3 (AL do 3ESQ) PAA 3 (AL do 2ESQ) PAA 3 ( AL do 1ESQ)
TURNO 4 (4 h às 6 h) SV + PAA4 (AL do 3ESQ) PAA 4 (AL do 2ESQ) PAA 4 ( AL do 1ESQ)

(Dias Não Úteis)

LOCAL H-8 ALOJAMENTO 2ESQ ALOJAMENTO 1ESQ


NÚMERO DE POSTOS 2 1 1
TURNO 1 (8 h ás 10 h) PAA1 + PAA2 PAA 1 (AL do 2ESQ) PAA 1 ( AL do 1ESQ)
TURNO 2 (10 h às 12 h) PAA3 + PAA4 PAA 2 (AL do 2ESQ) PAA 2 ( AL do 1ESQ)
TURNO 3 (12 h às 14 h) PAA5 + PAA6 PAA 3 (AL do 2ESQ) PAA 3 ( AL do 1ESQ)
TURNO 4 (14 h às 16 h) PAA7 + PAA8 PAA 4 (AL do 2ESQ) PAA 4 ( AL do 1ESQ)
... ... ... ...

Obs.: Nos dias não úteis os turnos serão sucessivos de tal forma que os postos deverão ser guarnecidos, durante
às 24 h do serviço supracitado, pelos Alunos do quadro acima nos horários do quadro abaixo:

ATIVIDADE HORÁRIO
(DIAS
NÃO
ÚTEIS)
1° TURNO 8 h – 10 h
2° TURNO 10 h – 12 h
3° TURNO 12 h – 14 h
4° TURNO 14 h – 16 h
1° TURNO 16 h – 18 h
2° TURNO 18 h – 20 h
3° TURNO 20 h – 22 h
4° TURNO 22 h – 00 h
1° TURNO 0h–2h
2° TURNO 2h–4h
3° TURNO 4h–6h
ANEXO G

HORÁRIOS DE ACOMPANHAMENTO DA ROTINA DOS ALUNOS

CAFÉ DA MANHÃ LANCHE MATUTINO


5 h 51 min → 1° ANO (em forma) 9 h 25 min → Todos os Esquadrõe
6 h → 3° e 2° Esquadrões podem entrar no rancho
SEM ENTRADA EM FORMA.
Horários de entrada em forma após café (para início
das atividades da DE):
6 h 41 min → 1° ANO
6h 44 min → 2° ANO
6 h 47 min → 3° ANO
6h 50 min → SENTIDO

PARADA DIÁRIA LANCHE VESPERTINO


H – 9 min → 1° ANO 15 h 25 min → Todos os Esquadrões
H – 6 min → 2° ANO
H – 3 min → 3° ANO
H → SENTIDO

OU

H → Todos os Esquadrões

Obs: H = horário de início da Parada Diária de acordo


com a rotina do Corpo Alunos e término das aulas do
período matutino (DE).

EDUCAÇÃO FÍSICA JANTAR


H *– 9 min → 1° ANO 17 h 51 min → 1° ANO (em forma)
H* – 6 min → 2° ANO
H *– 3 min → 3° ANO 18 h → 3° e 2° Esquadrões podem entrar no rancho
H* → SENTIDO SEM ENTRADA EM FORMA.

Obs: H * = horário de sentido e deslocamento para a


Praça de Esportes de acordo com a rotina do Corpo
Alunos e planejamento da DE.

PERNOITE CEIA
19 h 01 min → 1° ANO 21 h → Todos os alunos (arraçoados) podem entrar no
19 h 04 min → 2° ANO rancho SEM ENTRADA EM FORMA.
19 h 07 min → 3° ANO
19 h 10 min → SENTIDO
OBS 1: os alunos, após o café, lanche matutino e almoço deverão estar em sala de aula com 5 (cinco) minutos
de antecedência ao início da instrução: 6 h 55 min, 9 h 45 min e 13 h 45 min, respectivamente;
OBS 2: os deslocamentos de todos os Esquadrões para o início das aulas do período vespertino ocorrerão à
vontade, e
OBS 3: o ACA deverá atentar para que não haja atrasos na entrada em forma para a Educação Física após o
lanche vespertino.
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA NPA-CA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR
SEÇÃO DE DOUTRINA DO CORPO DE ALUNOS

Numeração: Assunto:

001/CA/18 CANCIONEIRO DO CORPO DE ALUNOS

Emissão: Anexo: Divulgação


Ostensiva:
A - ENTOAÇÕES MILITARES
Efetivação:
Todos os setores
da Escola
Preparatória de
Publicação: Revogação: Cadetes do Ar
Bol. Int. nº ___ de __/__/____ Bol. Int. nº ___ de __/__/____

1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1 FINALIDADE
Estabelecer os Hinos e Canções Militares que podem ser executados pelos grupamentos
militares do Corpo de Alunos da Escola Preparatória de Cadetes do Ar durante deslocamentos
em passo “ordinário”, “acelerado” ou “correndo”.

1.2 CONCEITUAÇÃO
Cancioneiro do Corpo de Alunos da EPCAR é uma coletânea de obras musicais conhecidas e
de uso comum nos quartéis militares, a qual é constituída por hinos militares e civis, bem
como por canções de cunho motivacional para a tropa durante o treinamento físico militar.

1.3 FUNDAMENTO LEGAL


1.3.1 NPA 001/ACI/18 - Elaboração, Divulgação, Alteração e Controle de NPA da
EPCAR.

1.4 ÂMBITO
A presente NPA aplica-se ao Corpo de Alunos da EPCAR.
1.5 COMPETÊNCIA
É de competência do chefe da Doutrina do Corpo de Alunos da EPCAR a elaboração,
atualização, distribuição e divulgação da presente Norma. O Cancioneiro do CA será
atualizado durante o recesso do meio de ano e ao final do ano letivo, de forma que novas
canções possam ser inseridas na coletânea, de acordo com o item 2.2.

2 TEXTO FUNDAMENTAL

2.1 EMPREGO DO CANCIONEIRO DO CA DA EPCAR


2.1.1 No intuito de demonstrar orgulho em ser militar e para honrar as ações da Força Aérea
Brasileira, todos os Alunos da EPCAR deverão bradar hinos, canções ou entoações militares
nos deslocamentos em “passo ordinário”, “acelerado” ou “correndo”.
2.1.2 Não deverá conter no Cancioneiro obras que versem sobre assuntos de cunho político ou
que venham a ferir qualquer tipo de orientação religiosa, de gênero ou os bons costumes
éticos e morais praticados no âmbito militar.

2.2 ATUALIZAÇÕES
2.2.1 Qualquer militar do efetivo da Escola poderá propor alterações ao Cancioneiro do CA da
EPCAR, sugerindo a inclusão ou a exclusão de canções. As sugestões deverão ser
encaminhadas, via Parte Pessoal, ao Chefe da Seção de Doutrina do CA.
2.2.2 Os alunos também poderão propor alterações ao Cancioneiro do CA da EPCAR,
sugerindo a inclusão ou a exclusão de canções. As sugestões deverão ser deixadas no
Comando do Esquadrão ao qual o aluno pertence ou diretamente na Seção de Doutrina.
2.2.3 O Cancioneiro será impresso no CA e divulgado nos quadros de avisos de todos os
Esquadrões.

2.3 CONTROLE AUTORAL


2.3.1 Os Hinos e Canções Militares terão a sua autoria informada, preservando-se com isso o
seu momento histórico e o rigor de sua interpretação, em letra e melodia.
2.3.2 As entoações militares, por sua natureza mais dinâmica, procuram transmitir vibração
aos que a bradam, contando histórias ocorridas em dados momentos dentro da caserna, em
feitos notórios fora dela ou mesmo em batalhas e guerras passadas. Não é necessário que
sejam nomeados seus autores, pois além de não ser possível identificá-los, podem sofrer
adaptações dependendo da época ou da ocasião em que forem entoadas.

3 DISPOSIÇÕES FINAIS
3.1 A presente NPA entrará em vigor na data de sua publicação em Boletim Interno da
EPCAR.
3.2 Esta Norma revoga as disposições contidas na NPA 01/CA/16, publicada no Boletim
Interno nº 113, de 29 de junho de 2016.
3.3 Os casos não previstos nesta NPA devem ser encaminhados à Seção de Doutrina do CA
para análise do Comandante do CA e submissão do Exmo Sr Comandante da EPCAR.

Elaborada por:

GLEISON ANTONIO SOMENSI Ten Cel Av


Comandante do CA

Conferida por:

HÉLIO TAVARES DE SÁ FILHO Ten Cel Int R/1


Agente de Controle Interno

Aprovada:

MAURO BELLINTANI Cel Av


Comandante Interino da Escola Preparatória de Cadetes do Ar
ANEXO
ENTOAÇÕES MILITARES DO CANCIONEIRO DO CORPO DE ALUNOS

VEM DO NORTE
Vem do norte
Vem do sul
Vem pagando flexão
Vem pagando canguru
Um pouquito de fleca para aquecer
Um pouquito de canga para ralar
Fleca, fleca, olha a flexão
Canga, canga, olha o canguru

A SIRENE TOCOU
A sirene tocou
A guarda foi acionada
Estão tentando invadir
A nossa esmeralda
São apenas mil
São apenas mil
Contra um guerreiro de selva do Brasil

ESSE CURSO EU DEDICO A VOCÊ


Ouça, ouça, ouça agora
Ouça o que eu vou dizer
Esse curso, esse curso
Eu dedico a você
Com amor muito carinho
Você sempre me apoiou
Agora eu vou dizer
Como é que eu estou
Estou ralando todo dia
E nunca mais vou me esquecer
Vou encontrar Rosa Maria
E dar a ela o meu brevê
Rever meu neto a qualquer dia
“Vovô o que o senhor fazia?”
Netinho a gente corria
E nem sabia aonde ia
Mas num belo dia
Todo equipadão
Vovô se lançou
Da porta do avião
Ai meu netinho como era bom
Se lançar lá do avião
Sentir a brisa lá de cima
E aterrar de encontro ao chão
Mas vovô eu também quero
Quando eu crescer
ter a minha boina, meu boot e meu brevê

CORRIDINHA MIXURUCA
Corridinha mixuruca
Que não dá nem pra cansar
Eu aqui nesse passinho
Corro até o sol raiar
Corridinha mixuruca
que não dá nem pra cansar
Eu aqui nesse passinho
volta ao mundo eu vou dar

F.A.B.
F de força
A de avião
B de brasileiro guerreiro de profissão
Sou da Força Aérea o orgulho da nação
PELO BRASIL EU VOU LUTAR
Explode granada no tubo de morteiro
Vamos patrulhando, vibrando no terreno
Para o combate o meu fuzil eu vou levar
Também a baioneta para o inimigo derrotar
Se na floresta esse brado rugir
Desista guerreiro seu destino está por vir
Tropa de elite, cadetes avançar
Não tente me deter pelo Brasil eu vou lutar

CANÇÃO 1° ANO BARRETES


Conhecido na Nascente como um guerreiro louco
Eu dormi no alojamento e acordei no H-8
Me olhando no espelho algo novo eu percebi
Eu vi três barretes, eu juro que vi
Porém logo depois algo estranho eu vivi
Dois dos meus barretes começaram a cair
Foi então que eu percebi que era um sonho se acabando
Acordei no acionamento: “ bom dia 1° ano”.

SEREI CADETE AV
Olhei pra minha farda e não cabia mais brevê
O meu primeiro curso foi o PQD
Subia na parede parecia o homem-aranha
O meu segundo curso foi o guia de montanha
Guerreiro combatente que sustenta o para fal
O meu terceiro curso operação especial
Peguei minha mochila e andei mil léguas
O meu quarto curso foi o guerra na selva
Peguei meu paraquedas e saltei no mar
O meu quarto curso foi o para SAR
Nós não queremos água, só queremos munição
O meu sétimo curso foi caatinga no sertão
Ganhei uma platina e resolvi cepar
O meu oitavo curso foi o CPCAR
Eu gostei da ideia de receber um brevê
O meu nono curso foi o CFOAV
2° EIA
2° EIA, 2° EIA
É muita cepa
É cepa louca
Cepa aloprada
É zero peia
Se eu conseguir cepar
Meu avião vou pilotar
Se Deus quiser e eu cepar
O meu tangão eu vou solar
E na navega para BQ
Eu vou passar lá na EPCAR
Ai como é bom eu sou aluno
Mas um dia cadete irei virar

PARAQUEDISTA
Quem és tu
Que desces do Céu
Com asas de prata por sobre o Brasil
Guerreiro alado
Que não sentes dor
É o paraquedista irmão do condor
Sua missão
É destruir
A linha inimiga e seu campo invadir
Boina grená, boot e brevê
Deus ou demônio? Quem és tu, PQD?

GUERREIRO NA SELVA
Bem no meio da estrada no centro
Onde a onça te chamar para dentro
É o curso que prepara o guerreiro
Neste nobre solo brasileiro
Guerra, guerra, guerra, guerra na selva (2x)
EXISTEM
Existem aqueles
Que querem mas não podem
Existem aqueles
Que podem mas não querem
Eu quero
Eu posso
Serei
Cadete aviador!

COMBATENTE DE MONTANHA
Se a guerra escolher como palco
As montanhas de nosso Brasil
Levarei minha fé minha força
Junto a mim estará meu fuzil
A altitude e o ar rarefeito
Adaptado tornei-me assim
Eu sinto que eu sou parte delas
E que elas são parte de mim
O meu grito de guerra é montanha
Montanha responde o rochedo
Vencerei o inimigo com garra
Sou guerreiro que luta sem medo
Escalando as paredes de pedra
Hei de ver a vitória chegar
E do alto contemplo o horizonte
A planície, o planalto e o mar
E lutar bem mais perto do céu
Esta é minha nobre missão
Minha alma se eleva ao topo
A seguir meus pés lá estarão
PANTANEIRO
Todo pantaneiro tem no gorro um jacaré
É Lá em Corumbá, se aprende como é que é
Forte Coimbra, forte Junqueira
Uno Sete Batalhão Infantaria de Fronteira
A de Acurí
B de Bocaiúva
C de Corumbá é pra lá que eu vou voltar
D de dia D
E de embarcação
F de fronteira eu vou levar meu pelotão
G de guerra
H hoje acontece
I de Porto Índio que merece uma prece
J jangal
L lamaçal
M de maluco, olha a minha cara de mau
N de navio
O de operações
P de pantanal, esse é o meu brevê
Todo pantaneiro tem no gorro um jacaré
É lá em Corumbá que se aprende como é

AVANTE, GUERREIROS
Avante guerreiros
Na paz ou na guerra
Serás um cadete da Força Aérea
Com garbo marcial
Tropa de elite
Com garra e vibração alcançarás o teu limite
A dor no combate
Aos fracos abate
Aos bravos e fortes só tem a exaltar
Na hora da angustia
A Pátria defender
Luta com coragem dá teu sangue até morrer
Senhores da guerra
Na terra ou no ar
Intendência abastecer, infantaria a zelar
Quando você ouvir
O ronco do motor
Aviador no céu, guerreiro Alado, defensor

SER AUDAZ
Ser audaz
Ser inteligente
Entrar na Academia e ser cadete intendente
Ser audaz
Ralar todo dia
Entrar na Academia e ser cadete infantaria
Ser audaz
Ser vibrador
Entrar na Academia e ser cadete aviador

BALIZEM A ZL
Preparem a pista
Balizem a ZL
Que está chegando o gigante Hércules
Não fiquem com medo
A rampa é o terror
C-115 o famoso Bufallo
A porta é estreita
O salto é gigante
C-95 o pequeno Bandeirante

CANÇÃO DE OURO
Esse é o curso
Curso de ouro
Eu ralei tanto
Que quase perdi o couro
Mas não faz mal
Vocês vão ver
No fim do curso
Eu terei o meu brevê
Aluno quer cursar curso de ouro
Porque a ralação é o seu maior tesouro

COMANDOS
Mochila
Pesada
O fal
Granada
A noite
Escura
A água
Gelada
O gorro
É negro
O curso
Comandos
Comandos
Se Comandos querem ser
Ouçam bem o que vou dizer
Ousar lutar querer vencer
Esse é o lema que há de ser
Quando o frio for intenso
Ou o calor for de matar
Não se esqueça um só momento
que o comandos nunca pode parar
Ha, ha, outra guerra não vai ter
Ha, ha, outra guerra não vai ter
Mas se tiver quero estar lá para combater
O meu amigo eu não to brincando não
Meu pelotão é o melhor do batalhão
Pra derrotar esse nosso pelotão
É preciso muito mais
Muito mais que um batalhão
Pra derrotar essa nossa companhia
É preciso muito mais, muito mais que uma Infantaria
CADETE AV
Cadete, eu hei de ser
Nem que eu tenha de sofrer
Um avião vou pilotar
Nem que eu tenha que cepar
Nem que eu tenha que aloprar

FACA NA BOCA
Faca na boca
Olhar ofuscante
Turma de gala
Vibração de Infante
Um tiro preciso derruba uma tropa
Com uma rajada o mundo se entorta
Olho para o alto para agradecer
Meu Deus como é bom
Ser uno…
Ímpar
Ímpar
Brasil
Acima
De tudo
Abaixo
Somente
De Deus
De Deus

ONÇA PINTADA
Olha a onça dele no chapéu
Olha que essa onça é o seu troféu
Olha que essa onça não é fácil de se ter
Com ela se rala pra valer
Onça pintada que tanto me orgulha
Será o estandarte da minha patrulha
Onça pintada na terra e no céu
Pregada em meu peito serás meu troféu
Somos guerreiros de mata
Estamos sempre em prontidão
De fuzil, pistola e faca
E muita disposição
Dos meus olhos saem brasa
Meu sangue é puro veneno
Sou que nem cachorro loco
Quando solto no terreno
Minha pele é armadura
E não pode ser penetrada
Silencioso e sorrateiro
Preparando as emboscadas
Certa vez em um combate
Mortalmente fui ferido
E até mesmo desarmado
Derrotei o inimigo

AO RAIAR DO DIA
Foi ao raiar do dia que o guerreiro se lançou
De longe se avistava suas asas de condor
com sua aterragem ele fez tremer o chão
Em menos de um segundo era total destruição
E não havia nada que pudesse combater
Tamanha violência do ataque PQD
Antes de eu morrer, hei de ter essa conquista
Além de ser aviador eu serei paraquedista.

LÁ EM CASA É DIFERENTE
Lá em casa é diferente
E a todos vou contar
O meu pai dorme em "sentido"
Minha mãe em "descansar".
O quintal lá de casa
Não se varre com vassoura
Varre com ponta de sabre
Rajada de metralhadora.
A comida lá de casa
Não tem tempero nem sal
A comida lá de casa
É ração operacional
Minha mãe vai fazer compras
Não há quem a faça mal
Na bolsa leva a pistola
A tiracolo o parafal
O portão da minha casa
Não precisa cadeado
Toda a vez que a gente sai
Ele é armadilhado
Brincadeira lá de casa
Não é bola nem peão
Brincadeira lá de casa
É "gc" e "pelotão".
Alvorada lá em casa
Não é preciso corneteiro
Meu irmão pega o "c4"
E estoura no banheiro.
O terreno lá de casa
É difícil de chegar
A família lá só dorme
Em defesa circular
Selva selva selva selva
É lugar bom de se morar
Carapanã pra todo lado
E borrachudos a picar

QUANDO EU MORRER
Quando eu morrer
me enterre em um caixão
Mas deixem um espaço pra eu pagar minha flexão
Quando eu morrer
me enterre em um baú
Mas deixem um espaço pra eu pagar meu canguru
Quando eu morrer
me enterre em um barril
Mas deixem um espaço pra eu guardar o meu fuzil
Quando eu morrer quero ir de FAL e de bereta
Chegar no inferno e dar um tiro no capeta
E o capeta vai gritar desesperado
Meu Deus do céu tira daqui esse soldado

CAÇADOR
Vou contar uma história sem igual
Não é sobre caveira nem sobrenatural
Guerreiros de 8º rasgando o anil
Dominando os céus de 0 a 70 mil
Esses guerreiros carregam um brevê
E como ele é eu vou contar para você
Nesse brevê não tem faca nem caveira
Mas entre as duas asas brilhará uma estrela
Estrela brilha caçador sorri
Eu não tenho medo de ti

PANE SIMULADA
Você está numa pane simulada
Velocidade 90 kt
Trem em cima
Flap em cima
Manetes a frente
Troca tanque
Liga booster
Magnetos
Alternador
Bateria
Mas se essa pane não for simulada
Chama a “ANO DO CPCAR” pra sair dessa enrascada

CAVEIRA
Vou contar para vocês
A historia da caveira
Que surgiu do sobrenatural
Pra combater nas trincheiras com moral
Combateu em grandes guerras
Nagasaki e Hiroshima
De camuflado no Vietnã
Ataque anfíbio nas Malvinas
Recentemente fomos ao Iraque
Bombardear a Bagdá
Mas o míssil Tomahawk
Fez a morte do guerreiro chegar
E a caveira incorporou no combatente
Convidando a ser comandos
Paraquedista e mergulhador
Guerra na selva, precursor
DIA D
1944
6 de Junho
Na Normandia
Qual foi?
Qual foi?
Qual foi o erro que Hitler cometeu?
Hitler, Hitler, o erro cometeu
Dos paraquedistas ele se esqueceu
Embarcações não podiam atracar
Pois a ponto 30 estava a esperar
E os fuzileiros nada podiam fazer
Se eles não tivessem o curso PQD
Antes de morrer eu hei de ter essa conquista
Além de ser AV eu serei paraquedista

SEXTA-FEIRA
Eu tenho um costume que já é tradição
De toda sexta-feira puxar essa canção
Sexta
É sexta-feira
Sexta-feira eu vou eu vou eu vou eu vou
Sexta-feira eu vou pra casa vou rever o meu amor
É verdade, é verdade, o coronel autorizou
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR NPA-CA
CORPO DE ALUNOS

Numeração: Assunto:
PARADA DIÁRIA DO CORPO DE ALUNOS
011/CA/18 Divulgação
Emissão: Anexo: NIL Ostensiva:

Todos os setores
Efetivação: da Escola
Preparatória de
Publicação: Revogação: Cadetes do Ar

Bol. Int. nº ___ de __/__/____ Bol. Int. nº ___ de __/__/____

1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1 FINALIDADE
A presente Norma Padrão de Ação (NPA) tem por finalidade estabelecer os procedimentos
para a Parada Diária do Corpo de Alunos (CA), bem como detalhar as cerimônias de
hasteamento e arriação do Pavilhão Nacional e das Insígnias de Autoridades.
1.2 ÂMBITO
A presente Norma aplica-se ao Corpo de Alunos.
1.3 COMPETÊNCIA
O Chefe da Seção de Doutrina do Corpo de Alunos é responsável pela elaboração,
atualização, alteração, distribuição e divulgação da presente Norma.

2 DISPOSIÇÕES GERAIS
2.1 PARADA DIÁRIA NOS DIAS ÚTEIS
2.1.1 A Banda de Música entrará em forma à frente do Corpo de Alunos durante as Paradas
Diárias.
2.1.2 Convidados e comitivas entrarão em forma no palanque. A critério do Oficial que
preside a Parada, outros alunos podem ser convidados ao palanque.
2.1.3 Os Alunos de Dia aos Esquadrões que entram em serviço e seus auxiliares formam à
testa dos respectivos esquadrões.
2.1.4 As Paradas Diárias realizadas às terças-feiras e quintas-feiras serão compostas por
Alunos armados de mosquetão de desfile.

2.2 SEQUÊNCIA DA PARADA DIÁRIA NOS DIAS ÚTEIS


2.2.1 SEQUÊNCIA DOS EVENTOS
a) Recepção da autoridade (se houver);
b) Passagem do Serviço de Aluno de Dia ao Corpo de Alunos;
c) Hasteamento do Pavilhão Nacional;
d) Entrega de Medalhas, Distintivos e prêmios (se houver);
e) Palavras do Comandante do CA (se houver);
f) Grito de Guerra dos Esquadrões (se houver); e
g) Desfile militar.

2.2.2 DESENVOLVIMENTO DA CERIMÔNIA


A Equipe de Serviço deverá observar os procedimentos abaixo relacionados:
a) O Auxiliar do Aluno de Dia ao CA que sai de serviço, após o toque de
“CORPO DE ALUNOS, PREPARAR”, providencia a colocação do Pavilhão
Nacional na adriça principal e fica segurando-o com ambas as mãos, frente
para a posição prevista para o Aluno de Dia. Neste momento, os Auxiliares
que saem de serviço, escalados para o hasteamento das insígnias, da maior
autoridade do CA e do visitante (se houver), providenciem a colocação das
mesmas nas respectivas adriças e postam-se nos seus lugares segurando-as
com ambas as mãos;
b) O Aluno de Dia ao CA que sai de serviço recebe a apresentação dos Alunos
de Dia aos Esquadrões;
c) Após receber as apresentações, o Aluno de Dia que sai de serviço e o Aluno
de Dia ao CA que entra em serviço tomam posição com a frente voltada para o
palanque (na direção do militar que presidirá a cerimônia);
d) Assim que a autoridade que presidirá a cerimônia estiver se deslocando
para o palanque, o Aluno de Dia ao CA que sai de serviço comanda “CORPO
DE ALUNOS, SENTIDO! OMBRO-ARMA!” (caso a tropa esteja armada
e/ou o militar que presidirá seja Oficial Superior). Na sequência, o Aluno de
Dia que entra de serviço, acompanhado do Aluno de Dia que entra de serviço,
executam o meia volta-volver e 1/8 de volta à direita e à esquerda,
respectivamente (ambos voltados para o centro do palanque). Assim que o
militar que presidirá a cerimônia estiver posicionado no centro do palanque e
pronto para dar início à solenidade, o Aluno de Dia que sai de serviço
deslocar-se-á em passo ordinário até o local previsto, onde deverá fazer o alto
e executar o 1/8 de volta à esquerda, prestar continência e se apresentar
dizendo: “ALUNO (nome de guerra e Esquadrão), ALUNO DE DIA AO
CORPO DE ALUNOS QUE SAI DE SERVIÇO (desfaz a continência),
APRESENTO O CORPO DE ALUNOS E SOLICITO AUTORIZAÇÃO DE
VOSSA SENHORIA PARA PASSAR O SERVIÇO”;
e) Se o militar que presidirá a cerimônia se tratar de um Oficial-General, o
Aluno de Dia, que sai de serviço, procederá da seguinte maneira: assim que a
autoridade que presidirá a cerimônia estiver se deslocando para o palanque, o
Aluno de Dia ao CA que sai de serviço comanda “CORPO DE ALUNOS,
SENTIDO! OMBRO-ARMA!”. Na sequência, o Aluno de Dia que entra de
serviço, acompanhado do Aluno de Dia que entra de serviço, executam o meia
volta-volver e 1/8 de volta à direita e à esquerda, respectivamente (ambos
voltados para o centro do palanque) aguardando o posicionamento da
autoridade, neste momento comanda as honras militares previstas “EM
CONTINÊNCIA À AUTORIDADE, APRESENTAR-ARMA!” e a banda
executa o exórdio correspondente e, se houver locução, após as honras
militares comanda o toque de “OMBRO-ARMA”, “DESCANSAR-ARMA” e
“DESCANSAR”, os Alunos de Dia permanecem voltados para o palanque,
aguardando o término da locução, quando comandará “CORPO DE ALUNOS,
SENTIDO! OMBRO-ARMA!” e a viva voz “APRESENTAR-ARMA!” e
desloca-se em passo ordinário até o local previsto onde executa o alto e o 1/8
de volta à esquerda, faz a continência e se apresenta dizendo: “ALUNO (nome
de guerra e Esquadrão), ALUNO DE DIA AO CORPO DE ALUNOS QUE
SAI DE SERVIÇO (desfaz a continência), APRESENTO O CORPO DE
ALUNOS E SOLICITO AUTORIZAÇÃO DE VOSSA EXCELÊNCIA PARA
PASSAR O SERVIÇO”;
f) Após a devida autorização, solicita: “COM LICENÇA”, depois de
autorizado faz “MEIA VOLTA-VOLVER” (quando a cerimônia for presidida
por Oficial-General, o Aluno de Dia acrescenta o comando “OMBRO-
ARMA!”), enquanto o Aluno de Dia, que entra de serviço, também executa o
“MEIA VOLTA-VOLVER”. O Aluno de Dia, que sai de serviço, faz 1/8 de
volta à direita e dirige-se em passo ordinário, até a posição de passagem de
serviço, onde executa o alto e o 1/8 de volta à esquerda;
g) Em seguida, o Aluno de Dia, que sai de serviço, solicita ao corneteiro a
execução do “DESCANSAR-ARMA”. Na execução do toque de
“DESCANSAR-ARMA”, executa o “ESQUERDA-VOLVER”, enquanto o
Aluno de Dia que entra de serviço executa o “DIREITA-VOLVER”. Em ato
contínuo, ambos fazem continência simultaneamente, e o Aluno de Dia que sai
de serviço diz: “PASSO O SERVIÇO DE ALUNO DE DIA AO CORPO DE
ALUNOS AO ALUNO (nome de guerra e Esquadrão)”;
h) O Aluno de Dia que entra de serviço assume o serviço dizendo: “ASSUMO
O SERVIÇO DE ALUNO DE DIA AO CORPO DE ALUNOS”;
i) Logo após, ambos desfazem a continência simultaneamente e o Aluno de
Dia que entra de serviço olha para a tropa e diz: “CORPO DE ALUNOS A
MEU COMANDO” (quando a cerimônia for presidida por Oficial-General, o
Aluno de Dia acrescenta à viva voz o comando “APRESENTAR-ARMA!”;
j) O Aluno de Dia que entra de serviço, prosseguindo, faz 1/8 de volta à
direita, e, em passo ordinário (neste momento o Aluno de Dia que entra de
serviço realizará 1/8 de volta à esquerda), dirige-se para o local determinado,
onde executa o alto e 1/8 de volta à direita, faz a continência e apresenta-se
dizendo: “ALUNO DE DIA AO CORPO DE ALUNOS QUE ENTRA DE
SERVIÇO (desfaz a continência), SOLICITO AUTORIZAÇÃO DE VOSSA
EXCELÊNCIA/SENHORIA PARA PROCEDER À PARADA DIÁRIA”;
k) Após a devida autorização, solicita “COM LICENÇA”, depois de
autorizado faz “MEIA VOLTA-VOLVER”, (quando a cerimônia for presidida
por Oficial-General, o Aluno de Dia acrescenta o comando “OMBRO-
ARMA!”), faz 1/8 de volta à esquerda e dirige-se em passo ordinário, até a
posição inicial, realizando o alto e voltando a frente para o mastro da
bandeira;
l) Concomitantemente com o “MEIA VOLTA-VOLVER”, realizado pelo
Aluno de Dia que entra de serviço, comentado no item acima, o Aluno de Dia
que sai de serviço realiza o 1/8 de volta à esquerda e, logo em seguida, “MEIA
VOLTA-VOLVER”, rompendo marcha junto com o Aluno de Dia que entra de
serviço, realiza cinco passos em frente, faz o alto, rompe marcha e segue sem
cadência para realizar o hasteamento;
m) Durante o hasteamento, o Auxiliar ao Aluno de Dia vai liberando aos
poucos a Bandeira e após soltá-la, faz “MEIA VOLTA-VOLVER”, dá três
passos, “MEIA VOLTA-VOLVER” e continência individual até o final do
hasteamento e do Hino, quando após desfazer a continência, dá três passos,
recebe a adriça do Aluno de Dia e a amarra no mastro. Durante o hasteamento,
deverá informar a velocidade de ascensão do Pavilhão Nacional ao Aluno de
Dia, para que haja sincronismo entre o término do Hino ou marcha e a
chegada ao ápice do mastro;
n) O hasteamento deve ser realizado de forma marcial;
o) Terminado o hasteamento, o Aluno de Dia que entra de serviço comanda
“OMBRO-ARMA!”, “DESCANSAR-ARMA!”, “DESCANSAR!”.
Imediatamente após o comando de “OMBRO-ARMA!”, deverão ser hasteadas
as insígnias de autoridades, por alunos da Equipe de Serviço. Quando houver
apenas uma insígnia, o Aluno que a hastear tomará a posição central, atrás do
mastro;
p) Após o término do hasteamento, quando o auxiliar efetua os passos em
frente para se aproximar do Aluno de Dia que sai de serviço (ao término do
hasteamento e do Hino) ao ser comandado o toque de “OMBRO-ARMA!”, o
auxiliar pega a adriça da mão do Aluno de Dia. Ao ser comandado o toque de
“DESCANSAR-ARMA!”, o Aluno de Dia e o Auxiliar fazem o “DIREITA-
VOLVER!”. Ao ser comandado o “DESCANSAR”, o Auxiliar rompe marcha
e amarra a adriça ao mastro e após se posiciona ao lado esquerdo e alinhado
com o Aluno de Dia que está saindo de serviço;
q) Após o hasteamento do Pavilhão Nacional, o Aluno de Dia ao CA que entra
de serviço dirigir-se-á ao seu local na formatura (posição localizada entre a
banda de música e o Aluno de Dia ao 3° Esquadrão), em passo acelerado,
acompanhado do Corneteiro de Dia;
r) Ao posicionar-se (voltado para o palanque) o Aluno de Dia que entra de
serviço aguarda a amarração das insígnias e em seguida comanda o toque de
“CORPO DE ALUNOS, SENTIDO! DIREITA-VOLVER!” e após se
posicionar para o desfile, comanda o toque de “CORPO DE ALUNOS,
OMBRO-ARMA!” e “ORDINÁRIO, MARCHE!”, dando início ao desfile;
s) Se houver cerimônia de entrega de prêmios, distintivos ou medalhas, ao
posicionar-se (voltado para o palanque) o Aluno de Dia que entra de serviço
aguarda a amarração das insígnias, a locução da cerimônia e em seguida
prossegue conforme item anterior;
t) Ao toque de “DIREITA-VOLVER”, o Aluno de Dia que sai de serviço e seu
Auxiliar efetuam 1/8 de volta à direita e à esquerda, respectivamente; os
alunos que hastearam as insígnias efetuam “MEIA VOLTA-VOLVER”,
respectivamente; e imediatamente após, 1/8 de volta à direita ou à esquerda.
Se houver somente uma insígnia o Aluno realizará apenas meia-volta. Os
Alunos de Dia aos Esquadrões após o “DIREITA-VOLVER” executam
novamente o mesmo movimento, avançam cinco passos e fazem
“ESQUERDA-VOLVER”;
u) Ao toque de “ORDINÁRIO, MARCHE!” os quatro Alunos rompem
marcha e executam três passos, fazendo alto. Se houver somente uma insígnia
o aluno, ao toque de “ORDINÁRIO, MARCHE!” executará três passos,
fazendo alto. O Aluno de Dia que sai de serviço e seu Auxiliar efetuam 1/8 de
volta à direita e à esquerda e, imediatamente após, “DIREITA-VOLVER” e
“ESQUERDA-VOLVER”, respectivamente. Os alunos que hastearam as
insígnias fazem 1/8 de volta à direita e à esquerda, respectivamente, se
necessário;
v) Ao passar a reta do último Esquadrão em forma, o Aluno de Dia que sai de
serviço comanda: “MEIA VOLTA-VOLVER” para os alunos que participaram
do hasteamento do Pavilhão Nacional e das insígnias;
w) Após a passagem dos esquadrões e término da execução da canção pela
Banda de Música, o Aluno de Dia que sai de serviço apresenta a Equipe para a
autoridade que preside a cerimônia e solicita autorização para proceder o
“FORA DE FORMA”;
x) O Auxiliar do Aluno de Dia que entra de serviço permanece, durante a
parada diária, na sala do Aluno de Dia;
y) Os Alunos com dispensa médica devem permanecer em forma, ao lado do
palanque (área coberta por toldo). Após o “FORA DE FORMA” dos Oficiais,
o Aluno mais antigo do grupamento comanda o deslocamento em passo sem
cadência, até o Rancho;
2.3 PARADA DIÁRIA NOS DIAS NÃO ÚTEIS
2.3.1 Será realizada no Pátio da Bandeira de acordo com o quadro horário previsto.
2.3.2 Tomam posição no dispositivo a Equipe de Serviço, bem como os Alunos cumprindo
medidas disciplinadoras e punições.
2.3.3 Haverá retirada de faltas para os Alunos presentes e em seguida o hasteamento do
Pavilhão Nacional.

2.4 HASTEAMENTO DO PAVILHÃO NACIONAL


2.4.1 O Pavilhão Nacional é hasteado na verga baixa do mastro principal.
2.4.2 As Bandeiras devem ser hasteadas em ritmo tal que atinjam o topo do mastro ao término
do Hino Nacional Brasileiro. Poderá acontecer de a bandeira atingir o topo do mastro pouco
antes do final do Hino, porém jamais poderá atingir o topo após o término do mesmo.
2.4.3 Ao romper o Hino (ou marcha batida), o Aluno que realiza o hasteamento estende o
braço direito para cima, pega a adriça e puxa para baixo até distender o braço. A adriça corre
pela mão esquerda que fica à altura do cinto. Quando o braço direito estiver distendido para
baixo, a mão esquerda deve segurar a adriça para o início de novo movimento.
2.4.4 Ao se desfraldar a Bandeira Nacional, e somente quando a mesma não tiver
possibilidade de tocar o solo, o Auxiliar solta-a e faz “MEIA-VOLTA VOLVER”, dá três
passos, “MEIA- VOLTA VOLVER” e continência individual até o final do hasteamento e do
Hino, quando após desfazer a continência, dá três passos, recebe a adriça do Aluno de Dia e a
amarra no mastro e executa os procedimentos conforme a parada diária em dias úteis.
2.5 ARRIAÇÃO DA(S) BANDEIRA(S) (DIAS ÚTEIS E NÃO ÚTEIS)
Será no Pátio da Bandeira com a presença da Equipe de Serviço e dos Alunos cumprindo
medidas disciplinadoras, caso esses últimos não estejam em nenhuma atividade programada.
2.5.1 O Aluno de Dia ao CA ou o Oficial de Permanência ao CA comanda o toque de
“CORPO DE ALUNOS, EM CONTINÊNCIA À BANDEIRA NACIONAL, APRESENTAR-
ARMA!”. Os alunos iniciam a arriação acompanhando o toque de corneta.
2.5.2 Quando a Bandeira estiver aproximadamente a dois metros do solo, inicia-se o
recolhimento da mesma.
2.5.3 Ao término do toque de corneta, os alunos que procederam a arriação prendem a adriça
ao mastro e, em seguida, dobram o Pavilhão Nacional, dirigindo-se para a sala do Aluno de
Dia ao CA.

3 DISPOSIÇÕES FINAIS

3.1 A presente NPA entrará em vigor na data de sua publicação em Boletim Interno da Escola
Preparatória de Cadetes do Ar.
3.2 Fica revogada a NPA nº 11/CA/16, publicada no Boletim Interno nº 105, de 17 de junho
de 2016.
3.3 Os casos não previstos nesta NPA devem ser encaminhados ao Corpo de Alunos para
análise do Exmo. Sr. Comandante da EPCAR.

Elaborada por:

GLEISON ANTÔNIO SOMENSI Ten Cel Av


Comandante do Corpo de Alunos
Conferida por:

HÉLIO TAVARES DE SÁ FILHO Ten Cel Int R/1


Agente de Controle Interno

Aprovada por:

MAURO BELLINTANI Cel Av


Comandante Interino da Escola Preparatória de Cadetes do Ar
ORDEM EM VIGOR Nº 06/2018
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR NPA-CA
CORPO DE ALUNOS
SEÇÃO DE DOUTRINA

Numeração: Assunto:
PROCEDIMENTOS DURANTE O PERÍODO DE
026/CA/18 TREINAMENTO PARA A NAE Divulgação
Emissão: Anexo: NIL. Ostensiva:

Todos os setores
Efetivação: da Escola
Preparatória de
Publicação: Revogação: Cadetes do Ar

Bol. Int. nº ___ de __/__/____ Bol. Int. nº ___ de __/__/____

1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1 FINALIDADE
Estabelecer os procedimentos para treinamento dos alunos escalados como atletas para repre-
sentar a EPCAR na competição Naval-Aeronáutica-Exército (NAE).
1.2 CONCEITUAÇÃO
ATLETA NAE - São os Alunos escalados pela Seção de Educação Física (SEF) para partici-
parem da preparação para a NAE.
1.3 ÂMBITO
A presente Norma Padrão de Ação (NPA) aplica-se a todo o efetivo da EPCAR e a todos os
alunos do CPCAR.

2 DISPOSIÇÕES GERAIS
2.1 ATRIBUIÇÕES DA SEF
2.1.1 A SEF deve confeccionar a lista com os nomes dos Atletas NAE, após o Troféu Tenente
Lima Mendes, contendo o nome de guerra, o número do aluno e a modalidade praticada. A es-
calação dos Atletas NAE deve ser submetida à apreciação do Comando do CA antes de sua di-
vulgação, a fim de que sejam observados eventuais impedimentos.
2.1.2 Na lista citada no item anterior, a SEF deve definir quais Atletas NAE cumprem o trei-
namento diferenciado do almoço e vespertino, a fim de assessorar o Comando do CA no con-
trole do efetivo envolvido.
2.1.3 A SEF deve realizar gestões junto ao GAP-BQ de modo a:
a) reforçar a ingestão de carboidratos, nos lanches matutino e vespertino, haja vista o prolon-
gado tempo que os atletas ficam sem se alimentar para cumprir a rotina proposta;
b) reservar o local para distribuição dos lanches matutino e vespertino, assim como o balcão
térmico no almoço e jantar aos Atletas NAE;
c) providenciar incremento nutricional nas refeições do almoço e jantar, de forma a repor os
gastos calóricos resultantes dos treinamentos diferenciados do horário do almoço e vespertino;
e
d) informar à Subseção de Subsistência do GAP-BQ, com a devida antecedência, a quantidade
de Alunos que almoçam e jantam em horário diferenciado, por ocasião dos treinamentos.
2.2 ATRIBUIÇÃO DO CORPO DE ALUNOS
2.2.1 O Comando do Corpo de Alunos deve definir, anualmente, os horários de treinamento
diferenciado e horários das refeições dos Atletas NAE, em coordenação com a SEF e GAP-
BQ, respectivamente.

2.3 ATRIBUIÇÕES DOS ATLETAS NAE


2.3.1 Os Atletas NAE escalados para o treinamento diferenciado do almoço estão autorizados
a trocar o uniforme do dia pelo abrigo do 9º no início do maior intervalo de aulas do período
matutino (antes de prosseguirem para o lanche matutino). Dessa forma, estarão autorizados a
assistir às demais instruções matutinas com o referido uniforme.
2.3.2 Após o término da última aula do período matutino, o deslocamento para o início do
treinamento diferenciado do almoço ocorre, a partir da frente da SAEPCAR, em grupamentos
por modalidade esportiva.
2.3.3 O deslocamento de regresso da SEF deve ocorrer em grupamentos por modalidade es-
portiva e para a frente da sala do OPCA. Após a apresentação ao OPCA, os Atletas são libera-
dos para o almoço.
2.3.4 Todos Alunos devem estar em sala de aula ao início do primeiro tempo vespertino.
2.3.5 No período vespertino, os Atletas NAE podem assistir às aulas de abrigo do 9º uniforme.
2.3.6 Após o lanche vespertino, os Atletas NAE devem inciar o deslocamento para a SEF, par-
tindo da frente da sala do OPCA em grupamentos por modalidade esportiva.
2.3.7 O deslocamento de regresso da SEF deve ocorrer em grupamentos por modalidade es-
portiva e para a frente da sala do OPCA. Após a apresentação ao OPCA, os Atletas são libera-
dos para o jantar.
2.3.8 Não há pernoite para os Atletas NAE durante o período de preparação para as competi-
ções NAE.
2.3.9 É permitido o uso do abrigo da turma, após o jantar, para os Atletas NAE.
2.3.10 Os Atletas NAE devem cumprir toda a rotina do serviço quando estiverem escalados.
Caso a presença de um ou mais Atletas NAE seja imprescindível para o treinamento, a SEF
deve solicitar ao Comando do Esquadrão a troca de serviço na quinta-feira da semana anterior.

3 DISPOSIÇÕES FINAIS
3.1 A data de ativação do treinamento em horário diferenciado será aquela imediatamente
após a competição Troféu Tenente Lima Mendes.
3.2 Um dia por semana, a ser definido pelo Corpo de Alunos, todos os alunos participam da
Parada Diária do Corpo de Alunos.
3.3 A presente NPA entra em vigor na data de sua publicação em Boletim Interno.
3.4 Fica revogada a NPA nº 26/CA/17, publicada no Boletim Interno nº 165, de 1º de
setembro de 2017.
3.5 Os casos não previstos nesta NPA devem ser encaminhados ao Comando do Corpo de
Alunos para análise do Exmo. Sr. Comandante da EPCAR.

Elaborada por:

GLEISON ANTÔNIO SOMENSI Ten Cel Av


Comandante do Corpo de Alunos

Conferida por:

HÉLIO TAVARES DE SÁ FILHO Ten Cel Int R/1


Agente de Controle Interno

Aprovada:

MAURO BELLINTANI Cel Av


Comandante Interino da Escola Preparatória de Cadetes do Ar
MINISTÉRIO DA DEFESA
COMANDO DA AERONÁUTICA
ESCOLA PREPARATÓRIA DE CADETES DO AR NPA-CA
CORPO DE ALUNOS

Numeração: Assunto:
NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO
010/CA/18 DE RELAÇÕES PÚBLICAS DO CORPO DE Divulgação
ALUNOS Ostensiva:
Emissão: Anexo:
Todos os setores
da Escola
Efetivação: Preparatória de
Cadetes do Ar
Publicação: Revogação:

Bol. Int. nº ___ de __/__/____ Bol. Int. nº ___ de __/__/____

1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1 FINALIDADE
A presente NPA tem por finalidade regular os procedimentos para o Serviço de Relações
Públicas (RP) do Corpo de Alunos (CA) na recepção de visitas particulares à EPCAR.

1.2 CONCEITUAÇÃO
O Serviço de Relações Públicas do CA é composto por Alunos dos três Esquadrões do
CPCAR, e tem por objetivo estabelecer um vínculo com o público externo, por ocasião de
visitas particulares à EPCAR.

1.3 ÂMBITO
A presente NPA aplica-se a todos os setores da EPCAR.

1.4 COMPETÊNCIA
É de competência do Chefe da Seção de Doutrina do Corpo de Alunos a elaboração, a
atualização, a alteração, a distribuição e a divulgação da presente Norma.

2 DISPOSIÇÕES GERAIS
2.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS
2.1.1 A equipe de Relações Públicas atua em todo e qualquer evento interno, rotineiro ou
extraordinário, que necessite ou que envolva a imagem da EPCAR, em especial do Aluno,
como também nos eventos diretamente relacionados com o seu círculo social, fortalecendo os
laços de integração entre os Alunos e o público externo, favorecendo o apoio para os
propósitos e as realizações do Comando da Aeronáutica.
2.1.2 A equipe de RP do CA não presta nenhum tipo de serviço à Sociedade dos Alunos da
Aeronáutica (SAEPCAR), a menos que seja solicitado pelo Comando do CA, tendo em vista
que tal Sociedade possui uma diretoria destinada a este fim.
2.1.3 Deve-se, preferencialmente, manter a proporção de dez visitantes por Aluno RP.
2.1.4 O controle das escalas de serviço, para os três Esquadrões, é feito por meio do Aluno
mais antigo do 3º Esquadrão que concorra à escala de RP, e supervisionado pela Seção de
Doutrina do CA.
2.1.5 Somente a Seção de Comunicação Social da EPCAR e o Comando do CA poderão
solicitar Alunos para qualquer serviço de RP.
2.1.6 Concorrem à escala de RP, no CA, uma equipe de Alunos selecionada, de acordo com a
seguinte proporção, por Esquadrão:
a) 10% do efetivo do 3º Esquadrão;
b) 15% do efetivo do 2º Esquadrão; e
c) 20% do efetivo do 1º Esquadrão.
2.1.7 Em cada esquadrão serão designados 2 (dois) Alunos como "assessores", que serão os
responsáveis por auxiliar o Aluno do 3º ano responsável pelo controle das escalas de serviço.
2.1.8 A Seção de Comunicação Social da EPCAR será responsável pela coordenação e
controle de todas as atribuições da equipe de RP, mantendo contato direto com a Seção de
Doutrina do CA.
2.1.9 A Seção de Comunicação Social da EPCAR, compete informar, ao Aluno mais antigo da
equipe de RP, os eventos programados, com a devida antecedência.
2.1.10 O 3º Esquadrão deixará de concorrer à escala de serviço de RP, conforme data
estabelecida pelo Comando do CA.
2.1.11 O 1º Esquadrão concorrerá a escala, após o Estágio de Adaptação Militar (EAM) e ter
sido realizada a seleção dos Alunos RP, pelos Alunos do 3º Esquadrão, com o crivo da Seção
de Comunicação Social da EPCAR.
2.1.12 A seleção dos Alunos do 1º Esquadrão será feita na primeira semana após a cerimônia
de recebimento de platinas.
2.1.13 A seleção será feita pelos Alunos do 3º ano que concorrem às escala de serviço de RP.
2.1.14 Na primeira semana, após a seleção, os Alunos terão aulas, no horário do pernoite, nas
quais aprenderão e exercitarão todas as atribuições do serviço. Essas aulas serão ministradas
pelos membros Alunos do 3º Esquadrão, auxiliados pelos Alunos do 2º Esquadrão.
2.1.15 Na segunda semana, após a seleção, haverá uma reunião entre os Alunos do 3º ano que
concorrem à escala de serviço de RP, para escolher dois assessores do 1º Esquadrão, que
auxiliarão na confecção das escalas de serviço.
2.1.16 Os cortes na equipe de relações públicas serão feitos pela Seção de Doutrina do CA,
para manter as proporções das turmas, de acordo com os seguintes critérios:
a) não atentar para as normas de segurança;
b) receber fichas de observação negativas referentes ao serviço;
c) dar alteração no serviço, lançada em livro; e
d) incidir em faltas ou atrasos ao serviço.
2.1.17 Os Comandos de Esquadrão deverão repassar Seção de Doutrina do CA todas as fichas
de observação tomadas pelos Alunos de relações públicas, relativas ao serviço.
2.1.18 É de responsabilidade da Seção de Doutrina do CA a manutenção das proporções dos
esquadrões cabendo a ela, portanto, propor uma nova seleção ou corte no efetivo.

2.2 ATRIBUIÇÕES
2.2.1 Cabe ao chefe da Seção de Comunicação Social da EPCAR:
a) Realizar briefing detalhado com os Alunos que compõe a equipe de RP, definido ao início
do ano letivo.
b) Separar material de divulgação (folhetos/folders) do CPCAR e formas de ingresso da
EPCAR e da Força Aérea Brasileira (FAB) conforme disponibilidade da seção para serem
entregues aos visitantes.
c) Encaminhar ao Oficial de Permanência ao Corpo de Alunos (OPCA) e ao Esquadrão de
Segurança e Defesa (ESD) as quantidades e dados dos visitantes em casos de visitas
agendadas pela Seção de Comunicação Social, para o final de semana.
2.2.2 Cabe ao Esquadrão de Segurança e Defesa (ESD):
a) Planejar policiamento e controle de trânsito caso seja necessário, por solicitação da Seção
de Comunicação Social contendo os dados e previsão de visitantes para que o acesso seja
autorizado; e
b) Encaminhar ao Oficial de Dia (OD) a relação de visitantes agendados e autorizados a entrar
na Organização Militar (OM) no final da semana e que serão acompanhados pela RP.
2.2.3 Cabe ao Oficial de Dia entrar em contato com o OPCA para que sejam acionados os
Alunos escalados para o serviço de RP.
2.2.4 Cabe ao Oficial de Permanência ao Corpo de Alunos (OPCA):
a) Ter total conhecimento desta NPA
b) Encaminhar os visitantes para a equipe de Alunos escalados para o Serviço de RP.
c) Orientar no briefing toda Equipe de Serviço de RP, sobre procedimentos e condutas durante
o serviço.
d) Ter ciência do destino de cada membro de Equipe de Serviço de RP, para possível
acionamento.
e) Coordenar a distribuição dos Alunos da Equipe de RP entre os visitantes.
2.2.5 Normas para visitação:
a) As visitas particulares nos finais de semana e feriados poderão ser realizadas no horário
compreendido entre 8 h e 17 h;
b) Será permitido o uso de câmeras fotográficas e celulares para registrar as
fachadas da Escola e prédios anexos, Pátio da Bandeira, Corpo de Alunos,
Ginásio e Aeronaves Históricas; e
c) A EPCAR não disponibilizará alimentação e transportes aos visitantes.
3.23 Normas para a Equipe de Serviço de RP:
a) O horário de ingresso para a visitação à EPCAR é de 8 h às 17 h. Fora desse
horário, o Aluno de serviço está autorizado ausentar-se da OM.
b) Caso estiver ocorrendo alguma visita após as 17 h, o Aluno deverá terminar
a apresentação da Escola normalmente.
c) Os Alunos de Serviço de RP devem estar em frente a sala do OPCA e
apresentar-se ao Oficial de serviço as 7 h 55min, a fim de receberem as
orientações para a visita.
d) Uniforme para o serviço é o 7°A.
e) Todos os Alunos da Equipe de Serviço devem permanecer na área do CA e
manter o OPCA informado de suas localizações.
f) Os Alunos escalados para o Serviço de RP não concorrem a outras escalas
de serviço em finais de semana.
g) A Equipe de Serviço de RP é a mesma para os dois dias durante o final de
semana e, quando em feriados prolongados, será determinado pelo Oficial
Orientador da Sociedade Acadêmica da Escola Preparatória de Cadetes do Ar
(SAEPCAR)
h) Deve ser computada uma escala para cada dia de serviço.
i) Concorrem à escala de RP do CA 12 (doze) Alunos do 2° Esquadrão, sendo
escalados 2 (dois) Alunos para o final de semana e/ou feriados, ou mais
Alunos se for necessário.
j) A seleção dos Alunos do 2° Esquadrão para comporem a escala de RP é de
responsabilidade do Comandante do Esquadrão.
k) Devem ser designados 2 (dois) Alunos como Assessores da Diretoria de
Comunicação Social da SAEPCAR, que são responsáveis pelo controle das
escalas de serviço.
l) A confecção da escala é de responsabilidade dos Diretores da SAEPCAR,
sendo despachada com o Oficial Orientador, semanalmente.
m) Trocas de serviço devem ser feitas diretamente co o Oficial de Orientador
da SAEPCAR, exclusivamente por motivos de dispensa médica, punição ou
ordem superior.
n) A escala de serviço de RP nos feriados é prevista apenas quando houver
serviço de Aluno de Dia ao Corpo de Alunos.
3.24 Roteiro para visitas:
Pátio da Bandeira Breve explicação sobre as formaturas e
paradas diárias.
Corpo de Alunos Breve explicação sobre a rotina militar do
CA.
Biblioteca Visita ao prédio e explicação sobre sua
atualização.
H8 Visita a área externa do prédio
Divisão de Ensino Visita ao prédio e fotos nas aeronaves
Auditório Brigadeiro Eduardo Gomes Visita ao auditório
Ginásio Breve explicação sobre as modalidades
esportivas e competições internas e externas.
Estádio Visita ao estádio se os visitantes possuírem
veículos
Fachada do Prédio do Comando Breve explicação sobre a Fachada Histórica e
fotos

4 DISPOSIÇÕES FINAIS

4.1 A presente NPA tem efetivação a partir da sua data de publicação em Boletim Interno da
EPCAR.
4.2 Fica revogada a NPA nº 10/CA/16, publicada no Boletim Interno nº 113, de 20 de junho
de 2016.
4.3 Os casos não previstos nesta NPA devem ser encaminhados ao Comandante do Corpo de
Alunos para análise e submissão do Exmo. Sr. Comandante da EPCAR.

Elaborada por:

GLEISON ANTONIO SOMENSI Ten Cel Av


Comandante do Corpo de Alunos

Conferida por:

HÉLIO TAVARES DE SÁ FILHO Ten Cel Int R/1


Agente de Controle Interno

Aprovada por:

MAURO BELLINTANI Cel Av


Comandante Interino da Escola Preparatória de Cadetes do Ar
LIMITES DA ÁREA DO CA